Você está na página 1de 54

214 140 700

info@renata.pt

www.renata.pt

Blue Ocean Medical, Lda.


Taguspark, Edifício Qualidade C1, Piso 0
2740-296 Porto Salvo

COVID
Uso de
-19

CARTA DE BOAS VINDAS


másca
obriga ra
tório
Saiba
www.r mais e
enata.p m
t/pt/co
vid-1 9

Bem-Vindo(a) ao Curso de Suporte Básico de Vida

COMO DEVE PREPARAR-SE


O Curso de SBV-DAE foi concebido para o treino da população em geral, para que todos sejam
capazes de executar manobras de reanimação de alta qualidade nas vítimas de paragem
cardiorrespiratória e, capacitar para a utilização de um desfibrilhador automático externo.
O curso é maioritariamente prático, pelo que deverá ler atempadamente o manual do mesmo, para
que, durante o curso possa esclarecer as suas questões.

EXIGÊNCIAS ANTES DO CURSO

1. Leia o manual do curso na íntegra. Poderá esclarecer as suas questões com o instrutor
durante o curso.
2. Veja o nosso vídeo demonstrativo de SBV-DAE em www.daex.pt/pcr
3. O curso tem uma avaliação prática realizada em 2 simulações:
• Para ser aprovado, necessita ter nota igual ou superior a 10 valores, em pelo menos uma
simulação de SBV-DAE;
• A nota final é a melhor das 2 simulações realizadas.

O QUE ESTE CURSO NÃO ABORDA


O Curso de SBV-DAE não aborda as questões relacionadas com a reanimação em crianças nem
em bebés. Mas poderá encontrar esses conteúdos no manual do curso.

O QUE VESTIR NO DIA DO CURSO


Use roupas folgadas e confortáveis. Irá praticar técnicas que exigem esforço com as mãos e sobre
os joelhos. Caso tenha alguma condição física que o(a) impeça de realizar estas atividades, por
favor, avise o instrutor para que este possa ajustar o equipamento caso tenha problemas nas
costas, joelhos ou ancas.
CRONOGRAMA DO CURSO SBV-DAE ADULTO

15 min. Apresentação e objetivos do curso

Teórica I: Suporte básico de vida adulto


45 min.
Demonstração algoritmo SBV (4 passos)

Prática I: Suporte básico de vida


Demonstração Posição Lateral de Segurança
60 min Posição Lateral de Segurança
Demonstração do Algoritmo DVA
Desobstrução da via aérea

15 min. Pausa para intervalo

Teórica II: Desfibrilhação automática externa


30 min.
Situações especiais com o DAE

30 min. Workshop: Comandos do DAE e colocação de elétrodos

15 min. Demonstração Algoritmo de SBV-DAE

45 min. Prática II: casos de SBV-DAE - sucesso imediato

60 min. Pausa para refeição

45 min. Prática III: casos de SBV-DAE - choque não recomendado

60 min. Prática IV: casos de SBV-DAE - insucesso

15 min. Pausa para intervalo

60 min. Prática V: casos de SBV-DAE - sucesso tardio

15 min. Avaliação e encerramento do curso

Aguardamos ansiosamente a sua presença no curso. Caso tenha alguma dúvida por favor entre em
contacto com o Departamento de Formação através do número 214 140 700 (dias úteis das 9∶00 às
19∶00) ou do e-mail info@renata.pt

Atenciosamente,
OM-013-06ABR21

Nelson Santos, Enf.


(Coordenador Pedagógico)
FICHA TÉCNICA

TÍTULO
Manual de Suporte Básico de Vida - Adulto

AUTOR
INEM – Instituto Nacional de Emergência Médica
DFEM – Departamento de Formação em Emergência Médica

DESIGN e PAGINAÇÃO
INEM – Instituto Nacional de Emergência Médica
GMC – Gabinete de Marketing e Comunicação

ILUSTRAÇÕES
João Rui Pereira

Versão 4.0 - 1ª Edição 2017


Revisão da versão 2.0 - 1ª Edição 2012

© copyright

INEM
INDICE

I..I NTRODUÇÃO���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 4

II..A DESFIBRILHAÇÃO AUTOMÁTICA EXTERNA EM PORTUGAL ������������������������������������� 5


Programa Nacional de DAE (PNDAE)�������������������������������������������������������������������������������� 5
Licenciamento de Programas DAE������������������������������������������������������������������������������������ 6
Requisitos Essenciais para o licenciamento de um programa de DAE����������������������������� 6
III..A CADEIA DE SOBREVIVÊNCIA��������������������������������������������������������������������������������������� 7

IV..S UPORTE BÁSICO DE VIDA - ADULTO����������������������������������������������������������������������������� 9


1. Avaliar as condições de segurança: reanimador, vítima e terceiros����������������������������� 9
2. Avaliar o estado de consciência ����������������������������������������������������������������������������������� 9
3. Permeabilizar a via aérea ������������������������������������������������������������������������������������������ 10
4. Avaliar Respiração������������������������������������������������������������������������������������������������������ 10
5. Ligar 112��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 11
6. Realizar Compressões Torácicas��������������������������������������������������������������������������������� 11
7. Realizar Insuflações���������������������������������������������������������������������������������������������������� 12
8. Manter SBV����������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 13
9. Algoritmo de SBV�������������������������������������������������������������������������������������������������������� 13
V..S EGURANÇA E RISCOS PARA O REANIMADOR������������������������������������������������������������ 14

VI..A DESFIBRILHAÇÃO E O DESFIBRILHADOR AUTOMÁTICO EXTERNO����������������������15


1. DAE: O que é e para que serve����������������������������������������������������������������������������������� 15
2. Como usar um Desfibrilhador Automático Externo��������������������������������������������������� 15
3. SBVDAE com dois reanimadores�������������������������������������������������������������������������������� 17
4. Utilização de DAE em crianças������������������������������������������������������������������������������������ 18
5. Algoritmo de SBVDAE������������������������������������������������������������������������������������������������� 18
VII..P OSIÇÃO LATERAL DE SEGURANÇA���������������������������������������������������������������������������� 19
1. Posição Lateral de Segurança (PLS)���������������������������������������������������������������������������� 19
2. Técnica para colocar uma vítima em PLS�������������������������������������������������������������������� 19
VIII..O BSTRUÇÃO DA VIA AÉREA���������������������������������������������������������������������������������������21
1. Obstrução da Via aérea (OVA)������������������������������������������������������������������������������������ 21
2. Algoritmo de Desobstrução da Via aérea������������������������������������������������������������������� 22
IX..C ONSIDERAÇÕES SOBRE A VIA AÉREA E VENTILAÇÃO��������������������������������������������� 24
Adjuvantes da Via Aérea e técnicas�������������������������������������������������������������������������������� 24
X.112 - NÚMERO EUROPEU DE EMERGÊNCIA����������������������������������������������������������������� 27

XI..P ONTOS A RETER����������������������������������������������������������������������������������������������������������� 28

XII..R EGISTO NACIONAL DE PCR����������������������������������������������������������������������������������������29

XIII..S IGLAS��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 31

XIV..B IBLIOGRAFIA�������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 31
INEM
Suporte Básico de Vida e Desfibrilhação Automática Externa

I. INTRODUÇÃO

O presente Manual SBV-DAE resulta da necessidade de incorporar as mais recentes recomendações


emanadas pelo European Resuscitation Council (ERC) Guidelines 2015, relativamente ao suporte
básico de vida (SBV) e desfibrilhação automática externa (DAE), representando o estado da arte
quanto aos procedimentos a adotar perante uma vítima em paragem cardiorrespiratória (PCR).

A PCR é um acontecimento súbito, constituindo-se como uma das principais causas de morte
na Europa e nos Estados Unidos da América. Afeta entre 55-113 pessoas /100,000 habitantes,
estimando-se entre 350,000-700,000 indivíduos afetados por ano, só na Europa. A análise efetuada
aos equipamentos de DAE utilizados logo após uma paragem cardíaca, indica uma elevada
percentagem (76%) de vítimas com um incidente arrítmico particular: Fibrilhação Ventricular.  Está
demonstrado que a desfibrilhação precoce, realizada entre 3 a 5 minutos após o colapso da vítima,
resulta em taxas de sobrevivência de 50 a 70%. 

Constitui-se assim como fundamental a intervenção rápida de quem presencia uma PCR, com base
em procedimentos específicos e devidamente enquadrados pela designada Cadeia de Sobrevivência.
A Cadeia de Sobrevivência interliga os diferentes elos, que se assumem como vitais, para o sucesso
da reanimação: ligar 112, Reanimar, Desfibrilhar e Estabilizar.

Os procedimentos preconizados, quando devidamente executados, permitem diminuir


substancialmente os índices de morbilidade e mortalidade associados à PCR e aumentar, de forma
significativa, a probabilidade de sobrevivência da vítima.

Este curso apenas habilita a utilização de um desfibrilhador, quando devidamente integrado num
Programa de DAE licenciado pelo INEM.

4 | INEM
A Desfibrilhação Automática Externa em Portugal

II. A DESFIBRILHAÇÃO AUTOMÁTICA EXTERNA EM PORTUGAL

A desfibrilhação precoce enquanto objetivo Assim, e de acordo com o Decreto-Lei


é difícil de atingir, se efetuada apenas por 188/2009 de 12 de agosto, dependem
médicos, já que a PCR ocorre, na maioria das de licença, a instalação e utilização de
vezes, em ambiente pré-hospitalar. Face a esta equipamentos de DAE em:
realidade, foi instituída e/ou regulamentada,
em muitos países, a desfibrilhação por não
médicos. • Ambulâncias de Socorro ou Transporte
tripuladas por operacionais não
O International Liaison Committee On pertencentes ao INEM;
Resuscitation (ILCOR) recomenda que, • Em Locais de Acesso ao Público.
em muitas circunstâncias, profissionais
não médicos possam ser autorizados e
incentivados a utilizar desfibrilhadores Em 8 de agosto de 2012, foi publicada a
automáticos externos e o European primeira alteração ao Decreto-Lei 188/2009
Resuscitation Council defende que cada de 12 de agosto, através do Decreto-Lei
ambulância seja dotada de capacidade 184/2012 que veio tornar obrigatória a
de desfibrilhação automática externa. O instalação de equipamentos de DAE em
desenvolvimento técnico dos denominados determinados locais de acesso público,
“desfibrilhadores automáticos externos” nomeadamente nos estabelecimentos
(DAE) permite hoje a sua utilização segura, comerciais de dimensão relevante.
desde que operados por pessoal treinado
especificamente para o efeito. A instalação de DAE passou assim a ser
obrigatória nos seguintes locais:
• Estabelecimentos de comércio a
PROGRAMA NACIONAL DE DAE retalho, isoladamente considerados ou
(PNDAE) inseridos em conjuntos comerciais, que
O Programa Nacional de Desfibrilhação tenham uma área de venda igual ou
Automática Externa (PNDAE) foi desenvolvido superior a 2000 m2;
após a publicação do Decreto-Lei 188/2009
de 12 de agosto, que veio estabelecer as • Conjuntos comerciais que tenham uma
regras a que se encontra sujeita a prática de área bruta locável igual ou superior a
DAE por pessoal leigo, em ambiente extra- 8000 m2;
hospitalar.
• Aeroportos e Portos Comerciais;
Diz o decreto-lei que “o sistema agora criado • Estações ferroviárias, de metro e de
integra a DAE em ambiente extra-hospitalar camionagem, com fluxo médio diário
num contexto organizativo estruturado e com superior a 10 000 passageiros;
rigoroso controlo médico, com o objetivo de
minimizar, tanto quanto possível, os riscos • Recintos desportivos, de lazer e de
de utilização indesejável dos equipamentos. recreio, com lotação superior a 5000
Neste sistema, o papel central na regulação
da atividade de DAE em ambiente extra- pessoas.
hospitalar cabe ao Instituto Nacional de
Emergência Médica, I.P. (INEM).”
As entidades responsáveis pela exploração dos
locais de acesso público referidos disposeram
O INEM desenvolveu o PNDAE previsto do prazo de dois anos para o cumprimento
na legislação e, paralelamente, definiu integral do disposto no presente diploma,
os requisitos necessários quer para o contado da data da sua entrada em vigor, ou
licenciamento de programas de DAE quer seja, dia 1 de setembro de 2012.
para a acreditação de entidades ou escolas
de formação em Suporte Básico de Vida e
Desfibrilhação Automática Externa.

INEM | 5
Suporte Básico de Vida e Desfibrilhação Automática Externa

LICENCIAMENTO DE PROGRAMAS DAE

Várias instituições privadas e/ou públicas,


legitimamente preocupadas em melhorar
a resposta a dar a eventuais casos de
paragem cardiorrespiratória, adquiriram
ou pretendem adquirir Desfibrilhadores
Automáticos Externos para os colocarem nas
suas instalações ou viaturas. Naturalmente,
e em seguida, pretendem treinar os
seus colaboradores no manuseio destes
equipamentos, para que os possam utilizar
em caso de necessidade.

REQUISITOS ESSENCIAIS PARA O


LICENCIAMENTO DE UM PROGRAMA
DE DAE

• Existência de um médico responsável


pelo programa de DAE;
• O médico responsável pelo programa
de DAE deve possuir experiência
relevante em medicina de emergência
ou de urgência e/ou especialidade em
cardiologia, cuidados intensivos ou
anestesiologia;
• Existência de dispositivos de DAE;
• Dependendo da natureza do programa,
devem existir operacionais de DAE
em número suficiente para assegurar
o período de funcionamento do
programa de DAE;
• A formação em SBV e DAE dos
operacionais de DAE tem que ser
ministrada por entidades/escolas
acreditadas pelo INEM;
• Existência de um responsável pelo
controlo das necessidades formativas
para manter o programa;
• Existência de registos de todas as
utilizações dos DAE e que estes
possuam características que permitam
a posterior análise dessas utilizações;
• Existência de um permanente controlo
de qualidade de todas as etapas do
programa.

6 | INEM
A Cadeia de Sobrevivência

III. A CADEIA DE SOBREVIVÊNCIA

Fig. 1 - Cadeia de Sobrevivência.

A Cadeia de Sobrevivência é composta


por quatro elos de igual importância, que
traduzem o conjunto de procedimentos
vitais para recuperar uma vítima de
paragem cardiorrespiratória.

Ligar 112 - Reconhecimento Precoce


Chamar os serviços de emergência,
previamente à eventual ocorrência de Reanimar - Suporte Básico de Vida (SBV)
uma PCR, aumenta a probabilidade de precoce
sobrevivência da vítima.
No intervalo de tempo que decorre entre
O rápido reconhecimento de um enfarte ou a ativação e a chegada dos serviços de
de uma PCR é um fator fundamental para a emergência ao local da ocorrência, a
ativação dos serviços de emergência e, neste execução de manobras de SBV assume uma
último caso, para o rápido início de manobras importância fundamental. O reconhecimento
de Suporte Básico de Vida (SBV). da PCR refere-se a uma situação em que a
O número europeu de emergência nos países vítima está não reativa (não responde quando
da União Europeia é o 112. Em Portugal, estimulada) e não respira normalmente,
ao ligar 112, a resposta na área da saúde é pelo que devem ser iniciadas de imediato
assegurada pelos Centros de Orientação de manobras de reanimação, logo após ter sido
Doentes Urgentes (CODU), do INEM. efetuada a chamada para os serviços de
emergência.
O CODU desempenha um papel importante
no reconhecimento da PCR, bem como na O SBV consiste em duas ações principais:
instrução e acompanhamento das manobras compressões torácicas e insuflações. O início
de reanimação. Sempre que possível, este imediato de manobras de SBV pode, pelo
contacto deve ser realizado junto da vítima e menos, duplicar as hipóteses de sobrevivência
se o telefone tiver a função de alta voz, esta da vítima.
poderá ser acionada. As instruções podem ser Quem presencia um evento de PCR deve,
seguidas mantendo o diálogo com o operador quando treinado, iniciar de imediato
preparado para instruir o contactante de manobras de SBV, enquanto aguarda a
modo a que este, rapidamente, identifique chegada dos serviços de emergência. Sem
que a vítima está inconsciente e não respira treino em reanimação, o elemento que
normalmente. Uma respiração mais lenta, assiste a vítima deve realizar compressões
profunda e ruidosa, não deve ser confundida torácicas contínuas, instruído pelo CODU.
com uma respiração normal e deve ser Na maior parte dos casos o SBV não irá
entendido como a vítima estando em PCR. recuperar a função cardíaca, mas, se bem
O CODU deve dar indicação para iniciar realizado, prevenirá lesões de órgãos vitais
manobras de reanimação. e aumentará a probabilidade de sucesso dos
elos seguintes.

INEM | 7
Suporte Básico de Vida e Desfibrilhação Automática Externa

Estabilizar - Suporte Avançado de Vida


(SAV) precoce e cuidados pós-reanimação
O Suporte Avançado de Vida (SAV) com
recurso à abordagem diferenciada da via
aérea, utilização de fármacos e correção
das causas prováveis de PCR, são ações
fundamentais após a abordagem inicial da
PCR.

Desfibrilhar - Desfibrilhação precoce


Na maioria dos casos de PCR o coração
pára devido a uma perturbação do ritmo
designada fibrilhação ventricular (FV). O único
tratamento eficaz para a FV é a administração
de um choque elétrico (desfibrilhação). 
Cada minuto de atraso na desfibrilhação
reduz a probabilidade de sobrevivência entre
10 a 12%, sendo que nos casos em que o SBV é
realizado, o declínio da taxa de sobrevivência
é mais gradual (3-4%).

8 | INEM
Suporte Básico de Vida - Adulto

IV. SUPORTE BÁSICO DE VIDA - ADULTO

Tendo por base as recomendações do 2. AVALIAR O ESTADO DE CONSCIÊNCIA


European Resuscitation Council 2015, a
sequência de ações que compõem o algoritmo • Coloque-se lateralmente em relação à
de SBV tem como objetivo a simplificação de vítima, se possível. 
procedimentos, focando-se nos momentos
considerados críticos. O algoritmo apresenta- • Abane os ombros com cuidado e
se assim de forma lógica e concisa, tornando- pergunte em voz alta: “Está-me a
se fácil a qualquer pessoa a sua apreensão e ouvir?”
desempenho.
Mantém-se o reforço na garantia das condições
de segurança do reanimador e da vítima.
Reconhece-se igualmente que a avaliação
da reatividade da vítima, permeabilização da
via aérea, avaliação da ventilação e contacto
para os serviços de emergência, devem ser
executados numa breve sucessão.

1. AVALIAR AS CONDIÇÕES DE
SEGURANÇA: REANIMADOR, VÍTIMA E
TERCEIROS
Antes de se aproximar de alguém que possa
eventualmente estar em perigo de vida, o
reanimador deve assegurar-se primeiro de
que não irá correr nenhum risco:
Fig. 2 - Avaliação do estado de consciência.
• Ambiental (ex. choque elétrico,
derrocadas, explosão, tráfego);
• Toxicológico (ex. exposição a gás, fumo, No caso de vítima reativa:
tóxicos);
• Garanta a inexistência de perigo para a
• Infeccioso (ex. tuberculose, hepatite). vítima;
• Mantenha-a na posição encontrada;
Por vezes, o desejo de ajudar alguém que nos
parece estar em perigo de vida pode levar a • Identifique situações causadoras da
ignorar os riscos inerentes à situação. Se não aparente alteração do estado da vítima;
forem garantidas as condições de segurança
antes de se abordar uma vítima, poderá, em • Solicite ajuda (ligue 112), se necessário;
casos extremos, ocorrer a morte da vítima e • Reavalie com regularidade.
do reanimador.
Sendo a segurança a primeira condição na
abordagem da vítima, a mesma deve ser
garantida antes de iniciar essa abordagem No caso de vítima não reativa:
e ao longo de todo o processo: não deverá • Permeabilizar a Via Aérea (VA).
expor-se a si nem a terceiros a riscos que
possam comprometer a sua integridade física
enquanto reanimador.
A tipologia de riscos que aqui é apresentada
é extensível a outros momentos de interação
com as vítimas.

INEM | 9
Suporte Básico de Vida e Desfibrilhação Automática Externa

3. PERMEABILIZAR A VIA AÉREA


Em vítima inconsciente a queda da língua
pode bloquear a VA, pelo que esta deve ser
permeabilizada:
• Colocar a vítima em decúbito dorsal;
• Colocar uma mão na testa e inclinar a
cabeça para trás (extensão da cabeça);
• Elevar o queixo usando os dois dedos
da outra mão colocados debaixo do
queixo.
Estas duas últimas ações permeabilizam a VA.

Fig. 4 - Ver, Ouvir e Sentir (VOS).

Se a vítima respira normalmente coloque-a


em Posição Lateral de Segurança (PLS).

Fig. 3 - Permeabilização da via aérea.

A permeabilização da via aérea e o


restabelecimento da ventilação são objetivos
essenciais em SBV, com o propósito de evitar
lesões por insuficiente oxigenação dos órgãos
nobres, em particular do cérebro.
Fig. 5 - Posição Lateral de Segurança.

4. AVALIAR RESPIRAÇÃO
Mantendo a VA permeável, verificar se a
vítima respira normalmente, realizando o
Ver, Ouvir e Sentir até 10 segundos:
• Ver os movimentos torácicos;
• Ouvir os sons respiratórios saídos da
boca/nariz;
• Sentir o ar expirado na face do
reanimador.

10 | I N E M
Suporte Básico de Vida - Adulto

5. LIGAR 112 início de compressões torácicas, ao invés de


iniciar insuflações. 
Se a vítima não responde e não tem
respiração normal ative de imediato o
serviço de emergência médica, ligando 112: Para que as compressões torácicas sejam
• Quando liga 112 deve estar preparado corretamente realizadas, deverá:
para responder às questões: ONDE; O • Posicionar-se ao lado da vítima;
QUÊ; QUEM; COMO; • Certificar-se que a vítima está deitada
• Salienta-se que a presença de vários de costas, sobre uma superfície firme e
elementos no local deve ser utilizada plana;
para que um deles contacte os serviços • Afastar/remover as roupas que cobrem
de emergência, enquanto outro inicia o tórax da vítima;
as manobras de SBV;
• Posicionar-se verticalmente acima do
• Se estiver sozinho, o desejável é que tórax da vítima;
não abandone nem atrase o auxílio à
vítima, podendo utilizar o sistema de • Colocar a base de uma mão no centro
alta voz de um telemóvel para interagir do tórax (sobre a metade inferior do
com os operadores do CODU, enquanto esterno);
executa o SBV. • Colocar a outra mão sobre a primeira
entrelaçando os dedos;
• Manter os braços e cotovelos esticados,
com os ombros na direção das mãos;
6. REALIZAR COMPRESSÕES TORÁCICAS
• Aplicar pressão sobre o esterno,
Realize 30 compressões deprimindo o esterno
5-6 cm a uma frequência de pelo menos 100 deprimindo-o  5-6 cm a cada
por minuto e não mais que 120 por minuto. compressão (as compressões torácicas
superficiais podem não produzir um
fluxo sanguíneo adequado);
• Aplicar 30 compressões de forma
rítmica a uma frequência de pelo
menos 100 por minuto, mas não mais
do que 120 por minuto (ajuda se contar
as compressões em voz alta);
• No final de cada compressão garantir
a descompressão total do tórax sem
remover as mãos;
• Nunca interromper as compressões
mais do que 10 segundos (com o coração
parado, quando não se comprime o
Fig. 6 - Compressões Torácicas.
tórax, o sangue não circula).

No decurso da PCR o sangue que se encontra


retido nos pulmões e no sistema arterial
permanece oxigenado por alguns minutos.
São as compressões torácicas que mantêm o
fluxo de sangue para o coração, o cérebro e
outros órgãos vitais, pelo que é prioritário o

I N E M | 11
Suporte Básico de Vida e Desfibrilhação Automática Externa

enquanto observa a elevação do tórax


(deve durar cerca de 1 segundo, tal
como na respiração normal);
- Mantendo a inclinação da cabeça e
o queixo elevado, afaste-se da boca
da vítima e observe o tórax a baixar
quando o ar sai;
- Inspire novamente e volte a soprar na
boca da vítima para conseguir um total
de duas insuflações.
7. REALIZAR INSUFLAÇÕES
Após 30 compressões efetuar 2 insuflações.
• A insuflação quando eficaz provoca
elevação do tórax (semelhante à
respiração normal), devendo ter a
duração de apenas 1 segundo;
• Evitar insuflações rápidas e forçadas;
• A posição incorreta da cabeça pode
impedir a insuflação adequada por Fig. 7 - Insuflações boca-a-boca.

obstrução da via aérea; Se não se sentir capaz ou tiver relutância em


fazer insuflações, faça apenas compressões
• Na impossibilidade de utilizar um torácicas;
dispositivo na via aérea (máscara
Se apenas fizer compressões, estas devem ser
de bolso ou insuflador manual), contínuas, cerca de 100 - 120 por minuto (não
a insuflação “boca a boca” é uma existindo momentos de pausa entre cada 30
maneira rápida e eficaz de fornecer compressões).
oxigénio à vítima. O ar exalado pelo
reanimador contém aproximadamente
17% de oxigénio e 4% de dióxido de Insuflações com máscara de bolso:
carbono o que é suficiente para suprir Uma máscara de bolso pode ser utilizada por
as necessidades da vítima. leigos, com treino mínimo na realização de
insuflações, durante o SBV. Este dispositivo
Insuflações boca-a-boca: adapta-se à face da vítima, sobre o nariz e
boca, e possui uma válvula unidirecional que
• Posicionar-se ao lado da vítima; desvia do reanimador o ar expirado da vítima.
• Permeabilizar a Via Aérea (VA);
• Aplicar 2 insuflações na vítima, • O reanimador deve posicionar-se ao
mantendo a VA permeável: lado da vítima;
- Comprima as narinas usando o dedo • Permeabilizar a VA;
indicador e o polegar da mão que
colocou na testa; • Aplicar 2 insuflações na vítima,
mantendo a VA permeável:
- Permita que a boca se abra, mas
mantenha a elevação do queixo; • Colocar a máscara sobre o nariz e boca
- Inspire normalmente e coloque os da vítima (a parte mais estreita da
seus lábios em torno da boca da vítima, máscara de bolso deverá ficar sobre o
certificando-se que não há fugas; dorso do nariz e a parte mais larga da
- Sopre a uma velocidade regular máscara deverá ficar sobre a boca);
e controlada para a boca da vítima

12 | I N E M
Suporte Básico de Vida - Adulto

• Colocar o polegar e o indicador na parte


mais estreita da máscara;
• Colocar o polegar da outra mão na parte
mais larga da máscara e usar os outros
dedos para elevar o queixo da vítima,
criando uma selagem hermética;
• Soprar suavemente pela válvula
unidirecional durante cerca de 1
segundo (por cada insuflação), por
forma a que o tórax da vítima se eleve;
• Retirar a boca da válvula da máscara
8. MANTER SBV
após insuflar. 
• Mantenha as manobras de reanimação
(30 compressões alternando com 2
insuflações) até:
• Chegar ajuda diferenciada;
• Ficar exausto;
• A vítima retomar sinais de vida (vítima
desperta e reativa; movimento;
abertura espontânea dos olhos;
respiração normal).
Fig. 8 - Insuflações boca-máscara.
É raro reanimar a vítima (entenda-se presença
de sinais de vida) apenas com manobras de
SBV;
No final das duas insuflações, volte
rapidamente a colocar as suas mãos na Caso não tenha a certeza que a vítima
posição correta no esterno e repita mais 30 recuperou, mantenha SBV.
compressões torácicas.
9. ALGORITMO DE SBV

Fig. 9 -Algoritmo de SBV.

I N E M | 13
Suporte Básico de Vida e Desfibrilhação Automática Externa

V. SEGURANÇA E RISCOS PARA O REANIMADOR

Por vezes, o desejo de ajudar alguém que nos Intoxicações


parece estar em perigo de vida pode levar a Nas situações em que a vítima sofre uma
ignorar os riscos inerentes à situação. Se não intoxicação podem existir riscos acrescidos
forem garantidas as condições de segurança para quem socorre, nomeadamente no caso
antes de se abordar uma vítima poderá, em de intoxicação por fumos ou gases tóxicos.
casos extremos, ocorrer a morte da vítima e Para o socorro da vítima de intoxicação é
do reanimador. importante identificar o produto em causa e a
sua forma de apresentação (em pó, líquida ou
gasosa) e contactar o CODU ou o CIAV (Centro
de Informação Antivenenos) para uma
informação especializada, nomeadamente
quanto aos procedimentos a adotar. Em
caso de intoxicação por produtos gasosos
é fundamental não se expor aos vapores
libertados os quais não devem  ser inalados.
O local onde a vítima se encontra deverá ser
arejado ou, na impossibilidade de o conseguir,
a vítima deverá ser retirada do local.
Nas situações em que o tóxico é corrosivo
A tipologia de riscos que aqui é apresentada (ácidos ou bases fortes) ou em que possa ser
é extensível a outros momentos de interação absorvido pela pele, como alguns pesticidas, é
com as vítimas.  mandatório, além de arejar o local, usar luvas
e roupa de proteção para evitar qualquer
contacto com o produto, bem como máscaras
para evitar a inalação.
Se houver necessidade de insuflar a vítima
Acidente de viação com ar expirado deverá ser sempre usada
Se parar numa estrada para socorrer alguém máscara ou outro dispositivo com válvula
vítima de um acidente de viação deve: unidirecional, para não expor o reanimador
ao ar expirado da vítima. Nunca efetuar
• Sinalizar o local com triângulo de insuflação boca-a-boca.
sinalização à distância adequada;
Transmissão de doenças
• Ligar as luzes de presença ou
emergência;
A possibilidade de transmissão de doenças
• Usar roupa clara para que possa mais durante as manobras de reanimação, apesar
facilmente ser identificado (colete de diminuta, é real. Estão descritos alguns
refletor); casos de transmissão de infeções durante
a realização de insuflação boca-a-boca
• Desligar o motor para diminuir a (nomeadamente casos de tuberculose).
probabilidade de incêndio. O risco aumenta se houver contacto com
sangue infetado ou com uma superfície
cutânea com soluções de continuidade
Produtos químicos ou matérias perigosas (feridas). Durante a reanimação deve evitar
o contacto com sangue ou outros fluidos
No caso de detetar a presença desses corporais como: secreções respiratórias,
produtos e/ou matérias é fundamental secreções nasais, suor, lágrimas, vómito
evitar o contacto com essas substâncias sem e outros. O dispositivo “barreira” mais
as devidas medidas de proteção universais utilizado é a máscara de bolso, devendo
(ex. luvas, máscara) e evitar a inalação de existir o cuidado de minimizar as pausas
eventuais vapores libertados pelas mesmas. entre compressões ao mínimo indispensável,
aquando da sua utilização.

14 | I N E M
A Desfibrilhação e o Desfibrilhador Automático Externo

VI. A DESFIBRILHAÇÃO E O DESFIBRILHADOR AUTOMÁTICO


EXTERNO

A desfibrilhação precoce é fundamental para 2. COMO USAR UM DESFIBRILHADOR


vítimas de PCR súbita pelas seguintes razões: AUTOMÁTICO EXTERNO
• O ritmo inicial mais comum em casos
a) Ligue o DAE
de PCR (testemunhada) é a fibrilhação
ventricular (FV). Carregando no botão de On/Off (alguns
equipamentos ligam automaticamente ao
• Quando a FV está presente, o coração abrir a tampa) e siga as instruções visuais e
passa a apresentar apenas tremulação sonoras do DAE.
ineficaz e não bombeia o sangue;
• O único tratamento eficaz para a FV é a Garanta segurança do tórax assegurando os
desfibrilhação elétrica (aplicação de um cuidados necessários quando verificar:
choque para terminar a FV e retomar • Pelos em excesso, removendo-os com
um ritmo cardíaco eficaz). a lâmina de barbear para conseguir um
adequado contacto entre os elétrodos
A probabilidade de uma desfibrilhação ser adesivos e a pele da vítima.
bem-sucedida diminui rapidamente com
o passar do tempo. Quanto mais precoce • Pele molhada, secando-a rapidamente.
for a desfibrilhação, maior será a taxa Algumas vítimas podem ter o tórax
de sobrevivência. Sem manobras de SBV húmido (ex: sudorese, pré-afogamento,
precoces, a probabilidade de sobrevivência ocorrência à chuva, ...) o que, quando
a uma PCR com FV diminui 10-12% por
cada minuto em que a desfibrilhação não é aplicado o choque, faria divergir a
efetuada. corrente pela superfície do tórax,
diminuindo a eficácia da desfibrilhação.
Nenhuma vítima molhada deve ser
1. DAE: O QUE É E PARA QUE SERVE desfibrilhada. Se necessário, a vítima
O Desfibrilhador Automático Externo deve ser removida para local abrigado e
(DAE) é um dispositivo computorizado que só depois de secar convenientemente o
é conectado por elétrodos adesivos ao tórax poderá ter lugar a desfibrilhação.
tórax da vítima (que não responde e não
respira normalmente) e que após análise • Pensos transdérmicos, removendo-
da atividade elétrica cardíaca recomenda, os de qualquer ponto do tórax e
se necessário, a aplicação de um choque limpando a pele. Algumas vítimas
potencialmente capaz de reverter a situação.
Sempre que usados adequadamente, os DAE podem ter medicamentos de absorção
são extremamente seguros e fiáveis transcutânea na parede torácica, que
devem ser removidos de forma a
evitar faíscas ou queimaduras durante
Junto do DAE devem existir os seguintes a desfibrilhação, ou o bloqueio da
acessórios: transferência de energia para o coração.
• Pequena toalha/lenços/compressas; • Pacemaker e/ou CDI, colando
• Lâmina de barbear; os elétrodos afastados destes
equipamentos pelo menos 2,5cm.
• Máscara de reanimação; Algumas vítimas são portadoras de
• Luvas de proteção. pacemaker e/ou CDI (Cardioversor
Desfibrilhador Implantado).

I N E M | 15
Suporte Básico de Vida e Desfibrilhação Automática Externa

Geralmente são facilmente visíveis ou


palpáveis debaixo da pele do tórax, logo
abaixo da clavícula. Estes dispositivos
têm uma componente metálica que
caso seja aplicado um choque, poderá
absorver parte da corrente utilizada e
reduzir a eficácia da desfibrilhação.
d) Administre o choque em segurança
• Joalharia, removendo todas as peças de
metal que possam entrar em contato Uma das principais preocupações de qualquer
reanimador tem a ver com a segurança, não
com os elétrodos do DAE, pela mesma apenas com a sua própria segurança, mas
razão apresentada para os pacemaker também com a das vítimas e com a dos seus
e/ou CDI. No caso das peças não colegas de equipa.
removíveis, como os piercings, segue-se Os problemas relacionados com a segurança
o princípio de colar o elétrodo afastado podem ser atribuídos à falha do equipamento,
pelo menos 2,5cm. a erro do operador ou a uma deficiente
manutenção. Relativamente a este último
aspeto, o programa de manutenção deverá
corresponder às indicações do fabricante,
b) Coloque os elétrodos adesivos podendo por isso variar consoante o modelo
em causa.
Cole os elétrodos sobre a pele do tórax da
vítima e de acordo com as indicações do À equipa de reanimadores compete zelar
fabricante, colocando um elétrodo abaixo pelas condições de segurança no local e ao
da clavícula direita, e o outro abaixo da axila operador do equipamento em particular
esquerda. Por fim, conecte os elétrodos compete garantir o cumprimento das normas
ao equipamento (caso não estejam pré específicas da desfibrilhação.
conectados). O DAE iniciará automaticamente
o período de análise da atividade elétrica Segurança na Desfibrilhação:
cardíaca.
• Assegurar que ninguém está em
contacto com a vítima;
• Assegurar que a fonte de oxigénio está
afastada pelo menos a um metro da
área de desfibrilhação (se aplicável);
• Carregar no botão de choque verificando
que todos estão afastados (olhar em
redor para garantir que ninguém se
Fig. 9 - Cole os elétrodos no tórax da vítima.
aproxima da vítima no momento do
choque);

c) Garanta uma análise em segurança


Afaste-se da vítima e não permita que
alguém toque na mesma, nos cabos ou no
equipamento.
A interferência no processo de análise do
DAE, pode inviabilizar a identificação de um
ritmo desfibrilhável e conduzir a uma não
recomendação de choque, comprometendo
totalmente a recuperação da vítima. Da
análise, resultará sempre uma decisão do
DAE de choque ou não choque. Fig. 10 - Garanta a segurança na desfibrilhação.

16 | I N E M
A Desfibrilhação e o Desfibrilhador Automático Externo

A desfibrilhação dentro de elevadores está 3. SBVDAE COM DOIS REANIMADORES


desaconselhada.
A realização de SBV com dois elementos é
e) Inicie SBV reservada a reanimadores com treino para
tal, pois exige coordenação das manobras a
• De acordo com o algoritmo e seguindo realizar de forma a rentabilizar a sua execução
as orientações do DAE: e garantir simultaneamente a mínima perda
de tempo.
• De 2 em 2 minutos de SBV (5 ciclos de
30 compressões e 2 insuflações) o DAE
iniciará nova análise do ritmo cardíaco Organização de uma equipa de SBVDAE
e o processo deve ser repetido; com dois reanimadores:
• Caso a vítima apresente sinais de vida,
efetue o VOS. Se a vítima recuperou O papel que cada reanimador desempenha
pode ser definido da seguinte forma:
respiração normal e permanece
inconsciente, coloque-a em posição Reanimador 1: transporta o DAE; avalia
condições de segurança; avalia a vítima;
lateral de segurança e aguarde a chegada opera o DAE; segue os comandos do DAE;
de ajuda diferenciada vigiando-a. zela pela segurança; efetua manobras de SBV
quando indicado;
• Se a vítima não recuperou sinais de
vida, as manobras de SBVDAE devem Reanimador 2: avalia condições de segurança;
pede ajuda diferenciada; efetua manobras de
ser mantidas até ordem médica. SBV; zela pela segurança.

Troca de reanimadores em manobras de


SBV com dois reanimadores

A troca do elemento das compressões é


obrigatória e deve ser efetuada perdendo o
mínimo de tempo possível, a cada 2 minutos
de SBV (5 ciclos de 30:2).
Logo que complete a 5ª série de 30
compressões, o mesmo reanimador deve
Fig. 11 - Mantenha as manobras de SBVDAE até ordem médica. efetuar de seguida as duas insuflações.
Durante esse período o outro reanimador
Transporte da vítima com DAE localiza o ponto de compressão, para que,
uma vez terminada a segunda insuflação,
Numa vítima em PCR, com indicação para possa iniciar de imediato compressões.
transporte ao hospital, não desligue o DAE,
ignore as suas ordens e mantenha SBV. Se
durante um transporte a vítima entrar em
PCR, deve parar a viatura em segurança e
iniciar o protocolo de SBVDAE.

Fig. 12 - SBVDAE com dois reanimadores.

I N E M | 17
Suporte Básico de Vida e Desfibrilhação Automática Externa

4. UTILIZAÇÃO DE DAE EM CRIANÇAS Em crianças pequenas, ou se estiverem


apenas disponíveis elétrodos/placas de
Os DAE standard são adequados para crianças adulto, devem ser colocados nas paredes
com mais de 8 anos (ou mais de 25 Kg). Em anterior e posterior do tórax (evitando o
crianças entre 1 e 8 anos, utilizar um DAE contacto entre os dois elétrodos).
com sistema atenuador de corrente (aplicam
menor energia) e placas autoadesivas de
tamanho pediátrico, se disponíveis.

Não dispondo das placas e/ou sistema


atenuador de corrente, o DAE deve ser usado
tal como no adulto. Os Lactentes (menos de
1 ano de vida), têm uma menor incidência
de ritmos desfibrilháveis e a prioridade na
reanimação dever ser SBV de alta qualidade,
não devendo a utilização de um DAE atrasar
este SBV. Se um DAE for aplicado e aconselhar
um choque num lactente SEM SINAIS DE
VIDA, este deve ser administrado.

5. ALGORITMO DE SBVDAE

18 | I N E M
Posição Lateral de Segurança

VII. POSIÇÃO LATERAL DE SEGURANÇA

1. POSIÇÃO LATERAL DE SEGURANÇA 2. TÉCNICA PARA COLOCAR UMA


(PLS) VÍTIMA EM PLS
Nas situações em que a vítima se encontra
não reativa e com respiração eficaz, ou se Ajoelhe-se ao lado da vítima
tiverem sido restaurados os sinais de vida • Remova objetos estranhos ao corpo da
após manobras de reanimação, a manutenção
da permeabilidade da via aérea deverá ser vítima, os quais ao posicioná-la possam
obrigatoriamente garantida.  eventualmente causar lesões (ex:
óculos, canetas);
A PLS garante a manutenção da • Assegure-se que as pernas da vítima
permeabilidade da via aérea numa vítima estão estendidas;
inconsciente que respira normalmente:
• Diminuindo o risco de aspiração de
vómito;
• Prevenindo que a queda da língua
obstrua a VA;
• Permitindo a drenagem de fluidos pela
boca;
• Permitindo a visualização do tórax;
• Não estão demonstrados riscos
associados à sua utilização.

Fig. 13 - Estenda as pernas da vítima.

• Coloque o braço mais perto (do seu


lado) em ângulo reto com o corpo, com
o cotovelo dobrado e a palma da mão
virada para cima;

Se ao abordar a vítima ela:

Responde:
• Deixe-a como a encontrou;
• Procure quaisquer alterações;
• Solicite ajuda (ligue 112);
• Reavalie-a regularmente.

Estiver inconsciente e a respirar


normalmente
• Coloque-a em PLS. Fig. 14 - Coloque o braço da vítima em ângulo reto com o corpo.

I N E M | 19
Suporte Básico de Vida e Desfibrilhação Automática Externa

Role a vítima

Segure o braço mais afastado • Enquanto uma mão apoia a cabeça


a outra puxa a perna do lado oposto
• Segure o outro braço (mais afastado) rolando a vítima para o seu lado;
cruzando o tórax e fixe o dorso da mão
na face do seu lado; • Estabilize a perna de forma a que a anca
e o joelho formem ângulos retos;
• Incline a cabeça para trás assegurando
a permeabilidade da VA;
• Ajuste a mão debaixo do queixo, para
manter a extensão da cabeça;
• Reavalie regularmente a respiração (na
dúvida desfazer a PLS, permeabilizar a
VA e efetuar VOS até 10 segundos).
Fig. 15 - Coloque o dorso da mão da vítima na respectiva
hemiface, mais próxima do reanimador.

Fig. 17 - Vítima rodada - em PLS

Se trauma ou suspeita de trauma


Reafirma-se uma vez mais a contraindicação
da PLS no trauma ou na sua suspeita;
A proteção da coluna, garantindo o mais
possível do seu alinhamento, é fundamental
nestas situações e deve acontecer antes da
vítima ser mobilizada. 
Levante a perna do lado oposto
• Com a outra mão levante a perna do lado
oposto acima do joelho dobrando-a,
deixando o pé em contacto com o chão;

Fig. 16 - Levante a perna da vítima, dobrando-a.

20 | I N E M
Obstrução da Via Aérea

VIII. OBSTRUÇÃO DA VIA AÉREA

1. OBSTRUÇÃO DA VIA AÉREA (OVA) PODEMOS CLASSIFICAR A OVA QUANTO À


GRAVIDADE:
A obstrução da via aérea por corpo
estranho é pouco frequente, mas constitui-
se como uma causa de PCR acidental
potencialmente reversível. Normalmente LIGEIRA:
associada à alimentação e comumente
presenciada, as vítimas apresentam-se • Vítima reativa, capaz de falar, tossir e
inicialmente conscientes e reativas, pelo que respirar;
as oportunidades de intervenção precoce
podem de forma mais fácil resolver a situação. • Eventual ruído respiratório na
inspiração;

O reconhecimento precoce da obstrução • Mantém reflexo da tosse eficaz.


da via aérea é fundamental para o sucesso
da evolução  da situação de emergência.
É importante distinguir esta situação de GRAVE:
emergência do desmaio/síncope, do “ataque
cardíaco” (enfarte agudo do miocárdio), • Vítima incapaz de falar;
das convulsões, da overdose por drogas
e de outras condições que possam causar • Tosse fraca/ineficaz ou ausente;
dificuldade respiratória súbita, mas que • Respiração em “esforço” com ruído
requerem um tratamento diferente. O
reanimador treinado deve identificar sinais agudo alto à inspiração ou ausência
de obstrução da VA. total de ruído;
• Incapacidade de movimentar o ar;
O risco de OVA é mais elevado em vítimas • Cianose (coloração azulada ou violácea
que apresentem algumas das  seguintes
situações: redução do nível de consciência, da pele, especialmente da face e nas
intoxicação por álcool e/ou drogas, alterações extremidades, devida a deficiente
neurológicas com dificuldade de deglutição oxigenação do sangue);
e diminuição do reflexo da tosse, alterações
mentais, demência, dentição inexistente e • Agarra o pescoço com as mãos (sinal
idosos. universal de asfixia).

I N E M | 21
Suporte Básico de Vida e Desfibrilhação Automática Externa

2. ALGORITMO DE DESOBSTRUÇÃO DA  COMPRESSÕES ABDOMINAIS


VIA AÉREA As compressões abdominais devem
O algoritmo que a seguir se descreve aplica- ser aplicadas no caso de as pancadas
se tanto a adultos como a crianças com mais interescapulares não serem eficazes. Com a
de 1 ano de idade. vítima de pé ou sentada:
• Fique por detrás da vítima e circunde
PANCADAS INTERESCAPULARES
o abdómen da mesma com os seus
• Coloque-se ao lado e ligeiramente por braços;
detrás da vítima, com uma das pernas
• Incline a vítima para a frente;
encostadas de modo a ter apoio;
• Feche o punho de uma mão e
• Passe o braço por baixo da axila da
posicione-o acima da cicatriz umbilical,
vítima e suporte-a a nível do tórax com
com o polegar voltado contra o
uma mão, mantendo-a inclinada para a
abdómen da vítima;
frente, numa posição tal que se algum
objeto for deslocado com as pancadas • Sobreponha a 2.ª mão à já aplicada;
possa sair livremente pela boca; • Aplique uma compressão rápida para
• Aplique até 5 pancadas com a base da dentro e para cima;
outra mão na parte superior das costas, • Repita as compressões até que o objeto
ao meio, entre as omoplatas, isto é, na seja expelido da VA;
região interescapular;
• Aplique cada nova compressão (até
• Cada pancada deverá ser efetuada com 5) como um movimento separado e
a força adequada tendo como objetivo distinto;
resolver a obstrução;
• Após cada compressão abdominal
• Após cada pancada deve verificar se a deve verificar se a obstrução foi ou não
obstrução foi ou não resolvida; resolvida.
• Aplique até 5 pancadas no total.

Fig. 18 - Pancadas inter-escapulares Fig. 19 - Compressões abdominais (Manobra de Heimlich).

22 | I N E M
Obstrução da Via Aérea

VÍTIMA INCONSCIENTE POR OVA GRAVE


Alerta-se para o facto de, apesar do sucesso
No caso de a vítima ficar inconsciente das manobras, o corpo estranho responsável
as compressões torácicas devem ser pela obstrução poder ficar alojado nas vias
iniciadas logo que possível. A realização de aéreas e causar complicações mais tarde.
compressões torácicas resulta no aumento da Como tal, vitimas com tosse persistente,
pressão da via aérea, tal como as compressões dificuldade em engolir ou sensação de corpo
abdominais, traduzindo-se numa forma eficaz estranho ainda presente nas vias aéreas
de promover a desobstrução da via aérea. devem ser submetidas a observação médica.

Assim:
• Suporte/ampare a vítima colocando-a As compressões abdominais e as compressões
no chão em decúbito dorsal sobre torácicas quando aplicadas, pese embora
superfície rígida; o sucesso que resulte das mesmas, podem
causar lesões internas. Assim sendo, vítimas
• Ligue de imediato 112, ou garanta que submetidas a estas manobras devem
alguém o faça; igualmente ser sujeitas a observação médica.

• Inicie compressões torácicas e


insuflações (após 30 compressões,
tente 2 insuflações eficazes);
• Mantenha compressões e insuflações
até a vítima recuperar e respirar
normalmente ou até chegarem os
meios de emergência.

Algoritmo de Desobstrução da Via aérea

Fig. 20 - Algoritmo de Obstrução da Via Aérea.

I N E M | 23
Suporte Básico de Vida e Desfibrilhação Automática Externa

IX. CONSIDERAÇÕES SOBRE A VIA AÉREA E VENTILAÇÃO

ADJUVANTES DA VIA AÉREA E TÉCNICAS

Existem algumas técnicas com adjuvantes que


devem ser do conhecimento dos profissionais
de saúde envolvidos na prestação de socorro,
nomeadamente:
• Os tubos orofaríngeos evitam a queda
da língua, num doente inconsciente;
• A posição da cabeça e do pescoço
deve ser mantida com o objetivo de
conseguir o alinhamento da via aérea;
• Depois da colocação de um adjuvante
é necessário confirmar sempre o
resultado efetuando o VOS;
• É fundamental o conhecimento das
várias técnicas e adjuvantes para
uma correta utilização na prática: via
orofaríngea e aspiração.

Fig. 21 - Tubo de Orofaríngeo.

A - O Tubo Orofaríngeo
Técnica para colocação do tubo
O tubo orofaríngeo, também conhecido por orofaríngeo
Guedel, é um tubo de plástico curvo, rígido
e achatado que se ajusta bem entre a língua • Selecionar o tubo indicado;
e o palato duro. Existem vários tamanhos - • Abrir a boca e verificar se não existem
desde tubos para recém-nascidos até tubos
para adultos. corpos estranhos que possam ser
A escolha do tamanho do tubo deve ser feita empurrados para a faringe durante a
por medição prévia à sua colocação. introdução do tubo. Se forem visíveis,
retirá-los previamente à inserção do
• O tubo ideal tem o comprimento
tubo;
correspondente à distância entre
a altura dos incisivos e o ângulo da • Introduzir o tubo na cavidade oral em
mandíbula: posição invertida (com a parte côncava
virada para o palato), até passar o
• Se o tubo orofaríngeo for pequeno -
palato duro e então rodá-lo 180º, de
a parte distal do tubo não consegue
forma que a parte côncava fique virada
ultrapassar a base da língua e não
para a língua, e continuar a empurrar
produz o efeito de desobstrução;
suavemente em direção à faringe;
• Se o tubo for demasiado grande - pode
• Se a qualquer momento sentir que a
empurrar a língua para trás (a epiglote
vítima reage à introdução do tubo (ex.
contra o orifício glótico) e obstruir a
tossindo) deve retirá-lo de imediato;
passagem de ar para a traqueia;

24 | I N E M
Considerações sobre a Via Aérea e Ventilação

• Após a colocação do tubo orofaríngeo • Use o polegar e o indicador de uma


deve ser confirmada de novo a mão, em redor da máscara, formando
permeabilidade da via aérea, efetuando um “C” e pressionando os bordos da
o VOS; máscara contra a face da vítima;
• O tubo orofaríngeo nos lactentes e • Use os outros 3 dedos (o 3º, o 4º e o
crianças pequenas é introduzido na 5º) dessa mão, formando um “E” para
posição em que irá ficar na orofaringe elevar o ângulo da mandíbula/queixo;
(devido à fragilidade da orofaringe nas • Comprima o insuflador manual para
crianças, a sua introdução invertida tem realizar as insuflações (1 segundo cada),
o risco de provocar lesões). enquanto observa a elevação do tórax.

B - Insuflador Manual Insuflador manual com dois reanimadores:


Para aplicar insuflações eficazes, o reanimador
deve ser capaz de realizar a manobra de • Dois reanimadores podem realizar
extensão da cabeça e, então, pressionar a insuflações mais eficazes do que um
máscara contra a face da vítima, enquanto reanimador;
eleva o queixo. Quando possível, use a
técnica com dois reanimadores para abrir • Quando dois reanimadores utilizam
a VA, permitir uma selagem hermética que o insuflador manual, um reanimador
impeça a saída do ar entre a face e a máscara mantem a VA permeável e segura a
e aplicar insuflações eficazes, observando a
elevação do tórax. máscara contra a face da vítima (como
descrito acima), enquanto o outro
comprime o insuflador;
• Ambos os reanimadores devem
observar a elevação do tórax;

Fig. 22 - Insuflador Manual.

Insuflador manual com um reanimador:


• Posicione- se imediatamente atrás e
acima da cabeça da vítima;
• Coloque a máscara sobre a face da
vítima, usando o dorso do nariz como
guia para o correto posicionamento;
• Use a técnica do dois “Cs” e dois “Es”
para segurar a máscara em posição,
enquanto eleva o queixo para manter a
VA permeável:
• Realize a extensão da cabeça;

I N E M | 25
Suporte Básico de Vida e Desfibrilhação Automática Externa

C - Aspiração de Secreções D - Oxigénio


Nas situações de obstrução parcial da via aérea • Oxigénio (O2) suplementar pode ser
por um fluido – vómito, sangue ou secreções, administrado durante as manobras
é necessário proceder à aspiração da cavidade
bucal e da orofaringe, utilizando para tal um de SBV, quando se administram
aspirador de secreções e sonda adequada, insuflações;
de forma a manter a permeabilidade da via
aérea: • Pode ser administrado através de
máscara de bolso ou através de
• A aspiração de secreções deve ser feita insuflador manual;
de forma cuidada para não causar
traumatismos da mucosa da cavidade • Deve ser administrado O2 o mais
oral ou da faringe; precocemente possível;

• A sonda deve ser introduzida sem • O débito a administrar com insuflador


estar em aspiração e ser retirada em manual deverá ser de 10-15 L/min
aspiração ativa efetuando movimentos (para tal utilizar insuflador manual com
circulares suaves; saco reservatório acoplado à fonte de
oxigénio);
• Os aspiradores de secreções permitem
Muitas máscaras de bolso possuem conexões
selecionar diferentes pressões de específicas para se administrar oxigénio.
vácuo para utilização em adultos ou em
crianças.

Fig. 23 - Aspirador de secreções. Fig. 24 - Máscara de Bolso.

26 | I N E M
112 - Número Europeu de Emergência

X. 112 - NÚMERO EUROPEU DE EMERGÊNCIA

O número europeu de emergência progressiva do distrito de Lisboa e Setúbal,


em curso);
Criado em 1991, o número de emergência c) O Centro Operacional Açores (112COAZR),
nos países da união europeia é o 112. Não com responsabilidade de atendimento das
precisa de indicativo, é gratuito e pode ser chamadas da Região Autónoma dos Açores;
marcado a partir de dispositivos das redes d) O Centro Operacional Madeira
fixa (incluindo telefones públicos) ou móvel, (112COMDR), com responsabilidade de
tendo prioridade sobre as outras chamadas. atendimento das chamadas da Região
Deve ligar 112 quando presenciar uma das Autónoma da Madeira.
seguintes situações: doença súbita, acidente
de viação com feridos, incêndio, roubo/ Aos CO112 compete:
destruição de propriedade, agressão.
• O atendimento ao público, identificação
e caracterização das ocorrências;
Em Portugal, as chamadas realizadas para o
Número Europeu de Emergência - 112 são • O apoio especializado para situações
atendidas fundamentalmente em quatro especiais, ao nível de segurança pública,
centros operacionais (dois no continente e proteção civil ou emergência médica;
dois nas Regiões Autónomas). Este modelo
concentrou o atendimento, é único para todo • O encaminhamento das ocorrências
o território nacional e assenta na existência de para as entidades competentes visando
dois centros operacionais no continente (112
COSUL e 112 CONOR), um centro operacional o despacho dos meios de socorro.
na Região Autónoma da Madeira (112
COMDR) e um centro operacional na Região
Autónoma dos Açores (112 COAZR), estando A gestão operacional do serviço 112 compete
estes últimos interligados com o território à Direção Nacional da Polícia de Segurança
continental, garantindo assim capacidades Pública (PSP).
alternativas e de redundância entre todos os
centros operacionais.
No território do continente, nas situações
de emergência médica a chamada será
transferida para o Centro de Orientação
Os Centros Operacionais 112 (CO112): de Doentes Urgentes (CODU) do Instituto
Nacional de Emergência Médica (INEM).
• Os CO112 são distribuídos pelo
território nacional de modo a efetuar a
sua cobertura total.
• Os CO112, sem prejuízo da sua
redundância quando necessário,
compreendem:
a) O Centro Operacional Norte (112CONOR),
com responsabilidade de atendimento das
chamadas dos distritos de Aveiro, Braga,
Bragança, Coimbra, Guarda, Porto, Viana
do Castelo, Vila Real e Viseu (integração
progressiva dos vários distritos, em curso);
b) O Centro Operacional Sul (112COSUL),
com responsabilidade de atendimento
das chamadas dos distritos de Beja,
Castelo Branco, Évora, Faro, Leiria, Lisboa,
Portalegre, Santarém e Setúbal (integração

I N E M | 27
Suporte Básico de Vida e Desfibrilhação Automática Externa

Ao ligar 112/CODU: • Diga o que aconteceu e quando – O


• Procure manter-se calmo, de modo a quê?
facultar a informação relevante; • Quem está envolvido (número, género,
• Quando possível, deverá ser a vítima a idade das vítimas) – Quem?
fazer a chamada – ninguém melhor do • Diga quais as queixas principais, o que
que a própria para fornecer informação observa, situações que exijam outros
relevante; meios – Como?
• Aguarde que a chamada seja atendida • Responda às questões que lhe são
porque cada nova tentativa implica que colocadas;
a chamada fica no final da fila de espera; • Siga os conselhos do operador;
• Identifique-se pelo nome; • Não desligue até indicação do operador;
• Faculte um contacto telefónico que • Se a situação se alterar antes da chegada
permaneça contactável; dos meios de socorro, ligue novamente
• Indique a localização exata onde se 112.
encontra a(s) vítima(s) - sempre que
possível Freguesia, Código Postal,
pontos de referência – Onde? Só assim é possível otimizar o socorro às
vítimas.

XI. PONTOS A RETER

28 | I N E M
REGISTO NACIONAL DE PCR

XII. REGISTO NACIONAL DE PCR

Fig. 24 - Ficha de Registo Nacional de PCR. Frente

I N E M | 29
Suporte Básico de Vida e Desfibrilhação Automática Externa

Fig. 25 - Ficha de Registo Nacional de PCR. Verso.

30 | I N E M
Bibliografia

XIII. SIGLAS

CDI Cardioversor Desfibrilhador Implantado


CODU Centro de Orientação de Doentes Urgentes
CO112 Centro Operacional 112
DAE Desfibrilhador Automático Externo
ERC European Resuscitation Council
FV Fibrilhação Ventricular
ILCOR International Liaison Committee On Resuscitation
INEM Instituto Nacional de Emergência Médica
OVA Obstrução da via aérea
PCR Paragem Cárdio Respiratória
PLS Posição Lateral de Segurança
PNDAE Programa Nacional de Desfibrilhação Automática Externa
SAV Suporte Avançado de Vida
SBV Suporte Básico de Vida
SIEM Sistema Integrado de Emergência Médica
VA Via Aérea
VOS Ver, Ouvie e Sentir

XIV. BIBLIOGRAFIA

Manual de Suporte Básico de Vida, INEM, versão 2.0 – 1ª Edição 2012


Guidelines 2015 – European Resuscitation Council

I N E M | 31
SIEM
SISTEMA INTEGRADO DE
EMERGÊNCIA MÉDICA
SISTEMA INTEGRADO DE
EMERGÊNCIA MÉDICA
2

SIEM

1. o sistema
integrado de
emergência
médica
SIEM
3

Conjunto de ações coordenadas, de âmbito extra-


hospitalar, hospitalar e inter-hospitalar, que resultam da
INTERVENIENTES NO SIEM notas:

intervenção ativa e dinâmica dos vários componentes


São intervenientes no sistema:
do sistema de saúde nacional, de modo a possibilitar
• Público;
uma actuação rápida, eficaz e com economia de meios
• Operadores das Centrais de Emergência 112;
em situações de emergência médica. Compreende toda
• Técnicos dos CODU;
a atividade de urgência/emergência, nomeadamente
• Agentes da autoridade;
o sistema de socorro pré-hospitalar, o transporte, a
• Bombeiros;
receção hospitalar e a adequada referenciação do
• Tripulantes de ambulância;
doente urgente/emergente.
• Técnicos de ambulância de emergência;
• Médicos e enfermeiros;
• Pessoal técnico hospitalar;
FASES DO SIEM • Pessoal técnico de telecomunicações e de
informática.
Tendo como base o símbolo da ‘Estrela da Vida’, a cada
uma das suas pontas corresponde uma fase do SIEM.

Deteção
Corresponde ao momento em que alguém se apercebe
da existência de uma ou mais vítimas de doença
súbita ou acidente.

Alerta
É a fase em que se contactam os serviços de
emergência, utilizando o Número Europeu de
Emergência - 112.

Pré-socorro
Conjunto de gestos simples que podem e devem ser
efetuados até à chegada do socorro.
Figura 1

Socorro
Corresponde aos cuidados de emergência iniciais
efetuados às vítimas de doença súbita ou de acidente,
com o objetivo de as estabilizar, diminuindo assim a
morbilidade e a mortalidade.

Transporte
Consiste no transporte assistido da vítima numa
ambulância com características, tripulação e carga bem
definidas, desde o local da ocorrência até à unidade
de saúde adequada, garantindo a continuidade dos
cuidados de emergência necessários.

Tratamento na
Unidade de Saúde
Esta fase corresponde ao tratamento no serviço de
Figura 2: Bastão de Asclépio
saúde mais adequado ao estado clínico da vítima.
Em alguns casos excecionais, pode ser necessária a
intervenção inicial de um estabelecimento de saúde
onde são prestados cuidados imprescindíveis para Asclépio é o deus da medicina e da
a estabilização da vítima, com o objetivo de garantir cura da mitologia greco-romana.
um transporte mais seguro para um hospital mais O bastão de Asclépio, consiste num
diferenciado e/ou mais adequado à situação. bastão envolvido por uma serpente. É
um símbolo antigo, relacionado com a
astrologia e com a cura dos doentes
através da medicina.
Tornou-se o símbolo da medicina.
SISTEMA INTEGRADO DE
EMERGÊNCIA MÉDICA
4

SIEM

2.organização
do siem
Organização do SIEM
5

CODU
notas:

Compete ao CODU atender e avaliar no mais curto


espaço de tempo os pedidos de socorro recebidos,
com o objetivo de determinar os recursos necessários
e adequados a cada caso. O funcionamento do CODU
é assegurado em permanência por médicos e técnicos,
com formação específica para efetuar:
• O atendimento e triagem dos pedidos de socorro;
• O aconselhamento de pré-socorro, sempre que
indicado;
• A seleção e acionamento dos meios de socorro
adequados;
• O acompanhamento das equipas de socorro
no terreno;
• O contacto com as unidades de saúde, preparando
a receção hospitalar dos doentes.
Figura 3: Estrela da Vida
Ao ligar 112 deverá estar preparado para informar:
• A localização exata da ocorrência e pontos de
referência do local, para facilitar a chegada dos
A capacidade de resposta adequada, eficaz e em meios de socorro;
tempo oportuno dos sistemas de emergência médica às • O número de telefone de contacto;
situações de emergência, é um pressuposto essencial • O que aconteceu (ex. acidente, parto, falta de
para o funcionamento da cadeia de sobrevivência. ar, dor no peito);
• O número de pessoas que precisam de ajuda;
• Condição em que se encontra(m) a(s) vítima(s);
• Se já foi feita alguma coisa (ex. controlo de
O INEM hemorragia);
• Qualquer outro dado que lhe seja solicitado (ex.
O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) é se a vítima sofre de alguma doença ou se as
o organismo do Ministério da Saúde responsável por vítimas de um acidente estão encarceradas).
coordenar o funcionamento, no território de Portugal
continental, de um sistema integrado de emergência Siga sempre as instruções que lhe derem, elas
médica (SIEM), de forma a garantir aos sinistrados ou constituem o pré-socorro e são fundamentais para
vítimas de doença súbita a pronta e correta prestação ajudar a(s) vítima(s). Desligue o telefone apenas quando
de cuidados de saúde. A prestação de socorros no local lhe for indicado e esteja preparado para ser contactado
da ocorrência, o transporte assistido das vítimas para posteriormente para algum esclarecimento adicional.
o hospital adequado e a articulação entre os vários O CODU têm à sua disposição diversos meios de
intervenientes no SIEM (hospitais, bombeiros, polícia, comunicação e de atuação no terreno, como sendo
etc.), são as principais tarefas do INEM. as ambulâncias INEM, as motas, as VMER e os
A organização da resposta à emergência, fundamental helicópteros de emergência médica. Através da
para a cadeia de sobrevivência, simboliza-se pelo criteriosa utilização dos meios de telecomunicações
Número Europeu de Emergência - 112 e implica, a par ao seu dispor, o CODU têm capacidade para acionar
do reconhecimento da situação e da concretização de os diferentes meios de socorro, apoiá-los durante a
um pedido de ajuda imediato, a existência de meios de prestação de socorro no local das ocorrências e, de
comunicação e equipamentos necessários para uma acordo com as informações clínicas recebidas das
capacidade de resposta pronta e adequada. equipas no terreno, selecionar e preparar a receção
O INEM, através do Número Europeu de Emergência hospitalar dos diferentes doentes.
- 112, dispõe de vários meios para responder com
eficácia, a qualquer hora, a situações de emergência O INEM presta também orientação e apoio noutros
médica. campos da emergência tendo, para tal, criado vários
As chamadas de emergência efetuadas através do sub-sistemas: CODU-MAR e CIAV.
número 112 são atendidas em centrais de emergência
da Polícia de Segurança Pública (PSP). Atualmente,
no território de Portugal Continental, as chamadas que CODU MAR
dizem respeito a situações de saúde são encaminhadas O Centro de Orientação de Doentes Urgentes-Mar
para os Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU-MAR) tem por missão prestar aconselhamento
(CODU) do INEM. médico a situações de emergência que se verifiquem
a bordo de embarcações. Se necessário, o CODU-
MAR pode acionar a evacuação do doente e organizar
o acolhimento em terra e posterior encaminhamento
para o serviço hospitalar adequado.
SISTEMA INTEGRADO DE
EMERGÊNCIA MÉDICA
6

notas:
CIAV TRANSPORTE
O Centro de Informação Antivenenos (CIAV) é um
centro médico de informação toxicológica. Presta
INTER-HOSPITALAR
informações referentes ao diagnóstico, quadro clínico, PEDIÁTRICO (TIP)
toxicidade, terapêutica e prognóstico da exposição a O Subsistema de Transporte de Recém-Nascidos de
tóxicos em intoxicações agudas ou crónicas. Alto Risco e Pediatria é um serviço de transporte inter-
O CIAV presta um serviço nacional, cobrindo a totalidade hospitalar de emergência, permitindo o transporte e
do país. Tem disponíveis médicos especializados, 24 estabilização de bebés prematuros, recém-nascidos
horas por dia, que atendem consultas de médicos, e crianças em situação de risco de vida, dos 0 aos
outros profissionais de saúde e do público em geral. 18 anos de idade, para hospitais com Unidades de
Neonatologia, Cuidados Intensivos Pediátricos e/ou

AMBULÂNCIAS determinadas especialidades ou valências.

As ambulâncias de socorro coordenadas pelos CODU


As ambulâncias deste Subsistema dispõem de um
estão localizadas em vários pontos do país, associadas
Médico especialista, um Enfermeiro e um TAE, estando
às diversas delegações do INEM, estão também
dotadas com todos os equipamentos necessários
sediadas em corpos de bombeiros ou em delegações
para estabilizar e transportar os doentes pediátricos.
da Cruz Vermelha Portuguesa (CVP). A maior parte
das Corporações de Bombeiros estabeleceu com o
Em 2010 foi concluído o processo de alargamento do
INEM protocolos para se constituírem como Posto de
âmbito deste serviço ao transporte de todos os grupos
Emergência Médica (PEM) ou Posto Reserva. Muitas
etários pediátricos. Este serviço funciona 24 horas por
das Delegações da CVP são postos reserva do INEM.
dia, todos os dias do ano.
As ambulâncias PEM são ambulâncias de socorro do
INEM, que estão sediadas em corpos de Bombeiros
com os quais o INEM celebrou protocolos. Estas
ambulâncias destinam-se à estabilização e transporte
de doentes que necessitem de assistência durante o
transporte e cuja tripulação e equipamento permitem a
aplicação de medidas de suporte básico de vida (SBV)
e desfibrilhação automática externa (DAE). A tripulação
é constituída por dois elementos da corporação e, pelo
menos um deles, deve estar habilitado com o Curso de
Tripulante de Ambulância de Socorro (TAS). O outro
tripulante, no mínimo, deve estar habilitado com o Curso
de Tripulante de Ambulância de Transporte (TAT).
As ambulâncias SBV do INEM são ambulâncias
de socorro, igualmente destinadas à estabilização e
transporte de doentes que necessitem de assistência
durante o transporte e cuja tripulação e equipamento
permitem a aplicação de medidas de SBV e DAE.
São tripuladas por dois Técnicos de Ambulância de Figura 4: A mascote do INEM, o "Estrelinha"
Emergência (TAE) do INEM, devidamente habilitados
com os cursos de TAS, de DAE, e de Condução de
Emergência.
As ambulâncias de suporte imediato de vida (SIV)
do INEM constituem um meio de socorro em que,
além do descrito para as SBV, há possibilidade de
administração de fármacos e realização de atos
terapêuticos invasivos, mediante protocolos aplicados
sob supervisão médica. São tripuladas por um TAE
e um Enfermeiro do INEM, devidamente habilitados.
Atuam na dependência direta dos CODU, e estão
localizadas em unidades de saúde.
Figura 5: Ambulância TIP
Têm como principais objetivos:
• A estabilização pré-hospitalar e o
acompanhamento durante o transporte de vítimas
de acidente ou doença súbita em situações de
emergência.
• Transporte de doente crítico (inter-hospitalar).
Organização do SIEM
7

VMER notas:

As Viaturas Médicas de Emergência e Reanimação


(VMER) são veículos de intervenção pré-hospitalar,
concebidos para o transporte de uma equipa médica
ao local onde se encontra o doente. Com equipas
constituídas por um médico e um enfermeiro, dispõem
de equipamento para Suporte Avançado de Vida (SAV)
em situações do foro médico ou traumatológico.

Atuam na dependência direta dos CODU, tendo


uma base hospitalar, isto é, estão localizadas num Figura 6: Ambulância SBV
hospital. Têm como principal objetivo a estabilização
pré-hospitalar e o acompanhamento médico durante
o transporte de vítimas de acidente ou doença súbita
em situações de emergência.

HELICÓPTEROS
Os helicópteros de emergência médica do INEM
são utilizados no transporte de doentes graves entre
unidades de saúde ou entre o local da ocorrência e
a unidade de saúde. Estão equipados com material
de SAV, sendo a tripulação composta por um médico,
um enfermeiro e dois pilotos. Figura 7: Ambulância SIV

Figura 8: VMER

Figura 9: Helicóptero (vista anterior)

Figura 10: Helicóptero (vista lateral)


SISTEMA INTEGRADO DE
EMERGÊNCIA MÉDICA
8

notas:
MOTAS
As motas de Emergência são tripuladas por um TAE
e graças à sua agilidade no meio do trânsito citadino,
permitem a chegada mais rápida do primeiro socorro
junto de quem dele necessita. Reside aqui a sua
principal vantagem relativamente aos meios de socorro
tradicionais.
Naturalmente limitada em termos de material a deslocar,
a carga da moto inclui DAE, oxigénio, adjuvantes da
via aérea e ventilação, equipamento para avaliação
de sinais vitais e glicemia capilar entre outros. Tudo
isto permite ao TAE a adoção das medidas iniciais,
necessárias à estabilização da vítima até que estejam
reunidas as condições ideais para o seu eventual
transporte.

UMIPE Figura 11: Mota


A unidade móvel de intervenção psicológica de
emergência (UMIPE) é um veículo de intervenção
concebido para transportar um psicólogo do INEM
para junto de quem necessita de apoio psicológico,
como por exemplo, sobreviventes de acidentes graves,
menores não acompanhados ou familiares de vítimas
de acidente ou doença súbita fatal. É conduzida por um
elemento com formação em condução de veículos de
emergência. Atuam na dependência direta dos CODU,
tendo por base as Delegações Regionais.

Em caso de acidente ou doença súbita ligue, a qualquer hora, 112. A sua colaboração é essencial
para permitir um rápido e eficaz socorro às vítimas, pelo que é fundamental que faculte toda a
informação que lhe seja solicitada.

Ao ligar 112, esteja preparado para responder a:


O Quê? Onde? Como? Quem?

Os CODU coordenam:
• Ambulâncias de socorro dos Bombeiros e da CVP;
• Ambulâncias SBV e SIV do INEM;
• Motociclos de Emergência;
• UMIPE;
• VMER;
• Helicópteros.
Organização do SIEM
9
SISTEMA INTEGRADO DE
EMERGÊNCIA MÉDICA
10

SIEM

3. a cadeia de
sobrevivÊncia
A cadeia de sobrevivência
11

notas:

Figura 12: Cadeia de Sobrevivência

Salvar uma vida envolve uma sequência de passos.


Cada um deles influencia a sobrevivência. Esses
passos são frequentemente descritos como os elos
da “cadeia de sobrevivência”.

Reconhecimento precoce e
pedido de ajuda para prevenir
a paragem cardiorrespiratória
(PCR)
Os serviços de emergência devem ser chamados de
imediato se se suspeitar por exemplo de um enfarte
agudo do miocárdio, ou de uma PCR. O número
universal de emergência nos países da união europeia
é o 112.

SBV precoce para ganhar tempo


Se ocorrer uma PCR (o coração pára), iniciar
compressões torácicas e ventilações (SBV) de imediato
poderá duplicar as hipóteses da vítima sobreviver.

Desfibrilhação precoce para


reiniciar o coração
Na maioria dos casos de PCR o coração pára de
bater eficazmente devido a uma perturbação do
ritmo designada fibrilhação ventricular (FV). O único
tratamento eficaz para a FV é a administração de um
choque elétrico (desfibrilhação). A probabilidade de
sucesso da desfibrilhação decresce entre 7%-10%
por minuto após o colapso, a não ser que o SBV seja
realizado.

Cuidados pós reanimação para


recuperar com qualidade de vida
Após uma reanimação com sucesso os reanimadores
podem aumentar as possibilidades de recuperação.
Para os leigos, isto pode passar apenas pela
colocação da vítima em posição lateral de segurança.
Os profissionais de saúde devem usar técnicas
diferenciadas para otimizar a recuperação.
SISTEMA INTEGRADO DE
EMERGÊNCIA MÉDICA
12

SIEM

4. DESFIBRILHAÇÃO
AUTOMÁTICA
EXTERNA EM
PORTUGAL
DAE em Portugal
13

De acordo ainda com os princípios emanados em notas:

decreto-lei, a prática de atos de DAE por operacionais


não médicos, em ambiente extra-hospitalar, só é
permitida desde que se cumpram as seguintes
condições gerais: Prática do ato de DAE e Proramas
de DAE.

Prática do ato de DAE:

Figura 14

Figura 13: Simbologia internacional, assinala o local


• A prática de atos de DAE seja praticada sob
onde se encontra um DAE
supervisão médica;
A desfibrilhação precoce enquanto objetivo é difícil • Os atos de DAE estejam obrigatoriamente
de atingir se efetuada apenas por médicos, já que a inseridos em programas de DAE e integrados
paragem cardiorrespiratória (PCR) ocorre, na maioria no modelo de organização da cadeia de
das vezes, em ambiente pré-hospitalar. Face a esta sobrevivência previsto para Portugal;
realidade foi instituída e/ou regulamentada em muitos • Quem, perante uma situação de paragem
países a desfibrilhação por não médicos. cardiorrespiratória, pratica o ato de DAE deve
directamente ou através de qualquer outra pessoa
O International Liaison Committee On Resuscitation que designe para o efeito, ativar o primeiro elo
(ILCOR) recomenda que, em muitas circunstâncias, da cadeia de sobrevivência, comunicando ao
profissionais não médicos possam ser autorizados e INEM, a situação através do Número Europeu
incentivados a utilizar desfibrilhadores automáticos de Emergência – 112;
externos, e o European Resuscitation Council defende • Sempre que possível, a comunicação através do
que cada ambulância seja dotada de capacidade 112 deve ser prévia à prática de um acto de DAE.
de desfibrilhação automática. O desenvolvimento
técnico dos denominados “desfibrilhadores automáticos Programas de DAE:
externos” (DAE) permite hoje a sua utilização • Existência de um médico responsável pelo
segura desde que operados por pessoal treinado programa de DAE;
especificamente para o efeito. • Que o médico responsável pelo programa de
Numa declaração conjunta sobre a prática da DAE possua experiência relevante em medicina
desfibrilhação automática, o Conselho Português de de emergência ou de urgência, em cuidados
Ressuscitação e a Sociedade Portuguesa de Cardiologia intensivos ou em cardiologia;
assumiram para Portugal as recomendações do ILCOR, • Disponibilidade de dispositivos de desfibrilhação
e consideram que a utilização de DAE por não médicos automática externa;
“só pode ser autorizada e legalizada se integrada em • Dependendo da natureza do programa, existam
modelo organizativo que tenha controlo médico e operacionais de DAE em número suficiente (ex.
auditoria médica qualificados”. capazes de dar reposta em tempo oportuno)
para assegurar o período de funcionamento do
Em 12 de agosto de 2009 foi publicado o decreto- programa de DAE;
lei nº 188/2009, que estabelece as regras a que se • Existência de um responsável pelo controlo das
encontra sujeita a prática de atos de DAE por não necessidades formativas para manter o programa;
médicos, bem como a instalação e utilização de • Existência de registos de todas as utilizações dos
desfibrilhadores automáticos externos no âmbito quer DAE e que estes possuam características que
do sistema integrado de emergência médica (SIEM), permitam a posterior análise dessas utilizações;
quer de programas de desfibrilhação em locais de • Existência de um permanente controlo de
acesso ao público. qualidade de todas as etapas do programa.

De acordo com este decreto-lei, o ato de desfibrilhação,


ainda que realizado através de desfibrilhadores
automáticos, só pode ser realizado por não médicos
com a delegação de um médico, sob a sua supervisão
e desde que integrado num programa de desfibrilhação
automática externa previamente licenciado pelo INEM.
SISTEMA INTEGRADO DE
EMERGÊNCIA MÉDICA
14

SIEM

5. CRONOLOGIA DA
EMERGÊNCIA
MÉDICA
PRÉ-HOSPITALAR
EM PORTUGAL
Cronologia da Emergência Médica
15

1965 O médico cardiologista Francisco Rocha da Silva


assume a presidência do INEM.
notas:

Início, em Portugal, do socorro pré-hospitalar


São realizados os primeiros cursos de formação em
de doentes. O primeiro passo é dado através da
Técnicas de Emergência Médica, dirigidos a médicos
implementação do número nacional de socorro “115”
e enfermeiros, com colaboração de profissionais
que servia numa primeira fase para acudir a vítimas
estrangeiros.
de acidentes na via pública em Lisboa. Era acionada
São estabelecidas as bases de colaboração dos corpos
uma ambulância tripulada por polícias que efetuava
de bombeiros no SIEM. Este acordo foi negociado com
o transporte do doente para o Hospital. Nos anos
o Serviço Nacional de Bombeiros (SNB) e com a Liga
seguintes, este serviço estendeu-se ao Porto, Coimbra,
dos Bombeiros Portugueses (LBP).
Aveiro, Setúbal e Faro.

1971 1982
É iniciado no mês de março o primeiro “Curso para
É criado, a 22 de novembro, no Ministério do Interior
Tripulantes de Ambulância”, com a duração de cinco
e da Saúde e Assistência, o Serviço Nacional de
semanas completas. Durante este ano foram realizados
Ambulâncias (SNA) com o objetivo de “assegurar a
mais dois cursos deste tipo, para um total de 60
orientação, coordenação e eficiência das atividades
tripulantes.
respeitantes à prestação de primeiros socorros
Foram celebrados acordos com a PSP e o SNB e
a sinistrados e doentes, bem como ao respetivo
feitos os primeiros contactos com a Cruz Vermelha
transporte”. Foram criados os postos de Ambulâncias
Portuguesa (CVP) com vista à implementação efetiva
do SNA, dotados com ambulâncias medicalizáveis,
de um SIEM.
equipamento sanitário e de telecomunicações e
Foi realizada a cobertura, em termos de Emergência
entregues à colaboração da Polícia de Segurança
Médica, da primeira visita do Papa João Paulo II a
Pública (PSP) nas cidades de Lisboa, Porto, Coimbra
Portugal, no mês de maio.
e Setúbal. Nas restantes áreas, as ambulâncias foram
É criado, no mês de junho, o Centro de Informação
entregues a corporações de bombeiros.
Antivenenos (CIAV) do INEM, centro de elevado nível
técnico no apoio informativo e no aconselhamento
1977 ao tratamento a vítimas de intoxicações (dos
Portugal aderiu ao símbolo "Estrela da Vida" (desenhada medicamentos aos pesticidas e cosméticos) bem
por Leo Schwart em 1973). O SNA regista o direito como na orientação terapêutica e visão prognóstica
de uso exclusivo deste símbolo pelos serviços de aos clínicos, tanto no ambulatório como nas unidades
emergência médica portugueses hospitalares.

1980 1983
A Resolução nº 84 do Conselho de Ministros de 11 O INEM organiza vários tipos de formação como forma
de março cria o Gabinete de Emergência Médica de melhorar o sistema de socorro nacional. Elementos
(GEM) que tinha como principal objetivo desenvolver da PSP e dos bombeiros são abrangidos, num total
e coordenar um Sistema Integrado de Emergência de 1.496 participantes.
Médica (SIEM). Sai o número zero (0) da revista “Emergência Médica”,
O SNA organiza as primeiras jornadas de emergência do INEM. Custa 50 escudos.
médica.
Em 25 de agosto de 1980 é celebrado um protocolo
entre o Ministério da Saúde (através do GEM) e o
1984
É publicado o decreto-lei 278/84 de 13 de agosto que
Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos
cria o Conselho Nacional de Planeamento Civil de
Estados Unidos da América (EUA) que veio estabelecer
Emergência na dependência do Primeiro-Ministro.
um programa no campo da emergência médica pré-
O INEM passa a acompanhar comitivas de Chefes
hospitalar que visava apoiar a implementação do
de Estado e outras entidades internacionais de visita
sistema português.
a Portugal.

1981 1985
Através do decreto-lei 234/81 de 3 de agosto é criado o
Coube ao INEM a proteção na área da saúde a todas
INEM enquanto “organismo coordenador das atividades
as visitas oficiais ao país. Destacam-se de entre outras
de Emergência Médica a executar pelas diversas
individualidades, a Rainha de Inglaterra, Isabel II, e o
entidades do sistema”. É tutelado pelo Ministério dos
Presidente dos Estados Unidos da América, Ronald
Assuntos Sociais e da Saúde.
Reagan.
O SNA, então tutelado pelo Ministério da Defesa,
passa a integrar o INEM.
O INEM herda, fundamentalmente, as redes SNA de
telecomunicações (115) e de transporte (ambulâncias
disponibilizadas aos bombeiros e PSP) que cobriam
o território nacional.
SISTEMA INTEGRADO DE
EMERGÊNCIA MÉDICA
16

notas:
1987 do INEM, vendo o Instituto alargadas as suas
É fundado o Centro de Orientação de Doentes Urgentes responsabilidades.
(CODU) na sede do INEM em Lisboa. Em proximidade Os hospitais de São Francisco Xavier, em Lisboa, e
física com o CIAV, cedo justificou a sua importância no de Cascais, recebem cada um, uma VMIR.
SIEM com funções de centro orientador, regulador e
coordenador das ações de socorro. As chamadas de 1992
emergência passam a ser atendidas por 23 médicos Toma posse como Presidente do INEM o cirurgião
que encaminham cada caso 24 horas por dia. Foi João Luís Malato Correia.
inaugurado pela Ministra da Saúde, Leonor Beleza.
É criado o subsistema de transporte de recém-nascidos
na região de Lisboa. Destinava-se a socorrer recém- 1995
nascidos em risco de vida para transporte adequado A presidência do INEM passa a ser ocupada por
a uma unidade de neonatologia de referência. Ficou Custódio Joaquim Brás.
inicialmente sediado no Hospital de Santa Maria e, Inauguração, em setembro, do CODU Centro,
mais tarde, na Maternidade Alfredo da Costa. antecedida pela formação do pessoal médico e dps
operadores de central.
Início de atividade da VMIR do Centro Hospitalar de
1988 Vila Nova de Gaia.
Extensão do subsistema de transporte de recém- É decidida a criação de um sistema informático para
nascidos à região norte do país - Hospital de São João. o registo dos verbetes de socorro e transporte.
A prestação de socorro então limitado à via pública,
por razões logísticas, estende-se ao domicílio.
1996
É estabelecido um acordo com o Instituto de
1989 Engenharia de Sistemas e Computadores (INESC) com
Extensão do subsistema de transporte de recém- vista à implementação de um sistema de informação
nascidos à região centro do país. geográfica no CODU.
Entra em funcionamento a primeira Viatura Médica de É concebida a Viatura de Intervenção em Catástrofe
Intervenção Rápida (VMIR). Fica sediada em Lisboa, (VIC).
na Rua Infante D. Pedro, na Sede do INEM. Entra em funcionamento a VMIR do Hospital de Santo
A rede rádio das Ambulâncias 115 foi reestruturada com António, no Porto, num total de quatro entregues ao
nova aparelhagem e os hospitais foram incluídos no CODU Norte.
sistema de telecomunicações com meios mais eficazes. As VMIR passam a designar-se por Viaturas Médicas
de Emergência e Reanimação (VMER).
1990 Inicia-se no Verão o serviço de helitransporte de
É publicado o Decreto-Lei que institucionalizou o doentes com o patrocínio da OPEL e o apoio do
número 115 como Número Nacional de Socorro. Hospital de S. Francisco Xavier para a evacuação de
Começa a funcionar no CODU uma secção diferenciada, sinistrados e doentes urgentes na zona sul do País.
embora com a mesma filosofia, mas dirigida ao apoio Entra em funcionamento a VMER do CODU Centro,
aos doentes no mar: o CODU-Mar. Este serviço com Sede naquela delegação do INEM.
providenciava simultaneamente auxílio em questões
de evacuação marítima e de acolhimento em terra. 1997
Os técnicos de telecomunicações de emergência Dois helicópteros juntam-se à rede de meios do INEM.
passam a exercer funções no CODU, deixando os Sediados no aeródromo de Tires e no Hospital Pedro
Médicos de atender chamadas e ativar os meios de Hispano, no Porto, prestam serviço 12 horas por dia,
emergência. entre as 8 e as 20 horas.
Entra em funcionamento uma VMIR no eixo Amadora- Entram em funcionamento as VMER do Hospital de
Cacém. São João, no Porto, e do Hospital Garcia de Orta,
em Almada.
1991
É publicado o decreto-lei 153/91 de 23 de abril que 1998
revê o decreto-lei 278/84 de 13 de Agosto, que Tem início o processo para interligação das centrais
criara o Conselho Nacional de Planeamento Civil de de emergência 112 às centrais telefónicas do CODU.
Emergência na dependência do Primeiro-Ministro. É aplicado o protocolo entre o INEM e a PSP do Porto:
Esta nova legislação define um novo sistema nacional todas as chamadas relativas à saúde recebidas na
de planeamento civil de emergência e assegura, ao central 112 da PSP são transferidas para o CODU Norte.
mesmo tempo, a participação portuguesa na NATO. Inaugurado, em novembro, o Centro de Formação
É inaugurado o CODU Norte, abrangendo uma do Porto.
população de cerca de 1 milhão e 200 mil habitantes. Entra em funcionamento a VMER do Hospital da
É publicado o decreto-lei 326/91 de 31 de agosto que Figueira da Foz.
vem rever alguns ‘preceitos’ do diploma (decreto-lei
384/81 de 3 de agosto) que aprovou os estatutos
Cronologia da Emergência Médica
17

1999
notas:
do Sousa, Santarém, Santa Maria (Lisboa) e Chaves.
Os meios do INEM adotam a sua cor atual, o amarelo
Abertura da VMER do Hospital Pedro Hispano, no
RAL 1016.
Porto.
É iniciado o processo de desativação das ambulâncias
Estabelecido um protocolo de colaboração com a
operadas pela PSP.
Linha Saúde 24 (designada por Linha “Trim, Trim, Dói,
É criado o Centro de Apoio Psicológico e Intervenção
Dói”), criada para apoio pediátrico. Esta linha recorreu
em Crise (CAPIC), dirigido à população e às equipas
com frequência ao CIAV, colocando em contacto o
de emergência.
consultante com o médico de serviço no INEM.
Estão disponíveis mais três Viaturas de Intervenção
em Catástrofe, que ficam localizadas no Porto, em
2000 Coimbra e em Faro.
Inauguração do CODU Algarve, que recebe 34761 A mota passa a ser um dos meios de emergência ao
chamadas nesse ano. serviço do INEM.
A rede VMER alarga-se aos hospitais de Leiria, Guarda,
Viseu, Aveiro, Setúbal, Faro e Centro Hospitalar de
Coimbra.
2005
Abrem novas VMER nos Hospitais de Curry Cabral
e de Castelo Branco, e nos Centros Hospitalares da
2001 Cova da Beira (Covilhã) e do Médio-Tejo (Abrantes).
José Manuel França Gouveia torna-se o novo A Delegação Regional de Lisboa e Vale do Tejo muda
Presidente do INEM. de instalações, passando a funcionar junto à sede
Entra em funcionamento a VMER do Hospital do do INEM.
Barlavento Algarvio.
Início do registo nacional de paragem cardiorrespiratória
pré-hospitalar (RNPCR-PH).
2006
A Delegação Regional do Algarve muda de instalações
para um novo espaço com 12 áreas distintas, incluindo
2002 o CODU, respetiva zona de apoio, salas de formação
É alargado o horário de serviço dos 2 helicópteros e base para a tripulação das ambulâncias que operam
de emergência do INEM, passando a funcionar 24 no distrito de Faro.
horas por dia. A partir do mês de agosto, os CODU abrangem
Os Hospitais de Vila Franca de Xira e Caldas da Rainha 100 % da população nacional, assegurando um dos
passam a ter VMER. grandes objetivos do INEM: todas as chamadas 112
É publicado o primeiro número da Newsletter do INEM referentes à saúde passam a ser atendidas e tratadas
“Via Verde para a Vida”. por profissionais de saúde com formação específica.
Três novas VMER entram em funcionamento nos
2003 hospitais distritais de Bragança e Beja e no Centro
de Saúde de Albufeira.
A Delegação Regional do Norte do INEM inaugura
novas instalações, em março, com a presença do
Ministro da Saúde, Luís Filipe Pereira. 2007
Aprovada a Lei Orgânica do INEM, em julho. Realiza-se em Portugal o primeiro curso de Intervenção
Abertura da VMER do Hospital de Guimarães. Psicológica em Situações de Crise/Catástrofe, dirigido
As VIC são reformuladas, passando a dispor de um a psicólogos da Segurança Social e do Exército,
Posto Médico Avançado e de uma célula autónoma assim como a Técnicos de Ambulância do INEM e
de telecomunicações. licenciados em Psicologia.
Os CODU do INEM passam a abranger 75% da Entram em funcionamento as VMER do Hospital
população. do Espírito Santo em Évora e do Hospital Dr. José
É criado o Centro de Intervenção e Planeamento de Maria Grande em Portalegre. Todos os distritos do
Situações de Exceção (CIPSE), estrutura não formal país passam assim a dispor de um meio de suporte
focada no planeamento na área da catástrofe. avançado de vida do INEM.
Após o sismo que assolou a cidade de Bam, no Irão, o Revisão da Lei orgânica do INEM aprovada pelo
INEM enviou uma equipa de 10 elementos que assistiu decreto-lei 220/2007 de 29 de maio que define a
um total de 273 vítimas. missão e as atribuições do INEM.
É instalada uma ambulância piloto de suporte
2004 avançado de vida no Alentejo (SAV), com vista à
futura implementação do modelo de ambulâncias de
Em fevereiro, Luís Manuel Cunha Ribeiro assume a
suporte imediato de vida (SIV).
presidência do INEM.
O American Journal of Emergency Medicine, publicação
Início do Programa de Desfibrilhação Automática
de referência mundial na área da emergência médica,
Externa (PDAE) do INEM
publica um artigo do INEM sobre a experiência nacional
Entram em funcionamento as VMER dos Centros
de utilização das motas de emergência.
Hospitalares do Alto Minho (Viana do Castelo) e Vila
É lançada a campanha publicitária “Seja mais rápido
Real (Peso da Régua) e dos Hospitais de Braga, Vale
que…” pelo Alto Comissariado da Saúde com o apoio
SISTEMA INTEGRADO DE
EMERGÊNCIA MÉDICA
18

do INEM, sensibilizando a população para os sinais


2011
notas:

de alerta de acidente vascular cerebral e enfarte.


Alargamento, nos meses de janeiro, abril e dezembro,
A delegação regional de Coimbra muda de instalações.
da rede de desfibrilhação automática externa a 330
Ficam concentrados num único edifício os serviços de
Corporações de Bombeiros, reforçando-se a parceria
coordenação, administração e logística da delegação
estratégica com os nossos parceiros do SIEM e
regional, bem como o CODU e o centro de formação.
expansão do PDAE do INEM a mais 104 locais de
Entram em funcionamento, em outubro, as primeiras
acesso ao público.
quatro ambulâncias SIV no Alentejo, no âmbito do
Acreditação, ao longo do ano, do programa de formação
projeto do Ministério da Saúde de requalificação das
em SBV e DAE a mais 9 entidades, em TAT a mais
urgências – Odemira, Estremoz, Moura e Elvas.
4 entidades e em TAS ao Regimento de Sapadores
Bombeiros, expandindo-se a capacidade formativa

2008 na vertente da Emergência Médica.


Criação, no mês de janeiro, do serviço de transporte
Entra em funcionamento, em janeiro, a VMER do
inter-hospitalar pediátrico (TIP) na região norte do
Hospital de São José em Lisboa.
país, que passa a incluir o subsistema de transporte
O Coronel Abílio António Ferreira Gomes assume o
de recém-nascidos de alto risco.
cargo de Presidente do INEM.
Em abril é assinado um protocolo entre o INEM e os
O CAPIC passa a garantir a presença de um psicólogo
serviços de sangue e da transplantação para utilização
no CODU 24 horas por dia.
dos helicópteros do INEM para transporte de Tecidos
Em maio, entra em funcionamento a VMER de Barcelos
e Células para transplantação, aumentando-se a
sediada no Hospital de Santa Maria Maior.
eficiência destes meios de emergência e melhorando
a resposta do serviço nacional de saúde (SNS) a esta
2009 premente necessidade.
Entram em funcionamento duas novas VMER com base O INEM passa a reconhecer aos doentes transportados
no Centro Hospitalar de Torres Vedras e no Centro em ambulâncias do Instituto o direito de serem
Hospitalar do Médio Ave, em Famalicão. acompanhados por familiar ou por pessoa de sua
É publicado o decreto-lei 188/2009 de 12 de agosto, relação, um passo que representa uma maior abertura
que veio regulamentar a utilização de Desfibrilhadores ao cidadão por parte dos serviços prestados pelo INEM.
Automáticos Externos por leigos. No dia 1 de junho, três motociclos de emergência
Entra em funcionamento, no mês de setembro, a VMER entram em funcionamento nas cidades de Braga,
do Hospital do Litoral Alentejano – Santiago do Cacém. Coimbra e Faro.
Entra em funcionamento a Ambulância de Suporte Início da integração dos meios de emergência pré-
Avançado de Vida Pediátrico sediada no Hospital de hospitalares na rede de serviços de urgência permitindo
Santa Maria. a sua gestão conjunta por parte do INEM e serviços
A 3 de dezembro é inaugurado o 1º Programa de de urgência hospitalares.
Desfibrilhação Automática Externa em espaços A ambulância de suporte imediato de vida (SIV) de
públicos, no concelho de Guimarães. Ponte de Sor entra, no mês de julho, em funcionamento
no serviço de urgência básica de Ponte de Sor.

2010 Colocação em todos os meios de emergência do


INEM, do registo clínico eletrónico – Mobile Clinic e
A 1 de abril, três novos Helicópteros do INEM entram
do sistema de apoio à navegação - Navigator INEM.
em funcionamento nas bases de Macedo de Cavaleiros,
Criação do CODU Nacional colocando-se um fim às
Santa Comba Dão e Loulé.
diferenças regionais no atendimento das chamadas
O INEM recebe da APCER, no mês de julho, a
de emergência – 112. O tempo de atendimento das
Certificação do Sistema de Gestão da Qualidade de
chamadas foi reduzido de 13 segundos em 2010 para
acordo com a norma NP EN ISO 9001, no âmbito da
7 segundos em 2011.
formação em emergência médica e acreditação de
Início do processo de acreditação do INEM segundo o
entidades para a formação.
modelo nacional e oficial de acreditação do Ministério
Miguel Soares de Oliveira assume o cargo de
da Saúde, um processo que permite ao Instituto ser
Presidente do INEM.
avaliado, externamente, na sua capacidade para
No mês de dezembro, 30 corporações de bombeiros
alcançar standards internacionais.
recebem desfibrilhadores automáticos externos
O PDAE do INEM foi galardoado, em outubro, com o 1.º
e formação em suporte básico de vida (SBV) e
Prémio Nacional de Boas Práticas em Saúde, atribuído
desfibrilhação automática externa (DAE) no âmbito
pela Associação Portuguesa para o Desenvolvimento
do PDAE do INEM.
Hospitalar e pela Direcção-Geral da Saúde.
Publicado, a 3 de novembro, o despacho 14898/2011 do
Gabinete do Secretário de Estado Adjunto do Ministro
da Saúde, que define os meios de emergência pré-
hospitalares de Suporte Avançado (caso das VMER)
e Imediato de Vida (caso das Ambulâncias de Suporte
Imediato de Vida) do INEM bem como as bases gerais
da sua integração na rede de serviços de urgência.
Cronologia da Emergência Médica
19

O INEM é premiado, no mês de novembro, com nova notas:

distinção. Desta vez, o 3º lugar na categoria “Qualidade


em Saúde - Acreditação” do Fórum Hospital do Futuro.
O projeto, designado de “Qualificar para Salvar”, foi o
da Certificação pela norma ISO 9001 do Departamento
de Formação em Emergência Médica (DFEM) e dos
Centros de Formação do INEM.

2012
É publicada a 14 de fevereiro, pelo decreto-lei 34/2012,
a lei orgânica do INEM. De entre as alterações
verificadas, destaca-se o reforço das atribuições
relativas à definição, coordenação e certificação da
formação em emergência médica dos elementos
do SIEM, e a manutenção da estrita fiscalização da
atividade de transporte de doentes.
No mês de março, o INEM é galardoado com mais um
prémio de boas práticas no sector da saúde, desta
feita o "1º Prémio Kaizen Lean 2011 - Excelência no
Sector da Saúde". O projeto premiado foi o "Centro de
Orientação de Doentes Urgentes (CODU) - Nacional".
Em Outubro, a Agência da Calidad Sanitaria da
Andalucia (ACSA) concedeu ao INEM a Certificação
de Qualidade de Nível Avançado. Esta certificação
seguiu o modelo adotado pelo Ministério da Saúde
Português para a Acreditação de Unidades de Saúde
e abrange a totalidade da atividade de emergência
médica do INEM (Centros de Orientação de Doentes
Urgentes e meios de emergência médica).
SIEM
Versão 2.0
1ª Edição, 2013