Você está na página 1de 24

Fundações Superficiais

Alfran Sampaio Moura, D.Sc.


Programa
1. Critérios de projeto
p j
2. Investigação geotécnica: interpretação
3 Capacidade de carga de fundações
3.
superficiais
4 R
4. Recalques
l d
de ffundações
d õ superficiais
fi i i
5. Dinâmica das fundações
6. Radiers: aspectos geotécnicos
Notas

Atividades + 1 prova individual

Bibli
Bibliografia
fi

Sugerida ao longo do curso


Critérios de Projeto

Alfran Sampaio Moura, D.Sc.


Fundação: Elemento transmissor dos esforços de uma
estrutura ao terreno, são peças enterradas que
intermediam entre a estrutura e o terreno.

Há estruturas que repousam diretamente no terreno


(aterros barragens,
(aterros, barragens pavimentos
pavimentos, etc) transmitindo os
esforços. A fundação é o próprio terreno que recebe os
esforços.
O engenheiro de fundações precisa adquirir conhecimentos
de:

- Cálculo estrutural: dimensionamento das peças


estruturais
- Geotecnia: mecânica dos solos e das rochas
No cálculo estrutural são feitas várias
considerações que não correspondem a realidade.
Eng Calculista
Eng.
concebe a
estrutura

Eng. de Fundações

dimensiona
as fundações
suposição:
apoios indeslocáveis - forças horizontais e verticais
- momentos nas fundações

H
M
V

recalque das fundações


Problema ? (hipótese de apoios indeslocáveis não é
válida)

Projeto de fundações recai Participação conjunta do


necessário
num pproblema de interação
ç Eng. Calculista e do Eng.
solo-estrutura de Fundações
VARIÁVEIS P/ AVALIAÇÃO DO
COMPORTAMENTO DAS FUNDAÇÕES (Gusmão
Filho,
, 1998))

TTerreno
rr n dde fund
fundação
ã DDomínio
míni de
d
Sistema Características do conhecimento
solo-fundação subsolo geotécnico
Peça de fundação

Não consideração das outras variáveis, podem resultar em


f d
fundações i
inseguras e anti-econômicas
i i
Sistema
SOLO-FUNDAÇÃO-ESTRUTURA:

Visão abrangente e
sistêmica que envolve a
peça estrutural, o solo e
sua interação
te ação co
com out
outras
as
variáveis

(Gusmão Filho, 1998)


Variável SUPERESTRUTURA

É possível projetar fundações c/ maiores recalques se o


sistema estrutural for avaliado e suportar esses recalques

Adoção de juntas p/ separação de carregamentos poderá


proporcionar fundações mais econômicas

(Gusmão Filho, 1998)


Variável INFRAESTRUTURA

Cada tipo de peça de fundação apresenta diferente mecanismo de


transferência de carga que resulta em deslocamentos diferentes

Estacas cravadas “compactam o terreno” ao contrário das


escavadas

Dimensões das peças alteram o desempenho

Solo é uma variável mandatória na escolha da solução e


condiciona o desempenho do sistema

(Gusmão Filho, 1998)


Exemplos de Questões que Condicionam a Solução e o Desempenho
do Sistema SOLO-FUNDAÇÃO
Ã

Perfil do terreno e do nível de incertezas que envolvem a


investigação geotécnica.

Identificação
çã de solos expansivos
p e colapsíveis
p í

Possibilidade de adotar técnicas de melhoramento do solo

(Gusmão Filho
Filho, 1998)
Variável ESPAÇO AMBIENTAL

Vizinhos

Erosões em leitos e margem de rios

Estabilidade de taludes

Movimentos de dunas

Formigas, cupis e micro-organismos (estacas de madeiras)


PREVISÕES

Na Eng. Civil toda decisão é baseada em previsões.

O engenheiro deve:

- Identificar as previsões necessárias


- Estimar a confiabilidade da previsão
- Utilizar a previsão no projeto e na construção
- Executar ações a partir de comparações de situações reais
com as previsões
(
(coleta de dados))

(uso da estatística)

(deslizamento, ruptura, etc)

(facilitada pela computação)

(gráfico, planta, etc)

Esquema do processo de previsão em Engenharia Geotécnica


Para realizar uma previsão deve-se fazer um “cruzamento”
entre:
- Métodos utilizados;

- Dados disponíveis.
100
100

80
acurácia

Método
60

M
40

20

0 100
Dados
a) Qual dos gráficos é aplicável?b)

Acurácia: medida da qualidade de uma previsão


Exercício 1: acurácia da previsão
- Blocos
- Sapatas
- Sapatas associadas
FFundações
d - Vigas de fundação
Diretas - Radiers
Tipos de
Fundações
Fundações - Estacas
Profundas - Tubulões
õ
- Caixões
Fundação direta x Fundação profunda

Cota de assentamento: < ou > 2.B

Transmissão dos esforços: base, lateral ou as duas?

Superfície de ruptura: Atinge a superfície ou não?


Tipos de Fundações Direta

Blocos: De concreto, dimensionado de modo que as tensões nele


produzidas possam ser resistidas pelo concreto sem a necessidade de
armadura Elemento de grande altura e utilizado para suportar cargas
armadura.
pequenas. Muito utilizado como fundações corridas (cargas
distribuídas) de pequenas edificações.

Sapatas: De concreto armado, é


necessário o emprego de armadura.
Altura inferior ao bloco.
bloco Utilizado
como fundações isoladas de prédios.

Sapatas
p associadas: Sapata
p qque
recebe vários pilares da obra. Usada
em pilares muito próximos.
Vigas de fundação: Sapata associada
que recebe vários pilares cujos centros, em planta, estão situados em
um mesmo alinhamento.

Grelha: Conjunto de vigas que se cruzam nos pilares.

Radiers: Concreto armado. Sapata associada com todos os pilares ou


carregamentos distribuídos (tanques, silos, etc). Viável quando a área
projetada de fundações
funda ões isoladas supera 60%
60%. Funda
Fundação
ão aproveitada como
piso.
Tipos de Fundações Profundas
Estacas: Elemento estrutural (madeira, aço ou concreto) esbelto que,
colocado
l d ou moldado
ld d no solo
l por cravação ou perfuração,
f transmite
i
cargas ao solo pela ponta, superfície lateral ou por uma combinação
das duas. Alternativa de fundação mais utilizadas em prédios altos.

Tubulões: De concreto armado, cilíndrico em que, pelo menos na sua


etapa final de escavação, há descida de operário. Executado a céu
aberto ou sob ar comprimido.
comprimido Pode ter ou não base alargada.
alargada

Caixão: Fundação profunda de forma prismática, concretado na


superfície e instalado por escavação interna.
interna Alternativa pouco
utilizada (não está mais na norma 6122/10).
 Fundações Mistas

 Aquelas que associam fundações superficiais e profundas.

Sapatas sobre estacas

Estaca T Estapata
Radiers estaqueados