Você está na página 1de 20

O Casamento na Umbanda

textos obtidos no Internet

LURDES DE CAMPOS VIEIRA / SUP. RUBENS SARACENI

O elemento humano vital, o impulso universal que tudo cria e gera, que motiva duas pessoas a
unirem suas vidas em uma existência comum, é o Amor. O verdadeiro sentido do casamento é a
fusão de duas almas, é deixar de ser parte para tornar-se todo. A união das forças do homem e da
mulher, em um compartilhar sincero de duas vidas, faz aflorar uma parte fundamental do ciclo
humano. O casamento é o elo mais forte e perpetuador da sociedade, é a união solene entre duas
pessoas de sexos diferentes, com legitimação religiosa e/ou civil, para a constituição de uma
família. A família deve funcionar como o berço dos valores que formam o caráter e a personalidade
do ser. O casamento é perpetuador da família e da espécie.

Os primeiros conceitos de ética e moral, a primeira idéia e concepção sobre o que é Deus, religião e
religiosidade, aparecem na família, uma das principais bases de nossa sociedade. Isso coloca em
evidência a importância da união matrimonial, da integração e da valorização da família com a
religião. O casamento não é apenas uma instituição humana, mas é também instituição divina. Não
podemos esquecer que a lei dos homens não é mais importante que as bênçãos de Deus. Para isso, o
Divino Criador, Olorum, precisa estar presente, como Sacramento (sinal), na vida dos casais. Sem
Olorum, o casamento pode tornar-se um fardo muito pesado de se carregar. O amor humano e o
desejo sexual podem se exaurir rapidamente, e, portanto, não serem suficientes para sustentar a
relação.

O casamento significa uma verdadeira aliança do casal com o plano divino, pois o Divino Criador é
Amor, é união, é dádiva, é bondade infinita. A bênção de Deus fortalece o casamento, na realidade
do dia-a-dia, restaurando-o com Sua misericórdia, sempre que necessário; proporciona crescimento
espiritual e aproxima o casal do Divino Criador.

O casamento na Umbanda é um ritual belo, simples e singelo, no qual o sacerdote ou a sacerdotiza,


ou a entidade responsável, pela outorga a eles conferida, dá as bênçãos divinas para a união do
casal, lembrando-lhes os valores e o significado dessa união. A Umbanda prega a monogamia, a
fidelidade, o respeito mútuo e o amor a Deus. O bom relacionamento deve ser dinâmico e sua
harmonia só pode ser alcançada com Amor, Respeito, Dedicação, Crescimento e Maturidade.

Preparação: Em frente ao altar, deverá estar arrumada uma mesa, ornamentada com uma bela toalha
branca rendada. No chão podem ser colocados belos vasos com flores. Sobre a mesa, castiçais com
velas: branca, para Pai Oxalá, e azul-claro, para Mãe Iemanjá. Também deve haver sobre a mesa
água, pemba ralada e crisântemos, uma vela rosa para a noiva, representando Mamãe Oxum e uma
vela azul-turquesa para o noivo, representando Papai Oxumaré. Esses orixás simbolizam a união
para a preservação da vida.

• A água, em um cálice ou taça, significa a vida e a purificação. É utilizada para banhar as alianças.

• A pemba, representa o alimento, a terra, a firmeza e a estabilidade.

• O crisântemo é utilizado para aspergir a água, abençoando, para colocar as alianças dentro e
porque foi a flor indicada pelos mentores, pois traz harmonia, quietude, paciência, tolerância e
benevolência.

Em frente à mesa, no chão, devem estar duas belas almofadas brancas, de cetim, para que nelas os
noivos se ajoelhem ou um genuflexório no qual os noivos fiquem bem acomodados. Os médiuns
poderão estar formando a corrente mediúnica, os homens à esquerda e as mulheres à direita, de
frente para o altar. No meio, deixar um corredor, com 7 médiuns mulheres do lado direito e 7
médiuns homens do lado esquerdo, segurando palmas brancas, formando uma espécie de “túnel de
flores”, para a passagem da noiva, na entrada, e dos noivos, na saída. O corredor poderá estar
coberto com pétalas de rosas ou folhas de outras plantas. Ele simboliza o caminho florido que estão
pisando juntos.

O trabalho: O (a) dirigente poderá abrir o trabalho, normalmente, com a Curimba entoando o Hino
da Umbanda, canto de abertura, defumação, louvor a Pai Oxalá e às Sete Linhas, etc. A seguir,
chama o noivo e os padrinhos para a frente, ao lado do altar.

Entrada da noiva: A Curimba faz canto para a entrada da noiva, que se dirigirá à frente do altar,
encontrando-se com o noivo. Os padrinhos posicionam-se ao lado, atrás dos noivos, segurando as
velas na mão direita. O padrinho segura a vela azul e a madrinha a vela rosa. O sacerdote
posiciona-se em frente aos noivos.

EXPLANAÇÃO : O(a) dirigente poderá explanar sobre a doutrina, sobre o sacramento que será
realizado, orientar os fiéis sobre a importância de se ter uma religião, do cultivo da religiosidade e
do casamento. Poderá falar aos noivos sobre a importância do casamento na Umbanda.

O Matrimônio: “Estamos aqui reunidos, sob a luz de nosso Pai Olorum, pedindo a nosso Pai Oxalá
e aos Protetores, para que seja abençoada e se consagre a união de nosso irmão (nome do noivo)
com nossa irmã (nome da noiva). Essa união é desejo de ambos, para darem prosseguimento às
suas vidas aqui no plano físico, porque é a condição fundamental, uma necessidade para a
preservação da própria espécie. Que ela seja abençoada e seja o início de uma caminhada em
comum. Queremos parabenizar a decisão dos noivos, pois é assim que procedem as pessoas que se
amam e querem dar seqüência a uma família. O Amor é um sentimento, uma sensação, uma fonte
alimentadora do ser, um princípio gerador, que extrapola as fronteiras do universo pessoal,
mesclando-se à vida. Nosso Divino Criador, Olorum, gerou espíritos masculinos e femininos e as
espécies aos pares, machos e fêmeas para se complementarem. A união dos pares faz parte de uma
das formas de sustentação da vida e da multiplicação da espécie humana no planeta. Quando
amamos e somos amados, muda a própria visão que temos do mundo, pois ele nos parece muito
melhor e mais bonito. Tornamo-nos mais tolerantes, mais humanos, mais fraternos e mais
saudáveis. Felizes são os que se unem com seus pares!

O casamento é a união estabelecida por Deus, para o nosso aperfeiçoamento. Só os que se unem em
Deus, com Suas divindades amparando-os, são plenamente felizes, respeitados pela sociedade,
pelos familiares e pelos amigos. Um relacionamento afetivo só será bem-sucedido se houver
respeito e entendimento mútuo, se houver cumprimento do dever moral e se cada um der o que tem
de melhor para a felicidade do casal, para ver no outro a satisfação da vida. É isso que Deus quer de
vocês! A Umbanda adotou os procedimentos de nossa cultura ocidental, que é monogâmica. Mas, a
fidelidade não deve existir por mera convenção social, e, sim, porque estaremos cumprindo diante
de Deus o que aceitamos do plano espiritual. O dever moral, na ordem dos sentimentos, é muito
difícil de se cumprir e suas vitórias não têm testemunhas. Dever é coragem da alma que enfrenta as
angústias da luta. A obrigação moral para com Deus jamais cessa e o homem que cumpre seu dever
ama a Deus mais que às próprias criaturas.

A mesma lei que nos ampara, nos pune quando a infringimos. Se o Amor não resistir ao tempo e um
dia vier a separação, que não haja traição nem ofensas. Em religião, nenhuma infidelidade é aceita.
Os casais que não seguem regras racionais, acabam por separar-se, mas o plano físico é apenas uma
passagem. A separação com antipatia, com sentimentos de mágoa, ódio, gera carma que se desdobra
no plano espiritual.
O casamento é a união de dois espíritos, de duas vontades, de duas consciências, para assumir as
funções de marido e esposa. Implica em conduta, preservação de preceitos, mudanças interiores,
amparo e respeito. A união necessita de reflexão, para que se tenha consciência das
responsabilidades daí em diante, para dar orientação aos que vierem dessa união.

Pai e mãe devem ter condutas exemplares, nas quais o filho possa se espelhar para um dia ser feliz
em sua união, também. Cada um de vocês, hoje, assume um dever para com o outro, de respeito
mútuo, de estimular, de amparar, de compartilhar alegrias, tristezas e dificuldades.

Na união do sagrado matrimônio, estão unindo seus espíritos diante de Deus, estão assumindo um
compromisso de trilharem um único caminho, juntos, com Amor. O casamento é a cerimônia
religiosa mais importante de todas, porque é o momento em que um se responsabiliza pelo outro,
com renúncias em benefício mútuo.”

A cerimônia de casamento: O(a) sacerdote (sacerdotisa) deverá coordenar o propósito do culto do


dia com as necessidades da assistência. O(a) sacerdote(sacerdotisa) diz aos padrinhos:

ORIENTAÇÃO AOS PADRINHOS: Ser padrinho e madrinha de casamento é um ato social, mas,
para os Sagrados orixás, sua função é a de atuarem como luzes na vida de seus afilhados, para que,
no caso de desavenças, eles possam chamá-los para conversar e se orientar. Vocês deverão trabalhar
as dificuldades do casal, com harmonia, com a razão e não com a emotividade, para não
desenvolver rupturas e carmas. Quem está na dificuldade não consegue tomar decisões acertadas; aí
é importante a ação dos padrinhos. Ser padrinho e madrinha é ter ascendência sobre os afilhados,
para chamá-los à atenção quando necessário. Nesse caso, poderão ser utilizadas as velas, deixando-
as acesas um pouco, para equilíbrio, para que voltem a se ver como hoje, como par, casal que se
ama. Apagar as velas em seguida.

O(a) sacerdote(sacerdotisa) une as mãos dos noivos, coloca a sua mão direita sobre as deles, reza e
diz ao casal — A você (nome do noivo) e a você (nome da noiva), que hoje estão aqui para dar esse
passo importante, peço a bênção dessa união a nosso Pai Oxalá. Em nome de Deus Pai, Todo-
Poderoso e dos Sagrados orixás, pelo poder a mim conferido pelos orixás eu pergunto: “Estão
conscientes da responsabilidade que estão assumindo?”

O(a) dirigente pega e abençoa as alianças, que antes foram colocadas na água, na pemba e no
crisântemo. Eleva as alianças, para que recebam as bênçãos, a imantação divina, enquanto os noivos
permanecem ajoelhados.

“Nosso Deus, nosso Pai, Divino Criador, Sagrados orixás, peço-Vos que derramem Vossas bênçãos
sobre estes símbolos de união, para que quando forem usados, os noivos sempre se lembrem do
compromisso assumido diante de Vós. A Curimba canta pontos de união. Exemplo:

Pai Olorum, abençoe esta união } bis

Estão aqui em Vossa casa }

Pra pedir Vossa bênção. } bis)

“Peço ao Divino Olorum, a nosso Pai Oxalá, aos demais orixás e protetores que abençoem esta
união sagrada, derramando suas luzes sobre vossas coroas. Peço-lhes que esta união ocorra também
em espírito, para que, unidos diante de Deus, usufruam dos benefícios do sagrado matrimônio, para
fortalecimento do vosso espírito e do elo que neste momento está se estabelecendo entre ambos.
Pede aos noivos que se levantem e pergunta:

• para a noiva: (nome da noiva) é de livre e espontânea vontade que você recebe (nome do noivo)
como seu esposo?

• para o noivo: (nome do noivo) é de livre e espontânea vontade que você recebe (nome da noiva)
como sua esposa?

Após o sim, “então, que seja anotado no Livro das Uniões e que, agora, vocês troquem as alianças,
que representarão essa união perante a sociedade. Que abençoados sejam vocês em sua união, para
vivenciarem o Amor, que já foi vivenciado em outros planos, e aqui repitam a alegria da vida. O(a)
dirigente assina o livro e diz:

“Agora estão unidos perante Pai Olorum e perante os Sagrados orixás. Que Deus os abençoe! E
porque diante de Deus e da Umbanda estão unidos como marido e mulher, finalizamos esta
cerimônia, pedindo que assinem nosso livro. “Podem se beijar!”

A Curimba poderá cantar hinos e pontos de alegria (8.3 — 2.4).

O sacerdote ou sacerdotiza entrega as velas aos noivos, orientando-os para que elas sejam
preservadas sempre em pé. Parabeniza-os. Noivos, padrinhos e testemunhas assinam o livro. Saída
dos noivos, com canto da Curimba, para recebimento dos cumprimentos. Encerrar o trabalho.

Texto extraído do livro “Manual Doutrinário, Ritualístico e Comportamental Umbandista -


Coordenação de Lurdes de Campos Vieira / Supervisão de Rubens Saraceni - Editora Madras.

Hora do Sim Buquês


Casamento Umbandista

Após a abertura normal da sessão, chamam-se os padrinhos do casalChama-se o noivo. Chama-se a


noiva.

Prece: Senhor Deus coma tua permissão, de teu filho Jesus, de Maria Santíssima, dos Orixás, do
Caboclo Pena Verde da Mata Virgem (guia chefe da casa) e de todos os Guias, Mentores e
Protetores desta casa, abrimos a sessão de matrimônio, pedindo que a Tua força e a Tua paz e as
forças do universo neste momento se unam a nós.

Ponto:
3x
Estrela Clareia a Terra
Estrela Clareia o Mar
Clareia o Gongá de Pena Verde,
clareia
Clareia os filhos do Gongá

Leitura: Segundo as normas da religião e da nossa casa, e de acordo com as palavras de Xangô, que
nos ordena leal obediência às leis e às autoridades constituídas, como suficientes para satisfazer a
instituição divina do matrimônio, celebro esta cerimônia segundo os ensinamentos de Oxalá e seus
enviados.
Música: Oração de São Francisco

Leitura: Resume o amor toda a doutrina de Jesus, por ser o sentimento por excelência;E os
sentimentos são os instintos elevados à altura do progresso realizado.Em sua origem o homem só
tem instintos;Mais adiantado e corrompido, só tem sensações;Quando, porém, instruído e
purificado, tem sentimentos, e o ponto extremo do sentimento é o amor.Não o amor no sentido
vulgar do termo, mas esse sol interno, que condensa e reúne em seu foco ardente todas as aspirações
e todas as revelações sobre humanas.A lei do amor substitui a personalidade pela fusão dos seres e
aniquila os desvios sociais.Feliz aquele que, elevando-se acima da humanidade, quer com grande
amor a seus irmãos sofredores!Feliz aquele que ama, porque nem conhece os desvios da alma nem
os do corpo.Seus pés são ligeiros e vive como que transportado para fora de si mesmo.Quando
Jesus pronunciou esta divina palavra – AMOR – fez estremecer os povos e, ébrios de esperança, os
mártires desceram ao circo.Por sua vez o espiritismo vem pronunciar a segunda palavra do alfabeto
divino.Atenção!Essa palavra levanta a pedra dos sepulcros vazios; e, triunfando sobre a morte, a
reencarnação revela ao Homem ofuscado, seu patrimônio intelectual. E já não conduz aos suplícios,
mas à conquista de seu ser, elevado e transfigurado. O sangue resgatou o espírito e o espírito deve
hoje resgatar o Homem da matéria.
Música: Coroa linda é a coroa de OxaláCoroa que brilha no altoCoroa que brilha no marCoroa que
brilha na terraÉ a coroa de Oxalá
Ato das Alianças:
O celebrante, a seguir, toma das alianças unge com azeite doce e diz:Que o vosso amor seja puro
como o ouro que estas alianças contém, e intérmino como o círculo que elas representam.
O dirigente entrega a aliança da noiva ao noivo para que este a coloque no dedo anular da mão
esquerda da noiva, repetindo com o celebrante: Com este anel, em nome de Zambi, Oxalá e de Ifá,
selo minha união contigo, enquanto vida tiver.
Repete-se o procedimento com a noiva entregando a aliança ao noivo e com a mesma frase.
Ritual com as Fitas:
Os noivos estendem as mãos, que são colocadas uma acima da outra (mão da noiva por cima e do
noivo por baixo) e amarradas com a fita. (A fita é branca e larga com o nome dos noivos bordados
em verde).
Ponto 3x: Pombinha branca, que Oxalá mandouPombinha branca, que Oxalá mandouFoi no pé da
laranjeira, pombinha branca pousouFoi no pé da laranjeira, pombinha branca pousou
Celebrante diz: Irmãos, dada a pureza deste ato, convido-os a repetirem comigo:
Eu, (noivo), recebo a ti, (noiva) por minha legítima, companheira, para ter-te e conservar-te de hoje
em diante na felicidade ou na desventura, na riqueza ou na pobreza, na enfermidade ou com saúde,
de acordo com a divina vontade de Zambi – para isso, diante de todos, empenho a minha honra.
A noiva repete estas mesmas frases.
Celebrante diz: Visto que (noivo) e (noiva) consentiram ambos no santo matrimônio e os
testificaram na presença de Zambi, das entidades e destas testemunhas e, para este fim deram e
empenharam a fé e a palavra, um ao outro, pela união das mãos, eu os declaro marido e mulher,
casados, em nome de Zambi, Oxalá e Ifá. Assim seja.
Ponto: A estrela de Oxalá brilhou, brilhouA estrela de Oxalá nesta casa já entrou.
As mãos são desamarradas, e os noivos bebem do vinho e comem uma uva branca.
Nesta altura, os noivos se ajoelham, todos estendem as mãos sobre os noivos e o celebrante fala:
Eterno Zambi, criador e conservador de todo o gênero humano, doador de toda a graça espiritual e
autor da vida eterna, derrama a tua benção sobre teus servos, que abençoamos em teu nome, a fim
de que possam cumprir fielmente e guardar constantes os votos e promessas que acabam de fazer
um ao outro e permanecendo em perfeito amor e paz, vivam sempre segundo os teus santos
mandamentos, mediante Oxalá, nosso senhor.
Os médiuns estendem as mãos e oram: “Pai nosso que estais nos céus, nos mares, nas matas e em
todos os mundos habitados;Santificado seja o teu nome, pelos teus filhos, pela natureza, pelas
águas, pela luz e pelo ar que respiramos.Que o teu reino, reino do bem, do amor e da fraternidade,
nos una a todos e a tudo que criaste, em torno da sagrada cruz, aos pés do divino salvador e
redentor.Que a tua vontade nos conduza sempre para o culto do amor e da caridade.Dá-nos hoje e
sempre a vontade firme para sermos virtuosos e úteis aos nossos semelhantes.Dá-nos hoje o pão do
corpo, o fruto das matas e a água das fontes para nosso sustento material e espiritual.Perdoa, se
merecermos, as nossas faltas e dá-nos o sublime sentimento do perdão para os que nos
ofendam.Não nos deixe sucumbir ante a luta, dissabores, ingratidões, tentações dos maus espíritos e
ilusões pecaminosas da matéria.Envia, pai, um raio da tua divina complacência, luz e misericórdia
para os teus filhos; pecadores que aqui labutam pelo bem da humanidade” Assim seja.
Para finalizar, o celebrante eleva as mãos sobre a cabeça dos noivos e pede: Zambi, Oxalá e Ifá voa
abençoe, conserve e guarde, e o senhor ponha favoravelmente os olhos sobre o vosso lar, estreite os
vossos corações e de tal modo vos farte de graças e bênçãos espirituais, que, vivendo unidos no
senhor, haja paz no vosso lar, neste mundo e, no outro, possais participar da bem-aventurança eterna
em Oxalá, nosso senhor e mestre. Assim seja.
Meu Pai abençoe esta união, fazendo com que o compromisso hoje assumido aqui na terra, seja
registrado no mundo astral unindo através do matrimônio os irmãos (noivo) e (noiva), que são
paraninfados neste ato pelos irmãos (nome dos padrinhos).
Pai, que permitistes fosse eu o instrumento de vossa vontade para transmitir a estes irmãos os
fluidos divinos, vindos de vosso reino e trazendo as forças que representam as legiões hierárquicas
da espiritualidade, concedei-me que: em nome do supremo Pai, do divino uno e de todas as
entidades espirituais da Umbanda, eu abençoe e declare confirmada a vossa união matrimonial.A
paz esteja com todos! Assim seja.
Ponto: Estrela, oh estrelinhaEstrela de Pai OxaláOh ilumina estes filhosPara que eles possam
caminhar.
Casamento Católico

Por vivermos em um país com maioria católica, esse é o tipo de casamento mais realizado e
conhecido por todos. O vestido branco da noiva é uma tradição e o ato de jogar o buquê um
momento muito aguardado na festa.
A igreja católica tem regras estritas sobre o matrimônio, que devem ser seguidas se você é
praticante desta religião e deseja se casar por este rito. Em relação ao lugar do casamento,
geralmente as cerimônias são realizadas em templos paroquiais. Você deve se dirigir ao mais
próximo de sua casa ou solicitar um passe especial se deseja casar em outro templo.
Requisitos para se casar numa igreja católica
- Ambos devem ser batizados- Nenhum dos dois pode ter um matrimônio religioso anterior (salvo
se este tenha sido anulado pela igreja). A igreja católica não permite um segundo casamento de
pessoas que já tenham tido um matrimônio católico e se divorciaram em pouco tempo.- Que os
noivos realizem um curso pré-matrimonial, o qual consiste geralmente em palestras sobre o
matrimônio cristão.- Que os futuros casados completem uma ficha de casamento, com uma série de
dados sobre a sua documentação pessoal, endereço, etc.- Se os noivos são de religiões diferentes e
desejam se casar pelo rito católico, devem solicitar uma ficha específica para casamentos mistos
A cerimônia em si dura em torno de meia hora, e inclui salmos, leituras, orações, um sermão e, por
fim, a troca e votos matrimoniais e das alianças. Os católicos podem
escolher rezar uma missa completa, inclusive a comunhão. Esta situação é menos comum, e neste
caso, a cerimônia dura aproximadamente uma hora.
Casamento Budista

Uma cerimônia com flores, velas e incensos, trajes coloridos e uma festa com muita dança
tradicional e comida típica.
O Ponto de vista budista do casamento é bastante liberal. O casamento não é considerado um dever
religioso, mas uma opção pessoal. Depois de todas as formalidades do registro civil, os noivos
recebem uma bênção dos monges no templo local. Embora os monges budistas não oficializem a
cerimônia legalmente, eles fazem um serviço religioso, em ordem de abençoar os noivos. Na visão
budista, o casamento nem é sagrado nem não-sagrado.
INICIAR O RITUAL DE CASAMENTOO ato de casar normalmente é feito escolhendo-se a noiva
em sincretismo. Poderá ser feito pelos pais ou pelo próprio noivo. Quando um rapaz encontra a
rapariga certa, envia um amigo da família à casa da rapariga. O amigo usualmente leva uma garrafa
de vinho e um lenço de seda branco. O seu papel é ver se a família da noiva mostra receptividade à
proposta. No caso de a família concordar, as duas famílias decidem reunir-se. Nesta reunião os
membros das duas famílias marcam uma reunião para que o noivado aconteça. A tradição impõe
que o rapaz ofereça um presente à rapariga, que pode até ser um pedaço de terreno.
TRAJESA família decide a cor dos trajes da noiva e do noivo, em hipótese alguma escolhem a cor
preta. Cores quentes como o vermelho ou o dourado são as cores preferidas para a ocasião. A noiva
budista usa um vestido bordado chamado, o tradicional bhaku. O vestido lembra um sarong
comprido. A noiva usa o vestido com uma blusa sem mangas, complementado com um casaco
especial, um lenço e alguma bijuteria feita de pedras preciosas e semipreciosas, como as pérolas. A
noiva usa também sapatos especiais feitos para o casamento. O noivo budista também usa um
bhaku, só que com mangas. O bhaku tem um comprimento até aos tornozelos. Este traje bordado é
usado com um colete chamado lajha. O noivo usa também uma capa bordada e uma faixa que
envolve a cintura. ANTES DO CASAMENTOA cerimônia chamada Nangchang, é a cerimônia
onde o compromisso formal acontece. Esta é presidida por um lama ou um rimpoche. Os tios
maternais dos dois lados desempenham um papel importante nas negociações do casamento. Do
lado do noivo a mãe e os semelhantes representam os papéis importantes. No caso da noiva, toda a
família e amigos participam na ocasião. Os convidados trazem a típica bebida Tsang e vários tipos
de carnes para a casa da noiva. Eles oferecem arroz e galinha especialmente à mãe da noiva. Isto é
um gênero de pagamento pelo fato da mãe ter amamentado a filha. As famílias voltar-se-ão a reunir
de novo para marcarem a data do casamento. O dia da partida da noiva de casa de sua mãe é
decidido.
RITUAL DE CASAMENTO BUDISTAEm frente a um altar do deus Balda, todo decorado com
flores e velas, os noivos, as famílias e os convidados se reúnem. O noivo, a noiva e os convidados
recitarão o Tisarana, Pancasila e o Vandana querem em Pali, ou outra língua. É pedido aos noivos
que acendam as velas e os incensos. Em Seguida os noivos oferecem flores à imagem de Buddha.
Depois disto, o noivo e a noiva deverão recitar à vez, os votos que são prescritos para cada um
deles.
Votos do noivo: "Em frente à minha mulher que acolho, aceito amá-la e respeitá-la, ser amável, ser
fiel, delegar as tarefas domésticas e providenciar presentes para satisfazê-la”.
Votos da noiva: “Em frente ao meu marido que acolho, aceito realizar as tarefas domésticas
eficazmente, ser hospitaleira para com os seus parentes e amigos, ser fiel, proteger os nossos
ganhos, efetua as minhas responsabilidades com amor e conscienciosamente”.
No fim da cerimônia, só os pais ou os semelhantes citarão o Mangala Sutta e o Jayamangala Gatha
oferecendo a sua bênção aos noivos.
CELEBRAÇÃO DO CASAMENTOMusica e danças sempre estão presentes em um casamento,
num casamento budista não é diferente, as danças tradicionais são celebradas. As mulheres têm as
suas próprias danças e os homens dançam versões muito mais monásticas.
Casamento Cigano

Para os ciganos, os acontecimentos mais importantes são o nascimento, o casamento e a morte. Mas
os rituais que envolvem o noivado e o casamento são um capítulo à parte. O mais curioso é que a
noiva é vendida ao pai do noivo. Depois de acertado o acordo, os noivos trocam objetos, que podem
ser um punhal ou uma moeda de ouro, que serão guardados até o dia do casamento.
A noiva envolve o seu presente num lenço de seda vermelho, que alguns dias antes da cerimônia do
noivado fica amarrado a uma garrafa de vinho. A família do rapaz é responsável pelo pagamento da
noiva, de um vestido branco e outro vermelho para o ritual do casamento, do enxoval e de toda
festa. Durante a comemoração, a família da noiva não tem obrigação de ajudar, nem de servir a
mesa. E no período, os dois têm que se evitar, só se comunicando por recados enviados por amigos
ou parentes.
A festa de noivado dura de dois a seis dias. As mulheres usam os seus melhores vestidos e jóias. A
noiva se veste de branco, e o ponto alto da festa é o ritual dos punhais que é feito com um corte no
pulso dos dois. Nesse instante, os pulsos são unidos, simbolizando a união numa só vida. Em
seguida, os pulsos dos noivos são amarados por um lenço vermelho, que é guardado junto com os
punhais e substituem as alianças.
Já no casamento são usados os mesmos símbolos do noivado: os dois punhais, o lenço vermelho,
vinho, pão, sal e uma taça de cristal. O vinho é para garantir a alegria permanente do casal, o pão e
o sal representam a união, a taça de cristal é para que a harmonia se mantenha presente e o punhal
serve para a comunhão do sangue.
Ritual da Cerimônia Religiosa de Casamento de Ele e Ela.

Hoje dia de …............ de 20.... estamos envolvidos neste cenário de Sonhos onde agradecemos e
pedimos licença a Grande Mãe Natureza para concretizar um sonho do casal Ele e Ela. Será uma
cerimônia toda voltada às energias da Natureza, acrescida de muitos sentimentos positivos e muito
amor.

Neste momento quando


O Sol se põe e se abrem as cortinas
Tendo o Mar... como o nosso cenário
A Areia... como o nosso altar
As Estrelas... como a nossa fonte de energia
E a Lua...como nossos refletores
O som das ondas... a nossa trilha sonora
A leve brisa...como um efeito especial
E os personagens desta linda história... Vocês Ele e Ela.
E todos nós como testemunhas dessa energia de consagração dos laços afetivos.

“O casamento não é somente uma união entre o homem e a mulher, mas a aliança entre dois
corações.”

Casamento de Ele e Ela


Esta Vela é a representação da União de vocês “... Uma chama branda porem constante, decorada
com o bambu, que representa a flexibilidade dos sentimentos... o vento pode balançar os
sentimentos de vocês mais jamais quebrá-los

Neste momento vocês beberão juntos, em uma única taça de cristal, o que representa unidade e a
comunhão de valores para que a harmonia se mantenha sempre presente em busca da felicidade.

* Uma taça com mel que representa a docilidade que deve existir entre vocês.
* Uma taça de água que significa a pureza de sentimentos que nunca deve se afastar de vocês.
* Uma taça de vinho tinto que significa a paixão de ambos e é para garantir a alegria permanente
do casal.
* Com o pão e sal, que seja fortalecida essa união e como o sal dá sabor ao pão e fortalece a
massa, que seja essa representação como forma de fortalecer a união do casal...
* Com a magia das orações e da força dos pensamentos, simbolizada pelo evangelho da fé do
casal, que seja refletida a imagem da coragem, da luta e da vontade de vencer, superando os
obstáculos que a vida venha ofertar e que sejam cortadas do caminho do casal as perseguições quer
sejam em palavras, ações e sentimentos.

Padrinhos e Madrinhas vocês foram escolhidos por sentimentos de pura amizade e selarão esse
momento ajudando no ritual da areia dizendo:

Pai Celestial, Mãe Celestial e a Força deste local, mãe divina A GRANDE MÃE NATUREZA
pedimos para o casal Ele e Ela a energia do equilíbrio emocional, da harmonia espiritual, da saúde
física e da riqueza material.
Entregando o recipiente com a areia da cor escolhida por vocês Ela E Ele.
A areia e a mistura de fluxo das cores simbolizam união de duas vidas em uma. Assim como não dá
para separar os grãos de areia, que o amor do casal também seja inseparável. Indissolúvel.

1º Ela deposita a primeira camada de areia dizendo: "Deus abençoou o teu caminho até juntá-lo ao
meu".

2º Ele deposita a segunda camada de areia dizendo: "E cuidou da tua vida separando-a para mim".

3º Os dois depositam ao mesmo tempo a terceira camada de areia.

Neste momento o celebrante diz: "Assim como estes grãos de areia nunca mais poderão ser
separados e novamente derramados em recipientes individuais, assim será esta união, indissolúvel.

Ele e Ela, depois de navegar e com os pés na areia, chegam a concretização desse amor, a vinda do
amado filho, Gabriel, e que hoje abençoando seus pais e fazendo o papel de anfitrião nesse enlace
das bênçãos divinas e da natureza.

Neste momento de magia celestial, ….......... fruto desse amor, entrega aos seus pais um cristal e
….... as alianças

Juntos, vocês irão segurar um cristal quartzo rosa, considerado o cristal do amor, que fortalecerá os
laços da união através da energia de mentalização de bons pensamentos.

Este quartzo energizado por vocês, deve ser colocado sobre as alianças, nos grãos de areia trazendo
a sensibilidade e respeito mútuo.

Ritual da Troca das alianças.

E agora, convido a todos para envolver em oração os laços afetivos do casal.


Nós hoje no dia 18 de dezembro de 2010 vos pedimos ao Pai Celestial e a Mãe Celestial, as forças
divinas da Natureza que abençoem hoje e sempre a união do casal nome dele e dela consagrando
esta união de 16 anos.

Que eles tenham sempre a luminosidade da Chama Interior, a flexibilidade do Bambu, docilidade
como o mel, pureza como a água, paixão como o vinho, como a união inseparável do pão e do sal,
com a força dos pensamentos e das orações abrindo os caminhos da honra, da prosperidade do
sucesso e da vitória, e assim fortalecendo sempre os laços divinos desta união é o que
verdadeiramente vos pedimos e que assim seja.
Convidamos a todos para rezarmos um Pai Nosso e uma Ave Maria como agradecimento de
estarmos envolvidos neste cenário do AMOR.

Eu, pai e mãe, Pais carnais dela, avós de …. e sogros de …., queremos em primeiro lugar agradecer
a Deus por nos ter proporcionado esse momento de muita emoção, e aos nossos amigos que
compartilharam conosco esse momento.
O nosso muito obrigado.
O CASAMENTO WICCANO
CONFIRA!

HANDFASTING: O CASAMENTO WICCANO


Texto Extraído do Livro: 8 Sabats Para Bruxas, de Janet & Stewart Farrar

A cerimônia de casamento apresentada a seguir é um rito de comprometimento de ligação espiritual,


não legal. Antes da cerimônia é importante que toda a área onde será realizado o compromisso seja
consagrada com sal, água, e qualquer incenso purificador, como o de cedro, líbano, sálvia ou
sândalo
Monte o altar e coloque nele tudo que será necessário para a cerimônia:
Duas velas brancas 
Um incensório
Um prato com sal e terra
Um sino de latão
Uma vareta
Um punhal ou espada cerimonial
Um cálice com água
Uma xícara com óleo de rosa para consagração
Um cristal de quartzo As alianças de casamento
Duas cordas brancas
Uma vassoura de palha
Vinho
Bolo de Compromisso
Supondo que você é uma Alta Sacerdotisa (ou Sacerdote), trace um círculo na sentido horário
usando um punhal ou uma espada cerimonial, e após cada convidado ter sido abençoado com
saudações e incenso, faça soar o sino do altar para dar início à cerimônia.
O noivo e a noiva devem entrar de mãos dadas no círculo que você confeccionou. Abençoe-os
novamente com incenso e saudações e coloque-os de frente para você e o altar (norte), enquanto os
convidados para o casamento estarão reunidos em torno do perímetro do círculo, dando-se as mãos
para formar uma corrente humana.
De frente para o noivo e para a noiva, levante as suas mãos para o céu e diga:
NESTE SAGRADO CÍRCULO DE LUZ REUNIMO-NOS EM PERFEITO AMOR E PERFEITA
VERDADE.
OH DEUSA DO AMOR DIVINO, EU TE PEÇO QUE ABENÇOES ESTE CASAL, O SEU
AMOR E SEU CASAMENTO PELO TEMPO EM QUE VIVEREM JUNTOS NO AMOR.
POSSA CADA UM DESFRUTAR DE UMA VIDA SAUDÁVEL, CHEIA DE ALEGRIA, AMOR,
ESTABILIDADE E FERTILIDADE.< O:P
Segure o prato com sal ou terra diante deles para que os dois coloquem a mão direita sobre o
mesmo, enquanto você diz:
ABENÇOADOS SEJAM PELO ANTIGO E MÍSTICO ELEMENTO TERRA.
QUE A DEUSA DO AMOR EM TODA SUA GLÓRIA ABENÇOE-OS COM AMOR, TERNURA,
FELICIDADE E COMPAIXÃO PELO TEMPO QUE VIVEREM AMBOS.
Coloque novamente o prato sobre o altar. O casal deverá se voltar para o leste. Soe o sino do altar
três vezes e então envolva-os com o incenso e diga:
ABENÇOADOS SEJAM PELA FUMAÇA E PELO SINO SÍMBOLOS DO ANTIGO E MÍSTICO
ELEMENTO AR.< O:P
Coloque novamente o incenso no altar. O casal deverá agora se voltar para o sul. Dê a cada um uma
vela branca, a qual deverão segurar com a mão direita. Acenda as velas, pegue a vareta do altar e
segure-a acima dos dois enquanto diz:
ABENÇOADOS SEJAM PELA VARETA E PELA CHAMA, SÍMBOLOS DO ANTIGO E
MÍSTICO ELEMENTO FOGO.
QUE A DEUSA DO AMOR EM TODA SUA GLÓRIA ABENÇOE-OS COM HARMONIA,
VITALIDADE, CRIATIVIDADE E PAIXÃO PELO TEMPO QUE VIVEREM AMBOS.
Coloque novamente as velas e a vareta no altar. O casal deverá se voltar para o oeste. Tome o cálice
com água e salpique algumas gotas sobre a cabeça deles, enquanto diz:
ABENÇOADOS SEJAM PELO ANTIGO E MÍSTICO ELEMENTO ÁGUA.
QUE A DEUSA DO AMOR EM TODA A SUA GLÓRIA ABENÇOE-OS COM A AMIZADE, A
INTUIÇÃO, O CARINHO E A COMPREENSÃO PELO TEMPO QUE VIVEREM AMBOS.
Coloque o cálice com água novamente no altar. Unte a testa deles com o óleo de rosa e segure o
cristal de quartzo sobre eles, como símbolo sagrado do reino espiritual, enquanto diz:
QUE A DEUSA DO AMOR EM TODA SUA GLÓRIA ABENÇOE-OS COM A UNIÃO,
HONESTIDADE E CRESCIMENTO ESPIRITUAL PELO TEMPO QUE VIVEREM AMBOS.<
O:P
E QUE A MAGIA DO SEU AMOR CONTINUE A CRESCER PELO TEMPO QUE
PERMANECEREM JUNTOS NO AMOR, POIS O SEU CASAMENTO É UMA UNIÃO
SAGRADA DOS ASPÉCTOS FEMININO E MASCULINO DA DIVINDADE.
Coloque o cristal novamente no altar e consagre as alianças do casamento com uma pitada de sal e
gotas de água, enquanto diz:
PELO SAL E PELA ÁGUA EU PURIFICO E LIMPO ESTES BELOS SÍMBOLOS DO AMOR.
QUE TODAS AS VIBRAÇÕES NEGATIVAS, IMPUREZAS E OBSTÁCULOS SEJAM
AFASTADOS DAQUI! E QUE PENETRE TUDO O QUE É POSITIVO, TERNO E BOM.
ABENÇOADAS SEJAM ESTAS ALIANÇAS NO NOME DIVINO DA DEUSA. ASSIM SEJA.
O noivo coloca a aliança no dedo da noiva, e ela por sua vez coloca a aliança no dedo dele. Agora
podem trocar as promessas que escreveram com suas próprias palavras antes da cerimônia.
Após o casal haver proferido suas promessas de amor, consagre as cordas brancas da mesma
maneira que fez com as alianças e então segurando-as lado a lado, faça com que o homem e a
mulher segurem uma extremidade e dêem um nó enquanto expressam seu amor um pelo outro.
Amarre-as pelo meio e diga:
PELOS NÓS NESTA CORDA SEJA O SEU AMOR UNIDO.
Pegue a corda com os nós e amarre juntas às mãos do noivo e da noiva. Visualize uma luz branca de
energia da Deusa e de proteção circundando o casal, enquanto suas auras se unem em uma só e
todos os presentes à cerimônia emitem energia, cantando repetidamente com alegria
AMOR! AMOR! AMOR!
Após haver centralizado o poder trazido para os noivos e para o casamento deles, permaneça alguns
minutos em silêncio e depois retire a corda das mãos deles, dizendo:
PELO PODER DA DEUSA E DE SEU CONSORTE EU OS DECLARO MARIDO E MULHER
PELO TEMPO QUE VIVEREM AMBOS. QUE VIVAM JUNTOS NO AMOR. ASSIM SEJA.
Os convidados agora podem aclamar, aplaudir e congratular-se com os recém-casados. Agradeça à
Deusa e ao Deus e desfaça o círculo. Coloque a vassoura de palha horizontalmente no chão e faça
com que os noivos pulem por cima dela juntos e de mãos dadas.
Termina assim o ritual pagão de compromisso, que deve ser festejado por todos com vinho
consagrado e bolo de compromisso, que é tradicionalmente partido com a espada cerimonial do
coven.

Chama-se ritual de União e Bençãos e consta do livro " Segredos da


Bruxa" de Rosa Maria Biancardi.

Segundo o próprio livro:

"Objetivo: Este ritual pode ser utilizado para união do casal e ser dirigido por um padrinho ou uma
bruxa. Pode, tb, ser ser feito em aniversários da união ou outra data que o casal escolher para
abençoar e fortalecer seu relacionamento, proteger e remover energias nocivas."
Casamento na Umbanda
Publicado em 09/02/2010 por blognoivaneurotica
Ontem, pela promeira vez, participei de um casamento Umbandista… cerimônia recheada de rituais
e momentos emocionantes… um deles a oração do Pai Nosso Umbandista…

Como é o casamento nas religiões de origem africana

• As religiões brasileiras de origem africana (candomblé, umbanda, tambor de mina e xangô)


realizam cerimônias de batismo, de iniciação, de casamento entre outras
• Os casamentos ocorrem nos Terreiros, têm padrinhos e são celebrados por Sacerdotes e
Autoridades religiosas
• Textos sagrados são lidos e atos ritualísticos são realizados durante todo o ritual
• A troca de alianças é disseminada
• Uma ata é lavrada em cada ocasião. A transcrição da ata funciona como certidão

Casamento com Efeito Civil

No Brasil, o casamento veio junto com os colonos portugueses, sendo que o casamento proferido
pela Igreja Católica era oficial, até a promulgação do Decreto nº 181/1890, advindo com a
República. Tal decreto tornou o Brasil um país laico, não tendo uma religião oficial e sendo, agora,
o casamento civil obrigatório. Uma das características do casamento, e talvez a maior delas, é a
manifestações das vontades, entre essas manifestações, está à vontade dos noivos que contrair o
matrimônio na religião em que depositam sua fé e seus princípios. Outra característica é que o ato
deve ser solene, "A lei o reveste de formalidades destinadas não somente à sua publicidade, mas
também à garantia da manifestação do consentimento dos nubentes", onde há a necessidade de
padrinhos que atestam as manifestações assim como todo o ato solene.

Para o casamento ser válido e eficaz, contudo, é necessário que ele preencha alguns requisitos, entre
eles: o da Validade, o da Eficácia e o da Existência:

- o requisito Validade compreender a capacidade dos nubentes e o não impedimento de contrair


matrimônio;

- o requisito Eficácia prender-se à regularidade do casamento;

- o requisito da Existência é o mais importante, onde só é considerado inexistente o casamento em


três situações: quando este é celebrado por autoridade absolutamente incompetente, quando é
contraído sem consentimento, ou ainda quando é realizado entre pessoas do mesmo sexo.

O Casamento religioso com efeitos civis

No nosso ordenamento jurídico, três tipos de matrimônio são considerados: o civil, o religioso sem
efeitos civis e o religioso com efeitos civis.

O casamento religioso sem efeitos civis não é aceito pelo Estado, podendo, entretanto, os nubentes
o efetivarem depois de um lapso temporal através da União Estável. O casamento religioso com
efeitos civis é aquele celebrado por uma "AUTORIDADE OU MINISTRO RELIGIOSO"
(art. 71 da Lei dos Registros Públicos).

E ai está a primeira indagação que se faz à improcedência do casamento espírita, haja vista a falta
de Autoridade Espírita . É sabido que a doutrina espírita não possui os mesmos moldes da religião
judaico-cristã , evangélica ou quaisquer outras as quais podem celebrar um casamento religioso,
pois possuem um grau de hierarquia exorbitante.

E na Umbanda como acontece um casamento?

Primeiro precisamos saber onde está a Autoridade do Terreiro. Segundo o dicionário da língua
portuguesa Houaiss autoridade significa:

1. direito ou poder de ordenar, de decidir, de se fazer obedecer; (…) 5. influência exercida por
pessoa sobre outra; (…) 7. especialista respeitado sobre um assunto

então percebemos que os Sacerdotes, Pais e Mães Espirituais são as pessoas capazes de preencher
os requisitos supracitados, são as Autoridades e são elas quem devem realizar o cerimonial, assim
sendo o casamento na Umbanda terá efeitos civis. Interpretando os dizeres da própria Constituição
Federal de 1988, no Art. 5º, VI onde diz: "é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo
assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais
de culto e as suas liturgias", pode-se notar que a liberdade de culto é facultada a todos e que a leis
devem valer a todos, porem, se passarmos a entender que a Umbanda não tem os mesmos direitos
que a Igreja Católica, por exemplo, estaremos menosprezando uma religião e, conseqüentemente,
aqueles que dela fazem parte.

Segundo, o cerimonial do casamento na Umbanda deve ser um ato solene e realizado com todos os
atos ritualísticos pertencente à Umbanda, como defumação, abertura de gira, canto a Oxalá, etc.
Deverá a Autoridade proferir esse ato solene para só depois, os Guias Espirituais abençoar o casal e
as alianças (ato espiritual). Tudo
acompanhado pelos padrinhos onde atestarão, após a cerimônia, o ato em um livro ata designado
para esse fim, ficando assim registrado a veracidade da cerimônia.

Não se esquecendo de expor aos noivos a importância do casamento, a importância da família e que
essa união estabelecida por Deus é importante para nosso aperfeiçoamento, que um relacionamento
afetivo só será bem sucedido se houver respeito e entendimento mútuo e que acima de toda e
qualquer visão materialista, o casamento é geralmente, um compromisso assumido antes da
reencarnação. Para André Luiz, que ditou 17 livros para Chico Xavier, há vários tipos de
casamentos:

Casamento acidental: o encontro de almas inferiorizadas por efeito de atração momentânea, sem
qualquer ascendente espiritual. Nesse caso, funciona apenas o livre-arbítrio. Nos dias atuais, tais
casamentos são comuns pela falta de compromisso, pelo desequilíbrio emocional e pela insatisfação
generalizada.

Casamento provacional: esse é o reencontro de almas para os reajustes necessários à evolução de


ambos. Esses são os mais freqüentes, por isso existem tantos lares onde prevalecem os conflitos
morais, a desarmonia e a desconfiança.

Casamento sacrificial: reencontro de uma alma iluminada com uma alma inferiorizada. O objetivo é
redimir e ajudar o espírito que se encontra em posição inferior.

Casamentos afins: o reencontro de corações amigos para consolidação de afetos. Reúnem almas
esclarecidas e que muito se amam. São espíritos que no ambiente doméstico consolidam antigos
laços de afeição.

Casamentos transcendentes: de almas engrandecidas no bem que se buscam para realizações


imortais.

Texto retirado do Jornal de Umbanda Carismática- JUCA

Edição nº.10/maio de 2007

RITUAL DE CASAMENTO

PARTE ADMINISTRATIVA

O templo deve ser preparado com flores, toalhas limpas no Congá, uma mesa branca coberta toalha
branca que servirá de suporte para o livro de atas, para as alianças e para os instrumentos sagrados.

· Toalhas dos Sacerdotes;

· Sineta;

· Água Mineral;

· Ramo de Louro (representa a fartura e riqueza);

· Pemba;

· Dois Cálices de água, adoçada com mel puro, para serem brindados pelos noivos, diante do
Congá, após a declaração do zelador de que estão casados.

PARTE RITUALÍSTICAS

1. Antes da entrada dos noivo, o zelador fará a abertura do templo da forma como normalmente é
feita nos outros rituais.

2. Os noivos entrarão de baixo de uma toalha (ALÁ) cada um com uma vela acesa nas mãos.

Esta toalha será levada pelos padrinhos sustentadas pelas pontas e pelo meio das laterais. Os
padrinhos da noiva e as madrinhas do noivo.

Deverão estar todos de branco (e com suas Guias, no caso de serem filhos do terreiro).

3. Quando chegarem ao centro do terreiro, a toalha será recolhida e a partir daí, os noivos vão até
à mesa sozinhos.

4. Os padrinhos tomarão seus lugares em ambos os lados dos noivos

CERIMÔNIA

O ZELADOR INICIARÁ A CERIMÔNIA ANUNCIANDO AO PÚBLICO PRESENTE QUE O


___________ (NOME DO NOIVO), FILHO DE _________________(NOME DO PAI) E DE
_________________(NOME DA MÃE) E ___________________(NOME DA NOIVA), FILHA
DE _______________(NOME DO PAI) E DE _________________(NOME DA MÃE),
DECIDIRAM POR SUA LIVRE E ESPONTÂNEA VONTADE SE UNIREM EM
MATRIMÔNIO, NA CASA BRANCA DE OXALÁ, PERANTE SUAS ENTIDADES, E ORIXÁS
(QUANDO UM OU OUTRO JÁ TIVEREM A OBRIGAÇÃO DOS DOIS ORIXÁS), O QUE
SERÁ FEITO A PARTIR DESTE MOMENTO CASO AMBOS CONTINUEM CERTOS DE SUA
DECISÃO. (UM BREVE OLHAR DO SACERDOTE, PERGUNTANDO SE CONTINUA A
CERIMÔNIA).

AS VELAS BRANCAS ACESAS, NAS MÃOS DOS NOIVOS, SIMBOLIZAM AS


ASPIRAÇÕES QUE OS LEVARAM AO CASAMENTO, OU SEJA, QUE SÃO CLARAS,
PURAS E LIVRES DE INTERESSE, SUSTENTADOS PELA LUZ DO AMOR.

DESTA FORMA, COMO AS VELAS IRRADIAM LUZ CLARA E FORTE, ASSIM TAMBÉM AS
ALMAS DE VOCÊS, ________________(NOME DO NOIVO) E _______________(NOME DA
NOIVA) DEVEM ESTAR CLARAS, PURAS PARA ESTE ATO. ASSIM TAMBÉM, COMO
ARDEM AS CHAMAS DAS VELAS, DEVE ARDER A CHAMA DO AMOR DE VOCÊS,
DURANTE TODA A VIDA DE CASADOS, E TAMBÉM O AMOR PELA RELIGIÃO EM QUE
ABRAÇAM E CONFIAM.

A COROA DE FLORES, ESTA QUE VOCÊ TRAZ NA CABEÇA, É UM SÍMBOLO DE PODER,


DE COROAÇÃO E QUE VOCÊ E VOCÊS DE AGORA EM DIANTE SE TORNARÃO
FUNDADORES DE UMA FAMÍLIA E DONOS DE UM LAR, OS REIS, POR ASSIM DIZER,
DE UMA GERAÇÃO FUTURA E QUE RECEBEM A INCUMBÊNCIA DE UTILIZAR ESTE
PODER PARA A FELICIDADE DOS QUE VIEREM SE JUNTARA ESTA FAMÍLIA. SEJA
ESPIRITUAL OU CARNAL.

Neste momento, o zelador fará uma pequena prédica agradecendo às Almas presentes, em especial
aos Pretos Velhos, Caboclos, Crianças e Exús, pela ajuda que estão dando à Casa Branca e que
darão durante a Cerimônia de Casamento a se realizar neste momento. Falará a seguir sobre o
casamento, o reconhecimento civil dele, quando feito na Umbanda, a visão que a nossa religião tem
desse compromisso e, finalmente, o casamento perante as responsabilidades do mundo e do astral.

A seguir, o zelador perguntará ao noivo se continua decidido a se unir com a noiva (cita o nome de
ambos em voz alta); depois da resposta afirmativa do noivo, repete da mesma forma a pergunta à
noiva. Tendo ambos respondido afirmativamente serão ambos cruzados com Pemba branca.

A seguir o zelador dirá e será acompanhado pelos noivos:

COMPROMISSO DOS NOIVOS FRENTE À UMBANDA

EU, _____________________(NOME DO NOIVO), ME COMPROMETO A PERMANECER


JUNTO A ______________________(NOME DA NOIVA), E _______________________(NOME
DA NOIVA) ME COMPROMETO A PERMANECER JUNTO DE
_________________________(NOME DO NOIVO), EM TODOS OS MOMENTOS DE
ALEGRIA E TRISTEZA, SAÚDE E DOENÇA, POIS NOSSA UNIÃO SERÁ COMO DIAS
COLUNAS A SUSTENTAREM O TEMPLO DE NOSSO CORAÇÕES E DE NOSSA FAMÍLIA,
FAZENDO PREVALECER ENTRE NÓS O AMOR E O RESPEITO, DANDO-NOS
CONFIANÇA MÚTUA E O COMPROMISSO DE AMPARAR-NOS UM AO OUTRO EM SUA
PRÓPRIA ESTRADA, JÁ QUE, EMBORA ESTEJAMOS JUNTOS EM TODOS OS INSTANTES
DE NOSSA VIDA, SEREMOS RESPONSÁVEIS, CADA UM DE NÓS, PELO SEU PRÓPRIO
CAMINHO DE EVOLUÇÃO.

OS PROBLEMAS DA VIDA TERRENA, TEMOS CERTEZA, NÃO DESAPARECERÃO, MAS


SE TORNARÃO MAIS FÁCILMENTE SUPERÁVEIS COM A FORÇA DA NOSSA UNIÃO.
COM ELA VENCEREMOS TODOS OS OBSTÁCULOS QUE SE NOS PUSEREM E SEREMOS
O EXEMPLO VIVO PARA NOSSA COMUNIDADE, NOSSOS IRMÃOS E NOSSOS FILHOS
CARNAIS OU ESPIRITUAIS, DAQUILO QUE DESEJAMOS QUE SEJAM NESTE MUNDO:
CAMINHANTES DO CRISTIANISMO, DO AMOR AO PRÓXIMO E DA PERSISTÊNCIA NO
RUMO DA EVOLUÇÃO.

AOS PADRINHOS

EM VÁRIAS CIVILIZAÇÕES ANTIGAS ERA PRAXE, EM DIA DE FESTAS, CUIDAR-SE


MAIS DA SEGURNÇA DA ALDEIA. ISSO PORQUE OS INIMIGOS SABENDO DOS
COSTUMES E DAS FESTAS, COSTUMAVAM ATACAR, QUANDO A ALDEIA EM FESTA
ERA APANHADA DESPREVENIDA. NOS CASAMENTOS, EM ESPECIAL NA ÍNDIA, DOIS
COSTUMES SE FIRMARAM E PASSARAM À POSTERIDADE DE INÚMERAS OUTRAS
CIVILIZAÇÕES, INCLUSIVE AS OCIDENTAIS. O PRIMEIRO DELES ERA O DA NOIVA
FICAR SEMPRE AO LADO ESQUERDO DO NOOIVO, DEIXANDO SUA MÃO DIREITA
LIVRE PARA EMPUNHAR E ESPADA EM CASO DE NECESSIDADE; O SEGUNDO ERA
DE ESCOLHER HOMENS FORTES E AMIGOS QUE PUDESSEM AJUDAR O NOIVO NA
DEFESA DE SEU CASAMENTO E POSTERIOMENTE DE SEU LAR. ESSA É A ORIGEM
DOS PADRINHOS EM NOSSO MUNDO ATUAL. NÃO DEVEMOS ESPERAR QUE OS
PADRINHOS TENHAM QUE EMPUNHAR A ESPADA N DEFESA DESSE CASAL QUE OS
ESCOLHEU. MAS, MUITO MAIS IMPORTANTE QUE ISSO, É O APOIO QUE PODERÃO
DAR A AMBOS NA CAMINHADA QUE HOJE COMEÇARÃO A COMPARTILHAR. APOIO
QUE SE REVELARÁ ATRAVÉS DO AMOR DEDICADO POR VOCÊS AOSDOIS, PELA
CAPACIDADE QUE DEVERÃO TER PARA OUVI-LOS, ACONSELHÁ-LOS E ORIENTÁ-
LOS.

Essa é, na Umbanda uma responsabilidade Espiritual que vocês estão assumindo perante o Plano
Astral. Peço aos Padrinhos que repitam comigo:

PERANTE A EGRÉGORA DA CASA BRANCA DE OXALÁ, PERANTE TODOS OS


ESPÍRITOS AQUI PRESENTES, ENCARNADOS E DESENCARNADOS, PERANTE NOSOS
AFILHADOS , PROMETEMOS NÃO FALHAR NESSE NOSSO COMPROMISSO DE AMÁ-
LOS E AJUDÁ-LOS DURANTE TODA NOSSA VIDA.

Antes da cerimônia da troca de alianças, cabe lembrar que:

OS ROMANOS A USAVAM NO DEDO MÉDIO DA MÃO DIREITA E NO ANULAR DA


ESQUERDA, DONDE, SEGUNDO UMA ANTIGA CONCEPÇÃO MÉDICA EGÍPCIA, UM
NERVO PARTIA DIRETAMENTE PARA O CORAÇÃO. ESSAS ALIANÇAS, REPRESENTAM,
ATRAVÉS DO CÍRCULO QUE CONFORMAM, A ETERNIDADE, A PERMANÊNCIA,
AQUILO QUE NÃO TEM FIM. POR OUTRO LADO, O FATO DE A ALIANÇA DA NOIVA,
NA MAIORIA DAS VEZES, SE ENCAIXAR PERFEITAMENTE DENTRO DA ALIANÇA DO
NOIVO, TEM DOIS SIGNIFICADOS: O PRIMEIRO É O DA RESPONSABILIDADE DE
PROTEÇÃO QUE O NOIVO ASSUME COM RELAÇÃO A NOIVA. E O SEGUNDO, É A DA
UNIÃO DE DUAS PERSONALIDADES QUE NÃO PEERDERÃO SUA INDIVIDUALIDADE
MAS QUE BUSCARÃO A CADA DIA TORNAR-SE MAIS E MAIS UNIDOS NA BUSCA DE
OBJETIVOS COMUNS E NA OCUPAÇÃO DE UM SÓ ESPAÇO, POR AMBOS, NO PLANO
ESPIRITUAL, NO CAMPO MATERIAL E NO FÍSICO.

A SEGUIR O ZELADOR PRONUNCIA AS SEGUINTES PALAVRAS:


EU, SOLANO D E OXALÁ, ORDENADO SACERDOTE NO TEMPLO CASA BRANCA DE
OMOLU, DIRIGIDO POR MÃO MARIAZINHA DE OMOLU, POR SUA VEZ ORDENADA NO
TEMPLO ROÇA ESTRELA GUIA DE OMOLU DAS ALMAS, DIRIGIDO POR SEU PAI
OMOLUBÁ, POR SUA VEZ DESCENDENTE DA ROÇA ESTRELA GUIA DE SUA MÃE
DOCA, E PELO PODER QUE ME FOI CONFIADO PELA EGRÉGORA DA CASA, PELO
MEUS ORIXÁS, PELAS MINHAS ENTIDADES, E POR TODAS AS ENTIDADES QUE AQUI
PRATICAM A CARIDADE BEM COMO DE TODOS ENCARNADOS E DESENCARNADOS
AQUI PRESENTES, ABENÇOO ESTEE CASAL E OS DECLARO MARIDO E MULHER,
PERANTE O MUNDO ESPIRITUAL E MATERIAL.

PEÇO QUE ELEVEM SEUS PENSAMENTOS AO NOSSO PAI MAIOR,PEDINDO QUE


DERRAME SUAS BÊNÇÃOS SOBRE ESTES FILHOS.

(Neste momentos todos levantam os braços)

Glória a Deus

OS NOIVOS TOMAM EM SUAS MÃOS O CÁLICE

_____________________(NOME DO NOIVO) E ___________________(NOME DA NOIVA),


AO BEBEREM ESTA ÁGUA COM MEL, CONSCIENTES DO SINAL DE QUE, DORAVANTE,
EM TODA A SUA VIDA CONJUGAL, DEVERÃO TER TUDO DE COMUM ACORDO, OS
MESMOS DESEJOS E INTENÇÕES, DE QUE DEVERÃO DIVIDIR TUDO POR QUE
PASSAREM, AS ALEGRIAS E AS TRISTEZAS, TRABALHO E REPOUSO, OS GRANDES
FEITOS E O RECOLHIMENTO POR ESTES FEITOS. E QUE AS ALEGRIAS SEJAM MUITAS
E AS TRISTEZAS SEJAM ALICERCE DE CRESCIMENTO PARA OS DOIS.

(Neste momento, os noivos tomam o cálice de água)

Os Zeladores neste momento, cumprimentam os noivos, sendo seguido pelos padrinhos que os
abraçarão. A seguir os zeladores e os filhos e os noivos encerrarão o ritual com o fechamento
tradicional. Após o encerramento da Gira, os noivos sairão do Templo, sobre uma chuva de pétalas
de flores, jogadas por todos os presentes. Caso haja alguma comemoração, bolo, etc…, as cortinas
do terreiro deverão estar fechadas e a comemoração se desenrolará fora do mesmo.

Pai Nosso Umbandista

PAI NOSSO QUE ESTAIS NOS CÉUS,


NAS MATAS, NOS MARES E EM TODOS
OS MUNDOS HABITADOS.

SANTIFICADO SEJA O TEU NOME,


PELOS TEUS FILHOS, PELA NATUREZA,
PELAS ÁGUAS, PELA LUZ E PELO AR
QUE RESPIRAMOS.

QUE O TEU REINO, REINO DO BEM,


DO AMOR E DA FRATERNIDADE,
NOS UNA À TODOS E A TUDO QUE
CRIASTES, EM TORNO DA SAGRADA CRUZ,
AOS PÉS DO DIVINO SALVADOR E REDENTOR.
QUE A TUA VONTADE NOS
CONDUZA SEMPRE PARA O CULTO DO
AMOR E DA CARIDADE.

DAI-NOS HOJE E SEMPRE A


VONTADE FIRME PARA SERMOS
VIRTUOSOS E ÚTEIS AOS NOSSOS
SEMELHANTES.

DAI-NOS HOJE O PÃO DO CORPO,


O FRUTO DAS MATAS E A ÁGUA
DAS FONTES PARA O NOSSO SUSTENTO
MATERIAL E ESPIRITUAL.

PERDOA, SE MERECERMOS,
AS NOSSAS FALTAS E DÁ O SUBLIME
SENTIMENTO DO PERDÃO PARA OS
QUE NOS OFENDAM.

NÃO NOS DEIXEIS SUCUMBIR,


ANTE A LUTA, DISSABORES, INGRATIDÕES,
TENTAÇÕES DOS MAUS ESPÍRITOS E
ILUSÕES PECAMINOSAS DA MATÉRIA.

ENVIAI-NOS, PAI, UM RAIO DE


TUA DIVINA COMPLACÊNCIA, LUZ E
MISERICÓRDIA PARA OS TEUS FILHOS
PECADORES QUE AQUI HABITAM,
PELO BEM DA HUMANIDADE, NOSSA IRMÃ.
ASSIM SEJA.

Você também pode gostar