Você está na página 1de 2

FOX na Usina

Nº 05 – Mar/19

TÓPICOS Placas ou Casco & Tubo: Qual é o melhor ? Parte I


Aquecimento de Caldo com
Placas e Casco & Tubo e Tenho que admitir que sou um grande admirador dos trocadores a Placas e, desde que as condições
suas características da usina permitam, sugiro ao usuário o uso destes trocadores no tratamento de caldo, porém como
vamos verificar nestes artigos, o bom e tradicional aquecedor tubular (Casco & Tubo) ainda tem seu
(Vantagens e
espaço diante de algumas circunstâncias que vamos abordar aqui.
Desvantagens)
Vamos avaliar os detalhes de uma aplicação bem frequente no tratamento de caldo nas opções de
placas e tubular. Aquecimento de caldo clarificado na entrada do pré-evaporador ou #1 efeito com
os seguintes dados de operação:

Vazão de Caldo : 460.000 kg/h


Concentração : 15,5°Brix
Próxima Edição:
Entrada no Aquecedor : 102,0°C
Demais vantagens do Saída do Aquecedor : 110,1°C
Placas e do Casco & Vapor de Aquecimento : V1 @ 115,0°C
Tubo; Campanha : 6 dias
Onde aplicar, onde
Embora existam softwares de
NÃO e o porquê;
dimensionamento tais como HTRI e B-
Como fazer a limpeza
JAC, vamos dimensionar o aquecedor
dos Trocadores a pelo método descrito por E. Hugot no
Placas Handbook of Cane Sugar Engineering,
que se aplica muito bem nas Usinas
brasileiras. Considerando uma
velocidade do caldo no interior dos
tubos de 1,5 a 2,0 m/s e, limitando a
perda de carga em até 12 mca,
encontramos os seguintes resultados.

Tubos : φ 38,1 x 1,2 x 4.500 mm (Inox para compararmos com o Placas)


Quantidade de Tubos : 960 divididos em 12 passes com 80 tubos
Área de Troca Térmica : 484,5 m2 SAI
Velocidade do caldo : 1,558 m/s
OTHC (Limpo/Sujo) : 2.109 / 842 kcal/(m2.°C) ou no SI: 2.452 / 979 W/(m2.K)
Excesso de Área : 150,5%
Perda de Carga no Caldo : 11,4 mca
Velocidade nos Bocais : Entrada de Vapor: 19,7 m/s (DN 350)
Saída de Condensado: 0,2 m/s (DN 100)
: Entrada de Caldo: 1,8 m/s (DN 300)
Consumo de Vapor : 6.587 kg/h (Sem considerar perdas)
Diâmetro do Espelho : 1.600 mm (Preliminar)
Mantendo as mesmas as condições de operação e, especialmente a perda de carga na circulação do caldo. Utilizando o programa de
cálculo de um grande fabricante Europeu de trocador de calor a Placas, considerando um trocador tipo FREE-Flow (maior espaço entre
as placas) para maior segurança operacional, temos os seguintes resultados:

Dimensões das Placas : 556 x 1.916 mm (Distância entre centros dos bocais)

Quantidade de Placas : 86 pçs

Área de Troca Térmica : 134,40 m2

Velocidade do Caldo : 1,0 m/s

OTHC (Limpo/Sujo) : 3.919/ 3.194 kcal/(h.m2.°C) (SI) 4.558 / 3.715 W/(m2.K)

Excesso de Área : 22,7%

Perda de Carga no Caldo : 9,89 mca

Velocidade nos Bocais : Entrada de Vapor: 26,1 m/s (DN 300)

Saída de Condensado: 0,03 m/s (DN 300)

Entrada de Caldo: 1,8 m/s (DN 300)

Em função das várias diferenças térmicas entre os trocadores, vamos detalhas as principais:

a) No Casco e tubo o fluxo de calor tem um maior percurso até atingir o caldo, desde a parte externa do tubo até o centro (~19 mm),
isto requer um maior diferencial de temperatura entre vapor e caldo e, consequentemente obtemos temperaturas de saída do caldo
“menores” que nos placas;
38,10
Vapor
Tubo Pacote de
Envolvido Placas
19,05
por Vapor

Caldo

b) Considerando um trocador com canal largo de 10 mm e o canal estreito de 5 mm, temos um caminho menor para que o calor alcance
todo o caldo, neste caso apenas 5,9 mm (10/2 + 0,9 mm da espessura da placa), com isto obtemos coeficientes de troca térmica
(OHTC) maiores e ao mesmo tempo, podemos atingir menores diferenciais de temperatura, obtendo uma temperatura do caldo
maior na saída no placas que no casco e tubo, claro que o cálculo deverá ser revisto quanto à maior demanda de vapor pois a energia
necessária para um menor appoach de temperatura necessita de uma quantidade ligeiramente maior de vapor;

c) Defendendo o trocador Casco & Tubo desta pequena “vitória” do placas, é possível diminuir a diferença com a redução do diâmetro
do tubo, recurso muito utilizado com fluidos limpos porém, a necessidade de limpeza frequente dos tubos (Normalmente semanal),
nos impede de usar esta técnica, já os placas embora sejam desmontáveis para inspeção, expansão ou substituição de placas, não é
recomendada a sua abertura “frequente” para limpeza e vamos abordar as razões futuramente.

Na próxima edição do FOX na Usina abordaremos: Demais vantagens de cada trocador, onde aplica e especialmente onde NÃO e, a
limpeza dos trocadores a placas.

Álvaro Salla

FOXTERMO Refrigeração e Aquecimento Ltda.


Praça Prof. Ademar Noronha Nogueira, 110 – Conj. 71
CEP 02417-190 - São Paulo – SP
www.foxtermo.com.br