Você está na página 1de 2

Ação de Formação: Técnico/a de Auxiliar de Saúde

Módulo/UFCD: Ler a Imprensa Escrita

Formador(a): Maria do Céu Xisto Data:

Atividade: ficha de trabalho nº 1 Avaliação:

Formando(a):

Jornais digitais
Leia atentamente os seguintes documentos:
Doc. 1 - Despedida digital
Continuo a achar que o jornal digital é o futuro e que pertenço a uma das
últimas gerações que venera o papel como suporte nobre da palavra. Daqui a 50
anos, nem a oferta de um faqueiro em ouro gravado com as iniciais do leitor poderá
levar os leitores de jornais, com as suas casas digitais e a sua informação integrada,
a comprar papel em vez de acender o ecrã.
Até uma leitora compulsiva de jornais como eu era, se tornou uma leitora de
jornais na net, e o New York Times dos domingos chega-me aos olhos sem que
tenha de ir a Nova Iorque. Continuo, apesar de tudo, a gostar do cheiro dos jornais.
E, quando vou a Nova Iorque, continuo a comprar os quilos do NY Times de
domingo mas, porque sou do antigamente, porque gosto do papel e de revistas e
porque gosto de o levar ao colo para o café. Um dia, os leitores de jornais em cafés
também desaparecerão, e todos os cafés serão internet cafés ou os seus avatares.
Os cafés literários são hoje, como sabemos, peças de museu para turista ver.
Ninguém escreve poesia e prosa ou faz tertúlia de café. Infelizmente. Com a morte
do café literário morre uma literatura mas, isso é outra conversa.
A net mudou o mundo e mudou-nos a nós. Também os jornais digitais têm de
se adaptar ou morrer porque mesmo estando certos com o seu tempo, têm como os
seus colegas escritos de combater a competição e tornarem-se mais atrativos do
que ela.
ALVES, Clara Ferreira – Despedida digital. Diário Digital. Lisboa. Abril de 2007. Texto com supressões.

Doc. 2 Peritos dizem que futuro do jornalismo é 'online'

O professor de jornalismo da Universidade do Texas (EUA) Rosental Calmon


Alves defendeu, na Universidade do Minho (UM), em Braga, que o futuro dos jornais
é online. Tudo porque a Internet é "um meio instantâneo indispensável" de acesso a
notícias, que "permite às pessoas ouvirem, verem e lerem o que querem, quando e
onde desejarem". O que, defendeu, está a afetar a vendas dos jornais em papel,
devendo agravar-se nos próximos anos.
"Pela primeira vez digo que há estudos que dão conta de que o jornalismo na Net
está afetando a circulação dos jornais nos EUA", afirmou, durante as jornadas
"Jornalismo Digital em Portugal - Estado da Arte e Cenários Futuros".

1
Rosental Calmon Alves sublinhou que os jornais devem investir na Internet,
em vez de "obter o lucro". O que passa pela publicidade, que está a crescer na Net,
segundo Ramón Salaverrí, diretor do Laboratório de Comunicação Multimedia
(MMLab), da Faculdade de Comunicação da Universidade de Navarra (Espanha).
Este investigador defendeu que "há uma massa crítica para sustentar a Net em
termos comerciais".
Para Ramón Salaverrí, estes dez anos foram de evolução e não revolução no
jornalismo digital. A título de exemplo, salientou que 20% dos europeus leem na Net,
11% nos jornais de papel e 8% nas revistas. Contudo, lamentou, o jornalista não
soube acompanhar esta evolução, pois não adaptou o seu método de trabalho.
"Não se pode trabalhar para online da mesma forma que para o papel, pois o
jornalismo digital tem uma nova linguagem ", afirmou. Para além da adaptação do
jornalista, ainda é "preciso pesquisa, formação orientada para a Internet e
investimento da parte das empresas", defendeu.
Segundo Ramón Salaverrí, as empresas ainda não estão a investir na
contratação de um número elevado de jornalistas. O investigador avançou que, de
acordo com estudos, "o volume de negócios da Internet vai ultrapassar o da
televisão no mundo,(…)".
Se, nos dez últimos anos, foram os jornais que tiveram maior impacto na Net,
Ramón Salaverrí crê que, no futuro, serão os meios audiovisuais, como a televisão,
a "evoluir rapidamente" e a ganhar primazia.
Luís António Santos, docente do Departamento de Ciências da Comunicação da
UM, concluiu que as jornadas apontaram a importância de mudar a formação do
jornalista.
Por isso mesmo, a UM está a preparar a reestruturação do curso de
Comunicação Social, de olhos postos no digital, e, no próximo ano é lançado o
mestrado de Comunicação Audiovisual e Multimédia.
In,DN 04 Junho 2005

1. Comente o seguinte excerto, do documento 2: “O jornalista não soube


acompanhar esta evolução, pois não adaptou o seu método de trabalho. Não
se pode trabalhar para online da mesma forma que para o papel.”

2. Os jornais online começam a ocupar um lugar de destaque nos órgãos de


comunicação social, considera-se adepto deste meio de informação? Refira
as vantagens e desvantagens dos jornais e do jornalismo online.

3. Considera que os jornais digitais irão substituir os jornais em papel, tornando-


os uma “página virada” na nossa história. Justifique a sua resposta.