Você está na página 1de 3

Como a dança deve ser abordada na

escola?

É importante compreender que no ambiente escolar, a dança não deve ser


disseminada como uma prática para o espetáculo.

Ela precisa ser trabalhada de uma maneira lúdica, permitindo que o aluno
descubra mais sobre seu próprio corpo e sobre o ambiente com o qual
interage.

É por meio do ato de dançar descontraidamente que a criança consegue


perceber o espaço ao seu redor, os colegas que dançam com ela, o ritmo e a
melodia da música que toca, o peso de seu próprio corpo, entre outros.

Ao longo das aulas, o professor atua como um mediador que propõe as


atividades e observa as crianças atentamente.

Assim, consegue identificar as características de cada uma delas, bem como


a maneira como reagem ao processo educativo.

Dentre os tópicos que podem ser propostos durante a prática da dança, é


possível estimular os alunos a ampliarem seus movimentos e descobrirem
variações destes.

Eles podem ser, por exemplo: firmes, leves, fortes, diretos, fluídos, expansivos,
lentos, etc.

Além disso, também é possível brincar com as diferentes emoções


adquiridas durante uma dança, bem como as formas para expressar os
sentimentos que vão surgindo como alegria, surpresa, frio, medo, amor,
serenidade, etc.
Ainda, como a dança constitui-se em um processo social, durante a interação
entre o grupo, os alunos ajudam uns aos outros nas descobertas e
aprendizados possíveis.

E é de extrema importância promover atividades coerentes com a turma e sua


realidade, associada às vivências de cada um.

Contribuições da dança na educação


infantil

A partir do que expusemos, indicamos algumas das principais contribuições


que as aulas de dança propiciam. São elas:

 descoberta do próprio corpo e das possibilidades de movimento;


 estímulo da criatividade e formas variadas de expressar sentimentos;
 ganho de autonomia e inteligência cinestésica-corporal;
 aumento da sensibilidade às experiências vivenciadas;
 obtenção de novas formas de olhar o mundo;
 desenvolvimento de coordenação motora, resistência, força,
flexibilidade, etc.;
 ampliação da autoestima;
 criação de elos afetivos e sociais;
 conhecimento sobre a cultura, a história e o mundo de maneira geral;
 construção de uma identidade individual.
Ou seja, proporcionar a dança na educação infantil é direcionar o processo
educativo para o desenvolvimento integral da criança, por meio do qual ela
pode agir e integrar a sociedade de uma forma mais flexível, inovadora e
responsável.
O que acha de fazer parte de uma jornada completa sobre o BNCC e os
campos de experiência? Confira aqui nossa jornada BNCC com a especialista
educacional, Janaina Spolidório.

Você também pode gostar