Você está na página 1de 2

FORMAS DE PREVENIR OU COMBATER A VIOLÊNCIA NA ESCOLA.

Nos últimos anos o sistema educacional tem sofrido com as tensões geradas
pelas desigualdades sociais, precariedade das políticas assistencialistas e
intervenções midiáticas na formação da identidade dos alunos, causando
mudanças nas relações interpessoais entre alunos-alunos, alunos-professores
e alunos-funcionários.
Portanto, os gestores e docentes vislumbram maneiras eficazes de lidar com
a violência estrutural do dia-a-dia no espaço escolar, na tentativa de amenizar
as mazelas deixadas pelo Estado. Dentro deste pressuposto, mencionamos
algumas possíveis estratégias de prevenção interdisciplinar:
 Desenvolver projetos pedagógicos com a equipe técnica escolar,
compreendendo que a observância deve ir além dos fatos que
observamos na sala de aula, identificando o aspecto sociocultural da
comunidade escolar, envolvendo famílias, docentes, discentes e
funcionários.
 Envolver o corpo docente e seus funcionários a formações que
promovam atitudes de tolerância e respeito mútuo, como medida de
estimulo significativo ao convívio saudável dos grupos.
 Mediar conflitos através de assembleias pedagógicas, inter-
relacionando estudantes e famílias, abordando questões e temas
pertinentes ao cotidiano institucional;
- Preconceito
- Racismo
- Exclusão
- Vandalismo patrimonial
- Estereótipos
- Identidade de gêneros
- Desrespeito
 Viabilizar discussões com o alunado em rodas de conversa,
promovendo filmes e dramatizações, demonstrando empatia ao ouvi-
los, valorizando suas interpelações. Assim objetivando a compreensão
democrática acerca do diálogo aberto para negociação de conflitos.
 Manter o diálogo aberto para os alunos, pode propiciar a construção do
vínculo de confiança e acolhimento, mantendo o canal de comunicação
sempre disponível, podendo assim estimular a abrangência no seio
familiar.
 Conscientizar sobre o valor do respeito, solidariedade e na convivência
interpessoais, esclarecendo que todos chegam à escola com origens,
suas limitações divergentes.
 Aos agressores possibilitar a auto avaliação e criticidade acerca de
seus atos, que subjugam, ridicularizam seus colegas apenas para
satisfazer desejos primitivos, tal quanto sua incapacidade de solucionar
conflitos através do diálogo.
 Havendo episódios de violência ocorrido nas dependências escolares,
pode-se solicitar a visita de um profissional especializado na área e
discutir as ações e atuar em busca de soluções.
 Sendo a violência física e/ou simbólica recorrente e estiver refletindo no
comportamento de uma criança ou adolescente, orienta-se a família a
buscar o auxílio de um psicólogo, profissional especializado na área.
 Estabelecer normas, divulgando em mídias digitais ou impressas(jornal
escolar), deixando as famílias esclarecidas sobre tais regras,
submetendo a todos para identificar comportamentos inadequados, que
fogem ao regimento interno institucional, incentivando a
conscientização global entre a comunidade.