Você está na página 1de 1

A FAMÍLIA DA TERRA

Queridos irmãos e irmãs, terrenos.


A aceitação, a humildade, a simplicidade, não “da boca para fora”, mas vinda da alma, é
um processo, que não é tão simples quanto parece.
Se estais na Terra, todos indistintamente, é porque há dívidas, resgates, aprendizagens
para ser finalizadas, para ser concretizadas.
Muitos de vós, noutras encarnações, foram “Deuses e Deusas”; outros foram submissos,
escravos, serviçais dos Deuses, mas todos regressam seguindo o fluxo da Roda de
Samsara, para resgates, para correções do Ego humano. Muitas dessas informações estão
contidas, inclusivé no vosso ADN.
Lidar com estas questões, não é fácil e exige uma aprendizagem constante, pois mesmo
dizendo que aceitamos, muitas vezes, as nossas almas, com aquele instinto de
superioridade, não aceitam.
A aprendizagem daqueles que um dia foram Deuses e Deusas não é fácil. Imagine um
serviçal, aquele que um dia lavou os seus pés, beijou os seus pés, limpou as suas fezes,
limpou o seu sangue, o seu suor, transmitir-lhe informações, orientações na existência
presente.
Estas memórias celulares de superioridade, gritam, é muito difícil, exigem muita aceitação;
não aceitação da boca, mas aceitação de alma; estar inteiramente, integralmente, com os
pés na Terra no Aqui e Agora.
Muitos “Deuses e Deusas” assumiram, nesta existência, uma posição de comando, uma
posição de responsabilidade, e novamente, aqueles que foram “os seus serviçais”
assumem o papel de multiplicadores.
A lição de humildade, de simplicidade, é para TODOS, indistintamente. Deve levar-se em
conta, igualmente, que cada um tem o seu projecto, tem a sua missão de vida individual,
tem a sua aprendizagem individual.
Somos seres da mesma fonte, somos seres universais, mas cada um de nós, tem o seu
QUANTUN para ser resgatado, a longo de várias e muitas, muitas existências. Ninguém é
perfeito, ninguém pode ser julgado, aceitem-se, aceite que são um ser limitado, um ser em
constante aperfeiçoamento de amor, por tudo e por todos, mas não esqueçam, que a vossa
essência é divina, que vós sois das estrelas.
A muitos de vós, não é permitido manter a memória do que foram noutras existências,
para não inflamar o seu Ego terreno, e outros, para não se sentirem inferiores; porque o
propósito de melhorar e de evoluir, como seres divinos que são, em alma, é para todos os
irmãos.
Aceitar as fraquezas, as inseguranças, o que somos, o que fomos, faz parte da
aprendizagem de cada um de nós.
Vós sois deuses na Terra, vós sois Seres Divinos, sigam sempre pelo caminho do Amor, o
Amor profundo das suas Almas. Aceitar-se com todas as suas imperfeições humanas, mas
nunca esquecer que o aperfeiçoamento, a humildade, o verdadeiro Amor, faz parte da
vossa aprendizagem.
“Muitos são chamados, poucos os escolhidos” e poucos também assumem e aceitam a
missão que têm de vida, de coração aberto.
Agradecemos pelo contacto, somos imensamente gratos, pela irmã que está a servir de
ponte, entre nós e os irmãos da terra. Essa mensagem é encaminhada pelo povo das
Plêiades e pela vossa família estelar de Arcturos.