Você está na página 1de 9

Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias | Escola de Ciências Económicas e das Organizações

2.º Semestre
Controlo de Gestão 2020/2021
Lic. Contabilidade, Fiscalidade e Auditoria & Gestão de Empresas
Organização, Gestão e Gestores
Controlo de Gestão
Organização

Organização…

• Conjunto de indivíduos deliberadamente organizado com vista ao cumprimento


de um objetivo comum (com ou sem fins lucrativos).

• Têm propósitos distintos, que assentam na oferta de produtos ou serviços de


valor acrescentado ao seu principal stakeholder, o cliente.

Finalidade
• Não pode ser dissociada das razões sociais, materiais e das suas sinergias, uma vez que:

• Potencia a criação de conhecimento, interajuda, emprego e contacto social. Pessoas Estrutura


Deliberada

• Aumenta a eficiência, reduz o tempo de realização de tarefas.

• Permite incremento de poder para proteger interesses corporativos: sindicatos, associações


empresariais.

Recursos Objetivo
Organização
(Humanos, Financeiros, outros) (Bens ou Serviços)

1
Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias | Escola de Ciências Económicas e das Organizações
Controlo de Gestão
Principais Recursos & Objetivos Organizacionais

Principais Recursos…

• Materiais: são essenciais para a realização dos objetivos da empresa (o capital, as instalações e equipamentos).

• Humanos: é quem executa o trabalho e procede à transformação dos recursos materiais em bens e/ou serviços.

• Estrutura Organizativa: método como a organização efetuada a relação entre os recursos materiais e humanos.

Objetivos…

• É conhecido que todas as organizações têm os seus próprios objetivos: uma universidade pretende formar os
seus alunos; a Samsung pretende expandir as suas vendas a quem não possui um dos seus produtos; a “”
aumentar as suas vendas em 5% e lucro líquido em 4% nos próximos 3 anos.

Funções…

• Servir a sociedade, realizar objetivos, preservar conhecimento e proporcionar carreiras profissionais.

2
Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias | Escola de Ciências Económicas e das Organizações
Controlo de Gestão
Organizações Lucrativas e Sem Fins Lucrativos

• Para além da formalidade das organizações, podemos constatar que as mesmas podem ser classificadas como
organizações com fins lucrativas ou sem fins lucrativos.

Com Fins Lucrativos Sem Fins Lucrativos

Finalidade Criar valor à estrutura Servir a comunidade, com carácter


societária/acionista voluntário.
Rendimentos
Através da alienação dos bens A título gratuito, através de donativos
produzidos ou dos serviços prestados e subsídios

Responsabilidade Perante os associados (resp.


Perante os sócios / acionistas
fiduciária)
Exemplos Organizações não Governamentais;
Associações; Cooperativas;
- Instituições Particulares de
Solidariedade Social; Misericórdias;
Clubes Desportivos; Outros.

3
Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias | Escola de Ciências Económicas e das Organizações
Controlo de Gestão
Organização Formal e Informal

Adotando a perspetiva de que uma organização é um conjunto de relações e padrões de comportamentos dos

seus membros, estamos perante uma…

Organização Formal Organização Informal

Quando há uma definição organizada Quando esse conjunto não está


desse conjunto. formalmente definido (ex.: “grupo do café
das 10h”; “grupo da sueca”; outros).

4
Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias | Escola de Ciências Económicas e das Organizações
Controlo de Gestão
Organização Formal e Informal

Uma organização informal (OI) tem subjacente aspetos positivos e negativos, os quais:

Aspetos Positivos:
↑ Auxilia no cumprimento, execução e desenvolvimento dos trabalhos.
↑ Ajuda a ultrapassar fraquezas da estrutura formal.
↑ Possibilita o alargamento da amplitude de controlo.
↑ Compensa uma eventual violação dos princípios de uma organização formal.

Aspetos Negativos:
↓ Pode contrariar os objetivos da organização formal.
↓ Reduzir o grau de fiscalização e controlo.
↓ Reduzir o número de alternativas práticas.
↓ Dilatar o tempo necessário para a execução de tarefas.

• As OI podem provocar nos gestores uma variabilidade de sentimentos e emoções muitas vezes contraditórias,
podendo ser potenciador de acrescimentos de eficácia nas empresas, mas também um fator gerador de custos.

• Torna-se fundamental que um gestor esteja devidamente sensibilizado e treinado para trabalhar com a OI. Se o
fizer, poderá colher, benefícios superior aos custos que terá de suportar.
5
Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias | Escola de Ciências Económicas e das Organizações
Controlo de Gestão
Ciclo de vida das organizações

• Miller e Friesen (1984) apresentam um dos métodos que permitem caracterizar o ciclo de vida das organizações,
com base no contexto, estrutura e tomada de decisão da estrutura empresarial.

• Lançamento: Inferior a 10 anos;


estrutura informal; dominada pelo sócio.
Maturidade Relançamento
• Crescimento: vendas > 15%; estrutura (Maturity) (Revival)
funcional organizada.
Crescimento
• Maturidade: vendas < 15%; nível de (Growth)

burocracia acrescido. Declínio


(Decline)
Lançamento
• Relançamento: vendas > 15%; (Birth)
diversificação das linhas de produção;
estrutura organizada,
departamentalização; uso de sistema de • Declínio: vendas estagnadas; taxa de inovação do produto
controlo de gestão. inferior; rentabilidade diminui.

6
Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias | Escola de Ciências Económicas e das Organizações
Controlo de Gestão
Ciclo de vida das organizações (Outros Modelos)

• O modelo desenvolvido por Scott e Bruce (1987) tem por base as pequenas empresas, em cinco fases: inicio,
sobrevivência, crescimento, expansão e maturidade.

• Kazanjian e Drazin (1990) desenvolveram um modelo com a finalidade de ser aplicado nas empresas de
tecnologia, composto por quatro fases: conceção, desenvolvimento, comercialização e estabilidade.

• Lester, Parnell and Carraher (2003) apresentam uma metodologia semelhante a Miller e Friesen (1984) e Scott e
Bruce (1987), representado o cinclo de vida das empresas em cinco fases: existência, sobrevivência, sucesso,
renovação e declínio.

7
Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias | Escola de Ciências Económicas e das Organizações
Controlo de Gestão
A Constituição

Forma Jurídica Localização


•Qual a melhor a adotar? •De acordo com a atividade é
•Considerações a ter: capitais um fator importante:
Oportunidade necessários; n.º de proximidade das matérias-
de Negócio colaboradores; atividade primas; proximidade do
principal; risco do projeto. mercado em que atuam/cliente
final.

Mão-de-Obra Transporte
•É necessário MOD qualificada? •Se há necessidade de importar
Vocação para matérias ou exportar produtos,
a atividade qual o custo de transporte?
(empresário)

Capitais
necessários Benefícios Fiscais e
para a sua
criação Incentivos

8
Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias | Escola de Ciências Económicas e das Organizações