Você está na página 1de 37

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

LUMINOTÉCNICA, MATERIAIS E DISPOSITIVOS


Tema 04 – Características gerais sobre eletrodutos e quadros de
distribuição (QDs)
Professor: Marcelo Paixão Vila Seca e-mail: marcelo.seca@hotmail.com
CARACTERÍSTICAS GERAIS

• É essencial conhecer e compreender os conceitos relacionados aos materiais e


dispositivos, tais como os condutores, os ELETRODUTOS, os dispositivos de
proteção, as lâmpadas e luminárias, os interruptores e os QUADROS DE
DISTRIBUIÇÃO, pois eles serão utilizados constantemente em seus projetos
elétricos.
2
ELETRODUTOS
• DEFINIÇÃO: são os componentes da instalação elétrica que propiciam um meio
envoltório, ou invólucro, aos condutores elétricos.

PROTEÇÃO CONTRA
PROTEÇÃO CONTRA
PROTEÇÃO INCÊNDIOS DEVIDO
ATAQUES DO MEIO
MECÂNICA AO AQUECIMENTO
AMBIENTE
DOS CONDUTORES

• Para o dimensionamento dos eletrodutos é necessário LIMITAR A QUANTIDADE


DE CONDUTORES (fios e cabos) que serão instalados, a fim de FACILITAR A
PASSAGEM E A RETIRADA DE CONDUTORES em caso de manutenção ou
modificação dos circuitos.

3
ELETRODUTOS
• Existe uma TAXA MÁXIMA DE OCUPAÇÃO DE ELETRODUTOS, relacionada ao
espaço útil desse elemento, normatizada pela NBR 5410.

TAXA MÁXIMA DE OCUPAÇÃO EM ELETRODUTOS

4
ELETRODUTOS

• Metálicos • Leve
• Rígidos • Roscáveis ESPESSURA
MATERIAL • Não FLEXIBILIDADE CONEXÃO
DA PAREDE
• Semipesado
• Flexíveis • Soldáveis
Metálicos • Pesado

5
ELETRODUTOS
RÍGIDOS

Protegem os condutores elétricos contra algumas


influências externas (choques mecânicos ou agente
químicos), além de perigos de explosão/incêndio.

CURVÁVEIS

TRANSVERSALMENTE
ELÁSTICOS
Podem ser metálicos ou isolantes e segundo a IEC
(Comissão Internacional Eletrotécnica) podem ser
magnéticos ou não magnéticos .

FLEXÍVEIS

6
ELETRODUTOS
RÍGIDOS Vendidos em varas de 3m de comprimento,
rosqueados nas extremidades. São
Protegem os condutores elétricos contra algumas
influências externas (choques mecânicos ou agente fabricados nos tipos:
químicos), além de perigos de explosão/incêndio.
- Aço galvanizado ou de aço-carbono.
CURVÁVEIS - PVC rígido antichama, classe B ou tipo
rosqueado.

TRANSVERSALMENTE
ELÁSTICOS
Podem ser metálicos ou isolantes e segundo a IEC
(Comissão Internacional Eletrotécnica) podem ser
magnéticos ou não magnéticos .

FLEXÍVEIS

7
ELETRODUTOS
RÍGIDOS São os eletrodutos que pode ser dobrado
com a mão, usando uma força razoável, mas
Protegem os condutores elétricos contra algumas sem qualquer outra ajuda.
influências externas (choques mecânicos ou agente
químicos), além de perigos de explosão/incêndio.

CURVÁVEIS

TRANSVERSALMENTE
ELÁSTICOS
Podem ser metálicos ou isolantes e segundo a IEC
(Comissão Internacional Eletrotécnica) podem ser
magnéticos ou não magnéticos .

FLEXÍVEIS

8
ELETRODUTOS
RÍGIDOS

Protegem os condutores elétricos contra algumas


influências externas (choques mecânicos ou agente
químicos), além de perigos de explosão/incêndio.

CURVÁVEIS

São geralmente de polietileno de alta


TRANSVERSALMENTE densidade, e são aplicados em linhas
ELÁSTICOS embutidas, principalmente em prédios
Podem ser metálicos ou isolantes e segundo a IEC residenciais e comerciais.
(Comissão Internacional Eletrotécnica) podem ser Sua principal vantagem sobre os eletrodutos
magnéticos ou não magnéticos . rígidos é a facilidade de instalação e o fato de
dispensarem o uso das tradicionais curvas.
FLEXÍVEIS

9
ELETRODUTOS
RÍGIDOS

Protegem os condutores elétricos contra algumas


influências externas (choques mecânicos ou agente
químicos), além de perigos de explosão/incêndio.

CURVÁVEIS

Podem ser metálicos (fita de aço enrolada em


TRANSVERSALMENTE
hélice, por vezes com uma cobertura
ELÁSTICOS
impermeável de plástico, ou isolantes).
Podem ser metálicos ou isolantes e segundo a IEC Costuma ser aplicado em ligações de
(Comissão Internacional Eletrotécnica) podem ser equipamentos que apresentem vibrações ou
magnéticos ou não magnéticos . pequenos movimentos durante seu
funcionamento.
FLEXÍVEIS

10
ELETRODUTOS
• São aplicados em instalações de telefonia, instalações elétricas (embutidas em
lajes, paredes ou pisos) e também em instalações enterradas ou envelopados em
concreto.

11
ELETRODUTOS

De acordo com a ABNT, atualmente os são feitos com


MATERIAIS 100% RECICLÁVEIS e suas durabilidades costumam
ser de mais que 50 ANOS. Os custos de eletrodutos
representam MENOS DE 10% DO VALOR DE UMA OBRA.
Portanto, fica a dica, na hora de escolher os eletrodutos vale a
pena comprar produtos de qualidade, mesmo que existam
outros “mais baratos”.

12
ELETRODUTOS

É importante levar em consideração


a taxa máxima de ocupação do
eletroduto, pois, devido a essa taxa, é
possível GARANTIR A TEMPERATURA
adequada dentro do eletroduto e
também auxiliar no PROCESSO DE
INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO dos
condutores, facilitando a
passagem desses
cabos.

13
DIMENSIONAMENTO DE ELETRODUTOS

ANÁLISE DOS
CONDUTORES

SEÇÕES NOMINAIS SEÇÕES NOMINAIS


IGUAIS DIFERENTES

14
DIMENSIONAMENTO DE ELETRODUTOS

Determina-se o diâmetro
ANÁLISE DOS
nominal dos eletrodutos, CONDUTORES
com base nas tabelas para
eletrodutos do tipo AÇO-
CARBONO e PVC.

SEÇÕES NOMINAIS SEÇÕES NOMINAIS


IGUAIS DIFERENTES

15
DIMENSIONAMENTO DE ELETRODUTOS

ELETRODUTO DE AÇO-CARBONO 16
DIMENSIONAMENTO DE ELETRODUTOS

ELETRODUTO RÍGIDO DE PVC – TIPO ROSQUEÁVEL 17


DIMENSIONAMENTO DE ELETRODUTOS

ANÁLISE DOS Determina-se o diâmetro


nominal dos eletrodutos
CONDUTORES CALCULANDO A ÁREA ÚTIL
DO ELETRODUTO e
ANALISANDO AS TABELAS
dos fabricantes.

SEÇÕES NOMINAIS SEÇÕES NOMINAIS


IGUAIS DIFERENTES

18
DIMENSIONAMENTO DE ELETRODUTOS
• Para o cálculo do DIÂMETRO INTERNO dos eletrodutos (Di), deve-se analisar a
equação a seguir:

• σ Acond: é a soma das ÁREAS EXTERNAS DOS CONDUTORES a serem instalados.


• f: valor determinado a partir da QUANTIDADE DE CABOS ou fios utilizados nos eletrodutos.

f = 0,53 f = 0,31 f = 0,40


Uso de um Uso de dois Uso de três
condutor. condutores. condutores ou mais.
19
EXEMPLIFICANDO
• Vamos supor a seguinte situação: é necessário determinar o diâmetro mínimo do eletroduto PVC
da Tigre (Rígido - Tipo Rosqueável - Classe B) capaz de conter os condutores de três circuitos
monofásicos de uma mesma instalação (condutores isolados com PVC 70° C), sendo que DOIS
CIRCUITOS POSSUEM CONDUTORES DE 4mm2 (área total de 13,2 mm2) e UM CIRCUITO POSSUI
CONDUTORES DE 2,5 mm2 (área total de 10,2 mm2). Para a proteção dos três circuitos utiliza-se
um condutor de PROTEÇÃO DE 4 mm2.

20
EXEMPLIFICANDO
• Vamos supor a seguinte situação: é necessário determinar o diâmetro mínimo do eletroduto PVC
da Tigre (Rígido - Tipo Rosqueável - Classe B) capaz de conter os condutores de três circuitos
monofásicos de uma mesma instalação (condutores isolados com PVC 70° C), sendo que DOIS
CIRCUITOS POSSUEM CONDUTORES DE 4mm2 (área total de 13,2 mm2) e UM CIRCUITO POSSUI
CONDUTORES DE 2,5 mm2 (área total de 10,2 mm2). Para a proteção dos três circuitos utiliza-se
um condutor de PROTEÇÃO DE 4 mm2.

21
EXEMPLIFICANDO

ELETRODUTO RÍGIDO DE PVC – TIPO ROSQUEÁVEL 22


EXEMPLIFICANDO

Através dos dados fornecidos


é possível verificar que o
valor comercial mais próximo
a esse é de 21,3 mm, para
utilização de um eletroduto
de 25 mm (3/4”).

ELETRODUTO RÍGIDO DE PVC – TIPO ROSQUEÁVEL 23


DIMENSIONAMENTO DE ELETRODUTOS
• Pode-se verificar nas tabelas que o tamanho nominal dos eletrodutos fornecidos
normalmente estão em mm (dimensão padronizada pelas normas brasileiras),
porém é muito comum especificá-los em polegadas. Por isso, a tabela abaixo
disponibiliza a equivalência de “mm” para “polegadas”, a fim de facilitar o
dimensionamento desses condutos.

DIÂMETRO NOMINAL DOS ELETRODUTOS – EQUIVALÊNCIA (MM – POLEGADAS)


24
QUADROS DE DISTRIBUIÇÃO (QDs)
• DEFINIÇÃO: é o local responsável pelo armazenamento dos DISPOSITIVOS DE
PROTEÇÃO e pela divisão da instalação em CIRCUITOS TERMINAIS.

Os circuitos terminais inseridos nos QDs


devem ser divididos corretamente (é
necessário um balanço ou um equilíbrio de
fases, as cargas devem ter sidos distribuídas
uniformemente entre as fases de modo a se
obter o maior equilíbrio possível). Isso
auxiliará no dimensionamento de
condutores de bitola menor.

25
QUADROS DE DISTRIBUIÇÃO (QDs)
• É o local onde se concentra a distribuição de toda instalação elétrica:
• Recebe os condutores do ramal de alimentação que vem do medidor.
• Partem os condutores para alimentar os circuitos terminais que alimentam as cargas
(lâmpadas, tomadas, chuveiros, etc.).
• Deve-se prever espaço reserva para instalações futuras, conforme tabela abaixo:

QUANTIDADE DE CIRCUITOS ESPAÇO MÍNIMO DESTINADO A RESERVA


DISPONÍVEIS (N) (em número de circuitos)
𝑁≤6 2
7 < 𝑁 ≤ 12 3
13 < 𝑁 ≤ 30 4
𝑁 > 30 0,15 x N

26
QUADROS DE DISTRIBUIÇÃO (QDs)

TIPOS DE CIRCUITOS
CIRCUITOS DE CIRCUITOS
DISTRIBUIÇÃO TERMINAIS

Atende a várias cargas, sai do QUADRO Partem do QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO


DE MEDIÇÃO e vai até o QUADRO DE e atendem diretamente: lâmpadas,
DISTRIBUIÇÃO. TUG’s e TUE’s.

27
QUADROS DE DISTRIBUIÇÃO (QDs)
• São formados por DISJUNTOR GERAL, BARRAMENTO DE INTERLIGAÇÃO DAS FASES,
DISJUNTORES DOS CIRCUITOS TERMINAIS, BARRAMENTO DE NEUTRO e BARRAMENTO
DE PROTEÇÃO.

28
QUADROS DE DISTRIBUIÇÃO (QDs)

QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO (FORNECIMENTO BIFÁSICO) 29


QUADROS DE DISTRIBUIÇÃO (QDs)
• Deve ser instalado próximo aos CENTROS DE CARGA DA INSTALAÇÃO, ou seja,
em locais em que exista maior concentração de pontos de utilização e de
potência.

DIMINUIÇÃO DE
MENOR REDUÇÃO NA
SEÇÕES DE
COMPRIMENTO DE QUEDA DE
CONDUTORES E
CONDUTORES TENSÃO
ELETRODUTOS

• Para a determinação desse centro de carga, três variáveis devem ser levadas em
conta: a QUANTIDADE DE PONTOS DE UTILIZAÇÃO, suas POTÊNCIAS e
LOCALIZAÇÕES.

30
QUADROS DE DISTRIBUIÇÃO (QDs)
• A ponderação desses aspectos pode ser realizada pelo MÉTODO BARICENTRO,
que determina o LOCAL GEOMÉTRICO considerando a planta ou parte dela como
se fosse um GRÁFICO CARTESIANO (coordenadas X e Y).
• Os pontos X e Y são calculados pelas seguintes equações:

• Xn: coordenadas X do gráfico.


• Yn: coordenadas Y do gráfico.
• Pn: potências nos pontos de utilização.
31
EXEMPLIFICANDO
• Em um projeto de instalação elétrica, após a previsão de cargas, obteve-se o
gráfico de distribuição das cargas na planta do imóvel, conforme a figura abaixo.

• Pelo método do baricentro, o centro de carga fica localizado na coordenada (x, y),
em metros:
A. (12,8) B. (8,4) C. (4,8) D. (10,6) E. (14,6)

32
EXEMPLIFICANDO

𝒙𝟏 . 𝑷𝟏 + . . . + 𝒙𝒏 . 𝑷𝒏
𝒙=
𝑷𝟏 + . . . + 𝑷𝒏

600 . 2 + 400 . 4 + 800 . 6 + 400 . 8 + 600 . 12 + 1800 . 18 + 2100 . 20


𝑥=
600 + 400 + 800 + 400 + 600 + 1800 + 2100
92.400
𝑥= = 𝟏𝟑, 𝟕𝟗.
6.700

A. (12,8) B. (8,4) C. (4,8) D. (10,6) E. (14,6)

33
EXEMPLIFICANDO

𝒚𝟏 . 𝑷𝟏 + . . . + 𝒚𝒏 . 𝑷𝒏
𝒚=
𝑷𝟏 + . . . + 𝑷𝒏

600 . 10 + 400 . 4 + 800 . 6 + 400 . 8 + 600 . 2 + 1800 . 4 + 2100 . 8


𝑦=
600 + 400 + 800 + 400 + 600 + 1800 + 2100
40.800
𝑦= = 𝟔, 𝟎𝟗.
6.700

A. (12,8) B. (8,4) C. (4,8) D. (10,6) E. (14,6)

34
QUADROS DE DISTRIBUIÇÃO (QDs)
• Deve-se respeitar também alguns critérios para a instalação do QD:

O QD deve estar em local de fácil acesso.

O QD não deve estar localizado em áreas molhadas.

O QD não deve estar localizado em escadas.

O QD não deve ser instalado em localidades que costumam ficar fechadas à chave.

O QD deve ser instalado em local seguro e visível.

35
QUADROS DE DISTRIBUIÇÃO (QDs)

Os quadros de distribuição são


componentes muito importantes em
uma instalação elétrica, sendo os
responsáveis pelo ARMAZENAMENTO
DOS DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO e
pela CONEXÃO DOS CONDUTORES
ELÉTRICOS que levam a energia
aos diversos circuitos do
local instalado.

36
(94) 9 8135 1911

BOM
SEMESTRE!! @marceloseca
DÚVIDAS?
marcelo.seca@hotmail.com

37