Você está na página 1de 7

4.

0 RESULTADOS E DISCUSSÃO

4.1 Padronização do HCl 0,100mol/L

4.1.1 Cálculo do numero de mols de acido clorídrico necessário para o preparo de 250ml de uma solução a
0,100mol/L de HCl:

0,100mol de HCl_____________1L

nmols_______________ 0,250L

nmols = 0,025mol de HCl

4.1.2 Cálculo de quantos gramas serão utilizados para o preparo da solução, a partir do numero de mols
encontrados no sub-item anterior:

1mol HCl_______________36,5g

0,025mol______________m

m = 0,9125g de HCl puro

4.1.3 Cálculo da quantidade em massa de HCl contida no recipiente necessária para o preparo da solução,
a partir dos cálculos feitos no item anterior, considerando o grau de pureza do ácido do recipiente (37%):

37g HCl puro______________ 100g da solução

0,9125g______________msolução

msolução= 2,46g de HCl do recipiente

4.1.4 Cálculo do volume de HCl necessário, a partir da massa calculada no item anterior, levando em
consideração a densidade do ácido (1,19 g/mL) [ ]:

dHCl=M/VHCl

1,19 = 2,46/VHCl

VHCl= 2,07 ml de HCl

4.1.5 Equação da reação ocorrente entre o ácido clorídrico e o carbonato de sódio:

2HCl(aq) + Na2CO3(aq) → 2NaCl(aq) + H2CO3(aq)

H20(liq) + CO2(g)

4.1.6 Cálculo do número de mols do carbonato de sódio necessário para reagir com uma alíquota de 30mL
de ácido clorídrico 0,100mol/L:

0,100mol HCl preparado_______________1L

n HCl_______________0,030L

n HCl= 3x10-3mol de HCl

segundo a estequiometria da reação:

2 mols de HCl________________1 mol de Na2CO3

3x10-3mol___________________n Na2CO3

n Na2CO3= 1,5 x10-3mol de Na2CO3


4.1.7 Cálculo da massa de Na2CO3 correspondente ao numero de mols do mesmo composto, a partir de seu
peso molecular (105,99 g/mol) [ ]:

1mol de Na2CO3_______________105,99g

0,0015mol________________ m

m = 0,159g de Na2CO3 puro

Em seguida pesou-se essa massa em 3 erlenmeyers, e posteriormente dissolveu-se em aproximadamente 20 ml de


água destilada. A massa e o volume contido nos erlenmeyers , foram dispostos na Tabela 1 Massa e volume na dissolução
de Na2CO3, a seguir:

Tabela 1 Massa e volume na dissolução de Na2CO3

Erlenmeyer Massa de Na2CO3 Volume H2O


1 0,165g 20 mL
2 0,162g 20 mL
3 0.161g 20 mL
Antes de iniciar a titulação mediu-se com o auxilio de um papel indicador universal, o pH da solução dos
erlenmeyers, obtendo-se aproximadamente 12,00. Posteriormente, colocou-se em cada erlenmeyer, cerca de 3 gotas de
solução do indicador alaranjado de metila, notando-se uma coloração amarelada, indicando ser uma solução básica.

Isso se comprova pelas reações químicas abaixo:

Na2CO3(aq) ↔ Na+(aq) + CO32-(aq)

CO32-(aq) + H2O(liq) ↔ HCO-3(aq) + OH-(aq)

Segundo a teoria de Arrhneius, a presença de íons OH- caracteriza uma solução básica.

Antes de iniciar a titulação enxaguou-se a bureta com a solução titulado, para a retirada de impurezas, em seguida
encheu-se a bureta com essa solução evitando a formação de bolhas.

Foi realizada a titulação, sendo repetida essa por 3 vezes. Em cada titulação, foi necessário movimentos
circulatórios do erlenmeyer, para que a solução acida, que gotejava sobre esta, entrasse em contato mais rapidamente com
a solução basica. Os valores obtidos na titulação foram colocados na Tabela 2 Valores obtidos na titulação, abaixo:

Volume inicial na Volume final na


Erlenmeyer bureta bureta Volume de HCl
1 50 mL 19,3 mL 30,2 mL
2 50 mL 21,3 mL 29,7 mL
3 50 mL 22,9 mL 27,1 mL
Tabela 2 Valores obtidos na titulação

Terminada as titulações, notou-se nos erlenmeyers a mudança de coloração das soluções, passando de amarelo
para vermelho, tornando-se uma solução acida.

Em seguida determinou-se o valor das concentrações, utilizando o volume de HCl gasto e a massa do sal pesada
nos erlenmeyers.

4.1.8 Calculo da concentração de HCl obtida com a titulação:

nmols=m/MM

nmols= 0,165/106

nmols=0,0015mol de Na2CO3

seguindo a estequiometria:
2mols de HCl___________1mol de Na2CO3

nmols______________0,00156

nmols= 0,0031 mol de HCl

C3= nmols/V

C3= 0,0031/0,0302

C3= 0,103mol/L

%E= 0,103 – 0,100/0,100.100

%E= 3%

Esses cálculos também foram utilizados para a determinação das concentrações dos outros erlenmeyers. Esses
dados foram dispostos na Tabela 3 Concentrações, disposta abaixo:

Tabela 3 Concentrações

Erlenmeyer Massa de Na2CO3 Volume de HCl Concentração Erro percentual


1 0,165g 30,2 mL 0,103mol/L 3%
2 0,162g 29,7 mL 0,102mol/L 2%
3 0.161g 27,1 mL 0,111mol/L 11%

E em seguida, determinada as concentrações, calculou-se a media e o desvio padrão destas, assim como o erro
percentual.

Media= 0,103+0,102+0,111/3

Media = 0,105 mol/L

Desvio padrão = 0,004

%E = 0,105-0,100/0,100.100

%E = 5%

Esses resultados demonstram uma eficácia na preparação de soluções, sendo o erro percentual baixo (5%). Porém
demonstram a importância da padronização de substancias. Sendo o HCl um acido muito volátil, a concentração inicial de
0,100mol/L poderia já estar alterada, por causa da evaporação do reagente, modificando o volume e o numero de mols,
assim como sua concentração.

Alguns fatos errôneos podem ter acontecidos no decorrer do experimento, principalmente na titulação. Neste
caso, na observação da mudança de cor da solução titulante. O operador, pode ter cessado o escoamento da solução
titulada, tardiamente, ou seja, o volume da solução titulada pode ter sido colocada em excesso. Esse excesso de volume
pode ter alterado as concentrações dos erlenmeyers.

4.2 Padronização do NaOH 0,5 mol/L

4.2.1 Cálculo do numero de mols de hidróxido de sódio necessário para o preparo de 250ml de uma solução
a 0,5mol/L:

0,5mol NaOH_____________1L

nNaOH_____________0,250L

nNaOH= 0,125g NaOH


4.2.2 Cálculo de quantos gramas serão utilizados para o preparo da solução, a partir do numero de mols
encontrados no sub-item anterior:

1mol NaOH______________40g

0,125mol______________m

m = 5g de NaOH

Essa solução foi preparada e colocada num balão volumétrico de 250ml.

4.2.3 Equação da reação ocorrente entre o hidróxido de sódio e o acido oxálico:

H2C204.2H2O(aq) + 2NaOH(aq) → Na2C2O4(aq) + 4H2O(liq)

Logo a proporção ficou em: 1: 2 : 1 : 4

4.2.3 Cálculo do número de mols do ácido oxálico necessário para reagir com uma alíquota de 30mL de
hidróxido de sódio 0,500mol/L:

0,5 mol NaOH preparado_____________1L

nNaOH _________________0,03L

nNaOH=0,015 mol

segundo a estequiometria;

1mol H2C204.2H2O__________2 mol NaOH

n H2C204.2H2O_____________0,015mol

n H2C204.2H2O= 0,0075mol

4.2.4 Cálculo da massa de acido oxálico correspondente ao numero de mols do mesmo composto, a partir
de seu peso molecular (126,07 g/mol) [ ]:

1mol H2C204.2H2O_________126,07g

0,0075mol___________m H2C204.2H2O

m H2C204.2H2O = 0,946g

Depois de realizados esses cálculos, pesou-se a massa obtida no subitem 4.2.4 em três erlenmeyers diferentes,
adicionando-se nestes aproximadamente 25 ml de água destilada, para o processo de dissolução. Durante a dissolução
deste sal notou-se que a parte externa interior do béquer ficou mais fria, caracterizando por isso a dissolução
endotérmica, ou seja, a dissolução do acido oxálico absorve calor do ambiente. Realizada a dissolução, adicionou-se em
cada erlenmeyer cerca de três gotas de solução 0,1% de fenolftaleína. Observou-se inicialmente que a cor da solução do
incolor era incolor ( a fenolftaleína em meio básico é incolor). A massa e o volume utilizados na dissolução do acido
oxálico foram dispostos na Tabela 4 Dissolução do acido oxálico abaixo:

Erlenmeyer Massa H2C2O4 Volume


1 0,943g 25 ml
2 0,945g 25 ml
3 0,940g 25 ml
Tabela 4 Dissolução do acido oxálico
Antes de iniciar a titulação enxaguou-se a bureta com a solução titulado, para a retirada de impurezas, em seguida
encheu-se a bureta com essa solução evitando a formação de bolhas.

Foi realizada a titulação, sendo repetida essa por três vezes. Em cada titulação, foram necessários movimentos
circulatórios do erlenmeyer, para que a solução básica, que gotejava sobre esta, entrasse em contato mais rapidamente
com a solução ácida. Os valores obtidos na titulação foram colocados na Tabela 5 Valores obtidos na titulação, abaixo:

Volume inicial na Volume final na


Erlenmeyer bureta bureta Volume de HCl
1 50 mL 19,4 mL 30,6 mL
2 50 mL 19,4 mL 30,6 mL
3 50 mL 18,9 mL 31,1 mL
Tabela 5 Valores obtidos na titulação

Ao final das titulações notou-se que as soluções presentes nos erlenmeyers obtiveram colorações róseas,
caracterizando o aumento da basicidade da solução.

Em seguida determinou-se o valor das concentrações, utilizando o volume de NaOH gasto e a massa do acido
pesado nos erlenmeyers.

4.2.5 Calculo da concentração de NaOH obtida com a titulação:

nmols=m/MM

nmols=0,943/126,07

nmols= 0,007479mol

Segundo a estequiometria da reação:

1mol H2C204.2H2O___________2mols NaOH

0,007479mol_____________nNaOH

nNaOH= 0,0149mol

C1=n1/V1

C1= 0,0149/0,0306

C1= 0,488 mol/L

%E= 0,500.100/‫׀‬0,500 – 0,488‫׀‬

%E= 2,4 %

97,6% de exatidão

Esses cálculos também foram aplicados na determinação das concentrações nos erlenmeyers 2 e3. Esses dados
foram colocados na Tabela 6 Concentrações de NaOH, disposta abaixo:

Erlenmeyer Nº de mols de NaOH Volume de NaOH Concentração Erro percentual


1 0,0149mol 30,2 mL 0,488mol/L 2,4%
2 0,0149mol 29,7 mL 0,489mol/L 2,2%
3 0,0149mo 27,1 mL 0,479mol/L 4,2%
Tabela 6 Concentrações de NaOH

E em seguida, determinada as concentrações, calculou-se a media e o desvio padrão destas, assim como o erro
percentual.

Média = 0,488 + 0,489 + 0,479/3

Média= 0,485mol/L
Desvio Padrão = 0,0045

Esses resultados demonstram uma eficácia na preparação de soluções, sendo o erro percentual baixo
(2,2%). Porém demonstram a importância da padronização de substancias. Sendo o NaOH uma base deliquescente, ou
seja, ela absorve a umidade do ar e produz impurezas como Na2CO3, segundo a reação abaixo,

2 NaOH(aq) + CO2(g) → Na2CO3(aq) + H2O(liq)

a concentração inicial de 0,500mol/L poderia já estar alterada, por causa de impurezas presentes na base,
modificando o numero de mols, assim como sua concentração.

Alguns fatos errôneos podem ter acontecidos no decorrer do experimento, principalmente na titulação. Neste
caso, na observação da mudança de cor da solução titulante. O operador, pode ter cessado o escoamento da solução
titulada, tardiamente, ou seja, o volume da solução titulada pode ter sido colocada em excesso. Esse excesso de volume
pode ter alterado as concentrações dos erlenmeyers.

5.0 CONCLUSÃO

Através da padronização, comprovou-se experimentalmente que concentrações de certas substancias, podem


sofrer interferências, alterações e modificações em seus valores. Por meio de titulações acido-base, determinou-se com
mais exatidão as concentrações dos reagentes utilizados. Sem a padronização, as concentrações de soluções de NaOH e
HCl, podem serem alteradas por processos espontâneos.

No caso da solução de acido clorídrico, por ser uma substancia muito volátil, ou seja, evapora com grande
facilidade, seu volume na solução pode começar a variar com o tempo, com isso sua concentração também se modifica.
Em relação ao hidróxido de sódio, por ser uma substancia deliqüescente, absorve umidade do ar e CO2, isto leva a
formação de impurezas no solido, entre elas o Na2CO3, que alteram a massa do composto, bem como a sua concentração.

A padronização caracteriza-se por ser um processo muito eficaz. Concentrações mais exatas levam aos
experimentos, resultados mais precisos e visíveis. Neste caso, o uso de indicadores também é relevante. Através destes,
sabemos o momento exato do termino da reação (neutralização total). Isto se dá quando a coloração dos indicadores
começa a se alterar, sendo que estes possuem colorações diferentes em meios alcalinos e em meios ácidos.

Entretanto a escolha do indicador mais apropriado para a solução a ser padronizada também interfere nos
resultados. No instante em que a reação cessa totalmente, chamado de ponto de equivalência, a solução titulada possui um
certo valor de pH, e se o intervalo de viragem de pH do indicador não for próximo ao pH do ponto de equivalência, os
resultados tornar-se-ão inválidos.

6.0 QUESTÕES

6.1 Padronização do HCl

6.1.1 Discorra sobre o que é e como deve ser feito uma titulação.

Processo em que se determina a quantidade de uma substancia em solução, medindo-se a quantidade necessária
de um reagente para reagir completamente com toda a substancia. Normalmente isso é realizado, adicionando-se,
controladamente, um reagente de concentração conhecida (titulado) à solução da substancia (titulante), ou vice-versa, até
que se julgue que ela reagiu por completo. Então, através do volume de reagente adicionado e da sua concentração,
determina-se a quantidade de matéria de reagente consumido; em seguida, através da estequiometria da reação (equação
química balanceada), determina-se a quantidade de materia da substancia (titulante) e, se conhecido o volume da solução
que a continha, a concentração da solução.

6.1.2 Para que são utilizados indicadores em titulações? Por que foi usado o indicador alaranjado de metila?

Os indicadores apresentam colorações diferentes quando em soluções básicas ou ácidas. Assim, eles podem ser
utilizados para assinalar quando a reação de neutralização ocorre totalmente. Inicialmente apresentaram uma cor, mas ao
final da titulação apresentaram outra cor, caracterizando a mudança de meio. (acido ou básico). Foi utilizado o indicador
alaranjado de metila, pois o ponto de equivalência esta bem próximo a ao pH da solução. Onde o ponto final foi o mais
próximo possível do ponto de equivalência.

6.1.3 Poderia ser outro indicador? Qual? Por quê?


Não, pois a mudança de cor de um outro indicador pode ocorrer em um pH diferente do pH do ponto de equivalência..

6.1.4 O que padrão primário? E secundário?

Primário = É uma substância (geralmente sólida) com a qual será produzida uma solução de concentração
exata, feita para reagir com uma solução problema a fim de testar sua concentração.

Secundário = Padrão cujo valor é estabelecido por comparação a um padrão primário da mesma grandeza. é
aquela na qual o soluto dissolvido foi determinado não pela
pesagem direta, mas pela titulação de um volume da solução contra um
volume conhecido de uma solução padrão primária.

6.1.5 O Na2CO3 é um padrão primário ou secundário? Por quê?

Primário, pois é de fácil obtenção e purificação; é estável; facilmente elimina-se impurezas do composto. Não é
volátil, não reage com a luz, não higroscópico, nem reagirem com substâncias existentes no ar, baixo custo e fácil acesso

6.2 Padronização do NaOH

6.2.1 Por que usou o indicador fenolftaleína?

A mudança de pH do indicador ocorre em um pH próximo do pH de ponto de equivalência, neste caso pH=7,00.

6.2.2 Poderia ser usado outro indicador? Qual? Por quê?

Não, pois a mudança de cor de um outro indicador pode ocorrer em um pH diferente do pH do ponto de
equivalência. O ponto final será mais distante do ponto de equivalência.

6.2.3 Compare os valores de concentração obtidos pela padronização com os valores nominais iniciais; discuta o que
contribuiu para que eles fossem diferentes.

Os valores obtidos foram dispostos na Tabela 7 Soluções padronizadas, a seguir:

Solução inicial Solução Padronizada %E


HCl 0,100mol/L HCl 0,105mol/L 5%
NaOH 0,5mol/L NaOH 0,485mol/L 3%
Tabela 7 Soluções padronizadas

Os principais erros que podem ter sidos cometidos são:

• Na titulação, a bureta conter bolhas, as quais interferem no volume do titulante utilizado;

• Na transição de coloração dos indicadores, na qual o operador demorou cessar o escoamento da solução titulante
sobre o titulado, interferindo no volume do titulante;

• Na pesagem da massa do titulado (Na2CO3), o peso ser abaixo ou acima daquele calculado; interferindo no
calculo de quantidade de matéria, conseqüentemente interferindo no valor da concentração;

Você também pode gostar