Você está na página 1de 3

Questões de Sociologia – CULTURA(S) – Introdução

Mas de repente me acordei com a


1 – (ENEM, 2002) surpresa:
I Uma esquadra portuguesa veio na
praia atracar.
De grande-nau,
Um branco de barba escura,
Vestindo uma armadura me apontou
idade para me pegar.
De acordo com a história em E assustado dei um pulo da rede,
quadrinhos protagonizada por Pressenti a fome, a sede,
Hagar e seu i lho Hamlet, pode-se ai Eu pensei: “vão me acabar”.
afirmar que a postura de Hagar: Levantei-me de Borduna já na mão.
(A) valoriza a existência da Aí, senti no coração,
diversidade social e de culturas, e O Brasil vai começar.
as várias representações e
explicações desse universo. NÓBREGA, A; FREIRE,W. CD
(B) desvaloriza a existência da Pernambuco falando para o mundo,
diversidade social e as várias 1998.
culturas, e determina uma única
explicação para esse universo. A letra da canção apresenta um
(C) valoriza a possibilidade de tema recorrente da história da
explicar as sociedades e as culturas colonização brasileira, as relações
a partir de várias visões de mundo. de poder entre os portugueses e
(D) valoriza a pluralidade cultural e povos nativos, e representa uma
social ao aproximar a visão de crítica à ideia presente no mito:
mundo de navegantes e não- (A) da democracia racial, originado
navegantes. das relações cordiais estabelecidas
(E) desvaloriza a pluralidade cultural entre portugueses e nativos no
e social, ao considerar o mundo período anterior ao início da
habitado apenas pelos navegantes. colonização brasileira.
(B) da cordialidade brasileira,
2 – (ENEM, 2010) advinda da forma como os povos
Chegança nativos se associaram
Sou Pataxó, economicamente aos portugueses,
Sou Xavante e Carriri, participando dos negócios coloniais
Ianomâni, sou Tupi açucareiros.
Sou Pancaruru, (C) do brasileiro receptivo, oriundo
Carijó,Tupinajé, da facilidade com que os nativos
Sou Potiguar, sou Caeté brasileiros aceitaram as regras
Ful-ni-ô Tupinambá. impostas pelo colonizador, o que
Eu atraquei num porto seguro, garantiu o sucesso da colonização.
Céu azul, paz e ar puro... (D) da natural miscigenação,
Botei as pernas pro ar. resultante da forma como a
Logo sonhei que estava no paraíso metrópole incentivou a união entre
Onde nem era preciso dormir para colonos, ex-escravas e nativas para
sonhar. estabelecer o povoamento da
colônia.
(E) do encontro, que identifica a
colonização portuguesa como

2
pacífica em função das relações de a dimensão do território e a
troca estabelecidas nos primeiros infinidade de ingredientes. Percebe-
contatos entre portugueses e se que o segredo da cozinha
nativos. brasileira e a mistura com
ingredientes e técnicas indígenas. E
3. (Enem – 2015 – 1a aplicação) Em esse o elemento que a torna
sociedade de origens tão autentica.
nitidamente personalistas como a
nossa, e compreensível que os POMBO, N. Cardapio Brasil. Nossa
simples vínculos de pessoa a História, n. 29. mar. 2006
pessoa, independentes e ate (adaptado).
exclusivos de qualquer tendência
para a cooperação autentica entre O processo de formação identitária
os indivíduos, tenham sido quase descrito no texto esta associado a
sempre os mais decisivos. As a) imposição de rituais sagrados.
agregações e relações pessoais, b) assimilação de tradições
embora por vezes precárias, e, de culturais.
outro lado, as lutas entre facções, c) tipificação de hábitos
entre famílias, entre regionalismos, comunitários.
faziam dela um todo incoerente e d) hierarquização de conhecimentos
amorfo. O peculiar da vida brasileira tribais.
parece ter sido, por essa época, e) superação de diferenças
uma acentuação singularmente etnorraciais.
enérgica do afetivo, do irracional, do
passional e uma estagnação ou 5. (Enem – 2014 – 1a aplicação)
antes uma atrofia correspondente Parecer CNE/CP n° 3/2004, que
das qualidade ordenadoras, instituiu as Diretrizes Curriculares
disciplinadoras, racionalizadoras. Nacionais para a Educação das
Relações Etnico-Raciais e para o
HOLANDA, S. B. Raízes do Brasil. Ensino de Historia e Cultura Afro-
Sao Paulo: Cia. das Letras, 1995. Brasileira e Africana. Procura-se
oferecer uma resposta, entre outras,
Um traço formador da vida publica na área da educação, a demanda
brasileira expressa--se, segundo a da população afrodescendente, no
análise do historiador, na a) rigidez sentido de políticas de ações
das normas jurídicas. afirmativas. Propõe a divulgação e a
b) prevalência dos interesses produção de conhecimentos, a
privados. formação de atitudes, posturas que
c) solidez da organização eduquem cidadãos orgulhosos de
institucional. seu pertencimento etnico-racial —
d) legitimidade das ações descendentes de africanos, povos
burocráticas. indígenas, descendentes de
e) estabilidade das estruturas europeus, de asiáticos — para
políticas. interagirem na construção de uma
nação democrática, em que todos
4. (Enem – 2016 – 2a aplicação) igualmente tenham seus direitos
Simples, saborosa e, acima de tudo, garantidos.
exótica. Se a culinária brasileira tem
o tempero do estranhamento, esta BRASIL. Conselho Nacional de
verdade decorre de dois elementos: Educação. Disponível em:

2
www.semesp.org.br. Acesso em: 21
nov. 2013 (adaptado).

A orientação adotada por esse


parecer fundamenta uma política
publica e associa o principio da
inclusão social a

a) práticas de valorização
identitária.
b) medidas de compensação
econômica.
c) dispositivos de liberdade de
expressão.
d) estratégias de qualificação
profissional.
e) instrumentos de modernização
jurídica.

Gabarito
1-B
2-E
3-B
4-B
5-A