Você está na página 1de 17

CAPÍTULO 9

A Cultura Emergente
No último capítulo de A Profecia Celestina, é descoberta a Nona Visão do Manuscrito nas ruínas
do Templo Celestino, e ela cai nas mãos do intratável Cardeal Sebastian. Nosso personagem se
reúne brevemente com Dobson, Phil e o Padre Sanchez e avidamente absorve os ensinamentos da
Nona Visão. Esta Visão descreve como a cultura irá se modificar no próximo milênio em resultado
da evolução consciente. À medida que a tensão aumenta com a iminente destruição desse
importante documento, nosso personagem e o Padre Sanchez, conduzidos pela intuição, se vêem
frente a frente com o Cardeal. Não obstante, Sanchez não consegue convencer este Último da
verdade do Manuscrito. Mais tarde, nas ruínas Celestinas, os dois homens encontram Julia e Wil, e
o grupo eleva sua vibração a um nível no qual se tornam invisíveis para uma patrulha de soldados
peruanos que vinha ao encalço deles. Todos, exceto Wil, ficam amedrontados, perdem a vibração e
são então capturados. Embora os dois aventureiros sejam libertados, nosso personagem acaba por
ser capturado mais uma vez. Ele permanece prisioneiro, desalentado, até que encontra ines-
peradamente o Padre Car!. Tendo em vista a aparente destruição de todas as cópias do
Manuscrito, Padre Carl insiste com ele para que passe adiante a mensagem das Profecias. Nesse
momento, seus captores o libertam, entregam-lhe uma passagem de volta para os Estados Unidos,
e lhe dizem para nunca mais voltar.

A NONA VISÃO
A Nona Visão é um perfil da direção que a raça humana estará tornando nos próximos mil anos -
uma visão do tipo de cultura que será possível se fundirmos as oito Visões anterio res numa única
maneira consciente de existir. O papel desta Visão é ajudar a criar a confiança de que precisamos
para continuar em nosso caminho de evolução espiritual.
A Nona Visão enfatiza o ponto que quanto mais conseguirmos nos ligar à beleza e à energia
que nos cerca, mais evoluiremos. Quanto mais evoluirmos, mais alta será nossa vibração. Por fim,
nossa percepção e vibração intensificadas nos permitirão cruzar a barreira entre nosso mundo
físico e o mundo invisível do qual viemos e para o qual retomaremos
. depois da morte física. A Nona Visão nos inspira sempre que duvidamos do nosso caminho ou
perdemos de vista o processo. Ela nos diz que estamos evoluindo em direção ao dia em que
seremos capazes de alcançar um céu vibratório que já existe onde estamos.
Como Chegar Lá. A maneira de alcançar essa vida futura é viver as oito Visões. O
Manuscrito começou por nos mostrar a Primeira Visão, que é reconhecer que o universo mis-
teriosamente apresenta as oportunidades coincidentes que podem nos conduzir ao nosso destino. A
Segunda Visão nos permite ver o passado, e reconhecer que nós, coletivamente, estamos nos
tomando conscientes da nossa natureza essencialmente espiritual. A Terceira Visão nos mostra
que o universo é energia pura que responde à nossa intenção. A Quarta Visão demonstra que os
seres humanos erroneamente tentam obter energia uns dos outros, o que resulta numa sensação de
escassez, competição e luta. A Quinta Visão descreve a sensação de uma ligação mística com a
energia universal e como ela expande nossa perspectiva de vida, proporcionando-nos urna
sensação de leveza e total segurança. A Sexta Visão nos ajuda a nos libertarmos dos nossos
dramas de controle e a definir o que buscamos atualmente na vida examinando o que herdamos
dos nossos pais. A Sétima Visão põe em ação a evolução do nosso verdadeiro eu nos mostrando
como fazer perguntas, receber intuições e descobrir respostas. A Oitava Visão nos fornece a
chave para mantermos o mistério em funcionamento e continuarmos a receber as respostas nos
mostrando como trazer à luz o que há de melhor nos outros. Estas Visões, quando incorporadas
à consciência, nos transmitem urna sensação ampliada de prontidão e expectativa enquanto
evoluímos em direção ao nosso verdadeiro destino. Elas nos religam ao mistério da existência.

Onde Estaremos no Próximo Milênio


Ao viver as Visões, a cultura será sustentada por sua conexão espiritual e rapidamente se
transformará. Os destaques da evolução cultural apresentados na Nona Visão incluem:

A Primeira Grande Mudança

∙ A mudança fundamental será a compreensão de que estamos aqui para evoluir espiritualmente. Em
resultado desse entendimento ocorrerão mudanças na nossa freqüência vibratória.. .
∙ Nossa busca da verdade nos conduzirá ao novo modo de vida.
∙ Ao atingirmos a massa crítica daqueles que compreendem as visões,. as informações chegarão
numa escala global.
∙ Haverá um período de intensa introspecção.
∙ Já começamos a perceber como o mundo natural é bonito e precioso, e nosso entendimento da
sua essência espiritual irá aumentar, encorajando-nos a preservar e venerar as florestas, lagos, rios e
locais sagrados.
∙ Não toleraremos nenhuma atividade econômica que ameace esses tesouros.

Revelando o Destino
∙ Nossa necessidade de significado e propósito será satisfeita quando vibrarmos diante das
coincidências e intuições que iluminam nosso caminho.
∙ A fim de ouvirmos cuidadosamente cada nova verdade, diminuímos nosso ritmo e ficamos alerta a
cada encontro significativo que possa acontecer.
∙ Cada vez que encontramos uma pessoa, permutamos nossas perguntas e recebemos nova
orientação e insights, alterando de modo significativo nossa vibração.
∙ À medida que recebermos intuições claras a respeito de quem somos, e do que devemos estar
fazendo, começaremos a modificar nossas ocupações a fim de continuarmos a crescer. As pessoas
podem ter várias ocupações durante a vida.
∙ À medida que cada indivíduo segue seu destino, verdade por verdade, novas intuições relacionadas
com a solução de problemas sociais e ambientais ocorrerão naturalmente.

Vivendo na Terra

∙ Ao superarmos nossa necessidade de dominara natureza, respeitaremos as fontes naturais de


energia das montanhas, desertos, florestas, lagos e rios. Nos próximos quinhentos anos, será
intencionalmente permitido que as florestas amadureçam, e outras paisagens naturais serão
protegidas.
∙ Todos viverão o ~ais perto possível dos lugares sa-: grados mas também estarão a uma distância
razoável dos centros urbanos de tecnologia ecológica que suprirão as necessidades da vida como
alimentos, roupa e transporte.
∙ Os jardins serão cuidadosamente cultivados para energizar as plantas para o consumo.
∙ Guiados pela nossa intuição, todos saberemos precisamente o que fazer e quando fazê-lo, o que se ajustará
harmoniosamente às ações dos outros.

A Próxima Grande Mudança

∙ No próximo milênio, limitaremos voluntariamente a reprodução para evitar a superpopulação.


∙ Ao compreendermos a verdadeira dinâmica do universo, contemplaremos o ato de dar como um
apoio universal a todos. Compreenderemos que o dinheiro é outra forma de energia. Saberemos que
ele surge no vazio criado pelo ato de dar, da mesma maneira pela qual a energia flui na nossa
direção quando a projetamos para fora. Quando começarmos a dar constantemente, sempre
receberemos mais do que possivelmente poderíamos dar. À medida que um número cada vez maior
de pessoas participar dessa economia espiritual, iniciaremos uma verdadeira mudança na cultura do
próximo milênio. Por fim, não teremos necessidade de dinheiro como moeda corrente.
∙ A automação dos bens permitirá que as necessidades de todos sejam completamente satisfeitas,
sem a troca de moeda corrente, e no entanto sem abusos ou preguiça.
∙ Assim que abandonarmos o medo da escassez e a necessidade de controlar e passarmos a dar aos
outros, seremos capazes de salvar o meio ambiente, alimentar os pobres e democratizar o planeta.
∙ Por causa da automação, o tempo das pessoas ficará livre para que elas possam se dedicar a outras
atividades. Descobrirem as maneiras de diminuir ainda mais as horas que passamos no emprego
para irmos em busca da nossa verdade. Duas ou três pessoas compartilharão o que antes era um
emprego de horário integral de um único indivíduo.
∙ Ninguém consumirá nada em excesso porque as pessoas terão abandonado a necessidade de
possuir e controlar para ter segurança.
∙ Quanto mais rápido fizermos a energia fluir em nossa direção, mais aceleraremos o ritmo da nossa
evolução, e nossas vibrações pessoais ficarão mais elevadas.

A Evolução da Doutrina Espiritual

∙ Toda nossa evolução será baseada em princípios espirituais, mas os princípios da religião terão
que mudar para incluir a evolução dos indivíduos. Todas as religiões até agora giram em torno do
relacionamento da humanidade com uma fonte superior. Todas as religiões falam de uma
percepção interior de Deus, percepção esta que nos preenche e nos torna mais do que éramos. A
religião tornou-se corrompida quando foram designados líderes para explicar a vontade de Deus às
pessoas em vez de mostrar a elas como encontrar essa orientação dentro de si mesmas.
∙ A Nona Visão menciona que um único indivíduo compreenderia a maneira exata de ligar-se à
fonte de energia e orientação de Deus, e que ele se tornaria um exemplo duradouro de que essa
ligação é possível. Jesus foi uma figura assim uma vez que desobstruiu a energia até ficar tão leve
que foi capaz de andar sobre a água. Ele transcendeu a morte e foi talvez o primeiro a publicamente
expandir o mundo físico no espiritual. Podemos entrar em contato com a mesma fonte e seguir o
mesmo caminho.
∙ À medida que os seres humanos continuarem a elevar suas vibrações a uma freqüência mais leve e
puramente espiritual, grupos inteiros de pessoas ficarão invisíveis para aqueles que vibram num
nível inferior. Estes últimos terão a impressão de que os outros simplesmente desapareceram, mas o
grupo invisível continuará a se sentir no mesmo lugar, apenas mais leve e sob forma espiritual.
∙ A habilidade de elevar a freqüência para nos tornarmos invisíveis indica que estamos atravessando
a barreira entre esta vida e o outro mundo do qual viemos e para o qual retornamos depois de
morrer.
∙ Alcançar o céu na terra (elevar nossas vibrações) é o objetivo da existência e da história humanas.

Defendendo um Salto Evolucionário


Nossa vida e consciência atual são parte da ponte para o futuro. Parte do nosso trabalho como ponte
será reexaminar os tipos de capacidades e habilidades que o corpo humano já demonstrou e ficar
abertos a acelerar esses processos. Até o presente, nossa desconfiança moderna de tudo que não
esteja relacionado com os aspectos físicos da vida limitou as investigações e o desenvolvimento de
algumas das nossas capacidades transcendentes.
Tendo isso em mente, o livro The Future of the Body de Michael Murphy reuniu sinopses de
um amplo espectro de habilidades humanas. A partir de provas relatadas e documentadas, Murphy
acredita que existe uma forte probabilidade de que os seres humanos tenham uma enorme amplitude
de habilidades paranormais que, se desenvolvidas em larga escala por muitas pessoas, criaria um
novo tipo de vida no planeta - transcendendo a vida como a conhecemos. Esta idéia também é
fundamental no pensamento de visionários da evolução como Pierre Teilhard de Chardin e Sri
Aurobindo, citando apenas dois.
Murphy chama nossa atenção para os dois eventos notáveis que já aconteceram e que
transcenderam o desenvolvimento primordial da matéria inorgânica. O primeiro evento foi o
surgimento da vida. O segundo foi o nascimento da espécie humana - com suas incomparáveis
características psicossociais. Ele escreve o seguinte:

Podemos dizer, portanto, que a matéria inorgânica, as espécies animais e vegetais, e a natureza humana abrangem
três níveis ou tipos de existência, cada um dos quais está organizado de acordo com princípios separados. Estes
três níveis abarcam uma tríade evolucionária na qual os dois primeiros transcenderam a si mesmos, os elementos
inorgânicos produzindo espécies vivas, os animais dando origem à humanidade... em cada um deles surgiu uma
nova ordem de existência.

Baseado numa vasta documentação de capacidades transformativas nos seres humanos e nas teorias
evolucionárias apresentadas por G. Ledyard Stebbins, Murphy acredita que um novo nível de
existência esteja começando a aparecer na terra.

Os Doze Atributos que Indicam uma Mudança Evolucionária nos Seres


Humanos
Segundo Murphy, existem doze conjuntos de atributos humanos que caracterizam este nível
emergente de desenvolvimento:

1. Percepções extraordinárias, inclusive apreensões de beleza numinosa em objetos familiares,


clarividência voluntária, e contato com entidades ou eventos inacessíveis aos sentidos
ordinários.
2. Consciência somática extraordinária e auto-regulação.
3. Habilidades extraordinárias de comunicação.
4. Vitalidade superabundante.
5. Habilidades extraordinárias de movimento.
6. Capacidades extraordinárias de alterar o ambiente.
7. Prazer auto-existente.
8. Idéias intelectuais recebidas tout ensemble (todas ao mesmo tempo).
9. Vontade supra-ordinária.
10. Personalidade que simultaneamente transcende e satisfaz o senso ordinário do eu da pessoa ao
mesmo tempo que revela sua unidade fundamental com os outros.
11. Amor que revela a unidade fundamental.
12. Alterações nas estruturas, estados e processos corporais gue sustentam as experiências e
capacidades acima.

Muitas pessoas já vivenciaram esses estados ou habilidades na vida cotidiana, freqüentemente


desencadeados, involuntariamente, por crises pessoais. Não obstante, como prenuncia nosso
Manuscrito, um número cada vez maior de pessoas será' capaz de manifestar esses estados
extraordinários - voluntariamente. À medida que expandirmos e assimilarmos este novo nível de
existência, a vida humana será drasticamente alterada - embora através da transcendência de certos
hábitos como o conflito e o controle, e por meio do autodomínio. Tendo permanecido por muito
tempo como domínio dos adeptos espirituais, o desenvolvimento das habilidades metanormais está
se expandindo à medida que as pessoas praticam a meditação, xamanismo, artes marciais, técnicas
de movimento e respiração, e outros modos internos de exploração.
Místicos do Deserto, Santos e Xamãs
Um fascinante repertório de capacidades e habilidades humanas extraordinárias tem sido
proclamado desde os tempos bíblicos, desde os milagres de cura de Jésus ao seu reapare cimento
depois da Crucificação e os subseqüentes fenômenos em figuras religiosas: os estigmas dos místicos
cristãos, suas auras luminosas, a não ingestão de comida durante anos, a exsudação de odores santos
e fluidos curativos, e a telecinésia, ou a habilidade de deslocar objetos materiais sem tocá-los. Casos
de profecia, telepatia e clarividência são registrados na vida de muitos santos bem como na dos
mestres Zen, dos Sufis, iogues e xamãs.
Na década de sessenta, o antropólogo Carlos Castañeda explodiu os limites do nosso
entendimento do mundo material com os ensinamentos do xamã Don Juan. As proezas xamanísticas
de viagens ao mundo subterrâneo, de cura, adivinhação e mudança de forma nos forçaram a
questionar e investigar as habilidades aparentemente ilimitadas dos seres humanos. Por exemplo,
antropólogos testemunharam xamãs executando cirurgias rituais no próprio corpo - sem nenhuma
indicação de dor ou cicatriz posterior. Não obstante, além dos fenômenos externos do xamanismo
repousa a verdadeira natureza dessa antiga prática de cura.
O crescente interesse no xamanismo corrobora o reconhecimento do Manuscrito de que os
seres humanos precisam da experiência pessoal dos estados extraordinários de consciência, e
desejam prover-se da energia divina. O xamanismo é a experiência direta da comunicação espiritual
com a terra e nos põe em contato com a sabedoria da natureza. Segundo Michael Harner,
antropólogo e uma das principais autoridades em xamanismo, "técnicas específicas há muito usadas
no xamanismo, como alterações nos estados de consciência, redução do estresse, visualização,
pensamento positivo e ajuda de fontes extraordinárias, são algumas das abordagens agora
amplamente empregadas na prática holística contemporânea". Em seu livro The Way of the
Shaman, Harner descreve os métodos xamanísticos de cura - não mais limitados a uns poucos
iniciados - que podem ser aprendidos por qualquer pessoa interessada em recorrer a essas técnicas.
Através do conhecimento direto, a pessoa aprende a manter o poder pessoal e deslocar-se à vontade
entre os estados de consciência. Estas antigas práticas espirituais espalhadas por todo o mundo
poderiam ser vitalmente importantes para nos ajudar a tentar restabelecer o equilíbrio com a
natureza.
Fenômenos notavelmente semelhantes aparecem algumas vezes em disciplinas extremamente
variadas. Por exemplo, santos católicos, lamas tibetanos e xamãs esquimós demonstraram a
habilidade de produzir fenômenos como in tenso calor interior (gerando altas temperaturas com o
termômetro abaixo de zero ou em mares gelados). Mestres taoístas e outros adeptos religiosos
foram vistos lançando-se diretamente no ar ou levitando, embora ainda não tenham ocorrido
registros científicos de proezas de levitação. Santos hindus, capazes de viver em estado cata tônico,
sobreviveram inclusive a serem enterrados por longos períodos. Sabe-se que o corpo de outras
figuras religiosas, como Paramahansa Yogananda e muitos santos católicos, não entraram em estado
de putrefação depois que morreram e foram enterrados. Mestres religiosos foram observados em
dois lugares ao mesmo tempo (bilocação). A comunicação telepática com povos aborígines e tribos
da Amazônia que falavam apenas seu idioma nativo foi vivenciada por exploradores cuja língua
materna era o inglês.
No passado, a Igreja Católica conduziu investigações e documentações extraordinariamente
completas de capacidades e eventos metanormais para a. canonização dos santos. Desde o início
deste século, tem havido muita investigação científica sobre os efeitos fisiológicos das práticas
espirituais bem como das habilidades e condições metanormais. É impossível tratar aqui de forma
abrangente esses estudos, mas para os que estiverem interessados em informações específicas, não
existe melhor compêndio do que The Future of the Body, de Murphy, e suas fontes de referência. Os
dados apresentados, bem como as filosofias e teorias exploradas, defendem uma tese congruente
com o Manuscrito, que diz que algo além do eu ordinário nos influencia e energiza, e que o
desenvolvimento de várias capacidades mentais, físicas e intuitivas "projetam um futuro no qual os
seres humanos poderão levar a efeito urna vida extraordinária sobre a terra".
A Supermente e a Era Espiritual
O ativista político e líder espiritual Sri Aurobindo, importante figura na convergência dos
métodos orientais e ocidentais, demonstra uma profunda compreensão do escopo da evolução
humana. "O homem é um ser transicional; ele não é final. (...) O homem em si é pouco mais do
que um nada ambicioso.
Ele descreve a ascensão psicoespiritual da espécie humana como uma expressão ampliada,
mais rica, mais refinada, mais complexa, e luminosa com a centelha do divino. Ele acredita que a
evolução é inerente à natureza e se expande através das mentes individuais, convertendo o
pensamento coletivo inconsciente latente em consciência e na criação de novas formas de
organização psicológica e social. O indivíduo é claramente, em seu pensamento, o instrumento do
Espírito. "Por conseguinte, todas as grandes mudanças encontram seu primeiro poder claro e
eficaz, bem como sua força formativa direta na mente e no espírito de um indivíduo ou de um
número limitado de indivíduos."
A primeira condição para o progresso é a prontidão da mente - ou talvez, nas palavrás do
Manuscrito, uma massa crítica de pessoas receptivas a uma orientação superior.
Aurobindo fala do coração de um homem que está "agitado por aspirações", de um modo
semelhante ao que o Manuscrito descreve a inquietude interior na Primeira Visão. Além disso, o
primeiro "indício essencial precisa ser o crescimento da idéia subjetiva da vida ~ a idéia da alma, o
ser interior, seus poderes, suas possibilidades, seu crescimento, sua expressão e a criação de um
ambiente verdadeiro, belo e útil para ele". Com a crescente aplicação do pensamento subjetivo no
mundo, ou voltado para o interior, Aurobindo também, como o Manuscrito, pressupõe um aumento
das descobertas científicas que "tornarão mais delgados os muros entre a alma e a matéria". Sua
idéia de uma Supermente não é um conceito linear árido, consistindo de "poderes mentais e vitais
ainda não imaginados" que poderiam libertar a humanidade das limitações de tempo, distância e do
corpo material. Já em 1950 ele sustentava que essas possibilidades não eram longínquas. Ele via
nesse desenvolvimento do domínio psíquico e espiritual uma "profunda revolução em toda a
amplitude da existência humana".l1 Não obstante, Aurobindo também estava convencido de que a
Mente era menos importante do que o poder do Espírito, que é eterno e original.
À medida que os seres humanos começarem a evoluir e se apoiar menos no ego, começaremos
a alcançar uma sociedade verdadeiramente espiritualizada. De acordo com Aurobindo, "uma
sociedade espiritualizada viveria como seus indivíduos espirituais, não no ego, e sim no espírito,
não como o ego coletivo, e sim como a alma coletiva". O objetivo fundamental de atividades como
a arte, a ciência, a ética, a economia, a política e a educação seria encontrar e revelar o Eu divino.
Ele ensinou que o passo mais importante na nossa evolução é nos tornarmos conscientes da nossa
"sede da verdade", nos concentrarmos na presença dela, e torná-la um fato vivente. Para realmente
conhecermos nossa missão na terra, precisamos estar dispostos a eliminar tudo que possa contestar
nossa verdade interior. Nada disso nos é imposto de fora para dentro - por uma autoridade ou
regulamento - embora a autodisciplina seja absolutamente fundamental para que possamos
progredir.
Aurobindo considerava que a lei mais digna numa era espiritual é a da crescente liberdade
interior combinada, paradoxalmente, com uma crescente unidade interior com os outros. A
liderança política e espiritual de Aurobindo, que se originou de uma combinação positiva de valores
ocidentais e indianos, exemplifica uma filosofia nascida das suas experiências espirituais pessoais.
Uma colaboração fundamental expandiu suas perspectivas quando ele conheceu Mira Richard, uma
artista e buscadora espiritual francesa que tornou-se mais tarde conhecida como a Mãe. Seu trabalho
conjunto culminou na fundação de uma comunidade espiritual não dogmática criada baseada na
busca da consciência em transformação e na evolução da humanidade. Embora essa aventura esteja
carregada de armadilhas, a meta de uma comunidade desse tipo de viver uma vida consciente é
corajosa e pioneira.
Um Novo Tipo de Humanidade
Mais ou menos na mesma época em que Aurobindo estava desenvolvendo sua filosofia da
evolução, um padre jesuíta e ilustre paleontólogo, Pierre Teilhard de Chardin, estava ativamente
formulando sua tese da evolução. Sua obra original, The Phenomenon of Man, examina as
camadas anteriores dos indícios físicos, mas conclui que os fenômenos evolucionários são
processos que jamais podem ser adequadamente compreendidos simplesmente através de um
exame de suas origens. Podemos compreendê-los mais claramente observando suas direções e
explorando suas potencialidades.
De acordo com o filósofo Sir Julian Huxley, que ajudou a. apresentar a obra deste místico
científico, Pere Teilhard estava "profundamente preocupado em estabelecer urna unificação
global da consciência humana corno um pré-requisito para qualquer progresso futuro da espécie
humana...".13 Teorizando sobre o desenvolvimento da consciência humana, Pere Teilhard
visualizou a superfície da esfera terrestre corno urna estrutura organizadora que permite que as
idéias encontrem urnas às outras, gerando .um nível elevado de energia psicossocial. Ele via a
humanidade desenvolvendo-se numa única unidade psicossocial, corno urna união coletiva de
pensamentos, semelhante a urna mente comum, formando um novo caminho evolucionário. Em
sua introdução a The Phenomenon ofMan, ele enfatiza a conclusão de Pere Teilhard: "... que
devemos considerar a humanidade interpensadora corno um novo tipo de organismo, cujo
destino é realizar novas possibilidades para a evolução da vida neste planeta". As condições
para essa promoção da realização humana são "a unidade global da organização intelectual da
espécie humana, mas com um elevado grau de variedade dentro dessa unidade; amor, com boa
vontade e plena cooperação; integração pessoal e harmonia interior: e um conhecimento
crescente". A vida "pela sua própria estrutura, tendo sido elevada a esse estágio de pensamento,
não pode prosseguir sem reclamar ascender ainda mais".

O que Estamos Aprendendo a Respeito de Outras Dimensões


O Manuscrito nos diz que no final do século vinte, os seres humanos alcançarão um novo
entendimento experimental do que tradicionalmente tem sido chamado de consciência mística. No
Capítulo 5 descrevemos alguns dos estados alterados relatados tanto por atletas quanto por adeptos
espirituais. A partir desses estados de consciência superior, extraordinárias façanhas e insights
tornaram-se possíveis. Murphy descreve relatos de ocorrências metanormais, e embora pareçam es-
pontâneas, elas dão a impressão de "(1) serem desencadeadas por uma intensa disciplina; (2)
envolver um novo tipo de funcionamento (uma 'nova dimensão'); e (3) exigir uma entrega
convergente".
A idéia da vida depois da morte faz parte da cultura humana desde a antigüidade. De acordo
com pesquisadores das esferas das experiências fora do corpo e de quase-morte, a consciência
pessoal sobrevive à transição que chamamos de morte física. Estes relatos parecem representar uma
forte probabilidade de que nossa consciência continue a existir sem a necessidade de um corpo
físico.
A Quinta Visão salienta que a habilidade de alcançar essa consciência e entendimento
expandido será divulgada como uma maneira de ser que é na verdade atingível voluntariamente.
Pioneiros como Robert Monroe, fundador do Monroe Institute na Virgínia, aparentemente já
desenvolveram essa habilidade de explorar as dimensões não físicas. Em 1958, durante vários
meses, Monroe, um homem de negócios bem-sucedido, começou involuntariamente a deixar o
corpo físico, permanecendo no entanto consciente. Não é de causar surpresa que uma reação
inicial tenha sido o medo de estar mental ou fisicamente doente. No entanto, a prolongada
experiência da atividade fora do corpo acabou por convencê-lo de que a consciência existe como
um continuum, e é a essência de quem somos - que o corpo físico é apenas o veículo atual do nosso
espírito que vive e aprende na dimensão terrestre. Subseqüentemente, Monroe escreveu três livros
detalhando suas experiências e métodos para transformar a especulação e a crença em dados
conhecidos que possam ser verificados empiricamente.
Monroe relata em seu mais recente livro, Ultimate Journey, que o que ele chama de "segundo
corpo" da experiência fora do corpo é "parte de outro sistema de energia que se mistura com o
Sistema de Vida Terrestre, mas que está fora de fase com relação a ele". Esse plano de existência
está além das limitações do tempo e do espaço. Nele, o pensamento da pessoa cria uma ação
instantânea, ao passo que nossos pensamentos levam mais tempo para se manifestar nesta atmos-
fera mais densa de matéria física. Como prediz o Manuscrito, métodos para entrar em contato com
essas outras dimensões e penetrá-las já estão sendo desenvolvidos nesta transição para o século
vinte e um. Este tipo de exploração física oferece virtualmente ilimitadas aventuras e novas
perspectivas sobre a natureza e o propósito da vida humana, embora neste ponto histórico do
tempo, os seres humanos só sejam capazes de compreender, ou traduzir, a porção desse outro plano
que se relaciona com nossos conceitos terrestres. À medida que pessoas muito diferentes
continuarem a trazer de volta informações, este conhecimento contribuirá para a aceleração da
marcha evolucionária. Como declara o Manuscrito na Primeira Visão, quando atingirmos uma
massa crítica de seres humanos que compreendam que somos mais do que nossos corpos físicos, a
vida assumirá uma forma muito diferente da que conhecemos hoje.
No livro de Monroe, ele vê a consciência como um continuum, não algo que apenas ascende
do nosso corpo físico humano, mas "um espectro [que] se estende, parece que infinitamente, além
do tempo e do espaço, em direção a outros sistemas de energia. Ele também continua 'para baixo'
através da vida animal e vegetal, descendo possivelmente ao nível subatômico. A consciência
humana cotidiana comumente só está ativa num pequeno segmento do continuum da
consciência".
Segundo as informações que ele e outras pessoas receberam durante as excursões fora do
corpo, a vida humana é extremamente preciosa e seu objetivo é obter conhecimento e experiências
que só podem ser adquiridos através da vida no corpo físico. Monroe escreve o seguinte: "Cada
pequena coisa que aprendemos, por menor ou aparentemente sem conseqüências, tem um imenso
valor Lá – além do tempo-espaço. Este fato só é plenamente compreendido quando encontramos um
graduado do processo de ser humano do Sistema de Vida na Terra que 'reside' no Lá. Aí então sabe-
mos, e não apenas acreditamos, que vale a pena a qualquer preço ser humano, e aprender. No corpo
humano, aprendemos a dirigir a energia, a tomar decisões, a conhecer e amar as outras pessoas - até
mesmo a rir. Através do desenvolvimento do nosso cérebro esquerdo analítico e linear promovemos
a evolução do conhecimento e damos forma às inspirações do cérebro direito.
Se compararmos as tremendas mudanças que aconteceram em menos de um século – por
exemplo, no campo dos transportes (do desenvolvimento do cavalo e da carruagem à balística de
foguetes interplanetários) – o que poderíamos esperar do desenvolvimento das nossas habilidades
paranormais? A que distância podemos ir dentro da nossa consciência?
A pesquisa sobre outras dimensões parece indicar que percorremos muitas vidas diferentes,
adquirindo cada vez mais experiência em nossa busca do desenvolvimento da alma. Por
conseguinte, na maioria dos casos poderíamos ter um propósito, uma meta ou uma missão na vida.
É possível que recebamos orientação de um conjunto de influências que se manifestam como
intuições, coincidências ou milagres em pequena escala. Geralmente temos apenas uma vaga noção
dos nossos "dons", talentos e predileções, não percebendo nenhum vínculo com uma vida anterior.
Por mais estranhas que essas idéias possam ser para alguns de nós, elas podem ser parte do
potencial evolucionário da humanidade. Quanto mais poderia se tornar realidade se trabalhássemos
diretamente para ter acesso a essas camadas mais profundas da experiência? À semelhança do que
ocorre com as experiências de quase-morte, Monroe, seus colegas e seus alunos relatam que suas
explorações desses estados extraordinários alteram diretamente a maneira como percebem a si
mesmos e expandem os limites das suas crenças. À medida que os seres humanos evoluírem, a
comunicação direta e contínua com outros níveis de existência será sem dúvida, como o espaço
exterior, uma nova fronteira do desenvolvimento. À medida que um número cada vez maior de
pessoas voltar a atenção para os princípios da consciência superior, mais rico ficará o solo da
consciência no qual todos podemos crescer.

Não se preocupe em preservar estas canções,


E se um de nossos instrumentos quebrar
Não importa. Caímos no lugar
onde tudo é música.
RUMI, poeta sufista
do século 13

Em Heading toward Omega Kenneth Ring cita uma palestra apresentada em 1980 por John
White, importante portavoz da opinião de que uma nova forma de vida está surgindo no planeta:

Homo noeticus é o nome que eu dou à forma emergente da humanidade. "Noese" é um termo que
significa o estudo da consciência, e essa atividade é uma característica fundamental da ... nova clas-
se. Por causa da sua mais profunda percepção e compreensão de si mesmos, os membros dessa nova
classe não permitem que as formas, controles e instituições da sociedade tradicionalmente impostos
representem barreiras ao seu pleno desenvolvimento. Sua psicologia modificada baseiase na
expressão do sentimento, e não na repressão deste. A motivação é cooperativa e carinhosa, e não
competitiva e agressiva. Sua lógica tem múltiplos níveis e é integrada e simultânea, e não linear,
seqüencial e do tipo e/ ou. Seu senso de identidade é abrangente e coletivo, e não isolado e
individual...
Desde a antigüidade, a humanidade tem recorrido às camadas mais profundas da consciência
tendo corno objetivo a cura, a adivinhação, o contato com entes queridos falecidos, e a busca do
significado da vida. Embora o Manuscrito nos diga que nossa cultura está se tornando cada vez
mais interessada em explorar todas as esferas do universo, os antigos também tinham a
"tecnologia" deles para entrar em contato e investigar o aspecto espiritual. Urna dessas técnicas,
chamada olhando para o espelho, foi descrita pelo físico Rayrnond Moody, autor de vários livros
sobre experiências de quase-morte. A pesquisa sobre antigas práticas espirituais dos gregos, e
métodos de adivinhação e encontros imaginativos com entes queridos falecidos deu origem ao seu
mais recente livro, Reunions. Seu trabalho contemporâneo baseado nessas práticas contemplativas
parece recriar os mesmos resultados de acesso a outras esferas de consciência, corno os
alcançados pelas antigas culturas. Este tipo de trabalho, embora extremamente valioso para ajudar
as pessoas que estão sofrendo com a perda de um ente querido, talvez também possa oferecer
outra oportunidade para as experiências e o estudo da consciência além do corpo físico. A
popularidade e crescente aceitação dessa pesquisa e de livros corno os de Murphy, Monroe,
Moody e muitos outros indicam que nossa cultura pode estar se aproximando de urna nova
conjuntura evolucionária.

O Quê, Onde, Quando e Como Alcançamos o Céu na Terra?


A Nona Visão nos lembra de que estamos aqui para alcançar o céu na terra. A partir desta
perspectiva histórica da crise planetária, a idéia do céu poderia parecer mais corno um conto de
fadas debaixo do qual escondem-se a doença, o crime, a pobreza, a guerra e o desespero - desespero
este que a autora de ecologia profunda J oanna Macy descreve em Warld as Laver, Warld as Self:
"Estamos sendo bombardeados por sinais de desgraça - destruição ecológica, colapso social e
proliferação nuclear descontrolada. Não é de causar surpresa que estejamos sentindo desespero ... o
surpreendente é o grau em que continuamos a ocultar esse desespero uns dos outros e de nós
mesmos.,,22 Segundo 'Macy, nossos tabus religiosos e sociais contra a "perda da fé", e o medo de
que nossa espécie possa não sobreviver, geram um entorpecimento psíquico. Paralisados, filtramos
as infotmações negativas e perdemos a capacidade de tratar criativamente dos nossos problemas.

Venham, venham,
Espíritos da magia,
Se vocês não vierem,
Eu irei a vocês.
Despertem, despertem,
Espíritos da magia,
Vim a vocês,
Desperto do sono.
DAVID PERI e ROBERT WHARTON,
Sucking Doctor Second Night

Como o desespero, o medo e a negação acontecem dentro dos indivíduos, parte do trabalho
evolucionário a ser feito neste momento da história será nos tomarmos conscientes dos nossos
sentimentos profundos a respeito dos problemas sociais, e trabalhar com eles. Da mesma maneira
que lidamos com a energia congelada dos nossos dramas de controle, precisamos perceber e aceitar
os sentimentos de desespero esmagador, desânimo ou desesperança na busca de soluções para
nossos problemas planetários. Definir e legitimar nossas experiências promoverá uma liberação de
energia criativa que está sob outros aspectos sendo usada para a negação.

Aprendendo com os Sistemas Naturais


Numa palestra apresentada em abril de 1994, Fritjof Capra, autor de O Tao da Física, definiu o
principal desafio da nossa época: criar e alimentar comunidades sustentáveis. Descrevendo em
linhas gerais os oito princípios ou leis naturais da sustentabilidade, ele os encara como o padrão
básico de vida pelo qual podemos projetar nossas futuras comunidades.
Os ecos sistemas naturais existem como entrelaçamentos, redes de partes inter-relacionadas
que são multidirecionais e não lineares. Elas possuem ciclos e regulam a si mes mas através de um
processo de anéis de feedback. Este feedback gera o aprendizado. Por exemplo, se tocarmos o fogo,
nos queimamos. Este é um processo de aprendizado que cria crescimento e criatividade. Por
conseguinte, um indivíduo, ou uma comunidade de indivíduos, pode tornar-se auto-organizativa
através da experiência direta, sem.ter necessidade de uma autoridade externa que aponte seus erros.
Capra toma o ponto de vista dos sistemas: "Assim que compreendemos que a vida são redes,
compreendemos que a característica principal da vida é a auto-organização." Este é um novo prin-
cípio de operação para a nossa cultura, a qual, desde a Idade Média, tem dependido do triunvirato
da religião, política e ciência.
O funcionamento tranqüilo do sistema sustentado depende da cooperação e da participação de
suas partes. Na opinião de Capra, o fluxo cíclico é ainda mais importante do que a noção
darwiniana da competição. Nos ecossistemas da natureza, as espécies vivem uma dentro da outra,
dependendo umas das outras para sobreviver. O fluxo acontece quando estamos centrados na nossa
energia e somos capazes de dá-Ia livremente para os outros.
Duas outras leis naturais na comunidade bem-sucedida são a flexibilidade e a diversidade.
Todo sistema vivo está em constante fluir. Para sobreviver, qualquer sistema precisa responder à
mudança. Quanto maior a diversidade dentro do sistema, maiores chances ele tem de sobreviver à
mudança porque pode vale-se de diversos recursos. A Primeira Visão nos lembra do papel natural
que a coincidência desempenha na introdução da diversidade. A orientação interna intuitiva é o
epítome da flexibilidade e do fluxo.
O último princípio é a co-evolução. Sustentar uma comunidade requer que ela "co-evolua
através de uma interação de criação e adaptação mútua. A expansão criativa em direção à novidade
é uma propriedade fundamental da vida...".25 Como seres criativos e intuitivos (e não paralisados
pelo medo ou desespero), já estamos muito bem adaptados para produzir as soluções necessárias
escutando a orientação interior.
Por conseguinte, os oito princípios de ecologia usados no projeto de organizações são a
interdependência, a sustentabilidade (enxergar o impacto a longo prazo), os ciclos ecológicos, o
fluxo de energia, o companheirismo, a flexibilidade, a diversidade e a co-evolução.

Como a evolução serpeia mais do que progride, tanto nas espécies animais quanto nos seres humanos, é razoável
supor que as evoluções no domínio metanormal provavelmente sejam marcadas por altos e baixos. A escolha de
cultivar nossas maiores possibilidades é nossa, não de Deus. (...) O desenvolvimento humano só continuará a se
expandir se alguns de nós trabalharmos para que isso se realize.
MICHAEL MURPHY, The Flltllre of the Body27

Outro eminente pensador ecológico, Paul Hawken, salienta em The Ecology Commerce que a fim de
efetuarmos as mudanças necessárias para sobrevivermos e sustentarmos a vida na terra, precisamos
descobrir uma maneira de trabalhar com a confusão, ignorância e revolta que sentimos com tanta
freqüência quando nos tornamos conscientes dos danos causados ao nosso meio ambiente. À
semelhança de Macy, ele acredita que um passo crucial será começar a descobrir maneiras de
introduzir os princípios ecológicos e discuti-los juntos de uma maneira que reúna as pessoas, e lhes
dê esperança e oportunidade de participar. " A principal questão que precisamos discutir nas nossas
comunidades e empresas é se a humanidade irá participar dessa restauração ou ser condenada pela
nossa ignorância a desaparecer do planeta.
A Economia Restauradora. O Manuscrito nos faz lembrar que a consciência espiritual
significa reconhecer a interdependência de toda a vida, e a beleza desta existência. Essas duas
perspectivas nos conduzem inevitavelmente ao trabalho que precisamos fazer neste momento - nos
colocarmos em harmonia com nosso hábitat natural, aprendendo e vivendo segundo suas leis
naturais. Uma nova liderança está emergindo. Alcançar a promessa da Nona Visão requer uma
mudança da voraz utilização dos recursos para o que Hawken chama de economia restauradora:

A economia restauradora resume-se no seguinte: precisamos imaginar uma próspera cultura comercial tão
inteligentemente projetada e construída que imite a natureza em cada passo, uma simbiose de companhia, cliente e
ecologia. (...) Para sermos eficazes em nossas vidas, precisamos descobrir técnicas e programas exeqüíveis que
possam ser colocados brevemente em prática, ferramentas para a mudança que sejam facilmente compreendidas
e.que se ajustem naturalmente ao panorama da natureza humana.

Segundo Hawken, a natureza do mundo dos negócios não é intrinsecamente exploratória e


destrutiva, embora o tenha sido com freqüência no passado. À medida que avançamos em direção
ao terceiro milênio, o mundo dos negócios pode ser – precisa ser – reprojetado para a
sustentabilidade.. Ele escreve o seguinte:

Ironicamente, o mundo dos negócios contém nossa bênção. Isso é preciso, porque nenhuma outra instituição no
mundo moderno é suficientemente poderosa para produzir as necessárias mudanças. (...) O mundo dos negócios é
o problema e precisa fazer parte da solução. Seu poder é mais crucial do que nunca para podermos organizar e
satisfazer com eficiência as necessidades do mundo. (...) Embora o comércio sob seus piores aspectos pareça ser
um circo de profanação e destruição quando comparado com a beleza e a complexidade da natureza, as idéias e
grande parte da tecnologia exigida para o novo projeto do nosso mundo dos negócios e da res tauração do planeta
já estão à nossa disposição. O que falta é a vontade coletiva.

Existe uma tendência crescente de aplicar os princípios espirituais e ecológicos ao comércio.


Peter M. Senge, autor de The Fifth Discipline, é de opinião que a antiga visão dos negócios é
tolhida pela fragmentação (falta de feedback e pensamento abrangente), competição (nossa base
capitalista divisional), e reatividade (falta de flexibilidade e suficiente criatividade para o futuro).
Dr. Senge, diretor do Center for Organizational Learning da Sloan School of Management do MIT,
concentra-se em descentralizar o papel da liderança na organização para aumentar a capacidade de
todas as pessoas de trabalharem produtivamente em direção a metas comuns. Num recente artigo,
Senge e o co-autor Fred Kofman declaram que as mudanças no mundo dos negócios, indo além da
cultura das grandes sociedades anônimas, "penetram os hábitos e suposições básicos da nossa cultu-
ra como um todo". Reconhecendo que nada se modificará sem uma transformação pessoal, eles
acreditam que é preciso criar uma estrutura de sociedade anônima para produzir criatividade e
aprendizado - num ambiente seguro. Eles escrevem: "Quando as pessoas conversam e ouvem umas
às outras dessa maneira, elas criam um campo de alinhamento que gera um tremendo poder de
inventar novas realidades na conversação, e de transformar essas novas realidades em ação."

É... o amor que faz a


argamassa
E é o amor que empilhou estas
pedras
E é o amor que montou o
palco aqui
Embora pareça que estamos
sozinhos
DAVID WILCOX,
Show the Way

Empregando esses princípios e substituindo nossos métodos disfuncionais e sem visão, podemos
avançar em direção à automação mencionada na Nona Visão. Como ensina essa Visão, podemos
produzir tudo de que a cultura precisa para todos, usando fontes puras de energia e aumentando a
durabilidade dos bens. Chegará o dia em que cada indivíduo possuirá partes iguais nas indústrias
automatizadas, permitindo que todos recebam uma renda, sem a presença da autoridade central
repressiva. O foco da vida será deixar que a sincronicidade dirija nossa evolução espiritual. Os
princípios espirituais - seguir a orientação interior - impedirão que nossa evolução se torne caótica.
Talvez no próximo milênio até esta tecnologia ecológica seja substituída por nossas
habilidades. Talvez não precisemos de uma maquinaria ecológica para produzir comida, curar,
viajar ou nos comunicarmos. Aprenderemos a manifestar aquilo de que precisamos.

O Dízimo - Uma Nova Perspectiva do Ato de Dar


Futuramente não teremos necessidade de moeda corrente. Mesmo agora no final do século vinte,
não estamos longe de ser capazes de produzir o tipo de automação que possa nos eximir de
trabalhar exclusivamente para poder sobreviver.
O Manuscrito prevê que iremos pagar pelos nossos insights e pelo nosso valor como seres
humanos. Classe, condição social, poder e propriedades não mais serão os fatores de motivação ou a
definição do sucesso. Na cultura evoluída, daremos àqueles que nos proporcionam inspiração
espiritual. O conceito do dízimo tradicionalmente sempre significou darmos um percentual da nossa
renda para uma instituição estabelecida, geralmente uma igreja ou instituição de caridade. À medida
que valorizarmos cada vez mais a expansão sincronística da nossa vida, nos sentiremos inspirados a
dar àqueles que nos dão sob a forma de energia, idéias e oportunidades. O dízimo torna-se uma
troca tangível de energia e expressão de apreço.

Aprendendo para o Futuro


Para que o futuro se manifeste da maneira como prediz o Manuscrito, precisamos começar a
desenvolver um ambiente educacional enriquecido para a nova geração, para que os jovens possam
engajar-se mais plenamente na corrente evolucionária.
Não é de causar surpresa que os mesmos princípios que governam as comunidades
sustentáveis também se apliquem à educação. Durante os anos de transição haverá muitos novos
programas e teorias que abordarão a necessidade de criarmos crianças verdadeiramente conscientes.
Como exemplo, um modelo desse tipo está sendo desenvolvido em Berkeley, na Califórnia, no
Elmwood Institute, fundado por Fritjof Capra. Denominado "ecoinstrução", este método usa os
mesmos oito princípios dos sistemas auto-organizativos e sustentáveis.

Interdependência: "Numa comunidade de aprendizado, professores, alunos, administradores,


pais e membros empresariais e comunitários estão interligados numa rede de relacionamentos,
trabalhando em conjunto para facilitar o aprendizado."
Sustentabilidade: "Os professores vêem o impacto a longo prazo que exercem sobre os
alunos."
Ciclos Ecológicos: "Todos são ao mesmo tempo professor e aprendiz."
Fluxo de Energia: "As comunidades de aprendizado são comunidades abertas onde as pessoas
entram e saem, descobrindo sua posição apropriada no sistema."
Companheirismo: "Todos os membros trabalham em parceria, o que significa democracia e
poder porque cada parte desempenha um papel extremamente importante."
Flexibilidade: "Existe uma mudança dinâmica e fluidez. As programações diárias são flexíveis;
cada vez que há uma mudança de tema, o ambiente de aprendizado é recriado."
Diversidade: "Os alunos são estimulados a usar vários modos e estratégias de aprendizado(...)
diversos estilos de aprendizado são apreciados (...) a diversidade cultural é crítica (...) para a
verdadeira comunidade."
Co-evolução: "À medida que os grupos empresariais, os grupos comunitários e os pais
trabalham numa maior colaboração com a escola (...) eles co-evoluem."

Massa Crítica e Campos Morfogenéticos


A hipótese central do trabalho de Kenneth Ring com os sujeitos de experiências de quase-morte no
livro Heading toward Omega é que a transformação espiritual dessas pessoas talvez represente um
impulso evolucionário geral. No entanto, pergunta ele, como uma mudança de consciência aconte-
cerá com rapidez suficiente para salvar nosso planeta? Ele apresenta uma teoria que parece estar em
harmonia com a idéia de massa critica ensinada na Primeira Visão.
Ele constrói sua teoria na obra de Rupert Sheldrake, um biólogo inglês, cujo livro A New
Science of Life: The Hypothesis of Formative Causation foi publicado em 1981 e ainda gera
controvérsia. De acordo com a teoria de Sheldrake, existe um campo organizacional invisível que
ele chama de campo morfogenético. A hipótese de Sheldrake é que esse campo difuso, que não é
limitado pelo tempo nem pelo espaço, determina tanto a forma quanto o comportamento de todos
os sistemas e organismos. Isto significa que tão logo uma mudança tenha ocorrido num sistema ou
espécie numa parte do mundo, essa mudança poderá afetar sistemas e espécies semelhantes em
qualquer outra parte do mundo. Curiosamente, esta teoria também pode explicar a transmissão do
comportamento adquirido. Por exemplo, em estudos realizados em 1920 por William McDougall,
psicólogo de Harvard, ratos foram treinados para nadar através de labirintos. Após várias gerações,
os ratos haviam aprendido a nadar dez vezes mais rápido do que a primeira geração, indicando que
haviam retido as habilidades adquiridas. Não obstante, ainda mais intrigante foi a descoberta de que
os ratos de outros países submetidos a experiências de nadar através de labirintos estavam co-
meçando no mesmo nível que os ratos adiantados dos estudos de McDougall. Segundo a teoria de
Sheldrake sobre a ressonância mórfica, os ratos de McDougall estabeleceram um campo que guiou
os ratos posteriores, permitindo que estes nadassem mais depressa.
Aplicando esta teoria ao campo da evolução humana, Ring cita o escritor científico Peter
Russell, cujo comentário lança uma forte base para as implicações do Manuscrito da Profecia
CeIestina:

Se aplicarmos a teoria de Sheldrake ao desenvolvimento de estados mais elevados de consciência, poderíamos


predizer que quanto maior o número de indivíduos que começassem a elevar seu nível pessõal de consciência,
mais forte se tornaria o campo morfogenético para estados superiores, e mais fácil seria para que outros tomassem
o mesmo rumo. A sociedade acumularia momentum em direção à iluminação. Como a taxa de crescimento não
dependeria das realizações daqueles que tivessem vivido antes, poderíamos ingressar numa fase de crescimento
superexponencial. Em última análise, isso poderia produzir uma reação em cadeia, na qual todas as pessoas
começassem de repente a fazer a transilão para um nível mais elevado de consciência.

RESUMO DA NONA VISÃO

A Nona Visão é a consciência de como a evolução se dará se vivermos as outras oito Visões. À
medida que a sincronicidade aumenta, somos elevados a níveis cada vez mais altos de vibração de
energia. Além disso, à medida que formos conduzidos à nossa verdadeira missão, mudaremos de
profissão, vocação ou criaremos nosso próprio negócio para podermos trabalhar no campo que mais
nos inspirar. Para muitos, este trabalho será automatizar a produção de bens e serviços básicos:
alimentos (além dos produzidos a nível individual), abrigo, vestuário, meios de transporte, acesso
aos meios de comunicação e recreação. Esta automação será sancionada porque a maioria de nós
não mais concentrará na indústria nossa vida de trabalho. Não haverá abuso no acesso a esses bens
porque todos estaremos sincronisticamente seguindo nosso caminho de crescimento e
consumiremos apenas o necessário.
A prática do dízimo, de dar aos outros que nos proporcionam insight espIritual, suplementará
a renda e nos libertará de cenários rígidos de trabalho. Finalmente, a necessidade de uma moeda
corrente desaparecerá totalmente quando fontes gratuitas de energia e bens duráveis permitirem que
a automação seja total. À medida que a evolução prosseguir, o crescimento sincronístico elevará
nossas vibrações ao ponto em que penetraremos na dimensão da vida após a morte, fundindo essa
dimensão com a nossa e encerrando o ciclo de nascimento/morte.

Leitura Complementar
Além dos excelentes livros relacionados nas notas deste capítulo, sugerimos os seguintes:

Ishmael. Daniel Quinn. Bantam/Turner, 1993.

Coming of the Cosmic Christ. Matthew Fox. Harper & Row, 1988.
The Turning Point. Fritjof Capra. Bantam, 1992.
Autobiography of a Yogi. Paramahansa Yogananda. Self-Realization Fellowship, 1946.
Touched by Angels. Eillen Freeman. Warner, 1993.
The Mayan Factor: Path beyond Technology. Jose Arguelles. Bear & Co., 1987.
Life and Teachings of the Masters of the Far East. Bard T. Spalding. Devorss & Co., 1964.
Energy Grid: Harmonic Six Hundred Ninety-five and the Pulse of the Universe. Bruce L. Cathie.
American West Publishers, 1990.

Creative Work: The Constructive Role of Business in a Transforming Society. Willis Harman e John
Hormann. Knowledge Systems,1990.
The Mind of the Cells: Or Willed Mutation of Our Species. Satpremo Institute of Evolutionary
Research, 1992.
Saved by the Light. Dannion Brinkley com Paul Perry. Villard Books,1994

ESTUDO INDIVIDUALDA NONA VISÃO

Permaneça no Presente

Viva as Oito Visões. Você é parte da aceleração evolucionária. Como tantos de nós, você poderá
ficar entusiasmado com a visão do futuro e querer estar lá agora. A chave é estar aqui agora
(citando o autor e mestre espiritual Ram Dass) e usar as oito Visões na sua vida cotidiana.
Em todo local de trabalho, em toda disciplina, você encontrará alguma resistência ou medo
de mudança bem como apoio e concordância. A chave é permanecer alerta às coincidências e
mensagens, fazer perguntas e agir em função da orientação interior, estar disposto a falar a verdade
nas lutas pelo poder, e conservar a energia elevada através do contato com a natureza e a beleza.

Fique Aberto a Novas Habilidades


Continue a Crescer. Grande parte do foco do Manuscrito repousa na energia - reconhecê-la, vê-
la, ouvi-la, permanecer centrado nela, e acumulá-la. Muitos de vocês talvez queiram mudar de
profissão, ou simplesmente aprofundar seu conhecimento ou habilidade numa nova área. Em
nenhuma outra época da história houve tantas novas portas de sabedoria disponíveis para serem
estudadas. Praticamente todos os campos trabalham com energia de uma ou outra maneira. Por
exemplo, a cura do futuro poderá muito bem se concentrar numa mudança de vibrações que
empregue o som, a luz, o movimento e as imagens mentais, bem como métodos xamanísticos. A
nutrição e a agricultura foram fortemente influenciadas pelo trabalho com a energia psíquica bem
como pelos princípios biológicos e ecológicos. A psicologia está ampliando seus parâmetros para
incluir a hipnose e a regressão a vidas passadas para revelar experiências profun damente ocultas.
A educação está francamente aberta a métodos que confiram um maior poder pessoal às pessoas
para ajudar as crianças a realizar seu destino e participar da evolução. O projeto dos locais de
trabalho e dos lares está passando por mudanças com a introdução da psicologia das cores, da
ergonomia e até mesmo do feng shui, o antigo sistema chinês da dinâmica da energia espacial.
Grupos e comunidades espirituais, grupos de recuperação e a revitalização de congregações
religiosas oferecem às pessoas maiores oportunidades de participar na rede da evolução. As artes
marciais, a dança e as disciplinas de movimento promovem o bem-estar e o poder pessoal. Deixe
sua intuição lhe mostrar o caminho, e esteja disposto a segui-lo através da ação.

Use a Imaginação para Criar Novas Oportunidades

A Jornada Pessoal. O que você preferiria estar fazendo? Com freqüência nos sentimos inquietos e
não sabemos realmente o que queremos. Depois de ler este capítulo, quais as idéias sobre o futuro
que mais lhe agradaram? Descreva em seu diário uma ou mais vidas ideais que você gostaria de
viver. Pense realmente grande. As seguintes perguntas irão ajudá-lo a imaginar uma nova vida:

∙ Quem? (Quem são as pessoas com quem você se vê? Artistas? Músicos? Executivos? Curadores?
Que tipo de cenário familiar você enxerga?)
∙ O Quê? (Que tipo de ocupação você gostaria de ter? Cheia de aventuras? Ligada ao ensino? À
cura? À organização de eventos?)
∙ Quando? (Essa vida ideal parece próxima ou distante? Quando você poderia dar um pequeno
passo na direção dela?)
∙ Onde? (Onde você quer que ela seja? Numa grande cidade? Na Europa? Nas montanhas? No
deserto?)

Dois bons livros que poderão ajudá-Io a explorar novas opções para si mesmo são Wishcraft: How.
to Get What You Really Want de Barbara Sher (Ballantine Books, 1979) e The Artist's Way: A
Spiritual Path to Higher Creativity de Julia Cameron Geremy P. Tarcher/Perigee, 1992).

Mude Sua Perspectiva

Se você tem um forte desejo de conferir majs significado e amplitude à sua vida, pondere os
seguinte pontos que Robert Monroe recolheu das suas experiências fora do corpo.

∙ Esteja ciente de que você é mais do que seu corpo físico. . Lembre-se de que você está aqui para
fazer certas coisas, mas não deixe. sua necessidade de sobreviver torná-lo desesperado. Seu objetivo
último não é a sobrevivência física.
∙ Compreenda que você está na terra por escolha. Quando você tiver satisfeito seu propósito de
aprendizado, você pode partir.
∙ Perceba o mundo como o que ele realmente é - um local de aprendizado.
∙ Participe e desfrute sua vida o mais plenamente que você puder, mas não se deixe viciar por ela.
Ao incorporar essas idéias ao seu pensamento, observe as possíveis mudanças em suas metas
pessoais ou na sua interação com as outras pessoas.

GRUPO DE ESTUDOS PARA A NONA VISÃO

13ª Sessão
2 horas e 30 minutos

Objetivo da Sessão: Discutir a Nona Visão.

Introdução
Peça a voluntários que leiam em voz alta a recapitulação da Nona Visão nas páginas 273 a 278, até
a seção "Defendendo um Salto Evolucionário". Lembre-se de que todos devem falar quando se
sentirem inspirados e dar energia e total atenção aos que estiverem falando. Talvez você queira usar
algumas das seguintes perguntas para iniciar a discussão:

∙ De que modo sua perspectiva mudou depois que você começou a estudar as Visões?
∙ De que modo seu comportamento mudou depois de você ler pela primeira vez A Profecia
Celestina ou começar a trabalhar no guia de leitura?
∙ Qual o aspecto do futuro que mais o atrai na Nona Visão? . Como você sente que está contribuindo
para a mudança evolucionária?
∙ Que questões lhe vêm à cabeça quando você fala a respeito das Visões com sua família e seus
amigos?
∙ Que intuições você teve que parecem relacionadas com alguma das Visões, ou com a Nona Visão
em particular? . Como você falaria desses conceitos às crianças? . Intuitivamente, quais você
considera as verdades mais profundas para você em A Profecia Celestina?

EXERCÍCIO 1: Na Esfera de Possibilidades

Objetivo: abrir a imaginação e praticar a expansão dos limites do autoconhecimento.

Tempo: 1 hora.

Instruções:
1º Passo: Cada membro do grupo deve levar de 10 a 15 minutos escrevendo sobre uma vida imaginária para si
mesmo - qualquer alternativa que lhe venha à mente diferente da que ele vive atualmente. O objetivo aqui é
realmente expandir-se!
2º Passo: Cada pessoa do grupo escolhe um parceiro, e os membros de cada par se alternam na descrição da
vida imaginária para o parceiro (cerca de 15 minutos para cada um).
3º Passo: Todos retomam ao grupo principal e compartilham as experiências.
4º Passo: Se duas pessoas descreverem vidas imaginárias semelhantes, talvez o grupo deseje explorar pos-
síveis mensagens adicionais sugeri das por essa coincidência.

EXERCÍCIO 2. Conversando sobre o Meio Ambiente

Objetivo: Aliviar parte do medo, da desesperança ou do desespero que sentimos a respeito dos
problemas do meio ambiente.

Tempo: O que estiver disponível.


Instruções: Talvez você queira usar algumas das seguintes perguntas para iniciar a discussão:

∙ O que você teme no que diz respeito aos problemas planetários?


∙ O que mais o perturba com relação ao futuro?
∙ Que tipo de sentimentos você tem a respeito dos seus filhos e do futuro deles?
∙ Que prioridades o grupo considera mais prementes? (Alguém pode fazer uma lista.)
∙ Como você enfrenta o estresse ao ouvir falar no derramamento de petróleo, na camada de ozônio,
no lixo tóxico, na pobreza, na superpopulação?
∙ Como você tenta contribuir individualmente para a com preensão ou solução de um problema
específico?
∙ Que livros você leu que o inspiraram?
∙ Você está disposto a ler mais livros ou artigos, e trocar informações com o grupo em futuras
reuniões?

Encerramento

Pedidos de estímulo e transmissão de amor e energia.

Sessões Futuras
Se seu grupo quiser continuar a se reunir, talvez as pessoas pudessem começar a ler alguns dos
livros citados neste guia de leitura e discutir as idéias que eles encerram.

Lembre-se de que seu grupo é um bom lugar para o brainstorming e para a cura.

Então o palco está montado. Sinta seu coração bater Em seu peito. Esta vida ainda não terminou.
DAVID WILCOX, Show the Way