Você está na página 1de 6

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIPLAN

UNIDADE DE AÇAILÂNDIA- MA
TURMA 5 DE PEDAGOGIA
DISCIPLINA DE METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DE HISTÓRIA E
GEOGRAFIA

TEORIA E METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA

Gardênia Mirele

Nelsi Antônia Pabis Possui Licenciatura Plena em Pedagogia- habilitação em


Orientação Educacional pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (1974),
Especialização em Programação e Metodologia do Ensino Superior pela Universidade
Federal da Bahia (1980), Mestrado em Educação-área de concentração Currículo,
pela Universidade Federal do Paraná (1992), Doutorado em Educação, área de
Políticas Educacionais e Gestão de Educação pela Universidade Tuiuti do Paraná-
UTP.
Atua na área de Educação, com ênfase na Formação de Professore para
Séries Iniciais do Ensino Fundamental com destaque em: ensino-aprendizagem,
currículo, escola, educação e metodologia de ensino. Desenvolveu pesquisa na área
dos saberes pedagógicos dos professores da Séries Iniciais. É membro do Núcleo de
estudos Eslavos-NEES da UNICENTRO.
Em seu material a TEORIA E METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA E
GEOGRAFIA, Pabis aborda que a História e a Geografia são fundamentais para a
integração do educando na realidade social, para o desenvolvimento da capacidade
de interpretação, crítica dos fatos e das situações reais, percepção de si como ser
social e a sua integração na sociedade, valorização de sua própria cultura,
conhecimento e convívio com a diversidade cultural, respeito mútuo, entre tantos
outros valores.
Para Penteado (2010), a história investiga permanências e mudanças ou
transformações do modo de vida, no empenho de compreendê-las e objetiva como diz
Neves (1985 p. 17) desenvolver na criança “[...]a percepção da multiplicidade temporal
da história, em termos de ritmos de mudanças mais rápidas ou mais lentas e que
explicariam certas contradições aparentes da sociedade atual”. O ensino de História é
fundamental para transmitir conhecimento acerca de diferentes locais, ambientes, e
não apenas o espaço em que o aluno se situa.
Já em relação à geografia, uma definição tradicional também é apresentada
por Ferreira (2004 p. 997). Define-a como “[...] a ciência que tem por objeto a
descrição da superfície da terra, o estudo dos seus acidentes físicos, climas, solos e
vegetações e das relações entre o meio natural e os grupos”. O estudo de Geografia
não estuda apenas mapas, relevos e planícies, ou a atmosfera e as camadas
terrestres, mas também estuda a interação social do homem com a natureza e as
mudanças resultantes disso.
Compreende-se a partir dessas considerações que os conhecimentos de
história e geografia devem servir como instrumentos de compreensão da realidade,
desde as séries iniciais do Ensino Fundamental. Com práticas, fontes e
metodologias distintas, a História e a Geografia analisam elementos culturais,
políticos e econômicos; despertando o interesse a respeito de questões sociais e
ambientais, objetivando o entendimento histórico e geográfico dos sujeitos acerca do
meio em que se encontram.
Se anteriormente, a visão que tínhamos, de História e Geografia, resumia-se
a falar sobre o passado, decorar datas e nomes de rios e montanhas, hoje, elas
estudam as ações e transformações que se desenvolvem ou se estabelecem em um
determinado período de tempo. Segundo as indicações dos Parâmetros Curriculares
Nacionais para o Ensino fundamental as disciplinas de História e Geografia têm como
um dos objetivos desenvolver a:

Compreensão da cidadania como participação social e política, como o


exercício de direitos e deveres políticos, civis e sociais, adotando, no dia-a-
dia, atitudes de solidariedade, cooperação e repúdio às injustiças, respeitando
o outro e exigindo para si o mesmo respeito”. (BRASIL, 1997).

Os homens fazem história e modificam a paisagem. Todo fato histórico, que é


resultado da ação do homem, acontece num determinado espaço físico que
apresenta clima, relevo, hidrografia, vegetação. Os aspectos físicos interferem no
desenrolar de um fato histórico, definem hábitos, costumes, tradições de uma
comunidade.
As definições de história e geografia demonstram que os estudos destas
áreas são de suma importância para a formação do cidadão. A história por apontar
as mudanças e permanências e contradições que acontecem na sociedade no
decorrer dos tempos e a geografia por situar o homem num determinado espaço,
modificando-o.
Desta forma, tanto a História como a Geografia foram “manipuladas” visando
atender demandas políticas, inserindo determinados pensamentos em meio à
sociedade, buscando manter o controle social. Ao longo dos anos, a educação
começa a modificar-se, juntamente com a sociedade; A História e a Geografia se
desenvolvem como disciplinas que buscam instruir os alunos, instigando o
pensamento a respeito das questões sociais, ambientais e políticas.
História e geografia são duas áreas de conhecimento em que a prática
interdisciplinar acontece. O cruzamento entre as duas disciplinas é inevitável, visto
que as mudanças físicas se dão ao longo do tempo, também por influência humana.
Através de abordagens distintas, as duas disciplinas produzem conhecimento
histórico e geográfico a respeito do país em que o aluno se situa, bem como de todo
o mundo. Analisando as modificações e permanências, bem como seus vínculos
com as condições climáticas, culturais e políticas estabelecidas ao longo dos anos.
A interdisciplinaridade ultrapassa a integração entre duas ou mais disciplinas,
é uma atitude do professor e é perceptível ao aluno. “Tratar, pois, de ensinos e de
aprendizagens, é tratar de identidades, de conhecimentos que se situam em
contextos de culturas, de choques e trocas entre jeitos de ser e viver, de relações de
poder”. (SILVA 2007, p.491). O ato de transmitir conhecimentos é o centro do
processo educacional e não há espaço para questionamentos.
Neste sentido, é fundamental refletir sobre experiências de ensino, voltadas a
formação dos graduandos de Pedagogia, futuro docente dos anos iniciais do Ensino
Fundamental, pois esse profissional terá como desafio encontrar maneiras
produtivas de ensinar História e Geografia para as crianças, levando-se em conta o
processo de construção de identidades e a formação de cidadãos críticos e
conscientes
O professor em sua prática pedagógica deve ter o domínio do conteúdo a ser
ensinado, embora isso não garanta que ele seja um bom profissional, pois é preciso
que ele tenha conhecimento de outras disciplinas. O professor para realizar a prática
pedagógica necessita dominar os conteúdos da área em que atua, contextualizar a
temática estudada e, para tal, necessita de conhecimentos sobre a sociedade, a
economia e a política. Além disso, precisa ter clareza sobre o tipo de cidadão que
quer formar. De acordo com Pimenta (2000, p. 22):

Conhecer significa estar consciente do poder do conhecimento para a


produção da vida material, social e existencial da humanidade”. O docente
deve ter o saber, mas principalmente ter a competência de saber transmitir,
pois as competências do professor são indispensáveis para que os alunos
tenham uma aprendizagem significativa.

Os conhecimentos adquiridos pelo professor não se restringem à formação


inicial, pois ele também aprende criando, aplicando, desenvolvendo no seu cotidiano
escolar, mas não basta apenas possuir tais conhecimentos, é necessário que ele
analise a sua utilização, aplicação e tenha conhecimento de como os alunos
aprendem.
As reflexões sobre a importância do conteúdo no processo ensino-
aprendizagem tem sido motivo de discussões nos últimos anos. De acordo com essa
linha de pensamento, o aluno seria o centro do processo educativo, o sujeito de sua
própria aprendizagem, o professor seria o facilitador. Atualmente acredita-se que o
papel da escola e do professor é, por meio de conteúdo das mais diversas áreas,
mas principalmente de história e geografia, a formação integral do estudante e a sua
preparação para o exercício consciente da cidadania, que envolve também o
trabalho.
Ao mostrar o enorme peso social e político que as disciplinas de História e
Geografia possuem, é importante salientar a necessidade de mantê-las no currículo
escolar, bem como definir uma carga horária relevante ao estudo dos diversos
conteúdos e abordagens sociais, temporais, políticas e espaciais que ambas as
disciplinas apresentam.
A Base Nacional Comum Curricular, homologada conforme termos da
Resolução CNE/CP n. 02 de 22 de dezembro de 2017, é referência nacional para a
formulação dos currículos dos sistemas e das redes escolares dos Estados, do
Distrito Federal e dos Municípios e das propostas pedagógicas das instituições
escolares, integra a política nacional de Educação Básica e contribui para a melhoria
da qualidade de ensino.

É um documento de caráter normativo que define o conjunto orgânico e


progressivo de aprendizagens essenciais que todos os alunos devem
desenvolver ao longo das etapas e modalidades da Educação Básica, de
modo a que tenham assegurados seus direitos de aprendizagem e
desenvolvimento em conformidade com o que preceitua o Plano Nacional
de Educação (PNE). (BRASIL, 2017, p. 5).

Apresenta, para história e geografia, as competências específicas para o


ensino fundamental, assim como as unidades temáticas, objetos de conhecimento e
habilidades. O professor necessita conhecer essas orientações. No Brasil, os
municípios têm autonomia para elaborar a proposta curricular. Cabe ao professor o
compromisso de ler e analisar as orientações curriculares propostas pela Secretaria
Municipal de Educação ou outro órgão municipal da cidade em que atua.
Dentro da sua especificidade, essas disciplinas têm como objetivo central
proporcionar ao aluno a compreensão do espaço histórico e geográfico enquanto
produção humana e suas organizações econômicas, sociais e culturais. Nessa
perspectiva propõe que o aluno entenda que a percepção espacial de cada indivíduo
ou sociedade é também marcada por laços afetivos e referências sócio históricas, ou
seja, “operações culturais começadas antes de nós, e que a reanimamos ou
reativamos a partir de nosso presente.
A História e Geografia são disciplinas que podem tanto instruir como alienar,
por tratarem de dados, estatísticas e documentos que podem ser manipulados em
prol de determinados objetivos. A ação educativa na escola é sistemática e tem
como finalidade formar o cidadão. Para que esta ação aconteça é necessário que
seja planejada previamente
REFERÊNCIAS

BRASIL. Secretaria da Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares


Nacionais: História e Geografia. Brasília: MEC/SEF, 1997, (Volume 05).

_______. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base Nacional


Comum Curricular. Brasília: 2017. Disponível em:
basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/ uploads/2018/02/bncc. Acesso em 15
de maio de 2021;

Disponível em: https://www.escavador.com/sobre/7579916/nelsi-antonia-pabis.


Acesso em 15 de maio de 2021;

FERREIRA, A. B. de H. Novo dicionário da língua portuguesa. São Paulo: Nova


Fronteira, 2004;

NEVES, M. A. M. Ensinando e aprendendo história. São Paulo: EPU, 1985;

PABIS Nelsi Antonia. TEORIA E METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA E


GEOGRAFIA. Disponível em:
http://repositorio.unicentro.br:8080/jspui/bitstream/123456789/1457/1/PABIS_Teoria_
e_metodologia_hist%C3%B3ria_e_geografia.pdf. Acesso em 15 de maio de 2021;

PENTEADO, H. D. Metodologia do ensino de história e geografia. 3. ed. São


Paulo: Cortez, 2010.

PIMENTA, Selma Garrido. Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo:


Cortez, 2000;

SILVA, Petronilha Beatriz G. Aprender, ensinar e relações étnico-raciais no


Brasil. Educação. Porto Alegre/RS, p. 489-506, set./dez. 2007.