Você está na página 1de 34
/ Fichasde | \ Consolidacao } Portugués 4° ano i j i 4 4 é é - g = PORTUGUES Nome: Classificagao: Lé, com muita atengao, o texto seguinte: O Gustavo e a Amélia Gustavo nao gostava do nevoeiro, pois este impedia-o de ver Amélia. Mas mesmo que ndo houvesse vento nem nevoeiro, no outono Gustavo ndo podia admirar Amélia: linha de estar alerta para avistar os cagadores a tempo de avisar os pou- cos amigos que tinham ficado. 5 —Inimigo @ vista! Gritou ele, um dia, de repente. A distancia avistava-se um homem armado com uma espingarda... A raposa que buscava a sua presa, a lebre & procura de raizes, os falodes a cata de gros, os patos nas margens do rio e as codornizes entre os caules cortados, todos escutaram 0 grito de Gustavo. E num apice, todos desapareceram, como que por magia. 10 Porém, um dos animais nao foi suficientemente rapido... PUMI, fez a espingarda. ~ Aaaiill - gemeu uma codorniz. O cagador aproximou-se. Pés-se & procura da codorniz mas nao conseguiu aché-la. — Mas eu tenho a certeza que Ihe acertei - resmungou. Procurou durante um bom bocado; da codorniz, nem sinal. © cagador continuou a resmungar, primeiro confuso, 1s depois zangado. Estava cansado e comegou a transpirar. Tinha calor com 0 cachecol. Ento, tirou-o € depositou-o sobre as costas do espantalho, dizendo-Ihe: = Vé la se ndo 0 deixas voar com este vento. A seguir afastou-se, procurando e resmungando. — Eeu sou algum cabide? — protestou Gustavo, 20 Mas parou de protestar assim que sentiu o calor do belo cachecol. Talvez a codormiz.... ~ Ja se foi - murmurou Gustavo. - Estés ferida? - $6 um bocadinho ~ respondeu a codorniz, espreitando de um bolso do casaco. ~ Salvaste-me a vida. Como posso agradecer-te? — Leva este cachecol 4 Amélia - respondeu Gustavo rapidamente. — Deve estar cheia 25 de frio, com aquela roupa levezinha. Com 0 seu rapido bater de asas a codorniz chegou ao topo da colina. — Gustavo manda-te este presente — disse-lhe, esvoagando em seu redor. — Esta tao apaixonado! Qualquer dia casa contigo. = Quem me dera - suspirou Amélia, acenando para Gustavo com a ponta do zo cachecol. Mas Gustavo nao estava a olhar para ela... porque o cagador voltara, com 0 saco a tiracolo cheio de caga e um ar triunfante no rosto. Guido Visconti, © Espantalho Enemoredo, 4* ed, Livos Horizonte, 2011 Responde ao que te 6 pedido sobre o texto que acabaste de ler, seguindo as orientagdes que te séio dadas. @ Em que época do ano se passa esta histéria? @ \dentifica as personagens da histéria. @® Quem era 0 Gustavo? Transcreve do texto uma expresséio que justifique a tua resposta. @ E quem seria a Amélia? Justifica a tua opgao. @ Gustavo gostava muito de admirar Amélia, mas no outono n&o o podia fazer. Porqué? @ Alguns amigos de Gustavo tinham ido embora. Por que razo teriam partido? @ Numera de 1 a 8 os acontecimentos, de acordo com a sequéncia do texto. (-) 0 cagador pendurou o cacheco! nas costas do espantalho. [_] No cutono, Gustavo nao podia admirar Amélia porque queria estar atento aos cagadores. (_] Acodorniz escondeu-se no bolso do casaco de Gustavo. (_) Os animais esconderam-se imediatamente, ao ouvirem o grito do Gustavo. [_] Ao entregar o presente a Amélia, a codorniz disse que o Gustavo estava apaixonado por ela. (_) Gustavo nao viu 0 aceno da Amélia, porque estava a olhar para o cagador que regressava. {_] Ao sentir 0 calor do cachecol, Gustavo pensou pedir A codorniz para o levar a Amélia. (_] © cagador disparou a espingarda e feriu a codorniz, 2 Gustavo ofereceu o cachecol do cagador a Amélia. Se estivesses no lugar de Gustavo, terias feito o mesmo? Justifica a tua resposta. @ Escreve o significado das expressdes, de acordo com o sentido do texto. vo NUM pice tra 9) ... UM ar triunfante finha 32) 4 Lé 0 poema seguinte. Sublinna com as mesmas cores as palavras que rimam. Deveres O espantalho fez 0 seu dever: espantou. A seara fez 0 seu dever: alourou. E os passaros fizeram 0 seu dever: Pousaram no chapéu de palha do espantalho, Pousaram nos ombros do casaco velho do espantalho, Pousaram nos bragos do casaco velho do espantalho, Pousaram nas maos de pau do espantalho. E cantaram: Piu! Piu! Piu Quem tem medo Ja fugiu! Piul Piul Piu! Quem tem medo Jé fugiu! Endo se calaram. Piul Piu! Piu! Quem tem medo Jé fugiul... Matide Rosa Arai, Metros, Livros Horizont, 1988 @ De acordo com 0 poema que acabaste de ler, qual 6 o dever de um espantalho? £ j j 4 i i i i z TLL. Achas que o espantalho Gustavo cumpria o dever que 0 poema refere? Justifica a tua resposta. @ De acordo com o poema, refere os deveres dos seguintes elementos: seara — passaros — @) Descreve 0 espantalho referido no poema. @® Na tua opiniao, porque é que os passaros nao paravam de cantar? @ Identifica a pega de vestudrio que é referida nos dois textos. @ Compara os dois textos e completa as frases com as palavras seguintes: versos, paragrafos, narrativo, poético. “O Gustavo e a Amélia" 6 um texto__ e esta organizado em “Deveres” 6 um texto____e esta organizado em Responde ao que te é pedido sobre a gramatica da lingua portuguesa. @® Risca a palavra intrusa em cada conjunto de palavras da mesma familia. frio vento passaro velho. esfriar aventura. passarinho velharia friorento ventania passadeira envelhecer frito ventoinha, passarada velhice estriado ventar passarinhar escaravelho 17.1. Como classificas as palavras frio, vento, passaro e velho? Assinala com X a tua opgo. (—) sao palavras simples. (_] Sao palavras complexas. 8) Descobre as palavras simples que deram origem as seguintes palavras complexas: alourar__......-===—=s encasacado__..o..—> empalhar Lé a frase seguinte. Classifica as palavras sublinhadas, assinalando com X no lugar correto. Gustavo foi muito simpatico com os amigos. Nome préprio | Nome comum | Adjetivo i 1 Gustavo foi simpattico os amigos 19.1. Escreve a frase no presente do indicativo. @O Substitui o nome Gustavo por um pronome pessoal e reescreve a frase. @) Reescreve a frase seguinte no plural: 0 passaro poisou no chapéu de palha. @ Copia do poema palavras com as seguintes caracteristicas: dissilabicae aguda__...—_‘ttrrissi monossilébicae aguda___________polissilabica e grave ica e esdrixula @ (6 as frases seguintes. Faz a correspondéncia correta. O Gustavo nao gosta de te ver com frio. © © Frase exclamativa afirmativa A Amélia vive no topo da colina. Frase interrogativa negativa O Gustavo néo consegue comunicar comigo? * Frase declarativa afirmativa (PUB, —fosrts 4h do Conoteosto O Gustavo esta tao apaixonado! « Frase deciarativa negativa 5 . Escrita de um texto narrativo (continuagao de uma historia) 4 Imagina o desfecho da histéria “O Gustavo e a Amélia” e escreve um texto de, pelo menos, 90 palavras, em que apresentes: © 0 didlogo entre o cagador e o Gustavo sobre o que aconteceu ao cachecol, * o que fez a Amélia para agradecer ao Gustavo 0 envio do cachecol; © a forma como os animais agradeceram ao Gustavo por ele Ihes ter salvo a vida. Nota: Revé 0 texto e faz as corregdes necessérias antes de 0 passares a limpo. PR Ear fomouts 4 Fehon ce Conchords | PORTUGUES Avaliagdo 1 Nome: Classificagao: A peer) ‘A ane. de ea Lé, com muita atengdo, o texto seguinte: A folha e 0 pirilampo Era uma arvore borita, de grandes bragos abertos a claridade das manhés. Um di, [4 quase no findar do outono, ela reparou, com grande espanto, que por mais forte que soprasse 0 vento, por mais impiedosas que tombassem as primeiras chuvas a anunciar o inverno, uma pequenina e teimosa folhinha continuava bem agar- 5 rada a um fino tronco, 4 no cocuruto da sua cabecal E a0 cair de certa tarde, resolveu falar muito a sérlo com ela. $6 que... a conversa de nada valeu! E a arvore no teve outro remédio sendo justificar-se — 0 que nunca, em tantos anos da vida, nunca, Ihe tinha acontecido: - a minha filha mais nova, senhor vento. Tem medo de se largar! Diz que nasceu 10 1& muito no alto... ~ Medo?! Medo de qué?! - admirou-se o vento. Quando eu sopro, todas as folhas se soltam com alegria, esvoacam por uns instantes no ar e depois poisam suavemente no chao. Sempre foi assim! ~ Eu sei, senhor vento. Mas a minha filha 6 muito pequenina e no esta habituada 18a cair assim de qualquer maneira. Diz que tem medo de se magoar! Temos de ter paciéncia O vento aninhou-se por ali, & espera. CA em baixo, rente 20 chlo, esta conversa ja estava a preocupar um pirlampo que comegava a sua lida. A certa altura, ouviu uma voz aflita que Ihe pareceu vir de muito alto: 2 ~Mama, nao me digas que é muito facil e no custa nadal Eu sei muito bem que jé me devia ter largado no vento... mas agora nao! Nao velo nada! Nao sou capaz de saltar nesta horrivel escuridao! Amanha... — Nem amanha, nem depois de amanha! A menina ouviu?! E agoral Onde é que jé se viu uma folhinha ter medo de cair?! 2 —N&o vejo 0 caminho.... - solugou a folha, cada vez mais aflita. —Espera al! Espera all — acudiu o pirilampo, esforgando-se por subir em voo vertical. E muito iluminado, de tanto esforgo, la conseguiu aterrar mesmo no meio da folhinha. O seu peso foi o suficiente para se largarem os dois no espago, baloigando em jeito de disco voador mal tripulado. 2 Quem nessa noite passasse por ali era muito capaz de sorrir ao ver um pirllampo muito bem aninhado numa folha, dormindo os dois no cho, ao luar, o seu soninho descansado. Maria beta Menéras, Histérias de fompo val tempo ver, 7.*ed., ASA, 2007 Responde ao que te 6 pedido sobre o texto que acabaste de ler, seguindo as orientagdes que te sao dadas. @ Assinala com X a opgo que completa cada uma das frases. 1.1. Aagao desta historia passa-se: (_) no final do verdo. |_} no principio do outono. |_| no final do inverno. [_] no final do outono. 1.2. As falas das personagens aparecem pela ordem seguinte: &rvore, vento, arvore, vento, folhinha, arvore, pirilampo. _} avore, vento, arvore, folhinha, arvore, folhinha, pirilampo. __} folhinha, vento, arvore, folhinha, arvore, vento, pirilampo. (_) anore, vento, érvore, vento, falhinha, pirlampo, folhinha. 1.3. Esta historia decorre: ~~] ao longo da manha e durante a tarde. ao fim da tarde e durante a noite. a0 longo de dois dias. |_] a0 longo de todo o dia. 1.4. A folhinha caiu: por causa do vento e da chuva. quando perdeu o medo. porque a mae a obrigou. (_] com o peso do pirilampo. @® Porque é que a arvore precisou de se justificar perante o vento? @® Achas que o vento foi paciente com a folhinha? Justifica a tua resposta, transcre- vendo uma frase do texto. @ ual era o outro medo da folhinha, para além do medo de cair? ® Transcreve a fala da m&e que mostra que ela perdeu a paciéncia com a filha. @® Achas compreensivel o medo da folhinha? Justifica a tua resposta. @ Explica o significado da expresso “disco voador mal tripulado” tinha 29). Lé, com muita atengdo, o texto seguinte: A frase no quadro Numero de jogadores: 2 ou 3 equipas de 6 a 12 jogadores. Para: criangas a partir de 10 anos. Material: um quadro; pedacos de giz ou um marcador, Regras: Os jogadores de cada equipa colocam-se em fila a quatro ou cinco metros de distén- cia do quadro sem falarem entre si. O primeiro segura um pedago de giz ou um marca- dor na méo. Ao sinal do orientador, 0 primeiro jogador de cada equipa dirige-se para o quadro para escrever uma palavra que Ihe ocorra (por exemplo, Natal). Volta para a fla, entrega o giz ‘0u 0 marcador ao segundo jogador e vai ocupar o tiltimo lugar da fila. O colega seguinte escreve outra palavra a seguir & primeira e assim por diante, até formarem uma frase. A equipa que terminar em primeiro lugar ganha um ponto. A equipa que escrever a frase mais bem elaborada tem um ponto extra (por exemplo, Natal é tempo de paz.). Recomega-se 0 jogo. O grupo vencedor seré o que tiver mais pontos no fim. Josick Bonaventure, Jogos de interior, Familia 2000, 1978 (adaptado) WU EBi Pens 4 rhas de Conseite Responde ao que te é pedido sobre o texto que acabaste de ler, segundo as orientagées que te sao dadas. @® Para quem foi concebido este jogo? @® Exolica 0 que € necessério para que uma equipa ganhe dois pontos num s6 jogo. @O Assinala com X as frases corretas, tendo em conta o sentido do texto. {) As equipas concorrentes devem ter 0 mesmo ntimero de jogadores. () Eo orientador do jogo quem decide sobre qual é a frase mais bem elaborada. (_) As regras do jogo explicam o que 6 uma frase bem elaborada. () A rapidez de reagao ¢ importante para vencer o jogo () As regras nao definem a duraco do jogo. @) Imagina que queres convencer o teu amigo Rui, viciado em jogos de computador, a passar um dia contigo @ a divertir-se som jogar ou tocar em qualquer tipo de apa- relho (computador, consola...). Escreve 0 convite para enviares ao Rui, referindo duas boas raz6es que o convengam a aceitar a tua proposta. Indica o dia e a hora a partir da qual 0 podes receber. enon: F temas too Gata [Seri Fe WPSSER GRA SSE cere Liar] [sr | as] 10 Responde ao que te 6 pedido sobre a gramatica da lingua portuguesa. 2) Ordena alfabeticamente as seguintes palavras, numerando-as de 126. (_} piritampo {_} papagaio (CJ papel ie pulga (_]pé (_) paima @® Completa as frases com as palavras do quadro. Cada palavra sé pode ser usada uma vez, ha ah Durante toda a noite, a folhinha dormiu beira do pirilampo. Quando acordou, sortiu para o pirilampo e exclamou: -_____! Que feliz estou! Ja muito tempo que n&o dormia tao quentinha! (14) Faz corresponder a cada frase o seu tipo. Nao tenhas medo. * * Frase interrogativa Nunca se viu uma folhinha com medo de cai!» * Frase declarativa O pirlampo ajudou a folhinha. « © Frase imperativa Amenina ouviu? ¢ © Frase exclamativa @®) identifica os tipos de discurso, completando os espagos. — Espera por mim, folhinha! Eu ajudo-te. Discurso ceceaeiiaas da O pirilampo disse & folhinha que esperasse por ele, que ele a ajudava. Discurso. oe (18 Léa frase seguinte: A Gltima folhinha a cair foi a mais nova. 16.1. Completa 0 quadro escrevendo uma palavra da frase em cada espago. ‘Adjetivo numeral | Adjetivo qualificativo | Determinante artigo | Verto no infinitive Escrita de um didlogo. @) Imagina e escreve um didlogo entre a folhinha e o pirllampo, de manha, ao acordar, tendo em conta: asurpresa da folhinha ao ver o pirilampo ao seu lado, mas sem brilhar; * a explicagao do pirilampo para esse facto; * ajustificagao da folhinha relativamente ao seu medo de cair e a compreensdo do pirilampo, falando-Ihe também dos seus medos; * o agradecimento da folhinha ao pirilampo pela ajuda que Ihe deu e pela companhia que Ihe fez; * adespedida dos dois e os desejos expressos por cada um para 0 novo ano que se avizinha. Organiza bem 0 teu texto, que deve ter, pelo menos, 90 palavras, e dé-lhe um titulo. PORTUGUES Avaliagéo 2 Nome: Data. ts a Classificagao: ‘a proessoa) ‘OA ee de ean Lé, com muita atengao, o texto seguint No Reino das Cem Janelas Havia no Reino das Cem Janelas uma bruxa de estimagao. Dizia-se que tinha assistido & formago do reino. Dizia-se até que em tempos namorara el-rei Tadao, tetra-tetra-tetravo de el-rei Tadinho, e que fora para bruxa no dia em que este, ignorando a sua paixéio, deci- ira casar com a princesa Ritela, de um reino que nem sequer vinha no mapa, a qual podia 5 nao ter poderes magicos, mas tinha uma conta no banco que dava gosto ver. No entanto, isto eram apenas coisas que se diziam. Ao certo, ao certo, nunca nin- guém soube quando se instalara @ bruxa naquele reino, ou até se ld teria nascido. ‘Ao certo, sabia-se que, ainda muito nova, ela tinha pensado em emigrar para longes terras onde, segundo afirmava, se ganhava o dobro e se trabalhava metade do que nas 0 Cem Janelas. No entanto, alguns anos depois, vottava. Afinal, 0 estrangeiro ~ dizia - nao era para ela. Por muito bem que Ine pagassem, nao havia por l& cabos de vassouras que se pudessem comparar aos da sua terra. E nunca mais pensou em aventuras. Essa dedicagdio fol, de resto, bem recompensada no reino: a bruxa era chamada a dar a sua opiniéo em todas as alturas dificeis, recebia pelo Natal uma vassoura nova, 15 @ podia voar por todo o reino, a qualquer hora do dia e da noite, sem pagar imposto. Foi evidentemente a esta bruxa (até porque o reino nao tinha mais nenhuma...) que recorreu el-rei Tadinho para ver se ela Ihe resolvia a complicada questo com 0 dragao. Mas a bruxa estava em dia de muito mé disposigao. As salamandras tinham fugido durante a noite, a iguana que Ihe guardava a casa tinha-se despedido no dia anterior, 20 © mocho batera a asa de madrugada e, como se tudo isso nao bastasse, 0 seu gato preto de estimagao passara a noite a miar e para ali estava agora a um canto, dente e chelo de febre, incapaz de assustar fosse quem fosse. — Sempre tens uma graca! - disse a bruxa a el-rei Tadinho, mal este Ihe acabou de explicar ao que vinha. 25 —Fazes as asneiras, prometes coisas impossiveis, e depois ca estou eu para te livrar de apuros, ndo 6? Ele Tadinho ia responder que para isso mesmo é que ele Ihe pagava, @ nao téio pouco como isso, mas achou melhor ndo dizer nada. Aborrecer uma bruxa em dia de neura pode dar mau resultado. Por essas e por outras 6 que ja tinha havido colegas seus adormecicos so durante cem anos, ou transformados em sapos, sem apelo nem agravo, Nada a fazer ‘sen&o aguentar os maus humores da bruxa que, entretanto, continuava a resmungar: — Imaginem! Incomodar 0 dragao que ndo faz mal a uma mosca e ainda por cima da energia a este reino inteiro.. 4 a ~ D4... 6 uma forma de expresso ~ resmungou el-rei Tadinho, que bem sabia como eram altas as faturas do gas e da eletricidade que todos os meses tinha de Ihe pagar. — Se calhar querias que ele trabalhasse de graga, no? - berrou a bruxa = Nao, ndo, claro que nao! Fol s6 para pér as coisas mais claras ~ apressou-se a res- ponder 0 rei. ~ L4 porque te chamam iluminado n&o venhas para cé a toda a hora e a todo 4 © momento com @ mania das clarezas... Pois 0 que eu te digo € que se fosse eu o dra- go, com uma afronta dessas, virava 0 reino do avesso @ ndio havia recompensa alguma que me pudesse acalmar! -rei Tadinho estava a ver 0 seu caso muito mal parado. A bruxa era o seu Liltimo recurso. Se ela falhasse, falhava tudo o mais, e la ficaria efetivamente o reino do avesso, 4s quando 0 dragéio chegasse a reclamar uma princesa que ndo existia Ace Vieira, Gragas © Desgragas da Corte de 6LF Tacnno, 18: ed, Caminno, 2010 Responde ao que te é pedido sobre o texto que acabaste de ler, seguindo as orientag6es que te sao dadas. @ O texto fala de uma bruxa que era muito dedicada ao Reino das Cem Janelas. Como 6 que a dedicacao da bruxa era reconhecida? Assinala com X as opgées corretas. {_} Pagavam-Ihe bem pelos conselhos que dava. O Tinha pistas especiais para voar. (_} Recebia pelo Natal uma vassoura nova. (_} Era conselheira do rei () Voava a qualquer hora sem pagar impostos. Fazia as refeigdes no palacio. @ Identifica as vantagens e as desvantagens que a bruxa via em trabalhar no estrangeiro. ® Escreve as perguntas para as seguintes respostas: a) Porque no estrangeiro néo havia cabos de vassoura t&0 bons como na sua terra. b) Para a bruxa resolver um problema que ele tinha com o dragao. d Durante 4 noite tinha tido problemas com os animais que possuia. @ Assinala com X os nomes dos animais que @ bruxa tinha em casa. O cao (3) gato O apo (iz iguana () aranha (J) satamandra (_} mocho (_] dragato ® Porque é que el-rei Tadinho tinha muito cuidado com as respostas que dava @ bruxa? © Identifica o servigo que o drag&o prestava ao Reino das Cem Janelas. 6.1. Esse servico era pago? Justifica a tua resposta. @ Como era chamado el-rei Tadinho no Reino das Cem Janelas? 7.1. Na tua opiniao, por que razo Ine davam esse nome? Se o rei tivesse prometido a bruxa 0 que prometeu ao dragao e néo cumprisse, © que 6 que a bruxa faria? i i @ © que tinha prometido el-rei Tadinho ao dragéio? J 21 Transereve do texto a frase que justfica a tua resposta. @ Lé os seguintes titulos. Assinala com X outro titulo adequado ao texto. Justifica a tua opgao. (_] Uma bruxa irritada (2) Abruxa e 0 dragéio b (J) um rei em apuros {_} 0s animais em fuga | Responde ao que te é pedido sobre a gramética da lingua portguesa. | @ Procura no texto as expresses apresentadas. Assinala com X os significados que melhor se adequam ao sentido com que aparecem no texto. © mocho sacudira as penas “o mocho batera a asa” (inna 20) 0 mocho acordara © mocho fugira resolver os problemas “livrar de apuros” (linhas 25 e 26) aconselnar defender sem dificuldade “sem apelo nem agravo” (nha 20) sem possibilidade de solugdo sem desculpas com tal promessa “com uma afronta dessas” (nha 41) com tal mentira com tal ofensa 000 ODO OOO COO @) Lé as palavras seguintes. Escreve os antonimos. ignorar complicado cheio 5 dificil construgao nova incapaz ultimo, nervosa % ® Assinala com X 0 grupo de palavras ordenadas alfabeticamente. {_} bruxa mocho dragéo iguana princesa rei salamandra sapo {_} bruxa dragéio iguana princesa mocho rei sapo salamandra {} dragdo iguana mocho rei princesa salamandra sapo bruxa (—} bruxa dragéo iguana mocho princesa rei salamandra sapo @ Lé e escreve o feminino das palavras seguintes: rei principe ator comiléo conde leitor 5) Lé e escreve o plural das palavras seguintes: savel gentil irritagao inglés alemao corretor Lé a frase seguinte. Classifica as palavras sublinhadas. A bruxa recebeu no Natal uma vassoura nova. 16.1. Escreve a frase anterior passando 0 adjetivo para 0 grau superlativo absoluto sintético. 16.2. Escreve a frase passando 0 verbo para o presente do indicativo. @® Classifica as palavras sublinhadas na frase seguinte: O Pedro nunca viu os dois gatos em cima do telhado. nunca dois em 17.1. Transforma a frase anterior numa frase afirmativa. 8) Rodeia as palavras invariaveis na frase seguinte: Nunca li um livro tao divertido como este. — PR Bio —Pos.gts 4 Fichee de Corstdosdo nseeson a Escrita de um texto narrativo. ® E16 Tadinho nao tinha nenhum filho ou filha. No entanto, num momento de aflicéo, ofereceu ao drag&o a sua filha em casamento. Esta foi a questao complicada para a qual o rei foi pedir ajuda a bruxa. Imagina e escreve um texto narrativo com, pelo menos, 90 palavras, em que apresentes: * 0 motivo que levou 0 rei a oferecer ao dragao a filha em casamento; * oconselho que a bruxa deu ao rei depois de vencer a ma disposigao. * 0 desfecho da historia com a resolugao do problema. Nota: Revé o texto e faz as corregdes necessarias antes de o passares a limpo. de Cote d 8 z PORTUGUES Avaliagao 3 Nome: Oat e Classiticagéo: ‘Oh proessoa) Oi ee. de ecageo Lé, com muita atengao, o texto seguinte: Histdria de um papagaio (.) Vem o Apresentador, solene, e escreve num painel ou quadro 0 titulo da histéria. CORO (pausadaments): Do Brasil regressou A sua terra um pobre emigrante. Como Gnica riqueza trazia um papagaio.... Aparece o Emigrante com uma mala ¢ outros embrulhos. Empoleiraco numa vara, o papagaio. 5s CORO: Pacientemente, o homem tinha ensinado 0 papagaio a dizer: VOZ DO PAPAGAIO: Nao ha diividal Nao ha diividal CORO: Um dia o homem resolveu vender 0 papagaio. Foi a feira da vila. O Apresentador desenha no quadro alguns apontamentos da feira ou passa para a frente do painel outra folha, onde jé esto desenhados esses apontamentos de feira ou romaria. 0 EMIGRANTE (@oregoando): Quem quer comprar um papagaio? Quem quer? Tenho aqui um papagaio fenomenal, o mais inteligente de todos os papagaios. Trés mil euros por um papagaio! Sé trés mil euros e leva um papagaio que fala como nenhum outro. Quem quer? Quem quer comprar? (.) LAVRADOR: Mostra-me Ia a tua mercadoria, homenzinho. 18 O Emigrante mostra 0 papagaio que o lavrador mira, afetando indiferenca. EMIGRANTE: Este papagaio vale uma fortuna, senhor, mas eu estou disposto a vendé-lo apenas por trés mil euros. LAVRADOR (rsonho): Trés mil euros por um papagaio é um descaramento. (Voltando- se para o papagaio:) © louro, tu vales trés mil euros? 20 VOZ DO PAPAGAIO: Nao ha duvida! Nao ha dividal Espanto do Lavradior e dos restantes feirantes. CORO: E foi assim que o Lavrador comprou 0 papagaio. ‘Aco sem palavras do Lavrador @ comprar o papagaio e do Emigrante aise embora, todo content CORO: Mas 0 papagaio em casa do Lavrador nunca mais voltou a falar. 3 O Apresentador, que jé apagou do quadro alguns apontamentos da feira, desenha alguns aponta- ‘mentos da casa do Lavrador ou passa a outra folha. Vé-se o Lavrador, impaciente, dando voltas & roda do papagaio. LAVRADOR (ameacando 0 panagaio): Falas ou nao falas, idiota? Sincio so LAVRADOR: Nao vales um pataco e nem sequer para a panela serves, porcaria de bicho! ‘Siléncio (-) LAVRADOR: Tempo perdido. Dinheiro perdido! Ah, que burro, que burro que eu fui em ter gasto o que gastei, por causa de um papagaio. Que burro que eu fuil Que os burro! \VOZ DO PAPAGAIO: Nao ha duividal Nao ha duividal CORO ffazendo 600): Nao hd duivida! Nao ha duivida! O Apresentador agarra no pau onde esté o papagaio e foge com ele, enquanto o Lavrador corre atrés, _ameagando o papagaio, Correm pela sala e desaparecem. ‘Antero Torado, Teatro de Tiés Pancacas, 3,* ec, Carinho, 2011 texto com supressoes) Responde ao que te é pedido sobre 0 texto que acabaste de ler, seguindo as orientagdes que te sao dadas. @ Assinala com X a tua opgao. O um texto postico. Historia de um papagaio 6: [_| um texto informativo. {_) um texto dramatico @® Logo a seguir ao titulo, onde esta a indicagao de supressao de texto [(..)], deveriam aparecer os nomes das personagens e os aderecos necessérios para a realizagao da pega de teatro. 2.1. Lé novamente o texto. identifica os elementos. Assinala com X as tuas op¢Ges. Personagens ‘Aderegas Apresentador Caneta ou giz Coro Quadro ou painel Pavan eee Lavrador Mala e outros embrulhos Emigrante Burro Mulher do emigrante Panela Varios figurantes na feira da vila Gaiola @ Identifica o autor @ a obra de onde esta pega foi extraida. Autor Obra @ Qual é a forma utilizada no texto para apresentar as indicagdes cénicas (gestos, expressdes das personagens)? @® Identifica os locais onde decorreu a agao. @® Explica o significado das palavras seguintes: emigrante lavrador @ Transcreve do texto a fala do lavrador em que ele se dirige ao emigrante mostrando algum desprezo ou sentimento de superioridade. t Transoreve do texto a indicag&o cénica em que o lavrador olha para o papagaio pretendendo dar a entender que nao esta interessado nele. gostarias de ser? 9.1. Explica as razdes da tua escolha, . @ Imagina que eras uma personagem desta pega de teatro. Que personagem | @® Escreve expressdes com significados semelhantes aos das expressdes seguintes: a) “Tenho aqui um papagaio fenomenal (..)" fives 10¢ 1) bl “Trés mil euros por um papagalo 6 um descaramento.” rine 18) d) *N&o vales um pataco e nem sequer para @ panela serves, porcaria de bicho!” tintas 0 631) (Ra Porugets 4 Fc de Condor Lé, com muita atengao, o texto seguinte: © papagaio 6 uma ave que pode viver cerca de cam anos e, regra geral, forma um casal para toda a vida. Os papagaios tém, como caracteristicas principais, 0 bic curvo @ as penas ce diferentes cores, variando de espécie para espécie. Alguns papagaios so capazes de imitar sons, a fala humana e outros, quando sao treinados pacientemente. No seu ambiente natural, os papagaios tém a sua disposigo uma grande variedade de nutrientes: folhas, flores, frutos e sementes. Quando esta em cativeiro, o dono de um papagaio deve dar-Ihe um ou dois tipos de verduras por dia e nao apenas sementes, que contém muita gordura. O papagaio é também conhecide come louro, ajeru, ajaru, jeru e juru As araras e os periquitos so aves da familia dos papagaios. Beatz Pals, 4° ano Responde ao que te 6 pedido sobre o texto que acabaste de ler, seguindo as orientag6es que te sao dadas. a ‘Sublinha no texto a expresso que indica que hé varias espécies de papagaios. 2) Rodeia, no texto, o nome pelo qual também 6 conhecido o papagaio e que foi utilizado pelo lavrador do texto “Hist6ria de um papagaio”. 3) Assinala com X a opgdo que corresponde a uma alimentagao saudavel para um papagaio. oO sementes O sementes, legumes e frutos (_} sementes e legumes (_] peixe e legumes (__) frutos ¢ legumes (_] trutos @ Imagina que tinhas um papagaio a quem querias ensinar a falar. Explica como o ensinarias, quais as palavras que Ihe ensinarias em primeiro lugar e em que momento do dia é que 0 farias. Responde ao que te é pedido sobre a gramatica da lingua portuguesa. @ Lé o primeiro perfodo do segundo texto. Completa corretamente o quadro com palavras dessa frase. Verto, ‘Quentificador numeral | _ Preposigo Nome comum | Nome coletivo L@ a frase seguinte. Sublinha © adjetivo. Este papagaio tem uma plumagem lindissima. 1 16.1. Identifica 0 grau em que o adjetivo se encontra. 16.2. Escreve a frase colocando 0 adjetivo no grau supertativo relativo de superioridade. 16.3. Escreve a frase passando o verbo para o pretérito imperfeito do indicativo. @ Léa frase seguinte. identifica a classe a que pertence a palavra sublinhada. O dono do papagaio deve dar-|he um ou dois tipos de verdura por dia. 17.1. Escreve a frase, substituindo a palavra sublinhada pela expressao a que corresponde. Léa frase seguinte: Eu tenho um papagaio que danga quando come laranja. 18.1. Identifica os verbos da frase e preenche o quadro, como no exemplo. Infinitive ‘Verbo verbo] Verbodat* | Verbo da2* | Verbo da3* do verbo regular irregular | conjugagéo | conjugagao_| conjugagéo ter x x 9 Identifica 0 tipo da frase seguinte: Joao, ndo ensines disparates ao papagaio. i ' 5 d & 2 = Escrita de um texto narrativo. @0 Por imitar a voz humana, o papagaio aparece, muitas vezes, como personagem de historias, desenhos animados e filmes cujo enredo envolve piratas ou outras personagens. imagina uma aventura e escreve um texto em que tu sejas a personagem principal 0 dono de um papagaio falante, também personagem da histéria. Nessa historia devem entrar, pelo menos, mais duas personagens a tua escolha. Nao te esquecas de: © dar um titulo & historia; © organizar bem 0 texto, que deve ter, pelo menos, 90 palavras; * revé-lo antes de o passares a limpo, i a 3 i | PORTUGUES ‘Nome: Classiicagao passa) ‘en: de eda Lé, com muita atengao, o texto seguinte: Uma bela manh, estava o Gigante ainda deitado, mas ja desperto, quando ouviu misica muito suave. Soava to docemente aos seus ouvidos que supds serem os miisi- cos do rei que passavam. Na realidade, era um Pintarroxo que cantava perto da sua janela; mas havia jé tanto tempo que ele ndo ouvia cantar uma ave no seu jardim, que Ihe pareceu a misica mais bela do mundo. O Granizo delxou entéo de bailar sobre a sua cabega, © Vento Norte deixou de rugir e umn perfume delicioso veio até ele pela janela aberta. ~Parece que a primavera chegou finalmente — exclamou o Gigante. Saltou da cama e olhou para fora. Que viu ele? Um espetaculo maravilhoso. Por um buraco pequenino do muro, as crian- as tinham entrado e estavam sentadas nos ramos das Arvores. Em todas as drvores ele viu uma criancinha. E as arvores ficaram to contentes ao vé-las de novo, que se cobriram de flores e agitavam suavemente os ramos sobre as suas cabecitas. As aves voavam e chilreavam alegremente, as flores espreitavam por entre a relva e riam. Era um espetaculo encantador, e sé num recanto do pomar havia ainda inverno. Era 18.0 recanto mais afastado do jardim, e via-se IA um rapazinho téo pequeno que ndo podia trepar aos ramos das arvores e chorava amargamente. A pobre arvore estava ainda coberta de Neve e Geada, @ 0 Vento Norte rugia por cima dela ~Sobe, meu menino ~ disse a 4rvore, baixando os ramos quanto péde; mas 0 rapazi- nho era demasiado pequeno. 2 Eo corago do Gigante enterneceu-se, quando olhou para fora. Como tenho sido egoistal - disse ele. — (...) Vou pér 0 rapazinho em cima da arvore @ depois derrubar o muro. E 0 meu pomar serd para todo o sempre o recreio das criangas. Estava realmente arrependido do que tinha feito. Desceu entdo a escada, abriu a porta devagarinho e entrou no jardim. Mas as criangas, ao vé-o, fugiram aterradas, ¢ o inverno 5 regressou. Sé 0 rapazinho nd fugiu, porque tinha os olhos t&o cheios de lagrimas que nao viu chegar o Gigante. E ele, aproximando-se cautelosamente, pegou-Ihe com todo 0 cari- nho e colocou-o num galho. E logo a érvore desabrochou em flores, as aves vieram cantar sobre ela @ 0 rapazinho estendeu os bragos, abragou e beljou o Gigante. E as outras criangas, quando viram que ele jd ndo era mau, voltaram a correr — e com elas regressou a primavera, ~ Agora 0 jardim & vosso, meus meninos - disse o Gigante. Pegou numa grande picareta e derrubou o muro. E, ao meio-dia, as pessoas que iam para o mercado viram 0 Gigante a brincar com as criancinhas no mais belo jardim que jamais tinham visto. Todo o santo dia brincaram e, quando a noite chegou, foram ter com o Gigante para ss Ihe dizerem adeus. 10 8 — Mas onde esté 0 vosso pequeno companheiro — perguntou ele -, 0 rapazinho que eu pus em cima da rvore? O Gigante gostava mais dele, porque o menino o tinha beijado. — Nao sabemos ~ responderam as criangas -, foi-se embora. so ~Digam-the que no fate, que volte aman. Mas as criangas disseram que no sabiam onde ele vivia e que nunca o tinham visto antes, e 0 Gigante ficou muito triste. Oscar Wilde, © Gigante Egosta 0 O Principe Fae, Porto Estora, 2013 Responde ao que te é pedido sobre o texto que acabaste de ler, seguindo as orientagdes que te séo dadas. @ Assinala com X a opg&o que completa cada uma das frases. 1.1. Quando ouviu o Pintarroxo a cantar, o Gigante: jé se tinha levantado. estava na cama mas ja tinha acordado. estava na cama a dormir. estava no jardim. 1.2. Para o Gigante, 0 canto do Pintarroxo foi: uma agradével surpresa. J uma desagradavel surpresa. {_] desinteressante. um acontecimento comum. 1.3. Quando saltou da cama e olhou para fora, 0 Gigante viu no jardim Arvores com criangas nos ramos, paéssaros a voar e flores a rir entre arelva. criangas a correr, rvores floridas, passaros a voar é flores a rir entre arelva. Arvores floridas e com criangas nos ramos, passaros @ voar ¢ flores a cantar. [_] drvores cheias de flores e com uma crianga sentada em cada uma delas, passaros a voar e flores a rir entre a relva. 26 14. O perfume delicioso que entrou pela janela do quarto do Gigante era: (©) ochetro a maresia. (_) o cheiro a castanhas assadas. (_) 0 cheiro da terra e das flores. r (_] o cheiro de cozinhados deliciosos. @® Como estavam as arvores antes de as criangas entrarem no jardin? 2.1. Transcreve uma frase que mostre a forma como as arvores reagiram quando Viram as criangas dentro do jardim. ® Relé 0 texto da linha 18 a linha 24 e completa as frases. O Gigante Egofsta descobriua____ dentro do seu corago, ao ver a drvore atentar ajudaro______. Nesse momento decidiu deitar abaixo ony e permitir para sempre a entrada no jardim as ‘As criangas no sabiam que o Gigante Egoista se tinha em Gigante___e fugiram cheias de @ 0 rapazinho que apareceu no jardim e que ninguém sabia quem era € de onde vinha tem um papel muito importante na historia, Concordas com esta afirmacao? Justifica a tua resposta. 4@ Assinala com X, de entre os titulos apresentados, aquele que escolherias para 3 este texto. 3 (_) As criangas felizes (J A transformagao do Gigante {_) O rapazinho misterioso O Como nasce a primavera 5.1. Justifica a tua opgao. L@ 0 texto segu O pobre deu um passo atrés, voltou-se e viu uma coisa tremenda. Um monstro extre~ mamente feio © esauisito como as criaturas das fébulas: um corpo, dois bragos, duas pernas e uma cabeca, tal como um homem, mas, em vez do rosto, um focinho peludo e repugnante. Em lugar do cabelo, havia na sua cabega uma selva de pelos erigados. 5 Duas presas amareladas, afiadas e curvas como sabres, safam-Ihe dos labios grossos € carnudos. As méos? Também elas estavam cobertas de pelos erigados, com longas unhas curvadas para baixo como garras. (Qs mais beloe contos co mundo, Liraria Clizanéo Ealtora, 1953, @® Dé um titulo ao texto que acabaste de ler. Responde ao que te é pedido sobre o texto que acabaste de ler, seguindo as orientagdes que te sao dadas. @ Assinala com X 0 tipo de texto apresentado. (J) Texto narrativo (_) Texto informativo {_} Texto dramético (J) Texto desoritivo 7. Assinala com X as caracteristicas psicolégicas que, na tua opiniao, possuiria este ser. () bondage Orava CD inveja () cobardia ( maidade (J) justica (J coragem () tealdade @® Transcreve do texto os elementos que tornam o monstro mais parecido com um animal do que com um ser humano. ® Lé os varios significados da palavra presa. Rodeia aquele que correspond ao apresentado no texto. garra de ave de rapina aquilo de que um animal se apodera para comer segura _prisioneira dente canino ~—-_poga em que se junta dgua para regar 9.1. Escolhe outros dois significados da palavra presa. Escreve duas frases utilizando cada um deles. @ As histérias que conheces estéo povoadas de seres fantdsticos fruto da imaginagéo dos seres humanos. Podem ser gigantes, monstros, fadas, bruxas, duendes, andes... Imagina um destes seres e escreve um texto em que descrevas as suas caracteristicas fisicas e psicolégicas. Responde ao que te é pedido sobre a gramatica da lingua portuguesa. @ Classifica as palavras apresentadas no quadro. Assinala com X no lugar correto, i § Agudas Graves | Esdrixulas 3 fabulas i maos & : gatras & atras & @® Transcreve do segundo texto duas palavras de cada tipo e preenche o quadro. Monossilabos Disstlabos Trissiabos Polissilabos (8) Transcreve do texto os adijetivos que qualificam os seguintes nomes: focinho jiinna 3) presas (ire 5) [bIOS {linha 6) 4 Liga cada uma das palavras seguintes ao seu anténimo. repugnante * erigado * longo * grosso * curto fino atraente sedoso @® Léa frase seguinte. Classifica as palavras sublinhadas, assinalando com X no local correto. Esta historia 6 menos divertida do que a tua. Determinante possessive Determinants demonstrativo Pronome possessivo Pronome: demonstrative Esta tua 15.1. identifica, na frase anterior, a classe a que pertence a palavra menos. 15.2. Escreve a frase no plural. WRB fomngete 4 Fchor do Concho @@ Escreve o plural das palavras seguintes: jardim pomar amével gentil rapaz céu coragéo aveld capitéo (@ Completa o quadro com os graus dos nomes. Grau normal — Grau aumentativo: Grau diminutive — rapaz homenzinho barracdo @ Lé a frase seguinte. Sublinha o acjetivo. Os pelos da cabega eram mais erigados do que os das maos. 18.1. Escreve a frase colocando o adietivo no grau comparativo de igualdade. 9 Léa frase seguinte. Sublinha as formas verbais. O pobre deu um passo atras, voltou-se e viu uma coisa tremenda. 19.1. Escreve a frase passando as formas verbais para o presente do indicativo. @0 Léas frases Ac B. A-—O Gigante Egoista ficou bondoso. B — Ele ajudou o rapazinho. 20.1. identifica 0 sujeito e o predicado de cada uma das frases. Completa o quadro. Escrita de um texto narrativo. @ Imagina que um dia estavas a brincar com os teus amigos no recreio da escola e que o ser fantastico, que criaste e descreveste anteriormente, aparecia a tremer ea transpirar, pedindo-te 4gua, pois estava cheio de febre. Escreve um texto em que contes: * em que local do recreio estavas, com quem estavas a brincar e qual era 0 jogo; * a forma como 0 ser fantastico apareceu e a reagdo que tu @ os teus amigos tiveram; * aconversa que tu ¢ os teus amigos tiveram com o ser fantastico, referindo © pedido dele e a forma como reagiram a esse pedido; * odesfecho da histéria. Organiza bem 0 teu texto, que deve ter, pelo menos, 90 palavras. Dé-Ihe um titulo. Lire [ MelTirrel Toles le) Portugués 4° ano 8 escola virtual fa, tira dividas, ult www.escolavirtual.pt

Você também pode gostar