Você está na página 1de 10

Sobre o cardeal

Van Thuan
O Cardeal François-Xavier Nguyên Van Thuân, foi, sem dúvida,
uma das maiores testemunhas do cristianismo do século XX.

Filho de uma família de católicos vietnamitas, foi ordenado


padre em 1953 e bispo em 1967.

Foi feito prisioneiro pelo governo comunista do Vietnam em


1975, tendo permanecido na prisão por 13 anos.

Na prisão, passou por experiências amargas de isolamento e


sofrimento, onde se viu quase que impedido de fazer qualquer
obra a Deus.
Sobre este
caminho
Iremos entrar nesse grande retiro espiritual que é a Semana
Santa

Cinco pães e dois peixes é um evento que irá nos levar a nutrir
a nossa vida interior para que tenhamos solidez e firmeza na
fé.

Iremos trilhar com profundidade nosso caminho com Ele para


que possamos ressuscitar nessa Páscoa com Cristo.
Evangelho de João, capítulo 6, versículos 5 à 11.

5 Levantando os olhos e vendo uma grande multidão que se


aproximava, Jesus disse a Filipe: "Onde compraremos pão para
esse povo comer? "

6 Fez essa pergunta apenas para pô-lo à prova, pois já tinha


em mente o que ia fazer.

7 Filipe lhe respondeu: "Duzentos denários não comprariam


pão suficiente para que cada um recebesse um pedaço! "

8 Outro discípulo, André, irmão de Simão Pedro, tomou a pala-


vra:

9 "Aqui está um rapaz com cinco pães de cevada e dois peixi-


nhos, mas o que é isto para tanta gente? "

10 Disse Jesus: "Mandem o povo assentar-se". Havia muita


grama naquele lugar, e todos se assentaram. Eram cerca de
cinco mil homens.

11 Então Jesus tomou os pães, deu graças e os repartiu entre


os que estavam assentados, tanto quanto queriam; e fez o
mesmo com os peixes.

Aqueles cinco pães e dois peixes pareciam apenas migalhas que


de nada serviriam, mas Cristo fez multiplicar para alimentar toda
a multidão.

Mesmo que tenhamos pouco, se oferecermos tudo o que temos


a Deus, veremos o milagre da multiplicação, assim como Van
Thuan, que pensava não ter nada a oferecer durante o cárcere e
viu Cristo multiplicar sua oferta.
De uma vida espiritual movimentada ao cárcere

Van Thuan era um bispo que conseguira muitos resultados para


sua diocese. Era, de fato, um homem muito produtivo em sua
comunidade.

E de repente se viu no cárcere, impedido de fazer qualquer obra


para Deus.

Sem poder realizar qualquer obra para Cristo, Van Thuan é ator-
mentado por pensamentos de tristeza, solidão, abandono e can-
saço quando é aprisionado.

Pensamentos comuns que passam a nossa mente em momentos


de grande tensão.

Mas surgiu clara uma palavra que iluminou toda a escuridão:


“É bem verdade: todos os presos, eu também, espe-
ram a cada minuto a sua libertação. Mas depois
decidi: Não esperarei. Vivo o momento presente, en-
chendo-o com amor.”
Em uma circunstância em que tudo o que poderia fazer era, lite-
ralmente, olhar as paredes em sua cela, Van Thuan encontra uma
forma de viver o momento presente:

Com a ajuda de uma criança de 7 anos que lhe trouxe em sua


cela velhas folhas de calendários, Van Thuan escreve todas as
noites a seu povo sua mensagem do cativeiro.

Ele estava preso, mas não cessou. Nas circunstâncias mais desa-
fiadoras, Van Thuan continuava escrevendo a seu povo para con-
tinuar os guiando.

E a pergunta que eu lhe faço é

Como você tem


vivido o seu hoje?
Às vezes ficamos presos esperando o momento ideal para as
tomadas de decisões. Esperamos que as coisas estejam perfei-
tas.

Mas não é essa a atitude que Cristo quer que tomemos.

Assim como cinco pães e dois peixes pareciam insignificantes e


Cristo os fez multiplicar, Ele quer que nos entreguemos no mo-
mento presente, vivendo cada momento como se fosse o último,
não importam as circunstâncias.
Devo viver cada
dia como o

último
de minha vida.
Tenho medo de perder um
segundo vivendo sem sentido

Cardeal Van Thuan


Larissa Menegatti