Você está na página 1de 3

Universidade Lusíada do Norte - Porto

Faculdade de Direito - Licenciatura em Direito


Introdução ao Estudo do Direito – 1º ano-Turma D

1º TESTE DE AVALIAÇÃO CONTÍNUA (Ano lectivo 2016/2017)

Data: 26 de Outubro de 2016 Hora: 11,00 horas


COMENTÁRIOS GERAIS
 Nome completo
 + rigor no português.
 Letra legível. Em concursos não conhecem o candidato e cortam o q não
percebem.
 Se várias respostas têm algo em comum, referir uma vez e remeter (ex.:
vários direitos potestativos: Definir direito potestativo no 1º e depois
remeter, assinalando as diferenças).
 Os direitos são para classificar e indicar as modalidades.
 Definições essenciais: Dtºs subjectivos // Obrigações naturais // Dtos
Potestativos.
 Muitos alunos não definiram direito potestativo
CONFUSÕES:
Entre obrigação natural (402º) e:
 Direito natural - princípios e valores éticos fundamentais universais,
inerentes à condição humana, superiores ao direito estatal que lhe
deve obediência e que inspiram/fundamentam/legitimam o legislador
na criação de normas, que Aristóteles considera universais e
imutáveis.
 Norma jurídica diferente de relação jurídica
RESPONDA ÀS SEGUINTES QUESTÕES:
1. O que entende por coercibilidade e qual a respectiva ordem
normativa?
Coercibilidade: susceptibilidade de recurso à força (polícia, tribunais,
prisões), que deriva do carácter obrigatório e sancionatório do Direito.
É uma força espiritual que cumpre uma função pedagógica.
Ordem normativa: Ordem jurídica
 Relação com a eficácia da norma/direito: a eficácia do Direito depende de
ser obrigatório para todos os membros da comunidade.
 Diferença entre coercibilidade, coacção e sanção
 O carácter obrigatório do Direito implica a sua natureza sancionatória:
para ser obrigatório tem que prever a aplicação de sanções aos infractores
(materiais, físicas-pena de prisão, multa, indemnização, inibição de
conduzir…) e aplicadas em vida por uma autoridade social legitimamente
investida de poder sancionatório.
o Sanção – é a imposição de uma medida jurídica desfavorável à pessoa
que violar a norma jurídica:
 Normas não coercíveis e normas sem sanção: Nem todo o direito é
coercível (obrigações naturais – artº 402º // relações conjugais: 1672)
 Coercibilidade ≠ coacção (força física ou psicológica que acompanha o
direito). A coacção falha quando as normas jurídicas são violadas (o
Universidade Lusíada do Norte - Porto
Faculdade de Direito - Licenciatura em Direito
Introdução ao Estudo do Direito – 1º ano-Turma D

direito não teve força para se impor). É desnecessária porque na maioria


dos casos as normas jurídicas são respeitadas de forma espontânea.
Será a coercibilidade uma característica essencial do direito?
 Para o positivismo a coercibilidade é um elemento essencial do direito.
 No entanto, há sanções cuja aplicação não implica o uso da força (v.g.,
aplicação da suspensão, por um ano, da licença de condução);
 O direito depende da força na sua vigência, mas não na sua essência ou
conteúdo determinado em função da ideia de direito, do princípio da
justiça que o informa e lhe confere validade.
 A coercibilidade depende da juridicidade (validade) da norma, só sendo
legítima se a norma o for.
 Ao direito cabe legitimar e impor limites à força da qual pode depender a
sua existência.
 Normas em que a coercibilidade é desnecessária: Normas em que a
sanção opera automaticamente (ex. ineficácia)
 Normas em que a coercibilidade não é possível (ex: normas reguladoras
dos poderes dos órgãos supremos do Estado. Ex.: 136 CRP –
promulgação/veto de lei pelo PR no prazo de 20 dias. E se não
promulgar?).
2. Caracterize e relacione as noções de direito subjectivo em sentido
estrito e de obrigação natural.
Direito subjectivo em sentido estrito: (ou propriamente dito): faculdade
ou poder, reconhecido pela ordem jurídica a uma pessoa, de exigir (817 -
direito de o credor exigir judicialmente o cumprimento em caso de não
cumprimento voluntário – 1305 – conteúdo do direito de propriedade) ou
pretender (402º - obrigações naturais) de outra um determinado
comportamento positivo (facere) ou negativo (non facere).
Exigir: exemplos: pagamento de dívida não paga voluntariamente,
respeito pelo conteúdo do direito de propriedade…
Obrigação natural: artº 402º CC. Obrigação cujo cumprimento não é
judicialmente exigível, mas corresponde a um dever de justiça. Estão entre
a obrigação moral e a obrigação jurídica. Existe o débito mas não a
obrigação de cumprir nem o poder de exigir Ex.: O credor não pode exigir
judicialmente o cumprimento quando deixa passar o prazo de
prescrição.(Vinculo jurídico imperfeito, entre e dever moral e o jurídico)
 Mas se o devedor paga espontaneamente após a prescrição, não pode
reaver o que pagou (403-não repetição do indevido) excepto se o devedor
não tinha capacidade para efectuar a prestação.
 A tutela jurídica na obrigação natural é uma tutela reduzida, limitada, na
prática à soluti retentio (retenção do pago expontaneamente-403º)
 Diferença de posições, direitos e garantias que assistem aos 2 sujeitos no
EXIGIR e no PRETENDER.
o Exigir: Tem tutela judicial. É exigível judicialmente.
Universidade Lusíada do Norte - Porto
Faculdade de Direito - Licenciatura em Direito
Introdução ao Estudo do Direito – 1º ano-Turma D

o Pretender: Não é judicialmente exigível. Obrigação natural. Exemplos:


Dívida prescrita, contrato de jogo e aposta (quando lícitos) Quando
ilícitos são nulos.
 Relação: O direito subjectivo em sentido estrito engloba a obrigação
natural (pretender)
 O direito a exigir (dívida) passa a pretender pelo decurso do tempo.
 Classificações de direito subjectivo em sentido estrito:
 Inatos e não inatos.
 Essenciais e não essenciais.
 Pessoais e patrimoniais.
 Absolutos e relativos.
 Disponíveis e indisponíveis.
 Simples e complexos
3. Caracterize os direitos subjectivos constantes dos artigos:
(Necessário referir o objecto do preceito. Não só a caracterização)
1305º: Direito subjectivo em sentido estrito. Direito de propriedade: O
proprietário tem o direito a exigir a abstenção de todos de lhe perturbarem
o conteúdo complexo do dto. propriedade. Não inato, não essencial (não
indissoluvelmente ligado àquela pessoa como os direitos de
personalidade), absoluto, patrimonial, disponível, complexo (inclui um
feixe, uma pluralidade ou multiplicidade de pretensões: uso, fruição,
disposição…
1550º: Direito potestativo constitutivo. Servidão legal de passagem em
benefício de prédio encravado.
1767º Direito potestativo modificativo. Simples separação judicial de
bens
1781º Direito potestativo extintivo: Divórcio sem consentimento de um
dos cônjuges.
 Noção de direito potestativo: direito concedido a uma pessoa de, por acto
da sua livre vontade, só de per si ou integrado por um acto de autoridade
pública (decisão judicial), produzir determinado efeito jurídico que,
inevitavelmente, se impõe a outra pessoa interferindo, portanto, com a
esfera jurídica alheia.
Diferença de posição que recai sobre a outra parte nos
 DIREITO SUBSTANTIVO EM SENTIDO ESTRITO
Corresponde-lhe um dever de colaboração-susceptibilidade de violar o
dto. sofrendo as consequências. Ex.: Dto. propriedade: colaboração para
que o titular goze sem ser perturbado do uso, fruição -acção de aproveitar
ou usufruir de alguma coisa- e disposição)
 DIREITO POTESTATIVO
Corresponde-lhe uma obrigação de sujeição/sofrimento da outra parte, i.
é, a necessidade (obrigatoriedade) de suportar as consequências do
exercício de tais direitos.
(Prof. Doutor José Daniel Tavares)

Você também pode gostar