Você está na página 1de 13

Olá amigos.

No decorrer destes últimos anos venho recebendo muitos e-mails com pedidos de
informações sobre o instrumento flauta doce, os métodos, as digitações de sua escala e de
como ter uma iniciação musical sem professor. Este momento chegou, estamos prontos para
iniciar com esta página mais uma etapa de contribuição para este valoroso instrumento: a
flauta doce.

Com o advento do computador e da internet o "Ensino à Distância" ganhou novo fôlego


encurtando distâncias e atingindo novos horizontes. A soma de várias tecnologias aplicadas
ao ensino, possibilita um aprendizado dinâmico com os recursos áudio-visuais. Os sons, as
imagens, as palavras, os vídeos... enriquecem a forma de aprender, e esta possibilidade é
oferecida a qualquer pessoa com um computador e uma conexão para internet. Assim, o
saber e o aprender extrapolam limites geográficos facilitando e melhorando a vida das
pessoas sob o ângulo da comunicação e da educação. Vamos nos utilizar inicialmente destes
recursos (computador e internet) e possivelmente ampliá-los para outras mídia futuramente.

Com esta visão, este espaço está dedicado aos internautas visitantes deste site que tenham a
necessidade de uma iniciação musical através da flauta doce. O que aqui está posto é a
iniciação do leigo que por um situação adversa não tem um professor. Também para o
visitante empolgado, curioso, que se decidiu estudar ou para aqueles que procuram uma
dica para o seu aprendizado. A intenção desta simples página com esta visão de Ensino à
Distância começa com explicações simplificadas e resumidas da Teoria Musical que o
aluno deve cumprir como primeira etapa para compreender melhor a iniciação do
instrumento flauta doce aqui abordada.
Tenham um bom proveito.

Campina Grande, Pb, Brasil.


01/07/2001.

Prof. Romero Damião

Teoria Musical (Uma abordagem pedagógica)


O som tem algumas propriedades importantes.

Duração: é o tempo de produção do som.


Altura: é a propriedade do som ser mais grave ou mais agudo. O apito
de um trem é grave. A sirene de uma ambulância é aguda.
Intensidade: é a propriedade do som ser mais forte ou mais fraco.
Timbre: é a qualidade do som que permite uma pessoa reconhecer sua
origem.

Na escrita musical, estas propriedades do som são representadas assim:

Duração: pela figura da nota e pelo andamento.


Intensidade: pelos sinais de dinâmica. Por exemplo: Forte, Piano,
Mezopiano, Mesoforte...
Altura: pela posição da nota no pentagrama.
Timbre: pela indicação da voz ou instrumento que deve executar a
música.

O som musical é representado no papel por um sinal chamado nota.


A figura da nota varia, de acordo com a duração do som.

As partes que compõem a nota são:

Pentagrama: é um conjunto de cinco linhas horizontais eqüidistantes e


quatro espaços.

Clave: é um sinal que se escreve no pentagrama para dar nome às


notas.
Existem três claves: de sol, de dó e de fá. São assim chamadas porque
nas linhas onde são escritas, se encontram as notas: sol, dó, fá.

Os sons musicais de acordo com a sua altura, recebem os seguintes


nomes: dó, ré, mi, fá, sol, lá, si. Esses nomes se repetem de sete em
sete do mais grave para o mais agudo.
Oitava: dá-se o nome de oitava ao conjunto de notas existentes entre
uma nota qualquer e a sua primeira repetição no grave ou no agudo.

A figura da nota indica a duração do som.


As figuras atualmente usadas são as seguintes:
Começando da semibreve, que tem a maior duração, cada uma dessas
notas vale duas da seguinte:

Semibreve 2 mínimas
Mínima 2 semínimas
Semínima 2 colcheias
Colcheia 2 semicolcheias
Semicolcheia 2 fusas
Fusa 2 semifusas
Pausa é um silêncio na música e tem duração variável. É
representada assim:

As figuras:

Suas pausas:

As pausas obedecem a mesma proporção das figuras, isto é, cada qual vale duas da
seguinte.

Ponto de aumento: é um ponto que se escreve à direita da nota para


aumentar metade do seu valor. O ponto de aumento também é usado
nas pausas com o mesmo resultado. A nota ou pausa com ponto de
aumento se chama “nota pontuada”, ou “pausa pontuada”.

A repetição de compassos pode ser abreviada por sinais. Quando


muitos compassos se repetem usamos a barra dupla com dois pontos
chamados de ritornello para voltarmos ao começo da música. Ao
encontrarmos o terceiro ritornello, voltamos para o segundo conforme
o exemplo.

Quando o trecho deve ser repetido do início, usamos a expressão “Da


capo” ou abreviamos com D.C.
Compasso: é a divisão da música em pequenas partes de duração
igual ou variável.
Barra de compasso: é uma linha vertical que separa os compassos.
Usa-se a barra dupla para separar seções da música, ou para concluí-
la que neste caso é mais grossa.

Tempo: é uma parte do compasso. Os compassos podem ter tempos


diferentes:

Compasso binário: tem 2 tempos


Compasso ternário: tem 3 tempos
Compasso quaternário: tem 4 tempos

Unidade de tempo: é a nota que representa um tempo do compasso.


As mais usadas são a mínima, a semínima e a colcheia.

Exemplos:

Unidade de tempo de mínima:

Unidade de tempo de semínima:

Unidade de tempo de colcheia:

Compasso simples: é aquele em que a unidade de tempo tem um


valor simples.
Exemplo:

Compasso composto: é aquele em que a unidade de tempo tem um


valor composto.

Exemplo:

Fórmula do compasso: são dois números que indicam a unidade de


tempo e o número de tempos do compasso. É escrita no início da
música, logo após a clave.

Fala-se: “dois por quatro”, “seis por oito”.

O número inferior da fórmula, tanto nos compassos simples como nos


compostos, representa as seguintes notas:

No compasso simples o número inferior indica a unidade de tempo e


o superior o número de tempos.
No compasso composto, o número inferior indica as notas em que se
subdivide a unidade de tempo e o superior, o total dessas notas num
compasso.

Agora vamos começar a nossa aula utilizando uma flauta doce soprano.

O Pé O Bocal
O corpo

Para a realização dos exercícios nesta fase inicial do aprendizado, segure a flauta
fechando a mão direta entorno do pé. Só a mão direta segura a flauta.
Para obter o som, pouse suavemente o bocal da flauta sobre o lábio inferior e cubra-o
levemente com o lábio superior. O sopro deve ser firme como o apagar da chama de
uma vela. Emita este sopro como um ataque, pronunciando um tut. Se você assim o
fizer estará emitindo um lindo som com a sua flauta.

Lição 1
Notas na flauta.

O ponto preto deslocado é do dedo polegar, e os outros são o indicador, o médio e o


anular da mão esquerda, tapando os buracos da flauta do bocal para o pé.
Assim fazendo o aluno estará digitando as notas Sol, Lá e Si.

Com a digitação de cada uma das notas, realize agora um sopro suave como se soprasse
uma vela pronunciando um tut. Treine para que você consiga um som doce, cheio,
vibrante. A intensidade do sopro vai até onde o som produzido na flauta não esguichar.
Treine este limite.(Continue pegando a flauta pelo pé).

Notas no Pentagrama

Exercícios
Notas de Quatro Tempos

Os exercícios estão escritos em compassos quaternários. O aluno deve contar


mentalmente 1, 2, 3, 4, enquanto toca na flauta cada uma das notas musicais escritas no
pentagrama. Outra forma seria bater com o pé ou balançar o corpo para frente e para
trás, enquanto conta os tempos. Faça inicialmente a leitura das notas, pronunciando seus
nomes. Se você conseguir lê-las no tempo, com certeza irá tocá-las corretamente.

Cada nota deve ser iniciada com um novo sopro. Passe para o exercício seguinte
somente quando estiver tocando fluentemente este exercício.(Continue pegando a flauta
pelo pé).

Notas De Dois Tempos

O mesmo se aplica com as notas de dois tempos. Cuidado com a nota final (quatro
tempos).

Notas De Um Tempo

Sempre um novo sopro para cada nota. O ataque da nota é muito importante para o
aluno emitir o som limpo e suave da flauta doce. Sopre como se apagasse uma vela,
pronuncie um tut.

Dicas Da Primeira Lição


Faça este treinamento durante uma semana, todos os dias, três vezes ao dia em
intervalos pequenos de meia hora, só então passe para a lição 2. Lembre-se de que um
erro repetido torna-se um aprendizado difícil de ser corrigido. Portanto estude
corretamente com dedicação e disciplina. É muito importante esta fase do seu
aprendizado, ele ficará registrado para sempre na sua memória musical. Corrija seu
sopro (tut). Marque os tempos (1, 2...). Cada nota um novo sopro e respire à vontade
sempre que tiver necessidade.(Continue pegando a flauta pelo pé).

Lição 2
Notas na flauta

A novidade nesta lição é o Si2. Soando igual ao Si1 ele tem uma importância enorme
como uma técnica para o flautista executar melhor suas músicas. Portanto estude com
dedicação para nesta fase dominar o Si2 e registrar na sua memória musical uma técnica
primorosa.

Notas no Pentagrama

Exercícios

Nota de Quatro Tempos

Notas de Dois Tempos


Notas de Um Tempo

Na escala ascendente use o Si1. Na escala descendente use o Si2.

Notas de Meio Tempo

Como executar as notas de meio tempo? Lembra-se daquela dica de bater o pé? Imagine
o movimento do pé, para baixo e para cima. As notas de meio tempo serão executadas
uma quando o pé baixar e a próxima quando o pé levantar. Assim o movimento do pé
executando as notas de um tempo agora subdivide-se em duas secções para formar dois
meios tempos. No exercício acima o aluno toca o sol quando baixar o pé e toca o si
quando levantar. No momento seguinte toca o lá quando baixar o pé e toca o dó quando
levantar. O movimento pode ser batendo o pé ou balançando o corpo para frente e para
trás.

Músicas
A nossa aula termina aqui. O aluno agora pode seguir seu caminho por um outro meio.
Matricular-se numa escola de música, conservatório, ou ter o seu professor particular.

O método que aqui utilizei é do Prof. Hemult Monkmeyer, "Método Para tocar Flauta
Doce Soprano" da Editora Ricordi do Brasil, que esta à venda em lojas do ramo. Este
método há muito utilizado no Brasil foi por mim escolhido para este trabalho por
considerá-lo de fácil acesso em nosso meio e por ter uma ótima abordagem para o
iniciante. O mesmo posso dizer das definições da Teoria Musical que são um apanhado
do Prof. Osvaldo Lacerda.

Espero ter dado um passo inicial na vida artística do futuro flautista e, se algum
florescer, terei cumprido a minha tarefa.

P.S. Para aqueles curiosos que estes ensinamentos ainda não foram suficientes e
desejam se aventurar num aprendizado autodidata vou satisfazê-los com as digitações
das notas na flauta soprano.

Sua participação será sempre bem vinda, com dicas e sugestões. Mande um e-mail.

Prof. Romero Damião.