Você está na página 1de 3

PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Instituto de Ciências Humanas


Curso de Pedagogia
Disciplina: Necessidades Educacionais Especiais Educação de Surdos
6˚ Período
Professor (a): Heliane
Aluno (a): Carina Aparecida Tomaz
17/11/2010

ESTUDO DIRIGIDO – SURDEZ LEITURA E ESCRITA

BOTELHO, Paula. Surdez, leitura e linguagem In: Linguagem e letramento na educação de


surdos: ideologias e práticas pedagógicas. Belo Horizonte: Autêntica, 2002, p. 61-110.

Considerando a leitura do texto indicado acima, responda as questões abaixo:

1. Segundo a autora qual é a diferença entre alfabetização e letramento? Explique o


ponto de vista da autora sobre o letramento das pessoas surdas.

Para a autora, o letramento é o estado daquele que não só sabe ler e escrever,
mas o usa nas práticas sociais da leitura e escrita de forma competente e fluente
enquanto a alfabetização é a habilidade de codificar e decodificar signos escritos, ou
seja, aprender a ler e escrever muitas vezes de forma paralela ao uso social da leitura e
escrita.
Sobre o letramento de pessoas surdas, Botelho afirma que os processos de
escolarização não estão voltados para a formação de sujeitos letrados. As escolas de
surdos muitas vezes desconsideram e não compreendem a importância da aquisição da
língua de sinais e linguagem para o uso fluente da língua oral e escrita que
possibilitaria de fato o letramento na sua função social. Por outro lado a escola regular
não proporciona ao surdo a interação com a língua oral que circula no ambiente
escolar não colocando o letramento como objetivo para sua formação.

2. “A inserção em práticas de leitura e de escrita também depende das


representações dos surdos e de suas famílias sobre o significado de ler, escrever
[...]” (p.66) Explique esta afirmativa.
O significado atribuído pelo surdo e sua família a ler e escrever antecede a inserção do
aluno surdo em práticas de leitura e escrita. Essas representações e o grau de importância
dado ou não ao letramento em seu sentido real vão servir de estimulo para o interesse do
surdo no desenvolvimento da leitura e escrita de forma significativa. O histórico cultural
familiar e o contexto social na qual está inserido vão definir para o surdo o significado e a
importância de ser letrado ou alfabetizado de forma mecânica.

3. Segundo a autora, as práticas de leitura e de escrita acontecem de forma


diferenciada em escolas de surdos e em escolas regulares. Aponte 5
características que determinam estas diferenças.

Escola regular Escola especial para surdos


Incentivo a atividades de leitura e escrita e Atividades voltadas para o ensino da fala
compreensão do conteúdo
Exigência de trabalhos de pesquisa e entrevistas Baixa exigência no desenvolvimento das
individuais e em grupo atividades/baixa expectativa
Oferta rica e variada de textos de várias tipologias Conteúdos escolares simples e repetidos/
textos de complexidade pequena
Freqüência de atividades como contos e recontos Falta de oferta de atividade de leitura e
de livros lidos, prática de produção e revisão de escrita
textos
Maior oferta e maior exigência dos surdos Concepção deformada sobre a abstração
principalmente nas escolas privadas do surdo e seus modos de aprendizado

4. Explique como as práticas de leitura e de escrita se desenvolvem com a


intervenção familiar e a partir do acompanhamento pedagógico extra-escolar.

O desenvolvimento de práticas de leitura e escrita se dá de acordo com a intervenção,


interesse e investimento da família. A forma através da qual a família vê, compreende a
linguagem, a surdez e a importância da escolarização do filho além dos recursos dos quais
dispõe vão delinear o processo de letramento. O acompanhamento pedagógico extra-
escolar seja ele feito pelos pais ou por especialistas vai depender das expectativas e
objetivos das famílias para o desenvolvimento dos filhos. Seja para se posicionar
socialmente, para fugir das condições precárias de incapaz ou para inserção na elite
letrada, todo o processo e intervenção será desenvolvido conforme possibilidades,
interesse e objetivo da família. Muitas vezes esse acompanhamento supri as lacunas
deixadas pelos pais.

5. As práticas de leitura e de escrita se desenvolvem de forma diferenciada entre as


pessoas surdas e suas famílias e entre os surdos oralizados e suas famílias.
Justifique a afirmativa tendo como base o texto.

Antes de tudo, o que diferencia as práticas de leitura e escrita entre as crianças surdas
é a visão que cada família tem sobre surdez e linguagem. Essa visão se relaciona
diretamente com as condições sociais, culturais e financeiras de que cada classe social
dispõe. É comprovado pela autora que conforme os recursos, expectativas e ambições que
as famílias têm para a escolarização dos filhos, maior ou menor é o empenho em seu
desenvolvimento.
Os surdos oralizados pertencem em sua maioria a famílias de classe média alta, ricas
cultural e economicamente enquanto os surdos não-oralizados advêm de frações sociais
menos privilegiadas. Nesse caso, os primeiros recebem um investimento maior na oferta
de linguagem, leitura e escrita e a exposição à intervenção pedagógica muito cedo. Os
surdos de famílias mais pobres tinham estratégias desenvolvidas por seus familiares para
suprir a falta de intervenção profissional e se esforçavam para fornecer uma infraestrutura
que garantisse a permanência dos filhos surdos na escola regular.

6. Explique as relações existentes entre a oralidade e escrita e oralidade e as práticas da


leitura oral.

7. Qual a importância da língua de sinais na construção dos sentidos em relação à leitura


e à escrita.