Você está na página 1de 5

A falsa caridade

A falsa caridade cristã

Meu notebook que eu utilizo para fazer meus vídeos e escrever artigos neste blog inclusive,
quebrou devido a uma queda. O disco rígido dele no caso foi danificado. E eu fiz um vídeo
sobre isso no meu canal de teologia apenas para explicar aos meus inscritos o porque não
daria continuidade a certos vídeos que eu pretendia continuar. Depois do vídeo, uma inscrita
me indagou o porque eu não fazia por exemplo, uma vaquinha dentre meus inscritos para
comprar um notebook novo ou pelo menos um HD que fosse, e a minha resposta para ela é o
motivo deste artigo, porque após anos com meus estudos teológicos eu percebi que não existe
exatamente a caridade cristã e vou explicar o porque.

Caridade e altruísmo é fazer algo em prol do próximo voluntariamente, incondicionalmente


sem esperar nada em troca. Uma esmola que você da para um mendigo na rua por exemplo,
você sabe que essa esmola você não terá de volta. Você deu porque teve dó ou piedade ou
simplesmente porque tem um bom coração e gosta de ajudar o próximo quando necessitado.
Isso é caridade. Já na maioria das igrejas, eu não vejo caridade, pelo não nas que eu frequento.
Na verdade eu vejo apenas investimento.

O Pastor geralmente quando pede ofertas aos fiéis, mesmo que sejam para auxiliar na
manutenção da igreja, eles argumentam que quem colaborar vai ter algum tipo de retorno,
quer espiritual e sobretudo material. Muitos dizem que se você colabora com a obra do senhor
o senhor vai te restituir em dobro o valor da sua oferta. Isso é praticamente um chavão em
algumas igrejas evangélicas inclusive. Restituir em dobro? Isso não é caridade é investimento.
A pessoa esta dando algum valor, investindo aquele dinheiro, espero que Deus lá do céu veja e
se sinta obrigado a reembolsar o dobro do valor que aquela pessoa investiu. Isso é
investimento, não caridade.

Se qualquer pessoa pegar um dinheiro e investir na poupança por exemplo, ela esta investindo
um dinheiro esperando render juros. Ninguém aplica dinheiro em capital sem esperar receber
nenhum retorno. Isso não existe! Por isso se chama investimento. No youtube mesmo, por
exemplo, tem um vídeo famoso do pastor Silas Malafaia onde ele, pregando a teologia da
prosperidade chama quem oferta por amor apenas de trouxa. Exatamente isso trouxa! Pois
segundo o pastor você tem que dar oferta na expectativa de que Deus vai te reembolsar
principalmente materialmente. O pastor chega a fazer uma analogia da oferta com a semente
onde quem planta tem que esperar colher.

Isso é apenas o reflexo do que pregam muitas igrejas no Brasil, as adeptas da chamada
teologia da prosperidade. O pastor Malafaia no caso prega isso, porque além de formado em
teologia ele também é formado em psicologia, e como psicólogo ele já sabe há muito tempo
exatamente isso que estou escrevendo neste artigo, que sem a promessa de um reembolso,
ninguém contribui. Eu nem o julgo por isso porque sei que na prática é assim.

Pessoas colaboram com igrejas esperando que vão adquirir um terreninho no céu, ou que
Deus vai torna-la rica nessa vida, ou que pelo menos Deus vai ver que ela ta contribuindo e
talvez ajuda-la a solucionar um problema ou outro. Ou seja, elas investem no divino.

A maior prova disso é uma história que eu já contei em artigos sobre dois pesos e duas
medidas e fiz inclusive um meme disso na época em que eu administrava minha página no
face. Quando um religioso não da esmola para um mendigo, ele alega que não da não por
avareza, mas porque acredita ou sabe que aquele mendigo irá usar a oferta para comprar
pinga. Ou seja, ele fará um mau uso do dinheiro. O mesmo religioso, quando colabora com um
pastor que faz coisas erradas, alguns até orgias, quando questionado o porque ele colabora
com o pastor, ele argumenta assim: "Ah, eu fiz a minha parte, se o pastor vai fazer o bem ou o
mal com o dinheiro aí é entre ele e Deus, a minha parte que foi ser generosa eu fiz" Ou seja,
não é o mesmo critério que a pessoa utiliza com o mendigo.

E esse critério antagônico de dois pesos e duas medidas para o mesmo caso, é justamente por
isso. A pessoa na verdade não esta colaborando com o pastor, ela na verdade acredita que
esta investindo o dinheiro e que Deus vai restitui-la por ter colaborado com a sua obra,
portanto o que o pastor fará ou faz com o dinheiro na prática não faz muita diferença. Já o
mendigo, a pessoa sabe que se colaborar o mendigo não promete para ela que Deus vai
restitui-la, ou seja, também não faz diferença o que o mendigo fará com o dinheiro, esse
argumento é meramente uma desculpa. Ironicamente eu acho bem mais fácil Deus restituir
alguém por ter ajudado a um mendigo que a um pastor.

Eu falo isso porque a bíblia toda respalda isso. Jesus mesmo disse : "Fizeste aos pequeninos a
mim fizeste" ; "Dai a todo que pede"; "A caridade é superior a toda lei" etc.... No próprio livro
do apocalipse Jesus diz que envia seus anjos para testarem as pessoas nas igrejas, exatamente
da mesma forma como a bíblia relata a destruição de Sodoma. Segundo o velho testamento,
Deus enviou dois anjos a Sodoma para verem como estava a maldade dos homens, e apesar
dos pastores atribuírem a sua destruição ao fato dos homens terem tentado violar os anjos, os
livros proféticos nos atestam que o pecado de Sodoma foi na verdade a avareza:

A avareza é condenável na bíblia tanto no velho quanto no novo testamento. No novo


inclusive, Paulo a cita em 1Corintios 6,9-10 junto com os demais pecados que segundo Paulo
não herdariam o reino dos céus, mas engraçado que a maioria só enxerga no texto as palavras
efeminados e sodomitas. Como se Paulo tivesse dito que os efeminados e sodomitas não
herdariam o reino dos céus mas os avarentos talvez.

Isso também tem uma explicação psicológica, pois a avareza é um dos defeitos
comportamentais mais difícil de se quebrar. Psicólogos já chegaram a classifica-la no mesmo
patamar de um vício. Porque o avarento não tem apego material necessariamente, ele compra
coisas e gasta normalmente. Ele tem dificuldade é de abrir mão de algum valor em prol do
outro. Como se ele fosse se sentir logrado, ou idiotizado por ter ajudado alguém, mais ou
menos assim: "Droga, eu podia ter pegado aquele dinheiro e comprado algo para mim"

Já tanto o judaísmo quanto o Islamismo, religiões Abraãmicas, definem a caridade como justiça
e critério para salvação. O dizimo inclusive tão propagado por igrejas evangélicas, nessas
religiões é chamado de justiça social para o pobre. O judaísmo diz que é para Tzedaká, justiça,
para o órfão, viúva, o estrangeiro e o necessitado. Não para enriquecer o sacerdote ou para a
obra de Deus. Deus não precisa de dinheiro humano, de suas criaturas para fazer nada, para
isso ele é Deus. Ele só instituiu o dizimo para os homens auxiliarem o menos necessitados,
basta ler a instituição do dizimo em deuteronômio. Foi para isso que ele instituiu. Agora, fala
isso para um crente!

O islamismo apesar de ter um critério diferente de salvação, eles argumentam que esmolas
ajudam na salvação justamente para fazer as pessoas darem, senão elas não dariam. No
islamismo a esmola também é para o necessitado e não para o clérigo, o islã incentiva inclusive
que seja dada a esmola diretamente ao necessitado, o que é lógico. Sobre o judaísmo vocês
podem ver também no youtube mesmo um vídeo onde o judeu Silvio santos fala acerca deste
conceito no judaísmo em um programa do tele tom. Suas palavras não são muito diferentes da
de Jesus, que também era judeu e disse: "Dai a todo que pede". Silvio chega a dizer: "Dê, com
raiva mas dê". E apesar dele usar o argumento que assim Deus aumentaria seus anos de vida,
o judaísmo só o utiliza pelo mesmo motivo que os muçulmanos, como incentivo, senão
ninguém faria caridade.

Paulo também no novo testamento, é o que mais exorta a caridade incondicional em quase
todas suas epístolas. Chega a dizer que a caridade é superior a toda a lei. O mesmo outras
religiões fazem, exortando o ser humano á caridade. mas prática.

O judaísmo também faz uma separação entre vontade e ação, onde a ação vale bem mais que
vontade. Nesse caso, um rabino uma vez falou o seguinte: Se você perguntar em uma sala de
aula ou onde tiver muitas pessoas, quem é a favor de se fazer caridade, todos vão levantar as
mãos dizendo que sim. Se você perguntar quantos ali fazem na prática, não vai ver meia duzias
de mãos. Porque vontade de fazer o bem todo mundo tem, já a ação...... Por isso que diz um
antigo ditado  popular, de boas intenções o inferno esta cheio! Não adianta vontade e
intenção sem a prática. Nenhum juíz condena ou absolve alguém por intenções, mas por
ações.

Então a maioria sabe disso, eu inclusive já escrevi sobre isso em artigos anteriores, sobre a
importância da caridade na prática. Mas a maioria só faz investimentos mesmo.

Um dos muitos motivos que me levaram a parar com teologia , foi inclusive a falta de
colaboração. No único post que eu tenho topo da página sobre conteúdo pago fui chamado de
ganancioso inclusive, por cobrar por um material que eu praticamente já disponibilizo
gratuitamente no blog. Desde quando eu comecei há anos atrás recebi muitos emails com
perguntas diversas e agradecimentos mil, mas ofertas, da pra contar nos dedos quantas
pessoas de fato colaboraram comigo até hoje. Eu ganho mais no meu canal de humor, onde
pelo menos de vez em quando eu atinjo os cem dólares mínimos do adsense.

Se eu prometesse uma benção, um lugar no céu ou garantisse que Deus iria restituir os
contribuintes, talvez eu até tivesse colaboradores, mas a pessoa que colabora que colabora
comigo sabe que eu não prometo nada disso, por isso não colaboram. Colaborar simplesmente
por altruísmo ou ajudar alguém que responde mil questões quando solicitado, não daria
nenhum retorno, e nem a esperança de que Deus restituiria, portanto não seria um
investimento, mas apenas um abominável ato de caridade. Irônico não.

E eu falo isso porque na prática, eu já tentei e nem era para mim mesmo. No começo do meu
blog que eu estava tendo muitos acessos, fiz uma campanha certa vez para ajudar uma família
que seria despejada aqui no bairro onde eu moro. Fiz um vídeo no youtube inclusive pedindo
que cada um dos meus inscritos doasse um real cada um que já ajudaria um pouco essa
família. Um real apenas. Quantos inscritos colaboraram? Nenhum sequer. Nenhum!

Porque calores não importam, como essa minha inscrita disse, inclusive ela sim colaborou
comigo, que se cada pessoa desse um real que fosse,em pouco tempo eu teria condições de
comprar um equipamento melhor ou arrumar o meu. Até porque tanto pelo banco quanto
pelo paypal não existe minimo. Mas na prática, eu já conheço esse filme.

O que eu fiz fo ficar semanas sem acesso a internet tentando recuperar meu HD. Formatei,
desfragmentei e fiz várias instalações do windows até conseguir essa que estou usando mal e
com dificuldade pois meu PC trava toda hora. Cheguei a comprar um notebook novo na loja
magazine Luiza que só me deu dor de cabeça, pois em menos de uma semana apresentou
defeito, a loja não quis trocar, a garantia não reparou e eu tive que procurar o Procom para
pedir o cancelamento da venda. Agora vai ser marcada uma audiência com um juiz e sabe lá
Deus quando isso. Fora que eu tenho trabalhado mais por conta disso porque sem a internet
eu perco meus ganhos do adsense que bem ou mal me ajudavam no orçamento.

Agora se eu fosse fazer algum pedido de ajuda das pessoas que me acompanham e seguem
meu canal, eu já sei até exatamente o que elas diriam porque eu já passei por isso. Fora os que
fossem me chamar de cão guloso, os outros diriam: "Ah, eu queria tanto poder te ajudar mas
eu não posso". Conforme eu falei, não existe minimo, até um real de alguns ajudaria. Mas a
maioria que nem eu falei, tem a intenção de ajudar, mas ação não.

Agora se eu prometesse um retorno ou reembolso, nem que seja divino, aí sim, muitos
ajudariam, mas eu não posso prometer isso e nem teria coragem de faze-lo rs Prefiro ir me
virando e trabalhando mais.

Pena que as igrejas se focam em tantas besteiras,como no comportamento alheio ou nas


criticas as outras igrejas e não se focam no ensino e exortação a caridade. Sendo que de toda a
escritura, independente de crença é o que tem de mais nobre e exaltado.

E para finalizar este artigo, como já fiz em outros, a caridade nem sempre é material. As vezes
um apoio, um carinho, uma atitude generosa, valem tanto quanto dinheiro e podem ser
igualmente uteis. Mas que nem eu falei a avareza é tão presente nas pessoas, até porque elas
não enxergam a avareza como um pecado, só os efeminados e os sodomitas, que hoje as
pessoas são avarentas inclusive para coisas que não envolvem dinheiro.

Sempre quando eu posto um vídeo no meu canal de humor por exemplo eu peço as pessoas
para avaliarem e comentarem o vídeo. Porque eu ganho por views, e cada pessoa que
comenta e avalia, o site do youtube ajuda a divulgar mais o vídeo pois entende que aquele
vídeo esta tendo atividade. E quando eu peço para avaliar não é apenas dar um like, gostei.
Um deslike também ajuda o canal pois o site entende que é uma atividade independente de
ser boa ou não. O mesmo vale para comentários. E sabe quanto custa avaliar um vídeo no
youtube, comentar ou compartilhar? R$ 0,00 essa fortuna toda!

E eu nem estou falando de dar like sem gostar de um vídeo, estou falando dar deslike também
caso não gostar. É o mesmo valor, zero. Sabe quanto demora para avaliar um vídeo? 0s E sabe
quanto pode ajudar o canal? Muito. Mas nem isso as pessoas fazem, nem por bem e nem pro
mal. Esta sendo construída uma sociedade gratuita, onde elas querem usufruir de tudo sem
colaborar com nada, nem materialmente e nem não materialmente. "Ah, faz um vídeo sobre
dizimo, sobre João, sobre sei la o que...." e nem sequer uma colaboração não material fazem.
"Ah, eu não gostei do vídeo então vou dar um deslike" nem isso! Ironicamente meu canal de
teologia tem um alcance maior devido aos haters que os que gostam do canal por incrível que
apreça.

Os que não gostam comentam, me xingam, refutam, negativam o vídeo  e mesmo sem saber
estão me ajudando a aumentar o alcance viral dos vídeos. Os que gostam e pedem outros
temas, são poucos os que avaliam e comentam. Vide o canal porta dos fundos por exemplo,
que cada vídeo que eles zombam ds cristãos eles dão um salto, porque são os próprios cristãos
raivosos que comentam que aumentam o alcançe viral do vídeo. Por isso que polêmicas dão
views.

Finalizando, por isso que eu afirmo que não existe muito a tal caridade cristã. Eu não gosto de
generalizar, mas no geral é assim. A maioria só colabora quando esperam tera algum retorno
ou reembolso, e isso não é caridade, é investimento!

Paz á todos!
Ronaldo