Você está na página 1de 33

Artigos em periódicos da FURG sobre Rio Grande e/ou RS – história, geografia, meio ambiente, educação ambiental 1.

AUTOR (ES) TÍTULO REVISTA/ANO RESUMO

Cidade e Região: Administração Pública e órgãos políticos - projetos e práticas

Luiz Henrique Torres Política indigenista e o processo BIBLOS, Vol. 5 (1993) Sem resumo.
histórico brasileiro
Nalde Jaqueline Corrêa Pereira Projetos de colonização na cidade do BIBLOS Vol. 8 (1996) As tentativas para a formação de um núcleo colonial na cidade do Rio
Rio Grande (1880-1895) Grande. Projeto de Ambauer. Os projetos da Câmara Municipal. Os alcances
e limites dos projetos de colonização.
Gisele Thiel Della Cruz A higienização da cidade: Rio BIBLOS, Vol. 13 (2001) No estudo das sociedades, devem ser levados em consideração diversos
Grande no final do século XIX fatores determinantes. Contar a história de Rio Grande alijando desse
processo o estudo da saúde e da doença e a organização urbana a ele
vinculados é desconsiderar aspectos imprescindíveis à compreensão da
sociedade como um todo. Este trabalho pretende fornecer novos subsídios à
reconstrução do passado de Rio Grande, expondo, sucintamente, aspectos
das políticas públicas de saneamento com relação à cidade e à erradicação
das doenças da população.
Luiz Henrique Torres Câmara Municipal do Rio Grande: BIBLOS, Vol. 14 (2002) Análise preliminar das atividades ligadas à administração pública no Rio
nascimento da administração pública Grande do Sul, com ênfase nas atribuições das Câmaras e na instalação da
no Rio Grande do Sul Câmara Municipal do Rio Grande no ano de 1751.

1
Universidade Federal do Rio Grande – FURG: Portal de Periódicos Científicos (Link: http://www.seer.furg.br/. Acessos: 10 e 11 jul. 2010). No relacionado à cidade do
Rio Grande e ao seu contexto regional, sistematizamos, a partir do material empírico encontrado, seis eixos temáticos assim divididos pelo elaborador: 1) Cidade e Região:
Administração Pública e órgãos políticos - projetos e práticas, 2) Rio Grande e/ou RS: Meio ambiente, espaço urbano e educação ambiental, 3) Conflitos/relações
fronteiriços, disputas, povoamento e aspectos demográficos, 4) Visões de cronistas e/ou viajantes sobre o(s) espaço(s), a história e os acontecimentos, 5) Cidade:
escravismo, setores populares e movimentos sociais e 6) Rio Grande e/ou RS: Aspectos econômicos, jurídicos e acadêmicos. E mais especificamente sobre o contexto da
cidade propriamente dito, quatro eixos temáticos emergiram a partir da leitura flutuante do material bibliográfico e/ou historiográfico disponível: 1) Cidade e Região: Infra-
estrutura urbana, comercial e produtiva - Porto, Molhes, Barra e Alfândega, 2) Imprensa, discursos e política partidária, 3) Patrimônio, memória e cultura e 4) Cidade do
Rio Grande: Cronologia e processo histórico. Todos os 137 artigos (selecionados a partir das 480 ocorrências para o verbete Rio Grande) referem-se ao século XIX e à
passagem para o XX, alguns alcançando a primeira metade deste, e encontra-se em posse de Diego Mendes Cipriano (diego_cipriano@yahoo.com.br) elaborador do catálogo
bibliográfico sobre a história local e/ou regional, sob a supervisão/orientação do Prof. Dr. Carlos RS Machado (PPGEA/FURG).
2

Luiz Henrique Torres Reflexões sobre o estado atual do BIBLOS, Vol. 14 (2002) Documento que trata do Rio Grande do Sul da Segunda metade do século
continente do Rio Grande de São XVIII, com ênfase nas necessidades econômicas e de atuação efetiva do
Pedro (1783) judiciário.
Luiz Henrique Torres As pedras encobrem as areias: o BIBLOS, Vol. 20 (2007) As iniciativas para combater o avanço das areias e os alagadiços que
calçamento das ruas da cidade do Rio tomavam conta da área urbana da cidade do Rio Grande no século XIX, por
Grande no século XIX meio de obras de calçamento, são analisadas neste artigo, tendo por fonte
principal os relatórios da Câmara Municipal do Rio Grande no período de
1851-1876.

Rio Grande e/ou RS: Meio ambiente, espaço urbano e educação ambiental.

Beatriz Anselmo Olinto Fragmentos de uma cidade: a cidade BIBLOS, Vol. 8 (1996) Sem resumo.
do Rio Grande frente a alguns
aspectos da modernidade
Nara Marone, Cleusa Peralta, Projetos de educação ambiental na AMBIENTE & O artigo analisa os cinco projetos de Educação Ambiental em andamento em
Wilhelm Walgenbach região de Rio Grande/RS EDUCAÇÃO No 1 (1996) Rio Grande, numa tentativa de apreender os problemas comuns, apontando
de toda a sorte as diferenças conceituais e econômicas. Quando se trata de
educação ambiental, a questão que se apresenta é o reconhecimento de uma
tensão entre os pólos: proteção da natureza, auto-organização política e a
"Big Science and Technology" Ecológica. Finaliza-se apresentando com a
proposta concreta da necessidade da prática da interdisciplinaridade e do
diálogo entre os projetos que são, ao mesmo tempo, complementares.
Paulo Roberto Rodrigues Uma abordagem histórica do espaço BIBLOS, Vol. 8 (1996) Sem resumo.
Soares urbano e uma abordagem geográfica
da cidade na história
Marcus Vinícius Alves Finco, Análise da atividade pesqueira no AMBIENTE & A pesca é uma das atividades mais antigas do estado do Rio Grande do Sul,
Patrízia Raggi Abdallah município de Rio Grande e sua EDUCAÇÃO vols. 5/6, sendo considerada de grande importância para esta sociedade. Nesse
inserção no modelo de educação (2000/2001) contexto, destaca-se o município de Rio Grande como maior produtor de
ambiental pescado do Estado. Este trabalho consiste em uma análise da atividade
pesqueira no município de Rio Grande, no período de 1970 a 1998, a partir
de um estudo da produção e do desempenho do segmento industrial
pesqueiro, valor da produção e geração de emprego na pesca, visando uma
análise minuciosa da relação existente entre o recurso natural e o ser
humano. A metodologia utilizada foi a da coleta, elaboração e análise dos
dados referentes à atividade pesqueira durante o período compreendido, bem
3

como uma dos coeficientes de elasticidade-preço da oferta e demanda de


pescado em Rio Grande. O estudo apresenta uma queda da produção
pesqueira em Rio Grande, bem como no estado do Rio Grande do Sul,
levando à redução do parque industrial pesqueiro gaúcho e indicando a
presença da sobrepesca como principal fator de redução do estoque
pesqueiro. Os coeficientes elasticidade-preço da demanda (-0,157) e da
oferta (0,177) indicam a realidade do município, ou seja, embora haja uma
enorme na produção de pescado, variações nos preços não provocam
mudanças significativas nas quantidades produzidas nem consumidas desses
produtos. O trabalho encerra-se com algumas observações quanto à
racionalização da captura do pescado e sobre como a Educação Ambiental
poderia influenciar a exploração racional do recurso natural.
Dione Kitzmann, Milton L. Avaliação da percepção ambiental: AMBIENTE & Este trabalho tem por objetivo principal discutir a avaliação da percepção
Asmus estudo de caso com trabalhadores EDUCAÇÃO vols. 5/6, ambiental, considerada não somente como um processo de recebe/extrair
portuários (2000/2001) informações acerca do ambiente, mas parte importante da cognição e
aquisição do conhecimento, relacionada, assim, com aprendizagem e o
pensamento. Sua avaliação, para a qual é recomendada uma abordagem que
englobe tanto questões quantitativas como qualitativas, é uma importante
ferramenta para ações educativas posteriores. A análise estatística de um
formulário de entrevista, por exemplo, deve considerar também as
observações espontâneas feitas pelos entrevistados. A avaliação
desenvolvida junto aos trabalhadores portuários avulsos – (TPAs) do porto
do Rio Grande consistiu em uma análise estatística das respostas a um
formulário de entrevistas composto de questões sobre as dimensões
Pensamento Sistêmico, Cidadania, Operação e Segurança e Saúde, a plicado
a 179 TPAs das atividades de Capatazia, Conserto, Conferencia e Estiva
(13,5% da população). Foi determinada a influencia das variáveis atividades,
escolaridade, idade, tempo de serviço, sobre a percepção ambiental destes
trabalhadores. De acordo com a pontuação obtida no formulário, a percepção
ambiental foi classificada em diferentes níveis de percepção (baixa, média
baixa, média, média alta e alta). A analise qualitativa foi realizada através
das respostas espontâneas dadas aos entrevistados em cada questão
formulada. Este procedimento mostrou-se muito importante tanto no teste de
instrumento de pesquisa, quanto na avaliação e discussão dos resultados
quantitativos. Análises de percepção ambiental de populações adultas devem
procurar abordar aspectos que envolvam tanto as suas atividades laborais
4

quanto sua vida privada. A partir disto, poderão ser detectadas lacunas que
possam existir em suas concepções em termos de, por exemplo, dificuldades
em entender inter-relações, separação entre questões ambientais e
operacionais e entre o meio ambiente de trabalho e o da vida privada. É
importante distinguir quais as variáveis que condicionam as concepções de
ambiente no mundo do trabalho, a fim de subsidiar futuras ações educativas.
Isto ficou evidenciado para os TPAs de Rio Grande, ao verificar que temas
mais complexos e abstratos (relacionados às dimensões Pensamento
Sistêmico e Cidadania) estão condicionados pela escolaridade e relacionados
com o modo de pensamento categorial. Os temas diretamente relacionados
com a rotina operacional (nas dimensões Segurança e Saúde e Operação) são
condicionados pela experiência em situações reais de trabalho e estão
relacionados com o modo de pensamento gráfico funcional. A avaliação
quali-quantitativa da percepção ambiental é uma importante ferramenta
preparatória para as atividades educativas, especialmente quando não
existem informações sobre o público-alvo.
Elisângela de Felippe A construção de um espaço-moradia BIBLOS, Vol. 14 (2002) Neste artigo enfocamos a produção social Parque Marinha, localizado na
Rodrigues popular na cidade do Rio Grande: o cidade do Rio Grande, sul do estado gaúcho. Na análise da construção deste
bairro Parque Marinha espaço-moradia popular, procuramos articular os condicionamentos
econômicos locais e a política habitacional levada a cabo pelo Estado. Por
outro lado, procuramos apreender a emergência da Associação dos
Moradores deste bairro, a sua relação com a comunidade e a sua postura
diante da ação de novos agentes sociais populares responsáveis pela
transformação deste espaço-moradia.
Giani Mariza Bärwald Böhm, Estudo das concepções dos alunos AMBIENTE & O presente artigo relata alguns resultados de um estudo piloto desenvolvido
Arion de Castro Kurtz Santos sobre a energia elétrica e suas EDUCAÇÃO Vol. 7, No 1 a partir do levantamento das concepções de alunos formandos de cursos
implicações ao meio ambiente (2002) técnicos do Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas
(CEFET/RS) sobre energia elétrica e suas implicações ao meio ambiente.
Inicialmente buscamos subsídios científicos em algumas literaturas sobre o
tema, após elaboramos um referencial de pesquisa com a utilização de redes
sistêmicas que serviram para orientar o trabalho e em especial para elaborar
o instrumento de pesquisa. A partir dos posicionamentos do grupo em
relação às questões propostas, foi delineada uma metodologia para a
categorização das respostas com o auxílio de redes sistêmicas; além desta
análise geral, apresentamos outra mais detalhada com a utilização de
gráficos e redes parciais sobre cada tópico abordado pelos alunos. Com este
5

estudo foi possível classificar as diversas concepções do grupo. Verificamos


a existência dos diferentes níveis de percepção, o que ratifica a importância
de um aprofundamento nesse tema objetivando ampliar o envolvimento
junto à sociedade, tendo em vista a elaboração de um processo formador em
Educação Ambiental sobre o ensino-aprendizagem de habilidades,
conhecimentos e atitudes condizentes com o exercício pleno da cidadania e
da profissão escolhida.
Daniel Porciúncula Prado Facetas da práxis ambiental na BIBLOS, Vol. 14 (2002) O artigo que segue tem por objetivo central expor situações sobre a questão
antigüidade ambiental na Antigüidade, enfocando principalmente a preocupação dos
antigos com relação ao elemento água, preocupação esta determinada por
uma série de obras de caráter hidráulico que marcaram a construção de
cidades na Europa, Ásia e norte da África.
Guerra, A.; Taglieber, J.; Um olhar sobre EA e suas práticas na AMBIENTE & A REASul foi criada em julho de 2002, pelo projeto Tecendo Redes de
Freitas, J.; Oliveira, K.; região Sul – a contribuição da EDUCAÇÃO Vol. 9, No 1 Educação Ambiental na Região Sul (Convênio com o Fundo Nacional do
Rodrigues, A.; Moya Neto, J.; REASul. (2004) Meio Ambiente – FNMA). A Comissão de Gestão Participativa (CGP) é
Lima, A.; Peres, R.; Pinho, G.; formada por representantes da UNIVALI, FURG, CEPSUL, IBAMA-SC e
Giovelli, A.; Santos, T. MATER NATURA – Instituto de Estudos Ambientais. O principal objetivo
da REASul é debater e traçar rumos para difundir e fortalecer a Educação
Ambiental (EA) no Brasil e, particularmente, na região Sul, contribuindo
para diagnosticar, socializar e dar visibilidade a projetos e ações na área,
fornecendo subsídios para os processos de formação de educadores e
gestores ambientais e para as políticas públicas. No I Encontro da Rede Sul
Brasileira de Educação Ambiental (I EREASul), a CGP está apresentando os
resultados parciais dos dados da EA na Região Sul, inseridos e validados no
Sistema Brasileiro de Informação sobre Educação Ambiental (SIBEA), e
discutindo com os participantes sua nova estrutura organizacional, formada
pelos facilitadores, pessoas e instituições que atuam difundindo a cultura de
redes e as diretrizes e princípios da Educação Ambiental (EA). Este artigo
apresenta os dados preliminares do diagnóstico da EA e sua práticas na
Região Sul inseridos e validados no SIBEA.
Claudia Mariza Mattos Brandão Com Rio Grande na retina: as marcas AMBIENTE & O agravamento do conflito silencioso entre cultura e natureza, de ordem
da educação ambiental na paisagem EDUCAÇÃO Vol. 10, No 1 ética e moral, que está conduzindo o planeta à destruição, identifica a
urbana (2005) Contemporaneidade como um período de crise e transição paradigmática.
Fruto do ideal ético da comunidade, a cidade é o espelho histórico da
desagregação crescente nas relações sociais e ambientais do homem
ocidental. A pesquisa realizada tem, nesse sentido, o objetivo de aprofundar
6

as reflexões sobre as questões referentes às relações do homem urbano com


o meio e, para tal, utiliza a imagem fotográfica como instrumento de
transição, análise e interpretação do espaço urbano rio-grandino, explorando
sua inerente condição documental. Ela se caracteriza por seu caráter dual –
bibliográfico e interventivo -, articulando dois campos do conhecimento:
Arte e Ecologia.
Aléssio Almada da Costa, Paulo Contribuições para a sustentabilidade AMBIENTE & A atividade de pesca artesanal no município de Rio Grande vem
Roberto Armanini Tagliani da pesca artesanal no estuário da EDUCAÇÃO Vol. 10, No 1 apresentando declínio nas capturas e, como conseqüência, asseveram-se os
Lagoa dos Patos: a opinião dos (2005) riscos sociais, econômicos e ambientais para os pescadores e suas famílias.
pescadores Dessa forma, questiona-se a sustentabilidade do setor como um todo e
aponta-se como medidas de reorganização da atividade, a ampliação do
conhecimento quanto às opiniões dos pescadores, além de uma maior
participação dos membros em processos de tomada de decisão.
Claudia Mariza Mattos Identidades: relato de uma Revista Didática Sistêmica, Numa parceria com a Secretaria Municipal de Educação e Cultura de São
Brandão, Daniel Teixeira experiência em arte-educação Vol. 1 (2005) José do Norte, a proposta buscou acima de tudo incentivar a discussão sobre
Correa ambiental. as questões identitárias e as relações de alteridade na contemporaneidade,
entre os acadêmicos do curso de Artes Visuais – Licenciatura, FURG, os
alunos da rede municipal de ensino do vizinho município e a comunidade em
geral. Mais que tudo, se buscou vincular significativamente a produção
artística acadêmica com a discussão acerca da necessidade de preservação do
patrimônio histórico da cidade de São José do Norte, como marco da
identidade coletiva e individual de seus cidadãos, fortalecendo o
desenvolvimento do sentido de pertencimento e valorização do espaço
urbano. Viabilizando o desenvolvimento de ações vinculadas ao fazer
artístico e à reflexão crítica, o grupo desenvolveu atividades
interdisciplinares, que possibilitaram o cultivo da auto-estima, da cooperação
e da responsabilidade sócio-ambiental.
Lauro Calliari, Davide Franco, Indícios da ocorrência de um tsunami VETOR O relato de um misterioso “vagalhão” ocorrido na praia do Cassino permitiu
João Carlos Silva Strauch metereológico na praia do Cassino, Vol. 15, No 2 (2005) conjecturar que o fenômeno ocorrido possa ter sido um tsunami
RS meteorológico – ondas com características similares às de tsunamis comuns
(i. e., induzidos por atividade sísmica no oceano), mas que têm origem em
efeitos meteorológicos. Mesmo sem dados medidos, foi possível especular
que a onda possa ter sido originada por variações de pressão atmosférica
associadas à passagem de uma linha de instabilidade sobre a costa. O
mecanismo de ressonância necessário para amplificar a onda formada no
mar em resposta a essa forçante é atribuído ao fato de a praia do Cassino ter
7

“modos de vibração” de suas águas na forma de ondas de borda (edge


waves) com características (período e velocidade) similares às da forçante
atmosférica. São sugeridos estudos complementares para testar e aperfeiçoar
as hipóteses apresentadas.
Elaine da Silva Neves, Valéria A problemática socioambiental de AMBIENTE & A partir da análise de uma problemática ambiental, percebida nos recursos
Lerch Lunardi uma comunidade, discutida a partir EDUCAÇÃO Vol. 10, No 1 hídricos do Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça (CAVG) e, numa
de encontros democráticos (2005) abordagem sistêmica, visualizou-se as origens deste impacto no Bairro
Getúlio Vargas (BGV). Optou-se por ampliar o conhecimento desta
comunidade a respeito das questões ambientais vivenciadas, esclarecendo
seus direitos e deveres, assim como a força de um coletivo para a geração de
mudanças, tendo em vista a criação de um Núcleo em Educação Ambiental,
dentre outras estratégias de enfrentamento. Compreendendo a Educação
Ambiental como possível agente transformador de uma realidade como uma
educação política, como resgate da cidadania, as tentativas de aproximação e
inserção na comunidade se deram com várias entidades representativas do
BGV, participando de diferentes atividades, conhecendo sua realidade e seus
principais problemas, destacando-se a fome como o mais relevante.
Mediante a constituição de um grupo denominado de Encontros
Democráticos, realizado com um grupo de mães da comunidade, inspirado,
fundamentalmente na proposta do Círculo de Cultura de Paulo Freire.
Capitoli, R.; Colling, L.; Cenários de distribuição do mexilhão ATLÂNTICA Foi analisada a distribuição de Limnoperna fortunei (Dunker 1857) na
Bemvenuti, C. dourado Limnoperna fortunei Vol. 30, No 1 (2008) porção sul da Lagoa dos Patos e na Lagoa Mirim entre 2001 e 2006, e
(Mollusca – Bivalvia) sob distintas descritos os cenários de distribuição da espécie em relação aos regimes de
condições de salinidade No salinidade. O predomínio de baixas salinidades na região estuarina da Lagoa
complexo lagunar Patos-Mirim, RS – dos Patos entre 2001 e 2003 resultou em colonizações maciças de L. fortunei
Brasil. no setor norte da região estuarina, e ocorrências isoladas de exemplares no
setor sul, próximo da desembocadura da laguna. Em contraste, entre 2004 e
2006, ocorreu um aumento de salinidade, coincidindo com severos períodos
de seca no RS. Este aumento de salinidade provocou a mortalidade das
populações na região estuarina abaixo dos 31º 20´ e no setor norte do canal
São Gonçalo, que liga a Lagoa dos Patos à Lagoa Mirim. Os registros de
baixa salinidade ocorreram durante um período de formação do fenômeno
“El Niño”, enquanto que o de alta salinidade, em 2004, foi ocasionado pela
menor intensidade de chuvas trazendo como conseqüência baixos níveis da
coluna d’água no sul da laguna, fato relacionado ao fenômeno “La Niña”. A
identificação dos cenários que regulam a distribuição e persistência de
8

espécies oportunistas como L. fortunei na Lagoa dos Patos, e as condições


ambientais a eles associados, fornecem subsídios para futuros
acompanhamentos da distribuição desta espécie, auxiliando em ações de
prevenção de seus efeitos nocivos à região estuarino/lagunar.
Anabel de Lima, Sírio Lopez Do universo das redes às redes de AMBIENTE & As redes são abarcadas pelas mais diversas fontes do saber, sendo que para
Velasco educação ambiental, potencialidades EDUCAÇÃO Vol. 14, No 1 cada uma delas há uma compreensão diferente para o termo. As redes
e limitações da rede sul brasileira de (2009) sociais, nas quais as redes de educação ambiental tomam como base, são
educação ambiental, REASUL orientadas em torno de um desejo coletivo de mudança e impulsionadas pela
objetivação de um propósito comum. E através deste recorte, a intenção foi
explicitar o que se pesquisou, abordando o processo de implantação e
atuação da Rede Sul Brasileira de Educação Ambiental - REASul, no
período de 2002 a 2005. Destacando suas potencialidades e limitações,
apresentando subsídios que pudessem auxiliar no seu caminhar.

Conflitos/relações fronteiriços, disputas, povoamento e aspectos demográficos.

Susana Blei de Sousa Integração e desintegração regional BIBLOS, Vol. 5 (1993) Sem resumo.
no Prata: a história revisada
Arno Alvarez Kern O Povoamento do Rio da Prata BIBLOS, Vol. 5 (1993) Sem resumo.
Oriental: antecedentes indígenas
Susana Salum Rangel, Comportamento demográfico da BIBLOS, Vol. 9 (1997) O estudo sobre alterações demográficas no município do Rio Grande,
Eurípedes Falcão Vieira população Rio-Grandina - período período 1940-1991, objetivou a identificação das causas determinantes de
1940-1991 mudanças comportamentais da população, expressas nos indicadores
censitários. Foram analisados, particularmente, o processo de povoamento,
os fluxos migratórios, o estabelecimento de um corpo populacional
eminentemente urbano, o processo de industrialização, a evolução cultural e
a condição do ambiente natural. O estudo revelou mudanças substanciais na
distribuição espacial da população e no ritmo da reprodução, e confirmou a
acentuada tendência à concentração urbana zonal.
Luiz Henrique Torres João de Magalhães e a ocupação do BIBLOS, Vol. 15 (2003) Levantamento de documentação e de fontes historiográficas referentes aos
Canal do Norte primórdios do povoamento luso-brasileiro na planície costeira/restinga de
São José do Norte a partir da Frota de João de Magalhães (1725) e a
ocupação da Barra do Rio Grande de São Pedro.
Luiz Henrique Torres A colonização açoriana no Rio BIBLOS Vol. 16 Fundamentação básica da emigração açoriana para o Rio Grande do Sul,
Grande do Sul (1752-63) (2004) destacando as motivações, a normatização para os emigrados, a viagem
9

marítima e o povoamento açoriano da Vila do Rio Grande de São Pedro no


período de 1752-63.
Luiz Henrique Torres Os muros da cidade antiga: as BIBLOS, Vol. 19 (2006) Após a invasão espanhola da Vila do Rio Grande, no século XVIII, a
trincheiras população passou a incorporar o medo como componente definidor do
cotidiano. As crises políticas com países platinos repuseram no século XIX o
temor sofre a fragilidade da defesa da localidade. As trincheiras, os muros da
cidade antiga, passam a proteger e também limitar os horizontes dos
moradores.
Israel, C As relações de fronteira no início do BIBLOS A vila do Rio Grande de São Pedro foi palco de intensas disputas entre
século XVIII a partir de um estudo Vol. 20 (2007) Portugal e Espanha desde sua fundação pelos portugueses em 1737. Essas
demográfico de Rio Grande disputas tiveram seu momento culminante na invasão espanhola a Rio
Grande em 1763 e que se prolongou numa ocupação que durou até 1777.
Esse conflito mostra-nos uma idéia de fronteira de litígio constante entre
portugueses e espanhóis. Ora, a historiografia regional brasileira, ao estudar
a formação do Rio Grande do Sul, excluiu por muito tempo a presença
espanhola na formação da Capitania. Neste trabalho pretendemos mostrar a
importância da presença espanhola na formação da capitania, mas
principalmente a sua presença na vila do Rio Grande de São Pedro, inclusive
antes mesmo da ocupação. Para isso nos utilizamos de levantamento
demográfico da região e de bibliografia especializada no assunto.
Luiz Henrique Torres O poente e o nascente do projeto BIBLOS, Vol. 22, No 2 Síntese dos acontecimentos envolvendo a ocupação da vila do Rio Grande
luso-brasileiro (1763-1777) (2008) pelos espanhóis em 1763 e a retomada luso-brasileira em 1776, demarcando
alguns momentos e personagens essenciais para a compreensão desse
período.
Torres, L Rio Grande, 1918: a mortalidade BIBLOS, Vol. 23, No 1 No ano de 1918, a cidade do Rio Grande enfrentava períodos de expectativa
supera a natalidade. (2009) e de turbulência em seu desenvolvimento. A retração do mercado mundial
promovendo desemprego nas indústrias locais, a inauguração do frigorífico
Swift, no mês de setembro, que gerou mais de mil empregos, e a epidemia
de gripe espanhola, em outubro, que provocou a ruptura do cotidiano local,
são fatores que são analisados neste artigo que procura uma interpretação
para o fenômeno da mortalidade superando a natalidade em Rio Grande em
1918.

Visões de cronistas e/ou viajantes sobre o(s) espaço(s), a história e os acontecimentos


10

Francisco das Neves Alves Pacificação, pacificações (1845 e BIBLOS, Vol. 8 (1996) Este trabalho tem por objetivo destacar o processo de pacificação das
1895) revoluções Farroupilha e Federalista, movimentos que demarcaram o Rio
Grande do Sul como fator de instabilidade no Estado Nacional Brasileiro e
cujos desfechos apresentaram diferenças significativas entre si. Também
objetiva apresentar um "paralelo historiográfico" entre os dois conflitos rio-
grandenses, tomando por base os escritos de Carlos Dante de Moraes.
Francisco das Neves Alves A formação da República no Rio BIBLOS, Vol. 10 (1998) A gênese da forma de governo republicana no Rio Grande do Sul foi
Grande do Sul na versão de um caracterizada pelos confrontos políticos, ideológicos e militares entre as
federalista forças castilhistas e anticastilhistas, traduzidos na Revolução Federalista,
gerando-se, a partir desta, uma série de interpretações diferentes e
divergentes quanto aos acontecimentos que marcaram esse período. Em
geral vinculados a um dos lados do conflito, durante grande parte da
República Velha, os autores produziram uma história marcada pelos
partidarismos e pela paixão política. O presente trabalho intenta estabelecer
um estudo de caso sobre uma dessas interpretações, analisando a visão de
um federalista a respeito da formação da República no contexto sul-rio-
grandense, expressa na obra de Wenceslau Escobar, elemento com
participação efetiva nos eventos que marcaram o processo de fermentação,
eclosão, desenvolvimento e seqüelas da Guerra Civil de 1893.
Luiz Henrique Torres Carlos Teschauer e a historiografia BIBLOS, Vol. 10 (1998) É realizada uma análise da produção historiográfica de Carlos Teschauer
rio-grandense entre 1911 e 1929, buscando desvelar os enfoques do autor referentes ao
lugar das Missões Jesuítico-Guaranis na formação histórica luso-brasileira e
platina no Rio Grande do Sul.
Luiz Henrique Torres A brasilidade do gaúcho em João BIBLOS, Vol. 11 (1999) Análise da fundamentação historiográfica de orientação luso-brasileira na
Borges fortes obra de João Borges Fortes.
Luiz Henrique Torres, Nalde Fundamentos político- BIBLOS, Vol. 11 (1999) Análise dos fundamentos político-historiográficos da argumentação
Jaqueline Corrêa Pereira historiográficos em Alcides Lima desenvolvida por Alcides Lima.
Francisco das Neves Alves O Rio Grande do Sul à época da BIBLOS, Vol. 11 (1999) Diversos dos viajantes que passaram pelo Rio Grande do Sul deixaram o
Guerra do Paraguai na visão de um testemunho escrito de suas vivências em terras gaúchas. Na sua maioria,
nobre europeu estas impressões de viagem constituem-se em significativo manancial de
informações a respeito dos elementos constitutivos que marcaram a
formação histórica sul-rio-grandense, caso da obra Viagem Militar ao Rio
Grande do Sul, do Conde D'Eu. De sua passagem pela Província, este
europeu elaborou um "diário de viagem", preocupando-se, prioritariamente,
com registros de natureza militar, aparecendo também, ao longo de sua
11

narração, uma série de descrições sobre a sociedade rio-grandense de então.


A visão deste nobre francês acerca do Rio Grande do Sul em 1865 consiste
no objeto de estudo deste trabalho.
Edgar Avila Gandra, Marcos A viagem de Duarte Pacheco Pereira BIBLOS, Vol. 12 (2000) Sem resumo.
Borges da Silveira
Luiz Henrique Torres Sobre eurocentrismo e historiografia BIBLOS, Vol. 12 (2000) O artigo realiza uma caracterização das representações historiográficas de
cunho eurocêntrico presentes na obra de Luis Gonzaga Jaeger nas décadas
de 1930-50, contextualizando a tendência historiográfica jesuítico-
missioneira na historiografia do Rio Grande do Sul.
Luiz Henrique Torres A batalha de São José do Norte BIBLOS, Vol. 13 (2001) Este artigo destaca alguns acontecimentos ligados à participação de Rio
Grande e de São José do Norte nas versões de Giuseppe Garibaldi e Bento
Gonçalves da Silva.
Francisco das Neves Alves Os dragões no Rio Grande do Sul na BIBLOS, Vol. 14 (2002) Deoclécio de Paranhos Antunes, militar com pendores de historiador, que
visão de um historiador militar atuou nas décadas de 1930 a 1950, dedicou uma de suas obras ao estudo da
ação dos dragões no Rio Grande do Sul. Nesse livro, o autor reproduz várias
das premissas que o discurso historiográfico tradicional construiu acerca dos
dragões, constituindo-se em mais uma das versões que contribui para a
cristalização da imagem e do símbolo de um "mítico” dragão gaúcho.
Francisco das Neves Alves A Guerra do Paraguai na visão de um BIBLOS, Vol. 15 (2003) Da Guerra da Tríplice Aliança adviria uma série de interpretações históricas,
historiador gaúcho muitas delas discrepantes e, por vezes, divergentes entre si. Uma das mais
comuns construções historiográficas acerca da Guerra do Paraguai foi aquela
vinculada a uma visão oficialista, cujo principal intento era a utilização da
descrição histórica como um modelo moral a servir de exemplo às gerações
vindouras, destacando feitos e indivíduos envolvidos no conflito. Inserindo-
se nesta conjuntura esteve o escritor gaúcho Walter Spalding, que, em um de
seus trabalhos, contribuiria com a edificação deste tipo de edificação
histórico-historiográfica, constituindo-se o mesmo no objeto de estudo deste
artigo.
Francisco das Neves Alves Alfredo Ferreira Rodrigues e uma BIBLOS Vol. 16 Representando o típico "homem das letras" de seu tempo, o historiador rio-
notícia histórica e descritiva do Rio (2004) grandino Alfredo Ferreira Rodrigues constitui-se em nome emblemático da
Grande do Sul produção cultural rio-grandense, dedicando-se à carreira de historiador,
colecionou dados e documentos fundamentais à reconstrução histórica
riograndense-do-sul. Seja por meio de livros, ensaios, artigos de jornais ou
no famoso Almanaque Literário e Estatístico do Rio Grande do Sul,
periódico por ele coordenado, Ferreira Rodrigues legou um significativo
12

manancial de informações/interpretações históricas. Recebendo a influência


do contexto histórico-historiográfico no qual esteve inserido, Alfredo
Ferreira Rodrigues, por sua vez, elaboraria uma série de premissas que
influenciaram vários dos discursos historiográficos entabulados no cenário
sul-rio-grandense. O objetivo deste trabalho é analisar algumas destas redes
de influências presentes no trabalho Notícia
histórica e descritiva do Estado do Rio Grande do Sul.
Luiz Henrique Torres Michael Mulhall e a cidade do Rio BIBLOS, Vol. 17 (2005) Este artigo consiste em uma transcrição comentada do relato deixado pelo
Grande em 1871. irlandês Michael Mulhall quando de sua passagem por Rio Grande no ano de
1871. Considerações sobre as mudanças urbanas que a cidade passava; a
dinâmica portuária e a dimensão econômica da cidade; a descrição da
Laguna dos Patos, Ilha dos Marinheiros, São José do Norte, Arraial, Povo
Novo, Capão Seco e do canal São Gonçalo, tornam esse relato muito
pitoresco e com uma dimensão de ineditismo bibliográfico em certas
informações prestadas.
Luiz Henrique Torres Fundamentos histográficos em BIBLOS, Vol. 18 (2006) Contextualização dos fundamentos da historiografia republicana no Rio
Cenzibra Jacques Grande do Sul enfatizando a produção historiográfica de João Cezimbra
Jacques e sua defesa da noção de federação e de regionalismo.
Luiz Henrique Torres A porta lacrada para sempre, ou: BIBLOS, Vol. 22, No 1 O artigo analisa a conjuntura histórica em que ocorreu o assassinato do
quem matou o padre Bernardo (2008) Padre Bernardo Viegas no ano de 1833, utilizando como hipótese a
Viegas? interpretação desse fato histórico como um crime político.
Francisco das Neves Alves Alfredo Ferreira Rodrigues: esboço BIBLOS, Vol. 22, No 2 O historiador rio-grandino Alfredo Ferreira Rodrigues constituiu muito a
biográfico e uma breve incursão à (2008) contento o que se poderia considerar um “homem de letras” de seu tempo.
sua forma de “fazer história” Intelectual de monta, teve de enfrentar vários problemas pessoais e
familiares que obstaculizaram sua caminhada como historiador. Ainda
assim, Rodrigues empreendeu copiosa obra e foi um dos precursores na
edificação historiográfica sobre o Rio Grande do Sul, com ênfase à
Revolução Farroupilha. Este trabalho busca apresentar alguns aspectos da
biografia do autor e de sua visão quanto às formas de “fazer história”.

Cidade: escravismo, setores populares e movimentos sociais.

Eni Barbosa A Arquivologia através da BIBLOS, Vol. 3 (1990) O trabalho é uma contribuição ao estudo da escravidão no Rio Grande do
preservação documental e sua Sul no Período Imperial. Mediante fontes primárias, a autora pretende
contribuição sobre a Escravidão demonstrar os processos das autoridades do Império, aos escravos,
13

Negra no Rio Grande do Sul. classificando seus crimes e as diversas localidades sul-rio-grandense do
juízo.
Luis Fernando Oliveira Castro História da integração e formação do BIBLOS, Vol. 15 (2003) O presente artigo tem por objetivo demonstrar de forma introdutória a
movimento da fraternidade cristã de origem e os pressupostos da Fraternidade Cristã de Doentes e Deficientes na
doentes e deficientes – fcd cidade do Rio Grande, movimento social responsável pela organização e
conquistas sociais por parte dos portadores de deficiência.
Tatiana Carrilho Pastorini Castigos em escravos na cidade do BIBLOS, Vol. 17 (2005) O presente trabalho aborda a sistemática prática de castigos físicos aplicados
Rio Grande aos escravos negros da cidade do Rio Grande, e efetivados com a
participação da Cadeia Civil desta localidade, NO período compreendido
entre 1868 e 1878.
Torres, L. A cidade do Rio Grande: escravidão BIBLOS O artigo desenvolve os fundamentos preliminares para a compreensão do
e presença negra Vol. 22, No 1 (2008) processo escravista na cidade do Rio Grande nos séculos 18 e 19.

Rio Grande e/ou RS: Aspectos econômicos, jurídicos e acadêmicos.

Hugo Alberto Pereira Neves A criação de ovinos e o comércio de BIBLOS, Vol. 4 (1992) Rápida análise sobre a implantação e o desenvolvimento da criação de
lã no Rio Grande do Sul (1851- ovinos e o comércio de lã no RS, na época imperial.
1889).
Luiz Henrique Torres Simpósio nacional de estudos BIBLOS, Vol. 5 (1993) Arrolamento e sistematização quantitativa da produção intelectual dos Anais
missioneiros: apontamentos do Simpósio Nacional de Estudos Missioneiros (1975-1989) com ênfase na
temáticos para análise historiográfica discussão da representatividade temática e na contribuição historiográfica.
Vera Isabel Caberlon Universidade do Rio Grande: das BIBLOS, Vol. 6 (1994) O presente trabalho busca situar o surgimento da Universidade do Rio
origens à criação Grande no processo de expansão e interiorização do ensino superior
brasileiro, na tentativa de construir um painel histórico-referencial dos
aspectos contextuais que ocorreram para a criação da instituição
universitária no município do Rio Grande.
Luiz Henrique Torres O Rio Grande do Sul e a identidade BIBLOS, Vol. 7 (1995) Análise do discurso historiográfico vinculado nos Congressos de História e
nacional: os congressos de história e Geografia Sul-Rio-Grandense, destacando o debate luso-brasileirismo e
geografia (1935-40) platinismo frente ao processo político centralizador do período pós-1930.
Fabiane Martino Condições acadêmicas e produção de BIBLOS, Vol. 8 (1996) A trajetória de vinte e cinco anos da Fundação Universidade do Rio Grande
pesquisa na FURG permite abordar um tema presente no campo do ensino superior: a produção
do conhecimento. O artigo, buscando discutir esse tema, basicamente no que
diz respeito ao desenvolvimento da pesquisa, apresenta algumas análises de
possíveis condições/fatores que interferem, no âmbito da instituição
mencionada.
14

Jorge Luiz Susini Normas de Direito Internacional Ciências Jurídicas, Vol. 11 Sem resumo.
Público, princípios filosóficos e (2005)
socio-econômicos como
determinantes da Origem do Rio
Grande do Sul
Antonio Carlos Porciuncula Notas preliminares sobre a lei Ciências Jurídicas Vol. 12, O presente estudo oferece resultados preliminares da atividade de pesquisa
Soler, Aline Lionardi, Celine orgânica municipal e a eficácia das No 1 (2006) na linha de Direito Ambiental, vinculada ao Grupo Transdisciplinar em
Anadon, Guilherme Giacobbo, leis ambientais locais em Rio Grande Pesquisa Jurídica para a Sustentabilidade (GTJUS)1, cujo objetivo é destacar
José Telles, Lucas Fernandes, – RS alguns aspectos da Lei Orgânica Municipal de Rio Grande (LOM/RG), no
Lucas Lopes que tange a matéria ambiental, a partir do disposto no Capítulo IV, intitulado
“Do Meio Ambiente”, inserido no Título IV – Da Defesa do Cidadão, Saúde
e Meio Ambiente, considerando a perspectiva do chamado processo de
globalização (ou globalizações) e seus efeitos na esfera local. Para tanto, a
metodologia consistiu na coleta e análise de dados e documentos junto a
arquivos de órgãos públicos, organizações não-governamentais (ONGs) e
Internet, bem como revisão bibliográfica, tendo como objetivo a
confrontação de dispositivos ambientais da LOM/RG com mandamentos
constitucionais, considerando a produção legislativa ambiental local, a fim
de tratar da compatibilidade legal e da sua eficácia. Junto às considerações
finais, serão apresentadas recomendações.
Kuniochi, M.; Torres, D O comissionamento no Rio Grande BIBLOS Sem resumo.
do Sul. Vol. 18 (2006)
Jefferson Rodrigues dos Santos Análise do processo de SINERGIA - Revista do O presente artigo analisa o processo histórico de especialização da
especialização produtiva e da crise Instituto de Ciências agricultura do município de São José do Norte na produção de cebola. O
do sistema de produção de cebola em Econômicas, processo é encarado como resultado das condições de rendimento favoráveis
São José do Norte - RS. Administrativas e existentes até os anos 1970. Na seqüência analisa o processo de
Contábeis, Vol. 11, No 2 reorganização da produção no Brasil, acarretando na maior concorrência
(2007) entre as regiões produtivas. Este rearranjo da produção nacional é utilizado
como elemento explicativo para a presente crise na agricultura de São José
do Norte.

Cidade e Região: Infra-estrutura urbana, comercial e produtiva - Porto, Molhes, Barra e Alfândega.

Hugo Alberto Pereira Neves O Porto do Rio Grande no período de BIBLOS, Vol. 1 (1985) Aspectos econômicos do Porto do Rio Grande (Novo e Velho) no que se
1946-1965 refere ao movimento de navios, tonelagem e principais mercadorias na
15

importação e exportação.
Hugo Alberto Pereira Neves O Porto de Santa Vitória do Palmar BIBLOS, Vol. 3 (1990) O presente trabalho abrange um curto período sobre a História Econômica
desse importante município no que se refere ao comércio lacustre,
considerando o pouco até então dedicado sobre a economia local e o fracasso
do empreendimento tão demorado e oneroso que foi a construção do porto.
Cláudio Renato Rodrigues Dias Parâmetros geotécnicos da argila VETOR - Revista de O trabalho visa a definir os parâmetros geotécnicos da argila siltosa mole da
siltosa mole da cidade do Rio Grande Ciências Exatas e área do Superporto do Rio Grande. O estudo envolveu análise de sondagens,
- Região do Superporto Engenharias, Vol. 3 (1993) ensaios de caracterização, oedométricos, de compressão simples e triaxiais
(UU e CIU). Alguns ensaios foram executados No Laboratório de Geotecnia
da Universidade do Rio Grande. Outros dados foram obtidos de relatórios de
obras existentes. Algumas comparações com outros solos da costa brasileira
foram feitas, dando-se ênfase aos parâmetros de resistência e
compressibilidade.
Tânia Maria de Freitas Lopes, Estimativa de potencial eólico para a VETOR - Revista de O trabalho a seguir apresenta o cálculo de uma estimativa do potencial
Cláudio Rodrigues Olinto região estuarina da barra do Rio Ciências Exatas e eólico para a região estuarina da barra do Rio Grande, baseado em dados
Grande Engenharias, Vol. 11 (2001) relativos ao ano de 1998, obtidos junto à estação meteorológica dos Práticos
da Barra do Rio Grande S/C Ltda. São apresentados alguns cálculos
estatísticos mensais e anuais, uma aplicação da distribuição de Weibull ao
conjunto de dados e calculada a densidade de potencial eólico total
disponível a partir da distribuição.
Luiz Henrique Torres Documentos para o estudo da história BIBLOS, Vol. 15 (2003) Transcrição de um documento enviado pelo Conde de Liniers em 1798 a
colonial do Rio Grande do Sul: autoridades portuguesas, propondo iniciativas de investimento e criação de
memória sobre o Porto de São Pedro atividades voltadas ao crescimento econômico do Rio Grande de São Pedro
Luiz Henrique Torres e o enriquecimento do proponente.
Francisco das Neves Alves Fontes para o estudo da história do BIBLOS, Vol. 15 (2003) Este levantamento de documentos dá continuidade ao Projeto Fontes
Rio Grande do Sul no acervo da documentais para o estudo da História do Rio Grande do Sul no acervo da
biblioteca Rio-Grandense: plantas do Biblioteca Rio-Grandense. O presente trabalho apresenta vários dados
porto e da barra do Rio Grande cartográficos realizados acerca do Porto e da Barra do Rio Grande, desde a
(levantamento parcial) virada do século XIX até a década de vinte da centúria seguinte. O
arrolamento neste momento destacado caracteriza-se por ser parcial, ou seja,
traz a público uma parte dos documentos existentes naquela instituição de
pesquisa a respeito do tema, visando uma sistematização preliminar destas
fontes aos pesquisadores interessados.
Torres, L. Alfândega do Rio Grande: BIBLOS, Vol. 17 (2005) A instalação da Alfândega do Rio Grande ocorreu em primeiro de outubro
fundamentos históricos e edificações. de 1804, evidenciando, nos primórdios do século XIX, a importância da
16

então Vila do Rio Grande de São Pedro. A partir de um estudo organizado


por José Luiz Bragança de Azevedo, é possível trazer alguns
esclarecimentos sobre o histórico de edificação e o desenvolvimento da
Alfândega na cidade do Rio Grande.
Fernandes, E.; Cecilio, R.; Estudo da influência da alteração dos Com o objetivo de avaliar o impacto da extensão dos Molhes da Barra sobre
Schiller, R. molhes da barra de Rio Grande sobre VETOR a circulação do estuário da Lagoa dos Patos foram realizadas simulações
a circulação do estuário da Lagoa dos Vol. 15, No 2 (2005) numéricas com o modelo TELEMAC para a investigação de três cenários: 1)
Patos - RS configuração atual; 2) extensão dos molhes; 3) extensão e aprofundamento
do canal para 20m. Os resultados do presente trabalho mostram que a
alteração da configuração dos Molhes da Barra de Rio Grande se refletirá no
padrão de circulação do estuário na forma de aumento dos fluxos de vazante
e diminuição dos fluxos de enchente, diminuição da distância atingida pela
água salgada no interior do estuário, e aumento do nível de água no interior
do estuário.
Anello, L.; Tagliani, P. O espaço da educação ambiental no AMBIENTE & O espaço da educação ambiental no processo de licenciamento ambiental
licenciamento da área do Porto EDUCAÇÃO Vol. 10, No 1 portuário é abordado no marco de duas políticas públicas atinentes a ambas
organizado de Rio Grande (2005) as questões: as leis federais 9795, de 27 de abril de 1999, que estabelece a
Política Nacional de Educação Ambiental, e a 6938/81 que dispõe sobre a
Política Nacional do Meio Ambiente. A análise será desenvolvida no
contexto sócio-político-ambiente local, com o objetivo de aportar elementos
para aperfeiçoar o processo de licenciamento ambiental nos portos
brasileiros.
Alves, F. Porto e Barra do Rio Grande - 90 BIBLOS Ao consolidar-se como o mais importante porto marítimo do Brasil
anos de uma secular aspiração que se Vol. 18 (2006) Meridional, a comunidade do Rio Grande passou a ter como uma de suas
tornou realidade: brevíssima notícia mais urgentes reivindicações reformas estruturais que permitissem um
histórica (março e setembro de 1915) melhor acesso à litorânea cidade. Vencer a “barra diabólica” e construir um
maior porto constituíram, secularmente, pautas recorrentes à formação
histórica rio-grandina, significando o ano de 1915 um ponto de inflexão
deste processo. Realizar um brevíssimo estudo introdutório das reações da
comuna diante do março e setembro de 1915 é o objetivo deste trabalho.

Vasconcelos, P.; Piva, R. A importância do Mercosul na SINERGIA O presente estudo tem como objetivo destacar a importância do comércio
economia rio-grandina através da Vol. 11, No 1 (2007) internacional brasileiro movimentado através do Porto do Rio Grande, com
movimentação de cargas pelo Porto destino/origem aos/dos países membros do MERCOSUL. Com caminhos
do Rio Grande. rodoviários, hidroviários, ferroviários e aeroviários, os portos são os
principais vetores, pois o setor portuário transporta 95% do comércio
17

exterior brasileiro. Neste contexto, o Porto do Rio Grande (RS), localizado


no ponto mais meridional do país, tem todas as qualidades para ser apontado
como o Porto do MERCOSUL. Sendo assim, este trabalho está organizado
de forma a apresentar uma abordagem dos aspectos gerais do bloco
MERCOSUL e utiliza um tratamento econométrico simples para explicar a
relação das movimentações do bloco e do Porto do Rio Grande. A relevância
do estudo é destacar o quanto é importante o comércio do bloco nas
movimentações de cargas do porto rio-grandino e mensurar seus benefícios
para a economia do município, além de chamar a atenção da comunidade
acadêmica para um assunto de suma importância em relação ao
desenvolvimento econômico regional.
Marcelo Vinicius de la Rocha Cidades portuárias medievais: dos BIBLOS, Vol. 21 (2007) Sem resumo.
Domingues primórdios das técnicas de
engenharia naval e portuária à
origem etimológica da palavra porto
Quintana, C.; Philomena, A. O tratamento dado aos resíduos SINERGIA Esse trabalho busca analisar qual o posicionamento da administração do
sólidos pela administração do Porto Vol. 11, No 1 (2007) Porto do Rio Grande no que se refere à política do Plano de Gerenciamento
do Rio Grande: uma abordagem de Resíduos Sólidos (PGRS) em relação aos resíduos sólidos gerados pelos
relacionada à educação ambiental navios, e se existe a utilização dos conceitos de Educação Ambiental no
momento da tomada de decisões de seus administradores. A pesquisa foi de
cunho bibliográfico, buscando informações para obter um conhecimento
sobre o assunto. Além disso, foi feita uma entrevista com o assessor do meio
ambiente do Porto do Rio Grande para identificar 0procedimentos sendo
realizados sobre a implantação de um PGRS no Porto do Rio Grande, mas o
problema constatado é que existe uma carência de estratégias da
administração em relação à Educação Ambiental.

Alves, F. Fontes para o estudo da história do BIBLOS O acervo da Biblioteca Rio-Grandense é um dos mais ricos do país e, em
Rio Grande do Sul no acervo da Vol. 22, No 1 (2008) termos de História do Rio Grande do Sul, é praticamente imbatível. Um dos
Biblioteca Rio-Grandense: Porto e destaques nessa coleção documental é a hemeroteca de periódicos gaúchos,
Barra do Rio Grande nas páginas do com ênfase aos rio-grandinos, caso do jornal O Commercial, folha
Jornal O Commercial (levantamento predominantemente destinada à divulgação das lides mercantis. Realizar um
parcial – 1857-1868). levantamento das inserções de matérias sobre o Porto e a Barra do Rio
Grande nas páginas da publicação, na sua primeira década de edição,
constitui o objetivo deste trabalho.
18

Alves, F. O acesso portuário rio-grandino no Com a consolidação do papel mercantil da cidade do Rio Grande, o acesso
“tétrico” ano de 1881 a partir da BIBLOS portuário da comuna constituiria uma das questões mais discutidas pelo
perspectiva da imprensa citadina. Vol. 23, No 1 (2009) jornalismo citadino ao longo de várias décadas. Os óbices oferecidos pela
“Barra Diabólica” criariam um ambiente de incertezas e de amplas
dificuldades para o comércio da urbe, de modo que a imprensa se tornaria o
mais importante veículo para a difusão das discussões e da busca de soluções
acerca do tema. Nesse quadro, o ano de 1881 viria a ser um dos mais difíceis
em termos de obstáculos ao acesso marítimo no mais importante entreposto
provincial. Os reflexos de tais condições nas páginas impressas rio-
grandinas, durante o segundo semestre daquele ano, constituem o objeto de
pesquisa deste trabalho.
Anjos, D Porto e Barra no acervo do Museu Biblos, Rio Grande, 23 (1): Estudo introdutório sobre a temática do Porto e da Barra, levando em conta o
Histórico da Cidade do Rio Grande: 139-154, 2009. acervo fotográfico do Museu Histórico da Cidade do Rio Grande, cujo
uma introdução. objetivo é realizar uma breve análise e um levantamento de parte dessa
documentação.

Imprensa, discursos e política partidária.

Francisco das Neves Alves Governo do Prefeito Farydo Salomão BIBLOS, Vol. 3 (1990) O presente trabalho visa analisar um ponto ainda pouco abordado da História
do Brasil Contemporâneo – o “Movimento Militar de 1964” --. O Governo
do prefeito Farydo Salomão é colocado como núcleo, dentro de um contexto
pré e pós-revolucionário. Trata-se do “primeiro capítulo”, de uma pesquisa
que pode e deverá ampliar-se.
Francisco das Neves Alves O prr, a reação republicana e a BIBLOS, Vol. 6 (1994) O presente trabalho visa analisar o envolvimento político do Rio Grande do
revolta militar de 1922 Sul, representado por sua facção governista - o Partido Republicano Rio-
Grandense - perante as eleições presidenciais de 1922, quando participou
ativamente, apoiando a chamada Reação Republicana e diante da sedição
militar ocorrida no mesmo ano.
Francisco das Neves Alves Fontes bibliográficas para o estudo BIBLOS, Vol. 7 (1995) Levantamento parcial de fontes bibliográficas sobre a Revolução Federalista,
da Revolução Federalista arrolando livros e artigos elaborados no período entre 1983 e 1993,
levantamento Parcial (1983-93) sistematizando-as, de acordo com seu conteúdo predominante, nas seguintes
abordagens: processo revolucionário; ideologia e política; imprensa e análise
do discurso; historiografia, memória e fontes; documentos, arquivos e
museus; conexões com a Revolta da Armada e a Revolução em Santa
19

Catarina; violência; literatura e artes; religião; folclore; a Revolução nas


zonas de colonização; e Revolução nos municípios.
Francisco das Neves Alves Oposições e dissidências no Rio BIBLOS, Vol. 7 (1995) O presente Trabalho analisa a formação, a organização e o conteúdo
Grande do Sul (1896 - 1908) programático do Partido Republicano Liberal e do Partido Republicano
tentativas de rearticulação Democrático, frentes onde buscaram rearticular-se as forças anticastilhistas
(e antiborgistas), representadas pela oposição liberal e pela dissidência
republicana. Os alcances e limites dessas alianças, assim como sua
importância na evolução político-partidária Rio-Grandense, também
constituem objeto deste trabalho.
Francisco das Neves Alves Imprensa caricata rio-grandina e BIBLOS, Vol. 8 (1996) O presente trabalho apresenta o conteúdo de crítica política elaborado pela
crítica política ao final do império imprensa caricata rio-grandina ao final do Império, tomando por base
"estudos de caso" nas principais folhas ligadas à caricatura na cidade do Rio
Grande - O Amolador, O Diabrete, Marui e Bisturi.
Francisco das Neves Alves A pequena imprensa Rio-Grandina BIBLOS, Vol. 9 (1997) As três últimas décadas do século XIX representaram o período de maior
ao final do século XIX: a presença do desenvolvimento da imprensa rio-grandina e, nesse quadro, os pequenos
jornalismo político-partidário jornais também passaram pela sua fase de apogeu. A diversificação e a
especialização foram as características marcantes da pequena imprensa de
então, onde o jornalismo político-partidário encontrou amplo espaço para se
desenvolver, refletindo as disputas político-ideológicas e militares típicas da
formação sul-riograndense de então. O objetivo deste trabalho consiste em
abordar, na forma de estudos de caso, alguns dos grupos que, naquela época,
fizeram-se representar através da pequena imprensa rio-grandina.
Adão Luiz Vega, Evandro Positivismo e educação na cidade do BIBLOS, Vol. 9 (1997) Este artigo tece considerações em torno da problemática que envolve a
Rocha Nunes Rio Grande dos anos 1920: doutrina do positivismo e suas relações com a prática educacional no
considerações acerca da Escola contexto da República Velha Gaúcha, numa tentativa de apreender os signos
Agrícola Municipal da Quinta do presente no momento mesmo de suas manifestações concretas naquele
recorte temporal.
Francisco das Neves Alves Silveira Martins X Júlio de Castilhos BIBLOS, Vol. 9 (1997) O presente trabalho visa destacar uma das tendências que caracterizou os
- a personalização do conflito escritos a respeito da Revolução Federalista, ou seja, a personalização do
federalista: um estudo de caso desenvolvimento histórico do conflito nas figuras das lideranças dos grupos
em confronto, Silveira Martins e Júlio de Castilhos. Procede-se, assim, à
realização de um estudo de caso, através da abordagem do livro de Victor de
Britto - Gaspar Martins e Júlio de Castilhos: estudo crítico de filosofia
política.
Francisco das Neves Alves, Uma folha literária rio-grandina sob BIBLOS, Vol. 10 (1998) Ao final da década de 1860, a imprensa rio-grandina passava por um
20

Luiz Henrique Torres uma perspectiva histórico- processo de crescimento e diversificação dos gêneros jornalísticos a
historiográfica circularem pela cidade. Nesse quadro, desenvolveu-se uma imprensa
literária, cujo norte dos periódicos era a propagação de escritos, atividades e
instituições que estivessem ligadas à divulgação da literatura através da
Província. Uma dessas folhas foi a Arcadia, cuja importância foi marcante
no contexto literário sul-riograndense. Esse trabalho intenta estabelecer um
breve histórico desse jornal, durante sua fase rio-grandina, bem como
analisar sua fundamentação historiográfica.
Derocina Alves Campos Sosa, A construção do discurso: a BIBLOS, Vol. 11 (1999) O presente trabalho visa analisar a implantação do estado novo (1937-1945)
Marildo Xavier Mespaque implantação do estado novo (1937- através da leitura e interpretação do jornal Rio Grande sobre esse
1945) através da ótica do jornal Rio acontecimento, destacando a flexibilização da posição do mesmo, no período
Grande que antecede o golpe e no período posterior, enfocando dessa forma uma
perspectiva altamente situacionista. A idéia, portanto, é a de conhecer a
construção do discurso da imprensa local e seus desdobramentos, mostrar o
caráter dúbio de tal discurso, mas entendê-lo no contexto como coerente com
uma prática de alinhamento com o poder instituído.
Sonia Maria Ranincheski A história política do Rio Grande do BIBLOS, Vol. 11 (1999) O presente trabalho, com ênfase no estudo da história política, discute a
Sul: breve comentário formação do sistema político-partidário no rio grande do sul e contextualiza
o debate acerca da possibilidade de ter ocorrido um padrão eleitoral
bipartidário no estado, mesmo em situação de pluralidade democrática. Para
tanto, é revisada a trajetória do PDT (partido democrático trabalhista) com
vistas ao questionamento sobre a herança trabalhista pelo PDT e, portanto,
se haveria uma reedição deste bipartidarismo nos anos 90. Sem a pretensão
de esgotar o tema, acredita-se que o PDT nos anos 90 estaria manifestando
uma fragilidade de projetos para a sociedade, o que poderia estar acarretando
o seu declínio como partido grande. Talvez o PDT esteja se constituindo
numa terceira força, deixando para outros partidos de esquerda, notadamente
o PT (partido dos trabalhadores), a imagem de partido de primeira grandeza.
Paulo Ricardo Pezat O club cooperador positivista sul-rio- BIBLOS, Vol. 11 (1999) Pouco aceito na Europa, o pensamento político e religioso de Auguste
grandense e a propaganda da religião Comte encontrou um terreno fértil no Brasil ao final do século XIX e início
da humanidade na cidade do Rio do século XX, desempenhando importante papel nas transformações então
Grande (1891-1894) ocorridas no país. O Rio Grande do Sul, em especial, serviu de palco para a
mais profunda e duradoura experiência de estruturação de uma sociedade a
partir do ideário político comtiano, ao longo da República Velha (1889-
1930). Por sua vez, a cidade do Rio Grande abrigou no princípio da
República um dos mais importantes e ativos núcleos brasileiros de
21

propaganda da religião da humanidade, a vertente religiosa do positivismo.


Tal núcleo era composto basicamente por engenheiros e militares envolvidos
com as obras da barra e do porto do Rio Grande.
Francisco das Neves Alves O golpe de estado de novembro de BIBLOS, Vol. 11 (1999) O golpe de estado promovido pelo presidente da república, Marechal
1891 e as repercussões na cidade do Deodoro da Fonseca, a 3 de novembro de 1891, significou um momento de
Rio Grande inflexão na evolução político-partidária tanto na conjuntura nacional quanto
na regional. As reações à dissolução do congresso nacional acabariam por
redundar na derrubada tanto de Deodoro quanto de Júlio de Castilhos,
assumindo Floriano Peixoto a presidência da república, e o governo do rio
grande do sul ficaria sob novo comando com a ascendência dos dissidentes
republicanos. Este episódio serviu para que as manifestações contrárias ao
ato presidencial ganhassem as ruas e o pensamento anticastilhista viesse
ainda mais à tona, mormente através da imprensa. Este trabalho visa realizar
um estudo de caso sobre o golpe de estado, apresentando as repercussões
deste na cidade do Rio Grande, refletidas nos manifestos das autoridades
públicas e dos periódicos locais.
Adriana Senna O jornal como fonte para a BIBLOS, Vol. 12 (2000) Sem resumo.
recuperação dos padrões habituais de
uma sociedade: os casamentos em
Rio Grande
Francisco das Neves Alves O processo político-partidário sul- BIBLOS, Vol. 12 (2000) O exclusivismo político praticado pelos castilhistas levou à formação de
rio-grandense e a criação da união diversas frentes oposicionistas no Rio Grande do Sul, as quais visavam
nacional reagir contra o alijamento do controle do aparelho do estado que lhes
impuseram por aqueles que gradualmente se tomariam os novos detentores
do poder. A união nacional foi uma destas frentes e o estudo do contexto
político-partidário que marcou a sua fundação constitui-se no objetivo deste
trabalho.
Francisco das Neves Alves A imprensa diária rio-grandina ao BIBLOS, Vol. 13 (2001) Nas três últimas décadas do século XIX a imprensa da cidade do Rio Grande
final do século XIX: entre o discurso atingia a sua fase de maior desenvolvimento, circulando na cidade portuária
político-partidário e a sustentação os mais variados gêneros jornalísticos. Nesta época, os jornais diários rio-
econômica. grandinos chegavam ao seu apogeu, e não deixaram de se manifestar, menos
ou mais veementemente, diante das transformações políticas pelas quais
passava o país. A busca de um certo equilíbrio entre a emissão do discurso
político-partidário e os interesses de sustentação financeira foi uma
característica destes periódicos. Este constitui-se no objeto de estudo do
presente trabalho.
22

Luiz Henrique Torres Luso-brasilidade em Carlos Reverbel BIBLOS, Vol. 13 (2001) Em sintonia com a posição de autores ligados à tendência historiográfica
luso-brasileira, Carlos Reverbel desenvolveu uma narração centralizada na
diretriz portuguesa e brasileira na formação histórica do Rio Grande do Sul.
Em seu ensaio Rafael Pinto Bandeira – história popular de um fronteiro,
Reverbel enfatizou o discurso do antagonismo entre as experiências
históricas luso-brasileira e platino-missioneira nas décadas de 1940-50
período caracterizado pelo enfrentamento intelectual destas tendências
historiográficas. A interpretação desenvolvida pelo autor é a de que o Rio
Grande do Sul foi uma terra de ninguém incorporada à civilização pelas
emanações da organização político-administrativa luso-brasileira.
Francisco das Neves Alves Visões do governicho na cidade do BIBLOS, Vol. 14 (2002) Em meio ao intrincado período histórico que marcou o processo de transição
Rio Grande Monarquia – República no Rio Grande do Sul, o Governicho representou um
momento de inflexão na vida política rio-grandense de então. Entretanto na
permanência do modelo castilhista no poder, o Governicho se adveio da
"Revolução de 8 de Novembro"e demarcou em seu seio os limites impostos
pela heterogeneidade das forças anticastilhistas. As reações quanto ao
Governicho entabuladas na cidade do Rio Grande constituem o objeto de
estudo deste trabalho.
Alves, F. A imprensa Rio-grandina do século BIBLOS Levantamento parcial dos jornais que circularam na cidade do Rio Grande
XIX no acervo da Biblioteca Rio- Vol. 19 (2006) ao longo do século XIX e que se fazem presentes no acervo da Biblioteca
grandense. Rio-Grandense, no intento de fornecer aos pesquisadores um breve horizonte
de informações sobre a imprensa rio-grandina cujos exemplares
remanescentes ainda estão conservados nesta importante instituição cultural.
Luz, T. Continuidades do anticastilhismo BIBLOS O encerramento da Revolução Federalista, em agosto de 1895, não
através da imprensa: um estudo de Vol. 18 (2006) representou o fim dos conflitos que continuaram latentes ao longo da vida da
caso. República Velha gaúcha. O exclusivismo partidário do modelo castilhista-
borgista não permitia nenhuma participação política de parte das oposições,
o que levaria à deflagração de uma guerra civil e a um clima de paixões e
ódios partidários. Este artigo pretende empreender um estudo introdutório
sobre a estruturação do conflito discursivo sustentado pelo jornal Tribuna do
Povo da cidade do Rio Grande para com o modelo castilhista-borgista, no
período pós-revolucionário, fase de rearticulações entre as forças
oposicionistas, desgastadas na sustentação da guerra civil.
Francisco das Neves Alves 8 de novembro de 1891: uma BIBLOS Vol. 19 A transição Monarquia–República no Rio Grande do Sul se caracterizaria
“Revolução” esquecida no passado (2006) por grande agitação política, partidária e ideológica, num agravamento de
do Rio Grande conflitos que redundaria em luta armada com a deflagração da Guerra Civil
23

de 1893-1895. Antes disto, as disputas pelo poder levariam à derrubada de


Júlio de Castilhos, em novembro de 1891, a partir de uma mobilização de
forças contrárias ao golpe perpetrado pelo primeiro Presidente da República.
As forças de oposição buscaram aproximações no sentido de apear o líder
republicano gaúcho do poder, resultando em ampla agitação popular e
naquilo que viria a se denominar Revolução de 8 de Novembro. A partir do
longo predomínio do modelo castilhista-borgista, esse movimento foi
verdadeiramente apagado do “panteão” das datas cívicas sul-rio-grandenses.
Este ensaio busca resgatá-lo a partir da perspectiva do jornal rio-grandino
Diario do Rio Grande.
Francisco das Neves Alves Fontes para o estudo da História do BIBLOS, Vol. 20 (2007) Levando em conta o magnífico manancial de fontes bibliográficas e
Rio Grande do Sul no acervo da documentais presentes na Biblioteca Rio-Grandense, o acervo de jornais é
Biblioteca Rio-Grandense: o jornal um dos mais notáveis, sobretudo os rio-grandinos e sul-rio-grandenses.
Sentinella do Sul e a guerra do Dentre as coleções de periódicos desta instituição cultural que amealha
Paraguai documentos há mais de 160 anos, destacam-se as publicações caricatas.
Dessas folhas ilustradas, muitas são gaúchas, de cidades como Rio Grande,
Pelotas e Porto Alegre. Desta última faz parte do acervo da Biblioteca a
folha Sentinella do Sul, que circulou durante os primeiros anos da Guerra da
Tríplice Aliança. Este trabalho consiste em um levantamento das matérias
específicas sobre a Guerra do Paraguai publicadas no primeiro ano de
existência daquele semanário caricato.
Senna, A. Moral cristã e a influência da religião Sem resumo.
no combate ao divórcio: a visão dos BIBLOS
diários rio-grandinos - 1889/1916 Vol. 20 (2007)
Alves, F. Revolução Farroupilha e discurso BIBLOS, Vol. 20 (2007) A construção de discursos historiográficos a respeito da Revolução
historiográfico: os escritos de Carlos Farroupilha receberia um impulso sem precedentes a partir da virada dos
Dante de Moraes. anos vinte para os trinta do século XX. Progressivamente, essa guerra civil
viria a ser transformada no mais importante acontecimento da história
gaúcha e seria criada uma série de pressupostos que se transformariam em
verdadeiros axiomas da historiografia gaúcha, através da formação de uma
rede discursiva. Essa construção historiográfica se estenderia por décadas e
seus efeitos se fazem sentir até o presente. O objetivo deste trabalho é
analisar os escritos de Carlos Dante de Moraes que muito a contento se
inseriram no discurso historiográfico predominante acerca da Revolução
Farroupilha.
Francisco das Neves Alves Republicanismo, adesismo, BIBLOS, Vol. 22, No 1 À formação da República no Brasil seguiu-se uma etapa histórica de certa
24

oposicionismo (ou sebastianismo?) À (2008) desorientação político-ideológica, em que os grupos que disputavam o poder
época da formação da república: um debatiam o modelo ideal para a consolidação da nova forma de governo. No
breve estudo de caso na Cidade do Rio Grande do Sul, estas disputas foram ainda mais acirradas, chegando-se
Rio Grande do debate partidário à deflagração de uma guerra civil. Nesse contexto,
várias tendências do republicanismo digladiavam-se entre si, ao lado de
alguns tênues resquícios monarquistas. O objetivo deste trabalho é realizar
um breve estudo de caso, analisando estas vertentes no prisma de um jornal
da cidade do Rio Grande.
Cintia Lima Crescêncio “Abaixo a vacina!” a fundação da BIBLOS, Vol. 23, No 2 Este artigo propõe articular a Constituição de 1891 à fundação da Liga
Liga de Combate à Vacinação (2009) contra a Vacinação Obrigatória por ocasião da Revolta da Vacina, em 1904,
Obrigatória e sua relação com a por meio da reflexão acerca do conteúdo da própria Constituição e do jornal
Constituição de 1891 Echo do Sul, folha rio-grandina, que noticiou inúmeros episódios acerca da
revolta. Relacionando o conteúdo da Constituição ao conteúdo do jornal
sobre a Liga, pretende-se perceber de que forma uma organização subversiva
como a Liga fazia uso da própria Constituição para defender seu intento de
impedir a lei da vacinação obrigatória.
Aristeu Elisandro Machado Imagens de humor e de política: BIBLOS, Vol. 23, No 1 Nos anos 1880, a propaganda republicana começou em Pelotas com a
Lopes relações entre a imprensa ilustrada e (2009) fundação do clube e do partido republicanos. A partir daí, a propagação das
a simbologia republicana. Pelotas, atividades era constantemente noticiada nos órgãos da imprensa local. Entre
1880-1889 eles, dois periódicos eram ilustrados e humorísticos: Cabrion (1879-1881) e
A Ventarola (1887-1889). Sem descuidar da função primordial do jornal –
provocar o riso do leitor através de uma apresentação humorística da
realidade – esses periódicos informaram e satirizaram o processo
republicano. Este artigo busca analisar a vinculação entre esses periódicos e
a questão republicana durante as atividades de propaganda e,
especificamente, como ocorreu o emprego da simbologia republicana na
elaboração das ilustrações.
Alves, F. O periodismo gaúcho no século XIX: BIBLOS Breve abordagem histórica acerca do processo de formação da imprensa no
breves impressões históricas. Vol. 23, No 2 (2009) Rio Grande do Sul, desde a sua gênese, nas primeiras décadas do século
XIX, fortemente articulada com o processo de fermentação revolucionária, e
ao longo dessa centúria, perpassando por suas diversas etapas de
crescimento e diversificação.
Luiz Henrique Torres O vírus da gripe espanhola BIBLOS, Vol. 23, No 1 Análise da cobertura jornalística do jornal Echo do Sul em Rio Grande
desembarca na cidade: a visão do (2009) durante a epidemia de gripe espanhola que se desenrolou nesta cidade, entre
Echo do Sul outubro e novembro de 1918.
25

Patrimônio, memória e cultura.

Gonçalo Rodrigues Júnior, Toponímia Indígena do Município do BIBLOS, Vol. 2 (1987) Toponímia Indígena do Município do Rio Grande, trata dos acidentes
Carmen Helena Braz Mirco Rio Grande. geográficos com nomes indígenas existentes no município. Além do seu
significado e origem, eles são enfocados dentro do contexto histórico que
antecede a fundação do município até o final do século XVIII.
Francisco das Neves Alves In Memorian (Prof. Hugo Alberto BIBLOS, Vol. 4 (1992) Sem resumo.
Pereira Neves - 1943-1990)
Maria Luiza Bertulini Queiroz Os registros paroquiais do Rio BIBLOS, Vol. 6 (1994) A análise dos registros paroquiais de casamentos, batismos e óbitos da
Grande: levantamento, exploração e população livre da Paróquia do Rio Grande de São Pedro evidencia os
análise: 1737-1850 problemas e dificuldades que acercam os estudos de populações coloniais
brasileiras afetadas por uma mobilidade geográfica muito intensa, e
apresenta soluções e adaptações que viabilizam a aplicação sistemática do
MÉTODO HENRY.
Ezio da Rocha Bittencourt Apontamentos sobre o movimento BIBLOS No estudo das sociedades, devem ser levados em consideração diversos
teatral em Rio Grande no século XIX Vol. 8 (1996) fatores determinantes. Contar a História de Rio Grande alijando desse
processo o estudo da cultura é desconsiderar aspectos imprescindíveis à
compreensão da sociedade como um todo. Este trabalho pretende fornecer
novos subsídios à reconstrução do passado de Rio Grande, expondo,
sucintamente, o ambiente teatral da cidade durante o século XIX.
Pedro Augusto Mentz Ribeiro Levantamentos arqueológicos no BIBLOS, Vol. 8 (1996) A área pesquisada se localiza no centro do Estado do Rio Grande do Sul,
aédio e alto Jacuí, RS, Brasil. Brasil. Num projeto de cinco anos, o objetivo principal nesta primeira etapa
(1.º ano) foi encontrar um sitio da tradição Tupiguarani que apresentasse
condições de ser escavado. Infelizmente, apesar de termos estudado 57
sítios, 47 deles Tupiguarani (os restantes das tradições Umbu e Humaitá),
não registramos um passível de escavação. Os resultados apresentados são
preliminares, uma vez que não consideramos concluídos os trabalhos. Os
sítios estão sobre as várzeas do rio Jacuí, em locais planos, sendo esse o
principal aspecto para os assentamentos Guaranis. A área dos sítios varia dos
200 aos 8000m² . O material característico são fragmentos de vasilhas de
cerâmica de formas variadas, sem decoração (simples), com decoração
plásticas (corrugada-ungulada, corrugada, mista, roletada, escovada e
pinçada, nessa ordem de importância, as três últimas em número
insignificante) e pintada (10 tipos, destacando-se o vermelho sobre branco
26

externo ("A") e o engobe vermelho interno ("E"). Ainda de cerâmica temos:


cachimbos, contas, roletes, massas e afiadores-em-canaleta. No lítico
destacaríamos as lâminas de machado polidas, as lascas de calcedônia, os
afiadores-em-canaleta e os polidores de arenito. Esse material é secundado
pelos tembetás (fragmentos) de cristal de rocha e placas peitorais, ambos
polidos. No ósseo, registramos a ocorrência de um anzol, ponta e, no
conchífero, contas-de-colar (três de Jaspedela jaspidea) e um pingente.
Como vestígios fitofaunísticos encontramos ossos de vários mamíferos,
répteis, aves, peixes e moluscos bivalves e univalves. Além disso, junto com
estes últimos ocorreram ossos humanos (fragmentos de mandíbula, úmero,
fêmur e costelas). Comparando o material, este se assemelha ao da Tradição
Tupiguarani do sul do Brasil. Subtradição Guarani, estilo Corrugado.
Pertence à fase Guaratã. Quanto à periodização, seria do século V da nossa
era até a chegada dos jesuítas espanhóis na região, em torno de 1630 A D.
Paulo Sérgio Andrade A morte em rio grande no século BIBLOS, Vol. 11 (1999) Este artigo tem como objetivo discutir os preceitos iniciais que envolvem as
Quaresma XIX: uma abordagem histórica atitudes coletivas e o imaginário da morte na cidade do rio grande no século
XIX, especificamente no início da década de 1880, enfocando os
sepultamentos e o papel das irmandades e ordens terceiras nos rituais
fúnebres.
Senna, A. Os casamentos em Rio Grande: uma BIBLOS, Vol. 11 (1999) Este artigo aborda a utilização da fotografia de casamento como fonte para a
recordação a partir da fotografia. compreensão dos hábitos e costumes da população rio-grandina frente à
instituição matrimonial, preocupando-se em relatar aspectos da utilização do
retrato. A homogeneidade nas poses, expressões e vestimentas, bem como a
semelhança nos painéis de fundo dos estúdios, demonstram poucas
mudanças ao longo de aproximadamente 30 anos, evidenciando também a
permanência de alguns fotógrafos na cidade, como Tonietti e Giovannini.
Francisco das Neves Alves Fontes documentais para o estudo da BIBLOS, Vol. 12 (2000) O levantamento de fontes consiste num dos primordiais passos em direção a
história do Rio Grande do Sul no um processo de edificação histórica. O projeto "Fontes documentais para o
acervo da biblioteca Rio-Grandense: estudo da História do Rio Grande do Sul no acervo da Biblioteca Rio-
a coleção Rheingantz (levantamento Grandense" tem por objetivo arrolar fontes a respeito da história gaúcha
parcial) entre o significativo manancial presente nesta instituição de pesquisa e saber.
O presente trabalho tem por intento trazer à luz a documentação acerca da
formação histórica da Colônia de São Lourenço, através de arrolamento
parcial do conteúdo da Coleção Rheingantz.
Francisco das Neves Alves Fontes para o estudo da história do BIBLOS, Vol. 13 (2001) Este levantamento de documentos dá continuidade ao Projeto Fontes
Rio Grande do Sul no acervo da documentais para o estudo da História do Rio Grande do Sul no acervo da
27

Biblioteca Rio-Grandense: o Biblioteca Rio-Grandense, agora se destinando a apresentar os Relatórios do


município de São José do Norte Município de São José do Norte existentes naquela instituição de pesquisa e
(relatórios – 1892-1912) que se constituem em documentos primordiais para promover a construção
do conhecimento histórico a respeito desta comunidade ao longo da
República Velha, uma vez que abordam os mais variados elementos
constitutivos da sociedade nortense daquela época.
Francisco das Neves Alves Fontes para o estudo da história do BIBLOS, Vol. 14 (2002) Este levantamento de documentos dá continuidade ao Projeto Fontes
Rio Grande do Sul no acervo da documentais para o estudo da História do Rio Grande do Sul no acervo da
Biblioteca Rio-Grandense: o Biblioteca Rio-Grandense, agora destinando-se a promover a Segunda parte
município de São José do Norte do arrolamento dos Relatórios do Município de São José do Norte existentes
(Relatório- 1913-1930) naquela instituição de pesquisa e que se constituem em documentos
primordiais para promover a construção do conhecimento histórico a
respeito desta comunidade ao longo de República Velha, uma vez que os
mesmos abordam os mais variados elementos constitutivos da sociedade
nortense daquela época.
Juarez José Rodrigues Fuão Monumento ao General Bento BIBLOS, Vol. 15 (2003) Este ensaio tem como objetivo traçar alguns pontos associativos da
Gonçalves: A construção de uma edificação do monumento em homenagem ao General Bento Gonçalves da
memória Silva, na cidade do Rio Grande, como um elemento essencial na construção
da própria imagem da população rio-grandense. Através da
utilização/reutilização da memória, buscava-se incutir no imaginário social
uma nova representação da identidade gaúcha.
Ribeiro, P.; Pestana, M.; Escavações arqueológicas no BIBLOS O projeto “Escavações Arqueológicas no Sobrado dos Azulejos” procurou
Pereira, M. Sobrado dos Azulejos, Rio Grande, Vol. 16 (2004) recuperar, através da cultura material, aspectos socioeconômicos e culturais
RS, Brasil que fizeram parte do cotidiano das pessoas que ocuparam aquele espaço. O
“Sobrado dos Azulejos”, construído em 1864, está localizado na esquina das
ruas Marechal Floriano e Francisco Marques, área antiga da cidade, próxima
ao porto velho, representando um alto valor cultural e turístico para a cidade
do Rio Grande. As escavações foram em duas etapas: junho – julho de 1998
e dezembro de 2000 – janeiro de 2001. Os resultados foram os seguintes: 1)
Perfil estratigráfico visualizando três momentos: a. piso de tijolos referente a
uma construção anterior ao Sobrado dos Azulejos; b. contrapiso, onde
deveria estar assentado o piso de madeira (primeiro momento do Sobrado);
c. piso de cimento com o respectivo entulho e/ou técnica de construção
(segundo ou último momento). 2) Material arqueológico: fragmentos de
vasilhas e de cachimbos de cerâmica Neobrasileira, cerâmica colonial,
cerâmica colonial vidrada, tijolos, telhas, louça (faiança, faiança fina,
28

ironstone, Salt-glazed), cachimbos (biscuit), peças de jogo (fragmentos de


cerâmica vidrada e de louça); vidro (garrafas, plano de vidraças, frascos de
perfume, vidros de remédio, copo, taça, etc.); pedras de pederneira e
afiadores-polidores em arenito; metal (moedas, facas, botões, cravos, pregos,
dedais, fivelas, ferraduras, colher); osso (contas-de-colar, pente, restos de
alimentação, botões, cabos de faca); outros materiais. O material
arqueológico foi classificado, restaurado, analisado, fotografado, desenhado,
confeccionadas tabelas, gráficos e acondicionado. Em gabinete, realizaram-
se os estudos comparativos, a arte final e a redação do presente artigo.
Francisco das Neves Alves Fontes para o estudo da história do BIBLOS Vol. 16 Este trabalho constitui uma continuação do Projeto “Fontes para o estudo da
Rio Grande do Sul no acervo da (2004) História do Rio Grande do Sul no acervo da Biblioteca Rio-Grandense”.
biblioteca Rio-Grandense: o arquivo Trata-se de um levantamento documental junto de uma das importantes
José Arthur Montenegro "coleções" existentes no inestimável acervo daquela instituição cultural – o
(levantamento parcial de fotografias) Arquivo José Arthur Montenegro, correspondendo a um segmento do
material coletado por este historiador, cujo foco de interesse concentrou-se
na Guerra do Paraguai, estabelecendo-se um arrolamento parcial das
fotografias presentes no dito arquivo.
Luiz Henrique Torres Forte Jesus-Maria-José: fontes BIBLOS Vol. 16 O artigo resgata fontes histórico-historiográficas ligadas à edificação,
historiográficas (2004) localização e importância estratégica do Forte Jesus-Maria-José, a primeira
fortificação lusitana no atual Rio Grande do Sul.
Francisco das Neves Alves Fontes para o estudo da história do BIBLOS, Vol. 17 (2005) Dando continuidade ao Projeto “Fontes para o estudo da História do Rio
Rio Grande do Sul no acervo da Grande do Sul no acervo da Biblioteca Rio-Grandense”, realiza-se neste
biblioteca rio-grandense: o arquivo trabalho um levantamento documental junto de uma das importantes
José Arthur Montenegro “coleções” existentes no inestimável acervo daquela instituição cultural – o
(levantemento parcial - iconografia e Arquivo José Arthur Montenegro, correspondendo a um segmento do
documentos avulsos). material coletado por esse historiador, cujo foco de interesse concentrou-se
na Guerra do Paraguai, estabelecendo-se um arrolamento parcial do material
iconográfico e de alguns documentos avulsos presentes no dito arquivo.
Luiz Henrique Torres A catedral de São Pedro BIBLOS, Vol. 18 (2006) Os vestígios materiais/arquitetônicos do século 18 são restritos no Rio
Grande do Sul. Construída em 1755, a Catedral de São Pedro é um prédio de
referência para contar a história da cidade do Rio Grande, tendo completado
uma trajetória de um quarto de milênio. O artigo buscou o resgate de alguns
momentos desta longa temporalidade que recua ao período colonial, e
procurou, de forma didática, explicitar as motivações para sua construção e
as tentativas para a sua demolição; também buscou enfatizar a importância
de sua preservação enquanto patrimônio histórico nacional e a necessidade
29

de divulgação de suas histórias.


Silva, R A instrução no Império e no Rio Vol. 19 (2006) Após a proclamação da República, o Brasil enfrentou o desafio de
Grande do Sul constituição da sua nacionalidade, a qual vinha ameaçada pela formação dos
quistos étnicos, resultantes do processo de imigração iniciado na primeira
metade do século XIX. O instrumento escolhido para uniformizar a cultura e
identidade nacional foi a educação. O presente artigo pretende investigar e
analisar a estrutura educacional do Brasil império e suas diferenças no Rio
Grande do Sul, para assim perceber os desafios enfrentados posteriormente
pela República em princípios do século XX.
Luiz Henrique Torres A morte é o centro das atenções: o BIBLOS, Vol. 19 (2006) Análise do primeiro Regimento do Cemitério Geral a cargo da Santa Casa de
regimento do Cemitério Extramuros Misericórdia do Rio Grande (1859), documento normatizador das práticas
(1859) fúnebres e de enterramentos no cemitério extramuros da cidade do Rio
Grande, inaugurado em dezembro de 1855.
Ribeiro, P.; Pestana, M.; Escavações arqueológicas na igreja BIBLOS O projeto teve como objetivo completar, através da cultura material, lacunas
Fonseca, R.; Weska, T. Nossa Senhora da Conceição, Rio Vol. 18 (2006) da história da igreja Nossa Senhora da Conceição (1874) e da região onde
Grande, Rio Grande do Sul, Brasil. está inserida. Foram realizados cortes experimentais na parte externa
(fundos) e interna do templo (altar e nave central). O perfil estratigráfico do
pátio apresentou cinco camadas, alcançando 1,90m de profundidade, já o
interno revelou três camadas e a profundidade de 1,20m. Escavações foram
realizadas ao redor de uma estrutura (poço) encontrada na nave lateral
esquerda, junto ao altar, 0,60cm abaixo do piso atual. O poço mede 2,25m de
diâmetro interno, 0,33m de espessura (comprimento dos tijolos) e 0,02m de
reboco. Material resgatado: cerâmica (vasilhas das tradições Tupiguarani,
Vieira e Neobrasileira e cachimbo da Neobrasileira); cerâmica colonial e
colonial vidrada; louça (faiança, faiança fina, ironstone, salt-glazed, etc.);
vidro (garrafas, taças, toucador, frascos de remédio, etc.); metal (lâmina de
machado, colher, armadilha para animais, tesouras, chaves, cravos, pregos,
panelas fragmentadas, moedas portuguesas e do Brasil Império etc.); osso
(botões, cabos e restos de alimentação); lítico: material (afiador de faca,
lousas, ponteiras, etc.); matéria-prima (ardósia, quartzo leitoso, granito,
arenito etc.). O material arqueológico foi classificado, restaurado, analisado,
fotografado, desenhado, foram confeccionadas tabelas e o material foi
acondicionado conforme método Mentz Ribeiro (2004); em gabinete,
realizaram-se estudos comparativos, a arte final e redação do presente artigo
científico para publicação. Entre os resultados preliminares, concluímos que
o poço pertencia a uma residência situada ao oeste, provavelmente junto à
30

rua, ou seria um dos dez que abasteciam a cidade por volta de 1860. Com o
início da construção da igreja (1872), o mesmo teria sido aterrado. Não
foram encontrados vestígios do forte Jesus-Maria-José, de 1737, descartando
uma tradição oral de que a igreja teria sido construída sobre aquela
construção militar, marco da colonização portuguesa no Rio Grande do Sul.
Osvaldo André Oliveira, Os currais de Palmas em Santa BIBLOS, Vol. 19 (2006) Durante AS pesquisas do projeto “Levantamentos arqueológicos nos
Cláudia Adriana Rocha Vitória do Palmar, RS, Brasil municípios de Santa Vitória do Palmar e Chuí, RS, Brasil”, foram
Teixeira identificados conjuntos de palmeira (Butia capitata) apresentando
estrangulamentos e orifícios nos caules, e formando círculos ou quadrados.
Os conjuntos identificados foram catalogados, mensurados, fotografados e
registrados NO Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional -
IPHAN, tornando-se patrimônio cultural do município de Santa Vitória do
Palmar. A interpretação das feições e a disposição dos conjuntos indicam
que tinham função de encerra de animais e foram utilizadas pelos primeiros
colonizadores e criadores da região.
Alves, F. Patrimônio histórico x modernização BIBLOS, Vol. 18 (2006) A Catedral de São Pedro constitui um marco do patrimônio histórico rio-
– a questão em torno da reedificação grandino, persistindo como o único prédio que remanesceu do século que
da matriz de São Pedro nos anos marcou a edificação do povoado. A existência do templo, no entanto, por
trinta do Século XX. diversas vezes encontrou-se ameaçada. Estes riscos se agravaram durante a
década de trinta do século XX, quando, através de um espírito modernizador,
buscou-se dotar a cidade de uma nova Matriz. A esta idéia antepôs-se outra,
preservacionista, a qual sairia vencedora, garantindo a manutenção do mais
antigo templo sul-rio-grandense.
Alves, F. Prof. Dr. Pedro Augusto Mentz BIBLOS Sem resumo.
Ribeiro – IN MEMORIAM Vol. 18 (2006)
Nunes, C. Prof. Dr. Pedro Augusto Mentz BIBLOS Sem resumo.
Ribeiro – IN MEMORIAM Vol. 18 (2006)
Luiz Henrique Torres A casa da Roda dos Expostos na BIBLOS, Vol. 20 (2007) Abordagem preliminar do papel desempenhado pela Roda dos Expostos no
cidade do Rio Grande Brasil e a atuação da Santa Casa de Misericórdia, destacando o Regimento
dos expostos referentes à cidade do Rio Grande (1850) e a transcrição do
relatório do Provedor da Santa Casa do Rio Grande (1861), dois documentos
fundamentais para se entender a normatização e funcionamento da Roda dos
Expostos na cidade do Rio Grande.
Pedro Augusto Mentz Ribeiro, Escavações arqueológicas na praça 7 BIBLOS Vol. 20 Este trabalho buscou encontrar vestígios materiais que auxiliem na
Marlon Borges Pestana de Setembro e arredores – Rio (2007) localização do Forte Jesus, Maria, José, marco da colonização portuguesa no
31

Grande, RS, Brasil Rio Grande do Sul. Em julho de 2002, janeiro, fevereiro e novembro de
2003, a equipe do Laboratório de Ensino e Pesquisa em Antropologia e
Arqueologia – LEPAN realizou quatro cortes experimentais e escavações,
resultando na obtenção de relativa quantidade de material e a constatação de
quatro camadas estratigráficas, a última representando o século XX, as duas
seguintes o XIX e a primeira, o XVIII. Na base de um dos cortes
experimentais foi revelada uma estrutura de mais ou menos 1,0m de largura,
formada por seixos rolados ou fragmentos de rochas irregulares, com 10cm
em média cada um. As escavações, então, direcionaram-se no sentido de
verificar sua forma e dimensões. Tratava-se de uma construção ou paliçada
quase circular com 8,60 x 8,80m internamente, que protegia, no seu interior,
um poço (cacimba?) com 3,00 x 2,60m. Conforme os dados históricos, este
foi o primeiro que abasteceu a cidade e os ocupantes do Forte Jesus, Maria,
José, nas proximidades. A praça anteriormente denominava-se Praça do
Poço. No estacionamento localizado na esquina das ruas Fernando Duprat e
República do Líbano e ainda num terreno contíguo na última rua também
foram realizadas escavações. A área total escavada é de aproximadamente
300m² e a profundidade média de 1,20m. Material recolhido: ósseo (restos
de alimentação, botões, escova de dente, etc.); metal (moedas dos séculos
XVIII ao XX do Brasil e, ainda, dos Estados Unidos e Holanda, balas de
chumbo, chaves, baioneta, grilhão, etc.); lítico (pedras utilizadas em
estruturas); cerâmica (neobrasileira, colonial, colonial vidrada); louça
(faiança portuguesa, faiança fina inglesa, salt glazed, biscuit [cachimbos
holandeses]); vidro (fragmentos de garrafas, vidros de remédio e perfumaria,
vidraças, etc.). O material recolhido ao LEPAN, foi limpo, registrado-
catalogado (numerado), restaurado, classificado, analisado e acondicionado
em caixas de arquivo. Não alcançamos o objetivo maior, ou seja, a
confirmação da localização do Forte Jesus, Maria, José.
Zanella, F. Memórias em silêncio: saudade BIBLOS O presente artigo faz parte de um projeto em desenvolvimento, o qual
fenecida sem um último adeus. Vol. 22, No 1 (2008) aborda questões relativas à sobrevivência e mortalidade dos indivíduos, bem
como especifica os elementos envolvidos num ambiente essencialmente
isotópico urbano/mortuário marginalizado e moralmente destituído na cidade
do Rio Grande, no decorrer da década de oitenta do século XIX.
Osvaldo André Oliveira O inventário do comendador José de BIBLOS, Vol. 22, No 1 O inventário do Comendador José de Brum da Silveira, viúvo de Vicência
Brum da Silveira (2008) Maria de Jesús, realizado em 1842, é provavelmente o formal de partilha
mais antigo após os primeiros donatários de sesmaria (1818), nesse período
32

do século XIX em que está se processando a ocupação dos Campos Neutrais


pela colonização européia. São inventariados dois estabelecimentos: a
Estância do Arroio d’El Rey (Santa Vitória do Palmar – Arroíto) e a Chácara
do Arrayal (Rio Grande – Fazenda da Picada).
Zanella, F. A decadência dos sentidos póstumos: BIBLOS O estudo a seguir apresenta uma pesquisa focalizada na perspectiva moderna
transumância devotada à memória Vol. 23, No 1 (2009) e ocidentalizada de representação social diante da morte, isto é, na
em um dia de visitas aos mortos. idealização e exteriorização caracterizada pela imagem fotográfica do retrato
fúnebre. Nesta perspectiva, localizamos este estudo em um espaço e tempo
delimitados, como forma de definir seu grau de objetivação. Deste modo,
temos como pano de fundo o cenário do Cemitério Católico da cidade do
Rio Grande, local pertencente e sob a administração da Associação de
Caridade Santa Casa, e sua riquíssima fonte de documentação material. A
rigor, movimentamo-nos a partir deste pressuposto em um cenário que evoca
os anos 1900 do século XX transportando-nos até bem próximo da
atualidade.
Pelissari, M. A mulher na festa: regras, Biblos, Rio Grande, 23 (1): Este artigo procura analisar o lugar da mulher nos bailes que aconteciam em
comportamentos e expectativas em 125-138, 2009. Rio Grande na década de 1950. Por meio de “crônicas sociais” do jornal Rio
relação às mulheres nos bailes de Rio Grande e de depoimentos de algumas freqüentadoras destas festas pode-se
Grande (década de 1950). ter uma idéia de como se dava a diferenciação entre homens e mulheres
nestes espaços e quais eram as regras e o comportamento esperado e
adequado para as mulheres.
Maicon Dourado Bravo, André Os lugares de memória na cidade Revista Didática Sistêmica Transformação e desenvolvimento são termos que não dividem espaço com
Luiz Portanova Laborde esquecida Vol. 9 (2009) manutenção e preservação na sociedade de consumo. No que se refere ao
patrimônio arquitetônico o caráter oneroso da restauração de prédios antigos
é um entrave que força o casario ao chão. Muitas vezes um problema a mais
é o desvinculo entre o casario e a identidade do grupo, entre a coisa e o seu
valor coletivo enquanto símbolo que une os sujeitos de dada coletividade. O
presente texto faz uma análise do lugar da Memória na cidade em tempos de
globalização, utilizando o embasamento de Ecléa Bosi e Joël Candau acerca
do conceito de Memória e seus lugares.
Tomas Mendes da Silva Patrimônio cultural em Rio Grande: a BIBLOS, Vol. 23, No 2 O presente texto aborda a história da Vila Santa Tereza como um patrimônio
Vila Santa Tereza (2009) cultural da cidade do Rio Grande; para tanto, trabalha-se com
noções/conceitos de patrimônio e de memória.

Cidade do Rio Grande: Cronologia e processo histórico


33

Luiz Henrique Torres Cronologia básica da história da BIBLOS, Vol. 22, No 2 Guia cronológico mínimo, com linha de tempo e informações básicas, para a
cidade do rio grande (1737-1947) (2008) compreensão de acontecimentos ligados à formação histórica da cidade do
Rio Grande no período de 1737 a 1947.

Você também pode gostar