Você está na página 1de 8

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO

CENTRO DE ENGENHARIA
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA E TECNOLOGIA
DISCIPLINA: LABORATÓRIO DE QUÍMICA GERAL
PROFESSORA: KALYANNE GOMES
TURMA:05

RELATÓRIO AULA VI – DETERMINAÇÃO DA


VISCOSIDADE DE UM LÍQUIDO.

COMPONENTES: Gabriel Alvino Ribeiro


Kadja Suelen Leite Ferreira
Kelmy Ângelo de Figueiredo Alves
Rayssa Yaskara de Assis Rocha
Thamyrys Marques Azevedo
INTRODUÇÃO

Por causa da interação das camadas adjacentes das moléculas, os líquidos realizam
uma resistência contra o escoamento, conhecido como viscosidade.
Pode-se dizer que a viscosidade corresponde ao atrito interno nos fluidos devido às
interações intermoleculares, sendo geralmente em função da temperatura. É comum sua
percepção estar relacionada à “grossura”, ou resistência ao despejamento.
Dos inúmeros métodos para determinar a viscosidade de um líquido aplica-se aqui
o método de Stokes. A Lei de Stokes relaciona o tamanho de uma esfera e a velocidade de
queda dela. Existem três forças que atuam sobre a esfera: uma força gravitacional
descendente (Fg), uma força de flutuação ascendente (Fb) e uma força de arraste de
sentido para cima (Fd).

Figura 1 - Aplicação das Forças

A Lei de Stokes diz: A resistência encontrada por um sólido que se desloca em um


líquido é proporcional a 6π, ao raio do corpo do sólido (r), ao coeficiente de viscosidade (µ)
e a velocidade do corpo (Vc):

𝐹 = 6 ∗ 𝜋 ∗ 𝜇 ∗ 𝑉𝑐 ∗ 𝑟

Além da força de atrito, age sobre a esfera a força gravitacional:

4
𝑃= ∗ 𝜋 ∗ 𝑟 3 ∗ 𝜌𝑠 ∗ 𝑔
3

e a força do empuxo:

4
𝐸= ∗ 𝜋 ∗ 𝑟 3 ∗ 𝜌𝑙𝑖𝑞 ∗ 𝑔
3
Figura 2 - Experimento: esfera de vidro escoando em um fluido dentro de uma proveta

Quando está acontecendo a queda, em que o corpo tem uma velocidade constante,
as forças se compensam:
𝐸=𝐹=𝑃

ou seja,

2 ∗ 𝑟 2 ∗ 𝑔 ∗ (𝜌𝑠 − 𝜌𝑙𝑖𝑞 )
𝜇=
9 ∗ 𝑉𝑐
Onde ρs = densidade do sólido e ρliq = densidade do líquido.

A relação entre a velocidade constante (V), numa proveta de raio (R) e a velocidade
de queda da esfera (Vc) de raio (r) é dada pela equação:
𝑟
𝑉𝑐 = 𝑉(1 + 2,4 ∗ )
𝑅

OBJETIVOS
Determinar a viscosidade de um líquido utilizando o método de Stokes.

RESULTADOS E DISCUSSÕES

Para realização do experimento em questão se foi necessário o uso de alguns


materiais e reagentes, sendo eles:

Óleo de Soja Esferas de vidro


Balança analítica Cronômetros
Termômetro Régua graduada
Proveta de 2000 mL
Para o procedimento experimental contamos com os dados das densidades dos
líquidos, a glicerina e o óleo de soja, e do sólido, as esferas de vidro.

ρs = 2,57 g/cm3
ρsoja = 0,92 g/cm3
ρglicerina = 1,26 g/cm3

Para o procedimento da viscosidade na glicerina, primeiro fizemos a pesagem de


cinco esferas de vidros, na balança analítica. Logo após dividimos a massa total (0,1774g)
por 5, para obtermos a massa de apenas uma esfera. Calculamos também seu volume,
que daria em torno de:
𝑚 0,03548
𝑉= = = 0,0138 mL
𝜌𝑠 2,57

Sabendo o volume, agora podíamos calcular o raio:

4
𝑟3 = ∗ 𝜋 ∗𝑉
3
4
𝑟3 = ∗ 𝜋 ∗ 0,0138
3
𝑟 3 = 4,19 ∗ 0,0138
𝑟 3 = 0,0578
𝑟 = 0,387 𝑐𝑚

Fizemos então o mesmo procedimento para o experimento com o óleo de soja. A


pesagem das esferas de vidro, obtenção da massa total e depois o valor da massa de
apenas uma esfera.
Volume:
𝑚 0,03318
𝑉= = = 0,0129 mL
𝜌𝑠 2,57

Calculando o raio:
4
𝑟3 = ∗ 𝜋 ∗𝑉
3
4
𝑟3 = ∗ 𝜋 ∗ 0,0129
3
𝑟 3 = 4,19 ∗ 0,0129
𝑟 3 = 0,0541
𝑟 = 0,378 𝑐𝑚
Resultados:
Glicerina Óleo de soja

Pressão atmosférica, P (atm): 1 atm 1 atm

Aceleração da gravidade, g (cm/s2): 981 cm/ s2 981 cm/s2

Temperatura. T (° C): 25 °C 25 °C

Massa da esfera, m (g): 0,03548 g 0,03318 g

Distância entre os pontos marcados 25,4 cm


25,6 cm
na proveta, L (cm):
Raio da proveta, R (cm): 4,1 cm 4,2 cm

Para a parte de queda das esferas sobre os líquidos, precisávamos da distância


entre os pontos marcados nas provetas, L; e o diâmetro interno das provetas, para obtenção
do raio de cada proveta, R. Dados esses que estão na tabela a cima.
Logo em seguida, fazíamos o lançamento das cinco esferas nos seus devidos
líquidos e utilizamos o cronômetro para determinar o tempo, Δt, em que a esfera percorre
o trajeto.
Glicerina Óleo de soja
Esfera Tempo de queda da esfera, Δt (s). Tempo de queda da esfera, Δt (s).
1 19,13 s 3s
2 21,76 s 3,22 s
3 20,87 s 2,75 s
4 18,48 s 2,66 s
5 20,40 s 2,78 s
𝑡g = 20,13 𝑡s = 2,88

Com todos os dados estabelecidos podemos agora calcular o volume, a velocidade


do corpo e o coeficiente de viscosidade de cada líquido:
Proveta com a Glicerina: Proveta com o óleo de soja:
Volume: Volume:
𝐿 𝐿
𝑉= 𝑉=
∆𝑡 ∆𝑡
25.6 25.4
𝑉 = 20,13 = 1,27 mL 𝑉 = 2,88 = 8,82 mL
Velocidade do corpo: Velocidade do corpo:
𝑟 𝑟
𝑉𝑐 = 𝑉(1 + 2,4 ∗ ) 𝑉𝑐 = 𝑉(1 + 2,4 ∗ )
𝑅 𝑅
0,387 0,378
𝑉𝑐 = 1,27(1 + 2,4 ∗ ) 𝑉𝑐 = 8,82(1 + 2,4 ∗ )
4,1 4,2
0,387 0,378
𝑉𝑐 = 1,27(1 + 2,4 ∗ ) 𝑉𝑐 = 8,82(1 + 2,4 ∗ )
4,1 4,2
𝑉𝑐 = 1,56 𝑐𝑚/𝑠 2 𝑉𝑐 = 10,73 𝑐𝑚/𝑠 2
Viscosidade: Viscosidade:
2 ∗ 𝑟 2 ∗ 𝑔 ∗ (𝜌𝑠 − 𝜌𝑙𝑖𝑞 ) 2 ∗ 𝑟 2 ∗ 𝑔 ∗ (𝜌𝑠 − 𝜌𝑙𝑖𝑞 )
𝜇= 𝜇=
9 ∗ 𝑉𝑐 9 ∗ 𝑉𝑐

2 ∗ 0,3782 ∗ 981 ∗ (2,57 − 0,92)


2 ∗ 0,3872 ∗ 981 ∗ (2,57 − 1,26) 𝜇=
𝜇= 9 ∗ 10,73
9 ∗ 1,56
𝜇 = 4,79 g/cm*s
𝜇 = 27,4 g/cm*s

9,5 − 27,4
Eexp = ∗ 100
9,5

CONCLUSÃO

A partir da realização do experimento com sucesso, podemos observar que os


objetivos foram alcançados, visto que é possível determinar a viscosidade de uma
substância a partir da Lei de Stokes. Contudo, é possível que o experimento tenha sido
prejudicado por erros, como a inexatidão dos raios das esferas, assim como suas massas,
a contagem do tempo de queda das esferas também pode não ter sido exata.

REFERÊNCIAS

 https://www.prolab.com.br/blog/curiosidades/o-que-e-viscosidade-de-um-fluido/
 https://www.engquimicasantossp.com.br/2013/10/lei-de-stokes.html
PÓS-LABORATÓRIO

1) O que é viscosidade?
Por causa da interação das camadas adjacentes das moléculas, os líquidos realizam
uma resistência contra o escoamento, conhecida como viscosidade.
2) Faça um esquema do experimento, identificando todo o aparato.

Escoamento de uma esfera em um fluido dentro de uma proveta.


Uma proveta com o fluído por onde ocorrerá a queda das esferas. As provetas
usadas tinham capacidade para 2000 mL, uma com óleo de soja e a outra contendo
glicerina. A distância percorrida em L, e na esfera as forças atuantes, de atrito,
empuxo e gravitacional. E a medição do raio, R.

3) Coloque o passo a passo que se deve fazer para se determinar a viscosidade


de um fluido pelo método de Stokes.
1- Em uma balança analítica, pese as esferas de vidro a serem utilizadas;
2- Obtenha o volume de cada esfera, usando a relação entre a massa e a
densidade;
3- Calcule os raios das esferas, sabendo que o volume da esfera é igual a 4/3 .π.r3
4- Meça a distância entre os pontos marcados na proveta, L; e o diâmetro interno da
proveta, para obtenção do raio da proveta, R;
5- Ponha uma esfera de vidro próximo à superfície do óleo e no centro da proveta e deixa-
a cair. Use o cronômetro para determinar o tempo, Δt, em que a esfera percorre o trajeto.
6- Repita a experiência com outras esferas.

4) A partir dos dados experimentais, calcule a viscosidade do óleo.

2 ∗ 𝑟 2 ∗ 𝑔 ∗ (𝜌𝑠 − 𝜌𝑙𝑖𝑞 )
𝜇=
9 ∗ 𝑉𝑐

2 ∗ 0,3782 ∗ 981 ∗ (2,57 − 0,92)


𝜇=
9 ∗ 10,73

𝜇 = 4,79 g/cm*s
5) Pesquise qual a viscosidade do óleo na temperatura em que se fez o
experimento. Caso não encontre, na mesma temperatura, informe qual a
temperatura em que você encontrou a viscosidade.

T = 25°C
µ = 6,35

6) Calcule o erro experimental. Se houver diferença de temperatura, como


descrito no item anterior, comente esse fator.
6,35 − 4,79
𝐸𝑒𝑥𝑝 = ∗ 100
6,35
𝐸𝑒𝑥𝑝 = 24,6

7) Explique as possíveis fontes de erros.


É possível que o experimento tenha sido prejudicado por erros, como a inexatidão
dos raios das esferas, assim como suas massas, na posição das esferas quando
soltas nos fluídos, a contagem do tempo de queda das esferas também pode não ter
sido exata.

8) Faça uma pesquisa sobre outros métodos de se determinar a viscosidade de


líquidos.
Existe um método chamado Viscosímetro Copo ford que se infere a
viscosidade do fluido a partir da medida do tempo gasto para esvaziar o reservatório
(o “copo”). É um método simples, rápido e que requer um pequeno volume de
amostra de fluido. Assim, ele é muito utilizado industrialmente. Apesar de medir
somente a viscosidade do fluido à temperatura ambiente, ele é bastante adequado
para fluidos que ‘sujam’ ou ‘aderem’, como tintas e vernizes dada a facilidade de
limpeza. O procedimento experimental se baseia nos seguintes passos:
- Medir o tempo de esvaziamento total do fluido com o cronômetro, repetindo três
vezes cada ensaio.
- Consultar a norma e verifique se o tempo medido está dentro da faixa de trabalho
do copo Ford que deve estar disponível no Laboratório.
- Medir a temperatura do óleo no copo que armazenará o fluido esgotado.
- Medir, com o densímetro, a densidade do fluído.
Um método também muito utilizado para determinar a viscosidade de um líquido é o
chamado Viscosímetro de Ostwald. Nesta técnica, observa-se o tempo gasto para o
líquido fluir de um reservatório superior de volume definido, passando por tubo
capilar, para um reservatório inferior, sob a influência da gravidade. O roteiro
experimental é feito da seguinte forma:
- Medir o volume necessário da mistura da agua/glicerol escolhida para o
experimento e colocar no aparelho com cuidado para não introduzir bolhas de ar.
- Colocar o viscosímetro carregado dentro de um banho de água termostatizado
numa temperatura de 2 a 3 graus acima da temperatura ambiente.
- Aguardar o aparelho entrar em equilíbrio térmico, e medir o tempo de escoamento.
-Repetir a operação com várias misturas.
-Verificar a existência de uma relação linear para calibrar o instrumento.
- Com a curva de calibração obtida para o aparelho e utilizando dados disponíveis,
avaliar a pureza do líquido utilizado no experimento.