Você está na página 1de 1

1. AÇÃO OU OMISSÃO (cria/ aumenta ou não diminui/ afasta perigo).

Es pecial dever de a gir (pura ou i mpura)

2. TIPICIDADE SUBJETIVA

D OLO (conhece e representa)


 el emento intelectual;
NEGLIGÊNCIA
 Inconsciente (não representa, mas pode);
 el emento volitivo.
 Cons ci ente (representa, mas não s e conforma).
+ emocional
- di s cussão com dolo eventual:
Fórmula positiva de Frank;
Cri téri o da motivação;
Cri téri o cognoscibilidade (i ndividual).

3. TIPICIDADE SUBJETIVA
Agente, ação, objeto, bem jurídico, resultado e imputabilidade

1. Conditio sine qua non;


2. Ca us alidade adequada;
3. Ri s co

 Causa virtual não tem relevância ≠ comportamento lícito alternativo

4. I LICITUDE (causa negativa da exclusão)


 Legíti ma defesa (32º), estado de necessidade (34º), conflito de deveres (36º) e consentimento do ofendido (38º).
 Pa ra a tenuar/ eliminar o desvalor da a ção e do resultado são precisos os elementos objetivos e s ubjetivos (conhecimento da situação justificadora).
 Qua ndo não está presente o objetivo – s ituação de erro: teoria do dolo e culpa, exclusão do dolo.

5. CULPA (técnica negativa da exclusão)


 Ini mputabilidade (19º e 20º), erro não censurável sobre a i licitude do facto (17º/1), estado de necessidade desculpante (35º), excesso de defesa em caso
de medo, s usto ou perturbação não censurável (33º/2) e obediência i ndevi da desculpante (37º).

6. PUNIBILIDADE (135 º, 151 º e 295 º/1).

7. TENTATIVA
 Dol o + prática de a ctos de execução (22º).
 Pa ra s er punível é preciso que a pena do cri me consumado seja superior a 3 a nos e quando tentativa impossível o resultado não se produza porque:
 O mei o não é i dóneo ou objeto não existe  critérios de manifesta idoneidade – teoria da impressão.

 Ca us as de isenção da pena: desistência voluntária ou consumação material i mpedida por esforço s ério (24º/2).

Na comparticipação a tentativa i nicia-se: começo da a ção, perda de controlo do i nstrumento, i nicio da execução por parte do a utor mediato e a ção do mediato
for de fa zer esperar alíneas a) e b) do 22º.

8. COMPARTICIPAÇÃO

AUTORIA PARTICIPAÇÃO
1.Di recta (por si) Instigação (26º)
2.Medi ata (intermédio) 1.Dupl o dolo;
3.Coa utoria (decisão e execução conjunta) 2.Determinação de outro à pratica do fa cto.

Puni do como a utor (cons umado negligente e o que queria


tenta do); qua ndo nã o há na forma negligente RP - como
i ns tigador a título de dolo.

Cumplicidade (27º)
- Contri buto di recto, ca usalidade em rel ação a o resultado,
a umento do ri s co de ofensa do b em jurídi co, execução ou
começo desta, dolo do autor material e dolo do cúmplice.

9. CONCURSO DE CRIMES (30 º, 77 º e 78 º)


 Verda deiro: real e ideal; e aparente: consunção, s ubsidiariedade e especialidade.