Você está na página 1de 40

2018

Química
FORMULÁRIO DE QUÍMICA INORGÂNICA

1. Estrutura Atômica ...................................................................................................................................................... 2


2. Números Quânticos .................................................................................................................................................. 4
3. Tabela Periódica ........................................................................................................................................................ 5
4. Ligações Químicas ................................................................................................................................................... 5
5. Funções Inorgânicas ................................................................................................................................................ 6
6. Teorias Ácido-Base ................................................................................................................................................. 10
7. Conceitos Fundamentais ........................................................................................................................................ 10
8. Estequiometria ........................................................................................................................................................ 10
9. Soluções ................................................................................................................................................................... 11
10. Propriedades Coligativas ......................................................................................................................................... 11
11. Termoquímica .......................................................................................................................................................... 12
12. Cinética Química ..................................................................................................................................................... 13
13. Equilíbrio Químico ................................................................................................................................................... 13
14. Equilíbrio Iônico ....................................................................................................................................................... 14
15. Eletroquímica .......................................................................................................................................................... 16
Pilha ......................................................................................................................................................................... 16
Tabela dos Potenciais-Padrão de Oxidação .......................................................................................................... 17
Eletrólise .................................................................................................................................................................. 17
16. Radioatividade ......................................................................................................................................................... 22

AUTOR: PEDRO CESAR G. FIORETT


“TODOS OS DIREITOS RESERVADOS POR CURSO PH LTDA.”
1
Química
FORMULÁRIO DE QUÍMICA INORGÂNICA
1. ESTRUTURA ATÔMICA

O que é um modelo atômico?

Os modelos atômicos são teorias baseadas em fatos e evidências experimentais para explicar como é o átomo.
Muitos cientistas desenvolveram modelos que posteriormente foram evoluindo até chegar ao modelo atual.

Modelo de Dalton

• A matéria é constituída de pequenas partículas indivisíveis e maciças denominadas átomos que não podem ser
criados nem destruídos.
• Em reações químicas os átomos simplesmente se rearranjam, não são criados nem destruídos.
• Átomos de um mesmo elemento químico apresentam as mesmas propriedades.

Modelo de Thomson

O átomo era esférico e maciço com estrutura não uniforme formado por um fluido de carga positiva no qual estavam
dispersos os elétrons, o que garantiria a neutralidade do átomo. Seu modelo ficou conhecido como “pudim de passas”.
Esfera
positiva

Elétron

Representação do modelo
atômico de Thomson.

Modelo de Rutherford

Rutherford realizou um experimento no qual bombardeou uma finíssima lâmina de ouro com partículas alfa emitidas
pelo elemento radioativo polônio.

Po
Partículas (positivas)

Bloco de Pb
Lâmina de Au

Anteparo com ZnS


Observou:
• A maior parte das partículas alfa atravessou a lâmina de ouro sem sofrer desvio.
• Poucas partículas alfa sofreram desvios de trajetória.

Concluiu:
• A maior parte do átomo deveria ser constituída de espaços vazios.
• Há uma região central pequena de carga positiva.

2
Química

Segundo Rutherford, o átomo não é maciço. É constituído de um região central pequena, densa e com carga positiva,
o núcleo, rodeado por uma região praticamente sem massa, a eletrosfera. O átomo seria semelhante ao sistema solar.

Núcleo
Elétron, partícula com carga
elétrica negativa.

Nêutron, partícula
eletricamente neutra.

Próton, partícula com carga


elétrica positiva

Modelo de Böhr ou Modelo de Rutherford-Böhr

Böhr, baseado no modelo de Rutherford, propôs um modelo atômico mais completo que apresenta as seguintes
características.
• Os elétrons movimentam-se em trajetórias circulares* chamadas níveis ou camadas.
• Em cada órbita circular ou camada o elétron apresenta energia constante.
• Quando um elétron absorve energia, ele salta para uma órbita mais afastada do núcleo e quando retorna libera
uma quantidade de energia na forma de onda eletromagnética.

* Posteriormente Sommerfeld concluiu que apenas uma órbita


1 2 é 3circular, as demais são elípticas.
1H 1H 1H


Núcleo  prótons (p)
 nêutrons (n)

Átomo

 Eletrosfera - elétrons (e)

Absorve energia

E
1234567 e
1234567
1234567
1234567
1234567
+
1234567 E
núcleo
e
Irradia energia

A Número atômico : Z Isótopos Isóbaros Isótonos


X 40 40 35
15 X ; 40
20Y
19 X , 20Y
Z
Número de massa : A
Prótio

Deutério

Trítio

A=Z+n (n = 20)
Número de nêutrons : n

- Massa atômica: é calculada pela média ponderada dos números de massa dos isótopos.
Obs.: Água pesada é a água rica em óxido de deutério. Sua fórmula é  H O ou D O
2
1 2 2

3
Química

2. NÚMEROS QUÂNTICOS

Símbolo Nº Quântico Signi?cado


Significado Valores

n Principal Nível de energia 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7

 Secundário Subnível de energia 0, 1, 2, 3

m Magnético Orbital Localização do Orbital -3, -2, -1, 0, +1, +2, +3

s Magnético de Spin Giro do Elétron - ½  e + ½ 

n Símbolo Nº máximo de elétrons


1 K 2  Símbolo Nº Máx. de elétrons Nº de Orbitais

2 L 8 0 s 2 1
3 M 18
1 p 6 3
4 N 32
2 d 10 5
5 O 32
6 P 18 3 f 14 7

7 Q 8

Orbital: Região no espaço onde há probabilidade máxima de se encontrar o elétron.

1s2s2p3s3p4s3d4p5s4d5p6s4f5d6p7s5f6d7p

Regra de Hund
nº de elétrons
 ex.:
4d6 4d 7     

nível subnível


3
3p  

Obs1.: Princípio da exclusão de Pauli: no mesmo orbital pode haver no máximo 2 elétrons de spins contrários.
Obs2.: Elétron diferenciador  subnível mais energético.
Obs3.: Elétron mais externo ou elétron de valência  nível mais externo.
Obs4.: Elétron desemparelhado  sozinho dentro de um orbital.
Obs5.: Nem sempre o mais externo é o mais energético.
5s    E = 5
4s  n = 4 e  = 2  E = n +   E = 6
5s é o mais externo pois n = 5, maior que o n do 4d, que é quatro. Já a energia (E = n + ) do 4d é maior.
4
Química

3. TABELA PERIÓDICA

- Propriedades Periódicas  em ordem crescente.

Afinidade Eletrônica Eletronegatividade

Energia liberada ao se adicionar Tendência de um átomo em


um elétron. receber elétrons.

Potencial de Ionização Raio atômico

Energia necessária para retirar Metade da distância entre o núcleo


um elétron. de dois átomos.

Obs.: Em caso de íons isoeletrônicos (mesmo nº de elétrons), quanto maior a carga nuclear (Z), menor o raio do íon.

4. LIGAÇÕES QUÍMICAS

Propriedades dos Compostos Exemplo

Iônica, Eletrovalente ou P.F. e P.E.



elevados
Heteropolar (transferência e
– +2 –1
Agregado Iônico



de e )
Ca Cl


Sólido na temperatura ambiente 2
metal + ametal
Conduz eletricidade fundido ou aquoso
(cátion) (ânion)

P.F. e P.E. baixos


Covalente ou Molecular ametal + ametal Polares e Apolares H 2O (polar)

(compartilhamento de e ) H + ametal O 2 (apolar)
Não conduz eletricidade puro

Metálica P.F. e P.E. elevados


(cátions imersos em metal + metal Bons condutores de eletricidade e calor Cu, Zn, Latão (Cu + Zn)
nuvem de elétrons) Brilho metálico

Dipolo Permanente Moléculas Polares ‘‘Média’’ atração HCl

Ligações de Hidrogênio H + F, O, N Elevados P.F. e P.E. H2O, NH3


Forte atração
Dipolos instantâneos, molécula apolar
Dipolo-Induzido Moléculas Apolares O2 , CO 2
Fraca atração - baixo P.F. e P.E.

Hibridação de Orbitais Ângulo entre híbridos Estrutura geométrica Exemplos

sp 3 109º28' Tetraédrica CH4

sp 2 120º Trigonal plana C2 H 4 , BF3

sp 180º Linear C 2 H2 , CO 2

5
Química

Obs.: Ligações sigma () e pi()

  frontal e mais forte,  paralela

As ligações não são necessariamente nesta ordem.

Geometria molecular

O
H2O (angular):  (polar) BF3 (trigonal plana): (apolar)
H 105º
H

N
NH3 (piramidal): (polar)
H H
H

CO2 (linear): O C O (apolar)


CH4 (tetraédrica): (apolar)

Obs.: Íon hidrônio (H3O+)

H2O + H+  H3O+

 
Íon amônio NH4

NH3 + H+  NH4+

5. FUNÇÕES INORGÂNICAS

5.1. Óxido: composto binário oxigenado onde o oxigênio é o elemento mais eletronegativo.

H O

2
 Ácido (oxiácido)
Óxido ácido Ex: CO2 + H2O  H2CO3
ou
anidrido CO2 + 2 KOH  K2CO3 + H2O
 Base
 
 Sal + H2O
deve-se adicionar H2O ao anidrido.
H O

2
 Base (hidróxido)
Ex: CaO + H2O  Ca(OH)2
Óxido básico
CaO + 2 HF  CaF2 + H2O
 Ácido
  Sal + H2O

Óxido ácido + óxido básico  Sal Ex: N2O5 + CaO  Ca(NO3)2


deve-se adicionar H2O ao anidrido.
 Ácido
  Sal + H2O
Ex: ZnO + 2 HCl  ZnCl2 + H2O
Óxido anfótero ZnO + 2 NaOH  Na2ZnO2 + H2O
 Base

 Sal + H O comporta-se como anidrido, logo, deve-se adicionar H2O.
2

6
Química

Obs.: Principais metais que formam anfóteros: Zn, Al, Sn e Pb

Óxido salino  X3O4

Óxidos neutros ou inertes  CO, N2O (óxido nitroso) e NO (óxido nítrico)

Peróxido: Nº de oxidação do O = -1

H O
 
2
 Base + H2O2 Obs.: Decomposição do peróxido de Hidrogênio (H2O2)
Peróxido

 ácido LUZ
H2O2  
 H2O + ½ O2
  Sal + H2O2 

Superóxido: Nº de oxidação do O = -1/2

 Base + H2O2 + O2


H O
 
2

Superóxido

  Sal + H2O2 + O2


 ácido

Obs.: Obtenção do ácido sulfúrico (processo de contato)

S + O2  SO2
SO2 + ½ O2  SO3
SO3 + H2O  H2SO4

5.2. Ácidos

- Oxiácidos: ácidos que contêm oxigênio. Ex.: H2SO4

- Hidrácidos: ácidos que não contêm oxigênio. Ex.: HCl

Ácido + Base  Sal + H2O


Ácido + Metal (+ ativo)  Sal + H2

Escala de atividade dos metais

Alc - Alct - Al - Zn - Fe - Ni - Sn - Pb - H - Bi - Cu - Hg - Ag - Au - Pt
+ ativos - ativos
        

Ácido1 + Halogênio2  Ácido2 + Halogênio1

F2 > Cl2 > Br2 > I2 Reatividade dos Halogênios

Obs1.: H3PO4 (ácido fosfórico) ............................. 3 H ácidos


H3PO3 (ácido fosforoso) ........................... 2 H ácidos
H3PO2 (ácido hipofosforoso) .................... 1 H ácido

7
Química

Obs2.: Ácidos fortes: Oxiácidos  Diferença entre O e H (ácido) é maior ou igual a 2.


Hidrácidos  HI, HBr e HCl

Ácidos fracos: Oxiácidos  Diferença entre O e H (ácido) é menor que 2.


Hidrácidos  HF, H2S e ácidos com C

Obs3.: Teoria de Arrhenius


HCl + H2O  H3O+ + Cl–

5.3. Bases ou hidróxidos

Metal + OH–  Me(OH)x onde x = nº de oxidação do metal

Principais números de oxidação:

n. o. x.
metais alcalinos e Ag +1
metais alcalinoterrosos, Zn e Cd +2
Al e Bi +3
F -1
Fe, Co, Ni +2 e +3
Cu, Hg +1 e +2
Sn, Pb +2 e +4
Au +1 e +3


Metal alcalino ou metal alcalinoterroso + H2O  base + H2

NH3 + H2O  NH4OH (hidróxido de amônio)

Obs1.: Bases fortes: Hidróxidos alcalinos e alcalinoterrosos exceto Be e Mg.


Bases fracas: todas as demais.

Obs2.: Teoria de Arrhenius

NaOH  

H2O Na+ + OH–

Obs3.: Indicadores:

Indicador Meio ácido Meio básico

Tornasol
Tornassol Vermelho* Azul

Fenolftaleína Incolor Vermelho*

* Pode ser rosa

8
Química

5.4. Sais

Metal + Radical do ácido  sal

Obs.: nomenclatura dos sais

Ácido Sal

OSO ITO

ICO ATO

ÍDRICO ETO

- Calcinação:

Carbonatos ¾¾ óxido metálico + CO2

Ex.: CaCO3 ¾¾  CaO + CO
 2


Bicarbonato ¾¾ carbonato + CO2 + H2O

Alcalino ¾¾ alcalino

Ex.: 2 NaHCO3 ¾¾  Na CO + CO + H O


 2 3 2 2
(fermento)


Clorato ¾¾

 cloreto + O2

Ex.: 2 KClO3 ¾¾ 2 KCl + 3 O2

- Reações de dupla-troca

Ácido1 + Sal2  Ácido2 + Sal1


Hidróxido1 + Sal2  Hidróxido2 + Sal1
Sal1 + Sal2  Sal3 + Sal4

* Regra de Berthollet
Formar uma substância menos solúvel ou mais fraca ou mais volátil.

Principais sulfato de bário  BaSO4


Precipitados: carbonato de cálcio CaCO3
carbonato de bário  BaCO3
cloretos, brometos e AgClAgBr, AgI,
iodetos de prata PbCl2, PbBr2, PbI2.
e chumbo II

Ex.: 2 HCl + CaCO3  CaCl2 + CO2 + H2O

Hidrólise  Quebra do sal pela água.


sal + H2O  ácido + base

sal ácido base forte








NaHCO3 + H2O  NaOH + CO2 + H2O




Sal de solução básica (pH > 7)

9
Química

6. TEORIAS ÁCIDO-BASE

A) Arrhenius: ácido + H2O  H3O+ + ânion

base + H2O  OH– + cátion

B) Brönsted-Lowry: ácido  H+
DOA
H+ = próton

base  H+
RECEBE

C) Lewis: ácido  par de e–


RECEBE

base  par de e–
DOA

Principais (Lewis):

Ácidos: íons + , BF3 e AlCl3

Bases: íons - , H2O e NH3

7. CONCEITOS FUNDAMENTAIS

Átomo padrão  C12 = isótopo 12 do carbono

C12 = 1 u.m.a. (unidade de massa atômica)

Massa molar é a massa em gramas cujo valor coincide com a massa atômica e com a massa
molecular e se refere a 1 mol de átomos ou de moléculas.

1 mol de qualquer gás ou vapor = 6,02 . 1023 moléculas = 22,4 L


CNTP
T = 0ºC ou 273 K e P = 1 atm ou 760 mmHg.

8. ESTADO GASOSO

A) Equação de Clapeyron  P.V=n.R.T


m atm L
n= R = 0,082
Mol K.M ol

m
B) Densidade: d
V

C) Princípio de Avogadro (gases): - Volumes iguais


- Mesmas condições de temperatura e pressão
- Mesmo número de moléculas ou mols

10
Química

9. SOLUÇÕES

- Misturas Homogêneas ou Solução


Solução = soluto + solvente

 - não saturada
Solução  - saturada
 - supersaturada
- Coeficiente de solubilidade (solubilidade)
Quantidade máxima de soluto dissolvido em uma determinada quantidade de solvente (em geral 100 g de H2O)
a uma dada temperatura.
ex.: A 0ºC 35,7 g de NaCl saturam 100 g de água.

Unidades de Concentração:

EM SOLUTO
Concentração
GERAL SOLUÇÃO

A) Concentração comum

m1 m 1 ........ massa do soluto


C (g / L) V .......... volume da solução
V

B) Concentração em quantidade de matéria (molaridade)

n1 m1 n 1 ......... nº de mols do soluto


M (mol / L ) n1 =
V Mol1 Mol1 ..... massa molar do soluto

Diluição de Soluções

C1V1 = C2V2
M1V1 = M2V2

V2 = V1 + V
H O
2

- Mistura de Soluções de mesmo Soluto

CfVf = C1V1 + C2V2 + ...

MfVf = M1V1 + M2V2 + ...

Vf = V1 + V2 + ...

10. PROPRIEDADES COLIGATIVAS


A adição de um soluto a um solvente provoca:
 Pressão de vapor
 Ponto de ebulição
 Ponto de congelação
 Pressão osmótica

 = MRTi (fórmula da pressão osmótica)


11
Química

11. TERMOQUÍMICA

- Calor associado às reações químicas.

 Exotérmicas  liberam calor


Reações

 Endotérmicas  absorvem calor

- Reação Exotérmica - Reação Endotérmica


A  B H < 0 A  B H > 0

H < 0 H > 0

Obs.: “O calor de formação de uma substância simples em seu estado de agregação mais comum é igual a zero”.
Ex.: O hidrogênio é um gás nas condições ambientes (T = 25ºC e p = 1 atm). Logo, o estado gasoso é o estado de
agregação mais comum do elemento hidrogênio e então:

 H fH =0
2(g)

- Tipos de Calores de Reação ou Entalpia

A) Entalpia de Combustão Hcombustão < 0

Calor liberado na combustão completa de 1 mol de uma substância no estado padrão.

B) Entalpia de Formação

HF > 0 ou HF < 0

Calor liberado ou absorvido na formação de 1 mol de uma substância por síntese direta a partir das substâncias
no estado padrão.
n1A + n2B  n’ C + n” D H = . . .

A fórmula a aplicar será:

H = n’ Hf(C) + n” Hf(D) - n1 Hf(A) - n2 Hf(B) (II)

onde:
Hf(A) ............................................................... entalpia de formação de A
Hf(B) ............................................................... entalpia de formação de B
Hf(C) ............................................................... entalpia de formação de C
Hf(D) ............................................................... entalpia de formação de D

C) Entalpia de Ligação

Ligação Rompida: H > 0


Ligação Formada: H < 0

12
Química

Calor liberado ou absorvido na formação ou no rompimento de 1 mol de ligações de uma substância.

- Lei de Hess
H da reação depende apenas dos estados inicial e final da reação.
Consequências:
1ª) As equações termoquímicas podem ser somadas algebricamente.
2ª) Invertendo-se a equação termoquímica, muda-se o sinal do H.
3ª) Multiplicando-se ou dividindo-se a equação por um certo número  de zero o H fica multiplicado ou dividido
por este mesmo valor.

12. CINÉTICA QUÍMICA

 [ ]
Velocidade média =  tempo

- Lei da ação das massas

aA + bB  cC + dD V = K[A]a . [B]b

Obs.: Reações que ocorrem em etapas: V = Vetapa lenta

- Catálise: - Catalisador aumenta a velocidade da reação sem ser consumido.


- Diminui a energia de ativação; não altera a H da reação.
ex.: Reação exotérmica com Catalisador.

H  Variação da entalpia da reação.


H1  Energia de ativação sem catalisador.
H2  Energia de ativação com catalisador.
H3  Abaixamento da energia de ativação.
C.A.  Complexo ativado.

13. EQUILÍBRIO QUÍMICO

- Sistemas Homogêneos reversíveis.


v1
aA + bB cC + dD
v2

Equilíbrio químico: v1 = v2

v1  Velocidade da reação direta.


v2  Velocidade da reação inversa.

13
Química

- Constante de Equilíbrio

Kp = Kc(RT)n onde R = 0,082


[C]c . [D]d p c . p Dd
Kc  K p = Ca
[ A ]a . [B]b p A . p Bb n = np - nR T  Kelvin
n  variação do número de mols gasosos

Sistemas Heterogêneos só os gases são considerados.

- Graficamente

- Deslocamento do Equilíbrio Químico


Princípio de Le Chatelier

desloca
A) Aumento de pressão    menor volume (menor número de mols).
desloca
B) Aumento de temperatura    reação endotérmica.
desloca
C) Aumento da concentração    reação que consome.

14. EQUILÍBRIO IÔNICO

Moléculas íons
Equilíbrio

- Constante de Equilíbrio Iônico (Ki)

(aq.) [H+ ].[A ]


Ki = K i  M 2
HA H+ + A– [HA]

Quanto maior Ki e , mais forte o eletrólito.

- Equilíbrio Iônico da Água

H2O H+ + OH– Kw = [H+] . [OH–] = 10–14 (mol/L)2


Produto iônico da H2O a 25 ºC

14
Química

Potencial hidrogeniônico e Potencial hidroxiliônico

1
pH = - log [H+] pH = log pH + pOH = 14
[H ]

1
pOH = - log [OH–] pOH = log
[OH- ]

Solução Neutra [H+] = [OH-] = 10 - 7 pH = pOH = 7

Solução Ácida [H+] > 10 - 7 pH < 7

Solução Básica [H+] < 10 - 7 pH > 7

- Escala de pH a 25 ºC
14

Básico

7 Neutro

Ácido

- Solução Tampão

Ácido
ou fracos + sal corrrespondente
Base

pH = pKa + log [SAL]


[ ÁCIDO]
onde Ka e Kb são as constantes de ionização do ácido e da base correspondentes.
[SAL]
pOH = pKb + log
[BASE]

- Hidrólise Salina
A) Ácido e Base Fortes  Solução neutra pH = 7.
B) Ácido e Base Fracos  Depende do Ka e do Kb.
C) Ácido Forte e Base Fraca  Solução ácida pH < 7.
D) Ácido Fraco e Base Forte  Solução básica pH > 7.

15
Química

- Produto de solubilidade (Kps)


 Soluções saturadas.
 Kps > produto dos íons  insaturada
 Eletrólitos pouco solúveis. Kps = produto dos íons  saturada

Ex.: Ca3(PO4)2 3Ca+2 + 2 PO 43


Kps = [Ca+2]3 . PO43 2

15. ELETROQUÍMICA

PILHA
Reações de Redox Energia elétrica
ELETRÓLISE

Oxidação Redução Oxidou  Nox aumentou  perdeu e–  Ag. redutor


 
Nº de e– perdidos = Nº de e– ganhos Reduziu  Nox diminuiu  ganhou e–  Ag. oxidante

A) Pilha
Reações de Redox PRODUZ Corrente elétrica

- Pilha de Daniell
Eletrodo de Zn Eletrodo de Cu

Ânodo (-) Cátodo (+)


Oxidação Redução
Semirreação Semirreação
Zn0 - 2 e–  Zn+2 Cu+2 + 2 e–  Cu0
Lâmina fica corroída Lâmina fica
Aumenta a aumentada
concentração de Zn+2 Diminui a
concentração de Cu+2
Reação total:
Zn + Cu+2  Cu + Zn+2 E0 = + 1,10 V
Solução Solução
ZnSO4 1 mol/   CuSO4 1 mol/
25 ºC, 1 atm 25 ºC, 1 atm Esquema: Zn / Zn+2 // Cu+2 / Cu0

- Cálculo de E0 ou d.d.p das pilhas de concentração 1 mol/ a 25 ºC

E0 = E0redução cátodo + E0oxidação ânodo

- Equação de Nernst n  nº de e– transferidos na reação


Q  Kc da reação
0,059
E = E - 0
. log Q E0 = potencial padrão (1 mol/)
n
E = potencial fora da concentração padrão (1 mol/)

16
Química

B) Eletrólise
PROVOCA
Corrente elétrica reações de Redox

1) Ígnea (substância no estado fundido):

metal (cátodo / redução)


não metal (ânodo / oxidação)

2) Solução aquosa

Tabelas para prioridade de descarga


Cátions Ânions
Alc+ I–
potencial de oxidação crescente
potencial de redução crescente

Alc.-Terr.+2 Br –
Al+3 Cl–
H
Zn+2 ânions orgânicos
Fe+2 R - COO-
Ni+2

R|
Sn+2 OH-
Pb+2 SO4-2

S|
ânions
Bi+3 oxigenados NO3-

T
Cu+2 PO4-3
Hg+2 etc
Ag+
Au+3 F-
Pt+2

Cátodo  Íon + de maior potencial de redução

Ânodo Íon – de maior potencial de oxidação

Íons restantes ficam na solução aquosa

Lei de Faraday

1 Mol e– = 96500 C = 1F (Faraday)

Q=i.t

Q .......... carga elétrica (C)

i .............. corrente (A)

t ............... tempo (s)

17
Química

16. RADIOATIVIDADE

Emissão de partículas e radiações por núcleos instáveis.

Radiação Representação Carga Massa Características

2
4
Alfa +2 4 2 prótons e 2 nêutrons

Gerada pela decomposição


1
0
Beta –1 0
de um nêutron

0
0
Gama 0 0 Ondas eletromagnéticas

1ª Lei  A
Z x 4
2  A 4
Z 2 y

2ª Lei  A
Z x 0
1  A
Z 1 y

Meia-vida (T)
- Tempo para desintegrar a metade da massa radioativa.

m 0 .... massa inicial


m0
m t
m .... massa final
2 T t .... tempo
T .... meia-vida

Resumo das partículas:

2 , 1, 0 , 1p, 0 n, 1e, 1D


4 0 0 1 1 0 2

Fissão Nuclear

Núcleo Partícula Núcleos


+  + nêutrons + energia
Grande Acelerada Menores
ex.: Fissão artificial do U235 em reatores.

Fusão Nuclear

Síntese de Núcleos Núcleo maior (mais estável) + energia

ex.: 21H, 2
1H  42 He  energia
(liberação de energia do sol)

18
FORMULÁRIO DE QUÍMICA ORGÂNICA

1. Propriedades do Carbono ...................................................................................................................................... 20


2. Cadeias Carbônicas ............................................................................................................................................... 20
3. Hidrocarbonetos ...................................................................................................................................................... 21
4. Funções Químicas .................................................................................................................................................. 22
5. Isomeria ................................................................................................................................................................... 24
6. Reações da Química Orgânica ............................................................................................................................... 26
Reações de Adição ................................................................................................................................................. 26
Reações de Substituição ........................................................................................................................................ 28
Reações de Eliminação .......................................................................................................................................... 31
Reações de Oxidação ............................................................................................................................................. 32
Reações de Redução ............................................................................................................................................. 33
Tabela Periódica ...................................................................................................................................................... 35

AUTOR: PEDRO CESAR G. FIORETT


“TODOS OS DIREITOS RESERVADOS POR CURSO PH LTDA .” 19
Química

- Principais Radicais

Radical Nome

CH3 metil

CH3 CH2 etil

CH3 CH2 CH2 propil

CH3 CH CH3 isopropil

CH3 CH2 CH2 CH2 butil

CH3 CH2 CH CH3 sec-butil

CH3
terc-butil
CH3 C CH3

CH3
isobutil
CH3 CH CH2
CH3 CH2 CH2 CH2 CH2 pentil

CH3 CH CH2 CH2


isopentil
CH3
CH3
CH3 C CH2 neopentil

CH3
20
Química

Nomenclatura:
Nº. de carbonos P refixo

1 MET

2 ET

3 PROP

4 BUT

5 PE NT

6 HEX

7 HEPT

8 OCT

9 NON

10 DEC

11 UNDEC

12 DODEC

20 EICOS

3. HIDROCARBONETOS
Fórmula
Característica Nomenclatura oficial Exemplos Nomes
geral

.........+ ANO
Alcanos Saturada Cn H 2n+2 H3C CH2 CH2 CH3 Butano
prefixo

.........+ ENO
Alcenos 1 Dupla Cn H 2n H2C CH CH2 CH3 But-1-eno
prefixo

Etino
HC CH (Acetileno)
.........+ INO
Alcinos 1 Tripla Cn H 2n-2
prefixo
Cadeia
But-1-ino
Aberta HC C CH2 CH3

H2C C CH2 Propadieno

.........+ ADIENO
Alcadienos 2 Duplas Cn H2n-2 H2C C CH CH3 Buta-1,2-dieno
prefixo

H2C CH CH CH CH3 Penta-1,3-dieno

Ciclanos H2C CH2


CICLO..........+ ANO
ou Saturada Cn H2n Ciclobutano
prefixo
Cicloalcanos H2C CH2
Ciclenos H2C CH
Cadeia CICLO..........+ ENO
ou 1 Dupla Cn H 2n-2 Ciclobuteno
Fechada prefixo
Cicloalquenos H2C CH
Aromáticos Um ou mais
ou núcleos
...........+ BENZENO CH3 Metilbenzeno
radical (Tolueno)
Arenos benzênicos

21
Química

4. FUNÇÕES QUÍMICAS

Nomenclatura
Funções Grupo Funcional Fórmula Geral Exemplo Exemplo
Usual

............ + ...............
2-Bromopropano
Derivados -X R - X ou Haleto + nome do CH3 CH CH3
- brometo de
Monohalogenados (X=F, Cl, Br, I) Ar - X radical
monovalente Br isopropila

H
a
l Derivados 2 Halogênios no C X CH3 CH Cl
mesmo C - 1,1-Dicloroetano
e di-halogenados
X ...............+...............
t
nome do nome do
Cl
o .............+.............
h alo gê nio hc de
s
Derivados
2 Halogênios em C C origem haleto nome H3C CH CH2
di-halogenados
carbonos vizinhos
- do
O
r
(vicinais)
X X radical F F
divalente
g.
Derivados
2 Halogênios em C (C)n C H2C CH2 CH2 CH2
di-halogenados - 1,4-Diiodobutano
C não vizinhos
(isolados)
X X I I

etanol, álcool etílico


Primários R CH2 OH H3C CH2 OH metilcarbinol
1 Álcool+........+ICO
A
radical
l
c - OH R CH OH CH3 CH CH3 propan-2-ol
Secundários ......................... +OL álcool isopropílico
o ligado a carbono C nH2n+2O
ó saturado R’ nome do hc OH dimetilcarbinol

i
s OH 2 ...........+ Carbinol CH3
radical (is)
metilpropan-2-ol
Terciários R C R” H3C C CH3 álcool terc-butílico
trimetilcarbinol
R’ OH

Fenóis
-OH em C de Hidróxi +.................. Deriva de nomes OH Hidroxibenzeno
Ar-OH -
Núcleo Benzênico nome do hc próprios (fenol, naftol, ...) fenol

-OH ligado a C C C ...................... + OL


H2C CH Etenol
Enóis -
com dupla nome do hc álcool vinílico
OH OH

Carboxila
O O O
Ácido + ..................
Ácidos Carboxílicos C R C C nH2nO 2
Ácido +........+ ÓICO
fonte de H3C C Ácido etanóico
nome do hc ácido acético
origem
OH OH OH

O O Cloreto + ............... O
Cloreto + ........... ILA nome Cloreto de metanoíla
Cloretos de Ácidos C R C - H C
nome do hc comum cloreto de formila
Cl Cl do ácido Cl

O O O
C R C Anidrido + ................
Anidrido +............... CH3 CH2 C
nome Anidrido propanóico
Anidridos de Ácidos O O - nome do O
comum anidrido propiônico
ácido CH3 CH2 C
C R C do ácido

O O O

O
O .......-ICO+ATO+nome O
C ..... -ICO+ATO+nome
nome do
H3C C Etanoato de sódio
Sais de Ácidos R C - nome do do
comum metal acetato de sódio
OM ácido metal ONa
do ácido
OM
M = Metal

O O ..... -ICO+ATO+nome
.......-ICO+ATO+nome O
nome do Propanoato de metila
Ésteres C R’ C C nH2nO 2 nome do do
comum radical
CH 3 CH2 C propionato de metila
ácido radical
O R O R do ácido O CH3

22
Química

Nomenclatura
Grupo
Funções Fórmula Geral Exemplo Exemplo
Funcional
Usual

1 Aldeído+..............
O O nome
C O
R C do ácido Etanal
Aldeídos H C nH2nO
...................... + AL H3C C aldeído acético
H nome do hc
2 .............-ICO+Aldeído H acetaldeído
nome comum
Carbonila
do ácido
primária

C
R C R’ H3C C CH2 CH2 CH3 Pentan-2-ona
Cetonas
O C nH2nO
..................... + ONA Radical Maior+Radical
cetona metílica
O nome do hc Menor + Cetona
O e propílica
Carbonila
secundária

...............+...............
nome do nome Éter +..................+ICO
O R O R’ CH3 O CH2 CH3 Metoxietano
Éteres CnH 2n+2O radical do hc nome dos
éter etílico e metílico
alcoxi radicais
(menor) (maior)

H
Primárias NH2 R N — H3C NH2 Metilamina
H
Amino ...................+ AMINA
A
nome do(s)
m
R N H radical(is) H3C N H
i
Secundárias
N H — — Dimetilamina
n R’ CH3
...................+ AMINA
a
nome do
s
hc
R N R” H3C CH2 N CH2 CH3
Terciárias N — Dietilmetilamina
R’ CH3

A
m O O O
...................+ AMIDA
i C R C — nome do — H3C C Etanamida
d acetamida
NH 2 NH 2 hc NH 2
a
s

1 ...........HC+Nitrila
nome
vulgar
R CN ................+ NITRILO Etanonitrila
CN do ácido H3C CN
Nitrilas — nome do acetonitrila
(ciano) hc cianeto de metila
2 Cianeto+de+..............
nome
do radical

NC ............+Carbilamina Isocianeto+de+..............
Isonitrilas R NC — nome do nome H3C NC
Metilcarbilamina
(carbilaminas) isocianeto de metila
radical do radical
(isociano)

Ácido+.........sulfônico
SO3H R SO3H
Ácidos sulfônicos — nome do hc — H3C CH2 SO3H Ácido etanosulfônico

Nitro + .............................
Nitrocompostos NO2 R NO2 nome NO2 Nitrobenzeno
do hidrocarboneto

23
Química

5. ISOMERIA

- de cadeia
- de posição
Plana - de compensação ou metameria
- de função
- tautomeria
- Isomeria
(compostos diferentes com a mesma
fórmula molecular) Espacial ou  - geométrica
Estereoisomeria  - óptica

I - Isomeria Plana

Tipo Características Exemplo

C5H12

CH3 CH2 CH2 CH2 CH3


 Mesma função
De cadeia
 Diferem pelo tipo de cadeia CH3 CH2 CH CH3
CH3

C3H8O

H3C CH2 CH2 OH

H3C CH CH3
OH

C6H14
 Mesma função
 Mesmo tipo de cadeia
De posição H3C CH2 CH CH2 CH3
 Diferem na posição do grupo funcional,
da ramificação ou da insaturação CH3

H3C CH CH2 CH2 CH3


CH3

C4H8

H2C CH CH2 CH3

H3C CH CH CH3

C4H10O

Compensação  Mesma função CH3 O CH2 CH2 CH3


ou Metameria  Diferem pela posição do heteroátomo
CH3 CH2 O CH2 CH3

24
Química

 Funções diferentes
C2H6O
 Principais casos
De função ou CH3 CH2 OH
Funcional
Álcool e éter
Aldeído e cetona CH3 O CH3
Ácido e éster

C2H4O
H O OH
 Equilíbrio dinâmico entre: 
H2C C CH2 C H
H
Tautomeria ¾
Aldeído ¬
¾ Enol aldo-enólica
e
C3H6O
H O OH

¾
Cetona ¬
¾ Enol H2C C CH3 CH2 C CH3
ceto-enólica

II - Isomeria espacial

Tipo Características Exemplo

C4H8
R1 R3
C C H3C CH3
C C
R2 R4 H H
cis
Geométrica ou

R1 R3 H3C H
C C
R2 R4 H CH3
trans
R1  R2 e R 3  R4

• Carbono assimétrico (quiral) OH Cl


R2 CH 3 C* C* CH3
R1 C* R3 H H
R4 2 C* diferentes

R 1  R2  R3  R 4
2n = 22 = 4 isômeros ativos

Óptica d1 d2
• Compostos com assimetria dita 4 isômeros
molecular
1 2
2n-1 = 21 = 2 misturas racêmicas (oticamente inativas)
R1 R3
C C C d1  1
R2 R4
2 isômeros
d2  2
R 1  R 2 R 3  R 4

n = nº de carbonos assimétricos diferentes

25
Química

6. REAÇÕES DA QUÍMICA ORGÂNICA

1) Rupturas ou cisões das ligações

a) Heterolíticas

+ -
H3C Cl  H3C +  x Cl
íon carbocátion

- +
H3C MgCl  H3C  x + MgCl
íon carbânion

b) Homolíticas

H3C CH 3  H3C  + x CH3




radicais livres

2) Classificação dos reagentes

Eletrofílicos Nucleofílicos

1 - São deficientes em elétrons 1 - São ricos em elétrons

2 - Aceitam um par de elétrons 2 - Doam um par de elétrons

3 - São ácidos de Lewis 3 - São bases de Lewis

4 - São usualmente cátions 4 - Frequentemente são ânions

Ex.: H+, Br+, CH3+



Ex.: Br , R–NH2

3) Principais Tipos de Reações

3.1. Reações de Adição

3.1.1. Adição a alcenos

Mecanismo: adição eletrofílica

a) Hidrogenação (reação de Sabatier-Sanderens)

H H
CH CH3 + H2  H2C CH
P, T
H2C CH3
c at alisa dor

b) Halogenação

Br Br
H2C CH CH3 + Br2  H2C CH CH3

c) Adição de Hidrácidos

Obs.: Regra de Markovnikov: O radical mais eletronegativo irá se adicionar ao carbono menos hidrogenado.

26
Química

H Br
 H2C CH
+ –
H2C CH CH3 + HBr CH3

Exceção:

Br H
 
+ –
H2C CH CH3 + HBr peróxido
H2C CH CH3

Efeito Kharasch (anti-Markovnikov)

d) Adição de Água (hidratação)

H OH

H2C CH CH3 + H2O 



H
H2C CH CH3
+ –
H OH

3.1.2. Adição a alcinos

Mecanismo: adição eletrofílica

a) Hidrogenação

H H
HC C CH3 + 2 H2  HC
CAT
C CH3

H H
b) Halogenação

Br Br
HC C CH3 + 2 Br2  HC C CH3
Br Br

c) Adição de Hidrácidos

H Cl
+ –
HC C CH3 + 2 H Cl  HC C CH3
H Cl

Br H
HC C CH3 + 2 HBr   HC
+ –
peróxido C CH3
Br H

d) Adição de Água (hidratação)

OH H O
H3C C CH + H2O  H3C C     
tautomeria
CH   H3C C CH3

27
Química

3.1.3. Adição a compostos carbonilados (aldeídos ou cetonas)

Mecanismo: adição nucleofílica

a) Adição de HCN

- OH
O

+ + -
H3C C + HCN H3C C CN
H
H

b) Adição de compostos de Grignard

- OMgCl H2O OH
O - + H OH 
MgCl 
+
H3C C + H3C H3C C CH3  
 MgOHCl + H3C C CH3
H
H H

- H2O
O OMgBr OH
+ - + H OH
H3C C CH3 + H3C MgBr  H3C C CH3  
 H3C C CH3 + MgOHBr
CH 3 CH3

3.2. Reações de Substituição

3.2.1. Reações das quais participam derivados halogenados

Mecanismo: Substituição Nucleofílica

a) Derivado halogenado + KOH em meio aquoso  álcool

+ –
H3C CH2 Cl + K OH ¾¾ 
2 H O
H3C CH2 OH + KCl

Potassa aquosa

b) Derivado halogenado + KCN

+ + –
H3C CH2 Br + K CN  H3C CH2 CN + KBr

c) Síntese de Williamson

+ – + –
H3C CH2 Cl + NaO CH2 CH3  H3C CH2 O CH2 CH3 + NaCl

d) Reação de derivado halogenado com óxido de prata

2 H3C CH2 Cl + Ag2O   2 AgCl + H3C CH2 O CH2 CH3


seco

+ –
2 H3C CH2 Cl + Ag2O  2 AgCl + 2 H3C CH2 OH
HO 2

2 AgOH

28
Química

e) Reação de amonólise

+ –
H3C CH2 Br + NH 3  H3C CH2 NH2 + HBr
+ –
H NH2

f) Síntese de Wurtz

H3C CH3
3 H3C CH2 Cl
+ 6 Na  6 NaCl + H3C CH2 CH3
3 H3C Cl
H3C CH2 CH2 CH3

3.2.2. Reações envolvendo ácidos carboxílicos e seus derivados

Mecanismo: Substituição Nucleofílica

a) Esterificação

Ácido Carboxílico + Álcool  Éster + H2O (Equação Fundamental da Química Orgânica)

+
O O
+ –
H 3C C – + HO CH3  H 3C C + HO
2
OH O CH3

b) Hidrólise
+ –
H OH
+
O 
O
H 3C C – + 2 H2O 

H
H 3C C + NH OH
4
NH2 OH
+ –
+ O H OH
H3C C –
O
O + H2O  2 H 3C C
H3C C OH
O
anidrido

c) Amonólise
+ –
H NH2
+
O O
H 3C C + NH 3  H3 C C + HO CH3

O CH3 NH2

d) Saponificação
O
C17H35 C
O CH2
O
OH OH OH
C17H35 C O

O CH + 3 NaOH  3 C17H35 C + CH2 CH CH2
– +
O (base) ONa Glicerina
C17H35 C Estearato de sódio
O CH2 (sabão)
gordura

29
Química

3.2.3. Halogenação de alcanos

Mecanismo: Substituição via radicais livres

calor ou luz
H3C CH3 + Cl2     H3C CH2 Cl + HCl
ultravioleta

Reatividade dos hidrogênios: H terciário > H secundário > H primário

H Br
H3C  C  CH2  CH3 + Br2  H3C  C  CH2  CH3 + HBr
CH3 CH 3

3.2.4. Reações envolvendo o benzeno e seus derivados

Mecanismo: Substituição eletrofílica

a) Alquilação de Friedel-Crafts
+
H CH3

AlCl
Cl  
 
– 3
+ H3C+ + HCl

b) Halogenação
H Cl
FeCl
+ Cl2 
3
 + HCl


Obs.: Cl Cl  Cl  +  Cl (cisão homolítica)
luz

Cl  Cl+ + FeCl4-


FeCl3
Cl (cisão heterolítica)
reagente eletrofílico
c) Nitração
H NO2

+ HNO3 

H2SO 4
+ H2O
– +
OH NO2
d) Sulfonação

H SO3H

+ H2SO4  

H2SO 4
+ H2O
– + Ácido benzenosulfônico
OH SO3H
3.2.5. Influência de um radical já presente no anel


CH3 CH3 CH3
AlCl3 Cl +
2 + 2 Cl2 
 + 2 HCl
(orto)
Cl
(para)

NO2 NO2
AlCl3
+ Cl2  
 + HCl
Cl
(meta)
30
Química

Regra Geral:

A aB b Orto-para dirigente ou orientador orto-para.
Ex.: CH3, OH, NH2, Cl, OCH3.


A aB b Meta dirigente ou orientador meta.
Ex.: NO2, COOH, SO3H.

Mecanismo: substituição via radicais livres

CH3 CH 2Cl

+ Cl2 
luz (u.v) + HCl
calor

sem catalisador

3.3. Reações de Eliminação

3.3.1. Desidratação de álcoois

H SO conc.
H2C CH2 2 4
 H2C CH2 + H2O
H OH

Regra de Saytzeff: Na desidratação de um álcool, elimina-se preferencialmente o hidrogênio do carbono menos


hidrogenado adjacente ao carbono do grupo OH.

OH
H SO conc.
H3C C CH2 CH3 2 4 
 H3C C CH CH3 + H2O
CH3 CH3

Obs.: Os álcoois podem sofrer dois tipos de desidratação.

Desidratação Intermolecular

H3C CH2 OH
 
 H3C CH2 O CH2 CH3 + H2O
H2SO 4
 140º C
H3C CH2 OH

Desidratação Intramolecular
H SO 4
H2C CH2 2   HC CH2 + H2O
2 170º C
H OH

3.3.2. Desalogenação

H3C CH CH2 + Zn  H3C CH CH2 + ZnCl2


Cl Cl

31
Química

3.3.3. Desidro - Halogenação

H Cl
álcool
H3C CH CH2 + KOH H3C CH CH2 + KCl + H2O

potassa
alcoólica

Obs.: Derivado monohalogenado + KOH ¾¾  álcool


H2 O

Derivado monohalogenado + KOH ¾¾ alceno


álcool

3.3.4. Desidratação de ácidos

O O
H3C C H3C C
OH 
 H2O + O
P2O5
OH
H3C C
H3C C
O O

3.3.5. Processo de Dumas

O
CaO
H3C CH2 C + NaOH  Na2CO3 + CH3 CH3
– + 
ONa

3.4. Reações de Oxidação

3.4.1. Oxidação de Álcoois

Agente oxidante: KMnO4 ou K2Cr2O7

O O
O 

H3C CH2 OH + [O]  H2O + H3C C H3C C
Álcool 1º H OH

OH O
H3C CH CH3 + [O]  H3C C CH3 + H2O
Álcool 2º

OH
H3C C CH3 + [O]  não reage
CH3
Álcool 3º

O O  O
Obs.:
 HC
O 

H3C OH + [O]  HC CO2 + H2O
H OH

32
Química

3.4.2. Oxidação de Alcenos

a) oxidação branda (teste de Baeyer)

OH OH
KMnO
H3C C CH CH3  4(diluído)
  H3C C CH CH3
meio básico e a frio
CH3 CH3
diálcool

Obs.: A reação de Baeyer é capaz de distinguir um alceno de um ciclano.


- se o teste der positivo: alceno
- se o teste der negativo: ciclano

b) ozonólise

O O
H2O
H3C C CH CH3 + O3
  H3C C CH3 + H3C C + H2O2
CH3 H

Obs.: Se o carbono da dupla for primário ou secundário  produz aldeído.


Se o carbono da dupla for terciário  produz cetona.

c) oxidação energética
O O
KMnO
H3C C CH CH3 4(concentr
 ado) H C C CH + H C C
meio ácido e a quente 3 3 3
CH3 OH

O
KMnO 4(concentrado)
H2C CH CH3     CO2 + H2O + H3C C
H 
OH

Obs.: Carbono na ligação dupla:


- Primário produz CO2 e H2O;
- Secundário produz ácido carboxílico;
- Terciário produz cetona.

3.5. Reações de Redução

3.5.1. Redução de aldeídos OH


O
H3C C + 2 [H]  H3C CH2
H

3.5.2. Redução de cetonas


O OH
H3C C CH3 + 2 [H]  H3C CH CH3

33
Química

4) Propriedades
4.1. Acidez e Basicidade
A. Efeito indutivo

Efeito indutivo é a tendência de um átomo ou grupo de átomos de atrair ou repelir elétrons.


Radicais eletroatraentes (eletronegativos).

Radicais eletrorrepelentes (eletropositivos).

B. Aplicação do efeito indutivo


1) Acidez
Aumenta com a presença de radicais eletronegativos e diminui com a presença de radicais eletropositivos.

2) Basicidade
Aumenta com a presença de radicais eletropositivos e diminui com a presença de radicais eletronegativos.

C. Acidez

Compostos com caráter ácido: - Ácidos carboxílicos caráter


- Fenóis ácido
decrescente
D. Basicidade

Compostos com caráter básico: - Aminas caráter


- Amidas básico
decrescente (aumento na cadeia carbônica)

Obs.: Basicidade das aminas

Secundária > Primária > Terciária > NH3 > Aromática

4.2. Temperatura de ebulição dos alcanos

Em isômeros de cadeia, à medida que aumenta a quantidade de ramificações, a temperatura de ebulição diminui,
pois há uma diminuição da superfície de contato.

4.3. Interações intermoleculares

 Hidrocarboneto  dipolo - induzido

 Aldeído e Cetona  dipolo - dipolo

 Álcool, Amina e Ácido Carboxílico  ligações de hidrogênio

4.4. Solubilidade dos alcoóis


Quanto maior a cadeia carbônica (parte hidrofóbica) menor a solubilidade.

34
Química

5. Séries Orgânicas
 Homóloga  mesma função que diferem pela quantidade de CH2.

 Isóloga  mesma quantidade de átomos de carbono diferindo pela quantidade de H2.

 Heteróloga  mesma quantidade de átomos de carbono e funções diferentes.

6. Polímeros

6.1. Adição

Formados por sucessivas adições de monômeros. Durante a polimerização ocorre a queda da .

6.2. Condensação

Formados pela reação de dois monômeros diferentes com a eliminação de pequenas moléculas, geralmente H2O.

35
Tabela Periódica dos Elementos
1 18
1 2,1 2

H1,0
He
2 13 14 15 16 17 4,0
3 1,0 4 1,5 5 2,0 6 2,5 7 3,0 8 3,5 9 4,0 10

Li Be
7,0 9,0
B
11,0
C
12,0
N
14,0
O
16,0
F
19,0
Ne 20,0
11 0,9 12 1,2 13 1,5 14 1,8 15 2,1 16 2,5 17 3,0 18

Na Mg23,0
Al Si P
31,0
S Cl
32,0
Ar
24,5 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 27,0 28,0 35,5 40,0
19 0,8 20 1,0 21 1,3 22 1,5 23 1,6 24 1,6 25 1,5 26 1,8 27 1,8 28 1,9 29 1,9 30 1,6 31 1,6 32 1,8 33 2,0 34 2,4 35 2,8 36

K
39,0
Ca Sc Ti
40,0 45,0 48,0
V
51,0
Cr Mn Fe Co Ni Cu Zn Ga Ge As Se Br Kr
52,0 55,0 56,0 59,0 58,5 63,5 65,5 69,5 72,5 75,0 79,0 80,0 84,0
37 0,8 38 1,0 39 1,2 40 1,4 41 1,6 42 1,8 43 1,9 44 2,2 45 2,2 46 2,2 47 1,9 48 1,7 49 1,7 50 1,8 51 1,9 52 2,1 53 2,5 54

Rb Sr 87,5
Y
89,0
Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te
91,0 93,0 96,0 101,0 103,0 106,5 108,0 112,5 115,0 118,5 122,0 127,5
I
127,0
Xe
131,5
85,5
55 0,7 56 0,9 57-71 72 1,3 73 1,5 74 1,7 75 1,9 76 2,2 77 2,2 78 2,2 79 2,4 80 1,9 81 1,8 82 1,9 83 1,9 84 2,0 85 2,2 86

Cs Ba Lantanídios
Hf Ta W Re Os Ir
178,5 181,0 184,0 186,0 190,0 192,0
Pt Au Hg Tl
195,0 197,0 200,5 204,5
Pb Bi
207,0 209,0
Po At Rn
133,0 137,5
87 0,7 88 0,9 89-103 104 105 106 107 108 109 110 111 112 113 114 115 116 117 118

Fr Ra Actinídios
Rf Db Sg Bh Hs Mt Ds Rg Cn Nh Fl Mc Lv Ts Og

Lantanídios
Número Eletrone- 57 1,1 58 1,1 59 1,1 60 1,1 61 1,1 62 1,2 63 1,2 64 1,2 65 1,2 66 1,2 67 1,2 68 1,2 69 1,2 70 1,1 71 1,2
Atômico gatividade

Símbolo La Ce Pr Nd Pm Sm Eu Gd Tb Dy Ho Er Tm Yb Lu
139,0 140,0 141,0 144,0 150,5 152,0 157,0 159,0 162,5 165,0 167,0 169,0 173,0 175,0
Massa Atômica
Aproximada
Actinídios
89 1,1 90 1,3 91 1,5 92 1,3 93 1,3 94 1,2 95 1,3 96 1,3 97 1,3 98 1,3 99 1,3 100 1,3 101 1,3 102 1,3 103 1,3

Ac Th Pa U Np Pu Am Cm Bk Cf
232,0 231,0 238,0
Es Fm Md No Lr
Número de Avogadro: 6x1023 -½
Constante Universal dos Gases Perfeitos: R=0,082 L . atm. K-1 .mol -1 Spin
Constante de Faraday: 96500 C
{ +½

Você também pode gostar