Você está na página 1de 68

FACULDADE

 DE  DIREITO  DA  UNIVERSIDADE  NOVA  DE  LISBOA  


CURSO  DE  DIREITO  –  4º  ANO,  PRIMEIRO  SEMESTRE  
 
DOCENTE  MARIANA  FRANÇA  GOUVEIA  
DIREITO  PROCESSUAL  CIVIL  DECLARATIVO  
 
 
Aulas  Teóricas  
 
O  CPC  é  subsidiário  em  relação  às  outras  formas  de  processo.  No  processo  declarativo  o  objectivo  é  declarar  o  direito  
de  forma  definitiva,  sendo  que  aqui  poderia  haver  aso  a  recursos.  Na  acção  executiva  o  objectivo  é  substituir  aquilo  
que   o   réu   (executado)   está   obrigado   a   fazer,   o   que   pode   ser   «entregar   uma   coisa»,   «pagar   algo»   ou   «fazer   alguma  
coisa».  
 
Ex:  o  cheque  é  um  título  executivo  que  não  necessita  de  uma  acção  declarativa  para  que  se  proceda  à  acção  executiva.  
 
Nem   todo   o   processo   executivo   necessita   de   uma   prévia   acção   declarativa   para   ser   iniciado,   dado   que   as  
sentenças   não   são   as   únicas   que   constituem   títulos   executivos.   O   agente   de   execução   apreende   esses   bens  
forçosamente   –   os   quais   são   vendidos,   sendo   o   dinheiro   da   venda   entregue   ao   exequente.   Torna-­‐se   efectiva   a  
obrigação.  
 
• Artigo  10º,  CPC:  definição  de  acções  executivas  e  declarativas.  
 
No   processo   declarativo   dá-­‐se   a   palavra   a   cada   uma   das   partes   e   deixa-­‐se   produzir   a   prova,   e,   no   fim,   o   juiz   decide  
quem   tem   razão.   Processo   contraditório,  em   que   há   igualdade   das   partes.   No   fim   há   uma   decisão   justa,   não   porque   se  
aplicou  o  direito,  mas  porque  foi  dada  oportunidade  para  as  partes  exporem  os  seus  argumentos.  
 
Bibliografia:    
 
Lebre  de  Freitas  –  A  Acção  Declarativa  Comum,  3ª  edição,  Coimbra  Editora,  2013  
Paulo  Pimenta  –  Processo  Civil  Declarativo,  Coimbra,  Almedina,  2015    
Paulo   Ramos   Faria   e   Ana   Luísa   Loureiro   –   Primeiras   Notas   ao   Código   de   Processo   Civil   –   Volumes   I   e   II,   Coimbra,  
Almedina  
Lima  Pinheiro  –  Direito  Internacional  Privado  –  Volume  III:  para  o  regulamento  1215/  2012  
 
Salvador   da   Costa   –   Os   Incidentes   da   Instância,   Coimbra,   Almedina:   para   a   parte   da   intervenção   de   terceiros   no  
processo  que  não  vem  tratada  nos  outros  manuais    
 
Artigo  da  Professora  para  a  Ordem  dos  Advogados  
 
Legislação:  
 
• Código  de  Processo  Civil    
• Lei  nº  62/2013,  de  26  de  Agosto  
• Regulamento  UE  1215/2012  
 
Teste  (Facultativo):  9  de  Dezembro;    
Inscrições  para  trabalhos  até  meio  de  outubro.  
 
Sumário  –  Aula  de  21  de  Setembro  de  2016:    
 
1. O  novo  Código  de  Processo  Civil;  
2. Revisão  de  Conceitos  Essenciais;  

Página  |  1    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

3. Fases  do  Processo  Civil  Comum.    


 
 
1. O  NOVO  CÓDIGO  DE  PROCESSO  CIVIL:  
 
A   grande   diferença   deste   código   para   o   código   anterior   está   na   procura   da   simplificação   e   da   flexibilização   das  
regras  processuais.  São  estas  ideias  que  têm  marcado  toda  a  evolução  do  processo  civil.  Há  a  ideia  de  que  o  processo  é  
muito   burocrático   e,   portanto,   procurou-­‐se   muito   essa   flexibilização   e   essa   simplificação.   Isto   relaciona-­‐se   com   os  
vários  princípios  da  gestão  processual,  da  economia  processual  e  com  o  princípio  da  adequação  processual  (6º  e  547º  
CPC)  que,  para  a  professora,  são  uma  e  a  mesma  coisa.    
 
O   processo   é   rígido,   estático.   E   isso   é   contraditório   com   estes   princípios.   O   que   vamos   aprender   neste  
semestre   corresponde,   actualmente,   a   uma   sugestão   de   tramitação   processual   simplificada.   O   juiz   poderá   sempre  
adequar   aquela   que   é   a   tramitação   base   -­‐   nos   termos   destes   princípios.   Se   entender   que   há   alternativas   que   se  
mostrem  convenientes,  decide  o  que  é  mais  adequado  para  o  processo.  
 
A   ideia   de   gestão   processual   e   flexibilidade   foram   as   principais   que   o   código   seguiu.   A   professora   considera  
que   ainda   há   muito   que   fazer   e   é   muito   provável   que   o   CPC   vá   diminuindo   de   tamanho   com   o   evoluir   dos   tempos.  
Sabendo-­‐se  o  que  está  por  detrás  das  regras  e  princípios,  podemos  substituir  essas  regras  para  as  adequar  em  certos  
casos.  
 
2. REVISÃO  DE  CONCEITOS  ESSENCIAIS:    
 
O  artigo  10º  CPC  faz  a  distinção  entre  as  diversas  espécies  de  acção.  Estes  conceitos  são  essenciais.  A  ideia  de  
que  se  ganhou  um  processo,  mas  a  seguir  pode  ter  de  se  propor  outro  é  uma  ideia  que,  para  a  maioria  das  pessoas,  é  
descabida.  Por  causa  disso,  a  ideia  deste  CPC  foi  transformar  a  acção  executiva  da  sentença  numa  espécie  de  segunda  
parte   da   declarativa.   Isto   consta   do   art.   626º/1,   CPC:   significa   que   não   há   uma   nova   acção,   estamos   antes   perante   a  
continuação  da  mesma  acção.  Isto  acaba  por  ser  indiferente,  porque  o  regime  que  se  aplica  é  o  da  acção  executiva.  É  
certo  que  o  novo  código  quis  romper  com  a  ideia  de  que  só  se  pode  executar  uma  sentença  em  acção  executiva.  Na  
prática  é  a  mesma  coisa.    
 
A  execução  tem  de  ser  requerida.  Seja  como  for,  há  uma  alteração  na  designação,  mas  do  ponto  de  vista  material,  a  
fase  executiva  do  processo  executivo  é  exatamente  igual  a  uma  ação  executiva,  burocraticamente  é  que  não  o  é.  
 
Tirando  esta  bizarria  desta  previsão  na  execução  de  sentença,  a  distinção  entre  acção  executiva  e  declarativa  já  
referida  é  essencial.  Enquanto  na  declarativa  há  um  processo  contraditório  para  decidir  o  litígio;  a  ação  executiva  tem  
como   fim   o   cumprimento   de   uma   obrigação   a   que   o   executado   está   adstrito,   não   a   cumpriu   voluntariamente   e   o  
Estado  substitui-­‐se  ao  que  o  devedor  devia  fazer  para  que  a  acção  seja  cumprida.    
 
! Na  acção  executiva  não  se  discute  se  o  direito  existe  ou  não,  executa-­‐se  apenas.  Em  regra,  executa-­‐se  o  património,  por  via  
da  penhora,  sendo  o  produto  da  venda  judicial  do  bem  entregue  ao  exequente.  Na  acção  declarativa,  cada  um  apresenta  o  
seu  caso  e  provas,  bem  como  os  seus  argumentos  e,  no  fim,  o  juiz  decide  através  da  sentença.  Portanto,  são  duas  espécies  
de  ação  completamente  diferentes.  
 
Dentro  da  acção  declarativa,  há  três  espécies  de  ação  diferentes  (art.  10º/3):  
 
• Simples  apreciação  –  ex.:  declaração  de  paternidade.  A  de  simples  apreciação  pode  ser  positiva  ou  negativa.  
 
• Condenação  -­‐  grande  maioria.  
 
• Constitutiva   –   Ex.:   acção   de   execução   específica   do   contrato-­‐promessa.   Alteração   da   ordem   jurídica   por   efeito  
da  sentença.  Também  a  resolução  do  contrato  de  casamento  só  existe  se  se  seguirem  determinados  requisitos  
legais.  O  mesmo  para  a  acção  de  despejo  que,  em  certos  casos,  pode  ser  declarada  por  um  tribunal.  Quando  o  
tribunal   declara,   é   naquele   momento   que   o   contrato   é   resolvido.   As   acções   constitutivas   não   são   muito  

Página  |  2    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

frequentes   e   têm   esta   especialidade   de   serem   acções   em   que   é   a   própria   sentença   que   altera   a   situação  
jurídica.   É   diferente   das   duas   anteriores,   que   reconhecem   o   direito   já   existente,   ou   seja,   nessas   o   tribunal  
limita-­‐se  a  reconhecer  a  sua  existência.  
 
Não  é  necessário  indicar  a  espécie  de  acção  quando  se  propõe  o  processo.  Também  é  muito  comum  na  mesma  
acção  cumularem-­‐se  pedidos  de  vários  tipos  de  acção.  Pode  pedir-­‐se  a  resolução  do  contrato  de  arrendamento  e,  em  
consequência,  o  despejo,  e  quando  pede  isto  o  autor  está  a  pedir  também  a  condenação  do  réu  na  entrega  do  locado,  
livre   de   encargos.   Ainda   se   pode   somar,   imaginando   que   o   réu   destruiu   o   locado,   um   pedido   de   indemnização   pelos  
danos.   Portanto,   as   espécies   de   acção,   no   fundo,   são   espécies   de   pedidos.   No   processo   comum,   em   geral,   não   há  
limites  nenhuns  ao  nível  do  número  de  pedidos.    
 
Redigir   o   pedido,   num   caso   de   uma   acção   complicada,   pode   ser   um   quebra-­‐cabeças,   sobretudo,   porque   o  
pedido   limita   a   decisão   do   juiz,   há   o   princípio   do   pedido   e   o   juiz   não   pode   decidir   para   lá   disso.   E   é   difícil   fazer  
alterações  do  pedido  no  processo  civil.  O  pedido  é  feito  na  petição  inicial,  mas  a  forma  como  se  o  formula  cristaliza-­‐o  
logo   na   petição.   É   preciso   ter   muita   atenção   à   forma   como   se   faz   o   pedido,   mas   é   um   dos   problemas   do   nosso   sistema  
processual  civil.  No  sistema  de  common  law  não  é  assim.  Isso  ajuda  um  pouco,  porque  os  processos  têm  uma  dinâmica.  
 
A  relevância  prática  da  discussão  da  classificação  de  ações  prende-­‐se  com  a  acção  executiva  -­‐  703º  CPC,  já  que  
só   servem   de   título   executivo   as   sentenças   condenatórias.   A   lógica   disto   é   muito   simples:   uma   sentença   constitutiva  
mudou,   ela   própria,   a   ordem   jurídica:   se   é   uma   execução   do   contrato-­‐promessa,   com   a   sentença   de   execução  
específica,  o  autor  passou  a  ser  o  proprietário  do  bem  e  basta  levar  o  título  da  sentença  ao  registo.  
 
É  por  essa  razão  que  apenas  as  condenatórias  são  títulos  executivos,  porque  as  outras  não  têm  nada  em  que  o  
réu  tenha  de  fazer  alguma  coisa  e  não  o  faz  voluntariamente,  vindo  o  tribunal  interferir  para  satisfazer  o  direito.  
 
Revisão  –  Professor  LEBRE  FREITAS  
 
  O   recurso   ao   tribunal   faz-­‐se   mediante   a   propositura   de   uma   acção.   Por   ela,   um   sujeito   de   direito   privado   (o   autor)   deduz  
contra   outro   (o   réu)   um   pedido,   normalmente   (há   casos   excepcionais   em   que   a   um   não   titular   é   admitido   a   exercer   o   direito   de  
acção;   tal   acontece   quando   a   lei   autoriza   a   substituição   processual   ou   o   direito   de   acção   popular),   afirmando-­‐se   titular   duma  
situação  jurídica  para  a  qual  requer  a  tutela  do  tribunal.    
 
  Consoante  o  tipo  de  pedido  deduzido,  a  acção  proposta  diz-­‐se  declarativa  ou  executiva.    
 
1. É  declarativa  quando  o  autor  pede  ao  tribunal:  
1.1. Que  declare  a  existência  ou  inexistência  de  um  direito  ou  facto  jurídico  (acção  de  simples  apreciação);  
1.2. Que  condene  o  réu  na  prestação  duma  coisa  ou  dum  facto  a  que  o  autor  tem  direito  (acção  de  condenação);  
1.3. Que  altere  as  situações  jurídicas  das  partes  devido  a  um  direito  potestativo  do  autor  (acção  constitutiva).  
 
2. É  executiva  quando  visa  a  reparação  material  dum  direito  violado,  no  pressuposto  da  sua  existência.    
 
3. FASES  DO  PROCESSO  CIVIL  COMUM:  
 
Relevante   neste   aspecto   é   o   art.   546º   CPC,   no   qual   se   faz   distinção   entre   o   processo   comum   e   o   processo  
especial.   De   forma   simples,   pode   dizer-­‐se   que   o   processo   comum   se   reporta,   de   forma   subsidiária,   em   relação   aos  
1
processos  especiais .  
 
Ø Os   processos   especiais   não   serão   abordados   nesta   cadeira,   mas   veremos   no   código   alguns   dos  
processos   especiais,   constantes   nos   artigos   878º   e   ss   -­‐   começam   com   os   processos   de   tutela   de  
personalidade  (878º  CPC);  de  prestação  (906º  CPC);  divisão  de  coisa  comum  (925º  CPC),  entre  outros.  

                                                                                                                       
1
  Por   processos   especiais   entendam-­‐se   as   formas   de   processo   com   sequências   ordenadas   de   actos   especificamente   predispostas  
para   se   valer   esse   tipo   de   pretensão.   Além   dos   processos   especiais   constantes   do   Código   de   Processo   Civil,   outros   há,   cuja  
tramitação   consta   de   leis   avulsas,   incluindo   leis   de   conteúdo   híbrido   –   leis   que   estabelecem   regimes   substantivos   e,  
simultaneamente,  processuais.    

Página  |  3    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

O   que   nos   vai   ocupar   é   o   processo   comum.   O   548º   CPC   tem   uma   regra   simples:   segue   uma   forma  
única.    
 
A  acção   declarativa   especial   tem   um   diploma   autónomo   DL   269/98.   Esta   aplica-­‐se   aos   processos   com   valor   até  
15000€.  Ou  seja,  acções  contratuais  ou  de  obrigação  pecuniária  de  valor  até  15000€  seguem,  obrigatoriamente,  este  
processo,  o  que  significa  que  isto  é  uma  espécie  de  processo  sumaríssimo.  As  cobranças  de  serviços  públicos  essenciais,  
telecomunicações  e  créditos  ao  consumo,  acções  que  tenham  até  este  valor,  seguem  este  procedimento.  
 
Portanto,  é  verdade  que  o  processo  comum  tem  apenas  uma  forma,  mas  paralelamente  há  também  estas  acções.    
 
A   injunção   é   um   procedimento   que   permite   obter   um   título   executivo   de   forma   muito   rápida.   Permite   saltar   a  
fase  declarativa  e  ir  directamente  para  a  executiva.  A  injunção  é  alternativa  e  é  um  procedimento  para-­‐judicial:  o  credor  
tem  uma  obrigação  nestas  condições,  preenche  um  formulário  que  entra  no  balcão  nacional  de  injunções,  que  cita  o  
requerido.  O  requerido  tem  15  dias  para  responder  e,  se  não  o  fizer,  automaticamente,  o  requerimento  transforma-­‐se  
em  título  executivo.  Isto  é  muito  utilizado  pelas  operadoras  telefónicas.  Se  o  requerido  disser  que  não  deve  nada,  então  
a  injunção  transforma-­‐se  em  processo  declarativo.  É  um  procedimento  para-­‐judicial,  porque  o  credor  nem  sequer  prova  
tem  de  juntar,  a  lei  não  o  exige.    
 
VALOR  DA  CAUSA,  ARTS.  296º  E  SS  
 
Um  conceito  básico  é  o  valor  da  acção,  que  é  um  dos  identificadores  das  acções  que  permite  saber  desde  logo  
se   a   acção   depois   vai   até   ao   Supremo   ou   se   é   competência   da   instância   central   ou   local.   O   valor   da   acção   está   previsto  
no  art.  296º,  e  corresponde  à  utilidade  económica  do  pedido.  Iremos  perceber  como  é  que  se  determina  esta  utilidade.  
Nas  ações  em  que  se  pede  uma  quantia  de  dinheiro,  é  essa  quantia  o  valor  da  causa  (297º/1).  Mas  há  também  outros  
critérios.  LEBRE  FREITAS  descreve  o  valor  da  causa  como  «utilidade  económica  do  pedido».  
 
 
  Quanta  Pecuniária   Utlidade  de  quem  a  
Líquida   Quanta  Certa   deduz  (*)  
 
  Valor  da  Causa  
  Art.  296º/1  
  Equivalente   Utlidade  visada  
Pecuniário   Quanta  Incerta   (benevcio)  
 
 
 
(*)   Independentemente   de   ser   pedida   condenação   no   seu   pagamento;   simples   apreciação   da   existência   ou   inexistência  
do  direito  ao  seu  pagamento;  ou  à  sua  realização  constitutiva.    
 
Há  casos  em  que  é  possível  fazer  um  pedido  genérico:  fixa-­‐se  o  valor  da  causa  pelo  valor  do  que  já  é  devido  e  já  
se   sabe   em   concreto   que   se   vai   liquidar.   Depois   há   uma   regra   relativamente   às   prestações   vincendas:   somam-­‐se   todas,  
mesmo  as  que  ainda  não  estão  vencidas.  Se  forem  juros  –  297º/2.  
 
O  valor  da  acção  tem  várias  consequências,  sendo  uma  dessas  a  recorribilidade.  Se  atentarmos  ao  629º  CPC  
concluímos   isso   mesmo:   o   recurso   ordinário   só   é   admissível   quando   o   valor   da   acção   seja   superior   ao   da   alçada   do  
tribunal.  Ou  seja,  temos  de  atender  à  LOSJ,  nomeadamente,  ao  44º.  A  estes  acrescentamos  os  696º  e  ss  do  CPC,  que  
nos  levam  a  concluir  que  se  houver  uma  acção  de  valor  superior  a  5000€  mas  inferior  a  30000€,  eu  posso  recorrer  para  
a  Relação,  mas  é  inferior  à  alçada  da  Relação,  portanto  eu  não  posso  recorrer  para  o  Supremo.  
 
O   valor   da   acção   também   vai   determinar,   dentro   de   cada   comarca,   se   é   a   instância   central   que   o   vai   apreciar  -­‐
117  LOSJ.  Para  evitar  fraudes,  temos  o  306/1  CPC.    
 
[Conceito  de  Alçada:  valor,  fixado  pela  lei  de  organização  judiciária,  até  ao  qual  um  tribunal  de  instância  julga  as  causas  
da  sua  competência.  Releva,  por  exemplo,  a  nível  dos  recursos  –  art.  629º/1].    

Página  |  4    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

 
Ex.:  há  acções  que  não  têm  utilidade  económica  direta  -­‐  303º  CPC,  tem  a  ver  com  direitos  não  patrimoniais  e,  nesse  caso,  a  parte  
pode  atribuir  um  valor,  por  exemplo,  o  30001€.  Dando  um  exemplo  real,  houve  um  conjunto  de  acções  relativas  ao  direito  à  greve,  
porque   uma   série   de   funcionários   da   empresa   fez   greve,   só   que   a   empresa   descontou   dias   a   mais,   porque   a   fábrica   parou   6   dias   em  
vez  dos  3  do  pré-­‐aviso,  uma  vez  que  desligaram  as  máquinas  e,  para  retomar  a  produção,  foram  necessários  mais  3  dias.  Cada  um  
dos   trabalhadores   foi   propor   uma   acção   contra   a   empresa   pelo   pagamento   dos   3   dias   a   mais.   Qual   é   o   valor   desta   acção?   A   acção   é  
proposta  pelo  trabalhador,  pedindo  que  a  empresa  seja  condenada  a  pagar  três  dias  de  trabalho.  O  valor  da  acção  é  de  500€.  Não  
dava   para   recorrer.   A   empresa   sabia   que   na   primeira   instância   ia   ser   condenada   a   pagar   o   valor   dos   três   dias   e   então   reclamou,  pois  
queria  que  se  decidisse  apenas  se  era  devido  o  valor,  e  não  do  trabalhador  em  concreto.  Não  procedeu.  A  apensação  não  resolvia  
isto  por  causa  da  sucumbência,  porque  tinha  de,  em  relação  a  cada  um  dos  pedidos,  ter  metade  do  valor  da  alçada.  
 
CAPÍTULO  I  
FASES  DO  PROCESSO  CIVIL  COMUM  
 
O   processo   civil   comum   tem,   essencialmente,   quatro   fases   que   não   são   estanques   e   que,   por   vezes,   têm   funções  
diversas:  
 
  Segundo   Lebre   Freitas,   «os   actos   da   sequência   processual   ordenam-­‐se   em   fases   sucessivas,   findas   as   quais  
pode  precludir  a  possibilidade  de  praticar  actos  que,  nela  se  integrando,  não  hajam  sido  praticados.»  
 
1. A   fase   dos   articulados   -­‐   tem   essencialmente   como   função   a   alegação   dos   factos   pelas   partes  
processuais.  Os  articulados  correspondem  ao  momento  inicial  do  processo  e  vão  apresentar  o  caso.  É  
esta,   no   fundo,   a   função   dos   articulados.   Os   textos   iniciais   são   juntos   ao   processo   e   vão   conter   as  
matérias  do  processo.  Nesta  fase  são  as  partes  o  papel  principal;  
 
1.1. Petição  Inicial  (art.  147º/1);  
1.2. Distribuição  (arts.  203º  e  204º);  
1.3. Citação  do  Réu  (arts.  219º/1  e  225º);  
1.4. Contestação  (arts.  569º/1,  571º  e  574º);  
1.5. E  sua  Notificação  ao  Autor  (art.  220º/2);  
1.6. Eventualmente,  Réplica  (art.  584º);  
1.7. Excepcionalmente,  Despacho  Judicial  após  apresentação  da  Petição  Inicial  (arts.  226º/4  e  590º/1).  
 
2. A  fase  intermédia  -­‐  é  uma,  ou  a,  fase  de  Condensação.  O  juiz  tem  o  papel  principal  e  vai  ler  tudo  o  que  
as   partes   apresentaram   no   processo   e   vai,   no   fundo,   ver   se   faz   sentido,   se   estão   reunidos   os  
pressupostos  processuais,  se  há  temas  que  já  podem  ser  decididos,  se  o  processo  está  em  condições  
de   andar,   o   que   é   que   falta   provar   e   marcar   a   produção   de   prova   e   a   audiência   final.   Esta   fase   é  
chamada,  por  alguns  autores,  de  “saneamento  e  condensação”.  O  que  importa  mesmo  é  para  que  é  
que  serve  e  não  tanto  a  sua  designação.    
 
2.1. Despacho  Pré-­‐Saneador  (art.  590º/2  a  6);  
2.2.  Notificação  das  Partes  para  a  Audiência  Prévia  (art.  220º/1)  e  Audiência  Prévia  (art.  591º);  
2.3. Não  havendo  lugar  a  esta,  Despacho  Saneador  Autónomo  (art.  595º);  
2.4. Despacho  de  Identificação  do  Objecto  do  Litígio  e  Enumeração  dos  Temas  de  Prova  (art.  596º/1);  
2.5. Despacho  de  Marcação  de  Audiência  Final  (art.  523º/3,  alínea  d));  
2.6. Notificação  dos  Despachos  às  Partes  (art.  593º/3);  
2.7. Eventuais  Reclamações  e  Alterações  ao  Requerimento  de  Prova  (arts.  593º/3,  596º/2  e  598º/1);  
2.8. Notificação  das  Partes  havendo  Reclamação,  para  Audiência  Prévia  (art.  593º/3);  
2.9. Audiência  Prévia  (593º/3).  
 
Segundo  LEBRE  FREITAS,  esta  fase  visa:    
 
a. Verificar  e  garantir  a  regularidade  do  processo;  
b. Identificar  as  questões  de  facto  e  de  direito  relevantes*;  

Página  |  5    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

c. Decidir  o  que  possa  ser  decidido;  


d. Enunciar  os  temas  da  prova  a  efectuar  subsequentemente;  
e. E  preparar  as  diligências  probatórias.    
 
*  (com  a  possibilidade  de  serem  suprimidas  insuficiências  e  imprecisões  na  alegação  da  matéria  de  facto)  
 
3. A   fase   da   instrução   -­‐   tem   como   intenção   principal   provar.   Vai   juntar   as   provas   necessárias   para   provar  
os   factos   essenciais   que   ainda   faltam   provar.   Pode   ter   de   se   nomear   peritos   para   dizerem   o   que   é   que  
acham  daquele  facto.  Pode  ser  uma  inspeção  judicial,  ou  seja,  é  o  próprio  juiz  que  vai  observar  a  prova:  
vai   ver   o   local   do   acidente,   a   obra,   etc.   Quando   as   partes   juntam   os   documentos   aos   articulados,   já  
estão  a  fazer  prova  dos  factos  a  que  esses  documentos  se  referem.  
LEBRE  FREITAS,  «repartida  por  actos  de  produção  de  cada  meio  de  prova,  tendencialmente  concentrados  
na   audiência   final   (arts.   604º/3,   alíneas   a)   a   d)   e   607º/1),   mas   tendo   lugar   antes   dela   quando   a  
natureza  do  meio  de  prova,  como  é  o  caso  da  perícia,  ou  outras  circunstâncias  –  entre  as  quais:  
 
a. Urgência;  
b. Impossibilidade  de  Comparência  de  Testemunha;  
c. Impossibilidade  de  Comparência  da  Parte;  
d. A  Qualidade  da  Testemunha;    
e. A  Conveniência  em  Inspecção  Judicial  antes  da  Audiência;  
 
-­‐ (arts.  419º,  456º,  457º,  490º,  491º,  503º  a  506º)  o  imponham  ou  aconselhem».  
 
4. A  fase  do  julgamento  -­‐  Depois  das  alegações  há  a  sentença  que  irá  pôr  fim  ao  processo.  A  finalidade  
desta  última  parte  é  decidir  o  caso.  É  aquele  momento  em  que  também  se  produz  prova.    
 
Segundo   LEBRE   FREITAS,   nesta   fase,   as   «partes   expressam   o   seu   ponto   de   vista   sobre   as   decisões,   de  
facto  e  de  direito,  a  proferir  e  o  tribunal  decide»:  
 
4.1. Alegações  Sucessivas  do  Autor  e  do  Réu,  com  possibilidade  de  réplica  (art.  604º/3,  alínea  e));  
4.2. Sentença  (art.  607º);  
4.3. Notificação  desta  às  Partes  (art.  220º/1);  
4.4. Eventuais  Reclamações  das  Partes,  quando  não  seja  admissível  recurso  (arts.  615º/4  e  616º/3);  
4.5. E  a  sua  Decisão  (art.  613º/3);  
4.6. Seguidamente  Notificada  (art.  220º/1).    
 
Estas   fases   são   sequenciais,   conforme   o   código   as   prevê.   Vamos   dar   aqui   alguns   temas   que,   na   verdade,   do  
ponto   de   vista   cronológico,   se   passam   em   momentos   diferentes.   O   processo   é   delimitado   em   função   daquilo   que   as  
partes  pediram  ao  juiz  e  não  em  função  do  interesse  público,  como  acontece  no  processo  penal.  Daí  que  tanto  a  parte  
dos  articulados  como  a  de  produção  de  prova  seja  a  cargo  das  partes.  A  produção  de  prova  vai  do  artigo  410º  ao  426º  
CPC.   Este   capítulo   estava   no   antigo   CPC   numa   outra   localização   e   agora   passou   para   a   parte   geral.   A   ideia   era   que   a  
tramitação   do   processo   estava   sequencialmente   regulada   no   código   mas   o   código   de   2013   retirou-­‐a   de   lá   porque   estas  
normas  se  aplicam  também  aos  processos  especiais,  aos  procedimentos  cautelares,  etc.,  e  nem  tudo  se  passa  naquele  
só  momento.  Pergunta:  como  é  que  eu  regulo  os  factos  num  processo  em  tribunal?  A  resposta  está   no  capítulo  I  do  
título  V.  Pode  acontecer  que  entre  a  audiência  prévia  e  a  de  julgamento  não  haja  nova  produção  de  prova,  mas  pode  
haver  também.    
 
O  primeiro  artigo  que  interessa  é  o  552º  CPC,  que  é  a  norma  relativa  à  petição  inicial.  Devemos  destacar  a  definição  de  
articulados,  que  consta  do  147º  CPC.  Os  articulados  são  as  peças  em  que  as  partes  expõem  os  fundamentos  da  ação  e  
da  defesa  e  formulam  os  pedidos  correspondentes.  Um  articulado  é  um  conjunto  de  artigos.    
 

Página  |  6    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

O  que  a  lei  obriga  é  que  as  peças  processuais,  os  textos  que  são  juntos  pelas  partes  onde  se  alegam  os  fundamentos  da  
ação   ou   da   defesa   e   se   fazem   os   pedidos,   sejam   redigidos   de   forma   articulada.   Os   articulados   são   tipificados   no  
processo  comum:  (i)  petição  inicial,  (ii)  contestação,  (iii)  réplica  e  (iv)  articulados  supervenientes.    
 
Do   ponto   de   vista   do   processo   civil,   um   articulado   é   uma   peça   onde   se   alegam   factos   essenciais   à   ação   e   à  
defesa,  onde  se  alegam  factos  da  causa  de  pedir  (autor)  e  exceções  (réu).  O  conceito  de  articulados  é  diferente  do  de  
documento   porque   o   documento,   nos   termos   técnicos   de   processo,   é   um   meio   de   prova   e   um   articulado   é   a   peça  
processual  na  qual  as  partes  apresentam  fundamentos  da  ação  ou  da  defesa.    
 
Algo   também   diferente   é   um   requerimento:   papel   onde   se   pede   algo   a   um   juiz.   Não   são   tipificados,   e   não   têm  
limite,  ao  contrário  dos  articulados.    
 
Depois  da  petição  inicial,  tem  de  se  chamar  o  réu,  ou  seja,  o  segundo  ato  no  processo  civil  é  a  contestação  do  
réu,  que  está  sobretudo  prevista  nos  artigos  225º  a  246º  CPC,  regras  que  serão  dadas  em  pormenor.    
 
Citado  ontem,  ele  vem  apresentar  a  sua  defesa  e  fá-­‐lo  através  da  contestação,  que  está  prevista  no  569º  CPC.  
Se  passa  o  prazo  e  não  há  contestação,  são  dados  como  provados  os  factos  que  são  referidos  contra  o  próprio.  Se  não  
se  apresentar  contestação,  a  consequência  é  a  de  o  réu  ser  julgado  à  revelia:  566º-­‐568º  CPC.  Se  houver  contestação,  
pode  haver  lugar  a  réplica  (584º),  que  atualmente  é  ainda  mais  um  articulado  eventual.    
 
Com  a  réplica  termina  a  fase  dos  articulados.  Entra-­‐se  depois  então  na  fase  da  gestão  inicial  do  processo.  Há  
ainda   a   questão   dos   articulados   supervenientes,   que   surge   numa   fase   posterior.   Podem   ser   apresentados   na   fase   de  
discussão   e   julgamento   se   só   naquela   altura   a   parte   tomou   conhecimento   de   algo   muito   relevante   para   o   processo.  
Tem  de  se  alegar  qualquer  facto  que  seja  causa  de  pedir  ou  exceção  e  o  facto  tem  de  ser  superveniente.  
 
A   fase   intermédia   começa   com   um   despacho,   o   despacho   pré-­‐saneador,   previsto   no   590º   CPC.   Começa   com  
um  despacho  do  juiz  que  pode  ser  de  marcação  de  audiência  prévia,  ou  de  aperfeiçoamento,  entre  outros.  É  nesta  fase  
a  primeira  vez  que  o  juiz  vai  intervir,  pedindo  mais  coisas  às  partes,  por  exemplo.    
 
A   audiência   prévia   (anteriormente   preliminar)   é   o   segundo   ato   desta   fase,   prevista   no   591º   CPC.   Nesta  
audiência  há  uma  condensação  de  uma  série  de  atos.  A  regra  é  que  haja  uma  condensação  de  uma  série  de  atos  que  
vêm   referidos   nos   artigos   seguintes.   Esses   atos   surgem   no   594º   -­‐   tentativa   de   conciliação;   é   o   que   está   no   595º   -­‐  
saneador;   temas   da   prova   -­‐   596º.   Pode   haver   alteração   às   provas   que   as   partes   queiram   introduzir   -­‐   alteração   do  
requerimento  probatório  (596º)  e  será  neste  momento  também  que  se  vai  marcar  a  audiência  final.  Imaginemos  que  
uma  parte  invoca  a  prescrição  do  direito  do  autor.  Nalguns  casos,  se  os  dados  estiverem  todos,  o  juiz  pode  logo  proferir  
uma  decisão  parcial  ou  final  em  que  vai  decidir  se  a  exceção  invocada  pelo  réu  é  ou  não  procedente.  
 
Se   a   instância   for   incompetente,   o   processo   não   vai   avançar.   Se   uma   das   partes   está   em   revelia,   não  
apresentou  contestação  e  se  consideram  provados  todos  os  factos,  o  juiz  também  pode  já  decidir.  Em  todos  os  casos  
em  que  o  saneador  é  o  despacho  final,  chama-­‐se  saneador  sentença.    
Se  o  processo  prosseguir,  então  vamos   identificar   o   que   é   que   falta   provar   para   então   se   produzir   prova   sobre   estes  
factos  controvertidos.    
 
A   fase   de   instrução   está   compreendida   nos   artigos   410º   a   526º.   Temos   a   regulação   da   prova   documental  
(423º),   da   confissão   e   das   declarações   de   parte   (452º),   pericial   (467º),   a   inspeção   judicial   (490º)   e   a   prova   testemunhal  
no  495º.  
Juntos   todos   os   documentos   e   feita   a   produção   de   prova,   segue-­‐se   para   julgamento  -­‐   599º   e   seguintes.   Nesta   fase   há   -­‐  
basicamente  -­‐  dois  actos:   a   audiência   final   (599º   e   seguintes)  sendo  que  termina   (art.   604º/e))  com  alegações  orais  dos  
advogados.  
 
Depois  temos  a  sentença,  feita  pelo  juiz  no  prazo  de  30  dias  depois  de  encerrada  a  audiência  final  (607º)  e  com  
esta   sentença   termina   o   processo   em   primeira   instância.   Extingue-­‐se   o   poder   jurisdicional   depois   de   proferida   a  

Página  |  7    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

sentença   -­‐   613º   CPC.   Depois   há   recursos   se   houver   sucumbência.   Segundo   LEBRE   FREITAS,   «terminado   o   processo   em   1.ª  
instância,  pode  abrir-­‐se,  no  prazo  do  art.  638º,  instância  de  recurso  ordinário  dirigido  à  Relação».    
 
! A  maior  parte  dos  prazos  no  processo  civil  são  perentórios  e  não  dilatórios.  
 
Sumário  –  Aula  de  29  de  Setembro  de  2016:  
4. Petição  Inicial.  
 
CAPÍTULO  II  
1ª  FASE:  DOS  ARTICULADOS  
 
 
4. A  PETIÇÃO  INICIAL  
 
Está  prevista  no  art.  552º,  CPC,  sendo  o  ponto  de  partida  para  o  processo  declarativo  ordinário  ou  comum.  É  a  
maneira  como  se  inicia  o  processo  civil  em  Portugal.  É  a  primeira  coisa  e  o  processo  inicia-­‐se  desta  forma  (pode  ser  feito  
a  partir  da  plataforma  citius  ou  em  formato  de  papel).  O  primeiro  trabalho  do  advogado  é  esta  petição  para  proceder  
ao  pedido  de  uma  acção.  Nos  processos  comuns,  a  acção  começa  então  com  esta  petição  inicial.    
 
Segundo  LEBRE   FREITAS,  «constitui-­‐se  assim  a  instância,  como  relação  jurídica  entre  autor  (solicitante  de  
tutela   jurisdiciona)   e   o   tribunal   (a   quem   a   solicitação   é   dirigida),   dizendo-­‐se   a   partir   daí   pendente   a  
acção,   e   é   impedida   a   caducidade   do   direito,   através   dela   feito   valer,   que   só   judicialmente   possa   ser  
exercido,  nos  termos  do  art.  331º/1,  Código  Civil».  
 
4.1. OS  REQUISITOS  DA  PETIÇÃO  INICIAL  (ART.  552º,  CPC)  
 
A  acção  é  proposta  pelo  autor  contra  o  réu.  A  petição  é  um  texto  escrito,  do  qual  devem  constar:  
 
a) Designar   o   tribunal   –   tribunal   a   que   dirijo   a   petição   inicial,   em   função   das   regras   de   competência.   Existem  
vários   tribunais   em   Portugal   (civis   da   jurisdição   comum).   A   determinação   da   competência   faz-­‐se   de   acordo  
com  regras  previstas  no  CPC,  a  partir  do  art.  59º.  Trata-­‐se  de  um  pressuposto  processual.  Dependem  do  tipo  
de  acção,  da  residência  dos  réus,  do  local  de  celebração  do  contrato,  entre  outros  factores;  
 
Basta  elencar  o  tribunal:  “Exmo.  Senhor  Juiz  do  Tribunal  da  Comarca  de  Lisboa”.  O  perder  uma  acção  porque  o  tribunal  
não  é  competente  fica  muito  mal  ao  advogado.    
 
b) Identificar   as   partes   –   nomes,   domicílios   ou   sedes.   A   identificação   tem   que   permitir   saber   quem   são   as   partes  
e,  no  caso  dos  réus,  qual  o  local  em  que  vai  fazer  a  citação  (morada  quando  se  propõe  a  acção,  mesmo  que  
esta  depois  não  se  venha  revelar  a  real,  a  verdadeira).    
 
Ex.:  Sociedade  X  «vem  propor  contra»  -­‐  indica  que  é  autora.  Não  basta  dizer  que  se  trata  de  uma  sociedade,  tendo  de  
ter  o  nome,  o  domicílio  e  sempre  que  possível,  número  de  identificação  civil  (que  no  caso  das  sociedades,  enquanto  
pessoas  colectivas,  não  é  possível).    
 
Hoje   em   dia,   com   a   plataforma   electrónica   do   MJ,   forma   um   género   de   uma   capa   que   fica   igual   para   todos   os  
processos.    
 
  Pode  aparecer  o  estado  civil,  como  forma  de  fazer  referência  à  capacidade  plena  civil.  No  caso  de  ser  solteira,  é  
possível   que   apareça   que   a   pessoa   é   maior,   no   sentido   em   que   poderia   ser   menor   e,   como   tal,   não   seria   capaz.   Dá-­‐se   a  
indicação   do   pressuposto   processual   de   capacidade   judiciária.   Também   o   facto   de   alguém   ser   casado   pode   ter  
implicações  ao  nível  da  legitimidade.  Enquanto  a  capacidade  e  a  personalidade  judiciária  são  pressupostos  processuais  
que   têm   a   ver   com   as   partes,   independentemente   do   litígio;   na   legitimidade   há   uma   relação   entre   o   processo   e   a  

Página  |  8    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

pessoa,   i.e.,   se   aquele   objecto   processual   está   ligado   àquela   pessoa,   se   a   pessoa   tem   legitimidade   formal/processual  
para  pedir  aquilo  que  se  encontra  a  pedir  na  acção.    
 
  O  advogado  será  o  mandatário  judicial  do  autor,  pelo  que  tudo  o  que  é  escrito  e  a  própria  identificação  das  
duas   partes   é   escrita   na   terceira   pessoa   do   singular.   O   advogado   é   como   se   fosse   a   parte,   na   medida   em   que  
representam  a  parte.  Tudo  o  que  o  advogado  diz  quanto  ao  autor,  é  como  se  fosse  o  autor  a  dizer  (há  procuração).    
   
c) Identificar   o   domicílio   profissional   do   mandatário   judicial   –   a   morada   do   advogado   aparece   na   nota   de  
rodapé  da  peça  processual.  Não  é  necessário  que  se  diga  expressamente  «morada»,  basta  que  apareça.  É  um  
requisito   fundamental   na   medida   em   que   as   notificações  –   quase   todas   (99%),   menos   as   excepcionais   –   são  
enviadas  para  os  advogados.  O  advogado  deverá  depois  comunicar  ao  cliente  em  tudo  o  que  seja  essencial.    
 
O   mandatário   tem   um   papel   de   barreira   entre   o   tribunal   e   a   parte.   O   tribunal   não   fala   directamente   com   a  
parte,  sendo  o  advogado  o  interlocutor.  Daí  que  seja  necessário  o  domicílio  profissional  do  advogado.    
 
d) Identificar   a   forma   de   processo   –   existem   várias   formas   de   processo,   as   quais   previstas   no   art.   546º,   CPC.  
Assim,  a  forma  comum  é  subsidiária  à  especial  e  é  processo  único.    
 
Ex.:  “acção  declarativa  de  condenação,  com  processo  comum.”  
 
e) Expor  a  causa  de  pedir  e  as  razões  de  direito  que  servem  de  fundamento  à  acção  –  é  a  parte  mais  longa  da  PI,  
a   qual   obrigatória.   Por   vezes,   as   petições   têm   uma   separação   entre   factos   e   direito   (mas   nem   sempre).  
Contudo,   esta   distinção   não   é   vinculativa,   na   medida   em   que   há   muitos   factos   que   já   têm   uma   qualificação  
jurídica.   Ex.:   A   celebrou   um   contrato   com   B.   Se   não   é   discutível   a   existência   do   contrato,   não   é   necessário  
alegar   este   facto,   ou   seja,   a   discussão   será   feita   sobre   outro   aspecto.   Podem   alegar-­‐se   estes   conceitos   quando  
não  são  controvertidos  sem  que  isso  coloque  em  causa  uma  decisão  de  direito  no  fim.    
 
Estas  peças  devem  conter  algo  sobre  os  regimes  jurídicos  que  estejam  a  ser  aplicados  ou  que  se  visam  
aplicar,  mesmo  que  não  vincule,  na  medida  em  que  quem  decide  é  o  próprio  juiz.    
 
f) Formular  o  pedido;  
g) Declarar  o  valor  da  causa;  
h) Referência  do  agente  de  execução  –  não  é  vinculativa;  
 
A   regra   da   citação   é   a   carta   registada   com   aviso   de   recepção.   Se   vier   devolvida   pode   haver   citação   por  
contacto   pessoal,   ou   seja,   é   o   próprio   agente   de   execução   que   vai   ao   local   de   domicilio   ou   de   trabalho   entregar   a  
papelada.  Mas  é  uma  regra  apenas  aplicável  às  pessoas  singulares.    
 
i) Requerer   a   prova   –   é   uma   obrigação   («deve»).   Chama-­‐se   requerimento   probatório,   sem   prejuízo   de   ser  
alterado   posteriormente.   Resulta   do   número   2.   Se   não   o   fizer   pode   incorrer   na   circunstância   de   não   conseguir  
fazer  ouvir  testemunhas  que  quer  que  sejam  ouvidas.  Hoje  em  dia,  para  requerer  qualquer  meio  de  prova,  tem  
de  vir  logo  na  petição  inicial  (seja  perícia,  seja  testemunha,  entre  outros).  Apesar  de  não  estar  nas  alíneas  do  
número  1,  é  um  requisito  essencial.  
 
4.2. ESTRUTURA  DA  PETIÇÃO  INICIAL  
 
• Designação  do  Tribunal;  
• Cabeçalho  ou  Introito  –  identificação  das  partes  e  indicação  da  forma  do  processo;  
• Fundamentação  da  acção  por  artigos  –  causa  de  pedir;  
• Indicação  do  pedido;  
• Requerimento  probatório;  
• Indicações   suplementares   –   valor   da   causa,   documentos,   cópias   e   duplicados   e   comprovativo   (pagamento   taxa   de  
justiça);  

Página  |  9    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

• Assinatura  da  petição.    


 
O  art.  423º,  CPC,  determina  que  os  documentos  que  façam  prova  dos  factos  alegados  estão  obrigatoriamente  
na  petição  inicial.  Há  uma  válvula  de  escape.  Geralmente  indica-­‐se  o  número  de  documentos  acrescentados.  
Há   quem   coloque   a   descrição   e   as   listas   dos   documentos,   sendo   muito   útil,   embora   pouco   utilizado   em  
Portugal.  É  algo  que  se  encontra  com  maior  frequência  a  nível  internacional.  Nada  disto  é  proibido,  pelo  que,  
desde  que  se  tiver  todos  os  requisitos  referidos,  pode  dar-­‐se  asas  à  imaginação.    
 
O   art.   148º,   CPC,   determina   que   os   articulados   são   apresentados   em   duplicado   (uma   cópia   para   a   secretaria   e   outra  
para  entregar  à  parte  contrária).  Se  o  número  de  réus  for  superior,  aumentam-­‐se  as  cópias.  O  número  2  determina  que  
não  se  falam  em  cópias,  mas  sim  duplicados  das  peças  processuais.  As  cópias  servem  apenas  para  os  documentos.    
   
[Não  há  citação  pelo  citius,  na  medida  em  que  na  altura  da  citação  ainda  não  há  constituição  de  advogado.  A  citação  é  feita  por  carta  
registada.  A  partir  do  momento  em  que  há  contestação,  constitui-­‐se  advogado  e  passa  a  ser  via  citius.]  
 
  Se   quiser   colocar   uma   prova   pericial,   é   necessário   identificar   o   objecto.   O   art.   552º   admite   que   seja   alterado   o  
requerimento  probatório  depois  da  contestação.  Há  quem  entenda  que  a  alteração  só  pode  ser  de,  por  exemplo,  uma  
testemunha.   Contudo,   a   professora   considera   que   pode   ser   qualquer   meio   de   prova.   A   tradição   forense   é   o  
requerimento  probatório  antes  da  audiência  prévia.    
 
  Na  audiência  prévia  (art.  598º):  há  dois  momentos  para  alterar  o  requerimento  de  prova,  ou  na  réplica  ou  no  
prazo  de  10  dias  depois  da  contestação.  Também  no  momento  da  audiência  prévia  pode  dar-­‐se  esta  alteração.    
 
  O   processo   civil   tende   a   ser   rígido,   muito   conceptual,   mas   tem   sofrido   várias   evoluções.   A   organização  
processual  não  pode  ser  sufocante  ao  ponto  de  impedir  as  partes  de  fazerem  o  seu  “trabalho”.  Por  um  lado,  temos  que  
ter  em  conta  a  procura  da  verdade  material,  por  outro,  a  eficácia  e  eficiência  do  processo  civil.  Mais  importante  que  
seguir  os  passos  todos,  é  obedecer  ao  Pp  do  Contraditório.    
 
  O   código   tem   regras,   mas   são   propostas   de   regra.   Há   que   ter   um   espírito   crítico,   balizando   a   sua   aplicação  
pelos  princípios  do  processo  civil,  do  processo  justo.  Se  por  uma  questão  de  eficiência  as  partes  têm  de  ter  momentos  
certos  para  uma  prova,  isto  deve  ser  visto  com  alguma  flexibilidade.    
 
4.3. O  PEDIDO  
 
Pedido:  providência  processual  adequada  à  tutela  do  seu  interesse.  É  aquilo  que  o  autor  pretende  do  tribunal,  que  quer  
que   o   tribunal   decida   contra   o   réu.   Imaginando   que   é   uma   acção   em   que   se   pede   o   pagamento   do   preço:   se   não   se  
pede   a   restituição   da   coisa   entregue,   o   tribunal   não   vai   julgar   nem   condenar   nesse   sentido.   O   pedido   tem   que   ser  
explícito,  ou  seja,  estabelecer  expressamente  a  pretensão  da  acção.    
 
Segundo   LEBRE   FREITAS,   «autor   formula,   assim,   na   petição   inicial,   um   pedido,   o   qual   se   apresenta  
duplamente  determinado:    
 
• Por   um   lado,   o   autor   afirma   ou   nega   uma   situação   jurídica   subjectiva,   ou   um   facto   jurídico   de  
direito  material,  ou  manifesta  a  sua  vontade  de  constituir  uma  situação  jurídica  nova  com  base  
em  direito  potestativo;  
 
• Por  outro,  requer  ao  tribunal  a  providência  processual  adequada  à  tutela  do  seu  interesse.»  
 
Admissibilidade  de  pedido  genérico  –  art.  556º:  é  uma  excepção.  Só  se  admite  nestes  casos  e  apenas  nestes  casos.  Só  
se  pode  pedir  a  condenação  de  coisa  incerta  nos  termos  do  presente  artigo.    
 

Página  |  10    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

Segundo  LEBRE   FREITAS,  «de  acordo  com  o  art.  556º,  é  admitido  o  pedido  genérico  respeitante  a  uma  universalidade,  de  
facto   ou   de   direito,   à   indemnização   decorrente   de   facto   ilícito;   ou   a   um   quantitativo   dependente   de   prestação   de  
contas  ou  de  outro  acto  a  praticar  pelo  réu.  Ou  seja:  
 
1. No  primeiro  caso:  autor  não  tem  de  individualizar  os  elementos  que  fazem  parte  da  universalidade;  
2. No  segundo  caso:  autor  pede  indemnização  cujo  quantitativo  não  precisa:  
 
2.1. Porque  ainda  lhe  é  impossível  (não  é  conhecida  toda  a  extensão  do  dano);  
2.2. Porque  quer  gozar  da  faculdade  que  lhe  confere  o  art.  569º,  CC  (não  indicar  quantia  exacta  do  dano);  
 
3. No  terceiro  caso,  é  pedida  a  condenação  do  réu  no  pagamento:  
 
3.1. Do  saldo  que  venha  a  resultar  das  contas  que  apresente;  
3.2. No  montante  resultante  de  outro  acto  que  venha  a  praticar.  
 
Ex.:  réu  é  condenado  a  entregar  a  pastelaria  e  o  seu  conteúdo.  O  agente  de  execução  vai  descriminar  o  alvo  de  entrega,  
ou  seja,  todos  os  bens  que  se  encontrem  na  pastelaria.  Este  procedimento  pode  levar  dias,  no  sentido  em  que  tem  de  
ser  uma  enunciação  minuciosa.      
 
  Se   em   vez   de   um   pedido   genérico   se   individualizar   um   determinado   bem,   a   acção   irá   incidir   apenas   nesse  
mesmo  bem.  Esta  é  a  situação  da  alínea  a).  
 
  A   alínea   b)   contempla   duas   situações:   a   primeira   –   é   comum   nas   acções   de   acidente   de   viação   ou   trabalho.   No  
caso  da  legionela  houve  pessoas  que  tiveram  danos  respiratórios  que  se  vão  repercutir  durante  longos  anos.  É  para  este  
género   de   casos   que   está   prevista   a   primeira   parte   desta   alínea   (o   incumprimento   ou   ilicitude   ainda   estão   a   causar  
danos).    
 
Dono   da   obra   –   empreiteiro   –   subempreiteiro:   o   último   fez   algo   errado   e   obrigou   a   que   se   desfizesse   toda   a   obra,   pelo  
que   o   empreiteiro   entregou   a   obra   com   um   atraso   de   um   ano.   O   empreiteiro   não   só   teve   de   reconstruir,   como   poderia  
ainda   responder   por   danos   de   mora,   porque   tinha,   por   exemplo,   uma   cláusula   penal.   Também   se   trata   de   um   dano  
futuro  na  medida  em  que  o  facto  ilícito  já  aconteceu,  mas  ainda  pode  gerar  danos.  Pode  ser  feito  um  pedido  genérico  
de  danos  que  possam  vir  a  acontecer,  nomeadamente,  porque  poderiam  ser  pedidos  aqueles  danos  de  mora.    
 
  A  primeira  situação  diz  respeito  a  danos  futuros;  contudo,  a  segunda  situação  visa  outra  questão.  O  art.  569º,  
CC,  permite  que  se  faça  um  pedido  genérico,  pedindo  ao  tribunal  que  se  condene  em  montante.  Este  artigo  difere  da  1ª  
parte  do  art.  556º/alínea  b)  na  medida  em  que  neste  último  se  remete  para  os  danos  futuros;  enquanto  no  segundo  
caso  se  visam  danos  já  ocorridos  ou  futuros.  O  556º  determina  que  se  pode  fazer  um  pedido  genérico  para  danos  que  
ainda   não   tenham   ocorrido;   o   569º   não   se   limita   a   estes   danos,   podendo   englobar   os   danos   já   verificados.   A   liquidação  
tardia  do  segundo  caso  tanto  pode  ocorrer  durante  o  processo,  como  depois  –  previsto  no  art.  358º.    
 
  O  art.  358º  aplica-­‐se  às  duas  situações  contempladas,  sendo  uma  possibilidade  que  o  autor  tem  de,  depois  da  
sentença,  reabrir  a  instância  declarativa  para  proceder  à  liquidação.  Posso  não  liquidar  o  pedido  até  ao  fim;  posso  ter  só  
uma   sentença   que   condene   o   pagamento   dos   danos   já   ocorridos   e   solicitar,   depois,   o   ressarcimento   dos   danos   que  
tinha  na  perspectiva  que  iriam  ocorrer.  Acção  inicial  em  que  se  mostra  a  existência  da  obrigação  de  indemnizar  e  deixar  
o  dano,  o  nexo  de  causalidade  para  um  momento  posterior.  Este  artigo  refere-­‐se  à  sentença  genérica  (art.  609º).    
 
A  alínea  c)  refere-­‐se  aos  casos  em  que  a  liquidação  fica  a  cargo  do  autor,  tendo  este  de  fazer  prova  
 
 
 
 
  Mora  começa  no  
Obrigações  a   dia  em  que  era  
  Prazo  
devida  a  prestação  
Obrigações  
Líquidas:  os  danos   Página  |  11    
já  estão  avaliados     Extrajudicial  (pelas  
 
partes)  
Mora  começa  na  
Obrigações  Puras     interpelação  
Pedido  de  Juros:  
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
[Quando  se  pode  liquidar,  deve  liquidar-­‐se  logo.]  
 
• Quando  o  pedido  é  genérico,  pode  haver  sentença  genérica;    
• Quando  o  pedido  é  líquido,  a  sentença  tem  de  condenar  (ou  não)  à  liquidação.    
 
Condiciona  a  decisão  de  mérito  –  art.  609º  (Pp  do  Dispositivo)  
o Fazer  a  contraposição  com  o  art.  556º.  
 
[Matéria   de   Direito   Substantivo   -­‐   Obrigação   Pecuniária:   o   juro   começa   quando   há   mora.   Esta   mora   depende   do   tipo   de   obrigação.   A  
mora  começa,  no  caso  das  obrigações  a  prazo,  no  dia  em  que  era  devida  a  prestação;  no  caso  da  obrigação  pura,  após  a  interpelação.  
Se  é  obrigação  pecuniária,  há  sempre  direito  a  juro,  pelo  que  nunca  se  pode  esquecer  de  pedir  o  juro.  Não  é  preciso  sequer  provar,  é  
uma  imposição  legal.]  
 
Se  tivermos  obrigações  com  prazo,  o  pagamento  dos  juros  de  mora  começa  a  partir  do  dia  do  pagamento  do  
prazo;  se  as  obrigações  forem  puras,  o  momento  é  o  do  dia  em  que  a  interpelação  foi  feita;  se  a  interpelação,  contudo,  
não   é   feita   extrajudicialmente,   faz-­‐se   judicialmente,   durante   o   processo   judicial,   a   partir   da   citação.   Isto   vale   para   as  
obrigações   que   já   estão   líquidas,   i.e.,   os   danos   já   foram   avaliados.   No   caso   das   obrigações   ilíquidas,   são   contados   a  
partir  do  momento  em  que  é  feita  a  liquidação.  Se  for  feita  na  petição  inicial,  conta  a  partir  da  citação;  se  for  feita  no  
processo,  é  a  partir  da  sentença.  O  momento  da  contagem  de  juros  é  o  momento  da  mora,  pelo  que  para  tal  importam  
os  momentos  em  que  a  obrigação  foi  vencida  –  onde  entram  então  estas  regras.  
 
  Segundo   LEBRE   FREITAS,   «o   art.   557º/1   admite   o   pedido   de   condenação   em   prestações   vincendas   (juros,   rendas,   ou  
prestações   periódicas,   em   número   e   –   ou   –   quantitativo,   ainda   indeterminado),   que   se   configura   igualmente   como   pedido   genérico.  
Este  só  pode  ter  lugar  nos  casos  excepcionais  em  que  a  lei  o  admite.»  
 
2
4.4. CUMULAÇÃO  DE  PEDIDOS  
 
o Simples   –   art.   555º,   CPC:   somas   de   pedidos.   Pedem-­‐se   várias   coisas,   esperando   que   o   tribunal  julgue  
todos   procedentes.   Há,   contudo,   dois   requisitos.   Os   pedidos   têm   de   ser   compatíveis   –  
compatibilidade  de  direito  substantivo,  ou  seja,  não  posso,  por  exemplo,  pedir  simultaneamente  o  
cumprimento  do  contrato  e  a  resolução  do  mesmo  –  e,  em  segundo,  resultante  da  remissão  para  o  
37º,   CPC,   impede-­‐se   a   cumulação   se   a   forma   de   cada   um   dos   processos   dos   pedidos   for   diferente,  
bem   como   se   em   razão   da   matéria   se   violar   princípios/regras   de   competência   do   direito  
internacional.  Temos  assim  um  requisito  positivo  e  dois  negativos.    
 

                                                                                                                       
2
 Ver  a  matéria  relativa  ao  Pedido  Genérico  do  art.  556º.  A  lei  permite  o  pedido  genérico,  ou  ilíquido,  isto  é,  de  pedido  respeitante  a  
um  bem  não  rigorosamente  determinado.    

Página  |  12    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

o Alternativa   –   art.   553º:   O   autor   coloca   várias   opções   e   o   tribunal,   no   fim,   condena   a   uma   coisa   ou  
outra.  Esta  não  é  uma  opção,  por  regra,  uma  vez  que  o  réu  não  pode  pedir  ao  juiz  que  escolha  por  ele  
o  que  é  ou  não  adequado  a  determinada  situação.  O  autor  não  pode  colocar  alternativas  ao  juiz,  só  o  
pode  fazer  quando:  
 
• Com  relação  a  direitos,  que  por  sua  origem  ou  natureza  sejam  alternativos;  
• Possam  resolver-­‐se  em  alternativa*.  
 
(*)  Ex.:  perante  o  incumprimento  do  devedor,  o  credor  tem  a  opção  entre  insistir  pelo  cumprimento  e  resolver  o  
contrato,  querendo  manter  ainda  a  indefinição.    
 
Fundamentação  substantiva  da  alternatividade:  
 
Aplica-­‐se  a  situações  muito  estritas,  quando  a  escolha  é  do  devedor  por  exemplo.  O  credor  
não  pode  escolher  pelo  devedor  enquanto  este  não  prescindir  de  tal.  Pode  também  fazer-­‐se  por  via  
legal,   nos   casos   de   compra   e   venda   de   consumo   defeituosa,   por   exemplo.   As   alternativas   são:  
substituição  do  preço,  reparação,  redução  do  preço  e  resolução.  
 
Se  a  escolha  compete  a  quem  propõe  a  acção,  este  não  pode  deduzir  o  pedido  alternativo.  Só  
há   lugar   a   pedido   alternativo   quando   a   escolha   da   obrigação   alternativa   estiver   do   lado   do   réu   ou   de  
terceiro   e   este   tiver   que   intervir   na   acção   para   fazer   a   escolha.   Só   nas   situações   definidas   por  
contrato  ou  por  lei,  fora  essas  não  é  possível;  
 
o Subsidiária   –   art.   554º:   Ao   contrário   da   cumulação   simples   em   que   quero   a   condenação   em   todos,  
neste   quero   a   condenação   apenas   num.   Se   não   for   procedente,   vai   requerer   que   o   réu   seja  
condenado  a  pagar  o  valor  do  contrato  caso  este  seja  anulado.  Por  vezes  pode  não  ser  óbvio  o  que  
eu  consiga  provar  em  tribunal,  posso  ter  dificuldade  em  fazê-­‐lo  e  posso  construir  vários  cenários  com  
diferentes   causas   do   pedido   e   estas   dão   origem   a   diferentes   pedidos;   peço   por   isso,   de   forma  
principal  uns,  e  de  subsidiária  de  outros.  
 
Na  cumulação  simples  tudo  tem  que  ser  coerente,  na  subsidiária  posso  fazer  um  pedido  que  
se   baeia   na   validade   do   contrato   e   um   segundo   que   se   baseia   na   invalidade,   pois   posso   saber   de  
antemão  que  não  cumpri  requisitos  formais  exigidos  por  lei  e  que  o  contrato  vai  ser   -­‐  provavelmente  
-­‐   considerado   como   inválido.   Pode   haver   uma   incompatibilidade   substantiva,   mas   sendo   pedidos  
feitos  subsidariamente,  podem  ser  os  dois  admitidos.    
 
Ex.:  Muitas  vezes,  por  exemplo  quando  há  concurso  de  normas,  podemos  ter  um  caso  em  que  alego  
invalidade   do   contrato   com   fundamento   em   erro  com   dolo,   contudo,   sei   que   posso   ter   dificuldade  
em   provar   a   essencialidade   e,   por   isso,   posso   subsidariamente   alegar   com   fundamento   não   a  
restituição,  mas  a  culpa  em  contraente  (culpa  in  contraendo).    
 
Dois  requisitos:    
 
• Não  proceder  pedido  anterior;  
• A  oposição  entre  os  pedidos  não  impeça  que  sejam  deduzidos  nos  termos  do  artigo  553º.  
 
Sumário  –  Aula  de  30  de  Setembro  de  2016:  
 
4. Petição  Inicial  (continuação);  
5. Citação.  
 
[Resolução  da  Hipótese  1  –  Aulas  Práticas]  
 
CASO  BALLOON  DOG  

Página  |  13    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

 
A  causa  de  pedir  tem  de  estar  na  fundamentação  da  petição  inicial.  Nem  tudo  é  causa  de  pedir,  mas  se  a  causa  
não   estiver   toda   presente,   poderá   haver   uma   ineptidão   do   procedimento   inicial.   São   os   fundamentos   do   pedido.  
Quando  o  autor  produz  pedidos,  não  pode  apenas  pedir  algo,  tem  de  fundamentar.  São  fundamentos  que  decorrem  da  
lei,  serão  sempre  fundamentos  jurídicos,  sendo  que  o  efeito  que  se  pretende  tirar  daqueles  factos  resulta  da  própria  
lei.  Quando  se  faz  a  causa  de  pedir  estamos  a  escolher  factos  que  acontecem  na  vida  real  para  ser  aplicados  ao  nosso  
pedido.   São   as   regras,   por   exemplo,   de   um   determinado   contrato,   que   nos   levam   a   ponderar:   se   os   efeitos   que   se  
encontram  na  lei  são  aplicáveis  ao  meu  contrato,  são  estes  que  vou  invocar.    
 
Está   mais   uma   vez   ligado   à   previsão   e   à   estatuição   da   norma.   Se   alguém   celebra   um   contrato   de   compra   e  
venda  (previsão),  está  vinculado  a  cumprir,  a  prestar  aquilo  que  lhe  cabe,  a  pagar  o  preço  (estatuição).  Desta  forma,  a  
previsão  –  contrato  de  compra  e  venda,  obrigação  –  corresponde  à  causa  de  pedir;  a  estatuição  –  pagamento  do  preço  -­‐
,  vai,  por  sua  vez,  corresponder  ao  pedido.    
 
 
 
 
 
  Contrato  de  
  Previsão  =     Compra  e  Venda  
Causa   de   P edir   +  Mora  (art.  804º)  
  Norma  Jurídica  -­‐  temos   (obrigação)  
que  identficar  sempre  a  
  norma  que  está  por  
  detrás  do  pedido   Estatuição  =     Pagamento  do  
  Pedido   Preço   Juros  
 
 
 
 
 
4.5. A  CAUSA  DE  PEDIR  
 
A   causa   de   pedir   é   um   conjunto   de   factos   que   de   acordo   com   o   direito   fazem   surgir   uma   determinada  
pretensão.   Segundo   LEBRE   FREITAS,   «corresponde   ao   núcleo   fáctico   essencial   tipicamente   previsto   por   uma   ou   mais  
normas  como  causa  do  efeito  de  direito  material  pretendido».    
 
Neste  caso,  o  autor  tem  direito  a  pedir:  
 
• A  lei  e  a  vontade  das  partes  atribuem  a  validade  do  contrato.  Há  regras  jurídicas  que  determinam  que,  
se  celebro  o  contrato,  tenho  de  o  cumprir.  Assim,  era  exigível  o  cumprimento  do  contrato.  Bastava,  
por  via  do  art.  879º,  CC,  invocar  que  foi  celebrado  o  contrato,  pelo  que  teria  de  haver  cumprimento.    
 
Contudo,  o  autor  pede  o  pagamento  de  juros.  Tratando-­‐se  de  uma  obrigação  a  prazo,  o  pagamento  dos  juros  deverá  ser  
iniciado  no  momento  em  que  se  conclui  o  prazo,  na  medida  em  que  é  nessa  altura  que  a  obrigação  vence.  Existe  uma  
coligação  de  réus,  na  medida  em  que  o  autor  se  dirige  a  dois  réus.    
 
879º,   CC:   determina   que   quem   celebra   o   contrato   de   compra   e   venda   tem   a   obrigação   de   pagar   o   preço,   ou   seja,  
bastava  invocar  na  causa  de  pedir  a  existência  do  contrato.  Não  é  preciso  alegar  o  incumprimento,  na  medida  em  que  
se  trata  de  uma  acção  de  cumprimento  em  que  quem  tem  o  ónus  de  provar  que  cumpriu  é  o  réu,  devedor.  Mesmo  que  
o   autor   diga   que   o   réu   não   cumpriu,   não   é   isso   que   vai   relevar.   Se   houver   dúvidas   sobre   se   houve   cumprimento   ou  
incumprimento,  decide-­‐se  contra  o  réu,  na  medida  em  que  é  sobre  ele  que  recai  o  ónus  de  mostrar  que  cumpriu.    
 
  Há  certos  factos  que,  na  dúvida,  não  devem  ser  alegados,  na  medida  em  que  poderá  recair  sobre  nós  o  ónus  de  
os  provar.  Se  não  tivermos  provas,  se  não  conseguirmos  demonstrar  a  validade  desses  factos,  prejudicamo-­‐nos,  pelo  

Página  |  14    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

que  é  mais  viável  alegar  apenas  que  seja  certo.  Trata  da  ideia  de  que  não  devemos  alegar  demais.  São  pormenores  que  
fazem  toda  a  diferença,  e  são  distintos  da  Justiça.    
 
  Os  contratos  estão  alegados  nos  arts.  5º  (alega  o  contrato  de  compra  e  venda),  6º  (descrição  do  objecto),  7º  (o  
valor  de  aquisição  da  obra)  8º  (em  que  se  compromete  ao  pagamento  de  quantias  parcelares).  Isto  corresponde  assim  à  
alegação  da  causa  de  pedir.    
 
  O   autor   alega   o   incumprimento,   na   medida   em   que   pretende   receber   juros.   Enquanto   a   obrigação   de  
pagamento   do   preço   tem   como   causa   de   pedir   a   obrigação   decorrente   do   contrato   de   compra   e   venda;   os   juros  
decorrem  da  mora,  ou  seja,  já  não  se  trata  apenas  da  obrigação  contratual,  mas  do  atraso  no  pagamento  da  prestação.  
Neste   caso,   tem   de   alegar   o   momento   em   que   entregou   o   bem,   na   medida   em   que   se   trata   de   uma   obrigação   a   prazo,  
ou  seja,  esta  data  vai  servir  para  estabelecer  o  dia  a  partir  do  qual  se  começam  a  cobrar  os  juros.  O  art.  804º,  CC  vai  
estabelecer  o  regime  legal  aplicável  à  mora.  De  acordo  com  este  temos  de  ir  buscar  o  facto  constitutivo  da  mora.    
 
• Demonstrar  a  existência  de  um  facto  constitutivo  do  contrato;  
• Fixa-­‐se  a  mora,  pelo  que  temos  de  alegar  os  factos  que  permitam  determinar  a  data  do  vencimento;  
• Determinada  a  data,  começam  a  contar-­‐se  os  juros.    
 
Estes  pedidos  são  sempre  relativos,  pelo  que  pode  acontecer  julgar-­‐se  procedente  o  pagamento  da  obra  e  não  
se  julgar  procedente  o  pedido  de  juros.    
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Tese  Tradicional  da  Causa  de  Pedir:    
Corresponde   aos   factos   constitutivos   da   situação   jurídica   que   se   quer   fazer   valer   ou   negar,   i.e.,   ao   núcleo   fáctico  
essencial  tipicamente  previsto  por  uma  ou  mais  normas  como  causa  do  efeito  de  direito  material  pretendido  
 
Por   outras   palavras,   é   o   conjunto   de   fundamentos   de   facto   e   de   direito   da   pretensão   alegada   pelo   autor.  
Integra   a   norma   ou   as   normas   alegadas,   os   factos   principais   como   substrato   concreto   dessas   normas,   os   factos  
instrumentais  alegados  como  substrato  concreto  desses  factos  principais.  
 
  Na   petição   inicial,   no   que   toca   ao   pedido,   é   fundamental   alegar   a   norma   jurídica   que   o   justifica,   bem   como  
todos  os  factos  principais.  Os  factos  principais  e  instrumentais  derivam  ambos  de  factos  naturais.    
 
4.6. VÍCIOS  DA  PETIÇÃO  INICIAL  
 
1. Ineptidão  (art.  186º,  CPC)  –  é  uma  petição  inicial  que  não  está  apta  para  iniciar  o  processo:  
 
Segundo   LEBRE   FREITAS,   «a   falta   de   formulação   do   pedido   ou   de   indicação   da   causa   de   pedir,   traduzindo-­‐se   na   falta   de  
objecto   do   processo,   constituiu   nulidade   de   todo   ele   por   ineptidão   da   petição   inicial,   o   mesmo   acontecendo   quando,  
embora  sendo  aparentemente  existente,  o  pedido  ou  a  causa  de  pedir  é  referido  de  modo  tão  obscuro  que  não  se  entende  
qual  seja  ou  a  causa  de  pedir  é  referida  em  termos  tão  genéricos  que  não  constituem  alegação  dos  factos  concretos.»  
 

Página  |  15    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

3
1.1. Falta  de  objecto  do  processo  –  interessa  o  conceito  mais  flexível  de  causa  de  pedir ;    
4
1.2. Contradição  entre  o  pedido  e  a  causa  de  pedir ;    
1.3. Incompatibilidade  material  na  cumulação  de  pedidos  e/ou  causas  de  pedir;    
 
1.1.1 Instituto   da   Sanação   -­‐   186º/3,   CPC:   As   deficiências   da   petição   inicial,   por   razões   de   economia  
processual  e  aproveitamento  dos  actos,  não  levam,  em  regra,  a  que  as  acções  sejam  “arrumadas”  logo  
no  início.  Considera-­‐se  possível  a  sua  sanação,  pelo  que  o  primeiro  problema  está  directamente  ligado  
ao  186º/3,  quanto  à  sanação.  O  juiz  poderá  sempre  convidar  (despacho  de  aproveitamento)  as  partes  
a  alegar  os  factos  que  não  foram  alegados,  desde  que  não  se  altere  a  causa  de  pedir.    
 
Sumário  –  Aula  de  6  de  Outubro  de  2016:  
5. Citação.  
 
5. CITAÇÃO    
 
Nenhum  processo  avança  sem  citação,  na  medida  em  que  esta  é  indispensável  para  o  direito  de  defesa  do  réu.  
A   citação   é   condição   do   exercício   do   direito   de   defesa.   Além   disso,   o   autor   fica   dependente   da   citação   do   réu   para  
conseguir  satisfazer  o  seu  direito.  A  partir  de  certas  formalidades  cumpridas,  considera-­‐se  a  citação  feita.  Esta  regra  não  
tem  excepção,  ou  seja,  o  processo  não  avança  sem  citação.  A  citação  é  a  primeira  vez  que  o  tribunal  comunica  com  o  
réu.  A  citação  tem  uma  série  de  garantias  de  procedimento  que  a  notificação  não  tem.  A  citação,  em  termos  formais,  é  
o   primeiro   acto   em   que   se   dá   conhecimento   do   processo   ao   réu.   A   citação   tem   assim   como   objectivo   dar   o  
conhecimento   do   processo.   O   modo   de   fazer   a   citação   corresponde   às   formalidades.   Às   vezes   cumprem-­‐se   as  
formalidades   da   citação,   mas,   apesar   disso,   não   chega   a   haver   conhecimento.   Em   determinados   casos,   não   ter  
conhecimento   do   processo   ou   da   citação   é   fundamento   para   a   sua   invalidar,   noutros   não.   Assim,   citação   é   o   que  
permite  ao  réu  defender-­‐se.  
 
 
  Formalidades  
 
Citação  
 
  Dar  conhecimento  
Objectvo   do  processo  ao  réu   Direito  de  Defesa  
 
 
 
 
Art.  563º,  CPC:  não  é  possível  avançar  no  processo  sem  o  acto  de  contestação  do  réu  –  é  um  direito  que  lhe  assiste,  mas  
também   uma   condição   de   procedibilidade.   Contudo,   se   ele   for   chamado   a   conhecer   o   processo   incertamente,  
conforme  previsto  no  art.  219º,  já  não  há  tanta  certeza.    
 
A  falta  de  citação  é  a  violação  de  um  princípio  fundamental,  garantido  constitucionalmente,  i.e.,  o  Princípio  do  Processo  Justo.    
   
 

                                                                                                                        Postal:  por  carta  


3 registada;  
 Mesmo  que  o  autor  não  alegue  algum  dos  factos  constitutivos,  não  é  motivo  para  julgar  inepta  a  petição  inicial,  desde  que  o  que  
este  mostrava,  se  possa  deduzir  dos  factos  instrumentais.  Ex.:  Pessoal   autor  não  alega  incumprimento  do  contrato.  Faltava  oAgente   de  
 facto  essencial.  
Se   a   regra   do   art.   186º   fosse   tomada   à   r egra,   i dentificar   a   c ausa   d e   p edir   c om   o s   d ois   f actos   –   o brigação   +   i Execução  
ncumprimento   -­‐ ,   e   tendo  
Pessoas  
por  base  que  se  tratam  de  causas  Singulares  
essenciais  para  o  pedido  de  juros  (+  mora),  não  seria  possível   Contacto   proceder.  Contudo,  esta  flexibilidade  
pessoal.    
vem   determinar   que   não   seria   justo    (art.  que  
225º)  a   falha   do   autor   tivesse   como   consequência   acabar   desde   logo   com   a   acção   –   lógica   de  
Edital  
permitir  os  factos  instrumentais;  permite  que  haja  muito  poucas  situações  em  que  há  ineptidão  por  este  motivo.  O  incumprimento   Mandatário  
Citação  
seria,   no   caso,   uma   matéria   controvertida,   na   medida   em   que   há   efetivamente   um   contrato.   –   Economia   Processual   e  
Aproveitamento  dos  Actos    
  Pessoas   Postal:  por  carta   Se  for  devolvida,  
4
 Não  está  aqui  em  causa  a  inconcludência  
Colecdvas   jurídica,  situação  eregistada  
m  que  é  alegada  uma  causa   de  pedir  
envia-­‐se   2ª  vdez  
a  qual  não  se  pode  tirar,  por  não  
preenchimento   de   qualquer   previsão   normativa,   o   efeito   jurídico   pretendido,   improcedendo   a   acção   com   absolvição   do   réu   do  
pedido.  

Página  |  16    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

   
   
 
 
 
 
 
 
 
  A  citação  por  contacto  pessoal  é  muito  mais  garantística,  na  medida  em  que  dá  mais  garantias  de  que  a  pessoa  
foi   realmente   contactada.  Contudo,   a   mais   comum   em   Portugal   é   a   carta   registada,   ou   seja,   a   postal.   O   conteúdo   desta  
é  regulado  no  art.  227º:  petição  inicial  e  cópia  dos  documentos.    
 
Se   a   carta   vier   devolvida,   determina   o   art.   231º   que   a   citação   deve   ser   feita   mediante   contacto   pessoal,   ou  
seja,   este   tipo   de   citação   é   subsidiário.   A   primeira   modalidade   da   citação   corresponde   ao   art.   228º   -­‐   citação   postal;  
sendo  a  do  art.  231º  subsidiária.  O  agente  de  execução  vai  à  morada  do  citando.  Se  não  encontrar  o  citando,  mas  tiver  a  
certeza  de  que  a  pessoa  mora  lá,  pode  fazer,  nos  termos  do  art.  232º,  uma  citação  com  hora  certa.  O  agente  marca  
uma  hora  e  se  a  pessoa  não  estiver  lá  naquele  dia/hora,  considera-­‐se  a  citação  feita.    
 
Assim:  
 
1. Tentativa  de  citação  postal  (art.  228º);  
2. Tentativa  de  citação  com  contacto  pessoal  (art.  231º);  
3. Tentativa  de  citação  com  hora  certa  (art.  232º).    
 
A   citação   edital:   o   juiz   declara   o   citando   como   parte   incerta.   Serve   para   os   casos   em   que   seja   impossível   identificar  
o  sujeito,  ou  o  local  em  que  este  se  encontra.  Depois  de  todas  as  tentativas,  o  juiz  declara  a  pessoa  como  parte  incerta,  
ou   seja,   admite   a   citação   edital   nos   termos   do   art.   236º.   As   formalidades   encontram-­‐se   reguladas   no   art.   240º.   Este  
artigo  serve  para  os  casos  em  que  não  se  sabe  onde  a  pessoa  está;  diferente  dos  casos  em  que  não  se  consegue  citar,  
mas  até  se  sabe  onde  a  pessoa  se  localiza.  Não  se  pode  fazer  uma  citação  edital  se  não  se  souber  onde  a  pessoa  está.  Se  
estiver   no   estrangeiro,   cita-­‐se   nos   termos   do   art.   229º:   primeiro   faz-­‐se   postal.   Se   não   funcionar,   recorre-­‐se   ao  
Regulamento  da  EU  dentro  da  Europa;  se  for  fora,  pede-­‐se  a  colaboração  dos  tribunais  de  outros  países.    
 
Pessoas   colectivas:   carta   registada   para   a   morada   da   sede   da   pessoa   colectiva.   Tem   o   ónus   de   ter   actualizada   a   sua  
morada   no   Registo   Nacional   de   Pessoas   Colectivas,   sabendo   por   aí   o   tribunal   qual   a   morada   para   a   qual   deve   ser  
enviada   a   citação.   Caso   não   responda   no   prazo   pode   vir   a   sofrer   ónus   importantes   a   nível   processual.   Tal   não   acontece  
quanto  às  pessoas  singulares  (art.  228º),  as  quais  citadas  na  morada  do  domicílio  ou  profissional.  [uma  coisa  é  a  morada  
para  efeitos  fiscais,  outra,  por  exemplo,  é  a  morada  para  o  círculo  eleitoral,  entre  outros.]  
 
Nas   pessoas   singulares,   o   tribunal   vai   procurar   o   último   sítio   onde   a   pessoa   poderá   estar.   Só   quando   esgotar   todas  
as   possibilidades   é   que   pode   considerar   a   pessoa   como   parte   incerta.   Nas   pessoas   colectivas,   nunca   se   passa   da  
primeira  tentativa.  Envia-­‐se  a  carta  registada  e  se  ela  for  devolvida  envia-­‐se  novamente  a  carta.  Se  à  segunda  vez  voltar  
devolvida,  então  a  citação  considera-­‐se  feita.    
 
  Existe   uma   forma   diferente   no   que   toca   à   situação   postal   –   domicílio   convencionado.   Há   uma   cláusula  
contratual   de   domicílio   que   estabelece   que,   no   âmbito   daquele   contrato,   se   houver   litigio,   as   partes   consideram-­‐se  
sediadas  naquela  morada.  A  citação  faz-­‐se  não  pelo  regime  geral,  mas  por  esta  cláusula.  Mais  uma  vez,  não  é  garantia  
de  dar  conhecimento  do  processo  ao  réu.    
 
Sumário  –  Aula  de  7  de  Outubro  de  2016:  
6. Contestação;  
6.1. Revelia.    
 
6.  CONTESTAÇÃO  

Página  |  17    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

6.1.  REVELIA  –  AUSÊNCIA  DE  CONTESTAÇÃO  


 
A   inexistência   de   contestação   é   chamada   revelia,   ou   seja,   antes   da   contestação   temos   a   ausência   desta.   O   art.  
569º  determina  o  prazo  para  a  contestação  –  30  dias.  Se  não  o  fizer,  entre  em  revelia  (arts.  566º  e  567º).  A  revelia  é,  em  
termos   simples,   a   ausência   de   contestação.   O   réu   até   pode   não   contestar,   mas   aparecer   no   processo.   Os   prazos   em   PC  
são,   na   maior   parte   dos   casos,   perentórios,   ou   seja,   se   não   for   praticado   o   acto   no   prazo   determinado   na   lei,   extingue-­‐
se  o  direito  à  prática  do  acto.  Um  dos  prazos  mais  importantes  em  PC  é  o  de  contestação.    
 
O   prazo   pode   ser   acrescido   de   dilações,   ou   seja,   pode   acrescentar   prazos   à   citação   (art.   245º).   Decorrido   o  
prazo,  se  não  for  apresentada  a  contestação,  há  uma  situação  de  revelia.  A  revelia  distingue-­‐se:  
 
a) Revelia   absoluta   –   acontece   nas   situações   em   que   o   réu   não   deduziu   qualquer   oposição   e/ou   não  
constitui  mandatário,  não  intervindo  no  processo  (art.  566º).  Aqui  há  dúvida  em  saber  se  o  réu  sabe  do  
processo;  
 
b) Revelia  Relativa  -­‐  Situação  em  que  o  réu  não  apresenta  contestação,  mas  apresenta  depois  procuração  ou  
outra  forma  de  interferir  no  processo.  Sabe-­‐se  que  o  processo  existe,  têm-­‐se  a  certeza  que  foi  citado.    
 
Segundo   o   art.   566º,   o   tribunal   tem   de   garantir   que   a   citação   foi   bem   feita,   se   é   válida.   Assim,   quanto   aos  
efeitos:  em  regra,  aplicam-­‐se  às  duas,  e  estão  regulados  no  art.  567º.    
 
Efeito  
  Produz  Efeitos   Factos  provados   Cominatório  
Operante   (art.  568º)   na  PI  
  Semipleno  
  Absoluta  
  Factos  têm  de  ser  
Não  produz   provados  no  
Revelia   Inoperante   efeitos  legais  
  processo  
  Relatva  
 
 
 
 
 
6.6.1. EFEITOS  DA  REVELIA  (567º)  
 
A   revelia   pode   ser   operante,   ou   seja,   produz   efeitos   e   tem   consequências,   ou   inoperante,   ou   seja,   que   não  
produz  efeito  legal,  ainda  que  possa,  obviamente,  ter  consequências  noutros  níveis.  Assim,  a  nível  operante:  
 
5
6.6.1.1. Ficam  provados  os  factos  alegados  pelo  autor  (nesta  acção  temos  apenas  a  petição  inicial  e  a  citação) ;    
 
A  nível   de   processo,  há  uma   tramitação  da  fase  dos  articulados  para  a  fase  da  sentença.  Se  os  factos   já  
estão   todos   provados   –   por   via   deste   artigo   -­‐,   pelo   que   não   haverá   produção   de   prova.   Não   havendo   a  
produção,  não  há  julgamento,  pelo  que  se  salta  logo  para  a  sentença.    
 
 
 
Artculados   Intermédia   Instrução   Audiência  e  Decisão  
                                                                                                                       
5
  Esta   consequência   tem   um   nome   próprio   no   processo   civil:   efeito   cominatório   semipleno.   É   uma   sanção,   uma   consequência  
versus  
negativa.   É   semipleno,   na   medida   em   que   o   pleno   é   a   condenação   imediata   no   pedido.   Aqui   não   é   pleno,   na   medida   em   que   apenas  
se  tomam  os  factos  alegados  como  provados.  A  seguir  a  isto  o  juiz  ainda  vai  avaliar  os  factos,  podendo  até  depois  não  proceder.  Se  
Petição   Inicial,  Citação   Audiência  de  Sentença  
os   factos   não   forem   suficientes,   não   chegam   para   o   juiz   seguir   com   o   processo.   Poderá   ser   uma   acção   inepta   –   os   factos   são  
insuficientes;  o  autor  não  juntou  os  meios  de  prova.  Uma  acção  de  revelia  não  dá  condenação  automática.  Actualmente,  tem-­‐se  que  
efeito  pleno  representa  uma  desproporcionalidade  entre  o  direito  de  defesa  e  a  consequência.  Eram  as  chamadas  condenações  de  
preceito,   que   poderiam   ser   injustas,   mas   sobretudo,   injustas   em   função   do   não   cumprimento   do   ónus.   Ainda   existem,   contudo,  
alguns  casos  em  que  tal  acontece.  Ex.:  injunção.  Limita-­‐se  o  direito  de  defesa  por  ausência  desta  resposta.    

Página  |  18    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

 
 
 
 
 
 
 
A  nível  inoperante:  
 
6.6.1.2. Não  se  consideram  os  factos  alegados  pelo  autor  como  provados  –  não  cessa  o  processo,  terá,  no  entanto,  
de   produzir   prova   sobre   esses   factos.   Produz   a   prova   como   se   estivesse   numa   acção   em   que   há  
contestação.    
 
A   nível   de   tramitação   processual,   não   há   diferenças,   pelo   que   seguirá   o   decurso   normal   do   processo.  
Existe  um  caso  inoperante  se  descrito  no  art.  567º.    
 
O  artigo  568º  refere,  desde  logo,  casos  de  pluralidade  de  réus.  Neste  caso,  bastará  que  um  conteste.  Assim,  se  
o  contestante  aceitar  certos  factos,  esses  consideram-­‐se  provados,  dependendo  do  acordo.  Nos  casos  de  pluralidade  de  
réus,  não  os  coloca  na  mesma  posição.  Efeito  limitado  ao  réu  não  contestante  aos  factos  que  o  contestante  impugnar.    
 
Ex.:   autor   alega   facto   1,   2   e   3.   Se   houvesse   apenas   o   réu   1,   os   outros   factos   consideravam-­‐se   provados.  
Contudo,  se  o  réu  1  não  contestar,  mas  o  réu  2  contestar,  os  factos  ficariam  controvertidos.  Mas  se  o  réu  2  disser  que  1  
é  real,  e  2  é  mentira;  sobre  3  não  diz  nada  –  só  fica  provado  1;  2  fica  controvertido;  3  dependerá  do  facto.  A  defesa  por  
não  saber  poderá  ser  dada  como  provada  ou  não  provada.    
 
A  alínea  b)  tem  duas  situações  diferentes:  quando  o  réu  ou  algum  dos  réus  for  incapaz.  Se  é  incapaz,  não  pode,  
por  si,  tomar  a  decisão.  Tem  de  haver  a  produção  de  prova,  na  medida  em  que  o  mero  efeito  da  vontade  do  réu  incapaz  
não   pode   surtir   este   tipo   de   decisão.   Temos   uma   segunda   situação,   em   que   o   réu   foi   citado   editalmente   e   continua   em  
revelia  absoluta.  Também  não  se  consideram  provados  os  factos,  obrigando-­‐se  o  autor  a  fazer  prova  sobre  a  matéria,  
na  medida  em  que  há  uma  grande  probabilidade  de  o  réu  não  ter  sequer  conhecimento  do  processo.    
 
A   quarta   situação:   a   mesma   lógica   da   incapacidade.   A   vontade   das   partes   não   é   suficiente   para   produzir  
efeitos,   pelo   que   não   se   podem   dar   como   provados   factos   sobre   a   qual   a   parte   não   dispor.   Para   o   efeito   entram   nestes  
casos:  as  situações  de  direitos  indisponíveis  e,  alínea  d),  situações  em  que  as  partes  não  se  podem  substituir.  Serve  para  
evitar  as  fraudes  ao  processo.  Estas  são  as  excepções  à  revelia.    
 
A  excepção  mais  importante  acaba  por  ser  a  da  alínea  a),  sendo  que,  do  ponto  de  vista  processual,  a  diferença  
reside  na  produção  de  prova.  
 
6.  A  CONTESTAÇÃO  
 
Tem  de  ser  apresentada  em  30  dias.  É  o  grande  momento  de  defesa  do  réu  e  do  exercício  do  direito  de  acção  
do   autor   (569º).   Há   mais   coisas   a   dizer   na   petição   inicial   do   que   na   contestação,   na   medida   em   que   toda   a   parte  
informativa  -­‐  do  valor  da  acção,  da  forma  do  processo  -­‐,  já  estão  no  primeiro  acto.    
 
O  art.  572º  apresenta  as  características:    
 
• Individualizar  a  acção,  alínea  a)  –  corresponde,  no  fundo,  a  escrever  o  número  da  acção  no  processo.  
A  petição  inicial,  sendo  o  primeiro  auto  a  entrar  em  tribunal,  não  tem  número  de  processo,  pois  não  
há  juiz  (logo  não  há  distribuição).  O  processo  passa  a  ser  individual,  pelo  que,  quando  cai  a  citação  –  
carta  dirigida  ao  réu  para  contestar  -­‐,  já  sai  com  número  de  processo.    
 

Página  |  19    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

A  contestação  tem  muito  menos  formalidades  que  a  petição  inicial.  Pode  ser  feita  (ou  não)  referência  à  autora,  
na  medida  em  que  o  que  é  essencial  é  o  número  do  processo.    
 
• Exposição   das   razões   de   facto   e   de   direito,   alínea   c)   -­‐   Expor   as   razões   de   facto   e   de   direito   que   se  
opõem  às  pretensões  do  autor  correspondem  à  causa  de  pedir  na  petição  inicial.  No  articulado,  deve  
fazer-­‐se   uma   espécie   de   artigos   com   títulos   das   excepções.   É   tudo   no   mesmo   articulado,  
autonomizando-­‐se  apenas  quando  se  está  a  apresentar  defesa  por  excepção  ou  por  impugnação.    
 
• Requerimento  probatório,  alínea  d)  –  apresentação  do  rol  de  testemunhas  e  outros  meios  de  prova.  
Se  houver  reconvenção,  admite-­‐se  a  alteração  deste  na  réplica,  num  prazo  de  10  dias.    
 
Art.   573º:   princípio   da   concentração   da   defesa.   É   uma   das   regras   mais   importantes   de   processo   civil,   sobretudo  
estando  no  lado  do  réu.  O  réu  não  pode  alegar,  guardar  argumentos,  seja  de  direito,  seja  de  facto,  para  mais  tarde.  É  
uma   regra   que   tem   aplicação   em   todo   o   processo   civil.   [motion   to   dismiss   –   fundamentos   para   absolvição   na   instância;  
fundamentos  formais  que  impedem  o  tribunal  de  proceder  no  pedido].  Poderia  haver  uma  regra  em  que  haveria  uma  
fase   para   alegar   fundamentos   formais   e,   depois,   outra   para   os   fundamentos   materiais.   Contudo,   no   processo   civil  
português,  não  é  assim.  Mesmo  que  o  tribunal  se  considere  incompetente,  corremos  o  risco  de  ser  competente  e,  se  
não  apresentarmos  desde  logo  todos  os  argumentos,  depois  não  os  podemos  alegar.  Por  um  lado  tem  a  vantagem  de  
acelerar  o  processo;  por  outro,  acontece  que  se  tenha  um  trabalho  enorme  e  depois  o  tribunal  se  afirma  incompetente.  
A  contestação  tem  que  ir  com  tudo,  na  medida  em  que  não  tem  oportunidade  de  o  fazer  novamente.  Relativamente  ao  
que  já  aconteceu  e  já  sabe,  o  réu  tem  de  alegar  tudo.    
 
  Há  assim  um  ónus  de  alegação  de  todos  os  factos  sob  pena  de  já  não  o  poder  fazer.  Este  ónus  de  concentração  
de  defesa,  não  só  limita  os  fundamentos  de  defesa  que  o  réu  pode  invocar  no  processo,  como  preclude  qualquer  outro  
fundamento  que  ele  queira  vir  a  usar  na  acção.  Ex.:  acção  de  não  cumprimento  do  contrato  de  compra  e  venda.  A  acção  
é  procedente,  sendo  condenado  o  réu  ao  pagamento.  Se  posteriormente  vier  invocar  a  restituição  do  dinheiro,  já  não  o  
poderá  fazer,  na  medida  em  que  deveria  ter  invocado  a  invalidade  do  contrato  aquando  da  contestação.    
 
 
  Facto  Essencial  e  
Instrumental  
 
  De  Facto  
 
  Impugnação     Facto  Pessoal  e  Não  
  (574º)   Pessoal  
  De  Direito  
 
 
 
Meios  de  Defesa   Dilatória  (577º)    
 
Excepção      
  (576º)  
 
Perentória  
 
  Reconvenção  
  (583º)  
 
 
 
O  art.  571º  estabelece  que  na  contestação  cabe  tanto  a  defesa  por  impugnação,  como  por  excepção.  Assim,  há  
a  defesa  por  impugnação  de  facto  –  os  factos  alegados  pelo  autor  não  são  verdadeiros,  não  correspondem  à  verdade  -­‐,  
e   a   defesa   por   impugnação   de   direito   –   aceita   os   factos,   mas   afirma   que   daqueles   factos   não   se   retira   aquela  

Página  |  20    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

consequência   jurídica,   pelo   que   a   acção   deve   ser   improcedente.   Admite   que   os   factos   existiram,   mas   não   levam   àquela  
estatuição.  
 
Ex.:  compra  e  venda  com  obrigação  de  pagar  o  preço.  Autor  determina  que  celebrou  o  contrato  com  o  réu.  Se  o  réu  
vem  dizer  que  não  aceitou  vender,  está  a  impugnar  de  facto  –  não  aceitou  vender  o  bem,  é  mentira,  é  falso.  O  facto  fica  
assim   controvertido.   Mas   se   ele   disser   que   as   partes   acordaram   e   depois   o   bem   era   entregue   ao   comprador   por   um  
prazo  de  10  anos,  pode  alegar  que  aquilo  é  verdadeiro,  mas  isso  não  se  trata  do  contrato  de  compra  e  venda.  Está  a  
discutir  não  os  factos,  mas  os  efeitos  jurídicos  desse  contrato.    
 
  O   código   estabelece   a   lógica:   autor   apresenta   a   versão   dos   factos;   réu   toma   posição;   se   nada   diz,   consideram-­‐
se   provados;   se   diz   que   os   efeitos   são   falsos,   os   factos   ficam   controvertidos.   Pode   ocorrer   haverem   factos   provados  
que,  na  verdade,  não  são  reais.  Ex.:  se  A  e  B  dizem  que  aconteceu  e  não  há  nada  contra,  dá-­‐se  como  provado.  Mas  se  a  
parte  faz  defesa  por  impugnação,  gera-­‐se  um  ónus  de  impugnação.    
 
  Este   ónus   de   impugnação   –   até   ao   código   de   2013   –   aplicava-­‐se   a   todos   os   factos   alegados   pelo   autor.  
Contudo,   há   agora   uma   diferença.   A   consequência   de   impugnar   ou   não   vai   ser   diferente   consoante   o   facto   seja  
essencial  ou  seja  facto  instrumental  (art.  574º).  É  um  regime  complexo,  que  não  ajuda  muito.  A  única  posição  que  o  réu  
tem  de  ter  é:    
 
• Impugnar  ou  não  impugnar  factos  essenciais.  
 
Ex.:  facto  1,  2  e  3  alegados  pelo  autor  na  petição  inicial.  A  primeira  coisa  a  saber  é  se  o  facto  é  essencial  (i.e.,  se  faz  
parte  da  causa  de  pedir)  ou  instrumental  (não  faz  parte  da  causa  de  pedir).  1  é  essencial  e  2  é  instrumental.    
 
  Assim,  o  primeiro  critério  é  o  da  qualificação  do  facto.  Depois,  importa  ver  a  posição  do  réu  quanto  ao  facto,  
na  medida  em  que  disso  vão  depender  as  consequências.    
 
 
 
  Tipo  de  Facto   Posição  do  Réu   Consequências   Sentença  

Verdade/Nada  dizer   Provado   Provado  


Facto  1:  autor  da   Causa  de  Pedir  ou  Facto  
Mentira   Controvertido   Provado/Não  provado  
petição  inicial   Essencial  
Não  Sabe   +   +  
Nada  dizer   Provado  (Provisório)   Provado/Não  provado  

Facto  2:  autor  da   Mentira   Controvertido   Provado/Não  provado  


Facto  Instrumental  
petição  inicial     Não  Sabe   +   +  
Verdade   Provado   Provado  
 
+  Se  for  pessoal,  dá-­‐se  como  facto  provado  quer  na  consequência,  quer  na  sentença;  
+   Se   for   não   pessoal,   dá-­‐se   como   facto   controvertido   na   consequência,   e   poderá   ser   provado   ou   não   provado   na  
sentença.    
 
No  facto  instrumental  é  diferente  dizer  que  é  «verdade»  ou  «nada  dizer».  Neste  caso,  se  ele  nada  disser,  ele  
fica  provado,  mas  provisoriamente.  Na  sentença  o  juiz  ainda  pode  vir  a  declarar  se  ele  está  provado  ou  não  provado.    
 
Ónus  de  impugnação  especificada  (figura  do  antigo  Código  de  Processo  Civil):  a  parte,  o  réu,  tinha  obrigatoriamente  de  
se   pronunciar   sobre   todos   os   factos,   uma   vez   que   não   o   fizesse,   o   facto   era   dado   automaticamente   como   provado.   Por  
vezes  a  parte  podia  esquecer-­‐se  de  fazer  referência  a  uma  coisa  sem  grande  importância  e,  de  repente,  podia  virar-­‐se  a  
falha  contra  ele.  

Página  |  21    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

 
Temos   de   identificar   os   factos   na   causa   de   pedir,   autonomiza-­‐los   e,   depois,   identificar   os   instrumentais.  
Depois,  é  necessário  determinar  a  posição  do  réu  quanto  aos  demais  factos.  Em  relação  a  cada  um  dos  factos,  temos  
que  ter  em  conta  o  que  o  réu  disse  (verdade,  mentira,  não  sabe).  Em  relação  aos  que  diz  que  não  sabe,  temos  de  ver  
sempre  se  são  factos  pessoais  ou  não  pessoais.  Quando  chegamos  ao  momento  da  prova,  os  temas  da  prova  serão,  em  
princípio,  todos  os  factos  controvertidos  essenciais.  Os  instrumentais  controvertidos,  a  não  ser  que  tenham  relevância  
do   ponto   de   vista   histórico,   não   devem   ser   provados.   Para   a   produção   de   prova,   a   única   discussão   que   se   vai   ter,   é  
sobre   os   factos   que   são   contravertidos   na   causa   de   pedir.   Os   factos   provados   ficam   provados,   não   ficando   nada   por  
fazer  em  relação  a  estes.    
 
  O  que  está  em  aberto  no  processo  são  apenas  os  factos  controvertidos.  As  partes  alegam  muitas  coisas  inúteis,  
seja   porque   querem   aplicar   vários   regimes,   seja   porque   querem   alegar   tudo.   Uma   das   funções   da   fase   intermédia   é  
esta,  fazer  o  filtro  entre  aquilo  que  é  essencial  e  instrumental.  Tudo  o  que  não  se  encaixa,  o  juiz  descarta  em  despacho,  
sendo  que  até  pode  não  os  considerar  na  decisão,  mesmo  estando  provados.    
 
  Não  nos  podemos  esquecer  do  art.  5º.  O  número  2,  a)  determina  que  os  factos  instrumentais,  i.e.,  os  factos  
que  ninguém  alegou,  podem  ser  considerados  pelo  juiz.  Ex.:  ainda  que  não  tenha  sido  alegado,  há  várias  testemunhas  a  
falar  sobre  eles.  É  uma  espécie  de  semi-­‐ónus  de  impugnação,  na  medida  em  que  se  não  foram  impugnados,  pode  haver  
risco  de  não  serem  levantados  durante  o  processo.    
 
  Enquanto  que  as  excepções  têm  de  estar  especificadas,  a  impugnação  não.  Além  da  impugnação  nos  termos  
do   art.   574º,   temos   a   defesa   por   excepção   (576º   e   ss).   Mais   uma   vez,   dois   tipos   de   excepção   completamente  
diferentes:   a   perentória   e   a   dilatória.   As   excepções   dilatórias   são   os   fundamentos   processuais   que   levam   à   extinção   da  
instância  ou  a  um  percalço  no  processo.    
 
O   art.   577º   estabelece   uma   série   de   excepções,   não   sendo   o   elenco   taxativo   –   ou   seja,   existem   mais.   Uma  
excepção  dilatória  tem  como  consequência  a  absolvição  da  instância;  não  se  questiona  direito.   -­‐  Quanto  à  referência  
que   é   feita   no   Contestação   em   estudo,   fala-­‐se   em   litisconsórcio,   pelo   que   se   trata   de   um   problema   processual   de  
ilegitimidade  [Balloon  Dog].  Ele  não  podia  actuar  sozinho,  precisava  de  actuar  com  a  mulher.  As  excepções  dilatórias  
são  excepções  que  não  vão  ao  fundo  da  causa,  ficam  nos  requisitos  processuais,  i.e.,  tratam  da  falta  de  um  pressuposto  
processual.      
 
Sumário  –  Aula  de  13  de  Outubro  de  2016:  
6. Contestação  (continuação);  
 
ÓNUS  DE  IMPUGNAÇÃO  
 
Ø Norma  com  complexidade  absurda  e  não  muito  produtiva.    
 
  Para   LEBRE   FREITAS,   só   há   ónus   de   impugnação   em   relação   aos   factos   principais,   i.e.,   o   facto   de   não   se  
impugnarem  os  factos  instrumentais  não  implica  a  prova  desses  factos.  O  artigo  justifica-­‐se  nesta  lógica.  Só  confirma  
que   não   há   lógica   de   impugnação   de   factos   principais,   porque   no   final,   é   possível   que   os   factos   sejam   dados   como   não  
provados.  Aqui,  é  ainda  de  ser  feita  uma  nota:  excepcionam-­‐se  os  casos  raros,  que  não  têm  que  ser  justificadamente  
impugnados  pelo  réu,  não  ficando  provados  por  via  da  ausência  de  impugnação.    
 
  Há  um  meio  de  prova  chamado  «admissão  por  acordo»,  que  resulta  dos  casos  em  que  não  há  impugnação,  
i.e.,  o  autor  alega  o  facto  na  petição  inicial,  o  réu  deve  tomar  posição  sobre  ele  na  contestação,  mas,  nada  dizendo,  a  
regra   é   que   o   facto   é   admitido   por   acordo.   Havendo   impugnação   fica   controvertido,   havendo   admissão   por   acordo  
temos   como   provado.   Este   é   o   mecanismo   processual   do   574º.   Para   LEBRE   DE   FREITAS   só   se   aplica   aos   factos   principais.   A  
diferença  entre  os  dois  autores  não  tem  que  ver  com  o  esquema  em  si,  mas  com  os  factos  a  que  se  aplica.  Na  parte  
final  do  574º,  quando  diz  “factos  instrumentais  sobre  o  réu”,  se  este  não  se  pronuncia,  podem  vir  a  ser  não  provados.  
 
  No  fim  o  juiz  é  que  decide  se  fica  ou  não  provado.  PAULO  RAMOS  FARIA  e  MARIA  DOS  PRAZERES  BELEZA  entendem  que  
o   réu   tem   ónus   de   alegação   de   todos   os   factos.   Nos   instrumentais   a   admissão   por   acordo   é   provisória   e   pode   ser  
alterada  pelo  tribunal.    

Página  |  22    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

 
FACTOS  PESSOAIS:  
 
Relativamente   aos   Factos   Pessoais   –   o   réu   não   sabe   se   aconteceram   –,   temos   quatro   hipóteses   de   reação,   ou,   por  
outras  palavras,  de  tomada  de  posição:  
 
i. Verdade  –  através  da  confissão  do  facto;  
 
ii. Mentira  –  através  da  impugnação  do  facto;  
 
iii. Não   sabe   se   é   verdade   ou   se   é   mentira   –   desconhece.   Depende   de   ser   ou   não   facto   pessoal.   Sendo   facto  
pessoal,  é  admitido  por  acordo;  não  sendo,  é  impugnado.  Segundo  o  art.  574º/3  quando  não  há  autor  que  se  
pronuncie   sobre   este   aspecto   e,   portanto,   quando   a   pessoa   diz   não   sei   e   tem   obrigação   de   o   saber,  
independentemente   de   ser   instrumental   ou   não,   os   deveres   de   saber   sobrepõem-­‐se   à   natureza   do   facto.   É  
mais   relevante   a   ignorância   relativamente   a   factos   pessoais   –   grave   ao   ponto   de   justificar   resultado  
probatório.   Trata-­‐se   de   penalização   de   cominação   ética,   porque   o   código   diz   que   tendo   obrigação   de   saber  
certos  factos,  não  pode,  no  fundo,  torná-­‐los  controvertidos,  defendendo-­‐se  dizendo  que  não  sabe.    
 
iv. Nada   dizer   -­‐   não   é   “não   pronúncia”.   Admitido   por   acordo.   Nesta   hipótese   sendo   relativamente   a   factos  
principais   e   definitivos,   ou   factos   instrumentais,   pode   ser   revertida   no   fim   (574º,   parte   final).   Não   são  
admitidos  havendo  prova  posterior  que  vá  nesse  sentido.    
 
O  ónus  impugnação  aplica-­‐se  na  réplica  -­‐  587º  -­‐  há  remissão  para  o  artigo.  Não  se  pronunciando  sobre  factos  
da  impugnação,  podem  ser  dados  como  provados  por  acordo.  
 
Contestação  (cont.)  
 
Ø Impugnação  de  facto  e  impugnação  de  direito    
 
6.2.  EXCEPÇÕES  
6.2.1.  EXCEPÇÃO  PERENTÓRIA  (ART.  576º)  
 
As  excepções  perentórias  dividem-­‐se  em  três:  modificativas,  impeditivas  e  extintivas.    
 
O  art.  342º,  Código  Civil,  estabelece  a  regra  do  ónus  da  prova,  que  distingue  o  que  são  excepções  perentórias  
do   que   é   a   causa   do   pedido.   A   grande   dificuldade   a   nível   do   processo   civil   é   distinguir   impugnação   de   factos  
constitutivos   de   excepções   perentórias   impeditivas.   A   distinção   entre   excepção   e   impugnação   é   aquela   em   que   se  
aplica  o  ónus  da  prova.  Ao  autor  compete  a  prova  dos  factos  constitutivos  –  causa  do  pedido,  e  ao  réu  a  alegação  e  
prova  dos  factos  impeditivos,  modificativos  e  extintivos  –  excepções  perentórias.    
 
 
 
Impugnação  de   Excepção  Perentória  
Problema:  
  Disdnção     Factos  Consttutvos   Impeditva  
 
 
 
 
  Ao  autor  compete  
prova  dos  factos   Impugnação  de  Factos  
Causa  de  Pedir   Consdtudvos  
  consttutvos  
 
Solução:  a  aplicada  ao  
  ónus  da  prova  
  Dos  factos  impeditvos,  
  Ao  réu  compete  a   modificatvos  e  
alegação  e  prova   Excepção  Perentória  
extntvos    
 
 
 

Página  |  23    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

• Factos  constitutivos  –  previsão  da  norma.    


• Previsão  dos  factos  –  estatuição  (pedido).  
 
• Causa  de  pedir  –  obrigação  contratual.  Excepção  de  não  cumprimento  –  facto  impeditivo.    
 
A  excepção  perentória  é  algo  que  se  acrescenta  aos  factos  alegados  na  petição  inicial  e  impede  que  seja  condenado  
na  causa  do  pedido.  
 
6.2.2.  EXCEPÇÃO  DE  NÃO  CUMPRIMENTO  
 
Implica   a   validade   do   contrato.   Temos   duas   obrigações   válidas   que   resultam   do   contrato:   um   não   cumpre   o  
outro   também   pode   não   cumprir,   mas   a   obrigação   não   se   extingue,   modifica-­‐se.   Não   há   nenhuma   invalidade   na  
obrigação,  nada  impeditivo  ocorrido  no  momento  da  obrigação,  há  antes  paralisação  momentânea  enquanto  o  outro  
não   cumpre.   O   vencimento   da   obrigação,   exigibilidade   desta,   depende   do   cumprimento   da   outra   e   por   isso   só   são  
exigíveis  as  duas  ao  mesmo  tempo.  Pode  ser  uma  modificação  temporária  ou  parcial.    
 
Outro  exemplo  é  a  redução  do  contrato.  Uma  vez  que  é  resultado  de  invalidade  parcial,  podem  existir  duas  ao  
mesmo   tempo;   mas   sendo   alteração   de   circunstâncias   depende   se   é   total   ou   parcial.   Sendo   total   é   extintiva,   sendo  
parcial  é  modificativa.  Os  momentos  cronológicos  em  que  ocorrem  os  factos  determinam  o  tipo  de  excepção.    
 
• Invalidade  Total  do  Contrato  –  Facto  Extintivo  –  Defesa  por  Excepção  Perentória  Extintiva    
• Invalidade  Parcial  do  Contrato  –  Facto  Modificativo  –  Defesa  por  Excepção  Perentória  Modificativa    
 
Pagamento  –  facto  extintivo.  O  efeito  existia,  mas  devido  à  vicissitude,  extinguiu-­‐se.  
Invalidade/Incapacidade  –  todos  os  vícios  da  vontade  são  impeditivos.  São-­‐no  desde  o  início,  nascem  com  a  obrigação.    
 
a. Impeditiva:  esta  excepção  ocorre  no  mesmo  momento  em  que  ocorrem  os  factos  constitutivos.  São  
contemporâneos   dos   factos   constitutivos,   estes   podem   dar   origem   a   modificativas   ou   extintivas  
pois  são  posteriores  à  constituição  da  relação  jurídica.    
 
Prescrição  –  extintiva,  ocorre  por  decurso  do  tempo.  Dependem  da  validade  e  eficácia.  Assim,  como  
se  distinguem?  É  extintiva,  pois  extingue  o  direito  no  seu  todo,  de  vez;  a  prescrição  corresponde  a  
um  incumprimento  do  prazo,  que  gera  impossibilidade  total.    
 
b. Modificativas:   não   extinguem,   mas   mudam   (excepção   de   não   cumprimento,   impossibilidade  
parcial,  alteração  das  circunstâncias).  
 
c. Extintivas:   são   as   que   extinguem   efeito   jurídico   pretendido   pelo   autor,   i.e.,   o   efeito   existia   na  
ordem   jurídica,   mas,   entretanto,   a   obrigação   extinguiu-­‐se.   A   forma   típica   é   o   cumprimento   das  
obrigações.  A  diferença  essencial  entre  esta  e  a  impeditiva  tem  que  ver  com  o  momento  em  que  
ocorrem,   na   medida   em   que   a   impeditiva   é   uma   bomba   relógio,   colocada   assim   que   a   situação  
jurídica   nasce,   mas   nas   extintivas   acontecem   algo,   no   futuro,   depois   da   constituição   da   situação  
que  a  extingue.    
 
   
6.2.3.  EXCEPÇÃO  DILATÓRIA    
 
  Está  prevista  no  art.  577º  e  corresponde  a  uma  excepção  processual.  São  muito  fáceis  de  identificar  uma  vez  
que   têm   que   ver   com   a   falta   de   pressupostos   processuais.   Incompetência   tribunal,   partes   não   terem   personalidade  
judiciária,  entre  outros.  É  a  defesa  que  alega  que  falta  um  pressuposto  processual  e,  por  isso,  não  pode  prosseguir,  na  
medida  em  que  seja  condição  para  a  acção  prosseguir.  As  mais  frequentes  encontram-­‐se  no  art.  577º,  mas  o  elenco  não  
é  taxativo,  só  exemplificativo  
 
Sumário  –  Aula  de  14  de  Outubro  de  2016:  
6. Contestação  (continuação);  
6.3.  Reconvenção.  
 

Página  |  24    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

6.3.  RECONVENÇÃO    
 
  A  reconvenção,  do  ponto  de  vista  formal,  está  prevista  no  art.  583º.  A  dedução  separadamente  é,  no  fundo,  ter  
um   capítulo   próprio.   Do   art.   583º   passamos   ao   art.   266º.   Não   é   mais   nem   menos   do   que   um   contra-­‐ataque,   é   a  
dedução  de  pedidos,  é  a  transformação  do  réu  em  autor.  O  réu,  além  de  contestar,  vem  pedir  qualquer  coisa  contra  o  
autor,   pelo   que   há   um   novo   objecto   processual.   O   réu   passa   assim   a   ser   simultaneamente   réu   do   pedido   principal   e  
autor   do   pedido   reconvencional.   É,   sinteticamente,   um   pedido   contra   o   autor.   Os   requisitos   são   idênticos   aos   do  
processo.    
 
6.3.1.  ELEMENTOS  OBJECTIVOS  DA  RECONVENÇÃO    
 
Em  que  casos  é  admissível?  É  aqui  que  entra  o  art.  266º.    
 
O  nosso  sistema  é  limitado  quanto  ao  pedido  reconvencional.  Se  se  incluir  nas  presentes  alíneas,  pode  fazê-­‐lo  
em   reconvenção,   mas,   se   tal   não   acontecer,   terá   de   fazer   nova   acção.   Não   há,   contudo,   a   obrigação   de   optar   por  
deduzir  a  reconvenção,  pelo  que,  se  o  réu,  por  qualquer  motivo,  não  quiser  fazer  o  pedido  adicional  em  reconvenção,  
pode  fazê-­‐lo  posteriormente,  noutra  acção.    
 
A   alínea   a)   é   a   mais   ampla.   Os   factos   jurídicos   que   servem   de   fundamento   à   reconvenção   são   as   excepções.   Se  
o  pedido  reconvencional  tem  como  causa  de  pedir  a  causa  de  pedir  do  pedido  principal,  este  pedido  é  válido.  Se  o  réu  
quer,  por  exemplo,  pedir  em  reconvenção  uma  obrigação  que  faz  parte  do  contrato  da  obrigação  principal,  pode  fazê-­‐
lo.  
 
Ex.:  do  mesmo  contrato  resulta  a  obrigação  do  pagamento  do  preço  (pedido  do  autor).  A  causa  de  pedir  é  o  contrato.  
Do   mesmo   contrato   nasce   uma   obrigação   de   entrega   do   bem.   Se   na   petição   inicial   o   autor   pede   o   pagamento   da  
prestação,  o  réu  pode,  na  reconvenção,  pedir  a  entrega  do  bem,  na  medida  em  que  a  causa  de  pedir  é  a  mesma  –  o  
contrato.  Desta  forma,  é  admissível.    
 
Ex.:  reconvenção  com  causa  de  pedir  baseada  em  excepção  perentória.  Autor  vem  pedir  a  resolução  do  contrato  por  
um   cumprimento   defeituoso   e,   em   consequência,   a   devolução   do   dinheiro   prestado.   A   causa   de   pedir   é   o  
incumprimento  do  contrato,  pelo  que  a  reconvenção  é  válida.    
 
 
 
 
 
  Pedido  
  Objecto  
  Principal  
  Causa  de  Pedir  
 
  Objecto    
  Pedido    
  Objecto  
  Reconvencional  
  Causa  de  Pedir  
 
 
 
Os  casos  da  alínea  b)  são  específicos  de  casos  em  que  o  autor  pede  a  entrega  de  um  determinado  bem  ao  réu.  
É  o  caso,  por  exemplo,  das  acções  de  despejo.  Ao  contrário  da  alínea  a),  não  é  necessário  verificar  se  a  causa  de  pedir  é  
ou  não  a  mesma.  Trata-­‐se  de  uma  acção  de  entrega  de  coisa  certa,  sendo  esse  o  requisito.  [benfeitorias]  
 

Página  |  25    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

Os  casos  da  alínea  c)  visam  a  compensação.  Tem  a  possibilidade  de  compensação  mesmo  em  dois  direitos  que  
não  têm  ligação  entre  si.  A  compensação  é  um  facto  extintivo  das  obrigações,  pelo  que  seria  de  entender  que  se  tratava  
de  defesa  por  excepção  dilatória  extintiva.  Contudo,  está  estabelecido  que  se  trata  de  reconvenção.  
 
Os  casos  da  alínea  d)  tratam  das  acções  de  reivindicação.  O  autor  pede  que  o  tribunal  condene  o  réu  à  entrega  
de   imóvel   e   declare   propriedade.   O   réu   vai   fazer   o   mesmo   pedido   ao   réu.   Sendo   que   se   trata   do   mesmo   direito,  
qualquer  um  pode  pedir  ao  tribunal  que  declare  que  o  direito  é  seu.    
 
  São  elementos  de  conexão  objectivos  exigidos  à  reconvenção.  Assim,  a  primeira  coisa  a  fazer  para  determinar  
se  a  reconvenção  é  admissível  ou  não  é  verificar  se  estes  requisitos  estão  verificados.  Depois  temos  de  aferir  os  formais.  
Temos   ainda   regras   relativas   à   legitimidade   processual.   Pode   surgir   que,   para   o   réu   poder   dirigir   o   pedido  
reconvencional,   seja   necessário   que   seja   chamada   outra   pessoa   à   acção.   Se   o   pedido   envolver   outros   sujeitos,   o   réu  
pode  suscitar  a  sua  intervenção  (denominada  intervenção  de  terceiros).    
 
  Mesmo   que   o   réu   alegue   uma   série   de   defesas   contra   o   pedido   principal   e   uma   delas   seja   julgada   procedente,  
ou   seja,   faça   com   que   a   acção   principal   caia,   permite-­‐se   que   o   pedido   reconvencional   continue   a   ser   julgado.   Em  
síntese,  a  partir  do  momento  em  que  o  pedido  reconvencional  é  feito  e  admitido,  fica  na  acção  para  ser  decidido.    
 
Sumário  –  Aula  de  20  de  Outubro  de  2016:  
7. Réplica;  
 
7. RÉPLICA  
 
A  acção  da  autora  de  cumprimento  do  pagamento  era  simples,  mas  a  da  contestação  era  bastante  diferente.  A  
resposta  do  autor  corresponde  à  réplica.  Antes  deste  código  de  processo  civil,  havia  ainda  uma  tréplica,  apresentada  
pelo   réu,   i.e.,   havia   duas   rondas   de   articulados.   Hoje,   até   a   réplica   é   pouco   usual,   uma   vez   que   nem   sempre   existe  
direito   a   juntá-­‐la   ao   processo.   Olhando   para   o   art.   584º,   vemos   que   só   se   admite   réplica   quando   é   deduzida  
reconvenção  na  contestação  e  serve  para  o  autor  deduzir  toda  a  defesa  à  reconvenção.    
 
Ø Pode   o   autor   pronunciar-­‐se   nesta   réplica   no   caso   do   Balloon   Dog?   Sim,   porque   há   reconvenção,  
mas  também  existem  muitas  excepções.    
 
Ø Pode   o   autor   pronunciar-­‐se   sobre   elas   também?   Sim,   pois   estas   correspondem   a   factos  
modificativos,  extintivos  ou  impeditivos  que,  em  princípio,  ainda  não  foram  alegados  no  processo,  
e   por   uma   razão   de   contraditório,   a   parte   tem   sempre   direito   a   pronunciar-­‐se   sobre   os   factos  
principais.    
 
O  código  actual  aumentou  o  modo  e  o  momento  em  que  se  faz  a  pronúncia  na  audiência  prévia.    
 
Ø Havendo  direito  a  réplica,  faz  sentido  proibir  ao  autor  o  uso  do  articulado  como  meio  de  resposta  às  
excepções?   Tem   direito   a   responder,   e   os   seus   argumentos   em   relação   às   excepções   são   procedentes  
ou  improcedentes.  Geralmente  determina-­‐se  que  as  excepções  são  improcedentes.  Mas  pode  fazê-­‐lo  
na  réplica  ou  tem  que  esperar  pela  audiência  prévia?  O  584º  não  dá  grande  margem  de  interpretação.    
 
Quando  se  deduz  reconvenção,  deduz-­‐se  pedido  e  causa  do  pedido  nova;  a  reconvenção  é  uma  petição  inicial  
da   contestação,   e   a   réplica   é   a   contestação   desta.   A   réplica   tem   um   prazo   de   30   dias   –   o   aplicado   à   contestação   -­‐,   por  
uma  questão  de  igualdade.  Assim:  
 
o Há   direito   a   responder   às   excepções   e,  de  acordo  com  o  art.  584º/1,  só  é  admissível  réplica  
para  o  autor  deduzir  toda  a  defesa  à  matéria  da  reconvenção;      
 
o Não   havendo   reconvenção,   não   há   direito   a   réplica   e,   desta   forma,   se   não   houverem  
excepções,   não   há   contraditório,   não   há   nada   a   responder.   Havendo   excepções,   nos   termos  
do  art.  3º/4,  pode  exercer  o  contraditório  oralmente  na  audiência  prévia;  
 

Página  |  26    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

o Havendo   reconvenção   há   sempre   réplica.   Quando   há   excepções,   de   acordo   com   o  art.   584º,   a  
reconvenção   e   a   réplica   não   servem   para   responder   a   estas.   Tal   só   pode   ser   feito   em  
audiência   prévia,   apresentando   a   réplica   com   a   defesa   à   reconvenção   e   na   audiência   prévia  
oralmente   é   feita   a   defesa   às   excepções.   Não   havendo   excepções   há   réplica,   mas   não   se  
coloca  a  questão  porque  não  há  contraditório,  não  pode  responder  a  algo  que  não  existe.    
 
Esta   situação   de   não   se   permitir   que   se   exerça   o   contraditório   relativamente   às   excepções   e   quando   haja  
réplica,  relativamente  ao  mesmo,  demora  o  processo;  só  na  audiência  prévia  é  que  sabe  a  outra  parte  da  história.  Há,  
contudo,   quem   defenda   que   o   pode   fazer   na   réplica   quando   ela   exista,   mas   a   lei   diz   expressamente   que   não.   Desta  
forma,  para  a  professora  MARIANA   FRANÇA   GOUVEIA  não  faz  sentido  não  admitir  a  resposta  às  excepções  logo,   na  medida  
em  que  é  uma  perda  de  tempo  e  atrasa  imenso  o  processo.    
 
O  autor  tem  várias  opções  para  se  pronunciar  sobre  as  excepções  alegadas  na  contestação:    
 
1. O  juiz  pode  convidar  o  autor  a  pronunciar-­‐se  sobre  as  excepções  por  escrito,  nomeadamente  se  as  excepções  
forem  muito  complexas  –  mas  não  se  chama  a  este  procedimento  «réplica»;    
 
2. Pode  inserir  na  réplica  a  resposta  às  excepções;  
 
3. Pode  fazê-­‐lo  numa  pronúncia  de  documentos  (ad  hoc),  correndo  o  risco  de  o  juiz  mandar  desentranhar;  ou  
 
4. Na  audiência  prévia  tem  direito  a  pronunciar-­‐se  sobre  as  excepções  oralmente.    
 
Há   ónus   impugnação   dos   factos   da   excepção   e   reconvenção   –   art.   572º/c),   CPP.   Se   o   autor   não   impugnar,  
ficam  admitidos  por  acordo,  como  os  da  causa  do  pedido.  Mas  temos  um  limite:  se  o  réu  não  especificar,  não  se  verifica  
este  efeito,  ou  seja,  serve  para  impedir  que  o  réu  alegue  excepções  sem  as  identificar  e,  como  há  situações  duvidosas,  o  
autor  não  se  pronuncie  e  pense  que  seja  impugnação.  No  fim  do  processo,  sendo  excepção  e  não  sendo  impugnada,  
ficaria  admitida  por  acordo,  pelo  que  se  procura  travar  este  efeito.  Retira-­‐se  a  contrario  que  há  ónus  de  impugnação  
em  relação  aos  factos  de  impugnação  (587º)  e  relativamente  aos  factos  para  sustentar  as  excepções  perentórias.    
 
7.1. ALTERAÇÃO  DO  PEDIDO  E  CAUSA  DO  PEDIDO  –  264º  E  265º  
 
Com   a   contestação   temos   fixado(s)   o(s)   objecto(s)   do   processo   e   a   questão   que   se   coloca   é   de   saber   se   é  
possível   haver   alterações   do   objecto   do   processo,   o   que   se   encontra   regulado   no   art.   266º.   O   art.   260º   apresenta   o  
Princípio   da   Estabilidade   da   Instância,   que   se   refere   à   causa   do   pedido,   aos   factos   modificativos,   extintivos   ou  
impeditivos,   à   citação   em   relação   às   excepções   com   contestação.   Estes   ficam   estabilizados,   ou   seja,   não   se   podem  
alterar  a  não  ser  quando  a  lei  o  permita,  designadamente:  
 
7.1.1. ALTERAÇÃO  DO  PEDIDO  E  FALTA  DE  ACORDO  -­‐  264º    
 
Havendo   acordo   das   partes   há   possibilidade   de   se   fazer   a   alteração   sem   qualquer   implicação,   mas   apesar   de  
parecer  simples,  é  algo  que  quase  nunca  acontece,  porque  o  réu  dificilmente  vai  concordar  em  aumentar  o  pedido  e  o  
autor  em  diminuir.  Acontecendo,  é  possível,  uma  vez  que  estamos  perante  um  processo  de  partes,  mas  é  muito  difícil.  
Podem  fazê-­‐lo  até  ao  fim  do  recurso  da  relação.  
 
7.1.2. ALTERAÇÃO  DA  CAUSA  DO  PEDIDO  E  PEDIDO  NA  RÉPLICA  –  265º  
 
Antes  era  possível,  hoje  em  dia  já  não  o  é,  razão  pela  qual  a  petição  inicial  tem  importância  tao  grande.  Antes  
os   objectos   da   ação   podiam   ser   alterados,   mas   hoje   não,   dai   o   pedido   e   causa   do   pedido   terem   que   estar   muito  
organizados,  pois  ou  gera  ineptidão  ou,  não  gerando,  faltam  factos  constitutivos  e  não  há  forma  de  os  alegar.    
 
Em  suma,    
 
Na  falta  de  acordo  a  causa  do  pedido  só  pode  ser  alterada  com  acordo  do  réu  e  arguido,  em  consequência  de  
confissão   feita   pelo   réu.   Mais   uma   vez   não   é   algo   muito   frequente,   o   autor   não   consegue   fazer   o   réu   confessar.   O  
pedido  pode  ser  reduzido  e  ampliado  até  ao  final  da  1ª  instância,  ou  seja,  há  maior  abertura  para  a  alteração  do  pedido.  
Quanto   à   redução   não   existem   limites,   uma   vez   que   beneficia   o   réu;   a   ampliação   tem   limites   quando   seja  

Página  |  27    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

desenvolvimento  ou  consequência  do  pedido  primitivo.  Pode  existir  um  pedido  de  danos  liquidados  (número  5)  e  se  no  
decurso   da   acção   se   conseguir   prova   sobre   mais   danos,   pode   inclui-­‐los   no   seu   pedido,   assim   como   nos   casos   de  
benfeitorias.    
 
7.2. ARTICULADOS  SUPERVENIENTES  –  588º  
 
Nos   articulados   supervenientes   só   estamos   a   falar   de   factos   principais:   constitutivos,   modificativos   ou  
extintivos   do   direito;   ou   que   fazem   parte   da   causa   de   pedir;   ou   que   constituem   excepções   perentórias,   porque  
relativamente   aos   factos   instrumentais,   o   art.   5.º   estabelece   que   esses   factos,   que   resultem   da   instrução   da   causa  
(alínea  b))  são  ainda  considerados  pelo  juiz.  A  parte  não  precisa  de  requerer  que  eles  passem  a  integrar  o  processo.    
 
Se   alguma   testemunha   falar   de   alguma   coisa   ou   colocar   junto   documento   que   contenha   facto   instrumental,  
não  é  necessário  fazer  articulado  superveniente.    
 
Os   factos   principais,   para   serem   introduzidos   na   acção,   precisam   sempre   de   articulado   superveniente   e   só   são  
admitidos   caso   haja   superveniência   objectiva   ou   subjectiva   e   os   instrumentais   podem   ser   introduzidos   até   ao   fim   do  
processo.   Lendo   o   art.   588.º   e   o   art.   5º/b)   –   ficamos   a   perceber   que   os   factos   principais   que   não   são   alegados   na  
petição,  na  contestação,  na  réplica  ou  nos  articulados  supervenientes  não  podem  ser  alegados.    
 
Superveniente   tem   duplo   significado   –   articulado   que   é   posterior   aos   articulados   normais:   petição,   contestação   e  
réplica;   pode   aparecer   na   fase   intermédia,   instrução   e   na   audiência   final.   Só   se   permite   que   sejam   alegados   factos  
objectiva  ou  subjectivamente  supervenientes,  e  a  lei  faz  essa  distinção  no  art.  588º/2.    
 
i. Objectiva   –   factos   que   são   alegados   depois   da   réplica,   da   contestação   ou   petição,   consoante   os  
posteriores  não  existam;  
 
ii. Subjectiva   –   factos   que   já   aconteceram   antes,   mas   só   agora   se   teve   conhecimento.   Tem   que   se  
demonstrar  o  conhecimento  ou  desconhecimento  desses  mesmos  factos.    
 
O   numero   3   diz   que   o   novo   articulado   onde   se   apresentam   os   factos   supervenientes   é   apresentado   na  
audiência  prévia,  nos  10  dias  posteriores  à  notificação  para  a  audiência  final;  ou,  na  audiência  final,  quando  ocorridos  
em  datas  posteriores  às  anteriormente  alegadas.    
 
O  autor  tem  conhecimento  de  um  facto  da  petição  inicial,  mas  não  alegou:  lendo  o  584º,  não  pode  alegá-­‐lo  na  
réplica,   mas   não   faz   sentido   ter   tudo   separado,   logo,   na   mesma   peça,   pode   ter   réplica   e   articulado   superveniente.  
Existe   um   facto   que   só   se   soube   entre   a   petição   inicial   e   a   réplica;   este   deve   ser   alegado   nos   termos   puramente  
formalísticos   da   lei,   em   articulado   superveniente   que   só   tem   que   juntar   até   à   audiência   prévia,   mas   pode   fazê-­‐lo   na  
réplica.   Tem   que   preencher   os   requisitos   da   superveniência,   mas   se   o   faz   na   réplica   ou   articulado,   em   momentos  
diferentes,  é  indiferente.    
 
Os  prazos  estão  previstos  no  número  3  do  588º:    
 
a. Surjam  nos  articulados  até  à  audiência  prévia;  
b. Entre  a  audiência  prévia  e  final:  10  dias  posteriores  à  data  designada  para  audiência  final;  
c. Audiência  final  em  datas  posteriores  às  alíneas  anteriores.      
 
É  possível  fazer  articulados  supervenientes  até  ao  fim  da  produção  de  prova.    
 
Quanto   aos   factos   instrumentais,   o   art.   5º   estabelece   que   os   que   surjam   e   resultem   da   instrução   da   causa  
(22º/b)   são   considerados   pelo   juiz.   Nos   instrumentais   a   parte   não   precisa   de   requerer   que   eles   integrem   o   processo,   já  
o  fazem.  Temos  dois  tipos  de  factos:  principais,  que  para  serem  deduzidos  tem  que  haver  articulado  superveniente  e  só  
são  admitidos  havendo  esta;  e  os  instrumentais  que  podem  ser  livremente  adquiridos  até  ao  fim  do  processo.    
 
 
  Carecem  de  
artculado   Requisito  
  Principais   Obrigatório  
superveniente;  
 
Factos  
Livremente   Até  ao  fim  dPágina  
o   |  28    
Instrumentais   adquiridos;   Processo.    
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

 
 
 
 
 
 
 
Nos  arts.  588º  e  5º/b)  ficamos  com  a  ideia  de  que  os  factos  principais  modificativos,  extintivos  e  impeditivos  
têm  que  ser  demonstrados  em  articulados  supervenientes.  Mas  os  que  são  principais  e  não  constem  de  nada,  mesmo  
sendo  supervenientes,  podem  ser  classificados  pelo  juiz  para  serem  incluídos  no  processo?  Não,  nunca.      
 

7.3. A  QUESTÃO  DA  TERCEIRA  CATEGORIA  DE  FACTOS:  POSIÇÃO  DE  MARIANA  FRANÇA  GOUVEIA  E  A  POSIÇÃO  DA  DOUTRINA  

A   lei   estabelece   uma   terceira   categoria   na   alínea   g)   do   presente   artigo,   que   visa   factos   que   sejam  
complemento   ou   concretização   do   que   as   partes   hajam   alegado,   desde   que   as   partes   sobre   eles   tenham   tido  
oportunidade   de   se   pronunciar.   Em   primeira   instância,   a   professora   não   vê   como   é   que   se   pode   distinguir   uma   terceira  
categoria  de  factos  (que  não  sejam  nem  principais  nem  instrumentais).  Se  o  588.º  diz  que  só  os  factos  principais  é  que  
podem  ser  alegados,  não  faz  sentido  que  o  art.  5º  estabeleça  esta  categoria  de  ‘’novos  factos’’.    
 
Na   opinião   da   professora,   isto   são   factos   principais   (alínea   g)),   mas   em   que   é   necessário   que   a   parte   os   alegue  
como  se  fosse  um  articulado.  Admite-­‐se,  porém,  segundo  a  professora  que  sejam  incluídos  na  causa  factos  que  não  são  
supervenientes   (mas   principais)   desde   que   isso   não   altere   a   causa   de   pedir   ou   as   excepções.   Ou   seja,   podem   haver  
factos   principais   que   são   introduzidos   na   acção   e   que   não   foram   alegados   pelas   partes   nos   articulados,   os   quais   não  
alteram   ou   apenas   alteram   parcialmente   a   causa   de   pedir,   e   é   isso   que   esta   norma   permite:   introduzir   factos   ou  
permitir   que   o   juiz   considere   factos   principais   que   não   alteram   a   causa   de   pedir   ou   as   excepções   desde   que   a   parte  
alegue  (nº1  do  art.  5º).  
 
A  Doutrina  considera  que  esta  terceira  categoria  é  diferente,  são  factos  concretizadores,  não  são  bem  principais,  mas  
também   não   são   instrumentais.   Para   a   regra   existir   implica   que   não   sejam   principais,   pois   seria   contraditório   ao   art.  
588º.    
 
Para  MARIANA  FRANÇA  GOUVEIA  são  factos  principais  em  que  é  necessário  que  a  parte  os  articule  ou  alegue  como  
se  fosse  em  articulado;  admite-­‐se,  contudo,  que  sejam  incluídos  na  causa  factos  que  não  são  supervenientes  –  factos  
principais  não  supervenientes  –  desde  que  não  altere  a  causa  do  pedido  ou  as  excepções.  Pode  haver  factos  principais  
introduzidos   na   acção   que   não   foram   alegados   pelas   partes   nos   articulados   e   não   alteram   a   causa   do   pedido   ou   só  
parte,  sendo  uma  solução  admitida  pela  professora.  O  art.  5ºb)  permite,  para  a  professora,  introduzir  factos  ou  permitir  
que   o   juiz   considere   factos   principais   que   não   alteram   a   causa   do   pedido   ou   excepções,   desde   que   a   parte   o   queira  
fazer,  pois  só  ela  pode  alegá-­‐los.  Não  pode  o  juiz  tomar  a  iniciativa  de  o  fazer  se  a  parte  não  concordar  com  isso.    
 
MARIANA   FRANÇA   GOUVEIA   diz   que   se   permite   a   consideração   de   factos   principais   não   supervenientes   -­‐   não   se  
trata   da   superveniência   do   588º   -­‐   mas   que   não   alteram   a   causa   do   pedido,   i.e.,   que   a   complementam   ou   alteram  
parcialmente  de  alguma  forma,  não  a  modificando  em  absoluto.  Não  se  permite  alteração  do  objecto  a  nível  global  (ex.:  
era  contratual  e  agora  é  extracontratual);  os  novos  factos  não  podem  alterar  o  objecto  do  processo  a  nível  de  causa  do  
pedido.  
 
Ex.:   fundamentei   a   acção   em   cumprimento   defeituoso   (Balloon   Dog)   mas   durante   a   audiência   muitas   testemunhas  
falam  sobre  negociações  e  garantias  de  que  não  faria  réplica  ou  algo  que  leve  à  violação  do  dever  informação.  Os  novos  
factos  permitem  configuração  jurídica  diferente  da  que  autor  fez  na  petição  inicial,  são  admitidos  ao  processo  mesmo  
não  sendo  supervenientes,  mas  porque  ainda  são  principais  (violação  dever  boa-­‐fé),  e  não  alteram  a  causa  do  pedido,  
pois  falamos  do  mesmo  contrato,  das  violações  deste.    
 
Ø Para  MARIANA  FRANÇA  GOUVEIA  a  norma  permite  que  haja  composição  da  causa  de  pedir  que  se  altera  
parcialmente,  mas  não  totalmente.  
 
Ex.:  viação  –  autor  diz  que  réu  vinha  alcoolizado,  em  excesso  de  velocidade.  No  julgamento  as  testemunhas  dizem  que  
vinha   em   excesso   e   passou   sinal   vermelho.   Pode   haver   novo   fundamento   de   ilicitude   e   até   culpa,   mas   temos   a   nível   de  

Página  |  29    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

causa  do  pedido  parcial  identidade:  acidente,  o  que  gerou  os  danos,  é  o  mesmo  –  embate.  Temos  identidade  parcial  e  
novos  factos  constituídos.  Para  a  professora  é  admissível  que  os  novos  factos  sejam  tomados  em  atenção  pelo  juiz  em  
fase  posterior  sem  necessidade  de  articulado  superveniente.  O  réu  pode  não  ter  superveniência  e  por  isso  não  pode  
dizer   que   desconhecia.   Pode   tentar,   por   via   da   alínea   b),   pedir   uma   aplicação   do   objecto   do   processo,   relativamente  
restringida  ou  com  o  limite,  não  havendo  alteração  absoluta  da  causa  do  pedido.    
 
Está  provada  a  complexidade  do  código  por  ter  visão  restritiva  da  fase  dos  articulados.  O  problema  é  que  há  
efeito  preclusivo  muito  forte  na  lógica  dos  articulados,  i.e.,  acontecia  muitas  vezes  uma  situação  em  que  estavam  a  ser  
provados   factos   na   audiência   de   julgamento   e   o   juiz   não   podia   usar   os   factos   porque   quando   a   acção   começou,   não   os  
alegaram.  As  regras  tentaram  flexibilizar  a  realidade  processual  e  a  real,  não  sendo  os  processos  discutidos  com  base  
em   questões   formais,   mas   sim   na   verdade   material   do   caso,   permitindo   que   factos   que   aparecem   em   fase   tardia   do  
processo   sejam   admitidos.   Do   outro   lado   temos   ideia   da   rigidez   associada   pelo   código,   não   permitindo   alteração   do  
pedido   e   causa   do   pedido   na   réplica,   i.e.,   eliminou   tréplica   e   restringiu   réplica,   o   que   é   contraditório   com   a   ideia  
anterior.    
 
Por   um   lado,   o   art.   260º   permite   a   estabilidade   da   instância   –   na   citação   fixa-­‐se   pedido   e   causa   do   pedido;   por  
outro   lado,   a   forma   de   alteração   da   matéria   levada   em   consideração   pelo   juiz   na   sentença   corre   noutro   sentido,   isto   é,  
mostra  um  conjunto  de  aspectos  que  devem  ser  tomados  em  conta,  designadamente:    
 
• As  alterações  ao  pedido  são  possíveis  através  de  um  acordo  entre  as  partes  (art.  264º);  
• As  alterações  estão  limitadas  (265º);  podem  ser  ampliadas  por  confissão  feita  pelo  réu  e  aceite  pelo  autor;  
• Alteração   através   de   articulados   supervenientes   através   de   factos   principais   supervenientes   (arts.   588º   e  
6
589º);  
• Consideração  de  factos  principais  (5º/2  b).  
 
[Resolução  da  Hipótese  4  –  Aulas  Práticas]  
 
Sumário  –  Aula  de  20  de  Outubro  de  2016:  
8. Pressupostos  Processuais;  
 
8. PROSSUPOSTOS  PROCESSUAIS  
 
  São   condições   necessárias   para   que   se   possa   apreciar   o   mérito   da   acção.   É   por   isso   que   são   excepções  
dilatórias,   na   medida   em   que   se   as   condições   não   estiverem   reunidas   obstam   à   decisão   de   mérito   e   levam   à   absolvição  
na   instância.   Contudo,   actualmente   há   uma   regra   que   visa   que   o   resultado   do   processo   não   seja   absolvição   na  
instância.    
 
As  principais  condições:  
 
1. PERSONALIDADE  JUDICIÁRIA    
 
1. Personalidade  Judiciária  –  está  prevista  no  art.  11º.    Trata  da  susceptibilidade  de  ser  parte  processual.  Só  pode  
ser  parte  processual  quem  tiver  personalidade  judiciária,  i.e.,  quem  reunir  um  conjunto  de  critérios  atributivos,  
designadamente:  
 
1.1. Coincidência:   quem   tem   personalidade   jurídica   tem,   em   princípio,   personalidade   judiciária.  
7
Assim,  todas  as  pessoas  humanas,  singulares  e  colectivas  –  embora  com  excepções,  tendo  que  se  
ver  em  função  da  parte  -­‐  (um  cão  não  tem  personalidade  judiciária,  assim  como  todos  os  animais,  
pelo  que  não  podem  propor  e  não  podem  haver  acções  propostas  contra  os  mesmos).  
 

                                                                                                                       
6
 Quanto  à  causa  do  pedido  e  às  excepções.  
 
7
 Depende  do  tipo  de  pessoa  colectiva.  As  sociedades  civis,  por  exemplo,  não  têm  personalidade  judiciária.  As  pessoas  colectivas  que  
estejam  registadas  no  registo  predial,  em  regra,  têm  personalidade  judiciária.    

Página  |  30    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

1.2. Diferenciação   Patrimonial   –   está   prevista   no   art.   12º.   Tratam-­‐se   aqui   das   entidades   que,   embora  
não  tendo  a  personalidade  jurídica,  é-­‐lhes  atribuída  a  personalidade  judiciária.  Aqui  temos  duas  
situações,   nomeadamente,   patrimónios   autónomos   tais   como,   a   herança   jacente;   as   comissões  
especiais;  as  sociedades  civis;  condomínio.  São  bens  que  têm  uma  autonomia  em  relação  aos  seus  
titulares.  São  patrimónios  que  têm  um  regime  próprio  de  afectação  de  créditos  e  débitos  que  não  
justificam  a  personalidade  jurídica,  mas  que  se  justificam  assim  a  sua  autonomização  patrimonial  
e  a  personalidade  judiciária;  
 
1.3. Afectação  do  acto  –  está  prevista  no  art.  13º/1.  Estamos  a  falar,  neste  caso,  de  entidades  que  não  
têm   personalidade   jurídica,   pois   se   a   tivessem,   não   se   encontravam   aqui   elencadas.   Falamos  
assim  de  sucursais,  agências,  filiais,  delegações  e  representações.  Têm  como  requisito  essencial,  
para   que   seja   proposta   a   acção,   que   sejam   actos   por   ela   praticadas.   Ex.:   sucursal   em   Lisboa   de  
uma  empresa  de  Vila  Nova  de  Famalicão.  A  acção  pode  ser  proposta  contra  em  Lisboa,  ou  seja,  
contra   a   sucursal   da   Empresa.   É   uma   lógica   de   simplificação   e   de   permitir   opção   contra   quem  
propor   a   acção.   Então,   ao   contrário   do   critério   anterior,   em   que   apenas   se   pode   propor   acção  
contra   aquele   bem;   neste   caso,   há   alternativa.   A   sucursal,   por   exemplo,   funciona   como   um  
Departamento  da  Empresa.    
 
Ex.:   farmacêutica   que   serve   vários   países.   Terá   escritórios   e   sucursais   que   têm   autonomia   própria  
que   serão   inseridas   na   «casa-­‐mãe».   Mas   se   pensarmos   numa   empresa   como   a   Volkswagen,   o  
meio   de   operar   é   através   dos   contratos   de   concessão,   ou   seja,   através   de   empresas   que   têm  
contratos   exclusivos   com   a   marca.   Desta   forma,   a   Volkswagen   fornece   os   carros   e   a   empresa  
portuguesa,   por   sua   vez,   compromete-­‐se   a   vender.   Esta   forma   de   organização   difere  
completamente  das  sucursais.    
 
Estas   entidades   têm   ainda   personalidade   judiciária   se   a   administração   principal   for   estrangeira;  
ou  se  a  obrigação  contraída  foi  contraída  com  um  português  ou  com  estrangeiro  domiciliado  aqui,  
i.e.,   em   Portugal.   É   uma   lógica   de   protecção   dos   residentes   em   Portugal   para   facilitar   a  
propositura  da  acção,  na  medida  em  que  isto  vai  influenciar  a  competência.  Se  a  ré  é  portuguesa,  
a   acção   terá   de   ser   proposta   em   Portugal.   Uma   das   formas   de   garantir   a   competência   dos  
tribunais  nacionais  passa  por  ser  proposta  a  acção  contra  a  sucursal  (art.  13º/2).  
 
Ex.:   português   que   vive   em   França   e   que   celebrou   um   contrato   com   uma   empresa   sueca.   A  
empresa  sueca  tem  uma  sucursal  em  Portugal,  pelo  que  o  português  poderá  propor  a  acção  em  
Portugal;  o  que  não  é  o  mais  comum.  Mais  viável  seria  propor  a  acção  em  França  ou  na  Suécia.  
Contudo,  esta  regra  poderá  levantar  problemas  a  nível  das  directrizes  europeias,  na  medida  em  
que  pode  gerar  o  caso  de  descriminação.    
 
Esta   regra   é   uma   regra   de   personalidade   judiciária   e   não   de   competência,   ainda   que  
possa   gerar   alguma   confusão.   A   competência   é   aferida   noutros   termos,   ainda   que   tenha  
sempre,   por   base,   a   personalidade   judiciária.   Quando   se   determina   a   competência   já   não  
interessa   saber   se   é   sucursal   ou   administração   principal.   O   que   interessa   em   primeira   análise  
em  saber  se  se  trata  de  sede  ou  sucursal,  na  medida  em  que  a  acção  deverá  ser  proposta  no  
local  de  uma  ou  outra.    
 
Falta  de  Personalidade  Judiciária  
 
A   falta   de   personalidade   judiciária   é   regulamente   pelo   art.   14º.   Quando   se   vê   que   a   sucursal   não   praticou   o  
acto,  pelo  que  não  entra  no  art.  13º/1,  ou  que  não  foi  cometido  por  português  ou  por  entidade  sediada  em  Portugal  –  
art.  13º/2,  pode  sanar-­‐se  o  acto  através  da  intervenção  da  administração  principal.  Esta  tem  duas  opções:  
 
i. Ratificação  do  processado  –  aceita  tudo  o  que  foi  feito  e  o  processo  segue  como  se  nada  se  passasse;  
ii. Repetição  do  processado  –  repetição  dos  actos  praticados.    

Página  |  31    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

 
Relativamente  a  pessoas  falecidas  e  à  sua  falta  de  personalidade  judiciária,  decorrente  da  jurídica:  as  pessoas  
singulares   têm   personalidade   jurídica   desde   o   nascimento   completo   e   com   vida   até   à   sua   morte.   Se   a   acção   for  
proposta   contra   pessoa   falecida   ou   contra   pessoa   que   vem   a   falecer   durante   o   processo,   chama-­‐se   os   herdeiros   –  
habilitação  de  herdeiros  constante  do  art.  351º.  É  um  fenómeno  de  substituição,  na  medida  em  que  a  pessoa  morta  já  
não  tem  qualquer  susceptibilidade  de  ser  parte.    
 
Excepção  Dilatória  Nominada  –  art.  577º,  alínea  c)  –  em  todos  os  demais  casos,  que  não  cabem  nos  anteriores,  
a  nulidade  é  insanável.  A  excepção  é  de  conhecimento  oficioso,  de  acordo  com  o  art.  578º.  A  consequência  é  absolvição  
do  réu  na  instância  e,  obviamente,  o  fim  do  processo.    
 
2. CAPACIDADE  JUDICIÁRIA    
 
2. Capacidade   Judiciária   –   está   prevista   no   art.   15º/1.   A   susceptibilidade   da   parte   estar   pessoal   e   livremente   por  
juízo  ou  de  se  fazer  representar  por  representante  voluntário.  Enquanto  na  personalidade  jurídica  o  que  existe  
é  a  possibilidade  de  ser  autor  ou  réu;  na  capacidade  já  existe  a  susceptibilidade  de  ser  parte,  sendo  o  problema  
de  saber  se  esta  pessoa  pode  estar  sozinha,  ou  pode  ser  ele  a  passar  a  procuração  ao  advogado.  Se  se  pode  
fazer   representar   por   advogado,   existe   capacidade   judiciária.   Se   não,   há   capacidade   judiciária   reduzida   que  
terá  de  se  suprimir.  Há  apenas  um  critério:  
 
2.1. Coincidência   plena   entre   capacidade   civil   e   capacidade   judiciária   –   ao   contrário   da  
personalidade   jurídica   em   que   podem   haver   pessoas   que   não   tendo   esta,   podem   ter  
personalidade   judiciária,   na   capacidade,   uma   não   existe   separada   da   outra.   Falamos   aqui   dos  
menores,   interditos   e   inabilitados.   Ou   seja,   na   interdição   os   sujeitos   são   comparados   aos  
menores,   pelo   que   não   se   confunde   com   os   casos   de   inabilitação.   Os   inabilitados   estão   regulados  
pelo  art.  152º;  os  menores  pelo  art.  123º;  e  os  interditos  pelo  art.  138º  (do  Código  Civil).    
 
Quem  não  tem  capacidade  de  exercício  não  tem  capacidade  judiciária  e  quem  tem  capacidade  
judiciária  tem  capacidade  de  exercício.  O  art.  15º/2  estabelece  o  critério  da  coincidência  com  desvios,  
i.e.,  é  necessário  ver  o  tipo  de  incapacidade,  bem  como  a  forma  como  esta  está  suprida  (ou  seja,  se  
está   por   via   judicial   ou   extrajudicial   –   pais,   tutores   ou   curadores).   O   art.   19º,   em   relação   aos  
inabilitados  vem  estabelecer  que  estes  devem  ser  citados,  ainda  que  tenha  sido  citado  o  curador.  A  
intervenção,  por  sua  vez,  depende  da  opção  do  curador.  São  citados  os  dois,  podendo  vir  os  dois  ao  
processo   alegar   coisas,   mas   no   caso   de   haver   divergências,   prevalece   o   curador.   Por   sua   vez,   em  
relação   quer   aos   menores   quer   aos   interditados,   não   são   citados.   O   art.   16º/3   trata   da   citação   dos  
pais.  Se  não  concordarem,  diz  o  art.  18º  que  decide  o  próprio  juiz  se  é  proposta  acção.    
 
A   parte   tem   capacidade   processual   se   a   esfera   da   sua   capacidade   de   exercício   de   direitos  
abranger  os  resultados  ou  efeitos  possíveis  da  acção  –  art.  16º/1.  Ex.:  vida  corrente.  Se  se  tratar  
de  um  acto  que  faz  parte  do  quotidiano  do  menor,  está  dentro  do  seu  âmbito  de  capacidade,  pelo  
que   poderá   ser   tido   como   réu   ou   autor.   Contudo,   não   é   prática   corrente.   Em   relação   aos  
inabilitados  esta  regra  poderá  ter  maior  relevância,  na  medida  em  que  depende  da  forma  como  
foi  suprida  a  incapacidade.    
 
Verificar   se   a   parte   tem   capacidade   para,   voluntariamente,   provocar   efeitos   jurídicos   idênticos  
aos  efeitos  possíveis  da  acção.  É  preciso  ver,  no  caso  dos  inabilitados,  se  o  pedido  reduzido  está  
ou  não  incluído  na  sentença  de  inabilitação.  Se  estiver,  não  pode  intervir,  tendo  de  vir  o  seu  tutor,  
curador   ou   representante   legal.   Se   estiver   fora   da   sentença,   tem   capacidade,   pelo   que   não   é  
necessário  por  a  acção  por  via  do  representante  legal.    
 
A  incapacidade  é  sempre  suprível.  Imaginando  que  o  menor  sozinho  ou  que  o  inabilitado  propõe  a  acção  sem  o  
seu   curador,   o   juiz   terá   de   chamar   os   representantes   legais   (pais,   tutores   ou   curadores)   para   que   estes   decidam   se  

Página  |  32    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

devem  ou  não  continuar  com  a  acção.  Se  o  representante  não  concordar  com  o  prosseguimento  da  acção,  dá-­‐se  uma  
excepção  dilatória,  gerando  absolvição  na  instância.      
 
O  juiz  não  pode  convidar  o  menor  a  chamar  os  seus  pais,  ou  seja,  a  intervenção  do  juiz  será  diferente.  Em  vez  
de   ser   como   na   sanção   da   legitimidade,   em   que   convida   as   partes   a   aperfeiçoar,   aqui   vai   ser   mais   interventivo,  
chamando  directamente  os  pais  ou  tutores/curadores.  Só  se  estes  não  aparecerem  é  que  haverá  falta  do  pressuposto  
processual.    
 
Se   o   ausente   não   comparecer   (art.   21º),   é   o   Ministério   Público   que   assume   a   defesa,   na   medida   em   que   o  
incapaz   não   tem   os   poderes   substantivos   para   a   revelia,   pelo  que   há   sempre   defesa.   É   ainda   de   referir   sobre   este   tema  
o  art.  568º  alínea  a).    
 
Sumário  –  Aula  de  27  de  Outubro  de  2016:  
9. Competência  Declarativa  dos  Tribunais  Comuns  (Cíveis).  
 
COMPETÊNCIA  DECLARATIVA  DOS  TRIBUNAIS  COMUNS  
 
Estamos   a   falar   de   competência   de   jurisdição   do   tribunal,   ou   seja,   se   o   tribunal   tem   ou   não   competência   para  
apreciar   certas   acções.   A   competência   é   a   medida   de   jurisdição   do   tribunal,   sendo   que   cada   um   tem,   em   princípio,  
competência   para   um   conjunto   de   acções   consideradas   abstratamente.   Em   regra,   cada   tribunal   tem   a   sua   área   de  
competência.  Assim,  é  a  partir  das  regras  de  competência  que  se  descobre  a  que  tribunal  se  deve  recorrer  para  a  nossa  
acção.    
 
  A   Lei   62/2013   criou   espécies   de   comarcas   gigantes.   Antes   eram   correspondentes   aos   municípios,   pelo   que  
agora   correspondem   ao   distrito.   Embora   não   seja   uma   equivalência   completa,   passou   a   haver   uma   equiparação   ao  
distrito.  A  referencia  da  comarca  passou  a  ser  o  distrito.  Isto  levou  a  uma  reorganização  e  a  uma  série  de  alterações.    
 
As  regras  de  estabelecimento  da  competência:  
 
1. Primeira  regra  -­‐  Perpetuatio  Fori:  art.  38º  da  LOSJ.  A  competência  é  aferida  segundo  determinados  elementos,  
tal  como  se  apresenta  no  momento  de  propositura  da  acção.    
 
Aula  dada  por  Professor  Convidado  Micael  Teixeira  
Sumário  –  Aula  de  4  de  Novembro  de  2016:  
10. Legitimidade  e  Pluralidade  das  Partes.  
 
É  uma  matéria  muito  conceptual  e  muito  pouco  assente  em  valores,  i.e.,  está  regulada  com  recurso  a  conceitos  
legais  e  interpretação  que  tem  de  ser  feita  dos  mesmos  e  não  tem  referência  a  princípios.  
 
10.1. LEGITIMIDADE  –  REGIME  GERAL  
 
É   melhor   compreendida   se   for   contraposta   a   outros   pressupostos   processuais.   É   um   pressuposto   processual  
com  reflexos  nas  partes.  A  capacidade  e  a  personalidade  judiciária  são  conceitos  que  determinam  quem  pode  ser  réu  e  
autor   de   qualquer   acção.   mas   no   que   respeita   à   legitimidade,   ainda   que   seja   pressuposto   processual   relativa   às   partes,  
não  é  quanto  a  qualquer  acção.  a  legitimidade  é  aferida  de  acordo  com  o  processo  concreto.  Só  se  pode  aferir  se  há  
legitimidade  quando  se  identifica  a  causa  de  pedir.    
 
É   a   susceptibilidade   de   ser   parte   numa   acção   com   um   determinado   objecto.   Pode   haver   uma   excepção  
dilatória  caso  não  exista  legitimidade,  havendo  absolvição  na  instância  se  esta  não  for  sanada.  
 
Afere-­‐se   se   existe   legitimidade   com   base   no   art.   30º/   1   e   2.   É   desde   logo   necessário   que   a   parte   tenha  
interesse  pessoal  e  directo.  O  autor  tem  de  ter  uma  vantagem  directa  e  pessoal  com  a  procedência  do  pedido;  o  réu  
tem   de   ter   o   contrário,   tem   de   ter   uma   desvantagem.   Tem   de   afectar   directamente   o   autor   e   o   réu   na   sua   esfera  
jurídica.   Há   excepções   quanto   a   esta   regra:   desde   logo,   o   art.   31º   -­‐   é   um   interesse   difuso   e   não   directo.   Só   tem  
legitimidade  o  próprio  titular  da  relação  controvertida  do  litígio.    

Página  |  33    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

 
Depois,   é   ainda   critério:   determinação   dos   titulares   para   o   efeito   da   legitimidade   difere   da   que   ocorre   no  
direito  material  (art.  30º/3).  «Tal  como  é  configurada  pelo  autor»,  ou  seja,  o  que  interessa  é  saber  qual  é  a  forma  com  
que  o  autor  estabelece  a  relação  jurídica  controvertida,  independentemente  daquilo  que  no  processo  seja  dado  como  
provado  ou  não  provado.  Ex.:  um  contrato  de  compra  e  venda  de  duas  carradas  de  areia  em  que  o  vendedor  apenas  
entrega  uma.  Comprador  propõe  acção  contra  o  comprador,  pedindo  a  carrada  que  falta.  Na  contestação,  o  vendedor  
diz  que  não  é  o  vendedor,  mas  o  transportador,  pelo  que  não  é  ele  que  tem  obrigação  de  vender  a  areia,  apenas  de  
transportar.  O  autor  configurava  a  relação  controvertida  de  tal  modo  que  aquela  pessoa  era  o  vendedor;  mas  depois  
prova-­‐se  que  a  pessoa  que  era  o  vendedor  afinal  era  só  transportador.  Não  se  coloca  o  problema  da  legitimidade,  na  
medida   em   que   não   há   falta   de   legitimidade   do   suposto   vendedor.   O   que   interessa   é   a   forma   como   a   questão   foi  
estabelecida  pelo  autor.  A  decisão  do  tribunal  será  de  absolvição  no  pedido  e  não  de  absolvição  da  instância,  na  medida  
em  que  não  há  falta  de  pressuposto  processual  legitimidade.    
 
O   comprador,   neste   caso   –   absolvição   no   pedido   -­‐,   poderia   voltar   a   propor   a   mesma   acção,   com   o   mesmo  
objecto,  sendo  improcedente  na  mesma,  na  medida  em  que  já  sabia  que  o  réu  era  transportador.  Seria  até  litigância  de  
má-­‐fé.  A  decisão  de  improcedência  não  implica  legitimidade.  
 
10.2. ESPECIALIDADES  DA  LEGITIMIDADE  PLURAL  (E  PLURALIDADE  DE  PARTES)  
 
Quando   há   mais   do   que   um   autor   ou   o   réu   na   mesma   acção,   temos   este   problema   específico,   sendo   que  
existem   regras   adicionais,   sem   que   se   afastem   as   regras   de   legitimidades   gerais.   Advertência:   embora   o   título   seja  
legitimidade,   aquilo   que   vamos   ver,   na   realidade,   não   tem   apenas   haver   com   a   legitimidade;   envolve   uma   série   de  
outras   regras   que   é   necessário   ter   em   conta   nos   casos   de   pluralidade   de   partes.   Pode   acontecer   que   sejam   tratas  
determinadas  matérias  que  não  sejam  exclusivamente  de  legitimidade.    
 
• Os  arts.  32º  a  39º  relevam.  A  pluralidade  pode  ser  inicial  –  há  pluralidade  desde  o  início  do  processo  -­‐  
ou  sucessiva  –  não  há  pluralidade  desde  o  início  do  processo,  mas  acontece  posteriormente,  como  é  o  
caso,  por  exemplo,  da  figura  de  intervenção  de  terceiros.    
 
Os  casos  de  pluralidade  inicial  são  a  coligação  e  o  litisconsórcio.  Estas  duas  figuras  têm  em  comum  o  facto  de  
se  referirem  a  casos  em  que  há  vários  autores  e  vários  réus.  A  distinção  foi  bastante  controvertida.    
 
(1) Existe   litisconsórcio   quando   o   pedido   ou   pedidos   sejam   deduzidos   por   ou   contra   todas   as  
partes  OU  por  e  contra  todas  as  partes;  
 
(2) Existe  coligação  quando  pedidos  diferentes  sejam  deduzidos  por  ou  contra  partes  diferentes  
OU  por  e  contra  partes  diferentes.    
 
A   –   B   e   C:   um   pedido   formulado   por   um   autor   contra   dois   réus   =   litisconsórcio   passivo.   Caso   em   que   o   pedido   é  
deduzido   contra   todas   as   partes.   Do   lado   contra,   do   lado   passivo,   todas   as   partes   são   afectadas.   O   pedido   é   feito  
quanto  a  B  e  C.    
 
  A   B  e  C   Litisconsórcio  Passivo  
 
A  e  B  –  C:  o  mesmo  pedido  é  dirigido  por  todas  as  partes,  i.e.,  todos  os  autores  contra  o  réu  =  litisconsórcio  activo.  
 
  A  e  B   C   Litisconsórcio  Activo  
 
A  e  B  –  C  e  D:  litisconsórcio  activo  e  passivo.    
 
  A  e  B   C  e  D   Litisconsórcio  Activo  e  Passivo  
 

Página  |  34    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

A   e   B   –   C   e   D:   há   cumulação   de   pedidos.   Trata-­‐se   de   litisconsórcio   activo   e   passivo   com   pluralidade   objectiva.   Desta  
forma,  pode  haver  cumulação  de  pedidos  em  litisconsórcio,  desde  que  sejam  deduzidos  por  e  contra  todas  as  partes.  
 
  A  e  B   C  e  D   Litisconsórcio  Activo  e  Passivo,  com  Pluralidade  Objectiva  
 
 
Na  coligação  há  sempre  o  caso  de  cumulação  de  pedidos  e  pluralidade  de  partes,  sendo  essa  a  sua  particularidade.  
 
 
A     C  e  D   Coligação  Passiva  
 
 
  Coligação  Activa  
A  e  B   C    
 
 
 
A     C    
  Coligação  Activa  e  Passiva  
  B   D  
 
 
  Pode   ainda   acontecer,   na   mesma   acção,   casos   de   litisconsórcio   e   coligação.   Neste   caso,   os   pedidos   têm   de   ser  
avaliados   de   forma   individual.   No   primeiro   caso,   há   litisconsórcio   passivo,   na   medida   em   que   se   o   litisconsórcio   se  
verifica  quando  o  pedido  é  feito  por  ou  contra  as  mesmas  partes,  então  os  pedidos  feitos  a  azul  são  de  litisconsórcio  
passivo.  Mas  há  ainda  coligação,  na  medida  em  que  o  pedido  que  A  faz  a  B,  em  vermelho,  é  pedido  diferente.    
 
 
A     B     Coligação  e  Litisconsórcio  Passivos  
 
C  
 
 
 
 
A     C    
  Coligação  e  Litisconsórcio  Activos  
B    
  Passiva  
 
  No  segundo  caso,  temos  litisconsórcio  e  coligação  activos,  na  medida  em  que  temos  o  mesmo  pedido  deduzido  
por  todas  as  partes  e  pedidos  diferentes  deduzidos  por  partes  diferentes.    
 
  A     C    
  Coligação  Activa  e  Passiva  e  Litisconsórcio  Activos  
B   D   Passiva  
 
 
  No  terceiro  caso,  combina-­‐se  o  lado  activo  e  passivo  de  cada  uma  das  figuras.  Temos  um  litisconsórcio  activo  e  
uma   coligação   activa   e   passiva.   O   mesmo   pedido   é   deduzido   por   todas   as   partes   e   os   pedidos   diferentes   são   deduzidos  
por   e   contra   partes   diferentes.   Há   coligação   activa   uma   vez   que   que   temos   partes   diferentes   a   deduzir   pedidos  
diferentes,  na  medida  em  que  A  deduz  contra  C  e  B  deduz  outro  pedido  contra  D.      
 
• A  azul,  A  e  B  fazem,  em  conjunto,  o  mesmo  a  C  –  mesmo  pedido  por  todas  as  partes  –   litisconsórcio  
activo;  
• B,  a  vermelho,  faz  um  pedido  diferente  a  D  –  pedidos  diferentes  a  partes  diferentes  –  coligação  passiva;  
• A  e  B  fazem  dois  pedidos  diferentes  –  pedidos  diferentes  feitos  por  partes  diferentes  –  coligação  activa.  
 
CASO  PRÁTICO  
Classifique  as  pluralidades  subjectivas  (litisconsórcio  ou  coligação,  activas  ou  passivas):  
 

Página  |  35    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

1. Bernardo   e   Rafael   propõem   acção   contra   Santos   e   Justino,   pedindo   a   divisão   de   um   imóvel   que   é  
compropriedade  dos  quatro.    
 
Litisconsórcio  activo  e  passivo.  O  mesmo  pedido  é  deduzido  por  todos  e  contra  todos.    
 
2. Bernardo  e  Rafael  propõem  acção  contra  Mário  que  ocupou  um  imóvel  que  lhes  pertence.  Pedem  que  Mário  lhes  
entregue   o   bem.   Bernardo   pede   ainda   contra   Mário   uma   indemnização   por   ter   danificado   a   mobília   da   casa,   que  
lhe  pertencia  em  exclusivo.    
 
Litisconsórcio   activo   e   coligação   activa.   É   coligação   activa   porque   existem   dois   pedidos   diferentes   deduzidos  
por  partes  diferentes  (Bernardo  e  Rafael).    
 
3. David  e  Sofia,  comproprietários  de  um  quadro  de  Picasso,  venderam-­‐no  a  João.  Este  propõe  acção  contra  David  e  
Sofia,  pedindo  a  entrega  do  quadro.    
 
Litisconsórcio  passivo.  O  mesmo  pedido  é  deduzido  contra  todos  as  partes.    
 
10.2.1. LITISCONSÓRCIO    
 
O  litisconsórcio  pode  ser  voluntário  (art.  32º)  ou  necessário  (arts.  33º  e  34º).  Quando  é  voluntário,  o  facto  de  
existirem  várias  partes  é  uma  opção  das  mesmas.  Quanto  é  necessário,  a  circunstancia  de  existirem  vários  aurores  ou  
vários  réus  é  uma  necessidade  para  que  se  verifique  o  pressuposto  processual  da  legitimidade.  Ou  seja,  só  o  necessário  
é  que  pode  levantar  problemas  de  falta  de  pressupostos  processuais.    
 
O  litisconsórcio  necessário  pode  ser  de  três  tipos:  
 
(1) Litisconsórcio  necessário  legal  (imposto  por  norma  legal);  
(2) Litisconsórcio  necessário  convencional  (por  acordo  entre  as  partes)  
(3) Litisconsórcio  necessário  natural  (imposto  pela  natureza  das  coisas).    
 
10.2.1.1. LITISCONSÓRCIO  NECESSÁRIO  LEGAL:    
 
  As  razões  que  justificam  a  existência  de  litisconsórcio  necessário  devem  ser  encontradas  no  direito  material,  
i.e.,   nas   normas   de   Direito.   Contudo,   deve   ainda   ser   procurada   na   teleologia   da   norma   de   direito   natural.   Há   alguns  
casos   em   que   a   necessidade   do   litisconsórcio   não   se   encontra   apenas   na   teleologia   da   norma,   mas   na   natureza   das  
coisas.    
 
Exemplos  de  casos  em  que  a  lei  impor  que  a  acção  seja  proposta  por  ou  contra  todos  os  interessados:    
 
(1) Acção  para  o  exercício  de  direito  de  preferência  com  vários  titulares  (art.  419º,  CC);  
 
Ex.:  art.  419º  -­‐  partes  celebram  um  contrato  pelo  qual  uma  parte  se  obriga  a  dar  preferência  na  compra  do  imóvel  a  
três   pessoas.   A   forma   como   foi   atribuída   o   direito   de   preferência   foi   ao   conjunto   das   três   pessoas,   pelo   que   só   aquelas  
podem  exercer  esse  direito.  Se  o  direito  não  for  respeitado,  podem  os  três  titulares  interpor  uma  acção  para  o  exercício  
do   direito   de   preferência,   sendo   que   este   exercício   só   pode   ser   feito   por   todos,   em   conjunto.   Pedir-­‐se-­‐ia   que   se  
substituísse   então   o   comprador   pelos   titulares   do   direito   de   preferência.   Teriam   de   ser   as   três   pessoas,   os   três  
litisconsortes  a  propor  acção.    
 
  A   razão   de   ser:   respeito   pela   vontade   das   partes   na   celebração   do   contrato,   ou   seja,   o   respeito   pela   atribuição  
contratual.  Se  no  contrato  se  decidiu  atribuir  o  direito  ao  conjunto,  a  acção  deve  ser  interposta  pelo  mesmo.    
 
(2) Indemnização  por  danos  não  patrimoniais  (art.  496º/2,  CC);  
 

Página  |  36    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

Existe  um  direito  de  indemnização  por  morte  da  vítima  que  cabe  a  uma  série  de  pessoas,  mas  no  seu  conjunto,  
ou  seja,  não  cabe  uma  parte  ao  cônjuge  e  outra  aos  filhos,  por  exemplo,  mas  a  todos.    
 
[A   economia   processual   vale   para   qualquer   caso   de   partes,   ou   seja,   a   possibilidade   de   ter   vários   autores   ou   réus   é  
sempre  motivada  e  justificada  por  este  motivo].    
 
(3) Acção   de   cumprimento   de   obrigação   objectivamente   indivisível   com   pluralidade   de   devedores   (art.   535º,  
CC)  
 
Aqui  podemos  falar  da  relação  material  controvertida  e  das  obrigações  indivisíveis.  Em  qualquer  caso,  o  que  
está  em  causa  e  que  justifica  o  litisconsórcio  necessário  legal  é  o  que  está  no  conteúdo  legal  da  norma.    
 
10.2.1.2. LITISCONSÓRCIO  ENTRE  CÔNJUGES  
 
A  matéria  dos  cônjuges  está  regulada  no  art.  34º,  sendo  necessário  distinguir  os  cônjuges  enquanto  autores,  
que  dão  origem  a  litisconsórcio  activo;  e  os  cônjuges  enquanto  réus,  que  dão  origem  a  litisconsórcio  passivo  (34º/1  e  3).      
 
No   primeiro   caso,   de   litisconsórcio   activo,   as   acções   têm   de   ser   propostas   por   ambos   os   cônjuges.   Cabem  
nestas  acções  os  casos  de  perda  ou  oneração  de  bens  (ex.:  art.  1682º-­‐A/1,  alínea  a)  do  CC).  Cabem  ainda  as  acções  de  
que   possa   resultar   a   perda   de   direitos   que   só   por   ambos   possam   ser   exercidos   (ex.:   art.   1683º/2)   e   acções   que   tenham  
por  objecto  a  casa  de  morada  de  família.  Ainda:  
 
• Imóveis  –  artigo  1682º-­‐A/1,  alínea  a)  do  CC;  
• Casa  de  Morada  de  Família  –  artigo  1682º-­‐A/2;  
• Estabelecimento  comercial-­‐  1682º-­‐A/1,  alínea  b);  
• Móveis  –  1682º/1  e  3;  
• Herança  –  1683º/2  do  CC;  
• Actos  de  administração  extraordinária  –  1678º/3  do  CC.  
 
10.2.1.3. LITISCONSÓRCIO  PASSIVO  
 
Nos  casos  anteriores  –  de  litisconsórcio  activo  –,  também  pode  haver  passivo.  Ex.:  vendedor  pede,  contra  os  
dois  cônjuges,  a  nulidade  da  compra  e  venda  da  casa  de  morada  de  família.  Os  cônjuges  têm  de  ser  chamados  à  acção.    
 
O  art.  34º/3  trata  ainda  das  acções  emergentes  de  factos  praticados  por  ambos  os  cônjuges  (art.  1691º/1  do  
CC).   Ex.:   acção   de   condenação   de   pagamento   de   dívidas   contraídas   por   ambos   os   cônjuges.   Tem   de   ser   a   acção  
proposta  aos  dois.  Trata  ainda  das  acções  emergentes  de  factos  praticados  por  um  dos  cônjuges  (ex.:  dívidas),  quando  
se   pretenda   obter   decisão   susceptível   de   ser   executada   sobre   os   bens   próprios   do   outro   (restantes   casos   do   art.  
1691º/1  e  2).    
 
Para  o  efeito,  é  necessário  relembrar  o  regime  das  dívidas  dos  cônjuges,  designadamente,  os  artigos  1691º  e  
1692º  do  CC.  Temos  assim  dívidas  comunicáveis  (responsabilidade  de  ambos  os  cônjuges,  fazendo-­‐se  ainda  referência  ao  art.  
1695º,  respondendo  bens  comuns  e  bens  próprios  dos  dois)  e  dívidas  não  comunicáveis  (responsabilidade  daquele  que  contraiu,  
pelo  que  se  recorre  ao  art.  1696º,  respondendo  os  bens  próprios  do  responsável  e  meação  dos  bens  comuns).    
 
«Acções   emergentes   de   factos   praticados   por   um   dos   cônjuges,   quando   se   pretenda   obter   decisão   susceptível  
de  ser  executada  sobre  os  bens  próprios  do  outro».  No  primeiro  caso  descrito,  das  dúvidas  comunicáveis,  sabemos  que  
há  litisconsórcio  e  que  a  falta  de  uma  das  partes  no  processo  gera  absolvição  na  instância  por  falta  da  legitimidade;  já  
no   segundo   caso,   das   dívidas   não   comunicáveis,   já   não   se   verifica   este   problema.   Mas   neste   terceiro   caso,   geram-­‐se  
algumas  dúvidas.  Ou  seja,  existem  duas  correntes,  ambas  defensáveis:  
 
(1) Trata-­‐se   de   uma   escolha   do   autor   se   quer   ou   não   comunicar   a   dívida.   Haverá   litisconsórcio   ou   não  
conforme  a  escolha  do  autor/credor;  

Página  |  37    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

 
(2) Se   assim   fosse,   haveria   uma   distorção   do   regime,   pelo   que   o   litisconsórcio   é   sempre   necessário.   É   a  
posição  que  o  professor  considera  mais  defensável.    
 
10.3. LITISCONSÓRCIO  NECESSÁRIO  NATURAL    
 
  Tem   natureza   da   relação   controvertida   que   impõe   a   presença   de   todos,   i.e.,   a   intervenção   de   todos   é  
necessária  para  que  a  decisão  possa  produzir  o  seu  efeito  útil  normal,  para  que  regule  em  definitivo  as  situações  das  
partes.   Para   os   efeitos   do   art.   33º/3,   deve-­‐se   entender   que   há   regulação   uma   efectiva   da   decisão   quando   se   evita   a  
produção  de  decisões  posteriores  eventualmente  inconciliáveis.    
 
10.4. ILEGITIMIDADE    
 
• Falta  de  litisconsórcio  necessário  gera  ilegitimidade.  
• Ilegitimidade  é  uma  exceção  dilatória  –  artigo  577.º  e).  
• Consequência:  absolvição  do  réu  da  instância.  
• Forma  de  sanação:  intervenção  de  terceiros.  
 
10.5. LITISCONSÓRCIO  VOLUNTÁRIO  
 
O   regime   do   litisconsórcio   voluntário   é   o   regime   regra,   regime   residual   no   caso   de   haver   pluralidade   de  
matérias  controvertidas  com  vários  interessados  nos  casos.  No  voluntário  não  têm  de  estar  todos  os  interessados  na  
acção,  uma  vez  que  a  opção  pelo  litisconsórcio  -­‐  por  colocar  todas  as  partes  na  mesma  acção  -­‐,  pode  constituir  tanto  
um  ónus  como  uma  faculdade.  Ou  seja,  pode  ser  ónus  nos  termos  do  art.  32º/1,  2ª  parte,  se  o  autor  quiser  ter  uma  
sentença  (sendo  o  caso  paradigmático  as  obrigações  conjuntas);  ou  uma  faculdade,  nos  termos  do  art.  32º/2  (sendo  o  
caso  paradigmático  as  obrigações  solidárias,  podendo  o  credor  exigir  de  qualquer  um  dos  obrigados,  ainda  que  depois  
exista,  entre  eles,  um  direito  de  regresso).    
 
10.6. COLIGAÇÃO    
 
A   coligação   tem,   por   um   lado,   condições   objectivas   de   admissibilidade   e,   por   outro,   condições   processuais.   Há  
casos  em  que  a  coligação  é  admissível,  e  outros  em  que  não  o  é.  As  condições  objectivas  são  de  tipo  material,  ou  seja,  
as   quais   mais   próximas   ao   objecto   do   processo.   Por   outro   lado,   as   condições   processuais,   são,   como   o   nome   indica,   de  
tipo  processual.  Assim,  as  condições  objectivas  estão  elencadas  no  art.  36º,  designadamente:    
 
(1) Causa   de   pedir   única   –   esta  questão  da  unicidade  levanta  grandes  debates.   A   noção   da   causa   de   pedir  de  
MFG   identifica-­‐se   com   a   norma   em   causa.   Contudo,   o   professor   defende   que,   se   assim   for,   este   ponto   vai  
ser  igual  às  mesmas  normas  de  direito.  Se  forem  então  os  mesmos  factos,  confunde-­‐se  com  os  mesmos  
factos   essenciais.   Assim,   o   professor   não   consegue   entender   como   é   que   a   causa   de   pedir   única   possa   ser  
factor  de  admissão  de  coligação;  
 
(2) Pedidos   principal   e   prejudicial   –   o   professor,   à   semelhança   de   vários   autores,   considera   que   este   ponto   é  
igual  ao  seguinte,  dos  pedidos  dependentes;  
 
(3) Pedidos   dependentes   –   ex.:   pede-­‐se   ao   tribunal   para   declarar   a   validade   do   contrato   e   o   cumprimento   do  
contrato.  O  segundo  pedido  vai  depender  do  primeiro.  Os  pedidos  têm  de  ser  compatíveis.  Um  pedido  que  
já  seria  incompatível  era,  por  exemplo,  pedir-­‐se  a  declaração  de  invalidade  e  o  cumprimento;  
 
(4) Mesmos   factos   essenciais   –   se   os   mesmos   factos   essenciais   estiverem   em   causa,   então   tem   sentido  
permitir   a   coligação.   Ex.:   o   mesmo   acidente   de   viação   provoca   vários   danos,   nos   mesmos   lesados.   Os  
lesados  devem  poder  coligar-­‐se  contra  o  lesante.  O  facto  é  o  mesmo,  a  produção  de  prova  será  dirigida  ao  
mesmo  facto;  e  as  consequências  serão  as  mesmas  para  os  lesados;  
 

Página  |  38    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

(5) Mesmas  normas  de  direito  –  ex.:  dono  não  reconhece  a  garantia  de  um  bem,  na  medida  em  que  diz  que  é  
perecível  e,  por  causa  disso,  não  dá  2  anos  de  garantia,  mas  apenas  6  meses.  Aquilo  que  se  vai  visar  aqui  é  
a  norma  da  garantia,  mas  num  caso  específico,  na  medida  em  que  o  autor  alega  que  o  bem  é  perecível,  ou  
seja,  as  normas  são  as  mesmas,  mas  sendo  aplicadas  aos  mesmos  casos,  podem  ter  conclusões  diversas;  
 
(6) Cláusulas  de  contratos  análogos  –  aqui  trata-­‐se,  por  exemplo,  de  cláusulas  contratuais  análogas.    
 
Sem  estas  condições  objectivas  podia-­‐se  propor  uma  acção  contra  alguém  que  paga  uma  quantia  que  deve  e  
outra   acção   que   visa   a   entrega   de   uma   coisa,   sem   que   nada   tivesse   a   ver,   i.e.,   apenas   como   via   de   pagar   menos   custas.  
Servem  para  garantir  a  homogeneidade  do  objecto  do  processo.  
 
Como  condições  processuais  de  admissibilidade,  o  art.  37º  elenca,  designadamente:  
 
(1) As   formas   de   processo   têm   de   ser   iguais   –   ou   seja,   a   forma   de   processo   dos   vários   pedidos   tem   de   ser  
igual;  
(2) Ou  sendo  diferentes,  com  uma  tramitação  manifestamente  compatível,  ou  seja:  
 
(2.1.)  Haja  interesse  relevante  na  cumulação;  
(2.2.)  A  apreciação  conjunta  das  pretensões  seja  indispensável  para  a  justa  composição  do  litígio.    
 
10.7. OUTRAS  CONDIÇÕES  PROCESSUAIS  DE  ADMISSIBILIDADE  –  ARTIGO  37º:  
 
Competência  internacional;  
Competência  em  razão  da  matéria;  
Competência  em  razão  da  hierarquia.  
 
10.8. SUPRIMENTO  DA  COLIGAÇÃO  ILEGAL  –  ARTIGO  38º:  
 
• Juiz  notifica  autor  para  escolher.  
•  Não  o  fazendo,  réu  é  absolvido  de  todos.  
•  Vários  autores  –  todos  notificados.  
•  Indicados  os  ou  o  pedido  que  sobra,  réu  é  absolvido  da  instância  quanto  aos  restantes.  
 
10.9. PLURALIDADE  SUBJECTIVA  SUBSIDIÁRIA  –  ART.  39º:  
 
  No  caso  de  litisconsórcio  subsidiário,  o  mesmo  pedido  é  deduzido  por  ou  contra  uma  parte  a  título  principal  e  
por  ou  contra  outra  a  título  subsidiário,  ou  seja,  faz  um  pedido  principal  e  um  subsidiário  para  o  caso  de  o  primeiro  não  
proceder.   Ex.:   acidente   de   viação.   Há   dúvida   quanto   a   quem   provocou   o   acidente,   pelo   que   o   lesado   propõe   acção  
contra  uma  das  pessoas,  mas,  subsidiariamente,  propõe  acção  contra  outra,  no  caso  da  primeira  acção  não  proceder.  
 
  No  caso  da  coligação  subsidiária,  podemos  utilizar  o  exemplo  anterior,  mas  no  pedido  subsidiário,  o  autor  pede  
uma  indemnização  por  motivo  diferente  ou  alegar,  por  exemplo,  culpa  do  lesado.  Já  será  um  pedido  diferente.  Ou  seja,  
é  deduzido  por  ou  contra  uma  parte  um  pedido  e  por  ou  contra  outra  um  pedido  diverso.    
 
Dúvida  sobre  a  pessoa  do  titular  do  direito  ou  do  dever  pode  ter  origem:  
• Necessidade  de  apuramento  da  matéria  de  facto;  
• Dúvida  sobra  interpretação  de  uma  norma  jurídica  
 
Conclui-­‐se  que  a  pluralidade  de  partes  no  mesmo  processo  tem  sempre  em  vista  assegurar  a  economia  processual,  
na  medida  em  que  se  evita,  potencialmente,  novas  acções.  A  necessidade  de  ter  no  mesmo  processo  várias  partes,  
autores   e/ou   réus   pode   ter   em   vista   várias   finalidades,   entre   as   quais   conciliabilidade   entre   decisões   ou,   por  
exemplo,  o  respeito  pela  natureza  das  coisas  nas  obrigações  indivisíveis.    
 

Página  |  39    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

Qual  a  importância  de  identificar  os  valores,  a  teleologia  do  regime?  Especialmente  em  matérias  como  esta,  quer  
da   coligação,   quer   do   litisconsórcio,   da   pluralidade   de   partes,   que   estão   reguladas   pela   lei   de   forma   muito  
conceptual,   através   de   conceitos   com   definições   pouco   claras   e,   por   vezes,   artificiais   (desligadas   da   realidade),   é  
necessário   ter   em   conta   e   procurar   encontrar   a   teleologia   que   está   por   detrás   do   regime,   na   medida   em   que   é  
comum   que   nestes   casos   o   regime   não   regule   as   coisas   de   acordo   com   a   realidade,   mesmo   em   conceitos   com  
capacidade  elástica  ou  expansiva.    
 
Ex.:  acidente  de  viação,  havendo  um  caso  em  que  há  um  seguro  que  cobre  a  responsabilidade  objectiva.  O  seguro  
tem  um  limite  de  cobertura  de  €10.000,00.  O  valor  da  lesão  é  de  €15.000,00.  O  lesado  pede  os  €10.000,00  então  à  
seguradora   e   os   €5.000,00   ao   lesando.   Estamos   numa   situação   de   coligação   passiva   (pedidos   diferentes   contra  
duas  partes  diferentes).  A  coligação  nunca  é,  por  regra,  necessária.   O  lesado  tanto  podia  propor  uma  acção  assim,  
i.e.,  na  mesma  acção  os  dois  pedidos;  como  podia  propor  duas  acções.  Mas  se  separasse  as  acções,  poderiam  haver  
acções  incompatíveis,  julgando  o  tribunal  que  uma  das  indemnizações  tinha  de  ser  paga,  mas  a  outra  não.  Assim,  o  
professor   considera   que   se   deve   aplicar,   neste   caso,   uma   coligação   necessária   por   analogia   ao   litisconsórcio  
necessário.    
 
O   art.   35º:   no   caso   de   o   litisconsórcio   ser   necessário,   há   a   cumulação   de   acções.   Assim,   no   voluntário,   temos  
simples  acumulação  de  acções  em  que  cada  litisconsorte  pode  dispor  da  sua  oposição  de  modo  independente.  Ex.:  
pode   recorrer   da   acção,   independentemente   dos   outros   o   fazerem.   Contrariamente,   no   necessário,   tal   não   é  
possível.    
 
Aulas  de  Substituição:    
 
• 10  de  novembro  às  18h,  no  Anfiteatro  B;  
• 15  de  novembro,  às  18h,  na  Sala  10  (Polidesportivo);  
• 17  de  novembro,  às  16h30,  no  Anfiteatro  B;  
• 18  de  novembro,  às  18h,  no  Anfiteatro  B;  
• 22  de  novembro,  às  18h,  na  Sala  10  (Polidesportivo);  
• 24  de  novembro,  às  18h,  no  Anfiteatro  B.      
 
Sumário  –  Aula  de  10  de  Novembro  de  2016:  
10. Legitimidade  (continuação).  
 
10.1. LEGITIMIDADE  SUCESSIVA  
 
  Na  pendência  no  processo,  seja  a  meio  ou  no  fim,  surgem  novas  partes  (ideia  de  sucessiva,  superveniente).  A  
acção   foi   proposta   por   determinadas   pessoas,   contra   determinadas   pessoas   e,   algures   a   meio   do   processo,   surgem  
novas  pessoas.  Aparecem  terceiros  que  pretendem  intervir  no  processo.  São  considerados  como  terceiros  porque  não  
são   nem   o   autor,   nem   o   réu.   Até   ao   momento   em   que   a   sua   intervenção   é   admitida,   não   são   partes   no   processo.  
Intervenção  de  terceiros  justifica-­‐se  porque  retrata  um  conjunto  de  incidentes  (acontece   no   processo,   não   está   na   lógica  
simples   do   processo)   processuais   que   tem   como   objectivo   trazer   ao   processo   pessoas   que,   até   então,   não   eram   parte   do  
processo.    
 
  Se  forem  admitidos,  deixam  de  ser  terceiros  e  passam  a  ser  partes  principais  ou  acessórias  em  função  do  tipo  
de  intervenção.  Assim,  a  legitimidade  sucessiva  é  a  intervenção  superveniente  que  tem  de  ser  requerida  por  alguém  no  
meio  do  processo.  A  matéria  vem  regulada  numa  parte  mais  atípica  do  CPC,  designadamente,  arts.  311º  e  ss.    
 
  As   intervenções   de   terceiros,   quando   admitidas,   vão   produzir   uma   modificação   subjectiva   na   instância.   Ou  
seja,  deixa  de  haver  um  autor  e  um  réu,  para  haverem,  por  exemplo,  dois  autores  ou  dois  réus,  ou  até  um  assistente.  
Podem  haver  modificações  objectivas,  no  pedido  ou  na  causa  de  pedir  e  subjectivas,  nos  sujeitos  processuais.    
 
  Os  incidentes  de  intervenção  de  terceiros  são  tipificados,  são  os  que  constam  do  Código,  e  apenas  esses.  Além  
disso,  só  as  partes  podem  chamar  terceiros  ao  processo,  o  juiz  nunca  o  pode  fazer  sozinho.  Reconduz-­‐se  à  ideia  de  ser  o  

Página  |  40    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

processo  civil  ligado  ao  Princípio  do  Dispositivo.  São  as  partes  que  têm  o  poder  de  delimitar  o  objecto  do  processo,  bem  
como  os  sujeitos  do  processo.  Não  é  o  juiz  que  propõe  as  acções  e,  por  essa  mesma  razão,  não  é  ele  que  tem  poder  
para  chamar  terceiros.  Pode  fazer  o  convite  ao  aperfeiçoamento,  mas  quem  faz  chama  os  terceiros  são  as  partes.  Por  
regra,   é   na   fase   dos   articulados   que   isto   acontece.   Ex.:   se   faltar   alguém,   o   juiz   pode   convidar   o   autor   a   chamar   uma  
parte.   Se   este   optar   por   não   chamar   ninguém,   por   exemplo,   por   não   considerar   que   há   litisconsórcio,   o   juiz   pode  
promover  absolvição  na  instância  por  uma  questão  de  ilegitimidade.    
 
Ex.:  acção  contra  condómino.  Ocupou  uma  parte  comum.  Vizinho  A  propõe  acção  contra  vizinho  B  que  ocupou  a  parte.  
O  réu  –  vizinho  B  –  defende-­‐se  dizendo  que  aquela  acção  só  pode  ser  proposta  por  todos  os  condóminos,  na  medida  
em  que  há  um  litisconsórcio  necessário.  Pode  ser  uma  estratégia  do  réu  para  atrasar  o  processo.  Precisamente  por  se  
tratar  de  uma  forma  de  prolongar  dilatoriamente  o  processo,  o  novo  código  veio  restringir  a  sua  aplicação.  O  juiz  ou  o  
autor  poderiam  entender  que  há  litisconsórcio  necessário.    
 
  O  juiz  pode  e  deve  convidar  a  parte  a  suprir  a  falta  de  pressupostos  processuais  (gestão  processual  –  6º/2).    
 
  Os   arts.   311º   e   ss   mencionam   a   intervenção   espontânea;   os   arts.   321º   e   ss   mencionam   a   intervenção  
acessória;  e  os  arts.  333º  e  ss  mencionam  a  oposição  (os  embargos  de  terceiros  serão  de  civil  executivo).  Quando  se  
quer  chamar  um  terceiro,  temos  de  verificar  se  este  preenche  algum  dos  requisitos  que  a  lei  reconhece.  Só  no  caso  de  
tal  se  verificar  é  que  pode  ser  efectivamente  chamado  o  terceiro  ao  processo.    
 
 
 
  Espontânea  
 
  Intervenção  
Principal  
 
  Provocada  
 
Intervenção  de   Intervenção  
  Terceiros   Acessória  
 
 
 
Oposição  
 
 
 
 
  Qualquer   um   deles   pode   ser   provocado   ou   espontâneo.   A   espontânea   é   aquela   em   que   o   terceiro   vem  
requerer   a   sua   intervenção   no   processo   (por   algum   motivo   tomou   conhecimento   da   existência   do   processo   e   quer  
participar  neste  processo);  a  provocada  é  aquela  em  que  o  terceiro  é  chamado  por  uma  das  partes,  seja  o  autor  ou  o  
réu.  Trata-­‐se  de  uma  questão  de  eficiência  numa  lógica  total  da  situação  jurídica  e  numa  lógica  micro  do  processo.    
 
10.2. INTERVENÇÃO  PRINCIPAL  
10.2.1. INTERVENÇÃO  PRINCIPAL  ESPONTÂNEA  (ART.  311º)  
 
Só   nas   situações   de   litisconsórcio   é   que   pode   haver   intervenção   principal   espontânea,   ou   seja,   exclui   a  
coligação.  O  litisconsórcio  em  causa  pode  ser  voluntário  ou  necessário.  Pode  ser  o  cônjuge,  o  condómino,  o  obrigado  
solidário,   entre   outros.   Assim,   nos   termos   do   311º   temos   que   aferir   se   o   autor   e   o   réu   que   estão   a   fazer   o   pedido   de  
intervenção  dizem  porque  razão  deve  ser  legitimidade  e  intervenção  do  terceiro.    
 
Ex.:  C,  D,  E  são  condóminos.  Tendo  em  conta  que  se  trata  de  uma  parte  comum,  estes  devem  juntar-­‐se  a  A,  contra  o  
vizinho  B,  porque  se  trata  de  litisconsórcio  (arts.  32º  e  33º).  Ou  seja,  quer  seja  autor,  quer  seja  réu,  tem,  nos  termos  dos  
arts.  32º,  33º  ou  34º,  de  justificar  a  legitimidade  para  estar  naquele  processo.    
 

Página  |  41    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

Quanto  à  forma,  há  um  articulado  próprio  ou  adesão  aos  articulados  da  parte  a  que  se  associa  (313º  e  314º).  É  
uma  forma  específica.  No  caso  de  adesão  do  art.  313º,  limita-­‐se  a  aderir  ao  que  já  se  encontra  no  processo,  pelo  que  
não  acrescenta  novos  factos  ao  processo  (pode  ser  apenas  para  acrescentar  alegações  ou  fazer  prova).  É  admissível  a  
todo   o   tempo,   na   medida   em   que   não   tem   qualquer   prejuízo   na   acção;   não   atrase   o   processo.   Já   no   art.   314º,   há  
intervenção  mediante  articulado  próprio.  Esta  só  é  admissível  até  ao  termo  dos  articulados;  até  à  contestação,  se  não  
houver   réplica.   O   art.   315º   determina   que   o   juiz,   após   requerida   a   intervenção,   ordena   a   notificação   das   partes   e  
decide,  se  nada  houver  em  contrário,  a  sua  admissibilidade.    
 
A   grande   vantagem   é   abranger   no   caso   julgado   mais   pessoas,   ou   seja,   para   que   fiquem   vinculadas   à  
sentença  que  seja  proferida,  tendo  em  conta  que  não  há  oposição  do  caso  julgado  às  partes  que  não  foram  presentes  
no  processo.    
 
10.2.2. INTERVENÇÃO  PRINCIPAL  PROVOCADA  
 
Há  uma  maior  complexidade  nos  requisitos,  na  medida  em  que  esta  pode  funcionar  como  manobra  dilatória  
do  réu  (o  autor  não  faz  manobras  dilatórias).  Na  espontânea  as  questões  de  eficiência,  de  celeridade  do  processo  não  
estão  colocadas  da  mesma  forma.    
 
Pode  haver  intervenção  de  terceiros  provocados  no  litisconsórcio  necessário  (316º/1,  sublinhar  «qualquer  das  
partes»  +  33º);  no  litisconsórcio  voluntário  (316º/2,  sublinhar  «pode  o  autor»  +  32º).  O  autor  pode  chamar  um  novo  réu  
em  litisconsórcio  voluntário.  Ex.:  obrigado  solidário  –  o  autor  propôs  acção  apenas  contra  um,  pensando  que  bastaria  só  
aquele   porque   tinha   dinheiro.   Depois   percebe   que   este   está   insolvente,   vai   querer   chamar   o   outro.   Pode   fazê-­‐lo   por  
este   artigo.   Mas   não   se   basta   por   aqui.   No   litisconsórcio   voluntário   também   o   réu   pode   ter   iniciativa,   embora   com  
requisitos  especiais,  ou  seja,  no  litisconsórcio  voluntário:    
 
(1) O  autor  pode  chamar  um  novo  réu  em  litisconsórcio  voluntário  passivo;  
(2) O   réu   pode   chamar   um   novo   autor   em   litisconsórcio   voluntário   passivo,   desde   que   tenha   motivo  
atendível;  
8
(3) O  réu  pode  chamar  um  novo  autor  em  litisconsórcio  voluntário  activo ;  
(4) Há  um  pedido  subsidiário,  ou  seja,  muda  o  pedido  e  mudam  os  sujeitos  (art.  39º),  se  requerido  pelo  autor.    
 
Não  é  claro  o  que  se  entende  por  motivo  atendível.  A  Professora  considera  que,  por  exemplo,  ser  devedora  ou  
credor   solidário   é   um   motivo   atendível.   Ex.:   demandada   enquanto   comitente.   É   motivo   atendível   querer  
chamar  o  comitente.    
 
O  valor  da  sentença  regulado  no  art.  320º  determina  que  a  sentença  tem  valor  de  caso  julgado,  em  todos  os  casos.    
 
10.3. INTERVENÇÃO  ACESSÓRIA  
 
Enquanto  na  principal  o  terceiro  vai  ser  uma  parte,  ou  seja,  autor  ou  réu;  na  acessória,  o  terceiro  vai  coadjuvar  
uma  das  partes  principais  (art.  328º).  Na  intervenção  principal  a  nova  parte  pode  aderir  àquilo  que  já  lá  estava,  sendo  
que  no  momento  em  que  adere  pode  actuar  de  modo  diferente,  i.e.,  fazer  prova  diferente,  por  exemplo.  Na  acessória  a  
sua  actividade  está  subordinada  à  parte.  Tem  de  haver  correspondência  quanto  a  esta  limitação  do  direito  de  defesa.  
Tal  como  a  principal,  pode  ser  provocada  ou  espontânea.  
 
A  intervenção  acessória  espontânea  pode  ser  apresentada  como  assistência.  
 
10.3.1. INTERVENÇÃO  ACESSÓRIA  PROVOCADA  
                                                                                                                       
8
  O   autor   não   o   pode   fazer   (chamar   novo   réu   em   litisconsórcio   activo)   na   medida   em   que:   ou   tomou   a   iniciativa   de   ir   sozinho   ou   até  
queria   chamar   outro,   mas   não   o   podia   obrigar   a   fazê-­‐lo.   Tendo   em   conta   que   foi   uma   opção   sua,   não   a   pode   alterar.   O   réu,   ao  
contrário,   pode   resolver   numa   mesma   acção   os   problemas   todos   da   relação   jurídica.   Ex.:   A   é   devedor   e   tem   quatro   credores  
solidários.  A  pode  querer  dizer  que  já  pagou  ou  que  a  dívida  não  exista  ou  que  o  contrato  é  inválido  perante  todos  os  credores,  para  
que  depois  não  seja  novamente  proposta  acção  contra  ele  sobre  o  mesmo  objecto.  É  uma  lógica  de  protecção  do  réu.    

Página  |  42    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

 
O  art.  321º  determina  que  se  tratam  de  casos  em  que  há  direito  de  regresso  do  chamado  e  o  terceiro  carece  
de   legitimidade   para   ser   parte   processual.   Por   outras   palavras,   trata-­‐se   de   uma   intervenção   altamente   limitada.   São  
casos  em  que,  por  exemplo,  temos  uma  seguradora.  Ex.:  A,  que  tem  seguro  com  a  Seguradora  X,  tem  um  acidente  por  
condução   sob   excesso   de   álcool.   A   seguradora   pode   pedir   para   intervir,   na   medida   em   que   pode   haver   direito   de  
regresso  da  seguradora  quanto  a  um  determinado  veículo    
 
Quando   há   uma   intervenção   acessória,   o   assistente   não   sai   condenado   desta   acção.   O   que   se   faz   é   chamar  
aquela   pessoa   contra   quem   se   tem   direito   de   regresso   para   que   ela   fique   vinculada   à   sentença   que   resultar   daquela  
acção.  Pode  haver  uma  segunda  acção  em  que  o  responsável  vem  exigir  ao  terceiro  o  pagamento  que  fez  ao  autor  da  
primeira  acção.  ou  seja,  os  pressupostos  da  intervenção  acessória  passam  por:    
 
(1) Primeira  acção:  lesado  contra  responsável  –  pede  indemnização  pelos  danos  causados;  
(2) Segunda  acção:  responsável  contra  o  terceiro  que  tem  direito  de  regresso.  
 
O  terceiro  fica  vinculado  ao  caso  julgado.  O  terceiro  não  sai  condenado  a  pagar  o  que  quer  que  seja,  sai  apenas  
vinculado  à  decisão  que  deu  como  provado  de  facto  e  de  direito  que  os  danos  ocorreram  e  foram  provados  por  
determinado  facto  ilícito  praticado  pelo  responsável.  Depois  há  uma  segunda  acção  em  que  o  responsável  vai  
ser   autor   contra   o   terceiro   que   tem   direito   de   regresso.   Ou   seja,   aqui,   a   parte   acessória   da   primeira   acção  
passa  a  ser  réu.  Aqui  o  autor  vai  pedir  que  o  réu  seja  condenado  a  pagar  os  danos  determinados  na  primeira  
acção.   Na   segunda   acção   já   não   se   vai   discutir   a   imputabilidade   dos   danos   à   responsabilidade.   São   duas  
relações   jurídicas   diferentes.   Na   primeira   discute-­‐se   o   objecto   e   na   segunda   discute-­‐se   se   existe   ou   não   direito  
de  regresso.  Se  o  terceiro  não  for  chamado  à  primeira  acção,  tem  direito  de  querer  que  se  discuta  tudo  o  que  
foi  discutido  logo  na  primeira  acção.    
 
Quando   se   fala   em   causa   posterior,   está-­‐se   a   fazer   alusão   à   segunda   acção.   A   relação   entre   o   lesado   e   o  
terceiro   nunca   é   debatida   na   primeira   acção,   mas   na   segunda.   A   segunda   acção   pode   nem   sequer   chegar   a  
existir,  uma  vez  que  o  terceiro  pode  até  aceitar  pagar  logo  a  quantia.    
 
  O  segundo  requisito  mencionado  –  da  legitimidade  processual  do  terceiro  para  ser  parte  –  é  essencial.  Os  arts.  
30º   e   ss   estabelecem   os   requisitos   para   tal.   Pergunta   que   deve   ser   feita:   «se   fosse   autor,   poderia   por   este   terceiro  
como   réu?»   -­‐   Se   a   resposta   for   sim,   é   intervenção   principal;   se   a   resposta   for   não,   será   acessória.   Este   artigo   serve  
precisamente  para  responder  às  dúvidas  sobre  saber  se  a  intervenção  é  principal  ou  acessória  (321º).    
 
10.3.2. INTERVENÇÃO  ACESSÓRIA  ESPONTÂNEA:  
 
Está   regulada   no   art.   326º   e,   mais   uma   vez,   temos   um   critério   diferente.   É   muito   mais   aberto   que   o   critério   da  
intervenção   acessória   provocada.   O   número   2   vem   esclarecer   o   que   é   o   interesse   jurídico,   dizendo   que   basta   que   o  
sujeito  assistente  seja  titular  de  uma  relação  jurídica  cuja  consistência  prática  ou  económica  dependa  da  pretensão  do  
arguido.   A   norma   é   bastante   ampla.   Ex.:   B   é   credor   de   A   que   tem   apenas   um   bem.   C,   credor   de   A,   vem   requerer   numa  
acção  esse  bem  como  forma  de  compensar  a  dívida.  B  pode  ter  que  intervir  para  garantir  o  seu  crédito.    
 
Como  interesse  jurídico  atendível  podemos  pensar:  
 
(1) Relação   de   prejudicialidade   ou   dependência,   que   comprometa   um   direito   ou   implique   um   dever.   Ex.:   Se   A  
tem  uma  marca  e  perder  a  licença  da  mesma,  B,  que  é  distribuidor,  tem  um  interesse  atendível,  tendo  em  
conta  que  o  distribuidor,  não  tendo  a  marca,  perde  um  produto;  
 
(2) Aquelas  em  que  a  decisão  pudesse  ter  consequências  meramente  económicas.    
 
Enquanto   que   na   assistência   provocada   a   lógica   é   vincular   o   terceiro   para   que   depois,   numa   segunda   acção,   não   tenha  
de   repetir   prova;   na   espontânea,   é   uma   consistência   de   um   direito   próprio,   existente.   É   uma   vantagem   de   salvaguarda  
do  direito,  mas  fica  vinculado  no  caso  julgado.    

Página  |  43    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

 
O   mais   comum,   quer   na   intervenção   principal,   quer   na   acessória,   é   serem   provocadas   e   raramente  
espontâneas,  exactamente  porque  isso  implica  que  a  sentença  valha  como  caso  julgado.    
 
Quanto  ao  caso  julgado,  a  sentença  produz  efeito,  excepto:  
 
(a) Se  o  assistente  não  pôde  actuar  da  melhor  forma;  
(b) Se  o  assistente  desconhecia  meios  de  prova  ou  alegação;  
(c) Se  houve  limitação  objectiva  em  relação  à  intervenção  provocada  (323º/4).    
 
Intervenção  acessória  provocada  –  artigo  323º/4;  
Intervenção  acessória  espontânea  ou  assistência  –  artigo  332º.  
 
O  âmbito  do  caso  julgado  objectivo  é  pleno,  ou  seja,  a  parte  fica  vinculada  pelo  que  foi  decidido,  não  podendo  
ser  discutido  na  segunda  acção  aquilo  que  foi  discutido  pela  primeira.  O  direito  de  regresso  nunca  é  julgado  na  primeira  
acção,  mas  na  segunda,  pois  caso  contrário  não  haveria  lógica  em  existir  segunda  acção,  seria  logo  uma  acção  executiva  
de  condenação  (uma  execução).    
 
10.4. OPOSIÇÃO  
 
A   oposição   é   regulada   nos   arts.   333º   a   350º.   O   terceiro   é   parte   principal,   mas   numa   terceira   posição,   ou   seja,  
não  vai  ser  nem  autor,  nem  réu,  mas  uma  terceira  parte.  É  uma  espécie  de  intervenção  principal.  É  alguém  que  tem  um  
direito   próprio   que   é   incompatível,   que   está   em   contradição   jurídica   com   a   pretensão   deduzida   pelo   autor   ou   pelo   réu,  
i.e.,  a  ambas  as  partes.  Todos  eles  (autor,  réu  e  terceiro)  estão  numa  posição  equivalente,  sem  que  exista  litisconsórcio.    
 
(1) Oposição   Espontânea:   é   titular   de   direito   incompatível   relativamente   a   ambas   as   partes.   Embargos   de  
terceiro.   Ex.:   se   forem   penhorados   bens   de   terceiro.   Quem   vem   intervir   não   é   nem   o   exequente   nem   o  
executado,  mas  sim  uma  terceira  posição;  o  terceiro  vem  participar  para  defender  o  direito  de  não  ter  o  bem  
penhorado.    
 
(2) Oposição   Provocada:   direito   incompatível   relativamente   ao   autor.   É   uma   situação   em   que   o   réu   devedor   quer  
pagar,   mas   tem   dúvidas   relativamente   ao   titular   da   obrigação   (credor).   Então   para   não   pagar   2x,   chama   o  
putativo  titular  do  direito,  que  se  arroga  titular  do  direito,  para  a  acção  e  na  acção  só  se  discute  entre  o  autor  e  
este  novo  terceiro.  O  reu  até  pode  “saltar  fora”.  Isto  é  uma  protecção  do  réu,  porque  ele  está  disposto  a  pagar,  
apenas  não  sabe  a  quem.    
 
Pode   haver   dúvidas   do   lado   do   devedor   sobre   a   quem   pagar   e   tal   pode   suscitar   a   intervenção   provocada  
através  da  oposição,  em  que  ele  não  é  réu  porque  não  vai  pagar  ao  autor;  nem  é  autor;  mas  é  uma  terceira  
parte.  É  um  direito  próprio  do  terceiro  que  é  incompatível  com  os  direitos  assistido  pelas  partes.  
 
• Apenas  pelo  réu,  para  direito  incompatível  com  o  do  autor  –  338º  
• Prestação  pecuniária,  de  coisa  certa  ou  de  facto  
• Réu  reconhece-­‐se  como  devedor,  mas  não  reconhece  o  autor  como  credor.  
• Fim:  evitar  o  risco  de  uma  nova  ação.  
 
Quanto  ao  caso  julgado  (340º),  se  o  terceiro  nada  fizer:    
 
(1) Revelia   Operante   -­‐   réu   é   condenado   a   satisfazer   a   pretensão   do   autor:   sentença   tem   força   de   caso   julgado  
contra  terceiro  (efeito  comunitário  pleno);    
 
(2) Revelia  Inoperante  -­‐  acção  prossegue,  não  tendo  força  de  caso  julgado.  Apenas  aligeira  os  efeitos  da  revelia.  
 
11. COMPETÊNCIA  TERRITORIAL  

Página  |  44    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

 
A  competência  pode  ser  interna  (art.  64º)  ou  internacional  (art.  62º).  O  que  se  determina  em  Portugal  é  se  os  
tribunais   portugueses   são   competentes   para   julgar   uma   determinada   acção   e   não   –   erro   que   acontece   -­‐   quais   os  
tribunais  que  são  competentes.  Só  se  determina  a  competência  dos  tribunais  nacionais,  pelo  que,  quando  se  fala  em  
competência  internacional,  estamos  a  determinar  se  o  tribunal  português  pode  julgar  um  determinado  caso.  Ex.:  dizer  
que  certa  acção  cabe  ao  tribunal  do  Uruguai  é  completamente  errado.  
 
A  competência  interna  é  específica  de  cada  um  dos  tribunais  das  comarcas  portuguesas.  Relativamente  a  esta,  
é  necessário  determinar  dentro  de  cada  comarca,  qual  o  tribunal  competente.    
 
O  art.  64º  é  importante  na  medida  em  que  se  temos  uma  questão  na  qual  temos  dúvidas  se  entra  na  jurisdição  
civil/comum   ou   administrativa,   há   que   ter   em   conta   que   tudo   o   que   não   cabe   na   jurisdição   dos   tribunais  
administrativos   e   fiscais,   cabe   ao   processo   civil.   A   jurisdição   comum   reporta-­‐se   subsidiariamente   a   todas   as   outras  
jurisdições.  Assim,  tudo  o  que  não  couber  na  competência  material  das  outras  jurisdições,  cabe  ao  civil.    
 
A   competência   pode   ser   legal,   decorrente   da   lei;   ou   convencional,   decorrente   da   vontade   ou   acordo   das  
partes,  que  vem  regulada  nos  arts.  94º  e  95º.  São  cláusulas  de  competência  que  as  partes  acordam  num  contrato.    
 
Ex.:  em  caso  de  litígio,  o  tribunal  competente  será  o  de  Lisboa.  Além  destes  artigos  deve  ser  adicionado  o  art.  25º  do  
Regulamento  de  Bruxelas.    
 
11.1. COMPETÊNCIA  INTERNACIONAL  
 
Sempre  que  a  acção  contenha  um  elemento  de  conexão  com  uma  OJ  estrangeira,  é  necessário  atender  as  normas  
da  competência  internacional,  ou  seja,  se  os  tribunais  portugueses  são  competentes  para  analisar  a  acção.  Se  alguma  
das  partes  tiver  domicílio  no  estrangeiro,  temos  de  averiguar  obrigatoriamente  a  competência  internacional;  mas  se  a  
acção,  por  exemplo,  se  passa  toda  em  solo  português,  já  será  da  competência  interna.  Sempre  que  trouxer  problemas  
quanto  à  nacionalidade,  averigua-­‐se  a  competência  internacional.  
 
11.2. REGULAMENTO  1215/2012  
 
É  relativo  à  competência  judiciária,  ao  reconhecimento  e  à  execução  de  decisões  em  matéria  civil  e  comercial  
(anterior  Convenção  de  Bruxelas,  anterior  Regulamento  44/2001).  Este  regulamento  tem  uma  aplicação  enorme,  tendo  
em  conta  que  as  trocas  comerciais  são  intensas  entre  os  países.    
 
É  uma  lei  especial  perante  as  normas  reguladoras  da  competência  internacional  (arts.  62º,  63º  e  94º),  i.e.,  se  
há  um  regulamento  que  se  aplica  a  determinada  matéria,  não  se  aplica  o  direito  português.  Se  estivermos  a  falar  de  
acção   proposta   por   um   residente   do   Uruguai,   por   regra,   não   se   aplica   o   direito   nacional.   Quando   se   diz   aplicável   o  
regulamento,  não  se  pode,  logo  de  seguida,  aplicar  o  CPC.  Ou  seja,  se  há  competência  de  outro  Direito,  afasta-­‐se  logo  o  
direito  nacional,  ou  seja,  o  Tribunal  Português  não  é  competente.    
 
• Ou  se  aplica  o  Regulamento,  nas  condições  em  que  este  seja  aplicável;  
• Ou  aplico  as  normas  nacionais  de  Processo  Civil.    
 
Sumário  –  Aula  de  11  de  Novembro  de  2016:  
11. Competência  Internacional  (continuação);  
12. Competência  Interna.  
 
Este  regulamento  aplica-­‐se  a  matéria  civil  e  comercial,  com  as  exclusões  do  artigo  1º:  
 
• Estado  e  capacidade  das  pessoas  singulares,  regimes  matrimoniais,  testamentos  e  sucessões;  
• Falências,  concordatas  e  processos  análogos;  
• Segurança  Social;  
• Arbitragem.  

Página  |  45    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

 
O  regulamento  tem  ainda  um  âmbito  subjetivo:  
 
• O   regulamento   aplica-­‐se   sempre   que   o   demandado   tenha   domicílio   ou   sede   num   dos   Estados-­‐membros,   sendo  
irrelevante  a  sua  nacionalidade  (arts.  4º  e  6º);  sempre  que  o  demandado  não  tenha  domicílio  num  Estado-­‐membro,  
a  competência  dos  tribunais  é  regida  pela  lei  do  Estado-­‐membro  –  no  nosso  caso,  o  CPC.  
 
 
Domicílio/sede  num  
Estado-­‐membro     Regulamento  

Demandado    
Domicílio/sede  noutro   Excepções  -­‐  
  Estado   CPC   Regulamento  
 
 
Existem  três  princípios  fundamentais  ao  nível  do  âmbito  de  aplicação  subjetivo  do  Regulamento:  
 
• O  réu  com  domicílio  ou  sede  num  Estado-­‐membro  deve  ser  demandado  nesse  Estado  (art.  4º,  nº1);  
• Só   pode   ser   demandado   noutro   Estado-­‐membro   quando   se   aplicar   algum   dos   critérios   do   regulamento   (art.   5º,  
nº1);  
 
Havendo  vários  Estados  competentes,  o  autor  pode  escolher  onde  propõe  a  ação  contra  o  réu.  
 
• Se  o  réu  não  tiver  domicílio  num  Estado-­‐membro,  rege  o  direito  interno  (art.  6º,  nº1).  
 
Contudo,  este  último  princípio  tem  excepções:  
 
(1)  Acção  proposta  pelo  consumidor  (art.  18º):  o  autor  tem  domicílio  no  Estado-­‐membro;  
(2)  Acção  proposta  contra  a  entidade  patronal  (art.  21º):  o  trabalhador  trabalho  num  Estado-­‐membro;  
 
(3)  Competências  exclusivas  (art.  24º):  independentemente  do  domicílio  das  partes,  um  tribunal  de  um  Estado-­‐membro  
tem  competência;  
 
(4)  Competência  convencional  (art.  25º):  cláusulas  apostas  a  contratos  onde  as  partes  escolhem  o  tribunal  onde  uma  
questão  eventual  que  surja  vai  ser  decidida.    
 
Uma  cláusula  de  jurisdição  num  contrato  que  não  tem  relevância  internacional  é  ou  não  válida?  
Acórdão  dos  SWAPS  -­‐  saber  se  as  partes  têm  total  liberdade  na  escolha  do  tribunal  competente.  
 
  O  TJUE  assumiu  que  sim,  no  acórdão  sobre  os  SWAPS.    
  O  direito  português:  
 
Pacto  que  atribui  jurisdição  a  um  tribunal  de  um  Estado-­‐membro,  artigo  25º  
Pacto  privativo  que  atribui  jurisdição  a  um  tribunal  de  uma  não  Estado-­‐membro,  artigo  94º,  CPC  
 
⇒ Competências  exclusivas  
 
Aqui  é  irrelevante  o  domicílio.  É  o  caso  de  acções  sobre:  
• Direitos  reais  sobre  imóveis  e  arredamento  à  Competência:  Estado  da  situação  do  bem;  MAIS  IMPORTANTE  
 
NOTA:  Uma  ação  para  pagamento  do  preço  do  imóvel  não  entra  nesta  exceção.    
 
• Sociedades:  Competência:  Estado  da  sede;  
• Registos  públicos:  Competência:  Estado  dos  registos;  
• Marcas  e  direitos  análogos:  Competência:  Estado  do  registo;  

Página  |  46    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

• Execução  de  decisões:  Competência:  Estado  da  execução.  


 
⇒ Competências  especiais  (arts.  7º,  10º  e  15º)  
 
As  pessoas  domiciliadas  num  Estado-­‐membro  só  podem  ser  demandadas  noutro  Estado  nas  seguintes  situações:  
 
• Matéria  contratual  (art.  7º,  nº1)  -­‐  Competência:  tribunal  do  lugar  do  cumprimento  da  obrigação:  
 
− Compra  e  venda  –  lugar  da  entrega  dos  bens;  
− Prestação  de  serviços  –  lugar  da  prestação  dos  serviços.  
 
• Matéria  extracontratual  (art.  7º,  nº2)  -­‐  Competência:  tribunal  onde  ocorreu  o  facto  danoso;  
• Exploração  de  sucursal  (art.  7º,  nº5)  -­‐  Competência:  tribunal  da  situação  do  estabelecimento;  
• Matéria  de  seguros  (art.  10º)  -­‐  Competência:  tribunal  do  domicílio  do  tomador  do  seguro;  
 
O  tomador  do  seguro  será,  em  princípio,  o  autor  e  a  seguradora  o  réu.  O  que  significa  que,  se  for  um  
segurado  o  autor,  ele  pode  ainda  assim  propor  a  ação  contra  a  seguradora  no  seu  domicílio.  Esta  é  uma  regra  
de  protecção  do  tomador  do  seguro.  
 
• Matéria  de  relações  de  consumo  (art.  17)  -­‐  Competência:  tribunal  do  domicílio  do  consumidor;  
 
Permite-­‐se   que   o   domicílio   do  consumidor  seja  também  um  factor   que   atribui   a   competência  
a  um  Estado-­‐membro.  
 
⇒ Pluralidade  subjetiva  
 
Nos  casos  em  que  temos  vários  autores  ou  vários  réus  (onde  faz  mais  diferença),  o  artigo  8º,  nº1,  determina  
que,   em   casos   de   litisconsórcio   ou   coligação,   haja   um   nexo   estreito.   Admite-­‐se   uma   alteração   na   competência,   mas  
apenas  se  existir  um  nexo  de  tal  forma  estreita  que  justifique  a  desproteção  do  direito  de  defesa  de  uma  das  partes,  de  
modo  a  evitar  decisões  inconciliáveis.    
 
O  que  interessa  aqui  é  o  risco  de  decisões  inconciliáveis,  isto  é,  decisões  que  sejam  inexequíveis.  No  nº2  temos  
uma   regra   para   intervenção   de   terceiros.   Se   se   chamar   alguém   ao   processo,   essa   pessoa,   em   princípio,   vai   ser  
demandada  no  tribunal  onde  foi  intentada  a  ação  principal.  Já  o  nº3  trata  do  pedido  reconvencional,  em  que  o  tribunal  
competente  será  o  tribunal  onde  a  ação  está  pendente.    
 
Por  fim,  no  caso  de  cumulação  de  pedidos  relativos  a  imóveis  em  matéria  contratual  (ex:  compra  e  venda  de  
um  imóvel),  é  competente  o  tribunal  do  Estado-­‐membro  em  cujo  território  está  situado  o  imóvel  (nº4).    
 
  No  CPC  há  dois  artigos  relativos  à  competência  internacional:  artigos  62º  e  63º.  
  O  artigo  62º  estabelece  três  critérios  de  competência:  
 
• Critério   da   coincidência   entre   a   competência   interna   e   a   competência   internacional   (al.   a))   –   se,  
aplicando  as  regras  da  competência  territorial  do  CPC  (arts.  70º  e  ss.),  se  atribuir  competência  aos  
tribunais  portugueses,  essa  competência  interna  também  é  competência  internacional.  
 
Há  uma  exceção  aqui:  não  são  elegíveis  os  critérios  gerais  do  artigo  80º,  aplicando-­‐se  só  os  critérios  especiais.  
Isto   porque,   se   aplicássemos   o   critério   da   coincidência   através   do   artigo   80º,   levaria   a   que   os   tribunais   portugueses  
fossem  competentes  para  todas  as  situações.      
 
• Critério  da  causalidade  (al  b))  –  se  algum  dos  factos  que  servem  como  a  causa  de  pedir  à  acção  
acontecerem  em  Portugal,  os  tribunais  portugueses  são  competentes.  
 
Ex.:  Aqui  foi  celebrado  o  contrato  do  qual  decorre  a  ação  de  cumprimento;  aqui  foi  celebrado  o  casamento  do  qual  se  
está  a  pedir  o  divórcio.  
 

Página  |  47    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

  Esta   regra   existe   porque,   na   falta   de   estipulação,   o   direito   que   se   aplica   aos   contratos   é   o   do   lugar   da   sua  
celebração.  Porém,  esta  regra  não  se  aplica  só  a  contratos,  mas  a  todas  as  acções.  
 
• Critério  da  necessidade  (al.  c))   –  espécie  de  cláusula  de  salvaguarda  para  ações  impossíveis  ou  putativamente  
injustas.  Este  critério  permite  que  sejam  propostas  ações  em  Portugal  para  as  quais  os  tribunais  portugueses  
não  seriam  competentes  por  via  das  regras  acima  descritas,  mas,  ainda  assim,  há  uma  ligação  ponderosa  de  
conexão  pessoal  ou  real  e  o  direito  em  causa  não  poderia  ser  efetivado  ou  a  ação  não  poderia  ser  proposta  
(ex:   só   o   direito   português   conhece   aquele   direito;   os   tribunais   que   seriam   naturalmente   competentes   para  
aquela  ação  deixaram  de  existir  –  tribunal  da  Síria).  
 
O   que   temos   aqui   é   uma   lógica   de   necessidade:   o   direito   ou   a   ação   não   pode   ser   proposta   nos   tribunais  
competentes.  Claro  que  tem  sempre  de  se  verificar  o  elemento  de  conexão  com  Portugal.    
 
Estes  critérios  têm  caráter  autónomo,  valendo  cada  um  deles  por  si.  Basta  preencher  um  deles  para  que  um  tribunal  
português  seja  competente  –  desde  que  não  se  aplique  o  regulamento  (menos  abrangente  do  que  estes  critérios).  Se  o  
regulamento  se  aplica  já  não  podemos  recorrer  a  estes  critérios  para  atribuir  competência  a  um  tribunal  português.    
 
  O   artigo   63º   estabelece   os   casos   de   competência   exclusiva   dos   tribunais   portugueses.   Esta   norma   é   uma  
norma   de   reserva   de   jurisdição   que   visa   evitar   que   um   tribunal   estrangeiro   tenha   competência   para   apreciar   uma  
questão   jurídica.   Por   isso,   nenhuma   decisão   proferida   numa   jurisdição   estrangeira   preencherá   as   condições   para   ser  
eficaz  na  ordem  jurídica  português,  segundo  a  alínea  c)  do  artigo  980º.  
 
  São  da  competência  exclusiva  dos  tribunais  portugueses:  
 
• Direitos  reais  (al.  a))  -­‐  esta  alínea  é  completamente  inútil,  porque  as  competências  especiais  do  regulamento  
aplicam-­‐se  independentemente  do  domicílio  do  réu.  Logo,  a  competência  exclusiva  vai  ser  exclusiva  por  via  do  
regulamento  e  não  por  via  deste  artigo;  
 
• Sociedades  (al.  b))  -­‐  repetição  do  nº2  do  artigo  25º  do  regulamento;  
• Registos  públicos  (al.  c))  -­‐  repetição;  
• Execuções   sobre   imóveis   (al.   d))   -­‐   conflito   porque   há   quem   diga   que   esta   é   mais   restrita   do   que   a   do  
regulamento;  
• Insolvência  (al.  e)).  
 
A  competência  exclusiva  do  artigo  63º  só  tem  aplicação  nos  casos  em  que  não  puderem  ser  abrangidos  pelo  
artigo   24º   do   Regulamento.   A   única   hipótese   de   não   haver   sobreposição   é   as   em   que   haja   uma   ação   em   Portugal  
relativa  a  alguma  das  coisas  no  artigo  63º  e  que  esteja  excluída  do  âmbito  material  do  regulamento  (art.  1º).  
 
12.1. COMPETÊNCIA  INTERNA  
 
A   competência   interna   vai   distribuir   por   cada   comarca   que   existe   em   Portugal   as   ações,   segundo   vários  
critérios.  O  artigo  60º,  nº2,  elenca  esses  critérios:  
 
• Hierarquia;  
• Matéria;  
• Valor  da  causa;  
• Território.  
 
Hierarquia  (arts.  67º  a  69º  e  52º,  53º,  55º,  LOSJ)  
Temos  três  graus  de  jurisdição:  
 
 
Supremo  Tribunal  de  Justça    
 
 
 
Tribunais  da  Relação  
Página  |  48    
 
Tribunais  de  1ª  instância  
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

 
 
 
 
 
 
 
A   regra   é   a   de   que   os   processos   entram   nos   tribunais   de   1ª   instância,   independentemente   do   valor.   Porém,   há  
excepções:  
 
• Acções  contra  juízes  por  causa  das  suas  funções  (Relação);  
• Revisão  de  uma  sentença  estrangeira  (Relação);  
• Acções  de  anulação  de  sentenças  arbitrais,  mas  aí  numa  lógica  de  que  os  tribunais  arbitrais  funcionam  como  uma  1ª  instância;  
• Crimes  do  PR  praticados  no  exercício  das  suas  funções  (STJ).  
 
Matéria  (arts.  64º  e  65º)  
São  da  competência  dos  tribunais  judiciais  as  causas  não  atribuídas  a  outra  ordem  jurisdicional  (arts.  64º  e  40º,  LOSJ).    
 
A  competência  em  razão  da  matéria  tem  dois  níveis:  
 
1. Tudo   o   que   não   está   elencado   como   matérias   da   competência   de   outras   jurisdições   é   da   competência   dos  
tribunais  judiciais  (art.  64º);  
 
2. Já  dentro  dos  tribunais  judiciais,  temos  especialização  das  comarcas  (art.  65º).    
 
Tribunais  de  competência  territorial  alargada  (art.  83º,  LOSJ)   –  tribunais  que  têm  competência  sobre  mais  do  que  uma  
comarca.  A  competência  em  razão  da  matéria  é  diferente  da  competência  em  razão  do  território,  mas  ambas  têm  de  se  
ajustar  entre  elas.  Com  esta  nova  arrumação,  agrupou-­‐se  numa  única  comarca  várias  comarcas.  Dentro  de  cada  uma  
dessas  “máxi-­‐comarcas”  criou-­‐se  instâncias  centrais  e  instâncias  locais  (art.  66º).  A  instância  local  é  uma  instância  que  
não  tem  competência  especializada  nem  competência  para  processos  de  maior  valor.  Corresponde  às  antigas  secções  
de  competência  especializada.    
 
Aula  de  15  de  Novembro  de  2016  
12. Competência  Interna  (continuação).    
 
12.2. VALOR  DA  CAUSA  
 
  Temos  agora  a  instância  central  e  local  (art.  66º)  que  tem  que  ver  em  razão  do  valor,  uma  vez  que  deixou  de  
ser  em  razão  da  forma  do  processo.    
 
⇒ Como  se  afere  o  valor  relevante  para  saber  se  os  processos  são  da  instância  local  ou  da  instância  central?  A  
alçada  é  de  50.000,00  euros  no  processo  cível.  Com  valor  superior  é  da  competência  da  instância  central  e  com  
valor  inferior  é  da  competência  da  instância  local  –  arts.  177º,  129º  e  130º  da  LOSJ.    
 
• Instância  local  (art.  130º,  LOSJ)  –  competência  genérica  ou  de  proximidade;    
• Instância  central  (art.  117º  e  119º,  LOSJ)  –  competência  especializada.    
 
A   instância   local   tem   competência   subsidiária   (art.   130º).   Pretendeu-­‐se   esta   divisão   dos   processos   de   maior  
valor  e  mais  complexos  nas  instâncias  centrais,  pois  é  onde  estão  os  juízes  mais  graduados.    
 
Há  um  cruzamento  entre  a  competência  em  razão  da  matéria  e  em  razão  do  valor,  porque  quando  o  art.  81º  
da   LOSJ   faz   diferença   entre   instância   central   (especializada)   e   a   local,   só   sabe   se   entra   na   secção   civil   da   instância  
central  quando  analisa  este  valor  de  50  mil  euros.    
 
Tem  que  se  ver  qual  o  objecto  do  processo,  os  artigos  que  vêm  depois  do  117º,  ver  se  não  cabe  na  secção  de  
instrução  criminal,  menores,  ou  outras  secções.    

Página  |  49    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

   
! A  competência  em  razão  do  valor  só  é  relevante  quando  o  processo  não  entre  na  competência  central  especializada.  
 
12.3. EM  RAZÃO  DO  TERRITÓRIO  
 
Temos  critérios  especiais  presentes  nos  arts.  70º  e  ss,  e  a  regra  geral  do  art.  80º  e  81º.  Só  aplicamos  a  regra  
geral  quando  não  se  aplica  a  especial.    
 
12.3.1. CRITÉRIOS  TERRITORIAIS  ESPECIAIS  
12.3.1.1. LOCAL  DA  SITUAÇÃO  DOS  BENS  (FORUM  REI  SITAE)  -­‐  ARTIGO  70.º:  
 
• Acções  relativas  a  direitos  reais  sobre  imóveis;  
• Direitos  pessoais  de  gozo;  
• Despejo;  
• Acção  de  preferência  (imóveis);  
• Execução  específica  (imóveis);  
• Acções  relativas  a  hipotecas.  
 
Esta  regra  não  se  sobrepõe  à  do  regulamento,  porque  apenas  determina  qual  o  Estado-­‐Membro  competente,  
sendo   que   determinar   qual   a   competência   interna,   depende   da   lei   de   cada   Estado-­‐Membro.   Depois   vemos   se   é  
instância  central  ou  local,  e  isso  já  depende  do  valor.    
 
Não  inclui:    
 
(1) Acções  de  anulação  de  contrato  de  compra  e  venda  de  imóvel;  
9
(2) Acções  de  cumprimento  de  contrato  em  que  se  exige  a  entrega  de  coisa  imóvel .    
 
Havendo  vários  imóveis,  o  tribunal  competente  é  o  local  do  imóvel  de  maior  valor  –  art.  70º/3  LOSJ.  O  CPC  tem  
em  muitos  casos  a  possibilidade  de  se  optar  pelo  local.    
 
Art.  71º  LOSJ  (acções  relativas  à  responsabilidade  contratual)  
Todas  as  acções  de  que  o  credor  dispõe  perante  um  incumprimento:  
 
Local  do  domicílio  do  réu  –  regra.    
Pode  optar,  contudo,  pelo  tribunal  do  lugar  em  que  a  obrigação  devia  ser  cumprida  (responsabilidade  contratual),  se:    
 
• Quando  o  réu  seja  pessoa  coletiva;  ou  
• O  réu  e  autor  são  residentes  na  mesma  área  metropolitana.    
 
 

Alteração   pela   Lei   14/2006   (foro   do   consumidor)   –   com   esta   alteração   permitiu-­‐se   que   a   acção   de  
cumprimento   da   obrigação   –   grande   parte   das   vezes   contra   os   consumidores   –   não   os   prejudicasse,   não  
dando  a  possibilidade  de  quando  se  trata  de  pessoa  singular,  propor  a  acção  no  domicílio  do  autor,  obrigando  
a  que  seja  proposta  no  domicílio  do  réu.  O  mesmo  não  se  permitiu  no  caso  das  pessoas  colectivas.    
 
Na  obrigação  pecuniária  o  local  de  cumprimento  da  obrigação  é  o  domicílio  do  credor,  o  que  significava  que  a  
regra   antiga,   quando   estabelecia   que   a   acção   era   proposta   no   local   de   cumprimento   da   obrigação,   era  
domicílio  do  autor.  Por  isso,  as  acções  eram  muitas.  Não  era  justo  que  alguém  que  vive  em  Bragança  fosse  
demandado   em   Lisboa   e   tivesse   que   se   vir   defender   aqui,   carregava   em   demasia   os   tribunais   dos   centros  
urbanos   e,   por   isso,   o   certo   seria   o   domicílio   do   réu.   Não   se   quis   introduzir   no   código   o   conceito   de  
consumidor,  por  isso  optou-­‐se  pela  distinção  entre  pessoas  singulares  e  colectivas.  Sendo  singular  tem  direito  

                                                                                                                       
9
  O  objeto  do  processo,  que  determina  a  competência,  não  é  um  direito  real,  mas  sim  o  contrato,  logo  não  se  inclui  nesta  norma,  
assim  como  acontece  no  caso  de  cima.      

Página  |  50    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

a  ser  accionado  no  tribunal  da  sua  residência,  sendo  que  a  pessoa  coletiva  não  tem  esse  direito,  é  uma  opção  
do  credor.    

 
 
Não   se   pode   fazer   convenções   de   competência   quando   se   tratem   de   pessoas   singulares;   não   se   pode   alterar   o  
domicílio  do  réu  como  forma  de  protecção  do  consumidor.    
 
Qual  o  local  de  cumprimento?  
 
• Legal  (artigos  772.º,  773.º,  774.º,  885.º.  CC)    
 
• Convencional   –   pode   ser   o   convencionado   pelas   partes,   por   exemplo,   quando   determinem   que   a   obrigação   se  
vai  cumprir  em  determinado  local.    
 
Art.  71º/2  LOSJ  (responsabilidade  extracontratual  –  inclui  culpa  in  contrahendo):  
 
• Local  do  acontecimento  do  facto;  
• Casos   em   que   o   local   do   facto   não   é   concreto   ou   único   –   o   autor   pode   escolher.   É   algo   que   a   doutrina   tem  
vindo  a  entender:   se  o  facto  ilícito  ou  dano  ocorreu  em  vários  sítios,  pode  o  autor  escolher  o  tribunal  onde  propor  a  
ação.    
 
12.3.2. CRITÉRIOS  TERRITORIAIS  GERAIS  
 
Estes   critérios   são   aplicáveis   quando   a   competência   não   se   determina   por   nenhum   dos   critérios   especiais   (critérios  
residuais  e  não  alternativos).  
 
Exemplos:  
 
• Acção  de  anulação  de  um  contrato;      
• Acção  de  reivindicação  de  móvel  –  as  do  70º  são  apenas  relativas  a  imóveis.    
 
• Acção  de  restituição  de  prestação  cumprida  em  contrato  nulo  –  não  entra  nas  do  71º/1,  são  para  cumprimento  
de  obrigação,  ou  seja,  tudo  o  que  seja  invalidade  não  entra  no  71º/1.  
 
Art.  80º  -­‐  Um  só  réu,  pessoa  singular:  
 
1. Domicílio  do  réu  –  arts.  82º  e  ss,  CC  (critério  da  residência  habitual);  
2. Réu  não  tem  domicílio,  está  ausente  ou  é  incerto  –  domicílio  do  autor;  
3. Réu  tem  domicílio  em  país  estrangeiro:  
 
3.1. Lugar  em  que  se  encontrar  
3.2. Domicílio  do  autor  
3.3. Tribunal  de  Lisboa  
 
Quando  se  fixa  competência  dos  tribunais  competentes  temos  que  fixar  dentro  destes  a  competência  interna  e  
a  geral  é  a  do  tribunal  de  Lisboa.    
 
Art.  81º/2  -­‐  Um  só  réu,  pessoa  colectiva:    
 
1. Sede  da  administração  principal  -­‐  quando  a  sucursal  é  ré,  a  competência  é  da  sede;  
 
2. Sede   da   sucursal,   agência   ou   filial   se   a   ação   for   dirigida   contra   esta   –   sendo   a   administração   principal  
estrangeira,   não   se   aplica   a   primeira   opção,   mas   sim   sendo   o   tribunal   da   sede   da   sucursal   ainda   que   se   peça   a  
citação  da  administração  principal.    
 
3. Se  a  administração  principal  for  estrangeira,  pode  a  ação  ser  proposta  na  sede  da  sucursal.  

Página  |  51    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

 
12.4. PLURALIDADE  SUBJECTIVA  
 
⇒ Vários  réus  e  um  só  pedido  –  82º/1  
 
Tribunal  do  domicílio  do  maior  número  de  réus;  se  for  igual,  o  autor  pode  escolher.  Um  réu  reside  em  Lisboa  e  
outro  em  Faro,  escolho  onde  propor.    
 
12.5. PLURALIDADE  OBJECTIVA  
 
⇒ Vários  pedidos  independentes  ou  alternativos  (haja  um  ou  mais  réus)  –  82º/2  –  O  autor  pode  escolher  
 
Salvo   se   se   tratar   de   uma   incompetência   de   conhecimento   oficioso   (104º)   –   neste   caso   a   competência   é   desse  
tribunal.  Se  estivermos  a  falar  de  uma  competência  que  se  determina  por  alguns  dos  artigos  que  são  aqui  enunciados,  e  
o  autor  propuser  acção  no  tribunal  errado,  tem  que  apreciar  excepção  dilatória  de  competência  relativa  e  remeter  para  
o  tribunal  certo:  sanação  da  incompetência.  O  tribunal  competente  é  o  que  se  determina  nos  termos  da  competência  
de  conhecimento  oficioso.    
 
Há   razoes   de   ordem   publica,   que   justificam   que   mesmo   quando   o   réu   não   se   importa   de   se   defender   ali,   o  
Estado  não  permite  que  se  desenvolva  aqui.  Se  tal  acontece  e  há  vários  pedidos,  privilegia-­‐se  a  competência  em  relação  
a  um  dos  pedidos  protegidos  pelo  Estado.  O  autor  não  pode  escolher,  a  competência  é  do  tribunal  que  se  determina  
através  de  uma  das  situações  presentes  no  art.  104º/1,  a).    
 
⇒ Vários  pedidos  dependentes  ou  subsidiários  –  82º/3  
 
A  acção  deve  ser  proposta  no  tribunal  competente  para  a  apreciação  do  pedido  principal.  Interessa  determinar  
qual  o  pedido  principal,  não  é  preciso  o  dependente,  o  principal  determina  a  competência.    
 
⇒ Havendo  reconvenção  –  artigo  93º:  
 
O  tribunal  da  acção  é  competente,  desde  que  tenha  competência  internacional,  em  razão  da  hierarquia  e  em  
razão  da  matéria.  Não  o  tendo,  o  reconvindo  é  absolvido  da  instância.    
 
Aula  de  17  de  Novembro  de  2016  
12. Competência  Interna  (continuação)  
12.6. Competência  Convencional.    
 
12.6. COMPETÊNCIA  CONVENCIONAL  
 
Até   agora   falámos   essencialmente   sobre   a   competência   legal,   mas   pode   ser   convencional.   Convencional   é  
utilizado   como   sinónimo   de   contrato,   ou   seja,   as   partes   aceitaram   que   determinada   jurisdição   seria   competente   para   a  
decisão   do   litígio.   Têm   limites,   nomeadamente,   na   própria   organização   judiciária,   na   medida   em   que   o   Estado   pode  
querer  ter  uma  palavra  e  não  querer  que  as  partes  possam,  por  sua  vontade,  estabelecer  esta  matéria.    
 
Partes  convencionam  qual  o  tribunal  competente:  
 
⇒ Competência  internacional  –  pacto  de  jurisdição  (art.  25º,  Regulamento  1215/2012  e  art.  94º);  
⇒ Competência  interna  –  convenção  de  competência  (art.  95º).  
 
Nos   termos   do   Regulamento,   art.   25º,   é   convencionada   a   competência   de   um   Estado-­‐Membro.   A   regra   geral   é  
muito  simples.  Havendo  uma  convenção  de  competência,  independentemente  de  qualquer  elemento  de  conexão  com  
esse  país,  o  Estado-­‐Membro  escolhido  pelas  partes  é  competente.  Limites:  
 
(1) Não  pode  estar  no  âmbito  das  competências  exclusivas  do  art.  24º;  
(2) E  das  restrições  dos  arts.  15º  (seguros),  19º  (consumo),  23º  (trabalho);    
 

Página  |  52    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

Se  o  pacto  de  jurisdição  atribuir  a  competência  por  forma  a  retirar  competência  a  um  tribunal  que  a  teria,  o  
pacto  não  produz  efeitos,  não  é  válido,  pelo  que  o  tribunal  escolhido  pelas  partes  não  é  competente.  A  forma  tem  de  
ser  escrita  ou  verbal  com  confirmação  escrita.    
 
Pode   haver   ainda   um   pacto   tácito   (art.   26º).   A   incompetência   do   tribunal   decorrente   da   violação   de   alguma  
das   regras   do   Regulamento,   não   é   de   conhecimento   oficioso,   ou   seja,   se   o   réu   se   defender   e   não   alegar   a  
incompetência,  esta  sana-­‐se,  ou,  nas  palavras  do  Regulamento  «esse  tribunal  passa  a  ser  competente».  Se  não  alega,  
conforma-­‐se,   aceita   essa   incompetência,   daí   que   se   fale   num   pacto   tácito.   É   um   acordo   que,   através   da   sua   postura   no  
tribunal,  faz  com  que  esse  tribunal  (incompetente)  se  torne  competente.  O  réu  aceita  não  alegando  a  incompetência.    
 
A   incompetência   internacional   do   CPC   é   de   conhecimento   oficioso.   Ou   seja,   a   incompetência   internacional   por  
violação  do  Regulamento  não  é  de  conhecimento  oficioso,  excepto  se  for  uma  competência  exclusiva  (art.  26º),  mas,  
por  sua  vez,  a  incompetência  internacional  no  CPC  é  de  conhecimento  oficioso.  
 
Quanto   a   efeitos:   competência   exclusiva,   a   menos   que   as   partes   convencionem   em   sentido   contrário.   Os  
pactos,   à   luz   do   regulamento,   são   sempre   privativos   de   jurisdição.   A   competência   convencional   prevalece   sobre   a  
competência  legal,  exceto  no  art.  25º/4.  
 
No  direito  interno  vigora  o  art.  94º:    
 
(1) Pacto  Atributivo  –  concede  competência  a  um  tribunal  português  –  âmbito  exclusivo  do  Regulamento;  
 
(2) Pacto   Privativo   –   retira   competência   aos   tribunais   portugueses,   atribuindo-­‐a   em   exclusivo   a   um   tribunal  
estrangeiro.   Ex.:   todos   os   litígios   serão   resolvidos   em   Londres.   Se   aplicássemos   o   Regulamento,   art.   4º,   o  
tribunal   competente   seria   o   domicílio   do   Réu.   No   entanto,   como   há   um   pacto   de   jurisdição,   privativo   de  
jurisdição,  para  os  tribunais  ingleses,  aplica-­‐se  o  art.  25º  do  Regulamento.  Só  se  aplica  o  art.  94º,  CPC  nos  casos  
em   que   a   competência   é   atribuída   a   um   tribunal   que   não   é   de   um   Estado-­‐Membro   (ex.:   México,   Brasil,  
Austrália).  
 
Requisitos  de  Validade  (Direito  Interno)    
 
• Direitos  disponíveis  –  a);  
• Aceitação  pela  lei  do  tribunal  designado  –  b);  
• Interesse  sério  –  c);  
• Não  violar  competência  exclusiva  –  d);  
• Menção  expressa  da  jurisdição  competente  –  e);  
• Acordo  escrito  ou  confirmado  por  escrito  –  e)  +  número  4.  
 
É   muito   mais   exigente   que   o   regime   do   Regulamento,   na   medida   em   que   se   alicerça   em   questões   históricas.   Trata-­‐
se  de  uma  norma  muito  antiga,  mais  protecionista  e  menos  liberal.    
 
⇒ Convenção  pela  qual  as  partes  designam  como  competente  um  tribunal  diferente  daquele  que  resulta  
das  regras  de  competência  interna.  
 
O   pacto   só   pode   incidir   sobre   competência   em   razão   do   território   (95º/1),   e   fora   dos   casos   do   artigo   104º.   Fora   destes  
artigos  e  das  situações  que  elencam,  as  partes  podem  acordar  um  tribunal  competente  territorialmente  a  nível  interno.  
 
Aula  de  18  de  Novembro  de  2016  
12.7. Incompetência;  
13. Fase  Intermédia.    
 
12.7. INCOMPETÊNCIA  
12.7.1. INCOMPETÊNCIA  ABSOLUTA  
 
Existe   incompetência   absoluta   e   relativa   (art.   96º).   Existe   incompetência   absoluta   quando   existe   (1)   a  
infracção  das  regras  de  competência  internacional;  (2)  interna  material;  (3)  interna  hierárquica.  
 

Página  |  53    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

A  incompetência  internacional  pode  aferir-­‐se  pelo  Regulamento  ou  pelo  CPC,  quando  o  outro  não  é  aplicável.  
O  Regulamento  tem  um  regime  de  incompetência,  que  determina  que  só  há  conhecimento  oficioso  quando:  
 
⇒ Se  trata  de  uma  competência  exclusiva  de  um  Estado-­‐Membro  (art.  27º);  
⇒ Ou  quando  o  réu  não  compareceu  (art.  28º).    
 
Não  faz  sentido  aplicar  o  regime  de  incompetência  do  CPC  quando  chegamos  à  conclusão  de  incompetência  
pelo  Regulamento.  Além  de  existir  um  regime  próprio  para  o  efeito.  No  caso  do  art.  28º,  se  houver  incompetência  do  
tribunal   no   Estado   em   que   foi   posta   acção,   se   houver   revelia,   a   incompetência   é   de   conhecimento   oficioso.   A   regra  
oposta   a   esta   é   a   da   competência   convencional,   do   art.   26º   (pacto   tácito).   Se   o   requerido   deduzir   contestação,   não  
alegando  que  há  a  situação  de  incompetência,  esta  sana-­‐se.  Este  regime  do  Regulamento  é  diferente  do  CPC.    
 
Se   o   réu   se   defendeu,   ou   seja,   se   apresentou   contestação,   terá   de   alegar;   sendo   que   se   não   alegar   a   excepção  
de  incompetência,  esta  sana-­‐se.      
 
O  regime  da  incompetência  do  CPC  não  se  aplica  quando  estejamos  no  âmbito  do  Regulamento  1215/2012.  
O   art.   96º   indica   que   fora   daqueles   casos,   não   estamos   perante   um   caso   de   incompetência   absoluta,   mas   sim   nos  
termos  do  Regulamento.  
 
O   conhecimento   oficioso   dita   um   regime   de   arguição   diferente.   O   limite   para   apreciação   é   o   trânsito   em  
julgado,   pelo   que   até   este   momento,   é   possível   alegar   a   incompetência   (97º/1).   O   97º/2   tem   excepção:   A  
incompetência  material  dentro  da  ordem  judicial  só  pode  ser  alegada  até  ao  proferimento  do  despacho  saneador.  
 
O  art.  99º  determina  os  efeitos  da  incompetência  absoluta:  
 
(1) Absolvição  do  réu  na  instância;  
(2) Indeferimento  em  despacho  liminar,  se  houver.  
 
12.7.2. INCOMPETÊNCIA  RELATIVA  
 
A   incompetência   relativa   pode   ser   arguida   pelo   réu   na   contestação   (art.   103º/1).   São   de   conhecimento   os  
casos  elencados  no  art.  104º,  designadamente:  
 
(1) Incompetência  em  razão  do  valor  (número  2);  
(2) Incompetência  em  razão  do  território  (só  nos  casos  referidos  no  número  1);  
(3) Incompetência  convencional  (pacto  de  competência).    
 
A  consequência  é  a  remessa  do  processo  para  um  tribunal  competente  (art.  105º/3).  Aproveita-­‐se  tudo  o  que  
já  está  no  processo.  Se  a  remessa  for  expedita  promove  a  celeridade  do  processo.    
 
 
FASE  INTERMÉDIA  
 
13. FASE  INTERMÉDIA  
13.1. GESTÃO  INICIAL  DO  PROCESSO    
 
  É   uma   lógica   de   primeira   análise,   pelo   juiz,   do   processo,   bem   como   de   resolução   de   problemas   processuais  
e/ou   problemas   materiais   que   possam   existir.   Caso   sejam   resolvidos,   faz-­‐se   tomar   as   decisões   necessárias   para   a  
prossecução   do   processo.   É,   neste   momento,   em   regra,   que   se   faz   a   conclusão   dos   autos   para   o   juiz   fazer   a   gestão  
inicial  do  processo,  nos  termos  do  art.  590º.  Há  uma  clara  ideia  de  que  esta  fase  é  essencial  no  processo,  na  qual  se  vão  
conseguir  resolver  as  questões  de  tendências  e  celeridades  processuais.    
 
  Temos  dois  momentos  temporais,  cronológicos:  
 
(1) Gestão  inicial  do  processo  (590º/2)  –  despacho  pré-­‐saneador;  
(2) Audiência  prévia  (591º)  –  série  de  actos.    

Página  |  54    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

 
A  audiência  prévia  corresponde  à  reunião  entre  o  juiz  e  os  advogados.  Trata-­‐se  de  uma  audiência  de  gestão  processual.  
 
13.2. DESPACHO  SANEADOR    
 
  O  art.  590º/1  tem  uma  regra  que  determina  o  despacho  liminar  –  inicial,  preliminar  -­‐,  o  qual  deixou  de  existir  
no  processo  civil  como  regra  desde  1995/96.  A  regra  é  da  inexistência  deste  despacho.  A  primeira  intervenção  do  juiz  é  
no  despacho  pré-­‐saneador.  O  número  1  permite  que  o  juiz,  no  âmbito  do  seu  poder  de  gestão  processual  determina  
10
que   no   seu   tribunal,   certos   processos,   vão   a   despacho   preliminar   antes   da   citação ,   permitindo   imediatamente   a  
possibilidade  de  indeferir  a  petição  nos  casos  referidos:    
 
⇒ Manifestamente  improcedente;  
⇒ Ou  ocorram  excepções  dilatórias  insupríveis  –  de  que  o  juiz  deva  conhecer  oficiosamente  -­‐  que  determinem  o  seu  fim.    
 
  Se   o   juiz   não   estabelecer   isto,   o   seu   primeiro   despacho   no   processo   é   apenas   o   pré-­‐saneador,   sendo   esta   a  
regra   que   encontramos   no   número   2   do   mesmo   artigo.   Só   o   juiz   que   não   tem   processos   atrasados   é   que   pode   fazer  
isto.  Esta  foi  a  principal  razão  para  se  acabar  com  esta  fase,  pois  atrasavam-­‐se  imenso  os  processos.  Hoje  só  um  juiz  que  
não  tenha  trabalho  atrasado  e  ache  que  esta  é  a  melhor  maneira  de  conseguir  organizar  o  seu  tribunal,  é  que  o  faz.    
 
Relativamente  à  regra  do  número  2  -­‐  regime  regra:    
 
a) Providenciar  pelo  suprimento  de  exceções  dilatórias,  nos  termos  do  n.º  2  do  artigo  6.º;  
 
Convida   a   parte   a   pedir   intervenção   da   administração   principal   para   retifique   ou   repetir   (art.   14º,   CPC).  
Havendo   despacho   liminar,   teria   havido   logo   este   convite.   Havendo   preterição   por   litisconsórcio   necessário,   o   juiz  
convida  a  parte  a  fazer  um  requerimento  de  intervenção  principal  de  terceiros.    
 
b) Providenciar  pelo  aperfeiçoamento  dos  articulados,  nos  termos  dos  números  seguintes;    
 
É   o   chamado   despacho   de   aperfeiçoamento;   o   número   4   diz   respeito   a   vícios   na   alegação   de   factos  
(insuficiências  ou  imprecisões  na  matéria  de  facto),  ou  seja,  factos  alegados  pela  parte  como  causa  do  pedido,  sendo  
instrumentais  ou  principais.  O  juiz  pode  convidar  a  parte  a  aperfeiçoar  a  sua  petição,  corrigir,  apresentar  uma  peça  mais  
sólida.   O   número   3   tem   a   ver   com   irregularidades,   i.e.,   vícios,   que   tanto   podem   ser   processuais,   como   outro   tipo   de  
vícios  que  não  geram  excepções,  mas  impedem  o  processo  de  seguir.  
 
 Ex.:   nas   acções   relativas   a   direitos   sujeitos   a   registos   públicos,   não   estando   inscritas,   a   acção   não   pode   prosseguir.  
Assim  como  num  caso  de  litisconsórcio  necessário  de  cônjuges,  é  possível,  de  acordo  com  o  art.  34º/1,  que  se  proponha  
apenas  uma  acção  desde  que  haja  consentimento  do  outro.  Este  consentimento  é  uma  declaração   do  cônjuge  que  tem  
uma   assinatura   reconhecida.   Se   o   autor   alegar   o   consentimento,   mas   não   o   juntar   em   auto,   pode   o   tribunal   pedir   para  
o  fazer.  Os  números  5,  6  e  7  tratam  de  questões  relativas  ao  número  4  -­‐  aperfeiçoamento  em  matéria  de  facto.    
 
No   número   6   encontramos   o   limite   a   este   aperfeiçoamento,   que   remete   para   o   art.   265º   (limita-­‐se   a   alteração  
do   pedido   e   causa   do   pedido   sem   ser   nas   situações   aqui   expostas),   arts.   573º   e   575º.   O   autor   nunca   pode   alterar   a  
causa  do  pedido;  por  parte  do  réu  não  pode  ser  objeto  de  alteração  aquilo  que  tiver  sido  obtido  por  acordo  e  aquilo  
que   tenha   admitido.   Nem   o   autor   pode   usar   o   aperfeiçoamento   para   introduzir   novos   pedidos   ou   causas   de   pedido  
nem  o  réu  o  pode  fazer  para  reverter  admissão  de  factos  que  já  fez,  assim  como  alegar  novas  excepções.    
 
As  partes  determinam  o  limite  daquilo  que  querem  que  o  tribunal  faça,  mas  o  juiz  tem  que  decidir  de  acordo  
com  a  verdade  material,  fazer  justiça  numa  lógica  do  fim  do  processo.    
 
Este   aperfeiçoamento   passou   a   ser   obrigatório   para   o   juiz.   Não   havendo,   quando   chegarmos   à   fase   da   produção  
de   prova,   há   fundamento   de   recurso   e   a   sentença   pode   vir   a   ser   anulada   e   o   juiz   obrigado   a   voltar   atrás   até   ao  
momento   de   saneador   para   proferir   despacho   de   aperfeiçoamento.   O   juiz   omitiu   um   acto   que   estava   obrigado   a  
praticar,  que  é  decisivo  no  processo,  por  isso  mesmo  se  não  o  fizer  estamos  perante  uma  nulidade  processual.    
 
                                                                                                                       
10
     Provimento  –  o  juiz  decide  quais  as  regras  do  seu  tribunal.  

Página  |  55    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

  Quando  o  despacho  de  aperfeiçoamento  é  proferido,  é  irrecorrível.    


 
i. Determinar   a   junção   de   documentos   com   vista   a   permitir   a   apreciação   de   excepções   dilatórias   ou   o  
conhecimento,  no  todo  ou  em  parte,  do  mérito  da  causa  no  despacho  saneador.  
 
Tem  como  objectivo  terminar  o  processo.  Imaginando  que  não  foi  alegada  uma  excepção  de  caducidade  
de  conhecimento  oficioso,  mas  o  juiz  percebe  a  falta  deste  ao  longo  do  processo;  poderá  exigir  que  o  autor  junte  
esse  documento.  É  tratado  como  um  documento  decisivo.  O  número  3  trata  de  documentos  essenciais,  mas  aqui  
são  documentos  para  a  causa  poder  avançar,  documentos  para  terminar  a  acção.    
 
  Podemos   ter   um   despacho   como   aqui   apresentado   ou   podemos   ter   um   despacho   de   audiência   prévia.  
Podemos  estar  a  falar  de  um  período  amplo  em  que  é  preciso  fazer  imensas  coisas  até  à  audiência  prévia,  ou  pode  o  
juiz   pedir   no   mesmo   dia   se   não   se   verificarem   nenhuns   dos   acontecimentos   acima   descritos   e   aí   o   despacho   pré-­‐
saneador  traduz-­‐se  apenas  numa  convocatória  para  a  audiência  prévia.    
 
13.3. AUDIÊNCIA  PRÉVIA  OU  AUDIÊNCIA  DE  GESTÃO  PROCESSUAL  
 
⇒ Corresponde   a   uma   sessão   oral   em   que   estão   presentes   o   juiz   e   as   partes,  pode   ser   de   gestão   processual   que  
é  este  caso,  ou  de  produção  de  prova,  que  é  o  que  acontece  no  julgamento.  Todos  os  actos  que  são  precisos  
fazer  na  fase  intermédia  são  condensados  numa  audiência.  O  591º  apresenta  a  audiência  prévia:    
 
a) realizar  tentativa  de  conciliação,  nos  termos  do  artigo  594.º;    
 
A   regra   aplica-­‐se   não   só   na   audiência   prévia,   mas   sim   a   todo   o   processo;   regula   a   tentativa   de   conciliação   e  
tem  que  ser  feita  em  audiência  prévia,  tendencialmente,  mas  também  na  audiência  de  julgamento.  (604º/2  –  audiência  
final).   Consiste,   segundo   o   número   3,   no   empenho   do   juiz   de   modo   a   tentar   que   as   partes   cheguem   a   acordo,   se   tal  
acontecer  o  processo  termina.    
 
b) facultar   às   partes   a   discussão   de   facto   e   de   direito,   nos   casos   em   que   ao   juiz   cumpra   apreciar   exceções  
dilatórias  ou  quando  tencione  conhecer  imediatamente,  no  todo  ou  em  parte,  do  mérito  da  causa;  
 
Quando  as  partes  não  chegam  a  um  acordo  em  sede  de  conciliação,  fazem  pequenas  alegações  relativamente  
a   excepções   dilatórias,   excepções   perentórias   ou   objecto   do   processo   se   este   entender   que   não   há   necessidade   à  
produção  de  prova.  Se  o  juiz  entender  que  o  processo  não  pode  continuar,  termina-­‐o.  Permitem-­‐se  alegações  de  facto  
e  de  direito  por  parte  do  advogado  relativamente  à  decisão  do  juiz.    
 
Quando  o  juiz  faz  a  convocatória  da  audiência  prévia,  tem  que  dizer  que  pretende  decidir  o  mérito  da  acção  ou  
excepções  dilatórias  e  convidar  as  partes  a  discutir  ou  se  achar  que  tem  todos  os  elementos  de  prova  para  decidir,  faze-­‐
lo.  Se  tiver  a  decisão  de  o  fazer  neste  momento,  tem  que  dar  às  partes  a  possibilidade  de  alegar  de  facto  e  direito  –  a  
lógica   é   que   é   como   se   estivéssemos   na   fase   do   julgamento,   dá-­‐se   um   salto.   Tendo   as   partes   o   direito   de   fazer   as  
11
últimas   alegações,   é-­‐lhes   dada   essa   possibilidade.   Sendo   uma   questão   meramente   jurídica   não   é   necessário   haver  
produção  de  prova  e  pode  passar-­‐se  para  a  decisão,  mas  sempre  informando  as  partes  –  processo  justo.    
 
Não  o  fazendo,  há  violação  do  contraditório  –  jurisprudência.    
 
c) discutir   as   posições   das   partes,   com   vista   à   delimitação   dos   termos   do   litígio,   e  ainda   suprir   as   insuficiências  
e/ou   as   imprecisões   na   exposição   da   matéria   de   facto   que   ainda   subsistam   ou   que   se   tornem   patentes   na  
sequência  do  debate;    
 
Esta  alínea  permite  aperfeiçoamentos  no  momento  da  audiência  prévia.  A  lógica  é  que  as  partes  já  definiram  
os  termos  do  litigio  na  fase  dos  articulados,  mas  podem,  contudo,  não  ser  claras.  Chegando  ao  final  e  percebendo  que  a  
interpretação  que  fez  do  caso  não  é  aquilo  que  as  partes  quiseram  dizer,  pode  pedir  este  aperfeiçoamento.  Suspende-­‐
se  audiência  prévia  para  apresentação  do  articulado  corrigido  dentro  de  um  determinado  prazo.    
 

                                                                                                                       
11
 Atentar  no  604º  (audiência  final).    

Página  |  56    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

  Se  as  partes  nada  tiverem  a  acrescentar,  o  juiz  determina  qual  o  objeto  do  litigio  e  podem  as  partes  discutir  se  
não  concordarem.    
 
d) proferir  despacho  saneador,  nos  termos  do  n.º  1  do  artigo  595.º;    
 
Refere-­‐se  às  excepções  dilatórias,  nulidades  processuais,  alegadas  ou  oficiosamente  produzidas.  Conhecer  das  
excepções  é  julga-­‐las  procedente  ou  improcedente  e  depois  justificá-­‐las.  Tem  que  se  ver  capacidade  e  personalidade  
judiciária,  se  as  partes  são  legítimas,  entre  outros  aspectos  (saneador  chapa).  A  formulação  genérica  do  saneador  chapa  
não  faz  caso  julgado  formal,  porque  não  é  apreciada  concretamente  nenhuma  excepção  dilatória.  Há  a  apreciação  geral  
e   abstrata,   mas   não   há   nenhuma   apreciação   concreta   de   uma   excepção   dilatória.   Uma   questão   posterior   de  
legitimidade,  competência,  por  exemplo,   desde  que  esteja  dentro  dos  prazos  de  admissão  da  lei  pode  ser  apreciada   (595º/3).    
Relativamente  às  questões  que  aprecia  concretamente  há  caso  julgado  formal.      
 
Relativamente  a  questões  de  mérito,  tem  o  valor  de  sentença.  Consequência  do  que  se  faz  na  alínea  b)  do  
591º.   Tem   força   de   caso   julgado,   o   juiz   conheceu   do   pedido   e   o   processo   acaba   ou   exceção   perentória   que   implica  
extinção  total  do  processo.    
 
e) determinar,  após  debate,  a  adequação  formal,  a  simplificação  ou  a  agilização  processual,  nos  termos  previstos  
no  n.º  1  do  artigo  6.º  e  no  artigo  547.º;    
 
Novo   neste   código   e   a   ideia   é   que   o   juiz,   tendo   em   conta   ser   a   sua   primeira   intervenção,   tomar   determinadas  
decisões  que  permitam  uma  tramitação  processual  diferente  da  prevista  no  código.  Se  por  exemplo  o  juiz  decidir  partir  
o   processo   em   dois   ou   decidir   numa   ação   de   responsabilidade   civil   que   só   numa   segunda   fase   decide   do   valor   dos  
danos,  ou  seja,  produzir  a  prova.  É  a  chamada  bifurcação  –  não  é  certo  se  é  um  acto  de  responsabilidade  civil,  não  faz  
sentido  pedir  já  a  produção  de  prova.  Não  está  previsto  na  tramitação  normal,  mas  o  juiz  pode  optar  por  o  fazer.    
 
f) proferir,  após  debate,  o  despacho  previsto  no  n.º  1  do  artigo  596.º  e  decidir  as  reclamações  deduzidas  pelas  
partes;    
 
Temas  da  prova  
Até  95/96,  haviam  duas  listas  de  factos:  especificação  e  questionário.    
 
(1) Na  primeira  listavam-­‐se  os  factos  já  provados,  que  as  partes  alegaram  ou  juntaram  documentos  que  provavam  
os  factos,  ou  a  outra  parte  não  se  pronunciava  sobre  eles  ou  admitia-­‐os.    
 
(2) Todos  os  factos  não  provados  ou  controvertidos,  ficavam  numa  segunda  lista,  o  questionário.  No  fundo  olhava-­‐
se  para  as  alegações  de  facto  das  partes  quanto  aos  não  provados,  colocava-­‐se  um  ponto  de  interrogação  e  era  
apenas  isto  que  se  podia  perguntar  às  testemunhas.    
 
Quando   chegamos   a   este   momento,   as   questões   processuais   estão   todas   resolvidas   e   por   isso   temos   que  
passar  para  a  análise  do  mérito.  Temos  que  produzir  prova  sobre  os  factos  de  que  não  há  documento  –  a  prova  
que  tem  que  ser  produzida  em  tribunal  é  a  testemunha.  Neste  momento  o  juiz  fixa  os  temas  da  prova.  Se  a  
parte  alegava  factos  conclusivos  estes  factos  passavam  para  o  questionário,  mas  não  fazia  sentido  perguntar  
isso  às  testemunhas.    
 
Por  outro  lado,  apareciam  fatos  instrumentais,  mas  que  como  não  apareciam  no  questionário  não  podiam  ser  
aproveitados   –   aproveita-­‐se   tudo   aquilo   que   as   partes   alegavam,   nos   exactos   termos   em   que   o   tinham  
12
alegado.  A  resposta  era  apenas  “provado  ou  não  provado”.    
 

Em   96   inventou-­‐se   a   chamada   base   instrutória   que   substitui   o   questionário   e   os   factos   assentes   substituíram   a  
especificação.  A  ideia  é  que  a  base  instrutória  seria  mais  abrangente  permitindo  que  não  se  incluísse  pequenos  factos  
no   guião   de   prova,   mas   sim   algo   mais   abrangente   que   não   ficasse   colado   aos   articulados.   Porém,   na   prática   continuou-­‐

                                                                                                                       
12
 Réu:  parede  é  branca.  Autor:  parede  é  vermelha.  A  pergunta  era:  a  parede  é  branca?  Não  se  perguntava  qual  a  cor  da  parede.  Se  
se  desse  como  não  provado  que  era  vermelho,  então  não  era  branca.    

Página  |  57    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

se  a  fazer  o  mesmo,  questões  que  deixavam  de  fora  questões  gerais  que  interessavam  ao  processo,  deixando  “buracos”  
no  processo.    
 
Com  o  novo  código  acabou-­‐se  com  a  lista  de  factos  assentes,  faz-­‐se  apenas  uma  lista  do  que  são  os  temas  da  prova  
e  deixa-­‐se  de  fora  o  que  já  está  provado.  Pode  o  juiz  fazer  essa  lista  na  mesma,  mas  na  prática  deixaram  de  o  fazer.  
Permite   flexibilidade   uma   vez   que   factos   instrumentais   que   não   foram   provados,   mas   também   não   foram   impugnados,  
possam  ainda  ser  considerados  não  provados  pelo  juiz,  não  tem  que  decidir  já  como  provado.    
 
Os   temas   de   prova   são   antes   de   mais   matérias   que   o   tribunal   quer   ver   esclarecidas   em   audiência   uma   vez   que  
são   importantes   para   a   decisão   do   caso,   não   estão   provadas   e   as   partes   alegaram-­‐nos   nos   seus   articulados.   Nos  
termos   do   art.   15º   os   factos   instrumentais   que   resultem   da   instrução   da   causa   ainda   podem   ser   tomados   em  
consideração  pelo  juiz,  logo  nos  temas  da  prova  não  deve  colocar  factos  instrumentais  uma  vez  que  ainda  não  estão  
fechados.  Assim  os  factos  a  ter  em  conta  nesta  altura  devem  ser  os  principais.    
 
Para   MARIANA   FRANÇA   GOUVEIA,   para   elaborar   os   temas   da   prova   o   juiz   deve   ver   os   factos   da   causa   do   pedido,   ver   as  
exceções   perentórias,   no   fundo,   causas   principais.   Os   factos   essenciais   que   não   estão   provados   têm   que   estar   nos  
temas  da  prova;  não  pode  chegar  ao  fim  do  processo  sem  se  ter  produzido  prova  sobre  determinado  facto,  se  não  é  
uma  questão  de  nulidade.  Não  estando  alegado  teria  que  convidar  a  parte  a  produzir  prova  590º/3.    
 
o Não  há  uma  regra  legal  que  determine  como  se  faz  os  temas  da  prova,  há  flexibilidade:  depende  do  
estilo  do  juiz,  postura  das  partes  em  relação  ao  processo  e  aquilo  que  o  juiz  quer  saber.    
 
o Tem   que   ser   fixado   na   audiência   prévia   para   permitir   a   preparação   dos   advogados   para   o  
julgamento  e  a  flexibilização  depende  do  processo  juiz  e  das  partes.  Importante  é  que  os  temas  da  
prova  incluam  os  factos  principais  que  se  tem  que  provar.    
 
Considera-­‐se  que  nesta  fase  há  colaboração  ente  as  partes  e  o  juiz,  que  estes  acordem  num  conjunto  de  temas  
de   prova.   Há   uma   discussão   bastante   informal   entre   o   juiz   e   as   partes   para   fixar   os   temas   da   prova,   há   discussão   sobre  
o  que  é  ou  não  relevante  e  o  que  já  se  deve  ou  não  considerar  provado.  Pode  ainda  pedir-­‐se  para  o  juiz  acrescentar  
determinados   factos.   Aqui   o   advogado   tem   um   papel   essencial   de   maneira   a   garantir   que   não   fiquem   de   fora   factos  
muito  importantes  para  o  seu  caso  e  que  não  fiquem  também  factos  que  já  se  consideram  provados.  Tem  que  controlar  
que   os   temas   da   prova   não   vão   além   daquilo   que   lhe   interessa   e   que   não   ficam   aquém,   no   sentido   em   que   factos  
essenciais  no  seu  ponto  de  vista  para  demonstrar  o  seu  caso  ficam  fora  dos  temas  da  prova.    
 
Havendo   factos   que   é   indiferente   serem   provados   ou   não   para   resultado   da   acção,   não   devem   constar   dos  
temas  da  prova  –  perda  de  tempo.  Facilita,  promove  maior  justiça  material,  maior  flexibilidade.    
 
Após  a  fixação,  pergunta  se  alguma  das  partes  tem  reclamações,  havendo  o  juiz  precede  logo.    
   
g) programar,   após   audição   dos   mandatários,   os   atos   a   realizar   na   audiência   final,   estabelecer   o   número   de  
sessões  e  a  sua  provável  duração  e  designar  as  respetivas  datas.  
 
Os  requerimentos  probatórios  são  feitos  na  petição,  mas  podem  ser  alterados  neste  momento.  Posto  isto,  faz  
então  o  juiz  a  programação  da  audiência.  Nos  termos  do  423º  pode  apresentar-­‐se  mais  documentos  até  20  dias  antes  
da  audiência  final,  mas  mediante  pagamento  de  uma  multa.    
 
As  situações  do  592º  e  593º  são  aquelas  em  que  não  se  realiza  a  audiência  prévia.  
 
⇒ Art.  592º  (obrigatório)  
 
O  592º/1  refere-­‐se  à  revelia  inoperante.  Não  havendo  contestação  tem  o  autor  na  mesma  que  produzir  prova,  
os  factos  alegados  não  estão  provados  dai  ter  que  se  realizar  audiência  final.  Sendo  revelia  operante  os  factos  dão-­‐se  
todos  como  provados.  São  situações  em  que  não  é  necessário  cumprir  o  contraditório  porque  as  partes  já  discutiram  
tudo  nos  articulados,  não  tem  que  se  aplicar  a  alínea  b)  do  592º.    
 
O  juiz  tem  que  ser  cauteloso  a  entender  que  o  contraditório  já  foi  feito,  para  não  haver  decisão  surpresa.  Só  
pode  dispensar  a  audiência  previa  quando  os  fundamentos  que  use  na  decisão  estão  exauridos  na  contestação.    

Página  |  58    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

 
13
⇒ Art.  593º  (facultativo)  
 
Há  uma  flexibilidade  do  juiz  não  a  fazer  quando  se  destine  apenas  aos  fins  indicados  nas  alíneas  d),  e)  e  f)  no  
n.º   1   do   artigo   591º.   Tem   assim   20   dias   para   fazer   aqui   tudo   o   que   tem   que   fazer   havendo   audiência   prévia,   e   há  
possibilidade   de   reclamação.   No   numero   3   apresenta-­‐se   um   direito   potestativo   das   partes   para   fazerem   audiência  
prévia,  há  possibilidade  de  reclamação.  O  juiz  marca  audiência  prévia  e  as  partes  fazem  lá  a  reclamação;  é  uma  forma  
de  tentar  forçar  o  juiz  a  marcar  audiência  prévia,  pois  sabe  que  se  não  convocar  as  partes  podem  reclamar,  tem  essa  
possibilidade  o  que  pode  atrasar  mais  o  seu  processo,  em  pelo  menos  um  mês.      
 
O  597º  estabelece  uma  regra  que  nos  diz  que,  nas  ações  até  15  mil  euros,  findos  os  articulados,  não  havendo  resposta  a  
uma  exceção  nos  articulados,  o  juiz  tem  que  convocar  audiência  prévia,  proferir  despacho  saneador,  determina,  após  
audição  das  partes,  a  adequação  formal,  a  simplificação  ou  a  agilização  processual,  profere  o  despacho  previsto  no  n.º  1  
do  artigo  596º,  profere  despacho  destinado  a  programar  os  atos  a  realizar  na  audiência  final,  a  estabelecer  o  número  
de   sessões   e   a   sua   provável   duração   e   a   designar   as   respetivas   datas   e   designa   logo   dia   para   a   audiência   final,  
observando  o  disposto  no  artigo  151º.  
 
Sumário  –  Aula  de  23  de  Novembro  de  2016:  
13. Fase  Intermédia  (continuação).  
 
TEMAS  DA  PROVA    
 
A  professora  recomenda,  para  a  resolução  destes  casos:  
 
i. Identificar   tanto   a   causa   de   pedir,   como   excepções   perentórias,   sendo   que   as   excepções   dilatórias   já  
estão  resolvidas,  sanadas  ou  levaram  à  excepção  da  instância.    
 
ii. Identificar  os  factos  constitutivos  da  causa  de  pedido.  Se  for  RC,  identificar  o  facto  voluntário,  a  ilicitude  
do   facto,   a   culpabilidade,   os   danos,   o   nexo   de   causalidade   entre   os   factos   e   os   danos   concretos  
resultado  do  facto.  Numa  ação  de  cumprimento,  identificar  o  contrato.  E  fazer  o  mesmo  exercício  para  
as  excepções  perentórias,  ou  seja,  identificar  os  factos  principais.    
 
iii. Preencher   cada   um   desses   factos   com   os   factos   concretos   alegados,   qual   é   o   incumprimento,   o   dano,  
com   a   história   contada   pelo   autor   ou   pelo   réu.   Para   cada   facto   que   identificamos   em   abstracto,  
identificar   em   concreto   na   acção,   no   tempo   e   no   espaço.   Ou   seja,   há   culpa   de   quem,   quando   aconteceu  
o  facto,  etc.    
 
iv. Aferir  quais  os  factos  provados  e  os  controvertidos.  Pode  estar  provado  por  documento,  por  acordo,  por  
confissão;   e   ver   os   factos   onde   ainda   não   foi   feita   a   prova.   Depois,   aferir   quais   os   factos   controvertidos.  
E  são  estes  últimos  que  são  temas  da  prova.    
 
(Experimentar  fazer  este  esquema  no  exercício  13.)  
 
Sumário  –  Aula  de  24  de  Novembro  de  2016:    
Aula  dada  pelo  Professor  João  Pedro  Pinto  Ferreira  
 
14. DIREITO  PROBATÓRIO  FORMAL  
 
Quando   falamos   de   direito   probatório   é   normal   fazer-­‐se   a   distinção   entre   o   direito   probatório   material,   o   qual  
correspondente,  no  essencial,  às  regras  do  CPC,  e  que  dizem  respeito  ao  ónus  da  prova  e  a  admissibilidade  dos  meios  
de  prova)  e  o  formal  (do  procedimento  probatório).  Iremos  incidir  o  estudo  no  formal  –  arts.  410º  e  526º.    
 
14.1. INSTRUÇÃO  DO  PROCESSO  
 

                                                                                                                       
13
 Do  ponto  de  vista  processual  não  se  justifica,  porque  é  mais  rápido.      

Página  |  59    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

O   objecto   da   instrução,   bem   interpretado   o   art.   410º,   são   factos   subjacentes   ao   tema   da   prova.   A   instrução  
tem   por   objecto   os   factos.   Os   princípios   essenciais   na   fase   de   instrução   são   assim:   (1)  inquisitório   –   o   juiz   tem   iniciativa  
quanto   à   generalidade   dos   meios   de   prova.   Ainda   que   as   partes   não   peçam   o   meio   de   prova,   o   juiz   pode   solicitar  
oficiosamente;  (2)  contraditório  –  os  actos  de  produção  da  prova  devem  ter  lugar  com  o  contraditório  da  outra  parte,  
quando   se   trata   de   um   meio   de   prova   trazida   por   uma   parte   fora   do   processo   (ex.:   prova   documental),   deve   admitir-­‐se  
que  a  outra  possa  impugnar;  (3)  cooperação  –  especialmente  relevante  quanto  a  documentos  que  decorram  de  uma  
das  partes  ou  terceiro;  (4)  imediação  e  oralidade  –  impõe  o  contacto  mais  directo  possível  entre  o  julgador  e  a  fonte  de  
prova.    
 
O   art.   419º   admite   que   nos   casos   em   que   a   prova   se   torne   difícil   ou   possível,   é   admissível   antecipá-­‐la.   Ex.:   se   a  
testemunha   estiver   muito   doente,   em   vias   de   morrer.   Ex.:   se   o   documento   possa   desaparecer.   Nestes   casos,   e   de  
acordo  com  o  art.  520º,  o  requerimento  pode  ser  anterior  à  própria  acção  ou,  ainda,  na  própria  acção.  Antecipa-­‐se  o  
momento  para  produção  de  prova.  Nestes  casos,  em  que  o  requerimento  seja  anterior  ao  início  da  acção,  a  parte  tem  
de   indicar   o   pedido,   a   causa   de   pedido   e   a   pessoa   contra   quem   pretende   fazer   a   prova   na   acção   que   ainda   não   foi  
proposta.    
 
14.2. INICIATIVA  DA  PROVA  
 
Quanto  à  iniciativa  da  prova  (art.  411º)  –  por  regra,  os  meios  de  prova  tanto  podem  ser  propostos  pelas  partes  
como   determinados   oficiosamente   pelo   juiz.   O   art.   415º   determina   que   a   parte   pode   exercer   contraditório   quanto  
àquele   pedido.   Tem   de   haver   indicação   sumária   do   objecto   do   processo   e   sobre   a   pessoa   contra   a   qual   se   pretende  
fazer  a  prova,  mas  não  delimita  o  objecto  do  processo.    
 
Há,  no  entanto,  desvios:    
 
(1) Alguns  meios  de  prova  não  podem  ser  determinados  oficiosamente  pelo  juiz;  
(2) Há  meios  de  prova  que  só  podem  ser  requeridos  por  uma  das  partes.  
 
Exs.:  depoimento  de  parte,  declaração  de  parte  e  verificações  não  judiciais  qualificadas.    
 
14.3. MOMENTO  DE  APRESENTAÇÃO  
 
  A   regra   é   a   de   que   os   requerimentos   probatórios   são   oferecidos   na   fase   dos   articulares   (arts.   552º/2   e  
572º/d)).  Podem  ser  alterados  na  audiência  prévia  (art.  598º).  São  oferecidos  com  a  petição  inicial  e  com  a  contestação,  
mas  não  são  imutáveis.  Mas  alteração  não  quer  dizer  que  seja  feito  novo  requerimento,  ou  seja,  não  tendo  requerido,  
por   exemplo,   o   depoimento   de   parte   no   requerimento   e   vir   agora   pedi-­‐lo   na   audiência   prévia.   O   limite   é   sempre   o  
objecto   do   processo,   pelo   que,   se   diz   que   há   prova   quanto   os   factos   A,   B   e   C;   não   pode   vir   dizer   que   quer   também  
prova  quanto  aos  factos  D  e  F.  Há,  no  entanto,  desvios:  
 
(1) Prova  documental  –  permite-­‐se  que  seja  oferecida  até  ao  momento  posterior;    
(2) Prova  testemunhal  –  permite-­‐se  que  a  apresentação  do  rol  de  testemunhas  seja  feito  depois  desta  data.    
 
14.3.1. PROVA  DOCUMENTAL  
 
Quanto   ao   momento   de   apresentação   deste   meio   de   prova,   releva   o   art.   423º/1,   2   e   3.   A   regra   é   de  
apresentação  com  o  articulado  respectivo.  O  documento  que  prova  a  celebração  do  contrato  que  a  parte  invoca  como  
parte  da  causa  de  pedir  deve  ser  apresentado  juntamento  com  a  petição  inicial;  assim,  se  o  documento  provar  uma  das  
componentes  da  excepção,  deve  ser  apresentado  juntamente  com  a  contestação.    
 
O  documento  pode,  mesmo  assim,  ser  apresentado  com  multa  até  20  dias  antes  da  data  da  audiência  final  (art.  
423º/2).  Quando  falamos  da  data  da  audiência  final,  é  a  data  efectiva.  Se  por  alguma  razão  for  adiada  de  dia  20  para  dia  
25,   os   20   dias   contam-­‐se   até   dia   25.   A   parte   pode   apresentar   documentos   até   dia   5   do   mês   seguinte,   mediante  

Página  |  60    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

pagamento   de   uma   multa.   Só   não   paga   a   multa   se   apresentar   com   o   articulado   respectivo   ou   se   estiver   em   causa   a  
situação  enunciada  no  número  3.    
 
O  número  3  é  uma  cláusula  de  salvaguarda  para  os  casos  em  que  o  documento  não  tenha  sido  apresentado  até  
ao  momento,  mas  com  justa  causa.  O  art.  425º  determina  o  momento  até  ao  qual  podem  ser  anexados  os  documentos  
em  causa.  Assim,  são  admissíveis  até  ao  encerramento  da  discussão.    
 
Assim:  
 
i. Em  regra,  são  anexados  aos  articulados;  
ii. São  anexados  posteriormente,  com  multa;  
iii. Quando  houver  justa  causa,  podem  ser  anexados  até  ao  encerramento  da  discussão.  
 
Quanto   aos   documentos   em   poder   da   parte   contrária   ou   de   terceiro,   a   parte   deve   identificar   o   documento   e  
especificar  os  factos  que  com  ele  quer  provar  (arts.  429º/1  e  432º).  A  notificação  só  é  ordenada  se  os  factos  tiverem  
interesse  para  a  decisão  em  causa  (art.  429º/2).    
 
  A   não   apresentação   do   documento   sem   justificação   legítima:   o   autor   requer   a   apresentação   de   um  
documento,  o  tribunal  notifica  a  parte  ou  o  terceiro  para  essa  apresentação,  mas  estes  não  entregam.  Difere  a  situação  
da  parte  e  a  situação  do  terceiro.  Deste  modo:  
 
⇒ Quanto  à  parte  contrária,  prevê-­‐se  a  livre  apreciação  da  recusa  ou  a  inversão  do  ónus  da  prova,  somado  a  uma  
multa,   sendo   o   que   resulta   da   conjugação   dos   arts.   430º   e   417º/2.   Trata-­‐se   de   um   regime   especial   para   o   caso  
de  ter  sido  a  parte  a  quem  se  requereu  prova,  que  não  entregou,  sem  justificação.    
 
⇒ Quanto  ao  terceiro  (art.  433º)  –  aplica-­‐se  uma  multa  e  procede-­‐se  à  apreensão  do  documento.    
 
A  não  apresentação  legítima  do  documento:  
 
(1) Não  possuam  o  documento  (arts.  431º  e  433º);  
(2) Casos  previstos  na  lei  (art.  417º/3);  
(3) Justa  causa  (art.  434º)  –  não  apresenta  e  não  está  obrigada  a  apresentar  cópia.    
 
Requisição  de  documentos  pelo  tribunal  (art.  436º):  não  carece  de  consentimento  das  partes  (número  1),  podendo  não  
só  ser  dirigida  quanto  às  partes,  mas  também  a  terceiros  e  a  organismos  oficiais  (número  2).  As  sanções  são  previstas  
nos  arts.  437º  e  519º/2.    
 
14.3.1.1. INCIDENTES  PROBATÓRIOS  
 
Uma   das   partes   deduz   um   incidente   quanto   ao   documento.   São   essencialmente   dois   casos:   (1)   impugnação   da  
autoria  do  documento  ou  da  sua  exactidão,  prevista  no  art.  444º;  (2)  a  falsidade  e  falta  de  autenticidade  do  documento,  
previso  no  art.  446º.    
 
14.4. PROVA  POR  CONFISSÃO  
14.4.1. DEPOIMENTO  DE  PARTE  
 
O  depoimento  de  parte  destina-­‐se  a  provocar  a  confissão,  pelo  que  se  limita  a  factos  desfavoráveis.  Ex.:  A  vem  
propor  contra  B  uma  acção  de  nulidade  do  contrato,  invocado  que  o  contrato  de  compra  e  venda  de  bem  imóvel  não  
foi  celebrado  por  escrito.  O  depoimento  de  parte  pode  ter  por  objecto  este  facto   –  o  réu  pode  dizer  que  este  contrato  
foi  celebrado  oralmente.  É  um  dos  factos  sobre  os  quais  pode  incidir  este  depoimento.  
 
Ex.:  acção  de  cumprimento  em  que  o  réu  alega  que  o  preço  do  bem  já  está  pago.  Pode  haver  depoimento  de  parte  para  
saber  se  o  bem  foi  ou  não  pago.  Se  o  réu  admitir  que  não  foi  pago,  estamos  perante  uma  confissão  judicial.    

Página  |  61    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

 
  Os  arts.  452º/1  e  453º/3,  o  depoimento  pode  ser  requerido  por  qualquer  das  partes,  i.e.,  pode  ser  requerido  
pelo  juiz,  pela  parte  e  pela  contraparte.  Neste  caso,  o  comparte  não  pode  pedir  depoimento  de  parte  a  factos  que  lhe  
sejam  desfavoráveis,  porque  não  serve  para  a  própria  parte  requerer  depoimento.    
 
  O  depoimento  de  parte  ocorre,  por  regra,  na  audiência  final  (art.  456º/1),  ainda  que  a  lei  admita  que  ocorra  na  
audiência   prévia   (art.   456º/3),   ou   em   qualquer   outro   momento,   se   for   urgente   ou   se   não   puder   comparecer   em  
tribunal.  A  propõe  acção  contra  V  (contrato  oral).  A  pode  pedir  depoimento  de  parte,  o  juiz  também,  mas  V  não  pode.  
Serve  para  conseguir  a  confissão  e  limita-­‐se  a  factos  desfavoráveis.    
 
  A  lei  prevê  ainda  a  redução  do  depoimento  a  escrito  na  parte  em  que  exista  confissão,  para  que  o  depoimento  
possa  estar  dotado  de  força  probatória  plena.    
 
14.4.2. DECLARAÇÃO  DE  PARTE    
 
  Em   2013   o   CPC   introduziu   as   declarações   de   parte.   As   declarações   de   parte   podem   incidir   sobre   quaisquer  
factos,   ou   seja,   sobre   factos   favoráveis   e   desfavoráveis.   De   acordo   com   o   art.   466º/1,   a   iniciativa   é   da   parte   que  
pretender  depor.  Quem  pode  requerer  as  declarações  de  parte,  não  pode  requer  depoimento  de  parte  e  vice-­‐versa.    
 
O  requerimento  para  as  declarações  de  parte  é  admissível  até  ao  inicio  das  alegações  das  partes.  No  fundo,  o  que  nos  
permite   distinguir   o   depoimento   de   parte   e   a   declaração   de   parte   é,   em   primeiro   lugar,   identificar   a   iniciativa   e   o  
objecto.    
 
⇒ Declaração  de  parte:  iniciativa  da  parte  contrária  ou  do  juiz,  sobre  factos  desfavoráveis;  
⇒ Depoimento  de  parte:  iniciativa  de  quem  quer  depor,  sobre  factos  favoráveis  e  desfavoráveis.    
 
14.5. PROVA  PERICIAL    
 
A   primeira   questão   que   se   levanta   é   a   de   saber   quem   realiza   a   perícia,   a   quem   compete   essa   responsabilidade  
(arts.   467º   e  468º).   Retira-­‐se   desde   logo   do   art.   267º/1   –   estabelecimento,   laboratório   ou   serviço   social   apropriado.  
Esta  deve  ser,  desde  logo,  a  primeira  opção.    
 
Recorre-­‐se  à  perícia  singular  quando  não  possível  ou  conveniente  a  realização  da  perícia  por  organismo  oficial,  
conforme  disposto  no  art.  467º/1.  Surge  como  uma  opção,  como  recurso  subsidiário.  Recorre-­‐se  à  perícia  colegial,  por  
iniciativa  do  juiz  ou  requerimento  das  partes,  mas  apenas  quanto  o  litígio  tenha  um  valor  igual  ou  superior  a  €7.500.    
 
Assim,  no  âmbito  da  prova  pericial:    
 
(1) Por  regra,  compete  ao  serviço  oficial;  
(2) Se  não  for  possível,  há  perícia  singular;  
(3) Independentemente  de  ser  um  caso  em  que  existe  oficial,  há  perícia  colegial  a  requerimento  (€7.500).    
 
Se  as  partes  chegarem  a  acordo  quanto  ao  perito  na  perícia  colegial,  passamos  a  ter  dois  peritos,  sendo  que  
um  é  escolhido  pelas  partes  e  o  outro,  pelo  juiz  (art.  468º/2).    
 
Um  aspecto  relevante:  o  art.  467º/3  determina  que  as  perícias  médico-­‐legais  só  podem  ser  feitas  por  serviços  
oficiais  constantes  de  Diploma  específico.    
 
Quanto   à   perícia   requerida   pelas   partes:   tanto   as   partes   como   o   juiz   podem   requerer   este   meio   de   prova.  
Quanto   é   pelas   partes,   o   objecto   da   perícia   é   fixado   de   acordo   com   os   arts.   475º   e   476º.   O   juiz   decide   se  
admite  ou  se  rejeita  a  perícia,  confrontado  com  o  requerimento.  Se  admitir,  notifica  a  parte  contrária  quanto  
ao   objecto.   Aqui   a   parte   contrária   pode   querer   restringir   ou   ampliar.   Ex.:   além   de   um   ferimento,   podia  

Página  |  62    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

requerer-­‐se   que   a   perícia   viesse   demonstrar   se   haviam   outros   ferimentos.   Por   fim,   o   juiz   fixa   o   objecto   da  
perícia.    
 
O  juiz  não  está  vinculado  às  sugestões  das  partes  quanto  ao  objecto  da  perícia  (art.  477º).  A  última  palavra  é  a  
do  juiz,  sempre,  que  depois  fixará  o  objecto  da  perícia.    
 
A   principal   distinção:   quando   é   requerida   pelo   juiz   não   há   admissão   ou   rejeição   da   perícia.   Também   há   depois  
a  diferença  de  o  objecto  da  perícia  ser  indicado  pelo  requerente  ou  pelo  juiz.    
 
  O   resultado   da   perícia   é   expresso   num   relatório   pericial   (art.   484º).   O   prazo   para   a   apresentação   deste  
relatório  é  o  constante  do  art.  483º,  designadamente,  não  pode  exceder  os  30  dias  contados  desde  a  data  de  início  da  
perícia.  Se  a  perícia  se  iniciar  no  dia  24/11  e  terminar  no  próprio  dia,  não  se  aplica  a  questão  do  prazo.  O  prazo  de  30  
dias   respeita   os   casos   em   que   a   perícia   não   se   conclua   no   próprio   dia.   O   prazo   pode   ser   prorrogado   uma   vez   (art.  
483º/3).  Esta  terá  no  limite  mais  30  dias.    
 
  As  partes  podem:    
 
a) Reclamar  contra  o  relatório  pericial,  entendendo  que  há  obscuridade,  deficiência  ou  contradição  (485º);  
b) Requerer  a  competência  do(s)  perito(s)  na  audiência  final  (486º);  
c) Solicitar  uma  segunda  perícia  (arts.  487º  e  489º).  
 
O  juiz  pode,  por  ele  próprio,  exercer  os  mesmos  direitos,  sendo  que  lhe  são  atribuídos  expressamente  por  lei.    
 
14.6. PROVA  POR  INSPECÇÃO  
 
Destina-­‐se  a  permitir  o  contrato  directo  do  juiz  com  a  fonte  de  prova.  Ex.:  está  em  causa  uma  acção  de  condenação  
por  incumprimento  do  contrato,  tendo  em  conta  que  há  problemas  na  instalação  de  um  portão.  O  juiz  dirige-­‐se  ao  local  
para  verificar  o  portão.  A  inspecção  pode  incidir  sobre  coisas,  mas  também  sobre  pessoas  (481º/1).      
 
Alguns  aspectos:  
 
(1) Iniciativa  oficiosa  (art.  490º/1);  
(2) As  partes  podem  acompanhar  a  inspecção  (art.  491º);  
(3) No  final  da  inspecção,  é  lavrado  um  auto  de  inspecção  (art.  493º).  
 
As   verificações   não   judiciais   qualificadas   só   são   admissíveis   quando   se   admita   inspecção   judicial.   Assim,   a   distinção  
face  à  Inspecção:    
 
• As  verificações  são  conduzidas  por  um  técnico  ou  pessoa  qualificada;  
• Não  incluem  a  inspecção  das  pessoas,  ainda  que  possa  incidir  sobre  factos  e  coisas;    
• O  relatório  tem  força  probatória  reforçada  quando  elaborado  por  oficial  público  (art.  494º/2).    
 
14.7. PROVA  TESTEMUNHAL  
 
As   partes   podem   desistir   da   inquirição   de   testemunhas   a   todo   o   tempo   (art.   498º),   sem   prejuízo   da  
possibilidade   de   o   próprio   juiz   pretender   ouvir   uma   dessas   testemunhas.   Ex.:   autor   A   prescinde   de   todas   as  
testemunhas.  Mas  o  juiz  pode  requerer  ouvir  B,  testemunha  de  que  A  abdicou.    
 
Além  disso,  pode  haver  aditamentos  e  alterações  ao  rol  de  testemunhas  até  20  dias  antes  da  data  da  audiência  
final,  nos  termos  do  art.  598º/2.  Uma  das  questões  mais  levantadas  é  a  do  limite  de  testemunhas.  O  art.  511º  começa  a  
determinar  que  os  autores  só  podem  oferecer  10  testemunhas,  mesmo  em  caso  de  pluralidade  de  partes.  Ex.:  acção  foi  
proposta   por   A   contra   B,   pelo   que   pode   ter   10   testemunhas.   Ex.:   A   e   B   contra   C,   pelo   que,   os   dois,   em   conjunto,   só  

Página  |  63    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

podem   oferecer   10   testemunhas   –   seja   litisconsórcio,   seja   coligação.   Quanto   aos   réus   o   limite   das   10   testemunhas  
mantém-­‐se,  caso  o  réu  não  tenha  apresentado  contestação  substancialmente  diferente.  
 
Ex.:   A   contra   B.   B   pode   apresentar   10   testemunhas.   A   contra   B   e   C.   Quantas   testemunhas   pode   o   réu   oferecer?   Não   há  
resposta   fixa,   na   medida   em   que   ainda   não   sabemos   o   conteúdo   da   contestação.   Se   forem   substancialmente  
diferentes,  cada  réu  tinha  direito  a  oferecer  10  testemunhas.  Se  for  formalmente  diferente,  mas  substancialmente  
igual,  então  as  10  testemunhas  são  para  os  dois  réus.  É  este  o  regime  que  se  encontra  estabelecido  pela  lei.    
 
  Se  estivermos  perante  uma  acção  de  valor  não  superior  a  €5.000,00,  os  limites  são  reduzidos  para  metade,  i.e.,  
no  lugar  das  10  testemunhas,  são  apenas  admissíveis  5.  A  simplicidade  da  acção  permite  a  redução  das  testemunhas  
que  são  admissíveis.  Assim:  
 
(1) Regra  geral  há  10  testemunhas;  
(2) Nas  acções  de  valor  não  superior  a  €5.000,00,  há  5  testemunhas;  
(3) Se  houver  um  pedido  reconvencional,  o  autor  pode  oferecer  20  testemunhas:  
(3.1.)  10  para  o  pedido  principal;  
(3.2.)  10  para  o  pedido  reconvencional.  
 
O  juiz  pode  alargar  o  rol  de  testemunhas,  ao  abrigo  da  gestão  processual  (art.  211º/4)  
 
Rejeição   da   prova   testemunhal:   (1)   inadmissibilidade   substantiva   –   casos   que,   de   acordo   com   a   lei   civil,   não   admitem   o  
meio  de  prova  testemunhal:  arts.  393º  a  395º,  CC;  (2)  excede  o  número  de  testemunhas  admissível:  art.  511º/3.  Ex.:  A  é  
autor   e   apresenta   as   testemunhas   C,   D,   E,   F,   G   e   H.   A   lei   determina   que   o   nome   da   testemunha   que   ultrapasse   o   limite  
se  considera  não  escrito.  Ex.:  O  depoimento  de  H  seria  inadmissível,  porque  excede  o  limite  legal  das  5  testemunhas.  O  
juiz   não   rejeita   o   depoimento   no   seu   todo,   apenas   aquele   que   ultrapasse   o   limite   legal;   (3)   quando   não   indique   os  
factos  que  a  testemunha  deve  depor,  mesmo  depois  de  convite  do  juiz  (art.  503º/3).  
 
Só   nos   casos   do   503º,   em   que   estão   previstas   prerrogativas   de   inquirição,   é   que   se   deve   indicar   os   factos,  
porque  regra  geral,  não  deve  a  parte  indicar  os  factos  sobre  os  quais  a  testemunha  deve  depor  (não  é  necessário).  
 
  Quanto  ao  momento  de  inquirição  das  testemunhas:  por  regra,  são  inquiridas  na  audiência  final  e  depõe  por  
via  oral,  para  assegurar  os  princípios  da  imediação  e  da  oralidade.  Permite  proporcionar  ao  juiz  o  contacto  mais  directo  
com  a  fonte  de  prova  –  as  testemunhas  (art.  500º).    
 
Casos  de  depoimento  fora  da  audiência  final:    
 
• Inquirição  na  residência  ou  na  sede  dos  serviços  (art.  500º,  c))  –  o  PR  e  agentes  diplomatas  estrangeiros;  
• Impossibilidade  de  comparência  no  tribunal  (art.  457º,  d)).  
 
Para  que  o  requerimento  da  testemunha  depor  por  escrito  seja  admissível,  é  necessário  (1)  impossibilidade  ou  
grave   dificuldade   da   testemunha;   (2)   acordo   entre   as   partes;   (3)   autorização   do   juiz.   A   restrição   dos   casos   de  
depoimento   por   escrito   justifica-­‐se   com   base   no   princípio   da   imediação,   pois   o   juiz   perde   o   contacto   directo   com   a  
testemunha.    
 
Outros  casos  de  depoimento  escrito:  
 
• Inquirição  por  carta  rogatória  ou  precatória  (art.  500º,  b));  
• Prerrogativa  de  inquirição  (art.  503º/2);  
• Inquirição  pelos  mandatários  (arts.  500º  e  517º).  
 
Da   leitura   do   496º   resulta   que   o   autor   e   réu,   enquanto   partes,   não   podem   testemunhar.   Têm   só   ao   seu   dispor  
a  possibilidade  de  fazer  um  depoimento  de  partes  ou  declarações  de  partes.  Em  relação  ao  momento  a  regra  é  que  as  
testemunhas  são  inquiridas  na  audiência  final,  a  não  ser  que  seja  depoimento  por  escrito.  

Página  |  64    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

 
Aula  de  15  de  Dezembro  de  2016  
 
  O   juiz   pode,   na   sentença,   entender   que   certos   factos   que   na   altura   entendeu   como   provados,   afinal   não   estão  
e   que   aqueles   que   tomava   como   não   provados,   dos   quais   requereu   prova,   são,   afinal   provados.   Os   factos   que   estão  
dados  como  provados  no  momento  da  organização  dos  temas  de  prova  não  formam  caso  julgado  formal  ou  material.  
Há  duas  coisas  que  podem  acontecer:  
 
(1) O  juiz  dar  como  provados  factos  que  não  tinha  dado  como  provados  por  falta  de  prova  no  despacho  saneador,  
ou  seja,  entende  que,  afinal,  a  prova  dos  articulados  era  suficiente  para  se  dar  como  provado;  
 
(2) O   juiz   considerou   o   facto   provado   pelos   elementos   que   tinha   na   fase   dos   articulados,   mas,   no   fim   de  
julgamento,  porque  houve  outras  provas,  considera  que  se  dá  como  não  provado.    
 
Aquilo  que  é  dado  como  facto  provado  ou  não  provado  no  despacho  saneador,  por  entendimento  da  Doutrina  
e  da  Jurisprudência  maioritária,  não  forma  caso  julgado  material  ou  formal.  Há  que  ter  em  atenção  que,  apesar  
disto,   não   pode   ser   colocado   em   risco   qualquer   preceito   regulado   no   art.   574º.   O   art.   574º   tem   uma   regra  
nova,  a  parte  final  do  número  2.    
 
[Se,  quanto  a  documentos,  não  seja  feita  prova  da  sua  falsificação  –   ex.:  documento  particular  -­‐,  ou  impugnação,  estes  
são  dados  como  provados.]  
 
15.  A  SENTENÇA  
 
  A  matéria  da  sentença  está  regulada  nos  arts.  607º  a  626º.  A  sentença  começa,  nos  termos  do  art.  607º/2,  por  
identificar   as   partes   do   litígio   (objecto   do   litígio).   O   objecto   corresponde   ainda   ao   pedido   e   à   causa   de   pedido,   em  
termos   sintéticos.   As   questões   a   resolver   podem   reconduzir-­‐se   ao   objecto   do   litígio   e,   havendo   questões,   p.e.,   a  
excepções.  Ao  falar  de  questões  a  resolver  fala-­‐se  numa  espécie  de  elenco,  de  enumeração,  daquilo  que  o  tribunal  irá  
decidir.    
 
  Depois   do   relatório,   entramos   na   parte   da   fundamentação.   O   código   nada   diz   relativamente   à   breve   descrição  
do  processo,  sendo  a  sua  feitura  discricionária.  Pode  estar  ou  não,  consoante  a  vontade  do  juiz.  A  fundamentação  é  a  
parte  mais  importante  da  sentença,  a  mais  longa,  por  regra.  A  sentença  tem  de  estar  dividida:  
 
(1) Na  fundamentação  de  facto,  a  qual  subdividida  em  duas  partes:  a  lista  dos  factos  provados  e  a  motivação  dos  factos  provados;    
(2) Na  fundamentação  de  direito.  
 
 
 
 
  Factos  
Provados   Decisão  
  • Documentos  
  • Testemunhas   • Condenação  
  • Entre  Outros   • Absolvição  
  Meios  de  
  Prova   Direito  
 
 
 
 
 
Desta   feita,   primeiro   temos   o   relatório,   o   qual   incide   sobre   o   objecto   do   litígio   e   as   questões   a   resolver.   Depois,   já   num  
segundo  momento,  temos  a  fundamentação,  na  qual  se  deverá  atender  à  divisão  entre  factos  e  direito.  No  que  respeita  
à  fundamentação  de  facto,  promove-­‐se  a  lista  de  factos  provados  e  a  motivação  para  a  aprovação  desses  factos.  Já  no  

Página  |  65    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

que   respeita   à   fundamentação   de   direito,   temos   a   aplicação   do   direito,   i.e.,   das   normas   legais.   Por   fim,   em   terceiro  
lugar,  e  atendendo  ao  princípio  do  dispositivo,  é  feita  a  sentença,  ou  seja,  condena-­‐se  ou  absolve-­‐se.    
 
  O  número  4  do  art.  607º  desenvolve  mais  a  fundamentação  da  matéria  de  facto,  sendo  que  o  número  3  apenas  
refere  a  lista  dos  factos  provados.  A  fundamentação  exige  que  além  dos  factos  provados,  se  refiram  os  factos  que  se  
dão   como   não   provados.   Dependerá,   sobretudo,   da   forma   como   o   juiz   fez   os   temas   da   prova.   Não   terá   de   ser   sobre  
tudo   o   que   estava   no   articulado,   mas   sobre   aquilo   que   colocou   nos   temas   da   prova.   Quando   se   fala   em   factos   não  
provados   há   que   pensar   sempre   no   plano   dos   temas   da   prova.   Em   suma,   a   lista   dos   factos   não   provados   não   é  
exaustiva,   sendo   que,   se   assim   fosse   (que   acontecia   antes   com   a   base   instrutória),   o   processo   seria   muito   mais  
demorado.    
 
  O  número  5  merece  atenção.  O  Código  de  Processo  Civil  de  2013  fundiu  a  decisão  da  matéria  de  facto  no  plano  
da  sentença.  Até  2013,  havia  a  resposta  aos  quesitos  (questionário  no  verdadeiro  sentido  da  palavra  e  uma  resposta  ao  
mesmo,  onde  se  davam  os  factos  como  provados  ou  não  provados).  Só  depois  é  que  haviam  as  alegações  de  direito  e,  
depois,   a   sentença.   Tudo   isto   foi   fundido.   Colocou   a   questão   da   decisão   da   matéria   de   facto   ao   mesmo   tempo   da  
questão  da  matéria  de  direito.  As  alegações  de  facto  e  de  direito  fazem-­‐se  no  plano  da  sentença.    
 
Se  o  juiz  não  fizer  esta  fundamentação,  a  que  está  obrigado  nos  termos  do  código,  o  vício  da  sentença  não  será  
um   vício   de   falta   de   fundamentação,   na   medida   em   que   esta   fundamentação   tem   a   ver   com   a   maneira   em   que   se   fazia  
a  sentença  antigamente.  Para  haver  nulidade,  é  necessário  que  o  juiz  não  tenha  feito  a  lista  dos  factos  que  o  levaram  a  
ter  aquela  decisão.  Em  termos  simples,  para  haver  efectivamente  nulidade  da  sentença  é  preciso  que  o  juiz  não  tenha  
feito  a  lista  dos  factos  de  provados.  Se  não  tiver  colocado  a  sua  motivação,  há  uma  nulidade  processual  geral.  Há  uma  
baixa   do   processo   para   o   juiz   vir   comentar   os   fundamentos   (662º   -­‐   impugnação   da   matéria   de   facto   para   recurso   +  
662º/2,   d)   –   não   estando   devidamente   fundamentada,   o   tribunal   de   1ª   instância   deve   fundamentá-­‐la,   ou   seja,  
determina  que  então  o  tribunal  inferior  terá  de  fundamentar  a  matéria  de  facto).    
 
  A  decisão  ou  chamado  dispositivo,  tem  de  ter  clareza  em  dizer  que  se  julga  improcedente,  condena  ou  absolve.  
Além  disso  tem  ainda  de  condenar  em  custas.  No  nosso  processo  civil  existe  a  regra  de  que  quem  perde  o  processo,  
terá   de   pagar   as   custas.   Se   for   parcialmente   procedente   ou   improcedente;   ou   se   houver   reconvenção;   é   possível   a  
redição  das  custas,  condenando-­‐se  na  proporção  (art.  527º  e  607º/6).  
 
  Obrigação   de   o   juiz   decidir   sobre   todas   as   questões   levantadas   pelas   partes   (omissão   ou   excesso   de  
pronúncia),   nos   termos   do   art.   608º/2,   em   articulação   com   o   art.   615º/1,   alínea   d).   Existem   duas   excepções:   a   primeira  
é  para  casos  de  pedidos  subsidiários  que  só  devam  ser  analisados  caso  o  primeiro  pedido  seja  julgado  improcedente  ou  
ainda  para  casos  de  fundamentos  que  não  se  justificam;  a  segunda  para  quando  os  casos  em  que  temos  fundamentos  
com  vários  requisitos  e  um  deles  não  se  verifica.  
 
Art.  632º  -­‐  Pluralidade  de  Defesa    
(várias  causas  de  pedido  ou  excepções)  
   
A   autora   propôs   acção   com   duas   causas   de   pedido   subsidiárias;   em   relação   à   primeira   foi   julgada  
improcedente  e  a  segunda  foi  procedente  e,  por  isso,  a  autora  ganhou  a  acção  com  base  nesta.  Quem  interpõe  recurso,  
réu,  ataca  a  decisão  relativamente  ao  fundamento  da  causa  de  pedido  subsidiária.  O  autor  pode  vir  dizer  que  a  decisão  
da  primeira  instância  foi  bem  tomada,  a  causa  de  pedido  subsidiária  se  verifica,  mas  se  o  tribunal  entender  que  não  tem  
razão  de  ser,  quer  discutir  a  primeira  causa  de  pedir  julgada  improcedente  pelo  tribunal.  Pede-­‐se  ampliação  do  objecto  
do  recurso  subsidiariamente.    
 
É  possível  fazer  relativamente  a  objectos  não  apreciados  pelo  tribunal,  se  eventualmente  julgar  improcedente  
o   fundamento   que   o   tribunal   da   primeira   instância   vier   a   julgar   procedente   (665º/2).   Não   há   omissão   de   pronúncia  
porque  preenche  uma  das  excepções  do  608º/2,  havendo  recurso,  o  tribunal  superior  se  entender  que  procede,  aprecia  
questões  subsidiárias  não  apreciadas  na  sentença.    
 

Página  |  66    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

O  facto  de  a  sentença  não  se  pronunciar  sobre  certas  causas  de  pedido  ou  pedido  serem  subsidiários,  não  gera  
omissão   de   pronuncia   –   nulidade   da   sentença   -­‐,   e   não   impede   que   em   sede   de   recurso   os   pedidos   subsidiários   venham  
a  ser  analisados  e  julgados  quando  a  causa  do  pedido  principal  julgado  procedente  pela  primeira  instância  venham  a  ser  
revertidos   pela   Relação   julgada   improcedente   e   abre-­‐se   de   novo   a   questão   de   saber   se   a   subsidiária   é   ou   não  
procedente.    
 
O  613º  é  também  bastante  importante  uma  vez  que  se  refere  à  extinção  do  poder  jurisdicional  –  fica  esgotado  
o  poder  jurisdicional  do  juiz  quanto  à  matéria  da  causa  finda  a  sentença,  mas  tem  exceções  bastante  limitadas.  O  juiz  
não  pode  alterar  a  sua  decisão  a  partir  do  momento  em  que  decide,  pois  está  a  definitiva  –  pode,  contudo,  ser  alterada  
em  sede  de  recurso.  O  número  2  apresenta  exceções.  Devemos  fazer  uma  distinção  entre  recurso  que  admite  recurso  
(valor   superior   a   metade   do   valor   da   alçada   da   primeira   instância   e   metade   do   valor   da   alçada   do   tribunal   a   que   se  
recorre  –  629º)  e  não  admite  recurso.  
 
O   615º   /4   prevê   que   as   nulidades   b)   a   e)   só   podem   ser   arguidas   perante   tribunal   de   sentença   se   esta   não  
admitir  recurso  ordinário.  O  mesmo  para  a  reforme  –  616º/3  -­‐,  significa  que  apesar  das  regras  do  código  que  doa  a  ideia  
que  isto  se  lega  na  primeira  instancia,  a  verdade  é  que  a  nulidade,  reforma  da  sentença  e  retificação  são  fundamentos  
de  recurso.  Só  se  forem  processos  com  valor  inferior  a  5  mil  euros  e  sucumbência  com  valor  inferior  a  2500  euros,  é  
que  podemos  falar  disto  em  primeira  instância.    
 
MFG   considera   que   as   nulidades   da   sentença   não   deveriam   existir.   Havendo   nulidade   o   tribunal   de   recurso  
substitui   a   sentença,   corrige   o   vício.   A   última   hipótese   que   a   parte   que   perdeu   a   ação   tem   que   o   juiz   modifique   a  
sentença  é  alegado  nulidades,  mas  estas  são  bastante  raras,  por  regra  não  temos  estes  vícios  na  sentença.    
 
Retificação    
 
Erros   materiais,   lapsos   de   escrita,   omissões   quanto   ao   nome   das   partes   e   custas,   e   que   podem   ser   corrigidas   por  
iniciativa  do  juiz  ou  das  partes.  Podem  ser  corrigidas  a  todo  o  tempo.  O  recurso  interpõe-­‐se  na  1ª  instância  e  este  aceita  
ou   não   o   recurso,   verificados   os   pressupostos,   não   há   discricionariedade.   O   juiz   que   proferiu   a   sentença   profere   o  
despacho  de  recurso,  vendo  que  há  erros  materiais,  nulidades  e  reforma,  pode  fazer  despacho  em  que  corrige  (617º/1)  
–  despacho  de  suprimento.  
 
Nulidades  
   
Têm   uma   maior   importância.   São   causas   de   nulidade:   a   falta   de   assinatura   do   juiz,   falta   de   fundamentação  
(não   de   motivação   quanto   aos   factos,   é   o   607º/3   e   não   o   4),   de   factos   ou   de   direito  –   não   é   fundamentação   deficiente,  
obscura;   os   fundamentos   em   oposição   com   decisão   ou   ambiguidade   que   torne   a   decisão   ininteligível   –   não   é   a  
fundamentação!  É  preciso  que  a  própria  decisão  seja  inteligível,  não  consigo  perceber  se  é  ou  não  procedente,  não  é  
estar  mal  escrita,  tenho  é  que  perceber.    
 
Aquilo  que  o  juiz  pode  ou  não  conhecer  está  ligado  ao  objeto  do  processo,  factos  instrumentais  e  principais,  
causa  do  pedido  principalmente.    
 
A   possibilidade   de   condenação   genérica   mesmo   quando   o   pedido   não   foi   genérico   –   556º   alínea   b).   A   questão  
que   se   coloca   é   de   o   autor   ter   formulado   pedido   líquido   –   5   mil,   por   exemplo   -­‐,   mas   não   conseguir   provar   quais   os  
danos  que  resultaram  do  facto  ilícito.  Há  jurisprudência  que  entende  que  o  resultado  deve  ser  de  improcedência   –  réu  
absolvido   do   pedido.   Outra   jurisprudência   maioritária   entende   que   deve   haver   condenação   genérica   nos   termos   do  
609º/2.    
MFG   tem   dúvidas   quanto   a   isto   pois   entende   que   o   autor   tinha   possibilidade   de   fazer   pedido   genérico,   fazendo   pedido  
liquido  tem  que  arcar  com  as  consequências,  em  segundo  lugar  permite  insegurança  jurídica  pois  permite  que  o  autor  
tenha  várias  oportunidades  para  provar  os  danos  e  os  eu  valor.    
 
Causa   de   nulidades   da   sentença   são   vícios   formais   que   têm   que   ver   com   fundamentação   da   sentença   e   que  
não  havendo  recurso  podem  ser  corrigidas  pelo  juiz.    

Página  |  67    
 
Joana  Almeida,  2016-­‐2017  

 
Reforma  
 
Diz  respeito  a  outras  situações  –  616º/1.  O  número  3  diz  que  em  regra  é  feito  no  recurso.  Quanto  a  custas  e  
multas  apresenta  a  regra  errada.  O  616º  diz  que  quando  não  cabe  recurso  da  decisão  é  lícita  que  as  partes  requeiram  
reforma   da   sentença   quando   por   manifesto   lapso   do   juiz   haja   erro   na   determinação   da   norma   aplicável   ou   qualificação  
jurídica   dos   factos,   constem   do   processo   documentos   que   só   por   si   impliquem   decisão   diversa   da   proferida   –   duas  
únicas  situações  em  que  é  possível  alteração  da  sentença  pelo  próprio  juiz.  Só  é  possível  por  manifesto  lapso  do  juiz,  
porque   este   aplicou   uma   lei   que   nada   tem   que   ver   com   a   situação.   A   diferença   para   os   erros   materiais   tem  
consequência,   ao   contrário   dos   erros   materiais   que   não   têm.   São   situações   de   limite   de   processos   em   que   não   há  
recurso  e  que  há  grande  gravidade  no  erro.  Se  o  juiz  não  corrigir  ninguém  mais  o  pode  fazer  –  independência  do  juiz.  
Havendo   recurso   para   TC   o   fundamento   não   pode   ser   a   própria   sentença   ser   inconstitucional,   mas   sim   aplicação   de  
regra  ou  interpretação  de  regra  que  gere  inconstitucionalidade.    
 
Efeitos  da  sentença:  
 
(1) O  caso  em  julgado  material  (619º)  –  existe  quanto  às  decisões  de  mérito.  A  força  obrigatória  é  dentro  
e  fora  do  processo,  i.e.,  também  fora  do  processo  a  decisão  é  obrigatória.        
 
(2) Execução   da   decisão   judicial   condenatória   –   mediante   requerimento.   Nos   termos   do   CPC   a   fase  
executiva  da  sentença  ainda  se  insere  na  fase  declarativa.  
 

Página  |  68