Você está na página 1de 7

MISTURAS LÍQUIDAS DE ÁGUA E

FENOL
Relatório de Físico-Química Experimental

Marcelle Silveira Alencar


DRE: 118091016

Rio de Janeiro, 15 de fevereiro de 2021


Misturas Líquidas de Água e Fenol

Sumário
1. Objetivos ........................................................................................................................... 2

2. Resultados e discussão ...................................................................................................... 2

3. Conclusões......................................................................................................................... 4

4. Atividade ........................................................................................................................... 5

5. Referências ........................................................................................................................ 5

6. Material Complementar .................................................................................................... 6

1
Misturas Líquidas de Água e Fenol

1. Objetivos

O principal objetivo da prática realizada é a obtenção do gráfico característico da


solubilidade da mistura água-fenol, além da construção da curva binodal.

2. Resultados e discussão

Na tabela abaixo se encontram as quantidades totais de água e de solução saturada de fenol


que foram adicionadas em cada um dos sistemas estudados:

Sistema 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12

Solução Saturada
3,0 3,0 3,0 3,0 3,0 3,0 3,0 3,0 3,0 3,0 3,0 3,0
(mL)

Água (mL) 1,5 2,0 2,5 3,0 4,0 5,0 6,0 8,0 11,0 15,0 21,0 25,0

Tabela 1 - Especificação dos sistemas analisados, em relação aos volumes adicionados de solução saturada e de
água.

Para o cálculo da massa de fenol em cada sistema, foi feita inicialmente a multiplicação do
volume adicionado de solução saturada de fenol pela massa específica da solução.

𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎𝑠𝑜𝑙𝑢çã𝑜 = 𝑑𝑒𝑛𝑠𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 × 𝑣𝑜𝑙𝑢𝑚𝑒

𝑔
𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎𝑠𝑜𝑙𝑢çã𝑜 = 1,06 × 3,0 𝑚𝐿
𝑐𝑚3

𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎𝑠𝑜𝑙𝑢çã𝑜 = 3,18 𝑔

Em seguida, foi considerada a solubilidade do fenol em água na temperatura da solução


saturada (30 °C), sendo igual a 88,653 g/100g. Assim, determinou-se que a massa de fenol era
constante e igual a 2,8191654 g. Enquanto isso, considerou-se que a massa de água era
equivalente ao volume de água adicionado.

𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎𝑓𝑒𝑛𝑜𝑙 = 𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎𝑠𝑜𝑙𝑢çã𝑜 × 𝑠𝑜𝑙𝑢𝑏𝑖𝑙𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒

𝑔
𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎𝑓𝑒𝑛𝑜𝑙 = 3,18 𝑔 × 88,653 × 100
100 𝑔

𝒎𝒂𝒔𝒔𝒂𝒇𝒆𝒏𝒐𝒍 = 𝟐, 𝟖𝟏𝟗𝟏𝟔𝟓𝟒 𝐠

2
Misturas Líquidas de Água e Fenol

Vsolução 3 mL
ρsolução 1,06 g/mL
msolução 3,18 g/mL
T 30 °C
S 88,653 g/100 g
mfenol 2,819165 g

Tabela 2 – Resumo dos dados experimentais da prática

Para a construção da curva binodal, primeiramente foram calculados os percentuais


ponderais de fenol, de acordo com a expressão abaixo. Os dados experimentais obtidos foram
organizados em uma tabela, facilitando a confecção do gráfico.

𝑝 𝑚𝑓𝑒𝑛𝑜𝑙
% ⁄𝑝 𝑑𝑒 𝑓𝑒𝑛𝑜𝑙 = × 100
𝑚𝑡𝑜𝑡𝑎𝑙

Vol.
Temp. homog.
adicionado de Massa total (g) %p/p de fenol
(°C)
H2O (mL)
1 1,5 4,68 60,24 48
2 1 5,18 54,42 58
3 2,5 5,68 49,63 62
4 3 6,18 45,62 64
5 4 7,18 39,26 67
6 5 8,18 34,46 68
7 6 9,18 30,71 68
8 8 11,18 25,22 67
9 11 14,18 19,88 65
10 15 18,18 15,51 62
11 21 24,18 11,66 54
12 25 28,18 10,00 46

Tabela 3 – Dados experimentais de massa total, porcentagem ponderal de fenol, temperatura de homogeneização e
volume de água adicionado para os 12 sistemas analisados.

3
Misturas Líquidas de Água e Fenol

Figura 1 – Gráfico das temperaturas de homogeneização em função das porcentagens ponderais de fenol para o
sistema fenol-água.

Analisando o gráfico, percebe-se que a solubilidade cresce com o aumento da temperatura,


até que as curvas se encontram na temperatura consoluta superior, também chamada de
temperatura crítica de solução. Essa é a temperatura máxima da curva, sendo aproximadamente
igual a 68°C, no caso do sistema fenol-água. Quando a temperatura é superior à 68°C, os dois
componentes são completamente miscíveis. Quando a temperatura é menor que a temperatura
consoluta superior, existem duas regiões monofásicas (R1 e R2), onde se encontram
exclusivamente fenol ou água, e uma região bifásica (R3), caracterizada pela mistura das duas
substâncias.

3. Conclusões

Através da prática relatada, foi possível construir a curva binodal característica do


sistema água-fenol. A partir do gráfico confeccionado, determinou-se a temperatura
consoluta superior do sistema como sendo igual a 68 °C, aproximadamente.

4
Misturas Líquidas de Água e Fenol

4. Atividade

Existem sistemas onde a solubilidade decresce com o aumento da temperatura, havendo,


dessa forma, uma temperatura consoluta inferior, que consiste na temperatura mínima para a
ocorrência da separação de fases. Um exemplo é o sistema trietilamina-água, no qual a
temperatura consoluta inferior é 18,5 °C. Quando a temperatura é menor que 18,5 °C, os
componentes são miscíveis, pois formam um complexo fraco. A temperaturas maiores que 18,5
°C, o complexo deixa de existir, havendo a formação de duas fases.

Além disso, também existem sistemas que possuem simultaneamente temperaturas


consolutas superior e inferior, como é o caso do sistema nicotina-água. Uma possível
explicação é que o rompimento dos complexos fracos leva à miscibilidade parcial das
substâncias entre 61 °C e 210 °C. Então, com o aumento da temperatura, a mistura é
homogeneizada novamente.

Figura 2 - (a) Sistema trietilamina-água (b) Sistema nicotina-água

5. Referências

CASTELLAN, G. Fundamentos de Físico-Química. 2 ed. Itc. 1987.

MARQUES, R.F.C. Líquidos Parcialmente Miscíveis: Fenol em Água. 2020. (45m22s).


Disponível em: < (89) Líquidos Parcialmente Miscíveis: Fenol em Água - YouTube >. Acesso em:
15 fev. 2021.

5
Misturas Líquidas de Água e Fenol

6. Material Complementar

Vídeo que demonstra e explica o experimento estudado.

(89) Líquidos Parcialmente Miscíveis: Fenol em Água - YouTube