Você está na página 1de 6

9.

º Ano Ano letivo 2019/2020 Ficha Formativa


Nome: ________________________________________
N.º: _____ Turma: ______ Data: ____ / ____ /_____ Circunferência

 CIRCUNFERÊNCIA
1. Corda
Uma corda de uma circunferência é um segmento de reta que une dois pontos distintos
dessa circunferência.
O diâmetro é uma corda que contém o centro da circunferência e é a maior de todas as
cordas. O seu comprimento é o dobro do comprimento de um raio.(d = 2r).

2. Arco de circunferência
A, B e C são pontos da circunferência
D é um ponto exterior à circunferência
E é um ponto interior à circunferência
[AO] e [BO] são raios da circunferência

Arco é uma parte da circunferência compreendida entre dois pontos da circunferência. Lê-se:
Arco menor AB, ou simplesmente arco AB. AB - reta AB

Arco maior AB, ou arco BCA. O A - semirreta OA
 AB  - segmento de reta AB
AB - comprimento segmento de reta AB
3. Simetria na circunferência
Uma circunferência tem infinitos eixos de simetria.
Uma reta é um eixo de simetria de uma circunferência se passar no
centro da mesma (contém o diâmetro).

Um eixo de simetria de uma circunferência divide-a em dois arcos


geometricamente iguais – semicircunferência.

4. Posição relativa de retas e circunferências


A reta r é exterior à circunferência (não a interseta).
A reta s é secante à circunferência (interseta-a em dois pontos).
A reta t é tangente à circunferência (interseta-a apenas num ponto).

Exercícios: Pág. 42 Tarefa 1; Pág. 45 ex. 1.

Página 1 de 6
 PROPRIEDADES DE UMA CIRCUNFERÊNCIA
1. A reta tangente (t) a uma circunferência é perpendicular ao raio que passa pelo ponto de
tangencia (ponto T).
2.

Numa circunferência, a mediatriz (m) de uma


corda contém o centro da circunferência.

Numa circunferência, qualquer reta que passa


pelo centro de uma circunferência bisseta as
cordas que lhe são perpendiculares, os arcos
e os ângulos ao centro correspondentes.

Mediatriz de um segmento de reta – reta perpendicular ao


segmento que passa no seu ponto médio.

Numa circunferência, chama-se ângulo ao centro a um


ângulo cujo vértice é o centro da circunferência.
Exercícios: Pág. 49 ex. 8 e 9.

3. Numa circunferência, cordas e arcos compreendidos entre retas paralelas são iguais.

arco CD  arco AB
(arcos iguais: mesmo comprimento e mesma amplitude)

corda CD  corda  AB  CD  AB

Exercícios: Pág. 51 ex. 14 e 15.

 ÂNGULOS AO CENTRO DE UMA CIRCUNFERÊNCIA


1. Correspondência entre ângulos ao centro, arcos e cordas
A cada ângulo ao centro corresponde um arco de circunferência e uma corda.
À corda [AB] existem 2 arcos associados: correspondente e subtenso.

2. Igualdade de ângulos ao centro, arcos e cordas correspondentes

Lê-se:
»AB - amplitude do arco AB
µ - amplitude do ângulo AOB
AOB

Numa circunferência, ou em circunferências iguais, a ângulos ao centro iguais correspondem arcos iguais e cordas iguais.

µ  CO
AOB µ'D  » »  AB  CD
AB  CD

Página 2 de 6
3. Amplitude de um ângulo ao centro e do arco correspondente
Arcos correspondentes a um mesmo ângulo ao centro têm a mesma amplitude (embora
possam ter comprimentos diferentes, dependendo do raio da circunferência).

µ  »
AOB »
AB  CD

A amplitude de um arco de circunferência é igual à amplitude do ângulo ao


centro correspondente.

Exercícios: Pág. 53

 ÂNGULOS EXCÊNTRICOS DE UMA CIRCUNFERÊNCIA


(Numa circunferência qualquer ângulo que não seja ao centro diz-se excêntrico)
1. Ângulo inscrito
 É um ângulo que tem o vértice sobre a circunferência e cujos lados contêm as cordas
da circunferência.
 A amplitude do ângulo inscrito é metade da amplitude do respetivo arco e do
respetivo ângulo ao centro.

Propriedades:
 Ângulos inscritos no mesmo arco de circunferência  Ângulo inscrito numa semicircunferência é reto (90º).
têm a mesma amplitude.

Exercícios: Pág. 57 ex. 19; 20; 21 e 22.

2. Ângulo de um segmento
 É um ângulo de vértice num dos extremos de uma corda, um dos lados contém a corda e o
outro tangente à circunferência.
 A amplitude de um ângulo de segmento é igual a metade da amplitude do arco compreendido
entre os seus lados.

Página 3 de 6
3. Ângulo ex-inscrito num arco de circunferência
 É um ângulo adjacente a um ângulo inscrito e a ele suplementar.
 A amplitude de um ângulo ex-inscrito é igual à semissoma das amplitudes dos arcos correspondentes às cordas
que as retas suporte dos lados contêm.

»  360º  105º  145º  110º


BD

µ  105º 110º  215º  107,5º


ABC
2 2
Exercícios: Pág. 59 ex. 25 e 26 a).

4. Ângulo excêntrico exterior


 É um ângulo com vértice no exterior da circunferência, cujos lados são secantes ou tangentes à mesma.
 A amplitude de um ângulo excêntrico exterior é igual à semidiferença entre a maior e a menor amplitude dos arcos
compreendidos entre os respetivos lados.

100º 30º 70º


AVµB    35º
2 2

5. Ângulo excêntrico interior


 É um ângulo com vértice no interior da circunferência, não coincidindo com o centro da mesma.
 A amplitude de um ângulo excêntrico interior é igual à semissoma das amplitudes dos arcos compreendidos entre
os lados do ângulo e entre os lados do ângulo verticalmente oposto.

124º 40º 164º


AVµB    82º
2 2

Exercícios: Pág. 61 ex. 27 e 28.

Página 4 de 6
 POLÍGONOS REGULARES INSCRITOS NUMA CIRCUNFERÊNCIA
Um polígono está inscrito numa circunferência quando todos os seus vértices estão sobre a circunferência.
1. Construção de um polígono regular de n lados

Um polígino regular com n lados inscrito numa circunferência define


360º
n arcos com amplitude .
n

2. Num polígono convexo a soma das amplitudes dos ângulos internos é igual a  n  2   180º .

3. Num polígono convexo a soma das amplitudes dos ângulos externos é igual a 360º.

360º
4. Num polígono regular cada ângulo externo mede .
n

 n  2   180º
5. Num polígono regular cada ângulo interno mede .
n

6. A soma dos ângulos opostos de um quadrilátero inscrito numa circunferência


é igual a 180º.

Exercícios: Pág. 63 ex. 30 e Pág. 65 ex. 32; 33 e 34.

Página 5 de 6
Exercícios de provas nacionais e testes intermédios

Página 6 de 6