Você está na página 1de 62

❑ Mapeamento e Agulhamento

Membros Superiores & Inferiores


IMPORTANTE: Esta apostila não contém todos os grupos musculares
que compõe o corpo humano!
Será detalhado alguns músculos apontados no curso, e, alguns extras
para complementação e bônus.
Para aplicação em outros grupos musculares, será necessário
aprofundamento da técnica, a fim de proporcionar melhor
aplicabilidade e conhecimento das estruturas; assim como uma
prestação de serviço com qualidade e segurança aos utentes!

@dra.andreiarodrigues
@JessicaJulioti Andreia Rodrigues
@Cessetembro
PRÁTICA DRY NEEDLING: CABEÇA

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: CABEÇA

❑ Músculo Frontal

Dor referida: Dentro do


ventre muscular.
X
X

“ X” Localização do Ponto

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: CABEÇA

Músculo Frontal
1. Estiramento do tecido

➢ Posicione o paciente em decúbito dorsal, exponha o tecido a


ser explorado.
Estire ( alongue puxando) o tecido e faça a palpação .

2. Agulhamento

➢ Músculo em estado de relaxamento.

➢ Perpendicular ( método tradicional);

➢ Oblíquo ( Sentido: Crânio - Caudal) – MAIS USADO

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: CABEÇA

❑ Músculo Temporal
Dor referida: Região Temporal
podendo se estender próximo aos
lábios e músculo zigomático

X X

“ X” Localização do Ponto

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: CABEÇA

Músculo Temporal
1. Estiramento do tecido

➢ Posicione o paciente em decúbito dorsal , solicite que faça


uma rotação cervical. O objetivo é expor o tecido a ser
explorado.
Estire ( alongue puxando) o tecido e faça a palpação .

2. Agulhamento
➢ Músculo em estado de relaxamento.

➢ Perpendicular ( método tradicional);

➢ Oblíquo ( Sentido: Olho - Orelha) - MAIS USADO

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: CABEÇA

❑ Músculo ECOM

Dor referida: Ventre muscular,


podendo se estender para a
região frontal, região
superior da cabeça e região
da nuca.

“ X” Localização do Ponto

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: CABEÇA

❑ Músculo ECOM
1. Estiramento do tecido

➢ Posicione o paciente em decúbito dorsal , solicite que faça uma rotação


cervical para o lado contra lateral a dor. O objetivo é expor o tecido a
ser explorado em busca do (PG).
Estire ( alongue puxando) o tecido e faça a palpação

2. Agulhamento
➢ Músculo em estado de relaxamento.

➢ Perpendicular ( método tradicional);

➢ Antero-posterior ( faça uma pinça ou prega) - MAIS USADO

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMSS

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMSS
❑ Músculo Supraespinhal

X X X

Dor referida: Ventre muscular, se


estendendo até ombro e cotovelo.

“ X” Localização do Ponto

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMSS
❑ Músculo Supraespinhal
1. Estiramento do tecido

➢ Posicione o paciente em decúbito dorsal , solicite que faça uma


abdução do braço e identifique o músculo. Peça ao
cliente/paciente para lateralizar a cabeça contraleral ao músculo
a ser investigado.

➢ Estire ( alongue puxando) o tecido e faça a palpação.

2. Agulhamento

➢ Músculo em estado de relaxamento.

➢ Perpendicular ( método tradicional);

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMSS
❑ Músculo Deltóide

X
X
Dor referida: Ventre
muscular, podendo se
estender até o cotovelo.

“ X” Localização do Ponto

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMSS
❑ Músculo Deltóide
1. Estiramento do tecido

➢ Posicione o paciente em decúbito dorsal , solicite que solte o braço fora da maca
e faça avaliação dos feixes anteriores.
Para avaliar as fibras médias, solicitar ao paciente que coloque suas mãos na
espinha ilíaco anterior do lado contralateral.
Avaliação das fibras posteriores, solicitar ao paciente para colocar a mão no
ombro contralateral ao membro que esta sendo avaliado.

➢ Estire ( alongue puxando) o tecido e faça a palpação.

2. Agulhamento
➢ Músculo em estado de relaxamento.
➢ Perpendicular ( método tradicional);
➢ Oblíquo ( Proximal – Distal)

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMSS
❑ Músculo Subclávio

Dor referida: Dentro X


do ventre muscular,
podendo se estender
até ombro, cotovelo e
dedos.

“ X” Localização do Ponto

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMSS

❑ Músculo Subclávio

1. Estiramento do tecido

➢ Posicione o paciente em decúbito dorsal , com braços em paralelo


ao corpo.
➢ Faça a palpação.

2. Agulhamento

➢ Músculo em estado de relaxamento.

➢ Perpendicular ( método tradicional);

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMSS
❑ Músculo Subescapular

Dor referida: Ventre muscular,


podendo se estender até ombro ,
cotovelo e punho. X X

“ X” Localização do Ponto

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMSS

❑ Músculo Subescapular

1. Estiramento do tecido

➢ Posicione o paciente em decúbito ventral , faça a posição de arm


lock.
➢ Faça a palpação.

2. Agulhamento

➢ Músculo em estado de relaxamento.

➢ Oblíquo paralelamente ao gradil costal ( Lateral - Medial); - Para


posicionar a agulha, aprofundar o máximo o tubo guia. A agulha
entra bem paralelo ao gradil costal, abaixo da escápula .

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMSS
❑ Músculo Bíceps Braquial

Dor referida: Ventre muscular,


podendo se estender até ombro e
cotovelo.

X X

“ X” Localização do Ponto

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMSS

❑ Músculo Bíceps Braquial


1. Estiramento do tecido

➢ Posicione o paciente em decúbito dorsal , faça uma rotação externa do


ombro e avalie a cabeça curta.

➢ Solicite a rotação interna do ombro, para avaliar a cabeça longa do


bíceps.
➢ Estire ( alongue puxando) o tecido e realize a palpação.

2. Agulhamento

➢ Músculo em estado de relaxamento.


➢ Perpendicular ( método tradicional);
➢ Oblíquo (Distal – Proximal)

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMSS

❑ Músculo Tríceps Braquial

Dor referida: Ventre muscular,


podendo se estender para
ombros, cotovelo, punho e
dedos. X X
X

“ X” Localização do Ponto

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMSS

❑ Músculo Tríceps Braquial

1. Estiramento do tecido

➢ Posicione o paciente em decúbito dorsal , solicite uma flexão do


cotovelo e ombro.
➢ Estire ( alongue puxando) o tecido e realize a palpação.

2. Agulhamento

➢ Músculo em estado de relaxamento.


➢ Perpendicular ( método tradicional);
➢ Oblíquo ( Proximal - Distal)

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMSS
❑ Músculo Braquial

Dor referida: Ventre muscular,


podendo se estender para ombro,
cotovelo, punho e polegar. X

“ X” Localização do Ponto

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMSS

❑ Músculo Braquial

1. Estiramento do tecido

➢ Posicione o paciente em decúbito dorsal , solicite uma flexão do


cotovelo. Demarque com os dedos o ventre do tecido.
➢ Logo após , solicite o paciente para realizar a extensão do cotovelo, e
ocorrerá a formação de um sulco entre os ventres.
➢ Realize a palpação nesta fenda.

2. Agulhamento

➢ Músculo em estado de relaxamento.


➢ Perpendicular ( método tradicional);
➢ Oblíquo ( Lateral - Medial)

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: TRONCO

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: TRONCO

❑ Músculo Trapézio

Dor referida: Dentro do ventre


muscular.
X X X
X

“ X” Localização do Ponto

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: TRONCO

❑ Músculo Trapézio
1. Estiramento do tecido Trapézio Superior
➢ Superior
➢ Médio ➢ Posicione o paciente em decúbito
➢ Inferior ventral. Faça um ângulo de 45 graus,
lateralize e flexione a cervical
contralateral.
➢ Faça a palpação .

2. Agulhamento

➢ Músculo em estado de relaxamento.


➢ Perpendicular ( método tradicional);
➢ Oblíquo ( Medial - lateral)

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: TRONCO

❑ Músculo Trapézio
1. Estiramento do tecido Trapézio Médio
➢ Superior
➢ Médio ➢ Posicione o paciente em decúbito
➢ Inferior ventral. Faça um ângulo de 90 graus,
lateralize e flexione a cervical
contralateral.
➢ Faça a palpação .

2. Agulhamento

➢ Músculo em estado de relaxamento.


➢ Perpendicular ( método tradicional);
➢ Oblíquo ( Médio - lateral)

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: TRONCO

❑ Músculo Trapézio
1. Estiramento do tecido Trapézio Inferior
➢ Superior
➢ Médio ➢ Posicione o paciente em decúbito ventral.
➢ Inferior Faça um ângulo > que 150 graus, lateralize
e flexione a cervical contralateral.
➢ Faça a palpação .

2. Agulhamento

➢ Músculo em estado de relaxamento.


➢ Perpendicular ( método tradicional);
➢ Oblíquo ( Médio - lateral)

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: TRONCO

❑ Músculo Reto Abdominal


Dor referida: Ventre muscular,
podendo ser relatado dores
na região lombar e torácica.

XX
X

“ X” Localização do Ponto

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: TRONCO

❑ Músculo Reto Abdominal


1. Estiramento do tecido

➢ Posicione o paciente em decúbito dorsal. Deixe o paciente relaxado.


➢ Faça a palpação .

2. Agulhamento

➢ Músculo em estado de relaxamento.


➢ Perpendicular ( método tradicional) –MAIS USADO ;
➢ Oblíquo ( Céfalo - caudal.)

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: TRONCO

❑ Músculo Quadrado Lombar

X
X

Dor referida: Ventre muscular,


podendo se estender até a
região glútea.
“ X” Localização do Ponto

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: TRONCO

❑ Músculo Quadrado Lombar

1. Estiramento do tecido

➢ Posicione o paciente em decúbito ventral;


➢ Estire ( alongue puxando) o tecido;
➢ Faça a palpação .

2. Agulhamento

➢ Músculo em estado de relaxamento.


➢ Perpendicular ( método tradicional);

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: TRONCO

❑ Músculo Elevador da Escápula

Dor referida: Ventre muscular, região


cervical, ombro e abaixo da escápula.

X
X

“ X” Localização do Ponto

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: TRONCO

❑ Músculo Elevador da escápula

1. Estiramento do tecido

➢ Posicione o paciente em decúbito ventral.


➢ Coloque-o em posição de arm lock
➢ Faça a palpação .

2. Agulhamento

➢ Músculo em estado de relaxamento.


➢ Oblíquo ( Lateral – Medial).

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: TRONCO

❑ Músculo Peitoral Maior e Menor

X X
X

“ X” Localização do Ponto

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: TRONCO

❑ Músculo Peitoral Maior e Menor


1. Estiramento do tecido

➢ Posicione o paciente em decúbito dorsal.


➢ Solicite que o paciente realize uma rotação externa
associada a uma abdução do ombro.
➢ Estire ( alongue puxando) o músculo e realize a
palpação .

2. Agulhamento

➢ Músculo em estado de relaxamento.


➢ Oblíquo ( Lateral – Medial).
➢ Perpendicular ( método tradicional)

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMII

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMII

❑ Músculo Glúteo

➢ Máximo
➢ Médio X
➢ Mínimo

“ X” Localização do Ponto

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMII

❑ Músculo Glúteo
1. Estiramento do tecido
➢ Máximo
➢ Posicione o paciente em decúbito ventral,
➢ Médio
➢ Mínimo
➢ Peça ao paciente para fazer uma posição
de gato sentado até o calcanhar
➢ Faça a palpação.

2. Agulhamento

➢ Músculo em estado de relaxamento.

➢ Perpendicular ( método tradicional)

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMII

❑ Músculo Glúteo
1. Estiramento do tecido

➢ Máximo ➢ Posicione o paciente em decúbito


➢ Médio ventral,
➢ Mínimo ➢ Peça ao paciente para fazer uma
posição de gato sentado até o
calcanhar
➢ Faça a palpação.

2. Agulhamento
➢ Músculo em estado de relaxamento.
➢ Perpendicular (método tradicional)
“ X” Localização do Ponto

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMII

❑ Músculo Glúteo
1. Estiramento do tecido

➢ Máximo ➢ Posicione o paciente em decúbito


➢ Médio ventral,
➢ Mínimo ➢ Peça ao paciente para fazer uma
posição de gato sentado até o
calcanhar
➢ Faça a palpação.

2. Agulhamento
➢ Músculo em estado de relaxamento

➢ Perpendicular ( método tradicional)


“ X” Localização do Ponto

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMII

❑ Músculo Piriforme

Dor referida: Ventre muscular,


podendo se estender para a
região glútea, quadril, região
posterior das pernas e chegando a
panturrilha.
X X

“ X” Localização do Ponto

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMII

❑ Músculo Piriforme

1. Estiramento do tecido

➢ Posicione o paciente em decúbito ventral,


➢ Faça a palpação plana.

2. Agulhamento

➢ Músculo em estado de relaxamento.


➢ Perpendicular ( método tradicional)

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMII

❑ Músculo Tensor da Fáscia Lata

Dor referida: Ventre muscular, podendo


se estender para a região de quadril e
porção lateral do joelho.

“ X” Localização do Ponto

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMII

❑ Músculo Tensor da Fáscia Lata


1. Estiramento do tecido

➢ Posicione o paciente em decúbito lateral;


➢ O segmentado avaliado não poderá estar em contato com a
maca,
➢ Estire ( alongue puxando) o tecido;
➢ Faça a palpação plana.

2. Agulhamento
➢ Músculo em estado de relaxamento.
➢ Perpendicular ( método tradicional)
➢ Oblíquo ( Proximal – Distal)

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMII

❑ Músculo Adutores

Dor referida: Ventre muscular,


podendo se estender até a
porção medial do joelho.

“ X” Localização do Ponto

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMII

❑ Músculo Adutores
1. Estiramento do tecido

➢ Posicione o paciente em decúbito dorsal;


➢ Solicite que o paciente faça uma flexão de quadril e joelho;
➢ Posicione o membro que será avaliado em abdução,
➢ Faça a palpação.

2. Agulhamento
➢ Músculo em estado de relaxamento.
➢ Perpendicular ( método tradicional)
➢ Oblíquo ( Distal - Proximal)

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMII

❑ Músculo Quadríceps

“ X” Localização do Ponto

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMII
❑ Músculo Quadríceps
1. Estiramento do tecido

➢ Posicione o paciente em decúbito lateral;


➢ Faça uma flexão de joelho;
➢ Faça a palpação plana.

2. Agulhamento

➢ Músculo em estado de relaxamento em decúbito dorsal


➢ Perpendicular ( método tradicional)

❑ Importante: Vasto Lateral e Reto femoral , o membro ( perna) não poderá


encostar na maca.
Já o vasto medial , o membro ( perna), poderá estar em contato com a maca.

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMII

❑ Músculo Gastrocnêmio

Dor referida: Ventre muscular,


podendo se estender para o X X
joelho, assim como o paciente
poderá relatar dor na parte X
plantar ( fáscia plantar).

“ X” Localização do Ponto

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMII

❑ Músculo Gastrocnêmio

1. Estiramento do tecido

➢ Posicione o paciente em decúbito ventral;


➢ Pernas esticadas e joelho em extensão;
➢ Pés em dorsoflexão
➢ Faça a palpação.

2. Agulhamento

➢ Músculo em estado de relaxamento.


➢ Perpendicular ( método tradicional)

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMII

❑ Músculo Solear

Dor referida: Ventre


muscular, podendo chegar
ao joelho, região de fáscia X
plantar e pode chegar a
região lombar. X

“ X” Localização do Ponto

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMII

❑ Músculo Solear

1. Estiramento do tecido

➢ Posicione o paciente em decúbito ventral;


➢ Joelhos em flexão;
➢ Pés em dorsoflexão;
➢ Faça a palpação.

2. Agulhamento

➢ Músculo em estado de relaxamento.

➢ Perpendicular ( método tradicional)

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMII

❑ Músculo Plantar
Dor referida: Ventre muscular.

X
“ X” Localização do Ponto

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMII

❑ Músculo Plantar

1. Estiramento do tecido

➢ Posicione o paciente em decúbito ventral;


➢ Joelhos em flexão de 90 graus;
➢ Pés em dorsoflexão;
➢ Faça a palpação.

2. Agulhamento

➢ Músculo em estado de relaxamento.

➢ Perpendicular ( método tradicional)

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMII

❑ Músculo Fibular Longo e Curto

X X
X

“X” Localização do Ponto Fibular Curto


“X” Localização do Ponto Fibular Longo

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


PRÁTICA DRY NEEDLING: MMII

❑ Músculo Fibular Longo e Curto

1. Estiramento do tecido

➢ Posicione o paciente em decúbito lateral;


➢ Faça a palpação.

2. Agulhamento

➢ Músculo em estado de relaxamento.


➢ Perpendicular ( método tradicional)
➢ Oblíquo ( Proximal – Distal)
Fibular longo Fibular Curto

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


IMPORTANTE SABER:
➢ Para pegar experiência é preciso praticar;

➢ Use a técnica com responsabilidade;

➢ Se faz necessário conhecer sobre anatomia: localização dos músculos, inervações. Portanto, ESTUDE ANATOMIA!

➢ Siga as orientações descritas para realizar o mapeamento miofascial e agulhamento;

➢ A técnica deverá ser aplicada com segurança e seguindo as orientações descritas;

➢ A técnica é rápida, eficaz e promove a redução da dor quando realizada de forma assertiva;

➢ Todo cuidado é essencial para garantir o sucesso terapêutico e segurança da aplicabilidade junto ao paciente,

➢ Nunca se esqueça dos cuidados com biossegurança;

➢ Nunca se esqueça de informar ao paciente sobre a técnica que será realizada;

➢ Se possível, descreva a técnica empregada ao paciente.

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues
• Referências:
• Travell, Janet; Simons, G. David; Simons, S. Lois. Dor e Disfunção Miofascial. Manual dos Pontos Gatilhos. Art MEd
• Andreia Valle de Carvalho , Eduardo Grossmann , Flávia Regina Ferreira , Eduardo Januzzi , Roberta Maria Drumond Furtado Bossi
Fonseca. O emprego do agulhamento seco no tratamento da dor miofascial mastigatória e cervical. Rev Dor. São Paulo, 2017 jul-
set;18(3):255-60;
• Carvalho AV, Grossmann E, Ferreira FR, Januzzi E Rev. Fonseca RM. The use of dry needling in the treatment of cervical and
masticatory myofascial pain: Artigo de Revisão. Rev Dor. São Paulo, 2017 julset;18(3):255-60;
• Tayline Viegas Ferraz de Souza, Juliana Basílio de Souza & Mairkon Almeida Soares. EFEITOS DO DRY NEEDLING E DA
MICROGALVANOPUNTURA SOBRE A DOR MUSCULAR NO PÓS TREINAMENTO DE FORÇA DO MÚSCULO BÍCEPS BRAQUIAL Revista
Perspectivas Online: Biológicas & Saúde Agosto de 2018, Vol.8, nº 27, p. 52-62 ISSN: 2236-8868 (Online);
• Baldry PE. Acupunture, Trigger points and Musculoskeletal Pain. Edinburgh, UK: Churchill Livingstone,2005;
• Baldry PE. Acupunture treatment of fribomyalgia and myofascial pain. Fribromyalgia syndrome. Elsevier, 201:149;
• Dommerholt et al, Trigger point dry needling;
• Milena Culpi Ananda Beatriz Munhoz Cretella Martinelli. Desativação de Pontos-Gatilho no Tratamento da Dor Miofascial . Rev Bras Med
Fam Comunidade. Rio de Janeiro, 2018 Jan-Dez; 13(40):1-9
• Imagens: Kenhub.com ; MakeAGIF.com; GIPHY.

@Cessetembro @JessicaJulioti @dra.andreiarodrigues


O conteúdo desse curso foi
oferecido pelo
Centro Educacional Sete
de Setembro
em parceria com o
Professora Andreia
Rodrigues

@dra.andreiarodrigues
@JessicaJulioti
@Cessetembro