Você está na página 1de 353

Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 1/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

PADRONIZAÇÃO DO SISTEMA PI -
ADMINISTRAÇÃO
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 2/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Responsável Técnico: Luiz Henrique Duarte Código de Treinamento: -

Público-alvo: Administradores e usuários do sistema Palavras-chave: PI, administração, manutenção,


PI da Diretoria de Ferrosos Sudeste instalação, configuração, SMT, licenças.

REVISÕES
TE: TIPO A - PRELIMINAR C - PARA CONHECIMENTO E - PARA CONSTRUÇÃO G - CONFORME CONSTRUÍDO

EMISSÃO B - PARA APROVAÇÃO D - PARA COTAÇÃO F - CONFORME COMPRADO H - CANCELADO

Rev. TE Descrição Por Ver. Apr. Aut. Data

1 C EMISSÃO INICIAL LRM LRM LRM LHD 19/11/12

2 C ADEQUAÇÃO À NOVA ESTRUTURA PIMS LRM LRM LRM LHD 05/02/13

3 C ATUALIZAÇÃO PROCEDIMENTO HORÁRIO VERÃO LRM LRM LRM LHD 11/03/13

ATUALIZAÇÃO DE FORMATAÇÃO E CORREÇÃO


DE INFORMAÇÕES DOS SERVIDORES PIMS
ATUALIZAÇÃO DE REFERÊNCIAS – item 3
ATUALIZAÇÃO DE DEFINIÇÕES E SIGLAS – item 4
4 C ATUALIZAÇÃO DA ARQUITETURA DE ITABIRA – LRM LRM LRM LHD 19/08/13
item 7.2
PADRÕES ALTERADOS E AGRUPADOS POR TIPO
DE TAG – item 9
ATUALIZAÇÃO PGS000249 – item 15

ITEM 4 – INCLUÍDO SIGLAS; AL


ITEM 7 – ATUALIZADO IMAGEM ARQUITETURAS; DR
5 C ITEM 9 – ATUALIZADO E INCLÚIDO PADRÕES DO LRM ER LRM LHD 31/10/13
SISTEMA (mudança maior e muito relevante);
JGC
ALTERADO O ITEM DE BALANCEAMENTO PARA
CAPÍTULO E NÃO SUBITEM LRM

6 C REVISÃO GERAL EM TODOS OS ITENS DO LRM EP LRM LHD 29/08/14


DOCUMENTO

7 C INCLUÍDO PADRÃO DE TAGS DE GESTÃO DE LRM EP LRM LHD 18/09/14


COMBUSTÍVEIS

8 C REVISÃO GERAL EM TODOS OS ITENS DO APB APB EP LHD 13/05/15


DOCUMENTO
REVISÃO DA TABELA 7: LISTA DE TIPOS DE
9 C VARIÁVEIS PARA TAGS DE PROCESSO (VAZÃO) APB APB LHD 25/01/16
REVISÃO DO ITEM 11.16 - TAGS HISTORIADOS
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 3/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Rev. TE Descrição Por Ver. Apr. Aut. Data


REVISÃO REFERENTES A NOME DOS TAGS –
10 C Itens 10.9.1 até 10.21.1 APC APC LRM LHD 20/03/16

CP
REVISÃO REFERENTE AOS PADRÕES DO
SISTEMA, TAGS DE ENERGIA – ítem 10.15, KFM PHVS
11 C LRM LHD 11/07/16
FORMATAÇÃO DO DOCUMENTO E ALTERAÇÃO LRM DD
DA NUMERAÇÃO PARA MIGRAÇÃO AO SCSM
JI

GRU
REVISÃO COMPLETA DO CAPITULO 11 DO PO
12 C APC LRM LHD 04/01/2017
DOCUMENTO TECN
ICO

13 C REVISÃO EM TODOS OS ITENS DO DOCUMENTO LRM LRM LRM LHD 04/04/2017

REVISÃO DA ARQUITETURA (ITEM 7) E


14 C DEFINIÇÃO DE SIGLAS DAS LOCALIDADES (ITEM LRM MF LRM LHD 29/03/2018
11.1)

15 C ATUALIZADO OS CAPITULOS DE 1 A 12 LRM LRM LRM LHD 10/04/2019

ATUALIZAÇÃO DA ARQUITETURA CAP 7 E


16 C LRM LRM LRM LHD 21/05/2019
SEGURANÇA DOS PONTOS
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 4/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Conteúdo

Conteúdo ............................................................................................................................................................. 4
Índice de Figuras .............................................................................................................................................. 21
Índice de Tabelas.............................................................................................................................................. 24
1. Objetivo ...................................................................................................................................................... 28
2. Aplicação .................................................................................................................................................... 28
3. Referências ................................................................................................................................................ 28
4. Definições e siglas..................................................................................................................................... 29
5. Introdução .................................................................................................................................................. 31
6. Introdução ao PI System........................................................................................................................... 32
7. Infraestrutura.............................................................................................................................................. 33
7.1. Detalhe da infraestrutura das coletoras OPC – Visão Geral.............................................. 38
7.2. Detalhe da infraestrutura do complexo Itabira e Água limpa ............................................. 40
7.3. Detalhe da infraestrutura do complexo Mariana e Brucutu ................................................ 41
7.4. Detalhe da infraestrutura do complexo Paraopeba............................................................. 42
7.5. Detalhe da infraestrutura do complexo Vargem Grande .................................................... 43
7.6. Detalhe da infraestrutura de dados de medição e proteção de Energia ........................... 44
8. Detalhamento dos servidores ................................................................................................................... 45
8.1. Detalhamento dos servidores PI Data Archive .................................................................... 45
8.2. Detalhamento dos servidores de coleta de dados de processo e interfaces OPC .......... 45
8.3. Detalhamento dos servidores de PI AF e PI OPC DA/HDA ............................................... 45
8.4. Detalhamento dos servidores de aplicação (coleta de dados de qualidade, medição de
energia, indicadores de mina, programas de produção, retificação de valores e performance de
servidores) ........................................................................................................................................... 46
8.5. Detalhamento do servidor PI ACE ........................................................................................ 46
9. Gestão do serviço PIMS ........................................................................................................................... 46
10. Documentação do PIMS ........................................................................................................................... 50
10.1. Orientação Operacional ......................................................................................................... 52
10.2. Erros Conhecidos ................................................................................................................... 54
10.3. Instruções de Alarme de Monitoramento ............................................................................. 55
10.4. Instruções Operacionais ........................................................................................................ 56
10.5. Plano de Recuperação de Desastre..................................................................................... 57
10.6. Solução de Contorno ............................................................................................................. 58
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 5/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

10.7. Orientação Gerencial de Sistema ......................................................................................... 59


10.8. Inspeções realizadas ............................................................................................................. 60
11. Padrões do sistema................................................................................................................................... 61
11.1. Definições siglas das localidades ......................................................................................... 61
11.2. Descrição de tags .................................................................................................................. 62
11.3. Pointsources (origem do dado) ............................................................................................. 62
11.3.1. Instâncias em interface Performance Equation .............................................................. 66
11.3.2. Instâncias em interface PI OPCInt ................................................................................... 66
11.3.3. Instâncias em interface PI RDBMS ................................................................................. 67
11.3.1. Responsáveis por PointSource ........................................................................................ 68
11.4. Compressão, exceção, step e location 4: ............................................................................ 92
11.4.1. Parâmetros de configuração de tags de tratamento de minérios ................................. 93
11.4.2. Parâmetros de configuraçãodas tags de telemetria (origem Extreme) ........................ 97
11.4.3. Parâmetros de configuraçãodas tags de despacho (origem Extreme) ........................ 99
11.4.4. Parâmetros de configuração de energia (origem 800xA) ............................................ 102
11.5. Classes de Scan (taxa de coleta) ....................................................................................... 104
11.5.1. Classes de scan da interface PI OPCInt ....................................................................... 104
11.5.2. Classes de scan da interface PI UFL ............................................................................ 105
11.5.3. Classes de scan da interface PI PerfMon ..................................................................... 105
11.5.4. Classes de scan da interface PIPING ........................................................................... 105
11.5.5. Classes de scan do PI PE (Performance Equation) .................................................... 106
11.5.6. Classes de scan da interface PI RDBMS...................................................................... 106
11.6. EngUnit (Unidade de engenharia) ...................................................................................... 107
11.7. Pointtype (tipo de dados)..................................................................................................... 109
11.7.1. Escolhendo um tipo de dado .......................................................................................... 109
11.7.2. Compatibilidade do tipo do dado (Item de OPC) .......................................................... 110
11.7.3. Imposições de tipo de ponto permissíveis .................................................................... 112
11.7.4. Alterações e archives de tipo de ponto ......................................................................... 113
11.8. Displaydigits (número de dígitos) ....................................................................................... 114
11.9. Tags do tratamento de minérios ......................................................................................... 114
11.9.1. Nome do tag .................................................................................................................... 115
11.9.2. Archiving .......................................................................................................................... 117
11.9.3. Change date, changer, creationdate e creator ............................................................. 117
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 6/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.9.4. Atributos de compressão ................................................................................................ 117


11.9.5. Convers (conversão)....................................................................................................... 117
11.9.6. Datasecurity e ptsecurity (segurança dos dados e dos pontos) ................................. 117
11.9.7. Descriptor (descrição dos tags) ..................................................................................... 118
11.9.8. Digitalset .......................................................................................................................... 119
11.9.9. Displaydigits ..................................................................................................................... 119
11.9.10. Engunits (unidade de engenharia)............................................................................... 119
11.9.11. Atributos de exceção .................................................................................................... 119
11.9.12. Exdesc (descrição extendida) ...................................................................................... 119
11.9.13. Filtercode ....................................................................................................................... 121
11.9.14. Instrumenttag ................................................................................................................. 121
11.9.15. Location 1 (instância) .................................................................................................... 121
11.9.16. Location 2 (conversão) ................................................................................................. 122
11.9.17. Location 3 (tipo) ............................................................................................................. 124
11.9.18. Location 4 (classe de scan).......................................................................................... 125
11.9.19. Location 5 (banda morta) ............................................................................................. 126
11.9.20. Pointid (número do ponto) ............................................................................................ 126
11.9.21. Pointsource (origem do dado) ...................................................................................... 127
11.9.22. Pointtype (tipo do ponto)............................................................................................... 127
11.9.23. Ptclassname (classe do ponto) .................................................................................... 127
11.9.24. Recno (número do registro) ......................................................................................... 127
11.9.25. Scan (varredura) ........................................................................................................... 127
11.9.26. Shutdown (evento de desligamento) ........................................................................... 127
11.9.27. Source tag (tag fonte) ................................................................................................... 127
11.9.28. Srcptid (id do tag fonte) ................................................................................................ 127
11.9.29. Span (range) .................................................................................................................. 128
11.9.30. Step (curva) ................................................................................................................... 128
11.9.31. Typicalvalue (valor desejável) ...................................................................................... 128
11.9.32. Zero (valor mínimo) ....................................................................................................... 128
11.9.33. Totalcode e squareroot (transformação e escala)...................................................... 128
11.9.34. Userint ............................................................................................................................ 131
11.10. Tags de laboratório .............................................................................................................. 131
11.10.1. Nome do tag .................................................................................................................. 132
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 7/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.10.2. Archiving (arquivar) ....................................................................................................... 132


11.10.3. Change date, changer, creationdate e creator ........................................................... 133
11.10.4. Atributos de compressão .............................................................................................. 133
11.10.5. Convers (conversão)..................................................................................................... 133
11.10.6. Datasecurity e ptsecurity (segurança dos dados e dos pontos) ............................... 133
11.10.7. Descriptor (descrição dos tags) ................................................................................... 134
11.10.8. Digitalset ........................................................................................................................ 134
11.10.9. Displaydigits ................................................................................................................... 134
11.10.10. Engunits (unidade de engenharia) ............................................................................. 134
11.10.11. Atributos de exceção................................................................................................... 134
11.10.12. Exdesc (descrição extendida) .................................................................................... 134
11.10.13. Filtercode ..................................................................................................................... 135
11.10.14. Instrumenttag ............................................................................................................... 135
11.10.15. Location 1 (instância) .................................................................................................. 135
11.10.16. Location 2 () ................................................................................................................. 135
11.10.17. Location 3 () ................................................................................................................. 135
11.10.18. Location 4 (classe de scan) ........................................................................................ 135
11.10.19. Location 5 () ................................................................................................................. 135
11.10.20. Pointid (número do ponto) .......................................................................................... 135
11.10.21. Pointsource (origem do dado) .................................................................................... 135
11.10.22. Pointtype (tipo do ponto)............................................................................................. 136
11.10.23. Ptclassname (classe do ponto) .................................................................................. 136
11.10.24. Recno (número do registro)........................................................................................ 136
11.10.25. Scan (varredura).......................................................................................................... 136
11.10.26. Shutdown (evento de desligamento) ......................................................................... 136
11.10.27. Source tag (tag fonte) ................................................................................................. 136
11.10.28. Srcptid (id do tag fonte)............................................................................................... 136
11.10.29. Span (range) ................................................................................................................ 136
11.10.30. Step (curva) ................................................................................................................. 137
11.10.31. Typicalvalue (valor desejável) .................................................................................... 137
11.10.32. Zero (valor mínimo) ..................................................................................................... 137
11.10.33. Totalcode e squareroot (transformação e escala) .................................................... 137
11.10.34. Userint .......................................................................................................................... 137
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 8/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.11. Tags de performance computacional ................................................................................. 137


11.11.1. Nome do tag .................................................................................................................. 137
11.11.2. Archiving (arquivar) ....................................................................................................... 138
11.11.3. Change date, changer, creationdate e creator ........................................................... 138
11.11.4. Atributos de compressão .............................................................................................. 138
11.11.5. Convers (conversão)..................................................................................................... 138
11.11.6. Datasecurity e ptsecurity (segurança dos dados e dos pontos) ............................... 139
11.11.7. Descriptor (descrição dos tags) ................................................................................... 139
11.11.8. Digitalset ........................................................................................................................ 139
11.11.9. Displaydigits ................................................................................................................... 139
11.11.10. Engunits (unidade de engenharia) ............................................................................. 139
11.11.11. Atributos de exceção................................................................................................... 140
11.11.12. Exdesc (descrição extendida) .................................................................................... 140
11.11.13. Filtercode ..................................................................................................................... 140
11.11.14. Instrumenttag ............................................................................................................... 140
11.11.15. Location 1 (instância) .................................................................................................. 140
11.11.16. Location 2 () ................................................................................................................. 140
11.11.17. Location 3 () ................................................................................................................. 140
11.11.18. Location 4 (classe de scan) ........................................................................................ 140
11.11.19. Location 5 () ................................................................................................................. 140
11.11.20. Pointid (número do ponto) .......................................................................................... 141
11.11.21. Pointsource (origem do dado) .................................................................................... 141
11.11.22. Pointtype (tipo do ponto)............................................................................................. 141
11.11.23. Ptclassname (classe do ponto) .................................................................................. 141
11.11.24. Recno (número do registro)........................................................................................ 141
11.11.25. Scan (varredura).......................................................................................................... 141
11.11.26. Shutdown (evento de desligamento) ......................................................................... 141
11.11.27. Source tag (tag fonte) ................................................................................................. 141
11.11.28. Srcptid (id do tag fonte)............................................................................................... 142
11.11.29. Span (range) ................................................................................................................ 142
11.11.30. Step (curva) ................................................................................................................. 142
11.11.31. Typicalvalue (valor desejável) .................................................................................... 142
11.11.32. Zero (valor mínimo) ..................................................................................................... 142
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 9/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.11.33. Totalcode e squareroot (transformação e escala) .................................................... 142


11.11.34. Userint .......................................................................................................................... 142
11.12. Tags de ping ......................................................................................................................... 142
11.12.1. Nome do tag .................................................................................................................. 143
11.12.2. Archiving (arquivar) ....................................................................................................... 143
11.12.3. Change date, changer, creationdate e creator ........................................................... 143
11.12.4. Atributos de compressão .............................................................................................. 143
11.12.5. Convers (Conversão) .................................................................................................... 144
11.12.6. Datasecurity e ptsecurity (segurança dos dados e dos pontos) ............................... 144
11.12.7. Descriptor (descrição dos tags) ................................................................................... 144
11.12.8. Digitalset ........................................................................................................................ 144
11.12.9. Displaydigits ................................................................................................................... 144
11.12.10. Engunits (unidade de engenharia) ............................................................................. 144
11.12.11. Atributos de exceção................................................................................................... 145
11.12.12. Exdesc (descrição extendida) .................................................................................... 145
11.12.13. Filtercode ..................................................................................................................... 145
11.12.14. Instrumenttag ............................................................................................................... 145
11.12.15. Location 1 (instância) .................................................................................................. 145
11.12.16. Location 2 (número de pings)..................................................................................... 145
11.12.17. Location 3 (número de respostas válidas) ................................................................ 145
11.12.18. Location 4 (classe de scan) ........................................................................................ 146
11.12.19. Location 5 (nível de debug) ........................................................................................ 146
11.12.20. Pointid (número do ponto) .......................................................................................... 146
11.12.21. Pointsource (origem do dado) .................................................................................... 146
11.12.22. Pointtype (tipo do ponto)............................................................................................. 146
11.12.23. Ptclassname (classe do ponto) .................................................................................. 146
11.12.24. Recno (número do registro)........................................................................................ 147
11.12.25. Scan (varredura).......................................................................................................... 147
11.12.26. Shutdown ..................................................................................................................... 147
11.12.27. Tag fonte (sourcetag) .................................................................................................. 147
11.12.28. Srcptid (id do tag fonte)............................................................................................... 147
11.12.29. Span (range) ................................................................................................................ 147
11.12.30. Step (curva) ................................................................................................................. 147
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 10/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.12.31. Typicalvalue (valor desejável) .................................................................................... 148


11.12.32. Zero (valor mínimo) ..................................................................................................... 148
11.12.33. Totalcode e squareroot (transformação e escala) .................................................... 148
11.12.34. Userint .......................................................................................................................... 148
11.13. Tags de saúde - Health Points ............................................................................................ 148
11.13.1. Nome do tag .................................................................................................................. 148
11.13.2. Datasecurity e ptsecurity (segurança dos dados e dos pontos) ............................... 149
11.13.3. Descrição dos tags........................................................................................................ 149
11.14. Tags de condição ................................................................................................................. 149
11.14.1. Nome do tag .................................................................................................................. 149
11.14.2. Archiving ........................................................................................................................ 151
11.14.3. Change date, changer, creationdate e creator ........................................................... 151
11.14.4. compdev, compdevpercent, compmin, compmax e compressing ............................ 151
11.14.5. Convers (conversão)..................................................................................................... 151
11.14.6. Datasecurity e ptsecurity (segurança dos dados e dos pontos) ............................... 151
11.14.7. Descriptor....................................................................................................................... 152
11.14.8. Digitalset ........................................................................................................................ 153
11.14.9. Displaydigits ................................................................................................................... 153
11.14.10. Engunits (unidade de engenharia) ............................................................................. 153
11.14.11. excdev, excdevpercent, excmin e excmax................................................................ 153
11.14.12. Exdesc (descrição extendida) .................................................................................... 154
11.14.13. Filtercode ..................................................................................................................... 154
11.14.14. Instrumenttag ............................................................................................................... 154
11.14.15. Location 1 (instância) .................................................................................................. 154
11.14.16. Location 2 () ................................................................................................................. 154
11.14.17. Location 3 () ................................................................................................................. 154
11.14.18. Location 4 () ................................................................................................................. 154
11.14.19. Location 5 () ................................................................................................................. 154
11.14.20. Pointid........................................................................................................................... 154
11.14.21. Pointsource .................................................................................................................. 154
11.14.22. Pointtype ...................................................................................................................... 155
11.14.23. Ptclassname ................................................................................................................ 155
11.14.24. Recno ........................................................................................................................... 155
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 11/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.14.25. Scan.............................................................................................................................. 155


11.14.26. Shutdown ..................................................................................................................... 155
11.14.27. Source tag .................................................................................................................... 155
11.14.28. Srcptid .......................................................................................................................... 155
11.14.29. Span ............................................................................................................................. 155
11.14.30. Step .............................................................................................................................. 156
11.14.31. Typicalvalue ................................................................................................................. 156
11.14.32. Zero .............................................................................................................................. 156
11.14.33. Totalcode e squareroot ............................................................................................... 156
11.14.34. Userint .......................................................................................................................... 156
11.15. Tags de medição e proteção de energia............................................................................ 156
11.15.1. Nome do tag .................................................................................................................. 157
11.15.2. Archiving (arquivar) ....................................................................................................... 160
11.15.3. Change date, changer, creationdate e creator ........................................................... 160
11.15.4. Atributos de compressão .............................................................................................. 160
11.15.5. Convers (conversão)..................................................................................................... 160
11.15.6. Datasecurity e ptsecurity (segurança dos dados e dos pontos) ............................... 160
11.15.7. Descriptor (descrição dos tags) ................................................................................... 161
11.15.8. Digitalset ........................................................................................................................ 161
11.15.9. Displaydigits ................................................................................................................... 162
11.15.10. Engunits (unidade de engenharia) ............................................................................. 162
11.15.11. Atributos de exceção................................................................................................... 162
11.15.12. Exdesc (descrição extendida) .................................................................................... 162
11.15.13. Filtercode ..................................................................................................................... 162
11.15.14. Instrumenttag ............................................................................................................... 162
11.15.15. Location 1 (instância) .................................................................................................. 163
11.15.16. Location 2 (conversão) ............................................................................................... 163
11.15.17. Location 3 (número da coluna ou tipo) ...................................................................... 163
11.15.18. Location 4 (classe de scan) ........................................................................................ 164
11.15.19. Location 5 (banda morta)............................................................................................ 164
11.15.20. Pointid (número do ponto) .......................................................................................... 165
11.15.21. Pointsource (origem do dado) .................................................................................... 165
11.15.22. Pointtype (tipo do ponto)............................................................................................. 165
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 12/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.15.23. Ptclassname (classe do ponto) .................................................................................. 165


11.15.24. Recno (número do registro)........................................................................................ 165
11.15.25. Scan (varredura).......................................................................................................... 165
11.15.26. Shutdown (evento de desligamento) ......................................................................... 165
11.15.27. Source tag (Tag fonte) ................................................................................................ 166
11.15.28. Srcptid (id do tag fonte)............................................................................................... 166
11.15.29. Span (range) ................................................................................................................ 166
11.15.30. Step (curva) ................................................................................................................. 166
11.15.31. Typicalvalue (valor desejável) .................................................................................... 166
11.15.32. Zero (valor mínimo) ..................................................................................................... 166
11.15.33. Totalcode e squareroot (transformação e escala) .................................................... 166
11.15.34. Userint .......................................................................................................................... 167
11.16. Tags historiados ................................................................................................................... 167
11.16.1. TAG ................................................................................................................................ 167
11.16.2. Datasecurity e ptsecurity (segurança dos dados e dos pontos) ............................... 167
11.16.3. Descriptor (descrição dos tags) ................................................................................... 168
11.16.4. Pointsource (origem do dado) ...................................................................................... 168
11.16.5. Scan (varredura) ........................................................................................................... 168
11.16.6. Data Access................................................................................................................... 168
11.16.7. PTAccess ....................................................................................................................... 168
11.17. Tags de telemetria (sistema extreme) ................................................................................ 168
11.17.1. Solução Extreme ........................................................................................................... 169
11.17.2. Arquitetura ..................................................................................................................... 169
11.17.3. Integração entre Extreme Server e PI Data Archive .................................................. 170
11.17.4. Definições para dados de despacho ........................................................................... 171
11.17.5. Definições para dados de telemetria ........................................................................... 172
11.17.6. Definições dostags ........................................................................................................ 173
11.17.7. Definições dos nomes dos tags de atributos .............................................................. 173
11.17.8. Definições das descrições dos tags de atributos ....................................................... 175
11.17.9. Definições dos nomes dos tags de eventos ............................................................... 175
11.17.10. Definições das descrições dos tags de eventos ....................................................... 175
11.17.11. Definições dos nomes dos tags de despacho .......................................................... 176
11.17.12. Quantidade de tags geradas pelo Extreme na telemetria ....................................... 176
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 13/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.17.13. Quantidade de tags geradas pelo Extreme despacho ............................................. 177


11.17.14. Quantidade total de tag’s geradas pelo Extreme ..................................................... 177
11.18. Tags de despacho com origem PI RDBMS ....................................................................... 178
11.18.1. Nome do tag .................................................................................................................. 178
11.18.2. Archiving (arquivar) ....................................................................................................... 179
11.18.3. Change date, changer, creationdate e creator ........................................................... 179
11.18.4. Atributos de compressão .............................................................................................. 179
11.18.5. Convers (conversão)..................................................................................................... 179
11.18.6. Datasecurity e ptsecurity (segurança dos dados e dos pontos) ............................... 179
11.18.7. Descriptor (descrição dos tags) ................................................................................... 180
11.18.8. Digitalset ........................................................................................................................ 180
11.18.9. Displaydigits ................................................................................................................... 180
11.18.10. Engunits (unidade de engenharia) ............................................................................. 180
11.18.11. Atributos de exceção................................................................................................... 180
11.18.12. Exdesc (descrição extendida) .................................................................................... 180
11.18.13. Filtercode ..................................................................................................................... 181
11.18.14. Instrumenttag ............................................................................................................... 181
11.18.15. Location 1 (instância) .................................................................................................. 181
11.18.16. Location 2 () ................................................................................................................. 181
11.18.17. Location 3 (número da coluna) .................................................................................. 181
11.18.18. Location 4 (classe de Scan) ....................................................................................... 181
11.18.19. Location 5 () ................................................................................................................. 182
11.18.20. Pointid (número do ponto) .......................................................................................... 182
11.18.21. Pointsource (origem do dado) .................................................................................... 182
11.18.22. Pointtype (tipo do ponto)............................................................................................. 182
11.18.23. Ptclassname (classe do ponto) .................................................................................. 182
11.18.24. Recno (número do registro)........................................................................................ 182
11.18.25. Scan (varredura).......................................................................................................... 182
11.18.26. Shutdown (evento de desligamento) ......................................................................... 182
11.18.27. Source tag (tag fonte) ................................................................................................. 183
11.18.28. Srcptid (id do tag fonte)............................................................................................... 183
11.18.29. Span (Range) .............................................................................................................. 183
11.18.30. Step (curva) ................................................................................................................. 183
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 14/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.18.31. Typicalvalue (valor desejável) .................................................................................... 183


11.18.32. Zero (valor mínimo) ..................................................................................................... 183
11.18.33. Totalcode e squareroot (transformação e escala) .................................................... 183
11.18.34. Userint .......................................................................................................................... 183
11.19. Tags de despacho com origem PI UFL .............................................................................. 183
11.19.1. Nome do tag .................................................................................................................. 186
11.19.2. Archiving (Arquivar)....................................................................................................... 186
11.19.3. Change date, changer, creationdate e creator ........................................................... 187
11.19.4. Atributos de compressão .............................................................................................. 187
11.19.5. Convers (conversão)..................................................................................................... 187
11.19.6. Datasecurity e ptsecurity (segurança dos dados e dos pontos) ............................... 187
11.19.7. Descriptor (descrição dos tags) ................................................................................... 187
11.19.8. Digitalset ........................................................................................................................ 188
11.19.9. Displaydigits ................................................................................................................... 188
11.19.10. Engunits (unidade de engenharia) ............................................................................. 188
11.19.11. Atributos de exceção................................................................................................... 188
11.19.12. Exdesc (descrição extendida) .................................................................................... 188
11.19.13. Filtercode ..................................................................................................................... 188
11.19.14. Instrumenttag ............................................................................................................... 188
11.19.15. Location 1 (instância) .................................................................................................. 189
11.19.16. Location 2 () ................................................................................................................. 189
11.19.17. Location 3 () ................................................................................................................. 189
11.19.18. Location 4 (classe de Scan) ....................................................................................... 189
11.19.19. Location 5 () ................................................................................................................. 189
11.19.20. Pointid (número do ponto) .......................................................................................... 189
11.19.21. Pointsource (origem do dado) .................................................................................... 189
11.19.22. Pointtype (tipo do ponto)............................................................................................. 189
11.19.23. Ptclassname (classe do ponto) .................................................................................. 189
11.19.24. Recno (número do registro)........................................................................................ 190
11.19.25. Scan (varredura).......................................................................................................... 190
11.19.26. Shutdown (evento de desligamento) ......................................................................... 190
11.19.27. Source tag (tag fonte) ................................................................................................. 190
11.19.28. Srcptid (id do tag fonte)............................................................................................... 190
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 15/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.19.29. Span (range) ................................................................................................................ 190


11.19.30. Step (curva) ................................................................................................................. 190
11.19.31. Typicalvalue (valor desejável) .................................................................................... 191
11.19.32. Zero (valor mínimo) ..................................................................................................... 191
11.19.33. Totalcode e squareroot (transformação e escala) .................................................... 191
11.19.34. Userint .......................................................................................................................... 191
11.20. Tags de gestão de combustíveis ........................................................................................ 191
11.20.1. Nome do tag .................................................................................................................. 192
11.20.2. Archiving (arquivar) ....................................................................................................... 193
11.20.3. Change date, changer, creationdate e creator ........................................................... 193
11.20.4. Atributos de compressão .............................................................................................. 194
11.20.5. Convers (conversão)..................................................................................................... 194
11.20.6. Datasecurity e ptsecurity (segurança dos dados e dos pontos) ............................... 194
11.20.7. Descriptor (descrição dos tags) ................................................................................... 194
11.20.8. Digitalset ........................................................................................................................ 195
11.20.9. Displaydigits ................................................................................................................... 195
11.20.10. Engunits (unidade de engenharia)............................................................................. 195
11.20.11. Atributos de exceção................................................................................................... 195
11.20.12. Exdesc (descrição extendida) .................................................................................... 196
11.20.13. Filtercode ..................................................................................................................... 196
11.20.14. Instrumenttag ............................................................................................................... 196
11.20.15. Location 1 (instância) .................................................................................................. 196
11.20.16. Location 2 (conversão) ............................................................................................... 197
11.20.17. Location 3 (tipo) ........................................................................................................... 198
11.20.18. Location 4 (classe de scan) ........................................................................................ 199
11.20.19. Location 5 (banda morta)............................................................................................ 200
11.20.20. Pointid (número do ponto) .......................................................................................... 201
11.20.21. Pointsource (origem do dado) .................................................................................... 201
11.20.22. Pointtype (tipo do ponto)............................................................................................. 201
11.20.23. Ptclassname (classe do ponto) .................................................................................. 201
11.20.24. Recno (número do registro)........................................................................................ 201
11.20.25. Scan (varredura).......................................................................................................... 201
11.20.26. Shutdown (evento de desligamento) ......................................................................... 202
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 16/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.20.27. Source tag (tag fonte) ................................................................................................. 202


11.20.28. Srcptid (id do tag fonte)............................................................................................... 202
11.20.29. Span (range) ................................................................................................................ 202
11.20.30. Step (curva) ................................................................................................................. 202
11.20.31. Typicalvalue (valor desejável) .................................................................................... 202
11.20.32. Zero (valor mínimo) ..................................................................................................... 202
11.20.33. Totalcode e squareroot (transformação e escala) .................................................... 203
11.20.34. Userint .......................................................................................................................... 206
11.21. Tags de controle PID ........................................................................................................... 206
11.21.1. Nome do tag .................................................................................................................. 206
11.21.2. Archiving (arquivar) ....................................................................................................... 207
11.21.3. Change date, changer, creationdate e creator ........................................................... 207
11.21.4. Atributos de compressão .............................................................................................. 207
11.21.5. Convers (conversão)..................................................................................................... 207
11.21.6. Datasecurity e ptsecurity (segurança dos dados e dos pontos) ............................... 207
11.21.7. Descriptor (descrição dos tags) ................................................................................... 208
11.21.8. Digitalset ........................................................................................................................ 208
11.21.9. Displaydigits ................................................................................................................... 208
11.21.10. Engunits (unidade de engenharia) ............................................................................. 208
11.21.11. Atributos de exceção................................................................................................... 209
11.21.12. Exdesc (descrição extendida) .................................................................................... 209
11.21.13. Filtercode ..................................................................................................................... 209
11.21.14. Instrumenttag ............................................................................................................... 209
11.21.15. Location 1 (instância) .................................................................................................. 209
11.21.1. Location 2 (conversão) ................................................................................................. 210
11.21.2. Location 3 (tipo) ............................................................................................................. 212
11.21.3. Location 4 (classe de scan).......................................................................................... 213
11.21.4. Location 5 (banda morta) ............................................................................................. 214
11.21.5. Pointid (número do ponto) ............................................................................................ 214
11.21.6. Pointsource (origem do dado) ...................................................................................... 215
11.21.7. Pointtype (tipo do ponto)............................................................................................... 215
11.21.8. Ptclassname (classe do ponto) .................................................................................... 215
11.21.9. Recno (número do registro) ......................................................................................... 215
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 17/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.21.10. Scan (varredura).......................................................................................................... 215


11.21.11. Shutdown (evento de desligamento) ......................................................................... 215
11.21.12. Source tag (tag fonte) ................................................................................................. 215
11.21.13. Srcptid (id do tag fonte)............................................................................................... 215
11.21.14. Span (range) ................................................................................................................ 216
11.21.15. Step (curva) ................................................................................................................. 216
11.21.16. Typicalvalue (valor desejável) .................................................................................... 216
11.21.17. Zero (valor mínimo) ..................................................................................................... 216
11.21.18. Totalcode e squareroot (transformação e escala) .................................................... 216
11.21.19. Userint .......................................................................................................................... 219
11.22. Tags de IORates .................................................................................................................. 219
11.22.1. Nome do tag .................................................................................................................. 220
11.22.2. Datasecurity e ptsecurity (segurança dos dados e dos pontos) ............................... 220
11.22.3. Descrição dos tags........................................................................................................ 220
12. Balanceamento de carga ........................................................................................................................ 221
13. Manutenção do sistema PI ..................................................................................................................... 221
13.1. Manutenção preventiva ....................................................................................................... 222
13.1.1. Sistema de arquivos........................................................................................................ 223
13.1.2. Serviços ........................................................................................................................... 224
13.1.3. Archive ............................................................................................................................. 226
13.1.4. Procedimento de Backup ............................................................................................... 227
A) AGENDAMENTO ......................................................................................................................... 227
B) ARMAZENAMENTO .................................................................................................................... 228
13.1.5. Politica de Backup do Sistema PIMS ............................................................................ 228
A) PROCEDIMENTOS ..................................................................................................................... 228
B) TIPOS DE BACKUPS.................................................................................................................. 228
C) FREQÜÊNCIAS DE EXECUÇÃO DOS BACKUPS.................................................................. 229
D) BACKUP COMPLETO DA BASE DE DADOS .......................................................................... 229
E) IMAGEM DOS COLETORES DE DADOS ................................................................................ 229
F) RETENÇÃO DO BACKUP .......................................................................................................... 229
G) LOCALIZAÇÃO DOS ARQUIVOS E BATCHES ....................................................................... 230
H) SCHEDULED TASKS.................................................................................................................. 230
I) LOG DE EXECUÇÃO .................................................................................................................. 231
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 18/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

J) CONSIDERAÇÕES SOBRE A POLÍTICA DE BACKUP.......................................................... 231


13.1.6. Restore do backup .......................................................................................................... 231
A) INSTALAÇÃO DOS SOFTWARES ............................................................................................ 231
B) RESTAURAÇÃO DO BACKUP .................................................................................................. 232
C) RESTAURAÇÃO DA APLICAÇÃO PIMS .................................................................................. 232
D) RESTAURAÇÃO DO HISTÓRICO............................................................................................. 233
13.1.7. Event Queue .................................................................................................................... 234
13.1.8. O Subsistema de Mensagens de Log ........................................................................... 238
13.1.9. Conexões ......................................................................................................................... 239
13.1.10. Interfaces ....................................................................................................................... 240
13.1.11. Tags................................................................................................................................ 240
13.2. Manutenção corretiva .......................................................................................................... 241
13.2.1. Diagnosticando a causa de um problema ..................................................................... 241
13.2.2. Triagem ............................................................................................................................ 242
13.2.3. Procedimentos de reparo ............................................................................................... 245
A) RECUPERAÇÃO DOS DADOS DE UM ARCHIVE CORROMPIDO ...................................... 246
B) RECUPERAÇÃO COMPLETA DO SERVIDOR A PARTIR DO BACKUP ............................. 247
C) RECUPERAÇÃO DE ARCHIVES PELO BACKUP .................................................................. 248
D) RECUPERAÇÃO DAS BASES DOS SUBSISTEMAS PELO BACKUP ................................. 248
13.3. Website do suporte técnico da OSI .................................................................................... 249
14. Tela de gerenciamento de servidores ................................................................................................... 250
14.1. Tela principal ........................................................................................................................ 252
14.2. Tela de visão geral do sistema PI....................................................................................... 253
14.3. Tela de hardware dos servidores ....................................................................................... 256
14.4. Tela de detalhes dos servidores pi ..................................................................................... 257
14.5. Tela de detalhes de interfaces pi ........................................................................................ 263
15. Procedimento de horário de verão ......................................................................................................... 265
15.1. Servidor PI ............................................................................................................................ 267
15.1.1. Arquivo localhost.tz ......................................................................................................... 267
15.1.2. Horário do Sistema Operacional .................................................................................... 274
15.2. Maquinas clientes e de interface ........................................................................................ 275
15.3. Casos especiais ................................................................................................................... 276
15.3.1. PI Server sem horário de veráo ..................................................................................... 276
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 19/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

15.3.2. Servidor/Interfaces em diferentes timezones ............................................................... 276


15.3.3. Servidor/Clientes em diferentes timezones .................................................................. 277
15.3.3.1. PI ProcessBook ............................................................................................................ 277
15.3.3.2. PI DataLink ................................................................................................................... 278
15.3.3.3. PI RtWebParts .............................................................................................................. 279
15.3.3.4. Para Web Server, clientes e PI Server sob o mesmo fuso horário.......................... 279
15.3.3.5. Para Web Server, clientes e PI Server em fusos horários distintos ........................ 280
16. Suporte ..................................................................................................................................................... 281
16.1. Usuários autorizados a utilizar o suporte ........................................................................... 282
16.2. Utilização do suporte ........................................................................................................... 282
16.3. O que ter em mãos antes de acionar o suporte. ............................................................... 282
16.4. Como não pedir ajuda ......................................................................................................... 285
16.5. site de suporte técnico da OSIsoft ...................................................................................... 285
16.6. Renovação de suporte ou compra de licença ................................................................... 290
17. Treinamentos ........................................................................................................................................... 291
18. Certificação de PI Combo ....................................................................................................................... 292
19. Licenças do PI Combo ............................................................................................................................ 292
19.1. Solicitação de instalação de licença do PI Combo ........................................................... 292
19.1.1. Solicitante da TA ............................................................................................................. 293
19.1.2. Solicitante da TI ............................................................................................................... 294
19.2. Solicitação de movimentação de licença do PI COMBO .................................................. 295
19.2.1. Solicitante da TA ............................................................................................................. 295
19.2.2. Solicitante da TI ............................................................................................................... 296
20. Aplicações desenvolvidas....................................................................................................................... 297
20.1. Aplicação Excel .................................................................................................................... 297
20.1.1. Características da aplicação .......................................................................................... 297
20.1.2. Publicação de uma aplicação ........................................................................................ 297
20.2. ProcessBook......................................................................................................................... 299
20.2.1. Características da aplicação .......................................................................................... 299
20.2.2. Publicação de uma aplicação ........................................................................................ 299
20.3. Portal ..................................................................................................................................... 300
20.3.1. Características do Portal ................................................................................................ 300
20.3.2. Publicação de um site no portal ..................................................................................... 300
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 20/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

21. Envio de boletins do sistema aos usuários ........................................................................................... 300


22. Retificação de valores na base de dados ............................................................................................. 301
22.1. PGS-000249 ......................................................................................................................... 301
22.1.1. Quando executar retificação de valores ........................................................................ 302
22.1.2. Procedimento para solicitação de retificação de valores ............................................ 302
22.1.3. Aprovação da solicitação para retificação de valores .................................................. 302
22.1.4. Execução das retificação de valores ............................................................................. 302
22.1.5. Prazos .............................................................................................................................. 302
22.1.6. Cuidados especiais ......................................................................................................... 303
22.2. PGS-002559 ......................................................................................................................... 303
22.2.1. Quando executar retificação de valores?...................................................................... 304
22.2.2. Retificação de informação de produção do tratamento de minérios .......................... 305
22.2.1. Retificação de informação de tags totalizadores do tratamento de minério .............. 305
22.2.2. Procedimento para solicitação de retificação de valores ............................................ 306
22.2.3. Aprovação da solicitação para retificação de valores .................................................. 306
22.2.4. Execução das retificação de valores ............................................................................. 306
22.2.5. Prazos .............................................................................................................................. 307
22.2.6. Cuidados especiais ......................................................................................................... 307
23. Configuração da interface PI Perfmon .................................................................................................. 307
24. Mnemônicos para tags ............................................................................................................................ 309
25. Anexos...................................................................................................................................................... 349
26. Informações complementares ................................................................................................................ 351
26.1. Construção do documento .................................................................................................. 351
26.2. Contribuidores nas atualizações ......................................................................................... 351
27. Modificações no documento ................................................................................................................... 353
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 21/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Índice de Figuras
Figura 1: Visão geral do sistema PI ...................................................................................................................... 36

Figura 2: Visão da infraestrutura das coletoras OPC IT e MR ............................................................................... 38

Figura 3: Visão da infraestrutura das coletoras OPC PAR e VGR......................................................................... 39

Figura 4: Visão da infraestrutura do Complexo Itabira e Água Limpa .................................................................... 40

Figura 5: Visão da infraestrutura do Complexo Mariana e Brucutu ....................................................................... 41

Figura 6: Visão da infraestrutura do Complexo Paraopeba ................................................................................... 42

Figura 7: Visão da infraestrutura do Complexo Vargem Grande ........................................................................... 43

Figura 8: Visão da infraestrutura de coleta de dados de medição e proteção de energia ...................................... 44

Figura 6: Área de documentação do PIMS ........................................................................................................... 51

Figura 7: Lista de orientações operacionais ......................................................................................................... 54

Figura 8: Lista de erros conhecidos...................................................................................................................... 55

Figura 9: Lista de instruções de alarme de monitoramento ................................................................................... 56

Figura 10: Lista de instruções operacionais e de monitoramento .......................................................................... 57

Figura 11: Lista de planos de recuperação de desastre ........................................................................................ 58

Figura 12: Lista de soluções de contorno ............................................................................................................. 59

Figura 13: Lista de orientações de gestão de sistema .......................................................................................... 60

Figura 14: Inspeções do PIMS ............................................................................................................................. 60

Figura 15: Tela do PI System Explorer – Unidade de engenharia ....................................................................... 108

Figura 16: Estrutura geral do sistema da Devex ................................................................................................. 170

Figura 17: Configuração do envio de dados do sistema Smartmine .................................................................... 185

Figura 18: Fluxo de operação sistema Smartmine .............................................................................................. 186

Figura 19: Serviços visualizados no PI SMT....................................................................................................... 224

Figura 20: Janela de identificação do servidor .................................................................................................... 234

Figura 21: PerformanceCounters no PI SMT ...................................................................................................... 237

Figura 22: Lista de conexões no PI SMT ............................................................................................................ 239

Figura 23: Tela indicando pontos em Bad and Stale........................................................................................... 241

Figura 24: Hierarquia e herança de estrutura de dados no PI AF para os servidores .......................................... 250

Figura 25: Display de monitoramento - Tela principal ......................................................................................... 253


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 22/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Figura 26: Display de arquitetura do sistema PI ................................................................................................. 254

Figura 27: Display de gerenciamento de hardware e software ............................................................................ 257

Figura 28: Display de gerenciamento do servidor PI de Itabira ........................................................................... 259

Figura 29: Display de gerenciamento das interfaces .......................................................................................... 264

Figura 30: Parte da tela de detalhes: indicação de problemas nos dispositivos de dados ................................... 265

Figura 31: tzedit - Windows Time Zone Editor .................................................................................................... 274

Figura 32: Edição deTime Zone: (GMT-03:00) Brasilia ....................................................................................... 275

Figura 33: Seleção de Time Zone no ProcessBook ............................................................................................ 278

Figura 34: Seleção de Time Zone no DataLink ................................................................................................... 279

Figura 35: Formas de contato com a OSIsoft ..................................................................................................... 281

Figura 36: Localização do arquivo pipc.log ......................................................................................................... 283

Figura 37: LogPI.txt ........................................................................................................................................... 283

Figura 38: Localização da versão do software .................................................................................................... 284

Figura 39: Versão do sistemaPI ......................................................................................................................... 284

Figura 40: Mensagens e códigos de erro ........................................................................................................... 285

Figura 41: Como não pedir ajuda ....................................................................................................................... 285

Figura 42: Site de suporte da OSIsoft ................................................................................................................ 286

Figura 43: Log in no site da OSIsoft ................................................................................................................... 286

Figura 44: Página de suporte da OSI ................................................................................................................. 287

Figura 45: Nova chamada para suporte ............................................................................................................. 287

Figura 46: Envio de solicitação de suporte ao site da OSIsoft............................................................................. 288

Figura 47: Detalhes de um chamado no site da OSI ........................................................................................... 289

Figura 48: Pesquisa de mensagens de erro no site da OSI ................................................................................ 289

Figura 49: Resultado de pesquisa de mensagens de erro no site da OSI ........................................................... 290

Figura 50:Fluxograma da solicitação de licença do PI COMBO (Cliente TA)....................................................... 293

Figura 51: Fluxograma da solicitação de licença do PI COMBO (Cliente TI) ....................................................... 294

Figura 52: Fluxograma da solicitação de movimentação de licença do PI COMBO (Cliente TA) ......................... 295

Figura 53: Fluxograma da solicitação de movimentação de licença do PI COMBO (Cliente TI)........................... 296

Figura 54: Manual de utilização de aplicação Excel............................................................................................ 298


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 23/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Figura 55: Manual de manutenção de aplicação Excel ....................................................................................... 299

Figura 56: Layout do portal da Automação ......................................................................................................... 300

Figura 57: PGS000249 no SISPAV .................................................................................................................... 301

Figura 58: PGS002559 no SISPAV .................................................................................................................... 304

Figura 59: Fluxo de alteração de valores de produção final do tratamento de minérios ....................................... 305

Figura 60: Fluxo de alteração de valores de tags totalizadores do tratamento de minérios ................................. 306

Figura 61: Configuração de nova interface ......................................................................................................... 308

Figura 62: Usuário sob o qual os serviços serão executados.............................................................................. 309


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 24/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Índice de Tabelas
Tabela 1: Licenças do PIServer ........................................................................................................................... 37

Tabela 2: Planilha RACI Macro do Serviço PIMS ................................................................................................. 47

Tabela 3: Planilha RACI Detealhada do Serviço PIMS ......................................................................................... 48

Tabela 4: Siglas de localidades e complexos ....................................................................................................... 61

Tabela 5: Sigla das fontes de dados .................................................................................................................... 63

Tabela 6: Instância e pointsource PI RDBMS ....................................................................................................... 67

Tabela 7: Sigla das fontes de dados usadas na Diretoria ..................................................................................... 68

Tabela 8: Lista de tipos de variáveis para tags de processo ................................................................................. 93

Tabela 9: Lista de tipos de variáveis para tags de telemetria (Extreme) ................................................................ 97

Tabela 10: Lista de tipos de variáveis para tags de despacho (Extreme) .............................................................. 99

Tabela 11: Lista de tipos de variáveis para tags de energia ................................................................................ 102

Tabela 12: Tempo de cálculos da interface PI OPCInt........................................................................................ 104

Tabela 13: Tempo de cálculos da interface PI UFL para dados de origem do sistema Nautilus (qualidade) ........ 105

Tabela 14: Tempo de cálculos da interface PI PerfMon ...................................................................................... 105

Tabela 15: Tempo de cálculos da interface PI PING .......................................................................................... 106

Tabela 16: Tempo de cálculo do PIPE ............................................................................................................... 106

Tabela 17: Tempo de cálculo da interface PI RDBMS ........................................................................................ 107

Tabela 18: Tipo de dados .................................................................................................................................. 109

Tabela 19: Formato de dígitos ........................................................................................................................... 114

Tabela 20: Segurança dos dados e pontos ........................................................................................................ 117

Tabela 21: Exemplos de descrição tag de processo ........................................................................................... 118

Tabela 22: Exemplos de descrição escrita WRT ................................................................................................ 118

Tabela 23: Exemplos de descrição escrita no PLC ............................................................................................. 119

Tabela 24: ID’s das instâncias de tags de processo ........................................................................................... 121

Tabela 25: Segurança dos dados e pontos ........................................................................................................ 129

Tabela 26: Segurança dos dados e pontos ........................................................................................................ 133

Tabela 27: Exemplos de descrição tag de laboratório......................................................................................... 134


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 25/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Tabela 28: Segurança dos dados e pontos ........................................................................................................ 139

Tabela 29: Exemplos de descrição de tags de performance ............................................................................... 139

Tabela 30: Segurança dos dados e pontos ........................................................................................................ 144

Tabela 31: Exemplos de descrição..................................................................................................................... 144

Tabela 32: Segurança dos dados e pontos ........................................................................................................ 149

Tabela 33: Exemplos de descrição..................................................................................................................... 149

Tabela 34: Localidade X Segurança................................................................................................................... 151

Tabela 35: Exemplos de descrição..................................................................................................................... 153

Tabela 36: Segurança dos dados e pontos ........................................................................................................ 160

Tabela 37: Exemplos de descrição..................................................................................................................... 161

Tabela 38: Definições do nome do tag ............................................................................................................... 174

Tabela 39: Definições da descrição do tag ......................................................................................................... 175

Tabela 40: Definições da descrição do tag de evento......................................................................................... 175

Tabela 41: Definições do nome do tag ............................................................................................................... 176

Tabela 42: Quantidade de tag de variáveis ........................................................................................................ 176

Tabela 43: Quantidade de tags de eventos ........................................................................................................ 177

Tabela 44: Quantidade de tag de despacho ....................................................................................................... 177

Tabela 45: Segurança dos dados e pontos ........................................................................................................ 179

Tabela 46: Exemplos de descrição..................................................................................................................... 180

Tabela 47: Segurança dos dados e pontos ........................................................................................................ 187

Tabela 48: Exemplos de descrição..................................................................................................................... 188

Tabela 49: Segurança dos dados e pontos ........................................................................................................ 194

Tabela 50: Exemplos de descrição tag de processo ........................................................................................... 195

Tabela 51: Exemplos de descrição escrita no PLC ............................................................................................. 195

Tabela 52: ID’s das instâncias de tags de processo ........................................................................................... 196

Tabela 53: Tabela de conversão ........................................................................................................................ 204

Tabela 54: Segurança dos dados e pontos ........................................................................................................ 207

Tabela 55: Exemplos de descrição tag de processo ........................................................................................... 208

Tabela 56: ID’s das instâncias de tags de processo ........................................................................................... 209


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 26/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Tabela 57: Tabela de conversão ........................................................................................................................ 217

Tabela 58: Segurança dos dados e pontos ........................................................................................................ 220

Tabela 59: Exemplos de descrição..................................................................................................................... 221

Tabela 60: Quadro comparativo de procedimento de manutenção ..................................................................... 222

Tabela 61: Serviços do sistema PI ..................................................................................................................... 224

Tabela 62: Frequências de Execução dos Backups ........................................................................................... 229

Tabela 63: Tags de status do EventQueue e subsistemas Base, Archive e Snapshot ........................................ 235

Tabela 64: Colunas do arquivo localhost.tz ........................................................................................................ 267

Tabela 65: Linhas do arquivo localhost.tz........................................................................................................... 269

Tabela 66: Lista de usuários autorizados a acionar o suporte da OSIsoft ........................................................... 282

Tabela 67: Documentos para renovação de suporte e compra de licença. ......................................................... 291

Tabela 68: Lista de responsáveis no procedimento de compra de licença e renovação de suporte..................... 291

Tabela 69: Tabela de tipos de equipamentos ..................................................................................................... 309

Tabela 70: Tabela de instrumentos .................................................................................................................... 311

Tabela 71: Mnemônicos – Entradas e Campo - Bits ........................................................................................... 313

Tabela 72: Mnemônicos – Entradas de Campo - Bits ......................................................................................... 317

Tabela 73: Mnemônicos – Saídade Campo - Bits ............................................................................................... 318

Tabela 74: Mnemônicos – Instrumentação ......................................................................................................... 322

Tabela 75: Mnemônicos – Seleções................................................................................................................... 324

Tabela 76: Mnemônicos – Comandos ................................................................................................................ 325

Tabela 77: Mnemônicos – Comandos para analógicas....................................................................................... 326

Tabela 78: Mnemônicos – Estados .................................................................................................................... 327

Tabela 79: Mnemônicos – Defeitos .................................................................................................................... 329

Tabela 80: Mnemônicos – Alarmes Instrumentação ........................................................................................... 331

Tabela 81: Mnemônicos – Eventos .................................................................................................................... 332

Tabela 82: Mnemônicos – Alarmes analógicos................................................................................................... 334

Tabela 83: Mnemônicos – Bits internos .............................................................................................................. 334

Tabela 84: Mnemônicos – Palavras internas 1 ................................................................................................... 338

Tabela 85: Mnemônicos – Palavras internas2 .................................................................................................... 339


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 27/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Tabela 86: Mnemônicos – Ajustes e Set Points .................................................................................................. 339

Tabela 87: Mnemônicos – Totalizadores ............................................................................................................ 341

Tabela 88: Mnemônicos – Comandos automáticos ............................................................................................ 341

Tabela 89: Entradas discretas do campo para o PLC ......................................................................................... 342

Tabela 90: Saídas discretas do PLC para o campo ............................................................................................ 345

Tabela 91: Estados do PLC para supervisório .................................................................................................... 345

Tabela 92: Estados do supervisório para PLC .................................................................................................... 346

Tabela 93: Alarmes do PLC para supervisório.................................................................................................... 347

Tabela 94: Diagnóstico do PLC para supervisório .............................................................................................. 348


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 28/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

1. OBJETIVO

Estabelecer critérios, definir e orientar a utilização do sistema PIMS na Diretoria Corredor Sudeste na visão de
administrador, contemplando serviços de rotina, demanda e sustentabilidade.

Os complexos Paraopeba e Vargem Grande, utilizam a solução de PIMS da empresa Aspentech chamado IP21.
Essa solução está em processo de migração para a solução PI System, da empresa OSIsoft, usada nos
Complexos de Itabira e Água Limpa e Complexo Mariana e Brucutu.

2. APLICAÇÃO

Todas as localidades da Diretoria de Operações Ferrosos Sudeste que possuem o sistema PIMS.

3. REFERÊNCIAS

[1] PIServer 2010 Configuring Security_EN.pdf, OSIsoft, 2011

[2] PIServer 2010 Introduction to System Management PT.pdf, OSIsoft, 2011

[3] PIServer 2010 System Management Guide_EN.pdf, OSIsoft, 2011

[4] 1_Melhorias de Produtos Suporte da OSIsoft_(OSIsoft) Daniel Tofolli e Leonardo Duarte.pdf, 2011, Daniel José
Toffoli e Leonardo Gulart Duarte

[5] Anexo III_131294_1-MemorialDescritivo_V2.doc, Gerson Bastos, 2011

[6] Guia de Manutenção do PI.pdf,OSIsoft

[7] OtimizaçãoSistemaPI_v3.0.pdf, Anderson Bráz de Souza

[8] Relação de Atividades de Rotina PIMS.xlsx

[9] PGS-2559 – Critérios para retificação de valores na base de dados do sistema PI - SISPAV

[10] OOP-PIMS-KA10333 - PIMS-Inspeção de backup, archives e serviços no PI Data Archive.

[11] OOP-PIMS-KA10340 - PIMS-Inspeção de tags fora do padrão e sem atualização

[12] OOP-PIMS-KA10342 - PIMS-Inspeção do controle de licença do PI Combo

[13] OOP-PIMS-KA11406 - PIMS - Inspeção de inventário de software e hardware no sistema PIMS

[14] OOP-PIMS-KA11969 - PIMS - Inspeção dos serviços dos servidores de Interface OPCInt

[15] OOP-PIMS-KA11971 - PIMS - Inspeção dos serviços dos servidores de aplicação 1 e 2

[16] OOP-PIMS-KA10344- PIMS-Instalação PI Combo2013

[17] OOP-PIMS-KA12661 - PIMS - Instalação PI Combo 2016

[18] OOP-PIMS-KA10379 - PIMS-Reparo do sistema PI


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 29/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

[19] PE-G-001_Documento_Técnico_Devex_Tele-metria, Revisão 03.

[20] PI-Interface-for-OPC-DA-PT.pdf, OSIsoft, 30-08-2016

[21] PI_OPC_DA_Interface_Failover_Manual_2.3.20.9.docx, OSIsoft, 27-06-2012

[22] PI Data Archive 2016 R2 Installation and Upgrade Guide, OSIsoft, 16-03-2017

[23] PI AF 2016 R2 Installation and Upgrade Guide (2.8.5), OSIsoft, 19-12-2016

[24] PI AF Services 2016 R2 Installation and Upgrade Guide (2.8.5), OSIsoft, 19-12-2016

[25] PI Analysis Service 2016 R2 Installation Guide (2.8.5), OSIsoft, 19-12-2016

[26] PI Builder 2016 R2 User Guide (2.8.5), OSIsoft, 19-12-2016

[27] PI Notification Service 2016 R2 User Guide, OSIsoft, 19-12-2016

[28] PI System Explorer 2016 R2 User Guide, OSIsoft, 19-12-2016

[29] PI Interface for Relacional Database (RDBMS via ODBC) User Guide 3.22, OSIsoft, 01-09-2016

[30] Intro-to-PI SERVER-2012-System-Management-PT.pdf,OSIsoft, 08-2013

[31] PI Server 2010 System Management Guide_EN.pdf,OSIsoft, 07-2010

[32] PI SERVER-2012-Introduction-to-System-Management_EN.pdf,OSIsoft, 09-2012

[33] PIMS - Arquitetura.pdf, Automação DIFS, VALE, 10-2013

[34] PI_OPCINT_2.3.17.18, OSIsoft, 07-2011

[35] PI_OPCPluginBitmask, OSIsoft, 04-2001

[36] PI_OPC Interface Failover, OSIsoft, 04-2003

[37] DCOM_Configuration_Guide_2.4.4, OSIsoft, 2012

[38] WP_OPC, OSIsoft, 2017

[39] PE-G-07_Documento_Tecnico_Devex_PIMS, DEVEX, 09-2013

[40] Funcionamento e manutenção dos dados exportados para o Painel DIFS, DEVEX, 05-2011

[41] PCP-100ª-77-4005_0002 – Regras Gerais para Tags.doc, Mina de Água Limpa, Rev.00, sem data

[42] ISA d5.1 – Instrumentation Symbols e Identification

4. DEFINIÇÕES E SIGLAS

 Central de Serviços CIGA: Área do CIGA responsável pelo atendimento às solicitações de serviço e
incidentes.

 CIGA: Centro de Inteligência e Gestão de Ativos da Diretoria de Operações Ferrosos Sudeste.


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 30/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

 Centra TA (CTA): é a equipe da área de TI, responsável pelo serviço de suporte PIMS nas demais
unidades operacionais da Vale Brasil, Malásia, Omã e Moçambique.

 Coletores ou Interfaces: Aplicação responsável pela coleta de dados de alguma fonte de dados como
OPC, CLP, SCADA, SDCD, Banco de Dados, etc. e disponibilização destes no PI DataArchive.

 FIFO:First In First Out (Primeiro a entrar primeiro a Sair). É um conceito de tipo de fila em que o primeiro
item a entrar na fila deve ser o primeiro item a sair da fila.

 OLE:Object Linking and Embedding. É uma tecnologia desenvolvida pela Microsoft que permite a
interoperabilidade de arquivos entre programas. Esta tecnologia permite que um programa possa
embutir e editar um arquivo de outro programa distinto.

 OPC:OLE for Process Control (OLE para controle de processos). É um padrão de comunicação,
mantido pela OPC Foundation, que busca facilitar a interoperabilidade na automação através de uma
padronização da arquitetura de acesso a dados.

 PCA: Programa e Controle de Automação.

 PI AF: Estrutura do PI para gerenciamento de ativos – Asset Framework.

 PI ACE: Estrutura do PI pra cálculos avançados de engenharia.

 PI COMBO: Conjunto das aplicações PI DATALINK e PI PROCESSBOOK.

 PI DATALINK: Aplicação cliente do sistema PI responsável pela integração com o Excel da Microsoft
para geração de relatórios.

 PI PERFORMANCE: Interface que permite coletar informações de Performance Counter de um


equipamento como computador desktop ou servidor na rede TOp.

 PI PING: Interface de coleta de tempo de resposta de um equipamento na rede TOp.

 PI PROCESSBOOK: Aplicação cliente do sistema PI que permite a geração de exibições gráficas


dinâmicas para o acompanhamento em tempo real dos dados armazenados no sistema PI.

 PI OPC DA/HDA: OPC Server do sistema PI. Permite que o PI seja visualizado como um OPC Server.

 PI SERVER: Aplicação responsável pelo gerenciamento do sistema PI e armazenamento de dados em


um banco de dados histórico.

 PLC ou CLP:Programable Logic Controller (Controlador Lógico Programável). É um computador


especializado com hardware e software compatível com aplicações industriais e que objetiva
desempenhar funções de controle, coleta de dados e atuação em dispositivos do chão de fábrica.

 SCADA: Supervisory Control and Data Acquisition (Supervisão Controle e Aquisição de Dados). São
sistemas responsáveis por monitorar e supervisionar as variáveis e dispositivos de sistemas de
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 31/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

controle. Além do monitoramento de variáveis, estes sistemas são capazes de enviar comandos para
dispositivos permitindo uma atuação no chão de fabrica.

 Sistema PI ou PI System: Sistema PIMS da empresa OSIsoft utilizado na Diretoria de Ferrosos


Sudeste.

 Sistema PIMS: Sistema de gerenciamento de informação da planta (processo industrial). Conjunto de


softwaresresponsáveis pelo armazenamento e disponibilização dos dados para a corporação VALE.

 SPC: Statistical Process Control (Controle Estatístico de Processo).

 SQC: Statistical Quality Control (Controle Estatístico de Qualidade).

 TI: Tecnologia da Informação.

 TOp: Tecnologia Operacional - Automação.

 VBA:Visual Basic for Application.

 UTC:Coordinated Universal Time (Tempo Universal Coordenado). É o fuso horário de referência a partir
do qual se calculam todas as outras zonas horárias do mundo.

5. INTRODUÇÃO

Este documento tem como objetivo estabelecer critérios e regras padronizadas para o sistema PI da Diretoria
para a visão dos administradores do sistema. Ele orienta em o que fazer e como fazer diante da necessidade da
gerência, do cliente, de uma demanda e/ou de uma necessidade de manutenção. Este capítulo aborda os
seguintes tópicos:

 Infraestrutura: detalhamento da arquitetura do sistema demonstrando os módulos do sistema PI


presentes, permitindo ao administrador conhecer o cenário existente para fazer uma avaliação adequada
no momento de alteração e instalação de novas aplicações;

 Detalhamento dos servidores principais: demonstra o detalhamento de hardware e software dos


servidores principais onde os dados historiados devem ficar armazenados;

 Detalhamento dos servidores coletores e servidores OPC: demonstra o detalhamento de hardware e


software dos servidores de comunicação e servidores OPC;

 Detalhamento do servidor de AF e OPC DA/HDA: demonstra o detalhamento de hardware e software


do servidor que armazena o PI AF e O5PC Server DA/HDA do PI;

 Detalhamento dos servidores de aplicação: demonstra o detalhamento de hardware e software dos


servidores de aplicação PI;

 Detalhamento do servidor ACE: demonstra o detalhamento de hardware e software do servidor de PI


ACE utilizado para realizar cálculos de engenharia avançada;
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 32/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

 Grupos de administradores: identificação dos grupos de administradores e suas funções;

 Padrões do sistema: detalhamento de padrões adotados no sistema PI como padrões de nomenclaturas,


configurações de atributos, como classe de scan, tipos de tags e suas características, dentre outros;

 Balanceamento de carga: explica como é a melhor forma de distribuição de coleta dos dados pela
interface, de forma a garantir robustez e performance adequadas, dentre outros;

 Manutenção do sistema PI: procedimentos preventivos e corretivos a serem executados pelo


administrador a fim de garantir uma boa saúde do sistema PI;

 Procedimento de horário de verão: procedimento a ser executado pelo administrador para tratar os
problemas existentes devido à troca de fuso horário na mudança de horário de verão;

 Procedimento de Backup: procedimento a ser executado pelo administrador para execução periódica de
backup de segurança do sistema PI;

 Suporte: procedimentos a serem executados pelo administrador para solicitar algum suporte junto a OSI e
procedimento de renovação de suporte;

 Treinamento: procedimentos a serem executados pelo administrador tanto para treinamento dos clientes
quanto para capacitação dos administradores;

 Certificação do PI COMBO: procedimentos a serem executados pelo administrador quando for


necessária certificação de uma nova licença do PI COMBO;

 Licença do PI COMBO: procedimentos a serem executados pelo administrador quando for solicitada,
pelo cliente, a aquisição ou movimentação de uma nova licença do PI COMBO;

 Aplicações desenvolvidas:definem como deve ser estruturado e concebida as aplicações feitas pelos
aplicativos clientes do PI: Processbook, Datalink e AF;

 Envio de boletins: procedimentos a serem executados pelo administrador em como executar envios de
boletins aos clientes do sistema PI;

 Retificação de valores na base de dados: procedimentos a serem executados pelo cliente para solicitar
e do administrador para executar retificação de algum valor na base de dados do PI Data Archive.

6. INTRODUÇÃO AO PI SYSTEM

O PI System coleta armazena e gerencia dados de seu site ou de seu processo, desenvolvido pela empresa
OSIsoft. Você conecta suas fontes de dados a um ou mais nós da interface PI. Os nós da interface recuperam
dados de suas fontes de dados e os enviam a um ou mais PI Data Archives. Usuários de outros computadores
podem obter dados pelo PI Data Archive e exibir esses dados usando ferramentas de clientes (por exemplo, PI
ProcessBook, PI DataLink e PI Vision). Os computadores nos quais essas ferramentas executam são, às
vezes, chamados de nós do cliente.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 33/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

 Fontes de dados: suas fontes de dados são os instrumentos para gerar dados. Elas podem ser quase
tudo e podem se conectar a nós da interface em várias maneiras diferentes. O PI Performance
Equations, o PI ACE e o Totalizer também são considerados fontes dedados, mesmo que possam ser
hospedados no computador PI Data Archive.

 Nós da interface: os nós da interface são executados nas interfaces PI. As interfaces PI, obtêm
dados das fontes de dados e os envia ao PI Data Archive. Cada fonte de dados precisa deu ma
interface PI que possa interpretá-la.

 Nós do PI Server: o PI Data Archive armazena dados e age como um servidor de dados para
aplicativos cliente baseados no Microsoft Windows. Você também pode usar o PI Data Archive para
interagir com dados armazenados em sistemas externos, ou seja, dados que não são gerados pelo PI
System.

 Nós de aplicativos analíticos PI: O PI System conta com diversos produtos de camada intermediária
que agem como servidores de aplicativos. Entre eles estão produtos de análise – como PI ACE, PI
Notifications, bancos de dados de ativos – como AF – e portais da web baseados no Microsoft
SharePoint e no SAP NetWeaver.

 Nós de clientes: operadores, engenheiros, gerentes e outras equipes da instalação usam diversos
aplicativos cliente para se conectarem aos servidores de aplicativo analíticos PI e PI Data Archive para
exibir os dados da instalação. Exemplos: PI Datalink e PI Processbook.

O PI Data Archive é o coração do PI System. Ele coleta dados e os roteia em tempo real pelo PI System e por
toda a sua infraestrutura de informações, permitindo que todos trabalhem em um conjunto comum de dados
em tempo real. Operadores, engenheiros, gerentes e outras equipes da instalação podem se conectar ao PI
Data Archive e visualizar dados sobre a produção a partir do archive de dados do PI ou dos sistemas externos
de armazenamento de dados.

7. INFRAESTRUTURA

Este item objetiva demonstrar a infraestrutura que envolve o sistema PI na Diretoria.

O modelo definido pela Diretoria, utiliza 2 (dois) servidores de dados PI em Alta Disponibilidade (ambos no
Datacenter Industrial em Itabira), e todas as interfaces de coleta de dados de tratamento de minérios em OPC-
Failover e OPC Server Kepware.

Essa estrutura garante alta disponibilidade das informações, tanto na coleta quanto na entrega. Além disso,
permitirá uma melhor gestão e segurança do seu sistema, já que, trata-se de uma estrutura com redundância
e disponibilidade.

Servidores PI Data Arhive: O sistema PI da Diretoria Cirredor Sudeste está instalado em 2 (duas) máquinas
servidoras (uma física e uma virtual), localizadas no Datacenter Industrial na unidade operacional de
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 34/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Conceição em Itabira. Essas duas máquinas funcionam com o sistema de alta disponibilidade, ou seja, se uma
máquina apresentar indisponibilidade, os clientes são apontados automaticamente para a outra.

Servidores de coleta de dados de processo e interfaces OPC: Cada localidade operacional da Diretoria
possui um par de servidores para coleta de dados do chão de fábrica em failover, a fim de garantir a
disponibilidade de dados. Nesses servidores estão instalados o OPC Server da Kepware, versão Full e o PI
OPCInt client da OSIsoft. Para os servidores coletores de dados de enegia das subestações de Itabira, o
servidor OPC utilizado é o Surrogate da ABB. Para as unidades operacionais dos Complexos de Paraopeba e
Vargem Grande, os coleteores são o CIMI-O da Aspentech formando a solução IP21.

Servidores de coleta de dados de qualidade, medição de energia, indicadores de mina, programas de


produção, retificação de valores e performance de servidores: Existem 2(duas) máquinas localizadas no
Datacenter Industrial na mina de Conceição em Itabira, para coleta de dados do Sistema PI, que também
chamados de aplicação. A máquina de aplicações 1, contém as interfaces PI RDBMS e PI UFL. Ela recebe
dados de meio externo, como dados de qualidade (laboratório), dados de turmas, retificação de valores em
tags, programas de produção, dentre outros. A segunda máquina contém a interface PI Performance Monitor,
coletando dados de memória, espaço em disco, processamento, serviços e outros apontadores de
desempenho do equipamento e a interface PI PING.

Servidor de PI AF e PI OPC DA/HDA: Existe uma máquina virtual, localizada no Datacenter Industrial na
unidade operacional de Conceição em Itabira, contendo o PI AF Server e o PI OPC DA/HDA.

Servidor PI ACE: Existe uma máquina, virtual, configurada no Datacenter Industrial, na mina de Conceição
em Itabira, com o módulo de Gerenciamento do ACE. A codificação dos cálculos é feita em uma máquina de
desenvolvimento (TACEDEV01), que contém o Wizard do PI ACE.

Servidor PI Vision: O PI Vision é a nova versão do PI Coresight, com novas funcionalidades e novo formato
de tela. Suas telas podem ser visualizadas através de dispositivo móvel como iPad e/ou iPhone. O PI Vision
traz funcionalidades que utilizamos em PI Processbook como:

 Construir telas. Objetos de desenho e acesso a dados (trends, gráfico de barras, biblioteca de
símbolos, valores) estão disponíveis;

 Importar imagens;

 A busca de tags e confecção das telas utiliza o conceito de arrastar;

 Gráfico XY disponível;

 Uso do conceito de compartilhamento de telas entre pessoas;

 Usar o recurso de navegação em trends como é feito no PI Processbook.

Servidores de Energia:
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 35/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Os dados provenientes dos Multimedidores são coletados através da interface PI RDBMS que está instalado
no servidor de coleta, chamado Aplicações 1, do sistema PIMS.

Os dados dos IEDs são coletados através da interface PI OPCint que está instalado nos servidores coletores
gateways com OPC Server por complexo:

 Em Itabira, duas máquinas servidoras disponibilizam dados através do servidor OPC Surrogate (ABB). Um
cliente PI OPCint está instalado para aquisição dos dados das substações ABB e disponibilização no
PIMS.

 Em Mariana, os dados digitais estão disponíveis por outro fabricante através do sistema Elipse Power. Um
cliente PI OPCint fará a aquisição dos dados e os disponibilizará no PIMS.

 Em Brucutu, os PLCs estão ligados diretamente nos servidores gateways de processo do PIMS
(TABRGPI01 e TABRGPI02). Com isso, o mesmo cliente PI OPCint é utilizado para coletar os dados de
energia e enviá-los ao servidor PI.

A figura a seguir apresenta uma visão geral do sistema e as demais figuras, um detalhamento dos grupos de
aquisição de dados.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 36/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Figura 1: Visão geral do sistema PI


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 37/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

As aplicações existentes no sistema PI da Diretoria estão exibidas na Tabela 1.

Tabela 1: Licenças do PIServer

Aplicação Quantidade

PI Server 400,000 tags 1

PI High Available Node 1

PI PSA 1

PI OPC Interface (Server License) 1

PI UFL Interface 1

PI OPC A&E 1

PI RDBMS Interface 1

PI PVS (PI Visualization Suite) 1

PI SDK 1
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 38/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

7.1. DETALHE DA INFRAESTRUTURA DAS COLETORAS OPC – VISÃO GERAL

Figura 2: Visão da infraestrutura das coletoras OPC IT e MR


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 39/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Figura 3: Visão da infraestrutura das coletoras OPC PAR e VGR


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 40/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

7.2. DETALHE DA INFRAESTRUTURA DO COMPLEXO ITABIRA E ÁGUA LIMPA

Figura 4: Visão da infraestrutura do Complexo Itabira e Água Limpa


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 41/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

7.3. DETALHE DA INFRAESTRUTURA DO COMPLEXO MARIANA E BRUCUTU

Figura 5: Visão da infraestrutura do Complexo Mariana e Brucutu


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 42/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

7.4. DETALHE DA INFRAESTRUTURA DO COMPLEXO PARAOPEBA

Figura 6: Visão da infraestrutura do Complexo Paraopeba


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 43/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

7.5. DETALHE DA INFRAESTRUTURA DO COMPLEXO VARGEM GRANDE

Figura 7: Visão da infraestrutura do Complexo Vargem Grande


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 44/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

7.6. DETALHE DA INFRAESTRUTURA DE DADOS DE MEDIÇÃO E PROTEÇÃO DE ENERGIA

Figura 8: Visão da infraestrutura de coleta de dados de medição e proteção de energia


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 45/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

8. DETALHAMENTO DOS SERVIDORES

8.1. DETALHAMENTO DOS SERVIDORES PI DATA ARCHIVE

Este item tem o objetivo de informar ao administrador do sistema quanto ao detalhamento das configurações
de hardware e software das máquinas onde estão instalados os servidores PI. Esse detalhamento está
descrito no documento OGS-PIMS-KA11118.

8.2. DETALHAMENTO DOS SERVIDORES DE COLETA DE DADOS DE PROCESSO E


INTERFACES OPC

Este item tem o objetivo de informar aos administradores do sistema quanto ao detalhamento das
configurações de hardware e software das máquinas coletoras de dados para o sistema PI.Esse detalhamento
está descrito no documento OGS-PIMS-KA11126.

8.3. DETALHAMENTO DOS SERVIDORES DE PI AF E PI OPC DA/HDA

Este item tem o objetivo de informar aos administradores do sistema quanto ao detalhamento das
configurações de hardware e software da máquina que hospeda o serviço PI AF e OPC DA/HDA. Esse
detalhamento está descrito no documento OGS-PIMS-KA11128

O PI AF (Asset Framework) é uma ferramenta robusta que atua como um repositório de informações baseado
em um modelo de ativos, objetos e equipamentos (que passam a ser referenciados como elementos). O AF
integra, contextualiza, refina, referencia e permite a análise de dados de múltiplas fontes, incluindo um ou mais
PI Data Archives e dados não relacionados ao Sistema PI (como, por exemplo, bases de dados relacionais
externas). O AF disponibiliza dados de equipamentos ou ativos através de aplicativos do Sistema PI, como o
PI Notifications ou o PI ProcessBook, fazendo com que estas informações sejam usadas na criação de
displays, execução de cálculos, integração com alertas e muito mais, integrando dados do Sistema PI com
informações externas.

O PI OPC DA/HDA Server é um OPC Server para os dados armazenados no Sistema PI. Ele implementa os
padrões OPC Data Access (DA) 1.0a e 2.05, além do padrão OPC Historical Data Access (HDA) 1.1,
permitindo buscas, leituras síncronas, assíncronas e leituras quando o dado sofre alteração (também
conhecidos como dados "advise"), além de escritas e deleções
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 46/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

8.4. DETALHAMENTO DOS SERVIDORES DE APLICAÇÃO (COLETA DE DADOS DE


QUALIDADE, MEDIÇÃO DE ENERGIA, INDICADORES DE MINA, PROGRAMAS DE
PRODUÇÃO, RETIFICAÇÃO DE VALORES E PERFORMANCE DE SERVIDORES)

Este item tem o objetivo de informar aos administradores do sistema quanto ao detalhamento das
configurações de hardware e software das máquinas servidoras de aplicações onde estão os módulos do
sistema PI.

Existem 2(duas) máquinas localizadas no Datacenter Industrial na mina de Conceição em Itabira, para
aplicações do Sistema PI.
A máquina de coleta (aplicações) 1, contém as interfaces PI RDBMS e PI UFL. Ela recebe dados de meio
externo, como dados de qualidade (laboratório), dados de turma, retificação de valores de tags, programas de
produção, dentre outros.
A segunda máquina contém a interface PI Performance Monitor, coletando dados de memória, espaço em
disco, processamento, serviços e outros apontadores de desempenho do equipamento e a interface PI PING.

Esse detalhamento está descrito no documento OGS-PIMS-KA11124.

8.5. DETALHAMENTO DO SERVIDOR PI ACE

Este item tem o objetivo de informar aos administradores do sistema quanto ao detalhamento das
configurações de hardware e software da máquina que hospeda o servidor PI ACE. Esse detalhamento está
descrito no documento OGS-PIMS-KA11122.

O PI ACE (PI Advanced Computing Engine) permite a criação de cálculos complexos, externos ao PI, em
linguagem de programação mas que podem ser aplicados a todos os sistemas PI (por exemplo, balanços de
massa e energia, reconciliação de dados, cálculo de custos em tempo real, informações associadas a lotes,
etc.), aplicações associadas à comunicação (por exemplo, alarmes, e-mails, pagers, etc.), transferência de
dados e outras aplicações que não requeiram a intervenção do usuário. O aplicativo pode ser instalado em um
único servidor e, portanto, gerenciado de um único local. Isso permite uma administração central e
padronização de cálculos para a VALE.

9. GESTÃO DO SERVIÇO PIMS

O serviço PIMS da Diretoria está compartilhado entre a Gerência de Automação e a Central TA (TI). A seguir
planilha RACI macro e detalhada das atividades do serviço PIMS.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 47/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Tabela 2: Planilha RACI Macro do Serviço PIMS

Planilha RACI - Sistema PIMS - Diretoria Corredor Sudeste


R - Executa / A - Dono / C - Consultado / I - Informado / NA - não se aplica
Atividade CTA Automação
1-Contrato de suporte X
2-Responsável pelo sistema/serviço PIMS X
3-Engenharia do sistema/serviço PIMS X
4-Suporte X
5-Infraestrutura de servidores X
6-Configuração de atributos de tags (criar, alterar e deletar) X*
7-Configuração de aplicações (criação e modificação) X*
8-Aplicação de treinamento X*
9-Retificação de Valores X
* Atividade executada preferencialmente por esta equipe

1-Contrato de suporte: Entendemos que esse item é de responsabilidade da TI em função da oportunidade de tratativa
que pode ser dada a nível corporativo, conseguindo assim melhor negociação e benefício para a empresa de forma
global.

2-Responsável pelo sistema/serviço PIMS: Entendemos que a responsabilidade sobre o item deve ser o setor de
Automação, por se tratar de um sistema específico para a área operacional e suas configurações e atuações totalmente
aderentes ao processo.

3-Engenharia do sistema/serviço PIMS: Entendemos que as definições de arquitetura e configuração de padrões de


coleta e armazenamento são aderentes ao mundo operacional

4-Suporte: Entendemos que todas as solicitações de suporte ao PIMS devem ser feitas através do 4001. Caso seja
necessario atuação da equipe de automação, a CTA solicitará através de chamado ao 125.

5-Infraestrutura de servidores: Entendemos que a definição da infraestrutura e a manutenção é de responsabilidade da


Automação uma vez que seus ativos pertencem a rede de controle.

6-Configuração de atributos de tags: Entendemos que essa atividade faz parte do Suporte ao PIMS como detalhado no
item 3. A prioridade de atuação é da CTA podemos a Automação executar quando da fase de projeto ou teste.

7-Configuração de aplicações: Entendemos que essa atividade faz parte do Suporte ao PIMS como detalhado no item 3.
A prioridade de atuação é da CTA podemos a Automação executar quando da fase de projeto ou teste.

8-Aplicação de treinamento: Entendemos que essa atividade faz parte do Suporte ao PIMS como detalhado no item 3. A
prioridade de atuação é da CTA podemos a Automação executar quando de uma necessidade específica. Fora da
configuração de treinamento Padrão.

9-Retificação de valores: Por se tratar de "alteração" em valores no PIMS, cujos dados são de responsabilidade do
operacional e ainda tem atuação direta no processo, entendemos que o item é de escopo da Automação.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 48/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Tabela 3: Planilha RACI Detealhada do Serviço PIMS

Infraestrutura Automação Área


Atividade CTA
Automação Local Operacional
CONTRATO DE SUPORTE
Gerenciar contrato de suporte e fornecimento de
licenças com fornecedor - Contrato Atual (vence C, I R,A I NA
12/2018)
Gerenciar contrato de suporte e fornecimento de
licenças com fornecedor - Novo contrato para vigencia a
R,A C, I I NA
partir de 01/2019 e contemplando Corredor Sul (MAC e
VGR)
INFRAESTRUTURA DE SERVIDORES
Hospedar os Servidores Principais (Dados + PI AF + PI
I R,A I NA
View)
Hospedar os Servidores Coletores I R,A I NA
Garantir a disponibilidade dos Servidores Principais
(Dados + PI AF + PI View) (hardware, sistema NA R,A NA NA
operacional, aplicação, antivirus e rede)
Garantir a disponibilidade dos Servidores Coletores
(hardware, software, sistema operacional, antivirus e NA R,A NA NA
rede)
Atualizar o ambiente de acordo com as normas de
segurança (patches sistema operacional e antivirus) dos I,C R,A NA NA
servidores principais e de coleta
Monitorar os Servidores Principais (Dados + PI AF + PI
View) - Hardware, sistema operacional, antivirus e I R,A NA NA
aplicação
Monitorar os Servidores Coletores I R,A I NA
Atuar nos incidentes dos Servidores Principais (Dados +
R,A I I NA
PI AF + PI View)
Atuar nos incidentes dos Servidores Coletores I R,A R,I NA
Manutenir os Servidores Principais (Dados + PI AF + PI
I,C R,A I NA
View)
Manutenir os Servidores Coletores I,C R,A R,I NA
Atualizar aplicações de servidor de dados + PI AF + PI
I,C R,A I NA
View
Atualizar aplicações coletoras I R,A R,I NA
Monitorar o Sistema PIMS (dados) R, C R,A NA NA
Atuar nos incidentes do Sistema PIMS (dados) R,A I I NA
Garantir Backup dos Servidores Principais (Dados + PI
NA R,A NA NA
AF + PI View)
Garantir Backup dos Servidores de Dados dos
NA R,A NA NA
Servidores Coletores
Inspecionar e tratar os Servidores Principais (Dados + PI
I R,A NA NA
AF + PI View) (Backup, Serviços e licenças)

Inspecionar e tratar os Servidores Coletores (Backup,


NA R,A R, I NA
Serviços e licenças)
Fazer e enviar relatório consolidado das inspeções dos I R,A NA NA
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 49/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

servidores PIMS
Infraestrutura Automação Área
Atividade CTA
Automação Local Operacional
Fazer e enviar relatório consolidado das inspeções de
tags do PIMS I R,A NA NA

DADOS
Inspecionar e tratar os parâmetros de configuração dos
R,A I NA NA
tags no PIMS
Inspecionar e tratar os tags nas classes de coleta (scan)
R,A I NA NA
das interfaces coletoras (sobrecarga)
Criar e manter lógica em PLC NA I R,A NA
Fazer o controle de versão dos códigos dos CLPs NA NA R,A NA
Configuração de atributos de tags (criar, alterar e
R,A C C I
deletar)
Configuração de estrutura em PI AF (criar, alterar e
R,A C C I
deletar)
Configuração de atributos de tags (criar, alterar e
I R,C,A R,C I
deletar) em projetos
Configuração de estrutura em PI AF (criar, alterar e
I R,C,A R,C I
deletar) em projetos
Tratar incidentes em tags R,A C I I
Tratar incidentes nas aplicações clientes R,A NA NA NA
Configurar segurança de usuários administradores NA R,A NA NA
Configurar acesso de usuários clientes da TI R A NA I
Configurar acesso de usuários clientes da TO I R,A NA I
Configurar parâmetros nas interfaces coletoras do PIMS C,I R,A C,I NA
Retificar valores no PIMS I R,A R, I C
Desenvolver aplicação cliente para as áreas operacionais
R,A R,C, I R,C, I R,C,I
* executados primariamete pela CTA
Desenvolver projetos pilotos e consultoria para as áreas
R A C,R,I C,I
operacionais
TREINAMENTO
Definir a estratégia de treinamento para as áreas
R A, R I I
operacionais
Preparar ou atualizar material de treinamento PIMS A, R I R I
Treinar área operacional em aplicativos clientes do PIMS A, R I R I
GOVERNANÇA
Definir padrão de nome e descrição de tags I R,A C I
Definir governança do PIMS I R,A I I
Criar e atualizar documento de governança e
C,R R,A I I
padronização do sistema PIMS
Definir parâmetros de compressão, exceção e tempo de
coleta para tags de processo de tratamento, controle I C, I R,A I
PID e qualidade
Definir parâmetros de compressão, exceção e tempo de
I C, I R,A I
coleta (scan) para tags de combustíveis
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 50/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Infraestrutura Automação Área


Atividade CTA
Automação Local Operacional
Definir parâmetros de compressão, exceção e tempo de
coleta (scan) para tags de mina, telemetria e preditiva I C, I R,A I
de mina
Definir parâmetros de compressão, exceção e tempo de
coleta (scan) para tags de proteção de energia I C, I R,A I

Definir parâmetros de compressão, exceção e tempo de


I C, I R,A I
coleta (scan) para tags de medição de energia

Definir parâmetros de compressão, exceção e tempo de


I R,A I I
coleta (scan) para tags de desempenho computacional
Transferência de conhecimento das demandas de
R,C R,A NA NA
projetos
Gestão das mudanças do ambiente PIMS R,C R,A R I
SUPORTE
Suporte para usuários TI R,A R NA NA
Suporte para usuários TO R A R NA
Acionar suporte fornecedor R,A R R NA
Certificar Licença cliente no ambiente TI R,A I I I
Certificar Licença cliente no ambiente TO I R,A I I
Instalar licença cliente do PIMS em máquinas TI R,A NA NA NA
Instalar licença cliente do PIMS em máquinas TO NA R,A NA NA

10. DOCUMENTAÇÃO DO PIMS

As documentações técnicas, de rotina, manuais e atividades internas e específicas dos administradores PIMS,
estão disponíveis na Biblioteca de documentos do SCSM - System Center Service Manager.

Documentações muito técnicas e restritas à equipe de sistemas encontram-se na área de documentações do


site PIMS no portal TOp, através do endereço http://top/servicos/pi/docs/_layouts/viewlsts.aspx. O acesso a
essa área, é restrita. Em necessidade de acesso a área, solicitar o serviço através da Central de Serviços
CIGA.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 51/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Figura 9: Área de documentação do PIMS

A documentação está dividida da seguinte forma:

 Boletins: Contém os boletins do PIMS emitidos.

 Contrato de suporte PI: Contém a lista de invoices e situação da renovação de suporte PI.

 Funcional: Contém toda documentação de funcionamento do sistema PI, como ele deve
funcionar.

 Grupo PIMS: Contém toda documentação gerada nos encontros do grupo PIMS, como a
apresentação.

 Inspeções: Contém as inspeções realizadas no sistema PI.

 Licenças Kepware: Contém os arquivos de licença dos servidores coletores.

 Lista de atividades: Contém todas as atividades que precisam ser realizadas no sistema PI.

 Lista de documentos PIMS: Contém a relação de documentos PIMS.

 Manuais: Contém manuais que são do sistema PI.


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 52/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

 Manutenção de tags: Contém a relação de tags deletados.

 Técnica: Contém arquivos técnicos relacionados ao sistema PI.

 Treinamentos: Contém materiais de treinamentos do sistema PI.

10.1. ORIENTAÇÃO OPERACIONAL

As Orientações Operacionaisdo sistema PIMSestão publicadosno System Center Service


Manager,mostra a Figura 10. Alguns deles:

 OOP-PIMS-KA10333 - PIMS-Inspeção do backup, archives e serviços no Data Archive

 OOP-PIMS-KA10340 - PIMS-Inspeção de tags fora do padrão e sem atualização do Sistema PI

 OOP-PIMS-KA10342 - PIMS-Inspeção do controle de licença do PI Combo

 OOP-PIMS-KA10344 - PIMS-Instalação PI Combo2013

 OOP-PIMS-KA10346 - PIMS-Desinstalação PI Combo2013

 OOP-PIMS-KA10348 - PIMS-Configuração de trust

 OOP-PIMS-KA10350 - PIMS-Configuração de usuário no Sistema PI

 OOP-PIMS-KA10352 - PIMS-Configuração de grupo de usuário no Sistema PI

 OOP-PIMS-KA10356 - PIMS-Criação de tags no sistema PI

 OOP-PIMS-KA10358 - PIMS-Alteração de atributos de tags no sistema PI

 OOP-PIMS-KA10360 - PIMS-Exclusão de tags no sistema PI

 OOP-PIMS-KA10362 - PIMS-Criação de archives no Sistema PI

 OOP-PIMS-KA10364 - PIMS-Registrar archives no Sistema PI

 OOP-PIMS-KA10366 - PIMS-Desregistrar archives no Sistema PI

 OOP-PIMS-KA10368 - PIMS-Mover archives no Sistema PI

 OOP-PIMS-KA10370 - PIMS-Agendar backups automáticos no Sistema PI

 OOP-PIMS-KA10372 - PIMS-Monitorar e manter os backups agendados no Sistema PI

 OOP-PIMS-KA10375 - PIMS - Realizar backup manual do Sistema PI

 OOP-PIMS-KA10377 - PIMS-Verificar existência de tags congelados ou com valores ruins no


Sistema PI

 OOP-PIMS-KA10379 - PIMS-Reparo do sistema PI


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 53/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

 OOP-PIMS-KA10381 - PIMS-Orientação para horário de verão do Sistema PI

 OOP-PIMS-KA10384 - PIMS-Solicitar suporte ao Sistema PI

 OOP-PIMS-KA1079 - PIMS - Liberação de acesso a usuários no PI AF

 OOP-PIMS-KA11402 - PIMS-Homologação de software no ambiente

 OOP-PIMS-KA11404 - PIMS-Rotina de inventário de software e hardware no sistema PIMS

 OOP-PIMS-KA11406 - PIMS -Inspeção de inventário de software e hardware no sistema PIMS

 OOP-PIMS-KA11969 - PIMS - Inspeção dos serviços dos servidores de Interface OPCInt

 OOP-PIMS-KA11971 - PIMS - Inspeção dos serviços dos servidores de aplicação 1 e 2

 OOP-PIMS-KA12661 - PIMS - Instalação PI Combo 2016

 OOP-PIMS-KA14437 - PIMS - Configuração de acesso ao PIMS

 OOP-PIMS-KA16496 - PIMS - Configurar permissão do serviço PI OPCInt

 OOP-PIMS-KA22303 - PIMS - Liberação de acesso a administradores do PI AF

 OOP-PIMS-KA22306 - PIMS - Fechar escrita de dados anteriores no PI

 OOP-PIMS-KA22310 - PIMS - Liberar escrita de dados anteriores no PI

 OOP-PIMS-KA22790 - PIMS - Procedimento para acréscimo de canal na gateway

 OOP-PIMS-KA23420 - PIMS - Instalação do PI Combo 2017

 OOP-PIMS-KA5390 - PIMS-Aprovação de chamados PI Combo no Vale Support Center


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 54/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Figura 10: Lista de orientações operacionais

10.2. ERROS CONHECIDOS

Os Erros Conhecidos do sistema PIMS estão publicados no System Center Service Manager como
mostra aFigura 11. Alguns deles:

 EC-PIMS-KA7712 - PIMS - Falha de comunicação com o servidor OPC do PI

 EC-PIMS-KA6292 - PIMS - Falha na conexão entre OPC DA (PI) e Pavilion Brucutu

 EC-PIMS-KA4403 - PIMS - Congelamento de tags no PI de algumas classes de scan da interface


OPCINT (Gateways de chão de fábrica)

 EC-PIMS-KA3917 - PIMS - Lentidão na atualização dos tags de Tratamento de Minérios no PI

 EC-PIMS-KA31689 – PIMS - Falha na exibição do suplemento PI Datalink

 EC-PIMS-KA31527 - PIMS - Fila de Buffer dos coletores corrompida

 EC-PIMS-KA28065 - PIMS - Falha no acesso ao PI AF via máquina TI

 EC-PIMS-KA22293 - PIMS - Congelamento de tags no PI em classes de scan da interface (PI


UFL, PI RDBMS, PI Ping, PI PerfMon, PI PE)

 EC-PIMS-KA18371 - PIMS - Erro "#Name" ao buscar fórmula do DataLink no Excel


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 55/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

 EC-PIMS-KA18063 - PIMS - Planilha em Excel retorna #NAME ao usar qualquer função do PI


Datalink

 EC-PIMS-KA15985 - PIMS - Erro na instalação do PI DataLink 2016

 EC-PIMS-KA14439 - PIMS - Reparar contagem de pontos no archive e base de dados do PI Data


Archive

Figura 11: Lista de erros conhecidos

10.3. INSTRUÇÕES DE ALARME DE MONITORAMENTO

As Instruções Operacionais e de Monitoramentodo sistema PIMS estão publicados no System Center


Service Manager como mostra a Figura 13. Alguns deles:

 IAM-PIMS-KA1380 - PIMS - Falha na Geração de Turmas para o PI

 IAM-PIMS-KA15174 - PIMS - Limite de tags em classe de scan da interface PI Performance


Equation excedido

 IAM-PIMS-KA16794 - PIMS - Limite de tags em classe de scan da interface PI OPCInt excedido

 IAM-PIMS-KA3776 - PIMS-Alto consumo de memória das "Interfaces Coletoras (gateways)" e


"Aplicações"

 IAM-PIMS-KA3838 - PIMS-Alto consumo de memória dos servidores PI Data Archive

 IAM-PIMS-KA3843 - PIMS-Reiniciar os servidores PI Data Archive (TADCIPI01 e TADCIPI02)

 IAM-PIMS-KA3845 - PIMS - Serviço indicando alarme vermelho


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 56/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

 IAM-PIMS-KA3864 - PIMS - Espaço em disco indicando alarme

 IAM-PIMS-KA3866 - PIMS-Alto consumo de processamento das "Interfaces Coletoras


(gateways)" e "Aplicações"

 IAM-PIMS-KA3869 - PIMS-Alto consumo de processamento dos servidores PI Data Archive

 IAM-PIMS-KA3871 - PIMS - Alto tempo de resposta dos servidores

 IAM-PIMS-KA3873 - PIMS - Falha no processo de backup dos "Servidores PI Data Archive"

 IAM-PIMS-KA3875 - PIMS - Indisponibilidade do servidor PI Data Archive secundário

 IAM-PIMS-KA6088 - PIMS - Falha na redundância das gateways do PI

Figura 12: Lista de instruções de alarme de monitoramento

10.4. INSTRUÇÕES OPERACIONAIS

As Instruções Operacionais do sistema PIMS estão publicados no System Center Service Manager como
mostra a Figura 13. Alguns deles:

 IOP-PIMS-KA18368 - PIMS - Configuração de modo full screen em arquivo de Processbook

 IOP-PIMS-KA2870 - PIMS - PIMS - Instalação de Software PI Combo


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 57/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

 IOP-PIMS-KA3125 - PIMS - Divergência de valores em tags do PI

 IOP-PIMS-KA4020 - PIMS - Trocar o sistema operacional das gateways PI OPCINT em máquina


física

 IOP-PIMS-KA4024 - PIMS - Trocar o sistema operacional das gateways PI OPCINT em máquina


física

 IOP-PIMS-KA40918 - PIMS - Divergência de valores em tags do IP21

 IOP-PIMS-KA9501 - PIMS - Suporte a usuários do PIMS

Figura 13: Lista de instruções operacionais e de monitoramento

10.5. PLANO DE RECUPERAÇÃO DE DESASTRE

O Plano de Recuperação de Desastre do sistema PIMS está publicado no System Center Service
Manager como mostra a Figura 14. Alguns deles:

 PRD-PIMS-KA11437 - PIMS - Passos para Recuperação de Serviço


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 58/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Figura 14: Lista de planos de recuperação de desastre

10.6. SOLUÇÃO DE CONTORNO

As Soluções de Contorno do sistema PIMSestá publicado no System Center Service Manager como
mostra aFigura 15. Alguns deles:

 SC-PIMS-KA15995 - PIMS - Divergência de valores em tags de produção (Conceição I)

 SC-PIMS-KA7461 - PIMS - Exclusão de valores "bad" em tags no PI

 SC-PIMS-KA8846 - PIMS - Erro na instalação do PI DataLink 2013

 SC-PIMS-KA8937 - PIMS - Erro na instalação do PI ProcessBook


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 59/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Figura 15: Lista de soluções de contorno

10.7. ORIENTAÇÃO GERENCIAL DE SISTEMA

As Orientações Gerenciais de Sistemaestão publicadosno System Center Service Manager como mostra
a Figura 16. Alguns deles:

 OGS-PIMS-KA10804 - PIMS - Padronização do sistema PI – Administração

 OGS-PIMS-KA10806 - PIMS - Padronização do sistema PI - Guia do usuário

 OGS-PIMS-KA11118 - PIMS - Detalhamento de configurações dos servidores principais

 OGS-PIMS-KA11120 - PIMS - Padronização sistema PI DIFS_PI AF

 OGS-PIMS-KA11122 - PIMS - Detalhamento de configurações do servidor ACE

 OGS-PIMS-KA11124 - PIMS - Detalhamento de configurações dos servidores de aplicação

 OGS-PIMS-KA11126 - PIMS - Detalhamento de configurações dos servidores de comunicacao

 OGS-PIMS-KA11128 - PIMS - Detalhamento de configurações dos servidores AF e OPC


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 60/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Figura 16: Lista de orientações de gestão de sistema

10.8. INSPEÇÕES REALIZADAS

As inspeções realizadas no sistema estão publicados na pasta “Inspeções”, no portal da automação


(TOp), no endereço http://top/servicos/pi/docs/Inspees/Forms/AllItems.aspxcomo mostra a Figura 17.

Figura 17: Inspeções do PIMS


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 61/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11. PADRÕES DO SISTEMA

Visando uma melhor organização do sistema, melhor desempenho da coleta e gravação dos dados e
padronização, existem definições para configurações de tags. Estas definições facilitam aos administradores
na manutenção do sistema, possibilitando ainda, uma melhor rastreabilidade na pesquisa detags por todos os
usuários do sistema e melhor performance para cada tipo de dado.

11.1. DEFINIÇÕES SIGLAS DAS LOCALIDADES

Existe uma definição de siglas para identificação das localidades que deve ser observada. O relacionamento da
sigla para sua respectiva localidade deve ser observado com base naTabela 4.

Tabela 4: Siglas de localidades e complexos

Sigla Localidade Sigla Complexo

BS Água Limpa (Bicas)

CA Cauê
Complexo Itabira e Água
IT
Limpa
CE Conceição I

CN Conceição II

AL Alegria

BR Brucutu
Complexo Mariana e
FN Fábrica Nova MR
Brucutu
FZ Fazendão

TO Timbopeba

CFJ Córrego do Feijão

FAB Fábrica

JGD Jangada
PAR Complexo Paraopeba
MAZ Mar Azul

MUT Mutuca

TOD Terminal Olhos D’água

ABO Abóbora
VGR Vargem Grande
CMT Capitão do Mato
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 62/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

TFA Terminal Ferroviário Andaime

TAM Tamanduá

PIC Pico

VGR1 Vargem Grande 1

VGR2 Vargem Grande 2

11.2. DESCRIÇÃO DE TAGS

A descrição dos tags deverá obedecer ao que está definido em cada capítulo de definição de padrão por tipo
de processo: beneficiamento, energia, mina, dentre outros. Como regras gerais:

 Usar as inicias sempre em letra maiúscula (exceção de siglas);

 Não usar de, a, da.....

11.3. POINTSOURCES (ORIGEM DO DADO)

Todo tag é proveniente de uma interface e cada tag possui atributos nos quais definimos valores de
configuração das tags com referência na sua respectiva interface.

O atributo responsável por identificar a fonte de dados de um tag é o pointsource. O pointsource pode ser
representado por um ou mais caracteres e neste caso utilizamos algo similar como o descrito no item anterior
para nome do tag.

O pointsource possui um prefixo de um caracter acompanhado de underline que serve de separador


acompanhado de um primeiro sufixo composto por dois caracteres que tem como finalidade identificar a
localidade; acompanhado de um underline e dois caracteres numérico que servem para referenciar a
sequência de instância instalada.

O pointsource possui um nome composto por um agrupamento de mnemônicos respeitando a seguinte regra:
X_YYY_ZZ onde:

 X: (Prefixo) Sigla de identificação do tipo da fonte;

 _: Caractere separador;

 YY: (Sufixo Central) Sigla da Localidade.

 _: Caractere separador;
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 63/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

 ZZ: (Sufixo Final) Número do identificador sequencial da instância.

Para facilitar a composição de nomenclatura dos pointsource foi definido também siglas para os tipos de
interfaces (fontes de dados). O relacionamento da sigla para sua respectiva interface deve ser observado
com base na Tabela 5.

Tabela 5: Sigla das fontes de dados

Sigla Interface ID Fonte de dados

9 NA Internos Sistema PI

# 21 PI MCN Health Monitor (Monitoramento)

@ NA Alarmes

ACEHAS NA PI ACE
yncTag

B 01 PI UFL - Analise Laboratorial

B 02 PI UFL - Indicadores Usina (DF, UF, RO, Produção, Programa)

B 03 PI UFL - Indicadores Mina (DF, UF, RO, Produção, Programa)

B 04 PI UFL - Meio Ambiente

B 05 PI UFL – Integração entre sistemas

C 01 PI Performance Equation (Calculados Itabira)

C 02 PI Performance Equation (Calculados Mariana)

C 03 PI Performance Equation (Calculados Minas Centrais)

C 04 PI Performance Equation (Calculados Brucutu)

C 05 PI Performance Equation (Calculados Gongo Soco)

C 06 PI Performance Equation (Calculados Água Limpa)

C 07 PI Performance Equation (Calculados Alegria e Fazendão)

C 08 PI Performance Equation (Calculados Fábrica Nova e Timbopeba)

C 09 PI Performance Equation (Calculados Cauê)

C 10 PI Performance Equation (Calculados Conceição I)


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 64/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Sigla Interface ID Fonte de dados

C 11 PI Performance Equation (Calculados Conceição II)

C 12 PI Performance Equation (Calculados Preditiva – Sistema SKF)

C 13 PI Performance Equation (Calculados Energia ABB)

C 14 PI Performance Equation (Calculados Preditiva – Sistema Emerson)

C 15 PI Performance Equation (Calculados Complexo Paraopeba)

C 16 PI Performance Equation (Calculados Complexo Vargem Grande)

D 11 PI Relational Database (RDBMS) - Dados Energia

D 21 PI Relational Database (RDBMS) - Dados Mina Itabira

D 31 PI Relational Database (RDBMS) - Dados Mina Brucutu

D 41 PI Relational Database (RDBMS) - Dados Mina Mariana

D 51 PI Relational Database (RDBMS) - Dados Mina Água Limpa

D 61 PI Relational Database (RDBMS) - Dados Mina Gongo Soco

D 71 PI Relational Database (RDBMS) - Dados Mina Mariana

E 01 Extreme – Devex

Lab NA Internos do Sistema PI

MMMC 01 PI Minecare Modular Mining

O 41, 42, 43, 44 PI OPC - Kepware - dados do tratamento de minérios - Brucutu

O 45 PI OPC - Kepware - dados de gestão de combustíveis - Brucutu

O 51, 52, 53, 54 PI OPC - Kepware - dados do tratamento de minérios - Gongo Soco

O 55 PI OPC - Kepware - dados de gestão de combustíveis - Gongo Soco

O 61, 62, 63, 64 PI OPC - Kepware - dados do tratamento de minérios - Água Limpa

O 65 PI OPC - Kepware - dados de gestão de combustíveis - Água Limpa

O 71, 72, 73, 74 PI OPC - Kepware - dados do tratamento de minérios - Alegria

O 75 PI OPC - Kepware - dados de gestão de combustíveis - Alegria

O 81, 82, 83, 84 PI OPC - Kepware - dados do tratamento de minérios – Timbopeba

O 85 PI OPC - Kepware - dados de gestão de combustíveis – Timbopeba


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 65/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Sigla Interface ID Fonte de dados

O 91, 92, 93, 94 PI OPC - Kepware - dados do tratamento de minérios - Cauê

O 95 PI OPC - Kepware - dados de gestão de combustíveis - Cauê

O 101, 102, 103, 104 PI OPC - Kepware - dados do tratamento de minérios - Conceição I

O 105 PI OPC - Kepware - dados de gestão de combustíveis - Conceição I

O 111, 112, 113, 114 PI OPC - Kepware - dados do tratamento de minérios - Conceição II

O 115 PI OPC - Kepware - dados de gestão de combustíveis - Conceição II

O 121 PI OPC – Kepware – dados de preditiva- SKF

O 131, 132, 133, 134 PI OPC - Surrogate - Substação Itabira

O 141 PI OPC – Kepware – dados de preditiva - Emerson

O 151 PI OPC – Kepware – dados laboratório Itabira

O 201, 202, 203, 204 PI OPC – Kepware – dados do tratamento de minérios – Capitão do Mato

O 211, 212, 213, 214 PI OPC – Kepware – dados do tratamento de minérios - Mutuca

O 221, 222, 223, 224 PI OPC – Kepware – dados do tratamento de minérios – Vargem Grande 1

O 231, 232, 233, 234 PI OPC – Kepware – dados do tratamento de minérios – Vargem Grande 2

O 241, 242, 243, 244 PI OPC – Kepware – dados do tratamento de minérios - Fábrica

O 251, 252, 253, 254 PI OPC – Kepware – dados do tratamento de minérios – Córrego do Feijão

O 261, 262, 263, 264 PI OPC – Kepware – dados do tratamento de minérios - Pico

O 271, 272, 273, 274 PI OPC – Kepware – dados do tratamento de minérios – Terminal
Ferroviário Andaime

O 281, 282, 283, 284 PI OPC – Kepware – dados do tratamento de minérios – Terminal Olhos D’
água

P 121 PI OPC HDA - SKF Tags de preditiva (condição)

PIBatch NA PI Batch
-
Internal
Use-1

PICamp NA PI Batch
aign-
Internal
Use-1
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 66/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Sigla Interface ID Fonte de dados

PING 21 PI PING

R NA PI Randon Simulator

T NA PI Totalizer Subsystem

UI_IF_I NA Interno Sistema PI


NFO

X Mantém Origem Tags historiadas

Cada instância de interface tem um número de identificação de controle no sistema PI. Esta identificação é
única não podendo ser utilizada por mais de uma interface. Destaca-se também que o agrupamento de fontes
em instância deve levar em consideração localidades e origem de dados.

11.3.1. INSTÂNCIAS EM INTERFACE PERFORMANCE EQUATION

Todos os tags calculados estão com pointsource = “C”, sem a sigla da localidade. Isso porque o serviço para
recalcular tags (pirecalc) consegue apontar para apenas uma instância. Nessa instância, o pointsource criado
é o “C”. Resumindo, os tags estão com o mesmo pointsource, porém com identificadores (location 1)
diferentes.

As siglas das localidades estão descritas naTabela 4.

11.3.2. INSTÂNCIAS EM INTERFACE PI OPCINT

Para as interfaces PI OPCint, temos 4 instâncias em cada uma delas. As IDs (location 1) dos tags são:

 BR: 41;42;43;44

 GS: 51;52;53;54

 BS: 61;62;63;64

 AL: 71;72;73;74

 TO: 81;82;83;84

 CA: 91;92;93;94

 CE: 101;102;103;104

 CN: 111;112;113;114

 Energia Subestação Itabira: 131; 132; 133; 134


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 67/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

 CMT: 201; 202; 203; 204

 MUT: 211; 212; 213; 214

 VGR1: 221; 222; 223; 224

 VGR2: 231; 232; 233; 234

 FAB: 241; 242; 243; 244

 CFJ: 251; 252; 253; 254

 PIC: 261; 262; 263; 264

 TFA: 271; 272; 273; 274

 PIC: 281; 282; 283; 284

11.3.3. INSTÂNCIAS EM INTERFACE PI RDBMS

Para as interfaces PI RDBMS, as IDs (location 1) dos tags e pointsource são:

Tabela 6: Instância e pointsource PI RDBMS

Interface Pointsource Informação Origem


ID

Microsoft SQL server–


11 D_IT_CCK_01 Dados de energia CCK
CCK ODBC

21 D_IT_DSP_01 Dados de movimentação de mina de Itabira SQL – Powerview

Dados de movimentação e indicadores de


31 D_BR_DSP_01 SQL - Powerview
mina de Brucutu

Dados de movimentação de mina de


41 D_MR_DSP_01 SQL - Powerview
Mariana

Dados de movimentação de mina de Água


51 D_AL_DSP_01 Oracle – Smartmine
Limpa

Dados de movimentação de mina de Gongo


61 D_GS_DSP_01 Oracle – Smartmine
Soco

71 D_MR_DSP_02 Dados de indicadores de mina de Mariana SQL - Powerview


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 68/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.3.1. RESPONSÁVEIS POR POINTSOURCE

A tabela a seguir mostra os pointsources já definidos juntamente com seus responsáveis, ou seja, são aqueles
que investigam incidentes em caso de Divergência de Valores (falha) nos dados desses tags..

Tabela 7: Sigla das fontes de dados usadas na Diretoria

Origem Sigla Interfa Origem da Responsável Tipo do Dado


ce ID Informação

9 ABO NA Sistema PI Luciane Moreira Interno do Sistema

9 AL NA Sistema PI Luciane Moreira Interno do Sistema

9 BR NA Sistema PI Luciane Moreira Interno do Sistema

9 BS NA Sistema PI Luciane Moreira Interno do Sistema

9 CA NA Sistema PI Luciane Moreira Interno do Sistema

9 CE NA Sistema PI Luciane Moreira Interno do Sistema

9 CFJ NA Sistema PI Luciane Moreira Interno do Sistema

9 CMT NA Sistema PI Luciane Moreira Interno do Sistema

9 CN NA Sistema PI Luciane Moreira Interno do Sistema

9 FAB NA Sistema PI Luciane Moreira Interno do Sistema

9 FN NA Sistema PI Luciane Moreira Interno do Sistema

9 FZ NA Sistema PI Luciane Moreira Interno do Sistema

9 IT NA Sistema PI Luciane Moreira Interno do Sistema

9 JGD NA Sistema PI Luciane Moreira Interno do Sistema

9 MAZ NA Sistema PI Luciane Moreira Interno do Sistema

9 MR NA Sistema PI Luciane Moreira Interno do Sistema

9 MUT NA Sistema PI Luciane Moreira Interno do Sistema

9 PAR NA Sistema PI Luciane Moreira Interno do Sistema

9 PE NA Sistema PI Luciane Moreira Interno do Sistema

9 PIC NA Sistema PI Luciane Moreira Interno do Sistema

9 TAM NA Sistema PI Luciane Moreira Interno do Sistema

9 TFA NA Sistema PI Luciane Moreira Interno do Sistema


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 69/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Origem Sigla Interfa Origem da Responsável Tipo do Dado


ce ID Informação

9 TO NA Sistema PI Luciane Moreira Interno do Sistema

9 TOD NA Sistema PI Luciane Moreira Interno do Sistema

9 VGR NA Sistema PI Luciane Moreira Interno do Sistema

9 VGR1 NA Sistema PI Luciane Moreira Interno do Sistema

9 VGR2 NA Sistema PI Luciane Moreira Interno do Sistema

Ativos PI Performance
21
# ABO computacionais Luciane Moreira Monitor

Ativos Dono do ativo - PI Performance


# AL 21 computacionais Inventário de software Monitor

Ativos Dono do ativo - PI Performance


# BR 21 computacionais Inventário de software Monitor

Ativos Dono do ativo - PI Performance


BS
# 21 computacionais Inventário de software Monitor

Ativos Dono do ativo - PI Performance


# CA 21 computacionais Inventário de software Monitor

Ativos Dono do ativo - PI Performance


# CE 21 computacionais Inventário de software Monitor

Ativos Dono do ativo - PI Performance


# CFJ 21 computacionais Inventário de software Monitor

Ativos Dono do ativo - PI Performance


# CMT 21 computacionais Inventário de software Monitor

Ativos Dono do ativo - PI Performance


# CN 21 computacionais Inventário de software Monitor

Ativos Dono do ativo - PI Performance


# FAB 21 computacionais Inventário de software Monitor

Ativos Dono do ativo - PI Performance


# FN 21 computacionais Inventário de software Monitor

Ativos Dono do ativo - PI Performance


# FZ 21 computacionais Inventário de software Monitor

Ativos Dono do ativo - PI Performance


# IT 21 computacionais Inventário de software Monitor

Ativos Dono do ativo - PI Performance


# JGD 21 computacionais Inventário de software Monitor
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 70/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Origem Sigla Interfa Origem da Responsável Tipo do Dado


ce ID Informação

Ativos Dono do ativo - PI Performance


# MAZ 21 computacionais Inventário de software Monitor

Ativos Dono do ativo - PI Performance


# MR 21 computacionais Inventário de software Monitor

Ativos Dono do ativo - PI Performance


# MUT 21 computacionais Inventário de software Monitor

Ativos Dono do ativo - PI Performance


# PAR 21 computacionais Inventário de software Monitor

Ativos Dono do ativo - PI Performance


# PE 21 computacionais Inventário de software Monitor

Ativos Dono do ativo - PI Performance


# PIC 21 computacionais Inventário de software Monitor

Ativos Dono do ativo - PI Performance


# TAM 21 computacionais Inventário de software Monitor

Ativos Dono do ativo - PI Performance


# TFA 21 computacionais Inventário de software Monitor

Ativos Dono do ativo - PI Performance


# TO 21 computacionais Inventário de software Monitor

Ativos Dono do ativo - PI Performance


# TOD 21 computacionais Inventário de software Monitor

Ativos Dono do ativo - PI Performance


# VGR 21 computacionais Inventário de software Monitor

Ativos Dono do ativo - PI Performance


# VGR1 21 computacionais Inventário de software Monitor

Ativos Dono do ativo - PI Performance


# VGR2 21 computacionais Inventário de software Monitor

@ ABO NA Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

@ AL NA Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

@ BR NA Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

@ BS NA Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

@ CA NA Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

@ CE NA Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

@ CFJ NA Tags do sistema PI CTA PI Alarmes


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 71/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Origem Sigla Interfa Origem da Responsável Tipo do Dado


ce ID Informação

@ CMT NA Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

@ CN NA Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

@ FAB NA Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

@ FN NA Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

@ FZ NA Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

@ IT NA Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

@ JGD NA Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

@ MAZ NA Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

@ MR NA Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

@ MUT NA Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

@ PAR NA Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

@ PE NA Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

@ PIC NA Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

@ TAM NA Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

@ TFA NA Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

@ TO NA Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

@ TOD NA Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

@ VGR NA Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

@ VGR1 NA Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

@ VGR2 NA Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

ACEHASyncT ABO NA Programação livre Roger Correa PI ACE


ag
Roger Correa
ACEHASyncT AL NA Programação livre PI ACE
ag
Roger Correa
ACEHASyncT BR NA Programação livre PI ACE
ag
Roger Correa
ACEHASyncT BS NA Programação livre PI ACE
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 72/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

ag

Origem Sigla Interfa Origem da Responsável Tipo do Dado


ce ID Informação
Roger Correa
ACEHASyncT CA NA Programação livre PI ACE
ag
Roger Correa
ACEHASyncT CE NA Programação livre PI ACE
ag
Roger Correa
ACEHASyncT CFJ NA Programação livre PI ACE
ag
Roger Correa
ACEHASyncT CMT NA Programação livre PI ACE
ag
Roger Correa
ACEHASyncT CN NA Programação livre PI ACE
ag
Roger Correa
ACEHASyncT FAB NA Programação livre PI ACE
ag
Roger Correa
ACEHASyncT FN NA Programação livre PI ACE
ag
Roger Correa
ACEHASyncT FZ NA Programação livre PI ACE
ag
Roger Correa
ACEHASyncT IT NA Programação livre PI ACE
ag
Roger Correa
ACEHASyncT JGD NA Programação livre PI ACE
ag
Roger Correa
ACEHASyncT MAZ NA Programação livre PI ACE
ag
Roger Correa
ACEHASyncT MR NA Programação livre PI ACE
ag
Roger Correa
ACEHASyncT MUT NA Programação livre PI ACE
ag
Roger Correa
ACEHASyncT PAR NA Programação livre PI ACE
ag
Roger Correa
ACEHASyncT PE NA Programação livre PI ACE
ag
Roger Correa
ACEHASyncT PIC NA Programação livre PI ACE
ag
Roger Correa
ACEHASyncT TAM NA Programação livre PI ACE
ag
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 73/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Origem Sigla Interfa Origem da Responsável Tipo do Dado


ce ID Informação
Roger Correa
ACEHASyncT TFA NA Programação livre PI ACE
ag
Roger Correa
ACEHASyncT TO NA Programação livre PI ACE
ag
Roger Correa
ACEHASyncT TOD NA Programação livre PI ACE
ag
Roger Correa
ACEHASyncT VGR NA Programação livre PI ACE
ag
Roger Correa
ACEHASyncT VGR1 NA Programação livre PI ACE
ag
Roger Correa
ACEHASyncT VGR2 NA Programação livre PI ACE
ag

B_ABO_01 ABO 1 Nautilus CTA PI UFL - Analise


Laboratorial

B_ABO_02 ABO 2 Vpainel Dalton Duarte PI UFL -


Indicadores Usina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_ABO_03 ABO 3 Vmina, PowerView A definir PI UFL -


Indicadores Mina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_ABO_04 ABO 4 Migris A definir PI UFL - Meio


Ambiente

B_AL_01 AL 1 Nautilus CTA PI UFL - Analise


Laboratorial

B_AL_02 AL 2 Vpainel Dalton Duarte PI UFL -


Indicadores Usina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_AL_03 AL 3 Vmina, PowerView A definir PI UFL -


Indicadores Mina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 74/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Origem Sigla Interfa Origem da Responsável Tipo do Dado


ce ID Informação

B_AL_04 AL 4 Migris A definir PI UFL - Meio


Ambiente

B_AL_05 AL 5 SQL-AUTOMACAO Roger Correa PI UFL - Integração


de sistemas de
automação

B_BR_01 BR 1 Nautilus CTA PI UFL - Analise


Laboratorial

B_BR_02 BR 2 Vpainel Dalton Duarte PI UFL -


Indicadores Usina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_BR_03 BR 3 Vmina, PowerView Carlos Dornela PI UFL -


Indicadores Mina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_BR_04 BR 4 Migris A definir PI UFL - Meio


Ambiente

B_BR_05 BR 5 SQL-AUTOMACAO Roger Correa PI UFL - Integração


de sistemas de
automação

B_BS_01 BS 1 Nautilus CTA PI UFL - Analise


Laboratorial

B_BS_02 BS 2 Vpainel Dalton Duarte PI UFL -


Indicadores Usina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_BS_03 BS 3 Vmina, PowerView Abílio Lage PI UFL -


Indicadores Mina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_BS_04 BS 4 Migris A definir PI UFL - Meio


Ambiente

B_BS_05 BS 5 SQL-AUTOMACAO Roger Correa PI UFL - Integração


de sistemas de
automação

B_CA_01 CA 1 Nautilus CTA PI UFL - Analise


Laboratorial
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 75/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Origem Sigla Interfa Origem da Responsável Tipo do Dado


ce ID Informação

B_CA_02 CA 2 Vpainel Dalton Duarte PI UFL -


Indicadores Usina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_CA_03 CA 3 Vmina, PowerView Abílio Lage PI UFL -


Indicadores Mina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_CA_04 CA 4 Migris A definir PI UFL - Meio


Ambiente

B_CA_05 CA 5 SQL-AUTOMACAO Roger Correa PI UFL - Integração


de sistemas de
automação

B_CE_01 CE 1 Nautilus CTA PI UFL - Analise


Laboratorial

B_CE_02 CE 2 Vpainel Dalton Duarte PI UFL -


Indicadores Usina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_CE_03 CE 3 Vmina, PowerView Abílio Lage PI UFL -


Indicadores Mina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_CE_04 CE 4 Migris A definir PI UFL - Meio


Ambiente

B_CE_05 CE 5 SQL-AUTOMACAO Roger Correa PI UFL - Integração


de sistemas de
automação

B_CFJ_01 CFJ 1 Nautilus CTA PI UFL - Analise


Laboratorial

B_CFJ_02 CFJ 2 Vpainel Dalton Duarte PI UFL -


Indicadores Usina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 76/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Origem Sigla Interfa Origem da Responsável Tipo do Dado


ce ID Informação

B_CFJ_03 CFJ 3 Vmina, PowerView A definir PI UFL -


Indicadores Mina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_CFJ_04 CFJ 4 Migris A definir PI UFL - Meio


Ambiente

B_CMT_01 CMT 1 Nautilus CTA PI UFL - Analise


Laboratorial

B_CMT_02 CMT 2 Vpainel Dalton Duarte PI UFL -


Indicadores Usina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_CMT_03 CMT 3 Vmina, PowerView A definir PI UFL -


Indicadores Mina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_CMT_04 CMT 4 Migris A definir PI UFL - Meio


Ambiente

B_CN_01 CN 1 Nautilus CTA PI UFL - Analise


Laboratorial

B_CN_02 CN 2 Vpainel Dalton Duarte PI UFL -


Indicadores Usina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_CN_03 CN 3 Vmina, PowerView Abílio Lage PI UFL -


Indicadores Mina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_CN_04 CN 4 Migris A definir PI UFL - Meio


Ambiente

B_CN_05 CN 5 SQL-AUTOMACAO Roger Correa PI UFL - Integração


de sistemas de
automação

B_FAB_01 FAB 1 Nautilus CTA PI UFL - Analise


Laboratorial
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 77/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Origem Sigla Interfa Origem da Responsável Tipo do Dado


ce ID Informação

B_FAB_02 FAB 2 Vpainel Dalton Duarte PI UFL -


Indicadores Usina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_FAB_03 FAB 3 Vmina, PowerView A definir PI UFL -


Indicadores Mina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_FAB_04 FAB 4 Migris A definir PI UFL - Meio


Ambiente

B_FN_01 FN 1 Nautilus CTA PI UFL - Analise


Laboratorial

B_FN_02 FN 2 Vpainel Dalton Duarte PI UFL -


Indicadores Usina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_FN_03 FN 3 Vmina, PowerView Carlos Dornelas PI UFL -


Indicadores Mina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_FN_04 FN 4 Migris A definir PI UFL - Meio


Ambiente

B_FN_05 FN 5 SQL-AUTOMACAO Roger Correa PI UFL - Integração


de sistemas de
automação

B_FZ_01 FZ 1 Nautilus CTA PI UFL - Analise


Laboratorial

B_FZ_02 FZ 2 Vpainel Dalton Duarte PI UFL -


Indicadores Usina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_FZ_03 FZ 3 Vmina, PowerView Carlos Dornelas PI UFL -


Indicadores Mina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 78/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Origem Sigla Interfa Origem da Responsável Tipo do Dado


ce ID Informação

B_FZ_04 FZ 4 Migris A definir PI UFL - Meio


Ambiente

B_FZ_05 FN 5 SQL-AUTOMACAO Roger Correa PI UFL - Integração


de sistemas de
automação

B_IT_02 IT 2 Vpainel Dalton Duarte PI UFL -


Indicadores Usina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_IT_03 IT 3 Vmina, PowerView Abílio Lage PI UFL -


Indicadores Mina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_IT_04 IT 4 Migris A definir PI UFL - Meio


Ambiente

B_IT_05 FN 5 SQL-AUTOMACAO Roger Correa PI UFL - Integração


de sistemas de
automação

B_JGD_01 JGD 1 Nautilus CTA PI UFL - Analise


Laboratorial

B_JGD_02 JGD 2 Vpainel Dalton Duarte PI UFL -


Indicadores Usina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_JGD_03 JGD 3 Vmina, PowerView A definir PI UFL -


Indicadores Mina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_JGD_04 JGD 4 Migris A definir PI UFL - Meio


Ambiente

B_MAZ_01 MAZ 1 Nautilus CTA PI UFL - Analise


Laboratorial

B_MAZ_02 MAZ 2 Vpainel Dalton Duarte PI UFL -


Indicadores Usina
(DF, UF. RO,
Produção,
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 79/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Programas)

Origem Sigla Interfa Origem da Responsável Tipo do Dado


ce ID Informação

B_MAZ_03 MAZ 3 Vmina, PowerView A definir PI UFL -


Indicadores Mina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_MAZ_04 MAZ 4 Migris A definir PI UFL - Meio


Ambiente

B_MR_01 MR 1 Nautilus CTA PI UFL - Analise


Laboratorial

B_MR_02 MR 2 Vpainel Dalton Duarte PI UFL -


Indicadores Usina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_MR_03 MR 3 Vmina, PowerView Carlos Dornelas PI UFL -


Indicadores Mina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_MR_04 MR 4 Migris A definir PI UFL - Meio


Ambiente

B_MR_05 MR 5 SQL-AUTOMACAO Roger Correa PI UFL - Integração


de sistemas de
automação

B_MUT_01 MUT 1 Nautilus CTA PI UFL - Analise


Laboratorial

B_MUT_02 MUT 2 Vpainel Dalton Duarte PI UFL -


Indicadores Usina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_MUT_03 MUT 3 Vmina, PowerView A definir PI UFL -


Indicadores Mina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_MUT_04 MUT 4 Migris A definir PI UFL - Meio


Ambiente

B_PAR_01 PAR 1 Nautilus CTA PI UFL - Analise


Laboratorial
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 80/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Origem Sigla Interfa Origem da Responsável Tipo do Dado


ce ID Informação

B_PAR_02 PAR 2 Vpainel Dalton Duarte PI UFL -


Indicadores Usina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_PAR_03 PAR 3 Vmina, PowerView A definir PI UFL -


Indicadores Mina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_PAR_04 PAR 4 Migris A definir PI UFL - Meio


Ambiente

B_PE_01 PE 1 Nautilus CTA PI UFL - Analise


Laboratorial

B_PE_02 PE 2 Vpainel Dalton Duarte PI UFL -


Indicadores Usina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_PE_03 PE 3 Vmina, PowerView Abílio Lage PI UFL -


Indicadores Mina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_PE_04 PE 4 Migris A definir PI UFL - Meio


Ambiente

B_PE_05 PE 5 SQL-AUTOMACAO Roger Correa PI UFL - Integração


de sistemas de
automação

B_PIC_01 PIC 1 Nautilus CTA PI UFL - Analise


Laboratorial

B_PIC_02 PIC 2 Vpainel Dalton Duarte PI UFL -


Indicadores Usina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_PIC_03 PIC 3 Vmina, PowerView A definir PI UFL -


Indicadores Mina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_PIC_04 PIC 4 Migris A definir PI UFL - Meio


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 81/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Ambiente

Origem Sigla Interfa Origem da Responsável Tipo do Dado


ce ID Informação

B_TAM_01 TAM 1 Nautilus CTA PI UFL - Analise


Laboratorial

B_TAM_02 TAM 2 Vpainel Dalton Duarte PI UFL -


Indicadores Usina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_TAM_03 TAM 3 Vmina, PowerView A definir PI UFL -


Indicadores Mina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_TAM_04 TAM 4 Migris A definir PI UFL - Meio


Ambiente

B_TFA_01 TFA 1 Nautilus CTA PI UFL - Analise


Laboratorial

B_TFA_02 TFA 2 Vpainel Dalton Duarte PI UFL -


Indicadores Usina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_TFA_03 TFA 3 Vmina, PowerView A definir PI UFL -


Indicadores Mina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_TFA_04 TFA 4 Migris A definir PI UFL - Meio


Ambiente

B_TO_01 TO 1 Nautilus CTA PI UFL - Analise


Laboratorial

B_TO_02 TO 2 Vpainel Dalton Duarte PI UFL -


Indicadores Usina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_TO_03 TO 3 Vmina, PowerView Carlos Dornelas PI UFL -


Indicadores Mina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 82/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Origem Sigla Interfa Origem da Responsável Tipo do Dado


ce ID Informação

B_TO_04 TO 4 Migris A definir PI UFL - Meio


Ambiente

B_TO_05 TO 5 SQL-AUTOMACAO Roger Correa PI UFL - Integração


de sistemas de
automação

B_TOD_01 TOD 1 Nautilus CTA PI UFL - Analise


Laboratorial

B_TOD_02 TOD 2 Vpainel Dalton Duarte PI UFL -


Indicadores Usina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_TOD_03 TOD 3 Vmina, PowerView A definir PI UFL -


Indicadores Mina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_TOD_04 TOD 4 Migris A definir PI UFL - Meio


Ambiente

B_VGR_01 VGR 1 Nautilus CTA PI UFL - Analise


Laboratorial

B_VGR_02 VGR 2 Vpainel Dalton Duarte PI UFL -


Indicadores Usina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_VGR_03 VGR 3 Vmina, PowerView A definir PI UFL -


Indicadores Mina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_VGR_04 VGR 4 Migris A definir PI UFL - Meio


Ambiente

B_VGR1_01 VGR1 1 Nautilus CTA PI UFL - Analise


Laboratorial

B_VGR1_02 VGR1 2 Vpainel Dalton Duarte PI UFL -


Indicadores Usina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 83/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Origem Sigla Interfa Origem da Responsável Tipo do Dado


ce ID Informação

B_VGR1_03 VGR1 3 Vmina, PowerView A definir PI UFL -


Indicadores Mina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_VGR1_04 VGR1 4 Migris A definir PI UFL - Meio


Ambiente

B_VGR2_01 VGR2 1 Nautilus CTA PI UFL - Analise


Laboratorial

B_VGR2_02 VGR2 2 Vpainel Dalton Duarte PI UFL -


Indicadores Usina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_VGR2_03 VGR2 3 Vmina, PowerView A definir PI UFL -


Indicadores Mina
(DF, UF. RO,
Produção,
Programas)

B_VGR2_04 VGR2 4 Migris A definir PI UFL - Meio


Ambiente

C ABO 16 Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

C AL 7 Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

C BR 4 Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

C BS 6 Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

C CA 9 Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

C CE 10 Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

C CFJ 15 Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

C CMT 16 Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

C CN 11 Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

C FAB 15 Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

C FN 8 Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

C FZ 7 Tags do sistema PI CTA PI Alarmes


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 84/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Origem Sigla Interfa Origem da Responsável Tipo do Dado


ce ID Informação

C IT 1 Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

C JGD 15 Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

C MAZ 15 Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

C MR 2 Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

C MUT 15 Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

C PAR 15 Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

C PE 1 Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

C PIC 16 Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

C TAM 16 Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

C TFA 16 Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

C TO 8 Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

C TOD 15 Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

C VGR 16 Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

C VGR1 16 Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

C VGR2 16 Tags do sistema PI CTA PI Alarmes

D_AL_DSP_0 BS 51 Smartmine Agua Abílio Lage PI RDBMS


1 Limpa

D_BR_DSP_ BR 31 PowerView Brucutu Carlos Dornelas PI RDBMS


01

D_GS_DSP_ GS 61 Smartmine Gongo Carlos Dornelas PI RDBMS


01 Soco

D_IT_CCK_0 IT 11 CCK Energia Krysthian Martins PI RDBMS


1

D_IT_DSP_0 IT 21 PowerView Itabira Abílio Lage PI RDBMS


1

D_MR_DSP_ MR 41 PowerView Mariana Carlos Dornelas PI RDBMS


01

D_MR_DSP_ MR 71 PowerView Mariana Carlos Dornelas PI RDBMS


02
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 85/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Origem Sigla Interfa Origem da Responsável Tipo do Dado


ce ID Informação

E_IT_01 IT 1 Sistema Extreme - Abílio Lage Interface própria


Devex

L:AguaLimpa NA NA PI ACE Roger Correa PI ACE


_Mina_Indic
adores\Agua
Limpa_Mina_
Movimentaca
o

L:PonderaQu NA NA PI ACE Roger Correa PI ACE


alidade\Pond
eraQualidade
_CE

MMMC IT NA Dispatch Modular Luciane Moreira PI Minecare


Mining

O_AL_01 AL 71, 72, PI OPC - Kepware - Ana Paula Campos PI OPCInt


73 e 74 dados do tratamento
de minerios

O_AL_02 AL 75 PI OPC - Kepware - Ana Paula Campos PI OPCInt


dados de gestao de
combustiveis

O_BR_01 BR 41, 42, PI OPC - Kepware - Ana Paula Campos PI OPCInt


43 e 44 dados do tratamento
de minerios

O_BR_02 BR 45 PI OPC - Kepware - Ana Paula Campos PI OPCInt


dados de gestao de
combustiveis

O_BS_01 BS 61, 62, PI OPC - Kepware - Eduardo Pereira Silva PI OPCInt


63 e 64 dados do tratamento
de minerios

O_BS_02 BS 65 PI OPC - Kepware - Eduardo Pereira Silva PI OPCInt


dados de gestao de
combustiveis

O_CA_01 CA 91, 92, PI OPC - Kepware - Juliana Procópio PI OPCInt


93, 94 dados do tratamento
de minérios

O_CA_02 CA 95 PI OPC - Kepware - Juliana Procópio PI OPCInt


dados de gestao de
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 86/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

combustiveis

Origem Sigla Interfa Origem da Responsável Tipo do Dado


ce ID Informação

O_CE_01 CE 101, PI OPC - Kepware - Eduardo Pereira Silva PI OPCInt


102, dados do tratamento
103, de minerios
104

O_CE_02 CE 105 PI OPC - Kepware - Eduardo Pereira Silva PI OPCInt


dados de gestao de
combustiveis

O_CCK_01 Todas 171 PI OPC - Kepware - Jefferson Isabel PI OPCInt


dados de mediçãode
energia CCK

O_CFJ_01 CFJ 251, PI OPC - Kepware - Luciane Moreira PI OPCInt


252, dados do tratamento
253, de minerios
254

O_CFJ_02 CFJ 255 PI OPC - Kepware - Luciane Moreira PI OPCInt


dados de gestao de
combustiveis

O_CMT_01 CMT 201, PI OPC - Kepware - Luciane Moreira PI OPCInt


202, dados do tratamento
203, de minerios
204

O_CMT_02 CMT 205 PI OPC - Kepware - Luciane Moreira PI OPCInt


dados de gestao de
combustiveis

O_CN_01 CN 111, PI OPC - Kepware - Maria Oliveira PI OPCInt


112, dados do tratamento
113, de minerios
114

O_CN_02 CN 115 PI OPC - Kepware - Maria Oliveira PI OPCInt


dados de gestao de
combustiveis

O_DCIENER_ IT 131, PI OPC - Surrogate Juliana Procópio PI OPCInt


01 132, ABB 800xA - dados
133, de energia
134

O_DCIPRED_ IT 141 PI OPC - Kepware - Maria Oliveira PI OPCInt


01 dados de preditiva
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 87/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Origem Sigla Interfa Origem da Responsável Tipo do Dado


ce ID Informação

O_FAB_01 FAB 241, PI OPC - Kepware - Luciane Moreira PI OPCInt


242, dados do tratamento
243, de minerios
244

O_FAB_02 FAB 245 PI OPC - Kepware - Luciane Moreira PI OPCInt


dados de gestao de
combustiveis

O_GS_01 GS 51, 52, PI OPC - Kepware - Luciane Moreira PI OPCInt


53 e 54 dados do tratamento
de minerios

O_GS_02 GS 55 PI OPC - Kepware - Luciane Moreira PI OPCInt


dados de gestao de
combustiveis

O_LPEENER_ IT NA PI OPC - Kepware - Eduardo Pereira Silva PI OPCInt


01 dados do LPE

O_ITLAB_01 IT 151 PI OPC - Kepware - Juliana Procópio PI OPCInt


dados do sistema de
laboratorio

O_MUT_01 MUT 211, PI OPC - Kepware - Luciane Moreira PI OPCInt


212, dados do tratamento
213, de minerios
214

O_MUT_02 MUT 215 PI OPC - Kepware - Luciane Moreira PI OPCInt


dados de gestao de
combustiveis

O_PIC_01 PIC 261, PI OPC - Kepware - Luciane Moreira PI OPCInt


262, dados do tratamento
263, de minerios
264

O_PIC_02 PIC 265 PI OPC - Kepware - Luciane Moreira PI OPCInt


dados de gestao de
combustiveis

O_TFA_01 TFA 271, PI OPC - Kepware - Luciane Moreira PI OPCInt


272, dados do tratamento
273, de minerios
274

O_TFA_02 TFA 275 PI OPC - Kepware - Luciane Moreira PI OPCInt


dados de gestao de
combustiveis

O_TO_01 TO 81, 82, PI OPC - Kepware - José Alberto Silveira PI OPCInt


83 e 84 dados do tratamento
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 88/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

de minerios

Origem Sigla Interfa Origem da Responsável Tipo do Dado


ce ID Informação

O_TO_02 TO 85 PI OPC - Kepware - José Alberto Silveira PI OPCInt


dados de gestao de
combustiveis

O_TOD_01 TOD 281, PI OPC - Kepware - Luciane Moreira PI OPCInt


282, dados do tratamento
283, de minerios
284

O_TOD_02 TOD 285 PI OPC - Kepware - Luciane Moreira PI OPCInt


dados de gestao de
combustiveis

O_VGR1_01 VGR1 221, PI OPC - Kepware - Luciane Moreira PI OPCInt


222, dados do tratamento
223, de minerios
224

O_VGR1_02 VGR1 225 PI OPC - Kepware - Luciane Moreira PI OPCInt


dados de gestao de
combustiveis

O_VGR2_01 VGR2 231, PI OPC - Kepware - Luciane Moreira PI OPCInt


232, dados do tratamento
233, de minerios
234

O_VGR2_02 VGR2 235 PI OPC - Kepware - Luciane Moreira PI OPCInt


dados de gestao de
combustiveis

P_DCI_01 BR 1 PI OPC HDA - SKF Ana Paula Campos PI HDA


Tags de preditiva

P_DCI_01 FN 1 PI OPC HDA - SKF José Alberto Silveira PI HDA


Tags de preditiva

PIBatch- NA NA PI Batch Luciane Moreira Interno do Sistema


InternalUse-
1

PICampaign- NA NA PI Batch Luciane Moreira Interno do Sistema


InternalUse-
1

PING ABO NA Ativos Dono do ativo - PI Ping


computacionais Inventário de software

PING AL 21 Ativos Dono do ativo - PI Ping


computacionais Inventário de software
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 89/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Origem Sigla Interfa Origem da Responsável Tipo do Dado


ce ID Informação

PING BR 21 Ativos Dono do ativo - PI Ping


computacionais Inventário de software

PING BS 21 Ativos Dono do ativo - PI Ping


computacionais Inventário de software

PING CA 21 Ativos Dono do ativo - PI Ping


computacionais Inventário de software

PING CE 21 Ativos Dono do ativo - PI Ping


computacionais Inventário de software

PING CFJ 21 Ativos Dono do ativo - PI Ping


computacionais Inventário de software

PING CMT 21 Ativos Dono do ativo - PI Ping


computacionais Inventário de software

PING CN 21 Ativos Dono do ativo - PI Ping


computacionais Inventário de software

PING FAB 21 Ativos Dono do ativo - PI Ping


computacionais Inventário de software

PING FN 21 Ativos Dono do ativo - PI Ping


computacionais Inventário de software

PING FZ 21 Ativos Dono do ativo - PI Ping


computacionais Inventário de software

PING IT 21 Ativos Dono do ativo - PI Ping


computacionais Inventário de software

PING JGD 21 Ativos Dono do ativo - PI Ping


computacionais Inventário de software

PING MAZ 21 Ativos Dono do ativo - PI Ping


computacionais Inventário de software

PING MR 21 Ativos Dono do ativo - PI Ping


computacionais Inventário de software

PING MUT 21 Ativos Dono do ativo - PI Ping


computacionais Inventário de software

PING PAR 21 Ativos Dono do ativo - PI Ping


computacionais Inventário de software

PING PE 21 Ativos Dono do ativo - PI Ping


computacionais Inventário de software

PING PIC 21 Ativos Dono do ativo - PI Ping


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 90/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

computacionais Inventário de software

Origem Sigla Interfa Origem da Responsável Tipo do Dado


ce ID Informação

PING TAM 21 Ativos Dono do ativo - PI Ping


computacionais Inventário de software

PING TFA 21 Ativos Dono do ativo - PI Ping


computacionais Inventário de software

PING TO 21 Ativos Dono do ativo - PI Ping


computacionais Inventário de software

PING TOD 21 Ativos Dono do ativo - PI Ping


computacionais Inventário de software

PING VGR 21 Ativos Dono do ativo - PI Ping


computacionais Inventário de software

PING VGR1 21 Ativos Dono do ativo - PI Ping


computacionais Inventário de software

PING VGR2 21 Ativos Dono do ativo - PI Ping


computacionais Inventário de software

PITransferRe NA NA Interno Sistema PI Luciane Moreira Interno do Sistema


cords-
InternalUse-
1

R NA NA PI Randon Simulator Luciane Moreira PI Randon


Simulator

T ABO NA Tags do sistema PI CTA PI Totalizer

T AL NA Tags do sistema PI CTA PI Totalizer

T BR NA Tags do sistema PI CTA PI Totalizer

T BS NA Tags do sistema PI CTA PI Totalizer

T CA NA Tags do sistema PI CTA PI Totalizer

T CE NA Tags do sistema PI CTA PI Totalizer

T CFJ NA Tags do sistema PI CTA PI Totalizer

T CMT NA Tags do sistema PI CTA PI Totalizer

T CN NA Tags do sistema PI CTA PI Totalizer

T FAB NA Tags do sistema PI CTA PI Totalizer

T FN NA Tags do sistema PI CTA PI Totalizer


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 91/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Origem Sigla Interfa Origem da Responsável Tipo do Dado


ce ID Informação

T FZ NA Tags do sistema PI CTA PI Totalizer

T IT NA Tags do sistema PI CTA PI Totalizer

T JGD NA Tags do sistema PI CTA PI Totalizer

T MAZ NA Tags do sistema PI CTA PI Totalizer

T MR NA Tags do sistema PI CTA PI Totalizer

T MUT NA Tags do sistema PI CTA PI Totalizer

T PAR NA Tags do sistema PI CTA PI Totalizer

T PE NA Tags do sistema PI CTA PI Totalizer

T PIC NA Tags do sistema PI CTA PI Totalizer

T TAM NA Tags do sistema PI CTA PI Totalizer

T TFA NA Tags do sistema PI CTA PI Totalizer

T TO NA Tags do sistema PI CTA PI Totalizer

T TOD NA Tags do sistema PI CTA PI Totalizer

T VGR NA Tags do sistema PI CTA PI Totalizer

T VGR1 NA Tags do sistema PI CTA PI Totalizer

T VGR2 NA Tags do sistema PI CTA PI Totalizer


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 92/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.4. COMPRESSÃO, EXCEÇÃO, STEP E LOCATION 4:

Para facilitar ao administrador do sistema PI e dar aos usuários maior transparência,as variáveis foram
agrupadas por tipos e foram definidos atributos referentes à leitura e gravação do dado, de forma
padronizada. É importante lembrar que para os atributos referentes à gravação tenham o efeito esperado, a
compressão do tag deve estar ligado, ou seja, compressing deve ter valor igual a 1 (um). A Tabela 8 mostra
as características de cada tipo de variável.

Observação: Se o campo compressing for igual a 1 e os campos de compdev, compdevpercent, compmax e


compmin iguais a zero, a compressão será feita apenas para valores iguais.

Lembrando que, compressão e exceção desligados, não significa que terei dados melhores. Muito pelo
contrário, a gravação em excesso de dados, pode prejudicar a análise e comprometer o desempenho do
cálculo a ser realizado.

O campo Location 4 se refere a classe de scan atribuída ao tag.

O campo Compdev se refere a valores de compressão que podem ser definidos em porcentagem (referente
ao valor de span) ou unidade. Caso, na edição do tag, sejam configurados os dois atributos (Compdev e
Compdevpercent), o valor do campo de porcentagem, prevalecerá.

O campo Compmax determina o tempo máximo em segundos que o valor do tag permanecerá em
compressão. Se o tempo definido em Compmax for atingido, o valor será gravado assim mesmo.

O campo Compmin determina o tempo mínimo em segundos que o valor do tag permanecerá sem executar
a compressão. Enquanto o tempo definido em Compmin não for atingido, o valor não entrará para o teste de
compressão.

O campo Compressing deve ser configurado igual a zero, caso se deseje não realizar a compressão.

O campo Excdev se refere a valores de exceção que podem ser definidos em porcentagem (referente ao
valor de span) ou unidade. Caso, na edição do tag, sejam configurados os dois atributos (Excdev e
Excdevpercent), o valor do campo de porcentagem, prevalecerá.

O campo Excmax determina o tempo máximo em segundos que o valor do tag permanecerá em exceção. Se
o tempo definido em Excmax for atingido, o valor será gravado assim mesmo.

O campo Excmin determina o tempo mínimo em segundos que o valor do tag permanecerá sem executar a
exceção. Enquanto o tempo definido em Excmin não for atingido, o valor não entrará para o teste de
compressão.

O campo Step determina a curva do dado. Se o Step for desligado (0), os valores de cálculo podem ser
interpolados. Se o Step estiver ligado (1), os valores de cálculo não serão interpolados.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 93/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.4.1. PARÂMETROS DE CONFIGURAÇÃO DE TAGS DE TRATAMENTO DE MINÉRIOS

Tabela 8: Lista de tipos de variáveis para tags de processo

compdev exdev
Item Tipo Location 4 compmax compmin excmax excmin step zero span
Unid
% Unid. %
.

De acordo com o
1 Análise – Laboratório ‘23-27 (1 min) 0 0 0 0 0 0 0 0 1 manual do
instrumento

2 Análise/Acelerômetro ‘03-07 (05 seg.) - 0.1 0 0 - 0.05 600 10 0 0 5000

3 Análise/Condutividade ‘18-22 (30 seg.) - 0.5 86400 0 - 0.5 600 60 0 0 100

4 Análise/Granulometria ‘18-22 (30 seg.) 0 - 86400 0 0 - 600 0 1 0 100

5 Análise/Oxigênio ‘18-22 (30 seg.) - 0,5 86400 0 - 0,5 600 60 0 0 20

6 Análise/pH ‘18-22 (30 seg.) - 0.5 86400 0 - 0.5 600 60 0 0 14

Análise/Porcentagem
7
Sólido ‘23-27 (01 min) - 0.5 0 0 0 0.5 0 0 0 0 100

8 Análise/Turbidez Água ‘18-22 (30 seg.) - 0.7 86400 0 - 0.7 600 60 0 0 200

9 Análise/Turbidez Lama ‘13-17 (15 seg.) - 1 86400 0 - 1 600 30 0 0 5000

De acordo com o
10 Contadores ‘28-32 (2 min) 0 0 0 0 0 0 0 0 1 manual do
instrumento
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 94/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

compdev exdev
Item Tipo Location 4 compmax compmin excmax excmin step zero span
Unid
% Unid. %
.

De acordo com o
manual do
11 Corrente (amperes) ‘03-07 (05 seg.) - 2 86400 0 - 1 600 10 0 instrumento

12 Corrente(%) ‘03-07 (05 seg.) - 2 86400 0 - 1 600 10 0 0 100

13 Densidade ‘03-07 (05 seg.) 0.1 3600 0 - 0.05 600 10 0 1 1.5

14 Digitais ‘1 (01 seg.) 0 - 86400 0 0 - 1800 0 1 0 1

15 Frequência ‘03-07 (05 seg.) - 1 86400 0 - 1 600 10 0 0 100

De acordo com o
16 Horímetro ‘43-47 (01 h) 0 0 0 0 0 0 0 0 0 manual do
instrumento

De acordo com o
17 Massa ‘13-17 (05 seg.) - 1 3600 0 - 1 600 10 0 manual do
instrumento

18 Nível Convencional ‘03-07 (05 seg.) - 1 86400 0 - 1 600 10 0 0 100

De acordo com o
19 Nível Espuma ‘03-07 (05 seg.) - 0.5 86400 0 - 0.5 600 10 0 manual do
instrumento

20 Nível Silo ‘08-12 (10 seg.) - 1 86400 0 - 1 600 20 0 0 100


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 95/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

compdev exdev
Item Tipo Location 4 compmax compmin excmax excmin step zero span
Unid
% Unid. %
.

De acordo com o
21 PlantTriage ‘38-42 (15 min) - 1 86400 0 - 1 600 20 0 manual do
instrumento

De acordo com o
22 Posição ‘03-07 (05 seg.) 0.5 - 86400 0 0.5 - 600 10 0 manual do
instrumento

23 Potência ‘03-07 (05 seg.) - 1 86400 0 - 1 600 10 0 0 100

24 Pressão e Vácuo(Bar) ‘03-07 (05 seg.) - 1 86400 0 - 1 600 20 0 0 100

25 Pressão e Vácuo(psi) ‘03-07 (05 seg.) - 1 86400 0 - 1 600 20 0 0 1000

26 Pressão e Vácuo(Pol.Hg) ‘03-07 (05 seg.) - 1 86400 0 - 1 600 20 0 0 30

27 Sobrecarga (Digital) ‘03-07 (05 seg.) 0 0 86400 0 0 0 600 20 0 0 1

De acordo com o
28 Status Drop ‘23-27 (01 min) - 0.5 86400 0 - 0.5 600 0 0 manual do
instrumento

De acordo com o
29 Temperatura ‘13-17 (15 seg.) - 1 86400 0 - 1 600 30 0 manual do
instrumento

De acordo com o
30 Tempo ‘28-32 (2 min) 1 - 86400 0 1 - 600 0 0 manual do
instrumento
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 96/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

compdev exdev
Item Tipo Location 4 compmax compmin excmax excmin step zero span
Unid
% Unid. %
.

De acordo com o
31 Temporais ‘03-07 (05 seg.) 1 - 86400 0 1 - 600 0 0 manual do
instrumento

De acordo com o
32 Tensão ‘03-07 (05 seg.) - 1 86400 0 - 1 600 10 0 manual do
instrumento

De acordo com o
33 Torque ‘03-07 (05 seg.) - 1 86400 0 - 1 600 10 0 manual do
instrumento

34 Totalizador ‘23-27 (01 min) 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 10000

De acordo com o
35 Umidade ‘13-17 (15 seg.) - 1 86400 0 - 1 600 30 0 manual do
instrumento

De acordo com o
36 Vazão ‘13-17 (15 seg.) - 1 3600 0 - 1 600 10 0 manual do
instrumento

37 Velocidade ‘03-07 (05 seg.) - 1 86400 0 - 1 600 10 0 0 100

De acordo com o
manual do
38 Vibração ‘03-07 (05 seg.) - 1 86400 0 - 1 600 10 0 instrumento
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 97/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

compdev exdev
Item Tipo Location 4 compmax compmin excmax excmin step zero span
Unid
% Unid. %
.

De acordo com o
39 Volume ‘08-12 (10 seg.) - 1 86400 0 - 1 600 20 0 manual do
instrumento

11.4.2. PARÂMETROS DE CONFIGURAÇÃODAS TAGS DE TELEMETRIA (ORIGEM EXTREME)

Tabela 9: Lista de tipos de variáveis para tags de telemetria (Extreme)

compdev exdev
Location Location
Item Tipo compmax compmin excmax excmin step archiving shutdown scan
1 4
Unid. % Unid. %

1 Digitais 1 0 0 0 21600 0 0 0 0 0 1 1 1 1

2 Frequência 1 0 0 1 21600 0 0 0 0 0 0 1 1 1

3 Horômetro 1 0 0 1 21600 0 0 0 0 0 1 1 1 1

Nível 1 1 1 1
4 0 0 0 21600 0 0 0 0 0 0
Convencional

5 Posição 1 0 0 0 21600 0 0 0 0 0 0 1 1 1

6 Potência 1 0 0 1 21600 0 0 0 0 0 0 1 1 1

7 Pressão e Vácuo 1 0 0 1 21600 0 0 0 0 0 0 1 1 1


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 98/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

compdev exdev
Location Location
Item Tipo compmax compmin excmax excmin step archiving shutdown scan
1 4
Unid. % Unid. %

8 Sobrecarga 1 0 0 1 21600 0 0 0 0 0 1 1 1 1

9 Temperatura 1 0 0 1 21600 0 0 0 0 0 0 1 1 1

10 Tempo 1 0 0 0 21600 0 0 0 0 0 0 1 1 1

11 Tensão 1 0 0 1 21600 0 0 0 0 0 0 1 1 1

12 Torque 1 0 0 1 21600 0 0 0 0 0 0 1 1 1

13 Totalizador 1 0 0 1 21600 0 0 0 0 0 1 1 1 1

14 Vazão 1 0 0 1 21600 0 0 0 0 0 0 1 1 1

15 Velocidade 1 0 0 1 21600 0 0 0 0 0 0 1 1 1

16 Volume 1 0 0 1 21600 0 0 0 0 0 0 1 1 1
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 99/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.4.3. PARÂMETROS DE CONFIGURAÇÃODAS TAGS DE DESPACHO (ORIGEM EXTREME)

Tabela 10: Lista de tipos de variáveis para tags de despacho (Extreme)

Tipo compdev Comp Comp exdev Exc Exc


Fórmula de Unid.
item Tipo Descrição do
cálculo Eng. max min max min
ponto Unid. % Unid. %

1 MOV MOVIMENTAÇÃO - Double t 0 1 21600 0 0 0 0 0

2 DF DISPONIBILIDADE_FÍSICA (HC - HM) / HC Double % 0 1 21600 0 0 0 0 0

3 UF UTILIZAÇÃO_FÍSICA HT / (HC - HM) Double % 0 1 21600 0 0 0 0 0

4 RE RENDIMENTO HT / HC Double % 0 1 21600 0 0 0 0 0

5 PH PRODUTIVIDADE_HORÁRIA MOV / HT Double t/h 0 1 21600 0 0 0 0 0

6 DMT Distância
DISTÂNCIA_MÉDIA_PERCORRIDA_ percorrida cheio /
Double Km 0 1 21600 0 0 0 0 0
PELOS_CAMINHÕES Número de
viagens

7 CARGA CARGA_MÉDIA_CARREGADA_ MOV / Número de


viagens Double t 0 1 21600 0 0 0 0 0
MEDIA PELOS_CAMINHÕES

8 FILA Tempo de fila na


ESCAVADEIRA escavadeira /
TEMPO_MÉDIO_FILA_CAMINHOES_
Número de Double min 0 1 21600 0 0 0 0 0
ESCAVADEIRAS viagens
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 100/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Tipo compdev Comp Comp exdev Exc Exc


Fórmula de Unid.
item Tipo Descrição do
cálculo Eng. max min max min
ponto Unid. % Unid. %

Tempo total de
FILA TEMPO_MÉDIO_FILA_ fila no Britador /
9 Double min 0 1 21600 0 0 0 0 0
BRITADOR CAMINHOES_BRITADORES Número de
viagens

Tempo total de
TEMPO_MEDIO_MANOBRA_ manobra /
10 MANOBRA Double min 0 1 21600 0 0 0 0 0
CAMINHÕES_PRAÇA_ESCAVADEIRAS Número de
viagens

Tempo total de
CARREGA TEMPO_MEDIO_CARREGAMENTO_ carregamento /
11 Número de Double min 0 1 21600 0 0 0 0 0
MENTO CAMINHÕES_PELAS_ESCAVADEIRAS
viagens

Tempo total de
BASCULA TEMPO_MEDIO_BASCULAMENTO_ basculamento /
12 Double min 0 1 21600 0 0 0 0 0
MENTO CAMINHÕES_BRITADORES Número de
viagens

RELAÇÃO_KM_CHEIO_PERCORRIDOS_ Distância
KM CH X percorrida cheio /
13 PELOS_CAMINHOES_DIVIDIDOS_ Double % 0 1 21600 0 0 0 0 0
KM VZ Distância
PELOS_KM_VAZIOS percorrida vazio

Distância
percorrida cheio /
14 VEL CH VELOCIDADE_CAMINHÕES_CARREGADOS Tempo total Double Km/h 0 1 21600 0 0 0 0 0
percorrido cheio
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 101/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Tipo compdev Comp Comp exdev Exc Exc


Fórmula de Unid.
item Tipo Descrição do
cálculo Eng. max min max min
ponto Unid. % Unid. %

Distância
percorrida vazio /
15 VEL VZ VELOCIDADE_CAMINHÕES_VAZIO Double Km/h 0 1 21600 0 0 0 0 0
Tempo total
percorrido vazio

Distância
VELOCIDADE_CAMINHÕES_ percorrida /
16 VEL MEDIA Double Km/h 0 1 21600 0 0 0 0 0
CARREGADOS_E_VAZIOS Tempo total
percorrido

Tempo total
TEMPO_MEDIO_ESCAVADEIRA_ ociosidade /
17 OCIOSIDADE Double min 0 1 21600 0 0 0 0 0
OCIOSA Número de
viagens

STATE_
18 ESTADO_OPERACIONAL_EQUIPAMENTO - Integer status 0 0 21600 0 0 0 0 0
EVENT

19 HM HORA_MANUTENÇÃO - Double horas 0 1 21600 0 0 0 0 0

20 HT HORA_TRABALHADA - Double horas 0 1 21600 0 0 0 0 0

21 HI HORA_IMPRODUTIVA - Double horas 0 1 21600 0 0 0 0 0

22 HC HORA_CALENDARIO - Double horas 0 1 21600 0 0 0 0 0

23 VIAGENS NÚMERO_DE_VIAGENS_DO_EQUIPAMENTO - Integer qtde 0 0 21600 0 0 0 0 0


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 102/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.4.4. PARÂMETROS DE CONFIGURAÇÃO DE ENERGIA (ORIGEM 800XA)

Tabela 11: Lista de tipos de variáveis para tags de energia

compdev exdev
Item Tipo Location 4 compmax compmin excmax excmin step zero span
Unid
% Unid. %
.

1 Corrente (amperes) ‘03-07 (05 seg.) - 2 86400 0 - 1 600 10 0

2 Digitais ‘1 (01 seg.) 0 - 86400 0 - 1 1800 0 1

3 Frequência ‘03-07 (05 seg.) - 1 86400 0 - 1 600 10 0

4 Posição do Disjuntor ‘03-07 (01 seg.) 1 - 86400 0 - 1 600 0 1

5 Posição da Chave Terra ‘03-07 (01 seg.) 1 - 86400 0 - 1 600 0 1

6 Posição do Rack do Disj ‘03-07 (01 seg.) 1 - 86400 0 - 1 600 0 1

7 Potência Ativa ‘03-07 (05 seg.) - 1 86400 0 - 1 600 10 0

8 Potência Reativa ‘03-07 (05 seg.) - 1 86400 0 - 1 600 10 0

9 Potência Aparente ‘03-07 (05 seg.) - 1 86400 0 - 1 600 10 0

10 Temperatura ‘13-17 (15 seg.) - 1 86400 0 - 1 600 10 0

11 Fator de potência ‘03-07 (05 seg.) - 1 86400 0 - 1 600 10 0

12 Tensão Fase-Fase ‘03-07 (05 seg.) - 1 86400 0 - 1 600 10 0

13 Tensão Fase-Neutro ‘03-07 (05 seg.) - 1 86400 0 - 1 600 10 0


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 103/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

compdev exdev
Item Tipo Location 4 compmax compmin excmax excmin step zero span
Unid
% Unid. %
.

14 Local/Remoto ‘03-07 (05 seg.) 1 86400 0 - 1 600 0 1


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 104/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.5. CLASSES DE SCAN (TAXA DE COLETA)

A classe de scan é o valor aplicado no atributo “Location 4” de cada tag. Ele determina a frequência em que
cada ponto irá buscar novos valores. É importante buscar conhecer o comportamento da classe de scan em
cada interface. Porque por exemplo: a classe de scan número 1 da interface PI OPCInt determina que seja o
OPC Server que informará ao cliente que houve alteração no valor do dado. E, a partir da classe de scan
número 2, aponta qual a frequência o cliente solicitará dados ao fornecedor.

11.5.1. CLASSES DE SCAN DA INTERFACE PI OPCINT

Os tempos de cálculos nas interfaces OPCInt estão padronizados obedecendo a Tabela 12.

Tabela 12: Tempo de cálculos da interface PI OPCInt

Scan Frequência Scan Frequência Scan Frequência Sca Frequência


n

1 00:00:01,00:00:00 2 00:00:01,00:00:00 3 00:00:05,00:00:00 4 00:00:05,00:00:01

5 00:00:05,00:00:02 6 00:00:05,00:00:03 7 00:00:05,00:00:04 8 00:00:10,00:00:00

9 00:00:10,00:00:06 10 00:00:10,00:00:07 11 00:00:10,00:00:08 12 00:00:10,00:00:09

13 00:00:15,00:00:00 14 00:00:15,00:00:11 15 00:00:15,00:00:12 16 00:00:15,00:00:13

17 00:00:15,00:00:14 18 00:00:30,00:00:00 19 00:00:30,00:00:16 20 00:00:30,00:00:17

21 00:00:30,00:00:18 22 00:00:30,00:00:19 23 00:01:00,00:00:00 24 00:01:00,00:00:21

25 00:01:00,00:00:22 26 00:01:00,00:00:23 27 00:01:00,00:00:24 28 00:02:00,00:00:00

29 00:02:00,00:00:26 30 00:02:00,00:00:27 31 00:02:00,00:00:28 32 00:02:00,00:00:29

33 00:05:00,00:00:00 34 00:05:00,00:00:31 35 00:05:00,00:00:32 36 00:05:00,00:00:33

37 00:05:00,00:00:34 38 00:15:00,00:00:00 39 00:15:00,00:00:36 40 00:15:00,00:00:37

41 00:15:00,00:00:38 42 00:15:00,00:00:39 43 01:00:00,00:00:00 44 01:00:00,00:00:41

45 01:00:00,00:00:42 46 01:00:00,00:00:43 47 01:00:00,00:00:44 48 01:00:00,00:45:00

49 00:59:59,00:00:00 50 01:00:00,00:59:59 51 01:00:00,00:00:59 52 00:01:00,00:00:59


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 105/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.5.2. CLASSES DE SCAN DA INTERFACE PI UFL

Os tempos de cálculos nas interfaces PI UFL estão padronizados obedecendo a Tabela 13.

Tabela 13: Tempo de cálculos da interface PI UFL para dados de origem do sistema Nautilus
(qualidade)

Serviço Tipo Dado Scan Frequência

PI UFL1 Indicadores (SQL-Automação) 1 00:00:30

PI UFL2 Retificação em tags 1 00:00:10

PI UFL3 Despacho 1 00:00:10

PI UFL4 Análises laboratoriais 1 00:00:05

PI UFL5 Programados 1 00:05:00

PI UFL6 Qualidade meio ambiente 1 00:00:15

PI UFL7 Movimentaão de mina 1 00:01:00

PI UFL8 Teste de conexão (ping) 1 00:00:05

PI UFL9 MEMS 1 00:01:00

PI UFL10 Dados de ABB (SAT 2133 1 02:00:00,00:15:00

11.5.3. CLASSES DE SCAN DA INTERFACE PI PERFMON

Os tempos de cálculos nas interfaces PI Perfmon estão padronizados obedecendo a Tabela 14.

Tabela 14: Tempo de cálculos da interface PI PerfMon

Scan Frequência Scan Frequência

1 00:00:30,:00:00:00 4 00:10:00,:00:00:00

2 00:01:30,:00:00:00 5 00:30:00,:00:00:00

3 00:05:00,:00:00:00 6 01:00:00,:00:00:00

11.5.4. CLASSES DE SCAN DA INTERFACE PIPING

Os tempos de cálculos nas interfaces PI PING estão padronizados obedecendo a Tabela 15.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 106/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Tabela 15: Tempo de cálculos da interface PI PING

Scan Frequência Scan Frequência

1 00:30:00,:00:00:00 4 00:01:00,:00:00:00

2 00:15:00,:00:01:00 5 00:00:30,:00:00:00

3 00:02:00,:00:00:00 6 00:00:20,:00:00:05

11.5.5. CLASSES DE SCAN DO PI PE (PERFORMANCE EQUATION)

O PIPE gera um resultado como valor para tag. Este resultado pode ser proveniente dos valores
apresentados por outras tags em um período ou em um tempo exato. Para a interface PIPE as regras de
configurações de variáveis são descartadas e o administrador passa a utilizar configurações que melhor
adéquam a apresentação de resultados no atendimento à necessidade dos seus clientes (usuários).

Os tempos de cálculos nas interfaces PIPE estão padronizados obedecendo a Tabela 16:

Tabela 16: Tempo de cálculo do PIPE

Scan Frequência Scan Frequência Scan Frequência Scan Frequência

1 00:00:01,:00:00:00 10 00:02:00,00:00:10 19 00:15:00,00:00:00 28 24:00:00,23:10:00

2 00:00:10,00:00:00 11 00:02:00,00:00:20 20 00:30:00,00:00:00 29 24:00:00,01:00:00

3 00:00:30,00:00:00 12 00:02:00,00:00:30 21 00:45:00,00:00:00 30 01:00:00,00:25:00

4 00:01:00,00:00:00 13 00:02:00,00:00:40 22 01:00:00,00:00:00 31 01:00:00,00:25:10

5 00:01:00,00:00:30 14 00:02:00,00:00:50 23 01:00:00,00:45:01 32 01:00:00,00:25:20

6 00:01:00,00:00:59 15 00:05:00,00:00:00 24 01:00:00,00:45:45 33 01:00:00,00:25:30

7 00:01:00,00:59:59 16 00:05:00,00:00:30 25 01:00:00,00:59:59 34 01:00:00,00:25:40

8 00:01:00,23:45:00 17 00:05:00,00:04:59 26 06:00:00,05:45:07 35 06:00:00,01:00:00

9 00:02:00,00:00:00 18 00:10:00,00:00:00 27 24:00:00,06:40:00

11.5.6. CLASSES DE SCAN DA INTERFACE PI RDBMS

A interface permite transferir dados entre o sistema PI e qualquer banco de dados relacional que suporte
conexão (ODBC) - Open DataBase Connectivity.

Os tempos de cálculos nas interfaces PI RDBMS estão padronizados obedecendo a Tabela 17:
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 107/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Tabela 17: Tempo de cálculo da interface PI RDBMS

Scan Frequência Scan Frequência Scan Frequência Scan Frequência

1 00:00:01 10 00:05:00,00:00:30 19 00:30:00,00:10:00 28 08:00:00,01:00:00

2 00:01:00,00:00:00 11 00:05:00,00:00:40 20 00:30:00,00:15:00 29 24:00:00,00:00:00

3 00:01:00,00:00:10 12 00:10:00,00:00:00 21 00:30:00,00:20:00 30 24:00:00,23:59:59

4 00:01:00,00:00:20 13 00:10:00,00:02:00 22 01:00:00,00:17:00

5 00:01:00,00:00:30 14 00:10:00,00:04:00 23 01:00:00,00:10:00

6 00:01:00,00:00:40 15 00:10:00,00:06:00 24 01:00:00,00:20:00

7 00:05:00,00:00:00 16 00:10:00,00:08:00 25 01:00:00,00:30:00

8 00:05:00,00:00:10 17 00:30:00,00:00:00 26 01:00:00,00:40:00

9 00:05:00,00:00:20 18 00:30:00,00:05:00 27 08:00:00,00:00:00

11.6. ENGUNIT (UNIDADE DE ENGENHARIA)

A unidade de engenharia é uma medida (ou quantidade) específica de determinada grandeza física usada
para servir de padrão para outras medidas. Utilizar a unidade de engenharia com base no que está
cadastrado no sistema PI. Caso não tenha a unidade desejada, a unidade de engenharia dever ser
consultada no módulo “Unit of Measure” do PI System Explorer (PI AF).

As unidades de engenharia para os dados provenientes do sistema Extreme estão descritas no documento
“OGS-PIMS-KA10804_Anexo14_ PE-G-001_Documento_Técnico_Devex_Telemetria – Revisão 03”

Caso a unidade não exista, procurar o administrador PIMS da localidade para análise e providência.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 108/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Figura 18: Tela do PI System Explorer – Unidade de engenharia


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 109/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.7. POINTTYPE (TIPO DE DADOS)

Os tipos de dados suportados pelo sistema PI estão na Tabela 18.

Tabela 18: Tipo de dados

Tipo de Dados Uso para

Pontos com valores limitados a um dos diversos estados discretos, como


Digital
ON/OFF ou Red/Green/Yellow.

Pontos com valores inteiros entre 0 e 32767 (inteiros não atribuídos de 15


Int16
bits).

Pontos com valores inteiros entre -2147450880 e 2147483647 (inteiros


Int32
atribuídos de 32 bits).

Float16 Valores de pontos flutuantes, escalados. A precisão é uma parte em 32767.

Float32 Valores de ponto flutuante com precisão única (pontos flutuantes IEEE).

Float64 Valores de ponto flutuante com precisão dupla (pontos flutuantes IEEE).

String Strings com até 976 caracteres.

Blob (Binary Large


Um tipo de dados binários com até 976 bytes.
Object)

Carimbo de data e
Qualquer data/hora dentro do intervalo 1-jan-1970 a 1-jan-2038 UTC.
hora

11.7.1. ESCOLHENDO UM TIPO DE DADO

Para os pontos coletados por interfaces, utilize o tipo de ponto que mais se aproxima do tipo de ponto no
sistema de origem. Por exemplo, se o ponto de origem a partir de um transmissor que fornece uma medição
analógica com 14 bits de precisão, use o tipo de ponto float16. Este tipo de ponto fornece 15 bits de precisão.

Para acumuladores e outros valores de alta precisão, use os mais elevados tipos de ponto de precisão: ou
Float32 ou float64.

Se você deseja armazenar números inteiros negativos , selecione o tipo de ponto int32. Note-se que a PI
reserva alguns valores na gama negativa de um número inteiro de 32-bit. O menor valor que pode ser
armazenado é mostrado na tabela acima.

Manuais de interface às vezes se referem a tipo de pontos como R (real), I (inteiro) e D (digital). Use Float16
ou Float32 para tipos R. Se o dado está vindo de uma conversão Analógica para Digital (ADC), Float 16 é
suficiente.

 Use int16 or int32 for type I or integer values


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 110/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

 Use digital for type D or discrete values

ATENÇÃO: FLOAT16 versus FLOAT32

Recomenda-se que você use float32 como o tipo padrão para dados de ponto flutuante. A economia de
espaço de float16 pode reduzir a quantidade de E/S, mas esta é apenas muito significativa quando você tem
grandes recuperações de dados, tais como cálculos de médias anuais ou tendências de longo prazo. Além
disso, float16 dados é escalado, que pode causar resultados incorretos em alguns aplicativos, como o SQC,
se o de zero e as configurações de extensão não estão definidas corretamente.

11.7.2. COMPATIBILIDADE DO TIPO DO DADO (ITEM DE OPC)

O tipo de dado de um ponto PI deve ser compátível com o tipo de dado do item OPC correspondente. Por
exemplo, se um valor de string do OPC Server precisar ser colocado em um ponto PI Int32, a string deverá
conter um número. Se um valor do ponto flutuante de 64 bits precisar ser colocado em um ponto Int16, seu
valor não deverá estourar para o tipo de dado do elemento monitorado.

A interface PI para OPC DA especificá o tipo de dado desejado ao solicitar informáções do OPC Server, e o
OPC Server é responsável por entregar o tipo de dado solicitado se puder.

A interface PI para OPC DA normalmente solicita valores usando os seguintes tipos de dados padrão:

Se o OPC Server não permitir que o cliente especifique um tipo de dado, definá location2 para 8 para todos
os pontos PI baseados em OPC com o intuito configurár a interface a fim de solicitar o tipo de dado canônico,
ou nativo, do OPC Server.

Atenção: A interface PI para OPC DA pode receber dados para os quais nenhuma conversão razoável seja
possível. Quando possível, sempre especifique o tipo de dado OPC que corresponde ao ponto PI.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 111/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Estudo de caso:

Foi feito diversos testes em tags aleatórios:

Caso 1:

Valor PLC = 65536 (16 bits atuados)

PointType = Int16 Location2 = 0 Valor PI = Over Range

Caso 2

Valor PLC = 65536 (16 bits atuados)

PointType = Int16 Location2 = 8 Valor PI = Over Range

Caso 3

Valor PLC = 65536 (16 bits atuados)

PointType = Int32 Location2 = 0 Valor PI = >132.000 (lê 2 palavras, ou seja, 32bits)

Caso 4

Valor PLC = 65536 (16 bits atuados)

PointType = Int32 Location2 = 8 Valor PI = 65536

Recomendamos a utilização dos atributos do caso 4 para os tags definidos como INT16 no PLC (DEF, INT,
ALR).

O point type=INT32 permite ler os valores quando os 16 bits estão atuados, ou seja, até 65535.

O Location 2=8 força a gravação em 32 bits, preservando o valor lido de acordo com o PLC.

Strings numéricas do OPC

Alguns OPC Servers retornam determinados tipos de dados numéricos apenas como strings. Para interpretar
valores Int16, Int32, Float32 e Float64 formatados como string, definá location2 para 1. A interface PI para
OPC DA solicita os dados como uma string (VT_BSTR) e os interpreta como um número.

Os pontos PI digitais contém valores inteiros que correspondem a strings específicas na tabela de estados
digitais na propriedade de conjunto digital do ponto. Alguns dispositivos podem ler e gravar o valor da string,
em vez do valor inteiro. Para ler e gravar pontos digitais como valores de string, definá location2 para 1.
Certifique-se de que as strings usadas pelo OPC Server sejam idênticas àqueles no conjunto digital, incluindo
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 112/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

pontuação e espaços. Para obter a melhor performance, leia os pontos digitais como números sempre que
possível.

Valores booleanos

Alguns OPC Servers enviam valores boolianos como 0 e -1 quando lidos como inteiros. Essa abordagem cria
um problema ao ler esses dados em um ponto PI digital, pois "-1" não é o valor que deve ser armazenado.
Para processar os dados desses servidores, a interface usa o valor absoluto de qualquer inteiro ou valores
reais lidos para pontos digitais. Uma vez que os valores do ponto digital são, na verdade, offsets, o conjunto
digital para o ponto, e um offset negativo não o tem significado funcional, essa questão não causa problemas
para servidores gravados adequadamente.

A interface PI para OPC DA também pode solicitar o item como um booliano (VT_BOOL). Essa abordagem
funciona apenas para itens que tenham dois estados possí�veis, pois qualquer valor que não é zero, é
interpretado como 1. Para que os itens sejam lidos e gravados como se fossem valores boolianos, definá
location2 para 2.

Inteiros de quatro bytes

Se o OPC Server não tiver suporte para o tipo de dado inteiro de dois bytes (VT_I2), configure a interface PI
para OPC DA para solicitar os dados como um inteiro de quatro bytes (VT_I4) configurándo location2 para 3.

Valores do tipo Float64

Para lidar com números de ponto flutuante de oito bytes (VT_R8), configure o location2 do ponto monitorado
para 5. O PI Data Archive armazena o valor como um número de ponto flutuánte de quatro bytes, com
possível perda de precisão. Se o número for grande demais para caber no ponto, um status de BAD INPUT
será armazenado.

11.7.3. IMPOSIÇÕES DE TIPO DE PONTO PERMISSÍVEIS

Para alterar com sucesso um atributo do tipo de ponto, você deve alternar entre os tipos de pontos que
podem ser impostos. Por exemplo, se você alterar um tipo de ponto para int16 e o valor do snapshot atual for
negativo, a edição o falha porque int16 não o converte valores negativos. Nesse caso, o seguinte erro é
retornado.

[-10005] Subscript Under Range


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 113/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Os dados do tipo prévio são o impostos ao tipo atual no momento da recuperação. Se um evento não o puder
ser imposto ao tipo de ponto editado, o estado digital “Falha na Imposição” será retornado por padrão. O
estado digital “Falha na Imposição” atua como um placeholder para um evento que o PI Snapshot Subsystem
falhou ao impor. Eventos fora de ordem também podem resultar em um estado digital “Falha na Imposição”.

Use o parâmetro Archive_DataCoercionPolicy para converter um estado digital.

Na tabela a seguir, as imposições do tipo de ponto permissível são mostradas com uma marca de verificação
(✓).

1
Assumindo valores no intervalo de 0 a 32767
2
Assumindo valores no intervalo de -2.147.450.880 a 2.147.483.647
3
Assumindo valores inteiros positivos mais baixos que o número de estados digitais
4
Assumindo correspondência exata e não o sensível a maiúsculas e minúsculas com uma string de estado
5
Assumindo que o intervalo da origem seja compatível com o intervalo do destino

Atenção: Ao alterar os tipos de ponto para int16 ou digital, é necessário inserir um valor para os atributos
Zero e Span.

11.7.4. ALTERAÇÕES E ARCHIVES DE TIPO DE PONTO

Quando você altera um atributo de tipo de ponto, o registro de archive atual é fechado e um novo registro é
aberto. O novo registro usa o atributo do tipo de ponto alterado.

As edições de tipo de ponto afetam o modo como os usuários visualizam os dados recém gerados e os dados
previamente arquivados. Por essa razão, você deve considerar se deseja:
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 114/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

• Preservar o tipo de ponto original no histórico do archive ou

• Converter todos os archives para refletir a alteração no tipo de ponto.

Por padrão o tipo de ponto original é preservado nos archives. Isto é, os eventos que foram criados e
arquivados antes da edição no tipo de ponto refletirão o tipo de ponto que era usado antes da edição.

Se você deseja que os dados previamente arquivados reflitam o novo tipo de ponto, pode reprocessar os
archives off-line para converter os eventos armazenados no novo tipo de ponto.

11.8. DISPLAYDIGITS (NÚMERO DE DÍGITOS)

O atributo DisplayDigits controla o formato de valores numéricos nas telas e nos relatórios. Zero ou um
número positivo indica o número de dígitos para mostrar à direita do ponto decimal. Um número negativo
indica o número de dígitos significativos para mostrar. Neste caso, o valor absoluto da DisplayDigits é o
número de algarismos significativos.

A Tabela 19 mostra como um valor de 23,45 aparecem na tela para diferentes valores de DisplayDigits:

Tabela 19: Formato de dígitos

DisplayDigits Formato

3 23,450

2 23,45

1 23,5

0 23

-1 2E+001

-2 23

-4 23.45

11.9. TAGS DO TRATAMENTO DE MINÉRIOS

Tags do tratamento de minérios ou tags de processo cuja fonte de dados são os servidores OPC. Na Diretoria,
o OPC Server padrão para coleta de dados de tratamento é o Kepware Server. Algumas exceções acontecem
em função de particularidades da origem do dado.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 115/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Os pontos que representam dados de uma interface do PI sempre estão na classe do ponto Classic. As
classes do ponto do PI padrão são:

 Alarm: usado para tags de alarmes.

 Base: um conjunto comum de atributos incluso em todas as classes dos pontos. A classeBase
inclui atributos atribuídos a sistemas e usuários. Esse é o conjunto mínimo de atributos que o
ponto do PI precisa para funcionar.

 Classic: inclui os atributos usados pelas interfaces.

 SQC_Alarm: usado para pontos de alarme SQC. Consulte o PI Server Applications Guide para
obter mais informações sobre os pontos de alarme SQC.

 Totalizer: usado para um tipo de ponto que representa a execução total dos dados. Há vários
tipos diferentes de pontos Totalizer.

Apesar dos itens a seguir explicar as configurações usadas no PIMS da diretoria, utilizar os documentos a
seguir, para maiores informações e complementos que podem ser específicos da interface

 OGS-PIMS-KA10804_Anexo1_ PI-Interface-for-OPC-DA-PT_2.6,

 OGS-PIMS-KA10804_Anexo2_PI_OPCPluginBitmask,

 OGS-PIMS-KA10804_Anexo3_ PI_OPC_DA_Interface_Failover_Manual_2.3.20.9,

 OGS-PIMS-KA10804_Anexo4_ DCOM-Security-and-Configuration-Guide-PT_2.4.4 e

 OGS-PIMS-KA10804_Anexo5_WP_OPC.

11.9.1. NOME DO TAG

Cada tag possui um nome que é fundamental para execução de qualquer consulta de dados no sistema PI. O
nome é que a identificação de cada variável cadastrada no sistema.

A composição do “nome do tag” possui um prefixo composto por dois caracteres acompanhado de underline
que serve de separador acompanhado de um sufixo composto por um conjunto de caracteres que tem como
finalidade identificar a origem do dado. O sufixo dos tags de processo acompanham a padronização de tags
do PLC e do supervisório para o caso de tags de processo.

O tag possui um nome composto por um agrupamento de mnemônicos respeitando a seguinte regra:

TAGS ANALOGICAS:

XX_YYYY_MM onde:
 XX: (Prefixo) Sigla da localidade;
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 116/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

 _Caractere separador;
 YYYY: (Sufixo) Nome em sua origem de acordo com o sistema SAP
 MM: Mnemônico / Seguida da sequencia (Equipamento - Padrão ISA d5.1)

Exemplo: CE_FG3093_II1

 CE = Localidade de Conceição I
 _ = Caractere Separador
 FG3093 = Nome do tag em sua origem
 II1 Mnemônico de (Corrente) sempre acompanhado do número sequencial.

TAGS DIGITAIS:

XX_YYYY_MMMM onde:
 XX: (Prefixo) Sigla da localidade;
 _Caractere separador;
 YYYY: (Sufixo) Nome do tag em sua origem de acordo com o sistema SAP
 MMMM: Palavra de estado (DEF, INT, EST) sempre acompanhado do número sequencial

Exemplo: CE_FG3093_EST1

 CE = Localidade de Conceição I
 _ = Caractere Separador
 FG3093 = Nome do tag em sua origem
 EST1 = Palavra de estado, acompanhado do número sequencial

Algumas regras gerais de nomenclatura devem ser observadas para o sistema PI:

 O nome deve ser exclusivo no PI Data Archive.

 O primeiro caractere deve ser alfanumérico, um underscore (_) ou um sinal de porcentagem (%).

 Não são permitidos caracteres de controle ou de não impressão.

 Caracteres não permitidos: * ' ? ; { } [ ] | \ ` ' "

Atenção: quando o tag for de escrita, utilizar: Sigla da localidade + a palavra “WRT” + restante conforme já
definido
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 117/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Exemplo: CE_FG3093_EST1 vira CE_WRT_FG3093_EST1

11.9.2. ARCHIVING

O atributo de arquivamento (archiving) indica se o valor do tag será gravado ou não. Por padrão, manter o
dado historiado, ou seja, o campo com valor um ( Archiving = 1). Para valores somente em memória
(Snapshot), o valor do atributo deverá ser zero, ou seja, Archiving = 0 (desligado).

11.9.3. CHANGE DATE, CHANGER, CREATIONDATE E CREATOR

O valor desses atributos é configurado automaticamente pelo sistema PI e indicam a data de modificação do
tag (change date), quem realizou a mudança (changer), quando o tag foi criado (creationdate) e por quem
(creator)

11.9.4. ATRIBUTOS DE COMPRESSÃO

A configuração dos campos de compressão (compdev, compdevpercent, compmin, compmax e compressing),


deverá seguir a orientação do tipo de variável conforme item 11.4 deste documento.

11.9.5. CONVERS (CONVERSÃO)

Caso seja necessária a conversão do valor da origem, o campo “Convers” deverá ser usado. Atenção: A
conversão é diretamente afetada pelo campo “Span”.

11.9.6. DATASECURITY E PTSECURITY (SEGURANÇA DOS DADOS E DOS PONTOS)

A configuração dos campos de segurança dos dados (DataSecurity) e de segurança do ponto


(PtSecurity)deverá ser feita conforme a área de atuação dos administradores do sistema PI. Veja na tabela a s

eguir, a configuração que deve ser feita para os tags de processo.

Tabela 20: Segurança dos dados e pontos

Localidade datasecurity ptsecurity

piadmin: A(r,w) |
piadmin: A(r,w) | PIADM_PROCESSO_IT:
PIADM_PROCESSO_IT: A(r,w) |
Complexo Itabira A(r,w) | PIWorld: A(r) |
PIWorld: A(r) | PIADMIN_DADOS:
PIADMIN_CONFIG: A(r,w)
A(r,w)

piadmin: A(r,w) |
piadmin: A(r,w) | PIADM_PROCESSO_MR:
Complexo PIADM_PROCESSO_MR: A(r,w) |
A(r,w) | PIWorld: A(r) |
Mariana PIWorld: A(r) | PIADMIN_DADOS:
PIADMIN_CONFIG: A(r,w)
A(r,w)
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 118/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Localidade datasecurity ptsecurity

piadmin: A(r,w) |
piadmin: A(r,w) |
Complexo PIADM_PROCESSO_PAR: A(r,w) |
PIADM_PROCESSO_PAR: A(r,w) |
Paraopeba PIWorld: A(r) | PIADMIN_DADOS:
PIWorld: A(r) | PIADMIN_CONFIG: A(r,w)
A(r,w)

piadmin: A(r,w) |
piadmin: A(r,w) |
Complexo PIADM_PROCESSO_VGR: A(r,w) |
PIADM_PROCESSO_VGR: A(r,w) |
Vargem Grande PIWorld: A(r) | PIADMIN_DADOS:
PIWorld: A(r) | PIADMIN_CONFIG: A(r,w)
A(r,w)

11.9.7. DESCRIPTOR (DESCRIÇÃO DOS TAGS)

A descrição dos tags de processo deverá ser composto de:

Área Operacional + Caracter “_” + Subárea + Caracter “_” + Nome do equipamento + Caracter “_” + Descrição
da informação.

Exemplos: Britagem_BlocoII_Britador_Ventilador Linha A

Britagem_BlocoII_Britador_Ventilador Linha B.

Tabela 21: Exemplos de descrição tag de processo

Tag Descrição

CE_BR2002_05_EST1 Britagem_BlocoII_Britador_Estado Ventilador Linha A

CE_BR2002_06_EST1 Britagem_BlocoII_Britador_Estado Ventilador Linha B

Para a descrição de tags de escrita no PLC, seguir o padrão dos tags de processo, porém acrescentar no
início da descrição a palavra Escrita.

Tabela 22: Exemplos de descrição escrita WRT

Tag Descrição

CE_WRT _BR2002_05_EST1 Escrita_Britagem_BlocoII_Britador_Estado Ventilador Linha A

CE_ WRT_BR2002_06_EST1 Escrita_Britagem_BlocoII_Britador_Estado Ventilador Linha B

Para a descrição de tags de escrita no PLC, seguir o padrão dos tags de processo, porém acrescentar no
início da descrição a palavra Escrita.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 119/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Tabela 23: Exemplos de descrição escrita no PLC

Tag Descrição

CA_TC0387_JSP Escrita_Usina_Transportador_ Retifica Totalizador massa

11.9.8. DIGITALSET

O campo digitalset é o nome de uma tabela utilizada para converter os valores armazenados de forma binária
em valor de texto.

Para criação de um digitalset, iniciar a sigla da localidade, conforme item 11.1 deste documento.

Exemplo: IT_EQP_FUNC_LOCAL ou GS_EQP_FUNC_AUTO_LOCAL

11.9.9. DISPLAYDIGITS

O atributo DisplayDigits controla o formato de valores numéricos nas telas e nos relatórios. Acesse o item 11.8
para detalhes.

11.9.10. ENGUNITS (UNIDADE DE ENGENHARIA)

A unidade de engenharia deverá seguir o que está no item 11.6 deste documento.

11.9.11. ATRIBUTOS DE EXCEÇÃO

A configuração dos campos de exceção (excdev, excdevpercent, excmin e excmax), deverá seguir a
orientação do tipo de variável conforme item 11.4 deste documento.

11.9.12. EXDESC (DESCRIÇÃO EXTENDIDA)

Deverá ser informado no campo de descrição estendida dos tags de processo, o valor de máscara de bit
(bitmask) a ser utilizado para conversão dos bits dos tags digitais. Para as localidades que compõe os
complexos de Itabira e Mariana, converter o valor de Bitmask para valor decimal. Exemplo: Bitmask=47104.

Para as localidades que compõe as localidades de Água Limpa, Brucutu e Gongo Soco, converter o valor de
Bitmask para valor máscara de bit. Exemplo: bitmask=0b1011110000000000.

O atributo extended descriptor (exdesc) é um campo multiuso. Se você usar o atributo exdesc para especificar
mais de uma configuração, coloque uma vírgula entre as definições.

Por padrão, espaços no início ou no fim são removidos das entradas no atributo exdesc. Para preservar os
espaços no início e no fim, coloque a entrada entre aspas duplas.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 120/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

A interface PI para OPC DA usa o atributo exdesc das seguintes maneiras:

• Coleção de dados baseada em evento

Para definir um tag do evento, configure esse atributo para event=tag. Quando o tag especificado tiver
um evento de exceção, os tags para os quais ele é um gatilho são lidos do OPC Server.

• Dzero para tags em escala

Quando o dispositivo retorna valores que devem passar por ajuste de escala para caberem no intervalo
de valores armazenados na tag, armazene o zero do dispositivo no atributo exdesc. O formato para
especificar o zero do dispositivo é Dzero=nnnnn.nnn. Para especificar o span do dispositivo, use o
atributo convers.

• Item do OPC do elemento monitorado para timestamp da tag de saída

Para direcionar o timestamp de um ponto de saída para um item OPC, especifique o ItemID do elemento
monitorado no atributo exdesc. O formato do timestamp depende do tipo de dado do ItemID que deve
receber o timestamp, da seguinte maneira:

◦ Tim=ItemID

Configurar a opção Tim faz o timestamp ser gravado como uma string (VT_BSTR), formatada para a
instância da interface usando o parâmetero de formato de timestamp(tf) no arquivo de lote. O timestamp
vem do servidor PI Data Archive e não é ajustado para diferenças de configuração de fuso horário ou
horário de verão.

◦ Dat=ItemID

Configurar o Dat faz o timestamp ser gravado como uma VT_DATE. VT_DATE é um tipo de automação
que não especifica fusohorário. Os valores de VT_DATE costumam ser tratados como horário local.

Em mensagens de erro relacionadas a esse ItemID do timestamp, a interface relata um nome de tag
gerado da forma TS: pointname, em que pointname é o nome (atributo tag) do ponto PI de saída.

• OPC ItemID

Devido a limitações ao comprimento máximo do atributo instrumenttag, pode ser necessário especificar o
OPC ItemID no atributo exdesc.

Use a sintaxe instr=ItemID, em que ItemID corresponde exatamente ao ItemID definido no OPC Server. Se
o ItemID contiver uma vírgula ou um espaço, coloque-o entre aspas duplas.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 121/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Se a PI API for versão 1.6.0.2 ou posterior e o PI Data Archivefor 3.4.370.x ou posterior, o comprimento
máximo do atributo instrumenttag será de 1.023 caracteres. Para todas as versões anteriores, o máximo é
de 32. Se você estiver executando versões anteriores e precisar de mais de 32 caracteres para especificar
o ItemID, habilite o PI SDK ou use o atributo exdesc para especificar o ItemID do OPC.

11.9.13. FILTERCODE

O Filtercode indica a constante de tempo de um filtro de primeira ordem utilizados para suavizar a entrada de
dados. Enquanto isso não impacta os dados comprimidos, ela não afeta relatórios de exceção.

Recomenda-se não alterar os dados de entrada, deixando este campo em seu valor padrão de 0.

11.9.14. INSTRUMENTTAG

Esse campo conterá o endereçamento do tag (Item ID) conforme está no OPCServer. Atenção para que a
criação do “Alias” para o endereço do PLC seja feito no OPCServer.

Esse campo deve corresponder exatamente ao nome do item definido no OPC Server, incluindo qualquer
pontuação, espaços e sensibilidade a maiúsculas e minúsculas.

Descrever junto ao endereço do ponto, o tipo do dado correspondente na origem (PLC).

Exemplo: 10_1_18_8.419002@float

Atenção: Para maiores detalhes não deixe de consultar o capítulo Pointtype (tipo de dados), principalmente
sobre a compatibilidade do tipo do dado.

11.9.15. LOCATION 1 (INSTÂNCIA)

Indica quais tags pertence a qual instância. Informar o número da instância da localidade conforme tabela
abaixo.

Tabela 24: ID’s das instâncias de tags de processo

Instância Localidade Descrição

11 Vago Vago

21 Vago Vago

41, 42, 43, 44 Brucutu Dados de Processo

51, 52, 53, 54 Gongo Soco Dados de Processo


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 122/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Instância Localidade Descrição

61, 62, 63, 64 Água Limpa Dados de Processo

71, 72, 73, 74 Alegria Dados de Processo

81, 82, 83, 84 Timbopeba Dados de Processo

91, 92, 93, 94 Cauê Dados de Processo

101, 102, 103, 104 Conceição I Dados de Processo

111, 112, 113, 114 Conceição II Dados de Processo

131, 132, 133, 134 Itabira Dados de Subestação

201, 202, 203, 204 Capitão do Mato Dados de Processo

211, 212, 213, 214 Mutuca Dados de Processo

221, 222, 223, 224 Vargem Grande 1 Dados de Processo

231, 232, 233, 234 Vargem Grande 2 Dados de Processo

241, 242, 243, 244 Fábrica Dados de Processo

251, 252, 253, 254 Córrego do Feijão Dados de Processo

261, 262, 263, 264 Pico Dados de Processo

271, 272, 273, 274 Terminal Ferroviário Andaime Dados de Processo

281, 282, 283, 284 Terminal Ferroviário Olhos DÁgua Dados de Processo

11.9.16. LOCATION 2 (CONVERSÃO)

O campo indica que haverá um tratamento especial a ser feito, como uma conversão de float32 para float64
por exemplo. Os tipos de conversão a serem usados está explicado com mais detalhes a seguir em “Data
Types”

Location 2 = 0

Indica processamento normal, nenhum tratamento especial é feito.

Location 2 = 1

Se Location 2 = 1, o valor do servidor OPC vai ser lido como uma String e escrito como uma String. Para
tags digitais, isso só vai funcionar se a string lida do servidor OPC for uma correspondência exata para as
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 123/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

strings no Estado Digital Set usado pelo tag. Consulte o Manual de Arquivo de Dados “Data Archive
Manual” para uma discussão completa de conjuntos configurações de Digital State e tags Digital State.

Para tags inteiro e real, definindo Location 2 = 1 fará com que a interface solicite um valor String, e
depois tente traduzir esse valor String em um número.

Location 2 = 2

Se Location 2 é definido como 2 para uma tag Digital, o valor será lido como um valor booleano.
Booleanos tem apenas dois valores possíveis: zero e diferente de zero. Location 2 = 2 só pode ser usado
se o conjunto de estado digital tem apenas dois valores. Da mesma forma, para tags numéricas, qualquer
valor, mas 0 será True (-1), e um valor fora de 0 será False (0). Observe se a receber um booleano do
OPC Server para um tag de dois Estados Digital, esta opção deve ser usada para converter corretamente
o Servidor OPC booleana no Estado Digital PI. Se essa opção não for usada, o tag PI pode obter valores
"bads" para um valor booleano quando é 'True'

Location 2 = 3

Se Location 2 está definido para 3, o valor será lido como um inteiro de 4 bytes. Esta definição está
incluída para acomodar os servidores que não possam enviar o valor como um inteiro de 2 bytes. Isto é
como tags digitais são normalmente ler.

Location 2 = 4

Esta configuração vai fazer com que a interface armazene a qualidade do produto, em vez de o valor.
Isto permite que a interface armazene o valor do item em umtag e a qualidade no outro.

Location 2 = 5

Esta configuração é para números de ponto flutuante. Por padrão, a interface irá solicitar tags reais como
VT_R4 itens (4-byte real). Se Location2 está definido para 5, a interface irá solicitar tags reais como
VT_R8 itens (8-byte real). Para tags Float32, incluindo todas as tags PI2 reais, valores que não podem
ser enquadrados em um número de ponto flutuante de 32 bits vai perder precisão. Esta configuração está
incluída para permitir o uso de servidores que não se traduzem dados VT_R8 para VT_R4 próprios, ou
para permitir o uso de tags Float32 onde o benefício de uma maior precisão não vale a sobrecarga de
usar tags float64.

Location 2 = 6

Esta configuração permite a leitura timestamps do OPC Server como tags e transforma aquelas tags em
um número de segundos. O tag PI pode ser Int ou Float. O formato da string de timestamp é especificado
no arquivo de inicialização com o parâmetro / TF eo mesmo formato é usado para todas as tags. Para
mais informações sobre este assunto, consulte “Tipos de dados” no manual da interface OPCINT.

Location 2 = 7
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 124/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Essa configuração permite a interface ler timestamps do OPC Server como variáveis VT_DATE. Estes
valores podem ser traduzidos em tags timestamp ou passado para PI, como um número de segundos,
adequado para uso em cálculos. Se o valor é traduzido em uma String, o formato de data e hora
especificado com o parâmetro / TF será usado. Para mais informações sobre isso, consulte “Tipos de
dados” no manual da interface OPCINT.

Location 2 = 8

Esta configuração permitirá o servidor determinar o tipo de dados. A interface irá tentar transformar o
valor para o tipo de dados própriodo tag do PI. Isto pode não ser possível em todos os casos, então, use
isso com cautela, e apenas quando o servidor OPC não fornecer dados sem especificar um tipo de
dados. É sempre melhor especificar que tipo de dados será obtido, a menos que o servidor não atenda
essarequisição.

Location 2 > 1024

Quando a DLL de pós-processamento, por exemplo, TimeArray, é utilizado com a interface, fixando
Location 2 a 1024, permite que os dados a serem processados apenas pela DLL. Adicionando qualquer
configuração sobre o location2, que é de 0 a 8, para 1024 permite que as funcionalidades
supracitadasvão ser usados pela DLL. Para mais informações, consulte o manual do “TimeArray plug-in”.

11.9.17. LOCATION 3 (TIPO)

Este campo é utilizado para indicar o tipo de tag:

0 – Polled or Event

1 – Advise

2 – Output

3 – Watchdog sondado usado com o failover no nível do servidor

4 – Watchdog de advise usado com o failover no nível do servidor

Os tags colocados na classe de scan = 1 em OPC são advise. Logo, o campo location 3 deve ser configurado
com o valor 1.

Para uma tag Advise, a Interface OPC vai se inscrever para atualizações com a OPC Server, eo servidor OPC
vai enviar um novo valor para a interface, a um ritmo mais frequente do que a taxa de atualização para o
grupo. Para minimizar o "ruído", o Location5 pode ser usado para indicar a "banda morta" ou “deadband”
desejada, se o servidor suportar a funcionalidade. Com uma configuração de banda morta, se a mudança
entre o último valor de leitura e o novo valor é menor do que a faixa morta, o novo valor não é enviado para o
servidor de interface pelo OPC. Este processamento de banda morta, só é válido para os pontos que são
definidos no servidor OPC como analógicos.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 125/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

O processamento de Deadband é opcional para os servidores sob o padrão OPC, não se esqueça de verificar
se o servidor suporta o processamento de “banda morta” antes de tentar configurar tagsadvise pressupondo
que o processamento de zona morta é suportado. Note que o processamento de zona morta afeta valores
interface recebe. Os valores que a interface envia ao PI,são ainda configurados usando os parâmetros de
exceção para as tags do PI.

11.9.18. LOCATION 4 (CLASSE DE SCAN)

O campo Location 4 define a classe de leitura(busca) dos valores no OPC Server pelo ponto no PI. A classe
de scan determina a frequência com que os pontos de entrada são scanneados para os novos valores. Ela
não pode ser valor negativo.

As atualizações do Servidor OPC vêm em grupos: no start-up, a interface define um grupo sobre o OPC
Server e inclui todos os pontos dentro de uma determinada classe de scan para o grupo.

O Servidor OPC é consultado para todos os pontos dentro de um grupo ao mesmo tempo, por isso alguma
consideração deve ser dada à criação de classes de scan. Ter mais de uma classe de scan com o mesmo
período de verificação é permitido, e utilizando diferentes compensações(offsets) nessas classes de scan
pode melhorar o desempenho.

No entanto, o servidor OPC está no controle de quando ler a fonte de dados, para manter seu cache de dados
atualizado, e especificando as compensações(offsets) podem não ter nenhum efeito sobre quando os dados
são lidos pelo servidor OPC.

A tabela a seguir mostra o número máximo de grupos que podem ser criados:

Atenção: Por convenção, a primeira classe de scan é reservada para tags “Advise”. Outras classes de scan
podem também ser usadas para tags “Advise”, mas qualquer tag que usa a primeira classe de scan e não são
advised, não serão polled.

Cada tipo de variável do processo tem a sua frequência necessária de leitura definida conforme Tabela 12. A
tabela apresenta 5 classes de scan para uso em cada tipo variável. Para escolher qual será usada, consultar o
sistema de gerenciamento PIMS disponível no Portal TOp no endereço
http://top/servicos/pi/gerenciamento/apps/default.aspx. Cada classe de scan deverá ter no máximo o número
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 126/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

de tags correspondente ao descrito no capítulo de Balanceamento de carga. Utilizar a classe que tiver
disponibilidade.

Caso todas as classes de scan estejam cheias, consultar o administrator PIMS da localidade para análise e
providênciade outras classes de scan.

11.9.19. LOCATION 5 (BANDA MORTA)

Conforme o padrão do OPC, o processamento de banda morta é opcional para os servidores. Se o OPC
Server não suportar o processamento de banda morta, o ponto PI é atualizado para todas as alteraçõesde
valor no ponto, dependendo dos atributos de exceção especificados para o ponto PI.

Use uma banda morta para reduzir a quantidade de tráfego de rede do OPC Server para a interface PI para
OPC DA. Se a alteração entre o último valor lido e o novo valor for menor que a banda morta, o OPC Server
não enviará o valor para a interface. Para os pontos advise, o atributo location5 especificá um valor de banda
morta para itens analógicos do OPC.

Atenção: Antes de tentar configurár os pontos advise, certifique-se de que o Servidor OPC suporte o
processamento de banda morta.

O processamento de banda morta do servidor OPC não é igual ao processamento de banda morta de exceção
que ocorre entre a interface e o PI Data Archive.

Este atributo só é válido quando o ponto correspondente no servidor OPC está definido em um ponto
Analógico e os campos EuMin e EuMax nos pontos do OPC Server delimitam o intervalo de valores para o
ponto. Estes correspondem aos campos de zero e span em definição do ponto no PI, mas este é
especificamente referindo-se ao ponto de, tal como definido na OPC.

O valor Location5 é uma percentagem do intervalo, medida em centésimos. Por exemplo, se o ponto de
Servidor OPC é definido como analógico com uma EuMin de -10 e uma EuMax de 10, e contém Location5
2500 (sentido 25%), apenas os dados será enviado para o tag do PI, quando a diferença entre o valor novo e
o valor antigo é, pelo menos, 5 (25% de 20 = 5).

11.9.20. POINTID (NÚMERO DO PONTO)

Campo utilizado para identificar o ponto no PI

Corresponde a um número único que identifica o ponto internamente. O PointID nunca é reutilizado, mesmo
quando um ponto é excluído. O PointID é o identificador do ponto PI que é passado como um parâmetro para
a maior parte das funções da API do PI. No manual PI API, este identificador é referido como o número de
pontos, ou PtNum. Esse campo é colocado automaticamente pelo sistema.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 127/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.9.21. POINTSOURCE (ORIGEM DO DADO)

Campo utilizado para identificação da oriente do dado. A identificação do pointsource deverá seguir o que está
no item 11.3 deste documento.

11.9.22. POINTTYPE (TIPO DO PONTO)

Campo utilizado para identificar o tipo do ponto no PI. Consulte o item 11.7 para maiores detalhes.

11.9.23. PTCLASSNAME (CLASSE DO PONTO)

Todos os pontos que serão lidos do OPCServer pertencem a classe “classic”.

11.9.24. RECNO (NÚMERO DO REGISTRO)

O número de registro contém o número de registro primário do ponto no arquivo. Isto é útil quando se utiliza
ferramentas como piartool-aw para examinar os arquivos. RECNO não deve ser confundido com o atributo
PointID. Esse campo é colocado automaticamente pelo sistema.

11.9.25. SCAN (VARREDURA)

Esse atributo indica se a interface irá coletar o dado na origem ou não. Mantenha Scan = 1.

Configure Scan = 0 caso queira parar de ler o valor na origem.

11.9.26. SHUTDOWN (EVENTO DE DESLIGAMENTO)

Esse atributo permite definir se os tags sofrerão a marcação de “Shutdown” quando o PI DataArchive for
desligado. Configurar os tags para que não tenha marcação. Para isso, manter o valor 0 (zero) no atributo.
Shutdown = 0.

11.9.27. SOURCE TAG (TAG FONTE)

Esse atributo deverá conter o nome de um tag que seja origem para o tag que está sendo configurado.

11.9.28. SRCPTID (ID DO TAG FONTE)

Srcptid é o número correspondente ao ponto PI do tag especificado no atributo SourceTag.

Se este atributo é editado, o PI Archive altera o campo SourceTag com o tag correspondente. Não alterar
diretamente o atributo Srcptid; preferir mudar o campo SourceTag. Manter esse campo com valor zero (0).
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 128/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.9.29. SPAN (RANGE)

Diferença entre a ponta superior e inferior do intervalo. Necessário para todos os pontos de tipos de dados
numéricos.

11.9.30. STEP (CURVA)

Esse atributo define como será a curva da informação e o modo de cálculo para os tags. Caso o valor seja 0
(zero), o dado poderá ser interpolado. Caso seja igual a 1 (um), o valor não poderá ser interpolado.

Utilize o valor de Step = 0 para tags analógicos de processo, exceto tags totalizadores.

Utilize o valor de Step = 1 para tags digitais de processo e tags totalizadores.

11.9.31. TYPICALVALUE (VALOR DESEJÁVEL)

Documenta um exemplo de um valor razoável para esse ponto. Para o tag numérico, esse valor deve ser
superior ou igual ao valor Zero, e inferior ou igual ao valor Zero mais o valor Span.

11.9.32. ZERO (VALOR MÍNIMO)

Menor valor possível do ponto. Localmente, é possível definir como o mesmo valor do zero do instrumento.

Necessário para todos os pontos de tipos de dados numéricos; crítico para pontos float16.

11.9.33. TOTALCODE E SQUAREROOT (TRANSFORMAÇÃO E ESCALA)

Enquanto os servidores OPC podem executar suas próprias transformações e de escala, alguns usuários
descobriram que as funções desejadas não são preenchidos por seu servidor. Neste caso, configure os
pontos PI e então, a interface irá executar transformações e escala. Note-se que a transformação e escala
acontece antes de o valor ser comparado com os parâmetros de exceção para o tag , de modo que os
parâmetros são aplicados aos valores que seriam enviados ao PI, ao invés de para o valor bruto.

Escala:

Escalonar é complexo e é controlado pelas propriedades TotalCode e SquareRoot da tag. Uma vez que
estamos limitados no que podemos obter informações sobre o tag , o atributo Convers é usado para
transportar o Span do dispositivo, eo ExDesc faz mais dever de levar a Zero dispositivo (Dzero). A interface
pode então traduzir um valor de escala do que o dispositivo pode enviar para a escala da tag real.

Se TotalCode é zero, o escalonamento realizado é baseado apenas no valor de SquareRoot. Se SquareRoot


é um 1, o valor lido será quadrado antes de enviá-lo para PI, e por um valor de saída a raiz quadrada será
tomada antes de escrever para o dispositivo. Se SquareRoot é um 2, acontece o contrário: para os valores
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 129/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

lidos a partir do dispositivo, a raiz quadrada do valor de leitura será enviada a PI, enquanto que os valores de
saída serão quadrados antes de enviá-los para o dispositivo.

Se TotalCode é diferente de zero, algum outro escalonamento pode ser executado, ou para transformar o
valor lido na outra escala de medição ou para aplicar um fator de deslocamento ou de conversão. Assim como
o valor armazenado nas faixas de tag (Zero) a (Zero + Span), assim também os valores lidos ou gravados no
dispositivo podem variar de (Dzero) a (DZero + Convers). Isto permite que o valor armazenado no PI para ser
uma simples transformação de uma dimensão para outra. O atributo SquareRoot pode ser usado para
especificar que a raiz quadrada ou quadrada do valor deve ser utilizado em vez do valor propriamente dito. Em
outros casos, o valor de Convers pode ser adicionado ou subtraído do valor, ou podem ser usadas como um
multiplicador, ou aplicado como uma máscara de bit. Novamente, o atributo pode especificar SquareRoot
usando a raiz quadrada ou quadrada do valor, em vez do valor bruto, como a entrada para a fórmula.

Escalonamento é suportado apenas por tags numéricas. O tag pode ser definida em PI como um número, mas
o OPC Server lê e escreve o item como uma string, e essas tags fariam escala. Mas, se o tag do PI é definido
como uma cadeia de caracteres, qualquer escalonamento será ignorado.

A Tabela 25 inclui todas as fórmulas atualmente utilizadas em escala. Se SquareRoot é 1 ou 2, ou a raiz


quadrada do valor do quadrado será calculado em primeiro lugar, e, em seguida, a fórmula será aplicada.

Tabela 25: Segurança dos dados e pontos

Convers TotalCode SquareRoot Dzero Operation

0 0 0 Don't care Value = value

Input tags:
Value = (Value)2
0 0 1 Don't care Output tags:
Value = (Value)0.5

Input tags:
Value = (Value)0.5
0 0 2 Don't care
Output tags:
Value = (Value)2
Input tags:
Value = [ (Value – Dzero) / Convers ] *
Span + Zero
Not 0 1 0 Defined
Output tags:
Value = [ (Value – Zero) / Span] *
Convers + Dzero
Input tags:
Value = [ ((Value)2 – Dzero) / Convers ]
* Span + Zero
Not 0 1 1 Defined
Output tags:
Value = [ ((Value)0.5 – Zero) / Span] *
Convers + Dzero
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 130/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Convers TotalCode SquareRoot Dzero Operation

Input tags:
Value = [ ((Value)0.5 – Dzero) / Convers ]
* Span + Zero
Not 0 1 2 Defined
Output tags:
Value = [ ((Value)2 – Zero) / Span] *
Convers + Dzero

Input tags:
Value = Value * Convers
Not 0 2 0 Don't care
Output tags:
Value = Value / Convers

Input tags:
Value = (Value)2 * Convers
Not 0 2 1 Don't care
Output tags:
Value = (Value)0.5 / Convers

Input tags:
Value = (Value)0.5 * Convers
Not 0 2 2 Don't care
Output tags:
Value = (Value)2 / Convers

Input tags:
Value = (Value / Convers) – Dzero
Not 0 3 0 Defined Output tags:
Value = (Value + Dzero) * Convers

Input tags:
Value = ((Value)2 / Convers) – Dzero
Not 0 3 1 Defined
Output tags:
Value = ((Value)0.5 + Dzero) * Convers

Input tags:
Value = ((Value)0.5 / Convers) – Dzero
Not 0 3 2 Defined
Output tags:
Value = ((Value)2 + Dzero) * Convers

Input tags:
Value = (Value – Dzero)/ Convers
Not 0 4 0 Defined
Output tags:
Value = (Value * Convers) + Dzero

Input tags:
Value = ((Value)2 – Dzero)/ Convers
Not 0 4 1 Defined
Output tags:
Value = ((Value)0.5 * Convers) + Dzero

Input tags:
Value = ((Value)0.5 – Dzero)/ Convers
Not 0 4 2 Defined
Output tags:
Value = ((Value)2 * Convers) + Dzero
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 131/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Convers TotalCode SquareRoot Dzero Operation

Input tags:
Value = Value + Convers
Not 0 5 0 Don't care
Output tags:
Value = Value – Convers

Input tags:
Value = (Value)2 + Convers
Not 0 5 1 Don't care
Output tags:
Value = (Value)0.5 – Convers

Input tags:
Value = (Value)0.5 + Convers
Not 0 5 2 Don't care
Output tags:
Value = (Value)2 – Convers

Input tags:
Value = Value AND Convers
Not 0 6 Don't care Don't care
Output tags:
Value = Value AND Convers

Input tags:
Value = Value OR Convers
Not 0 7 Don't care Don't care
Output tags:
Value = Value OR Convers

Input tags:
Value = Value XOR Convers
Not 0 8 Don't care Don't care
Output tags:
Value = ValueXOR Convers

11.9.34. USERINT

PI reserva estes quatro atributos para aplicativos do usuário. A maioria dos aplicativos PI não usá-los
atributos. UserInt1 e UserInt2 são inteiros de 32 bits. UserReal1 e UserReal2 são 32-bit números de ponto
flutuante. Para maiores informações consulte o manual da interface.

11.10. TAGS DE LABORATÓRIO

Os tags de laboratório são aqueles cuja fonte de dados é o sistema LIMS. Na Diretoria, o LIMS padrão para
coleta de dados é o Nautilus.

Para que o dado chegue ao servidor PIMS, é necessário criar o tag no PÌ e solicitar à equipe de laboratório o
envio dos resultados ao sistema.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 132/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.10.1. NOME DO TAG

A composição do “nome do tag” possui um prefixo composto por um caracter que serve para informar se o
tag é de P_ (Produção: Alimentação ou Produção) ou de E_ (Embarque: Carregamento). Posteriormente, o
nome do ponto de controle dever ser colocado, acompanhado de underline. Informar se o resultado é de
Granulometria (FG) ou Química (QQ), acompanhado de underline.Se a análise for de faixa, informar a faixa
de análise. Senão, informar que é “GLOBAL”, acompanhado de underline. Informar o elemento ou a faixa de
granulometria que representa a informação.

Informar o elemento ou a faixa de granulometria que representa a informação.

Exemplos:

P_ALIB3AG_QQ_GLOBAL_SIO2

P_ROMALB2_QQ_+10MM_FE

 P= Tag do produto

 _ = Caractere Separador

 ALIB3AG = Ponto de controle

 _ = Caractere Separador

 QQ = Análise química

 _ = Caractere Separador

 GLOBAL = Análise global, não é faixa

 _ = Caractere Separador

 SIO2 = Nome do elemento de análise (sílica)

11.10.2. ARCHIVING (ARQUIVAR)

Esse atributo indica se o valor do tag será gravado (historiado) ou não. Por padrão, manter o campo ligado
Archiving = 1, o que indica que o dado será historiado. Desligar (Archiving = 0) caso deseje manter o valor
apenas em memória (Snapshot).
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 133/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.10.3. CHANGE DATE, CHANGER, CREATIONDATE E CREATOR

O valor desses atributos é configurado automaticamente pelo sistema PI e indicam a data de modificação do
tag (change date), quem realizou a mudança (changer), quando o tag foi criado (creationdate) e por quem
(creator)

11.10.4. ATRIBUTOS DE COMPRESSÃO

É necessário que todos os resultados de análises sejam gravados, mesmo que sejam iguais. A configuração
dos campos de compressão (compdev, compdevpercent, compmin, e compressing), deverá ter o valor 0
(zero). O valor de Compmax de 28800.

11.10.5. CONVERS (CONVERSÃO)

Não se aplica conversão para as análises de laboratório. Utilizar o valor “1” (um).

11.10.6. DATASECURITY E PTSECURITY (SEGURANÇA DOS DADOS E DOS PONTOS)

A configuração dos campos de segurança dos dados (DataSecurity) e de segurança do ponto


(PtSecurity)deverá ser feita conforme a área de atuação dos administradores do sistema PI. Veja na tabela, a
configuração que deve ser feita para os tags:.

Tabela 26: Segurança dos dados e pontos

Localidade datasecurity ptsecurity

piadmin: A(r,w) | PIADM_UFL_IT: A(r,w)


Complexo piadmin: A(r,w) | PIADM_UFL_IT: A(r,w) |
| PIWorld: A(r) | PIADMIN_DADOS:
Itabira PIWorld: A(r) | PIADMIN_CONFIG: A(r,w)
A(r,w)

piadmin: A(r,w) | PIADM_UFL_MR: piadmin: A(r,w) | PIADM_UFL_MR: A(r,w)


Complexo
A(r,w) | PIWorld: A(r) | | PIWorld: A(r) | PIADMIN_CONFIG:
Mariana
PIADMIN_DADOS: A(r,w) A(r,w)

piadmin: A(r,w) | PIADM_UFL_PAR: piadmin: A(r,w) | PIADM_UFL_PAR: A(r,w)


Complexo
A(r,w) | PIWorld: A(r) | | PIWorld: A(r) | PIADMIN_CONFIG:
Paraopeba
PIADMIN_DADOS: A(r,w) A(r,w)

piadmin: A(r,w) | PIADM_UFL_VGR: piadmin: A(r,w) | PIADM_UFL_VGR:


Complexo
A(r,w) | PIWorld: A(r) | A(r,w) | PIWorld: A(r) |
Vargem Grande
PIADMIN_DADOS: A(r,w) PIADMIN_CONFIG: A(r,w)
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 134/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.10.7. DESCRIPTOR (DESCRIÇÃO DOS TAGS)

A descrição dos tags deverá ser composto de:

Localidade_Descrição detalhada da amostra/produto_Tipo da análise_Descrição do Elemento.

Tabela 27: Exemplos de descrição tag de laboratório

Tag Descrição

P_PFCJCE_QQ_+0.15MM_SIO2 Conceição I_Pellet Feed Total Pátio_+0.15MM_Sílica

P_ALDHECA_QQ_-1+0.15MM_P Cauê_Alimentação Direta Hematita_-1+0.15MM_Fósforo

P_ALDHEFN_QQ_+10MM_Mn Fábrica Nova_Alimentação Direta Hematita_+10MM_Manganês

BR_P_PFCFBR_QQ_GLOBAL_Fe Brucutu_Pellet Feed Concentrado da Flotação_Ferro

11.10.8. DIGITALSET

Não se aplica. Manter o campo em branco.

11.10.9. DISPLAYDIGITS

O atributo DisplayDigits controla o formato de valores numéricos nas telas e nos relatórios. Manter os tags de
laboratório com 3 casas decimais. Para isso, configurar o campo DisplayDigits = 3.

11.10.10. ENGUNITS (UNIDADE DE ENGENHARIA)

A unidade de engenharia para os tags de análises laboratoriais são “%”.

Isso vale para análises de química global, química por faixa, granulometria e umidade. Caso haja algum
elemento que seja fora desses citados e não for percentual, a definição deverá seguir o que está no item 11.6
deste documento. Caso a unidade de engenharia não esteja listada, informar ao administrador PIMS da
localidade para análise e providências.

11.10.11. ATRIBUTOS DE EXCEÇÃO

É necessário que todos os resultados de análises sejam gravados, mesmo que sejam iguais. A configuração
dos campos de exceção (excdev, excdevpercent, excmin e excmax), deverá ter o valor 0 (zero).

11.10.12. EXDESC (DESCRIÇÃO EXTENDIDA)

Não se aplica. Manter o campo em branco.


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 135/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.10.13. FILTERCODE

Não se aplica. Manter o valor “0” (zero).

11.10.14. INSTRUMENTTAG

Não se aplica. Manter o campo em branco.

11.10.15. LOCATION 1 (INSTÂNCIA)

Informar o número da instância “11” (onze).

11.10.16. LOCATION 2 ()

Não se aplica. Manter o valor “0” (zero).

11.10.17. LOCATION 3 ()

Não se aplica. Manter o valor “0” (zero).

11.10.18. LOCATION 4 (CLASSE DE SCAN)

Informar o número da classe de scan desejada. A Tabela 13 mostra os valores a serem usados.

11.10.19. LOCATION 5 ()

Não se aplica. Manter o valor “0” (zero).

11.10.20. POINTID (NÚMERO DO PONTO)

Campo utilizado para identificar o ponto no PI

Corresponde a um número único que identifica o ponto internamente. O PointID nunca é reutilizado, mesmo
quando um ponto é excluído. O PointID é o identificador do ponto PI que é passado como um parâmetro para
a maior parte das funções da API do PI. No manual PI API, este identificador é referido como o número de
pontos, ou PtNum. Esse campo é colocado automaticamente pelo sistema.

11.10.21. POINTSOURCE (ORIGEM DO DADO)

Campo utilizado para identificação da oriente do dado. A identificação do pointsource deverá seguir o que está
no item 11.3 deste documento.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 136/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.10.22. POINTTYPE (TIPO DO PONTO)

Campo utilizado para identificar o tipo do ponto no PI. Prefira como padrão “Float32”.

11.10.23. PTCLASSNAME (CLASSE DO PONTO)

Todos os pontos que serão lidos da interface PI UFL pertencem a classe “classic”.

11.10.24. RECNO (NÚMERO DO REGISTRO)

O número de registro contém o número de registro primário do ponto no arquivo. Isto é útil quando se utiliza
ferramentas como piartool-aw para examinar os arquivos. RECNO não deve ser confundido com o atributo
PointID. Esse campo é colocado automaticamente pelo sistema.

11.10.25. SCAN (VARREDURA)

Esse atributo indica se a interface irá coletar o dado na origem ou não. Mantenha Scan = 1.

Configure Scan = 0 caso queira parar de ler o valor na origem.

11.10.26. SHUTDOWN (EVENTO DE DESLIGAMENTO)

Esse atributo permite definir se os tags sofrerão a marcação de “Shutdown” quando o PI Data Archive for
desligado. Configurar os tags para que não tenha marcação. Para isso, manter o valor 0 (zero) no atributo.
Shutdown = 0.

11.10.27. SOURCE TAG (TAG FONTE)

Esse atributo deverá conter o nome de um tag que seja origem para o tag que está sendo configurado.

11.10.28. SRCPTID (ID DO TAG FONTE)

Srcptid é o número correspondente ao ponto PI do tag especificado no atributo SourceTag.

Se este atributo é editado, o PI Data Archive altera o campo SourceTag com o tag correspondente. Não
alterar diretamente o atributo Srcptid; preferir mudar o campo SourceTag. Manter esse campo com valor zero
(0).

11.10.29. SPAN (RANGE)

Diferença entre a ponta superior e inferior do intervalo. Necessário para todos os pontos de tipos de dados
numéricos. Para os tags de laboratório, o valor padrão é 100, já que eles são recebidos em “%”.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 137/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.10.30. STEP (CURVA)

Esse atributo define como será a curva da informação e o modo de cálculo para os tags. Caso o valor seja 0
(zero), o dado poderá ser interpolado. Caso seja igual a 1 (um), o valor não poderá ser interpolado.

Os dados de análise laboratorial não poderão ser interpolados. Utilize o valor de Step = 1.

11.10.31. TYPICALVALUE (VALOR DESEJÁVEL)

Documenta um exemplo de um valor razoável para esse ponto. Para o tag numérico, esse valor deve ser
superior ou igual ao valor Zero, e inferior ou igual ao valor Zero mais o valor Span.

11.10.32. ZERO (VALOR MÍNIMO)

Menor valor possível do ponto. Para os tags de laboratório, o valor padrão é zero.

11.10.33. TOTALCODE E SQUAREROOT (TRANSFORMAÇÃO E ESCALA)

Não se aplica. Manter o valor “0” (zero).

11.10.34. USERINT

Não se aplica. Manter o valor “0” (zero).

11.11. TAGS DE PERFORMANCE COMPUTACIONAL

Os tags de performance monitor contém dados de Performance Counter de computadores locais ou remotos.
Esses dados incluem:

 Estatística do computador;

 Estatísticas das aplicações;

 Estatísticas de componentes físicos.

Para que o dado chegue ao servidor PIMS, é necessário que o ativo esteja no ambiente TOp ou que ele tenha
um usuário específico como administrador: TOP\SVC_TA_PIPM.

11.11.1. NOME DO TAG

A composição do “nome do tag” possui um prefixo composto por dois caracteres que representam a sigla da
localidade no qual o ativo pertence citado no item 11.1, acompanhado de underline que serve de separador,
acompanhado da sigla “PM” (Performance Monitor), acompanhado de underline, hostname da máquina,
acompanhado de underline e nome do ponteiro.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 138/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Exemplos:

AL_PM_TAALGPI01_PARTICAO(C:)_%LIVRE

 AL = Sigla da localidade

 _ = Caractere Separador

 PM = Indicação de Performance Monitor

 _ = Caractere Separador

 TAALGPI01= Hostname da máquina

 _ = Caractere Separador

 PARTICAO(C:)_%LIVRE = Nome do ponteiro

11.11.2. ARCHIVING (ARQUIVAR)

Esse atributo indica se o valor do tag será gravado (historiado) ou não. Por padrão, manter o campo ligado
Archiving = 1, o que indica que o dado será historiado. Desligar (Archiving = 0) caso deseje manter o valor
apenas em memória (Snapshot).

11.11.3. CHANGE DATE, CHANGER, CREATIONDATE E CREATOR

O valor desses atributos é configurado automaticamente pelo sistema PI e indicam a data de modificação do
tag (change date), quem realizou a mudança (changer), quando o tag foi criado (creationdate) e por quem
(creator)

11.11.4. ATRIBUTOS DE COMPRESSÃO

Utilizar:

 compdevpercent = 5

 compmax = 28800

 compmin = 0

 compressing = 1

11.11.5. CONVERS (CONVERSÃO)

Caso seja necessário utilizar conversão, informar no campo “Convers”. Senão, deixar como “1”.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 139/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.11.6. DATASECURITY E PTSECURITY (SEGURANÇA DOS DADOS E DOS PONTOS)

A configuração dos campos de segurança dos dados (DataSecurity) e de segurança do ponto


(PtSecurity)deverá ser feita conforme tabela:

Tabela 28: Segurança dos dados e pontos

Localidade datasecurity ptsecurity

piadmin: A(r,w) | PIADM_PERFORMANCE: piadmin: A(r,w) | PIADM_PERFORMANCE:


Todas A(r,w) | PIWorld: A(r) | PIADMIN_DADOS: A(r,w) | PIWorld: A(r) |
A(r,w) PIADMIN_CONFIG: A(r,w)

11.11.7. DESCRIPTOR (DESCRIÇÃO DOS TAGS)

A descrição dos tags deverá ser composto de: Unidade Operacional em que a máquina pertence + Caracter
“_” + Descrição da aplicação da máquina + Caracter “_” + Descrição da informação.

Tabela 29: Exemplos de descrição de tags de performance

Tag Descrição

AL_PM_TAALGPI02_%MEMORIA_USO Alegria_Gateway PI OPC_% de memória utilizada

Alegria_Gateway PI OPC_% de espaço disponível na


AL_PM_TAALGPI01_PARTICAO(D:)_%LIVRE
unidade (D:)

11.11.8. DIGITALSET

Não se aplica. Manter o campo em branco.

11.11.9. DISPLAYDIGITS

O atributo DisplayDigits controla o formato de valores numéricos nas telas e nos relatórios. Acesse o item 11.8
para detalhes.

11.11.10. ENGUNITS (UNIDADE DE ENGENHARIA)

A unidade de engenharia deverá seguir o que está no item 11.6 deste documento. Caso a unidade de
engenharia não esteja listada, informar ao administrador PIMS da localidade para análise e providências.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 140/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.11.11. ATRIBUTOS DE EXCEÇÃO

Utilizar:

 excdevpercent = 1

 excmax = 600

 excmin = 0

11.11.12. EXDESC (DESCRIÇÃO EXTENDIDA)

Informar o IP da máquina junto com o ponteiro de performance.

Exemplo: \\172.18.72.38\LogicalDisk(C:)\% Free Space

11.11.13. FILTERCODE

Não se aplica. Manter o valor “0” (zero).

11.11.14. INSTRUMENTTAG

Não se aplica. Manter o campo em branco.

11.11.15. LOCATION 1 (INSTÂNCIA)

Informar o número da instância “21” (vinte e um).

11.11.16. LOCATION 2 ()

Não se aplica. Manter o valor “0” (zero).

11.11.17. LOCATION 3 ()

Não se aplica. Manter o valor “0” (zero).

11.11.18. LOCATION 4 (CLASSE DE SCAN)

Informar o número da classe de scan desejada. A Tabela 14 mostra os valores a serem usados.

11.11.19. LOCATION 5 ()

Não se aplica. Manter o valor “0” (zero).


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 141/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.11.20. POINTID (NÚMERO DO PONTO)

Campo utilizado para identificar o ponto no PI

Corresponde a um número único que identifica o ponto internamente. O PointID nunca é reutilizado, mesmo
quando um ponto é excluído. O PointID é o identificador do ponto PI que é passado como um parâmetro para
a maior parte das funções da API do PI. No manual PI API, este identificador é referido como o número de
pontos, ou PtNum. Esse campo é colocado automaticamente pelo sistema.

11.11.21. POINTSOURCE (ORIGEM DO DADO)

Campo utilizado para identificação da oriente do dado. A identificação do pointsource deverá seguir o que está
no item 11.3 deste documento.

11.11.22. POINTTYPE (TIPO DO PONTO)

Campo utilizado para identificar o tipo do ponto no PI. Prefira como padrão “Float32”.

11.11.23. PTCLASSNAME (CLASSE DO PONTO)

Todos os pontos que serão lidos da interface PerformanceMonitor pertencem a classe “classic”.

11.11.24. RECNO (NÚMERO DO REGISTRO)

O número de registro contém o número de registro primário do ponto no arquivo. Isto é útil quando se utiliza
ferramentas como piartool-aw para examinar os arquivos. RECNO não deve ser confundido com o atributo
PointID. Esse campo é colocado automaticamente pelo sistema.

11.11.25. SCAN (VARREDURA)

Esse atributo indica se a interface irá coletar o dado na origem ou não. Mantenha Scan = 1.

Configure Scan = 0 caso queira parar de ler o valor na origem.

11.11.26. SHUTDOWN (EVENTO DE DESLIGAMENTO)

Esse atributo permite definir se os tags sofrerão a marcação de “Shutdown” quando o PI Data Archive for
desligado. Configurar os tags para que não tenha marcação. Para isso, manter o valor 0 (zero) no atributo.
Shutdown = 0.

11.11.27. SOURCE TAG (TAG FONTE)

Esse atributo deverá conter o nome de um tag que seja origem para o tag que está sendo configurado.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 142/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.11.28. SRCPTID (ID DO TAG FONTE)

Srcptid é o número correspondente ao ponto PI do tag especificado no atributo SourceTag.

Se este atributo é editado, o PI Data Archive altera o campo SourceTag com o tag correspondente. Não
alterar diretamente o atributo Srcptid; preferir mudar o campo SourceTag. Manter esse campo com valor zero
(0).

11.11.29. SPAN (RANGE)

Diferença entre a ponta superior e inferior do intervalo. Necessário para todos os pontos de tipos de dados
numéricos.

11.11.30. STEP (CURVA)

Esse atributo define como será a curva da informação e o modo de cálculo para os tags. Caso o valor seja 0
(zero), o dado poderá ser interpolado. Caso seja igual a 1 (um), o valor não poderá ser interpolado.

11.11.31. TYPICALVALUE (VALOR DESEJÁVEL)

Documenta um exemplo de um valor razoável para esse ponto. Para o tag numérico, esse valor deve ser
superior ou igual ao valor Zero, e inferior ou igual ao valor Zero mais o valor Span.

11.11.32. ZERO (VALOR MÍNIMO)

Menor valor possível do ponto.

11.11.33. TOTALCODE E SQUAREROOT (TRANSFORMAÇÃO E ESCALA)

Não se aplica. Manter o valor “0” (zero).

11.11.34. USERINT

Não se aplica. Manter o valor “0” (zero).

11.12. TAGS DE PING

O propósito dos tags de PING é monitorar a robustez da conexão cliente-servidor na rede. Em particular, o PI
PING mede o tempo de resposta de uma mensagem ICMP enviada a uma máquina remota. Isso ajuda o
usuário no diagnóstico de problemas na comunicação entre máquinas de uma rede TCP/IP.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 143/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Para que o dado chegue ao servidor PIMS, é necessário que o ativo esteja no ambiente TOp.

11.12.1. NOME DO TAG

A composição do “nome do tag” possui um prefixo composto por dois caracteres que representam a sigla da
localidade em que o ativo pertence citado no item 11.1, acompanhado de underline que serve de separador,
acompanhado da sigla “PING”, acompanhado de underline e hostname da máquina.

Exemplos:

CE_PING_TACESP01

 CE = Sigla da localidade

 _ = Caractere Separador

 PING = Indicação de tag da interface PING

 _ = Caractere Separador

 TACESP01= Hostname da máquina

11.12.2. ARCHIVING (ARQUIVAR)

Esse atributo indica se o valor do tag será gravado (historiado) ou não. Por padrão, manter o campo ligado
Archiving = 1, o que indica que o dado será historiado. Desligar (Archiving = 0) caso deseje manter o valor
apenas em memória (Snapshot).

11.12.3. CHANGE DATE, CHANGER, CREATIONDATE E CREATOR

O valor desses atributos é configurado automaticamente pelo sistema PI e indicam a data de modificação do
tag (change date), quem realizou a mudança (changer), quando o tag foi criado (creationdate) e por quem
(creator)

11.12.4. ATRIBUTOS DE COMPRESSÃO

Utilizar:

 compdevpercent = 2

 compmax = 64800

 compmin = 0

 compressing = 1
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 144/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.12.5. CONVERS (CONVERSÃO)

Caso seja necessário utilizar conversão, informar no campo “Convers”. Senão, deixar como “1”.

11.12.6. DATASECURITY E PTSECURITY (SEGURANÇA DOS DADOS E DOS PONTOS)

A configuração dos campos de segurança dos dados (DataSecurity) e de segurança do ponto


(PtSecurity)deverá ser feita conforme tabela:

Tabela 30: Segurança dos dados e pontos

Localidade datasecurity ptsecurity

piadmin: A(r,w) | PIADM_PIPING: A(r,w) | piadmin: A(r,w) | PIADM_PIPING: A(r,w) |


Todas
PIWorld: A(r) | PIADMIN_DADOS: A(r,w) PIWorld: A(r) | PIADMIN_CONFIG: A(r,w)

11.12.7. DESCRIPTOR (DESCRIÇÃO DOS TAGS)

A descrição dos tags deverá ser composto de: Área Operacional o qual o ativo pertence + Caracter “_” +
Descrição da aplicação da máquina + Caracter “_” + Descrição da informação.

Tabela 31: Exemplos de descrição

Tag Descrição

IT_PING_TADCIPVIT01 Itabira_Servidor Powerview_Tempo de resposta do ping

11.12.8. DIGITALSET

Não se aplica. Manter o campo em branco.

11.12.9. DISPLAYDIGITS

O atributo DisplayDigits controla o formato de valores numéricos nas telas e nos relatórios. Acesse o item 11.8
para detalhes.

11.12.10. ENGUNITS (UNIDADE DE ENGENHARIA)

A unidade de engenharia deverá seguir o que está no item11.6 deste documento. Caso a unidade de
engenharia não esteja listada, informar ao administrador PIMS da localidade para análise e providências.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 145/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.12.11. ATRIBUTOS DE EXCEÇÃO

Utilizar:

 excdevpercent = 1

 excmax = 600

 excmin = 5

11.12.12. EXDESC (DESCRIÇÃO EXTENDIDA)

Não se aplica. Manter o campo em branco.

11.12.13. FILTERCODE

Não se aplica. Manter o valor “0” (zero).

11.12.14. INSTRUMENTTAG

Informar o IP da máquina.

11.12.15. LOCATION 1 (INSTÂNCIA)

Informar o número da instância “21” (vinte e um).

11.12.16. LOCATION 2 (NÚMERO DE PINGS)

O atributo Location2 especifica o número de pings que a interface envia para a máquina remota. A interface
aguarda a resposta do ping mais recentemente transmitida antes de enviar o próximo. Além disso, a interface
completa a medição do tempo médio de resposta para um ponto antes de iniciar o próximo.

Para essa interface, preferir o valor “0” (zero).

11.12.17. LOCATION 3 (NÚMERO DE RESPOSTAS VÁLIDAS)

O atributo Location3 especifica o número mínimo de respostas de ping válidos (ou seja, não expirou
respostas) que é necessário para que a interface escreva um valor para o ponto PI. Por exemplo, o usuário
configurou um ponto PI para enviar 10 pings para a máquina remota (Location2 igual a 10). No entanto, ele
quer que a interface escreva o tempo médio de resposta do ping para o ponto PI, somente se as respostas
máquina remota acontecer para pelo menos 8 destes pings. Portanto, ele especifica este número limite de 8
em Location3.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 146/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Se Location3 é 0, a interface exige um número mínimo de respostas de ping válidos, que é igual a metade do
valor Location2, arredondado para o número inteiro mais próximo. (A exceção é um valor Location2 de 0, o
que exige uma resposta de ping válido.)

Recomenda-se a definição Location2 igual a 4 e Location3 igual a 1. Estes números representam um


compromisso entre o envio (a) pings que criam tráfego de rede desnecessário, e (b) poucos pings que pode
levar a relatórios errôneos de I / O Timeout quando o dispositivo remoto está realmente ativo.

11.12.18. LOCATION 4 (CLASSE DE SCAN)

Informar o número da classe de scan desejada. A Tabela 15 mostra os valores a serem usados.

11.12.19. LOCATION 5 (NÍVEL DE DEBUG)

O atributo Location5 especifica o nível de debug para o ponto PI. Atualmente, a interface suporta um único
nível de depuração.

O usuário deve definir Location5 para um valor diferente de zero apenas a pedido de Suporte Técnico da
OSIsoft. Caso contrário, a interface vai encher-se o arquivo de log com mensagens estranhas.

11.12.20. POINTID (NÚMERO DO PONTO)

Campo utilizado para identificar o ponto no PI

Corresponde a um número único que identifica o ponto internamente. O PointID nunca é reutilizado, mesmo
quando um ponto é excluído. O PointID é o identificador do ponto PI que é passado como um parâmetro para
a maior parte das funções da API do PI. No manual PI API, este identificador é referido como o número de
pontos, ou PtNum. Esse campo é colocado automaticamente pelo sistema.

11.12.21. POINTSOURCE (ORIGEM DO DADO)

Campo utilizado para identificação da oriente do dado. A identificação do pointsource deverá seguir o que está
no item 11.3 deste documento.

11.12.22. POINTTYPE (TIPO DO PONTO)

Campo utilizado para identificar o tipo do ponto no PI. Prefira como padrão “Float32”.

11.12.23. PTCLASSNAME (CLASSE DO PONTO)

Todos os pontos que serão lidos da interface PerformanceMonitor pertencem a classe “classic”.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 147/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.12.24. RECNO (NÚMERO DO REGISTRO)

O número de registro contém o número de registro primário do ponto no arquivo. Isto é útil quando se utiliza
ferramentas como piartool-aw para examinar os arquivos. RECNO não deve ser confundido com o atributo
PointID. Esse campo é colocado automaticamente pelo sistema.

11.12.25. SCAN (VARREDURA)

Esse atributo indica se a interface irá coletar o dado na origem ou não. Mantenha Scan = 1.

Configure Scan = 0 caso queira parar de ler o valor na origem.

11.12.26. SHUTDOWN

Esse atributo permite definir se os tags sofrerão a marcação de “Shutdown” quando o PI Data Archive for
desligado. Configurar os tags para que não tenha marcação. Para isso, manter o valor 0 (zero) no atributo.
Shutdown = 0.

11.12.27. TAG FONTE (SOURCETAG)

Não se aplica. Manter o campo em branco.

11.12.28. SRCPTID (ID DO TAG FONTE)

Srcptid é o número correspondente ao ponto PI do tag especificado no atributo SourceTag.

Se este atributo é editado, o PI Data Archive altera o campo SourceTag com o tag correspondente. Não
alterar diretamente o atributo Srcptid; preferir mudar o campo SourceTag. Manter esse campo com valor zero
(0).

11.12.29. SPAN (RANGE)

Diferença entre a ponta superior e inferior do intervalo. Necessário para todos os pontos de tipos de dados
numéricos.

11.12.30. STEP (CURVA)

Esse atributo define como será a curva da informação e o modo de cálculo para os tags. Caso o valor seja 0
(zero), o dado poderá ser interpolado. Caso seja igual a 1 (um), o valor não poderá ser interpolado.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 148/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.12.31. TYPICALVALUE (VALOR DESEJÁVEL)

Documenta um exemplo de um valor razoável para esse ponto. Para o tag numérico, esse valor deve ser
superior ou igual ao valor Zero, e inferior ou igual ao valor Zero mais o valor Span.

11.12.32. ZERO (VALOR MÍNIMO)

Menor valor possível do ponto.

11.12.33. TOTALCODE E SQUAREROOT (TRANSFORMAÇÃO E ESCALA)

Não se aplica. Manter o valor “0” (zero).

11.12.34. USERINT

Não se aplica. Manter o valor “0” (zero).

11.13. TAGS DE SAÚDE - HEALTH POINTS

Esses tags são pontos utilizados para análise da saúde dos serviços do PI como interfaces.

Os únicos atributos que serão alterados são Nome do Tag, descrição, segurança do dado e do ponto. Os
demais atributos serão mantidos como padrão do sistema.

11.13.1. NOME DO TAG

A composição do “nome do tag” possui um prefixo composto por dois caracteres que representam a sigla da
localidade citado no item 11.1 acompanhado de underline usado como separador, acompanhado do nome
padrão do tag de Health Points.

O significado de cada função de tag IORATES pode ser encontrada no manual UNIINT que fica em cada
máquina de interface.

Exemplo:

AL_sy.st.TAALGPI02.OPCINT71.Scan Class Point Count.sc33

 AL = Sigla da localidade

 _ = Caractere Separador

 sy.st.TAALGPI02.OPCINT71.Scan Class Point Count.sc33 = informação padrão


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 149/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.13.2. DATASECURITY E PTSECURITY (SEGURANÇA DOS DADOS E DOS PONTOS)

A configuração dos campos de segurança dos dados (DataSecurity) e de segurança do ponto (PtSecurity)
deverá ser feita conforme tabela:

Tabela 32: Segurança dos dados e pontos

Localidade datasecurity ptsecurity

piadmin: A(r,w) | PIADM_HEALTHPOINTS: piadmin: A(r,w) | PIADM_HEALTHPOINTS:


Todas A(r,w) | PIWorld: A(r) | PIADMIN_DADOS: A(r,w) | PIWorld: A(r) |
A(r,w) PIADMIN_CONFIG: A(r,w)

11.13.3. DESCRIÇÃO DOS TAGS

A descrição dos tags deverá ser composto de: Unidade Operacional + Caracter “_” + Descrição da aplicação
da máquina + Caracter “_” + Código de HealthPoint” + Caracter “_” + Descrição da informação.

Tabela 33: Exemplos de descrição

Tag Descrição
Alegria_Gateway PI OPC_UniInt Health Point
AL_sy.st.TAALGPI02.OPCINT71.Scan
[UI_SCPOINTCOUNT]_Numero de tags da classe de scan
Class Point Count.sc33
para OPCINT71
Brucutu_Gateway PI OPC_UniInt Health Point
BR_sy.st.TABRGPI01.OPCINT31.Scan
[UI_SCPOINTCOUNT]_Número de tags da classe de scan
Class Point Count.sc7
para OPCINT1

11.14. TAGS DE CONDIÇÃO

Tags cujas fontes de dados são sistemas de monitoramento preditivo. Na Diretoria os sistemas de coleta de
dados são o SKF e o Emerson / CSI.

Os dados do tag do sistema de condição são enviados para o tag do PI. Essa conexão se dá através do
servidor PI OPC DA/HDA da OSIsoft.

Atenção: O tag ao ser criado no sistema PI fica com status “Pt Created”. O sistema SKF não permite fazer link
quando o valor do tag é diferente de valor numérico. É necessário inicializar o histórico com valor zero para
que o sistema de preditiva consiga fazer o link com sucesso.

11.14.1. NOME DO TAG

O tag possui um nome composto por agrupamentos de mnemônicos separados pelo caracter _ (underline).
Inicia pela identificação da localidade onde são coletados os dados, underline, o tipo de variável e a
identificação do equipamento no campo conforme padrão da área, underline, o sistema de origem, underline,
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 150/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

o componente / subconjunto do equipamento no campo, underline, a identificação do acionamento, underline


e o sufixo composto pela identificação do ponto de coleta dentro do subconjunto.

O nome do tag tem o seguinte formato:

XX_YYYYYYYY_SSS_TTT_MM_PPP onde:

 XX: (prefixo) Sigla da Localidade;

 _: Caractere separador;

 YYYYYYYY: tipo de variável e identificação do equipamento no campo;

 _: Caractere separador;

 SSS: Sistema de origem;

 _: Caractere separador;

 TTT: Identificação do componente / subconjunto no campo;

 _: Caractere separador;

 MM: Identificação do acionamento (acionamento primário, secundário etc.);

 _: Caractere separador;

 PPP: (sufixo) ponto de coleta dentro do subconjunto.

Exemplo: FN_TI412_WMx_MEL_M1_LOA

 FN = Localidade de Fábrica Nova

 _ = Caractere Separador

 TI412 = tipo de variável e identificação do equipamento no campo;

 _ = Caractere Separador

 WMx: Sistema de origem

 _ = Caractere Separador

 MEL = Motor Elétrico

 _ = Caractere Separador

 M1 = Acionamento M1

 _ = Caractere Separador

 LOA = Lado Oposto ao Acionado (Mancal Traseiro)


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 151/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.14.2. ARCHIVING

O atributo de arquivamento (archiving) indica se o valor do tag será gravado ou não. Por padrão, manter o
dado historiado, ou seja, o campo com valor um ( Archiving = 1). Para valores somente em memória
(Snapshot), o valor do atributo deverá ser zero (Archiving = 0), ou seja, desligado.

11.14.3. CHANGE DATE, CHANGER, CREATIONDATE E CREATOR

Os valores dos atributos creator, creationdate, changer e change date são configurados automaticamente pelo
sistema PI e indicam quem (creator) criou o tag, quando foi criado (creationdate), quem realizou a mudança
(changer) e a data de alteração (change date).

11.14.4. COMPDEV, COMPDEVPERCENT, COMPMIN, COMPMAX E COMPRESSING

Como todos os resultados de análises dos tags de condição deverão ser gravados, a configuração dos
atribuitos de compressão deverá ter o valor igual a 0 (zero), mesmo que sejam iguais..

11.14.5. CONVERS (CONVERSÃO)

Caso seja necessária a conversão do valor da origem, o campo “Convers” deverá ser usado.

Atenção: A conversão é diretamente afetada pelo campo “Span”. Manter como padrão o valor “1”.

11.14.6. DATASECURITY E PTSECURITY (SEGURANÇA DOS DADOS E DOS PONTOS)

A configuração do atributo de segurança dos dados (DataSecurity) e do ponto (PtSecurity) deverá ser feita
conforme a área de atuação dos administradores do sistema PI conforme a tabela Localidade X Segurança.

Tabela 34: Localidade X Segurança

Localidade datasecurity ptsecurity

piadmin: A(r,w) | PIADM_ CONDICOES piadmin: A(r,w) | PIADM_ CONDICOES


Complexo Itabira _IT: A(r,w) | PIWorld: A(r) | _IT: A(r,w) | PIWorld: A(r) |
PIADMIN_DADOS: A(r,w) PIADMIN_CONFIG: A(r,w)

piadmin: A(r,w) | PIADM_ CONDICOES piadmin: A(r,w) | PIADM_ CONDICOES


Complexo
_MR: A(r,w) | PIWorld: A(r) | _MR: A(r,w) | PIWorld: A(r) |
Mariana
PIADMIN_DADOS: A(r,w) PIADMIN_CONFIG: A(r,w)

piadmin: A(r,w) | PIADM_ CONDICOES piadmin: A(r,w) | PIADM_ CONDICOES


Complexo
_PAR: A(r,w) | PIWorld: A(r) | _PAR: A(r,w) | PIWorld: A(r) |
Paraopeba
PIADMIN_DADOS: A(r,w) PIADMIN_CONFIG: A(r,w)

piadmin: A(r,w) | PIADM_ CONDICOES piadmin: A(r,w) | PIADM_ CONDICOES


Complexo
_VGR: A(r,w) | PIWorld: A(r) | _VGR: A(r,w) | PIWorld: A(r) |
Vargem Grande
PIADMIN_DADOS: A(r,w) PIADMIN_CONFIG: A(r,w)
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 152/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.14.7. DESCRIPTOR

O atributo de descrição dos tags deverá seguir o padrão da localidade.

Minas de Cauê e Conceição I será composto de: Área Operacional + Caracter “_” + Subárea + Caracter “_”
Identificação do tipo de Equipamento (Transportador, Bomba de Polpa, Bomba de água etc.) + Caracter “_” +
Descriminação da informação.

Exemplo:

Para o TAG de temperatura do mancal traseiro do motor de acionamento M1 do transportador


21TC018400:

TAG: CA_TI21TC018400_WMx_MEL_M1_LA

Descrição: Britagem_Itab. Primário_Transportador_Temperatura Motor Acionamento M1 Lado Acionado


(Mancal Dianteiro)

Mina de Alegria será composto de: Área Operacional + Caracter “_” + Subárea + Caracter “_” + Identificação
do tipo de dado (Vibração ou temperatura) + Identificação do Equipamento + Descrição do componente no
qual é feita a medição.

Exemplo:

Para o TAG de temperatura do mancal traseiro do motor de acionamento M1 do transportador 02TC12

TAG: AL_TITC2TC12_WMx_MEL_M1_LA

Descrição: Britagem_ Itab. Primário_Transportador_Temperatura 2TC12 Motor Acionamento M1 Lado


Acionado (Mancal Dianteiro)

Mina de Timbopeba e Fábrica Nova: será composto de: Identificação da Área de Localização do
equipamento + Caracter “_” + Identificação do tipo de Equipamento (Transportador, Bomba de Polpa, Bomba
de água etc.) + Caracter “_” + Função do Componente Medido + Caracter “_” + descrição do conteúdo do
TAG.

Exemplo:

Para o TAG de temperatura do mancal traseiro do motor de acionamento M1 do transportador TC5008.

TAG: TO_TITC5008_ WMx_MEL_M1_LA

Descrição: Usina_Transportador_Acionamento M1_Temperatura Motor Acionamento M1 Lado Acionado


(Mancal Dianteiro)
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 153/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Mina de Brucutu será composto pela descrição da informação + o TAG do equipamento juntamente com o
acionamento onde é coletada a informação.

Exemplo:

Para o TAG de temperatura do mancal traseiro do motor de acionamento M1 do transportador TC-137A-


9101.

TAG: BR_YT_TC137A9101_WMX_MEL_M1_LOA

Descrição: Temperatura Motor Acionamento M1 Lado Oposto ao Acionado (Mancal Traseiro)


TC137A9101M1.

Tabela 35: Exemplos de descrição

Tag Descrição

Usina_Transportador_Acionamento M1_Temperatura Motor


TO_TITC5008_ WMx_MEL_M1_LA
Acionamento M1 Lado Acionado (Mancal Dianteiro)

Britagem_ Itab. Primário_Transportador_Temperatura 2TC12


CA_TI21TC018400_WMx_MEL_M1_LA
Motor Acionamento M1 Lado Acionado (Mancal Dianteiro)

11.14.8. DIGITALSET

Não se aplica. Manter o campo em branco.

11.14.9. DISPLAYDIGITS

O atributo DisplayDigits controla o formato de valores numéricos nas telas e nos relatórios. Manter os tags de
laboratório com 3 casas decimais configurando o campo DisplayDigits = 3.

11.14.10. ENGUNITS (UNIDADE DE ENGENHARIA)

O atributo unidade de engenharia deverá seguir o item 9.5 deste documento. Caso não esteja listada, informar
ao administrador PIMS da localidade para análise e providências.

11.14.11. EXCDEV, EXCDEVPERCENT, EXCMIN E EXCMAX

Como todos os resultados de análises dos tags de condição deverão ser gravados, a configuração dos
atribuitos de exceção deverá ter o valor igual a 0 (zero), mesmo que sejam iguais..
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 154/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.14.12. EXDESC (DESCRIÇÃO EXTENDIDA)

Não se aplica. Manter o campo em branco.

11.14.13. FILTERCODE

Não se aplica. Manter o valor = 0 (zero).

11.14.14. INSTRUMENTTAG

Não se aplica. Manter o campo em branco.

11.14.15. LOCATION 1 (INSTÂNCIA)

Informar o número da instância = 12 (doze).

11.14.16. LOCATION 2 ()

Não se aplica. Manter o valor = 0 (zero).

11.14.17. LOCATION 3 ()

Não se aplica. Manter o valor = 0 (zero).

11.14.18. LOCATION 4 ()

Não se aplica. Manter o valor = 0 (zero).

11.14.19. LOCATION 5 ()

Não se aplica. Manter o valor = 0 (zero).

11.14.20. POINTID

Atributo utilizado para identificar o ponto no PI. Corresponde a um número único que identifica o ponto
internamente. O PointID nunca é reutilizado, mesmo quando um ponto é excluído. O PointID é passado como
parâmetro para a maior parte das funções da API do PI. No manual PI API, este identificador é referido como
o número do ponto, ou PtNum. Esse campo é colocado automaticamente pelo sistema.

11.14.21. POINTSOURCE

Atributo utilizado para identificação da origem do dado. A identificação do pointsource deverá seguir o padrão
descrito no item 11.3 deste documento.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 155/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.14.22. POINTTYPE

Atributo utilizado para identificar o tipo do ponto no PI. O padrão utilizado é o “Float32”.

11.14.23. PTCLASSNAME

Atributo utilizado para identificar o nome da classe do tag. Todos os tags da interface de condições pertencem
à classe = “classic”.

11.14.24. RECNO

Atributo utilizado para identificar o número de registro primário do ponto no arquivo e gerado automaticamente
pelo sistema. Utilizado por ferramentas como piartool-aw para examinar os arquivos. RECNO não deve ser
confundido com o atributo PointID.

11.14.25. SCAN

Atributo indica varredura do dado. Para a interface coletar o dado na origem configurar o Scan = 1 (um). Para
parar de ler o valor, configurar Scan = 0 (zero).

11.14.26. SHUTDOWN

Atributo utilizado para definir se os tags sofrerão a marcação de “Shutdown” quando o PI Data Archive for
desligado. Configurar Shutdown = 0 (zero) .para que o tag não tenha esta marcação.

11.14.27. SOURCE TAG

Atributo utilizado para indicar o nome do tag que seja origem para o tag que está sendo configurado.

11.14.28. SRCPTID

Atributo utilizado para indicar o número correspondente ao ponto PI do tag especificado no atributo
SourceTag. Se este atributo é editado, o PI Data Archive altera o campo SourceTag com o tag
correspondente. Não alterar diretamente o atributo Srcptid. Se necessário, mudar o campo SourceTag e
manter esse campo com valor zero (0).

11.14.29. SPAN

Atributo utilizado para definir a diferença entre a ponta superior e inferior do intervalo (range). Deverá ser
configurado em todos os pontos de tipos de dados numéricos.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 156/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.14.30. STEP

Atributo utilizado para definir como será a curva da informação e o modo de cálculo para os tags. Caso o valor
seja = 0 (zero), o dado poderá ser interpolado. Caso seja = 1 (um), o valor não poderá ser interpolado. O valor
de Step = 0 é o padrão para os tags de condições.

11.14.31. TYPICALVALUE

Atributo utilizado para documentar um exemplo de um valor razoável (valor desejado) para esse ponto. No tag
numérico esse valor deve ser superior ou igual ao valor do atributo Zero e inferior ou igual ao valor do atributo
Zero mais o valor do atributo Span.

11.14.32. ZERO

Menor valor possível do ponto.

11.14.33. TOTALCODE E SQUAREROOT

Não se aplica. Manter o valor = 0 (zero).

11.14.34. USERINT

Não se aplica. Manter o valor = 0 (zero).

11.15. TAGS DE MEDIÇÃO E PROTEÇÃO DE ENERGIA

Os tags de energia podem ser provenientes de Multimedidores de energia elétrica, de Intelligent Equipment
Device (IED), relés ou em transdutores de sinais elétricos. Estes equipamentos podem estar presentes nos
Sistemas de:

 Sistema de Gerenciamento de Energia CCK.

 Sistema de Gerenciamento de Energia ION Schneider.

 Automação das Subestações de Itabira ABB 800xA,

 Supervisão de Subestações de Alegria Elipse Power e

 Supervisão de Subestações de Brucutu Rockwell.

 Sistemas de supervisório de tratamento de minério.


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 157/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Esses equipamentos contêm informações analógicas como a de corrente, tensão, potência, frequência e fator
de potência. As digitais são: posição do disjuntor, trip do relé, qualidade do sinal dentre outros.

11.15.1. NOME DO TAG

A composição do “nome do tag” deve possuir as seguintes informações:

 Dois caracteres que representam a sigla da unidade (quando o equipamento não estiver na unidade,
deve-se usar a sigla do complexo).

 Sigla do equipamento ( MM = Multimedidor ou IED = Relé de proteção ou RL = Relé).

 Nome da subestação.

 Número do quadro de distribuição (QDxx), onde “xx” representa a identificação do QD no unifilar.

Caso a subestação não tenha quadro de distribuição, deve-se utilizar a identificação existente no
unifilar.

 Número do cubículo (yKxx) com dois algarismos, onde “y” é o número de referência final do quadro
de distribuição e “xx” representa a identificação do cubículo no unifilar.

Caso o padrão de engenharia da subestação não use a letra “K” para cubículos, deve-se usar a letra
existente no unifilar.

 Tipo da informação (item descrito abaixo, abaixo dos exemplos).

 Periodicidade dos dados: 15 em 15 minutos (15_15m), acumulado dia(Diario), acumulado mês


(Mensal), se for instantâneo não há necessidade de colocar uma sigla indicando a periodicidade.

Observação: A informação de periodicidade deve ser utilizada para variáveis referentes a Consumo e
Demanda.

É possível ver o padrão das siglas no item 11.1.

Cada uma dessas informações é separada pelo caractere underline, conforme o template:

Equipamento_SiglaUnidade_NomeSubestação_QDXX_KXX_TipoInformação

Exemplos:

CN_IED_SE1495CN01_QD02_2K01_POS

 CN = Sigla da localidade (porque a SE não está na unidade).

 IED= Equipamento: Relé de Proteção.

 SE1495CN01 = Nome da subestação.

 QD02 = Quadro de distribuição


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 158/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

 2K01 = Cubículo do equipamento.

 POS = Posição.

IT_ MM_SE1810EE01_CAUE_KWh

 IT = Sigla do complexo ( equipamento não está na unidade)

 MM= Equipamento: Multimedidor

 SE1810EE01= Nome da subestação e unidade

 CAUE = BAY do equipamento.

 KWh= Consumo Ativo

O tipo da informação poderá ainda ser seguido da letra “Q” que representa a qualidade daquele sinal
proveniente dos instrumentos de automação.

O tipo de informação constitui o último campo do nome do tag e poderá ser:

 Estado_Dem: Estado Demanda = capacitiva ou indutiva

 Estado_FP: Estado Fator de Potência

 PostoHorario: Horário de Ponta ou Horário Fora de Ponta

 IAN: Corrente Fase A– Neutro

 IBN: Corrente Fase B - Neutro

 ICN: Corrente Fase C– Neutro

 IAB: Corrente Fase A – Fase B

 IBC: Corrente Fase B – Fase C

 ICA: Corrente Fase C – Fase A

 IM: Corrente Média

 VAN: Tensão Fase A - Neutro

 VBN: Tensão Fase B - Neutro

 VCN: Tensão Fase C - Neutro

 VAB: Tensão Fase A - Fase B

 VBC: Tensão Fase B - Fase C


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 159/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

 VCA: Tensão Fase C - Fase A.

 VM: Tensão média.

 W: Potência ativa.

 VA: Potência aparente.

 VAr: Potência reativa.

 EHDT_X : Espectro de Harmonicas de Tensão até 49ª Ordem

 EHDA_X : Espectro de Harmonicas de Corrente até 49ª Ordem

 THDV: Taxa de distorção harmônica (Total harmonic distortion)de tensão.

 THDA: Taxa de distorção harmônica (Total harmonic distortion)de corrente.

 Hz: Frequência do Sistema.

 Wh: Consumo Ativo.

 VArh: Consumo Reativo.

Observação, os parâmetros acima podem ser representados com os sufixos K,M, G do Sistema
Internacional. K = Kilo, M = Mega, G = Giga.

Exemplo: W: Potência ativa

KW: Potência ativa x 10³

MW: Potência ativa x 106

GW: Potência ativa x 109

 DW: Demanda Ativa (DKW, DMW ou – Kilo, Mega ou Giga)

 DVAr: Demanda Reativa (DKVAr, DMVAr ou DGVAr – Kilo, Mega ou Giga)

 FP: Fator de Potência

 POS : Posição

 XCBRQ: Qualidade do Sinal

 XCBRLOC: Comando Local

 ENACLS: Intertravamento

 PTRC: Trip Geral


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 160/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.15.2. ARCHIVING (ARQUIVAR)

Esse atributo indica se o valor do tag será gravado (historiado) ou não. Por padrão, manter o campo ligado
Archiving = 1, o que indica que o dado será historiado. Desligar (Archiving = 0) caso deseje manter o valor
apenas em memória (Snapshot).

11.15.3. CHANGE DATE, CHANGER, CREATIONDATE E CREATOR

O valor desses atributos é configurado automaticamente pelo sistema PI e indicam a data de modificação do
tag (change date), quem realizou a mudança (changer), quando o tag foi criado (creationdate) e por quem
(creator)

11.15.4. ATRIBUTOS DE COMPRESSÃO

A configuração dos campos de compressão (compdev, compdevpercent, compmin, compmax e compressing),


deverá seguir a orientação do tipo de variável conforme item 11.4.4 deste documento.

Para as informações de Multimedidores, é necessário que todos os valores sejam gravados, mesmo que
sejam iguais, por isso, a configuração dos campos de compressão (compdev, compdevpercent, compmin,
compmax e compressing), deverão ter o valor 0 (zero).

11.15.5. CONVERS (CONVERSÃO)

Caso seja necessária a conversão do valor da origem, o campo “Convers” deverá ser usado. Atenção: A
conversão é diretamente afetada pelo campo “Span”.

11.15.6. DATASECURITY E PTSECURITY (SEGURANÇA DOS DADOS E DOS PONTOS)

A configuração dos campos de segurança dos dados (DataSecurity) e de segurança do ponto (PtSecurity)
deverá ser feita conforme a área de atuação dos administradores do sistema PI. Veja na tabela a seguir, a
configuração que deve ser feita para os tags:

Tabela 36: Segurança dos dados e pontos

Localidade datasecurity ptsecurity

piadmin: A(r,w) | PIADM_ENERGIA_DIFS: piadmin: A(r,w) | PIADM_ENERGIA_DIFS:


Diretoria A(r,w) | PIWorld: A(r) | PIADMIN_DADOS: A(r,w) | PIWorld: A(r) |
A(r,w) PIADMIN_CONFIG: A(r,w)

piadmin: A(r,w) | PIADM_ENERGIA_IT: piadmin: A(r,w) | PIADM_ENERGIA_IT:


Complexo
A(r,w) | PIWorld: A(r) | PIADMIN_DADOS: A(r,w) | PIWorld: A(r) |
Itabira
A(r,w) PIADMIN_CONFIG: A(r,w)

Complexo piadmin: A(r,w) | PIADM_ENERGIA_MR: piadmin: A(r,w) | PIADM_ENERGIA_MR:


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 161/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Mariana A(r,w) | PIWorld: A(r) | PIADMIN_DADOS: A(r,w) | PIWorld: A(r)


A(r,w)

piadmin: A(r,w) | PIADM_ENERGIA_PAR: piadmin: A(r,w) | PIADM_ENERGIA_PAR:


Complexo
A(r,w) | PIWorld: A(r) | PIADMIN_DADOS: A(r,w) | PIWorld: A(r) |
Paraopeba
A(r,w) PIADMIN_CONFIG: A(r,w)

Complexo piadmin: A(r,w) | PIADM_ENERGIA_VGR: piadmin: A(r,w) | PIADM_ENERGIA_VGR:


Vargem A(r,w) | PIWorld: A(r) | PIADMIN_DADOS: A(r,w) | PIWorld: A(r) |
Grande A(r,w) PIADMIN_CONFIG: A(r,w)

11.15.7. DESCRIPTOR (DESCRIÇÃO DOS TAGS)

A descrição dos tags deverá ser composto de: A palavra “Energia” + Caracter “_” + Nome do equipamento
(Disjuntor ou Medidor)+ Caracter “_” + Localização do equipamento (Quadro de distribuição + Cubículo) +
Caracter “_” + Descrição da carga(SE1495, Transformador, Banco de capacitor) + Descrição da Informação
(Corrente, Tensão,..).

Observação: Para tags de gerenciamento de energia CCK, sugere-se utilizar a palavra CCK entre “()” ao final
da descrição. (CCK)

Tabela 37: Exemplos de descrição

Tag Descrição

CN_IED_SE1810CN01_QD01_Q2_IAN Energia_Disjuntor_SE1810CN01_QD01_Q1_SE1235CC01 SE
Britagem 2° 3° Peneiramento_Corrente Fase A

CN_IED_SE1810CN01_QD01_Q2_IBN Energia_Disjuntor SE1810CN01_QD01_Q29_SE1435CC01 SE


Flotação_Corrente Fase B

CN_MM_SE1810CN01_QD01_Q2_KWh Energia_Multimedidor SE1810CN01_QD01_Q29_SE1435CC01


SE Flotação_Consumo ativo

11.15.8. DIGITALSET

O campo digitalset é o nome de uma tabela utilizada para converter os valores armazenados de forma binária
em valor de texto.

Para criação de um digitalset, iniciar a sigla da localidade, conforme item 9.1 deste documento.

Exemplo: IT_ENER_FUNC ou IT_ENER_POSICAO.


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 162/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.15.9. DISPLAYDIGITS

O atributo DisplayDigits controla o formato de valores numéricos nas telas e nos relatórios. Manter os tags de
energia analógico com 2 casas decimais. Para isso, configurar o campo DisplayDigits = 2.

Para os tags deMultimedidores, manter DisplayDigits = 0.

11.15.10. ENGUNITS (UNIDADE DE ENGENHARIA)

A unidade de engenharia deverá seguir o que está no item 11.6 deste documento. Caso a unidade de
engenharia não esteja listada, informar ao administrador PIMS da localidade para análise e providências.

11.15.11. ATRIBUTOS DE EXCEÇÃO

A configuração dos campos de compressão (excdev, excdevpercent, excmin eexcmax), deverá seguir a
orientação do tipo de variável conforme item 11.4 deste documento.

Para as informações de Multimedidores, é necessário que todos os resultados de análises sejam gravados,
mesmo que sejam iguais. A configuração dos campos de exceção (excdev, excdevpercent, excmin eexcmax),
deverão ter o valor 0 (zero).

11.15.12. EXDESC (DESCRIÇÃO EXTENDIDA)

Como os dados de Multimedidores são provenientes de uma tabela de banco de dados, colocar “P1=TS” no
primeiro tag que representa a primeira coluna na tabela do banco de dados. No caso dos dados de CCK, o
valor da variável Posto Horário é a primeira coluna, logo, o campo Exdesc dessa tag terá esse parâmetro.

P1 = TS significa: esse é o parâmetro 1 e seu conteúdo é o valor corrente do tag. Quando a consulta for
executar no banco de dados, ele buscará os valores do banco a partir da data configurada nesse parâmetro.

Para informações vindas de interface OPC, deverá ser informado no campo de descrição estendida dos tags
de energia, colocar o valor de Bitmask convertido para valor decimal. Exemplo: Bitmask=47104.

11.15.13. FILTERCODE

Não se aplica. Manter o valor “0” (zero).

11.15.14. INSTRUMENTTAG

Para tags provenientes dos Multimedidores, esse campo deverá conter o nome do arquivo que está gravado
na pasta da interface RDBMS no Servidor de Aplicações do Sistema PI (vTADCIAPPI01), que armazena a
consulta para o tag ou o conjunto de tags.

Exemplo: sp_CCK4500_Geral(1563406).TXT
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 163/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Para tags provenientes de OPC Server, esse campo conterá o endereçamento do tag (Item ID) conforme está
no OPCServer.

Exemplo: Root/IEC61850_01/E21RL04230KV/PRO/VALEXCBR1:Pos.stVal

11.15.15. LOCATION 1 (INSTÂNCIA)

Informar o número da instância “131, 132, 133 ou 134” (conforme tabela de PointSource) para dados
provenientes de Subestão.

Informar o número da instância “11” (onze) para dados provenientes de Banco de Dados – Sistema CCK.

11.15.16. LOCATION 2 (CONVERSÃO)

O campo indica que haverá um tratamento especial a ser feito, como uma conversão de float32 para float64
por exemplo. Os tipos de conversão a serem usados está explicado com mais detalhes a seguir em “Data
Types”. Maiores detalhes sobre conversão de valores estão descritos no capítulo de padrões para tags de
beneficiamento de minério, item 11.9.16.

Para as informações provenientes do banco de dados SQL, manter o campo em valor default 0 (zero).

11.15.17. LOCATION 3 (NÚMERO DA COLUNA OU TIPO)

Para os dados de energia provenientes do banco SQL, utilizar o número da coluna na tabela onde o dado está
disponível.

 Posto Horário: 1

 Consumo Ativo: 2

 Consumo Reativo: 3

 Tensão: 4

 Corrente: 5

Para os dados de energia provenientes do servidor OPC, este campo é utilizado para indicar o tipo de tag:

0 – Polled or Event

1 – Advise

2 – Output

3 – Watchdog used with Failover

4 – Watchdog used with Failover


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 164/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Os tags colocados na classe de scan = 1 em OPC são advise. Logo, o campo location 3 deve ser configurado
com o valor 1.

Para uma tag Advise, a Interface OPC vai se inscrever para atualizações com a OPC Server, e o servidor OPC
vai enviar um novo valor para a interface, a um ritmo mais frequente do que a taxa de atualização para o
grupo. Para minimizar o "ruído", o Location5 pode ser usado para indicar a "banda morta" ou “deadband”
desejada, se o servidor suportar a funcionalidade. Com uma configuração de banda morta, se a mudança
entre o último valor de leitura e o novo valor é menor do que a faixa morta, o novo valor não é enviado para o
servidor de interface pelo OPC. Este processamento de banda morta, só é válido para os pontos que são
definidos no servidor OPC como analógicos.

O processamento de Deadband é opcional para os servidores sob o padrão OPC, não se esqueça de verificar
se o servidor suporta o processamento de “banda morta” antes de tentar configurar tags advise pressupondo
que o processamento de zona morta é suportado. Note que o processamento de zona morta afeta valores
interface recebe. Os valores que a interface envia ao PI, são ainda configurados usando os parâmetros de
exceção para as tags do PI.

11.15.18. LOCATION 4 (CLASSE DE SCAN)

Informar o número da classe de scan desejada. Para os tags de origem do banco de dados CCK, utilizar
Tabela 17 como referência. Para os tags de origem OPC, utilizar a Tabela 12.

11.15.19. LOCATION 5 (BANDA MORTA)

Não se aplica para os tags de energia provenientes do banco CCK. Manter o valor “0” (zero).

Este campo é utilizado com Location3 para tags Advise, para definir um valor de banda morta, que será usada
pelo servidor OPC. Esta é separada da zona morta no PI e sua utilização adequada irá resultar em menos
pontos de dados a ser enviado aos PI.

Este atributo só é válido quando o ponto correspondente no servidor OPC está definido em um ponto
Analógico e os campos EuMin e EuMax nos pontos do OPC Server delimitam o intervalo de valores para o
ponto. Estes correspondem aos campos de zero e span em definição do ponto no PI, mas este é
especificamente referindo-se ao ponto de, tal como definido na OPC.

O valor Location5 é uma percentagem do intervalo, medida em centésimos. Por exemplo, se o ponto de
Servidor OPC é definido como analógico com uma EuMin de -10 e uma EuMax de 10, e contém Location5
2500 (sentido 25%), apenas os dados será enviado para o tag do PI, quando a diferença entre o valor novo e
o valor antigo é, pelo menos, 5 (25% de 20 = 5).
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 165/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.15.20. POINTID (NÚMERO DO PONTO)

Campo utilizado para identificar o ponto no PI

Corresponde a um número único que identifica o ponto internamente. O PointID nunca é reutilizado, mesmo
quando um ponto é excluído. O PointID é o identificador do ponto PI que é passado como um parâmetro para
a maior parte das funções da API do PI. No manual PI API, este identificador é referido como o número de
pontos, ou PtNum. Esse campo é colocado automaticamente pelo sistema.

11.15.21. POINTSOURCE (ORIGEM DO DADO)

Campo utilizado para identificação da oriente do dado. A identificação do pointsource deverá seguir o que está
no item 11.3 deste documento.

Para os dados de energia provenientes do banco SQL (Sistema CCK), utilizar o pointsource D_IT_CCK_01.

Para os dados de energia provenientes do servidor OPC, utilizar o pointsource O_DCIENER_01

11.15.22. POINTTYPE (TIPO DO PONTO)

Campo utilizado para identificar o tipo do ponto no PI. Prefira como padrão “Int32 ” para PostoHorário e os
demais campos como “Float32”. Consulte o item 11.7 para maiores detalhes.

11.15.23. PTCLASSNAME (CLASSE DO PONTO)

Todos os pontos que serão lidos da interface PI RDBMS e PI OPCINTpertencem a classe “classic”.

11.15.24. RECNO (NÚMERO DO REGISTRO)

O número de registro contém o número de registro primário do ponto no arquivo. Isto é útil quando se utiliza
ferramentas como piartool-aw para examinar os arquivos. RECNO não deve ser confundido com o atributo
PointID. Esse campo é colocado automaticamente pelo sistema.

11.15.25. SCAN (VARREDURA)

Esse atributo indica se a interface irá coletar o dado na origem ou não. Mantenha Scan = 1.

Configure Scan = 0 caso queira parar de ler o valor na origem.

11.15.26. SHUTDOWN (EVENTO DE DESLIGAMENTO)

Esse atributo permite definir se os tags sofrerão a marcação de “Shutdown” quando o PI Data Archive for
desligado. Configurar os tags para que não tenha marcação. Para isso, manter o valor 0 (zero) no atributo.
Shutdown = 0.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 166/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.15.27. SOURCE TAG (TAG FONTE)

Esse atributo deverá conter o nome de um tag que seja origem para o tag que está sendo configurado.

11.15.28. SRCPTID (ID DO TAG FONTE)

Srcptid é o número correspondente ao ponto PI do tag especificado no atributo SourceTag.

Se este atributo é editado, o PI Data Archive altera o campo SourceTag com o tag correspondente. Não alterar
diretamente o atributo Srcptid; preferir mudar o campo SourceTag. Manter esse campo com valor zero (0).

11.15.29. SPAN (RANGE)

Diferença entre a ponta superior e inferior do intervalo. Necessário para todos os pontos de tipos de dados
numéricos.

11.15.30. STEP (CURVA)

Esse atributo define como será a curva da informação e o modo de cálculo para os tags. Caso o valor seja 0
(zero), o dado poderá ser interpolado. Caso seja igual a 1 (um), o valor não poderá ser interpolado.

Prefira manter o campo “Step” ligado para os tags provenientes do banco de dados SQL. Utilize o valor de
Step = 1.

Para tags provenientes do OPCServer:

• Utilize o valor de Step = 0 para tags analógicos de processo, exceto tags totalizadores.

• Utilize o valor de Step = 1 para tags digitais de processo e tags totalizadores.

11.15.31. TYPICALVALUE (VALOR DESEJÁVEL)

Documenta um exemplo de um valor razoável para esse ponto. Para o tag numérico, esse valor deve ser
superior ou igual ao valor Zero, e inferior ou igual ao valor Zero mais o valor Span.

11.15.32. ZERO (VALOR MÍNIMO)

Menor valor possível do ponto.

11.15.33. TOTALCODE E SQUAREROOT (TRANSFORMAÇÃO E ESCALA)

Não se aplica. Manter o valor “0” (zero).


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 167/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.15.34. USERINT

Não se aplica. Manter o valor “0” (zero).

11.16. TAGS HISTORIADOS

Os tags que se tem dúvidas em deletar ou não, devem ser historiados através da alteração dos atributos. Um
tag historiado só é visto por usuários com perfil de administrador. Os tags ficarão historiados até que um
trabalho de análise criteriosa seja feito para se ter certeza que devem ser removidos do sistema, ou então
quando houver necessidade de liberação de tags no sistema PI.

Somente os atributos de nome do tag, segurança de dados e pontos, descrição, origem do ponto e scan
(varredura) serão alterados.

Antes de um tag ser historiado deve-se colocar todos os seus atributos, assim como, último valor registrado no
mesmo na Planilha Configuração de Tags Deletados na área de documentação do PIMS no portal TOp.

Para historiar um tag, fazer as seguintes alterações nos atributos:

11.16.1. TAG

A configuração de nome do tag deve ser alterado conforme exemplo abaixo:

Exemplo:

CE_BR3041_SI1

CE_HIST_BR3041_SI1

11.16.2. DATASECURITY E PTSECURITY (SEGURANÇA DOS DADOS E DOS PONTOS)

A configuração dos campos de segurança dos dados (DataSecurity) e de segurança do ponto (PtSecurity)
deverá ser feita alterando o atributo PIWorld: A(r) para PIWorld: A().

Exemplo:

piadmin: A(r,w) | PIADM_PROCESSO_IT: A(r,w) | PIWorld: A(r) para

piadmin: A(r,w) | PIADM_PROCESSO_IT: A(r,w) | PIWorld: A()


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 168/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.16.3. DESCRIPTOR (DESCRIÇÃO DOS TAGS)

A descrição dos tags deverá ser conter o texto “Histórico: “ antes do texto que já está marcado no tag.

Exemplo:

Patio_Empilhadeira_Lubrificação - Emergência Motor Bomba De Óleo

Histórico: Patio_Empilhadeira_Lubrificação - Emergência Motor Bomba De Óleo

11.16.4. POINTSOURCE (ORIGEM DO DADO)

Inserir o atributo X antes do restante do PointSource.

Exemplo: O_CE_01 para X_O_CE_01

11.16.5. SCAN (VARREDURA)

Esse atributo indica se a interface irá coletar o dado na origem ou não.

Altere Scan = 0.

11.16.6. DATA ACCESS

Controla os usuários que podem modificar ou visualizar os atributos dos tags.

O Data Access deve ser alterado para o:rw g:rw w:

11.16.7. PTACCESS

Controla quem pode ler ou escrever dados.

O PTACCESS seve ser alterado para o:rw g:rw w:

11.17. TAGS DE TELEMETRIA (SISTEMA EXTREME)

A solução Extreme reúne inúmeras informações coletadas dos equipamentos de mina (telemetria e despacho)
e disponibiliza através de aplicações próprias, como o Supervisory e o Report Studio, e também em um
sistema PIMS.

A telemetria tem como objetivo a monitoração dos equipamentos de mineração, tendo em vista avaliar as
condições dos equipamentos em tempo real. Os dados que são passados para o servidor Extreme aliados às
informações de manutenção e operação aumenta a produtividade e reduzem os custos.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 169/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

O banco de dados temporal OSIsoft (PI) tem integração nativa do Sistema Extreme e é responsável pela
persistência de dados temporais. Os tags geradas serão gravadas no servidor já existente e, para isso, existe
o usuárioadm_extremeque possui permissão de leitura/escrita em grupo determinado no sistema.

Apesar dos itens a seguir, explicar as configurações usadas no PIMS da Diretoria, utilizar os documentos a
seguir, para maiores informações e complementos.

 Anexo 6 - OGS-PIMS-KA10804_Anexo6_PE-G-07_Documento_Tecnico_Devex_PIMS.pdf,

11.17.1. SOLUÇÃO EXTREME

Este capítulo demonstra a arquitetura do sistema Devex Extreme e a interligação de cada componente do
sistema.

Também aborda os benefícios da integração do sistema com o PIMS e como é feita essa integração.

Por fim, o capítulo apresenta as definições do sistema PIMS, nomenclatura das tags, parâmetros de
compressão e exceção, dentre outros e as projeções da quantidade máxima de tags geradas.

11.17.2. ARQUITETURA

A arquitetura do sistema Devex é composta pelo computador de bordo da Devex, Tracker360 e seus
periféricos, pelo DDP que é uma interface de comunicação entre os equipamentos de campo (baixo nível de
comunicação) e o servidor do Extreme (alto nível de comunicação e centralizador de informações de tempo
real), servidor de banco de dados e relatórios, Extreme Supervisory que é a tela de monitoramento usada
pelos controladores no CCO e o Extreme Settings que é o aplicativo para configuração dos elementos do
sistema.

Estrutura:

Na Figura 19 encontra-se o esquemático de toda a arquitetura do sistema Extreme e os sistemas presentes


na VALE que o sistema interage. Observa-se dois grandes grupos no esquema, IP 171.16.XXX.XXX e o IP
172.18.XXX.XXX.

O grupo IP 171.16.XXX.XXX encontra-se os Tracker360 da Devex e DDP. O grupo IP 172.18.XXX.XX


encontra-se o Servidor Extreme, Report Server, Extreme Supervisory, PI Data Archive, e outros sistemas que
estão fornecendo dados para o Extreme: MineCare e PowerView.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 170/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Figura 19: Estrutura geral do sistema da Devex

11.17.3. INTEGRAÇÃO ENTRE EXTREME SERVER E PI DATA ARCHIVE

O Extreme Server utiliza uma base de dados mista para guardas suas informações, essa base é composta por
um banco de dados relacional e um banco de dados temporal (também chamados de historiadores ou PIMS).
Esta estratégia é adotada devido aos grandes benefícios que cada tipo de base traz para determinados tipos
de dados.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 171/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

No projeto de Itabira o PIMS adotado é o PI System da OSIsoft, que é também o PIMS padrão do Extreme.
Este sistema já é largamente utilizado no cliente e já possui uma estrutura robusta. Por este motivo, não foi
criada uma nova instância de servidor PIMS dedicado ao Extreme Server conforme recomendado pela Devex,
os dados são gravados e lidos diretamente no PIMS já existente na mina e gerenciado pelo cliente.

Devido a isso, algumas funcionalidades do Extreme dependem diretamente da disponibilidade do sistema


PIMS da mina, que se não disponível, interfere no uso do sistema Extreme pelos seus usuários.

A integração entre Extreme e PI é feita a partir do kit de desenvolvimento de software da OSIsoft, conhecido
como PI SDK. Esta ferramenta disponibiliza várias funções que são fundamentais para o Extreme e que não
estão disponíveis na maioria das interfaces como: criação de tags, edição de atributos de tags, alteração do
nome de tags.

Um grande benefício da integração entre Extreme e PI é que uma vez configurada, ela ocorre de maneira
transparente para os usuários. Ou seja, o usuário cria um novo atributo no Extreme e automaticamente o
Extreme cria e mantém as tags relacionadas no PIMS. Se houver uma mudança na unidade de engenharia ou
descrição, por exemplo, essa mudança é automaticamente propagada para as tags.

No Extreme um atributo é vinculado a vários equipamentos, por isso cada atributo gera várias tags, uma para
cada equipamento. Quando um novo equipamento é criado, suas tags serão criadas automaticamente, sem
necessidade de apoio por parte dos administradores do sistema PI ou dos usuários.

O Extreme cria uma tag no PI apenas quando ela é realmente necessária, ou seja, quando o primeiro valor da
relação atributo/equipamento é recebido. Há também atributos vinculados a tipo e modelo de equipamento e o
comportamento é o mesmo com alteração apenas na nomenclatura das tags.

Um caso que não é tratado de forma automática é a desativação de equipamentos. O histórico de um


equipamento nunca é removido do sistema Extreme, por isso, quando um equipamento é desativado, se o
cliente não desejar guardar as tags desse equipamento, elas devem ser removidas diretamente no PI.

Para que a integração entre os dois sistemas funcione corretamente é preciso instalar e configurar o PI SDK
na máquina do servidor Extreme. Esta configuração é especialmente importante se houver um ambiente com
servidores coletivos. As instruções para esta instalação estão contidas no Anexo C - Configuração da PISDK
para servidores coletivos.

11.17.4. DEFINIÇÕES PARA DADOS DE DESPACHO

O Extreme possui um módulo de cálculo de índices operacionais baseados nos dados coletados pelo módulo
de gerenciamento de frota (Fleet Management). Estes índices são calculados em intervalos definidos pelo
administrador do sistema e variam de 5 a 60 minutos.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 172/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Por definição da plataforma Extreme, o valor de um índice é sempre gravado no início de uma hora, ou seja,
se um índice é calculado às 13:45:37, seu valor é gravado às 13:00:00. A hora 13:00:00 deve ser interpretada
como o que ocorreu entre 13:00:00 e 13:59:59. Quando uma hora se encerra, o sistema recalcula seu valor
para conter exatamente os dados correspondentes ao período completo da hora, no exemplo acima, quando a
hora do servidor ultrapassar as 14:00:00, o próximo processamento do índice fechará o valor das 13:00:00,
calculando o índice com os dados referentes às 13:59:59.

O módulo de índices também permite a criação de totalizadores. Os índices totalizadores calculam um valor
para um determinado período e somam este valor ao valor acumulado anteriormente. Este tipo de índice
possui outra particularidade, se por algum motivo o índice não for calculado dentro de um determinado
período, no próximo processamento válido ele acumulará os valores das horas não processadas. Isso garante
a corretude do dado acumulado.

O envio de um índice para o PI é opcional e pode ser configurado pelo Gerenciador de Índices, assim como o
padrão de nome da tag e a opção de criar índices totalizadores. Para maiores detalhes, consultar o Anexo D -
Manual do Gerenciador de Índices.

O Extreme também envia para o PI uma tag digital que indica o estado operacional de cada equipamento.
Esta tag referencia um Digital Set que contém todos os estados operacionais do Extreme e é atualizado
automaticamente.

11.17.5. DEFINIÇÕES PARA DADOS DE TELEMETRIA

Os dados de telemetria são recebidos de campo pelo DDP através de um protocolo otimizado para que a
transferência entre campo e Datacenter seja a mais eficiente possível.

O tracker360 recebe as variáveis de telemetria do equipamento e gera uma lista que é enviada para o servidor
a cada sete segundos, caso o valor da variável seja diferente.

- Valor atual da variável ≠ Valor anterior da variável

O tracker360 também recebe os eventos e alarmes do equipamento e gera uma lista que é enviada para o
servidor a cada dez segundos.

Os alarmes e eventos se comportam como uma tag digital. Quando o tag assumir o valor “1” o evento está
ativo, quando o tag assumir o valor “0” o evento está desativado.

A criação das tags é realizada por demanda. O sistema envia o comando de criação da tag para o PI quando
o primeiro valor daquela tag é recebido. Caso uma grandeza nunca seja recebida do equipamento, essa tag
nunca será criada. Essa situação de criação das tags se aplica tanto para grandezas como para eventos e
alarmes advindos dos equipamentos.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 173/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.17.6. DEFINIÇÕES DOSTAGS

Os tags geradas pelo Extreme conterão os seguintes parâmetros:

 Point Source: E_IT_01.

 ptsecurity e datasecurity: PIADM_EXTREME

 Unidade de engenharia: adotada a unidade de engenharia de cada fabricante de equipamento, padrão


nacional.

 Compmax: definido que o tempo máximo de 21600 que significa que pelo menos um ponto será
gravado por turno.

 Compmin: definido sempre como 0.

 Default Value: definido sempre como 0, esse valor não é usado.

 Scan: definido sempre como 1.

 Shutdown: definido sempre como 1.

 Location1: definido sempre como 1.

 Location4: definido sempre como 0.

 Archiving: definido sempre como 1.

 Os parâmetros de exceção (exmax e exmin) não serão configurados devido a forma de leitura das
tags realizada pelo Extreme.

 As variáveis serão enviadas do equipamento em um intervalo de 7 segundos, somente se tiverem


alteração de valor.

 A criação das tags é realizado sob demanda. O sistema envia o comando de criação da tag no PI
quando o primeiro valor daquela tag é recebido. Caso uma grandeza nunca seja recebida do
equipamento, essa tag nunca será criada.

 Exclusão de tags somente por solicitação.

 Os demais parâmetros das tags estão definidos no item 11.4 deste documento.

11.17.7. DEFINIÇÕES DOS NOMES DOS TAGS DE ATRIBUTOS

Foi estabelecida uma identificação para os nomes dos tags relacionadas ao sistema Extreme com base na
Tabela 38
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 174/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Tabela 38: Definições do nome do tag

Origem
Identificação Tipo do Frota do Nome do Nome da
Localidade do
Devex equipamento equipamento equipamento Grandeza
dado

AMB AIR
IT MAC TLM CA 793-D 2S CA65911 TEMP

Exemplo do nome de um tag formado automaticamente:

IT_MAC_TLM_CA_793-D 2S_CA65911_AMB AIR TEMP

 Localidade: IT

 Identificação da Devex: MAC (Mine Automation Control System (MACS))

 Origem do dado: TLM (Telemetria)

 Tipo de equipamento: CA (Caminhão Grande Porte)

 Frota de equipamento: 793-D 2S (Exemplo de nome da frota de um equipamento)

 Nome do equipamento: CA65911 (Exemplo de nome do equipamento)

 Nome da grandeza: AMB AIR TEMP (Exemplo de nome de variável)

Os tipos de equipamento possíveis são:

 CA - CAMINHÃO GRANDE PORTE

 CP - CAMINHÃO PEQUENO PORTE

 CR - CARRETA

 DR - DRAGA

 ES - ESCAVADEIRA

 MN - MOTONIVELADORA

 PE - PA CARREGADEIRA

 PF - PERFURATRIZ

 PM - PA MECANICA

 RE - RETRO ESCAVADEIRA
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 175/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

 TE - TRATOR DE ESTEIRA

 TP - TRATOR DE PNEU

 TQ - CAMINHÃO PIPA

11.17.8. DEFINIÇÕES DAS DESCRIÇÕES DOS TAGS DE ATRIBUTOS

As descrições dos tags tem, obrigatoriamente, que ser na língua portuguesa. A tabela a seguir mostra o
padrão para descrição dos tags.

Tabela 39: Definições da descrição do tag

Tipo de Componente
Área Variável
Equipamento do sistema

Motor (*) Nível de


Mina Trator de Pneu
combustível

(*) Mostra em qual parte do equipamento a variável está associada

Exemplo de uma descrição: Mina_Trator de Pneu_Motor_Nivel de combustível

11.17.9. DEFINIÇÕES DOS NOMES DOS TAGS DE EVENTOS

A definição do nome das tags dos eventos de telemetrias idem ao item 11.17.7.

11.17.10. DEFINIÇÕES DAS DESCRIÇÕES DOS TAGS DE EVENTOS

As descrições dos tags tem, obrigatoriamente, que ser na língua portuguesa. A tabela a seguir mostra o
padrão para descrição dos tags.

Tabela 40: Definições da descrição do tag de evento

Tipo de Severidade Nome do


Área
Equipamento evento

Alerta Falha no sensor


Mina Trator de Pneu
de combustível

Exemplo de uma descrição: Mina_Trator de Pneu_Alerta_Falha no sensor de combustível


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 176/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.17.11. DEFINIÇÕES DOS NOMES DOS TAGS DE DESPACHO

Foi estabelecida uma identificação para os nomes dos tags relacionadas ao sistema Extreme com base na
Tabela 41.

Tabela 41: Definições do nome do tag

Orige Tipo do Frota do Nome do Nome Granularida


Localidad Identificaçã m do equipament equipament equipament da de da
e o Devex dado o o o Grandez grandeza
a

IT MAC DSP CA 793-D 2S CA65911 UF TURNO

Exemplo de uma descrição: IT_MAC_TLM_CA_793-D 2S_CA65911_UF_TURNO

11.17.12. QUANTIDADE DE TAGS GERADAS PELO EXTREME NA TELEMETRIA

A tabela a seguir mostra os modelos que suportam telemetria e o número de variáveis disponíveis em cada
equipamento.

Tabela 42: Quantidade de tag de variáveis

Quantidade de Quantidade de Total de


Equipamentos
equipamentos variáveis Tags

Trator de Esteira Komatsu D375 10 17 170

Trator de pneu Caterpillar 854G 1 46 46

Pá Carregadeira Letourneau L2350 1 4 4

Pá Carregadeira Letourneau L1850 1 265 265

Carreta Caterpillar 793C 2 80 160

Caminhão fora de estrada Caterpillar


3 153 459
793D – Com MEMS.

Total 18 565 1104

A tabela a seguir mostra os modelos que suportam telemetria e o número de eventos disponíveis em cada
equipamento.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 177/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Tabela 43: Quantidade de tags de eventos

Quantidade de Quantidade de Total de


Equipamentos
equipamentos variáveis Tags

Trator de Esteira Komatsu D375 10 2 20

Trator de pneu Caterpillar 854G 1 4.884 4.884

Pá Carregadeira Letourneau L2350 1 1.119 1.119

Pá Carregadeira Letourneau L1850 1 1.119 1.119

Carreta Caterpillar 793C 2 4.884 4.884

Caminhão fora de estrada Caterpillar


3 4.884 4.884
793D – Com MEMS.

Total 18 16.892 16.910

11.17.13. QUANTIDADE DE TAGS GERADAS PELO EXTREME DESPACHO

A tabela a seguir mostra os modelos que suportam telemetria e o número de variáveis disponíveis em cada
equipamento.

Tabela 44: Quantidade de tag de despacho

Tipo Transporte Carga Auxiliar Total de Tags

Total por equipamento 8.050 4.900 6.650 9.600

Total por frota 770 1.610 1.960 4.340

Total por tipo 140 210 700 1.050

Total 8.960 8.960 9.310 24.990

11.17.14. QUANTIDADE TOTAL DE TAG’S GERADAS PELO EXTREME

A quantidade total de tags que o Extreme pode gerar é a soma das tags de telemetria (variáveis e eventos)
mais as tags de despacho. É importante observar que esse é o número máximo de tags, se um evento nunca
for disparado sua tag nunca será criada.

Total de tags ≈ tags de telemetria + tags de despacho.

Total de tags ≈ 24990 + 32666 ≈ 57656.


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 178/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.18. TAGS DE DESPACHO COM ORIGEM PI RDBMS

Os tags de despacho tratados nesse capítulo são aqueles coletados por interface PI RDBMS dos bancos de
despacho.

Em Itabira, Mariana e Brucutu, os dados são coletados pelo banco de dados SQL do PowerView – Modular
Mine. Em Água Limpa, os dados são coletados pelo banco de dados Oracle do SmartMine – Devex.

11.18.1. NOME DO TAG

A composição do “nome do tag” possui um prefixo composto por dois caracteres acompanhado de underline,
posteriormente a sigla “DSP” para identificar que os dados são de origem Despacho, acompanhado de
underline, acompanhado de um sufixo composto por um conjunto de caracteres que tem como finalidade
identificar o material que está sendo lido. Posteriormente, utiliza-se o underline para separar, e, por último o
tipo da informação que está sendo lida (WQ1, por exemplo)

Localidade + “_” + “DSP” + “_” + Material + “_” + Tipo da informação

O tag possui um nome composto por um agrupamento de mnemônicos respeitando a seguinte regra:

XX_YY_ZZ_OOOO onde:

 XX: (Prefixo) Sigla da localidade;

 _: Caractere separador;

 YY: (Sufixo) DSP;

 _: Caractere separador;

 ZZ: Material;

 _: Caractere separador;

 OOOO: Tipo da informação;

Exemplos:

CE_DSP_ESPPRCE_WQ1

 CE = Iniciais da localidade

 _ = Caractere Separador

 DSP = Origem

 _ = Caractere Separador
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 179/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

 ESPPRCE = Material

 _ = Caractere Separador

 WQ1 = Tipo da informação

11.18.2. ARCHIVING (ARQUIVAR)

Esse atributo indica se o valor do tag será gravado (historiado) ou não. Por padrão, manter o campo ligado
Archiving = 1, o que indica que o dado será historiado. Desligar (Archiving = 0) caso deseje manter o valor
apenas em memória (Snapshot).

11.18.3. CHANGE DATE, CHANGER, CREATIONDATE E CREATOR

O valor desses atributos é configurado automaticamente pelo sistema PI e indicam a data de modificação do
tag (change date), quem realizou a mudança (changer), quando o tag foi criado (creationdate) e por quem
(creator).

11.18.4. ATRIBUTOS DE COMPRESSÃO

É necessário que todos os resultados de análises sejam gravados, mesmo que sejam iguais. A configuração
dos campos de compressão (compdev, compdevpercent, compmin, compmax e compressing), deverão ter o
valor 0 (zero).

11.18.5. CONVERS (CONVERSÃO)

Não se aplica conversão para os dados de energia. Utilizar o valor “1” (um).

11.18.6. DATASECURITY E PTSECURITY (SEGURANÇA DOS DADOS E DOS PONTOS)

A configuração dos campos de segurança dos dados (DataSecurity) e de segurança do ponto


(PtSecurity)deverá ser feita conforme a área de atuação dos administradores do sistema PI. Veja na tabela a
seguir, a configuração que deve ser feita para os tags:

Tabela 45: Segurança dos dados e pontos

Localidade datasecurity ptsecurity

piadmin: A(r,w) | PIADM_DESPACHO: piadmin: A(r,w) | PIADM_DESPACHO:


Todas A(r,w) | PIWorld: A(r) | PIADMIN_DADOS: A(r,w) | PIWorld: A(r) |
A(r,w) PIADMIN_CONFIG: A(r,w)
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 180/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.18.7. DESCRIPTOR (DESCRIÇÃO DOS TAGS)

A descrição dos tags deverá ser composta de: Localidade completa + Caracter “_” + “Despacho” + Caracter
“_” + Informação + Caracter “_” + Tipo da informação.

Tabela 46: Exemplos de descrição

Tag Descrição

CE_DSP_HE_WQ1 Conceição I_Despacho_Movimentação de Hematita_Totalizador

Conceição I_Despacho_Movimentação de Itabirito_Pequeno


CE_DSP_ITA_PP_WQ1
Porte_Totalizador

CE_DSP_MOV_WQ1 Conceição I_Despacho_Movimentação Total (Estéril, OM, ROM)_Totalizador

11.18.8. DIGITALSET

Não se aplica. Manter o campo em branco.

11.18.9. DISPLAYDIGITS

O atributo DisplayDigits controla o formato de valores numéricos nas telas e nos relatórios. Manter os tags que
são WQ1 (Totalizadores no BD Despacho) em valor 0 (zero). Para isso, configurar o campo DisplayDigits = 0.

11.18.10. ENGUNITS (UNIDADE DE ENGENHARIA)

A unidade de engenharia deverá seguir o que está no item 11.6 deste documento. Caso a unidade de
engenharia não esteja listada, informar ao administrador PIMS da localidade para análise e providências.

11.18.11. ATRIBUTOS DE EXCEÇÃO

É necessário que todos os resultados de análises sejam gravados, mesmo que sejam iguais. A configuração
dos campos de exceção (excdev, excdevpercent, excmin e excmax), deverá ter o valor 0 (zero).

11.18.12. EXDESC (DESCRIÇÃO EXTENDIDA)

Como os dados são provenientes de uma tabela de banco de dados, colocar “P1=TS” no primeiro tag que
representa a primeira coluna na tabela do banco de dados. No caso dos dados de Itabira, mais um parâmetro
é utilizado para separar a localidade: “P1=TS P2="CONCEICAO".

O parâmetro P1=TS, significa que seu conteúdo é o valor corrente do tag. Quando a consulta for executar no
banco de dados, ele buscará os valores do banco a partir da data configurada nesse parâmetro.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 181/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.18.13. FILTERCODE

Não se aplica. Manter o valor “0” (zero).

11.18.14. INSTRUMENTTAG

Esse campo deverá conter o nome do arquivo que está gravado na pasta da interface, que armazena a
consulta para o tag ou o conjunto de tags.

Exemplo: despacho_sp_ProducaoConceicao.txt

despacho_sp_ProducaoMariana.txt

11.18.15. LOCATION 1 (INSTÂNCIA)

Informar o número da instância “21” (vinte um), para tags de despacho Itabira. Instância “31” (trinta e um),
para tags de despacho Brucutu. Instância “41” (quarenta e um), para tags de despacho Mariana. Instância “51”
(cinquenta e um), para tags de despacho Água Limpa e instância “71” (setenta e um), para tags de despacho
Mariana (ICD).

11.18.16. LOCATION 2 ()

Não se aplica. Manter o valor “0” (zero).

11.18.17. LOCATION 3 (NÚMERO DA COLUNA)

Representa o número da coluna na tabela onde o dado está disponível.

Exemplo: Para os dados de energia provenientes do banco CCK, os dados estão:

 Posto Horário: 1

 Consumo Ativo: 2

 Consumo Reativo: 3

 Tensão: 4

 Corrente: 5

11.18.18. LOCATION 4 (CLASSE DE SCAN)

Informar o número da classe de scan desejada. A Tabela 17 mostra os valores a serem usados.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 182/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.18.19. LOCATION 5 ()

Não se aplica. Manter o valor “0” (zero).

11.18.20. POINTID (NÚMERO DO PONTO)

Campo utilizado para identificar o ponto no PI.

Corresponde a um número único que identifica o ponto internamente. O PointID nunca é reutilizado, mesmo
quando um ponto é excluído. O PointID é o identificador do ponto PI que é passado como um parâmetro para
a maior parte das funções da API do PI. No manual PI API, este identificador é referido como o número de
pontos, ou PtNum. Esse campo é colocado automaticamente pelo sistema.

11.18.21. POINTSOURCE (ORIGEM DO DADO)

Campo utilizado para identificação da oriente do dado. A identificação do pointsource deverá seguir o que está
no item 11.3 deste documento.

11.18.22. POINTTYPE (TIPO DO PONTO)

Campo utilizado para identificar o tipo do ponto no PI. Prefira como padrão “Float32”.

11.18.23. PTCLASSNAME (CLASSE DO PONTO)

Todos os pontos que serão lidos da interface RDBMS pertencem a classe “classic”.

11.18.24. RECNO (NÚMERO DO REGISTRO)

O número de registro contém o número de registro primário do ponto no arquivo. Isto é útil quando se utiliza
ferramentas como piartool-aw para examinar os arquivos. RECNO não deve ser confundido com o atributo
PointID. Esse campo é colocado automaticamente pelo sistema.

11.18.25. SCAN (VARREDURA)

Esse atributo indica se a interface irá coletar o dado na origem ou não. Mantenha Scan = 1.

Configure Scan = 0 caso queira parar de ler o valor na origem.

11.18.26. SHUTDOWN (EVENTO DE DESLIGAMENTO)

Esse atributo permite definir se os tags sofrerão a marcação de “Shutdown” quando o PI Data Archive for
desligado. Configurar os tags para que não tenha marcação. Para isso, manter o valor 0 (zero) no atributo.
Shutdown = 0.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 183/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.18.27. SOURCE TAG (TAG FONTE)

Esse atributo deverá conter o nome de um tag que seja origem para o tag que está sendo configurado.

11.18.28. SRCPTID (ID DO TAG FONTE)

Srcptid é o número correspondente ao ponto PI do tag especificado no atributo SourceTag.

Se este atributo é editado, o PI Data Archive altera o campo SourceTag com o tag correspondente. Não alterar
diretamente o atributo Srcptid; preferir mudar o campo SourceTag. Manter esse campo com valor zero (0).

11.18.29. SPAN (RANGE)

Diferença entre a ponta superior e inferior do intervalo. Necessário para todos os pontos de tipos de dados
numéricos.

11.18.30. STEP (CURVA)

Esse atributo define como será a curva da informação e o modo de cálculo para os tags. Caso o valor seja 0
(zero), o dado poderá ser interpolado. Caso seja igual a 1 (um), o valor não poderá ser interpolado.

Prefira manter o campo “Step” ligado para esses tags. Utilize o valor de Step = 1.

11.18.31. TYPICALVALUE (VALOR DESEJÁVEL)

Documenta um exemplo de um valor razoável para esse ponto. Para o tag numérico, esse valor deve ser
superior ou igual ao valor Zero, e inferior ou igual ao valor Zero mais o valor Span.

11.18.32. ZERO (VALOR MÍNIMO)

Menor valor possível do ponto. Para os tags de laboratório, o valor padrão é zero.

11.18.33. TOTALCODE E SQUAREROOT (TRANSFORMAÇÃO E ESCALA)

Não se aplica. Manter o valor “0” (zero).

11.18.34. USERINT

Não se aplica. Manter o valor “0” (zero).

11.19. TAGS DE DESPACHO COM ORIGEM PI UFL


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 184/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Os tags de despacho tratados nesse capítulo são aqueles coletados por interface PI UFL dos bancos de
despacho. Eles se aplicam as localidade de Água Limpa através do envio dos dados do SmartMine – Sistema
de Despacho da Devex para a interface PI UFL.

Apesar dos itens a seguir, explicar as configurações usadas no PIMS da Diretoria, utilizar os documentos a
seguir, para maiores informações e complementos.

 Anexo 7 - OGS-PIMS-KA10804_Anexo7_Funcionamento e manutenção dos dados exportados para o


Painel DIFS.docx

Premissas:

• Possuir Sistema SmartMine instalado na mina apresentada no Painel.

• Servidor de Banco de dados com acesso ao caminho especificado para gravação dos dados.

• Sistema Gerenciador de Banco de Dados com formato de datas: dd/mm/yyyy hh:mm:ss

• Servidor de Banco de dados com um usuário específico. Este usuário será utilizado para exportar os
arquivos para o PI, portanto o local especificado deve conceder permissão de escrita para este
usuário.

o Nome do Usuário: Devex_PI

o Permissões: Administradores, dba

• As Viés devem rodar no servidor de banco de dados com permissão (Grant) para o usuário Inquirer.
Esse usuário já existe e o relacionamento com as views é automático.

Funcionamento:

Os arquivos são gerados através de uma estrutura que fica localizada no servidor de banco de dados de cada
mina no caminho C:/SmExporter. A estrutura possui os seguintes arquivos:

 Pasta Log com um arquivo de log dentro – SmExporter.txt

 SmExporter.exe – arquivo responsável por exportar os dados para o PI

 SmExporter.ini – arquivo de configuração do SmExporter.exe

 Instsrv.exe – arquivo para criar serviço no Windows

 Srvany.exe – arquivo para manipular serviço Windows


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 185/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

A aplicação SmExporter.exe tem a função de fazer consultas (select´s) nas views, ou seja, obter os dados das
Viés, criadas no banco de dados e gerar arquivos com extensão “.dat” no formato de Tags com os parâmetros
definidos no arquivo SmExporter.ini (Anexo I).

Atualmente o caminho definido para gravação destes arquivos é o servidor de Aplicações do PI:
\\172.18.86.10\Arq_Formato_BatchFL\Dados_Despacho.

Para que os arquivos sempre fiquem atualizados e gerando valores, deve ser criado no servidor de banco de
dados de cada mina um serviço no Windows, com o nome de SmExporter e autorização para o usuário
Devex_PI.

Vale salientar que qualquer alteração no software do servidor de banco de dados, como a troca do servidor,
formatação do sistema operacional, dentre outros, poderá implicar no mau funcionamento do SmExporter, até
todos os procedimentos descritos aqui estiverem 100% concluídos.

Outra observação importante é manter o plano de lavra sempre atualizado e ativo no sistema SmartMine, pois
qualquer frente que estiver fora do plano não será considerada pelo SmExporter. A imagem abaixo ilustra
onde ativar e manter atualizado o Plano de Lavra no sistema SmartMine:

Figura 20: Configuração do envio de dados do sistema Smartmine

Quando um novo equipamento ou frente é cadastrado no SmartMine (como?), o SmExporter já está preparado
para automaticamente gerar valores para este novo elemento. O nome da tag a ser criada para o novo dado
seguirá os padrões citados no Anexo I. Para que o painel de informações de mina fique sempre atualizado
com os novos dados, será necessário criar o tag e carregar para o Sistema PI
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 186/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

A imagem a seguir descreve o fluxo de operações do SmExporter até chegar ao sistema PI:

Servidor Banco de Dados


SmartMine

SmExporter
(Serviço do Windows)

VIEWS

Servidor de Aplicações
Itabira

Figura 21: Fluxo de operação sistema Smartmine

11.19.1. NOME DO TAG

Tag_Start_Name + Nome do equipamento OU Nome do Modelo OU Nome do Tipo OU Nome do


Grupo(exatamente como cadastrado no SmartMine) + Nome do Valor buscado + Tag_End_Name.

Ex.: Tag da disponibilidade do modelo AXO_3380, onde Tag_Start_Name = BS_DSP e Tag_End_Name =


.Dia :

BS_DSP_AXO_3380_DISPONIBILIDADE.Dia

11.19.2. ARCHIVING (ARQUIVAR)

Esse atributo indica se o valor do tag será gravado (historiado) ou não. Por padrão, manter o campo ligado
Archiving = 1, o que indica que o dado será historiado. Desligar (Archiving = 0) caso deseje manter o valor
apenas em memória (Snapshot).
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 187/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.19.3. CHANGE DATE, CHANGER, CREATIONDATE E CREATOR

O valor desses atributos é configurado automaticamente pelo sistema PI e indicam a data de modificação do
tag (change date), quem realizou a mudança (changer), quando o tag foi criado (creationdate) e por quem
(creator).

11.19.4. ATRIBUTOS DE COMPRESSÃO

É necessário que todos os resultados de análises sejam gravados, mesmo que sejam iguais. A configuração
dos campos de compressão (compdev, compdevpercent, compmin, compmax e compressing), deverão ter o
valor 0 (zero).

11.19.5. CONVERS (CONVERSÃO)

Não se aplica conversão para os dados de energia. Utilizar o valor “1” (um).

11.19.6. DATASECURITY E PTSECURITY (SEGURANÇA DOS DADOS E DOS PONTOS)

A configuração dos campos de segurança dos dados (DataSecurity) e de segurança do ponto


(PtSecurity)deverá ser feita conforme a área de atuação dos administradores do sistema PI. Veja na tabela a
seguir, a configuração que deve ser feita para os tags:

Tabela 47: Segurança dos dados e pontos

Localidade datasecurity ptsecurity

Complexo piadmin: A(r,w) | PIADM_UFL_IT: A(r,w) | piadmin: A(r,w) | PIADM_UFL_IT: A(r,w) |


Itabira PIWorld: A(r) | PIADMIN_DADOS: A(r,w) PIWorld: A(r) | PIADMIN_CONFIG: A(r,w)

piadmin: A(r,w) | PIADM_UFL_MR: A(r,w)


Complexo piadmin: A(r,w) | PIADM_UFL_MR: A(r,w) |
| PIWorld: A(r) | PIADMIN_CONFIG:
Mariana PIWorld: A(r) | PIADMIN_DADOS: A(r,w)
A(r,w)

piadmin: A(r,w) | PIADM_UFL_PAR: A(r,w)


Complexo piadmin: A(r,w) | PIADM_UFL_PAR: A(r,w) |
| PIWorld: A(r) | PIADMIN_CONFIG:
Paraopeba PIWorld: A(r) | PIADMIN_DADOS: A(r,w)
A(r,w)

Complexo piadmin: A(r,w) | PIADM_UFL_VGR:


piadmin: A(r,w) | PIADM_UFL_VGR: A(r,w)
Vargem A(r,w) | PIWorld: A(r) |
| PIWorld: A(r) | PIADMIN_DADOS: A(r,w)
Grande PIADMIN_CONFIG: A(r,w)

11.19.7. DESCRIPTOR (DESCRIÇÃO DOS TAGS)

A descrição dos tags deverá ser composta de: Localidade completa + Caracter “_” + “Despacho” + Caracter
“_” + Informação + Caracter “_” + Tipo da informação.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 188/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Tabela 48: Exemplos de descrição

Tag Descrição

CE_DSP_HE_WQ1 Conceição I_Despacho_Movimentação de Hematita_Totalizador

Conceição I_Despacho_Movimentação de Itabirito_Pequeno


CE_DSP_ITA_PP_WQ1
Porte_Totalizador

CE_DSP_MOV_WQ1 Conceição I_Despacho_Movimentação Total (Estéril, OM, ROM)_Totalizador

11.19.8. DIGITALSET

Não se aplica. Manter o campo em branco.

11.19.9. DISPLAYDIGITS

O atributo DisplayDigits controla o formato de valores numéricos nas telas e nos relatórios. Acesse o item 11.8
para detalhes.

11.19.10. ENGUNITS (UNIDADE DE ENGENHARIA)

A unidade de engenharia deverá seguir o que está no item 11.6 deste documento. Caso a unidade de
engenharia não esteja listada, informar ao administrador PIMS da localidade para análise e providências.

11.19.11. ATRIBUTOS DE EXCEÇÃO

É necessário que todos os resultados de análises sejam gravados, mesmo que sejam iguais. A configuração
dos campos de exceção (excdev, excdevpercent, excmin e excmax), deverá ter o valor 0 (zero).

11.19.12. EXDESC (DESCRIÇÃO EXTENDIDA)

Não se aplica. Manter o campo em branco.

11.19.13. FILTERCODE

Não se aplica. Manter o valor “0” (zero).

11.19.14. INSTRUMENTTAG

Não se aplica. Manter o valor “0” (zero).


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 189/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.19.15. LOCATION 1 (INSTÂNCIA)

Informar o número da instância “1” (um).

11.19.16. LOCATION 2 ()

Não se aplica. Manter o valor “0” (zero).

11.19.17. LOCATION 3 ()

Não se aplica. Manter o valor “0” (zero).

11.19.18. LOCATION 4 (CLASSE DE SCAN)

Não se aplica. Manter o valor “0” (zero).

11.19.19. LOCATION 5 ()

Não se aplica. Manter o valor “0” (zero).

11.19.20. POINTID (NÚMERO DO PONTO)

Campo utilizado para identificar o ponto no PI

Corresponde a um número único que identifica o ponto internamente. O PointID nunca é reutilizado, mesmo
quando um ponto é excluído. O PointID é o identificador do ponto PI que é passado como um parâmetro para
a maior parte das funções da API do PI. No manual PI API, este identificador é referido como o número de
pontos, ou PtNum. Esse campo é colocado automaticamente pelo sistema.

11.19.21. POINTSOURCE (ORIGEM DO DADO)

Campo utilizado para identificação da oriente do dado. A identificação do pointsource deverá seguir o que está
no item 11.3 deste documento.

11.19.22. POINTTYPE (TIPO DO PONTO)

Campo utilizado para identificar o tipo do ponto no PI. Prefira como padrão “Float32 ”.

11.19.23. PTCLASSNAME (CLASSE DO PONTO)

Todos os pontos que serão lidos da interface RDBMS pertencem a classe “classic”.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 190/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.19.24. RECNO (NÚMERO DO REGISTRO)

O número de registro contém o número de registro primário do ponto no arquivo. Isto é útil quando se utiliza
ferramentas como piartool-aw para examinar os arquivos. RECNO não deve ser confundido com o atributo
PointID. Esse campo é colocado automaticamente pelo sistema.

11.19.25. SCAN (VARREDURA)

Esse atributo indica se a interface irá coletar o dado na origem ou não. Mantenha Scan = 1.

Configure Scan = 0 caso queira parar de ler o valor na origem.

11.19.26. SHUTDOWN (EVENTO DE DESLIGAMENTO)

Esse atributo permite definir se os tags sofrerão a marcação de “Shutdown” quando o PI Data Archive for
desligado. Configurar os tags para que não tenha marcação. Para isso, manter o valor 0 (zero) no atributo.
Shutdown = 0.

11.19.27. SOURCE TAG (TAG FONTE)

Esse atributo deverá conter o nome de um tag que seja origem para o tag que está sendo configurado.

11.19.28. SRCPTID (ID DO TAG FONTE)

Srcptid é o número correspondente ao ponto PI do tag especificado no atributo SourceTag.

Se este atributo é editado, o PI Data Archive altera o campo SourceTag com o tag correspondente. Não alterar
diretamente o atributo Srcptid; preferir mudar o campo SourceTag. Manter esse campo com valor zero (0).

11.19.29. SPAN (RANGE)

Diferença entre a ponta superior e inferior do intervalo. Necessário para todos os pontos de tipos de dados
numéricos.

11.19.30. STEP (CURVA)

Esse atributo define como será a curva da informação e o modo de cálculo para os tags. Caso o valor seja 0
(zero), o dado poderá ser interpolado. Caso seja igual a 1 (um), o valor não poderá ser interpolado.

Prefira manter o campo “Step” ligado para esses tags. Utilize o valor de Step = 1.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 191/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.19.31. TYPICALVALUE (VALOR DESEJÁVEL)

Documenta um exemplo de um valor razoável para esse ponto. Para o tag numérico, esse valor deve ser
superior ou igual ao valor Zero, e inferior ou igual ao valor Zero mais o valor Span.

11.19.32. ZERO (VALOR MÍNIMO)

Menor valor possível do ponto. Para os tags de laboratório, o valor padrão é zero.

11.19.33. TOTALCODE E SQUAREROOT (TRANSFORMAÇÃO E ESCALA)

Não se aplica. Manter o valor “0” (zero).

11.19.34. USERINT

Não se aplica. Manter o valor “0” (zero).

11.20. TAGS DE GESTÃO DE COMBUSTÍVEIS

Os tags de gestão de combustíveis são aqueles cuja fonte de dados são os servidores OPC. Na Diretoria, o
OPC Server padrão para coleta de dados é o Kepware Server.

Os pontos que representam dados de uma interface do PI sempre estão na classe do ponto Classic. As
classes do ponto do PI padrão são:

 Alarm: usado para tags de alarmes.

 Base: um conjunto comum de atributos incluso em todas as classes dos pontos. A classeBase
inclui atributos atribuídos a sistemas e usuários. Esse é o conjunto mínimo deatributos que o
ponto do PI precisa para funcionar.

 Classic: inclui os atributos usados pelas interfaces.

 SQC_Alarm: usado para pontos de alarme SQC. Consulte o PI Server Applications Guide
paraobter mais informações sobre os pontos de alarme SQC.

 Totalizer: usado para um tipo de ponto que representa a execução total dos dados. Há
váriostipos diferentes de pontos Totalizer.

Apesar dos itens a seguir, explicar as configurações usadas no PIMS da Diretoria, utilizar os documentos a
seguir, para maiores informações e complementos.

 OGS-PIMS-KA10804-PIMS-01_Anexo01_PI_OPCINT_2.3.17.18,

 OGS-PIMS-KA10804-PIMS-01_Anexo02_PI_OPCPluginBitmask,
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 192/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

 OGS-PIMS-KA10804-PIMS-01_Anexo03_PI_OPC Interface Failover,

 OGS-PIMS-KA10804-PIMS-01_Anexo04_DCOM_Configuration_Guide_2.4.4 e

 OGS-PIMS-KA10804-PIMS-01_Anexo05_WP_OPC.

11.20.1. NOME DO TAG

Cada tag possui um nome que é fundamental para execução de qualquer consulta de dados no sistema PI. O
nome nada mais é que a identificação de cada variável cadastrada no sistema.

A composição do “nome do tag” possui um prefixo composto por dois caracteres acompanhado de underline
que serve de separador acompanhado de um sufixo composto por um conjunto de caracteres que tem como
finalidade identificar a origem do dado.

O tag possui um nome composto por um agrupamento de mnemônicos respeitando a seguinte regra:

 XX: (Prefixo) Sigla da localidade (unidade ou complexo);

 _: Caractere separador;

 YY: Sigla do posto;

 _: Caractere separador;

 WW: Sigla do instrumento ou equipamento;

 9999: Número do equipamento;

 _: Caractere separador;

 ZZZZZ: Mnemônico de estado (*).

(*): O mnemônico de estado deve seguir a definição de mnemônicos para tags de combustíveis,
conforme capítulo 24.

Exemplo: IT_PPPE_TQ9001_EST

 IT = Complexo

 _Caractere Separador

 PPPE: Sigla do posto PPPE, PPCA, PLCE

 _Caractere Separador

 TQ: Sigla do Instrumento ou equipamento (BO, TQ,)


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 193/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

 9001: Número do equipamento

 _ Caractere Separador

 EST: Mnemônico de estado

Observação:Ao cadastrar um instrumento, a informação referente à sua função, deve vir antes da
identificação. E se for equipamento, a identificação vem em primeiro lugar.

Ex.: IT_PPCA_LITTQ9001 ou IT_PPCA_TQ9001_EST

Em casos de instrumentos que medem mais de uma grandeza, teremos duas identificações da sua
informação.

Ex.: IT_PP_DIT_FIT9001 ou IT_PP_DIT_FITBO9001

Tags do Posto de Periquito devem iniciar com “IT_” em sua localidade.

Algumas regras gerais de nomenclatura devem ser observadas para o sistema PI:

 O nome deve ser exclusivo no PI Data Archive.

 O primeiro caractere deve ser alfanumérico, um underscore (_) ou um sinal de porcentagem (%).

 Não são permitidos caracteres de controle ou de não impressão.

 Estes caracteres não são permitidos: * ' ? ; { } [ ] | \ ` ' "

Atenção: quando o tag for de escrita no PLC, utilizar: Sigla da localidade + a letra “J” + restante conforme já
definido.

Exemplo: IT_PPCA_JLITTQ9001 vira IT_PPCA_JLITTQ9001

11.20.2. ARCHIVING (ARQUIVAR)

Esse atributo indica se o valor do tag será gravado (arquivar) ou não. Por padrão, manter o campo ligado
Archiving = 1, o que indica que o dado será arquivado. Desligar (Archiving = 0) caso deseje manter o valor
apenas em memória (Snapshot).

11.20.3. CHANGE DATE, CHANGER, CREATIONDATE E CREATOR

O valor desses atributos é configurado automaticamente pelo sistema PI e indicam a data de modificação do
tag (change date), quem realizou a mudança (changer), quando o tag foi criado (creationdate) e por quem
(creator)
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 194/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.20.4. ATRIBUTOS DE COMPRESSÃO

A configuração dos campos de compressão (compdev, compdevpercent, compmin, compmax e compressing),


deverá seguir a orientação do tipo de variável conforme item 11.4 deste documento.

11.20.5. CONVERS (CONVERSÃO)

Caso seja necessária a conversão do valor da origem, o campo “Convers” deverá ser usado. Atenção: A
conversão é diretamente afetada pelo campo “Span”.

11.20.6. DATASECURITY E PTSECURITY (SEGURANÇA DOS DADOS E DOS PONTOS)

A configuração dos campos de segurança dos dados (DataSecurity) e de segurança do ponto


(PtSecurity)deverá ser feita conforme a área de atuação dos administradores do sistema PI. Veja na tabela a
seguir, a configuração que deve ser feita para os tags de processo.

Tabela 49: Segurança dos dados e pontos

Localidade datasecurity ptsecurity

piadmin: A(r,w) | piadmin: A(r,w) | PIADM_ COMBUSTIVEIS


Complexo
PIADM_COMBUSTIVEIS_IT: A(r,w) | _IT: A(r,w) | PIWorld: A(r) |
Itabira
PIWorld: A(r) | PIADMIN_DADOS: A(r,w) PIADMIN_CONFIG: A(r,w)

piadmin: A(r,w) | PIADM_ COMBUSTIVEIS piadmin: A(r,w) | PIADM_ COMBUSTIVEIS


Complexo
_MR: A(r,w) | PIWorld: A(r) | PIADMIN_ _MR: A(r,w) | PIWorld: A(r) |
Mariana
DADOS: A(r,w) PIADMIN_CONFIG: A(r,w)

piadmin: A(r,w) | PIADM_ COMBUSTIVEIS piadmin: A(r,w) | PIADM_ COMBUSTIVEIS


Complexo
_PAR: A(r,w) | PIWorld: A(r) | PIADMIN_ _PAR: A(r,w) | PIWorld: A(r) |
Paraopeba
DADOS: A(r,w) PIADMIN_CONFIG: A(r,w)

Complexo piadmin: A(r,w) | PIADM_ COMBUSTIVEIS piadmin: A(r,w) | PIADM_ COMBUSTIVEIS


Vargem _VGR: A(r,w) | PIWorld: A(r) | PIADMIN_ _VGR: A(r,w) | PIWorld: A(r) |
Grande DADOS: A(r,w) PIADMIN_CONFIG: A(r,w)

11.20.7. DESCRIPTOR (DESCRIÇÃO DOS TAGS)

A descrição dos tags de processo deverá ser composto de:

Localidade_ÁreaOperacional_Nome do equipamento + Caracter “_”+ Descrição da informação.

Observar as observações do item 1.2.

Exemplos: TQ126C04_Totalizador de Nível


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 195/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Tabela 50: Exemplos de descrição tag de processo

Tag Descrição

IT_PPPE_FQI126C04 Periquito_Posto abast._Bico 4_Totalizador diesel

IT_PPCA_LITTQ9001 Cauê_Posto abast._Totalizador volume abastecido óleo diesel

Para a descrição de tags de escrita no PLC, seguir o padrão dos tags de processo, porém acrescentar no
início da descrição a palavra Escrita.

Tabela 51: Exemplos de descrição escrita no PLC

Tag Descrição

IT_PPPE_JFQI126C04 Escrita_Periquito_Posto abast._Bico 4_Retifica Totalizador diesel

IT_PLCE_JFIQ1680CC02_01 Escrita_ Caue_Posto abast._Retifica Totalizador volume abastecido


óleo diesel

11.20.8. DIGITALSET

O campo digitalset é o nome de uma tabela utilizada para converter os valores armazenados de forma binária
em valor de texto.

Para criação de um digitalset, iniciar a sigla da localidade, conforme item 11.1 deste documento.

Exemplo: IT_EQP_FUNC_LOCAL ou GS_EQP_FUNC_AUTO_LOCAL

11.20.9. DISPLAYDIGITS

O atributo DisplayDigits controla o formato de valores numéricos nas telas e nos relatórios. Acesse o item 11.8
para detalhes.

11.20.10. ENGUNITS (UNIDADE DE ENGENHARIA)

A unidade de engenharia deverá seguir o que está no item 11.6 deste documento. Caso a unidade de
engenharia não esteja listada, informar ao administrador PIMS da localidade para análise e providências.

11.20.11. ATRIBUTOS DE EXCEÇÃO

A configuração dos campos de exceção (excdev, excdevpercent, excmin e excmax), deverá seguir a
orientação do tipo de variável conforme item 11.4 deste documento.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 196/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.20.12. EXDESC (DESCRIÇÃO EXTENDIDA)

Para as localidades que compõe as localidades de Água Limpa, Brucutu e Gongo Soco, converter o valor de
Bitmask para valor máscara de bit. Exemplo: bitmask=0b1011110000000000.

11.20.13. FILTERCODE

O Filtercode indica a constante de tempo de um filtro de primeira ordem utilizada para suavizar a entrada de
dados. Enquanto isso não impacta os dados comprimidos, ela não afeta relatórios de exceção.

Recomenda-se não alterar os dados de entrada, deixando este campo em seu valor padrão de 0.

11.20.14. INSTRUMENTTAG

Esse campo conterá o endereçamento do tag (Item ID) conforme está no OPCServer. Atenção para que a
criação do “Alias” para o endereço do PLC seja feito no OPCServer.

Exemplo: 10_1_18_8.419002

11.20.15. LOCATION 1 (INSTÂNCIA)

Indica quais tags pertence a qual instância. Informar o número da instância da localidade conforme tabela
abaixo.

Tabela 52: ID’s das instâncias de tags de processo

Instância Localidade Descrição

4 Periquito Dados de combustíveis

11 Fazendão Dados de combustíveis

45 Brucutu Dados de Combustíveis

55 Gongo Soco Dados de Combustíveis

65 Água Limpa Dados de Combustíveis

75 Alegria Dados de Combustíveis

85 Timbopeba Dados de Combustíveis

95 Cauê Dados de Combustíveis

105 Conceição 1 Dados de Combustíveis

115 Conceição 2 Dados de Combustíveis


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 197/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.20.16. LOCATION 2 (CONVERSÃO)

O campo indica que haverá um tratamento especial a ser feito, como uma conversão de float32 para float64
por exemplo. Os tipos de conversão a serem usados está explicado com mais detalhes a seguir em “Data
Types”

Location 2 = 0

Indica processamento normal, nenhum tratamento especial é feito.

Location 2 = 1

Se Location 2 = 1, o valor do servidor OPC vai ser lido como uma String e escrito como uma String. Para
tags digitais, isso só vai funcionar se a string lida do servidor OPC for uma correspondência exata para as
strings no Estado Digital Set usado pelo tag. Consulte o Manual de Arquivo de Dados “Data Archive
Manual” para uma discussão completa de conjuntos configurações de Digital State e tags Digital State.

Para tags inteiro e real, definindo Location 2 = 1 fará com que a interface solicite um valor String, e
depois tente traduzir esse valor String em um número.

Location 2 = 2

Se Location 2 é definido como 2 para uma tag Digital, o valor será lido como um valor booleano.
Booleanos tem apenas dois valores possíveis: zero e diferente de zero. Location 2 = 2 só pode ser usado
se o conjunto de estado digital tem apenas dois valores. Da mesma forma, para tags numéricas, qualquer
valor, mas 0 será True (-1), e um valor fora de 0 será False (0). Observe se a receber um booleano do
OPC Server para um tag de dois Estados Digital, esta opção deve ser usada para converter corretamente
o Servidor OPC booleana no Estado Digital PI. Se essa opção não for usada, o tag PI pode obter valores
"bads" para um valor booleano quando é 'True'

Location 2 = 3

Se Location 2 está definido para 3, o valor será lido como um inteiro de 4 bytes. Esta definição está
incluída para acomodar os servidores que não possam enviar o valor como um inteiro de 2 bytes. Isto é
como tags digitais são normalmente ler.

Location 2 = 4

Esta configuração vai fazer com que a interface armazene a qualidade do produto, em vez de o valor.
Isto permite que a interface armazene o valor do item em umtag e a qualidade no outro.

Location 2 = 5

Esta configuração é para números de ponto flutuante. Por padrão, a interface irá solicitar tags reais como
VT_R4 itens (4-byte real). Se Location 2 está definido para 5, a interface irá solicitar tags reais como
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 198/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

VT_R8 itens (8-byte real). Para tags Float32, incluindo todas as tags PI2 reais, valores que não podem
ser enquadrados em um número de ponto flutuante de 32 bits vai perder precisão. Esta configuração está
incluída para permitir o uso de servidores que não se traduzem dados VT_R8 para VT_R4 próprios, ou
para permitir o uso de tags Float32 onde o benefício de uma maior precisão não vale a sobrecarga de
usar tags float64.

Location 2 = 6

Esta configuração permite a leitura timestamps do OPC Server como tags e transforma aquelas tags em
um número de segundos. O tag PI pode ser Int ou Float. O formato da string de timestamp é
especificado no arquivo de inicialização com o parâmetro / TF eo mesmo formato é usado para todas as
tags. Para mais informações sobre este assunto, consulte “Tipos de dados” no manual da interface
OPCINT.

Location 2 = 7

Essa configuração permite a interface ler timestamps do OPC Server como variáveis VT_DATE. Estes
valores podem ser traduzidos em tags timestamp ou passado para PI, como um número de segundos,
adequado para uso em cálculos. Se o valor é traduzido em uma String, o formato de data e hora
especificado com o parâmetro / TF será usado. Para mais informações sobre isso, consulte “Tipos de
dados” no manual da interface OPCINT.

Location 2 = 8

Esta configuração permitirá o servidor determinar o tipo de dados. A interface irá tentar transformar o
valor para o tipo de dados própriodo tag do PI. Isto pode não ser possível em todos os casos, então, use
isso com cautela, e apenas quando o servidor OPC não fornecer dados sem especificar um tipo de
dados. É sempre melhor especificar que tipo de dados será obtido, a menos que o servidor não atenda
essarequisição.

Location 2 > 1024

Quando a DLL de pós-processamento, por exemplo, TimeArray, é utilizado com a interface, fixando
Location 2 a 1024, permite que os dados a serem processados apenas pela DLL. Adicionando qualquer
configuração sobre o location2, que é de 0 a 8, para 1024 permite que as funcionalidades supracitadas
vão ser usados pela DLL. Para mais informações, consulte o manual do “TimeArray plug-in”.

11.20.17. LOCATION 3 (TIPO)

Este campo é utilizado para indicar o tipo de tag:

0 – Polled or Event

1 – Advise
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 199/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

2 – Output

3 – Watchdog used with Failover

4 – Watchdog used with Failover

Os tags colocados na classe de scan = 1 em OPC são advise. Logo, o campo location 3 deve ser configurado
com o valor 1.

Para uma tag Advise, a Interface OPC vai se inscrever para atualizações com a OPC Server, eo servidor OPC
vai enviar um novo valor para a interface, a um ritmo mais frequente do que a taxa de atualização para o
grupo. Para minimizar o "ruído", o Location5 pode ser usado para indicar a "banda morta" ou “deadband”
desejada, se o servidor suportar a funcionalidade. Com uma configuração de banda morta, se a mudança
entre o último valor de leitura e o novo valor é menor do que a faixa morta, o novo valor não é enviado para o
servidor de interface pelo OPC. Este processamento de banda morta, só é válido para os pontos que são
definidos no servidor OPC como analógicos.

O processamento de Deadband é opcional para os servidores sob o padrão OPC, não se esqueça de verificar
se o servidor suporta o processamento de “banda morta” antes de tentar configurar tagsadvise pressupondo
que o processamento de zona morta é suportado. Note que o processamento de zona morta afeta valores
interface recebe. Os valores que a interface envia ao PI,são ainda configurados usando os parâmetros de
exceção para as tags do PI.

11.20.18. LOCATION 4 (CLASSE DE SCAN)

O campo Location 4 define a classe de leitura(busca) dos valores no OPC Server pelo ponto no PI. A classe
de scan determina a frequência com que os pontos de entrada são scanneados para os novos valores. Ela
não pode ser valor negativo.

As atualizações do Servidor OPC vêm em grupos: no start-up, a interface define um grupo sobre o OPC
Server e inclui todos os pontos dentro de uma determinada classe de scan para o grupo.

O Servidor OPC é consultado para todos os pontos dentro de um grupo ao mesmo tempo, por isso alguma
consideração deve ser dada à criação de classes de scan. Ter mais de uma classe de scan com o mesmo
período de verificação é permitido, e utilizando diferentes compensações(offsets) nessas classes de scan
pode melhorar o desempenho.

No entanto, o servidor OPC está no controle de quando ler a fonte de dados, para manter seu cache de dados
atualizado, e especificando as compensações(offsets) podem não ter nenhum efeito sobre quando os dados
são lidos pelo servidor OPC.

A tabela a seguir mostra o número máximo de grupos que podem ser criados:
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 200/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Atenção: Por convenção, a primeira classe de scan é reservada para tags “Advise”. Outras classes de scan
podem também ser usadas para tags “Advise”, mas qualquer tag que usa a primeira classe de scan e não são
advised, não serão polled.

Cada tipo de variável do processo tem a sua frequência necessária de leitura definida conforme Tabela 12. A
tabela apresenta 5 classes de scan para uso em cada tipo variável. Para escolher qual será usada, consultar o
sistema de gerenciamento PIMS disponível no Portal TOp no endereço
http://top/servicos/pi/gerenciamento/apps/default.aspx. Cada classe de scan deverá ter no máximo o número
de tags correspondente ao descrito no capítulo de Balanceamento de carga. Utilizar a classe que tiver
disponibilidade.

Caso todas as classes de scan estejam cheias, consultar o administrator PIMS da localidade para análise e
providênciade outras classes de scan.

11.20.19. LOCATION 5 (BANDA MORTA)

Conforme o padrão do OPC, o processamento de banda morta é opcional para os servidores. Se o OPC
Server não suportar o processamento de banda morta, o ponto PI é atualizado para todas as alteraçõesde
valor no ponto, dependendo dos atributos de exceção especificados para o ponto PI.

Use uma banda morta para reduzir a quantidade de tráfego de rede do OPC Server para a interface PI para
OPC DA. Se a alteração entre o último valor lido e o novo valor for menor que a banda morta, o OPC Server
não enviará o valor para a interface. Para os pontos advise, o atributo location5 especificá um valor de banda
morta para itens analógicos do OPC.

Atenção: Antes de tentar configurár os pontos advise, certifique-se de que o Servidor OPC suporte o
processamento de banda morta.

O processamento de banda morta do servidor OPC não é igual ao processamento de banda morta de exceção
que ocorre entre a interface e o PI Data Archive.

Este atributo só é válido quando o ponto correspondente no servidor OPC está definido em um ponto
Analógico e os campos EuMin e EuMax nos pontos do OPC Server delimitam o intervalo de valores para o
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 201/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

ponto. Estes correspondem aos campos de zero e span em definição do ponto no PI, mas este é
especificamente referindo-se ao ponto de, tal como definido na OPC.

O valor Location5 é uma percentagem do intervalo, medida em centésimos. Por exemplo, se o ponto de
Servidor OPC é definido como analógico com uma EuMin de -10 e uma EuMax de 10, e contém Location5
2500 (sentido 25%), apenas os dados será enviado para o tag do PI, quando a diferença entre o valor novo e
o valor antigo é, pelo menos, 5 (25% de 20 = 5).

11.20.20. POINTID (NÚMERO DO PONTO)

Campo utilizado para identificar o ponto no PI

Corresponde a um número único que identifica o ponto internamente. O PointID nunca é reutilizado, mesmo
quando um ponto é excluído. O PointID é o identificador do ponto PI que é passado como um parâmetro para
a maior parte das funções da API do PI. No manual PI API, este identificador é referido como o número de
pontos, ou PtNum. Esse campo é colocado automaticamente pelo sistema.

11.20.21. POINTSOURCE (ORIGEM DO DADO)

Campo utilizado para identificação da oriente do dado. A identificação do pointsource deverá seguir o que está
no item 11.3 deste documento.

11.20.22. POINTTYPE (TIPO DO PONTO)

Campo utilizado para identificar o tipo do ponto no PI. Consulte o item 11.7 para maiores detalhes.

11.20.23. PTCLASSNAME (CLASSE DO PONTO)

Todos os pontos que serão lidos do OPCServer pertencem a classe “classic”.

11.20.24. RECNO (NÚMERO DO REGISTRO)

O número de registro contém o número de registro primário do ponto no arquivo. Isto é útil quando se utiliza
ferramentas como piartool-aw para examinar os arquivos. RECNO não deve ser confundido com o atributo
PointID. Esse campo é colocado automaticamente pelo sistema.

11.20.25. SCAN (VARREDURA)

Esse atributo indica se a interface irá coletar o dado na origem ou não. Mantenha Scan = 1.

Configure Scan = 0 caso queira parar de ler o valor na origem.


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 202/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.20.26. SHUTDOWN (EVENTO DE DESLIGAMENTO)

Esse atributo permite definir se os tags sofrerão a marcação de “Shutdown” quando o PI Data Archive for
desligado. Configurar os tags para que não tenha marcação. Para isso, manter o valor 0 (zero) no atributo.
Shutdown = 0.

11.20.27. SOURCE TAG (TAG FONTE)

Esse atributo deverá conter o nome de um tag que seja origem para o tag que está sendo configurado.

11.20.28. SRCPTID (ID DO TAG FONTE)

Srcptid é o número correspondente ao ponto PI do tag especificado no atributo SourceTag.

Se este atributo é editado, o PI Data Archive altera o campo SourceTag com o tag correspondente. Não
alterar diretamente o atributo Srcptid; preferir mudar o campo SourceTag. Manter esse campo com valor zero
(0).

11.20.29. SPAN (RANGE)

Diferença entre a ponta superior e inferior do intervalo. Necessário para todos os pontos de tipos de dados
numéricos.

11.20.30. STEP (CURVA)

Esse atributo define como será a curva da informação e o modo de cálculo para os tags. Caso o valor seja 0
(zero), o dado poderá ser interpolado. Caso seja igual a 1 (um), o valor não poderá ser interpolado.

Utilize o valor de Step = 0 para tags analógicos de processo, exceto tags totalizadores.

Utilize o valor de Step = 1 para tags digitais de processo e tags totalizadores.

11.20.31. TYPICALVALUE (VALOR DESEJÁVEL)

Documenta um exemplo de um valor razoável para esse ponto. Para o tag numérico, esse valor deve ser
superior ou igual ao valor Zero, e inferior ou igual ao valor Zero mais o valor Span.

11.20.32. ZERO (VALOR MÍNIMO)

Menor valor possível do ponto. Localmente, é possível definir como o mesmo valor do zero do instrumento.

Necessário para todos os pontos de tipos de dados numéricos; crítico para pontos float16.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 203/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.20.33. TOTALCODE E SQUAREROOT (TRANSFORMAÇÃO E ESCALA)

Enquanto os servidores OPC podem executar suas próprias transformações e de escala, alguns usuários
descobriram que as funções desejadas não são preenchidos por seu servidor. Neste caso, configure os
pontos PI e então, a interface irá executar transformações e escala. Note-se que a transformação e escala
acontece antes de o valor ser comparado com os parâmetros de exceção para o tag , de modo que os
parâmetros são aplicados aos valores que seriam enviados ao PI, ao invés de para o valor bruto.

Escala:

Escalonar é complexo e é controlado pelas propriedades TotalCode e SquareRoot da tag. Uma vez que
estamos limitados no que podemos obter informações sobre o tag , o atributo Convers é usado para
transportar o Span do dispositivo, eo ExDesc faz mais dever de levar a Zero dispositivo (Dzero). A interface
pode então traduzir um valor de escala do que o dispositivo pode enviar para a escala da tag real.

Se TotalCode é zero, o escalonamento realizado é baseado apenas no valor de SquareRoot. Se SquareRoot


é um 1, o valor lido será quadrado antes de enviá-lo para PI, e por um valor de saída a raiz quadrada será
tomada antes de escrever para o dispositivo. Se SquareRoot é um 2, acontece o contrário: para os valores
lidos a partir do dispositivo, a raiz quadrada do valor de leitura será enviada a PI, enquanto que os valores de
saída serão quadrados antes de enviá-los para o dispositivo.

Se TotalCode é diferente de zero, algum outro escalonamento pode ser executado, ou para transformar o
valor lido na outra escala de medição ou para aplicar um fator de deslocamento ou de conversão. Assim como
o valor armazenado nas faixas de tag (Zero) a (Zero + Span), assim também os valores lidos ou gravados no
dispositivo podem variar de (Dzero) a (DZero + Convers). Isto permite que o valor armazenado no PI para ser
uma simples transformação de uma dimensão para outra. O atributo SquareRoot pode ser usado para
especificar que a raiz quadrada ou quadrada do valor deve ser utilizado em vez do valor propriamente dito. Em
outros casos, o valor de Convers pode ser adicionado ou subtraído do valor, ou podem ser usadas como um
multiplicador, ou aplicado como uma máscara de bit. Novamente, o atributo pode especificar SquareRoot
usando a raiz quadrada ou quadrada do valor, em vez do valor bruto, como a entrada para a fórmula.

Escalonamento é suportado apenas por tags numéricas. O tag pode ser definida em PI como um número, mas
o OPC Server lê e escreve o item como uma string, e essas tags fariam escala. Mas, se o tag do PI é definida
como uma cadeia de caracteres, qualquer escalonamento será ignorado.

A Tabela 53 inclui todas as fórmulas atualmente utilizadas em escala. Se SquareRoot é 1 ou 2, ou a raiz


quadrada do valor do quadrado será calculado em primeiro lugar, e, em seguida, a fórmula será aplicada.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 204/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Tabela 53: Tabela de conversão

Convers TotalCode SquareRoot Dzero Operation

0 0 0 Don't care Value = value

0 0 1 Don't care Input tags:


Value = (Value)2
Output tags:
Value = (Value)0.5

0 0 2 Don't care Input tags:


Value = (Value)0.5
Output tags:
Value = (Value)2

Not 0 1 0 Defined Input tags:


Value = [ (Value – Dzero) / Convers ] *
Span + Zero
Output tags:
Value = [ (Value – Zero) / Span] *
Convers + Dzero

Not 0 1 1 Defined Input tags:


Value = [ ((Value)2 – Dzero) / Convers ]
* Span + Zero
Output tags:
Value = [ ((Value)0.5 – Zero) / Span] *
Convers + Dzero

Not 0 1 2 Defined Input tags:


Value = [ ((Value)0.5 – Dzero) / Convers ]
* Span + Zero
Output tags:
Value = [ ((Value)2 – Zero) / Span] *
Convers + Dzero

Not 0 2 0 Don't care Input tags:


Value = Value * Convers
Output tags:
Value = Value / Convers

Not 0 2 1 Don't care Input tags:


Value = (Value)2 * Convers
Output tags:
Value = (Value)0.5 / Convers

Not 0 2 2 Don't care Input tags:


Value = (Value)0.5 * Convers
Output tags:
Value = (Value)2 / Convers

Not 0 3 0 Defined Input tags:


Value = (Value / Convers) – Dzero
Output tags:
Value = (Value + Dzero) * Convers
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 205/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Convers TotalCode SquareRoot Dzero Operation

Not 0 3 1 Defined Input tags:


Value = ((Value)2 / Convers) – Dzero
Output tags:
Value = ((Value)0.5 + Dzero) * Convers

Not 0 3 2 Defined Input tags:


Value = ((Value)0.5 / Convers) – Dzero
Output tags:
Value = ((Value)2 + Dzero) * Convers

Not 0 4 0 Defined Input tags:


Value = (Value – Dzero)/ Convers
Output tags:
Value = (Value * Convers) + Dzero

Not 0 4 1 Defined Input tags:


Value = ((Value)2 – Dzero)/ Convers
Output tags:
Value = ((Value)0.5 * Convers) + Dzero

Not 0 4 2 Defined Input tags:


Value = ((Value)0.5 – Dzero)/ Convers
Output tags:
Value = ((Value)2 * Convers) + Dzero

Not 0 5 0 Don't care Input tags:


Value = Value + Convers
Output tags:
Value = Value – Convers

Not 0 5 1 Don't care Input tags:


Value = (Value)2 + Convers
Output tags:
Value = (Value)0.5 – Convers

Not 0 5 2 Don't care Input tags:


Value = (Value)0.5 + Convers
Output tags:
Value = (Value)2 – Convers

Not 0 6 Don't care Don't care Input tags:


Value = Value AND Convers
Output tags:
Value = Value AND Convers

Not 0 7 Don't care Don't care Input tags:


Value = Value OR Convers
Output tags:
Value = Value OR Convers

Not 0 8 Don't care Don't care Input tags:


Value = Value XOR Convers
Output tags:
Value = ValueXOR Convers
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 206/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.20.34. USERINT

PI reserva estes quatro atributos para aplicativos do usuário. A maioria dos aplicativos PI não usá-los
atributos. UserInt1 e UserInt2 são inteiros de 32 bits. UserReal1 e UserReal2 são 32-bit números de ponto
flutuante.

11.21. TAGS DE CONTROLE PID

Os tags de controle PID também são tags cuja fonte de dados são os servidores OPC. Os pontos que
representam dados de uma interface do PI sempre estão na classe do ponto Classic. As classes do ponto do
PI padrão são:

11.21.1. NOME DO TAG

Cada tag possui um nome que é fundamental para execução de qualquer consulta de dados no sistema PI. O
nome nada mais é que a identificação de cada variável cadastrada no sistema.

A composição do “nome do tag” possui um prefixo composto por dois caracteres acompanhado de underline
que serve de separador acompanhado de um sufixo composto por um conjunto de caracteres que tem como
finalidade identificar a origem do dado. O sufixo dos tags de processo acompanham a padronização de tags
do PLC e do supervisório para o caso de tags de processo.

O tag possui um nome composto por um agrupamento de mnemônicos respeitando a seguinte regra:

XX_YYYY_MMMM onde:
 XX: (Prefixo) Sigla da localidade;
 _Caractere separador;
 YYYY: (Sufixo) Nome dotagem sua origem (Equipamento - Padrão ISA d5.1)
 MMMM: Estado da Malha (JSP, JSPY, JSD,) sempre acompanhado do número sequencial

Exemplo: CE_FIC3093_JSPY1

 CE = Localidade de Conceição I
 _ = Caractere Separador
 FIC3093 = Mnemônico de controle (Controle de Indicador de Vazão) e em sua origem
 JSPY = Representação da malha, acompanhado do número seqüencial
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 207/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.21.2. ARCHIVING (ARQUIVAR)

Esse atributo indica se o valor do tag será gravado (historiado) ou não. Por padrão, manter o campo ligado
Archiving = 1, o que indica que o dado será historiado. Desligar (Archiving = 0) caso deseje manter o valor
apenas em memória (Snapshot).

11.21.3. CHANGE DATE, CHANGER, CREATIONDATE E CREATOR

O valor desses atributos é configurado automaticamente pelo sistema PI e indicam a data de modificação do
tag (change date), quem realizou a mudança (changer), quando o tag foi criado (creationdate) e por quem
(creator)

11.21.4. ATRIBUTOS DE COMPRESSÃO

A configuração dos campos de compressão (compdev, compdevpercent, compmin, compmax e compressing),


deverá seguir a orientação do tipo de variável conforme item 11.4 deste documento.

11.21.5. CONVERS (CONVERSÃO)

Caso seja necessária a conversão do valor da origem, o campo “Convers” deverá ser usado. Atenção: A
conversão é diretamente afetada pelo campo “Span”.

11.21.6. DATASECURITY E PTSECURITY (SEGURANÇA DOS DADOS E DOS PONTOS)

A configuração dos campos de segurança dos dados (DataSecurity) e de segurança do ponto


(PtSecurity)deverá ser feita conforme a área de atuação dos administradores do sistema PI. Veja na tabela a
seguir, a configuração que deve ser feita para os tags de processo.

Tabela 54: Segurança dos dados e pontos

Localidade datasecurity ptsecurity

piadmin: A(r,w) | PIADM_PROCESSO_IT: piadmin: A(r,w) | PIADM_PROCESSO_IT:


Complexo
A(r,w) | PIWorld: A(r) | PIADMIN_DADOS: A(r,w) | PIWorld: A(r) |
Itabira
A(r,w) PIADMIN_CONFIG: A(r,w)

piadmin: A(r,w) | PIADM_PROCESSO_MR: piadmin: A(r,w) | PIADM_PROCESSO_MR:


Complexo
A(r,w) | PIWorld: A(r) | PIADMIN_DADOS: A(r,w) | PIWorld: A(r) |
Mariana
A(r,w) PIADMIN_CONFIG: A(r,w)

piadmin: A(r,w) | piadmin: A(r,w) |


Complexo
PIADM_PROCESSO_PAR: A(r,w) | PIADM_PROCESSO_PAR: A(r,w) |
Paraopeba
PIWorld: A(r) | PIADMIN_DADOS: A(r,w) PIWorld: A(r) | PIADMIN_CONFIG: A(r,w)

Complexo piadmin: A(r,w) | piadmin: A(r,w) |


Vargem PIADM_PROCESSO_VGR: A(r,w) | PIADM_PROCESSO_VGR: A(r,w) |
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 208/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Grande PIWorld: A(r) | PIADMIN_DADOS: A(r,w) PIWorld: A(r) | PIADMIN_CONFIG: A(r,w)

11.21.7. DESCRIPTOR (DESCRIÇÃO DOS TAGS)

A descrição dos tags de processo deverá ser composto de:

Área Operacional + Caracter “_” + Subárea + Caracter “_” + Nome do equipamento + Caracter “_” + Descrição
da informação.

Exemplos: Britagem_BlocoII_Britador_Ventilador Linha A

Britagem_BlocoII_Britador_Ventilador Linha B.

Tabela 55: Exemplos de descrição tag de processo

Tag Descrição

CE_BR2002_05_JSP1 Britagem_BlocoII_Britador_Set Pointdo Ventilador Linha A

CE_BR2002_06_JSP1 Britagem_BlocoII_Britador_ Set Point do Ventilador Linha B

11.21.8. DIGITALSET

O campo digitalset é o nome de uma tabela utilizada para converter os valores armazenados de forma binária
em valor de texto.

Para criação de um digitalset, iniciar a sigla da localidade, conforme item 11.1 deste documento.

Exemplo: IT_EQP_FUNC_LOCAL ou GS_EQP_FUNC_AUTO_LOCAL

11.21.9. DISPLAYDIGITS

O atributo DisplayDigits controla o formato de valores numéricos nas telas e nos relatórios. Acesse o item 11.8
para detalhes.

11.21.10. ENGUNITS (UNIDADE DE ENGENHARIA)

A unidade de engenharia deverá seguir o que está no item 11.6 deste documento. Caso a unidade de
engenharia não esteja listada, informar ao administrador PIMS da localidade para análise e providências.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 209/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

11.21.11. ATRIBUTOS DE EXCEÇÃO

A configuração dos campos de exceção (excdev, excdevpercent, excmin e excmax), deverá seguir a
orientação do tipo de variável conforme item 11.4 deste documento.

11.21.12. EXDESC (DESCRIÇÃO EXTENDIDA)

Deverá ser informado no campo de descrição estendida dos tags de processo, o valor de máscara de bit
(bitmask) a ser utilizado para conversão dos bits dos tags digitais. Para as localidades que compõe os
complexos de Itabira e Mariana, converter o valor de Bitmask para valor decimal. Exemplo: Bitmask=47104.

Para as localidades de Água Limpa e Brucutu, converter o valor de Bitmask para valor máscara de bit.
Exemplo: bitmask=0b1011110000000000.

11.21.13. FILTERCODE

O Filtercode indica a constante de tempo de um filtro de primeira ordem utilizados para suavizar a entrada de
dados. Enquanto isso não impacta os dados comprimidos, ela não afeta relatórios de exceção.

Recomenda-se não alterar os dados de entrada, deixando este campo em seu valor padrão de 0.

11.21.14. INSTRUMENTTAG

Esse campo conterá o endereçamento do tag (Item ID) conforme está no OPCServer. Atenção para que a
criação do “Alias” para o endereço do PLC seja feito no OPCServer.

Exemplo: 10_1_18_8.419002

11.21.15. LOCATION 1 (INSTÂNCIA)

Indica quais tags pertence a qual instância. Informar o número da instância da localidade conforme tabela
abaixo.

Tabela 56: ID’s das instâncias de tags de processo

Instância Localidade Descrição

11 Vago Vago

21 Vago Vago

41, 42, 43, 44 Brucutu Dados de Processo

51, 52, 53, 54 Gongo Soco Dados de Processo

61, 62, 63, 64 Água Limpa Dados de Processo


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 210/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

71, 72, 73, 74 Alegria Dados de Processo

81, 82, 83, 84 Timbopeba Dados de Processo

91, 92, 93, 94 Cauê Dados de Processo

Instância Localidade Descrição

101, 102, 103, 104 Conceição I Dados de Processo

111, 112, 113, 114 Conceição II Dados de Processo

131, 132, 133, 134 Itabira Dados de Subestação

201, 202, 203, 204 Capitão do Mato Dados de Processo

211, 212, 213, 214 Mutuca Dados de Processo

221, 222, 223, 224 Vargem Grande 1 Dados de Processo

231, 232, 233, 234 Vargem Grande 2 Dados de Processo

241, 242, 243, 244 Fábrica Dados de Processo

251, 252, 253, 254 Córrego do Feijão Dados de Processo

261, 262, 263, 264 Pico Dados de Processo

271, 272, 273, 274 Terminal Ferroviário Andaime Dados de Processo

281, 282, 283, 284 Terminal Ferroviário Olhos DÁgua Dados de Processo

11.21.1. LOCATION 2 (CONVERSÃO)

O campo indica que haverá um tratamento especial a ser feito, como uma conversão de float32 para float64
por exemplo. Os tipos de conversão a serem usados está explicado com mais detalhes a seguir em “Data
Types”

Location 2 = 0

Indica processamento normal, nenhum tratamento especial é feito.

Location 2 = 1

Se Location 2 = 1, o valor do servidor OPC vai ser lido como uma String e escrito como uma String. Para
tags digitais, isso só vai funcionar se a string lida do servidor OPC for uma correspondência exata para as
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 211/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

strings no Estado Digital Set usado pelo tag. Consulte o Manual de Arquivo de Dados “Data Archive
Manual” para uma discussão completa de conjuntos configurações de Digital State e tags Digital State.

Para tags inteiro e real, definindo Location 2 = 1 fará com que a interface solicite um valor String, e
depois tente traduzir esse valor String em um número.

Location 2 = 2

Se Location 2 é definido como 2 para uma tag Digital, o valor será lido como um valor booleano.
Booleanos tem apenas dois valores possíveis: zero e diferente de zero. Location 2 = 2 só pode ser usado
se o conjunto de estado digital tem apenas dois valores. Da mesma forma, para tags numéricas, qualquer
valor, mas 0 será True (-1), e um valor fora de 0 será False (0). Observe se a receber um booleano do
OPC Server para um tag de dois Estados Digital, esta opção deve ser usada para converter corretamente
o Servidor OPC booleana no Estado Digital PI. Se essa opção não for usada, o tag PI pode obter valores
"bads" para um valor booleano quando é 'True'

Location 2 = 3

Se Location 2 está definido para 3, o valor será lido como um inteiro de 4 bytes. Esta definição está
incluída para acomodar os servidores que não possam enviar o valor como um inteiro de 2 bytes. Isto é
como tags digitais são normalmente ler.

Location 2 = 4

Esta configuração vai fazer com que a interface armazene a qualidade do produto, em vez de o valor.
Isto permite que a interface armazene o valor do item em umtag e a qualidade no outro.

Location 2 = 5

Esta configuração é para números de ponto flutuante. Por padrão, a interface irá solicitar tags reais como
VT_R4 itens (4-byte real). Se Location2 está definido para 5, a interface irá solicitar tags reais como
VT_R8 itens (8-byte real). Para tags Float32, incluindo todas as tags PI2 reais, valores que não podem
ser enquadrados em um número de ponto flutuante de 32 bits vai perder precisão. Esta configuração está
incluída para permitir o uso de servidores que não se traduzem dados VT_R8 para VT_R4 próprios, ou
para permitir o uso de tags Float32 onde o benefício de uma maior precisão não vale a sobrecarga de
usar tags float64.

Location 2 = 6

Esta configuração permite a leitura timestamps do OPC Server como tags e transforma aquelas tags em
um número de segundos. O tag PI pode ser Int ou Float. O formato da string de timestamp é especificado
no arquivo de inicialização com o parâmetro / TF eo mesmo formato é usado para todas as tags. Para
mais informações sobre este assunto, consulte “Tipos de dados” no manual da interface OPCINT.

Location 2 = 7
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 212/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Essa configuração permite a interface ler timestamps do OPC Server como variáveis VT_DATE. Estes
valores podem ser traduzidos em tags timestamp ou passado para PI, como um número de segundos,
adequado para uso em cálculos. Se o valor é traduzido em uma String, o formato de data e hora
especificado com o parâmetro / TF será usado. Para mais informações sobre isso, consulte “Tipos de
dados” no manual da interface OPCINT.

Location 2 = 8

Esta configuração permitirá o servidor determinar o tipo de dados. A interface irá tentar transformar o
valor para o tipo de dados própriodo tag do PI. Isto pode não ser possível em todos os casos, então, use
isso com cautela, e apenas quando o servidor OPC não fornecer dados sem especificar um tipo de
dados. É sempre melhor especificar que tipo de dados será obtido, a menos que o servidor não atenda
essarequisição.

Location 2 > 1024

Quando a DLL de pós-processamento, por exemplo, TimeArray, é utilizado com a interface, fixando
Location 2 a 1024, permite que os dados a serem processados apenas pela DLL. Adicionando qualquer
configuração sobre o location2, que é de 0 a 8, para 1024 permite que as funcionalidades
supracitadasvão ser usados pela DLL. Para mais informações, consulte o manual do “TimeArray plug-in”.

11.21.2. LOCATION 3 (TIPO)

Este campo é utilizado para indicar o tipo de tag:

0 – Polled or Event

1 – Advise

2 – Output

3 – Watchdog sondado usado com o failover no nível do servidor

4 – Watchdog de advise usado com o failover no nível do servidor

Os tags colocados na classe de scan = 1 em OPC são advise. Logo, o campo location 3 deve ser configurado
com o valor 1.

Para uma tag Advise, a Interface OPC vai se inscrever para atualizações com a OPC Server, eo servidor OPC
vai enviar um novo valor para a interface, a um ritmo mais frequente do que a taxa de atualização para o
grupo. Para minimizar o "ruído", o Location5 pode ser usado para indicar a "banda morta" ou “deadband”
desejada, se o servidor suportar a funcionalidade. Com uma configuração de banda morta, se a mudança
entre o último valor de leitura e o novo valor é menor do que a faixa morta, o novo valor não é enviado para o
servidor de interface pelo OPC. Este processamento de banda morta, só é válido para os pontos que são
definidos no servidor OPC como analógicos.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 213/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

O processamento de Deadband é opcional para os servidores sob o padrão OPC, não se esqueça de verificar
se o servidor suporta o processamento de “banda morta” antes de tentar configurar tagsadvise pressupondo
que o processamento de zona morta é suportado. Note que o processamento de zona morta afeta valores
interface recebe. Os valores que a interface envia ao PI,são ainda configurados usando os parâmetros de
exceção para as tags do PI.

11.21.3. LOCATION 4 (CLASSE DE SCAN)

O campo Location 4 define a classe de leitura(busca) dos valores no OPC Server pelo ponto no PI. A classe
de scan determina a frequência com que os pontos de entrada são scanneados para os novos valores. Ela
não pode ser valor negativo.

As atualizações do Servidor OPC vêm em grupos: no start-up, a interface define um grupo sobre o OPC
Server e inclui todos os pontos dentro de uma determinada classe de scan para o grupo.

O Servidor OPC é consultado para todos os pontos dentro de um grupo ao mesmo tempo, por isso alguma
consideração deve ser dada à criação de classes de scan. Ter mais de uma classe de scan com o mesmo
período de verificação é permitido, e utilizando diferentes compensações(offsets) nessas classes de scan
pode melhorar o desempenho.

No entanto, o servidor OPC está no controle de quando ler a fonte de dados, para manter seu cache de dados
atualizado, e especificando as compensações(offsets) podem não ter nenhum efeito sobre quando os dados
são lidos pelo servidor OPC.

A tabela a seguir mostra o número máximo de grupos que podem ser criados:

Atenção: Por convenção, a primeira classe de scan é reservada para tags “Advise”. Outras classes de scan
podem também ser usadas para tags “Advise”, mas qualquer tag que usa a primeira classe de scan e não são
advised, não serão polled.

Cada tipo de variável do processo tem a sua frequência necessária de leitura definida conforme Tabela 12. A
tabela apresenta 5 classes de scan para uso em cada tipo variável. Para escolher qual será usada, consultar o
sistema de gerenciamento PIMS disponível no Portal TOp no endereço
http://top/servicos/pi/gerenciamento/apps/default.aspx. Cada classe de scan deverá ter no máximo o número
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 214/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

de tags correspondente ao descrito no capítulo de Balanceamento de carga. Utilizar a classe que tiver
disponibilidade.

Caso todas as classes de scan estejam cheias, consultar o administrator PIMS da localidade para análise e
providênciade outras classes de scan.

11.21.4. LOCATION 5 (BANDA MORTA)

Conforme o padrão do OPC, o processamento de banda morta é opcional para os servidores. Se o OPC
Server não suportar o processamento de banda morta, o ponto PI é atualizado para todas as alteraçõesde
valor no ponto, dependendo dos atributos de exceção especificados para o ponto PI.

Use uma banda morta para reduzir a quantidade de tráfego de rede do OPC Server para a interface PI para
OPC DA. Se a alteração entre o último valor lido e o novo valor for menor que a banda morta, o OPC Server
não enviará o valor para a interface. Para os pontos advise, o atributo location5 especificá um valor de banda
morta para itens analógicos do OPC.

Atenção: Antes de tentar configurár os pontos advise, certifique-se de que o Servidor OPC suporte o
processamento de banda morta.

O processamento de banda morta do servidor OPC não é igual ao processamento de banda morta de exceção
que ocorre entre a interface e o PI Data Archive.

Este atributo só é válido quando o ponto correspondente no servidor OPC está definido em um ponto
Analógico e os campos EuMin e EuMax nos pontos do OPC Server delimitam o intervalo de valores para o
ponto. Estes correspondem aos campos de zero e span em definição do ponto no PI, mas este é
especificamente referindo-se ao ponto de, tal como definido na OPC.

O valor Location5 é uma percentagem do intervalo, medida em centésimos. Por exemplo, se o ponto de
Servidor OPC é definido como analógico com uma EuMin de -10 e uma EuMax de 10, e contém Location5
2500 (sentido 25%), apenas os dados será enviado para o tag do PI, quando a diferença entre o valor novo e
o valor antigo é, pelo menos, 5 (25% de 20 = 5).

11.21.5. POINTID (NÚMERO DO PONTO)

Campo utilizado para identificar o ponto no PI

Corresponde a um número único que identifica o ponto internamente. O PointID nunca é reutilizado, mesmo
quando um ponto é excluído. O PointID é o identificador do ponto PI que é passado como um parâmetro para
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 215/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

a maior parte das funções da API do PI. No manual PI API, este identificador é referido como o número de
pontos, ou PtNum. Esse campo é colocado automaticamente pelo sistema.

11.21.6. POINTSOURCE (ORIGEM DO DADO)

Campo utilizado para identificação da oriente do dado. A identificação do pointsource deverá seguir o que está
no item 11.3 deste documento.

11.21.7. POINTTYPE (TIPO DO PONTO)

Campo utilizado para identificar o tipo do ponto no PI. Consulte o item 11.7 para maiores detalhes.

11.21.8. PTCLASSNAME (CLASSE DO PONTO)

Todos os pontos que serão lidos do OPCServer pertencem a classe “classic”.

11.21.9. RECNO (NÚMERO DO REGISTRO)

O número de registro contém o número de registro primário do ponto no arquivo. Isto é útil quando se utiliza
ferramentas como piartool-aw para examinar os arquivos. RECNO não deve ser confundido com o atributo
PointID. Esse campo é colocado automaticamente pelo sistema.

11.21.10. SCAN (VARREDURA)

Esse atributo indica se a interface irá coletar o dado na origem ou não. Mantenha Scan = 1.

Configure Scan = 0 caso queira parar de ler o valor na origem.

11.21.11. SHUTDOWN (EVENTO DE DESLIGAMENTO)

Esse atributo permite definir se os tags sofrerão a marcação de “Shutdown” quando o PI Data Archive for
desligado. Configurar os tags para que não tenha marcação. Para isso, manter o valor 0 (zero) no atributo.
Shutdown = 0.

11.21.12. SOURCE TAG (TAG FONTE)

Esse atributo deverá conter o nome de um tag que seja origem para o tag que está sendo configurado.

11.21.13. SRCPTID (ID DO TAG FONTE)

Srcptid é o número correspondente ao ponto PI do tag especificado no atributo SourceTag.


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 216/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Se este atributo é editado, o PI Data Archive altera o campo SourceTag com o tag correspondente. Não
alterar diretamente o atributo Srcptid; preferir mudar o campo SourceTag. Manter esse campo com valor zero
(0).

11.21.14. SPAN (RANGE)

Diferença entre a ponta superior e inferior do intervalo. Necessário para todos os pontos de tipos de dados
numéricos.

11.21.15. STEP (CURVA)

Esse atributo define como será a curva da informação e o modo de cálculo para os tags. Caso o valor seja 0
(zero), o dado poderá ser interpolado. Caso seja igual a 1 (um), o valor não poderá ser interpolado.

Utilize o valor de Step = 0 para tags analógicos de processo, exceto tags totalizadores.

Utilize o valor de Step = 1 para tags digitais de processo e tags totalizadores.

11.21.16. TYPICALVALUE (VALOR DESEJÁVEL)

Documenta um exemplo de um valor razoável para esse ponto. Para o tag numérico, esse valor deve ser
superior ou igual ao valor Zero, e inferior ou igual ao valor Zero mais o valor Span.

11.21.17. ZERO (VALOR MÍNIMO)

Menor valor possível do ponto. Localmente, é possível definir como o mesmo valor do zero do instrumento.

Necessário para todos os pontos de tipos de dados numéricos; crítico para pontos float16.

11.21.18. TOTALCODE E SQUAREROOT (TRANSFORMAÇÃO E ESCALA)

Enquanto os servidores OPC podem executar suas próprias transformações e de escala, alguns usuários
descobriram que as funções desejadas não são preenchidos por seu servidor. Neste caso, configure os
pontos PI e então, a interface irá executar transformações e escala. Note-se que a transformação e escala
acontece antes de o valor ser comparado com os parâmetros de exceção para o tag , de modo que os
parâmetros são aplicados aos valores que seriam enviados ao PI, ao invés de para o valor bruto.

Escala:

Escalonar é complexo e é controlado pelas propriedades TotalCode e SquareRoot da tag. Uma vez que
estamos limitados no que podemos obter informações sobre o tag , o atributo Convers é usado para
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 217/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

transportar o Span do dispositivo, eo ExDesc faz mais dever de levar a Zero dispositivo (Dzero). A interface
pode então traduzir um valor de escala do que o dispositivo pode enviar para a escala da tag real.

Se TotalCode é zero, o escalonamento realizado é baseado apenas no valor de SquareRoot. Se SquareRoot


é um 1, o valor lido será quadrado antes de enviá-lo para PI, e por um valor de saída a raiz quadrada será
tomada antes de escrever para o dispositivo. Se SquareRoot é um 2, acontece o contrário: para os valores
lidos a partir do dispositivo, a raiz quadrada do valor de leitura será enviada a PI, enquanto que os valores de
saída serão quadrados antes de enviá-los para o dispositivo.

Se TotalCode é diferente de zero, algum outro escalonamento pode ser executado, ou para transformar o
valor lido na outra escala de medição ou para aplicar um fator de deslocamento ou de conversão. Assim como
o valor armazenado nas faixas de tag (Zero) a (Zero + Span), assim também os valores lidos ou gravados no
dispositivo podem variar de (Dzero) a (DZero + Convers). Isto permite que o valor armazenado no PI para ser
uma simples transformação de uma dimensão para outra. O atributo SquareRoot pode ser usado para
especificar que a raiz quadrada ou quadrada do valor deve ser utilizado em vez do valor propriamente dito. Em
outros casos, o valor de Convers pode ser adicionado ou subtraído do valor, ou podem ser usadas como um
multiplicador, ou aplicado como uma máscara de bit. Novamente, o atributo pode especificar SquareRoot
usando a raiz quadrada ou quadrada do valor, em vez do valor bruto, como a entrada para a fórmula.

Escalonamento é suportado apenas por tags numéricas. O tag pode ser definida em PI como um número, mas
o OPC Server lê e escreve o item como uma string, e essas tags fariam escala. Mas, se o tag do PI é definido
como uma cadeia de caracteres, qualquer escalonamento será ignorado.

A Tabela 25 inclui todas as fórmulas atualmente utilizadas em escala. Se SquareRoot é 1 ou 2, ou a raiz


quadrada do valor do quadrado será calculado em primeiro lugar, e, em seguida, a fórmula será aplicada.

Tabela 57: Tabela de conversão

Convers TotalCode SquareRoot Dzero Operation

0 0 0 Don't care Value = value

Input tags:
Value = (Value)2
0 0 1 Don't care Output tags:
Value = (Value)0.5

Input tags:
Value = (Value)0.5
0 0 2 Don't care
Output tags:
Value = (Value)2
Input tags:
Value = [ (Value – Dzero) / Convers ] *
Not 0 1 0 Defined
Span + Zero
Output tags:
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 218/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Value = [ (Value – Zero) / Span] *


Convers + Dzero
Input tags:
Value = [ ((Value)2 – Dzero) / Convers ] *
Span + Zero
Not 0 1 1 Defined
Output tags:
Value = [ ((Value)0.5 – Zero) / Span] *
Convers + Dzero

Input tags:
Value = [ ((Value)0.5 – Dzero) / Convers ]
* Span + Zero
Not 0 1 2 Defined
Output tags:
Value = [ ((Value)2 – Zero) / Span] *
Convers + Dzero

Convers TotalCode SquareRoot Dzero Operation

Input tags:
Value = Value * Convers
Not 0 2 0 Don't care
Output tags:
Value = Value / Convers

Input tags:
Value = (Value)2 * Convers
Not 0 2 1 Don't care
Output tags:
Value = (Value)0.5 / Convers

Input tags:
Value = (Value)0.5 * Convers
Not 0 2 2 Don't care
Output tags:
Value = (Value)2 / Convers

Input tags:
Value = (Value / Convers) – Dzero
Not 0 3 0 Defined Output tags:
Value = (Value + Dzero) * Convers

Input tags:
Value = ((Value)2 / Convers) – Dzero
Not 0 3 1 Defined
Output tags:
Value = ((Value)0.5 + Dzero) * Convers

Input tags:
Value = ((Value)0.5 / Convers) – Dzero
Not 0 3 2 Defined
Output tags:
Value = ((Value)2 + Dzero) * Convers

Input tags:
Value = (Value – Dzero)/ Convers
Not 0 4 0 Defined
Output tags:
Value = (Value * Convers) + Dzero

Input tags:
Not 0 4 1 Defined Value = ((Value)2 – Dzero)/ Convers
Output tags:
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 219/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Value = ((Value)0.5 * Convers) + Dzero

Input tags:
Value = ((Value)0.5 – Dzero)/ Convers
Not 0 4 2 Defined
Output tags:
Value = ((Value)2 * Convers) + Dzero

Input tags:
Value = Value + Convers
Not 0 5 0 Don't care
Output tags:
Value = Value – Convers

Input tags:
Value = (Value)2 + Convers
Not 0 5 1 Don't care
Output tags:
Value = (Value)0.5 – Convers

Convers TotalCode SquareRoot Dzero Operation

Input tags:
Value = (Value)0.5 + Convers
Not 0 5 2 Don't care
Output tags:
Value = (Value)2 – Convers

Input tags:
Value = Value AND Convers
Not 0 6 Don't care Don't care
Output tags:
Value = Value AND Convers

Input tags:
Value = Value OR Convers
Not 0 7 Don't care Don't care
Output tags:
Value = Value OR Convers

Input tags:
Value = Value XOR Convers
Not 0 8 Don't care Don't care
Output tags:
Value = ValueXOR Convers

11.21.19. USERINT

PI reserva estes quatro atributos para aplicativos do usuário. A maioria dos aplicativos PI não usá-los
atributos. UserInt1 e UserInt2 são inteiros de 32 bits. UserReal1 e UserReal2 são 32-bit números de ponto
flutuante.

11.22. TAGS DE IORATES

Esses tags são criados para cada interface que compõe o módulo do sistema PI para acompanhamento da
taxa de coleta de cada interface.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 220/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Os únicos atributos que serão alterados são Nome do Tag, descrição, segurança do dado e do ponto. Os
demais atributos serão mantidos como padrão do sistema.

11.22.1. NOME DO TAG

A composição do “nome do tag” possui um prefixo composto por dois caracteres que representam a sigla da
localidade citado no item 11.1 acompanhado de underline usado como separador, acompanhado do nome
padrão do tag de Health Points.

O significado de cada função de tag IORATES pode ser encontrada no manual UNIINT que fica em cada
máquina de interface.

Exemplo:

AL_sy.io.TAALGPI01.opcint71

 AL = Sigla da localidade

 _ = Caractere Separador

 sy.io.TAALGPI01.opcint71 = informação padrão

11.22.2. DATASECURITY E PTSECURITY (SEGURANÇA DOS DADOS E DOS PONTOS)

A configuração dos campos de segurança dos dados (DataSecurity) e de segurança do ponto


(PtSecurity)deverá ser feita conforme tabela:

Tabela 58: Segurança dos dados e pontos

Localidade datasecurity ptsecurity

piadmin: A(r,w) | PIADM_IORATES:


piadmin: A(r,w) | PIADM_IORATES: A(r,w)
Todas A(r,w) | PIWorld: A(r) |
| PIWorld: A(r) | PIADMIN_DADOS: A(r,w)
PIADMIN_CONFIG: A(r,w)

11.22.3. DESCRIÇÃO DOS TAGS

A descrição dos tags deverá ser composto de: Unidade Operacional + Caracter “_” + Descrição da aplicação
da máquina + Caracter “_” + Código de iorate + Caracter “_” + Descrição da informação.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 221/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Tabela 59: Exemplos de descrição

Tag Descrição

Alegria_Gateway PI-OPC_opcint71 interface IORates - taxa de tags da


AL_sy.io.TAALGPI01.opcint71
interface

Água Limpa_Gateway PI-OPC_opcint61 interface IORates - taxa de


BS_sy.io.TABSGPI01.opcint61
tags da interface

12. BALANCEAMENTO DE CARGA

Para um correto funcionamento do sistema e garantia de crescimento sem problemas é necessária uma
correta distribuição dos tags dentro do mesmo Point Source em várias classes de scan, isso é importante
para facilitar o envio, recepção e processamento da exceção pela interface. Fazendo esta separação estamos
reduzindo as ocorrências simultâneas.

Como já tratado,existem diversos tipos de fontes de dados e cada um destes possui seu tempo de
processamento e leitura. As fontes que possuem a leitura mais rápida são PI OPCInt e PI
PerformanceEquation. Nestas interfaces só é interessante dividir o número de tags superiores a 800. Para a
interfaces do tipo RELDB é interessante verificar o número de requisições ao banco de dados e não o número
de tags, pois elas sempre estão agrupadas e o gargalo normalmente é o acesso ao banco de dados, então
dividimos a carga observando as tags mestras (location4=1) e de distribuição (location4=-1 ou -2), lembrando
que as demais tags do agrupamento deverão estar na mesma classe de scan. Nesta é interessante dividir um
número de requisições superior a 200, já a UFL é uma interface assíncrona e o que é definido é o tempo de
leitura dos arquivos e não das tags propriamente ditas, logo o balanceamento não se aplica.

A distribuição deve ser feita em itens que possuam o mesmo tempo de leitura e point source, exemplo:

 Existem 4000 tags no point source O_BR_02 que possuem o tempo de leitura de 5 segundos.
Verificamos que existem 5 classes de scan com este tempo de leitura em interfaces do tipo OPC,
com o offset defasado em 1 segundo. Logo, dividimos a carga sobre a interface distribuindo as 4000
tags pelas 5 classes de scan já que estão defasadas há tempo suficiente para terminar o
processamento de 800 (4000/5) tags antes de iniciar as próximas.

13. MANUTENÇÃO DO SISTEMA PI

O sistema PI permite uma série de procedimentos que buscam garantir a integridade do sistema e o correto
funcionamento deste. Alguns procedimentos possuem um caráter preventivo, ou seja, procedimentos que são
executados periodicamente a fim de prevenir contra a ocorrência de alguma anomalia que comprometa o
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 222/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

funcionamento do sistema. Outros procedimentos são de caráter corretivo, os quais objetivam corrigir algum
mau funcionamento do sistema. Ao contrário dos procedimentos preventivos, os procedimentos corretivos não
são acionados periodicamente e sim quando detectada alguma anomalia no sistema que o faça necessário. A
forma correta de manutenção do sistema é através das manutenções preventivas periódicas as quais são
métodos que tentam impedir a ocorrência de problemas do sistema e, consequentemente, minimizar a
necessidade da utilização dos procedimentos de manutenção corretiva. Os procedimentos de manutenção
preventiva estão detalhados no item 13.1 deste documento enquanto os procedimentos de manutenção
corretiva estão descritos no item 13.2. A Tabela 60 demonstra um quadro comparativo das principais
diferenças entre os tipos de manutenção do sistema.

Tabela 60: Quadro comparativo de procedimento de manutenção

Manutenção Preventiva Manutenção Corretiva

Quando executar Periódico Acionado por evento

Objetivo Evitar problemas no sistema Corrigir problemas no sistema

Objetivo de periodicidade Sempre Nunca

13.1. MANUTENÇÃO PREVENTIVA

A manutenção preventiva é uma série de procedimentos que permite detectar antecipadamente, condições
adversas do sistema que podem resultar em um mau funcionamento futuro deste. Estes procedimentos de
manutenção preventiva devem estar presentes no dia-a-dia sendo uma atividade rotineira que objetiva
minimizar as chances da ocorrência de problemas diminuindo a necessidade de execução de manutenção
corretiva. Os procedimentos de manutenção preventiva a serem verificados envolvem os seguintes aspectos:

 Sistema de arquivos: Apresenta o que fazer e o que não fazer no sistema de arquivos.

 Serviços: Verificar os serviços pertencentes ao sistema PI: SMT > Operation > PI Services;

 Archive: Visualização dos archives, existência de gaps de tempo, espaço em disco, dados dos
archives: SMT > Archive Manager Update Manager;

 Backup: Verificar realização dos backups e espaço em disco para os backups: Verificar os
arquivos nas pastas relacionadas e informações de espaço em disco.;

 EventQueue: Status de fluxo de dados para archives,snapshot, EventQueue; espaço em disco


para o EventQueue e ocorrência de eventos fora de ordem: PI Performance Monitor points;
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 223/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

 Mensagens de Log: Existência de erros ou eventos anormais nas mensagens de log referente
ao servidor e às interfaces: SMT: Message Log Viewer;

 Conexão: Status de rede e perdas de conexão causadas por anormalidades: SMT: Network
Manager Statistics;

 Interfaces: Taxa de I/O trends e existência de mensagem de erros no arquivo pipc.log: SMT:
Message Log Viewer;

 Tags: Existência de tags com problemas: SMT: Stale and Bad Tags;

 Tela de gerenciamento de servidores: Tela existente no portal da automação que permite


monitorar algumas tags de diagnóstico dos servidores;

 Website da OSI: Boletins e upgrades/ patchs releases disponíveis para instalação:


http://techsupport.OSIsoft.com/.

13.1.1. SISTEMA DE ARQUIVOS

Por padrão, o PI Data Archive instala seus arquivos, em um diretório chamado PI, no disco com amaior parte
do espaço disponível, mas você só pode escolher outro local durante a instalação.No diretório do PI, o PI Data
Archive instala estes subdiretórios:

 adm – ferramentas administrativas

 bin – arquivos executáveis de subsistema ou serviço PI

 dat – bancos de dados como pontos e estados digitais. Também é o diretório padrão para archives

 log – arquivos de log

 setup – arquivos para instalação e desinstalação

O que fazer e o que não fazer no sistema de arquivos:

Desabilite a verificação de vírus nas pastasPI\dat e archive. A verificação de víruspode afetar a


integridade do archive ou de outros arquivos de banco de dados. Oproblema na verificação de vírus é que os
dados são aleatórios e pode existir um padrãode bits que corresponda à assinatura de um vírus conhecido. O
software de verificação devírus bloqueia e envia o arquivo de dados à quarentena.

Use o recurso de Compressão em sistema de arquivos do Windows com cautela. Oarquivo compactado
pode reduzir a velocidade de acesso do PI Data Archive aos archives. Acompressão pode economizar espaço
em disco, mas requer mais recursos da CPU.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 224/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

13.1.2. SERVIÇOS

Para verificar se o PIServer está corretamente ativo, basta verificar se os subsistemas (serviços) que o
compõem estão operacionais. Estes serviços podem ser vistos através do ServerProcessManager, plug-in do
PI System Management Tools (SMT), no seguinte caminho: SMT ->Operation ->PIServices. A Figura 22
mostra os serviços visualizados a partir do SMT.

Figura 22: Serviços visualizados no PI SMT

Opcionalmente, os serviços podem ser visualizados pelo comando services.msc onde serão listados todos os
serviços do Windows. Se todos os serviços do PI (exceto o Shutdown) estiverem com o status igual a
“running”, significa que o PIServer está em operação. O serviço Shutdown fica ativo somente quando o PI está
iniciando seus serviços e, portanto, seu status mais comum é “stopped”. Os serviços do sistema PI são
identificados pelo prefixo PI no nome.

ATabela 61 lista os serviços do sistema PI que são essenciais para a execução do PIServer e os serviços que
adicionam funcionalidades, mas não são cruciais para a execução do servidor PI:

Tabela 61: Serviços do sistema PI

Essencial ao
Serviços Função
PI
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 225/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

S N

PI AF Link Subsystem Responsável pela conexão entre PI Data Archive e PI AF

PI Archive Subsystem Historiar e disponibilizar os dados que foram enviados ao PI.

PI Base Subsystem Realiza a autenticação do usuário e mantém a maioria das


configurações de segurança. Mantém os dados de
configuração do PI Data Archive, como o Point Database, o
Digital States e o Module Database.

Essencial ao
PI
Serviços Função
S N

PI License Manager Manter as informações das licenças para o PI Server e de


todas as aplicações conectadas a ele.

PI Message Registrar o status e mensagens de erro do PI Server em um


Subsystem arquivo de log.

PI Network Manager Prover conexões entre o PI Server e todos os subsistemas e


clientes associados ao mesmo.

PI Snapshot Registrar o evento mais recente de cada ponto. Este


Subsystem subsistema é responsável por aplicar o algoritmo de
compressão, enviar os dados para o Event Queue e
disponibilizar os eventos de snapshot para as aplicações
clientes.

PI Update Manager Enviar notificações de mudanças nos valores ou atributos dos


pontos para as interfaces ou aplicações clientes que são
configuradas para recebê‐las.

PI Alarm Subsystem Provê às tags a capacidade de disparar alarmes.

PI Backup Subsystem Gerenciar os backups do PIServer.

PI Batch Generator
Interface para configurações de itens de batelada.
Interface

PI Batch Subsystem Detecta e grava atividades de batelada.

PI Performance
Desempenha os cálculos das tags calculadas.
Equation Scheduler

PI Recalculator Recalcula o valor de tags calculadas no passado quando o


histórico de pontos utilizados para o cálculo destas é alterado
em um determinado momento.

PI Redirector Process Obtém dados de sistemas externos e os envia para o


PIBaseSubsystem, PISnapshotSubsystem e o
PIArchiveSubsystem. É usado na conexão com os COM
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 226/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Connectors.

PI Shutdown Determinar se o PI Server está parado e escreve eventos de


Subsystem “shutdown” nos tags que estão configuradas para receber
este tipo de informação.

PI SQL Subsystem Prepara e executa instruções em SQL diretamente no


servidor PI. Os principais usuários deste subsistema são o
PIODBC Driver e o PI SDK.

PI Totalizer Realiza pós‐processamento sobre os valores de snapshot de


Subsystem uma tag e armazena os resultados numa tag totalizadora.

13.1.3. ARCHIVE

Os archives são responsáveis por armazenar e disponibilizar aos clientes os dados históricos que foram
enviados ao PI.

Em geral, os archives são arquivos com tamanho fixo que podem manter dados PI. Archives fixos alocam todo
o tamanho do espaço com antecedência, e isso significa que um archive vazio e um archive cheio requerem a
mesma quantidade de espaço em disco.

O archive que recebe dados atuais são chamados de archive primário. Quando o archive primário fica cheio,
uma troca de archive ocorre e o próximo archive disponível se torna o archive primário.O PI Data Archive
realiza a troca de archive antes de o archive primário estar totalmente cheio, de forma que você possa
adicionar posteriormente dados mais antigos, se necessário.

Trata-se de uma entidade essencial ao sistema e, para prevenir ou identificar erros referentes aos archives, os
itens abaixo devem ser verificados.

 Visualização dos Archives: Abra o SMT e selecione o PIServer, escolha a opção


Operation>Archives. Os archives referentes ao servidor selecionado estarão exibidos. Nesta tela,
haverão diversas informações dos archives, tais como o tamanho, o tipo, as datas de inicio e fim
de armazenamento e o status (se for o archive primário). Deve-se garantir que todos os archives
esperados estejam disponíveis.

 Gaps na Transição de Archives: As datas do fim de um archive e do início do archive seguinte


devem possuir “linearidade cronológica” de modo a garantir que o histórico não possua lacunas
ou sobreposições no armazenamento de dados. Se houver evidências de um desses problemas,
a correção deve ser feita o mais breve possível. Abra o SMT e selecione o PI Data Archive,
escolha a opção Operation >Archives. Ao visualizar as informações dos archives, incoerências
entre as datas de fim e início são facilmente identificáveis. Em vermelho, são apresentados quais
os valores corretos de fim e início dos archives. Para efetuar a correção, deve-se clicar com o
botão direito na linha que representa o gap e selecionar a opção “CreateNew”. Uma caixa de
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 227/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

diálogo, preenchida com os dados necessários para criação e registro deste novo archive, será
aberta para o preenchimento do gap. Os valores previamente preenchidos criarão um novo
archive para preenche o gap. Gaps de archives normalmente ocorrem devido ao
reaproveitamento de archives existentes quando o ArchiveSubsystem não encontra nenhum
archive disponível para realizar o Shift. Nestes casos, recomenda-se que o “gap” de archives seja
preenchido com o archive restaurado do backup, ao invés da criação de um archive em branco,
como instruído nos passos acima.

 Espaço de Armazenamento em Disco para Archives: Verifique qual o tamanho médio de


archives produzidos por dia. Este dado pode ser levantado observando em SMT
>Operation>Archives. Visualize os archives criados no período de 1 dia e estime o consumo
médio diário de espaço em disco devido à criação de archives. Vá ao diretório onde estão sendo
armazenados os archives e verifique a quantidade de espaço livre em disco. Utilize a estimativa
de consumo diário médio de espaço em disco para prever por quanto tempo as unidades de
armazenamento serão suficientes para armazenar os dados do PI.

 Adequação dos Dados dos Archives: Abra o ProcessBook. Selecione algumas tags
arbitrariamente. Escolha períodos referentes às datas nas quais se deseja verificar a
continuidade e adequação dos dados de um conjunto arbitrário de archives. Verifique se nos
períodos escolhidos os valores das tags existem e são coerentes, e se não há gap entre os
dados.

13.1.4. PROCEDIMENTO DE BACKUP

A integridade da imensa quantidade de dados armazenada em um sistema PIMS é fortemente dependente da


realização de backups. Como não é possível prever quando será necessária a utilização dos backups, a
checagem da execução do backup diário se faz necessária.

A) AGENDAMENTO

Há duas maneiras principais para verificar se o backup está programado e sendo executado,
corretamente no sistema:

 Verifique nas tarefas agendadas do Windows se há uma tarefa programada para executar o
backup do PI.

 Executar no prompt o comando: “piartool –al”. O aplicativo piartool encontra-se no diretório


“.\PI\adm” e exibe em sua saída, entre outras informações, as datas e instantes do último backup
realizado para cada archive.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 228/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

B) ARMAZENAMENTO

Além do agendamento do backup, é importante verificar se os arquivos estão sendo efetivamente


gravados no diretório programado de backup, bem como se recomenda que seja testada a integridade
dos backups tentando recuperá-los.No PI SMT versão 3.3.1.3 existe dentro de Operation o plugin
Backups, onde é possível verificar o status e quando foram realizadas as últimas tarefas de backup.

13.1.5. POLITICA DE BACKUP DO SISTEMA PIMS

A) PROCEDIMENTOS

Para a implementação da política de backup será:

 Seguida a política de backup definida.

 Executado o backup completo da base de dados na frequência definida.

 Executada a imagem dos coletores de dados.

 Planejado o procedimento de restauração (restore) do sistema.

 Gerado o arquivo de log da execução.

Os assuntos listados serão desenvolvidos a seguir de forma sucinta e objetiva.

B) TIPOS DE BACKUPS

 Backup Completo da Base de Dados

 Este é um backup dos principais arquivos relacionados com o sistema PIMS, contemplando
os arquivos de histórico (temporal database) e os arquivos necessários para a configuração
do sistema. O objetivo deste backup é possibilitar a restauração da base de dados do PIMS
em caso de falhas/perdas da mesma. Durante a realização deste backup, pode haver uma
paralização parcial do sistema.

 Imagem dos Coletores de dados

 Este é um backup completo das máquinas servidoras de comunicação. Para sua realização,
os servidores em questão são parados e a máquina é inicializada (boot). Logo após, a
imagem é feita e o servidor é reinicializado. O objetivo deste backup é possibilitar a
restauração do PIMS em caso de falha generalizada dos servidores de comunicação.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 229/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

C) FREQÜÊNCIAS DE EXECUÇÃO DOS BACKUPS

Tabela 62: Frequências de Execução dos Backups

Tipo do backup Frequência do backup

Backup Completo da Base de Dados Diária

Imagem dos Coletores de dados Mensal

D) BACKUP COMPLETO DA BASE DE DADOS

O Backup Completo da base de dados deverá ser executado nas frequências determinadas no item
13.1.5.c)deste documento.

A sequência abaixo deverá ser seguida na execução do Backup Completo:

 A tarefa agendada do Windows PI_Server_Backup é executada diariamente às 03h00min. A


partir dessa execução, a batchpibackuptask.bat efetua o backup dos arquivos necessários
para a pasta D:\PI_Backup.

 É feita uma cópia da pasta D:\PI_Backup para uma midia externa, diariamente, às 09h00min.
A ferramenta de backup utilizada para este processo é o Symantec Backup Exec.

 Os arquivos de log de backup devem ser verificados. Os mesmos são encontrados em


D:\PI_Backup\pibackup_xx-xxx-xx_23:00:00.txt

Atenção:É importante que todos os jobs de backupsejaprogramado nos horários e na freqüência


estipulados neste documento.

E) IMAGEM DOS COLETORES DE DADOS

A imagem dos coletores de dados do sistema PIMS deverá ser executada nas frequências
determinadas no item 13.1.5.c) deste documento.

Este backup deverá ser gerado pelos administradores do sistema PIMS. Recomenda-se a criação de
CDs de inicialização para retorno rápido do sistema.

F) RETENÇÃO DO BACKUP

A retenção do backup se; dará da seguinte forma:

 Backup Completo

 Backup Diário
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 230/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Criada as 09h00min e sobrescrita as 15h00min

 Backup Semanal

Criada na sexta feira e sobrescrita a cada 2 meses

 Backup Mensal

Criada todo primeiro dia útil do mês. Não é sobrescrita

G) LOCALIZAÇÃO DOS ARQUIVOS E BATCHES

O batch responsável pela execução do backup é localizado em: D:\PI\adm.

Os arquivos copiados pelo processo de backup são salvos em:

 D:\PI_Backup\adm

 D:\PI_Backup\arc

 D:\PI_Backup\bin

 D:\PI_Backup\dat

 D:\PI_Backup\log

H) SCHEDULED TASKS

 PI_Server_Backup

o Run: D:\PI\adm\pibackuptask.bat "D:\PI_Backup." 2

o Runs as: NT AUTHORITY\SYSTEM

o Schedule: 03:00 AM

o Every: 1 Day

O batch pibackuptsk.bat é nativa do PI System e seu diretório de localização é D:\PI\adm. Os


parâmetros passados na tarefa agendada são, respectivamente, o diretório no qual os arquivos são
copiados (D:\PI_Backup) e o número de archives copiados.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 231/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

I) LOG DE EXECUÇÃO

Todos os batches de backup geram arquivos logs de execução. O administrador do sistema PIMS
deverá verificar estes arquivos logs e os outros gerados pela unidade de backup, diariamente, para
verificar se o procedimento de backup está sendo executado corretamente.

A localização dos arquivos de log é:

 E:\PI_Backup\pibackup_xx-xxx-xx_23:00:00.txt

Sendo xx_xxx_xx dia, mês e ano correspondentes.

J) CONSIDERAÇÕES SOBRE A POLÍTICA DE BACKUP

Seguem abaixo algumas considerações importantes a respeito da política de backup adotada:

 Todos os arquivos necessários para completa restauração do sistema PI são copiados para a
pasta E:\PI_Backup, através da execução do batch;

 Este batch copia apenas os dois últimos archives do sistema. Os demais archives ficam
armazenados na pasta E:\PI_Backupem virtude das execuções anteriores do batch;

 Uma vez que os archives são replicados para a pasta PI_Backup, é importante ressaltar que o
espaço em disco da partição E:\ é ocupado por archives duplicados;

 Todos os procedimentos de backup são executados para os servidores.

13.1.6. RESTORE DO BACKUP

Para restauração do sistema PIMS, será necessária a instalação do sistema operacional e dos softwares
relacionados com a aplicação e a restauração do backupcompleto.

A) INSTALAÇÃO DOS SOFTWARES

Para que a nova máquina ou o servidor recuperado possa receber os dados restaurados do backup,
será necessário efetuar a instalação dos seguintes softwares:

 Sistema Operacional com os devidos Service Packs e updates (verificar antecipadamente com
o suporte da OSIsoft se há algum service pack ou update não compatível com a versão do PI
System a ser instalada);

 PI System com os devidos Service Packs e updates;

 Demais softwares relacionados com a aplicação PIMS com os devidos Service Pack e
updates.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 232/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Para a realização do Procedimento de Restore, é necessário que todos os padrões adotados


anteriormente sejam mantidos, tais como o número de partições, nome do computador, etc. Os
padrões anteriormente definidos estão listados no documento Detalhamento de Configuração do
Servidor Principal.

B) RESTAURAÇÃO DO BACKUP

A restauração dos arquivos de backup será dividida em duas partes:

 Restauração da aplicação PIMS

 Restauração do Histórico

A restauração da aplicação consiste no restabelecimento de todas as configurações referentes ao


sistema PIMS e ao sistema operacional que interferem no correto funcionamento do sistema.

A restauração do histórico consiste na restauração dos dados históricos do sistema PIMS.

C) RESTAURAÇÃO DA APLICAÇÃO PIMS

Após a configuração do servidor e dos softwares relacionados, instalação do software de PIMS (PI
System) e verificação de que o servidor PI está funcionando corretamente com a base de
demonstração da OSIsoft (instalação padrão), os dados do backup deverão ser restaurados em um
diretório acessível pelo servidor de PIMS.

Para se restaurar a configuração do servidor primário, devem ser seguidos os passos abaixo. A pasta
referenciada porPI_Backup é a pasta copiada anteriormente por backup.

 Parar a base de dados do PI Data Archive (executar o arquivo \PI\admin\pisrvstop.bat)

 Apagar os archives da base demo

o Estes archives são identificados porpiarch.001, piarch.001.ann, piarch.002,


piarch.002.ann, piarch.003 e piarch.003.ann

 Copiar todo o conteúdo da pasta PI_Backup\dat para a pasta \PI\dat, com exceção dos
arquivos:

o PiSubsys.cfg(este arquivo pode ser incluído caso o servidor antigo não esteja mais
na rede, pois se trata do ID do servidor e não pode haver dois servidores com o
mesmo ID numa mesma rede)

o PiSysID.dat (este arquivo pode ser incluído apenas se o novo servidor apresentar o
mesmo nome e IP do servidor original)
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 233/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

o Isso deve sobrescrever a maioria dos arquivos do diretório Dat

 Copiar todo o conteúdo da pasta PI_Backup\log para a pasta \PI\log

 Copiar o arquivo pipeschd.bat da pasta PI_Backup\binpara a pasta D:\PI\bin

 Copiar todo o conteúdo da pasta PI_Backup\arcpara a nova pasta \PI_Archiveque deve ser
criada no novo servidor

o Identificar na nova pasta \PI_Archive, o archive que deverá ser visto pelo servidor como
archive primário (aquele que apresentar a data de modificação mais recente)

o Registrar o archive primário

 Deve-se usar o prompt de comando para efetuar o registro: D:\PI\Adm\pidiag –ar


“Path do Archive Primário”

o Reiniciar o Servidor PI (executar o arquivo \PI\admin\pisrvstart.bat)

D) RESTAURAÇÃO DO HISTÓRICO

Para restauração completa do histórico:

 Após a reinicialização do sistema, o SMT deve ser executado. Quando a aplicação for aberta,
caso o arquivo PiSubsys.cfgnão tenha sido substituído dentro da pasta \PI\dat, a seguinte
janela será exibida:
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 234/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Figura 23: Janela de identificação do servidor

A opção “Alias the original ID to the selected server” deve ser selecionada

 Devem ser registrados os demais archives através do SMT: Operation | Archives | Register
an archive

13.1.7. EVENT QUEUE

A EventQueue funciona como um buffer em disco localizado entre o snapshot e o archive. O snapshot
adiciona os dados coletados a esta fila, enquanto o archive os remove para armazená-los. Esta fila pode
crescer devido a alguns fatores, como por exemplo, indisponibilidade do archive.

Para avaliar o funcionamento da EventQueue, assim como do fluxo de dados do sistema, devem-se configurar
algumas tags do PIPerformance Monitor. Essas tags são mais facilmente criadas a partir do PI SMT, dentro de
IT Points, em PerformanceCounters. No plugin, dirija-se à aba Build Tags para encontrar uma relação
completa de todas as tags para monitoração da performance que podem ser criadas. Na Tabela 63 foram
relacionadas algumas tags de grande relevância que dizem respeito não apenas ao status da EventQueue,
mas também dos subsistemas Base, Archive e Snapshot.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 235/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Tabela 63: Tags de status do EventQueue e subsistemas Base, Archive e Snapshot

Serviço Item Descrição

Taxa de escrita de eventos no archive. Recomenda-se


Archived Events/sec verificar a normalidade do fluxo de dados para os
archives.

Cache Flush Taxa com que os pontos são liberados do cache do


Operations/sec archive para a gravação em disco.

Cache Record Count Cache do archive salvo em memória.

PI Archive Events Read/sec Taxa de leitura de eventos do archive.


Subsystem
Primary Archive % Porcentagem ocupada do archive primário.
Used

Tempo de previsão (em segundos) para o shift do


Time to Archive Shift archive. Não é calculado se o preenchimento do archive
for inferior a 20%.

Total Unflushed Número total de eventos não liberados.


Events

Contagem total de pontos.

PI Base
Point Count
Subsystem

Serviço Item Descrição

Events in Overflow Número de eventos nos arquivos de filas extrapolados.


Queues

Events in Primary Número de eventos no arquivo de fila primário.


Queue

Número de eventos lidos do snapshot. Recomenda-se


PI Snapshot GetSnapshots/sec verificar a normalidade do fluxo de dados para o
Subsystem snapshot.

Number of Overflow Número de arquivos de fila estourados. Igual a 0 (zero)


Queues se apenas o primário está ativo.

Eventos fora de ordem enviados ao snapshot.


OutOfOrderSnapshots
Recomenda‐se verificar se há um número elevado de
/sec
eventos fora de ordem inesperados.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 236/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Eventos enviados ao Event Queue. Recomenda‐se a


Queued Events/sec verificação da normalidade do fluxo de dados para a
Event Queue.

Snapshots/sec Eventos enviados ao snapshot subsystem.

Compression Ratio Cálculo da taxa de compressão. É definido como: 1 ‐


CALC “Queued Events/sec” / ”Snapshots/sec”

Esses performancecounters também se encontram disponíveis para visualização no PI SMT, dentro em


Operation>Snapshot and ArchiveStatistics, conforme ilustrado na figura Figura 24.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 237/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Figura 24: PerformanceCounters no PI SMT

Os contadores mais relevantes em termos de funcionamento da coleta e armazenamento das informações


são:

 Archived Events: deve ser sempre crescente, pois este representa as informações sendo
armazenadas no archive, se este valor permanecer estático por muito tempo pode representar
um possível problema na interface, no archive corrente ou no Queue;

 Out of Order Events e Out of Order SnapshotEvents: são contadores que mostram a
quantidade de eventos que estão sendo enviadas anteriores ao valor do snapshot, por exemplo,
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 238/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

se no snapshot esta uma informação do dia 05/05/2009 as 12:22:05 e uma nova informação é
enviado com data e hora anteriores, por exemplo 04/05/2009 as 09:02:12, este evento não irá
passar pelo algoritmo de compressão e será armazenado diretamente no archive, logo este
contador não deve ter entradas constates, ou pode representar um possível problema;

 Events Sent to Queuee Events in Queue: estão interligados, as informações que chegam ao
servidor inicialmente são mandadas para o Queue e de lá vão para o archive, logo é importante
notar que se o primeiro contador estiver enviando eventos para o Queue mas se estes eventos
não estiverem saindo do mesmo, ou seja, o Events in Queue crescer constantemente, este pode
representar um problema de corrupção do Queue ou do Archive, muitas vezes este problema
passa despercebido pois os valores de snapshot continuam sendo atualizados, porém, estes não
são armazenados no archive pois ficam presos no Queue.

13.1.8. O SUBSISTEMA DE MENSAGENS DE LOG

O PI mantém um arquivo de log centralizado para todas as mensagens referentes a todos os subsistemas
vinculados ao mesmo. Todos os dias é criado um novo arquivo de log, utilizando o padrão UTC de tempo.
Geralmente, este arquivo se localiza no diretório .\PI\log e o nome é estruturado de acordo com a data de
criação. São mantidos no sistema 35 arquivos de log referentes aos últimos 35 dias. Caso deseje guardar um
número maior de dias, basta realizar o backup destes arquivos.

Os arquivos de log podem ser visualizados a partir do PI SMT. A cada período (poucos minutos), o pinetmgr
envia uma mensagem para checar cada subsistema do PI. Caso esta mensagem não seja respondida em um
determinado período de tempo, o serviço é marcado como off-line e o pinetmgr envia a seguinte mensagem:

>> Deleting connection: pisnapss, Subsystem Healthcheck failed.

Se um RPC (Remote Procedure Call) é realizado em um subsistema que é marcado off-line, a seguinte
mensagem é gerada:

[‐10733] PINET: RPC Resolver is Off‐Line

Às vezes as mensagens de log são compostas por um código. Use o comando pidiag no prompt de comando
da máquina com o PIServer instalado para interpretar os códigos de erro: pidiag‐e errorcode.

Com isso, será disponibilizada a mensagem de erro associada. Por exemplo, se o código de erro é - 10722,
teremos:

pidiag ‐e ‐10722

[‐10722] PINET: Timeout on PI RPC or System Call

Os logs de erro são de suma importância para facilitar o diagnóstico de problemas.


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 239/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

13.1.9. CONEXÕES

O PIServer estabelece conexões com as ferramentas clientes, o SMT e os demais serviços. Tais conexões
podem ser monitoradas selecionando NetworkManagerStatistics no menu Operation do SMT.

Abra o SMT, escolha o servidor a ser gerenciado, escolha a opção Operation >Network Manager
Statistics.

Conforme Figura 25, são apresentadas todas as conexões ativas e seus detalhes podem ser monitorados
escolhendo-se a conexão desejada e navegando-se através das abas da caixa de diálogo localizada abaixo
da lista. Quando uma conexão deixa de estar ativa ela é excluída da lista, mas não automaticamente. É
preciso clicar no botão de refresh para obter as informações de conexões atualizadas.

Figura 25: Lista de conexões no PI SMT


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 240/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

13.1.10. INTERFACES

Há duas formas principais de verificação do funcionamento das interfaces. São elas:

 IORates e Performance Points: Ambos os tipos podem ser criados a partir do PI ICU.

o IORates: as tags IORates são criadas dentro do item IO Rate;

o PerformancePoints: estas tags são criadas dentro do item PerformancePoints que é filho
do item UniInt. Para obter informações sobre essas tags recomenda‐se consultar o
manual “UniInt Interface User Manual”;

 Arquivos de Log: Os erros referentes às interfaces e buffers estão localizados nos arquivos
pipc.log, pipc0000.log, pipc0001.log, e assim por diante. Eles estão localizados nas máquinas de
interface e pode ser utilizado o SMT ->MessageLogs para visualizá-los. Para tanto é necessário
ter o SMT instalado na máquina da interface, caso contrário, recomenda-se utilizar a visualização
do log disponível no ICU a partir do menu Tools ->LogFiles. Vale lembrar que algumas interfaces
podem também produzir um arquivo de log especifico que podem conter mais informações. Para
verificá-los, procure no diretório de instalação das interfaces (.\PIPC\Interfaces).

13.1.11. TAGS

Para verificar se as tags estão operando adequadamente, Escolha Data ->Stale and BadPoints no SMT.

Abra o SMT, escolha o servidor e escolha Data >Stale and Bad Points.

Para esta consulta, pode-se utilizar um filtro que restrinja o resultado por tag, pointsource e data. O que esta
busca retorna é uma relação de todas as tags do servidor PI que estão no momento da consulta no estado
Bad, Stale ou ambos (fica a critério do usuário escolher).
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 241/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Figura 26: Tela indicando pontos em Bad and Stale

13.2. MANUTENÇÃO CORRETIVA

A manutenção corretiva é uma série de procedimento que tem por objetivo corrigir algum problema existente
no sistema. É desejável que uma manutenção corretiva nunca seja necessária já que os procedimentos de
manutenção preventiva visam diminuir as chances de ocorrência de erros e consequentemente minimizar a
necessidade de um procedimento corretivo no sistema.

Os procedimentos de manutenção corretiva a serem verificados envolvem os seguintes aspectos:

 Diagnostico da causa do problema: detectar qual a origem do problema. A fonte do mesmo;

 Procedimento de reparo: execução dos procedimentos de correção do problema.

13.2.1. DIAGNOSTICANDO A CAUSA DE UM PROBLEMA

Quando o sistema incorre em erro, o primeiro passo é a determinação do local onde este erro ocorreu. Assim,
deve-se identificar qual o local físico onde o problema tomou lugar, seja na aplicação cliente, seja no servidor
ou até mesmo na rede.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 242/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Após essa primeira ação, o passo subsequente é a identificação de qual subsistema específico originou o
erro. Isso porque os valores dos tags coletados são manipulados por diversos subsistemas até serem
gravados no archive. Esta abordagem facilita descobrir onde devem ser feitos os reparos imediatos e o que
pode ser feito para prevenir reincidências.

Este documento tem o intuito de apresentar resoluções de primeiro nível. Caso o problema não seja resolvido
através dos procedimentos aqui apresentados, o suporte da OSIsoft deverá ser contactado.

13.2.2. TRIAGEM

Os seguintes integrantes do sistema podem apresentar problema:

 Máquina(s) cliente;

 Servidor(es);

 Máquina(s) Interface;

 Rede.

O isolamento de um problema inicia-se fácil e logicamente por exclusão. Se todos os computadores


apresentarem um problema de comunicação, é provável que a falha seja de rede. Por outro lado, se todos os
aplicativos clientes apresentarem falha, enquanto outras aplicações operam normalmente na máquina, um
problema com o servidor é o mais lógico.

Se outros programas no mesmo computador estiverem com erro mas não necessariamente de comunicação,
as evidências apontam para uma instabilidade de hardware (ou até de rede). Um modo simples de testar a
rede é a executando o comando ping:

ping ip_address

A resposta do ping determina se o host de destino (especificado pelo endereço IP) está ativo na rede. Caso
haja a necessidade de testar a conexão para uma porta específica, por exemplo a TCP 5450 (que é utilizada
para conectar-se ao PIServer), indica-se o uso do telnet:

telnet ip_address port_number

Se o problema está com os clientes, verifique primeiramente as configurações de acesso. Na máquina


servidora, verifique o arquivo “pipc.log” no diretório “.\PIPC\dat”. Verifique também o arquivo central do
servidor utilizando o pluginMessageLogs do PI SMT.

Se o problema se encontra no servidor, verifique se todos os processos ou serviços referentes ao PI estão


com status conforme item13.1.2. Para tanto, execute o seguinte na linha de comando:
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 243/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

net start

Isso listará todos os serviços em execução na máquina.Isto também pode ser verificado através do console de
gerenciamento do sistema, bastando solicitar services.msc na caixa de diálogo Executar do Windows.

Nota: O sistema PI pode levar vários minutos para iniciar por completo. O carregamento da base de dados
dos tags, o snapshot e os archives são os principais responsáveis. Utilitários como o piartool e o piconfig não
estão operacionais até que a inicialização esteja finalizada.

Mesmo que os processos estejam em execução, deve-se garantir que estejam se comunicando consultando o
pluginNetworkManagerStatistics do PI SMT. Nele estarão listadas as conexões dos serviços do PI.

Em caso de problema, procure pela mensagem exata do erro. O número do erro pode ser interpretado
utilizando-se o comando pidiag –e <n° do erro> num prompt de comando do servidor.

Verifique o horário em que o problema ocorreu e cruze com as paradas dos subsistemas. Em seguida, busque
quais foram as mensagens de erro no SMT referentes a esses subsistemas.

Caso haja problemas com a inicialização do servidor, tente iniciá-lo interativamente através do script
pistart.bat localizado no diretório .\PI\adm. É possível que mais mensagens esclarecedoras possam surgir e
sinalizar qual problema acomete o sistema.

Se um subsistema apresenta falha, pode haver informações adicionais que sejam de grande valia para a
análise do suporte/desenvolvedores da OSI. Para versões do Windows anteriores a Server 2008 e Vista, o
debugger padrão do sistema operacional é o Dr. Watson. Para habilitar a depuração, execute o seguinte
comando:

drwtsn32.exe –i

Dr. Watson processa exceções não tratadas pelo processo e também detecta como a aplicação incorreu em
erro. Capturando o estado de um processo durante o erro, registra detalhes do ocorrido no arquivo
“drwtsn32.log”. Opcionalmente, informações mais completas podem ser encontradas no arquivo

“user.dmp”.

A localização desses arquivos, bem como informação sobre o comportamento do Dr. Watson, é configurável.
Executando “drwtsn32.exe”, inicia-se a caixa de diálogo de configuração. Recomenda-se que os parâmetros
escolhidos sejam:

 LogFile Path: Localização padrão;

 Crash Dump: Nome padrão. Note que esse arquivo pode ser sobrescrito. Depois de um erro,
salve

 esse arquivo em um diretório seguro;


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 244/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

 Number of Instructions: 25;

 Number of errors to save: 25;

 Crash Dump Type: Completo;

 Dump Symbol Table: Selecione;

 Dump All Thread Contexts: Selecione;

 Append to Existing Log File: Selecione;

 Visual Notification: Não selecione. Servidores normalmente operam ser supervisão humana;

 Sound Notification: Não selecione;

 Create Crash Dump File: Selecione.

Do WindowsServer 2008 e Vista em diante, sugerimos utilizar o Windows Error Reporting (WER) no lugar do
Dr. Watson. Favor consultar http://msdn.microsoft.com/en-us/library/bb787181(VS.85).aspx

Nota: Esses arquivos são úteis somente se forem criados enquanto uma versão debug do PI estiver em
execução. Versões debug, normalmente, não são distribuídas, mas a OSIsoft Technical Support preparará
uma compilação de depuração do PI se necessário.

Se o problema refere-se ao pinetmgr, utilize o comando netstat –a para determinar se há algum processo
comunicando-se com a porta 5450. Em caso positivo, isso indica que em algum momento pinetmgr conseguiu
comunicar-se com sucesso.

Se houver um problema de archive ou com o snapshot, consulte o pluginSnapshot and ArchiveStatistics para
obter mais informações sobre o fluxo de dados.

Em seguida, tente obter o snapshot de três formas diferentes, comparando os resultados de forma a
determinar com precisão qual é a fonte do problema:

 apisnap (a partir de um nó remoto)

 apisnap (a partir do nó local)

 piconfig < pisnap.dif (a partir do nó local)

 Em seguida, tente obter o snapshot de três formas diferentes, comparando os resultados de


forma a determinar com precisão qual é a fonte do problema:

Para determinar se um archive foi corrompido, faça uso do utilitário pidiag.exe que se encontra no diretório
.\PI\adm:

pidiag -archk path_to_archive


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 245/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Esse é o comando que se deve rodar para se verificar se o archive está corrompido. Procure pormensagens
do tipo:

 [-11002] Record Header Data Mismatch

 [-102] Record Not Found (Empty)

 Commit overflows failed [-11056] Invalid End Time

 [-11077] Target time after archive end timeeventtime

Se for um problema com o UpdateManager, execute o utilitário pilistupd.exe para checar quais processos
estão configurados para gerar eventos.

Quando o problema trata-se de um comportamento anormal apresentado por algumas tags, determine se o
problema é com todos os pontos de todas as interfaces ou se são alguns pontos de algumas ou uma única
interface.

Se o problema for de uma interface em um nó remoto, verifique a segurança. Deve haver uma entrada na
PITrustTable para esse nó ou para a interface, em específico. Verifique também a base de dados do Firewall.
Cheque os arquivos de log da interface, bem como o arquivo de log central a partir do PI SMT. Se a interface
API não está disponível para conexão, certifique-se de que os subsistemas PI Base, PIArchive e PISnapshot
estejam operacionais.

Se for um problema de instalação ou atualização, verifique os arquivos “SetupPIServer.log” e


“PIServerMaster.log” localizados em .\PIPC\dat.

Execute as permissões nos arquivos que estiverem com problemas. Tente iniciar como Administrador do
Windows. Se nenhum problema for observado quando se opera com o Administrador do sistema, então há, de
fato, um problema de permissão.

Sempre consulte o website do suporte técnico para consultar a base de dados sobre o seu problema.

O endereço é http://techsupport.OSIsoft.com

13.2.3. PROCEDIMENTOS DE REPARO

Ocasionalmente, os archives podem corromper devido a uma situação atípica. Nos itens abaixo, sãodescritos
alguns procedimentos úteis que devem ser adotados para se recuperar o sistema.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 246/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

A) RECUPERAÇÃO DOS DADOS DE UM ARCHIVE CORROMPIDO

Os archives possuem um header e uma estrutura de gravação. Além dos dados das tags que são
gravados, mas há ainda informações auxiliares que indexam os registros e os encadeiam, que se
presta a prover rápido acesso quando necessário.

Se, por exemplo, o Archive cache flushing é interrompido por um problema de energia, os índices de
registros podem ir para um estado de inconsistência. Quando um archive corrompe e sua leitura fica
inviabilizada, é desejável recuperar a maior quantidade possível de dados desse archive.

 Recuperação de um archivenão primário corrompido

Para recuperar dados de um archivenão primário corrompido, primeiro ele deve ser desregistrado.
Para tanto, proceda até o PI SMT, e no pluginArchives selecione o archive desejado e clique no botão
de desregistro de archive. Então, utilize o utilitário OfflineArchive, especificando o archive corrompido
como arquivo de entrada e um arquivo não existente como arquivo de saída. Por padrão, os tempos
de início e fim do arquivo de entrada serão utilizados na criação do novo arquivo (de saída). Os dados
de um archivenão primário podem ser recuperados enquanto o PI ainda está arquivando dados.
Exemplo de comando para recuperação de um archivenão primário:

$ ../bin/piarchss -if /export/PI/dat/piarch.001 -of piarch1.fix -f 0

...First pass...

...Sorting input archive...

...Output pass...

676 Loaded in 2(1 + 1) Seconds 338 Event/Sec.

739 Archive Total seconds - ratio: 369

É criado um archive fixo com o mesmo tamanho do arquivo de entrada porque o parâmetro “-f 0”
foi especificado. Após a criação, o archive deve ser registrado. Isto também pode ser feito no PI
SMT, mas dessa vez utilizando o botão de registro de archive, e então selecionando o archive
criado.

 Recuperação do archive primário corrompido

Neste caso, simplesmente realize um shift do archive para que ele deixe de ser o primário. Então
proceda com o reprocessamento conforme descrito no item anterior.

Nota: Todo archive possui um arquivo de anotações paralelo associado, com uma extensão
“.ann”. No PI versão 3.3.361.43, o arquivo de anotação será identificado incorretamente após
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 247/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

renomear seu archive associado. Desde que a renomeação seja necessária. Nesse caso, reverta
o registro do arquivo renomeado depois do registro inicial e registre-o novamente.

B) RECUPERAÇÃO COMPLETA DO SERVIDOR A PARTIR DO BACKUP

O procedimento abaixo descreve como realizar uma restauração do sistema a partir dos arquivos de
backup e do kit de instalação. Este procedimento é importante para casos de perda de disco ou
desastres similares. Se o problema claramente for apenas ao âmbito dos dados, inicie o procedimento
a partir do passo 4.

 1 - É premissa que o sistema operacional foi reinstalado e não possui registros de uma
instalação anterior;

 2 - Desconecte o PIServer da rede. As interfaces devem operar com os buffers e


gerenciar os dados durante esta operação. Assim que o PI restabelecer a conexão, o
buffer ficará encarregado pela recuperação destes dados, desde que este esteja
devidamente instalado e configurado na interface.

 3 - Reinstale o PI na mesma versão que estava rodando antes do último backup;

 4 - Inicie o PI e quando receber as informações de que a instalação foi concluída, pare-o


novamente. Este procedimento tem o intuito de ativar as funções pós-instalação;

 5 – Certifique-se de que o PI não está funcionando antes de iniciar o próximo passo;

 6 - Restaure os arquivos que foram salvos pelo backup para o novo diretório de dados;

 7 - Restaure todas as mensagens de log ("pimsg_xxxxxxx.dat") para o PI\log;

 8 - Restaure os archives que foram salvos no backup para o diretório escolhido para os
archives;

 9 - Restaure os arquivos batch que foram customizados;

 10 - Se há uma incerteza de qual archive era o primário no momento de backup,


consulte o pluginArchives do PI SMT para verificar as datas dos archives. O primário
deve ter a data de início mais recente e não deve possuir data de fim.

 11 - Será necessário seguir os passos a seguir para reconstruir a data do


ArchiveManager. Após o passo 9, certifique-se de que não há processos do PI iniciados
e, então, execute o seguinte comando (diretório .\PI\adm): pidiag‐ar;

 12 - Informe o caminho e o nome do archive que será configurado como primário. Digite
o nome do archive primário antes do problema;
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 248/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

 13 - Reinicie o PI (primeiro execute pisrvstop.bat e depois pisrvstart.bat, ambos situados


em .\PI\adm);

 14 - Registre todos os outros archives que foram salvos e que se deseja recuperar.
Estes podem ser registrados através do SMT. Escolha o Operation>Archives. No menu
superior, pode-se escolher a opção “Register an Archive”;

 15 - Verifique se os dados foram recuperados. Pode-se verificar localmente, uma vez


que o PIServer está isolado da rede, através do PIProcessBook ou PIDataLink.

Nota: Garanta este item antes de reconectar o PIServer na rede para não ter problemas
de perdas de dados;

 16 - Conecte o PIServer à rede. Verifique que o mesmo está acessível pelos clientes.
Monitore a recuperação dos dados pelas interfaces.

C) RECUPERAÇÃO DE ARCHIVES PELO BACKUP

 1 - Copie o arquivo do archive para o disco;

 2 - Cancele os archives cujas datas se sobreponham ao período compreendido pelo archive


que será restaurado. Isso pode ser feito selecionando o archive desejado no SMT
>Operation>Archives e o botão Unregister Selected Archive;

 3 - O archive restaurado deve ser registrado. Este registro pode ser realizado pelo SMT
>Operation>Archives. Escolha a opção RegisteranArchive;

 4 - Na tela de visualização do SMT >Operation>Archives, deve‐se visualizar todos os


archives que foram registrados e suas respectivas datas.

D) RECUPERAÇÃO DAS BASES DOS SUBSISTEMAS PELO BACKUP

As bases de dados do Point Database, Snapshot e archive primário são interconectadas e devemser
sincronizadas, ou seja, se uma das bases for restaurada através de um backup, as outras
tambémdevem ser recuperadas neste procedimento.

Caso seja necessária a recuperação parcial, o suporte deve ser acionado. Para restaurar a base
dedados, faça:

 1 - Desligue o PI System;

 2 - Faça um novo backup para um local seguro;

 3 - Substitua os arquivos das bases de dados e o archive primário;


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 249/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

 4 - Reinicie o PI.

13.3. WEBSITE DO SUPORTE TÉCNICO DA OSI

A exemplo de qualquer software que execute funções complexas, múltiplas e essenciais, é fundamental
consultar periodicamente o website do fornecedor. Trata-se de uma prática simples que reduz muito a
probabilidade do sistema incorrer em situação perigosa no que diz respeito a estabilidade e robustez.

Incluindo-se essa prática no dia-a-dia da manutenção do sistema, certamente se eleva o grau de


confiabilidade entre fornecedor e cliente, e ainda evita o dispêndio de esforços, recursos e tempo em caso de
ser reativo a um problema que poderia ter sido antecipado através desta prática. As atualizações variam
desde correções de problemas intrínsecos e exceções de operação até inclusões de funcionalidades e
liberação de novas versões.

Boletins técnicos são lançados sempre que a OSIsoft enxerga a necessidade de fazer a comunicação formal
aos clientes de algo que possa impactar o correto funcionamento de seus produtos, como por exemplo o
resultado dos testes de compatibilidade dos patches de segurança da Microsoft com o PIServer. O site do
suporte técnico é o:

http://techsupport.OSIsoft.com.

Visite a página:

http://techsupport.OSIsoft.com/techsupport/NonTemplates/BulletinCenter.aspx?BulletinCenter_Type=Support

para os boletins técnicos periódicos divulgados pela OSIsoft. Para ser notificado automaticamente sobre
novos releases de software e boletins técnicos, você poderá instalar um RSS Client para receber os nossos
RSS feeds. Para mais detalhes a respeito, visite:

http://techsupport.OSIsoft.com/Bulletins/1/70f47bcf-abb9-453f-babe-8e65888a155a.htm

A página de suporte da OSIsoft disponibiliza também um link com dicas relevantes para a correta manutenção
do sistema PI:

http://techsupport.OSIsoft.com/Knowledge+Center/System+Manager+Resources/System+Manager+Resource
s.htm

Lá também é encontrada uma lista de tarefas diárias para a verificação da saúde do sistema semelhante ao
presente manual:

http://techsupport.OSIsoft.com/Knowledge+Center/System+Manager+Resources/Daily+Health+Check/Daily+H
ealth+Check.htm.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 250/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

14. TELA DE GERENCIAMENTO DE SERVIDORES

Existe uma aplicação desenvolvida em PI Processbook para auxiliar o mantenedor do sistema PI da Diretoria
a visualizar e gerenciar as ativos que fazem parte do sistema, fornecendo uma interface de operação amigável
e fácil de identificar qualquer problema no sistema que venha ou esteja prestes a ocorrer.

Essa aplicação permite o gerenciamento do:

 Servidor PI primário;

 Servidor PI secundário;

 Servidores de Interfaces de coleta OPC;

 Servidor PI AF;

 Servidores de aplicação;

 Servidor PI ACE

A estrutura do servidor PI AF elaborada para a implementação da aplicação em ProcessBook está mostrada


na próxima figura. A estrutura Servidor contém os atributos que são comuns a todos os servidores que fazem
parte do sistema PI. Esta estrutura possui duas estrutura filhas que herdam as características da estrutura pai,
sendo elas o Servidor PI e o Servidor de Interface.

Servidor
(classe pai)

Servidor de
Servidor PI
Interface
Figura 27: Hierarquia e herança de estrutura de dados no PI AF para os servidores

Foram criados templates destas estruturas de dados descritas acima e os respectivos atributos estão citados
nos parágrafos abaixo.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 251/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Estrutura de servidor:

 Nome do servidor (host name);

 Endereço IP;

 Uso de memória;

 Uso de processador;

 Espaço disponível em disco rígido (C:, D:, E);

 Tempo em atividade (uptime);

 Ping.

Estrutura de servidor de interfaces:

 Taxa de envio de dados ao PI (I/O rate);

 Status de dispositivos dos quais a interface coleta os dados;

 Active ID (em caso de interfaces que operam em redundância);

 Heartbeat da interface;

 Quantidade de pontos para cada classe de scan.

Estrutura de servidor PI

 Número de tags;

 Número de módulos;

 Snapshots/segundo;

 Snapshots Fora de Ordem/segundo;

 Eventos em Event Queue/segundo;

 Snapshot lidos/segundo;

 Taxa de compressão;

 Configuração de Tags/segundo;

 Eventos em archive/segundo
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 252/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

 Total de eventos escritos/segundo;

 Percentual de archive primário utilizado;

 Tempo previsto para shift;

 Contador de Registro em cache;

 Eventos lidos de archives/segundo;

 Indicador de atividade do servidor;

 Indicador de qual servidor está como primário do coletivo.

14.1. TELA PRINCIPAL

A tela principal tem como objetivo mostrar o monitoramento do sistema PI através de cores que mostram a
situação de cada um dos itens dos ativos. Por exemplo: os itens que alarmarem em cor vermelha, precisa de
atenção imediata de resolução. Os itens alarmados em amarelo, precisam ser tratados, mas não com solução
imediata.

Essa tela permite:

 a navegação em outras telas que mostrarão o detalhamento de cada ativo;

 acesso aos PRO’s atrelados às atividades que necessitam ser verificadas pela central de serviços
CIGA;

 verificar o status do último backup;

 consultar o responsável por cada ativo.


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 253/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Figura 28: Display de monitoramento - Tela principal

14.2. TELA DE VISÃO GERAL DO SISTEMA PI

A tela principal tem como objetivo mostrar a arquitetura de servidores existentes no sistema PI da Diretoria
bem como mostrar o status resumido da operação dos mesmos. Esta tela é um overview do sistema como um
todo e mostra possíveis anomalias no sistema, sem entretanto detalhar o problema. Desta forma, apenas com
a visualização, é possível identificar se o sistema está em funcionamento normal.

A Figura 29mostra a tela principal. Nesta tela é possível:

 Visualizar qual servidor, dos que operam em redundância, está como primário (e qual está como
backup em hot-standby);

 Visualizar se os servidores do PI estão ativos ou inativos;

 Visualizar se os servidores PI estão com disco de armazenamento de archives (E:) com menos
de 10% de espaço disponível;

 Visualizar se os servidores de interface estão em condição de alarme: problemas com heartbeat


ou I/O rate baixo;

 Visualizar se a latência de comunicação com os servidores está boa ou não;

 Navegar para outras telas.


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 254/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Figura 29: Display de arquitetura do sistema PI

A seguir serão descritos a simbologia utilizada no desenvolvimento da aplicação.

 Operação Normal

- Servidor PI

- Servidor de aplicação com uma ou mais interfaces PI

- Servidor de Interface PI OPC

. - Rede Ethernet

- Conexão do servidor à Rede Ethernet.


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 255/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

- Indicador de servidor primário.

- Exemplo: Servidor de Interface TABSGPI02 funcionando como primário e


TABSGPI01 funcionando em backup.

 Alarmes

- Conexão do servidor à Rede Ethernet com tempo de resposta alto (ping);

- Servidor de interface com heartbeat em período maior que 1 minuto

Exemplo: Servidor TADCIPI01 em estado de alarme de heartbeat

- Servidor PI com unidade E: (onde os archives são armazenados) com espaço livre menor que 10%

Exemplo: Servidor TADCIPI02 em estado de alarme de disco E:


quase cheio

- Servidor de interface com IO Rate menor que 1.


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 256/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Exemplo: Servidor TABSGPI02 em estado de alarme de IO Rate.

Servidor inativo.

Exemplo: Servidor TADCIPI01 inativo.

14.3. TELA DE HARDWARE DOS SERVIDORES

A tela de detalhes de hardware de servidor será padrão para todos os servidores. Ela apresentará os dados
de:

 Nome do servidor (host name);

 Endereço IP;

 Uso de memória;

 Uso de processador;

 Espaço disponível em Disco (C:, D:, E:);

 Tempo em atividade (uptime);

 Ping.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 257/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Figura 30: Display de gerenciamento de hardware e software

 Sinalização

PING: Caso o PING esteja superior a 0,5 segundo, o valor mostrado ficará na cor vermelha.

Espaço Disponível em Disco: Os gráficos em barras são um indicativo visual da disponibilidade de


espaço livre em disco rígido. Quando há mais de 20% de disco rígido disponível, a cor de preenchimento
da barra é azul. Para a disponibilidade de 10% a 20% de espaço livre em disco, a cor de preenchimento
é laranja e para menos de 10% a cor é vermelha.

14.4. TELA DE DETALHES DOS SERVIDORES PI

A tela de detalhes de hardware de servidor será padrão para os servidores PI. Ela apresentará os dados de:

 Número de tags;
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 258/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

 Número de módulos;

 Snapshots/segundo;

 Snapshots Fora de Ordem/segundo;

 Eventos em Event Queue/segundo;

 Snapshot lidos/segundo;

 Taxa de compressão;

 Configuração de Tags/segundo;

 Eventos em archive/segundo

 Total de eventos escritos/segundo;

 Percentual de archive primário utilizado;

 Tempo previsto para shift;

 Contador de Registro em cache;

 Eventos lidos de archives/segundo.

Para visualização dos detalhes de cada servidor do PI, basta selecionar o servidor desejado na lista localizada
na área esquerda da tela do PI Processbook.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 259/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

1
3
4
5
6
7
9
8
10

14
11 12

13

Figura 31: Display de gerenciamento do servidor PI de Itabira

Cada valor disponível na tela apresenta um indicativo para monitoramento do servidor. A informação fornecida
por cada variável está descrita a seguir:

 1 - Snapshots/Seg: disponibiliza o valor do contador Snapshots/sec.

Snapshots
segundos
Cada novo evento que entra no sistema PI através de uma interface ou por algum programa de entrada
manual é primeiramente enviado ao subsistema Snapshot. O contador “Snapshots/Seg” disponibiliza a taxa
com a qual estes eventos são registrados, ou seja, a quantidade de snapshots enviados por segundo.

 2 - Eventos em Event Queue/seg.: disponibiliza o valor do contador Queued Events/sec.


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 260/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Quantidade de eventos na fila de eventos


segundos
Os eventos que saem do subsistema Snapshot (snapshots após compressão ou snapshots fora de ordem)
são escritos na fila de eventos. A taxa na qual os eventos são enviados para a fila de eventos pelo subsistema
Snapshot é dada por esse contador. Este valor deve corresponde a(Eventos arquivados / segundo)no
subsistema de Arquivo.

 3 - Taxa de Compressão:disponibiliza o valor do contador Compression Ratio.

Taxa de eventos enfileirad os


Taxa de snapshots

Quando um valor de Snapshot novo é recebido pelo subsistema Snapshot, um processo de compressão de
dados é realizado antes que os dados sejam enviados para a fila de eventos. A realização da compressão
apropriada permite ao sistema PI executar de forma mais eficiente e sem qualquer perda significativa de
dados, cálculos, processamento de exibição gráfica e recuperação de dados. A taxa de compressão pode ser
calculada utilizando os contadores de performance: Snapshots/seg. e QueuedEvents/seg. a partir da seguinte
expressão:

QueuedEvents / seg EventosEnfileirados / segundos



Snapshots / seg Snapshots / segundos
Esta relação dá uma visão rápida de sintonia geral do sistema de compressão. Índices inferiores a 0,5 indicam
baixa compressão e valores superiores a 0,9 indicam alta compressão. Em ambos os casos, uma avaliação
de ajuste de compressão deve ser realizada.

 4 – Snapshots Fora de Ordem/Seg:disponibiliza o valor do contador Out of Order


Snapshots/sec.

Snapshots fora de ordem


segundos
Os eventos enviados para o servidor PI podem não ocorrer na sequencia temporal correta.Eventos fora de
ordem não sofrerão o processamento de compressão e serão colocados diretamente na a fila de eventos. A
taxa em que os eventos fora de ordem são enviados para o subsistema Snapshot é disponibilizada por esse
contador. Uma grande quantidade de eventos fora de ordem pode indicar um problema com os nós de
aquisição de dados, o que pode levar a um desempenho ruim do sistema. Uma causa comum é uma mudança
errônea no relógio do sistema da máquina servidora ou uma máquina coletora de dados.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 261/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

 5 – Eventos em Event Queue:

Eventos em Event Queue


Este contador apresenta o número de eventos na fila de eventos do arquivo primário.Eventos passados para a
fila de eventos são colocados em ordem FIFO (First In First Out). Este contador é incrementado quando o
subsistema Snapshot do PI envia um evento para a fila de eventos, e é decrementado quando o
subsistemArchivedo PIrecupera com sucesso um evento da fila de eventos.

 6 – Snapshot Lidos/Seg:disponibiliza o valor do contador GetSnapshots/sec.

Snapshots lidos
segundos
Este contador fornece a taxa na qual os eventos são lidos a partir do subsistema snapshot. Esta é uma
medida de quantos valores de snapshots são lidos por todos os aplicativos por segundo.

 7 – Eventos em Archive/Seg:disponibiliza o valor do contador Archived Events/sec.

Eventos em archive
segundos
O Subsistema de arquivo do PI lê os eventos que saem da Fila de Eventos PI e os arquiva. Este contador é a
taxa na qual os novos eventos são recuperadas com êxito da fila de eventos pelo Subsistema de arquivo do PI
e adicionado ao arquivo.

 8 – Total de Eventos Escritos/Seg: disponibiliza o valor do contador Total Unflushed Events.

Total de eventos a serem escritos


segundos

Um evento no cache de gravação que não foi escrito noarchive é chamado de evento un-flushed. O número
total de eventos un-flushed é fornecido por este contador. Estes eventospodem ser perdidos em um
desligamento abrupto do servidor PI.

 9 - Overflows:disponibiliza o valor do contador Events in Overflow Queues.


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 262/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Número de eventos nas filas


O número total de eventos nos arquivos da fila é fornecido por esse contador. A soma deste contador e
“Eventos na fila primária” são os eventos ainda não processados pelo subsistema de arquivo do PI. Em
circunstâncias normais de funcionamento, não deve haver qualquer fila de eventos estourada, assim, os
valores deste contador e do anterior deve ser zero.

 10 – Configurações de Tags/Seg: disponibiliza o valor do contador Cahe Flush


Operations/sec.

Quantidade de eventos transferidos da memória para archive


segundos

O subsistema Archive do PI usa uma memória cache (cache de escrita) quando eventos são enviados ao
archive. Eventos enviados ao archive são gravados primeiramente nesta memória cache de escrita e
periodicamente estes eventos em memória são transferidos para o archive. O contador Configurações de
Tags/Seg fornece a taxa em que os eventos são transferidos da memória cache de escrita para o archive, ou
seja, a taxa em que estes dados em memória são persistidos em uma mídia não volátil.

O tempo máximo entre duas persistência de dados consecutivas é definido pelo parâmetro
Archive_SecondsBetweenFlush que possui o valor default de 900 segundos. A persistência dos dados no
archive pode ser acionada por outros fatores além da periodicidade citada como realização de backup,
operação de shutdown, etc.

 11 – Eventos Lidos de Arquive/Seg:disponibiliza o valor do contador Events Read/sec.

Eventos lidos de archive


segundos

Esta é a taxa com a qual são lidos, pelas aplicações, os eventos dos archives. Ela representa o número de
eventos recuperados a partir do arquivo (a partir do cache de leitura ou do arquivo de disco) e retornou por
segundo. Os eventos que são lidos por processos internos e não retornam para um aplicativo externo não são
contados.

 12 – Contador de Registros em Cache:disponibiliza o valor do contador Cache Record Count.

Quantidade de registros na memória de leitura


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 263/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

O número corrente de registros na memória deleitura (read cache) é contabilizado e retornou neste contador.
Ele demonstra o tamanho real desta memória de leitura e está diretamente relacionadoao uso de memória.
Quanto maiorforo número de registros deste contador, maioré o espaço utilizado em memória pelo subsistema
Archive doPI.

Um registro noarchive em disco tem um tamanho fixo de 1 KB. No entanto, em memória pode ser entre alguns
bytes ou até 16KB, dependendo do tipo de registro e número de eventos incluídos no registro. Em média, um
recorde 1KB em disco corresponde a 8KB na memória cache.

 13 – Tempo previsto para Shift:disponibiliza o valor do contador Time to Archive Shift.

Tempo previsto para fechamento do archive


Este contador calcula o tempo previsto em segundos para a mudança para o próximo archive. Quando o
archive atual é inferior a 20% de sua capacidade e o secundário está vazio, o cálculo não é realizado e o valor
retornado é zero. A fim de determinar se uma estimativa de zero significa que o arquivo está quase cheio ou
não, verifique o percentual utilizado do archive primária através do contador Archive Primário ou execute
piartool-al. A mensagem retornada pelo comando piartool-al lhe dirá se não há dados suficientes para uma
previsão de tempo restante para fechamento do archive: Shift Time: Not enough information for prediction.

 14 – Archive Primário:disponibiliza o valor do contador Primary Archive % Used.

Percentual de utilização do archive primário


Este contador mostra o percentual de registros usados no Archive Primário. Quando o archiveprimáriocomeça
a ficar cheio, o próximo archive vazio é usado para armazenar os novos dados. Se nenhum dos
archivesestiver vazio, o archive com os dados mais antigos é limpo e utilizado para gravar novos dados. É
importante que todos os archives elegíveis possuam backuppara garantir que nenhum dado seja perdido. O
valor deste contador dá uma boa indicação de quão cheio o archiveprimárioestá para que o usuário possa se
preparar para a mudança de arquivo para evitar perda de dados.

14.5. TELA DE DETALHES DE INTERFACES PI

A tela de detalhes de hardware de servidor será padrão para os servidores PI. Ela apresentará os dados de:

 Nome do servidor/interface;

 Taxa de envio de dados ao PI (I/O rate);

 Status de dispositivos dos quais a interface coleta os dados;


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 264/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

 Active ID (em caso de interfaces que operam em redundância);

 Heartbeat da interface;

 Quantidade de pontos para cada classe de scan.

Segue exemplo da tela de gerenciamento das interfaces.

Figura 32: Display de gerenciamento das interfaces

Para visualização dos detalhes de cada interface do PI, basta selecionar o servidor desejado na lista
localizada na área esquerda da tela do PI Processbook.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 265/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

 Alarmes

IO Rate: Caso o IO Rate da interface esteja abaixo de 1, a tela de detalhe/gerenciamento de interfaces


PI mostrará o valor do IO Rate em vermelho piscante.

Pontos por scan class: Caso a quantidade de pontos de uma classe de scan esteja superior à 900, o
valor será mostrado na tabela da tela em vermelho.

Status de Dispositivos: O campo de “Status de dispositivos” indica se a comunicação com os


dispositivos os quais a interface coleta os dados está funcionando adequadamente. Nestes casos, a
interface deve indicar o valor “0” ou um texto de “Good”, informando que os dispositivos de dados não
apresentam problemas.

Quando houver algum problema, dependendo da interface, a mesma indicará o valor “1” (flag de alarme) ou
indicará um texto com a quantidade de dispositivos com problema. A figura a seguir mostra um exemplo no
qual a interface indica que há 3 dispositivos, no total de 17, que estão com erro.

Figura 33: Parte da tela de detalhes: indicação de problemas nos dispositivos de dados

15. PROCEDIMENTO DE HORÁRIO DE VERÃO

As regras que definem os dias de entrada e de saída do horário de verão no Brasil alteram-se com frequência,
o que requer esforços contínuos dos administradores do Sistema PI para garantir que não haja problemas
decorrentes de configurações incorretas nos horários tanto do sistema operacional quanto do PIServer.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 266/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

De acordo com o Decreto nº 6.558, de 8 de setembro de 2008, que institui o horário de verão em parte do
território nacional (estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito
Santo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal), as seguintes regras se
aplicam a partir de 2008:

 Início do horário de verão: 0h do terceiro domingo do mês de outubro.

 Fim do horário de verão: 0h do terceiro domingo do mês de fevereiro do ano subsequente.

Exceção: No ano em que houver coincidência entre o domingo previsto para o término do horário de verão e o
domingo de carnaval, o encerramento da hora de verão dar-se-á no domingo seguinte.

Para evitar transtornos decorrentes das mudanças de horário, como servidores e clientes visualizando
snapshots diferentes para uma mesma tag, é preciso configurar corretamente o sistema como um todo para a
entrada e saída do horário de verão. Essas configurações são diferentes para o PIServer e para as demais
máquinas, e dividem-se em:

 Mudanças na configuração do PIServer:através do arquivo localhost.tz, que contém as regras


a serem seguidas para entrada e saída do horário de verão;

 Mudanças no sistema operacional: utilização do programa tzedit ou patch Microsoft.

O PIServer fica ciente sobre as regras de horário de verão através de um arquivo denominado localhost.tz, um
arquivo binário localizado na pasta PIHOME\dat. Os dados arquivados no PI contêm um timestamp baseado
em UTC (CoordinatedUniversalTime), a contagem do número de segundos desde 01/01/1970), timestamp
esse gerado usando as configurações de data e hora do momento em que o dado foi gerado. As
configurações no arquivo localhost.tz são aplicadas ao timestamp em UTC para que se visualize o horário
local. Se o arquivo localhost.tz não fizer referência a um ajuste no horário UTC arquivado por conta do horário
de verão, a visualização dos dados se dará como se não houvesse tal alteração. Em outras palavras, o
localhost.tz altera o modo como os timestamps são visualizados, não como eles são arquivados no PI; são
mandados ao archivetimestamps baseados no padrão UTC que seguem as configurações locais, e a
visualização desses timestamps dependerá da presença ou ausência de um arquivo localhost.tz que aplicará
ou não uma defasagem durante a visualização dos dados para o ano em questão.

A configuração do horário de verão no Sistema PI deve seguir essas regras:

 No PIServer: 2 configurações se fazem necessárias:

1 um arquivo com as regras de horário de verão, chamado localhost.tz, deve estar situado
na pasta PIHOME\dat;

2 o programa tzeditou um patch de atualização da Microsoft deve ser executado para que
o horário do sistema operacional seja alterado corretamente.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 267/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

3 No dia da mudança do horário, verifique dentro do próprio servidor os timestamps das


variáveis. Isso pode ser feito através da ferramenta PI SMT.

 Nas Máquinas Cliente e de Interface:É necessário apenas rodar o programa tzedit ou o patch
de atualização da Microsoft. NÃO deve haver arquivos localhost.tz em qualquer diretório dessas
máquinas. A princípio não há problema em haver uma cópia do arquivo localhost.tz nessas
máquinas; porém, caso algum desses seja modificado e essa modificação não seja replicada aos
demais, conflitos decorrentes das diferenças nas versões ocorrerão, comprometendo a aplicação
da mudança de horário pelo PIServer.

Artigo OSIsoft que trata sobre alteração de horário:

http://techsupport.OSIsoft.com/support+solution/7/KB00118.html

No segundo parágrafo do tópico Interfaces encontra-se a seguinte informação:

“If you apply an operating system patch to change the time zone or DST setting on an interface node,
and your interface applies local time stamps, you must restart the interface in order that the new time
zone information is read by the interface. Restarting the interface is probably a good idea, when in
doubt.

If running the OPC interface, an interface re-start is required.”

A seguir encontram-se detalhes de como configurar o sistema corretamente.

15.1. SERVIDOR PI

15.1.1. ARQUIVO LOCALHOST.TZ

O arquivo localhost.tz é uma arquivo binário que contém datas para entrada e saída do horário de verão.
Consiste em uma tabela estruturada em que cada linha se refere a um período de tempo (de um ano inicial há
um ano final) em que determinado offset será aplicado ao horário normal. Cada linha possui 7 colunas a
serem configuradas, conforme mostrado na Tabela 64:

Tabela 64: Colunas do arquivo localhost.tz

Coluna Informação

Primeira Estabelece-se o ano de início para a regra definida naquela linha.

Segunda É definido até que ano a regra especificada terá validade.


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 268/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Coluna Informação

Terceira Especifica-se o mês em que a mudança de horário terá início/fim. Logo, pelo decreto nº
6.558, os únicos valores possíveis são:

 10 (início do horário de verão em outubro);

 2 (final em fevereiro).

Quarta Coloca-se o número da semana do mês em que terá início a aplicação das regras. A partir
de 2008, deve-se observar sempre o valor 3, indicativo da terceira semana. Se o campo 4
possuir o valor -1, a quinta coluna indicará o dia do mês.

Quinta Coloca-se o dia do mês em que o horário de verão tem início/fim. Essa configuração pode
ser feita de duas formas:

 Absoluta: Com o valor -1 na quarta coluna, o número indicado na quinta coluna


fica sendo o valor absoluto do dia do mês. Esta opção pode ser mais trabalhosa já
que o dia referente ao terceiro domingo do mês mudará a cada ano.

 Relativo: Com um valor positivo na quarta coluna (indicativo do número da


semana), o valor da quinta coluna será o dia da semana sendo 1 – domingo, 2 –
segunda-feira, 3 – terça feira, até o valor 7 que corresponde ao sábado. Como o
horário de verão começa e termina no domingo, deve-se usar o valor 1 nessa
coluna.

Sexta Indica o horário (em segundos passados após 00:00:00) em que as regras terão início/fim.
Por padrão utiliza-se o valor 0, indicando 0 hora do domingo. Caso seja necessário, esse
campo pode ser editado para se adequar a alguma regra de entrada/saída de horário de
verão específica. Por exemplo, para dar início ao horário de verão às 2h do domingo, utilize
nessa coluna 7200 (2 horas convertidas para segundos).

Sétima Especifica a defasagem de tempo a ser aplicada. Para o início do horário de verão, essa
defasagem deve ser de -3600 segundos (1 hora). Na volta do horário de verão, 0.

Checando o conteúdo do arquivo localhost.tz e o horário do servidor do PI:

Para verificar quais regras estão contidas no arquivo binário localhost.tz, é preciso executar o seguinte
comando:PIHOME\adm>pidiag –tz *

Será apresentado a estrutura tabular comentada anteriormente, e na última linha aparecerá o horário seguido
pelo servidor do PI (que não necessariamente é o mesmo horário mostrado pelo relógio do Windows).
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 269/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Para que se elabore um arquivo localhost.tz, deve-se usar um arquivo de texto que contenha a estrutura
discutida acima. Antes disso, porém, é preciso indicar algumas outras configurações conforme Tabela 65.

Tabela 65: Linhas do arquivo localhost.tz

Linha Informação

Linha 1 Nome do fuso horário = Brasilia, Midnight (GMT-03:00).

Linha 2 Diferença (em segundos) entre o horário desse fuso horário e o GMT = 10800.

Linha 3 Flag binário (0 para hemisfério sul e 1 para hemisfério norte) = 0.

Linha 4 Nome do horário normal, por extenso = E. South America Standard Time.

Linha 5 Nome do horário normal, abreviado = ESAST.

Linha 6 Nome do horário de verão, por extenso = E. South America DaylightTime.

Linha 7 Nome do horário de verão, abreviado = ASADT.

Linha 8 em Lista de regras de data e hora de início e fim de horário de verão, composta por linhas
diante com os campos (colunas) separados por vírgula.

O arquivo texto deve ser semelhante ao exibido a seguir:

Brasilia, Midnight (GMT-03:00)


10800
0
E. South America Standard Time
ESAST
E. South America DaylightTime
ESADT
1994,1994,10,-1,16,0,-3600
1995,1995,10,-1,15,0,-3600
1996,1997,10,-1,6,0,-3600
1998,1998,10,-1,11,0,-3600
1999,1999,10,-1,3,0,-3600
2000,2000,10,-1,8,0,-3600
2001,2001,10,-1,14,0,-3600
2002,2002,11,-1,3,0,-3600
2003,2003,10,-,1,19,0,-3600
2004,2004,11,-1,2,0,-3600
2005,2005,10,-1,16,0,-3600
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 270/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

2006,2006,11-,1,5,0,-3600
2007,2007,10,-1,14,0,-3600
2008,2028,10,3,1,0,-3600
1995,1995,2,-1,19,0,0
1996,1996,2,-1,11,0,0
1997,1997,2,-1,16,0,0
1998,1998,2,-1,185,0,0
1999,1999,2,-1,21,0,0
2000,2000,2,-1,27,0,0
2001,2001,2,-1,18,0,0
2002,2002,2,-1,17,0,0
2003,2003,2,-1,16,0,0
2004,2004,2,-1,15,0,0
2005,2005,2,-1,20,0,0
2006,2006,2,-1,19,0,0
2007,2007,2,-1,25,0,0
2008,2008,2,-1,17,0,0

Salve o arquivo e, para dar origem ao arquivo binário localhost.tz, execute o seguinte comando no PIServer,
na pasta PIHOME\adm:

$PI\adm\pidiag –tz –ifrule <arquivo texto com as regras do horário de verão> -of <nome desejado ao
arquivo binário com as regras do horário de verão>

Por exemplo:

D:\PI\adm >pidiag –tz –ifrule D:\temp\horarioverao.txt –of D:\temp\localhost.tz

A saída, com o comando apontando para o arquivo acima, é:

# Time Zone name:


Brasilia, Midnight (GMT‐03:00)
# TZ environment variable: <not set>
# Bias (offset) from UTC (TAI) time:
10800
# January is standard / Northern hemisphere:
0
# Standard Time Name:
E. South America Standard Time
ESAST
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 271/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

# DaylightTime Name:
E. South America DaylightTime
ESADT
# StartYear, EndYear, Month, Week, Day, Time, Offset
1994, 1994, 10, ‐1, 16, 0, ‐3600
1995, 1995, 10, ‐1, 15, 0, ‐3600
1996, 1997, 10, ‐1, 6, 0, ‐3600
1998, 1998, 10, ‐1, 11, 0, ‐3600
1999, 1999, 10, ‐1, 3, 0, ‐3600
2000, 2000, 10, ‐1, 8, 0, ‐3600
2001, 2001, 10, ‐1, 14, 0, ‐3600
2002, 2002, 11, ‐1, 3, 0, ‐3600
2003, 2003, 10, ‐1, 19, 0, ‐3600
2004, 2004, 11, ‐1, 2, 0, ‐3600
2005, 2005, 10, ‐1, 16, 0, ‐3600
2006, 2006, 11, ‐1, 5, 0, ‐3600
2007, 2007, 10, ‐1, 14, 0, ‐3600
2008, 2028, 10, 3, 1, 0, ‐3600
1995, 1995, 2, ‐1, 19, 0, 0
1996, 1996, 2, ‐1, 11, 0, 0
1997, 1997, 2, ‐1, 16, 0, 0
1998, 1998, 2, ‐1, 15, 0, 0
1999, 1999, 2, ‐1, 21, 0, 0
2000, 2000, 2, ‐1, 27, 0, 0
2001, 2001, 2, ‐1, 18, 0, 0
2002, 2002, 2, ‐1, 17, 0, 0
2003, 2003, 2, ‐1, 16, 0, 0
2004, 2004, 2, ‐1, 15, 0, 0
2005, 2005, 2, ‐1, 20, 0, 0
2006, 2006, 2, ‐1, 19, 0, 0
2007, 2007, 2, ‐1, 25, 0, 0
2008, 2008, 2, ‐1, 17, 0, 0
2009, 2011, 2, 3, 1, 0, 0
2012, 2012, 2, 4, 1, 0, 0
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 272/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

2013, 2014, 2, 3, 1, 0, 0
2015, 2015, 2, 4, 1, 0, 0
2016, 2022, 2, 3, 1, 0, 0
2023, 2023, 2, 4, 1, 0, 0
2024, 2025, 2, 3, 1, 0, 0
2026, 2026, 2, 4, 1, 0, 0
2027, 2028, 2, 3, 1, 0, 0

Se antes dos dados informados no extrato acima o prompt acusar “wrongconfiguration” para algumas
datas, possivelmente o arquivo texto gerado não segue o padrão
ano_início,ano_final,mês,semana,dia_semana,horário_inicio,defasagem. Corrija a formatação do arquivo texto
e execute o comando novamente. Para testar se o arquivo gerado realmente corresponde às regras
desejadas, execute o seguinte comando:

$PI\adm >pidiag –tz –if D:\temp\localhost.tz

O comando acima deve retornar:

# Time Zone name:


Brasilia, Midnight (GMT‐03:00)
# TZ environment variable: <not set>
# Bias (offset) from UTC (TAI) time:
10800
# January is standard / Northern hemisphere:
0
# Standard Time Name:
E. South America Standard Time
ESAST
# DaylightTime Name:
E. South America DaylightTime
ESADT
# StartYear, EndYear, Month, Week, Day, Time, Offset
1994, 1994, 10, ‐1, 16, 0, ‐3600
1995, 1995, 10, ‐1, 15, 0, ‐3600
1996, 1997, 10, ‐1, 6, 0, ‐3600
1998, 1998, 10, ‐1, 11, 0, ‐3600
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 273/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

1999, 1999, 10, ‐1, 3, 0, ‐3600


2000, 2000, 10, ‐1, 8, 0, ‐3600
2001, 2001, 10, ‐1, 14, 0, ‐3600
2002, 2002, 11, ‐1, 3, 0, ‐3600
2003, 2003, 10, ‐1, 19, 0, ‐3600
2004, 2004, 11, ‐1, 2, 0, ‐3600
2005, 2005, 10, ‐1, 16, 0, ‐3600
2006, 2006, 11, ‐1, 5, 0, ‐3600
2007, 2007, 10, ‐1, 14, 0, ‐3600
2008, 2028, 10, 3, 1, 0, ‐3600
1995, 1995, 2, ‐1, 19, 0, 0
1996, 1996, 2, ‐1, 11, 0, 0
1997, 1997, 2, ‐1, 16, 0, 0
1998, 1998, 2, ‐1, 15, 0, 0
1999, 1999, 2, ‐1, 21, 0, 0
2000, 2000, 2, ‐1, 27, 0, 0
2001, 2001, 2, ‐1, 18, 0, 0
2002, 2002, 2, ‐1, 17, 0, 0
2003, 2003, 2, ‐1, 16, 0, 0
2004, 2004, 2, ‐1, 15, 0, 0
2005, 2005, 2, ‐1, 20, 0, 0
2006, 2006, 2, ‐1, 19, 0, 0
2007, 2007, 2, ‐1, 25, 0, 0
2008, 2008, 2, ‐1, 17, 0, 0
2009, 2011, 2, 3, 1, 0, 0
2012, 2012, 2, 4, 1, 0, 0
2013, 2014, 2, 3, 1, 0, 0
2015, 2015, 2, 4, 1, 0, 0
2016, 2022, 2, 3, 1, 0, 0
2023, 2023, 2, 4, 1, 0, 0
2024, 2025, 2, 3, 1, 0, 0
2026, 2026, 2, 4, 1, 0, 0
2027, 2028, 2, 3, 1, 0, 0
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 274/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

O arquivo foi gerado corretamente. Basta colocá-lo na pasta PIHOME\dat do seu PIServer.

OBS: Todos esses exemplos se baseiam no horário de verão “correto”. Para aqueles que desejarem o
início/fim do horário de verão em outras datas ou outros horários, basta editar o arquivo .txt de forma a refletir
tais mudanças.

É possível fazer o download de um arquivo localhost.tz que segue o decreto nº 6.558 até o ano de 2028
através do DownloadCenter (http://techsupport.OSIsoft.com>DownloadCenter>AllDownloads). Para arquivos
que seguem regras diferenciadas, favor contatar o suporte técnico ou verificar as tabelas: Tabela 64 e Tabela
65 deste document.

15.1.2. HORÁRIO DO SISTEMA OPERACIONAL

Depois de preparar o PIServer para o horário de verão através da correta configuração do arquivo localhost.tz,
é preciso configurar o horário do sistema operacional.

Para sistemas operacionais Windows, deve-se aplicar o patch de segurança que pode ser baixado
gratuitamente no site de suporte da Microsoft: http://support.microsoft.com. No site de suporte da Microsoft
procurar por “Como configurar o horário de verão para os sistemas operacionais Microsoft Windows” na
ferramenta de pesquisa disponibilizada no site.

Outra opção é a atualização do tzedit. Ao executá-lo, a tela mostrada na Figura 34 será exibida. Utilize a
configuração do tzedit, caso não seja possível a atualização usando o patch da Microsoft.

Figura 34: tzedit - Windows Time Zone Editor

Selecione o Time Zone de sua região ((GMT-03:00) Brasilia para a maioria dos casos) e clique no botão Edit.
Será apresentada uma tela como a que segue:
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 275/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Figura 35: Edição deTime Zone: (GMT-03:00) Brasilia

As configurações a serem feitas aqui devem refletir as regras para início e fim do horário de verão:

 No campo “Start Day” selecionar Third - Sunday - October 00:00:00.

 No campo “Last Day” selecionar Third - Sunday - February 00:00:00.

Basta então clicar em OK para fechar o modo de edição e depois em Close para sair do editor.

Depois disso, é preciso assegurar que essas alterações serão colocadas em vigor pelo sistema operacional.
Para tanto, abra o “Painel de Controle” (Start>Settings>ControlPanel), dê um duplo clique em “Date&Time” e
selecione a aba “Time Zone”. Selecione outro fuso horário que não altera o relógio do Windows, como o
(GMT-03:00) Buenos Aires, por exemplo (para o caso de sua região utilizar o horário de Brasilia, que também
é GMT-03:00), e clique em “Apply”. A seguir, selecione o fuso horário correto novamente ((GMT-03:00)
Brasilia para a maioria dos casos) e clique em “Apply” novamente. Certifique-se de que a opção
“Automaticallyadjustclockfordaylightsavingchanges” está habilitada e clique em OK.

15.2. MAQUINAS CLIENTES E DE INTERFACE

Como comentado anteriormente, as máquinas cliente e de interface NÃO devem conter um arquivo
localhost.tz. Para estas máquinas, basta configurar o fuso horário utilizando o programa tzedit.exe ou fazendo
atualização do patch da Microsoft, como comentado na seção anterior.

Para as interfaces, deve ser feito:

- Executar na máquina backup e depois na primária;


- Parar todos os serviços do sistema PI;
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 276/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

- Aplicar o HotFix ou patch da Microsoft;


- Caso tenha o tzedit, garantir que não exista um tzedit configurado errado;
- Reiniciar os serviços do sistema PI.

15.3. CASOS ESPECIAIS

15.3.1. PI SERVER SEM HORÁRIO DE VERÁO

Quando o PIServer estiver em uma região que não segue o horário de verão, nenhum procedimento deve ser
executado no sistema operacional, tampouco deve haver um arquivo chamado localhost.tz no diretório PI\dat.
Porém, é preciso ressaltar que, mesmo que o arquivo localhost.tz não esteja presente, o sistema pode
elaborar um com base nas configurações relativas ao horário de verão da máquina do Servidor do PI. Ou seja,
caso se utilize o utilitário tzedit erroneamente na máquina do servidor, o servidor se encarregará de criar um
arquivo localhost.tz que segue essas configurações. Portanto, atente para o horário do sistema operacional
(não execute o arquivo localhost.tz, tampouco habilite a opção “Automatically adjust clock to daylight saving
changes”).

Caso o PIServer tenha observado o horário de verão em anos anteriores, é preciso ter configurado um arquivo
localhost.tz particular, que contemple os períodos de início e fim de horário de verão dos anos anteriores e
que defina que para o ano corrente (e eventualmente os que se seguirão) o offset a ser aplicado quando do
início do horário de verão é zero. Lembre-se que os timestamps arquivados no PIServer seguem o formato
UTC, e que a visualização desses timestamps depende do arquivo localhost.tz – daí decorre a necessidade
de tê-lo na máquina caso em algum momento passado o horário de verão já tenha sido observado.

15.3.2. SERVIDOR/INTERFACES EM DIFERENTES TIMEZONES

Quando interfaces e PIServer encontram-se em regiões com diferentes horários, a maneira mais fácil de evitar
problemas devido a estas diferenças seria fazer com que a configuração do horário na máquina de interface
seguisse a configuração do PIServer (por exemplo, numa situação em que o PIServer não segue o horário de
verão, mas a interface o faz, bastaria, na máquina de interface, não habilitar a opção “Automatically adjust
clock for daylight saving changes”). Procedendo dessa maneira, os dados chegariam ao PIServer com o fuso
horário do PIServer. Se por algum motivo o horário da máquina de interface deve ser corrigido para o horário
de verão, seria necessário especificar um parâmetro DSTMISMATCH na seção [DEFAULTS] do arquivo
pilogin.ini (na pasta PIPC\dat), o que asseguraria que a interface ignoraria a diferença de horário em relação
ao PIServer e assim conseguiria enviar dados ao mesmo. Um exemplo de como esse arquivo pilogin.ini ficaria
configurado encontra-se a seguir:

[DEFAULTS]
PIServer=localhost
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 277/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

HELPFILE=C:\pipc\LIBRARY\PILOGIN.HLP
PI1USER=piadmin
PI2USER=piadmin
DSTMISMATCH1=3600
DSTMISMATCH2=3600
[PINODEIDENTIFIERS]
PI1=arwen,8164,5450
PI2=strider,49044,5450

Observe que o número x que segue o parâmetro DSTMISMATCHx faz referência ao PIServer ao qual o
parâmetro se refere.

15.3.3. SERVIDOR/CLIENTES EM DIFERENTES TIMEZONES

Caso o PIServer e as máquinas clientes estejam em locais com diferentes configurações de horário (por
exemplo, um em um estado que adota o horário de verão e outro em outro estado sem horário de verão), é
preciso estar atento com algumas configurações especiais, pois obviamente cada máquina terá seu horário
local.

15.3.3.1. PI PROCESSBOOK

Usando o ProcessBook é possível optar por visualizar o timestamp com horário do Servidor ou da máquina
local. Essa configuração está disponível no menu Ferramentas (Tools) > Preferências (Preferences), sob a aba
“General”, no quadro “DefaultTime Zone” conforme mostra a Figura 36.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 278/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Figura 36: Seleção de Time Zone no ProcessBook

A opção padrão é usar o fuso horário do PIServer, o que pode fazer com que o snapshot seja visualizado no
passado (quando o PIServer não segue o horário de verão) ou no futuro (quando o PIServer se encontra em
uma região com horário de verão e a máquina cliente não).

15.3.3.2. PI DATALINK

O DataLink utiliza por padrão o horário da máquina local, mas isso também pode ser alterado através do menu
Settings como visto na Figura 37.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 279/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Figura 37: Seleção de Time Zone no DataLink

15.3.3.3. PI RTWEBPARTS

15.3.3.4. PARA WEB SERVER, CLIENTES E PI SERVER SOB O MESMO FUSO HORÁRIO

O SharePoint possui um arquivo denominado timezone.xml no qual se especifica a defasagem de tempo a ser
seguida durante o horário de verão. Esse arquivo fica no diretório \Program Files\Common
Files\MicrosoftShared\Web Server Extensions\12\Config. A seguir encontra-se um extrato deste arquivo:

<TimeZone ID="8" Name="(GMT-03:00) Brasilia" Hidden="FALSE">


<Bias>180</Bias>
<StandardTime>
<Bias>0</Bias>
<Date>
<Month>2</Month>
<Day>2</Day>
<Hour>2</Hour>
</Date>
</StandardTime>
<DaylightTime>
<Bias>-60</Bias>
<Date>
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 280/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

<Month>10</Month>
<Day>3</Day>
<Hour>2</Hour>
</Date>
</DaylightTime>
</TimeZone>

Na linha marcada em cinza, especifica-se a defasagem em minutos para a entrada do horário de verão.

Se a configuração constante neste arquivo não refletir o que se espera para o horário de verão, os horários de
snapshots no portal estarão erroneamente configurados.

15.3.3.5. PARA WEB SERVER, CLIENTES E PI SERVER EM FUSOS HORÁRIOS DISTINTOS

Quando clientes em regiões com horários diferentes do PIServer (e possivelmente também do Servidor Web)
acessam os dados do PI através de um portal usando RtWebParts, deparam-se com um problema: o snapshot
estará uma hora à frente ou uma hora no passado. Para garantir que toda a informação referente a fusos
horários seja elaborada a partir das configurações da máquina cliente que acessa o RtBaseline, deve-se
deletar a informação de fuso horário que se encontra no registro do servidor do SharePoint. Para fazê-lo,
apague todas as chaves sob o seguinte registro no SharePoint:

HKEY_LOCAL_MACHINE\SOFTWARE\PISystem\TimeServer\TimeZones

Neste registro consta o fuso horário que será adotado como padrão. Logo, se clientes em regiões com outros
fusos horários acessarem o portal, os timestamps serão mostrados também utilizando as configurações que
ficaram armazenadas no registro do servidor do SharePoint, configurações essas diferentes das aplicadas
neste cliente. Tendo-se apenas um site para atender a clientes em diferentes regiões com diferentes fusos
horários, infelizmente, até o presente momento, não há nada que possa ser feito para corrigir esse problema.

Há um PLI (PuchList item) que relata este problema (PLI 18738OSI8), que solicita que o RtWebParts respeite
configurações regionais individuais para cada usuário, e não apenas para cada site. Ainda não há versão
prevista para contemplar esta melhoria. Uma alternativa seria utilizar múltiplos sites no SharePoint, cada site
refletindo uma configuração de data e hora. Para tanto, deve-se inserir na chave de registro acima citada cada
uma dessas configurações. Primeiramente, apague a chave de registro. A seguir, para cada fuso horário que
você deseja suportar, aplique o correspondente localhost.tz no PIServer (mesmo que esse localhost.tz não
seja o apropriado para a região em que o PIServer se encontra). Enquanto esse arquivo tz está ativo, force o
requerimento de dados do PIServer a partir do RtBaselineServices para que a informação referente a este fuso
horário seja armazenada na chave de registro. Repita esses procedimentos para cada um dos diferentes sites
de forma a criar registros para cada região, e por fim retorne ao PIServer o arquivo localhost.tz original.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 281/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

16. SUPORTE

A solicitação de suporte está dividido em três fluxos:

1º fluxo:os administradores das localidades devem entrar em contato com o CIGA diante de sua primeira
necessidade.

2º fluxo: os administradores centrais devem ser acionados pelo CIGA ou pelos administradores locais, caso
as tentativas de resolver uma necessidade não seja bem sucedida.

3º fluxo: os administradores centrais acionarão o suporte do fornecedor do sistema, no caso a OSIsoft, para
resolver uma necessidade que não foi bem sucedida. O contato deverá ser feito, preferencialmente com o
envolvimento do administrador local solicitante.

Este item tem o objetivo de informar o processo de suporte do fornecedor do sistema PI (OSIsoft) e o
mecanismo de renovação do suporte. O suporte da OSIsoft pode ser acionado por três formas distintas como
visto na próxima figura:

Figura 38: Formas de contato com a OSIsoft

Existe um número de usuários limitado que podem acionar o suporte da OSI e os usuários autorizados
para tal estão listados no item 16.1.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 282/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

16.1. USUÁRIOS AUTORIZADOS A UTILIZAR O SUPORTE

Os usuários autorizados a utilizar o suporte da OSIsoft estão listados na Tabela 66 assim como seu contato:

Tabela 66: Lista de usuários autorizados a acionar o suporte da OSIsoft

Contato
Nome Localidade
Telefone e-mail

Ana Paula Barcelos 31-3839-5648 ana.paula.barcelos@vale.com Itabira

Ana Paula Campos 31-3557-4258 ana.paula.campos@vale.com Mariana

Ednei Rocha 31-3839-5130 ednei.rocha@vale.com Itabira

Eduardo Pereira Silva 31-3833-6492 eduardo.pereira.silva@vale.com Itabira

José Alberto Silveira 31-3559-6262 Jose.alberto.silveira@vale.com Mariana

Juliana Procópio 31-3839-5648 juliana.procopio@vale.com Itabira

Luciane Moreira 31-3839-5090 luciane.moreira@vale.com Itabira

Maria Oliveira 31-3839-7271 Maria.oliveira@vale.com Itabira

Roger Correa 31-3839-5104 roger.correa@vale.com Itabira

Executantes da CTA BH - MAC

16.2. UTILIZAÇÃO DO SUPORTE

A OSIsoft disponibiliza atendimento de suporte 24 horas por dia via:

 E-mail;

 Telefone;

 Mensagens de Voz.

A OSIsoft garante um retorno à solicitação de suporte em até quatro horas. As solicitações de suporte são
classificadas pela OSIsoft em quatro níveis de prioridade o que define a urgência de atendimento à
solicitação.

16.3. O QUE TER EM MÃOS ANTES DE ACIONAR O SUPORTE.

Antes de acionar o suporte da OSI, o solicitante deve ter em mãos algumas informações que podem ser
necessárias para o diagnóstico do problema em questão sendo elas:
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 283/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

 Arquivos de LOG

 Versões dos Produtos

 Mensagens e Códigos de Erro

 ARQUIVOS DE LOG

Figura 39: Localização do arquivo pipc.log

Figura 40: LogPI.txt


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 284/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

 VERSÕES DO PRODUTO

Figura 41: Localização da versão do software

Figura 42: Versão do sistemaPI

 MENSAGENS DE CÓDIGO DE ERRO


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 285/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Figura 43: Mensagens e códigos de erro

16.4. COMO NÃO PEDIR AJUDA

Ao acionar o suporte da OSI, o solicitante deve atentar para evitar a ocorrência de envio de e-mail sem corpo
de mensagens, envio de e-mail sem especificação do problema, envio de e-mails redundantes em um curto
intervalo de tempo como mostra a Figura 44.

Figura 44: Como não pedir ajuda

16.5. SITE DE SUPORTE TÉCNICO DA OSISOFT

O suporte técnico pode ser feito pelo site da OSIsoft: HTTP://techsupport.OSIsoft.com


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 286/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Figura 45: Site de suporte da OSIsoft

Ao clicar na opção “System Manager Resources” o usuário e senha de log in serão solicitados conforme
mostra a Figura 46.

Figura 46: Log in no site da OSIsoft

O procedimento de criação de uma nova conta ocorre a partir dos seguintes três passos:

 Esperar e-mail de confirmação para criação da conta;

 Clicar no link enviado para habilitar a conta;

 Fazer a log in pela primeira vez.

Ao fazer log in no site da OSI, a página de suporte fornece as funcionalidades mostradasna Figura 47.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 287/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Figura 47: Página de suporte da OSI

Para abrir um chamado novo, o usuário deve selecionar a opção My Calls->New Call conforme mostra Figura
48.

Figura 48: Nova chamada para suporte


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 288/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Ao selecionar a opção New Call, será exibida uma tela onde é possível enviar a solicitação de suporte à
OSIsoft como mostra a Figura 49.

Figura 49: Envio de solicitação de suporte ao site da OSIsoft

Os detalhes de um chamado podem ser visualizados conforme mostra a Figura 50.


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 289/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Figura 50: Detalhes de um chamado no site da OSI

No site da OSIsoft, é possível, também, realizar pesquisa de mensagens de erro como mostram a Figura 51
e a Figura 52.

Figura 51: Pesquisa de mensagens de erro no site da OSI


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 290/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Figura 52: Resultado de pesquisa de mensagens de erro no site da OSI

16.6. RENOVAÇÃO DE SUPORTE OU COMPRA DE LICENÇA

O suporte da OSIsoft, geralmente é renovado por um período de 12 meses. Antes de vencer o período de
vigência do contrato de suporte, é necessário fazer a renovação deste.

Quando houver a necessidade de compra de software do sistema PI, como PI COMBO, acesso ao vCampus,
dentre outros, ela deverá ser feita com a condição que o suporte do produto seja defeito até a data fim do
contrato vigente.

O administrador central é o responsável por manter o suporte do sistema PI em dia. Este item objetiva definir
os documentos necessários para a renovação do suporte ou compra de licença além de definir os papéis no
processo de negociação.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 291/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Tabela 67: Documentos para renovação de suporte e compra de licença.

Documentos necessários para a renovação do suporte ou compra de licença

Formulário de Requisição de Compra

Quadro de Quantidades e Preços em Português e Inglês

Especificação da Renovação em Português e Inglês

Justificativa para contratação direta

Carta de Exclusividade da OSIsoft com menos de 6 meses

Tabela 68: Lista de responsáveis no procedimento de compra de licença e renovação de suporte

Responsáveis no procedimento de renovação de suporte e


compra de licença
Nome

Requisição Acompanhamento Negociação Recebimento

Administrador central elabora

Equipe de PCA (Programação e


Controle de Automação) emite

Administrador central

Equipe de Suprimentos

Administrador central

17. TREINAMENTOS

Os administradores do sistema PI são os responsáveis por providenciar os preparativos que envolvem os


treinamentos clientes do sistema PI.

Os administradores centrais são responsáveis pela atualização do material de treinamento do PI COMBO. Os


administradores locais podem atualizar o material de treinamento após aprovação dos administradores
centrais.

O administrador deverá providenciar todos os itens que envolvem o treinamento como: alocação de sala,
criação de lista de presença, lista de avaliação, criação de certificados, preparação do material do treinamento
(mídia/impresso), coffe-break, atualização do material de treinamento, etc.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 292/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Os administradores deverão ser informados pela central de atendimento da automação mensalmente sobre a
demanda de solicitação de clientes por área, para a participação nos treinamentos. A cada 3 meses, os
administradores locais deverão realizar os agendamentos de treinamentos mensais junto a Valer. A
trimestralidade foi definida, pois, 3 meses é o período máximo permitido pela Valer para agendamento.

Além dos treinamentos clientes do PI fornecidos pelos administradores locais aos clientes, treinamentos de
capacitação dos administradores locais deverão ocorrer. Os administradores centrais são os responsáveis por
mapear a necessidade da realização dos treinamentos de capacitação/atualização dos administradores locais
bem como detalhes deste treinamento como: local onde o treinamento deverá ocorrer, empresa prestadora do
serviço de treinamento, periodicidade dos treinamentos, e outros. O administrador local que será treinado
deverá providenciar junto ao RH a sua alocação para o treinamento.

Atenção: A partir de julho de 2018, os treinamentos de cliente passaram a ser aplicados pela CTA (Central
Automação) do departamento de TI da Vale, confome item de Gestão do serviço PIMS

18. CERTIFICAÇÃO DE PI COMBO

O dono do serviço PIMS é o responsável por realizar a certificação do PI COMBO na TA e solicitar a


certificação na TI.

Os aplicativos de PI COMBO (PI DataLink e PI ProcessBook) devem ser baixados do site do suporte do
fornecedor OSIsoft no endereço http://techsupport.OSIsoft.com/

Os softwares devem ser instalados e o procedimento de instalação atualizado e disponibilizado no portal da


automação. Deve ser feito um procedimento para instalação na rede TI e na rede TOp.

Para certificação desses aplicativos, é necessário que não tenha software da OSIsoft instalado na máquina.

19. LICENÇAS DO PI COMBO

Atenção: A partir de julho de 2018, os treinamentos de cliente passaram a ser aplicados pela CTA (Central
Automação) do departamento de TI da Vale, confome item de Gestão do serviço PIMS.

O processo descrito a seguir, se procede quando a Gestão do Serviço é feito pela Gerência de Automação.

19.1. SOLICITAÇÃO DE INSTALAÇÃO DE LICENÇA DO PI COMBO

Ao receber uma solicitação de compra de licença por parte de um usuário cliente, o administrador deve
executar um procedimento e este procedimento é distinto no caso do cliente da TI ou TA. Em ambos os
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 293/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

casos, o procedimento de aquisição de licença é iniciado quando o cliente entra em contato com a central de
atendimento da TA - no caso de um cliente da TA; ou quando o cliente entra em contato pelo Vale Support
Center - quando é um cliente da TI. A sequência de passos que ocorrem após este primeiro contato é
detalhada separadamente para o caso do solicitante da Ti e solicitante da TA:

19.1.1. SOLICITANTE DA TA

A Figura 53 demonstra um fluxograma da sequência de procedimentos a serem executados pela TA no caso


de uma solicitação de licença do PI COMBO feita pelo cliente da TA. Em seguida um detalhamento do
fluxograma está descrito.

Cliente entra em contato


com o CIGA (125)

Solicitante é informado da Não Sim Instalação do software pela


reprovação via e-mail equipe CIGA
Solicitação
aprovada?

Cliente testa acesso ao TA efetiva acesso ao sistema


sistema PI PI e informa ao solicitante

Figura 53:Fluxograma da solicitação de licença do PI COMBO (Cliente TA)

Uma abertura de chamado é feita na central de atendimento da automação (CIGA).

A equipe da TA faz uma análise e avaliação da possibilidade da instalação. Caso a solicitação seja possível, o
CIGA aprova e executa a instalação do PI COMBO. Após a instalação do software, o CIGA faz a criação do
trust no sistema PI para a efetivação da licença. Posteriormente, o solicitante é informado através de e-mail,
que a instalação do software foi bem sucedida.

Se em algum momento a solicitação não for aprovada, um e-mail deverá ser enviado ao solicitante informando
que a solicitação foi recusada.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 294/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

19.1.2. SOLICITANTE DA TI

O procedimento a ser adotado pelo administrador quando for solicitado, por um cliente da TI, a aquisição de
licença do PI COMBO está demonstrado na Figura 54 por meio de um fluxograma o qual está detalhado
posteriormente.

Figura 54: Fluxograma da solicitação de licença do PI COMBO (Cliente TI)

A solicitação de instalação de software é feita pelo Vale Support Center e segue o fluxo de aprovação da TI.
Esta solicitação é encaminhada ao gerente da área do solicitante. O gerente da área tem a função de avaliar a
solicitação e dar um parecer de aprovação ou não para a mesma.

Caso o gerente aprove a solicitação, esta é encaminhada para o controle de software da TI. A equipe de TI
então redireciona a solicitação ao CIGA, para fazer uma análise e avaliação da solicitação. Caso a instalação
seja possível, o CIGA aprova a solicitação e o chamado é direcionado para execução. A equipe de instalação
da TI (HP) executa a instalação do software na máquina do cliente.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 295/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Após a instalação do software, o solicitante deve entrar em contato com o CIGA (125) para informar que a
instalação do software foi realizada para que o acesso ao sistema PI seja efetivado. Concluída a efetivação do
acesso, o CIGA entra em contato com o solicitante para informar a efetivação do acesso ao sistema PI. Se em
algum momento a solicitação não for aprovada, um e-mail deverá ser enviado ao solicitante informando que a
solicitação foi recusada.

19.2. SOLICITAÇÃO DE MOVIMENTAÇÃO DE LICENÇA DO PI COMBO

19.2.1. SOLICITANTE DA TA

O procedimento a ser adotado pelo administrador ao receber uma solicitação de um cliente da TA para
movimentação de licença do PI COMBO está demonstrado na Figura 55 por meio de um fluxograma o qual
está detalhado posteriormente.

Cliente entra em contato com


o CIGA (125)

Solicitante é informado da Não Sim Movimentação do software


reprovação via e-mail pela equipe CIGA
Solicitação
aprovada?

CIGA efetiva acesso ao sistema


Cliente testa acesso ao sistema PI
PI e informa ao solicitante

Figura 55: Fluxograma da solicitação de movimentação de licença do PI COMBO (Cliente TA)

Uma abertura de chamado é feita na central de atendimento da automação (CIGA).

A equipe da TA faz uma análise e avaliação da possibilidade da movimentação. Caso a solicitação seja
possível, o CIGA aprova e executa a movimentação do PI COMBO. Após a instalação do software, o CIGA faz
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 296/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

a criação do trust no sistema PI para a efetivação da licença. Posteriormente, o solicitante é informado através
de e-mail, que a instalação do software foi bem sucedida.

Se em algum momento a solicitação não for aprovada, um e-mail deverá ser enviado ao solicitante informando
que a solicitação foi recusada.

19.2.2. SOLICITANTE DA TI

O procedimento a ser adotado pelo administrador ao receber uma solicitação de um cliente da TI para
movimentação de licença do PI COMBO está demonstrado na Figura 56 por meio de um fluxograma o qual
está detalhado posteriormente.

Figura 56: Fluxograma da solicitação de movimentação de licença do PI COMBO (Cliente TI)


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 297/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

A solicitação de movimentação de software é feita pelo Vale Support Center e segue o fluxo de aprovação da
TI. Esta solicitação é encaminhada ao gerente da área do solicitante. O gerente da área tem a função de
avaliar a solicitação e dar um parecer de aprovação ou não para a mesma.

Caso o gerente aprove a solicitação, esta é encaminhada para o controle de software da TI (chave
PROC770). A equipe de TI então redireciona a solicitação ao CIGA, para fazer uma análise e avaliação da
solicitação. Caso a instalação seja possível, o CIGA aprova a solicitação e o chamado é direcionado para
execução. A equipe de instalação da TI (HP) executa a movimentação do software na máquina do cliente.

Após a instalação do software, o solicitante deve entrar em contato com o CIGA (125) para informar que a
instalação do software foi realizada para que o acesso ao sistema PI seja efetivado. Concluída a efetivação do
acesso, o CIGA entra em contato com o solicitante para informar a efetivação do acesso ao sistema PI. Se em
algum momento a solicitação não for aprovada, um e-mail deverá ser enviado ao solicitante informando que a
solicitação foi recusada.

20. APLICAÇÕES DESENVOLVIDAS

20.1. APLICAÇÃO EXCEL

20.1.1. CARACTERÍSTICAS DA APLICAÇÃO

O sistema PI possui um módulo específico para interação com a ferramenta Excel, que compõe o pacote do
Microsoft Office,objetivando a geração de relatórios de produção de forma simples. Esta aplicação/módulo é
chamada PI DATALINK e é adicionada ao Excel como um suplemento deste.

As aplicações no Excel desenvolvidas para interagir com o PIServer têm o objetivo de geração de relatórios
de produção, portanto, geralmente as aplicações Excel trabalham com os dados históricos do sistema e não
com os dados de tempo real.

A manipulação de dados de produção no Excel permite interagir com as diversas ferramentas do Excel como
cálculos matemáticos, fórmulas, customização utilizando código VBA (Visual Basic for Application), dentre
outros recursos do Excel.

20.1.2. PUBLICAÇÃO DE UMA APLICAÇÃO

Um cliente que já tenha o treinamento do PI COMBO e, consequentemente, esteja habilitado a utilizar a


ferramenta, pode criar ou dar manutenção na aplicação existente.

Caso o cliente tenha interesse em publicar a aplicação no diretório da rede


“Automação_Sistemas_SiglaLocalidade”, ele deverá entrar em contato com a central de atendimento da
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 298/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

automação (125) para solicitar a publicação. No momento da solicitação de publicação da aplicação, o cliente
deverá informar as características básicas da aplicação a ser publicada como:

 Utilidade da aplicação;

 Em que situações a aplicação pode ser utilizada;

 Quais as informações que a aplicação fornece ao usuário.

Antes da publicação efetiva, a central de serviços CIGA deve submeter a aplicação para aprovação de
identidade.

Pode ser solicitada ao cliente alguma alteração na aplicação para adequação aos padrões que porventura
existam nas aplicações publicadas. Caso o cliente não tenha o treinamento do PI COMBO ou necessite apoio
para o desenvolvimento, ele pode entrar em contato com o administrador local ou com a central de
atendimento da automação para solicitar ajuda. Nestes casos, a atividade de criação da aplicação, caso seja
viável, poderá ser delegada a alguma outra pessoa experiente ou um suporte de acompanhamento pode ser
fornecido ao cliente solicitante.

Cada aplicação do Excel a ser publicada, deverá conter uma aba contendo informações de utilização da
aplicação bem como uma aba com informações de manutenção como mostram a Figura 57 e a Figura 58.

Figura 57: Manual de utilização de aplicação Excel


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 299/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Figura 58: Manual de manutenção de aplicação Excel

20.2. PROCESSBOOK

20.2.1. CARACTERÍSTICAS DA APLICAÇÃO

O PI PROCESSBOOK é uma aplicação que permite a exibição de informações de processo com visualização
de valores e gráficos de tendência em tempo real. Assim como o PI DATALINK, o PI PROCESSBOOK
permite a customização utilizando código VBA.

O PI PROCESSBOOK tem o objetivo de disponibilizar ao usuário os valores de dados de produção no


momento em que estes dados surgem na área, ou seja, permitir ao usuário um acompanhamento do
ambiente de produção em tempo real, sinalizando com alarmes condições adversas, monitorando variáveis
importantes do processo, etc. Ou seja, o PI PROCESSBOOK é um aplicativo que objetiva acompanhar um
processo sob o nível de supervisão da produção em tempo real.

20.2.2. PUBLICAÇÃO DE UMA APLICAÇÃO

O procedimento de publicação de uma aplicação processbook é o mesmo procedimento para o caso de uma
aplicação Excel descrita no item 20.1.2.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 300/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

20.3. PORTAL

20.3.1. CARACTERÍSTICAS DO PORTAL

A Diretoria possui um portal da Automação, em Sharepoint, onde um site é dedicado a apresentação de


informações operacionais. No portal, podem ser publicadas aplicações do Excel e aplicações Processbook
além de paginas de outros sistemas que informam dados operacionais. A Figura 59 exibe o layout do portal
da automação.

Figura 59: Layout do portal da Automação

20.3.2. PUBLICAÇÃO DE UM SITE NO PORTAL

Para a publicação de um site no portal, o cliente deve entrar em contato com o administrador local para fazer a
solicitação. O administrador local faz uma avaliação crítica da demanda e, caso seja realmente relevante a
criação do site no portal, abre um chamado na central de atendimento da automação (125). A central de
atendimento redireciona a publicação do site ao administrador de conteúdo.

21. ENVIO DE BOLETINS DO SISTEMA AOS USUÁRIOS

O objetivo desse item é a divulgação e compartilhamento de boas práticas com os clientes do sistema PI. Os
boletins construídos devem ser elaborados e enviados pelos administradores centrais do sistema.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 301/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

As dicas elaboradas devem ser simples, prática e objetivas.

O boletim enviado deve ser arquivado no portal da automação.

22. RETIFICAÇÃO DE VALORES NA BASE DE DADOS

Este item indica os procedimentos para o usuário em o que fazer e como fazer quando houver a necessidade
de alterar valores no sistema PI. Para isso, existem 2 (dois) documentos publicados que descrevem
procedimentos para alteração de valores.

22.1. PGS-000249

Existe um padrão descritivo através de PGS que define critérios para atualização e correção de valores de
movimentação de mina nas bases de dados do sistema PI. Este padrão descritivo, PGS-0249 GAUAS, pode
ser encontrado no SISPAV (Sistema de Padronização da VALE) em http://sispav/se/index.php como pode ser
visto na Figura 60. Neste PGS, é possível encontrar prazos, de envio de solicitação e retorno dos mesmos,
procedimentos para preenchimento e aprovação do formulário de solicitação de alteração de valores na base
de dados, dentre outros.

Figura 60: PGS000249 no SISPAV


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 302/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Alguns prontos principais estão descritos nos itens a seguir.

22.1.1. QUANDO EXECUTAR RETIFICAÇÃO DE VALORES

A alteração de valores na base de dados do sistema PI deve ocorrer nas seguintes situações:

 Fechamento contábil: Quando houver a necessidade de ajustes referentes ao fechamento contábil.

22.1.2. PROCEDIMENTO PARA SOLICITAÇÃO DE RETIFICAÇÃO DE VALORES

Os profissionais da Gerência de Automação, Energia e Telecom que trabalham com o sistema de Despacho,
serão os responsáveis por preencher o formulário de solicitação de alteração de valores, ANEXO 02, e enviá-
lo para a equipe de planejamento de mina fazer o pedido da alteração.

Os profissionais das equipes que trabalham com Planejamento de Mina, serão os responsáveis por conferir o
formulário de solicitação de alteração de valores, ANEXO 02, e enviá-lo para aprovação. O ANEXO 02
encontra-se no portal da automação no endereço http://top/normativos/difs/PGS/Forms/AllItems.aspx. Caso
não consiga acessar, solicitar o acesso a Central de Serviços CIGA, pelo ramal 125 ou pelo e-
mail125.disque.automacao@vale.com

22.1.3. APROVAÇÃO DA SOLICITAÇÃO PARA RETIFICAÇÃO DE VALORES

O gerente da área solicitante é o responsável para realizar a aprovação ou reprovação das alterações
solicitados no ANEXO 02. Sendo a solicitação de alteração de valores aprovada, o gerente deverá clicar no
botão "Aprovar". Se a solicitação for reprovada, comunicar a reprovação somente ao solicitante da alteração.

Em caso de ausência do gerente por períodos prolongados, como férias, treinamentos, projetos entre outros,
ele deverá solicitar a aprovação por outro gerente da operação de mina.

22.1.4. EXECUÇÃO DAS RETIFICAÇÃO DE VALORES

Somente profissionais da Gerência de Automação Energia e Telecom, de cada complexo são autorizados a
realizar a alteração de valores nas bases do sistema PI. Caso não seja possível contatar um integrante da
equipe de automação do seu complexo, poderá ser solicitado qualquer outro funcionário da mesma gerência
de outro complexo.

22.1.5. PRAZOS

A equipe da Gerência de Automação Energia e Telecom, deverá enviar o formulário pré-preenchido para a
equipe de Planejamento de Mina até as 11:00h.

A área de Planejamento de Mina deverá preencher o Anexo 2, conforme item 7.1, clicar em “Enviar
Solicitação” e encaminhar cópia dessa solicitação para o profissional da área de automação que realizará a
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 303/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

correção no sistema PI, até às 10 horas, conforme “Fluxo do Processo de Apuração e Ajustes de informações
Contábeis na Diretoria de Operações Ferrosos Sudeste”. O executante fará a alteração de valores mediante
esse correio e o formulário de solicitação de alteração de valores (Anexo 2) deverá chegar aprovado pelo
gerente até o fim desse mesmo dia para documentação.

22.1.6. CUIDADOS ESPECIAIS

 No preenchimento e recebimento do ANEXO 02, observar se todos os campos foram preenchidos.

 Mostrar claramente os indicadores afetados.

 No registro da alteração de valores, observar e inserir os dados corretos de "movimentação" e


"período" para o ANEXO 02.

 Apontar claramente o método utilizado para cálculo do valor a ser alterado para o ANEXO 02.

 Atentar quanto aos horários de Fechamentos Contábeis (Prévio e Oficial).

22.2. PGS-002559

Existe um padrão descritivo através de PGS que define critérios para retificação de valores nas bases de
dados do sistema PI. Este padrão descritivo, PGS-02559 GAUAS, pode ser encontrado no SISPAV (Sistema
de Padronização da VALE) em http://sispav/se/index.php como pode ser visto na Figura 60. Neste PGS, é
possível encontrar prazos, de envio de solicitação e retorno dos mesmos, procedimentos para preenchimento
e aprovação do formulário de solicitação de alteração de valores na base de dados, dentre outros.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 304/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Figura 61: PGS002559 no SISPAV

Alguns prontos principais estão descritos nos itens a seguir.

22.2.1. QUANDO EXECUTAR RETIFICAÇÃO DE VALORES?

A retificação de valores na base de dados do sistema PI deve ocorrer nas seguintes situações:

 Houver falha de instalação, calibração ou manutenção do instrumento de medição;

 Queda de energia que ocasione o registro de valores incorretos;

 Existir erro de lógica de programação, utilização e manutenção do CLP;

 Interrupção da comunicação entre instrumento de campo, CLP, interface PIMS ou Servidores PIMS;

 Ajustar a apropriação de massas entre os tipos de produto;

 Necessidade de ajustes referentes ao fechamento contábil.


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 305/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

22.2.2. RETIFICAÇÃO DE INFORMAÇÃO DE PRODUÇÃO DO TRATAMENTO DE


MINÉRIOS

A figura a seguir Figura 62 mostra o fluxo de retificação APENAS de informações de produção do Tratamento
de Minérios

Figura 62: Fluxo de alteração de valores de produção final do tratamento de minérios

22.2.1. RETIFICAÇÃO DE INFORMAÇÃO DE TAGS TOTALIZADORES DO TRATAMENTO DE


MINÉRIO

A Figura a seguir mostra o fluxo de retificação de informações de tags totalizadores do Tratamento de Minérios
(EXCETO de Produção Final). Exemplo: alimentação, reagente, bombeamento de água e outros totalizadores.
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 306/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Figura 63: Fluxo de alteração de valores de tags totalizadores do tratamento de minérios

Os profissionais indicados pela gerência operacional, que trabalham com o sistema PI devem preencher o
formulário de solicitação e enviar para aprovação.

O Técnico do Controle de Qualidade, Controller, Gerente da Área do Tratamento de Minérios deverão analisar
a solicitação e aprovar ou não a alteração de valores. Os profissionais da Automação de cada complexo
autorizados são os responsáveis por conferir e executar as alterações.

22.2.2. PROCEDIMENTO PARA SOLICITAÇÃO DE RETIFICAÇÃO DE VALORES

Consultar diretamente o documento de PGS-002559 publicado no SISPAV.

22.2.3. APROVAÇÃO DA SOLICITAÇÃO PARA RETIFICAÇÃO DE VALORES

Consultar diretamente o documento de PGS-002559 publicado no SISPAV.

22.2.4. EXECUÇÃO DAS RETIFICAÇÃO DE VALORES

Consultar diretamente o documento de PGS-002559 publicado no SISPAV.


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 307/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

22.2.5. PRAZOS

Até 2 (dois) dias úteis, após o recebimento formulário aprovado e completamente preenchido de forma correta.

Nota: Para os casos de Fechamento Contábil Oficial, a correção ocorrerá imediatamente após o recebimento
da solicitação conforme descrito no item de Prazos publicados no SISPAV.

22.2.6. CUIDADOS ESPECIAIS

 No preenchimento e recebimento do formulário, observar se todos os campos foram preenchidos.

 Mostrar claramente os indicadores afetados.

 No registro da retificação de valores, observar e inserir os dados corretos de "produto", "período" e


“ponto de controle”.

 Apontar claramente o método utilizado para cálculo do valor a ser alterado.

 Atentar quanto aos horários de Fechamentos Contábeis (Prévio e Oficial).

 Não se esquecer dos prazos diferenciados para o Fechamento Contábil Oficial.

 Preencher os campos “Data Inicial” e “Data Final” do formulário em ordem cronológica.

23. CONFIGURAÇÃO DA INTERFACE PI PERFMON

O executável da interface PIPerfmon está inclusa na instalação do PIServer. Para configurá-la, basta seguir os
passos a seguir:

 1. Abra o ICU (pode ser acessado através do SMT);

 2. Selecione a opção New no menu. Uma caixa de diálogo para a configuração de uma nova
interface aparecerá; iálogo para a configuração de uma nova interface aparecerá como mostra a
Figura 64;

 3. Clique no botão Browse para localizar o executável do PI Perfmon;

 4. Por padrão o executável se encontra no diretório .\PIPC\Interfaces\PIPerform_basic;

 5. Escolha um nome para a interface (o preenchimento deste campo é opcional);

 6. Preencha o campo PointSource. O padrão para esta interface é o símbolo “#”;

 7. Preencha um ID para a interface. Caso o deixe em branco, o mesmo será preenchido


automaticamente;
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 308/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

 8. Selecione o Servidor PI;

 9. Click OK. Agora a interface está pronta para ser configurada;

 10. ClickApply;

 11. Sob a aba Service, digite o password e o nome do usuário sob o qual o serviço será
executado conforme Figura 65. O usuário deve ter privilégios de administrador. Clique no botão
Create. Isso instalará a interface;

 12. Clique no botão StarttheInterface localizado no menu superior da ICU. Isso iniciará a
interface.

Com a interface Perfmon iniciada, torna-se disponível a criação das tags apresentadas no tópico anterior.

Figura 64: Configuração de nova interface


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 309/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Figura 65: Usuário sob o qual os serviços serão executados

24. MNEMÔNICOS PARA TAGS

Tabela 69: Tabela de tipos de equipamentos

Equipamento Título

AG Agitador

AL Alimentador

AM Amostrador

AV Alimentador vibratório

BA Bomba de água

BL Balança dosadora

BO Bomba hidráulica

BP Bomba de polpa
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 310/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Equipamento Título

BD Bomba de dosagem ou aspersão

BR Britador

BV Bomba de vácuo

BT Bomba de transferência

CB Compressor de ar

CH Cilindro hidráulico

CM Carro de transferência

DI Distribuidor ou divisor

DM Detector de Metais

DV Desviador de Fluxo

EL Elevador

EP Empilhadeira

ES Espessador

EX Extrator de sucatas

FL Filtro

HC Hidrociclones

MO Moinho

PN Peneira

PR Ponte rolante

RM Rompedor de matacos

RT Retomadora

SI Silo

SM Separador Magnético

TC Transportador de correia

TE Talha elétrica

TQ Tanque
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 311/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Identificação Instrumento

MG Moega

ST Sistema de transporte, carregamento ou dosagem

VR Descarregador de caminhões
Jigue
JI
Células de flotação
CF
Retomadora
RC
Guindaste
GD
Clarifloculador
FO
Secador
SC
Reservatório de ar
VA

Tabela 70: Tabela de instrumentos

Identificação Instrumento

AE Analisador de Umidade, Turbidez, Granulometria ou pH

AIT Analisador de Umidade, Turbidez, Granulometria ou pH

DCV Válvula de controle modulado

DE Sensor de Densidade

DIT Transmissor de Densidade

DM Detector de Metais

DX Fonte de Densidade

FCV Válvula de Controle Modulado

FE Medidor Magnético de Vazão

FI Indicador de Vazão

FIT Medidor Magnético de Vazão

FQI Totalizador e Indicador de Vazão

FSL Chave de Vazão


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 312/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Identificação Instrumento

FV Válvula Esfera, Dardo, Solenóide, Globo, On-Off Guilhotina ou On-Off Borboleta

FY Válvula Solenóide

HS Chave de Emergência de Corda

IC Transdutor de Corrente

ICS Chave de Ciclo

IY Transdutor de Corrente

JE Transdutor de Potência

JIT Transdutor de Potência

JT Medidor de Potência

LCV Válvula de Controle Modulado

LE Medidor de Nível

LG Visor de Nível

LG Visor de Nível

LIT Medidor de Nível

LS Chave de Nível

PCV Válvula Controladora de Pressão

PDS Chave de Pressão Diferencial

PDT Transmissor de Pressão Diferencial

PI Manômetro ou Vacuômetro

PIT Transmissor de Pressão

PS Pressostato

PSV Válvula de Segurança e Alívio

PT Transmissor de Pressão

SE Sensor de Velocidade

SS Sensor de Rotação

SV Válvula Solenóide ou de Bloqueio


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 313/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Identificação Instrumento

TE Sensor ou Transmissor de Temperatura

TI Termômetro

TIT Transmissor de Temperatura

TS Termostato

TT Transmissor de Temperatura

UA Semáforo

WE Balança ou Célula de Carga

WIT Balança

XA Sirene

XM Sensor de Presença

XS Detector de Rasgo ou Presença

YE Medidor de Torque

YS Chave de Torque

YT Medidor de Torque

ZA Lâmpada Sinalizadora

ZE Sensor ou Transmissor de Posição

ZIT Transmissor de Posição

ZS Chave de Posição

Tabela 71: Mnemônicos – Entradas e Campo - Bits

Identificação Descrição

ABRI ABRINDO

ACOP ACOPLADO

ADVT ADVERTÊNCIA

ALAR ALARME PAINEL

ALIM FALHA ALIMENTAÇÃO


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 314/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Identificação Descrição

ALOC ABRE LOCAL

AMOS INDICA AMOSTRA

AMRE AMOSTRA RECEBIDA

APER DESAPERTO

BATE BATERIA DESCARREGADA

CAMP PERDA CAMPO

BYPL BYPASS LOCAL

CIRC CURTO CIRCUITO

DEFE DEFEITO

DEG0 DEGRAU ZERO

DEGU DEGRAU ÚLTIMO

DEM DEMANDA

DESA DESALINHAMENTO

DESM DESALINHAMENTO MOTOR

DESR DESALINHAMENTO RETORNO

DETM DETECTOR DE METAIS

DISP DISPONÍVEL

DLOC DESLIGA LOCAL

DREM DESLIGA REMOTO

DSLO DESCER LOCAL

EMER EMERGÊNCIA

ENER ENERGIZADO

ENVL ENVIA LOCAL

EST ESTÁGIO ACELERAÇÃO

FABR FUNCIONANDO PARA ABRIR

FABX FUNCIONANDO ABAIXAR


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 315/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Identificação Descrição

FASE FALTA DE FASE

FDIR FUNCIONANDO DIREITA

FESQ FUNCIONANDO ESQUERDA

FFEC FUNCIONANDO PARA FECHAR

FLES FUNCIONANDO LESTE

FLEV FUNCIONANDO LEVANTAR

RLOC RESET LOCAL

RUPT RUPTURA DE CORRENTE

SBLO SUBIR LOCAL

SELO SELEÇÃO LOCAL

SOBR SOBRECARGA

SOBT SOBRETENSÃO

SOBV SOBRECARGA VENTILADOR

FLOC FECHA LOCAL

AUTL LANÇA AUTOMÁTICO

FARM FUNCIONANDO ARMADURA

FDSC LANÇA ABAIXANDO

FMAT FALTA DE MATERIAL

FNOR FUNCIONANDO NORTE

FOES FUNCIONANDO OESTE

FREI DEFEITO FREIO

FREQ RELÉ DE FREQÜÊNCIA

FSEL CONFIRMA SELEÇÃO

FSUB FUNCIONANDO SUBIR

FSIR FUNCIONANDO SIRENE

FSUL FUNCIONANDO SUL


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 316/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Identificação Descrição

FUNA FUNCIONANDO AQUECEDOR

FUNC FUNCIONANDO

FUNR FUNCIONANDO RÉ

FUNV FUNCIONANDO VIBRAÇÃO

FURT FUNCIONANDO RETIFICADOR

FUSI FUSÍVEL QUEIMADO

HMOR HOMEM MORTO

LBLO LIBERADO

LELO LESTE LOCAL

LLOC LIGA LOCAL

LLOR LIGA LOCAL RÉ

LOC LOCAL

LREM LIGA REMOTO

MAN MANUAL

MANL LANÇA MANUAL

MANU MANUTENÇÃO

MAXI MÁXIMO

MSUB MEMORIZA SUBIR

NREM NORTE REMOTO

OESL OESTE LOCAL

PAR AVISO PARTIDA

PLOC PARA LOCAL

PMAT PRESENÇA MATERIAL

POSI POSICIONADO

PRON PRONTO PAINEL

REAL REALINHAMENTO LOCAL


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 317/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Identificação Descrição

REC RECEBIDO

RELO REARME LOCAL

REM REMOTO

RES RESERVA

SURE SUL REMOTO

Tabela 72: Mnemônicos – Entradas de Campo - Bits

Identificação Descrição

AMAN ABRE MANUAL

BLOQ BLOQUEIO

CARG PERDA CARGA

COM ERRO DE COMUNICAÇÃO

DESB DESBALANCEAMENTO DE FASE

DESV DESVIO

DISJ DISJUNTOR DESLIGADO

FCMP FUNCIONANDO CAMPO

FMAN FECHA MANUAL

FORT FORTALECIMENTO DE CAMPO

LRLO LOCAL/REMOTO LOCAL

MEM FALHA DE MEMÓRIA

MIN MÍNIMO

MLOC MEIO LOCAL

NLOC NORTE LOCAL

SENS SENSOR

STAT PALAVRA DE STATUS DO EQUIPAMENTO


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 318/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Identificação Descrição

SUBV SUBVELOCIDADE

SULO SUL LOCAL

TENS PRESENÇA DE TENSÃO

TERR FUGA PARA TERRA

TEST TESTE DE LÂMPADAS

TMAX TEMPO MÁXIMO

TRAV TRAVAMENTO

TRS TRANSLAÇÃO

TRSF TRANSLAÇÃO FRENTE

TRSR TRANSLAÇÃO RÉ

VENT FALHA VENTILAÇÃO

SUBT SUBTENSÃO

AJUS AJUSTE INDEVIDO

Tabela 73: Mnemônicos – Saídade Campo - Bits

Identificação Descrição

CABR COMANDO ABRE

CABX COMANDO ABAIXAR

CAF COMANDO ABRE/FECHA

CARM COMANDO ARMADURA

CAUM COMANDO AUMENTA

CBUZ COMANDO BUZINA

CCIR COMANDA CURTO CIRCUITO

CCMP COMANDO CAMPO

CDES COMANDO DESLIGA


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 319/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Identificação Descrição

CDIM COMANDO DIMINUI

CDIR COMANDO DIREITA

CDSC COMANDO DESCER

CDSR DESLIGA RETIFICADOR

CDSV DESLIGA VIBRADOR

CESQ COMANDO ESQUERDA

CEST COMANDO EST. ACELERAÇÃO

CFA COMANDO FECHA/ABRE

CFEC COMANDO FECHA

CFIM COMANDO FIM

CFRE HABILITA RELÉ DE FREQÜÊNCIA

CINI COMANDO INÍCIO

CLD COMANDO LIGA/DESLIGA

SDEF SINALIZA DEFEITO

SFEC SINALIZA PONTA CONECTADA

CLES COMANDO LESTE

CLEV COMANDO LEVANTAR

CLGR COMANDO LIGA RÉ

CLGV LIGA VIBRADOR

CLIB COMANDO LIBERAÇÃO

CLIG COMANDO LIGA

CLIM LIMITE

CLOC COMANDO LOCAL

CLR COMANDO LOCAL/REMOTO

CLRT LIGA RETIFICADOR

CNOR COMANDO LIGA NORTE


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 320/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Identificação Descrição

COES COMANDO OESTE

CPAR COMANDO PARAR

CREA COMANDO REARME

CRES COMANDO RESERVA

CSEL COMANDO SELEÇÃO

CSIR COMANDO SIRENE

CSUB COMANDO SUBIR

CSUL COMANDO LIGA SUL

CTSL COMANDO TEMPERATURA MÍNIMA

CVEL COMANDO FORÇAR VELOCIDADE

SVAH SINALIZA VIBRAÇÃO ALTA

SFIM SINALIZA FIM

SABR SINALIZA PONTA ABERTA

SAMO SINALIZA AMOSTRA

SBLQ SINALIZA BLOQUEIO

SCAB CIRCUITO ABERTO

SCFC SINALIZA CIRCUITO FECHADO

SFUN SINALIZA FUNCIONANDO

SFUR SINALIZA FUNCIONANDO RÉ

SHB SINALIZA HABILITADO

SIAH SINALIZA CORRENTE ALTA

SINI SINALIZA INÍCIO

SLAH SINALIZA NÍVEL ALTO

SLAL SINALIZA NÍVEL BAIXO

SLIB SINALIZA LIBERADO

SLIG SINALIZA LIGADO


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 321/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Identificação Descrição

SLSH SINALIZA NÍVEL ALTO

SLSL SINALIZA NÍVEL BAIXO

SNOR SINALIZA NORTE

SPPP SINALIZA PRONTO PARA PARTIR

SSEL SINALIZA SELEÇÃO

SSUL SINALIZA SUL

STRV SINALIZA TRAVADO

CFRQ COMANDO FREQÜÊNCIA

CDSL COMANDO DESLIGA

CPPS COM. PERMISSÃO PARA SEGUINTE

CPPD COM. PERMISSÃO PARA DESLIGAR

SDSV SINALIZA DESVIO

SIHH SINALIZA CORRENTE ALTA

SSAH SINALIZA VELOCIDADE ALTA

SFUS SINALIZA FUSÍVEL QUEIMADO

SPAH SINALIZA PRESSÃO ALTA

SPAL SINALIZA PRESSÃO BAIXA

SZAH SINALIZA ABERTO

CEME COMANDO EMERGÊNCIA

CZA COMANDO POSIÇÃO

CBYP COMANDO BYPASS

CRET COMANDO RETORNO

SPPS SINALIZA PERMISSÃO PARA SEGUINTE

SCIR SINALIZA CURTO CIRCUITADO

STAH SINALIZA TEMPERATURA ALTA

SREM SINALIZA REMOTO


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 322/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Identificação Descrição

SLOC SINALIZA LOCAL

STMX SINALIZA TEMPO MÁXIMO

SFAL SINALIZA VAZÃO BAIXA

Tabela 74: Mnemônicos – Instrumentação

Identificação Descrição

BSL CHAMA BAIXA

DSH DENSIDADE ALTA

DSL DENSIDADE BAIXA

ESL TENSÃO BAIXA

FQS TOTALIZAÇÃO VAZÃO

FSH VAZÃO ALTA

FSL VAZÃO BAIXA

FSLL VAZÃO MUITO BAIXA

ISH CORRENTE ALTA

ISHH CORRENTE MUITO ALTA

JQS TOTALIZACAO POTÊNCIA

JSH TORQUE ALTO

KQS TOTALIZAÇÃO HORAS

LS CHAVE NÍVEL

LSH NÍVEL ALTO

LSHH NÍVEL MUITO ALTO

LSL NÍVEL BAIXO

LSLL NÍVEL MUITO BAIXO

LSM NÍVEL MÉDIO


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 323/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Identificação Descrição

PDSH PRESSÃO DIFERENCIAL ALTA

PSH PRESSÃO ALTA

PSHH PRESSÃO MUITO ALTA

PSL PRESSÃO BAIXA

PSLL PRESSÃO MUITO BAIXA

SEN SENSOR DE IDENTIFICAÇÃO

SS SENSOR DE VELOCIDADE

SSHH SOBREVELOCIDADE

SSL VELOCIDADE BAIXA

TSH TEMPERATURA ALTA

TSHH TEMPERATURA MUITO ALTA

TSL TEMPERATURA BAIXA

TSLL TEMPERATURA MUITO BAIXA

VSH VIBRAÇÃO ALTA

VSHH VIBRAÇÃO MUITO ALTA

WSH PESO ALTO

ZS POSIÇÃO ATUADA

ZSC POSIÇÃO CENTRAL

ZSL POSIÇÃO BAIXA

BSH CHAMA ALTA

ISL CORRENTE BAIXA

JSHA TORQUE ALTO PARA ABRIR

JSHF TORQUE ALTO PARA FECHAR

QS CHAVE DE TOTALIZAÇÃO

SSH VELOCIDADE ALTA

ZSHI POSIÇÃO INSERIDO


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 324/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Identificação Descrição

ZSLE POSIÇÃO ESQUERDA

ZSLF POSIÇÃO FECHADO

ZSLO POSIÇÃO OESTE

ZSLR POSIÇÃO RECOLHIDO

ZSLS POSIÇÃO SUL

ZSLX FECHADO EXTERNO

ZSM POSIÇÃO MEIO

ZSH POSIÇÃO ALTA

ZSHA POSIÇÃO ABERTO

ZSHD POSIÇÃO DIREITA

ZSHH POSIÇÃO MUITO ALTA

ZSHL POSIÇÃO LESTE

ZSHN POSIÇÃO NORTE

ZSF CONFIRMA FREIO

Tabela 75: Mnemônicos – Seleções

Identificação Descrição

LR LOCAL/REMOTO

MA MANUAL/AUTOMÁTICO

SELE SELEÇÃO

TO TESTE/OPERAÇÃO
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 325/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Tabela 76: Mnemônicos – Comandos

Identificação Descrição

ABAI ABAIXAR REMOTO

ABRE ABRE REMOTO

AMST AMOSTRAGEM

APRV APROVA REMOTO

ATIV1 COMUNICAÇÃO ATIVA ESTAÇÃO 1

AUMN AUMENTAR REMOTO

AUTO AUTOMÁTICO

BLQR BLOQUEIO

BUZ LIGA BUZINA

BYPS BYPASS REMOTO

CANC COMANDO CANCELA

CONF CONFIRMAÇÃO

CS CASCATA

DESC DESCE REMOTO

DESL DESLIGA REMOTO

DIMI DIMINUIR REMOTO

DIR DIREITA REMOTO

EMGR EMERGÊNCIA REMOTO

ESQ ESQUERDA REMOTO

FECH FECHA REMOTO

ICAM IÇAMENTO

IGNO IGNORA

IMED IMEDIATO

INIC INICIA

LEVT LEVANTAR REMOTO


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 326/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Identificação Descrição

LIBE LIBERAÇÃO

LIGA LIGA REMOTO

LIGR LIGA RÉ REMOTO

MEIO MEIO REMOTO

NOR NORTE REMOTO

PARA PARAR REMOTO

REAR REARME REMOTO

RPRV REPROVA

RS RESET CONTROLE

SOBE SOBE REMOTO

SUL SUL REMOTO

VAZA VAZAMENTO

VAZI VAZIO

Tabela 77: Mnemônicos – Comandos para analógicas

Identificação Descrição

ABAI ABAIXAR REMOTO

AB ABRE AUTOMÁTICO

AU AUMENTA AUTOMÁTICO

AX ABAIXAR AUTOMÁTICO

DI DIMINUI AUTOMÁTICO

FE FECHA AUTOMÁTICO

HB HABILITA

LV LEVANTA AUTOMÁTICO
Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 327/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Tabela 78: Mnemônicos – Estados

Identificação Descrição

EABR ESTADO ABRINDO

EABX ESTADO ABAIXANDO

EAMO ESTADO AMOSTRA

EARM ESTADO ARMADURA

EAUT ESTADO AUTOMÁTICO

EBLQ ESTADO BLOQUEIO

EBOM ESTADO BOM

EBYP ESTADO BYPASS

ECMP ESTADO CAMPO

EDEF ESTADO DEFEITO

EDES ESTADO DESLIGANDO

EDIR ESTADO FUNCIONANDO PARA DIREITA

EDSC ESTADO DESCENDO

EEME ESTADO EMERGÊNCIA

EESQ ESTADO FUNCIONANDO PARA ESQUERDA

EEST ESTADO ESTÁGIO

EFEC ESTADO FECHANDO

EFIM ESTADO FIM

EFRQ ESTADO FREQÜÊNCIA

EFUN ESTADO FUNCIONANDO

EFUR ESTADO FUNCIONANDO RÉ

EHB ESTADO HABILITADO

EHMO ESTADO HOMEM MORTO

ELEV ESTADO LEVANTANDO

ELIB ESTADO LIBERADO


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 328/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Identificação Descrição

ELIG ESTADO LIGANDO

ELOC ESTADO LOCAL

ELR ESTADO LOCAL/REMOTO

EMA ESTADO MANUAL/AUTOMÁTICO

EMED ESTADO MEDIÇÃO

EMEI ESTADO FUNCIONANDO PARA MEIO

EMNU ESTADO MANUTENÇÃO

EMSB ESTADO MEMORIZA SUBINDO

ENOR ESTADO NORTE

EPES ESTADO PESAGEM

ELES ESTADO LESTE

EAHO ESTADO ANTI HORÁRIO

ECIR ESTADO CURTO-CIRCUITO

EENE ESTADO ENERGIZADO

EHOR ESTADO HORÁRIO

EMAN ESTADO MANUAL

EMIN ESTADO MÍNIMO

EOES ESTADO OESTE

EREF ESTADO PRESENÇA DE REFERÊNCIA

ESIR ESTADO SIRENE

EREA ESTADO SOLICITA REARME

EREC ESTADO RECEBIDO

EREG ESTADO REGULAR

EREM ESTADO REMOTO

ESEL ESTADO SELECIONADO

ESUB ESTADO SUBINDO


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 329/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Identificação Descrição

ESUL ESTADO SUL

Tabela 79: Mnemônicos – Defeitos

Identificação Descrição

EABR ESTADO ABRINDO

DACP DEFEITO ACOPLAMENTO

DADV DEFEITO ADVERTÊNCIA

DALA DEFEITO ALARME PAINEL

DANA DEFEITO ANALOGICA

DAPE DEPEITO APERTO

DBAT DEFEITO BATERIA

DBLQ DEFEITO BLOQUEIO

DCMP DEFEITO PERDA DE CAMPO

DDEF DEFEITO PAINEL

DDEM DEFEITO DEMANDA

DDES DEFEITO DESALINHAMENTO

DDET DEFEITO DETECÇÃO DE METAIS

DDGU DEFEITO ÚLTIMO DEGRAU

DDIS DEFEITO NÃO DISPONÍVEL

DDSM DEFEITO DESALINHAMENTO MOTOR

DDSR DEFEITO DESALINHAMENTO RETORNO

DEME DEFEITO EMERGÊNCIA

DEST DEFEITO ESTÁGIO

DFAS DEFEITO FALTA DE FASE

DFRE DEFEITO FRENAGEM


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 330/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Identificação Descrição

DFUS DEFEITO FUSÍVEL QUEIMADO

DINJ DEFEITO INJEÇÃO

DLUB DEFEITO LUBRIFICAÇÃO

DMAN DEFEITO MANUTENÇÃO

DMAT DEFEITO MATERIAL

DMAX DEFEITO MÁXIMO

DDSJ DEFEITO DISJUNTOR

DACE DEFEITO ACELERAÇÃO

DDSB DEFEITO DESBALANCE DE CORRENTE

DDSV DEFEITO DESVIO

DENE DEFEITO DESENERGIZADO

DFAS DEFEITO PERDA DE FASE

DSEL DEFEITO SELEÇÃO

DVEN DEFEITO NA VENTILAÇÃO

DMED DEFEITO MEDIÇÃO

DMOD DEFEITO DE MODO

DMX DEFEITO MÁXIMO

DPAR DEFEITO DE PARTIDA

DPES DEFEITO PESO

DPOS DEFEITO DE POSIÇÃO

DPRO DEFEITO NÃO PRONTO

DRED DEFEITO REDUTOR

DREO DEFEITO REOSTATO

DRUP DEFEITO RUPTURA DE CORRENTE

DSBT DEFEITO SOBRETENSÃO

DSBV DEFEITO DE SOBREVELOCIDE


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 331/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Identificação Descrição

DSEN DEFEITO SENSOR

DSOB DEFEITO SOBRECARGA

DTAR DEFEITO TARA

DTEN DEFEITO FALTA DE TENSÃO

DTMX DEFEITO DE TEMPO MÁXIMO

DVEL DEFEITO VELOCIDADE

Tabela 80: Mnemônicos – Alarmes Instrumentação

Identificação Descrição

AAH GÁS ALTO

BAH CHAMA ALTA

BAL CHAMA BAIXA

DAH DENSIDADE ALTA

DAL DENSIDADE BAIXA

EAL TENSÃO BAIXA

FAH VAZÃO ALTA

FAL VAZÃO BAIXA

FALL VAZÃO MUITO BAIXA

IAH CORRENTE ALTA

IAHH CORRENTE MUITO ALTA

IAL CORRENTE BAIXA

JAH TORQUE ALTO

JAHA TORQUE ALTO PARA ABRIR

JAHF TORQUE ALTO PARA FECHAR

LAH NÍVEL ALTO


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 332/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Identificação Descrição

LAHH NÍVEL MUITO ALTO

LAL NÍVEL BAIXO

LALL NÍVEL MUITO BAIXO

PAH PRESSÃO ALTA

PAHH PRESSÃO MUITO ALTA

PAL PRESSÃO BAIXA

PALL PRESSÃO MUITO BAIXA

PDAH PRESSÃO DIFERENCIAL ALTA

SA0 VELOCIDADE ZERO

SAH VELOCIDADE ALTA

SAHH SOBREVELOCIDADE

SAL VELOCIDADE BAIXA

TAH TEMPERATURA ALTA

TAHH TEMPERATURA MUITO ALTA

TAL TEMPERATURA BAIXA

VAHH VIBRAÇÃO MUITO ALTA

WAH PESO ALTO

ZAHI POSIÇÃO INSERIDO

ZALR POSIÇÃO RECOLHIDO

Tabela 81: Mnemônicos – Eventos

Identificação Descrição

EACP ESTADO ACOPLADO

EFRT ESTADO FUNCIONANDO RETIFICADOR

EFUA ESTADO FUNCION ANDO AQUECEDOR

EFUV ESTADO FUNCIONANDO VIBRADOR


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 333/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Identificação Descrição

EMAT ESTADO PRESENÇA DE MATERIAL

EPMA ESTADO PRESENÇA MATERIAL

EPOS ESTADO POSICIONADO

ERES ESTADO RESERVA

ETRF ESTADO TRANSLAÇÃO FRENTE

ETRR ESTADO TRANSLAÇÃO RÉ

ETRS ESTADO TRANSLAÇÃO

ETST ESTADO POSIÇÃO TESTE

LA CHAVE NÍVEL

LAM NÍVEL MÉDIO

PA ALARME DE PRESSÃO

ZA POSIÇÃO ATUADA

ZA1 POSIÇÃO 1

ZA2 POSIÇÃO 2

ZAF CONFIRMA FREIO

ZAH POSIÇÃO ALTA

ZAHA POSIÇÃO ABERTO

ZAHD POSIÇÃO DIREITA

ZAHH POSIÇÃO MUITO ALTA

ZAHL POSIÇÃO LESTE

ZAHN POSIÇÃO NORTE

ZAL POSIÇÃO BAIXA

ZALE POSIÇÃO ESQUERDA

ZALF POSIÇÃO FECHADO

ZALO POSIÇÃO OESTE

ZALS POSIÇÃO SUL


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 334/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Identificação Descrição

ZALX FECHADO EXTERNO

ZAM POSIÇÃO MEIO

Tabela 82: Mnemônicos – Alarmes analógicos

Identificação Descrição

3H ALARME DE EXTRA ALTO

4H ALARME DE ULTRA ALTO

AH ALARME DE ALTO

AL ALARME DE BAIXO

DF DEFEITO

DV DESVIO MÁXIMO

FO FORÇADO

HH ALARME DE MUITO ALTO

LL ALARME DE MUITO BAIXO

ST SATURADO

Tabela 83: Mnemônicos – Bits internos

Identificação Descrição

APAS AVANÇA PASSO

FIM FIM

FIMN FIM NORTE

FIMR FIM REVERSÃO

FIMS FIM SUL

HFUN HABILITA FUNCIONANDO

LDSC LIMITE DESCER

LSUB LIMITE SUBIR


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 335/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Identificação Descrição

MLAL MEMORIZA NÍVEL BAIXO

PANT PERMISSÃO ANTERIOR

PDSC PERMISSÃO DESCER

PELO PERMISSÃO PARA LOCAL

PERL PERMISSÃO PARA LOCAL

PISC PISCA PISCA

PPAR PERMISSÃO PARA PARTIDA

PPD PRONTO PARA DESLIGAR

PPER PERMISSÃO PERMANENTE

PPPL PRONTO PARA PARTIR LOCAL

PPPR PRONTO PARA PARTIR REMOTO

PPS PERMISSÃO PARA SEGUINTE

PPS2 PERMISSÃO PARA SEGUINTE 2

PSUB PERMISSÃO PARA SUBIR

REVN REVERSÃO NORTE

REVS REVERSÃO SUL

SILO1 SELEÇÃO DO SILO 1

TR TRANSIÇÃO

VIAG SINALIZAÇÃO DE VIAGEM

XABR AUXILIAR ABRE

XAH AUXILIAR POSIÇÃO ALTA

XALI AUXILIAR ALIMENTAÇÃO

XALO AUXILIAR ABRE LOCAL

XAMO AUXILIAR. AMOSTRA

XAPR AUXILIAR APROVAÇÃO

XBLQ AUXILIAR BLOQUEIO


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 336/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Identificação Descrição

XBOM AUXILIAR BOM

XBUZ AUXILIAR BUZINA

XCMD AUXILIAR COMANDO

XDEF AUXILIAR DEFEITO

XDES AUXILIAR DESLIGA

XDIL AUXILIAR DIREITA LOCAL

XDIR AUXILIAR COMANDO DIREITA

XDLO AUXILIAR DESLIGA LOCAL

XDPO AUX DEFEITO DE POSIÇÃO

XDSL AUXILIAR DESLIGA

XELO AUXILIAR ESQUERDA LOCAL

XPER AUXILIAR DE PERMISSÃO

XAF AUXILIAR ABRE/FECHA

XALA AUXILIAR. ALARME

XEME AUXILIAR EMERGÊNCIA

XZAN AUXILIAR POSIÇÃO NORTE

XFEC AUXILIAR FECHA

XFIM AUXILIAR FIM

XFLO AUXILIAR FECHA LOCAL

XFNO AUXILIAR FUNCIONANDO NORTE

XFRE AUXILIAR FRENAGEM

XFSU AUXILIAR FUNCIONANDO SUL

XFUN AUXILIAR FUNCIONANDO

XHB AUXILIAR HABILITAÇÃO

XHH AUXILIAR MUITO ALTO

XINI AUXILIAR INÍCIO


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 337/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Identificação Descrição

XLD AUXILIAR LIGA/DESLIGA

XLDN AUXILIAR LIGA/DESLIGA NORTE

XLDS AUXILIAR LIGA/DESLIGA SUL

XLES AUXILIAR LESTE

XLIB AUXILIAR LIBERAÇÃO

XLIG AUXILIAR LIGA

XLLO AUXILIAR LIGA LOCAL

XMEI AUXILIAR MEIO

XMLO AUXILIAR MEIO LOCAL

XNAU AUXILIAR NORTE AUTOMÁTICO

XNLO AUXILIAR NORTE LOCAL

XNOR AUXILIAR NORTE

XOES AUXILIAR OESTE

XPAN AUXILIAR PERMISSÃO ANTERIOR

XPAU AUXILIAR PARA AUTOMÁTICO

XTR AUXILIAR TRANSIÇÃO

XPPP AUXILIAR PRONTO PARA PARTIR

XREA AUXILIAR REARME

XREC AUXILIAR DE RECEBIDO

XRLO REARME LOCAL

XRST AUXILIAR RESET

XRVN AUXILIAR REVERSÃO NORTE

XRVS AUXILIAR REVERSÃO SUL

XSAU AUXILIAR SUL AUTOMÁTICO

XSLO AUXILIAR SUL LOCAL

XSRE AUXILIAR SUL REMOTO


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 338/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Identificação Descrição

XSUB AUXILIAR SUBIR

XSUL AUXILIAR SUL

XTAR AUXILIAR DE TARA

XPES AUXILIAR PESAGEM

XVAZ AUXILIAR VAZANDO

XVER AUXILIAR VERTICAL

XZA AUXILIAR. POSIÇÃO (AMOSTRA. RECEBIDA)

XSEL AUXILIAR SELEÇÃO

XEXC AUXILIAR DE EXCLUSIVO

XFIN AUXILIAR FIM NORTE

XFIS AUXILIAR FIM SUL

XLR AUXILIAR LOCAL/REMOTO

XZAS AUXILIAR POSIÇÃO SUL

PMAN PERMISSÃO PARA MANUAL

Tabela 84: Mnemônicos – Palavras internas 1

Identificação Descrição

RASC RASCUNHO

AF COMANDOS DE ABRE/FECHA

CONT CONTADOR

PONT PONTEIRO

REF REFERÊNCIA

VINI VALOR INICIAL

XPON AUXILIAR PONTEIRO

XPOS AUXILIAR POSIÇÃO

XVAR AUXILIAR DE VARIAÇÃO


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 339/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Tabela 85: Mnemônicos – Palavras internas2

Identificação Descrição

C1 CONTADOR 1

AM AMOSTRA CALCULADA

AUX PALAVRA AUXILIAR

C2 CONTADOR 2

CORR FATOR DE CORREÇÃO

DIF DIFERENÇA

MAX MÁXIMO

NA NÚMERO DE AMOSTRAS

TMX TEMPO MÁXIMO

VA VALOR ANTERIOR

XLSR AUXILIAR TOTALIZADO MENOS SIGNIFICATIVO

XMSR AUXILIAR TOTALIZADO MAIS SIGNIFICATIVO

XRED AUXILIAR AJUSTE DE REDUÇÃO

XSP AUXILIAR SET-POINT

Tabela 86: Mnemônicos – Ajustes e Set Points

Identificação Descrição

C1 CONTADOR 1

A1 AJUSTE ALARME MUITO BAIXO

A2 AJUSTE DE ALARME BAIXO

A3 AJUSTE DO ALARME DE ALTO

A4 AJUSTE ALARME MUITO ALTO

A5 AJUSTE ALARME EXTRA ALTO

A6 AJUSTE ALARME ULTRA ALTO


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 340/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Identificação Descrição

AA ANO

AJ AJUSTE

BI BIAS

DD DIA

DS DENSIDADE

GD GANHO DERIVATIVO

GI GANHO INTEGRAL

GP GANHO PROPORCIONAL

HC AJUSTE MANUAL

HR HORA

HS HISTERESE DOS ALARMES

HS1 HISTERESE ALARME MUITO BAIXO

HS2 HISTERESE DO ALARME BAIXO

HS3 HISTERESE DO ALARME DE ALTO

HS4 HISTERESE DO ALARME MUITO ALTO

HS5 HISTERESE ALARME EXTRA ALTO

KK REFERÊNCIA TEMPO

MI MINUTO

MM MÊS

MN MÍNIMO

MO BANDA MORTA

MX MÁXIMO

NUM NÚMERO

PL PALAVRA

POS POSICIONA

RED AJUSTE DE REDUÇÃO


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 341/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Identificação Descrição

RP RAMPA DE SET-POINT

SD SAÍDA

SEL SELEÇÃO

SP SET-POINT

SPY SET-POINT CALCULADO

TP TEMPO DE AÇÃO

WK REFERÊNCIA PESO

Tabela 87: Mnemônicos – Totalizadores

Identificação Descrição

DVMN DESVIO PADRÃO MÍNIMO

DVMX DESVIO PADRÃO MÁXIMO

DVP DESVIO PADRÃO

INI INÍCIO (PILHA)

KY1 TEMPO DE FUNCIONAMENTO

LY1 PERCENTAGEM DO NÍVEL

WDY DIFERENÇA CALCULADA PESO

Tabela 88: Mnemônicos – Comandos automáticos

Identificação Descrição

AAUT ABRE AUTOMÁTICO

ABAU ABAIXA AUTOMÁTICO

AUAU AUMENTA AUTOMÁTICO

DAUT DESLIGA AUTOMÁTICO

FAUT FECHA AUTOMÁTICO


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 342/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Identificação Descrição

LAUT LIGA AUTOMÁTICO

LEAU LESTE AUTOMÁTICO

LVAU LEVANTA AUTOMÁTICO

MAUT MEIO AUTOMÁTICO

NAUT NORTE AUTOMÁTICO

OAUT OESTE AUTOMÁTICO

PAUT PARA AUTOMÁTICO

SUAU SUL AUTOMÁTICO

Tabela 89: Entradas discretas do campo para o PLC

Identificação Descrição

BABR BOTÃO ABRE LOCAL

BAVL BOTÃO AUMENTA VELOCIDADE LOCAL

BDLL BOTÃO DESLIGA LOCAL

BDVL BOTÃO DIMINUI VELOCIDADE LOCAL

BEML BOTÃO EMERGÊNCIA LOCAL

BFEC BOTÃO FECHA LOCAL

BLIL BOTÃO LIGA LOCAL

BLBL BOTÃO LIGA P/ BAIXO LOCAL

BLCL BOTÃO LIGA P/ CIMA LOCAL

BLDL BOTÃO LIGA P/ DIREITA LOCAL

BLEL BOTÃO LIGA P/ ESQUERDA LOCAL

BVIR BOTÃO PARA VIRAR

CREC COMANDO REARMA NO CCM

DEME DETETOR DE METAL

DESA* CHAVE DE DESALINHAMENTO


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 343/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Identificação Descrição

DFEL DEFEITO ELÉTRICO

DFGE DEFEITO GERAL

DFIN FALHA NO INVERSOR

DIRE ROTAÇÃO DIRETO/REVERSO

DISA DISJUNTOR ABERTO

DISF DISJUNTOR FECHADO

EMER* CHAVE DE EMERGÊNCIA

FSL_ CHAVE DE BAIXA VAZÃO

FTER FASE PARA TERRA

FUNB FUNCIONANDO PELO BY PASS

FUNC FUNCIONANDO

FUNE FUNCIONANDO PARA FRENTE OU PARA ESQUERDA

FUNA FUNCIONANDO PARA ABRIR

FUNF FUNCIONANDO PARA FECHAR

FUND FUNCIONANDO PARA DESCER OU PARA DIREITA

FUNS FUNCIONANDO PARA SUBIR

GDL_ GAVETA DESLIGADA

INVP INVERSOR PRONTO PARA OPERAR

LIBE LIVERAÇÃO DE PARTIDA

LSHH CHAVE DE NÍVEL MUITO ALTO

LSH_ CHAVE DE NÍVEL ALTO

LSL_ CHAVE DE NÍVEL BAIXO

LSLL CHAVE DE NÍVEL MUITO BAIXO

PSHH CHAVE DE PRESSÃO MUITO ALTA

PSH_ CHAVE DE PRESSÃO ALTA

PSL_ CHAVE DE PRESSÃO BAIXA


Diretoria Corredor Sudeste Página

Padronização do sistema PI - Administração 344/ 353

Número: OGS-PIMS-KA10804 Classificação: USO INTERNO Rev.:16-21/05/2019

Identificação Descrição

PSLL CHAVE DE PRESSÃO MUITO BAIXA

RASG DETETOR DE RASGO

REAR REARME OU SILENCIA ALARME

SCCL CONTAGEM DOS CICLOS LOCAL

SECA CHAVE SECCIONADORA AVERTA - CCM

SFUC SINAL FUSÍVEL NO CCM

SSH_ CHAVE DE VELOCIDADE ALTA

SSL_ CHAVE DE VELOCIDADE BAIXA

SVIL SINAL DE VIBRAÇÃO ALTA NO LOCAL

TRMC SOBRECARGA E SECCIONADORA (TÉRMICO ATUADO)</