Você está na página 1de 36

Procedimentos Radiológicos

Contrastados - Sistema
Gastrointestinal Baixo
Profª Mariana Elisa
PROCEDIMENTOS RADIOGRÁFICOS
COMUNS
• Os procedimentos radiográficos contrastados
comuns envolvendo o sistema gastrointestinal
baixo são: Seriografia do Intestino Delgado ou
Combinação da SEED com estudo do Intestino
Delgado. Trânsito de Delgado ou Estudo do
Intestino delgado, Enteróclise ou Método da
Intubação e o Enema Baritado (Clister Opaco)
- Estudo do Intestino Grosso.
Revisão Anatômica
• O Intestino Delgado inicia-se na válvula
pilórica do estômago, as três partes
constituintes do intestino delgado são, em
ordem: Duodeno – Jejuno – Íleo.
• Em indivíduos normais, a extensão do
intestino delgado varia entre 7 e 9 m, sendo
os dois quintos proximais representados pelo
duodeno e jejuno, e o restante, pelo íleo.
Revisão Anatômica
• O duodeno é a primeira parte do intestino delgado sendo a
menor, a mais larga e a mais fixa de sua porção. localizada no
quadrante superior direito (QSD). Estende-se também ao
quadrante superior esquerdo (QSE), onde se articula ao
jejuno num ponto denominado flexura duodeno jejunal.
• O jejuno é localizado à esquerda da linha mediana nos
quadrantes superior esquerdo e inferior esquerdo (QSE e
QIE); Inicia-se na junção duodeno jejunal logo embaixo do
cólon transverso.
• O íleo está localizado principalmente nos quadrantes superior
direito e inferior direito e esquerdo (QSD, QID e QIE).
INDICAÇÕES CLÍNICAS
• Enterite: As enterites podem ser causadas por
bactérias, protozoários ou outros fatores ambientais.
Quando o estômago também é envolvido, a condição é
designada como gastroenterite.
• Giardíase: É uma infecção comum que acomete a luz
do intestino delgado, causada pelo protozoário
flagelado Giardia Lamblia. Dissemina-se
frequentemente por água ou alimentos contaminados
e/ou por contato interpessoal. No trânsito e delgado, a
giardíase provoca dilatação do intestino, com
espessamento das pregas circulares.
Enterite x Giardíase
INDICAÇÕES CLÍNICAS
• Linfoma e Adenocarcinoma são tumores malignos do
intestino delgado. Os linfomas são demonstrados durante o
trânsito de delgado produzindo um engrossamento e
possível hemorragia na parede mucosa. Já outros
segmentos do intestino podem se tornar estreitos e
ulcerados. Os adenocarcinomas se apresentam como
defeitos intraluminais curtos e nítidos, podendo causar
obstrução completa. Os sítios mais frequentes para
surgimento de adenocarcinomas são o duodeno e o jejuno
proximal.
Linfoma e Adenocarcinoma
Seriografia do Intestino Delgado - SID

• Serve para estudar a forma e função dos três


componentes do intestino delgado, bem como
para detectar quaisquer condições anormais.
• Como este exame também examina a função
do intestino delgado este procedimento deve
ser cronometrado. O horário deve ser anotado
quando o paciente ingeriu uma quantidade
substancial do meio de contraste.
CONTRAINDICAÇÕES
• Pacientes pré-cirúrgicos e ou com suspeitas de
perfuração do TGI não devem receber sulfato de bário.
• O sulfato de bário via oral também é contraindicado
para pacientes com possível obstrução de intestino
grosso.
• Em pacientes jovens e desidratados, é preciso
cuidado com o uso de contrastes hidrossolúveis.
• OBS: Deve-se primeiro descartar a possibilidade de
obstrução de intestino grosso realizando uma rotina de
abdome agudo.
Seriografia do Intestino Delgado - SID
• Preparação do paciente para um exame do TGI
baixo: A ingestão de alimentos ou líquidos tem de
ser suspensa por pelo menos 8 horas.
Idealmente, o paciente deve estar numa dieta
pobre em resíduos há 48 horas antes do trânsito
de delgado. Além disso, o paciente não deve
fumar nem mascar chicletes durante o período
de dieta zero. Deve-se solicitar que o paciente
urine antes do exame, para evitar o
deslocamento do íleo devido à distensão vesical.
Seriografia do Intestino Delgado - SID
• Crianças: Até um ano será necessário jejum
ABSOLUTO de três horas, inclusive de água.
Trazer duas mamadeiras vazias, com bico para
leite, para tomar o contraste. De um ano até
quatro anos- será necessário jejum ABSOLUTO
de quatro horas, inclusive de água. Caso ainda
use, trazer duas mamadeiras vazias, com bico
para leite, para tomar o contraste. Acima de
quatro anos- será necessário jejum ABSOLUTO
de seis horas, inclusive de água.
Seriografia do Intestino Delgado - SID
• Protocolo do exame: As radiografias são
normalmente obtidas em intervalos de 15 a
30 minutos. E o exame leve em torno de 2
horas ou até que o bário passe através da
válvula ileocecal.
Seriografia do Intestino Delgado - SID
• Radiografia Piloto Após a realização da
radiografia piloto, o paciente deverá ingerir
aproximadamente 480 ml de sulfato de bário. No
RX simples do abdômen, podem ser observados:
calcificações, padrão de distribuição do ar no
trato gastrointestinal, alterações esqueléticas,
densidade dos tecidos moles o bário retido no
apêndice ou em divertículos (no caso de exames
contrastados anteriores). E níveis hidroaéreos ar
fora das alças intestinais.
Radiografia Piloto
Seriografia do Intestino Delgado - SID
• Sequencia do exame: 30 min Abdome em PA.
60 min Abdome em PA. 90 min Abdome em
PA. 120 min Abdome em PA.
Seriografia do Intestino Delgado - SID
• Fase do Trânsito Intestinal: Paciente em decúbito
ventral (PA), com PMS alinhado com a LCM. Todas as
radiografias, após a exposição inicial aos 30 min,
devem ser centralizadas na crista ilíaca.
• Para as radiografias após 1: OOH e posteriores podem
ser usadas técnicas de quilo voltagem média, pois o
bário está mais espalhado através do canal alimentar,
não estando concentrado no estômago.
• A radiografia final é o estudo da válvula ileocecal em
OPE/OAD com compressão na fossa ilíaca direita.
Incidência em PA a cada 15 / 30 minutos.
• Tamanho do filme 35 x 43 cm em sentido longitudinal
• Técnica Faixa de 100- 125 kVp
• Posição do Paciente: Decúbito ventral (ou dorsal se ele não
conseguir ficar em decúbito ventral), com um travesseiro para a
cabeça.
• Posição da Parte: Alinhar o plano mediossagital à linha média da
mesa/grade e/ou RC. Colocar os braços para cima, ao lado da
cabeça, e as pernas estendidas, com suporte abaixo do tornozelo.
• Respiração Prender a respiração.
• Estruturas Demonstradas: Todo o intestino delgado é mostrado
em cada radiografia, com o estômago incluído na primeira
radiografia de 15 e/ou 30 minutos.
• Patologia Demonstrada: Processos patológicos, neoplasias e
obstruções do intestino delgado.
Seriografia do Intestino Delgado - SID
Seriografia do Intestino Delgado - SID
MÉTODO DA INTUBAÇÃO - COM
CONTRASTE SIMPLES
• Algumas vezes é referido como ENEMA DE
INTESTINO DELGADO. Essa é a técnica através da
qual um tubo nasogástrico é passado pela narina
do paciente, através do esôfago, estômago e
duodeno, até chegar ao jejuno. Esse
procedimento é realizado tanto para objetivos
diagnósticos quanto terapêuticos como para
aliviar uma distensão pós-operatória ou
descomprimir uma obstrução de intestino
delgado.
MÉTODO DA INTUBAÇÃO COM DUPLO
CONTRASTE
• É um método de duplo contraste utilizado
para o estudo do intestino delgado. Descreve
a introdução de um MC no paciente, por
intubação guiada pelo fluoroscópio, com um
cateter especial de enteróclise que passa
através do estômago para dentro do duodeno,
até a localização da junção duodeno jejunal.
MÉTODO DA INTUBAÇÃO COM
DUPLO CONTRASTE
• É injetada primeiro, uma suspensão de bário
de alta densidade pelo cateter numa faixa de
100 ml/minuto. Então, injeta-se ar dentro do
intestino para distendê-lo e produzir um efeito
de duplo contraste. O efeito de duplo
contraste dilata as alças do intestino delgado
enquanto aumenta a visibilidade da mucosa. A
enteróclise é indicada para pacientes com íleo
paralítico, enterite regional ou síndrome
disabsortiva.
MÉTODO DA INTUBAÇÃO COM
DUPLO CONTRASTE
• Vantagens: poder se controlar a quantidade
do MC injetado. Desvantagens: desconforto
pela intubação nasal e a maior exposição à
radiação.
MÉTODO DA INTUBAÇÃO COM
DUPLO CONTRASTE
ENTERÓCLISE – COM DUPLO
CONTRASTE
• A enteróclise descreve a injeção de um
nutriente ou líquido medicinal dentro do
intestino. É um exame que o paciente é
intubado sob o controle fluoroscópico com um
cateter de enteróclise especial que atravessa o
estômago para dentro do duodeno até a
junção duodenojejunal.
ENTERÓCLISE – COM DUPLO
CONTRASTE
• Em primeiro lugar, uma suspensão de bário de
alta densidade é injetada através desta sonda
em uma velocidade de 100ml/minuto. São
realizadas as radiografias e em seguida o ar é
injetado dentro do intestino para distendê-lo e
proporcionar um duplo contraste.
ENTERÓCLISE – COM DUPLO
CONTRASTE
• As desvantagens da enteróclise são o
desconforto aumentado do paciente e a
possibilidade de perfuração intestinal durante
a aplicação da sonda.
• Está indicada para pacientes com histórias
clínicas de íleo paralítico do intestino delgado,
enterite regional e síndrome de má absorção.
ENTERÓCLISE – COM DUPLO
CONTRASTE
• Depois que o procedimento é completado a
sonda é removida e o paciente é orientado a
consumir bastante água e laxativos se
necessário.
Enteróclise
Atividade de Fixação
1. Quais as partes do intestino delgado?
2. O que é SID?
3. Quais as patologias mais comuns do intestino delgado?
4. Qual o preparo do paciente para a realização da SID?
5. O que é visualizado na radiografia piloto do abdomen?
6. Qual a sequencia do exame para a SID
7. Como é realizado a fase do trânsito intestinal da SID?
8. Qual a incidência realizada na SID? Descreva seus fatores
técnicos.
9. O que é enteróclise e em quais patologias ela é indicada?
10. Descreva o método de intubação com duplo contraste?

Você também pode gostar