Você está na página 1de 8

NOME ______________________________________________ Turma_______ Número_______

Teste 3
Duração: 90 min

Consulte a Tabela Periódica, a tabela de constantes e o formulário sempre que necessário.


Nos itens de escolha múltipla selecione a letra da única opção que permite obter uma afirmação correta
ou que responda corretamente à questão formulada.
Nos itens de construção que envolvam cálculos numéricos é obrigatório apresentar todas as etapas de
resolução.
Junto de cada item, entre parênteses, apresenta-se a respetiva cotação.

GRUPO I

Em muitas das nossas casas as portas exteriores são feitas em alumínio, pois o aço fica mais
facilmente sujeito à corrosão por estar em contacto com o dioxigénio e a humidade atmosférica.
No entanto, nas construções junto ao mar, devido à maresia, também o alumínio acaba por estar
sujeito a este efeito.
As gotículas de água do mar transportadas pelo vento acabam por se depositar sobre as superfícies
de alumínio nas quais podem promover a ocorrência da seguinte reação química:

(I) 4 A l( s)+3 O 2 ( g)+ 6 H 2 O(l)⟶ 4 A l(OH )3 (s)

1. (10p) Determine o número de oxidação do alumínio, A l , no tri-hidróxido de alumínio, A l(OH )3.

2. (10p) Na transformação do alumínio, A l , no tri-hidróxido de alumínio, A l(OH )3, o alumínio é:

(A) oxidado, ou seja, comporta-se como dador de eletrões.


(B) reduzido, ou seja, comporta-se como dador de eletrões.
(C) oxidado, ou seja, comporta-se como recetor de eletrões.
(D) reduzido, ou seja, comporta-se como recetor de eletrões.

3. O alumínio, A l , pode ser extraído da bauxite, um mineral rico em óxido de alumínio, A l 2 O 3.


Industrialmente, o A l 2 O 3 fundido reage com grafite, C (s) , de acordo com a equação química:

(II) 2 A l2 O 3 (fundido)+3 C (s)⟶ 4 A l(l)+ 3C O 2(g)


3.1 (10p) Indique a variação do número de oxidação do carbono, do oxigénio e do alumínio e
justifique que se trata de uma reação de oxidação-redução.
3.2 (10p) A redução do óxido de alumínio presente na bauxite verifica-se através:
(A) da perda de eletrões por parte do alumínio em A l 2 O 3.
(B) da perda de eletrões por parte do C .
(C) do ganho de eletrões por parte do alumínio em A l 2 O 3.
(D) do ganho de eletrões por parte do C .

Editável e fotocopiável © Texto | Novo 11Q 1


3.3 (10p) Indique o agente redutor em (I) e em (II).

2 Editável e fotocopiável © Texto | Novo 11Q


GRUPO II

Um termoacumulador é um sistema de aquecimento de Série eletroquímica


águas sanitárias. De uma forma simplificada, pode ser Au Au3+ (aq) + 3 e⁻
Ag Ag+ (aq) + e⁻
entendido como um depósito para a água que é aquecida
Cu Cu2+ (aq) + 2 e⁻
por uma resistência de imersão. É comum encontrarmos H2 2 H+ (aq) + e⁻
este «depósito» feito de cobre ou de aço (liga metálica Pb Pb2+ (aq) + 2 e⁻

Poder oxidante crescente


Sn Sn2+ (aq) + 2 e⁻

Poder oxidante crescente


constituída por ferro e carbono). No caso dos
Ni Ni2+ (aq) + 2 e⁻
termoacumuladores de aço, estes têm também uma peça
Fe Fe2+ (aq) + 2 e⁻
feita de magnésio que protege o termoacumulador da Cr Cr3+ (aq) + 3 e⁻
corrosão e que deve ser substituída regularmente devido ao Zn Zn2+ (aq) + 2 e⁻
seu desgaste. Mn Mn2+ (aq) + 2 e⁻
Aℓ Aℓ3+ (aq) + 3 e⁻
Mg Mg2+ (aq) + 2 e⁻
Na Na+ (aq) + e⁻
1. (10p) Explique, com base na posição dos metais ferro, Fe ,
K K+ (aq) + e⁻
e magnésio, Mg, na série eletroquímica, porque é que o Li Li+ (aq) + e⁻
magnésio «protege o termoacumulador da corrosão».

2. (10p) Os termoacumuladores de cobre não necessitam da «peça feita de magnésio» porque:


(A) o cobre metálico apresenta menor poder redutor do que o hidrogénio da água.
(B) o cobre metálico apresenta maior poder redutor do que o magnésio metálico.
(C) o magnésio metálico apresenta menor poder redutor do que o hidrogénio da água.
(D) o hidrogénio apresenta maior poder redutor do que magnésio metálico.

3. (10p) Na reação entre a «peça feita de magnésio» e a água que circula no termoacumulador
ocorre transferência de:
(A) protões do magnésio para água. (C) eletrões da água para o magnésio.
(B) protões da água para o magnésio. (D) eletrões do magnésio para a água.

4. Considere a informação apresentada na série eletroquímica.


4.1 (10p) Se uma amostra de aço fosse mergulhada numa solução contendo iões magnésio,
prevê-se que:
(A) ocorra a reação de oxidação do ferro e de redução do magnésio.
(B) ocorra a reação de oxidação do ferro mas não a reação de redução do magnésio.
(C) não ocorra reação de redução do ferro mas ocorra reação de oxidação do magnésio.
(D) não ocorra reação química de oxidação-redução.
4.2 (10p) Se uma amostra de cobre for mergulhada numa solução contendo iões de prata, ocorre
a reação traduzida por:

Editável e fotocopiável © Texto | Novo 11Q 3


2+ ¿(aq)+ 2 Ag( s) ¿

Cu( s)+ 2 Ag+¿(aq)⟶ Cu ¿

Escreva as equações das semirreações de oxidação e de redução.

4 Editável e fotocopiável © Texto | Novo 11Q


GRUPO III

O carbonato de ferro(II), FeC O 3 ( M =115,9 g mol−1; K s =1,28 ×10−11, a 25 ℃ ), é um composto


iónico utilizado em suplementos para suprir a deficiência de ferro na alimentação e em
medicamentos para tratar a anemia.

1. (10p) Escreva a equação química que representa o equilíbrio de solubilidade do carbonato de


ferro(II), explicitando que se trata de um equilíbrio heterogéneo.

2. (10p) Escreva a expressão do produto de solubilidade, K s , e determine a solubilidade, s, do


carbonato de ferro(II), a 25 ℃ .

3. (10p) A 25 ℃ , é possível dissolver, num copo de 125 mL de água:

(A) 5,19 ×10−2 g de carbonato de ferro(II).

(B) 3,86 ×10−6 g de carbonato de ferro(II).

(C) 5,19 ×10−5 g de carbonato de ferro(II).

(D) 3,86 ×10−9 g de carbonato de ferro(II).

4. Em algumas casas antigas as tubagens da água para consumo ainda são de ferro. Considere que
numa dessas casas a concentração de Fe2+ ¿¿ em água é de 2,01 ×10−6 mol dm−3 . Despreze os
outros iões que possam estar presentes nesta água.
A 100 mL desta água adicionaram-se 0,305 mg de carbonato de ferro(II).

4.1 (10p) Nestas condições:

(A) Q c < K s e a solução diz-se insaturada.

(B) Q c > K s e a solução diz-se sobressaturada.

(C) Q c > K s e a solução diz-se insaturada.

(D) Q c < K s e a solução diz-se sobressaturada.

4.2 (10p) A alteração da solubilidade do carbonato de ferro(II), nestas condições, deveu-se à:


(A) adição de ácidos.
(B) adição de bases.
(C) formação de iões complexos.
(D) presença de um ião comum.

Editável e fotocopiável © Texto | Novo 11Q 5


GRUPO IV

A solubilidade em água é uma propriedade das substâncias e depende de fatores como a


temperatura.
No gráfico mostra-se a variação da solubilidade do nitrato de potássio e do cloreto de sódio em
função da temperatura.

No caso particular do nitrato de potássio, apresentam-se na tabela alguns valores da sua


solubilidade (em gramas de sal por 100 gramas de água), entre 0 e 100 ℃ .

Temperatura ( ℃ ) Solubilidade ( g /100 g H 2 O )


0 13,3
20 31,2
40 64,0
60 111,0
80 171,5
100 249

1. (10p) Atendendo à informação apresentada no gráfico, conclui-se que a dissolução do nitrato de


potássio é um processo:
(A) endotérmico, enquanto a dissolução do cloreto de sódio é um processo exotérmico.
(B) exotérmico, enquanto a dissolução do cloreto de sódio é um processo endotérmico.
(C) endotérmico, tal como a dissolução do cloreto de sódio.
(D) exotérmico, tal como a dissolução do cloreto de sódio.

6 Editável e fotocopiável © Texto | Novo 11Q


Editável e fotocopiável © Texto | Novo 11Q 7
2. (10p) À temperatura assinalada no gráfico pela letra A, pode afirmar-se que é igual:
(A) a concentração de nitrato de potássio e de cloreto de sódio.
(B) a quantidade de iões cloreto e de iões nitrato dissolvidos em 100 g de água.
(C) a soma do número de iões potássio e nitrato com a soma do número de iões sódio e cloreto
por unidade de massa de água.
(D) a massa de nitrato de potássio e de cloreto de sódio dissolvidos em 100 g de água.

3. Numa amostra de 60,0 g de água, à temperatura de 80 ℃ , foram dissolvidos 120,0 g de nitrato


de potássio ( M =101,1 g mol−1).

3.1 (10p) A solução resultante é:


(A) insaturada.
(B) saturada, ocorrendo formação de precipitado.
(C) saturada, sem ocorrer formação de precipitado.
(D) sobressaturada.
3.2 A mistura foi posteriormente arrefecida até aos 40 ℃ , ocorrendo a precipitação de parte do
nitrato de potássio em solução.
3.2.1 (10p) Determine a concentração de iões potássio em solução.
Considere ρ solução ¿ 40 ℃ ¿=1,35 g cm−3 .
Apresente todas as etapas de resolução.
3.2.2 (10p) A massa de nitrato de potássio que precipitou foi:
(A) 38,4 g.
(B) 81,6 g.
(C) 102,9 g .
(D) 107,5 g .

8 Editável e fotocopiável © Texto | Novo 11Q

Você também pode gostar