Você está na página 1de 31

EREM Professora Marilene Chaves

Tabela Periódica.

Profª. Albertina Vieira


Organização da tabela periódica.
Pense um pouco
Um pequeno abalo sísmico Agora imagine, se você
bagunçou todos os botões do recebe a missão de
armarinho do seu tio. Você ficou classificar as rosas de
encarregado de reorganizá-los sem um roseiral enorme.
ter visto a organização anterior e
sem a supervisão de seu tio. O que
fazer?
Imagine a mesma situação numa
loja de parafusos.

Profª. Albertina Vieira


Organização da tabela periódica.
O que você pensou???
Certamente pensou em Problema como este cultivou
alguns critérios para a a curiosidade de muitos
classificação como: cientistas, a fim de classificar
tamanho, modelo, cor, os elementos químicos.
material, marca para os Que critérios adotar para a
botões e parafusos. classificação desses
No caso das rosas deve ter elementos?
pensado em cor, cheiro,
Foram várias tentativas até
modelo da pétala, etc.
se chegar a uma ideia que é
aceita a alguns séculos.
Profª. Albertina Vieira
Histórico da Tabela Periódica

Profª. Albertina Vieira


Histórico da tabela periódica.
Algumas tentativas de classificar os elementos químicos.

• 1829 - Tríades de Dobereiner

• 1862 - Parafuso Telúrico de De


Chancourtois

• 1864 - Lei das Oitavas de


Newlands
Profª. Albertina Vieira
Histórico da tabela periódica.
1829 - Tríades Dobereiner
• A primeira tentativa de classificação deve-se ao alemão
Johann Wolfgang Döbereiner, em 1829. Döbereiner
observou que a massa atômica de um correspondia,
aproximadamente,à medida da aritmética de outros
dois.

Profª. Albertina Vieira


Histórico da tabela periódica.
1862 - Parafuso Telúrico de De Chancourtois
O geólogo francês A. E.
Beguyer de Chancourtois
propôs uma organização dos
elementos em ordem
crescente de suas massa
atômicas, dispostas em uma
estrutura tridimensional. Os
elementos com
propriedades semelhantes
eram posicionados na mesma
linha vertical.
Profª. Albertina Vieira
Histórico da tabela periódica.
1864 - Lei das Oitavas de Newlands
Newlands ordenou os elementos em colunas e em ordem
crescente de pesos atômicos., sugerindo que as semelhanças se
repetiam de modo análogo às notas musicais.

Profª. Albertina Vieira


Histórico da tabela periódica.
Mendeleev e Meyer
Dimitri Mendeleev Lothar Meyer
Foi um químico russo muito famoso. É Químico e médico alemão, nasceu a 19
considerado pela comunidade de agosto de 1830, em Varel, na
científica um dos maiores gênios da Alemanha, e faleceu a 12 de abril de 1895,
química. Mendeleev nasceu em em Tubinga.Estudou em Zurique, na
Tobolsk, na Sibéria, em 1834. Suíça, e em várias universidades alemãs.
Doutorou-se na Universidade de São Foi professor de química na Karlsruhe
Petersburgo, onde começou a lecionar Polytechnic e na Universidade de
em 1866. Tubinga, onde lecionou até ao final da
sua vida.

Profª. Albertina Vieira


Histórico da tabela periódica.
A Classificação de Mendeleev e a de Lothar Meyer
Ambos dispuseram os elementos em colunas (verticais), em ordem
crescente de pesos atômicos, de modo que os elementos situados em
uma mesma horizontal apresentassem propriedades semelhantes.
Quando necessário, deixaram espaços vazios, de tal forma que as
linhas só contivessem elementos de propriedades químicas
semelhantes. 

Embora o critério de construção das duas tabelas fosse o mesmo


(ordem crescente dos pesos atômicos), Meyer baseou-se
principalmente nas propriedades físicas dos elementos, e Mendeleev,
nas propriedades químicas. 

Profª. Albertina Vieira


Histórico da tabela periódica.
A Classificação de Mendeleev e a de Lothar Meyer
Em que pese o mérito de Lothar Meyer, o trabalho desenvolvido por Mendeleev
acabou impressionando muito mais não só pela divulgação anterior, mas
principalmente pela segurança e coragem do genial cientista russo. Além disso,
Mendeleev conseguiu prever o surgimento de novos elementos.

Profª. Albertina Vieira


Classificação atual dos
elementos químicos

Profª. Albertina Vieira


Classificação atual dos elementos químicos

Períodos ou Séries
São as filas horizontais da tabela periódica.
São em número de 7 e indicam o número de níveis ou
camadas preenchidas com elétrons.

Profª. Albertina Vieira


Classificação atual dos elementos químicos

Períodos ou Séries
• Atualmente existem sete períodos, e o número de
períodos corresponde à quantidade de níveis (camadas)
eletrônicos que os elementos químicos apresentam, que,
por convenção, são indicados pelas letras: K, L, M, N, O, P
e Q.
• Veja alguns exemplos:
4Be : 2 - 2 2 camadas eletrônicas (K e L):

K L 2º período

Profª. Albertina Vieira


Classificação atual dos elementos químicos

Períodos ou Séries
13 Al: 2 - 8 - 3 3 camadas eletrônicas (K, L e M):
3º período
K L M

Profª. Albertina Vieira


Classificação atual dos elementos químicos

Famílias ou Grupos
São as colunas verticais da Tabela Periódica.
Em um Grupo ou Família encontram-se elementos com propriedades
químicas semelhantes. Para os Elementos Representativos, o nº do
Grupo representa o nº de elétrons da última camada (camada de
valência).

Profª. Albertina Vieira


Classificação atual dos elementos químicos

Famílias ou Grupos

Profª. Albertina Vieira


Elemento químico

Profª. Albertina Vieira


Classificação atual dos elementos químicos

Elementos químicos

Profª. Albertina Vieira


Classificação atual dos elementos químicos

Elementos químicos
Os elementos químicos são representados por letras
maiúsculas se tiver a segunda será minúscula. Uns têm seus
nomes de origem latina outros em homenagens a grandes
cientistas
Português Latim Símbolo
Chumbo Plumbum Pb
Potássio Kalium K
Nome Homenagem Símbolo
Cúrio Marie Curie Cm
Seabórgio Glenn Seaborg Sg
Mendelévio Dimitri Mendeleev Md Profª. Albertina Vieira
Propriedades Periódicas

Profª. Albertina Vieira


Propriedades periódicas

Raio Atômico
É a distância que vai do núcleo do átomo até o seu elétron
mais externo. Inclui os gases nobres.
O elemento químico que possui maior raio atômico é o Césio (Cs).

*Quanto maior o nº de camadas


maior o raio atômico.

**Quanto mais prótons tiver no


núcleo maior a força de atração
entre os elétrons e menor o raio
atômico.

Profª. Albertina Vieira


Propriedades periódicas
Eletronegatividade
É a capacidade que um átomo tem de atrair elétrons (ametais).
Varia da esquerda para a direita e de baixo para cima, esta propriedade
nos gases nobres é tão baixa que é desconsiderada.
O elemento mais eletronegativo da tabela periódica é o Flúor (F). Por
outro lado, o Césio (Cs) e Frâncio (Fr) são os elementos menos
eletronegativos.
*Quanto menor o nº de
camadas menor o raio atômico e
consequentemente, maior
atração entre os elétrons.

**Quanto mais prótons tiver no


núcleo maior a força de atração
entre os elétrons.

Profª. Albertina Vieira


Propriedades periódicas
Eletropositividade
É a capacidade que um átomo tem de perder elétrons
(metais).
Varia da direita para a esquerda e de cima para baixo e
também é desconsiderada nos gases nobres.
*Quanto maior o nº de camadas,
mais elétrons possuirá e terá
mais facilidade para perder
elétrons.

**Quanto menos prótons tiver


no núcleo menor a atração entre
os elétrons e mais facilidade
para perder elétrons.
Profª. Albertina Vieira
Propriedades periódicas
Eletroafinidade
É a energia liberada quando um átomo recebe um
elétron. Não inclui os Gases Nobres, pois tem a
quantidade limite de elétrons na última camada.
O elemento químico que possui maior afinidade eletrônica é o Flúor (Fl).
*Quanto menor o nº de
camadas menor a quantidade de
elétrons e mais facilidade de
receber elétrons.

**Quanto menor o raio mais


atração terá sobre os elétrons e
consequentemente mais
facilidade de receber elétrons
Profª. Albertina Vieira
Propriedades periódicas
Eletroafinidade
A escala de eletronegatividade

A eletronegatividade é crescente no sentido da seta. Temos um


memorando que pode auxiliar na memorização desta escala:

As letras em destaque representam os elementos em escala


decrescente de eletronegatividade.
Profª. Albertina Vieira
Propriedades periódicas

Potencial de Ionização
É a energia necessária para arrancar um elétron de um átomo, no
estado gasoso, transformando-o em um íon gasoso. Varia como a
eletronegatividade e inclui os gases nobres. A segunda ionização
requer maior energia que a primeira e, assim, sucessivamente.

*Quanto menor o nº de camadas


menor o raio atômico e
consequentemente, maior atração
entre os elétrons, o que dificulta a
retirada de elétrons.

**Quanto mais prótons tiver no núcleo


maior a força de atração entre os
elétrons o que dificulta a retirada de
elétrons.
Profª. Albertina Vieira
Propriedades periódicas

Resumindo

Profª. Albertina Vieira


Metais e ametais

Profª. Albertina Vieira


Metais e ametais
Metais
- Eletropositivos
- Sólidos; exceto o Hg (25°C, 1atm);
- Brilho característico;
- Dúcteis (fios);
- Maleáveis (lâminas);
- São bons condutores de calor e eletricidade.

Profª. Albertina Vieira


Metais e ametais
Ametais
-Eletronegativos;
-Quebradiços;
-Opacos;
-Formam Compostos Covalentes (moleculares);
- São Péssimos Condutores de Calor e Eletricidade (exceção
para o Carbono).

Profª. Albertina Vieira