Você está na página 1de 2

H A L E I J =

R
A ersteingh o
a imes

PÁGINAS AMPLIADAS.
O LIVRO-REPORTAGEM COMO EXTENSÃO
DO JORNALISMO E DA LITERATURA.
Autor: Edvaldo Pereira Lima
São Paulo: Manole, 2004

Resenhista

Roberto Araújo
Jornalista e Professor do IMES

O jornalismo precisa redescobrir Em essência, o que Páginas am- Um dos principais exemplos
o valor da reportagem. A conclu- pliadas nos oferece é a oportuni- desse relacionamento, o escritor
são é praticamente inevitável para dade de revisitar a história do Ernest Hemingway, chegou certa
quem lê a nova edição de Páginas jornalismo e sua proximidade com vez a atribuir seu sucesso como
ampliadas – o livro-reportagem como a literatura. Uma viagem que come- escritor à experiência jornalística
ça a partir do momento em que o adquirida no início de carreira.
extensão do jornalismo e da literatu-
texto jornalístico evolui da notícia Como nos faz concluir o profes-
ra, do professor Edvaldo Pereira
para a reportagem e vai buscar ins- sor Edvaldo, ora o jornalismo ins-
Lima. Enquanto o mercado editori-
piração na arte literária. pirou-se na literatura, ora ocorreu
al tem sido brindado nos últimos o contrário.
anos com inúmeros e bem-sucedi- O recuo no passado dá a ver-
A interação entre as duas for-
dos títulos na modalidade livro-re- dadeira dimensão desse casamen-
mas de expressão foi resgatada na
portagem, a reportagem como to, mais evidente no Brasil entre
última metade do século 20 pela
1850 e os primeiros anos do sé-
gênero jornalístico perdeu consis- ousadia experimental do new
culo 20. Como ressalta o autor,
tência nas redações, regidas cada journalism, corrente americana bem-
seja por razões de subsistência ou sucedida na missão de sofisticar a
vez mais por premissas industriais
para buscar um canal de aprimora- narrativa jornalística – esta já assen-
e comerciais e embriagadas por
mento de sua arte, muitos escrito- tada nas características do jornalis-
esses tempos de informação on
res fizeram escala no jornalismo. mo interpretativo, como evolução
time. Não que a obra de Edvaldo
Machado de Assis iniciou sua vida da reportagem nos aspectos de
Lima tenha o propósito de discutir
profissional como aprendiz de ti- contextualização, compreensão
esse paradoxo – mas seu conteú- pógrafo e revisor. Muitos outros das causas e efeitos de um fato e
do, tomado como traçado preciso escritores consagrados, como humanização nos relatos.
da evolução das técnicas jornalís- Manuel Antônio de Almeida e José O novo jornalismo teria aberto os
ticas como forma de expressão e de Alencar, também trabalharam em horizontes para o refinamento da
de conhecimento, nos leva também jornal. No exterior, os casos tam- narrativa, primeiramente em publi-
a refletir sobre o tema. bém são inúmeros. cações periódicas e depois no li-
49
janeiro/junho-2004
C omunicação A
R ersteinghoa

vro-reportagem. No Brasil, como Edvaldo Lima. Títulos como Olga, de comparável ao romance de ficção
registra Páginas Ampliadas, o novo Fernando Morais, Estação Carandiru, ainda oferece terreno para níveis
jornalismo teria influenciado dois de Drauzio Varella, e a Ditadura Es- ainda mais sofisticados do ponto
veículos lançados em 1966 – a re- cancarada, de Elio Gaspari, só para de vista estético. E deixa entrever
vista Realidade, decantada como a ficar em alguns dos vários bons que o fórum para o melhor enten-
grande escola da reportagem mo- exemplos, mostram o potencial do dimento da função do livro-repor-
derna, e o Jornal da Tarde. Pena que livro-reportagem. tagem e pavimentação dos
do movimento pouco ou quase Quando se apropria dos recur- caminhos que podem levá-lo a no-
nada podemos identificar na im- sos estilísticos da literatura, o que vos estágios é aquele formado
prensa atual. Realidade não existe ele tem a oferecer ao público é a pelo público acadêmico – profes-
mais, e o Jornal da Tarde há muito compreensão dos tempos atuais
sores, pesquisadores e estudan-
abandonou a proposta estética de maneira saborosa, semelhante
tes – e pelos profissionais de
renovadora que pautou seu nasci- ao prazer alcançado na leitura de
imprensa, literatura, editoração, his-
mento. Talvez o JT também tenha um bom romance de ficção. Não é
tória, psicologia e ciências sociais.
recuado diante das premissas difícil, portanto, concluir que o li-
mercadológicas que direcionam o vro-reportagem, como modalidade No que diz respeito aos jornalis-
jornalismo nos dias de hoje. de comunicação jornalística, tem tas, cabe acrescentar que a gran-
O estágio atingido nos últimos espaço próprio no contexto da de viagem ao universo jornalístico
anos pelo livro-reportagem expõe indústria cultural, podendo se proporcionada pelo livro de
novamente a relação do jornalismo posicionar como a literatura da Edvaldo pode suscitar a retomada
com o campo literário e reforça o realidade. do apreço por um gênero um tan-
caráter da reportagem aprofundada Mas Edvaldo Lima propõe esti- to esquecido nas redações: a re-
como instrumento de conhecimen- mular a visão de que mesmo o li- portagem profunda, completa,
to, conforme destaca o livro de vro-reportagem com qualidade ampliada.

50
janeiro/junho-2004