Você está na página 1de 2

As Quatro Estações da Vida

Quando eu peregrino percorri os anos

Aprendi em percalços e tantas dificuldades

Em todas as incompreensões e traições

Que o caminho que percorremos não é fácil

Entre as sombras das arvores

Abaixo de um imponente céu azul

Sentindo o frescor da brisa da manhã

Pássaros cantarolando a suma gratidão

Conclui depois de uma singela reflexão

La no profundo dentro de meu coração

Que a vida deve ter etapas em tantas situações

Por fim devemos viver em quatro estações:

Primavera: Sejamos como ela, pois assim como as flores fazem a


natureza ainda mais bela, devemos ser de tal modo como essa estação,
não importa quantas tempestades chegaram, mas nenhuma delas jamais
impediu uma rosa de desabrochar. Assim mesmo diante de todas as
dificuldades, façamos que a vida se torne mais bela e mais colorida aos
outros.

Outono: Sejamos como ele, pois ainda que os ventos soprem sobre as
flores, todavia, muitas delas resistem ao ponto de darem os mais doces
frutos aos homens, assim cada um de nós, vivendo em meio a tantas
turbulências na vida, possamos dar a todos a nossa volta, a doçura da
bondade e o aroma do amor.

Verão: Não importa o quão escura seja à noite, ainda que as nuvens
escondam todas as estrelas, ainda que todas as luzes artificiais se
apaguem, mas a aurora chega com esplendor, e traz consigo muita luz e
calor. Assim sejamos nós, pois mesmo que tanta escuridão reine na
humanidade, ainda que tantas sombras insistam em nos rodear, sejamos
pacientes e deixemos um legado de luz e calor a todos a nossa volta.

Inverno: é aquela estação do frio e das chuvas do orvalho que se faz


geada, e assim também devemos nós, irrigar a esperança de muitos
desesperados, levar algum orvalho que sirva de refrigério aos
desalentados, que possamos levar água fria aos sedentos e como a neve
que tece a tapeçaria das colinas embranquecidas, sejamos ousados em
dar cobertura aos que se encontram desnudos e que a brancura da
humildade sejam os vestidos de nosso coração.

(Autor: Clavio J. Jacinto)