Você está na página 1de 2

Nova tecnologia aplicada em máquinas injetoras

A CEMH (São Paulo, SP), que atua desde 1991 como representante da fabricante italiana de
extrusoras Bausano, passou a representar a também italiana Plastic Metal, divisão de injetaras
do Grupo NPM, que possui ainda duas ou tras dedicadas à fabricação de periféricos e
retrofitting de máquinas.

Responsável pelo setor de injetaras da GBMH, Osvald Nagel explica que a Plastic Metal chega
ao mercado brasileiro com três grandes linhas de máquinas, algumas delas comportando os
chamados modelos especiais, destinados à moldagem de peças sob condições diferenciadas
quanto à disposição de moldes, materiais a serem moldados, acionamento e outras
características.

A linha Elettryka, composta por modelos com força de fechamento de 45 a 350 t, reúne
máquinas totalmente elétricas, com servoacionamento das diferentes rotinas do processo de
injeção.

A linha Oynamika, na faixa de 150 a 800 t, de ciclo rápido, é dedicada especialmente ao


mercado de embalagens ou segmentos que necessitem moldar peças com espessura inferior a
1mm. Os modelos são equipados com acumulador hidráulico, que acelera o ciclo de
moldagem.

Já a linha Unyka, a mais ampla delas, possui modelos na faixa de 35 a 3.200 t e concentra
séries especiais como a Unyka 2, para injeção bicomponente, equipada com dois canhões,
sendo um deles disposto transversalmente em relação ao principal, o que ajuda a economizar
espaço nas instalações industriais. Ela compr;eende também a série Unyka CL, que tem como
diferencial o mecanismo de fechamento com sete pontos de braçagem. Ao liberar mais espaço
na parte anterior às placas, ele possibilita a moldagem de peças de grande profundidade, tais
como tambores, contêineres e baldes. Este conceito de articulação foi patenteado pela
empresa e permitiu a construção de modelos com um curso de abertura, em média, 30% maior
do que é possível obter em máquinas convencionais, com braçagem em cinco pontos.

Seqüência de funcionamento do modelo Unyka 3p, equipado com terceira placa: a) injeção no molde 1 e
resfriamento do molde 2 (ambos fichados); b) resfriamento do molde 1 e extração da peça do molde 2
(simultaneamente, ocorre a plastijicação do material a ser injetado no molde 2); c) resfriamento do molde 1 e
injeção no molde 2; d) extração da peça do molde 1 e resfriamento do molde 2

www.moldesinjecaoplasticos.com.br – contato@ moldesinjecaoplasticos.com.br


Uma máquina de 150 t, por exemplo, com braçagem emcinco pontos, possui, curso ,de 460
mm, enquanto na de sete pontos esta distâneia aumenta para 610mm. No modelo de 2.600 t, o
curso de 2.200 mm, das máquinas com braçagem em cinco pontos, sobe para 2.700 no
modelo de sete pontos. “Isso ajuda à racionalizar os investimentos. Evita, por: exemplo, a
compra de modelos de maior força de fechamento quando o que se necessita é apenas
fabricar.

Detalhe do sistema de fechamento de uma injetora da linha Unyka CL, com braçagem com sete pontos de
articulação.

Fonte: Noticia Plástico Industrial

www.moldesinjecaoplasticos.com.br – contato@ moldesinjecaoplasticos.com.br