Você está na página 1de 5

CONSELHO em revista | nº 33

Sustentabilidade:
a construção fazendo a sua parte
Edificações sustentáveis ajudam na preservação do clima

área técnica - matérias


Por Jô Santucci | Jornalista

divulgação/joal teitelbaum
Neste momento, no qual o tema
aquecimento global toma as man-
chetes do mundo inteiro, susten-
tabilidade torna-se peça-chave, des-
pertando o interesse de todos os se­
­tores de produção. Atender às ne-
cessidades do presente sem com-
prometer as possibilidades de as
15
futuras gerações atenderem às suas
próprias necessidades é uma das
definições mais abrangentes deste
conceito. Para ser sustentável, por-
tanto, qualquer empreendimento
humano deve ser ecologicamente
correto, economicamente viável,
socialmente justo e culturalmente
aceito. Para não entrar na contra-
mão desse movimento, é preciso
compreender a construção da sus-
tentabilidade como um desafio es-
sencial, já que significa estudar pro­
­fundamente o planeta e a socieda-
de, para buscar alternativas viá-
veis e mudar uma cultura Certificados pelo Green Building Council, os prédios verdes, comuns na Europa, chegam a Porto Alegre

Este novo paradigma atinge em cheio de 1,8 bilhão de toneladas de dióxido de


adriano becker

o setor da construção civil, considerado carbono.


um dos grandes vilões do meio ambien- Para Miguel Sattler, eng. civil, PhD.
te. E não é à toa, portanto, que edifica- pela University of Sheffield, na Grã Bre-
ções que geram a própria energia e apro- tanha, pós-doutorado na University of
veitam água da chuva são cada vez mais Liverpool, na Grã-Bretanha, professor do
cobiçadas por grandes empresas no mun- Núcleo Orientado para a Inovação da Edi­
do todo, tornando-se importantes pro- ­ficação (Norie/Ufrgs), de diversas disci-
jetos arquitetônicos. De acordo com re- plinas relacionadas à sustentabilidade da
latório do Programa das Nações Unidas construção, como edificações e comuni-
para o Meio Ambiente (Pnuma), divul- dades sustentáveis, edificações susten-
gado no site da Procel, o uso mais efi- táveis em prática, projetos regenerativos,
ciente de concreto, metais e madeira na habitabilidade, gestão ambiental urbana
construção e um menor consumo de ener- e ambiência rural, “o tema tem atraído
gia em aparelhos de ar-condicionado e aten­­ções porque em todas as áreas de ati­
pela iluminação poderiam economizar ­vidades humanas tem havido um desper­
bilhões de dólares em um setor respon- ­tar de consciência sobre os impactos que
sável por 30% a 40% do consumo mun- todos temos causado sobre o nosso plane­
Eng. civil Miguel Sattler, professor do Norie/
dial de energia. Destaca, ainda, que o ­ta, que possui recursos finitos e que os
Ufrgs, é uma referência quando o tema é setor de construção em todo o mundo sis­­temas de suporte à vida, como água,
sustentabilidade na construção poderia promover a redução da emissão ar, solo, energia, pre­­cisam ser preserva-

www.crea-rs.org.br
CONSELHO em revista | nº 33

adriano becker
dos, em sua compo­­sição qualitativa e las e viáveis. Quem duvidar que visite o
quantitativamente, para que não se com- Vila Ventura, em Viamão”, destaca. No
prometa de maneira irreversível a sobre- entanto, ele ressalta que hoje não se rea­
vivência humana e de outras espécies. ­liza qualquer tipo de contabilidade am-
Tu­­do isso faz com que muitos empreen- biental dos empreendimentos. Não se
dedores passem a se preocupar com a avalia, por exemplo, quanto iria custar a
sua contribuição na desestabilização da regeneração de um corpo d’água que po-
vida no planeta e queiram minorar o im- luímos com resíduos orgânicos, biológi-
pacto de suas ações”. cos, industriais, agrícolas, para que este
área técnica - matérias

Sattler acredita que ninguém quer as- nos supra de água com qualidade que
sumir o papel de vilão, de estar comprome­ atenda aos parâmetros estabelecidos pe-
­tendo o futuro de nossos descendentes. lo Conama. “O maior desafio é da mu-
As­­sim, um crescente segmento busca iden- dança da cultura que hoje prevalece. Pre-
tificar, tornar visível as suas ações, atra- cisamos nos conscientizar que, para ter
vés de sistemas de certificação ambien- uma sociedade global sustentável, pre-
tal, até como uma forma de propaganda cisamos mudar os nossos hábitos: poluir
para seus produtos. “Já existe há mais de menos, consumir somente o que for eco-
uma década a certificação de madeiras logicamente correto; enfim, refletir, an-
pro­­duzidas através do manejo sustentá- tes de optar pelo consumo se efetivamen-
vel de florestas, como o FSC, e na área de te necessitamos de um produto ou ser-
construção, de sistemas de certificação viço; recusar adquirir aquilo que puder
de edificações, o mais conhecido deles é comprometer o futuro de nossos descen-
16 o LEED, do Green Building Council, dos dentes; reduzir o consumo de bens; reu-
Estados Unidos”, esclarece. tilizar, sempre que possível; aumentar a
vida útil dos produtos através da recicla-
Edificações sustentáveis gem”, explica.
e seus diferenciais
Segundo o professor, a sustentabilida­ Sustentabilidade
de e sua aplicação às construções reque- e os profissionais
rem uma visão holística – onde os inúme­ da área tecnológica
ros aspectos intervenientes sejam consi- O arquiteto Pery Bennett, coordena-
derados –, sistêmica e interdisciplinar, dor do curso de Arquitetura da Ulbra e
pela sua complexidade, por envolver múl- con­­selheiro do CREA-RS, ressalta que a
tiplos olhares que conversem entre si. sustentabilidade é sinônimo de conforto
“Em cada novo projeto buscamos estu- Reservatório de areia e brita que filtra a água e que seu processo na construção civil é
dar as implicações e propor soluções as- que escorre do telhado. Projeto de estudo que irreversível. “Na prática, principalmen-
envolveu mais de 30 profissionais coordenados
sociadas à gestão racional de energia, de pelo professor Sattler te nos países desenvolvidos, ela está vol-
água, de resíduos sólidos, líquidos e ga- tada para a alta tecnologia, mas também
sosos. Buscamos identificar a trajetória tem que assumir a responsabilidade de sustentáveis. Os edifícios inteligentes, co-
de cada recurso, de seu berço ao seu túmu­ zelar pela natureza, em primeiro lugar, mo são chamados, são voltados por exem-
­lo – da fonte de onde é extraído, até sua assimilando o que é a sustentabilidade e plo para o conforto térmico. Portanto, a
des­­­tinação final –, e dos impactos que o que são as práticas verdadeiramente sus­ sustentabilidade funciona de uma forma
potencialmente poderão ser causados nes­ ­tentáveis, para, posteriormente, colocar fantástica. É só saber usar a tecnologia
­ta trajetória, buscando opções que os mi- a sustentabilidade em prática, mesmo que correta”, diz.
nimizem. Temos sempre presente que pa- isto implique elevação dos custos nas su- O coordenador do Programa de Pós-
ra o ser humano, e os benefícios a ele pro­ as atividades profissionais”, destaca. Graduação em Engenharia Civil da Poli,
­­porcionados, a melhoria de sua qualida- As construções existentes, de acordo Van­­derley Moacyr John, destaca que edifí­
de de vida é o fim a ser buscado. E essa com Ercole, são os grandes desafios pa- ­cios mais sustentáveis significam melhor
bus­­ca deve atender, da melhor forma pos- ra os profissionais que buscam o concei- qualidade de vida aos usuários e confor-
sível, a todas as suas necessidades, mate­ to de sustentabilidade. “O bem-estar pro- to igual ou melhor. “Mas existe uma abor-
­riais ou imateriais, físicas ou espirituais, porcionado por habitar uma edificação dagem que nega a tecnologia e busca vol-
que contemplem o intelecto, os sentidos sus­­tentável, que agride menos a nature- tar ao passado. As técnicas antigas usam
e o coração do indivíduo”, explica. za, já é um grande diferencial”, enfatiza. muitos recursos naturais, como paredes
Para o engenheiro civil Luiz Ercole, Em termos de aumento de custos no muito grossas, e são insustentáveis se ado-
que criou um projeto que recicla as águas novo conceito de sustentabilidade, o pro- tadas em grande escala”, destaca.
servidas como efluentes das edificações fessor Miguel Sattler esclarece que, em Ele salienta ainda que o interesse do
(veja box), é preciso tomar cuidado para qualquer construção, os custos deverão mercado imobiliário está crescendo rapi­
não vulgarizar o termo sustentabilidade, ser adequados aos interesses do cliente ­damente, impulsionado em parte pelos
como aconteceu com ecologia. “Se alguém e à sua disponibilidade de recursos. “Por capitais internacionais que começam a fi­
pinta um tubo de PVC de verde, pode se exemplo, quem quiser investir em gera- ­nanciar nossa construção. O interesse de
achar no direito de usar a denominação ção fotovoltaica, hoje, no Brasil, sabe que profissionais também cresce, segundo o
de ‘ecotubo’. Estou tentando descobrir em não obterá, ao longo da vida útil dos co- professor, pois os eventos que discutem
que o veículo Ecoesport é mais eco­­­lógico letores, retorno do investimento realiza- o tema estão cada vez mais lotados. “O
que os outros. As práticas sustentáveis do. É uma opção feita como uma contri- nos­­so desafio é o desenvolvimento de
de­­­vem ser feitas com muito profissiona- buição individual para a preservação dos tecnologias de projeto e construção. Co-
lismo. A atividade do engenheiro interfe­ recursos energéticos disponíveis. Mas cer- ordenei o capítulo latino-americano de
­re, muitas vezes, pesadamente no meio tamente existem inúmeras opções de ma- um concurso global construção susten-
am­­biente. Eu penso que o engenheiro teriais e técnicas, saudáveis, limpas, be- tável, promovido por uma fundação man-

www.crea-rs.org.br
adriano becker
benefício de um prédio inteligente faz
com que esse tipo de construção seja viá­
vel. “Precisamos ter em mente que os re-
cursos naturais são finitos e os ganhos
so­­­cioambientais com um empreendimen-
to podem ser de grande valia para a so-
ciedade. A preocupação com os recursos
utilizados em todo o ciclo produtivo é o
principal diferencial de empreendimen-

área técnica - matérias


tos com o conceito Green Building que
es­­­tamos implementando. Nesse empre-
endimento, por exemplo, visando redu-
zir o consumo de energia elétrica, será
implantado integração do sistema de
aquecimento; sistema de automação com
sensores para chuva, iluminação e dime-
rização; isolamento termo-acústico; ra-
cionalização da logística e utilização de
madeira certificada e de materiais locais
de um raio inferior a 1.000 quilômetros,
preferencialmente. Para o morador do
empreendimento, se comparados aos gas-
tos com energia elétrica, essas ações ge- 17
Escola de Ensino Fundamental Frei Pacífico, em Viamão. Construída com todos os elementos de
sustentabilidade, como conforto térmico e captação de água da chuva. Além disso, suas paredes ram uma redução de custos de aproxi-
foram erguidas com pedras da região madamente 20%. As construções desen-
volvidas de forma sustentável podem exi­
tida pelo maior fabricante mundial de (patinho feio) e econômico. A questão ­gir um investimento inicial em torno de
cimento, a Holcim. A América Latina (e econômica só não é importante quando 5% a mais que a média, mas este valor
o Brasil) foram campeões do número de falamos do dinheiro dos outros. As solu- aca­­ba gerando economia final nos cus-
candidatos. No entanto, a qualidade das ções devem ser viáveis. Algumas coisas tos de manutenção e operacionais supe-
propostas estava muito abaixo do padrão não temos opção, pois em muitas cida- rior a 25%. O mais importante é que es-
médio mundial: nossos profissionais es- des os sistemas de drenagem terão de ser se investimento não será refletido no cus-
tão interessados, mas não dominam as dramaticamente modificados, ou sofre- to dos apartamentos, que se encontram-
tecnologias básicas. Eficiência energéti- remos grandes inundações cada vez mais se em patamares altamente competitivos
ca é ainda abordada da mesma forma de periódicas. Em países como o Brasil o de- no mercado”, finaliza.
30 anos atrás, com os conceitos clássicos safio é democratizar a cidade – a dimen- Sustentabilidade é um tema em cons-
de arquitetura bioclimática, enquanto no são social é particularmente importante trução. Há muito o que aprender a res-
mundo novos conceitos já estão conso- nos grandes centros urbanos –, promo- peito. Segundo o professor Sattler, uma
lidados, incluindo a simulação numérica vendo o acesso à infra-estrutura e servi- edificação sustentável é possível desde
do desempenho térmico e energético. O ços urbanos, como transporte, diversão, que todos se comprometam com isso. “E
maior desafio será capacitar e motivar os habitação, espaços verdes de qualidade com isso não apenas uma nova edifica-
profissionais de engenharia e arquitetu- para todos os cidadãos. O poder desta vi­ ção, mas novas cidades, uma nova civili-
ra”, explica. ­são pode ser visto em Bogotá, na Colôm­ zação mais racional, que, feliz, habite um
Para ele, o engenheiro tem um papel ­bia”, completa. novo planeta, dentro da capacidade dos
muito importante quando o tema é susten­ sistemas de suporte à vida. Mas, como
­tabilidade, pois esse profissional tem con- Prédios verdes diz o arquiteto ‘verde’ norte-americano
dições de ima­­ginar, projetar e coordenar Segundo o professor Sattler, o anún- William McDonough, para isso nossos
os processos que transformam o ambien- cio do primeiro prédio verde, em Porto atos deverão expressar responsabilidade
te, produzem bens e alimentos e geren- Alegre é muito importante e significati- para com todas as crianças, de todas as
ciam a gestão de resíduos. “Não são os vo. “Venho acompanhando as iniciativas espécies e para todo o tempo”, finaliza.
am­­­bientalistas que vão resolver os proble­ desta empresa desde 2002, quando par-
­mas ambientais: no final, conceitos ge- ticipei de uma banca de mestrado que
Jô Santucci/crea-rs

rais, políticas públicas, precisam ser trans- tinha como objeto a definição dos princí­
formadas em soluções de engenharia. A ­pios que orientassem a redução de impac­
atual resistência dos engenheiros, e até ­­tos ambientais em suas atividades de cons-
arquitetos, às questões ambientais – ve- trução. Tais ações, associadas a outras,
ja a questão das barragens – precisa ser sem­­­pre buscando a qualidade, servem
superada. Do meu ponto de vista esta- de modelo para as demais em nosso Es-
mos em uma posição privilegiada para tado e no país, pois mostram a viabilida-
contribuir com o enfrentamento dos de- de de se cons­­truir mais sustentavelmen-
safios da sustentabilidade. Creio que a te e com lucro.
en­­genharia vai ser uma profissão cada O responsável pela iniciativa, o en-
vez mais gratificante”, enfatiza. genheiro civil Joal Teitelbaum, explica que
Na opinião do coordenador da Poli, no prédio certificado com as normas do
as cidades são mais um produto da cons- Green Building Council há uma preocu-
trução civil. Certamente precisarão ser pação constante com os recursos utiliza-
transformadas. “A sustentabilidade tem dos em todo o processo da obra. Teitel- Arquiteto Pery Bennett, coordenador do curso de
três pés: ambiental (mais famoso); social baum destaca ainda que a relação custo/ Arquitetura da Ulbra

www.crea-rs.org.br
CONSELHO em revista | nº 33

Construção

adriano becker
sustentável é possível

adriano becker
área técnica - matérias

lareira eficiente
ecoovilas - vila nova
(porto alegre)
Construídas de forma
sustentável, visando à
18 economia de energia,
essas lareiras aquecem
todos os ambientes da
casa, sem precisar usar
o ar-condicionado.

como funciona o sistela mocular com separação de águas


(Smsa) para o tratamento de esgotos residenciais
Telhados vivos | ecoovilas - vila nova (porto alegre)
Muito úteis como isolante térmico no inverno e no verão, além de
absorver uma parte considerável das águas da chuva. Serve
ainda como impermeabilizante de coberturas e para minimizar a
ilha de calor urbano. O consorciamento correto de espécies
possibilita a inexistência de poda e rega.

Tampas 30x30 cm
chuveiro lavatório pia de cozinha tanque máquina de para limpezas
lavar roupas
10%
as águas cinzas são todas as águas de limpezas. têm pouca matéria orgânica, muitos
sedimentos e um número baixo de coliformes fecais os quais, normalmente, são transpiração
atenuados ou eliminados pelos produtos químicos que estas águas contêm.estas
águas precisam somente de um período de duas horas para a decantação dos sólidos,
óleos e graxas (este período seria de 24 horas, numa fossa séptica, se estivessem
misturadas com as águas negras). Assim, consegue-se uma boa redução no volume evaporação
deste equipamento (volume necessário para a detenção hidráulica de duas horas
para 75% do esgoto residencial, que corresponde à parcela das águas cinzas). 20%
5% absorção das plantas

solo orgânico não compactado


duto para distribuição do esgoto pré-tratado
solo orgânico não compactado 5%
60% 60%
solo natural

vaso sanitário infiltração infiltração


o leito de evapotranspiração e infiltração (leti) promove a eliminação dos
as águas negras são ricas em matéria orgânica, patogênicos que não sobrevivem no solo orgânico por onde os efluentes
que podem colmatar o leti com a eliminação da percolam. as plantas absorvem, além de uma parcela das águas, o
porosidade, dificultando a infiltração. o reator nitrogênio e o fósforo (fertirrigação). tanto as águas que infiltram no solo
anaeróbico, composto por um digestor e por um (ou saem pelo extravasor), como as águas que são lançadas na atmosfera
filtro anaeróbico, pode remover até 80% dessa pela evaporação e pela transpiração das plantas, estão despoluídas pela
matéria orgânica. é um equipamento com reduzido ação dos elementos que compõem o leti. além disso, o leti pode ser usado
volume, uma vez que se trata apenas de 25% do para a produção de biomassa, plantas ornamentais, hortaliças (exceto as
esgoto residencial, que corresponde à parcela que têm as partes comestíveis enterradas) e frutos (t0d0s)
das águas negras.

Os sistemas convencionais de coleta e tratamento de esgo- mais sustentável que a maioria das so­­luções hoje adotadas. O
tos domiciliares apresentam níveis de eficiência técnica e econô­ tratamento, em separado, das águas re­­siduárias residenciais
­mica nem sempre compatíveis com a realidade de alguns assen­ apóia-se em vários estudos realizados nos últimos anos, em es-
­tamentos humanos. O Sistema Modular com Separação de pecial da microbiologia dos esgotos. Des­­tacam-se os que apon-
Águas tra­­ta as águas servi­­das no local e permite o aproveita- tam a eficiência do tratamento diretamen­­te relacionada à con-
mento dos poluentes dessas águas na forma de insumos para centração dos esgotos e justificam a separa­­ção das águas ne-
a produ­­ção vegetal, devolvendo-as purificadas para o ciclo hi- gras (descargas hídricas das bacias sanitárias), das cinzas (de-
drológico, pela evapotranspi­­ração e infiltração no solo, sendo mais águas ser­­vidas).

www.crea-rs.org.br
CONSELHO em revista | nº 33

miguel sattler/norie

miguel sattler/norie

área técnica - matérias


Escola feliz | Vale do caí (RS)
refúgio biológico de itaipu | foz do iguaçu (Pr) Edificação construída com materiais para saber mais
A Casa do Sol e da Lua abriga animais diurnos e noturnos. cerâmicos e pedras, como os pisos e www.engcivil.ufrgs.br/sattler
Muitos foram “desalojados” após a construção da Hidrelétrica de as paredes, da região do Vale do Caí.
Itaipu. Com este projeto foi possível reflorestar e evitar a erosão Além disso, na estrutura foram www.vilaventura.com.br
ao redor dos grandes lagos, em uma área de 140 mil hectares. utilizados eucaliptos. Essa estratégia www.arcoo.com.br
Esse centro ambiental, construído também com o conceito de de sustentabilicade gerou empregos www.elecs2007.com
sustentabilidade, é visitado por pessoas do Brasil todo. para moradores da região.

Procel Edifica lança Programa de Etiquetagem para edificações 19


Os projetos da indústria da construção civil que aprovei- Grupo de Traba­­lho de Edificações, criado no âmbito do Co-
tarem adequadamente os recursos naturais serão distingui- mitê Gestor de In­­di­­cadores e Níveis de Eficiência Energética
dos, em breve, com um Selo Procel para Edificações. A exem- (CGIEE), instituí­do pelo Decreto nº 4.059, de 19/12/01. O Se-
plo do que acontece na certificação voluntária dos equipa- lo Procel para Edificações terá reflexos diretos sobre a conta
mentos no Programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE), os proje­ de energia. Os projetos de edificações alcançarão qualifica-
­tos serão diferenciados em relação aos requisitos mínimos de ção adicio­nal (A, B, C, D ou E, sendo a letra A mais eficiente),
eficiência energética e conforto ambiental estabelecidos pelo quando submetidos a simulações da energia elétrica utiliza-
Inmetro e Procel. Sinalização para o mercado imobiliário, a da para atender aos parâmetros de conforto ambiental, como
iniciativa é uma das propostas mais avançadas em estudo no temperatura, umidade e iluminação.

www.crea-rs.org.br