Você está na página 1de 51

Engenharia Ref.: MAN01.

3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 2 de 51

MANUAL DE MONTAGEM,
OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO
ELEVADOR CREMALHEIRA

2012

MONTARTE INDUSTRIAL E O Manual a seguir, apresenta ao leitor as


LOCADORA
AV: MONTARTE Nº60 – CACHOEIRA especificações técnicas do elevador
SANTA ISABEL - SP cremalheira, descrições das peças e
4657 - 7700
orientar como operar o elevador
cremalheira.

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


2
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 3 de 51

ÍNDICE
INTRODUÇÃO ............................................................................................................................ 5

TERMO DE GARANTIA .................................................................................................... 5


TABELA DE DADOS TÉCNICOS ............................................................................................ 6

COMPONENTES DO EQUIPAMENTO ............................................................................ 15


BASE METÁLICA ................................................................................................................. 15
PROTEÇÃO DA BASE ........................................................................................................ 15
TROLLEY............................................................................................................................... 16
MÓDULO ............................................................................................................................... 16
CABINA .................................................................................................................................. 17
CONJUNTO DE MOTORIZAÇÃO ..................................................................................... 17
ANCORAGEM....................................................................................................................... 18
FREIO DE EMERGÊNCIA .................................................................................................. 18
CANCELA DE PAVIMENTO............................................................................................... 20
ROLETES DA PORTA GUILHOTINA ............................................................................... 21
LATERAL FRONTAL DA CABINA..................................................................................... 22
SISTEMAS DE SEGURANÇA............................................................................................ 23
NOTAS IMPORTANTES SOBRE OS ITENS DE SEGURANÇA ................................. 23
INSTRUÇÕES BÁSICAS DE MONTAGEM ......................................................................... 24

NORMAS DE SEGURANÇA .............................................................................................. 24


PRÉ-REQUISITOS PARA INICIAR A MONTAGEM....................................................... 24
MONTAGEM ......................................................................................................................... 25
UTILIZAÇÃO DIÁRIA ........................................................................................................... 38
NORMAS DE SEGURANÇA .............................................................................................. 39
INSTRUÇÕES BÁSICAS DE MANUTENÇÃO .................................................................... 40

CONTROLE DIÁRIO EFETUADO PELO OPERADOR: ................................................ 40


BOLETIM DE INSPEÇÃO DIÁRIA – PINHÃO E CREMALHEIRA ................................... 41

Engrenagens (Pinhão) do Motoredutor e Freio Pára-quedas (desgast0e, estado) ... 41


Vibração ................................................................................................................................. 41
Ruídos .................................................................................................................................... 41
Outros Acessórios ................................................................................................................ 41

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


3
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 4 de 51

CONTROLE MENSAL: ........................................................................................................ 43


TESTES E ENSAIOS............................................................................................................... 46

FREIO DE EMERGÊNCIA (TIPO PÁRA-QUEDAS) ....................................................... 47


POSSÍVEIS FALHAS OPERACIONAIS NA PARTE ELÉTRICA EM GERAL ................ 49

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


4
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 5 de 51

INTRODUÇÃO

Parabéns e nossos sinceros cumprimentos pela aquisição do Elevador Sistema Pinhão e


Cremalheira MONTARTE.
O elevador de cremalheira é uma máquina que utiliza o sistema de pinhão e cremalheira
acionado por um moto-freio-redutor para elevar a cabina.
O elevador de cremalheira proporciona uma notável economia na gestão dos canteiros de
obras. As suas principais características são:

•Transporte de pessoas ou cargas a alturas mais elevadas;


•Alto nível de segurança em sua operação e manutenção;
•Sua velocidade superior ao sistema convencional proporciona uma economia de tempo
no deslocamento de pessoas e de materiais;
• Simplicidade na sua montagem, desmontagem, operação e manutenção;
• Possibilidade de alteração de sua altura a qualquer momento;
• Sua torre autoportante possibilita a montagem dentro do poço do elevador definitivo, ou
simplesmente na fachada da estrutura;
• Capacidade de carga de elevação superior ao sistema convencional;
O conjunto de motorização e a cabina são desmontáveis, facilitando muito o transporte, a
operação de carregamento, descarregamento e armazenamento. A montagem das partes é
feita com simplicidade, no momento em que forem utilizadas.

O Grupo MONTARTE agradece a sua escolha e tem certeza de sua plena satisfação.

TERMO DE GARANTIA

Os equipamentos de fabricação “MONTARTE” são garantidos por 12(doze) meses a partir da


emissão da Nota Fiscal, contra defeitos de fabricação devidamente comprovados, salvo se
ocasionados por uso inadequado, negligência, imprudência, imperícia, sobrecarga, falta de
manutenção adequada, interferência de pessoas estranhas no equipamento, acidente extra
interferência humana, etc. Os componentes não fabricados pela “MONTARTE” se restringem a
garantia dos respectivos fabricantes, a exemplo de materiais elétricos, moto freio redutores etc.
A “MONTARTE” não se responsabiliza por eventuais prejuízos causados pela operação
inadequada do equipamento, uso de peças não originais ou por acidentes que por ventura
venham a acontecer, assim como por manutenção efetuada por empresa não credenciada. O
uso indevido, bem como a operação inadequada do equipamento anula os efeitos da presente
garantia.

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


5
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 6 de 51

TABELA DE DADOS TÉCNICOS

CAPACIDADE

E10/13N E13/17N E15/20N E20/26N E13/18N

Capacidade de Carga 1000Kg 1300Kg 1500Kg 2000Kg 1300Kg

N.º Máximo de Passageiros 13 17 20 26 18

Velocidade (50Hz/60Hz) 33,5 m/ min.


Altura Máxima da Torre 150m 250m 150m
Percurso Máximo da Cabina 144m 244m 144m

Obs. Aumento da altura da torre mediante consulta.

Freio de Segurança Freio Centrifugo

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


6
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 7 de 51

MOTOREDUTOR

E10/13N E13/17N E15/20N E20/26N E13/18N

Freqüência 50 ou 60 Hz

Tensão de Alimentação 380V/440V 380V/440V 380V/440V 380V/440V 380V/440V

Corrente Nominal 23A/20A 31A/27A 38A/33A 46A/40A 31A/27A

Fusíveis Tipo NH-00 80A 100A 125A/100A 125A 100A

11KW 15 KW 2X9,2CV 2 x 11KW 16 KW


Potência Consumida em Regime
15CV 20CV 2 x 12,5CV 2 x 15 CV 20CV

Corrente de Partida 7,5X Corrente Nominal

Freio de Trabalho Eletromagnético

Voltagem do Freio de Trabalho 220v

Grau de Proteção do Motoredutor IP 55

Rotações por Minuto 1740 rpm

DIMENSÕES DA CABINA

E10/13N E13/17N E13/18N E15/20N E20/26N

1,30 X
Largura x Comprimento Interno. 1,17 x 2,42m 1,30 x 2,98 m
2,42m
Altura Interna 2,10m 2,10m 2,20m
Abertura Livre da Porta 1,14m 1,30m 1,30m

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


7
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 8 de 51

PESO

E10/13N E13/17N E13/18 E15/20N E20/26N

Peso do Conj. Cabina 1315Kg 1325Kg 1560kg 1580Kg 1600kg

Base da Estrutura-Maior 89 Kg 89 Kg 180,5 Kg


Base da Estrutura-Menor 43,5 Kg 43,5 Kg 84 Kg

Suporte da Mola 12 Kg 12 Kg 17,5 Kg

Módulo sem Cremalheira 73,4 Kg 73,4 Kg 97 Kg


Barra de Cremalheira 17,8 Kg 17,8 Kg 23,7 Kg
Módulo com 1 Cremalheira 91,2 Kg 91,2 Kg 120,7 Kg
Módulo com 2 Cremalheira 109 Kg 109 Kg 144,4 Kg
Guarda-corpo 25 Kg 28kg 32Kg
Plataforma da Cabina 163,5 Kg 180kg 230Kg
Lateral Frontal da Cabina 84 Kg 84 Kg 100,2 Kg

Lateral Traseira 88,5 Kg 88,5 Kg 106 Kg

Porta Guilhotina da Cabina 26,5 Kg 29,5 Kg 29,5 Kg

Teto da cabina 121,6 Kg 140kg 160 Kg

Escada da Cabina 13,6 Kg

Ancoragem Horizontal com 3


22 Kg
Abraçadeiras

Tubo de Ancoragem 3,6 Kg

Ancoragem Articulada 56 Kg

Ancoragem Especial para a Última


97 Kg
Laje

Ancoragem Especial para Última


16,6 Kg
Laje – Berço

Ancoragem Especial para Última


27,4Kg
Laje-Intermediário

Ancoragem Especial para Última


10Kg
Laje-Tubo

Ancoragem Especial para a Última


12,9Kg
Laje-Cantoneira

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


8
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 9 de 51

Cancela de Pavimento 33Kg

Tubo de Cancela com Bucha 6,5Kg

Tubo de Cancela sem Bucha 6,4Kg

Tubo Telescópio 3,8Kg

Tubo de Ancoragem com 900mm 4,2Kg

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


9
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 10 de 51

PESO
E10/13N E13/17N E15/20N E20/26N E13/18N

Contra-peso da Porta Guilhotina 20Kg 32Kg 32Kg

Cabina Montada 674 Kg 748 Kg 690Kg

Freio Pára-Quedas 40,5 Kg

Placa de fixação do Freio Pára-


29 Kg 33,5 Kg 29Kg
Quedas

Motorização 165 Kg 202 Kg 266 Kg 390 Kg 202Kg

Placa de fixação da motorização 26 Kg 52 Kg 26Kg

Montante 230 Kg 400 Kg 230Kg

Rolete Guia Cremalheira(und) 4,4 Kg 5,5 Kg 4,4Kg

Rolete Guia Tubo(und) 1,8 Kg 3,7 Kg 1,8Kg

Rolete Guia Cremalheira(und) 8,8 Kg 13,2 Kg 8,8 Kg

Rolete Guia Tubo (conj) 21,6 Kg 29,6 Kg 21,6 Kg

Plataforma Basculante 600mm 23 Kg 25 Kg 23 Kg

Plataforma Basculante 900mm 32 Kg 35 Kg 32 Kg

Quadro de Comando 48,5 Kg 53,0 Kg 48,5Kg

Quadro de Cancela 8,3 Kg

Botoeira de Extensão 1,4 Kg

Quadro de rampa de limites 29,5 Kg


Trolley 37 Kg 38 Kg 37 Kg

Proteção de base cabine simples 140 Kg 208 Kg 140 Kg

Proteção de base cabine dupla 165 Kg 210 Kg 165 Kg

Mastro de Montagem 33 Kg
Base do Mastro de Montagem 8,8 Kg
Talha 16,35 Kg
Auto Trafo 20 KVA 90 Kg

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


10
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 11 de 51

Auto Trafo 30 KVA 136 Kg


Auto Trafo 70 KVA 210 Kg
Pinhão do motoredutor 5 Kg
Pinhão do freio pára-quedas 3,2 Kg
Placa Símbolo MONTARTE 11,5 Kg

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


11
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 12 de 51

DIMENSÕES

E10/13N E13/17N E15/20N E20/26N E13/18N

1660 x 2000 x
Base da Estrutura-Maior 1660 x 2000 x 150mm 2070 x 2940 x 210mm
150mm

633 x 941 x
Base da Estrutura-Menor 633 x 941 x 150mm 760 x 1160 x 160mm
150mm

330 x 645 x
Suporte da Mola 330 x 645 x 100mm 500 x 640 x 100mm
100mm
560 x 560 x
Módulo 560 x 560 x 1483mm 650 x 650 x 1483mm
1483mm
30 x 60 x
Barra da Cremalheira 30 x 60 x 1483mm 40 x 60 x 1483mm
1483mm
Ancoragem Padrão 1630 x 93 x 610mm

Tubo da Ancoragem Padrão Ø 1.1/2” x 190 x 900mm

Ancoragem Articulada 1330 x 100 x 585mm


Tubo da Ancoragem Articulada Ø 1.1/2” x 590mm

Intermediário da Ancoragem Articulada 610 x 93 x 610mm

Ancoragem Especial para a Última


1130 x 75 x 590mm
Laje(Ancoragem)

Ancoragem Especial para a Última


200 x 93 x 140mm
Laje(Intermediário)

Ancoragem Especial para a Última Laje


Ø 1.1/2” x 3385mm
(Tubo da Ancoragem Grande)

Ancoragem Especial para a Última Laje


Ø 1.1/2” x 2060mm
(Tubo da Ancoragem Pequeno)

Ancoragem Especial para a Última Laje


2000 x 93 x 140mm
(Cantoneira)

Treliça 510 x 140 x 510mm

Cancela de Pavimento 1090 x 1780mm 1330x1780mm 1330x1780mm

Lateral do Guarda-corpo 1216 x 967mm 1350 x 967mm 1216 x 967mm

Lateral frontal e traseira 2270x1200mm

Plataforma da Cabina 1220 x 2440 mm 1375 x 3000 mm 1375 x2440mm

Lateral Frontal da Cabina 2466 x 2467mm 2570 x 3026mm 2466 x 2400mm

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


12
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 13 de 51

Lateral Traseira da Cabina


1440 x 55 x
Porta Guilhotina da Cabina 1280 x 55 x 2480mm 1440 x 55 x 2600mm
2600mm
1375 x 2930 x
Teto da Cabina 1220 x 2370 x 50mm 1375 x 2930 x 50mm
50mm

Escada da Cabina 354 x 1870mm

E15/20N
E10/13N E13/17N E13/18N
E20/26N
100 x 25,4 x
Contra-peso da porta Guilhotina 100 x 25,4 x 725mm 100 x 25,4 x 765mm
765mm
1475 x 3060 x
Cabina medidas externas 1320 x 2440 x 2240mm 1376x2440mm
2325mm

Cabine abertura livre da porta 1140 x 2100mm 1300 x 2200mm 1300 x 2200mm

Freio Pára-quedas Ø 325 x 422mm

Motorização 9,2 KW 408 x 350 x 857mm

Motorização 11 KW 408 x 350 x 857mm

Motorização 15 KW 408 x 350 x 904mm


1400 x 1510 x
Montante 715x1325x3070mm
3750mm

Rolete Guia Cremalheira Ø 100 x 141mm

Rolete Guia Tubo Ø 88 x 109mm Ø 120 x 145mm Ø 88 x 109mm

1250 x 600 x
Plataforma basculante 600mm 1100 x 600 x 900mm 1200 x 600 x 900mm
900mm

1250 x 900 x
Plataforma basculante 900mm 1100 x 900 x 900mm 1200 x 900 x 900mm
900mm

Quadro de Comando 760 x 480 x 220mm


Quadro de cancelas 380 x 320 x 170mm ou 500 x 400 x 200mm
Botoeira com Extensão 105 x 105 x 60mm
Rampa de Limites 310 x 1710mm

Proteção de Base Cabina Simples 2800 x 1950mm 2800 x 1950mm 1950x3700mm

Proteção de Base Cabina Dupla 2800 x 1950mm 2800 x 1950mm 1950x3700mm

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


13
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 14 de 51

Mastro de Montagem 1073 x 3500mm

1101 x 450 x
Trolley 995 x 450 x 375mm 995 x 450 x 375mm
375mm

Área de influência cabina simples 2300 x 2800mm 2300 x 2800mm 2560 x 3360mm

Área de influência Cabina Dupla 3660 x 2800mm 3660 x 2800mm 4076 x 3360mm

Auto Trafo 20 kVA 264 x 435 x 500mm

Auto Trafo 30 kVA 310 x 480 x 580mm

Auto Trafo 70 kVA 365 x 565 x 705mm

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


14
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 15 de 51

COMPONENTES DO EQUIPAMENTO

BASE METÁLICA

A base do elevador é feita com perfil “I” laminado,


com o objetivo de garantir perfeita localização e
estabilidade da estrutura da torre (Módulos) na base
de concreto.

A fixação da Base Metálica na Base de Concreto


pode ser realizada através de chumbadores de
fixação rápida (“Parabolts”) ou chumbadores
embutidos no concreto, dependendo do modelo do
elevador e das cargas a serem aplicadas.

São posicionadas sobre a Base Metálica, molas


amortecedoras (duas ou três)*, que servem para
amortecer a cabina, no caso desta sair fora do curso
dos limitadores de percurso e entrar em contato com
a armação da base.

* Varia de acordo com o modelo do elevador

PROTEÇÃO DA BASE

A proteção da base é constituída de painéis


tubulares e telas de aço galvanizado. Sua fixação é
feita na base de concreto através de chumbadores.

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


15
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 16 de 51

TROLLEY

O Trole do Cabo Elétrico tem como objetivo manter o


cabo esticado na torre, na medida em que a cabina
descer ou subir.

O Trole é construído de forma compacta, atendendo


desta forma às diferentes necessidades de espaço
do cliente e com dimensões que variam de acordo
com o modelo do equipamento, altura da torre e
tipos de cabo. O trole é fornecido pela Montarte

MÓDULO

Trata-se de um componente modular (padronizado)


que é aparafusado a outros módulos, formando o
que chamamos de estrutura da torre. Cada módulo é
composto por três ou quatro tubos redondos
(dependendo do modelo do elevador), formando uma
base triangular ou quadrangular.
A fixação do Módulo à Base Metálica assim como as
fixações entre os módulos são feitas por meio de
parafusos e porcas auto-travantes

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


16
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 17 de 51

CABINA

É o componente do equipamento que contém maior


quantidade de peças. É constituída de chapas, vigas
e telas. Sua função é alocar pessoas ou/e materiais
em seu interior os transportando verticalmente.

CONJUNTO DE MOTORIZAÇÃO

O conjunto de motorização é o que determina o


movimento vertical (descida e subida) do elevador. É
constituído de um moto-freio-redutor, que transmite o
movimento por intermédio de um pinhão localizado
no eixo de saída do redutor e engrenado com a
cremalheira que está fixada ao módulo.

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


17
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 18 de 51

ANCORAGEM

É a peça que irá fixar a torre do equipamento


(Módulos) à estrutura da obra. É constituída por
cantoneiras ¼”x2”, tubos e chapas. Para auxiliar na
fixação, recebem tubo.

FREIO DE EMERGÊNCIA

O freio de emergência tipo de intervenção


automática é um dispositivo de freio acionado
automaticamente por força centrífuga no caso
eventual de uma falha mecânica e/ou elétrica do
elevador. Sendo que o mesmo deve ter seu teste
de freio executado a cada 90 dias.
Quando acionado deve ser destravado por
profissional legalmente habilitado,

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


18
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 19 de 51

PAINEL LOCAL

É uma caixa metálica (com grau de proteção IP 65)


facilmente desmontável, pois é fixada dentro da
cabina do elevador e todos os seu cabos são
conectados através de plugs.

Tem como função gerenciar os comandos recebidos


pelo operador, possui sensores para controlar a
movimentação do elevador e informar através de
alarmes visuais e sonoros.

É formado por dois circuitos:

11. Um de força de alimentação, para o moto-freio-redutor;


12. E outro, auxiliar, para comandos do quadro, limitadores de percurso e luzes de alerta.

A porta do quadro de comando possui componentes com as seguintes funções:

13. Botão “sobe”;


14. Botão “desce”;
15. Botão de emergência (“Stop”);
16. Botão de nivelamento;
17. Botão “liga/desliga” luz;
18. Lâmpada indicadora de quadro de comando;
19. Lâmpada indicadora de motor e freio ligado;
20. Lâmpada indicadora de porta da cabina aberta;
21. Lâmpada indicadora LFC (limite fim de curso) acionado.

Tomadas na lateral do quadro:

1. Tomada de alimentação do motor;


2. Tomada dos limitadores de percurso (LS – LD – LFC – LDJ);
3. Tomada do fim de curso das portas;
4. Tomada da botoeira externa;
5. Tomada do freio tipo pára-quedas.

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


19
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 20 de 51

CANCELA DE PAVIMENTO

É uma estrutura Metálica com tela, que é instalada


em cada pavimento no qual a torre está instalada
Recomenda – se que a distância entre a beira da laje
do pavimento e a Cancela seja inferior a 10 cm.
As Cancelas devem ter o trinco para abrir, somente
pelo lado da Cabina e não deve permitir que o
Elevador de a partida com a mesma aberta.

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


20
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 21 de 51

PORTA GUILHOTINA

A porta guilhotina fica localizada na cabina do


elevado e sua função é permitir a entrada e saída de
pessoas ou/e materiais.

ROLETES DA PORTA GUILHOTINA

A função dos roletes é guiar o cabo de aço da porta


guilhotina, ficam localizados na parte superior da
Porta. Cada porta possui 2 roletes e são compostos
por nylon e chapa de aço.

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


21
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 22 de 51

LATERAL TRASEIRA DA CABINA

Na lateral traseira encontramos a placa de


identificação do equipamento com o número de
série, capacidade de carga do elevador, data de
fabricação, modelo do equipamento capacidade
de pessoas que o equipamento suporta e
velocidade.
Composta por viga “u”, chapas e telas.

LATERAL FRONTAL DA CABINA

A lateral frontal da cabina consiste em chapas, telas


e vigas “U”. Conforme denominação é a parte frontal
da cabina e sua função é proteger e assegurar que
pessoas não se projetem para fora da cabina.

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


22
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 23 de 51

SISTEMAS DE SEGURANÇA

1. LI – Limite Inferior;
2. LS – Limite Superior;
3. LDJ – Limite do Disjuntor D1;
4. LFC – Limite Fim de Curso;
5. Estrutura terminal sem cremalheira;
6. Limitadores de percurso das portas de acesso da cabina;
7. Freio centrífugo (tipo pára-quedas);
8. Limitador bloqueador de energia elétrica geral posicionada no freio centrífugo (tipo
pára-quedas);
9. Freio do motor;
10. Pino de alívio manual do freio;

22. Botão de emergência no quadro de comando.

23. Por uma medida de segurança, foi implementado uma função no CLP onde a abertura da
cancela será possível apenas se o detector de presença indicar o elevador alinhado com algum
pavimento (operação em modo local).

NOTAS IMPORTANTES SOBRE OS ITENS DE SEGURANÇA

1. Os limitadores de percurso inferior (LI) e superior (LS) intervem quando a cabina chega
às rampas “fim de curso”, fixadas em posição no momento da montagem. É possível
que com o uso frequente do equipamento, haja a necessidade de algum ajuste na
posição das rampas “fim de curso”, devido ao desgaste da lona de freio.
2. Desligamento da chave geral caso o último fim de curso seja acionado, sendo
requerida presença de técnico autorizado para correção.
3. A estrutura terminal é montada sem cremalheira, de modo que, no caso de exceder a
rampa de subida, o pinhão (engrenagem do moto-freio-redutor) não saia da estrutura
da torre, nem mesmo na hipótese do não funcionamento do limitador de percurso de
emergência, aumentando ainda mais a segurança do elevador.
4. As portas e o alçapão da cabina são dotados de limitadores de percurso que impedem
o movimento caso as portas ou alçapão não estejam completamente fechados.
5. O freio tipo para-quedas é um dispositivo de segurança que é acionado
automaticamente quando a velocidade da cabina exceder a velocidade de ajuste do
mesmo.
6. O freio do motor é um freio a disco eletromagnético excitado por corrente contínua com
alívio elétrico e frenagem por efeito de molas. Esse sistema atende aos requisitos de
segurança básicos, pois com a interrupção da corrente, o freio atua automaticamente.
7. O pino de alívio manual libera a abertura do freio do motor quando puxado
manualmente e seu retorno é automático, isto é, quando puxado libera o freio e quando
solto trava o freio.
8. O botão de emergência, corte da fonte de alimentação do inversor e de sua saída
ligado ao motor.
9. Travamento de abertura de cancelas caso o elevador não esteja no pavimento.
10. Acionamento da parada forçado do inversor (coast to stop) em caso de parada de
emergência, parada por falta de comunicação, cabine no limite de fim de curso, e para
parada do elevador esperando comando.

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


23
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 24 de 51

INSTRUÇÕES BÁSICAS DE MONTAGEM

NORMAS DE SEGURANÇA

• Devem-se respeitar todas as normas de segurança para prevenção de acidentes ditadas


pelas normas vigentes no país.
• O equipamento deve ser montado na posição definida pelo responsável do canteiro de
obras, conforme as normas de segurança citadas acima.
• Antes da montagem deve ser verificada a capacidade de carga da superfície de apoio do
equipamento e a distância da parede. A Montarte fornece, quando necessário, “Instruções
Técnicas” referentes aos esforços na base de concreto, para cálculo estrutural da base.
• Devem ser feitos todos os aterramentos necessários para o elevador.

PRÉ-REQUISITOS PARA INICIAR A MONTAGEM

• Verificar se a energia elétrica do canteiro atende às especificações técnicas do


equipamento;
• Instalar um ponto de força independente para alimentação do equipamento;
• Instalar ponto de aterramento para o equipamento;
• Preparar a superfície onde será montado o equipamento, conforme normas fornecidas pelo
fabricante.

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


24
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 25 de 51

MONTAGEM

1. Posicionar, chumbar e nivelar a base metálica;

2. Colocar o primeiro módulo, sem cremalheira, sobre os


encaixes da base metálica e fixar o módulo com os
devidos parafusos, arruelas e porcas.

3. Usar o fio de prumo para completar a montagem dos


módulos da torre.

4. Montar os módulos até que se atinja a altura


necessária para colocar a primeira ancoragem.

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


25
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 26 de 51

5. Detalhe da ancoragem fixada na estrutura.

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


26
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 27 de 51

6. Encaixar o conjunto de motorização no montante. No momento do posicionamento do


conjunto de motorização no montante, deve-se liberar o freio do motor manualmente para que
a engrenagem possa encaixar devidamente nos dentes da cremalheira.

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


27
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 28 de 51

7. Encaixado o conjunto de motorização, posicionar e fixar os roletes guia no montante.

8. Fixado o montante na estrutura (módulos), inicia-se a montagem da cabina:

1.
osicionar e fixar a plataforma da cabina no braço do
suporte;

2.
osicionar e fixar as laterais da cabina;

3.
osicionar e fixar o teto da cabina;

4.
ncaixar as portas nos trilhos formados pelas
laterais da cabina;

5.
osicionar e fixar o suporte da polia do cabo de aço
do contra-peso;

6.
osicionar os contra-pesos dentro das guias fixadas
nas laterais da cabina;

7.
assar o cabo de aço Ø 1/8” ou Ø 3/16”
(dependendo do módulo) e amarrar no contra peso
e na parte inferior da porta com grampos (clipes);

8.

Nota: usar um pino ou um parafuso ∅ 4 mm para facilitar a regulagem.

10. Terminada a montagem da cabina e executados os devidos ajustes, monta-se a proteção


da base conforme segue:

1. Posicionar e fixar os painéis de telas;

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


28
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 29 de 51

2. Encaixar a porta.

Para continuar a montagem, o equipamento deve ser ligado, observando-se os seguintes


procedimentos:

1.
e os cabos elétricos não foram danificados no transporte;

2.
disjuntor motor do quadro de comando deve estar calibrado conforme a
corrente nominal da placa do motor

3.
osicionar e fixar o quadro local e remoto como indicado (dentro da cabina e
fixado fora da área de trabalho do elevador);

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


29
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 30 de 51

4.
osicionar o suporte com os limitadores de percurso (LI, LS, LFC e LDJ) no local
indicado (Montante) e conectar o plug na tomada do quadro local em XBL;

5.
osicionar e fixar os limitadores das portas da cabina (PC1, PC2 e PC3) e
conectar o plug na tomada do quadro local em XBP;

6.
esenrolar o cabo dos limitadores do freio tipo pára-quedas e conectar na régua
de borner como indicado no diagrama;

7.
osicionar e fixar sensores de presença (PI e PS) e conectar o plug da tomada
do quadro local em XBI;

8.
osicionar a botoeira da cabina e conectar o plug na tomada do quadro de local
XBB;

9.
onectar o plug com o cabo de ligação do motor ao quadro local XBM1 e
XBM2(caso sejam dois motores) e com a outra extremidade fazer as conexões
aos terminais do motor dentro da caixa de ligação do mesmo;

10.
onectar o plug com o cabo de ligação do freio do motor ao quadro local XBF e
com a outra extremidade fazer as conexões aos terminais da ponte retificadora
do freio dentro da caixa de ligação do motor;

Nota: Nos itens 7 e 8 antes de fazer as conexões, deve-se observar o diagrama


elétrico do quadro de comando e o esquema de ligação do motor e do freio, fornecido
pelo fabricante do motor, que sempre estará dentro da caixa de ligação do motor.

• Fixar adequadamente quadro remoto e conectar tomada XBS1 em XBS2 no quadro local,
com o cuidado de passar adequadamente no trolley;
• Conectar o plug das cancelas no quadro remoto XBC e a outra extremidade interligar os
periféricos de cada pavimento como indicado no esquema elétrico.
• Antes de conectar o cabo de alimentação na chave geral (na base “pé” da torre), deve-se
passar o cabo pelo suporte (cachimbo) localizado no teto da cabina, fixando bem o cabo e
observando-se para não esmagá-lo ou cortá-lo. Ligar o cabo aos conectores de
alimentação (R, S, T, PE) no quadro remoto e a derivação do quadro remoto no quadro
local.
• Posicionar, fixar e alinhar os suportes com as rampas que acionam os limitadores de
percurso (LS, LI, LFC, LDJ). A cabina não pode subir ou descer, por questões de
segurança, enquanto não forem posicionados os suportes com as rampas.

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


30
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 31 de 51

Antes de prosseguir a montagem devem-se verificar os seguintes itens:

IMPORTANTE: Pode ocorrer que a fase ligada ao motor esteja invertida, portanto, o
movimento do elevador será inverso ao indicado nos botões. Neste caso deve-se prestar muita
atenção, pois quando se aperta o botão de subida o elevador irá descer.

O limitador de percurso inferior (LI) também ficará com suas funções invertidas. Neste caso o
elevador só irá parar quando os limitadores de final de percurso (LFC e LDJ) atingirem as
rampas, desarmando o disjuntor (D1) do quadro de comando. Caso isto aconteça, inverta as
fases e rearme o disjuntor (D1).

NOTA: Antes de subir e descer a cabina, proceder da seguinte forma:

1. Checar todas as conexões;


2. Verificar se todas os componentes periféricos estão plugados;
3. Desconectar os plugs do motor e do freio;
4. Ligar o quadro de comando e medir a tensão nominal nos bornes (R,S,T, PE);
5. Testar a botoeira e os componentes plugados para checar se o quadro de comando está
respondendo ao comando dos botões e dos limitadores.
6. O cabo de alimentação e outros cabos de interligação entre painéis devem estar livres para
sair do cesto;
7. Se o botão de emergência não esta pressionado;
8. As rampas devem estar alinhadas e firmemente fixadas à estrutura;

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


31
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 32 de 51

9. Verificar se o Cabo de comunicação entre CLP Remoto e Local esta devidamente


conectado;
10. Deve ser feito o reaperto de todos os contatos.

Concluída a instalação elétrica e as checagens, inicia-se a montagem das estruturas:

1. Com ajuda do mastro de montagem e uma talha, içar os módulos com içador para dar
continuidade à montagem. Os módulos para o aumento devem ser transportados dentro da
própria cabina. Obs. Verificar se o módulo está bem fixado em seu içador para evitar
acidentes.
2. Antes de chegar ao topo da estrutura com a cabina, deve ser plugado a botoeira no quadro
de comando e operar o equipamento no teto do mesmo. Nos casos de ascensão a cabina
nunca deve ser operada em seu interior. Obs. Verificar se o botão de emergência (PARAR)
foi acionado e os motor /es se encontram desligados
3. Os módulos devem ser transportados dentro da cabina, e apenas içados ao teto através do
alçapão para montagem do mesmo no conjunto da estrutura um a um, fixando com seus 4
conjunto de elemento de fixação.
4. Verificar através de prumo se a estrutura se mantém com alinhamento apropriado, caso
contrário terá que ser corrigido o desnivelamento, antes de dar sequencia na tarefa de
ascensão da estrutura da torre. Obs. Antes de iniciar trabalho de ascensão (aumento),
verificar o sistema de ancoragem.

5. A distância de ancoragem padrão é no máximo seis metros medidos na vertical


(NR18).
6. Analisar as condições da fixação da ancoragem na estrutura do prédio, caso
necessário substituir os chumbadores de expansão e posicionar em outro ponto da
estrutura, executando novas furações para a fixação do conjunto da ancoragem no
prédio.

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


32
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 33 de 51

Nota: Considerando-se a diversificação de aplicações que podem apresentar vários


canteiros, o ancoramento pode ser fabricado em diversas formas e tamanhos, conforme as
necessidades dos clientes.

Todas as vezes que se fizer necessário o aumento da torre (estrutura) é importante


verificar se não há nenhum impedimento. Ex. Vigas, bandejas (Apara – Lixo), forros das
lajes salientes, vergalhões de aço, cabos de eletricidade etc.

Posicionar e fixar os roletes guia do trole na estrutura da torre.

Ao chegar à altura desejada, montar a última estrutura sem a cremalheira e instalar a rampa
de parada de subida.

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


33
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 34 de 51

ESQUEMA ELÉTRICO DO QUADRO DE COMANDO

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


34
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 35 de 51

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


35
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 36 de 51

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


36
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 37 de 51

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


37
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 38 de 51

INSTRUÇÕES BÁSICAS DE OPERAÇÃO

1. Os elevadores pinhão e cremalheira deverão ser operados por profissional qualificado


e treinado por centro de treinamento especializado ou pelo fabricante.
2. O livro de Inspeção Exclusivo para o Elevador de Cremalheira deverá conter dados
atualizados da identificação do conjunto redutor/motor e freio, freio automático de
segurança e as ocorrências de pane e manutenção.
3. Somente o operador poderá ser transportado simultaneamente com materiais na
cabina.
4. O elevador deve ser operado por comandos de pressão contínua localizados dentro da
cabina por um operador qualificado.
5. O elevador não deve ser operado sob más condições de tempo e quando ventos
tornem a operação perigosa para pessoas ou equipamentos (nenhuma cabina pode ser
operada com ventos superiores a 72 km/h).
6. O responsável pela obra deverá assegurar que os operadores são bem informados e
capazes de executar as instruções dos manuais de operação, lista de verificação diária
e de registrar estas atividades nas fichas ou livros de registro.
7. Os materiais somente poderão ser transportados dentro da cabina.
8. Quando acionado o freio de emergência, a assistência técnica do fabricante deverá ser
acionada. Durante todo processo de manutenção ou destravamento do freio o
procedimento PAT2 deverá ser seguido pelos profissionais da assistência técnica do
fabricante.
9. O operador deve tomar conhecimento dos modos de operações, como solucionar os
casos de emergências descritos neste manual, e as normas da NR18, para o qual foi
projetado o elevador de cremalheira, antes de fazer uso de qualquer função
operacional do elevador.

ATENÇÃO: No caso de falta de energia durante o uso do equipamento, o elevador irá parar
para segurança dos passageiros. O freio do motor é um freio a disco eletromagnético excitado
por corrente contínua com alívio elétrico e frenagem por efeito de molas. Esse sistema atende
aos requisitos de segurança básicos, pois com a interrupção da corrente, o freio atua
automaticamente.
Para movimentá-lo sem energia é necessário que o operador suba ao teto da cabina e acione
manualmente o pino de alívio do motofreioredutor e assim conduzir o equipamento até o
pavimento mais próximo.
O pino de alívio manual libera a abertura do freio do motor quando puxado manualmente e seu
retorno é automático, isto é, quando puxado libera o freio e quando solto trava o freio.

UTILIZAÇÃO DIÁRIA

Ao iniciar o turno de trabalho diário, energizar o quadro de comando e verificar os


seguintes itens:

• Presença de corrente elétrica (ligar a lâmpada da cabina);

• As condições gerais do equipamento;

• Sistema frenante;

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


38
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 39 de 51

• Integridade do sistema de segurança, limitador das portas da cabina (LPC1 e LPC2) e


limitadores de percurso superi
• (LS) e inferior (LI);
• Presença de poeira em excesso dentro do quadro local e remoto;
• Integridade e eficiência das ancoragens e da torre;
• Fixações das ancoragens e da torre;
• Estado geral do cabo de alimentação;
• Se não há objetos ressaltados na edificação ou qualquer outra coisa que possa interferir
no curso da cabina.

Após essa verificação, pressionar o botão de “subida” e mantê-lo pressionado até chegar a
altura desejada, soltar o botão e abrir a porta da cabina.

Com a porta aberta o elevador não pode ser movimentado, uma vez que o fim de curso da
porta impede que dê a partida.

Durante o uso, o material não deverá superar a carga máxima indicada na placa e deverá ser
distribuída uniformemente na plataforma.

Deve-se prestar atenção para que não haja manobras ou inversões repentinas de comando,
para que não sejam solicitados inutilmente os dispositivos eletromecânicos do equipamento,
reduzindo sua vida útil desnecessariamente.

NORMAS DE SEGURANÇA

• A operação do elevador deve ser feita somente por pessoas qualificadas (treinadas e
aprovadas).
• Fazer periodicamente a manutenção preventiva e extraordinária, conforme orientação do
fabricante
• Respeitar normas de carregamento. (Ex: evitar sobrecarga, má distribuição de carga,
transporte de material e/ou pessoas fora dos limites internos da cabina, etc.).
• Não remover os sistemas de segurança.
• Qualquer intervenção mecânica ou elétrica deve ser feita por pessoas habilitadas. Nunca
permitir que terceiros, façam qualquer tipo de intervenção no equipamento.
• Não se deve efetuar manobras repentinas de inversão de movimento.
• Antes de movimentar o elevador deve ser assegurado que as portas estejam
devidamente fechadas.
• Conduzir o elevador para o térreo em caso de condições ambientais adversas.
• Aterrar o equipamento.
• Em caso de emergência, pressionar o botão de interrupção geral de energia do elevador
(conhecido como botão de segurança ou de emergência).
• No término de cada obra o Fabricante indica que para garantir a segurança e qualidade
do equipamento, a reforma completa do mesmo, seja executada nas dependências da
Fábrica da Montarte.
• O desrespeito a qualquer uma dessas instruções acima, pode causar danos físicos e / ou
materiais.

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


39
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 40 de 51

INSTRUÇÕES BÁSICAS DE MANUTENÇÃO

Para garantir o perfeito funcionamento do elevador é necessário seguir um programa de


manutenção conforme as normas de segurança gerais, a saber:

CONTROLE DIÁRIO EFETUADO PELO OPERADOR:

Verificar:

• Condições gerais do elevador;


• Sistema frenante;
• Ancoragem feita na estrutura do edifício;
• Integridade e eficiência dos sistemas de segurança; limitadores de percurso de subida,
descida e das portas;
• Alinhamento dos andares;
• Contagem correta dos pavimentos;
• Acúmulo excessivo de partículas de poeira nos filtros do quadro e internamente;
• Cada elevador tem um contador de tempo de operação que acusará quando ele
necessitará de manutenção preventiva, sendo que um alarme tipo pisca‐pisca em
forma de texto aparecerá no display do CLP até que um técnico autorizado pela
MONTARTE faça a manutenção da mesma.
• Seguir todos os itens constantes no Check – List Diário. (Anexo).

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


40
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 41 de 51

BOLETIM DE INSPEÇÃO DIÁRIA – PINHÃO E CREMALHEIRA


N.º BOLETIM: Data: / /

Empresa:

End. Obra:

Modelo:

Operador:

Verificações Diárias A R Verificações Diárias A R

Engrenagens (Pinhão) do Botoeira / Sinalizadores:


Motoredutor e Freio Pára-
quedas (desgast0e, estado) Sobe / Desce / Emergência / Nivelamento
/Automático / Manual/ Remoto / Local

Ancoragens (fixação, estado) Rampa Superior e Inferior

Cabo de Comando Placas de Advertência

Cabina: Aspecto Geral (Piso, Freio Pára-Quedas


Portas, Teto, Alçapão) (LF1/LF2)

Cremalheiras (fixação, Limitadores de Porta da Cabina


estado) percurso descida (LPC1/LPC2)
e Subida na
Chave de Segurança Cancela
Parada
Roletes de Tubo LS
Guias
da LI
Cremalheira

Guias de Cabo LFC

Vibração LDJ

Ruídos Quadro Local

Outros Acessórios Quadro Remoto

Atualização Livro de Ocorrência

Observações:

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


41
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 42 de 51

Operador Responsável
Nome: Nome:

Data: Data:

Assinatura Assinatura

Legenda: A = Aprovado / R = Reprovado

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


42
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 43 de 51

CONTROLE MENSAL:
Verificar:

• Rolete guia do tubo: ajustar ou trocar se necessário;


• Rolete guia cremalheira: engraxar, ajustar ou trocar se necessário;
• Pinhão de elevação: engraxar e verificar eventual desgaste;
• Pinhão do freio: engraxar e verificar eventual desgaste;
• Limitadores de percurso superior / inferior: controle visual e teste de bloqueamento nas
rampas de parada;
• Limitadores de percurso das portas: testar eficiência;
• Verificar periféricos das Cancelas;
• Verificar estado do sensor de presença de identificação de pavimento entre montante e
cabina;
• Parafusos e porcas que prendem as estruturas e ancoragens: verificar o estado físico;
• Cabo de alimentação: verificar o estado de uso e o enrolamento dentro da caixa de
armazenamento;
• Módulos: verificar se os tubos e a cremalheira estão adequados ao uso, limpos e bem
engraxados;
• Porta da cabina: verificar estado físico da mesma, lubrificar as guias, e testar eficiência
das rampas;
• Freio de emergência: testar e verificar a eficiência dos limitadores de percurso;
• Freio motor: testar eficiência, ajustar ou trocar se necessário;
• Os testes de carga deverão ser efetuados com atuação do freio normal em teste estático
e dinâmico, com carga e sobrecarga de 120% da carga nominal, respeitando-se as
especificações do fabricante;
• Os testes em queda livre deverão ser efetuados com atuação exclusiva do freio de
segurança com 0%, 50% e 120% da carga nominal, periodicidade não maior que três
meses e respeitando as especificações do fabricante.
• Verificação do torque dos parafusos da estrutura da torre, da cremalheira, dos
chumbadores, dos tirantes de ligação, ancoragens e outros elementos estruturais,
deverá ser realizada por técnicos qualificados e em períodos não maiores que um mês.
• Seguir todos os itens constantes no Check – List de Manutenção REMAPC. (Anexo).

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


43
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 44 de 51

RELATÓRIO DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA DO ELEVADOR


REMAPC SISTEMA PINHÃO E CREMALHEIRA N°:

CLIENTE: DATA: / /
END: TEL:
BAIRRO: CIDADE: FAX:
RESPONSÁVEL: MESTRE:
N° DESCRIÇÃO COND. N° COND.
1 INSTALAÇÃO A R N 7,1,2 Conexão das Tomadas dos Quadros
1,1 Chave geral próxima da base do elevador 7,1,3 Disjuntor geral
1,2 Cabo de Força (conexão, estado) 7,1,4 Disjuntores de comando
1,3 Auto-transformador (conexões, proteção) 7,1,5 Fixação do trafo de comando
Cabo de Alimentação do elevador (conexão,
1,4 7,2 BOTOEIRA / SINALIZADORES A R N
estado)
2 TORRE A R N 7,2,1 Botão sobe
2,1 Poço (limpeza, água, etc) 7,2,2 Botão desce
2,2 Base metálica (fixação, estado) 7,2,3 Botão badil
2,3 Molas (estado) 7,2,4 Botão de emergência
2,4 Módulos (fixação, estado, prumo) 7,2,5 Botão Abre Cancela
Cremalheiras (fixação, lubrificação,
2,5 7,2,6 Botão +
alinhamento, desgaste, dentes quebrados)
2,6 Ancoragens (fixação, estado) 7,2,7 Botão -
2,7 Suporte do cabo de força 7,2,8 Botão Reset
3 CABINA A R N 7,2,9 Botão Valida
3,1 Portas 7,2,10 Seletora Automático/Manual
3,2 Teto (Teto e alçapão) 7,2,11 Seletora Remoto/Local
3,3 Piso 7,3 LIMITADORES A R N
3,4 Laterais (frontal e traseira) 7,3,1 Limitador superior (LS)
3,5 Montante 7,3,2 Limitador inferior (LI)
3,6 Roletes guia tubo 7,3,3 Limite fim de curso (LFC)
3,7 Suporte do cabo 7,3,4 Limite desliga disjuntor (LDJ)
4 MOTORIZAÇÃO (Conjunto Motriz) A R N 7,3,5 Limites das portas da cabina (LPC1 / LPC2)
Pinhão (lubrificação, desgaste, dentes
4,1 7,3,6 Limites do freio pára-quedas (LF1 / LF2)
quebrados e engrenamento)
4,2 Roletes guia cremalheira 7,3,7 Limite de segurança do alçapão (LSA)
4,3 Testar o alívio do freio 8 KITS DE PAVIMETOS (Cancelas) A R N
4,4 da motorização (rolamento auto- 8,1 Fixação
5 FREIO DE EMERGÊNCIA (Pára-Quedas) A R N 8,2 Conservação
5,1 Engrenagem (desgaste, estado) 8,3 Limite de segurança
5,2 Engrenamento 8,4 Botoeira de chamada
5,3 Rolete guia cremalheira 8,5 Campainha
6 TROLLEY A R N 9 PROTEÇÃO DE BASE A R N
6,1 Polia 9,1 Fixação
6,2 Rolete guia tubo 9,2 Conservação
6,3 Rolete guia cabo 9,3 Limite de segurança
7 ELÉTRICA A R N 10 OUTROS A R N
7,1,1 Conexão dos cabos de força (entrada) 10,1 Aterramento adequado
7,1 Quadro Local e Remoto 10,2 Voltagem Nominal

OBSERVAÇÕES GERAIS:

VISTO MONTADOR RESPONSÁVEL VISTO RESPONSÁVEL OBRA

LEGENDA H. ENTRADA:
A APROVADO R REPROVADO N NÃO EXISTE H. SAÍDA:

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


44
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 45 de 51

LUBRIFICAÇÃO PERIODICA MENSAL:

• Tubo da estrutura e cremalheira;


• Pinhões de elevação e pinhões do freio;
• Roletes.

MATERIAL RECOMENDADO:

• Cardium Fluído “F” (fornecido pela Montarte).

DISPOSITIVOS DE SEGURANÇA

1. Freio Automático de Segurança fixado em ponto estrutural da cabina e atuando na


cremalheira, que será acionado sempre que a velocidade de deslocamento da cabina for
excedida no percentual definido pelo fabricante, devendo ainda possuir dispositivo
interligado que interrompa a alimentação de comando e força do painel do elevador.

Caso o freio automático de segurança entre em funcionamento, somente poderá ser


destravado por profissional qualificado para este procedimento, devidamente treinado por
pessoal legalmente habilitado.

2. Dispositivo de fim de curso, composto de dois sistemas independentes de segurança


elétricos, eletrônicos ou eletromecânicos instalados no limite superior, e dois sistemas
independentes de segurança elétricos ou eletromecânicos instalados no limite inferior,
sendo que um atua no circuito de comando e o outro no circuito de força painel do elevador.
Os sistemas que atuarão no circuito de força, obrigatoriamente deverão ser
eletromecânicos.

3. O último elemento da torre a ser montado deverá ser “cego”, de maneira que caso o pinhão
saia da cremalheira, os roletes permaneçam em contato com as guias.4. Dispositivos eletro-
eletrônicos que impeçam o acionamento do elevador caso a(s) cancela(s) do(s) andar(es)
esteja(m) aberta(s).

5. Trava na porta oposta aos acessos dos andares.

6. Proteção perimetral da base de modo a enclausurar a parada inferior com uma barreira de
no mínimo 1,80 m de altura, impedindo a passagem de pessoas sob o local de descida da
cabina.

7. A estrutura da cabina deverá estar dotada com pinos de segurança que impeçam o
desprendimento da cabina da torre.

8. Amortecedores colocados na parada inferior, dimensionados de modo a amortecer a queda


da cabina, caso todos os outros dispositivos de segurança não atuarem.

9. Sistema elétrico de comando dotado de supervisor de falta de fase, por meio de relê ou outro
sistema.

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


45
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 46 de 51

10. Acesso protegido aos componentes de segurança dos elevadores de cremalheira, porém
não bloqueado, de modo que somente pessoas qualificadas tenham acesso aos mesmos
e em especial ao freio automático de segurança, limites eletro-eletrônicos, painel de
comando e outros componentes.

11. Os elevadores devem ser montados o mais próximo possível da edificação, respeitando-se
o projeto de instalação.

12. Os elementos estruturais (módulos da torre), bem como a cremalheira por onde percorre a
cabina, devem estar em perfeitas condições, sem deformações que possam comprometer
sua estabilidade.

13. As distâncias entre os estaiamentos ou ancoragens dos módulos devem obedecer a


distância máxima de seis metros.

14. A torre e o quadro de comando do elevador de cremalheira deverão estar aterrados, de


acordo com as normas de aterramento vigentes.

15. Em todos os acessos para a entrada na cabina do elevador de cremalheira deverá ser
instalada uma cancela (barreira) com no mínimo 1,80 m de altura, impedindo que pessoas
exponham alguma parte de seu corpo no espaço livre do percurso vertical da cabina.

16. A montagem do elevador e aumento da altura da torre deverá ser feita somente por
trabalhador qualificado, sob supervisão de profissional legalmente habilitado.

TESTES E ENSAIOS

TESTES E ENSAIOS FEITOS ANTES DA ENTREGA DO EQUIPAMENTO

1. Teste de funcionamento de todos os limites elétricos e seus ativadores, tais como, limite de
percurso normal e final, limites de abertura de portas, cancelas e todos os dispositivos de
segurança.

2. Os testes de carga deverão ser efetuados com atuação do freio normal em teste estático e
dinâmico, com carga e sobrecarga, de 0, 50 e 120% da carga nominal, e respeitando as
especificações do fabricante.

3. Os testes em queda livre deverão ser efetuados com atuação exclusiva do freio de
segurança com 0, 50 e 120% da carga nominal, e respeitando as especificações do
fabricante.

4. Os testes em queda livre com ou sem carga devem ser feitos por métodos que possibilitem a
realização, sem que hajam pessoas dentro ou no topo da cabina.

5. Todo tipo de teste ou manutenção efetuada no freio de segurança só poderá ser efetuado
pelo fabricante ou pessoas por ele qualificadas. Nota: É necessário que o teste de freio seja
executado a cada 90 dias.

6. Todo tipo de teste ou manutenção efetuada no sistema de motorização só poderá ser


efetuado pelo fabricante ou pessoas por ele qualificadas.

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


46
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 47 de 51

7. Verificação do torque dos parafusos da estrutura da torre, da cremalheira, dos chumbadores,


dos tirantes de ligação, ancoragens e outros elementos estruturais, deverá ser realizada por
técnicos qualificados e em períodos não maiores que um mês.

8. Os testes de entrega para liberação de funcionamento, deverão ser feitos por Engenheiro
Mecânico responsável pelo projeto de instalação, na presença do responsável pela obra ou
seu representante.

9. As normas mínimas de segurança na manutenção, montagem, desmontagem e operação de


Elevador Sistema Pinhão e Cremalheira deverão ser seguidas rigorosamente, conforme
indica a legislação local vigente.

10. Toda manutenção, montagem, desmontagem e operação do elevador de cremalheira


somente poderá ser feita por profissional treinado e qualificado.

11. O elevador de cremalheira deve ter um livro de inspeção exclusivo, no qual o operador
anotará diariamente as condições de funcionamento e de manutenção do mesmo. Este livro
deve ser visto e assinado, semanalmente, pelo responsável da obra. As anotações diárias
poderão ser feitas em fichas individuais próprias para este fim. Conforme indicação da
legislação local vigente.

FREIO DE EMERGÊNCIA (TIPO PÁRA-QUEDAS)

ESQUEMA DE REGULAGEM PÓS ACIONAMENTO

No caso de intervenção do freio de emergência, antes de acioná-lo novamente devem ser


verificados alguns itens cuidadosamente:

• Acionar o botão de emergência do quadro de comando.

• Verificar a causa da intervenção.

Ex:

• Sobrecarga;
• Temporizador do quadro mal regulado;
• Quebra do meio de transmissão;
• Afastar todos
os inconvenientes que causaram a intervenção;
• Verificar se o
freio do motor não está aberto.

IMPORTANTE: ESTE SERVIÇO DEVE SER EXECUTADO POR PESSOAS QUALIFICADAS


(PROFISSIONAIS DA MONTARTE).

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


47
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 48 de 51

1.º Passo: Retirar a tampa de proteção.

2.º Passo: Com uma chave 5/8” apertar o


parafuso em sentido horário até sentir resistência,
em seguida aperta-lo no máximo uma volta para
soltar o cone do freio.

CUIDADO! Caso o parafuso for apertado além do especificado poderá causar graves danos
ao equipamento.

3.º Passo: Com a mesma chave de 5/8” girar o parafuso em


sentido anti-horário até sentir resistência.

4.º Passo: Recolocar a tampa de proteção.

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


48
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 49 de 51

POSSÍVEIS FALHAS OPERACIONAIS NA PARTE ELÉTRICA EM GERAL

Relacionamos abaixo, através de nossa experiência, algumas das prováveis falhas que
poderão ocorrer nos canteiros de obra.

Defeitos Causas Soluções

Chave geral desligada. Verificar porque foi desligada e ligá-la.


Fusível queimado. Verificar se ocorreu alguma anomalia e trocá-lo.
Cabo de alimentação
desconectado na chave geral ou
no quadro de comando. Verificar porque se soltou e conectá-lo.

Disjuntor-motor desligado. Verificar se o limitador de segurança (LDJ) está acionado


ou se o botão de emergência (BE1) está pressionado,
caso estejam, libere-os para religar o disjuntor-motor.
Disjuntores de comando Verificar se há problemas nos cabos que ligam os
O elevador não dá desligados. componentes ao quadro de comando, tais como:
nenhum sinal de limitadores, botoeira, freio.
funcionamento
Limitador de segurança (LFC) Liberar o limitador de segurança (LFC).
acionado.

Providenciar a estabilização da tensão da rede, pois


conforme norma NBR 7094:1996 (cap. 4 – item 4,3.3) para
Tensão de rede apresenta queda motores de indução, as combinações das variações de
acima de 10%. tensão e de freqüência são classificadas como zona A e
zona B. (A queda de tensão não pode ultrapassar 10%).

Excesso de carga. Verificar a capacidade de carga na placa de identificação


O motor parte com
do elevador, e se excedeu, retirar o excesso de carga.
dificuldade e fica muito
aquecido.
Freio libera com deficiência. - Verificar retificador.
- Verificar ajuste do entreferro.
- Verificar ligação.
Se o fusível for da chave geral,
possível curto-circuito no cabo de - Verificar curto-circuito no cabo que liga o motor ao
quadro de comando e corrigir.
Disjuntor-motor. - Verificar ligação dos terminais do motor e corrigí-la.

Queima de fusíveis, ou
disparo imediato do
disjuntor-motor. Motor em curto-circuito. Deve ser verificado por especialista.

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


49
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 50 de 51

Tensão de alimentação errada. Medir o valor da tensão e corrigi-la.

Verificar ligação e corrigí-la, conforme esquema de ligação


do motor e diagrama elétrico do quadro de comando.
Ligação errada.

Freio do motor Falha do retificador do freio. Trocar o retificador do freio.


bloqueado.
Parafuso de ajuste do freio
desregulado e pressionado.
Verificar e fazer o ajuste.

Set de Instruções do Inversor ou Solicitar Auxílio Técnico Montarte


CLP alterado

No momento de parar a Lona gasta. Trocar o disco de freio completo.


cabina, percebe-se
Entreferro acima do especificado. Verificar e ajustar.
que o freio está
escorregando.

Set de Instruções do Inversor ou Solicitar Auxílio Técnico Montarte


CLP alterado

Apesar do sistema Set de Instruções do Inversor ou Solicitar Auxílio Técnico Montarte


permanecer energizado CLP alterado
não funciona nenhum
comando. Alguma tomada desconectada Conectar novamente no devido local

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


50
Engenharia Ref.: MAN01.3
Manual de Instruções Emissão inicial: 05/10/11
Versão: 01
Elevador Cremalheira Atualizado: 05/01/12
Pág. 51 de 51

ANÁLISE DE DEFEITOS E POSSÍVEIS CAUSAS

NOS COMPONENTES DO QUADROS DE COMANDO

Defeitos Possíveis causas

- Disjuntor-motor desligado.
- Disjuntor quadro remoto desligado.
- Configuração Inversor ou CLP incorreta.
- Bobina queimada:
Contator não liga. • Por sobretensão;
• Ligada em tensão errada;
• Corpo estranho no entreferro.
- Linhas de comando longas (efeito de “colamento”
capacitivo).
- Contatos soldados:
• Corrente de ligação elevada;
Contator não desliga. • Comando oscilante;
• Ligação em curto circuito.
Contator desliga involuntariamente. - Queda de tensão forte por oscilações da rede.
- Relés de segurança com defeito.
- Instabilidade da tensão de comando:
• Corrente de partida muito alta.
- Fornecimento irregular de comando:
• Botoeiras com defeito;
Faiscamento excessivo. • Limitadores (fim-de-curso) com defeito.

- Corpo estranho no entreferro.


- Bobina com tensão ou freqüência errada.
- Superfície dos núcleos, móvel e fixo, sujos ou oxidados,
especialmente por longas paradas.
- Fornecimento oscilante de contato no circuito de
comando.
Contator zumbindo. - Quedas de tensão durante a partida de motores.

- Motor não atinge a rotação nominal porque o disjuntor


motor atua:
Contator com disjuntor-motor, disjuntor
• Disjuntor mal regulado;
atuou. • Tempo de partida muito longo;
• Freqüência de ligações muito alta;
• Sobrecarga no eixo do motor.

Atenção: Toda manutenção feita sobre a instalação elétrica deve ser realizada respeitando-se
as normas de segurança que regem a manutenção dos circuitos elétrico

Elaborado por: Mariana Severo Aprovado por: Caio Melo


51

Você também pode gostar