Você está na página 1de 14

CAPÍTULO 1: A ATITUDE CIENTÍFICA

Senso Comum
O senso comum constitui o conhecimento adquirido por meio das experiências e
observações da vida cotidiana e que é transmitido de geração em geração, tornando-se, muitas
vezes, como que uma doutrina inquestionável.

Características do senso comum


Um exame de nossos saberes cotidianos revela algumas características que lhes são
próprios:
- São subjetivos, isto é, exprimem sentimentos e opiniões individuais ou de grupos,
variando de uma pessoa para outra ou de um grupo para outro;
- Por serem subjetivos, avaliam as coisas conforme os efeitos que produzem em nossos
órgãos dos sentidos, ou conforme os desejos que despertam em nós e o tipo de finalidade ou
de uso que lhe atribuímos;
- Agrupam-se ou distinguem-se conforme as coisas e os fatos nos pareçam semelhan-
tes ou diferentes;
- São individualizadores, ou seja, cada coisa ou fato nos aparece como um indivíduo
distinto de outros por possuir qualidades que nos afetam de maneira diferente;
- São generalizadores, pois tendem a reunir numa só opinião ou numa só ideia coisas e
fatos julgados semelhantes. E, em decorrência disso, tendem a estabelecer relações de causa e
efeito entre as coisas ou entre os fatos;
- Não se surpreendem nem se admiram com a regularidade, constância, repetição e
diferença das coisas, ao contrário, a admiração e o espanto se dirigem para o que é imaginado
como único, extraordinário, maravilhoso ou miraculoso;
- Enxergam a investigação científica como magia, considerando que ambas lidam com
o misterioso, o oculto, o incompreensível;
- Costumam projetar nas coisas ou no mundo sentimentos de angústia e de medo
diante do desconhecido;
- Por terem as características acima, nossas certezas cotidianas e o senso comum de
nossa sociedade ou de nosso grupo cristalizam-se em preconceitos com os quais passamos a
interpretar toda a realidade que nos cerca e todos os acontecimentos.
A atitude científica
A atitude científica é a desconfiança da veracidade de nossas certezas, de nossa adesão
imediata às coisas, da ausência de crítica e da falta de curiosidade.
Em quase todos os aspectos, podemos dizer que o conhecimento científico se opõe às
características do senso comum:
- É objetivo, pois procura as estruturas universais e necessárias das coisas inves-
tigadas;
- É quantitativo, porque busca medidas, padrões, critérios de comparação e de
avaliação para coisas que parecem diferentes;
- É homogêneo, ou seja, busca as leis gerais de funcionamento dos fenômenos;
- É generalizador, pois reúne individualidades sob as mesmas leis, os mesmos padrões
ou critérios de medida, mostrando que possuem a mesma estrutura, embora sejam
sensorialmente percebidas como diferentes.
- É diferenciador, pois não reúne nem generaliza por semelhanças aparentes, mas
distingue entre os que parecem iguais, desde que obedeçam a estruturas diferentes;
- Só estabelece relações causais depois de investigar a natureza ou estrutura do fato
estudado e suas relações com outros semelhantes ou diferentes;
- Surpreende-se com a regularidade, a constância, a frequência, a repetição e a
diferença das coisas e procura mostrar que o maravilhoso, o extraordinário ou o “milagroso”
são um caso particular do que é regular, normal, frequente;
- Distingue-se da magia. A atitude científica opera um desencantamento ou
desenfeitiçamento do mundo, mostrando que nele não agem forças secretas;
- Afirma que, pelo conhecimento, o homem pode libertar-se do medo e das
superstições;
- Procura renovar-se e modificar-se continuamente, evitando a transformação das
teorias em doutrinas e destas em preconceitos sociais.

CAPÍTULO 2: A CIÊNCIA NA HISTÓRIA

As três principais concepções de ciência


São elas:
- Concepção racionalista (dos gregos até o final do séc. XVII): afirma que a ciência é
um conhecimento racional dedutivo e demonstrativo capaz de provar a verdade necessária e
universal de seus enunciados e resultados, sem deixar nenhuma dúvida;
- Concepção empirista (da medicina grega e Aristóteles até o final do século XIX):
afirma que a ciência é uma interpretação dos fatos baseada em observações e experimentos que
permitem estabelecer induções e que, ao serem completadas, oferecem a definição do objeto;
- Concepção construtivista (iniciada em nosso século): considera a ciência uma
construção de modelos explicativos para a realidade e não uma representação da mesma.
A concepção racionalista era hipotético-dedutiva, isto é, definia o objeto e suas leis e
disso deduzia propriedades, efeitos posteriores, previsões. A concepção empirista
era hipotético-indutiva, isto é, apresentava suposições sobre o objeto, realizava observações
e experimentos e chegava à definição dos fatos, às suas leis, suas propriedades, seus efeitos
posteriores e previsões.
São três as exigências do ideal de cientificidade do cientista construtivista:
1. que haja coerência (isto é, que não haja contradições) entre os princípios que
orientam a teoria;
2. que os modelos dos objetos (ou estruturas dos fenômenos) sejam construídos com
base na observação e na experimentação;
3. que os resultados obtidos possam não só alterar os modelos construídos, mas
também alterar os próprios princípios da teoria, corrigindo-a.

As mudanças científicas
A primeira grande mudança na ciência refere-se à passagem do racionalismo e
empirismo ao construtivismo, isto é, de um ideal de cientificidade baseado na idéia de que a
ciência é uma representação da realidade tal como ela é em si mesma, a um ideal de
cientificidade baseado na idéia de que o objeto científico é um modelo construído e não uma
representação do real, uma aproximação sobre o modo de funcionamento da realidade, mas
não o conhecimento absoluto dela. A segunda mudança refere-se à passagem da ciência antiga
– teorética, qualitativa – à ciência moderna – tecnológica, quantitativa.
A evolução e o progresso pressupõem continuidade temporal, acumulação causal dos
acontecimentos, superioridade do futuro e do presente com relação ao passado, existência de
uma finalidade a ser alcançada. Supunha-se, pois, que as mudanças científicas indicavam
evolução ou progresso dos conhecimentos humanos.
A Filosofia das Ciências, estudando as mudanças científicas, impôs um desmentido às
ideias de evolução e progresso.
Revolução científica
Uma revolução científica ocorre quando o cientista descobre que o paradigma não
consegue explicar um fenômeno ou um fato novo, sendo necessário produzir outro paradigma
até então inexistente. Numa revolução científica, o cientista passa por uma profunda mudança
na forma de ver o mundo, como se passasse a trabalhar num mundo completamente diferente.
A ciência, portanto, não caminha numa via linear, contínua e progressiva, mas por
saltos ou revoluções. A ciência contemporânea, por exemplo, é construtivista: julga que fatos
e fenômenos novos podem exigir a elaboração de novos métodos, novas tecnologias e novas
teorias.

Falsificação x revolução
Alguns filósofos da ciência, entre eles Karl Popper, afirmaram que a reelaboração
científica decorre do fato de ter havido uma mudança no conceito filosófico-científico da
verdade. Esta já foi considerada durante muitos séculos como a correspondência exata entre
uma idéia ou um conceito e a realidade. No século passado, foi proposta uma teoria da
verdade como coerência interna entre conceitos. Na concepção anterior, o falso acontecia
quando uma idéia não correspondia à coisa que deveria representar. Na nova concepção, o
falso é a perda da coerência de uma teoria, a existência de contradições entre seus princípios
ou entre estes e alguns de seus conceitos.
Uma teoria científica é boa, diz Popper, quanto mais estiver aberta a fatos novos que
possam tornar falsos os princípios e os conceitos em que se baseava. Assim, o valor de uma
teoria não se mede por sua verdade, mas pela possibilidade de ser falsa. A falseabilidade seria
o critério de avaliação das teorias científicas e garantiria a idéia de progresso científico, pois é
a mesma teoria que vai sendo corrigida por fatos novos que a falsificam.
A maioria dos filósofos da ciência, entre os quais Khun, demonstrou o absurdo da
posição de Popper, dizendo que jamais houve um único caso em que uma teoria pudesse ser
falsificada por fatos científicos e que jamais houve um único caso em que um fato novo
garantisse a coerência de uma teoria, bastando impor a ela mudanças totais.
Cada vez que fatos provocaram verdadeiras e grandes mudanças teóricas, essas
mudanças não foram feitas no sentido de “melhorar” ou “aprimorar” uma teoria existente,
mas no sentido de abandoná-la por uma outra. O papel do fato científico não é o de falsear ou
falsificar uma teoria, mas o de provocar o surgimento de uma nova teoria verdadeira. É o
verdadeiro e não o falso que guia o cientista, seja a verdade entendida como correspondência
entre idéia e coisa, seja entendida como coerência interna das ideias.
Classificação das ciências
Ciência, no singular, refere-se a um modo e a um ideal de conhecimento. No plural,
refere-se às diferentes maneiras de realização do ideal de cientificidade, segundo os diferentes
fatos investigados e os diferentes métodos e tecnologias empregados.
A primeira classificação sistemática das ciências de que temos notícia foi a de
Aristóteles. O filósofo grego empregou três critérios para classificar os saberes:
- Critério da ausência ou presença da ação humana nos seres investigados, levando à
distinção entre as ciências teoréticas (conhecimento dos seres que existem e agem
independentemente da ação humana) e ciências práticas (conhecimento de tudo quanto existe
como efeito das ações humanas);
- Critério da imutabilidade ou permanência e da mutabilidade ou movimento dos seres
investigados, levando à distinção entre metafísica, física ou ciências da natureza e
matemática;
- Critério da modalidade prática, levando à distinção entre ciências que estudam
a práxis (a ação ética, política e econômica, que tem o próprio agente como fim) e as técnicas
(a fabricação de objetos artificiais ou a ação que tem como fim a produção de um objeto
diferente do agente).
Com pequenas variações, essa classificação foi mantida até o século XVII, quando,
então, os conhecimentos se separaram em filosóficos, científicos e técnicos. A partir daí, a
Filosofia tende a desaparecer nas classificações científicas, assim como delas desaparecem as
técnicas. Das inúmeras classificações propostas, as mais conhecidas e utilizadas foram feitas
por filósofos franceses e alemães do século XIX, baseando-se em três critérios: tipo de objeto
estudado, tipo de método empregado, tipo de resultado obtido. Desses critérios e da
simplificação feita sobre as várias classificações anteriores, resultou aquela que se costuma
usar até hoje:
- Ciências matemáticas ou lógico-matemáticas (aritmética, geometria, álgebra,
trigonometria, lógica, física pura, astronomia pura, etc.);
- Ciências naturais (física, química, biologia, geologia, astronomia, geografia física,
paleontologia, etc.);
- Ciências humanas ou sociais (psicologia, sociologia, antropologia, geografia
humana, economia, linguística, psicanálise, arqueologia, história, etc.);
- Ciências aplicadas (todas as ciências que conduzem à invenção de tecnologias para
intervir na natureza, na vida humana e nas sociedades, como por exemplo, direito, engenharia,
medicina, arquitetura, informática, etc.).
Cada uma das ciências subdivide-se em ramos específicos, com nova delimitação do
objeto e do método de investigação. Assim, por exemplo, a física subdivide-se em mecânica,
acústica, óptica, etc.; a biologia em botânica, zoologia, fisiologia, genética, etc.; a psicologia
em psicologia do comportamento, do desenvolvimento, clínica, social, etc. e, assim,
sucessivamente, para cada uma das ciências. Por sua vez, os próprios ramos de cada ciência
subdividem-se em disciplinas cada vez mais específicas, à medida que seus objetos conduzem
a pesquisas cada vez mais detalhadas e especializadas.

CAPÍTULO 3: AS CIÊNCIAS HUMANAS

O humano como objeto de investigação


1. Período do humanismo: inicia-se no séc. XV com a ideia renascentista da dignidade
do homem como centro do Universo, prossegue nos sécs. XVI e XVII com o estudo do
homem como agente moral, político e técnico-artístico, chegando ao séc. XVIII, quando surge
a ideia de civilização;
2. Período do positivismo: inicia-se no séc. XIX com Augusto Comte, para quem a
humanidade atravessa três etapas progressivas, indo da superstição religiosa à metafísica e à
teologia para chegar finalmente à ciência positiva;
3. Período do historicismo: desenvolvido no final do séc. XIX e início do séc. XX por
Dilthey, filósofo e historiador alemão, essa concepção é herdeira do idealismo alemão e
insiste na diferença profunda entre homem e natureza e entre ciências naturais e humanas,
chamadas por ele de “ciências do espírito ou da cultura”. Os fatos humanos são históricos,
dotados de valor e de sentido, de significação e finalidade e devem ser estudados com essas
características que os distinguem dos fatos naturais. As ciências do espírito ou da cultura não
podem e não devem usar o método da observação-experimentação, mas devem criar o método
da explicação e compreensão do sentido dos fatos humanos, encontrando a causalidade
histórica que os governa.
O historicismo resultou em dois problemas que não puderam ser resolvidos por seus
adeptos: o relativismo  as leis científicas são válidas apenas para uma determinada época e
cultura, não podendo ser universalizadas  e a subordinação a uma Filosofia da história  os
indivíduos humanos e as instituições socioculturais só são compreensíveis se seu estudo
científico subordinar-se a uma teoria geral da história que considere cada formação
sociocultural, seja como “visão do mundo” particular, seja como etapa de um processo
histórico universal.
Fenomenologia, estruturalismo e marxismo
A fenomenologia introduziu a noção de essência ou significação como um conceito
que permite diferenciar internamente uma realidade de outras, encontrando seu sentido, sua
forma, suas propriedades e sua origem.
Dessa forma, a fenomenologia começou por permitir que fosse feita a diferença
rigorosa entre a esfera ou região da essência “natureza” e a esfera ou região da essência
“homem”. A seguir, permitiu que a esfera ou região “homem” fosse internamente
diferenciada em essências diversas: o psíquico, o social, o histórico, o cultural. Com essa
diferenciação, garantia às ciências humanas a validade de seus projetos e campos científicos
de investigação: psicologia, sociologia, história, antropologia, lingüística, economia.
Antes da fenomenologia, cada uma das ciências humanas desfazia seu objeto num
agregado de elementos de natureza diversa do todo, estudava as relações causais externas
entre esses elementos e as apresentava como explicação e lei de seu objeto de investigação. A
fenomenologia garantiu às ciências humanas a existência e a especificidade de seus objetos.

A contribuição do estruturalismo
O estruturalismo permitiu que as ciências humanas criassem métodos específicos para
o estudo de seus objetos, livrando-as das explicações mecânicas de causa e efeito, sem que
por isso tivessem que abandonar a ideia de lei científica.
A concepção estruturalista veio mostrar que os fatos humanos assumem a forma de
estruturas, isto é, de sistemas que criam seus próprios elementos, dando a este sentido pela
posição e pela função que ocupam no todo. As estruturas são totalidades organizadas segundo
princípios internos que lhes são próprios e que comandam seus elementos ou partes, seu modo
de funcionamento e suas possibilidades de transformação temporal ou histórica. Uma
estrutura é uma totalidade dotada de sentido.
O antropólogo Claude Lévi-Strauss mostrou que as estruturas dessas sociedades são
baseadas no princípio do valor ou da equivalência, que permite a troca e a circulação de certos
seres, de maneira a constituir o todo da sociedade, organizando todas as relações sociais: a
troca ou circulação das mulheres (estrutura do parentesco como sistema social de alianças), a
troca ou circulação de objetos especiais (estrutura do dom como sistema social da guerra e da
paz) e troca e circulação da palavra (estrutura da linguagem como sistema do poder religioso e
político). O modo como cada um desses sistemas ou estruturas parciais se organiza e se
relaciona com os outros define a estrutura geral e específica de uma sociedade “primitiva”,
que pode, assim, ser compreendida e explicada cientificamente.
A contribuição do Marxismo
O marxismo permitiu compreender que os fatos humanos são instituições sociais e his-
tóricas produzidas não pelo espírito e pela vontade livre dos indivíduos, mas pelas condições
objetivas nas quais a ação e o pensamento humanos devem realizar-se. Levou a compreender
que os fatos humanos mais originários ou primários são as relações dos homens com a
natureza na luta pela sobrevivência e que tais relações são as de trabalho, dando origem às
primeiras instituições sociais: família (divisão sexual do trabalho), pastoreio e agricultura
(divisão social do trabalho), troca e comércio (distribuição social dos produtos do trabalho).
Trouxe como grande contribuição à sociologia, à ciência política e à história a interpretação
dos fenômenos humanos como expressão e resultado de contradições sociais, de lutas e
conflitos sociopolíticos determinados pelas relações econômicas baseadas na exploração do
trabalho da maioria pela minoria de uma sociedade.
Em resumo, a fenomenologia permitiu a definição e a delimitação dos objetos das
ciências humanas; o estruturalismo permitiu uma metodologia que chega às leis dos fatos
humanos sem que seja necessário imitar ou copiar os procedimentos das ciências naturais; o
marxismo permitiu compreender que os fatos humanos são historicamente determinados e que
a historicidade, longe de impedir que sejam conhecidos, garante a interpretação racional deles
e o conhecimento de suas leis.

Os campos de estudo das ciências humanas


Se tomarmos as ciências humanas de acordo com seus campos de investigação,
podemos distribuí-las da seguinte maneira:
- Psicologia: estudo das estruturas, do desenvolvimento das operações da mente
humana (consciência, vontade, percepção, linguagem, memória, imaginação, emoções);
estudo das estruturas e do desenvolvimento dos comportamentos humanos e animais; estudo
das relações intersubjetivas dos indivíduos em grupo e em sociedade; estudo das perturbações
(patologias) da mente humana e dos comportamentos humanos e animais.
- Sociologia: estudo das estruturas sociais  origem e forma das sociedades, tipos de
organizações sociais, econômicas e políticas; estudo das relações sociais e de suas
transformações; estudo das instituições sociais (origem, forma, sentido).
- Economia: estudo das condições materiais (naturais e sociais) de produção e
reprodução da riqueza, de suas formas de distribuição, circulação e consumo; estudo das
estruturas produtivas – relações de produção e forças produtivas – segundo o critério da
divisão social do trabalho, da forma da propriedade, das regras do mercado e dos ciclos
econômicos; estudo da origem, do desenvolvimento, das crises, das transformações e da
reprodução das formas econômicas ou modos de produção.
- Antropologia: estudo das estruturas ou formas culturais em sua singularidade ou
particularidade, isto é, como diferentes entre si por seus princípios internos de funcionamento
e transformação. A cultura é entendida como modo de vida global de uma sociedade,
incluindo religião, formas de poder, formas de parentesco, formas de comunicação,
organização da vida econômica, artes, técnicas, costumes, crenças, formas de pensamento e de
comportamento, etc.; estudo das comunidades ditas “primitivas”, isto é, tanto das que
desconhecem a divisão social em classes e recusam organizar-se sob a forma do mercado e do
poder estatal, quanto daquelas que já iniciaram o processo de divisão social e política.
- História: estudo da gênese e do desenvolvimento das formações sociais em seus
aspectos econômicos, sociais, políticos e culturais; estudo das transformações das sociedades
e comunidades como resultado e expressão de conflitos, lutas, contradições internas às
formações sociais; estudo das transformações das sociedades e comunidades sob o impacto de
acontecimentos políticos, econômicos, sociais e culturais; estudo dos acontecimentos que, em
cada caso, determinaram ou determinam a preservação ou a mudança de uma formação social
em seus aspectos econômicos, políticos, sociais e culturais; estudo dos diferentes suportes da
memória coletiva (documentos, monumentos, pinturas, fotografias, filmes, moedas, lápides
funerárias, testemunhos e relatos orais e escritos, etc.).
- Linguística: estudo das estruturas da linguagem como sistema dotado de princípios
internos de funcionamento e transformação; estudo das relações entre língua (a estrutura) e
fala ou palavra (o uso da língua pelos falantes); estudo das relações entre a linguagem e os
outros sistemas de signos e símbolos ou outros sistemas de comunicação.
- Psicanálise: estudo da estrutura e do funcionamento do inconsciente e de suas
relações com o consciente; estudo das patologias ou perturbações inconscientes e suas
expressões conscientes (neuroses e psicoses).

CAPÍTULO 4: O IDEAL CIENTÍFICO E A RAZÃO INSTRUMENTAL

O ideal científico
Embora continuidades e rupturas marquem os conhecimentos científicos, a ciência é a
confiança que a cultura ocidental deposita na razão como capacidade para conhecer a
realidade, mesmo que esta, afinal, tenha de ser inteiramente construída pela própria atividade
racional.
A lógica que rege o pensamento científico contemporâneo está centrada na ideia de
demonstração e prova. A ciência contemporânea funda-se:
- Na distinção entre sujeito e objeto do conhecimento, que permite estabelecer a ideia
de objetividade;
- Na ideia de método como um conjunto de regras, normas e procedimentos gerais,
que servem para definir ou construir o objeto e para o autocontrole do pensamento durante a
investigação e, após esta, a confirmação ou falsificação dos resultados obtidos;
- Nas operações de análise e síntese, isto é, de passagem de todo complexo às suas
partes constituintes ou de passagem das partes ao todo que as explica e determina;
- Na ideia de lei de fenômeno, isto é, de regularidades e constâncias universais e
necessárias, que definem o modo de ser e de comportar-se do objeto, seja este tomado como
um campo separado dos demais, seja em suas relações com outros objetos ou campos de
realidade.
- No uso de instrumentos tecnológicos e não simplesmente técnicos;
- Na criação de uma linguagem específica e própria, distante da linguagem cotidiana e
da linguagem literária.
Em suma, o ideal de cientificidade impõe às ideias critérios e finalidades que, quando
impedidos de se concretizarem, forçam rupturas e mudanças teóricas profundas, fazendo
desaparecer campos e disciplinas científicos ou levando ao surgimento de objetos, métodos,
disciplinas e campos de investigação novos.

Ciência desinteressada e utilitarismo


Desde a Renascença, duas concepções sobre o valor da ciência estiveram sempre em
confronto: o ideal do conhecimento desinteressado  afirma que o valor de uma ciência
encontra-se na qualidade, no rigor e na exatidão, na coerência e na verdade de uma teoria,
independentemente de sua aplicação prática  e no ideal utilitarista  o valor de uma ciência
encontra-se na quantidade de aplicações práticas que possa permitir.
A distinção e a relação entre ciência pura e ciência aplicada pode solucionar o impasse
ou o confronto entre essas duas concepções sobre o valor das teorias científicas, garantindo,
por um lado, que uma teoria possa e deva ser elaborada sem a preocupação com fins práticos
imediatos, embora possa, mais tarde, contribuir para eles; e, por outro lado, garantindo o
caráter científico de teorias construídas diretamente com finalidades práticas, as quais podem,
por sua vez, suscitar investigações puramente teóricas.
Ideologia cientificista
São os aspectos do senso comum que caracterizam a ideologia da ciência na sociedade
contemporânea.

 Cientificismo: é a crença infundada de que a ciência pode e deve conhecer tudo.


- Ideologia da ciência: crença no progresso e na evolução dos conhecimentos
científicos que, um dia, explicarão a realidade toda e permitirão manipulá-la tecnicamente,
sem limites para a ação humana;
- Mitologia da ciência: crença na ciência como se fosse magia e poderio ilimitado
sobre as coisas e os homens, dando-lhe o lugar que muitos costumam dar à religião.
 A ilusão da neutralidade científica: crença de que a ciência é neutra ou imparcial,
já que os resultados obtidos por uma ciência não dependem da boa ou má vontade do cientista
nem de suas paixões. Diz à razão o que as coisas são em si mesmas, desinteressadamente.
O melhor caminho para perceber a impossibilidade de uma ciência neutra é levar em
consideração o modo como a pesquisa científica se realiza em nosso tempo: com o trabalho
coletivo dos cientistas, em equipe, nos grandes laboratórios universitários, nos institutos de
pesquisa e nos das grandes empresas transnacionais, bancados pelo Estado, pelas empresas
privadas e por ambos.
Tanto na visão do o cientista como inventor e gênio solitário quanto na atual, do
cientista como membro de uma equipe de engenheiros e magos, o senso comum vê a ciência
desligada do contexto das condições de sua realização e de suas finalidades. Eis porque tende
a acreditar na neutralidade científica e na ideia de que o único compromisso da ciência é o
conhecimento verdadeiro e desinteressado e a solução correta de nossos problemas.
A ideologia cientificista usa essa imagem idealizada para consolidar a da neutralidade
científica, dissimulando, com isso, a origem e a finalidade da maioria das pesquisas
destinadas a controlar a natureza e a sociedade segundo os interesses dos grupos que
controlam os financiamentos dos laboratórios.

A Escola de Frankfurt e a razão instrumental


Alguns filósofos alemães, reunidos na Escola de Frankfurt, descreveram a
racionalidade como instrumentalização da razão.
A razão instrumental, que os frankfurtianos, como Adorno, Marcuse e Horkheimer,
também designaram com a expressão razão iluminista, nasce quando o sujeito do
conhecimento toma a decisão de que conhecer é dominar e controlar a natureza e os seres
humanos. Assim, por exemplo, o filósofo Francis Bacon, no início do século XVII, criou uma
expressão para referir-se ao objeto do conhecimento científico: “a natureza atormentada”.
Na medida em que a razão se torna instrumental, a ciência vai deixando de ser uma
forma de acesso aos conhecimentos verdadeiros para tornar-se um instrumento de dominação,
poder e exploração. Para que não seja percebida como tal, passa a ser sustentada pela
ideologia cientificista, que, através da escola e dos meios de comunicação de massa,
desemboca na mitologia cientificista.

Os efeitos da razão instrumental


O emprego da noção de razão instrumental nos permite compreender:
- A transformação de uma ciência em ideologia e mito social, isto é, em senso comum
cientificista;
Que a ideologia da ciência não se reduz à transformação de uma teoria científica em
ideologia, mas encontra-se na própria ciência quando esta é concebida como instrumento de
dominação, controle e poder sobre a natureza e a sociedade;

Confusão entre ciência e técnica


O fato de a ciência moderna e contemporânea transformar a técnica em tecnologia gera
duas consequências principais: a primeira se refere ao conhecimento científico e a segunda, ao
estatuto dos objetos técnicos.
1. O conhecimento científico é concebido como lógica da invenção (para a solução de
problemas teóricos e práticos) e como lógica da construção (de objetos teóricos), graças a
possibilidade de estudar os fenômenos sem depender apenas dos recursos de nossa percepção
e de nossa inteligência;
2. Os objetos técnicos são criados pela ciência como instrumentos de auxílio ao
trabalho humano, máquinas para dominar a natureza e a sociedade, instrumentos de precisão
para o conhecimento científico e, sobretudo, em sua forma contemporânea, como autômatos.
O senso comum ignora as transformações da ciência e da técnica e conhece apenas
seus resultados mais imediatos.

O problema do uso das ciências


O uso da ciência é uma questão delicada que, em geral, escapa das mãos dos próprios
pesquisadores. É assim, por exemplo, que a microfísica ou a quântica desemboca na
fabricação de armas nucleares; a bioquímica e a genética, na de armas bacteriológicas. Teorias
sobre a luz e o som permitem a construção de satélites artificiais, que, se são conectáveis
instantaneamente em todo o globo terrestre para a comunicação e a informação, também são
responsáveis por espionagem militar e por guerras com armas teleguiadas.
A ciência, devido ao seu campo de atuação, tornou-se parte integrante e indispensável
da atividade econômica. Tornou-se agente econômico e político. Não é por acaso, por
exemplo, que os governos criem ministérios e secretarias de Ciência e Tecnologia e que
destinem verbas para pesquisas científicas. Do mesmo modo, grandes empresas financiam
pesquisas e até criam centros e laboratórios de investigação científica. A sociedade, porém,
não luta pelo direito de interferir nas decisões de empresas e governos quando estes decidem
financiar um tipo de pesquisa em vez de outro. Dessa maneira, o campo científico torna-se
cada vez mais distante da sociedade sem que esta encontre meios para orientar o uso das
ciências, pois este é definido antes do início das próprias pesquisas e fora do controle que a
sociedade poderia exercer sobre ele.
Um exemplo de luta social para intervir nas decisões sobre as pesquisas e seus usos
encontra-se nos movimentos ecológicos, no novo movimento da genética e em muitos
movimentos sociais ligados a reivindicações de direitos. De um modo geral, porém, a
ideologia cientificista tende a ser muito mais forte do que esses movimentos e, em decorrência
dos poderes econômicos, políticos e militantes envolvidos, a limitar o seu poder de ação.
Bibliografia
CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. 12 ed. São Paulo: Ática, 2002. p. 247 - 286.

Você também pode gostar