Você está na página 1de 8

Visão

do Desenvolvimento
nº 67 „ 3 jul 2009

Microfinanças: alcance
versus sustentabilidade
Por Antonio Marcos Pinto Ambrozio ma descentralizada por agências pú-
Economista da APE blicas, organizações não governamen-
tais (ONG´s) ou instituições financeiras
Se você quer receber os próximos números desta privadas, e geralmente é baseado em
Desafio é criar O desenvolvi- mecanismos não convencionais de se-
publicação envie e-mail para mecanismos mento das micro- leção de riscos e provisão de incenti-
visao.do.desenvolvimento@bndes.gov.br. economicamente
viáveis para
finanças é uma vos (discutidos adiante).
Embora o foco da operação seja a
das mais promis-
população de disponibilidade de microcrédito (ou
soras estratégias
menor renda
de combate à po- seja, oferta de crédito em pequena
breza mundial na atualidade. Embora escala), em muitos casos uma opera-
não haja uma definição precisa, ção de microfinanças envolve também
microfinanças tende a ser entendida na a disponibilidade de outros serviços, fi-
literatura como o financiamento de nanceiros e não financeiros, tais como:
projetos para pessoas que usualmente acesso à conta corrente, treinamento,
não teriam acesso ao mercado de cré- serviços educacionais e de saúde, en-
dito formal. A idéia básica é que po- tre outros.
breza não é incompatível com o po-
tencial empreendedor do indivíduo. Visão do Desenvolvimento é uma publica-
Desse modo, acesso ao crédito permi- ção da área de Pesquisas Econômicas (APE),
tiria que pessoas com forte restrição do Banco Nacional de Desenvolvimento Eco-
nômico e Social. As opiniões deste informe
de riqueza pudessem implementar pro- são de responsabilidade dos autores e não
jetos lucrativos, viabilizando assim um refletem necessariamente o pensamento da
administração do BNDES.
aumento – permanente – de sua ren-
da. O financiamento é provido de for-
Uma questão fundamental que tem 2007, cobriu 890 instituições espalhadas sob informação assimétrica o risco au- transação e informação, a ampliação
sido colocada diz respeito à pelo mundo, que contaram com cerca menta com o nível da taxa de juros, do acesso ao crédito deve continuar
sustentabilidade das instituições de de 63 milhões de clientes, e dispunham segue que elevações nessa taxa podem a requerer doações ou o apoio
microfinanças (IMF). O ponto central é de ativos da ordem de 42 bilhões de ser ineficazes para aumentar a governamental.
se é possível organizar um mecanismo dólares. lucratividade da IMF. Há diversas evidências que justifica-
de financiamento que contribua para o O ponto central do informe é que riam o apoio público. Avaliações de
bem-estar das pessoas de baixa renda, há de fato um trade-off entre Considerações finais programa conduzidos em diversas re-
mas que ao mesmo tempo seja econo- sustentabilidade e alcance social1. Mais giões mostraram efeitos significativos
micamente viável, no sentido de cobrir especificamente, IMF´s que atendem aos A indústria de microfinanças cresceu da disponibilidade de microfinanças
ao menos os custos dos credores. agentes com menor restrição de rique- significativamente nos últimos anos, sobre o crescimento da renda e mobi-
Há um debate atual onde, de um za têm indicadores de sustentabilidade contribuindo para a melhoria de vida lidade social dos beneficiados. Ade-
lado, defende-se a idéia de que, quan- financeira mais sólidos que aquelas de milhões de pessoas sem acesso ao mais, o aumento do bem-estar tende
do uma IMF tem como objetivo a atendendo aos mais pobres. Assim, as mercado de crédito formal. A despei- a ser maior quando as mulheres são o
sustentabilidade financeira, projetos evidências são de que as IMF´s se mos- to dessa evolução, uma questão rele- público alvo: a disponibilidade de
socialmente desejáveis são traram capazes de alcançar – de modo vante é a possibilidade de compatibili- microcrédito para as mulheres tende
inviabilizados. Por outro lado, a idéia sustentável – um conjunto de dade entre sustentação financeira das a melhorar o nível educacional e con-
é que instituições lucrativas seriam ca- microempreendedores de baixa renda, IMF´s e acesso ao crédito para pessoas dições de saúde dos filhos. Finalmen-
pazes de se ex- antes com com forte restri- te, cabe regis-
pandir autono- Análise tradicional é ineficiente acesso restrito ção de riqueza. Crédito para empreendedores trar que a dis-
mamente, atra- com tomadores de renda muito ao mercado de Os dados mais muito pobres requer subsídios, ponibilidade de
indo capital baixa que operam em escala limitada crédito formal. recentes mos- com apoio do governo ou doações microfinanças
comercial: Porém, o fi- tram que, en- permite redu-
a lucratividade seria uma condição para nanciamento de microempreendedores quanto uma classe de microem- ção de pobreza a nível agregado: há
ampliar o alcance das IMF´s. com renda muito baixa – ou os “pobres preendedores de baixa renda pôde ser externalidades sobre a economia lo-
O objetivo deste informe é investigar dentre os pobres” – requer algum sub- alcançada de modo sustentável – o cal, que devem ser tão mais positivos
esta questão a partir dos dados do sídio, na forma de apoio do governo ou que indica a efetividade dos instru- quanto maior for o alcance das ope-
Microbanking Bulletin. Esta base de da- da contribuição de doadores. mentos de microfinanças – o avanço rações de microfinanças.
dos é disponibilizada pelo Microfinance desse processo em direção aos mais Essas evidências sugerem que o apoio
Information Exchange (MIX), uma orga- Imperfeições no mercado de pobres parece encontrar limites. As às IMF´s, particularmente aquelas que
nização sem fins lucrativos cujo objeti- crédito e microfinanças IMF´s que atuam na ponta inferior do atendem ao segmento inferior do mer-
vo é coletar e disseminar informações mercado têm piores índices de cado, que como visto são as que en-
sobre a indústria de microfinanças. Em O fornecimento de crédito, de uma sustentabilidade e menor capacidade frentam desafios de sustentabilidade
forma geral, é uma atividade sujeita a de alavancar fundos, sendo que o es- financeira e tem um elevado alcance
dois problemas de difícil solução: a paço para avançar em direção a um em termos do número de beneficiados
1 Esse ponto é enfatizado em J. Conning, “Outreach,
assimetria de informação e os custos maior grau de viabilidade financeira, e em especial priorizam as mulheres em
sustainability and leverage in monitored and peer-
monitored lending” (Journal of Development Economics, de transação. Esses problemas são ain- seja via aumento da eficiência, seja sua carteira de clientes, tende a ser so-
1999), usando a mesma base de dados do Microbanking da maiores no caso do microcrédito. via um aumento das receitas financei- cialmente desejável dado um impacto
Bulletin, mas baseado em pesquisa realizada em 1998. A
A assimetria de informação ocorre ras, é limitado. significativo – e duradouro – sobre o
análise que segue, baseada na pesquisa de 2007, cobre
um número muito maior de instituições – cerca de dez quando o credor tem dúvida sobre al- Assim, na ausência de novos meca- bem-estar dos indivíduos mais pobres
vezes mais – e pode ser considerada assim mais robusta e guma característica ou escolha do de- nismos que permitam uma maior da sociedade.
representativa. vedor. Assim, por exemplo, o empresá- mitigação dos elevados custos de
2 7
rioTabela
pode4-ter mais informação
Geração Líq. de Empregos de deeempréstimo.
sobre a por Região ParticipaçãoAssim, os pequenos
de cada Região no
Tabela 3: Indicadores de Produtividade e Risco (2007)
perspectiva de sucesso do negócio no Saldo
do Líquido Total
empreendedores, desprovidos de rique-
que o banco que financia o projeto. Ou za, têm pouco acesso ao setor de cré-
Custo Médio por Empréstimos por Razão Write-Off Taxa de Perda de o banco não consegue observar certas dito formal.
Segmento Empréstimo (US$) Funcionário (%) Empréstimo (%) ações escolhidas pelo empresário, ações As microfinanças se dirigem para es-
Inferior 86 190 3,8 3,6 estas que afetam a chance de sucesso ses microempreendedores com poucos
Intermediário 198 124 3,2 2,9 do empreendimento. recursos próprios, onde a operação de
Superior 329 70 2,6 2,1 Os custos de transação, por sua vez, crédito é baseada em mecanismos não
se referem aos recursos que devem ser convencionais que buscam contornar os
Fonte: MicroBanking Bulletin, MIX
mobilizados na negociação e redação problemas de assimetria de informação
do contrato de empréstimo, bem como e custos de transação. Dentre esses
em média menor para essas IMF´s: de aumentar a sustentabilidade financei- de seu acompanhamento e eventual mecanismos, pode-se destacar o em-
fato, a instituição média que atua na ra dessas IMF´s, seja reduzindo as des- renegociação ou liquidação. préstimo em grupo (crédito solidário).
ponta inferior do mercado pode ser pesas – aumento de eficiência – ou au- Existem diversas formas “tradicionais” Nessa modalidade de financiamento, os
considerada como financeiramente não mentando as receitas – via aumento para reduzir esses problemas. Os ban- empreendedores, embora administrem
sustentável (índice inferior a 100). dos juros cobrados por essas IMF´s. cos tentam medir os riscos das firmas a individualmente seus projetos, ficam co-
Ainda, o acesso das IMF´s ao capital A via de redução de despesas tem al- partir da análise de balanço. Uma vez responsáveis pelo pagamento dos em-
comercial é diferenciado de acordo cance limitado. Considerando-se índices realizado o em- préstimos de
com o nicho de mercado. A fração do de produtividade, como o custo médio préstimo, os Na ponta inferior do mercado, outros membros
passivo financiado por capital comer- por tomador ou o número médio de bancos podem a participação das mulheres do grupo (quan-
cial foi significativamente menor no empréstimos por membro do staff, se- monitorar direta- chega a 83% do total de clientes do esses não o
caso das IMF´s que atendem à ponta gue que ambos são significativamente mente as ações fazem). Todos
inferior do mercado, indicando a difi- mais favoráveis às IMF´s no segmento in- dos empresários. A exigência de garan- perdem acesso a novos créditos caso o
culdade de alavancagem destas. E a ferior do mercado (ver Tabela 3). tias – colateral – serve para filtrar proje- grupo, como um todo, não quite o con-
última coluna sugere que instituições O aumento de juros, por sua vez, pode tos ruins, ou induzir os empresários a junto de suas obrigações.
que são caracterizadas como bancos não ser desejável, na medida em que fazer escolhas mais alinhadas com os A obrigação de potencial co-pagamen-
(capazes de receber depósitos) são projetos potencialmente lucrativos e interesses dos bancos (em particular, es- to do empréstimo dos demais agentes em
menos representativas no segmento com elevados retornos sociais possam colhas que envolvam menos riscos). seu grupo solidário provê incentivos para
inferior do mercado. ser inviabilizados por taxas de juros mui- Essas medidas, no entanto, são pou- que os próprios microempreendedores
Assim, os retornos sobre as operações to elevadas. Além disso, há o problema co efetivas quando se consideram agen- façam uma auto-seleção de pares e, uma
de microcrédito não são suficientes de informação assimétrica: juros eleva- tes com recursos limitados e que ope- vez formados os grupos, eles têm incenti-
para cobrir as despesas de boa parte dos tendem a atrair para o mercado pro- ram em baixa escala. Nesses casos, a vos a monitorar uns aos outros. Ainda, é
das IMF´s que operam junto à ponta jetos mais arriscados ou reduzir o es- informação em geral é opaca, onde possível reduzir custos de liquidação –
inferior do mercado. Uma questão es- forço do microempreendedor para que muitas microempresas – e empreende- uma vez que se um devedor entra em
sencial então é qual deveria ser o im- o projeto seja bem sucedido. dores por conta própria – não possuem default, outro no grupo ainda pode ter
pacto de uma política que buscasse Entendendo as medidas de write-off balanços. O instrumento de colateral é, incentivo para honrar suas obrigações.
e taxa efetiva de perda de emprésti- por definição, menos efetivo quanto Além do crédito solidário, operações
mo3 como indicadores apropriados de menor a disponibilidade de ativos. Além de microfinanças contam usualmente
3 O primeiro termo se refere a créditos considerados perdidos
risco de crédito, o segmento inferior disso, a baixa escala dos projetos tor- com outros mecanismos para induzir
que são “retirados” do balanço dos bancos, enquanto o segun-
do termo desconta desse montante os valores eventualmente do mercado apresenta uma combina- nam proibitivo tanto o monitoramento maiores re-pagamentos. Um exemplo é
recuperados. ção de maior juros e maior risco – e se direto, como os custos fixos por unida- o que se denomina de incentivos dinâ-
6 3
micos: inicia-se a relação de crédito com empréstimo, a maioria das IMF´s (50%)
Tabela 2: Indicadores Financeiros (2007)
pequenos empréstimos, que são reno- operam com ambos o crédito individual
vados – muitas vezes em um montante e solidário. Apenas 10% operam exclu- Gastos Totais sobre Indice Sustentabildade Retorno sobre Fração Passivo Depósito sobre
crescente – quando as obrigações an- sivamente com crédito solidário. Essas Segmento Ativos (%) Financeira (%) Portfolio - real (%) Comercial (%) Ativos (%)
teriores vão sendo quitadas. estatísticas indicam que outros instru- Inferior 34,4 99,6 32,4 56,4 7,4
mentos de mitigação de risco, como os Intermediário 25,2 104,8 22,4 81,1 24,9
Um panorama das incentivos dinâmicos discutidos previa- Superior 20,5 109,4 19,6 88,0 35,0
microfinanças no mundo mente, desempenham um papel impor-
tante na concessão de microcrédito. Fonte: MicroBanking Bulletin, MIX

Essa seção descreve o perfil das 890 Em relação ao tamanho médio do


IMF´s que constam da base de dados do empréstimo, as IMF´s podem ser clientes. A despeito da existência de ino- inferior e superior. Assim, as IMF´s na
Microbanking Bulletin. Regionalmente, distinguidas entre aquelas que alcançam vações financeiras que facilitaram o aces- ponta inferior atendem uma gama mai-
essas IMF´s estão concentradas na Amé- o segmento inferior (empréstimo médio so ao crédito para microempreen- or de pessoas, que são potencialmente
rica Latina e Caribe (40%) e na Ásia (35%). ao devedor inferior a 20% do PIB per dedores com pouca disponibilidade de mais pobres, e tendem a ter um impac-
O tipo de instituição mais comum ope- capta), intermediário (empréstimo mé- riqueza, a questão é se é possível incor- to sobre o bem-estar social maior – em
rando com o segmento de dio ao devedor entre 20% e 150% do porar ao mercado de crédito os mais particular quando se leva em conta evi-
microfinanças são ONG‘s (39%). Em se- PIB per capta) e superior (empréstimo pobres, a partir de operações financei- dências da relação entre o fortalecimen-
guida vêm instituições financeiras não médio ao devedor entre 150% e 250% ramente sustentáveis. to da posição da mulher e o bem-estar
bancárias (32%). A representatividade do PIB per capta) do mercado. Cerca de Comparando o desempenho das IMF´s dos filhos na família.
dos bancos é pequena, apenas 7%, su- metade das IMF´s operaram com o seg- que atuam no segmento inferior, inter- Os indicadores de performance finan-
gerindo o baixo apelo “comercial” do mento intermediário, e a ponta inferior mediário e superior do mercado, e en- ceira das IMF´s que atendem à ponta
setor. De fato, a maior parte das insti- do mercado foi atendida por cerca de tendendo o nível de empréstimo como inferior do mercado, no entanto, são
tuições (65%) declara não ter fins lu- 38% das instituições. uma proxy da escassez de riqueza do piores que os das IMF´s que servem aos
crativos. A despeito disso, a maioria tomador, segue que os dados efetiva- segmentos intermediário e superior.
(62%) se declara autossustentável, no O debate: sustentabilidade mente sugerem um trade-off entre al- Esse resultado não parece ter decorri-
sentido de que as receitas financeiras e alcance social cance e sustentabilidade. do de uma política de soft lending. Os
possam ao menos cobrir as despesas, As IMF‘s que atuam na ponta inferior dados da Tabela 2 mostram que a taxa
tanto financeiras quanto operacionais. A viabilidade financeira das IMF‘s pa- do mercado trabalham com uma escala de retorno sobre a carteira de emprés-
No que diz respeito à modalidade de rece depender do público alvo de seus média de empréstimos menor que aque- timos foi significantemente maior para
las nas outras classes, mas em compen- as IMF´s atuando na ponta inferior do
sação têm um número médio de clien- mercado – a taxa de retorno real sobre
Tabela 1: Indicadores de Alcance (2007) tes substancialmente maior. Ainda, a o portfolio foi em média cerca de 65%
percentagem de mulheres atendidas é maior para essas IMF´s vis a vis àquelas
Empréstimo Médio em média muito maior nas IMF‘s que na ponta superior.
Segmento (% PNB per capta) Média Clientes % Mulheres atuam na ponta inferior do mercado – Por outro lado, as IMF´s que atendem
Inferior 14,8 120630 82,9 o diferencial de participação feminina é à ponta inferior do mercado apresenta-
de 40 pontos percentuais entre a classe ram em média despesas totais (como
Intermediário 62,0 44444 58,2
proporção dos ativos) significantemente
Superior 191,1 27830 43,0
maiores do que aquelas que atendem
2 Razão entre a receita financeira e a soma da despe-
sa financeira, operacional e com a provisão líquida de no meio e na ponta superior. Assim, o
Fonte: MicroBanking Bulletin, MIX
perdas. Índice de Sustentabilidade Financeira2 é
4 5
micos: inicia-se a relação de crédito com empréstimo, a maioria das IMF´s (50%)
Tabela 2: Indicadores Financeiros (2007)
pequenos empréstimos, que são reno- operam com ambos o crédito individual
vados – muitas vezes em um montante e solidário. Apenas 10% operam exclu- Gastos Totais sobre Indice Sustentabildade Retorno sobre Fração Passivo Depósito sobre
crescente – quando as obrigações an- sivamente com crédito solidário. Essas Segmento Ativos (%) Financeira (%) Portfolio - real (%) Comercial (%) Ativos (%)
teriores vão sendo quitadas. estatísticas indicam que outros instru- Inferior 34,4 99,6 32,4 56,4 7,4
mentos de mitigação de risco, como os Intermediário 25,2 104,8 22,4 81,1 24,9
Um panorama das incentivos dinâmicos discutidos previa- Superior 20,5 109,4 19,6 88,0 35,0
microfinanças no mundo mente, desempenham um papel impor-
tante na concessão de microcrédito. Fonte: MicroBanking Bulletin, MIX

Essa seção descreve o perfil das 890 Em relação ao tamanho médio do


IMF´s que constam da base de dados do empréstimo, as IMF´s podem ser clientes. A despeito da existência de ino- inferior e superior. Assim, as IMF´s na
Microbanking Bulletin. Regionalmente, distinguidas entre aquelas que alcançam vações financeiras que facilitaram o aces- ponta inferior atendem uma gama mai-
essas IMF´s estão concentradas na Amé- o segmento inferior (empréstimo médio so ao crédito para microempreen- or de pessoas, que são potencialmente
rica Latina e Caribe (40%) e na Ásia (35%). ao devedor inferior a 20% do PIB per dedores com pouca disponibilidade de mais pobres, e tendem a ter um impac-
O tipo de instituição mais comum ope- capta), intermediário (empréstimo mé- riqueza, a questão é se é possível incor- to sobre o bem-estar social maior – em
rando com o segmento de dio ao devedor entre 20% e 150% do porar ao mercado de crédito os mais particular quando se leva em conta evi-
microfinanças são ONG‘s (39%). Em se- PIB per capta) e superior (empréstimo pobres, a partir de operações financei- dências da relação entre o fortalecimen-
guida vêm instituições financeiras não médio ao devedor entre 150% e 250% ramente sustentáveis. to da posição da mulher e o bem-estar
bancárias (32%). A representatividade do PIB per capta) do mercado. Cerca de Comparando o desempenho das IMF´s dos filhos na família.
dos bancos é pequena, apenas 7%, su- metade das IMF´s operaram com o seg- que atuam no segmento inferior, inter- Os indicadores de performance finan-
gerindo o baixo apelo “comercial” do mento intermediário, e a ponta inferior mediário e superior do mercado, e en- ceira das IMF´s que atendem à ponta
setor. De fato, a maior parte das insti- do mercado foi atendida por cerca de tendendo o nível de empréstimo como inferior do mercado, no entanto, são
tuições (65%) declara não ter fins lu- 38% das instituições. uma proxy da escassez de riqueza do piores que os das IMF´s que servem aos
crativos. A despeito disso, a maioria tomador, segue que os dados efetiva- segmentos intermediário e superior.
(62%) se declara autossustentável, no O debate: sustentabilidade mente sugerem um trade-off entre al- Esse resultado não parece ter decorri-
sentido de que as receitas financeiras e alcance social cance e sustentabilidade. do de uma política de soft lending. Os
possam ao menos cobrir as despesas, As IMF‘s que atuam na ponta inferior dados da Tabela 2 mostram que a taxa
tanto financeiras quanto operacionais. A viabilidade financeira das IMF‘s pa- do mercado trabalham com uma escala de retorno sobre a carteira de emprés-
No que diz respeito à modalidade de rece depender do público alvo de seus média de empréstimos menor que aque- timos foi significantemente maior para
las nas outras classes, mas em compen- as IMF´s atuando na ponta inferior do
sação têm um número médio de clien- mercado – a taxa de retorno real sobre
Tabela 1: Indicadores de Alcance (2007) tes substancialmente maior. Ainda, a o portfolio foi em média cerca de 65%
percentagem de mulheres atendidas é maior para essas IMF´s vis a vis àquelas
Empréstimo Médio em média muito maior nas IMF‘s que na ponta superior.
Segmento (% PNB per capta) Média Clientes % Mulheres atuam na ponta inferior do mercado – Por outro lado, as IMF´s que atendem
Inferior 14,8 120630 82,9 o diferencial de participação feminina é à ponta inferior do mercado apresenta-
de 40 pontos percentuais entre a classe ram em média despesas totais (como
Intermediário 62,0 44444 58,2
proporção dos ativos) significantemente
Superior 191,1 27830 43,0
maiores do que aquelas que atendem
2 Razão entre a receita financeira e a soma da despe-
sa financeira, operacional e com a provisão líquida de no meio e na ponta superior. Assim, o
Fonte: MicroBanking Bulletin, MIX
perdas. Índice de Sustentabilidade Financeira2 é
4 5
rioTabela
pode4-ter mais informação
Geração Líq. de Empregos de deeempréstimo.
sobre a por Região ParticipaçãoAssim, os pequenos
de cada Região no
Tabela 3: Indicadores de Produtividade e Risco (2007)
perspectiva de sucesso do negócio no Saldo
do Líquido Total
empreendedores, desprovidos de rique-
que o banco que financia o projeto. Ou za, têm pouco acesso ao setor de cré-
Custo Médio por Empréstimos por Razão Write-Off Taxa de Perda de o banco não consegue observar certas dito formal.
Segmento Empréstimo (US$) Funcionário (%) Empréstimo (%) ações escolhidas pelo empresário, ações As microfinanças se dirigem para es-
Inferior 86 190 3,8 3,6 estas que afetam a chance de sucesso ses microempreendedores com poucos
Intermediário 198 124 3,2 2,9 do empreendimento. recursos próprios, onde a operação de
Superior 329 70 2,6 2,1 Os custos de transação, por sua vez, crédito é baseada em mecanismos não
se referem aos recursos que devem ser convencionais que buscam contornar os
Fonte: MicroBanking Bulletin, MIX
mobilizados na negociação e redação problemas de assimetria de informação
do contrato de empréstimo, bem como e custos de transação. Dentre esses
em média menor para essas IMF´s: de aumentar a sustentabilidade financei- de seu acompanhamento e eventual mecanismos, pode-se destacar o em-
fato, a instituição média que atua na ra dessas IMF´s, seja reduzindo as des- renegociação ou liquidação. préstimo em grupo (crédito solidário).
ponta inferior do mercado pode ser pesas – aumento de eficiência – ou au- Existem diversas formas “tradicionais” Nessa modalidade de financiamento, os
considerada como financeiramente não mentando as receitas – via aumento para reduzir esses problemas. Os ban- empreendedores, embora administrem
sustentável (índice inferior a 100). dos juros cobrados por essas IMF´s. cos tentam medir os riscos das firmas a individualmente seus projetos, ficam co-
Ainda, o acesso das IMF´s ao capital A via de redução de despesas tem al- partir da análise de balanço. Uma vez responsáveis pelo pagamento dos em-
comercial é diferenciado de acordo cance limitado. Considerando-se índices realizado o em- préstimos de
com o nicho de mercado. A fração do de produtividade, como o custo médio préstimo, os Na ponta inferior do mercado, outros membros
passivo financiado por capital comer- por tomador ou o número médio de bancos podem a participação das mulheres do grupo (quan-
cial foi significativamente menor no empréstimos por membro do staff, se- monitorar direta- chega a 83% do total de clientes do esses não o
caso das IMF´s que atendem à ponta gue que ambos são significativamente mente as ações fazem). Todos
inferior do mercado, indicando a difi- mais favoráveis às IMF´s no segmento in- dos empresários. A exigência de garan- perdem acesso a novos créditos caso o
culdade de alavancagem destas. E a ferior do mercado (ver Tabela 3). tias – colateral – serve para filtrar proje- grupo, como um todo, não quite o con-
última coluna sugere que instituições O aumento de juros, por sua vez, pode tos ruins, ou induzir os empresários a junto de suas obrigações.
que são caracterizadas como bancos não ser desejável, na medida em que fazer escolhas mais alinhadas com os A obrigação de potencial co-pagamen-
(capazes de receber depósitos) são projetos potencialmente lucrativos e interesses dos bancos (em particular, es- to do empréstimo dos demais agentes em
menos representativas no segmento com elevados retornos sociais possam colhas que envolvam menos riscos). seu grupo solidário provê incentivos para
inferior do mercado. ser inviabilizados por taxas de juros mui- Essas medidas, no entanto, são pou- que os próprios microempreendedores
Assim, os retornos sobre as operações to elevadas. Além disso, há o problema co efetivas quando se consideram agen- façam uma auto-seleção de pares e, uma
de microcrédito não são suficientes de informação assimétrica: juros eleva- tes com recursos limitados e que ope- vez formados os grupos, eles têm incenti-
para cobrir as despesas de boa parte dos tendem a atrair para o mercado pro- ram em baixa escala. Nesses casos, a vos a monitorar uns aos outros. Ainda, é
das IMF´s que operam junto à ponta jetos mais arriscados ou reduzir o es- informação em geral é opaca, onde possível reduzir custos de liquidação –
inferior do mercado. Uma questão es- forço do microempreendedor para que muitas microempresas – e empreende- uma vez que se um devedor entra em
sencial então é qual deveria ser o im- o projeto seja bem sucedido. dores por conta própria – não possuem default, outro no grupo ainda pode ter
pacto de uma política que buscasse Entendendo as medidas de write-off balanços. O instrumento de colateral é, incentivo para honrar suas obrigações.
e taxa efetiva de perda de emprésti- por definição, menos efetivo quanto Além do crédito solidário, operações
mo3 como indicadores apropriados de menor a disponibilidade de ativos. Além de microfinanças contam usualmente
3 O primeiro termo se refere a créditos considerados perdidos
risco de crédito, o segmento inferior disso, a baixa escala dos projetos tor- com outros mecanismos para induzir
que são “retirados” do balanço dos bancos, enquanto o segun-
do termo desconta desse montante os valores eventualmente do mercado apresenta uma combina- nam proibitivo tanto o monitoramento maiores re-pagamentos. Um exemplo é
recuperados. ção de maior juros e maior risco – e se direto, como os custos fixos por unida- o que se denomina de incentivos dinâ-
6 3
Uma questão fundamental que tem 2007, cobriu 890 instituições espalhadas sob informação assimétrica o risco au- transação e informação, a ampliação
sido colocada diz respeito à pelo mundo, que contaram com cerca menta com o nível da taxa de juros, do acesso ao crédito deve continuar
sustentabilidade das instituições de de 63 milhões de clientes, e dispunham segue que elevações nessa taxa podem a requerer doações ou o apoio
microfinanças (IMF). O ponto central é de ativos da ordem de 42 bilhões de ser ineficazes para aumentar a governamental.
se é possível organizar um mecanismo dólares. lucratividade da IMF. Há diversas evidências que justifica-
de financiamento que contribua para o O ponto central do informe é que riam o apoio público. Avaliações de
bem-estar das pessoas de baixa renda, há de fato um trade-off entre Considerações finais programa conduzidos em diversas re-
mas que ao mesmo tempo seja econo- sustentabilidade e alcance social1. Mais giões mostraram efeitos significativos
micamente viável, no sentido de cobrir especificamente, IMF´s que atendem aos A indústria de microfinanças cresceu da disponibilidade de microfinanças
ao menos os custos dos credores. agentes com menor restrição de rique- significativamente nos últimos anos, sobre o crescimento da renda e mobi-
Há um debate atual onde, de um za têm indicadores de sustentabilidade contribuindo para a melhoria de vida lidade social dos beneficiados. Ade-
lado, defende-se a idéia de que, quan- financeira mais sólidos que aquelas de milhões de pessoas sem acesso ao mais, o aumento do bem-estar tende
do uma IMF tem como objetivo a atendendo aos mais pobres. Assim, as mercado de crédito formal. A despei- a ser maior quando as mulheres são o
sustentabilidade financeira, projetos evidências são de que as IMF´s se mos- to dessa evolução, uma questão rele- público alvo: a disponibilidade de
socialmente desejáveis são traram capazes de alcançar – de modo vante é a possibilidade de compatibili- microcrédito para as mulheres tende
inviabilizados. Por outro lado, a idéia sustentável – um conjunto de dade entre sustentação financeira das a melhorar o nível educacional e con-
é que instituições lucrativas seriam ca- microempreendedores de baixa renda, IMF´s e acesso ao crédito para pessoas dições de saúde dos filhos. Finalmen-
pazes de se ex- antes com com forte restri- te, cabe regis-
pandir autono- Análise tradicional é ineficiente acesso restrito ção de riqueza. Crédito para empreendedores trar que a dis-
mamente, atra- com tomadores de renda muito ao mercado de Os dados mais muito pobres requer subsídios, ponibilidade de
indo capital baixa que operam em escala limitada crédito formal. recentes mos- com apoio do governo ou doações microfinanças
comercial: Porém, o fi- tram que, en- permite redu-
a lucratividade seria uma condição para nanciamento de microempreendedores quanto uma classe de microem- ção de pobreza a nível agregado: há
ampliar o alcance das IMF´s. com renda muito baixa – ou os “pobres preendedores de baixa renda pôde ser externalidades sobre a economia lo-
O objetivo deste informe é investigar dentre os pobres” – requer algum sub- alcançada de modo sustentável – o cal, que devem ser tão mais positivos
esta questão a partir dos dados do sídio, na forma de apoio do governo ou que indica a efetividade dos instru- quanto maior for o alcance das ope-
Microbanking Bulletin. Esta base de da- da contribuição de doadores. mentos de microfinanças – o avanço rações de microfinanças.
dos é disponibilizada pelo Microfinance desse processo em direção aos mais Essas evidências sugerem que o apoio
Information Exchange (MIX), uma orga- Imperfeições no mercado de pobres parece encontrar limites. As às IMF´s, particularmente aquelas que
nização sem fins lucrativos cujo objeti- crédito e microfinanças IMF´s que atuam na ponta inferior do atendem ao segmento inferior do mer-
vo é coletar e disseminar informações mercado têm piores índices de cado, que como visto são as que en-
sobre a indústria de microfinanças. Em O fornecimento de crédito, de uma sustentabilidade e menor capacidade frentam desafios de sustentabilidade
forma geral, é uma atividade sujeita a de alavancar fundos, sendo que o es- financeira e tem um elevado alcance
dois problemas de difícil solução: a paço para avançar em direção a um em termos do número de beneficiados
1 Esse ponto é enfatizado em J. Conning, “Outreach,
assimetria de informação e os custos maior grau de viabilidade financeira, e em especial priorizam as mulheres em
sustainability and leverage in monitored and peer-
monitored lending” (Journal of Development Economics, de transação. Esses problemas são ain- seja via aumento da eficiência, seja sua carteira de clientes, tende a ser so-
1999), usando a mesma base de dados do Microbanking da maiores no caso do microcrédito. via um aumento das receitas financei- cialmente desejável dado um impacto
Bulletin, mas baseado em pesquisa realizada em 1998. A
A assimetria de informação ocorre ras, é limitado. significativo – e duradouro – sobre o
análise que segue, baseada na pesquisa de 2007, cobre
um número muito maior de instituições – cerca de dez quando o credor tem dúvida sobre al- Assim, na ausência de novos meca- bem-estar dos indivíduos mais pobres
vezes mais – e pode ser considerada assim mais robusta e guma característica ou escolha do de- nismos que permitam uma maior da sociedade.
representativa. vedor. Assim, por exemplo, o empresá- mitigação dos elevados custos de
2 7
Visão
do Desenvolvimento
nº 67 „ 3 jul 2009

Microfinanças: alcance
versus sustentabilidade
Por Antonio Marcos Pinto Ambrozio ma descentralizada por agências pú-
Economista da APE blicas, organizações não governamen-
tais (ONG´s) ou instituições financeiras
Se você quer receber os próximos números desta privadas, e geralmente é baseado em
Desafio é criar O desenvolvi- mecanismos não convencionais de se-
publicação envie e-mail para mecanismos mento das micro- leção de riscos e provisão de incenti-
visao.do.desenvolvimento@bndes.gov.br. economicamente
viáveis para
finanças é uma vos (discutidos adiante).
Embora o foco da operação seja a
das mais promis-
população de disponibilidade de microcrédito (ou
soras estratégias
menor renda
de combate à po- seja, oferta de crédito em pequena
breza mundial na atualidade. Embora escala), em muitos casos uma opera-
não haja uma definição precisa, ção de microfinanças envolve também
microfinanças tende a ser entendida na a disponibilidade de outros serviços, fi-
literatura como o financiamento de nanceiros e não financeiros, tais como:
projetos para pessoas que usualmente acesso à conta corrente, treinamento,
não teriam acesso ao mercado de cré- serviços educacionais e de saúde, en-
dito formal. A idéia básica é que po- tre outros.
breza não é incompatível com o po-
tencial empreendedor do indivíduo. Visão do Desenvolvimento é uma publica-
Desse modo, acesso ao crédito permi- ção da área de Pesquisas Econômicas (APE),
tiria que pessoas com forte restrição do Banco Nacional de Desenvolvimento Eco-
nômico e Social. As opiniões deste informe
de riqueza pudessem implementar pro- são de responsabilidade dos autores e não
jetos lucrativos, viabilizando assim um refletem necessariamente o pensamento da
administração do BNDES.
aumento – permanente – de sua ren-
da. O financiamento é provido de for-