Você está na página 1de 14

UNIP

JOSÉ CANDIDO FARIAS JUNIOR


RA 0540941

PIM V

SALTO
2020
UNIP
JOSÉ CANDIDO FARIAS JUNIOR
RA 0540941

INFRAESTRUTURA DE TI PARA A EMPRESA CHALLENGE


PIM V

Projeto Integrado Multidisciplinar VI para


obtenção do título de Tec. em redes de
computadores apresentado à Unip
interativa.
Orientador: Prof° Ataide cardoso

SALTO
2020
RESUMO

Este trabalho tem o objetivo de apresentar uma solução de TI, analisando as


tecnologias disponíveis e mais adequadas para a reestruturação do ambiente de rede
da empresa Challenge. Também é avaliado toda a estrutura organizacional da
empresa, apresentando conceitos e visões estratégicas na administração de recursos
humanos, com a finalidade de oferecer qualidade e eficiência nos serviços oferecidos.
O trabalho aborda, também, os conceitos da microeconomia apresentando parâmetros
para tornar a organização
mais competitiva no mercado atual.

Palavras chave: Rede de computadores, MPLS, gerenciamento de rede, recursos


humanos.

ABSTRACT

This work aims to present an IT solution, analyzing the technologies available and
more suitable for the restructuring of the network environment of the company
Challenge. It also evaluates the entire organizational structure of the company,
presenting concepts and strategic visions in the administration of human resources,
with the purpose of offering quality and efficiency in the services offered. The paper
also discusses the concepts of microeconomics presenting parameters to make the
organization more competitive in the current market.

Keywords: Computer network, MPLS, network management, human resources


SUMÁRIO

1.INTRODUÇÃO ............................................................................................ 5
2.ORGANIZAÇÃO EMPRESARIAL................................................................ 6
2.1 Recursos Humanos ................................................................................ 6
2.2 Visão Estratégica.................................................................................... 6
2.3.Organograma .......................................................................................... 7
3.MICROECONOMIA...................................................................................... 8
4. REDE MPLS............................................................................................... 8
4.1. Componente da rede MPLS .................................................................. 8
4.2. Topologia ............................................................................................... 9
4.3. Modelo Hierárquico de rede ............................................................... 10
4.4. Endereçamento IPV4 ........................................................................... 11
5. ATIVOS DE REDE.................................................................................... 12
6. CONSIDERAÇÕES FINAIS ..................................................................... 14
REFERÊNCIAS............................................................................................. 15
1. INTRODUÇÃO

A necessidade de comunicação cada vez mais vem se tornando um fator primordial em nossa
sociedade, tanto entre as essoas como entre as empresas. As tecnologias de telecomunicações e
transmissões de dados estão em constante evolução, possibilitando a comunicação em locais
geograficamente remotos, impossíveis anteriormente devido ao fator da distância.
O presente trabalho tem por finalidade apresentar um projeto técnico de solução de TI,
desenvolvido pela empresa UNIP PIM V , para a empresa Challenge, visando o aprimoramento e
integração na comunicação entre sua matriz e suas, atualmente, cinco filiais.
A proposta irá apresentar a implantação de uma rede a longa distância, ou WAN (Wide Area
Network), tendo em vista que as filiais da empresa Challenge situam-se em alguns estados brasileiros e,
também, em outro país.
O projeto abordará os conhecimentos das disciplinas de Redes I – longa distância e alto
desempenho, Economia e Mercado e Gestão Estratégica de Recursos Humanos, aplicando conceitos e
fundamentos utilizados no mercado atual, com a finalidade de propiciar maior
competitividade de mercado para a organização.

2. ORGANIZAÇÃO EMPRESARIAL

O conceito de organização dentro de uma empresa é caracterizado pelo seu quadro estrutural de
cargos definidos por respectivos títulos, responsabilidades, relações formais, nível de autoridades,
atribuições básicas e aspectos culturais.
Mesmo que fatores do ambiente externo possam parecer iguais para as organizações que fazem
parte de um mesmo setor, são as singularidades do ambiente interno que tornam uma organização
diferente da outra.Essas particularidades são denominadas de cultura organizacional da empresa,
funcionando como diretriz para guiar o comportamento e a mentalidade de seus colaboradores,
engajando-os em torno dos objetivos da empresa.

3. Recursos humanos

A administração de recursos humanos possui um papel fundamental em uma organização, indo além
da função de entrevistar, contratar e demitir colaboradores e passou a ser uma área interdisciplinar
envolvendo Direito do Trabalho, Engenharia de Segurança, Psicologia Industrial, Sociologia
Organizacional, Medicina do Trabalho, etc.
Para Chiavenato (2009):
A ARH consiste no planejamento, organização, desenvolvimento, coordenação e no controle de técnicas
capazes de promover o desempenho eficiente das pessoas, ao mesmo tempo em que a organização
representa o meio que permite às pessoas que com ela colaboram alcançar os objetivos individuais
relacionados direta ou indiretamente com o trabalho. (pag.274).

4. Visão Estratégica

Uma das principais preocupações que as organizações possuem é conseguir atender as exigências

de mercado com qualidade nos serviços oferecidos e buscando sempre o seu aprimoramento, tendo em

vista que o mercado atual está em constante mudança.

É com essa premissa que a relação entre o indivíduo e a organização se tornam essenciais, visto

que o colaborador possuí os fatores de produção necessários para a empresa. Esse relacionamento gira

em torno da reciprocidade, onde a organização oferece remuneração, recompensas, benefícios sociais,

oportunidades de crescimento dentro da empresa e desenvolvimento intelectual, em contrapartida o

colaborador se sente valorizado e produz com mais eficiência e qualidade, gerando um impacto benéfico

desde a sua estrutura organizacional até o produto ou serviço final.

5. ORGANOGRAMA

Uma organização necessita de uma base sólida de planejamento estratégico a fim de estruturar
da melhor forma o seu negócio, a sua empresa. O organograma surge como uma das
alternativas para essa necessidade, representando geograficamente as funções e/ou setores da
empresa, demonstrando suas inter-relações de forma hierárquica ou não.
Dessa forma, foi elaborado o organograma da empresa levando em consideração uma estrutura
um pouco mais dinâmica e flexível, representando suas relações funcionais, sem deixar de fora sua
hierarquia.

FIGURA 1 - Organograma da Empresa

3 MICROECONOMIA

Os principais fatores explorados pela microeconomia são a análise de preços e a aplicação dos
recursos disponíveis no processo produtivo. Ela estuda, segundo Baidya et al. (2014), “[...]o
comportamento dos tomadores de decisão como células unitárias, sejam como proprietários ou gerentes
de firmas, sejam como indivíduos comuns diante da escolha do que adquirir[...]” e d em três partes: teoria
do consumidor, teoria da empresa e teoria da produção.
Visando os princípios da Microeconomia, objetivando deixar a organização mais competitiva,
foram analisadas as tecnologias Frame Relay e MPLS (Multiprotocol Label Switching) para estruturar o
projeto de rede de longa distância da empresa Challenge. Contudo, optou-se pela tecnologia MPLS
devido ao fato de possuir alta flexibilidade, velocidade, escalabilidade, gerenciamento da qualidade dos
serviços e a viabilidade de implementar engenharia de tráfego.

4. REDES MPLS

Definido pela RFC 3031, o MPLS (Multiprotocol Label Switching) é um padrão IETF (Internet
Engineering Task Force) de redes de telecomunicação, sendo referenciado no modelo OSI como um
protocolo de camada “2,5”, pois atua entra as camadas de rede e de enlace de dados. Ele utiliza
“rótulos” (labels) como forma de comutar pacotes, que são acrescidos aos pacotes IP substituindo o seu
mecanismo de encaminhamento.
Esses rótulos possuem o comprimento fixo de 32 bits, sendo significativos somente para cada
roteador em questão, visto que a interpretação do seu valor é alterada a cada salto, diferentemente do
cabeçalho IP que possui sempre o mesmo endereço de destino (GHEIN,2007). Essa é uma das
principais características que tornou o MPLS popular, se tornando uma excelente opção para soluções
na criação de VPN’s (Virtual Private Network).

4.1 Componentes da Rede MPLS

O MPLS utiliza dois tipos de roteadores, o LSR (Label Switching Router), que possui somente
interfaces MPLS possibilitando enviar o tráfego puramente em rótulos, e roteadores LER (Label Edge
Routers), considerados como roteadores de borda, que tratam pacotes vindos de redes IP (SANTOS,
2003). Tanto os LSR’s, como os LER’s, possuem uma base de informação de rótulos denominada LIB
( Label I nformation Base), sendo utilizada para dar encaminhamento aos pacotes.
A classificação dos pacotes através dos rótulos é definido pela FEC (Forwarding Equivalence
Class), que nada mais é que um grupo ou fluxo de pacotes que são encaminhados ao longo do mesmo
caminho e tratados da mesma forma (GHEIN, 2007). Esse trajeto percorrido pelos pacotes através da
rede é conhecido como LSP (Label Switched Path).
Para que possa ser definido uma LSP, é necessário um protocolo que permita a um LSR
distribuir aos seus pares a designação do rótulo de uma FEC, a fim de que todos tomem conhecimento
deste rótulo e o que ele significa. Essa função é realizada pelo LDP (Label Distribution Protocol), que foi
criado especificamente para a distribuição de rótulos ao longo da rede.

4.2 Topologia

A empresa Challenge é constituída de uma matriz, situada no município de São Paulo – SP, e
seis filiais, situadas nos municípios de Belo Horizonte – MG, Curitiba – PR, Florianópolis - SC, Distrito
Federal, Rio de Janeiro – RJ e, no exterior, Detroit – MI (EUA).
Foi realizado um levantamento de usuários da empresa com o objetivo de mensurar e projetar
uma melhor infraestrutura, onde constatou-se que a matriz possui cerca de 200 postos de trabalho e em
cada filial cerca de 100 usuários.
A matriz será a centralizadora de toda a comunicação da rede WAN, interligando suas filiais
através dela. Serão contratados dois provedores da Vivo de comutação MPLS para atender as
demandas, sendo um para realizar a comunicação das filiais brasileiras com a matriz e outro para efetuar
a comunicação da filial do exterior com a matriz.
O cálculo de banda é um fator de extrema importância a ser considerado na definição da
velocidade dos links contratados, visando garantir que a rede suporte os dados trafegados sem que haja
sobrecarga na rede. Sendo assim, sabendo que a média de transações diárias de cada unidade gira em
torno de 3.800 transações e que cada uma possuí um tamanho de 830 kbytes, foi realizado o cálculo de
banda e de finido que a velocidade dos links de cada unidade devem ser de 60Mbps, suprindo, então,
de forma satisfatória o tráfego de dados da organização.
Para atender as necessidades da organização foi elaborado a seguinte topologia física:

Figura 2 – Topologia Física da Organização

4.3 Modelo Hierárquico de Rede

Uma rede com design hierárquico é dividida por três camadas: acesso, distribuição e núcleo.
Cada camada possuí uma função específica dentro desse modelo de rede. A camada de acesso é a
responsável pela conexão dos dispositivos finais, como computadores e impressoras. Os principais
equipamentos encontrados nessa camada são os roteadores, hubs, switches entre outros.
A camada de distribuição é responsável pela ligação entre a camada de acesso com a camada
de núcleo. Ela controla o fluxo do tráfego da rede, realizado funções de roteamento, através de switches
de alto desempenho. A camada de núcleo é o backbone da rede, agregando o tráfego dos dispositivos
da camada de distribuição, podendo se conectar a recursos de internet. Ele deve possuir equipamentos
robustos capaz de encaminhar grandes quantidades de dados rapidamente
. O modelo de rede hierárquico possuí inúmeros benefícios como escalabilidade, redundância,
desempenho, segurança, gerenciamento e sustentabilidade. Assim, uma rede organizada facilita a
administração de rede, podendo gerar economia em equipamentos, evitar problemas futuros ou até
solucioná-los com mais facilidade.

Figura 3 – Modelo Hierárquico da Matriz

4.4 Endereçamento IPv4

O protocolo IPv4 é um protocolo bastante difundido na rede de comunicação internet e será


usado ainda por um bom tempo, até ser substituído no futuro pelo IPv6. O IPv4 foi especificado pela
IETF (Internet Engineering Task Force) através das RFC’s 791, 1349, 2474 e 6864. Atuando na camada
3 do modelo OSI, o IPv4 é formado por 32 bits divididos em quatro octetos, podendo gerar até
4.294.967.296 endereços.
Os endereços IPv4 são divididos em cinco classes, conforme pode ser visualizado na imagem
abaixo:

Figura 4 – Classificação das classes de IPv4

Observando que o mercado tende a estar em constante expansão, foi considerado um


crescimento da empresa Challenge de cerca de 8% em três anos. Assim, foi determinado uma margem
na distribuição dos endereços Ipv4 que atendesse esse crescimento da organização.
Para a definição dos endereçamentos host da rede foram utilizados endereços IPv4 classe B,
juntamente a suas respectivas máscaras de rede, conforme segue:
• Matriz - São Paulo:
▪ Endereço IP: 172.1.0.0/16 | Máscara: 255.255.0.0
• Filial – Belo Horizonte:
▪ Endereço IP: 172.2.0.0/16 | Máscara: 255.255.0.0
• Filial – Curitiba:
▪ Endereço IP: 172.3.0.0/16 | Máscara: 255.255.0.0
• Filial – Distrito Federal:
▪ Endereço IP: 172.4.0.0/16 | Máscara: 255.255.0.0
• Filial – Florianópolis:
▪ Endereço IP: 172.5.0.0/16 | Máscara: 255.255.0. 0
• Filial – Rio de Janeiro:
▪ Endereço IP: 172.6.0.0/16 | Máscara: 255.255.0.0
• Filial – Detroit, Michigan:
▪ Endereço IP: 172.7.0.0/16 | Máscara: 255.255.0.0

5. ATIVOS DE REDE

Os ativos de rede são equipamentos específicos que permitem estruturar uma rede de
computadores, seja conectando as máquinas da empresa entre elas, seja conectando a empresa à
internet. Esses dispositivos são responsáveis por analisar as informações trafegadas e disponibilizar de
forma confiavel e com alta performance a comunicação entre computadores e servidores.
Assim, para atender as especificações do projeto de rede da organização foi utilizado roteadores
Cisco modelo 3640 com a versão do Software Cisco IOS Release 12.2(28). Para os servidores das
unidades foram utilizados servidores empresarias Oracle. Os databases da matriz São Paulo e da filial
Detroit possuem a capacidade de 800 Gi gabytes cada um, visto que a filial irá realizar o backup diário
das informações contidas na matriz
Visto que a unidade de Detroit possuirá a tarefa de replicar os dados contidos no servidor da
matriz, exercendo a função de backup dos dados da empresa, foi utilizado a solução GoldenGate
disponibilizada pela Oracle. Tal replicação será feita de forma unidirecional, onde um servidor envia os
dados para outro servidor, onde este apenas recebe a armazena os dados.

Figura 5 – Replicação Unidirecional

6. CONSIDERAÇÕES FINAIS
O desenvolvimento do projeto de reestruturação do ambiente de rede da empresa Challenge
possibilitou analisar diversos os conceitos e tecnologias de rede empregadas no mercado atual.
Fundamentos sobre administração de recursos humanos e microeconomia puderam estabelecer
diretrizes para que a organização seja capaz de construir uma estrutura organzacional sólida, guiando o
comportamento e a mentalidade de seus colaboradores para com os objetivos da empresa.
A tecnologia MPLS mostrou ser uma importante ferramenta no mercado de telecomunicações,
demonstrando ter a capacidade de atender as demandas existentes em redes de longa distância de
forma bastante satisfatória e segura, principalmente nos serviços de redes virtuais privadas (VPN).
Assim, com esse projeto, foi possível implementar uma rede mais robusta para a empresa
challenge, com a características de alto des empenho, escalabilidade, gerenciamento de qualidade de
serviços e implementação de engenharia de tráfego, possibilitando à organização uma melhor
competitividade no seu nicho de mercado.

REFERÊNCIAS

Chiavenato, Idalberto. Administração de recurso humanos: fundamentos básicos. São Paulo:


Manole, 2009.
Baidya, T. K. N. et al. Fundamentos de Microeconomia. 1ª ed. Rio de janeiro: Interciência, 2014
Tanenbaum, A.S.; Wetherall, D.Redes de computadores. 5ª ed. são Paulo: Pearson Education do
Brasil, 2011.
ORACLE. Alta disponibilidade com o Oracle Database 11g Release 2 . Disponível em:
<https://www.oracle.com/technetwork/pt/database/enterprise-edition/documentation/db
HYPERLINK "https://www.oracle.com/technetwork/pt/database/enterprise-edition/documentation/db%20-
ptb-wp-higha11gr23-2249794-ptb.pdf" HYPERLINK
"https://www.oracle.com/technetwork/pt/database/enterprise-edition/documentation/db%20-ptb-wp-
higha11gr23-2249794-ptb.pdf" HYPERLINK "https://www.oracle.com/technetwork/pt/database/enterprise-
edition/documentation/db%20-ptb-wp-higha11gr23-2249794-ptb.pdf" HYPERLINK
"https://www.oracle.com/technetwork/pt/database/enterprise-edition/documentation/db%20-ptb-wp-
higha11gr23-2249794-ptb.pdf" HYPERLINK "https://www.oracle.com/technetwork/pt/database/enterprise-
edition/documentation/db%20-ptb-wp-higha11gr23-2249794-ptb.pdf" HYPERLINK
"https://www.oracle.com/technetwork/pt/database/enterprise-edition/documentation/db%20-ptb-wp-
higha11gr23-2249794-ptb.pdf" HYPERLINK "https://www.oracle.com/technetwork/pt/database/enterprise-
edition/documentation/db%20-ptb-wp-higha11gr23-2249794-ptb.pdf" -ptb-wp-higha11gr23-2249794-
ptb.pdf>. Acesso em: 03 abr. 2019.
DEVMEDIA. onfigurando uma solução de replicação para alta disponibilidade no
OraChiavenato, Idalberto. Administração de recu rso humanos: f undamentos básicos. São
Paulo: Manole, 2009.
Baidya, T. K. N. et al. Fundamentos de Microeconomia. 1ª ed. Rio de Janeiro: Interciência,
2014.
Tanenbaum, A. S.; Wetherall, D. Redes de computadores. 5ª ed. São Paulo: Pearson
Education do Brasil, 2011.
ORACLE. Alta disp onibilidade com o Ora cle Database 11g Release 2 . Disponível em:
<https://www.oracle.com/technetwork/pt/database/enterprise-edition/documentation/db -ptb-
wp-higha11gr23-2249794-ptb.pdf>. Acesso em: 03 abr. 2019.
DEVMEDIA. Configurando uma solução de replicação para alta disponibilidade no
Oracle – Revista SQL Magazine 104. Disponível em:
<https://www.devmedia.com.br/configurando-uma-solucao-de-replicacao-para-alta-
disponibilidade-no-oracle-revista-sql-magazine-104/25964>.Acesso
em: 02 abr. 2019. le – Revista SQL Magazine 104. Disponível em:
<https://www.devmedia.com.br/configurando-uma-solucao-de-replicacao-para-alta-
disponibilidade-no-oracle-revista-sql-magazine-104/25964>.Acesso
em: 02 abr. 2019. .
WEBPOVOA. Evitando futuros problemas aplicando o modelo hierárquico de rede.
Disponível em: <https://webpovoa.com/modelo-hierarquico-de-rede/>. Acesso em: 05 abr. 2019.
COMUTADORES. Modelo de rede hierárquica - parte 1 de 2. Disponível em:
<http://www.comutadores.com.br/modelo-de-rede-hierarquica-parte-1-de-2/> Acesso em: 05 abr. 2019
Dos Santos, R.C. Um estudo do Uso da Tecnologia MPLS em Backbones no Br asil. 2003.
Dissertação \(Mestrado em Ciências da Computação) – Universidade Federal de santa Catarina,
Florianópolis.