Você está na página 1de 5

A discussão acerca do livre-arbítrio

O problema do livre-arbítrio é uma das questões filosóficas mais difíceis e


debatidas.
A noção de liberdade é a que corresponde à livre-arbítrio, isto é, à
possibilidade de escolha e de autodeterminação, ao ato voluntário, autónomo
e independente de qualquer coação externa ou interna. A existência de forças
externas e internas que não conseguimos controlar, seja a nível biológico ou
sociocultural, pode nos fazer duvidar de que tenhamos livre-arbítrio.
As respostas a estas dúvidas nascem do aceso debate que opõe, desde a
Antiguidade, deterministas e defensores do livre-arbítrio.
 Para libertistas e deterministas moderados, o ser humano é livre e tem
controlo sobre si mesmo.
 Para os defensores do determinismo radical, a liberdade de escolha é
uma ilusão.

-Teorias acerca do problema do livre-arbítrio


• Determinismo radical (incompatibilismo)

• Compatibilismo (Determinismo moderado)

• Libertismo

O que é o determinismo?

O determinismo é a doutrina segundo a qual tudo o que acontece tem uma causa, todos
os fenómenos estão necessariamente ligados uns aos outros por meio de relações
causais. Qualquer acontecimento do universo é um efeito provocado por um estado de
coisas antecedente, isto é, uma consequência inevitável de causas e de leis da natureza
sem as quais não poderia existir.
 Determinismo radical

O determinismo radical defende que não existe livre-arbítrio, o que implica a


total desresponsabilização do agente. O determinismo concebe o universo
como um vasto sistema que obedece a leis causais invariáveis.
Existem boas razões a favor do determinismo radical. Com a ascensão da
ciência moderna tornou-se voz corrente considerar o universo como um
enorme sistema absolutamente determinado. O determinismo radical não
pode ser provado, mas parece consistente com o nosso conhecimento físico
acerca do universo.

Relações Causa-Efeito:
Muitos cientistas asseguram que tudo na Natureza se encontra
determinado, obedecendo a relações de causa-efeito.
Por exemplo:
-Causa: Estudar pouco; Efeito: Ter má nota.

Para além disto, podemos verificar que causas diferentes têm o


mesmo efeito, por exemplo: a gripe e o Covid-19, que têm os mesmos
efeitos, mas diferentes origens(causas).
Podemos encontrar 3 tipos de determinismos:
 Determinismo ambiental: defendido pela corrente behaviorista;
 Determinismo hereditário: opõe-se à corrente behaviorista;
 Determinismo metafísico: que diz que todas as coisas e ações são
governadas por uma absoluta necessidade. Temos como exemplo a
filosofia de Espinosa (sistema monista).
As principais objeções ao determinismo radical são:
 O argumento da experiência e da responsabilidade;
 A ideia de que o universo não constituí um sistema determinista.

 Compatibilismo

O compatibilismo é a teoria que defende que o livre-arbítrio e o determinismo


podem coexistir. Esta teoria aceita o determinismo no mundo natural, mas
defende que existe espaço para a liberdade e para a responsabilidade
humanas.
No compatibilismo, nós somos livres quando as nossas ações são determinadas
(causadas) mas não constrangidas (forçadas). Somos livres quando as nossas
ações se baseiam nos nossos próprios desejos, sem que sejamos forçados,
interna ou externamente, a realizá-las. O contrário de «livre» não é «causado»
(determinado), como defendem os incompatibilistas, mas antes «coagido»
(forçado).
O compatibilismo assenta na distinção entre ações livres e ações não-livres.
-Ações livres: resultam da vontade.

-Ações não-livres: resultam da coerção.

Ações livres Ações não-livres


Fechamos a janela, porque temos frio. Bebemos água, porque tínhamos sede.
Abraçamos alguém, porque gostamos da Estudei para ter boas notas.
pessoa.
Mudamo-nos para o campo, porque Arrumei o quarto, porque se não o fizesse,
gostamos da Natureza. ficava de castigo.

A principal objeção ao compatibilismo é:


 Se as ações decorrem dos desejos e do carácter e se estes dependem de
forças que não controlamos, então não somos realmente livre.

 Libertismo

O libertismo considera que o agente tem o poder de interferir no curso


normal das coisas pela sua capacidade racional e liberativa.
 Este defende o livre-arbítrio e a responsabilidade humana.
 O libertismo apoia dois argumentos:
-Argumento da experiência e da responsabilidade. Exemplo:
Podemos estudar ou não estudar. (Afirma que a experiência da verdade é a
prova de que somos livres)
-O universo não constituí um sistema determinista. (Apoia a
perspetiva indeterminista).

Indeterminismo- corrente que defende a impossibilidade de prever os


fenómenos a partir de causas determinantes, introduzindo as noções de
acaso e aleatoriedade.

As principais objeções ao libertismo são:


 O facto de sentirmos liberdade e responsabilidade não prova que elas
existam;
 O acaso não garante a liberdade;
 O libertismo acaba por não fornecer explicações acerca daquilo que
produz as nossas decisões.