Você está na página 1de 6

Desenho arquitetônico

Em arquitetura o desenho é a principal forma de expressão. O desenho de arquitetura se


manifesta como um código e seu entendimento envolve um certo nível de treinamento.

O desenho arquitetônico orienta a execução da obra projetada, subsidia os projetos


complementares (projetos de engenharia), dá base para o planejamento da obra (orçamento,
cronograma, compras, etc) e deve ser aprovado na prefeitura.

Para fazer um desenho arquitetônico deve-se seguir nas normas técnicas da ABNT. A
normalização para desenhos de arquitetura tem a função de estabelecer regras e conceitos
únicos de representação gráfica, assim como uma simbologia específica e pré-determinada,
possibilitando ao desenho técnico atingir o objetivo de se representar o que se quer tornar
real.

Os projetos de arquitetura precisam ter todas as informações necessárias (gráficas e escritas)


para que se entenda o que se pretende construir.

As informações gráficas são:

I – Planta baixa: representação gráfica obtida quando imaginamos passar um corte horizontal
no projeto a 1,5m do piso do pavimento em questão, é vista de cima para baixo, tem a
representação dos elementos construtivos e a representação das informações.

Dentre os elementos construtivos tem-se as paredes (usualmente representadas por dois


traços grossos paralelos), portas (folhas da esquadria procurando especificar o movimento das
folhas, com linhas auxiliares, se necessário), janelas (mostra a linha da esquadria e a linha que
forma o peitoril), pisos (pisos impermeáveis são reticulados no desenho), equipamentos
(representado pelo número mínimo de linhas que possibilitem sua identificação), aparelhos
(para conhecimento dos posicionamentos de tais aparelhos, com vista aos projetos
complementares de engenharia).

Na planta baixa são indicados elementos julgados de importância pelo arquiteto, mas situados
acima do plano de corte ou abaixo, mas escondidos por algum outro elemento arquitetônico.
Nesse caso é representado o contorno do elemento considerado através de linhas tracejadas
curtas de espessura fina (exemplo: caixa d’água, janelas acima de 1,5m de altura, degraus de
uma escada que estão acima do plano de corte, rasgos na laje).

Dentre a representação das informações na planta baixa tem-se o nome das peças (nome de
cada ambiente), área das peças (área útil de cada ambiente indicada em metro quadrado),
níveis das dependências (cotas altimétricas, indicada em metros), cotas nas aberturas
(medidas da largura e altura das portas e portões, bem como da largura por altura sobre o
peitoril no caso das janelas), cotas gerais (medidas reais do desenho), outras informações
(dimensão de degraus, sentido de subida das escadas, etc).

II – Cortes: visa ilustrar o maior número de relações entre espaços interiores e significantes,
que se desenvolvem em altura e que por consequência não são devidamente esclarecidos em
plantas baixas. Os cortes são os desenhos em que são indicadas as dimensões verticais,
obtidos quando passamos por uma construção um plano de corte de projeção vertical,
normalmente paralelo às paredes e retiramos a parte frontal. Revela a altura dos elementos
do projeto.
III – Elevações / fachadas: são elementos gráficos componentes de um projeto de arquitetura,
constituídos pela projeção das arestas visíveis do volume sobre um plano vertical, localizado
fora do elemento arquitetônico. Antecipam a visualização externa da edificação projetada e
especificam os materiais de acabamento.

IV – Plantas de cobertura: vista principal superior, representando todos os elementos do


telhado, caimento e tamanho dos beirais.

V – Planta de localização: vista principal superior esquemática, abrangendo o terreno e seu


interior, informa onde está localizada a edificação dentro do terreno e tem a representação de
outros elementos, como vegetação presente, etc.

VI - Planta de situação: vista ortográfica principal superior esquemática que identifica o


formato, as dimensões e a localização do lote. Tem identificação do posicionamento do norte.

VII – Carimbo, selo ou legenda: contém a identificação da empresa, do profissional responsável


e do cliente; nome do projeto ou empreendimento; título do desenho; indicação sequencial do
projeto; escalas; datas; autoria do desenho e do projeto; indicação de revisão. É posicionado
dentro do quadro para desenho, no canto inferior direito.

Existem 5 etapas antes da decisão de compra: reconhecimento do problema, busca da


informação, avaliação de alternativas, escolha do imóvel e resultado. Depois de todas essas
etapas o cliente realizara a compra.

O consultor imobiliário tem que compreender as necessidades do cliente, as características do


produto e saber lidar com a resistência do cliente.

Fases do processo de venda do ponto de vista do corretor: abordagem, entrevista,


demonstração, fechamento e pós-venda.

Os contratos de corretagem podem ser:

1) Contrato de prestação de serviços com opção de venda ou de exclusividade. As etapas desse


contrato incluem a captação, a divulgação do imóvel, a demonstração do imóvel, a
documentação da venda (com proposta de compra, contrato de compra e venda, reunião da
documentação do comprador e renovação da documentação do proprietário).

2) Contrato de compra e venda;

3) Contrato de compra;

4) Contrato de locação de imóveis.

O corretor só pode fazer avaliação judicial se for credenciado no COFECI como tal, nesse caso
ele pode emitir o PTAM (parecer de avaliação técnica mercadológica). A avaliação pode ser por
comparação ou amostragens, pegando vários imóveis com características próximas e
comparando os preços. O rigor da avaliação tem vários níveis, o expedito (baseado na
experiencia do corretor), o normal (depende da homogeneização de fatoras), rigoroso
(usualmente feito por engenheiros usando vários sistemas avançados).
Preço é diferente de valor. O valor é definido por questões mais relacionadas ao imóvel em si,
como localização, dimensões e condições de conservação. O preço é o que se paga por um
imóvel, o que varia conforme o momento econômico e/ou as tendências de mercado.

No caso dos contratos de locação o locador deve entregar o imóvel em condições de uso,
fornecer os recibos de aluguel, pagar as despesas extraordinárias de condomínio, pagar os
impostos e taxas. No caso do inquilino ele deve pagar pontualmente o aluguel, utilizar o imóvel
conforme determinado, devolver o imóvel no estado em que recebeu, pagar as despesas
ordinárias.

O IGPM é o índice mais usado para o reajuste do aluguel.

Para desocupação o inquilino deve comunicar que está deixando o imóvel e se precaver
pegando o comprovante de quitação e entrega das chaves. No caso de imóvel alugado que o
proprietário queira vender é necessário oferecer primeiro ao locatário e caso esse não queira
adquirir o imóvel deve assinar

Em todo anúncio deve ter o número de inscrição no Creci.

Os recursos do FGTS e da poupança fomentam os financiamentos. No sistema de amortização


SAC as prestações são decrescentes, a amortização é constante e o saldo devedor diminui mais
rápido. A desvantagem é que a parcela inicial é maior em relação a Tabela Price. Já no sistema
de armortização Price as prestações são constantes, a amortização é crescente, o valor da
prestação é o mesmo durante o financiamento e a prestação inicial é menor em relação a
calculada pela SAC. O saldo devedor diminui mais lentamente em relação ao SAC, o valor das
prestações não diminui.

Certidão da Justiça do Trabalho:

 Acessar o site do Tribunal Superior do Trabalho (TST);


 Buscar a aba “Serviços” no topo da página;
 Escolher a opção “Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas”;
 Clicar “Emitir nova certidão”
 Inserir o CNPJ ou CPF que se pretende consultar e fazer a verificação na caixa “Não
sou um robô”;
 Clicar em “Emitir certidão”

1 - Certidão da Justiça do Trabalho- Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas (CNDT) pode ser


emitida gratuitamente na página eletrônicas do Tribunal Superior do Trabalho
(https://www.tst.jus.br) .  Buscar a aba “Serviços” no topo da página, escolher a opção
“Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas”, Clicar “Emitir certidão”, Inserir o CNPJ ou CPF que
se pretende consultar e fazer a verificação na caixa “Não sou um robô”, Clicar em “Emitir
certidão

2 - Certidão dos Cartórios de Protesto - A certidão de protesto poderá ser solicitada por


qualquer pessoa para comprovar a existência ou não de protestos em seu nome ou no nome
de qualquer pessoa física ou jurídica que deseje pesquisar. Você escolhe a cidade em que quer
fazer a busca e informa o nome completo, CNPJ ou CPF e RG da pessoa pesquisada. Pode ser
obtida nos sites https://documentonobrasil.com.br/certidao-de-protesto e
https://e.cartoriofederal.com.br/ mediante o pagamento de uma taxa e também no site. No
site https://site.cenprotnacional.org.br/login além de emitir certidões é possível fazer buscas
gratuitas por protestos (mas essa busca não tem validade legal).

Tem com pegar as certidões nos sites dos cartórios ou pessoalmente: 1° Protesto - Setor Oeste
e 2° Tabelionato de Protesto - Centro (é necessário informar nome completo, CNPJ ou
CPF e RG da pessoa pesquisada)

3 - Certidão de Distribuição Cível - É o documento fornecido pelo Tribunal de Justiça onde


consta a existência ou a inexistência de ações cíveis, em uma determinada Comarca. Para
pessoa física pode ser obtida preenchendo os nome, nome da mãe, data de nascimento e
território no link https://projudi.tjgo.jus.br/CertidaoNegativaPositivaPublica, para a emissão de
pessoa jurídica acessar o link https://projudi.tjgo.jus.br/CertidaoNegativaPositivaPublicaPJ?
PaginaAtual=1 e informar a razão social e o CNPJ.

O sistema não emitirá certidões positivas. Para esses casos, o interessado deverá dirigir-se ao
Cartório Distribuidor do Fórum local. Em casos de dúvidas o usuário deverá dirigir-se ao Fórum
mais próximo a fim de dirimi-las. Para garantir a autenticidade deste documento e evitar
fraudes, será possível verificar a sua validade a partir de um código que corresponderá ao
número de cada certidão no site: https://projudi.tjgo.jus.br/CertidaoPublica;.

4 - Certidão de Executivos Fiscais - Municipal e Estadual. É o documento fornecido pelo


Tribunal de Justiça onde consta a existência ou a inexistência de ações executivos fiscais, em
uma determinada Comarca. No estado de Goiás:
http://www.sefaz.go.gov.br/Certidao/Emissao/ Validade: 60 dias. Na cidade de Goiânia:
https://www.goiania.go.gov.br/ Validade: 30 dias;

5 - Certidão da Justiça Federal- Esse é o caso com a certidão negativa da justiça federal. O


documento, que comprova a ausência de processos cíveis ou criminais no nome do
consultante, pode ser obtido através do site do Tribunal Regional Federal do seu Estado. Basta
acessar o link https://portal.trf1.jus.br/portaltrf1/pagina-inicial.htm e fazer a solicitação
informando seu CPF.

6 - Certidão da Justiça Criminal. Pode ser obtida preenchendo o nome, o nome da mãe, data
de nascimento e informando o território no link:

https://projudi.tjgo.jus.br/CertidaoNegativaPositivaPublica?
PaginaAtual=1&TipoArea=2&InteressePessoal=S

 IMOVEL USADO VENDA AVISTA

 Para a compra de um imóvel usado avista primeiramente precisa da Escritura do


Imóvel. Para a compra avista precisamos  validar legalmente o acordo feito entre o
vendedor e o comprado provando o ato jurídico entre si firmado no tabelionato de notas
do município  aonde esta localizado o Imóvel com duas testemunhas para ter efeito
perante terceiros na escritura conta objetivo, o valor acordado forma de pagamento as
multas os prazo e as datas de entregas das chaves. E em seguida o registro de Imóveis,
documento que de acordo com a lei efetiva transação entre quem vende e quem adquiri
atestando que a propriedade passa a pertencer ao comprador ao comprador.
    Declaração de quitação condominial serve para testar  que o antigo proprietário esta
deixando as taxas em dias. Em uma vez que a transação seja finalizada se houver
dividas antigas ou atrasos, e o novo dono que arcara com elas mediante a nossa
legislação. Certidão fiscal IPTU antes efetivar a compra da unidade avista e preciso
pedir uma certidão negativa  de ônus reais e uma  certidão negativa de IPTU esse
documento são solicitado junto a prefeitura da cidade na qual a casa ou apartamento
estão localizada em alguns locais pode ser feito pela internet.

  documento do vendedor e preciso e importante que ele aprende copias de sua


identidade (RG)  e do seu cpf ( cadastro de pessoa física ) além de comprovante de
residência e de estado civil também verificar as certidão negativas se ações civis, na
justiça federal, estadual municipal de protesto de titulo e de intedição, curaleta ou
cautela. São este os documentos para compra de Imóveis a vista.

   

       IMÓVEL USADO VENDA FINANCIADA

  a venda do imóvel com financiamento ativo pode ser realizada com pagamento avista
ou por meio de um parcelamento feito pelo novo comprador quando o Imóvel e
financiado ele e chamado de alienação fiduciária cujo credor e o banco financiador  isto
significa que o bem não fica em nome do comprador original mas da instituição que o
financiou desta forma na venda deste Imóvel serra necessário a participação da
instituição  financeira no caso de pagamento avista ou parcelado diretamente com
comprador original do Imóvel o primeiro passo e que quitar o saldo devedor. após a
quitação do Imóvel será emitida uma carta declarado que o bem se encontra livre de
quaisquer ônus e débitos este documento devera ser averbado no cartório de Imóveis
para liberação do gravame de alienação  fiduciári na matricula do Imóvel com essa
liberação o comprador terá direito sobre o Imóvel assim poderá ser lavrada e registrada
uma nova escritura pública de compra e venda transação que ele ira transferir o Imóvel
quitado ao novo comprador. Ao vender o imóvel o comprador original recebera somente
a diferença entre o valor da venda e o saldo devedor já que uma parte do recurso foi
utilizada para quitar o boleto final emitido pelo Banco.

  Também e possível compra e venda de um imóvel com financiamento ativo por meio
de consorcio Imóbiliário, transferência de Imóveis ou uso de crédito do fundo de
garantia do tempo de serviço (fgts) em todas essas situaçães o procedimento e muito
parecido.

                 IMÓVEIS NA PLANTA FINACIADO 

   Compra financiada de Imóvel na planta e composta por duas etapas pré e pós entrega
das chaves durante o período de execução das obras que gira em torno de 16 a 36 meses
o comprador pagara apenas os valores de entrada e as primeiras  parcelas do imóvel.
Outra diferença em relação ao financiamento convecional e que antes da data de entrega
das chaves a construtora não poderá cobrar juros em decorrência do pagamento
parcelado sendo aplicada somente coreção monetária com base no incc após a entrega
das chaves o comprador devera decidir se pagara avista o saldo restante ou se opitar
pelo um escolha financiamento. Essa escolha também pode ser feita no ato da compra e
assinatura do contrato antes da entrega das chaves.

Você também pode gostar