Você está na página 1de 22

ESTATUTO Organização da Sociedade Civil

de Interesse Público - OSCIP


PROJETO S.A - Servir e Amar

TÍTULOT

DA DENOMINAÇÃO, SEDE DURAÇÃO DO FORO, DOS


OBJETIVOS E DA
FINALIDADE

CAPÍTULOT

DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE, DA
DURAÇÃO E DO FORO

Art. 1. O “PROJETO S.A - SERVIR E AMAR" também designado


pela sigla, PROJETO S.A, constituído em 25 de julho de 2014, sob a forma de
Associação, é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins
lucrativos, e duração por tempo indeterminado, com sede e foro em
Brasília/DF, na QNL 09, Bloco E, casa 04, Taguatinga Norte, regendo-se
pela legislação aplicável e pelas normas deste Estatuto.

Parágrafo único: O “PROJETO S.A” não tem cunho político


partidário e não está ligado, filiado, patrocinado ou subordinado a
nenhum organismo específico.

CAPÍTULO II DOS
OBJETIVOS E
FINALIDADES

Art. 2. O PROJETO S.A tem em conformidade com o previsto


no art. 3° da Lei 9.790/99, como objetivos e finalidades apoiar,
pesquisar, desenvolver e potencializar ações para a defesa, elevação e
manutenção da qualidade de vida do ser humano e do meio ambiente, através
das atividades de educação complementar e qualificação profissional,
saúde preventiva, especial e ambiental.

$1 Para a consecução de suas finalidades, o “PROJETO


S.A” poderá sugerir, promover, colaborar, coordenar ou executar
ações e projetos visando: 1 - A criação de outras associações em outras
regiões do país e do exterior, inclusive através da mobilização de
entidades governamentais e organizações não-governamentais nacionais e
internacionais; II - Execução programas de qualificação profissional do
trabalhador e a inclusão da pessoa portadora de deficiência no
mercado de trabalho
através da educação, do resgate de conhecimentos tradicionais,
do artesanato, do saber científico, da democratização e acesso à
tecnologia de informação;

Digitalizado com
CamScanner

excedentes operacionais, brutos ou líquidos, dividendos,


bonificações, participação
ou parcelas do seu patrimônio,
auferidos mediante o exercício de suas atividades, e os aplica
integralmente na consecução do seu objetivo social.

Art. 3. No desenvolvimento de suas atividades, PROJETO S.A


observará os princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade,
publicidade, economicidade e da eficiência e não fará qualquer
discriminação de raça, cor, gênero ou religião.

Parágrafo único. Para cumprir seu propósito o “PROJETO S.A"


atuará por meio da execução direta de projetos, programas ou
planos de ações, por meio da doação de recursos físicos, humanos e
financeiros, ou prestação de serviços intermediários de apoio a outras
organizações sem fins lucrativos e a órgãos do setor público que atuam em
áreas afins.

Art. 4. O PROJETO S.A terá um Regimento Interno que,


aprovado pela Assembléia Geral, disciplinará o seu funcionamento.

Art. 5. A fim de cumprir sua(s) finalidade(s), a Instituição se


organizará em tantas unidades de prestação de serviços, quantas se
fizerem necessárias, as quais se regerão pelas disposições
estatuárias.

TÍTULO
II

DA CONSTITUIÇÃO SOCIAL, DOS DIREITOS


E DEVERES, DA RETIRADA
E EXCLUSÃO DOS
SÓCIOS

CAPÍTULOT DA
CONSTITUIÇÃO
SOCIAL

Art. 6. O PROJETO S.A é constituído por número ilimitado de sócios,


distribuídos nas seguintes categorias: fundadores, efetivos,
colaboradores e beneméritos.

CAPÍTULO
II
DOS DIREITOS
DOS SÓCIOS

Art. 7. São direitos dos sócios quites com


suas obrigações sociais:
| - Participar de todas as atividades
associativas;
II - Propor a criação e tomar parte em comissões e grupos de
trabalho, quando designados para estas funções.
- Apresentar propostas, programas e projetos
III

de ação para o “PROJETO S.A”.

Digitalizado com
CamScanner

CAPÍTULO
III
DA ASSEMBLÉIA
GERAL

Art. 12. A Assembléia Geral, órgão soberano da Instituição se constituirá dos


sócios em pleno gozo de seus direitos estatutários.

Art. 13. Compete à Assembleia Geral: | - eleger a Diretoria e o Conselho


Fiscal; 11 - decidir sobre reformas do Estatuto, na forma do
art. 47; 01 - decidir sobre a extinção da Instituição, nos termos do
artigo 46;
IV - decidir sobre a conveniência de alienar, transigir, hipotecar ou
permutar bens patrimoniais;
V-aprovar o Regimento Interno;

Art. 14. A Assembléia Geral se realizará, ordinariamente,


uma vez por ano para:
| - Apreciação e aprovação do Balanço Anual e demais
relatórios financeiros do exercício anterior, e o Orçamento e Plano Anual de
Trabalho para o novo exercício;
11 - Nomeação dos membros dos Conselhos Consultivos e
Fiscal; III - Nomeação ou destituição do Diretor
Executivo IV - Deliberação sobre a admissão de
novos associados; V - Deliberar sobre a reforma e
alterações do Estatuto;
VI - Deliberar sobre a extinção da Associação e a
destinação do patrimônio social;
VII - Deliberar sobre casos omissos e não previstos
neste Estatuto.

Art. 15. A Assembléia Geral se realizará,


extraordinariamente, quando convocada:
1 - pela Diretoria; 11 -
pelo Conselho Fiscal;
III - por requerimento de metade dos sócios quites com
as obrigações sociais.

Art. 16. A convocação da Assembleia Geral, ordinária ou


extraordinariamente, dar-se-á através da carta registrada endereçada a todos
os associados, e com antecedência mínima de 15 (quinze) dias
úteis.

Art. 17. A instituição adotará práticas de gestão administrativa,


necessárias e suficiente, a coibir a obtenção, de forma individual ou coletiva,
de benefícios e vantagens pessoais, em decorrência da
participação nos processos decisórios.
CAPÍTULO III

DA
DIRETORIA

Digitalizado com
CamScanner

x - Elaborar o Regimento Interno e o Organograma Funcional do


"PROJETO S.A”, e submetê-lo a apreciação e aprovação da Assembleia
Geral;
XI - Convocar o Conselho Fiscal, sempre que julgar necessário; XII -
Presidir as Assembleias Gerais;
XIII - Exercer outras atribuições inerentes ao cargo, e não
previstas expressamente neste Estatuto.

CAPÍTULO
V
DO DIRETOR
ADMINISTRATIVO
Art. 22. Compete ao Diretor
Administrativo:
III - Celebrar convênios e realizar a filiação do “PROJETO
S.A” a instituições ou organizações congêneres, por delegação
do Presidente;
IV – Elaborar, apresentar e executar Projetos e trabalhos que
serão avaliados pela Direção em Assembleia.
CAPÍTULO VI DO DIRETOR DE
COMUNICAÇÃO E MARKETING

Art. 23. Compete ao Diretor de Comunicação e Marketing: 1 - secretariar as


reuniões da Diretoria e da Assembléia Geral e redigir as
atas
; 11 - publicar todas as notícias das atividades da
entidade.

III – Atualizar, acompanhar, monitorar e divulgar as informações e


Projetos nas redes sociais que o Projeto S.A utiliza.

CAPÍTULO
VII

DO DIRETOR
FINANCEIRO

Art. 24. Compete ao Diretor


Financeiro:
1 - arrecadar e contabilizar as contribuições dos associados,
rendas, auxílios e donativos, mantendo em dia a escrituração da Instituicão:
11 - pagar as contas autorizadas pelo Presidente;
* III - apresentar relatórios de receitas e despesas, sempre que
forem solicitados; pre IV - apresentar ao Conselho Fiscal a escrituração da
Instituição, incluindo os relatórios de desempenho financeiro e contábil e
sobre as operações patrimoniais realizadas;
V - conservar, sobre sua guarda e responsabilidade, os
documentos relativos à tesouraria;
VI - manter todo o numerário em estabelecimento
de crédito.
Digitalizado com
CamScanner

VII. Pelos usufrutos que lhe forem


constituídos;
Vill. Pelas rendas auferidas de seus bens patrimoniais, as receitas de qualquer
natureza, as provenientes da venda de publicações e produtos, remuneração de
trabalhos técnicos, resultado das atividades de outros serviços que
prestar;

IX. Por outras rendas eventuais


etc.
Parágrafo Primeiro - O exercício financeiro coincidirá com o
ano civil.
Parágrafo Segundo - O plano geral de contas discriminará as
receitas, despesas e demais elementos de forma a permitir as avaliações
financeiras, patrimoniais e de resultados do “PROJETO S.A".

CAPÍTULO X

DO
PATRIMÔNIO
Art. 28. O patrimônio do PROJETO S.A será constituído de
bens móveis, imóveis, veículos, semoventes, ações e títulos da
dívida pública.
Art. 29. No caso de dissolução da instituição, o respectivo
patrimônio líquido será transferido a outra pessoa jurídica qualificada nos
termos da Lei 9.790/99, preferencialmente que tenha o mesmo
objetivo social.
Art. 30. Na hipótese da Instituição obter e, posteriormente,
perder a qualificação instituída pela Lei 9.790/99, o acervo patrimonial
disponível, adquirido com recursos públicos durante o período em que
perdurou aquela qualificação, será contabilmente apurado e transferido a
outra pessoa jurídica qualificada nos termos da mesma Lei,
preferencialmente que tenha o mesmo objetivo social.

CAPÍTULO
XI

DO REGIME
FINANCEIRO

Art. 31. O exercício financeiro do


“PROJETO S.A” encerrar-se-á no dia 31 de
Dezembro de cada ano.
Art. 32. As demonstrações contábeis anuais serão
encaminhadas dentro dos primeiros sessenta dias do ano seguinte à
Assembléia Geral, para análise e aprovação.

Art. 33. A assinatura dos documentos fiscais, bem


como abertura de contas em bancos, sua respectiva
movimentação (assinatura de cheques), será realizada em conjunto
pelo Presidente do “PROJETO S.A” e pelo Tesoureiro,

Digitalizado com CamScanner

Art. 40. O conselho fiscal ou órgão equivalente terá


competência para opinar sobre os relatórios de desempenho financeiro
e contábil, e sobre as operações patrimoniais realizadas, emitindo
pareceres para os organismos superiores da entidade.
Art. 41. Na hipótese do “PROJETO S.A” perder a qualificação
instituída pela LEI No 9.790, de 23 de março de 1999, o respectivo acervo
patrimonial disponível, adquirido com recursos públicos durante o
período em que perdurou aquela qualificação, será transferido à
outra pessoa jurídica qualificada nos termos desta Lei,
preferencialmente que tenha o mesmo objeto social.
Art. 42. Haverá possibilidade de se instituir remuneração
para os dirigentes da entidade que atuem efetivamente na gestão
executiva e para aqueles que a ela prestam serviços específicos,
respeitados, em ambos os casos, os valores praticados pelo
mercado, na região correspondente a sua área de atuação.
Art. 43. O “PROJETO S.A” observará as normas
de prestação de contas, que determinarão, no mínimo:
1 - A observância dos princípios fundamentais de
contabilidade e das Normas Brasileiras de Contabilidade;
11 - Que se dê publicidade por qualquer meio eficaz, no
encerramento do exercício fiscal, ao relatório de atividades e das
demonstrações financeiras da entidade, incluindo-se as certidões
negativas de débitos junto ao INSS e ao FGTS, colocando-os à
disposição para exame de qualquer cidadão;
III - A realização de auditoria, inclusive por auditores
externos independentes se for o caso, da aplicação dos
eventuais recursos objeto do termo de parceria conforme previsto
em regulamento;
HIV-A prestação de contas de todos os recursos e bens de origem
pública recebida pelas Organizações da Sociedade Civil de Interesse
Público será feita conforme determina o parágrafo único do art.
70 da Constituição Federal
Art. 44. É permitida a participação de servidores públicos na
composição de conselho de Organização da Sociedade Civil de
Interesse Público, vedada à percepção de remuneração ou
subsídios, a qualquer titulo.

Art. 45. É vedada ao “PROJETO S.A”, como Organização


da Sociedade Civil de Interesse Público a participação em
campanhas de interesse político partidário ou eleitorais, sob
quaisquer meios e formas.

CAPÍTULO
XIV
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 46. O
PROJETO S.A será dissolvido por decisão da Assembleia
Geral Extraordinária, especialmente convocada para esse fim,
quando se tomar impossível a continuação de suas atividades,

Digitalizado com CamScanner

III - Promoção da geração de trabalho e renda comunitários, através


do ensino de práticas produtivas cooperativistas e associativistas
de valor cultural elou econômico; IV - Fomento de ações que contribuam para
manter viva a memória cultural popular relacionada com os usos, costumes
e tradições da diversidade cultural brasileira, promoção da arte e
cultura, incentivo à educação artística, direcionada, principalmente,
aos jovens e adolescentes, explorando seu potencial, por meio da
divulgação, premiação e exposição de resultados e da defesa e
conservação do patrimônio histórico e artístico; V - Promoção de
intercâmbio com entidades científicas, de ensino e de
desenvolvimento social, nacionais e internacionais, bem como o
desenvolvimento de estudos e pesquisas, desenvolvimento de
tecnologias alternativas, produção e divulgação de informações e
conhecimentos técnicos e científicos; V - Execução de serviço de
radiodifusão sonora, com finalidade educativa, artística, cultural e
informativa, respeito aos valores éticos e sociais, em beneficio
do desenvolvimento geral da comunidade, mediante concessão,
permissão ou autorização de exploração de radiodifusão
comunitária de acordo com a legislação específica. VII - Promoção da
assistência social às minorias e excluídos, desenvolvimento
econômico e combate à pobreza; VIII - Promoção gratuita da educação e
da saúde incluindo prevenção de HIV AIDS, DST e consumo de
drogas; IX - Preservação, defesa e conservação do meio
ambiente e promoção do desenvolvimento sustentável; X -
Promoção do voluntariado, de criação de estágios e colocação
de treinandos no mercado de trabalho; XI - Experimentação, não
lucrativa, de novos modelos sócio-produtivos e de sistemas de produção,
comércio, emprego e crédito; XII - Promoção de direito das pessoas
portadoras de deficiência, dos direitos da mulher e da criança,
assessoria jurídica gratuita e combate a todo tipo de
discriminação sexual, racial e social, trabalho forçado e infantil; XIII
- Promoção da ética, da paz, da cidadania, dos direitos humanos,
da democracia e de outros valores universais. XIV - Promoção de
ações e eventos que incentivem o desporto e a cultura em geral,
principalmente na edição e lançamento de livros, coletâneas
musicais e festivais de cinema.

CAPÍTULO III DOS SÓCIOS


Parágrafo único. O PROJETO S.A não distribui entre os seus
sócios ou associados, conselheiros, diretores, empregados
ou doadores eventuais

Digitalizado com
CamScanner
IV - Ter acesso a todos os livros de natureza contábil e financeira, bem
como os planos, relatórios, prestações de contas e resultados de
auditoria independente.

CAPÍTULO III

DOS DEVERES DOS


SÓCIOS

Art. 8. São deveres dos


sócios:
1 - Observar o Estatuto, regulamentos, regimentos,
deliberações e resoluções dos órgãos da sociedade:
II - acatar as decisões da Diretoria. III - Cooperar para o
desenvolvimento e maior prestigio do “PROJETO S.A” e
difundir seus objetivos e ações.

CAPÍTULO
III
DA RETIRADA E EXCLUSÃO
DOS SÓCIOS

Art. 9. Requisitos para admissão, demissão e


exclusão dos sócios:
1-O sócio que quiser se retirar do “PROJETO S.A”,
deve enviar comunicação expressa à Diretoria;
11 – A exclusão de sócios somente dar-se-á por decisão da
Diretoria do "PROJETO S.A”, diante de comportamento considerado
inadequado e incompatível com os objetivos e finalidades da
organização.

Art. 10. Os sócios não respondem, nem mesmo


subsidiariamente, pelos encargos da Instituição.

TÍTULO
III

DA ORGANIZAÇÃO
ADMINISTRATIVA

CAPÍTULO
I DOS
ÓRGÃOS

Art. 11. O PROJETO S.A será


administrado por: 1 - Assembleia Geral; 11
– Diretoria Executiva; III - Conselho

Parágrafo
único.
A Instituição remunera seus dirigentes que efetivamente
atuam na gestão executiva e aqueles que lhe prestam serviços
específicos, respeitados, em ambos os casos, os valores praticados
pelo mercado na região onde exerce suas atividades.

Digitalizado com
CamScanner
Art. 18. A Diretoria será constituida por um
Presidente, Diretor Administrativo, Diretor de Comunicação e Marketing e
Diretor Financeiro.
$1o O mandato da Diretoria será de 4 (Quatro) anos,
podendo ou não ser reeleita.

$2° Não poderão ser eleitos para os cargos de diretoria da


entidade os sócios que exerçam cargos, empregos ou funções
públicas junto aos órgãos do Poder Público

Art. 19. Compete à Diretoria:


1 - elaborar e submeter à Assembleia Geral a proposta de
programação anual da Instituição;
II - executar a programação anual de atividades da Instituição;
III - elaborar e apresentar à Assembleia Geral o relatório
anual;
IV - reunir-se com instituições públicas e privadas para
mútua colaboração, em atividades de interesse comum;
V- contratar e demitir
funcionários;
Art. 20. A Diretoria se reunirá no mínimo uma vez por
mês.

se o
CAPÍTULO IV
DO
PRESIDENTE
Viloris
Art. 21. Compete ao Presidente Bruno Silveira
Kesseler: Vd so
solange nocna
er: Vice
Presidente
com proceras pl
ailed, pelo
prescritas
| - Representar Ativa e Passivamente, em juízo ou fora
dele o “PROJETO S.A”;
II - Coordenar e dirigir as atividades gerais específicas do
“PROJETO S.A";
III - Representar o “PROJETO S.A* em eventos, campanhas e
reuniões, e demais atividades do interesse da Associação;
IV - Encaminhar anualmente aos associados, relatórios de
atividades e demonstrativos contábeis das despesas administrativas e
de projetos, bem como os pareceres de Auditores Independentes, ou
Conselho Fiscal, se este estiver constituído, sobre os balancetes e
balanço anual;
V - Contratar, nomear, licenciar, suspender e demitir
funcionários administrativos e técnicos do “PROJETO S.A".
VI - Elaborar e submeter aos associados o Orçamento
e Plano de Trabalho Anual;
VII - Propor aos associados reformas ou alterações do
presente estatuto;
VIII - Propor aos associados à fusão, incorporação e
extinção do “PROJETO S.A" observando-se o presente Estatuto
quanto ao destino de seu patrimônio;
IX - Adquirir, alienar ou gravar os bens imóveis da
Associação, mediante autorização expressa da Assembleia
Geral;
Digitalizado com
CamScanner

CAPÍTULO VIII DO
CONSELHO
FISCAL

Art. 25. O Conselho Fiscal será constituído por no mínimo 03


membros e seus respectivos suplentes, eleitos pela Assembléia
Geral.
§ 1o O mandato do Conselho Fiscal será coincidente com o
mandato da Diretoria.

§ 2o Em caso de vacância, o mandato será assumido pelo


respectivo suplente, até seu término.

Art. 26. Compete ao Conselho Fiscal: 1 -


examinar os livros de escrituração da
Instituição;
II - opinar sobre os balancos e relatórios de desempenho financeiro e
contábil e sobre as operações patrimoniais realizadas, emitindo pareceres para os
organismos superiores da entidade;
III - requisitar ao Primeiro Tesoureiro, a qualquer tempo,
documentação comprobatória das operações econômico-financeiras realizadas
pela Instituição;
IV - acompanhar o trabalho de eventuais
auditores externos independentes;
V - convocar extraordinariamente a
Assembléia Geral.

Parágrafo único. O Conselho Fiscal se reunirá


ordinariamente a cada 03 meses e, extraordinariamente, sempre
que necessário.

CAPÍTULO
IX
DOS RECURSOS
FINANCEIROS
O
Dreces
Precise de
j advogado
Art. 27. Os recursos financeiros necessários à manutenção do
IBAP poderão ser obtidos por: .

1. Termo de Parceria, Convênios e


Contratos firmados com o Poder Público para
financiamento de projetos na sua área de atuação;

Contratos e acordos firmados com empresas e


II.
agências nacionais e internacionais;

Doações, subvenções,
III.
dotações e heranças;
IV. Rendimentos de aplicações de seus ativos
financeiros e outros, pertinentes ao patrimônio sob a
sua administração;

V. Contribuicões dos associados:

VI. Recebimentos de direitos


autorais;
Digitalizado com
CamScanner

sendo facultado somente ao Presidente do “PROJETO


S.A” realizar tais atribuições.

CAPÍTULO
XII

DA PRESTAÇÃO
DE CONTAS
Art. 34. A prestação de contas da Instituição
observará as seguintes normas;
I - os princípios fundamentais de contabilidade e as
Normas Brasileiras de Contabilidade;
11 - a publicidade, por qualquer meio eficaz, no
encerramento do exercício fiscal, ao relatório de atividades e das
demonstrações financeiras da entidade, incluindo as certidões
negativas de débitos junto ao INSS e ao FGTS, colocando os à
disposição para o exame de qualquer cidadão;
III - a realização de auditoria, inclusive por auditores
externos independentes se for o caso, da aplicação dos eventuais
recursos objeto de Termo de Parceria, conforme previsto em
regulamento;

CAPÍTULO XIII
Da qualificação do “PROJETO S.A” como Organização da
Sociedade Civil de Interesse Público de acordo com a Lei
N.o 9.790, de 23 de março de 1999
oo е типолоцо his girl
foi muestion
simbria Art. 35. O “PROJETO S.A” mão
distribuirá entre seus associados, ove associados, conselheiros,
diretores, empregados ou doadores, eventuais excedentes
operacionais, brutos ou líquidos, dividendos, bonificações, ,
participações ou parcelas do seu patrimônio.
Art. 36. O “PROJETO S.A” aplicará integralmente suas rendas,
recursos e, eventual resultado operacional na manutenção e
desenvolvimento dos objetivos institucionais no território nacional.
Art. 37. No caso de dissolução, aprovada a extinção pela
Assembleia Geral, convocada especialmente para este fim, nos
termos do Art. 15, inciso VI, proceder-se-á ao levantamento do seu
patrimônio, que obrigatoriamente será destinado a outras instituições
legalmente constituídas, qualificadas como organização da sociedade civil de
interesse público e sem fins lucrativos, que tenham objetivos
sociais semelhantes.
Art. 38. O “PROJETO S.A” observará os princípios da legalidade,
impessoalidade, moralidade, publicidade, economicidade e da eficiência.
Art. 39. Adotará práticas de gestão administrativa, necessárias e
suficientes a coibir a obtenção de forma individual ou coletiva, de benefícios ou
vantagens pessoais, em decorrência da participação no respectivo
processo decisório.

Digitalizado com
CamScanner

Art. 47. O presente Estatuto poderá ser reformado, a


qualquer tempo, por decisão da maioria absoluta dos sócios, em
Assembleia Geral especialmente convocada para esse fim, e entrará
em vigor na data de seu registro em Cartório.

Art. 48. Os casos omissos serão resolvidos pela


Diretoria e referendados pela Assembleia Geral.

Bruno Silveira Kesseler


Presidente CPF
009.688.181-02
Michelle Lustosa Guimarães
Advogada OAB/DF
N° 37.885
Digitalizado com
CamScanner

Você também pode gostar