Você está na página 1de 11

ASSINE

BATE- E-
0800 703 SACSHOPPING
PAPO MAIL
3000

Jus Navigandi

O maior portal jurídico do Brasil

Ajuda | Fale Conosco

Doutrina | Peças | Fórum | Blogs | Especialistas


peças » direito previdenciário » benefícios » auxílio-doença

RECOMENDE ESTE TEXTO VERSÃO PARA IMPRIMIR


Portadora de HIV: ação para restabelecimento de auxílio-doença

Desligar o modo marca-texto

Elaborado em 10.2001.
Petição inicial de ação pedindo o restabelecimento de auxílio-doença
concedido a portador de HIV, nos termos da Lei nº 7.670/88.

Elaborado por Denise Ballardin e João Darzone de Melo Rodrigues,


advogados em São Leopoldo (RS).
Colaboração enviada por: Denise Ballardin e João Darzone Rodrigues
Junior , advogados em São Leopoldo (RS).
EXMO. SR. DR. JUIZ FEDERAL DA ___ VARA CÍVEL DE NOVO
HAMBURGO – SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DO RIO GRANDE
DO SUL

Com Pedido de Assistência Judiciária Gratuita

M. E. B., brasileira, solteira, desempregada, com Carteira de Identidade n. ...,


residente e domiciliada na ...., vem, por seus procuradores firmatários, à
presença de Vossa Excelência, propor a presente

Ação Pelo Rito Ordinário, cumulada com antecipação de tutela "inaudita


altera parts" para fins de restabelecimento de auxílio-doença de portador
de HIV, a teor do que prevê a Lei 7.670/88 para fins de restabelecimento
de auxílio-doença de portador de HIV, a teor do que prevê a Lei 7.670/88
nos termos estabelecidos pelo CPC em seus artigos 282 e seguintes,
devendo ser citado para responder:

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL (INSS), autarquia


federal, com endereço à Rua Bento Gonçalves, 1891, Centro, Novo Hamburgo
(RS), pelos fatos e fundamentos jurídicos a seguir expostos:

I – DA EXPOSIÇÃO FÁTICA

1. A autora é portadora do vírus da AIDS. Em meados de 1997, após a morte


de seu companheiro, a autora descobriu que o de cujus havia falecido em
virtude da AIDS. Tal descoberta causou profundos impactos na sua existência,
num único instante se viu privada de sua vida, e a rotina de exames médicos,
tratamentos tornaram-se corriqueiros. Desespero não foi maior quando foi
obrigada a sair de seu emprego, isolar-se dos amigos, e a criar sua filha Talita
com a ajuda dos poucos familiares que lhe dão apoio.

A vida não lhe foi generosa.

2. A autora, em 15/09/1999 requereu junto ao INSS o chamado AUXÍLIO-


DOENÇA para os portadores do vírus da AIDS (S.I.D.A.), 114.391.008-4,
espécie 31, ajuda esta que lhe deu forças a continuar lutando, contra a doença
e principalmente a cuidar de sua filha com dignidade.

3. Recebeu o auxílio até o dia 11 de julho de 2000, sendo que a partir de então,
sumariamente o INSS cessou o referido auxílio para portadores de AIDS
(conforme prova Comunicação do Resultado de Exame Médico – INSS –
doc.02), pois, entendeu que autora estaria apta para o trabalho.

4. Conforme lhe faculta a Lei 7670/88, em seu art. 1º, o portador do HIV tem
direito a receber o auxílio-doença.

Ademais, a autora, conforme se visualiza com os exames acostados aos autos,


é PORTADORA DE HIV, apresentando um quadro de distúrbio, onde várias
doenças ditas ‘oportunistas’ começaram a se manifestar tais como:
TOXOPLASMOSE, febres esporádicas, diarréias e vômitos constantes, e
outras dores e doenças decorrentes de ‘vírus e bactérias’ que atacam o
organismo devido a sua ‘baixa imunidade’, inviabilizando qualquer atividade
laborativa constante, e isto sem nos referirmos a espoliação social que está
sujeita a autora, em virtude de ser portadora do vírus.

II – DO MÉRITO

A AIDS é uma infecção viral que reprime, e, no estágio mais avançado,


destrói o sistema imunológico do organismo. Esse vírus comumente
conhecido por HIV (Human Immunodeficiency Virus), que na língua
portuguesa se denomina VIH (Vírus da Imunodeficiência Humana), age
invadindo e matando os glóbulos brancos, chamados T lymphocytes (T-cells)
ou linfócitos do tipo T, presentes na corrente sangüínea. Conseqüentemente,
doenças que raramente afetariam pessoas com o sistema imunológico perfeito,
podem debilitar e serem fatais às pessoas infectadas com o HIV. Tratam-se
das infecções oportunísticas, que podem ser de vários tipos.

Existem três estágios de progressão após a contaminação pelo vírus HIV:

1) ‘seropositiv’ ou soropositivo.

2) AIDS ‘related complex’ (ARC) ou complexo relacionado ao AIDS ou pré-


AIDS.

3) ‘full-blown’ AIDS.

No estágio soropositivo a pessoa foi contaminada com o vírus HIV, o qual


permanece em estado dormente em algumas células T. Enquanto a mera
infecção com o HIV pode não trazer algum ou pequenos impactos adversos na
saúde da pessoa, a longo tempo o vírus pode causar demência ou outra
perturbação mental. Ainda assim, essa pessoa pode não apresentar os sintomas
dos dois últimos estágios. A pessoa soropositiva pode transmitir o vírus.

No estágio ARC evidencia-se a ativação do vírus na célula T infectada,


causando pequenos e médios danos no sistema imunológico do organismo. Os
pacientes de ARC apresentam alguns sintomas sugestivos da síndrome, mas
não manifestam complicações secundárias, inclusive infecções de doenças
oportunistas. Os sintomas incluem excessiva perda de peso, transpiração
noturna etc. Para alguns, esses sintomas são apenas incômodos e irritantes,
enquanto que para outros podem ser seriamente debilitantes.

A AIDS é o último estágio de progressão, o mais sério e fatal, na maioria e


talvez em todos os casos. O sistema imunológico sofre um grande colapso e o
organismo é invadido por um exército de infecções e malignicências.
Constituem manifestações indicativas da AIDS: "adenomegalia generalizada,
emagrecimento rápido e extremo, sudorese à noite, infecções respiratórias
repetidas, diarréias intensas e candidíase oral. Demarcaram-se também os
quadros clínicos sobrevindos em conexão com a queda das defesas
imunológicas, o sarcoma de Kaposi, a pneumonia pneumocística de Carini e
outras doenças oportunísticas, desenvolvidas pela queda da resistência
orgânica..."

AIDS é sinônimo de morte. E tal realidade não foi desconhecida pelo


legislador. Diz a Lei 7.670/88 em seu art. 1º:

"Art. 1º - A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida


- SIDA/AIDS fica considerada, para os efeitos
legais, causa que justifica:

I - a concessão de:

a) licença para tratamento de saúde prevista nos


artigos 104 e 105 da Lei n.º 1.711, de 28 de outubro
de 1952;

b) aposentadoria, nos termos do art. 178, inciso I,


alínea "b" da Lei n.º 1.711, de 28 de outubro de
1952;

c) reforma militar, na forma do disposto no art.


108, inciso V, da Lei n.º 6.880, de 9 de dezembro de
1980;

d) pensão especial nos termos do art. 1º da Lei n.º


3.738, de 4 de abril de 1960;

e) auxílio-doença ou aposentadoria,
independentemente do período de carência, para o
segurado que, após filiação à Previdência Social,
vier a manifestá-la, bem como a pensão por morte aos
seus dependentes. (grifo nosso)."

Mais. Em seu art. 151 da Lei 8.213/91 reza o seguinte:

"Art. 151 - Até que seja elaborada a lista de


doenças mencionadas no inciso II do artigo 26,
independe de carência a concessão de auxílio doença
e aposentadoria por invalidez, ao segurado que, após
filiar-se ao Regime Geral de Previdência Social, for
acometido das seguintes doenças: tuberculose ativa;
hanseníase; alienação mental; neoplasia maligna;
cegueira; paralisia irreversível e incapacitante;
cardiopatia grave; doença de Parkinson;
espondiloartrose anquilosante; nefropatia grave;
estado avançado da doença de Paget (osteíte
deformante); síndrome da deficiência imunológica
adquirida (AIDS); e contaminação por radiação, com
base em conclusão da medicina especializada." (grifo
nosso)

Até que se tenha a cura definitiva da moléstia, os portadores do HIV, não


possuem as mínimas condições tanto físicas, como psicológicas, para
trabalhar, pois, é cientificamente comprovado, que fatores externos, como
estresse, impactos emocionais, variações de temperatura, e outras
circunstâncias climáticas, fáticas e emocionais, podem desencadear o processo
devastador do HIV.

Fato, que se comprova com os exames médicos que atestam que a autora, é
também portadora de TOXOPLASMOSE, uma doença que no jargão médico
é tipicamente oportunista, e um breve relato da ficha médica da autora fica
evidente que não dispõe das mínimas condições para desempenhar no
mercado qualquer atividade.

Encontra-se a autora em total desamparo, sem assistência da Previdência


Social e sem dela receber o numerário referente ao benefício suspenso de
modo UNILATERAL e SUMÁRIO, restando-lhe somente a busca da tutela
através do Poder Judiciário para se fazer valer o seu direito.

Assim, além de ser mantido tal benefício, necessário se faz sua conversão para
aposentadoria por invalidez, pois, diz o art. 43 da Lei n. 8.213, de 24.07.91
que: "A aposentadoria por invalidez será devida a partir do dia imediato ao da
cessação do auxílio-doença...".

Ademais, farta é a jurisprudência sobre a viabilidade da conversão do auxílio-


doença para aposentadoria por invalidez, a teor do que nos orientam os
julgados transcritos in verbis:

39.529) PREVIDENCIÁRIO. SUSPENSÃO DO AUXÍLIO-DOENÇA.


DIREITO À CONVERSÃO EM APOSENTADORIA POR INVALIDEZ.

1. A luz da legislação Previdenciária o demandante,


beneficiário de auxílio-doença, achava-se
desobrigado a se submeter aos exame médicos, porque
contava com mais 56 anos de idade quando ocorreu a
supressão unilateral do benefício.

2. O Autor teria direito à conversão do benefício de


auxílio-doença em aposentadoria por invalidez, na
forma do disposto no artigo 75, do Decreto nº 611,
de 1992, e no artigo 101, da Lei nº 8.213, de 1991.

3. Remessa Oficial improvida.

(Remessa Ex Officio nº 134.999/SE, 3ª Turma do TRF


da 5ª Região, Rel. Juiz Convocado Magnus Augusto
Costa Delgado. Parte A: Adenir Francelino Teodoro.
Parte R: INSS - Instituto Nacional do Seguro Social.
Remetente: Juízo Federal da 3ª Vara/SE. j. 25.06.98,
un., DJU 04.09.98, p. 394).

42.77) PREVIDENCIÁRIO. PEDIDO DE CONCESSÃO DE


AUXÍLIO-DOENÇA E POSTERIOR CONVERSÃO EM
APOSENTADORIA POR INVALIDEZ.

Se o laudo diagnostica moléstia que acarreta


incapacidade laborativa permanente, é de ser
restabelecido o auxílio-doença convertido, na data
do laudo, em aposentadoria por invalidez.
(Apelação Cível nº 19980401023217-8/RS, 6ª Turma do
TRF da 4ª Região, Rel. Juiz Carlos Sobrinho.
Apelante: Instituto Nacional do Seguro Social -
INSS. Apelado: Jotil dos Santos. Remetente. Juízo de
Direito da Comarca de General Câmara. Advs. Drs.:
Luiz Mário Seganfredo Padão e outro. j. 04.08.98,
un.).

47.743) PREVIDENCIÁRIO. HIPÓTESE EM QUE


DESNECESSÁRIO O EXAURIMENTO DA VIA ADMINISTRATIVA.
CONVERSÃO DE AUXÍLIO-DOENÇA EM APOSENTADORIA POR
INVALIDEZ CONSOANTE O PEDIDO. SÚMULA 213 DO EXTINTO
TFR.

I - O exaurimento da via administrativa não é


condição para propositura da ação de natureza
previdenciária (Súmula 213 do extinto TFR).

II - Comprovado que o autor, muito embora portador


de doença quando de sua filiação ao regime da
previdência, teve sua situação de saúde agravada a
posteriori, faz jus à aposentadoria por invalidez.

III - Se o trabalhador braçal e analfabeto não tem


aptidão para qualquer outro trabalho que não demanda
esforço físico, a moléstia que, segundo o laudo
pericial, o incapacite para o trabalho da natureza
apontada, torna-o inválido para os fins de
aposentadoria.

IV - Nada obsta o reconhecimento do pedido de


conversão do auxílio-doença em aposentadoria por
invalidez, contada da data do laudo oficial.

V - A verba honorária em hipóteses que tais,


consoante a jurisprudência da Corte, é fixada em 10%
(dez por cento) do valor da condenação.

VI - Apelo parcialmente provido.


(Apelação Cível nº 920130208-8/MG, 2ª Turma do TRF
da 1ª Região, Rel. Juiz Carlos Fernando Mathias.
Apelante: Instituto Nacional do Seguro Social -
INSS. Apelada: Maria de Lourdes Macedo. j. 06.10.98,
un., DJU 19.04.99, p. 118).

Da antecipação de tutela

A exposição de fatos, bem como a farta prova documental acostada, não deixa
qualquer dúvida do direito da autora em perceber o benefício pleiteado, e
cuidando-se de prestação de cunho alimentar, fundado o receio de dano
irreparável ou de difícil reparação repousa no risco do quadro de saúde da
autora agravar-se, ademais, o Egrégio TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL
DA 4ª REGIÃO, prevê a possibilidade da antecipação de tutela em ações
previdenciárias:

"PROCESSO CIVIL E PREVIDENCIÁRIO. ANTECIPAÇÃO DE


TUTELA PARA RESTABELECIMENTO DE BENEFÍCIO.
REQUISITOS.

Enseja a concessão de antecipação da tutela a


configuração do periculum in mora e a existência de
prova inequívoca a convencer o julgador da
verossimilhança da alegação. Se o benefício foi
suspenso mediante processo administrativo regular,
no qual foi assegurada ampla defesa à segurada, cabe
a esta a apresentação de prova inequívoca tendente a
afastar a presunção de legitimidade que envolve os
atos administrativos. Agravo desprovido. (Agravo de
Instrumento nº 19990401048510-3/RS, 6ª Turma do TRF
da 4ª Região, Rel. Juiz João Surreaux Chagas.
Agravante: Waclaw Markiewicz. Agravado: Instituto
Nacional do Seguro Social - INSS. j. 14.09.99, un.,
DJU 03.11.99, p. 90)."

"36.161) PROCESSO CIVIL E PREVIDENCIÁRIO.


RESTABELECIMENTO DE BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO. TUTELA
ANTECIPATÓRIA. PRESSUPOSTOS. PREENCHIMENTO. 1. É
cabível o deferimento de tutela antecipatória para
conceder benefício de pensão uma vez presentes os
pressupostos que lhe dão suporte. 2. Agravo de
instrumento improvido. (Agravo de Instrumento nº
970444869-4/RS, 6ª Turma do TRF da 4ª Região, Rel.
Juiz Nylson Paim de Abreu. Agravante: Instituto
Nacional do Seguro Social - INSS. Agravada: Eloína
Machado Bentin. Advs. Drs.: Suzana Fialho Campos e
outro. j. 02.12.97, un.)"

III – DOS REQUERIMENTOS

ANTE O EXPOSTO, REQUER, a autora, PRELIMINARMENTE lhe seja


deferido o benefício da ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA GRATUITA, tendo em
vista que se encontra desempregada, e não dispõe de recursos para arcar com
custas e despesas processuais, bem como requer:

I – a concessão de M E D I D A L I M I N A R ‘inaudita altera parts’ em


conformidade com o artigo 273 e/ou artigos 798 e 799, bem como demais
legislações pertinentes, para que o Instituto Nacional do Seguro Social -
INSS providencie o imediato restabelecimento do benefício (AUXÍLIO-
DOENÇA) cassado, desde 11 de julho de 2000, pois é mais que evidente que
sem o recebimento do mesmo, acarretará em prejuízos irreparáveis à autora,
bem como para sua filha – tendo em vista que o benefício tem unicamente
caráter alimentar - até o trânsito em julgado do presente feito.

II – a citação da AUTARQUIA-RÉ, na pessoa de seu representante legal,


para que conteste, querendo, no prazo legal, sob pena de revelia e confissão;

III – seja facultado a autora, a produção de provas por todos os meios em


direito admitidos;

IV – vistas ao MINISTÉRIO PÚBLICO da presente ação, se for o caso e seja


a presente ação JULGADA TOTALMENTE PROCEDENTE, condenando a
autarquia-ré:

1 - ao restabelecimento do AUXÍLIO-DOENÇA À PORTADORA DE HIV,


cessado desde a data de 11 de julho de 2000, bem como, sua imediata
transformação em Aposentadoria por Invalidez, devendo ser determinado o
pagamento as parcelas vencidas a partir da data que cessou o benefício
requerido, ou a manutenção do benefício de auxílio-doença até que a ré
promova a reabilitação profissional da segurada com sua recolocação no
mercado de trabalho;

2 – a PAGAR as parcelas pleiteadas devidamente corrigidas monetariamente,


na forma da Lei, com incidência de juros legais;

3 – a PAGAR honorários advocatícios calculados à razão de 20% sobre o tal a


ser apurado em liquidação de sentença, acrescido em idêntico percentual sobre
12 (doze) parcelas vincendas;

Dá a causa para os efeitos fiscais o valor de R$ 1.812,00 (um mil oitocentos e


doze reais)

Nestes Termos,
Pede Deferimento.

São Leopoldo (RS), 25 de outubro de 2001.

pp. DENISE BALLARDIN


OAB/RS 47.784

pp. JOÃO DARZONE M. R. JUNIOR


OAB/RS 51.036

Sobre o autor:
Dê sua opinião
sobre o artigo: Denise Ballardin e João Darzone de Melo
Excelente Rodrigues
Ótimo E-mail: Entre em contato
Bom Sobre a remetente:

Regular Denise Ballardin e João Darzone


Ruim Rodrigues Junior
E-mail: Entre em contato
Sobre o texto:
Texto inserido no Jus Navigandi nº 65
(05.2003)
Elaborado em 10.2001.
Informações bibliográficas:
Conforme a NBR 6023:2000 da Associação
Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), este
texto científico publicado em periódico
eletrônico deve ser citado da seguinte
forma:
Portadora de HIV: ação para
restabelecimento de auxílio-doença. Jus
Navigandi, Teresina, ano 7, n. 65, maio
2003. Disponível em:
com.br/pecas/texto.asp?id=576>. Acesso
em: 11 set. 2010.

peças » direito previdenciário » benefícios » auxílio-doença


Jus Navigandi

• Ajuda
• Anuncie no Jus
• Envie sua Colaboração
• Fale Conosco
• Privacidade
• Quem Somos

Jus Navigandi. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução total ou


parcial sem autorização.