Você está na página 1de 5

Resenha: 

O Patrimônio como Categoria... OLIVEIRA 

RESENHA: O Patrimônio como Categoria do Pensamento,


de José Reginaldo Santos.
d.o.i. 10.13115/2236-1499.2013v1n10p287
Emanoel Magno Atanásio de Oliveira 1

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. O patrimônio como


categoria de pensamento. In. ABREU, Regina; CHAGAS, Mário
(orgs.). Memória e patrimônio: ensaios contemporâneos. 2ª ed.
Rio de Janeiro: Lamparina, pp.25-33, 2009.

José Reginaldo Santos Gonçalves é professor de


Antropologia Cultural do PPGSA - Programa de Pós-Graduação
em Sociologia e Antropologia do instituto de Filosofia e Ciências
Sociais (IFCS) da Universidade Federal do Rio de Janeiro
(UFRJ) e doutor pelo Departamento de Antropologia da
Universidade da Virgínia (Estados Unidos). Autor do livro, “A
retórica da perda: os discursos do patrimônio cultural no Brasil”,
o qual foi sua tese de doutoramento, onde faz uma análise dos
discursos sobre o patrimônio no Brasil desde quando as primeiras
políticas sobre o patrimônio foram constituídas e instauradas no
país.
Ao iniciar sua definição do objeto e o seu recorte
teórico-metodológico do qual pretende discorrer no decorrer da
                                                            
1
  Estudante  de  Mestrado  em  Antropologia  pelo  PPGA,  da  Universidade  de 
Federal de Pernambuco – UFPE. Graduado em Licenciatura em História pela 
Universidade de Pernambuco – UPE – Campus Garanhuns.  
Revista Diálogos – N.° 10 – Novembro de 2013  287
Resenha: O Patrimônio como Categoria... OLIVEIRA 

análise, o autor conceitua analiticamente o patrimônio como uma


categoria do pensamento Ocidental moderno, diferentemente das
categorias comuns à tradição antropológica, ou melhor, as
categorias da Antropologia clássica. Faz também um
questionamento quanto ao uso e, em que medida a categoria
“patrimônio” está presente em sistemas de pensamento “não
modernos” onde os contornos semânticos e/ou culturais seriam
totalmente distintos. Podemos falar que o termo “patrimônio”
está presente no cotidiano, afirma ele; e acrescenta:

Falamos dos patrimônios econômicos e


financeiros, dos patrimônios imobiliários;
referimo-nos ao patrimônio econômico e
financeiro de uma empresa, de um país, de
uma família, de um indivíduo; usamos
também a noção de patrimônios culturais,
arquitetônicos, históricos, artísticos,
etnográficos, ecológicos, genéticos; sem falar
nos chamados patrimônios intangíveis, de
recente e oportuna formulação no Brasil
(GONÇALVES, 2009: p.25).

Podemos depreender que a categoria ou o terno


patrimônio é tão antigo quanto os usos e atribuições ao mesmo.
Ela fez parte do mundo clássico e também medieval, aquilo ao
qual foi posto pela modernidade nesse sentido, foi apenas os seus
conteúdos semânticos, mas o seu surgimento fez parte de certa
maneira até das sociedades “primitivas 2 ”. Suas características
marcaram e marcam a vida em sociedade e a sua importância foi
marca distintiva dessas sociedades. O colecionamento como uma
verdadeira categoria, pode nesse caso traduzir esse processo de
                                                            
2
  Não  se  utilizou  esse  termo  no  sentido  de  categorizar  aquelas  sociedades 
enquanto inferiores ou menores do ponto de vista cultural, mas no sentido de 
sociedades “remotas”, longínquas no tempo histórico.   
Revista Diálogos – N.° 10 – Novembro de 2013  288
Resenha: O Patrimônio como Categoria... OLIVEIRA 

constituição de patrimônio, embora todo grupo social exerça esse


tipo de atividade – a de colecionar –, nem todos os grupos ou
sociedades o constituem com um propósito firme de colecionar
bens patrimoniais, ou até reuni-los; algumas sociedades a
utilizam como processo de redistribuição; o autor nesse momento
cita Malinowski e o kula trobiandês, Mauss e o potlach
americano.
Para Gonçalves é necessário transitar com o termo ou
categoria de forma analítica por vários mundos culturais e sociais,
utilizando-se – até onde metodológica e teoricamente for viável –
de métodos comparativos com épocas passadas ou sociedades
distintas. Dito de outro modo, em contextos distintos do da
sociedade Ocidental moderna. Ou pelo menos estranha a ela.
Enquanto uma categoria histórica, e constituída historicamente, o
patrimônio cultural é o resultado de processos e procedimentos
transitórios que estão sempre em transformação e não são de
modo algum imutáveis, pelo próprio caráter transitório da
história. E como o próprio autor define: “A categoria
‘patrimônio’, tal como é usada na atualidade, nem sempre
conheceu fronteiras tão bem delimitadas” (Idem, p.27); mas
diversas dimensões são e foram dadas sobre esse conceito em
outros contextos que não o Ocidental moderno. Um importante
papel desempenhado por aqueles que lidam com essa categoria é
a não naturalização do conceito e muito menos a imutabilidade do
mesmo, pelo próprio dinamismo do social e do cultural.
“Pensamos que são naturais” (Idem), como diz o autor, mas são
na realidade construções históricas. E amplo é o seu modo de usá-
lo, pois não é tão delimitado o quanto se pensa. Em outros
contextos são outros conceitos e variados são os modos de
concebê-lo, e interpretá-lo.
No entanto, como adverte Gonçalves, é necessário tomar
certos cuidados ao utilizarmos a categoria patrimônio,
principalmente a que se refere ao “patrimônio imaterial ou
intangível”. Algumas concepções precisam ser esclarecidas do
Revista Diálogos – N.° 10 – Novembro de 2013  289
Resenha: O Patrimônio como Categoria... OLIVEIRA 

ponto de vista do observador e do nativo. Ao citar um exemplo de


uma pesquisa que ele (o autor) vem realizando (ou realizou),
sobre a Festa do Divino Espírito Santo entre os imigrantes
açorianos, relata os conflitos existentes entre os próprios nativos,
sacerdotes e até mesmo os intelectuais e pesquisadores que se
voltam quanto à representatividade da festa e seu possível
registro como patrimônio intangível. Ao tratar do impasse afirma:
“[...] é preciso não naturalizá-la e impor àquele conjunto um
significado peculiar e estranho ao ponto de vista nativo” (Idem,
p.30). Em outras palavras, o pesquisador não deva ficar neutro ou
se omitir de seu posicionamento; teoria e método irão contribuir
para a tomada de sua posição. Se não é possível tombar os sete
dons do Espírito Santo, relata o autor, mas é possível preservar a
partir do registro e acompanhamento, os objetos, lugares, festas e
conhecimentos culinários (Idem).
Com essas novas atribuições à categoria “Patrimônio
Cultural” ficam evidente a importância que os antropólogos e a
moderna noção de Antropologia Cultural exercem entre aqueles
que são responsáveis, assim como detém as atribuições de
lidarem com o tombo e registro do patrimônio no Brasil. A
categoria “intangibilidade” traz um novo horizonte de noções e
ideias sobre a categoria “patrimônio” e seu consequente
alargamento, e nessa empreitada os antropólogos são aqueles que
mais estão à frente – nesse momento – dessa renovação do
conceito e porque não dizer de sua ampliação. E como afirma
Gonçalves, talvez seja porque – esse atual protagonismo dos
antropólogos referente ao patrimônio no Brasil – a categoria
patrimônio resida na ambiguidade da noção antropológica de
cultura, que está exposta permanente às mais diversas
interpretações nativas (Idem). É nesse sentido que a categoria
Patrimônio Cultural deve ser pensada enquanto uma categoria
etnográfica, porque sempre tomando o outro como parâmetro de
suas análises. Fica evidente a importância, bem como a
responsabilidade dos antropólogos nessa não tão simples tarefa de
Revista Diálogos – N.° 10 – Novembro de 2013  290
Resenha: O Patrimônio como Categoria... OLIVEIRA 

registro e tombo dos inúmeros patrimônios existentes no país.


Fica também claro o cuidado que se deve ter – após o
alargamento da categoria Patrimônio Cultural – quanto à própria
banalização do termo, quando tudo ou qualquer “coisa” pode se
tornar ou vir – segundo o próprio discurso – a ser patrimônio.
Um texto indispensável aos pesquisadores e estudiosos
do Patrimônio Cultural, seja de qualquer área do conhecimento,
como também para aqueles que lidam e/ou trabalham com
representações culturais e/ou artísticas; servindo de reflexão e
crítica a qualquer categorização simplista ou reducionista do
termo Patrimônio.

Revista Diálogos – N.° 10 – Novembro de 2013  291