Você está na página 1de 8

Página 1

Estudos Culturais Comparados: Perspectivas Européias e Latino-Americanas 9: 27-34, 2020


DOI: 10.13128 / ccselap-11847 | ISSN 2531-9884 (online)

Artigo

O Rumba Ritmo de Resistência Cultural

V ICENTE R OBINSON E CHEVARRíA


Universidade Agrária de Havana

Resumo. O estudo a seguir tem como objetivo expor a importância da Com-


Complexo da Rumba, que surgiu em Cuba no século 19, não apenas para a cultura cubana
mas também como ritmo de resistência dos setores populares do país central.
palmente dos descendentes de africanos, que através da rumba assumiram
posições de defesa de sua identidade, seu sentido de pertencimento como setores populares
lares e mais oprimidos, seu cubano, as características desse complexo do
Música cubana formada por vários gêneros, sua origem, a forma de dançar, o instrumento
mentos que são usados enfatizando o guaguancó como o gênero mais conhecido
fazem em todo o país e mais praticadas, as figuras artísticas mais reconhecidas são apontadas
e que eles contribuíram para a promoção da rumba nacional e internacionalmente e o
diferentes espaços como cinema, televisão, teatro. A apresentação se refere a
a relação entre a cidade-porto e a migração de hispânicos e africanos
nos trouxe como escravos para a Ilha e que em um intercâmbio cultural seus descendentes
Eles criaram um dos ritmos mais proeminentes da pauta musical cubana, mas
que contribuiu para a identidade do povo cubano e para desenvolver laços entre os
outros praticantes pertencentes às classes despossuídas, o caráter do
profano de ritmo. Para o estudo, foi utilizada uma bibliografia de diferentes autores a partir de
tocou nos diferentes estúdios do Complexo Musical Rumba.

Palavras-chave: complexo da Rumba, Guaguancó, Yambú e Columbia.

Resumo. O estudo a seguir tem como objetivo expor a importância da Rumba


Complexo, que surgiu em Cuba no século 19, não apenas para a cultura cubana
mas também como um ritmo de resistência dos setores populares do país principalmente do
descendentes de africanos, que através da rumba assumiram posições de defesa
de sua identidade, seu senso de pertencimento como setores populares e mais oprimidos, seu
Cubana, as características desse complexo da música cubana formado por diversos gêneros,
sua origem, a forma de dançar são tratadas, os instrumentos que são utilizados enfatizando
o guaguancó como gênero mais conhecido em todo o país e mais praticado,
as figuras artísticas mais reconhecidas que contribuíram para a divulgação da rumba na
a nível nacional e internacional e os diferentes espaços como o Cinema, a televisão
sessão, teatro. O artigo refere-se à relação entre a cidade-porto e os migrantes.
de hispânicos e africanos trazidos como escravos para a Ilha e que de uma forma cultural
o intercâmbio de seus descendentes criou um dos ritmos mais proeminentes da cultura cubana
pauta musical, mas que contribuiu para a identidade do povo cubano e para o desenvolvimento
ligações entre os setores praticantes pertencentes às classes despossuídas, os profanos
a natureza do ritmo também está relacionada. Para o estudo, usamos uma bibliografia de diferentes
autores destacados nos estudos do Complexo Musical da Rumba diferentes.
Palavras-chave: Complexo da Rumba, Guaguancó, Yambú e Columbia.

Copyright © 2020 o (s) autor (es). Acesso livre. Isso em um artigo de acesso aberto publicado pela Firenze University
Imprensa (www.fupress.net/index.php/ccselap) e distribuída sob os termos do Creative Commons Attri-
Licença Internacional do bution 4.0 . A isenção de Dedicação ao Domínio Público Creative Commons se aplica aos dados
disponibilizados neste artigo, salvo indicação em contrário.

Página 2

28 Vicente Robinson Echevarría

1. introdução

Dentro do complexo genérico da música cubana, Rumba tem um excelente


presença na música, dança e canto, considerada um gênero popular tradicional da
Raízes africanas com influências hispânicas.
O estudo a seguir tem como objetivo afirmar a importância desse ritmo na
cultura popular tradicional cubana e a atualidade da prática dos portadores tradicionais
cionais 1 , presentes nos diferentes espaços de Cuba.
Ritmo espontâneo de aldeia, praticado em espaços díspares ...
Eu formo a rumba ”, como aponta o Dr. Virtudes Feillu, fazendo referências à voz
popular “… infere que se inicia uma festa ou folia popular, a frase é muito comum em
gíria contemporânea, no entanto, se analisarmos o termo rumba chegaremos ao
conclusão de que é um gênero cantável e dançante, mas, acima de tudo, é um
festival musical. Isso não significa que, de fato, a execução de uma rumba não
local à convocação espontânea dos vizinhos do local, em um momento improvisado
expressão e alegria popular ”, como bem expressa V. Feillu a Rumba é a música que
acompanha festas caseiras, festas populares, que tem acompanhado o
Os cubanos em diferentes atividades de seu cotidiano, tanto de caráter político quanto cultural.
tural, a palavra infere um clima de festa, de alegria, de abandono de problemas e
É verdade, mas também é um gênero musical de resistência cultural.
Nas pausas do trabalho, no alvoroço dos lotes ou animando os jogos do
dominó, a rumba está presente em seu caráter patrimonial, em suas canções que narram o
cotidiano, que vêm à memória histórica para homenagear o papel de destaque
características da história torna seu estudo necessário devido à sua importância cultural na
mação da identidade cubana e para a qual como manifestação cultural desde a sua origem
ele tem um grande senso de pertencimento aos setores populares.
O ritmo se origina no século XIX nas áreas adjacentes ao porto de Havana,
Matanzas e Santiago de Cuba, bem como as zonas de bateyes dos engenhos açucareiros,
têm a cena de origem e prática principal do gênero, portanto, seu estudo não é posi-
sem se referir à presença africana e hispânica, o primeiro escravizou o segundo
livre, mas que compartilhava um espaço geográfico urbano-rural com atributos diferentes,
trocas culturais e papéis que Fernando Ortiz 2 conceituou como transculturação 3 .
A importância do gênero não se limita à tradição e prática popular de um
visão artística do ritmo, desenvolveram-se excelentes expoentes do gênero que levaram a
dança e canto rumbero para a mídia como rádio, televisão, cinema, teatro, passeios
o gênero por etapas da Europa e América contribuindo para a internacionalização
ritmo e seu reconhecimento mundial.
Declarado o complexo rítmico pela UNESCO em novembro de 2016, como Patri-
Mony Cultural Intangible of Humanity, alcançou um posto muito relevante no panorama

1 Portadores tradicionais: aqueles sujeitos ou grupos que refletem e transmitem valores culturais são assim chamados
estertores das gerações que o precederam.
2 Fernando Ortiz: Advogado cubano, etnógrafo e antropólogo, realizou estudos socioculturais que permitiram a

importante desenvolvimento da Antropologia no país.


3 Transculturação: falamos de Transculturação para nos referir a um processo de substituição em que uma sociedade

Gradualmente adquire grande parte de uma nova cultura e a assimila, deixando de lado o
costumes e identidade cultural que tradicionalmente a caracterizaram.

Estudos Culturais Comparados: Perspectivas Européias e Latino-Americanas 9: 27-34, 2020


Página 3

O Rumba Ritmo de Resistência Cultural 29

Ramo artístico cubano, um ritmo que não é apenas uma manifestação cultural, mas também a
a rumba é o ritmo da resistência cultural.
O seguinte objetivo é proposto para este trabalho: Explicar a importância de
complexo da rumba no processo de formação da identidade cubana, não apenas como
ritmo musical, mas também como forma de resistência.

2. Desenvolvimento

2.1 Origem da Rumba

A origem deste complexo genérico da música cubana está emoldurada no século 19,
principalmente nas cidades de LaHabana, Matanzas e Santiago de Cuba.
A presença negra de homens e mulheres escravos e livres, junto com a população
predominantemente brancos espanhóis e descendentes de ambos os grupos étnicos nascidos
na ilha provocou os processos de transculturação definidos por F. Ortiz, onde
Os diferentes sujeitos sociais, portadores de uma cultura, participaram e trocaram suas
conhecimentos, habilidades, hábitos, práticas religiosas, sentimentos, a cultura de empoderamento que
identificados, para expressar uma nova realidade cultural em seu ambiente.
O aumento das atividades econômicas nos centros urbanos exigiu uma
aumento do trabalho que se resolve com o trabalho escravo de homens jovens e fortes,
usados como estivadores, nas obras que eram realizadas nos centros urbanos,
Além disso, deve-se levar em consideração a presença de escravos domésticos, onde o
mulheres banidas.
Os sítios de cultivo foram desenvolvidos em torno dos centros urbanos, onde
obtinham-se variadas produções agrícolas, desde madeira, pecuária, frutas, para abastecimento.
nistrare para a cidade.
Na própria cidade, foram realizadas diversas atividades de serviço com
escravos e negros livres que participavam desses trabalhos.
Esta situação gerou um crescimento demográfico nestes espaços em constante
inter-relação dos sujeitos que geralmente chegam pelos portos, foi neste
cena primária das relações interculturais que dá origem ao complexo genérico de
Rumba que constitui um ritmo urbano e profano 4 .

2.2 Características da Rumba

Como foi proposto, Rumba é um gênero de música urbana tradicional com raízes
Mulheres africanas onde predomina o uso de instrumentos de percussão constituem uma família
de gêneros musicais com certas características de cada um deles:

• Guaguancó, o gênero quintessencial de Havana.


• Yambú.
• O Columbia mais praticado em Matanzas.

4Ritmo profano: ritmo musical que não corresponde aos cantos e danças religiosas, muito comum no
religiões de origem africana.

DOI: 10.13128 / ccselap-11847 | ISSN 2531-9884 (online)


Página 4

30 Vicente Robinson Echevarría

2.2.1 Instrumentos Rumba

Três tumbadoras estão incluídas (este tambor é criado em Cuba), chaves são usadas, bon-
vai, pailas, às vezes numa rumba improvisada que é muito comum, usam-se cajones,
Colheres, guatacas, é a chamada rumba de cajón.

2.2.2 O guaguancó

É o gênero mais elaborado em termos de seus textos, música e dança. A dança do gua-
guancó representa o desejo do homem em sua masculinidade para com a mulher, o homem tenta
possuí-la, dominá-la, seduzi-la, em seu apetite sexual, ele tenta possuí-la em movimentos
erótica, a mulher foge, mas com gestos sedutores, provocantes, sensuais que fazem
a dançarina que a perseguia durante a apresentação dançava.
O bailarino faz piruetas, acrobacias e brinca com um lenço que mantém em movimento.
enquanto a mulher finge não se importar e se diverte muito bem de outras maneiras
representado na linguagem da dança que executa acompanhado pelos coros e canções de
os solistas

2.2.3 The Columbia

Tradicionalmente dançado por homens, considera-se que tem um ori-


gênero rural, com textos que incluem palavras africanas, os bailarinos o fazem com
um copo na cabeça para ficar ereto, às vezes ele dançava com
facões nas mãos ou facas. Grande habilidade é necessária para sua execução e
equilíbrio corporal.

2.2.4 O Yambú

Atualmente a prática é realizada apenas por grupos profissionais que representam


performances artísticas, uma vez que a prática do gênero está em declínio.
Rumba é uma música viva que se nutre do presente, do cotidiano, do
praticando assuntos sociais.
Diferentes autores definem a Rumba como:

V. Feillu “Trata-se de um gênero cantável e dançante, mas acima de tudo é uma manifestação
ção musical. É um dos gêneros mais importantes do nosso legado de dança musical,
que tem variantes conhecidas como yambú, guaguancó e Columbia, por isso
que é chamado de complexo de rumba.
Rumba é um gênero de música tradicional que se originou em Cuba durante o século
XIX com raízes africanas é considerada a mãe de muitos ritmos e danças latinas ”.
Ramón Díaz: “A rumba é de origem africana com influências espanholas, a inicia-
os escravos recém-libertados inicialmente correram para bateyes rurais e aldeias entre os
Havana e Matanzas ”.
Helio Orobio: “O gênero cantável e dançante nasceu do lado afro-espanhol do concón
traço especial do primeiro elemento, teve sua origem no cenário urbano onde a população
a humilde região negra (quartéis, lotes) e o semi-rural em torno dos engenhos.
rios. É música profana ”.

Estudos Culturais Comparados: Perspectivas Européias e Latino-Americanas 9: 27-34, 2020

Página 5

O Rumba Ritmo de Resistência Cultural 31


Como afirmam os autores, a rumba é um ritmo autenticamente cubano onde
As contribuições hispânicas e africanas se entrelaçam, oriundas das mais humildes e des-
possuía, daí seu caráter popular, um ritmo criado nas áreas urbanas que perdura até
os dias atuais.
O gênero musical inclui suas canções e danças de profundas raízes populares, um gênero
tradicional, contextualizada no tempo, na sua prática e criatividade.

3. A rumba e seus cultistas

A rumba constitui uma manifestação musical de grande importância na prática da


caráter tradicional e popular do povo cubano, ainda que durante o século XIX, nas cidades
como Havana e Matanzas, os chamados coros derumba animavam as canções com suas canções.
nas ruas nos feriados, hoje todo o país vibra a rumba, porque não há uma única comunidade
comunidade que não possui portadores do gênero, o que mostra sua prática sistemática,
popular e tradicional.
Portanto, os cultistas do gênero sempre foram homens e mulheres do povo que
ainda são lembrados por diferentes gerações nas canções que fazem referências ao
experiências de personalidades proeminentes na prática cultural e tornaram-se
lendas como José Ramón Oviedo (Malanga), considerado um grande dançarino de Colum-
bia, quem o viu dançar ficou maravilhado com sua pose e ritmo, foi único
em sua dança e, portanto, foi reconhecido por diferentes gerações.
São esses rumberos populares com sua prática que conseguiram manter o
gênero vivo, autêntico, nos pátios, nas festas populares, nos eventos
políticos, nas festas de carnaval. A Tradição foi mantida pelo povo e deste sur-
os genuínos cultuadores do gênero como: Estanilá Luna (parceira de dança de Malan-
ga), Estela Álvarez, Chano Pozo, el Chori, Pablo Roche, Tata Güines, Trinidad Torregro-
sa e muitos mais.
Embora o gênero seja caracterizado pela presença masculina, as mulheres tiveram uma
papel muito importante na promoção nacional e internacional da Rumba como música
Tantes e dançarinos, nomes como Celeste Mendoza "La reina del Guaguancó" se destacam,
que foi um intérprete excepcional do gênero tanto na música quanto na dança, muito
pessoal, Rita Montaner expressou-se “… Enfim, vejo uma verdadeira artista cubana que
expressa no vocal, a coreografia com espontaneidade sem dobras, nossa música popular
lar e folclórica ”, sim porque a rainha do guaguancó encarnou o espírito popular da Rumba
e eu o elevo ao plano artístico em toda a sua natureza e na riqueza do gênero.
Sonia Calero, bailarina clássica, levou a Rumba ao Ballet sem preconceitos, levantando a
gênero para espaços internacionais onde a mais alta qualidade artística e a
raiz popular do ritmo que denota forte ligação com a tradição da música popular
Cubano.
Mayra Limonta, renomada atriz e rumbera, trouxe o complexo da rumba para a televisão
visão, cinema e os grandes shows de revistas de música, em espaços nacionais.
nalês internacional.
Grupos como os Rumberos de Cuba e Papines têm contribuído para a manutenção do
gênero nos espaços culturais nacionais e internacionais, conferindo-lhe um merecido reconhecimento
renomado por sua execução bem trabalhada que alcançou fama internacional.

DOI: 10.13128 / ccselap-11847 | ISSN 2531-9884 (online)

Página 6

32 Vicente Robinson Echevarría

Esses artistas contribuíram notavelmente de sua atuação para a presença do gênero.


ro
elesnos espaços artísticos
representaram de umanacionais e internacionais
forma muito genuína emsem
suasadulterações do gênero que
performances.

4. A Rumba sai do lote

A força do gênero, sua essência popular fez com que a Rumba estivesse presente na
diferentes manifestações e meios culturais, tais como:
Poesia em obras de José Xacarias Tallet no poema "La Rumba", Emilio Ballagas
"Eligia de María Belén Chacón", Ramón Guerra "Dançarinos da Rumba".
O renomado pintor Eduardo Abela homenageia a rumba em sua obra “Com-
parsa ”.
O ritmo cubano de tambores, canções alegres e danças complexas conquista as praças
eventos culturais de diferentes partes do mundo e nisso o cinema tem muito a ver com
realizar coreografias tendo o complexo musical como protagonista, como é o caso do
filmes: "Para quem dança em Havana", "Aventuras de Juan Quinquin", "Nosotros la Músi-
ca ”, para citar alguns filmes com a presença de Rumba.
A demanda por gênero nas diferentes configurações influencia a criação de empresas
Grupos artísticos cujos espetáculos foram relacionados ao gênero e estreados em
cabaré como Tropicana, Sans Souci, Botmatre e outros de menor categoria como os de
Praia de Marianao onde a rumba se popularizou, mas a partir de uma prática artística.
tica-popular, onde rumberos populares se apresentavam, que apresentavam um show
onde o verdadeiro ritmo da música prevaleceu e que tal a dança cubana.

5. Reflexões

O complexo Rumba genérico inclui um conjunto de ritmos onde o


o guaguancó como o gênero mais praticado nos espaços populares.
Gênero cujas origens se enquadram no século XIX, manteve sua vitalidade até
tempos atuais, enunciando seu espírito cubano, O. Urfé, no dicionário enciclopédico
dico da música cubana, expõe “A linguagem rítmica dos tambores no guaguancó no.
é uma citação direta de expressão africana, parte é o resultado da decantação feita por
os cubanos de materiais africanos sobreviventes ”.
O quão bem a música que caracteriza o gênero é expressa está autenticamente enraizada
Cubana, onde a herança africana se reflete, mas já refletindo uma nova realidade criada
por descendentes que reflete o espírito cubano.
Rumberos populares: dançam rumba naturalmente, suas coreografias são espontâneas.
não, eles executam sua dança em festas familiares e de bairro, festas populares, eles mantiveram
tinha a tradição do gênero na época.
O desenvolvimento desta família de estilos não pode ser separado do desenvolvimento econômico.
co-sócio-cultural da colônia e nela o triste e terrível fenômeno da escravidão e
miséria dos setores mais carentes, tanto negros como brancos.
Em muitas ocasiões, quis-se classificar o gênero em danças negras exóticas,
de mulheres que desenvolvem a dança em movimentos rítmicos de nádegas, quadris,

Estudos Culturais Comparados: Perspectivas Européias e Latino-Americanas 9: 27-34, 2020

Página 7

O Rumba Ritmo de Resistência Cultural 33

exageradamente erótico, que responde a uma visão mercantilista colonial do gênero,


sem saber que em sua essência popular isso inclui cantar e dançar a dois.
Seu caráter não religioso é digno de nota, pois é costume classificar todas as músicas
de raízes africanas como religiosas, não tem nada a ver com isso e se com a vida cotidiana de
sujeitos sociais, suas práticas de trabalho, suas vidas, onde a visão racista é desmistificada e
reducionista que ainda persiste em certos setores da cultura negra em Cuba e
a herança africana nele presente, que, mesmo por ignorância ou desvalorização, não é
conseguiu decidir, inclusive a Rumba como dança de marginais, de negros, nada
mais longe da realidade quando é dançada e cantada por negros e brancos que têm
formaram grupos que constituem verdadeiros tesouros vivos do gênero 5 .
Outro mito foi dar a ele um caráter machista do gênero, embora a variante
Yambú é praticado por homens nas variantes de Guaguancó e Columbia ali
uma presença feminina no coro, na dança, no canto como solista, a presença da
As mulheres têm desempenhado um papel fundamental na promoção internacional de gênero na mídia
como o cinema.
O estudo deste gênero não deve se limitar apenas à contribuição musical para a cultura cubana,
É outra coisa, é um ritmo de resistência aos maus tratos e humilhações, à necessidade
capacidade de impor a alegria à tristeza, de quem rompeu os laços de um
sociedade escravista para se sentir livre, do grito rebelde do espancado, do tambo-
res que se recusou a ser domesticado pelo sistema colonial, que bate na identidade de
um povo.
Era nesses setores populares, negros e brancos pobres, escravos, sem qualquer vantagem.
bloco social onde o gênero nasceu como ritmo musical e como coesão desses setores.
da colônia e da república, juntamente com a esperança de uma vida melhor,
O milagre da alegria que fluiu genuinamente de seus sentimentos e do
Cubanidade que esses setores também eram portadores.
Ritmo popular, tradicional, criado e recriado pelos setores despossuídos e explorados, não
só dos descendentes de africanos, os descendentes também praticam e gostam do gênero.
dentes de espanhóis, complexo musical cubano, que servia para denunciar situações que
afetou esses setores, manter a coesão dos setores populares, a participação
ativos, que exaltam em suas canções a história patriótica do país, a vida dos cultistas do gênero,
que já se destacaram como cantores, dançarinos, daí o seu merecido lugar no pentagra-
ma musical cubano, porque tem sido um ritmo de resistência do povo cubano.
La Rumba é o caminho de integração da nação cubana, ao clamor popular de uma
pessoas, a sua identidade e sentido de pertença à nação em que nasceram.
Tem rumba, formou-se a alegria que soam os tambores e os cajones, que a
Corais de doces vozes de guarapo, dançam tudo, dançam todos, a festa já se formou.

6. conclusões

O complexo musical constitui um conjunto de gêneros que incluem o Guaguancó,


O Columbia, o Yambú, é uma manifestação artística de influências africanas a hispânicas,

5Tesouros vivos do gênero: são pessoas ou grupos que possuem certos conhecimentos, habilidades, técnicas,
conhecimentos necessários para manter a criação ou produção de certos elementos do patrimônio cultural.

DOI: 10.13128 / ccselap-11847 | ISSN 2531-9884 (online)

Página 8

3. 4 Vicente Robinson Echevarría

surgiu nos espaços urbanos do país entre os setores populares mais despossuídos, gri-
para reafirmar uma identidade, uma história tem constituído um caminho para aqueles
setores reafirmam sua cultura, senso de pertencimento e resistência cultural, empoderando
invadindo um setor discriminado e explorado, cujos direitos foram negados, hoje o
a rumba preserva sua prática tradicional entre os portadores, é patrimônio da humanidade
unidade e um caminho de unidade da nação cubana.

7. Recomendações
Considera-se que o estudo deve ser promovido nos diferentes espaços culturais,
instituições de ensino do país, para alcançar um conhecimento não só da importância do Rum-
ba na cena musical cubana, mas também sua influência no social, na identidade
nas lutas cubanas, para se ter uma nova concepção da manifestação
cultural.

Bibliografia

https://www.definicionabc.com/social/transculturacion.php.
Alfaro Hoyos Jorge https: //wwww.Popular Drum Festival.com / music / music genres-
les / .rumba international.
Diaz Ramón. Rumberos de Cuba , Cubacultura, terça-feira, 13 de março de 2012.
______, The best of music , 21 de janeiro de 2016.
Dicionário Enciclopédico de Música em C , VOLUME 3, Instituto do Livro Cubano, Editorial
Cartas cubanas, Havana, 2009.
Feliú Virtudes, patrimônio cultural da rumba da nação , em <www.lajiribilla.co.cu/2012/
n565_03 / 565_05.html>.
Guia de Trabalho para Metodologistas da Cultura Popular Tradicional , Direcção de Estudos
sociocultural, Ministério da cultura República de Cuba, 2016
Lam Rafael, O Império da Música , Editorial José Martí, Havana, 2014.
Orovio Helio, Dicionário de Música Biográfica e Técnica de Cuba , Editorial Letras cuba-
na, Cidade de Havana, 1981.
Xiques Cutiño Delfín, A cubana Rita Montaner, Hoje na História , em <http: //www.gran-
ma.cu/hoy-en-la-historia/2018-04-16/la-cubana-rita-montaner-la-unica>.

Estudos Culturais Comparados: Perspectivas Européias e Latino-Americanas 9: 27-34, 2020