Você está na página 1de 21

BR PETROBRAS

GLOSSÁRIO DE ENGENHARIA SUBMARINA

Elaboração: E&P-BC/GEPRO/GENSUB - Julho/1997 - Rev 0


José Airton de Lacerda Martins (Engº Petróleo, ramal/rota 861-2384)
Ernani Luiz Hubner (Engº Equipamentos, ramal/rota 861-2172/4603)
José Wilson da Rocha Santos (Engº Naval, ramal/rota 861-2172/4603)
BR PETROBRAS

GLOSSÁRIO DE ENGENHARIA SUBMARINA

TERMO DESCRIÇÃO

ADAPTADOR TIPO
BOLACHA
A-FRAME Guindaste em forma de “A” (pórtico), com suas duas pernas articuladas
na proa de um navio de lançamento de linhas flexíveis. Tem o objetivo
de facilitar as operações de overboarding e inboarding.
AM Abreviatura da válvula annulus master de uma ANM. Principal válvula
do anular de um poço.
AMARRA Corrente para ancoragem e usos diversos em embarcações e
instalações marítimas.
ANEL PERA Anel de içamento de cargas com formato elipsóide que lembra uma
pera (fruta).
ANM Abreviatura de árvore de natal molhada. Conjunto de válvulas de
gaveta, atuadas hidraulicamente, conectado à cabeça dos poços
submarinos. Controla o fluxo de óleo e gás do poço. Possibilita outras
operações necessárias à vida produtiva do poço. É instalada por uma
sonda de produção. Conecta-se a um manifold ou a uma UEP através
de um bundle de produção.
ANM DA Árvore de natal molhada que pode ser instalada e manipulada por
mergulhadores.
ANM DLL Árvore de natal molhada que dispensa a atividade de mergulhadores
mas necessita do auxílio de cabos-guias para ser instalada ou retirada.
Sua manipulação é realizada com um ROV.
ANM GLL Árvore de natal molhada que dispensa tanto o uso de cabos-guias
como a atividade de mergulhadores para ser instalada ou retirada. Sua
manipulação é realizada com um ROV.
ANMH Abreviatura de árvore de natal molhada horizontal. Tipo de árvore de
natal molhada que não precisa ser retirada do poço para uma sonda
intervir na coluna de produção. É recomendada para os poços
equipados com BCSS.
ANNULUS MASTER Ver AM.
ANNULUS Ver ASSV.
SUBSURFACE SAFETY
VALVE
API RP 17B Ver Norma API RP 17B.
ARMOR POT Tipo de conector (end-fitting) montado na extremidade de um umbilical
hidráulico (UH) ou eletro-hidráulico (UEH).
ÁRVORE DE NATAL Ver ANM.
MOLHADA
ÁRVORE DE NATAL Ver ANMH.
MOLHADA
HORIZONTAL

1
BR PETROBRAS

GLOSSÁRIO DE ENGENHARIA SUBMARINA

TERMO DESCRIÇÃO

AS-LAID Operação de garantia de qualidade realizada após o lançamento de


uma linha flexível, na qual todo o trecho trabalhado é percorrido e
visualizado com o auxílio de um ROV, para registro em mapa das
coordenadas geográficas e do arranjo executado. Equivale ao as-built
de obras na superfície.

ASSV Abreviatura de annulus subsurface safety valve. Válvula de segurança


de fundo, instalada no anular de poços de petróleo.
AZIMUTE Ângulo que um determinado alinhamento faz com o norte magnético
verdadeiro, no sentido horário.
BALL LEVEL INDICATOR Ver indicador de horizontalidade.
BAND-IT Fita metálica usada para amarração de tubulações.
BAP Abreviatura de base de abandono permanente. Equipamento fixado
sobre um poço submarino na superfície do solo marinho. Sobre ela são
acoplados a árvore de natal molhada e o flowline hub das linhas
flexíveis.
BASE DE ABANDONO Ver BAP.
PERMANENTE
BAVIT Sigla da Base de Vitória. Instalações operacionais da Petrobras no
Porto de Vitória-ES-Brasil, para armazenamento, preparação e
carregamento de linhas flexíveis e outros materiais dos sistemas
submarinos da atividade petrolífera.
BB Abreviatura de bombordo.
BCSS Abreviatura de bombeio centrífugo submerso submarino. Método de
elevação artificial de petróleo em que uma bomba centrífuga tubular é
descida no fundo do poço e acionada por um motor elétrico, cuja
corrente é trazida da superfície através de um cabo elétrico.
BE Abreviatura de boreste.
BEAM Viga; ponte (no caso de ponte rolante).
BELL MOUTH Ver boca de sino.
BEND RESTRICTOR Ver restritor de curvatura.
BEND STIFFENER Ver enrijecedor.
BOCA DE SINO Tipo de extremidade curva de uma tubulação, cuja geometria se
asemelha a um sino. É utilizada no i-tube de uma UEP.
BOLHA ASSASSINA
BOLLARD PULL Capacidade de tração de uma embarcação, comumente de um
rebocador.
BOMBEIO CENTRÍFUGO Ver BCSS.
SUBMERSO
SUBMARINO
BOMBORDO Lado esquerdo de um navio, plataforma, etc.
BORESTE Lado direito de um navio, plataforma, etc.

2
BR PETROBRAS

GLOSSÁRIO DE ENGENHARIA SUBMARINA

TERMO DESCRIÇÃO

BULL EYE Tipo de indicador de horizontalidade esférico, cuja geometria lembra


um olho-de-boi.
BUNDLE Conjunto com as linhas flexíveis de um poço submarino: linha de
produção, linha do anular e cabo umbilical hidráulico (UH) ou eletro-
hidráulico (UEH).
BUOYANCY TANK Ver tanque de flutuação.
CABEÇA DE TRAÇÃO Flange cego com bujão para conexão de mangueira e olhal, usado no
içamento da extremidade de uma linha flexível.
CABO MENSAGEIRO Cabo leve e de fácil manuseio, usado para levar a extremidade de um
cabo mais pesado para outro ponto.

CAIXA DE JUNÇÃO Equipamento de interligação entre um riser hidráulico e um UH,


geralmente usado em UHs com mais de dez funções hidráulicas.
CÂMARA DE PIG Local onde é recebido e fica alojado um pig lançado de outro ponto de
uma tubulação.
CAMERON Fabricante de árvore de natal molhada e outros equipamentos de
petróleo.
CAMISA DE Tradução de chinese finger. Malha de cordoalha de aço, costurada em
PUXAMENTO torno de uma linha flexível ou de controle, para suportar o seu peso
durante o manuseio nas operações de inboarding e outboarding de
conexões intermediárias em águas rasas.
CANIVETE Equipamento articulado, que lembra um canivete pessoal, usado para
a transferência de cargas entre diferentes sistemas de içamento.
CARRETEL Dispositivo de conexão entre dois flanges, servindo como adaptador ou
como extensão.
CATENÁRIA Configuração geométrica adquirida por linhas flexíveis ou cabos,
devida ao peso próprio e outras cargas (ex: bóias), quando suspensos
por uma ou por ambas as extremidades.
CATENÁRIA LIVRE Configuração geométrica adquirida por linhas flexíveis ou cabos,
devida exclusivamente ao peso próprio (sem bóias), quando suspensos
por uma ou por ambas as extremidades.
CBV Fabricante de árvore de natal molhada e outros equipamentos de
petróleo.
CE Abreviatura de cabo elétrico.
CENTER LINE Linha que determina o centro geométrico de uma peça, equipamento,
sistema, etc.
CESTA DE LINHA Compartimento circular e giratório de um navio de lançamento que
FLEXÍVEL armazena linhas flexíveis a serem lançadas, ou as recolhidas do mar.
CFF O mesmo que F x F.
CHINESE FINGER Ver camisa de puxamento.
CHRISTMA’S TREE Árvore de natal. Ver ANM.
CL Abreviatura de center line.

3
BR PETROBRAS

GLOSSÁRIO DE ENGENHARIA SUBMARINA

TERMO DESCRIÇÃO

CLAMPING PRESSURE Tensão admissível para um cabo de aço na operação de um HLS ou


VLS.
CLP Abreviatura de cluster de produção. Conjunto de poços próximos entre
si, perfurados sem mudar a posição de uma mesma sonda.
CLUSTER DE Ver CLP.
PRODUÇÃO
CMT Abreviatura de cubo de manuseio e teste.
CO Abreviatura de crossover.
COCA Tipo de defeito em um UEH, caracterizado por uma ondulação que
surge nos engates e se propaga para o resto do cabo, reduzindo a sua
vida útil e algumas vezes evoluindo para a ruptura dos condutores.
COFLEXIP Fabricante de linhas flexíveis e prestador de serviços de engenharia
submarina.

COLAR HIDRÁULICO Equipamento hidráulico usado para encamisar diretamente as linhas


flexíveis, durante o seu manuseio nas operações de inboarding e
overboarding de conexões intermediárias. É geralmente usado em
linhas de grandes diâmetros ou profundidades elevadas.
COLAR MECÂNICO Equipamento cilíndrico bipartido e articulado, acoplável nas conexões e
usado para suportar o peso das linhas flexíveis durante o seu
manuseio nas operações de inboarding e overboarding de conexões
intermediárias.
CONECTOR DE Tradução de end-fitting. Conexão montada nas extremidades dos dutos
EXTREMIDADE flexíveis, normalmente na forma de flange ou grayloc.
CONECTOR UMC Conector de extremidade (end-fitting) caracterizado por uma maior
seção de içamento.
CONEXÃO VERTICAL O mesmo que conexão vertical indireta.
CONVENCIONAL
CONEXÃO VERTICAL Operação de conexão diverless realizada no início do lançamento das
DE 1a. EXTREMIDADE linhas flexíveis. Nessa operação o módulo da extremidade fica
suspenso na extremidade das linhas, não recebendo cargas a não ser
o seu peso próprio.
CONEXÃO VERTICAL Operação de conexão diverless realizada após o lançamento das
DE 2a. EXTREMIDADE linhas flexíveis. Nessa operação o módulo da extremidade fica
recebendo as cargas das linhas.
CONEXÃO VERTICAL Operação de conexão diverless de um flowline hub sobre um uma
DIRETA BAP, ou de um MCVE/MCVI sobre um manifold.
CONEXÃO VERTICAL Operação de lançamento diverless com um sistema auxiliar (trenó), de
INDIRETA um flowline hub nas proximidades de uma BAP, para posterior conexão
por uma sonda.
CONVÉS DE TRABALHO Tradução de working deck. Área do navio onde são realizadas as
operações de lançamento e recolhimento de linhas flexíveis.
CORCOVA Curvatura induzida em uma linha flexível por meio de flutuadores
(bóias), para alívio das cargas suspensas, cuja geometria lembra a

4
BR PETROBRAS

GLOSSÁRIO DE ENGENHARIA SUBMARINA

TERMO DESCRIÇÃO

corcova de um camelo.
CRF O mesmo que R x F.
CROSSOVER Válvula ou trecho de duto que faz a interligação de outras válvulas ou
dutos.
CUBO DE MANUSEIO E Cabeça de tração da conexão tipo grayloc, dotada bujão para fixação
TESTE de mangueira e olhal, usado no içamento das extremidades de uma
linha flexível durante operações intermediárias de lançamento.
CVC Abreviatura de conexão vertical convencional. O mesmo que CVI.
CVD Abreviatura de conexão vertical direta.
CVI Abreviatura de conexão vertical indireta.
CXO Abreviatura de crossover.
DA Abreviatura de diver accessible.
DATUM LINE Linha traçada no working deck de um navio, para servir de referência
nas medições dos comprimentos de linhas flexíveis lançadas ou
recolhidas.
DE Abreviatura de diâmetro externo.
DEADWEIGHT Ver peso morto.
DEDO CHINÊS Tradução de chinese finger. O mesmo que camisa de puxamento.
DELTA PLATE O mesmo que placa triangular.
DELTA PLATE Ver placa triangular.
DERIVA FAR/DERIVA Limites tolerados de deslocamento de um riser na superfície, cujas
NEAR variações transmitidas à catenária da linha flexível não comprometem
a confiabilidade de um sistema.
DGPS Abreviatura de differential global positioning system. Sistema de
referência de posicionamento, baseado na composição de sinais de
localização emitidos por mais de um satélite aeroespacial.
DHSV Abreviatura de downhole safety valve. O mesmo que SSSV.
DI Abreviatura de diâmetro interno.
DIAGRAMA POLAR DE
RESTRIÇÕES
DICAS Differential Complacent Anchoring System
DIFFERENTIAL GLOBAL Ver DGPS.
POSITIONING SYSTEM
DIVER ACCESIBLE Característica dos sistemas instalados em águas rasas, com
profundidade acessível a mergulhadores.
DIVER AND LAYING Navio equipado para atividades de mergulho e lançamento de linhas
VESSEL flexíveis.
DIVERLESS Característica dos equipamentos e sistemas que não necessitam da
atividade de mergulhadores.

5
BR PETROBRAS

GLOSSÁRIO DE ENGENHARIA SUBMARINA

TERMO DESCRIÇÃO

DIVERLESS LINE Característica dos equipamentos que não necessitam da atividade de


mergulhadores, e que são instalados com auxílio de cabos-guias.
DL Abreviatura de datum line.
DLL Abreviatura de diverless line.
DLV Abreviatura de diver and laying vessel.
DMA Operação de desancoragem, reboque/transporte e posterior
ancoragem de uma sonda.
DOWN HOLE SAFETY O mesmo que subsurface safety valve.
VALVE
DOWN TIME Tempo improdutivo. No caso de um contrato de prestação de serviço, é
um tempo não pago à firma contratada.
DP Abreviatura de dynamic positioning. Recurso de auto-posicionamento
de uma embarcação baseado em sistemas de referência de
posicionamento de superfície (GPS, Artemis, Argo, Syledis, etc.);
hidroacústicos (Simrad, Honewell), deslocamento mecânico (Toutwire)
entre outros.
DSV Diver support vessel. Navio equipado basicamente para operações de
mergulho.
DYNAMIC POSITIONING Ver DP.
EHDM Abreviatura de electro hydraulic distribution module. O mesmo que
pode eletro-hidráulico. Vaso de pressão submarino que contém
dispositivos de controles elétricos e hidráulicos.
ELECTRO HYDRAULIC Ver EHDM.
DISTRIBUTION
MODULE
EMENDA “DIÂMETRO” Tipo de emenda em um umbilical em que o diâmetro externo fica
praticamente inalterado.
END-FITTING Ver conector de extremidade.
ENRIJECEDOR Tradução de bend stiffener. Acessório com formato de uma camisa
cônica, instalado em uma extremidade de linha flexível, imediatamente
antes do conector, para aumentar a rigidez e evitar danos na linha
durante o manuseio.
ESLINGA Idem a estropo.
ESPAÇADOR Equipamento flangeado para distanciar duas outras peças com
extremidades flangeadas, ou para acoplar peças com tipos de flanges
diferentes.
ESPAÇADOR DE Tipo de flange adaptador, usado para fixar conexões de um UH ou
UMBILICAL UHE em flanges de dimensões diferentes.
ESTAIAR Ato de ancorar um cabo em um suporte de uma embarcação.
ESTROPO Cabo de manuseio de cargas com duas “mãos” (laços) nas
extremidades
ET Abreviatura de especificação técnica.

6
BR PETROBRAS

GLOSSÁRIO DE ENGENHARIA SUBMARINA

TERMO DESCRIÇÃO

FxF Denominaçao da conexão feita entre dois trechos de uma linha flexível
horizontal (flowline x flowline).
FHP Abreviatura de flowline hub “pigável”. Flowline hub equipado com pig
crossover.
FHS Abreviatura de flowline hub skid.
FIT Linha flexível isolada termicamente.
FLAPPER-VALVE Válvula de retenção pigável, normalmente instaladas em tubulações de
gás, nas conexões R x F, para evitar vazamentos de gás nas
proximidades de uma UEP no caso de falha no riser.
FLAT-PACK Umbilical (UEH) chato, de formato elíptico.
FLH Abreviatura de flowline hub. Módulo usado em árvore de natal molhada
do tipo ANM DL, para conectar as linhas flexíveis e de controle.
FLIPPER Dispositivo de trava acionado por uma mola, instalado em ganchos de
içamento de carga para evitar que se soltem as amarras manipuladas
pelos ganchos.
FLOATING Ver FPSO.
PRODUCTON,
STORAGE AND OFF-
LOADING
FLOWLINE Linha flexível para transporte de fluidos. Interliga instalações
submarinas de produção (poços, manifolds, etc.), trabalhando em
regime estático (assentada sobre o leito marinho).
FLOWLINE HUB Ver FLH.
FLOWLINE HUB Ver FHP.
PIGÁVEL
FLOWLINE HUB SKID O mesmo que trenó do flowline hub.
FLUSHING Operação de “lavagem” de uma linha flexível que estava em operação,
através da circulação de um fluido inerte.
FLUTUADOR CRP TIPO Tipo de flutuador de elevada resistência ao colapso, utilizado
MARLIM pioneiramente no campo de Marlim, fabricado pela firma CRP,
constituído de espuma “sintática” (mistura de resina epóxi,
microesferas de vidro e macroesferas de polietileno).
FMR Abreviatura de full multibore riser.
FOLLOW SUB Operação em que um navio segue a trajetória de um ROV ou RSV.
FPSO Abreviatura de floating production, storage and offloading (ou offtaking).
Navio equipado com sistemas de processamento, armazenamento e
transferência de petróleo. O mesmo que navio de produção.
FULL MULTIBORE Conjunto de dutos de um bundle de produção de um poço, no qual as
RISER linhas são mantidas juntas por um invólucro plástico, concentrando as
cargas de sustentação na linha de produção. Esta configuração alivia
cargas em uma plataforma semi-submersível, pois permite a instalação
do bundle com a configuração lazy wave.
FUNIL DE

7
BR PETROBRAS

GLOSSÁRIO DE ENGENHARIA SUBMARINA

TERMO DESCRIÇÃO

PERFURAÇÃO
GAIOLA DE Tipo de deformação em uma linha flexível, resultante de um esforço
PASSARINHO anormal de compressão, caracterizada pelo afloramento das
armaduras metálicas na capa plástica externa, cujo geometria lembra
uma gaiola de passarinho.
GARATEAR Ato de recuperar (pescar) materiais do fundo do mar utilizando a
garatéia.
GARATÉIA Tipo de arpão com diversas pernas, usado para recuperação (pescaria)
de materiais do fundo do mar.
GAS-LIFT Método de elevação artificial caracterizado pela injeção de gás em um
poço, para redução da densidade dos fluidos elevados (gas-lift
contínuo).
GLL Guideline less. Característica dos equipamentos cuja instalação
dispensa o uso de cabos-guias e a atividade de mergulhadores.
GOOSE NECK Geometria que lembra um pescoço de ganso, dada a uma linha flexível
para atender a necessidades de alívio de cargas.
GRAYLOC Tipo de acoplamento entre linhas flexíveis, caracterizado por
braçadeiras bipartidas aparafusáveis.
GUTTER (... de uma monobóia)
HEAVE Movimento vertical de navio ou plataforma sobre um corpo d’água.
HEAVE COMPENSATOR Guincho dinamicamente balanceado, que mantém constante a
velocidade de descida de um equipamento no mar, eliminando a
influência das oscilações de nível do navio. Sua maior utilidade é na
conexão vertical direta, que exige um ajuste mais preciso da
profundidade para o encaixe do flowline hub à BAP.
HEAVING LINE O mesmo que retinida.
HLS Horizontal laying system (spread). Sistema horizontal de lançamento
de linhas flexíveis por um navio, caracterizado pelo uso de
tracionadores dispostos horizontalmente.
HOT STAB Tipo de conector alternativo, usado para suprir eventuais falhas de
alguma função de um sistema hidráulico.
HPU Abreviatura de hydraulic pressure unit. Unidade hidráulica de pressão,
usada para teste de estanqueidade de linhas e sistemas hidráulicos.
HUB Denominação simplificada de flowline hub.
HW525 Marca de fluido hidráulico da firma Oceanic, atualmente usado nos
testes e na operação de UH/UEH.
HYDRATIGHT Sistema hidráulico usado em ferramentas de apertar e afrouxar
parafusos.
HYDRAULIC PRESSURE Ver HPU.
UNIT
INBOARDING Recolhimento de equipamentos do mar para o convés de trabalho de
um navio, com auxílio de sistemas de içamento de peso.

8
BR PETROBRAS

GLOSSÁRIO DE ENGENHARIA SUBMARINA

TERMO DESCRIÇÃO

INCLINÔMETRO Aparelho que indica a inclinação de um determinado equipamento em


relação à vertical.
INDICADOR DE Aparelho que indica o desnível de um determinado equipamento em
HORIZONTALIDADE relação à horizontal

INERTIZAR UMA LINHA Substituir, em uma linha flexível, os fluidos produzidos de um poço por
outro fluido inerte quanto à combustão ( geralmente água do mar ou
nitrogênio).
IN-TANDEM Ancoramento em série de um navio a outro.
I-TUBE Tubulação de uma UEP por onde são conduzidos os risers que
chegam para o sistema de suportes de linhas flexíveis.
ID Abreviatura de internal diameter. Diâmetro interno.
JUMPER Trecho complementar (extensão) de uma linha flexível.
KILLER BUBBLE
KINK Tipo de deformação em uma linha flexível, resultado de um esforço de
torção anormal, assemelhando-se a um nó dado sobre o sobre o seu
eixo longitudinal.
Kp Sigla que representa o comprimento de uma linha flexível entre uma
extremidade e determinado ponto de referência, marcado no corpo da
linha.
LAY AWAY Operação conjunta (navio + sonda de produção) e sincronizada de
instalação de um flowline hub a uma ANM, e destes sobre uma BAP.
LAYING POINT
LAZY WAVE Configuração de linha flexível combinada com flutuadores, para aliviar
cargas ou dar maior mobilidade a sistemas flutuantes (normalmente
monobóias). Ver Norma API RP 17B.
LBL Abreviatura de long base line. Sistema hidroacústico de referência de
posicionamento, que opera com ondas de alta frequência, permitindo
maior alcance em trabalhos submarinos.
LDA Abreviatura de lâmina d’água. Profundidade do leito marinho. Distância
entre o nível do mar e o solo marinho.
LEITO MARINHO Fundo do mar; superfície do solo marinho.
LIFTING POINT Ponto de içamento capaz de suportar os esforços dinâmicos durante o
lançamento ou recolhimento de uma linha flexível.

LINHA FLEXÍVEL Linha de fluxo ou de controle elétrico e/ou hidráulico, com diversas
características construtivas (flexibilidade, resistência a pressões
internas e externas, resistência à tração, etc.) para lançamento rápido
e trabalho seguro e confiável em ambientes submarinos.

LM Abreviatura da válvula lower master de uma ANM.

9
BR PETROBRAS

GLOSSÁRIO DE ENGENHARIA SUBMARINA

TERMO DESCRIÇÃO

LONG BASE LINE Ver LBL.


LOWER MASTER Válvula mestra inferior de uma ANM.
LSV - Abreviatura de Lay Support Vessel. Barco de lançamento de linhas
flexíveis.
M2 Abreviatura de master-2. O mesmo que AM.
MACAQUINHO Dispositivo de ancoramento de conectores de linhas flexíveis em uma
mesa de trabalho de um VLS, dotado de um macaco hidráulico de
pequeno curso que permite ajustes nas operações de acoplamento de
flanges.
MAIN DECK Convés principal de um navio, geralmente situado abaixo do convés de
trabalho (working deck).
MANDRIL DE LINHAS Ver MLF.
DE FLUXO
MANIFOLD Equipamento coletor e distribuidor de fluidos de um sistema de
produção ou injeção, composto de válvulas de acionamento mecânico,
hidráulico e/ou elétrico.
MANIFOLD DE Ver PLEM, PLAEM.
INTERLIGAÇÃO
SUBMARINA
MANIFOLD SUBMARINO Ver MSP.
DE PRODUÇÃO
MANIFOLD SUBMARINO Ver MSPI.
DE PRODUÇÃO E
INJEÇÃO
MANILHA Elo com um eixo aparafusado que une dispositivos diversos de
marinharia (estropos, amarras, etc.) no içamento e manuseio de
cargas.
MANILHA HIDRÁULICA Tipo de manilha dotada de mecanismo hidráulico de abertura.
MANILHA Manilha hidráulica que pode ser aberta remotamente através de um
HIDROACÚSTICA sinal acústico.
MANILHA TIPO Tipo mais comum de manilha, cuja geometria lembra uma ferradura..
FERRADURA
MASTER VALVE Válvula mestra (principal) de uma árvore de natal.
MAXIMUM BREAKING Tensão de ruptura.
LOAD
MB Abreviatura de monobóia.
MBL Abreviatura de maximum breaking load. Tensão de ruptura.
MCVE Abreviatura de módulo de conexão vertical de exportação. Dispositivo
em forma de chapéu que permite o acoplamento de uma ou mais
linhas de exportação de fluidos a um manifold submarino.
MCVI Módulo de conexão vertical de importação. Dispositivo em forma de
chapéu que permite o acoplamento de um bundle de produção de um

10
BR PETROBRAS

GLOSSÁRIO DE ENGENHARIA SUBMARINA

TERMO DESCRIÇÃO

poço a um manifold submarino.


MD Abreviatura de memorial descritivo. Documento interno da Petrobras
que serve de base conceitual para a elaboração de um procedimento
executivo (PE).

MEMORIAL Ver MD.


DESCRITIVO
MFX Prefixo das linhas flexíveis fornecidas pela firma Multiflex.
MIS Abreviatura de manifold de interligação submarino.Ver manifold, PLEM,
PLAEM.
MLF Abreviatura de mandril de linha de fluxo. O mesmo que flowline hub.

MÓDULO DE Equipamento diverless que se conecta provisoriamente em um MCVI


ABANDONO ou MCVE, enquanto se aguarda uma conexão vertical direta em um
manifold. Também é usado para permitir trocas da placa de anéis de
vedação situada entre o manifold e o MCVI ou MCVE.
MÓDULO DE CONEXÃO Ver MCVE.
VERTIVAL DE
EXPORTAÇÃO
MÓDULO DE CONEXÃO Ver MCVI.
VERTIVAL DE
IMPORTAÇÃO
MONOBÓIA Terminal oceânico flutuante, usado para transferência da produção de
uma plataforma, de um manifold ou mesmo de um único poço
submarino para um navio-tanque ou navio de produção.
MOON POOL Abertura existente na região central de um navio ou plataforma
flutuante, que permite a passagem de cargas do convés de trabalho
para o mar e vice-versa.
MSGL Manifold submarino de gas-lift. Manifold usado exclusivamente para
distribuir o gás que é injetado no revestimento dos poços para
elevação artificial do petróleo.
MSP Abreviatura de manifold submarino de produção. Manifold que recebe
bundles exclusivamente de poços produtores de uma determinada
área.
MSPI Abreviatura de manifold submarino de produção e injeção. Manifold
que recebe bundles tanto de poços produtores como de poços injetores
de uma determinada área.
MSV Abreviatura de multipurpose support vessel. Navio versátil, equipado
para realizar atividades de mergulho, operação com ROV e lançamento
de linhas flexíveis.
MULTIFLEX Fabricante de linhas flexíveis.
MULTIPLEXADO Denominação dada a um sistema de comandos elétricos para
acionamento hidráulico remoto de equipamentos (normalmente

11
BR PETROBRAS

GLOSSÁRIO DE ENGENHARIA SUBMARINA

TERMO DESCRIÇÃO

válvulas).
MULTIPURPOSE Ver MSV.
SUPPORT VESSEL
NAVIO ALIVIADOR Navio que coleta a produção de um FPSO ou de um navio cisterna, e a
transporta para um terminal terrestre.
NAVIO CISTERNA Navio tanque que armazena a produção de líquidos de um determinado
sistema submarino.
NAVIO DE PRODUÇÃO O mesmo que FPSO (floating production, storage and offloading).

NAVIO SONDA Navio equipado com sistemas para intervir em poços submarinos,
podendo ser ancorado no fundo do mar ou de posicionamento
dinâmico.
NAVIO TANQUE O mesmo que navio cisterna.

NORMA API RP 17B Procedimentos recomendados pelo American Petroleum Institute (API)
para o projeto de sistemas com linhas flexíveis.
NT Abreviatura de navio tanque. O mesmo que navio cisterna.
OD Abreviatura de outside diameter. Diâmetro externo.
OUTERWRAP Espiral de aço que envolve alguns modelos de linhas flexíveis do tipo
riser, principalmente as de maior diâmetro e as que operam com gás.
Tem por finalidade aumentar o peso da linha e protegê-la contra a
abrasão.
OVERBOARDING Lançamento de equipamentos do convés de trabalho de um navio para
o mar, com auxílio de sistemas de içamento de peso.
OVERLANG Denominação dada ao trecho de linha flexível que fica assentado sobre
o leito marinho.
OVERLENGHT Comprimento excedente de linha flexível deixado sobre o leito marinho
para facilitar manobras posteriores, ou para simplesmente evitar as
operações de corte da linha e montagem de novo conector.
OVERRIDE Atuação mecânica externa de um equipamento submarino por
mergulhador ou ROV, quando não está disponível seu sistema remoto
de atuação (elétrico ou hidráulico).
PAGAR UM CABO OU Ato de liberar determinada quantidade de cabo ou linha para o mar.
UMA LINHA
PÁRA-QUEDAS Dispositivo submarino composto de tecido impermeável e amarras, que
recebe ar na sua parte inferior, de modo a auxiliar mergulhadores (pelo
efeito do empuxo) no içamento de cargas em operações no fundo do
mar. A sua forma lembra um pára-quedas aeronáutico.
PASSEIO DA SONDA/ Máxima variação admitida na localização instantânea de uma
instalação flutuante que possui posicionamento dinâmico.
NAVIO/PLATAFORMA
PATESCA Equipamento para içamento e manuseio de cargas, composto de

12
BR PETROBRAS

GLOSSÁRIO DE ENGENHARIA SUBMARINA

TERMO DESCRIÇÃO

roldana, gancho e olhal.


PCO Abreviatura de pig crossover.
PD Abreviatura de posicionamento dinâmico. Ver DP.
PDG Sensor de temperatura e pressão instalado no fundo de poços.
PE Abreviatura de procedimento executivo. Documento interno da
Petrobras elaborado a partir do MD, detalhando toda as etapas a
executar, os materiais a utilizar e o arranjo (lay-out) de uma operação
com linhas flexíveis, entre outras informações.
PESO MORTO Pedaços usados de amarras ou bloco normalmente de concreto,
utilizados como contrapeso ou ancoramento em operações
submarinas.
PH Abreviatura de placa hidráulica.
PHP
PIG Raspador de diâmetro interno de uma tubulação, deslocado de um
ponto de lançamento (pig launcher) a um ponto de coleta (câmara de
pig) pela pressão de fluxo da linha.
PIG CROSSOVER Ver PXO.
PIG LAUNCHER Dispositivo para lançamento de raspadores (pigs) em dutos
submarinos.
PIG LOOP Arranjo com a mesma finalidade do pig crossover, instalado próximo a
uma ANM. É composto de dois tês pigáveis, sendo um na linha de
produção e outro na linha do anular, ligados através de um pequeno
trecho de linha flexível com uma válvula de passagem plena no meio.
PIG X-OVER Ver PXO.
PIGÁVEL Característica das tubulações e válvulas que permitem a passagem de
um pig.
PIPE FOLLOWER Tipo de linha flexível de alta resistência à tração, projetada para uso
em um VLS, e que pode fazer o papel de um cabo de aço nas
operações do navio de lançamento.
PIPE LINE ALMOST END Ver PLAEM.
MANIFOLD
PIPE LINE END Ver PLEM.
MANIFOLD
PIPELINE LAYING Ver PLSV.
SUPPORT VESSEL
PIRELLI Fabricante de UH e UEH.
PITCH Movimento de um navio em torno do seu eixo transversal.
PLACA DELTA O mesmo que placa triangular.
PLACA HIDRÁULICA Placa que reúne um conjunto de mangueiras, fixadas através de
conectores, que facilitam a montagem entre duas partes de um sistema
de acionamento hidráulico.

13
BR PETROBRAS

GLOSSÁRIO DE ENGENHARIA SUBMARINA

TERMO DESCRIÇÃO

PLACA TRIANGULAR Placa de aço de formato triangular para içamento e manuseio de


cargas, com três pontos para fixação de manilhas, anéis, cabos de
aço, etc.
PLAEM Abreviatura de pipe line almost end manifold. Denominação dada a um
manifold submarino instalado antes de um PLEM. Termo em desuso,
substituído por MIS.
PLATAFORMA SEMI- Ver SS.
SUBMERSÍVEL
PLEM Abreviatura de pipe line end manifold. Denominação dada ao manifold
submarino que se interliga a uma monobóia.
PLIANT WAVE Configuração de linha flexível combinada com flutuadores, para aliviar
cargas ou dar maior mobilidade a sistemas flutuantes (normalmente
monobóias). Ver Norma Petrobras 2409 - Flexible Pipes.
PLSV Abreviatura de pipeline laying support vessel. Navio equipado
basicamente para o lançamento de linhas flexíveis.
POÇO SATÉLITE Poço equipado com ANM, ou seja, cuja árvore de natal não está
instalada na própria UEP.
PODE ELETRO- Ver EHDM.
HIDRÁULICO
POITA Idem a peso morto.
POLIA DE Polia usada nos navios de lançamento, por onde deslizam as linhas
LANÇAMENTO/RECOLH flexíveis lançadas ou recolhidas. Seu uso é imprescindível para
IMENTO profundidades superiores a 300 m.
PONTO DE IÇAMENTO Tradução de lifting point.
PONTOON Flutuador de uma plataforma semi-submersível.
POPEYE Denominação dada a guinchos de acionamento pneumático de
embarcações.

POSIÇÃO NEUTRA Localização ideal de uma plataforma ou navio posicionados


dinamicamente. Equivale à posição em que a embarcação seria
assentada no solo marinho caso fosse fixa.
POSICIONAMENTO Idem a DP.
DINÂMICO

PROCEDIMENTO Ver PE.


EXECUTIVO
PULL IN Operação de transferência de linha flexível do navio de lançamento
para um sistema de superfície (Plataforma fixa, flutuante, monobóia,
etc.).
PULL OUT Operação inversa à de pull in, ou seja: transferência de linha flexível de
uma unidade de superfície para um navio de lançamento de linhas
flexíveis.
PXO Abreviatura de pig x-over. O mesmo que pig crossover. Dispositivo de
uma ANM, que permite o retorno pela linha anular de um pig lançado a

14
BR PETROBRAS

GLOSSÁRIO DE ENGENHARIA SUBMARINA

TERMO DESCRIÇÃO

partir de uma UEP pela linha de produção, ou vice-versa. Para uso de


um PXO, as linhas de produção e do anular devem possuir o mesmo
diâmetro interno.
QCDC Abreviatura de quick connect-disconnect coupling. Tipo de conector
para engate rápido de um riser em uma UEP ou monobóia. Possui
dispositivo de fechamento automático ao desacoplar, garantindo a
segurança das sondas de produção no caso do abandono imprevisto
de uma locação.
QUEIXO-DURO Tipo de conector flangeado de um riser em uma UEP ou monobóia.

QUICK CONNECT- Ver QCDC.


DISCONNECT
COUPLING
RxF Denominaçao da conexão feita entre o riser e a flowline de uma linha
flexível.
RAMPA DE Rampa para deslizamento de linhas flexíveis e equipamentos em
LANÇAMENTO/RECOLH navios de lançamento durante operações de overboarding e
IMENTO inboarding.
RCV Abreviatura de Remote Controlled Vehicle
REMOTE CONTROLLED Veículo semelhante ao ROV, porém menos potente e sem braços
VEHICLE articulados. É utilizado somente em observações e vistorias
submarinas.
ROV Abreviatura de Remote Operated Vehicle
REMOTE OPERATED Veículo de atuação submarina comandado remotamente, dotado de
VEHICLE câmeras de vídeo para visualização do fundo do mar, e de braços
articulados para realização de manobras mecânicas em equipamentos
submersos. Permite operações seguras em profundidades
inacessíveis para mergulhadores.
REQUISIÇÃO DE Documento interno da Petrobras que fornece as especificações
MATERIAL básicas para compra e fabricação de um material.
REQUISIÇÃO DE Documento interno de cadastramento e acompanhamento dos serviços
SERVIÇO solicitados à GENSUB.
RESPONDER Receptor de ondas emitidas por um transmissor (transponder).
RESTRITOR DE Tradução de bend restrictor. Acessório composto de um conjunto de
CURVATURA anéis justapostos, instalado em uma extremidade de linha flexível,
imediatamente antes do conector, para limitar a flexão e evitar danos
na linha durante o manuseio.
RETINIDA Cabo equipado com um peso (geralmente esférico) em uma das
extremidades, utilizado em navegação para ser arremessado de um
ponto a outro, permitindo transferências de cargas, rebocamentos, etc.
RH Abreviatura de riser hidráulico.
RH xF Abreviatura de riser hidráulico com “x” funções de controle.
RHC Abreviatura de riser hidráulico de controle. O mesmo que riser

15
BR PETROBRAS

GLOSSÁRIO DE ENGENHARIA SUBMARINA

TERMO DESCRIÇÃO

hidráulico (RH).
RIGGING DE Conjunto de eslingas (geralmente duas) fixado em uma linha ou
ABANDONO equipamento sujeito a ser recolhido do fundo do mar em ocasião
posterior.
RING TYPE JOINT Flange com anel (de vedação).
RISER Linha flexível projetada para trabalhar com esforços submarinos
dinâmicos. Normalmente após instalada fica com uma das
extremidades suspensa, e outra conectada a uma linha de fluxo
(flowline).
RISER DE CONTROLE Tipo de riser com mais de dez funções, geralmente conectado a uma
caixa de junção submersa.
RISER HIDRÁULICO O mesmo que riser de controle.
RISER HIDRÁULICO DE O mesmo que riser hidráulico (RH).
CONTROLE
RISER PIPE SPOOL (... de uma monobóia)
RM Abreviatura de requisição de material.
ROA Relatório de Ocorrência Anormal
ROLL Movimento de um navio em torno do seu eixo longitudinal.
ROUGH BORE Característica das linhas flexíveis cujo diâmetro interno é rugoso,
constituído por uma carcaça metálica em espiral.
ROV Abreviatura de remote operated vehicle.
ROV SUPPORT VESSEL Navio equipado basicamente para operações com ROV.
RS Abreviatura de requisição de serviço.
RSV Abreviatura de ROV support vessel.
RTJ Abreviatura de ring type joint.
SAPATILHA Tipo de calha fixada internamente em uma “mão”de um cabo de aço,
para evitar o desgaste do cabo pelo atrito na região onde uma carga é
içada.
SCHOTTEL Fabricante de motores-propulsores de embarcações.
SEA FASTENING Sistema de amarração (estaiamento) de cargas existente no convés de
trabalho.
SEA SERPENT Fabricante de sistemas hydratight.
SEMI-SUBMERSÍVEL Característica das instalações projetadas para operar flutuando na
água, fixadas por ancoramento ou por posicionamento dinâmico (DP).
Ver SS.
SEQUENCIAL Denominação dada a um sistema com comandos de acionamento
hidráulico remoto de equipamentos (normalmente válvulas).
SESSENTÃO Riser hidráulico de 60 funções.
SKETCH Desenho esquemático de uma etapa qualquer do procedimento
executivo.

16
BR PETROBRAS

GLOSSÁRIO DE ENGENHARIA SUBMARINA

TERMO DESCRIÇÃO

SKID ROLLER Suporte sobre os quais são colocadas as bobinas de linhas flexíveis
em um navio. Facilita as operações de troca de bobinas vazias por
cheias em um porto.
SMOOTH BORE Característica das linhas flexíveis cujo diâmetro interno é liso,
constituído por um tubo de náilon.
SONDA DE O mesmo que sonda de produção.
COMPLETAÇÃO
SONDA DE PRODUÇÃO Navio ou plataforma equipado com sistemas para intervir na superfície
e no interior de poços submarinos.
SOQUETE Dispositivo fixado na extremidade de cabo de aço para permitir a
fixação de manilhas, olhais, outros cabos de aço, etc. no manuseio e
içamento de cargas.
SPAR
SPIDER DECK
SPOOL-PIECE Pequeno trecho de tubulação de aço (menor que 30 metros), utilizado
na operação tie-in.
SS Abreviatura de semi-submersível. Denominação simplificada para
plataforma marítima flutuante. Pode ser ancorada no fundo do mar, ou
com posicionamento dinâmico (Ver DP).

SSSV Abreviatura de subsurface safety valve. Válvula de segurança instalada


na coluna de produção de um poço para fechá-lo automaticamente
diante de anormalidades nas pressões de fluxo. O mesmo que
downhole safety valve (DHSV).
STAB Elemento de acoplamento de uma das funções que compõem uma
placa hidráulica.
STEEP “S” Configuração de linha flexível com tanque de flutuação, capaz de
absorver grandes oscilações (offset) de um sistema flutuante.
Compõe-se de duas
partes: (1) linha flexível em catenária dupla entre o sistema flutuante e
o tanque de flutuação e (2) linha flexível em catenária simples entre o
tanque de flutuação e o fundo do mar. O tanque de flutuação é fixado
ao leito submarino através de amarras e poitas.
SUBSURFACE SAFETY Ver SSSV.
VALVE

SUPORTE FIXO Tipo de conector de um riser em uma UEP, normalmente às


plataformas fixas. É normalmente usado em linhas singelas. Não
possui o mecanismo de quick-release da conexão tipo QCDC.
SUPPLY BOAT Barco de apoio de uma determinada UEP ou área operadora, usado
geralmente para suprimento e transporte de materiais.
SURVEY Passeio de vistoria de equipamentos submarinos, executado por um
ROV ou RCV.
SW1 Denominação da válvula de pistoneio (swabb valve) da coluna de

17
BR PETROBRAS

GLOSSÁRIO DE ENGENHARIA SUBMARINA

TERMO DESCRIÇÃO

produção de uma ANM.


SW2 Denominação da válvula de pistoneio (swabb valve) da coluna do
anular de uma ANM.
SWELL Altura de uma onda do mar.
SWIVEL Característica de um equipamento que gira em torno de um dos seus
eixos. Nas sondas de perfuração é conectado no topo da coluna de
perfuração
SWL Abreviatura de safety weight load. Designação usada na especificação
de máquinas e equipamentos de manuseio de cargas.

TANQUE DE Tradução de buoyancy tank. Vaso de flutuação submarino que é


FLUTUAÇÂO acoplado em uma linha flexível para aliviar esforços mecânicos,
através do mecanismo do empuxo.
TARGET Ponto exato (alvo) de instalação de um sistema ou equipamento.
TAUT WIRE Sistema de referência de posicionamento de navegação baseado no
deslocamento angular de um cabo fixado no fundo do mar.
TDP Abreviatura de touch down point. Primeiro ponto de uma linha flexível
suspensa (riser) a tocar no leito marinho.
TENSIONADOR Máquina de um navio que suporta as cargas de uma linha flexível
durante seu lançamento no mar, ou que traciona a linha durante o seu
recolhimento.
TESTE DE GAS-LIFT Ver TGL.
TETHER Cabo de sustentação mecânica e de controle dos comandos de um
ROV.
TGL Abreviatura de teste de gas-lift. Medição de parâmetros de eficiência
dos poços que produzem por gas-lift.
TIE IN Operação de conexão submarina entre dutos (rígidos e flexíveis), ou
entre equipamentos submarinos e dutos.
TIE UP Operação de interligação de um poço a uma sonda ou a uma UEP,
através de risers.
TOUCH DOWN POINT Ver TDP.
TPT Abreviatura de transdutor de pressão e temperatura. Dispositivo que
transmite para a superfície os sinais de pressão e temperatura
captados por um PDG.
TR Carretel-guincho de um navio de lançamento, que manipula
diretamente uma linha flexível (lançamento e recolhimento) sem uso de
tensionadores. É normalmente usado com UH ou UEH.
TRACK Trajetória (traçado, arranjo, lay-out) de uma linha flexível assentada no
fundo do mar.
TRACK SURVEY Passeio investigativo de um ROV ou RCV no fundo do mar.
TRAMO Sinônimo de trecho.

18
BR PETROBRAS

GLOSSÁRIO DE ENGENHARIA SUBMARINA

TERMO DESCRIÇÃO

TRANSDUTOR DE Ver TPT.


PRESSÃO E
TEMPERATURA
TRANSPONDER Transmissor (emissor) de sinal para captação remota..
TRENÓ DO FLOWLINE Skid de suporte provisório do flowline hub, usado para viabilizar a
HUB conexão vertical indireta.
TURRET Sistema de ancoragem e recebimento de risers de uma UEP.
UEH Abreviatura de umbilical eletro-hidráulico. Linha flexível submarina
composta de tubulações para acionamentos hidráulicos e de cabo para
acionamentos elétricos.
UEP Abreviatura de unidade estacionária de produção. (Plataforma fixa,
plataforma semi-submersível, FPSO). Sistema que recebe a produção
dos poços submarinos.
UH Abreviatura de UH. Linha flexível submarina composta de tubulações
internas de pequeno diâmetro, usada para promover acionamentos
hidráulicos remotos.

ULS Abreviatura de umbilical laying system (spread). Similar ao HLS,


adaptado para operar com UH ou UEH.
UM Abreviatura da válvula upper master de uma ANM.
UMBILICAL Denominação simplificada de umbilical hidráulico ou umbilical eletro-
hidráulico.
UMBILICAL DE Tipo de umbilical, normalmente riser, com mais de dez funções,
CONTROLE geralmente conectado a uma caixa de junção submersa.
UMBILICAL DE O mesmo que umbilical de controle.
SERVIÇO
UMBILICAL ELETRO- Ver UEH.
HIDRÁULICO
UMBILICAL Ver UH.
HIDRÁULICO
UMBILICAL LAYING Ver ULS.
SYSTEM

UMBILICAL NÃO Tipo de umbilical que não possui armadura metálica.


ARMADO
UNIDADE Ver UEP.
ESTACIONÁRIA DE
PRODUÇÃO
UPPER MASTER Válvula mestra superior de uma ANM.
VÁLVULA DE O mesmo que flapper-valve.
SEGURANÇA SWING-
CHECK
VERTICAL LAYING Ver VLS.

19
BR PETROBRAS

GLOSSÁRIO DE ENGENHARIA SUBMARINA

TERMO DESCRIÇÃO

SYSTEM
VLCC
VLS Abreviatura de vertical laying system (spread). Sistema vertical de
lançamento de linhas flexíveis por um navio, caracterizado pelo uso de
tracionadores dispostos verticalmente e uma mesa de trabalho móvel.
W1 Abreviatura de wing-1. Válvula lateral da coluna de produção de uma
ANM.
W2 Abreviatura de wing-2. Válvula lateral da coluna do anular de uma
ANM.
WELLSTREAM Fabricante de linhas flexíveis.
WING Denominação de uma válvula lateral de uma ANM.
WORKING DECK Ver convés de trabalho.
WORKING TABLE Plataforma retrátil, posicionada abaixo das polias de lançamento de
linhas flexíveis de um navio.
XO Abreviatura de crossover. O mesmo que CO.
YOKE Pórtico de contraventamento de uma monobóia a uma UEP do tipo
FPSO sem turret. Esse conjunto evoluiu para um FPSO com turret,
que seria o yoke dentro do FPSO.

ZONA DE TENSÃO Comprimento mínimo de linha flexível, assentado no leito marinho, cujo
atrito com o solo deve garantir a estabilidade da catenária de um riser.
ZONA DE TRAÇÃO O mesmo que zona de tensão.

ZONA DE VARIAÇÃO Ver ZVM.


DAS MARÉS
ZVM Abreviatura de zona de variação das marés. Área de qualquer sistema
submarino que ora fica submersa, ora exposta à atmosfera, de acordo
com as oscilações das marés.
goivamento Tipo de dano mecânico, com perda de material,não chegando a ser
mossa, cavidade.

20