Você está na página 1de 3

Página principal ► DDMRC###2016-vEA-PPS-TFC ► DD044 ► Avaliaçãoevaluacion ►

Tarefas de autoavaliação

Iniciada Friday, 11 June 2021, 13:42


Estado Terminada
Terminada em Friday, 11 June 2021, 14:53
Tempo gasto 1 hora 11 minutos

Pergunta 1 Por que não nos deveria ser tão estranho o fato de ter que falar em público?
Respondida
A oralidade representa a normalidade da comunicação humana, assim, o fato de falar
Sem avaliação
em público não nos deveria ser tão estranho uma vez que estamos acostumados a nos
pronunciar oralmente desde bem pequenos. Nossas primeiras manifestações
comunicacionais foram orais e bem antes de aprendemos a escrever, já falávamos
fluentemente. A linguagem oral é mais frequentemente usada e à oralidade atribui-se
valor permanente, um fato sonoro e humano que é conatural.

Basicamente porque utilizamos a oralidade comunicativa com bastante freqüência,


muito mais do que quando a empregamos ao escrever o ler. No dia-a-dia nos
comunicamos com outras pessoas, solicitando coisas, argumentando sobre o que
gostamos ou não gostamos, entregando ou recebendo informação, etc. Essas
intervenções ocorrem em frente a um público que vai de uma pessoa a grandes grupos.
Portanto, temos experiência no falar em público, o que nos falta é adequar a linguagem
e a formalidade aos conteúdos que queiramos expressar.

Pergunta 2 Por que tanta reticência em realizar discursos e/ou apresentações orais?
Respondida
Inúmeras são as justificativas para não se realizar uma apresentação oral, uma vez
Sem avaliação
que, além de apresentar um nível de percepção mais amplo, demanda do orador a
capacidade de esclarecer e elucidar o conteúdo, justificando a razão de ser de sua
apresentação. 

Fundamentalmente, porque tivemos poucas ocasiões de nos submeter a instâncias


formais de avaliação de nossas capacidades expressivas. Durante nossa infância e
juventude, a educação tradicional centrava seu olhar nos conteúdos, mais do que nas
formas. Medem-nos por nossa capacidade de memorizar, analisar, deduzir, e não por
nosso potencial de voz, gestualidade, eloqüência, simpatia, etc. Isso faz com que nos
atemorizemos ante o desafio de falar perante outros; que nos vejam, que fiquemos
expostos, que não controlemos totalmente o que se passa com nosso corpo.
Pergunta 3 Por que se faz necessária uma consciência corporal para falar em público?
Respondida
A consciência corporal é fundamental para se pronunciar em público, uma vez que o
Sem avaliação
orador é vastamente observado em mínimos detalhes. Assim, é preciso conhecer
profundamente seu corpo e suas formas de portar em público. Antes mesmo de nos
manifestarmos, estamos sendo "lidos" e avaliados pelos nossos gestos e posturas.

Fundamentalmente, por ser necessário saber com quais elementos contamos para
enfrentar una instância comunicacional. O corpo e suas ferramentas vocais e gestuais
são os primeiros recursos com que contamos. Por isso, é vital saber reconhecer seus
limites e suas potencialidades. Saber como nos movemos, o quão expressivos somos,
como é nossa voz, quais são nossos erros e cacoetes, etc., nos ajudará a potencializar
nosso trabalho discursivo.

Pergunta 4 Qual é a importância da respiração em termos de qualidade vocal?


Respondida
A respiração consciente  é importantíssima para o trabalho vocal, potencializando a
Sem avaliação
qualidade de sua execução. A respiração não pode ser apenas um recurso funcional
corporal, ela deve ir além, e ser aproveitada em sua integralidade. A baixa projeção
vocal se relaciona diretamente com uma respiração deficitária.

Uma boa respiração, profunda e diafragmática, permite uma melhor projeção vocal, um
maior volume, menor desgaste do aparelho fônico e maior expressividade
comunicacional. Respirar ainda ajuda a controlar o nervosismo e desenvolver um
fraseado longo e ritmado, em maior conformidade com a emissão de idéias e conceitos.

Pergunta 5 A idéia central de um discurso deve fazer alusão a quê?


Respondida
A ideia central de um discurso deve ser o resumo bem apresentado do "o que", "como"
Sem avaliação
e "onde" o orador quer chegar com aquela apresentação, ou seja, é uma ideia geral do
tema a ser demonstrado ao público. A ideia central apresenta o essencial e facilitará na
construção de exemplos, analogias, dados e argumentos durante a execução do
discurso.

A idéia central é aquela que articula as reflexões e propostas do orador. Em torno dela,
ele constrói exemplos, apresenta citações e argumentos. Essa idéia central deve aludir
ao espírito básico da proposta que se queira desenvolver. Quais são os valores ou
pontos centrais propostos pelo conteúdo, qual é o resumo do que se apresentará; em
termos simples, o que o orador quer dizer. Ter clareza a respeito da idéia central ajuda
ao estabelecimento das hierarquias nos conteúdos e a enfatizar os aspectos mais
destacáveis da proposta que se queira comunicar.
Pergunta 6 Por que não se deve seguir ao pé da letra o roteiro estruturado para o discurso?
Respondida
O roteiro, em uma apresentação oral, é uma estrutura mental que servirá de guia e
Sem avaliação
conterá os pontos centrais do discurso, não devendo jamais ser lido em sua totalidade,
nem seguido ao pé da letra. Ademais, em uma apresentação oral devemos contar com
fatores surpresa e acontecimentos inesperados. Assim, seguir um roteiro ipsis litteris
nos faria reféns de um provável constrangimento no caso de uma eventualidade. 

Cabe lembrar que o discurso é um ato comunicativo no qual operam variadas


linguagens, não só a escrita. O orador relaciona-se com espaço e tempo determinados
e precisa da interação com o público para desenvolver sua apresentação. O discurso
oral se estrutura de maneira eficaz quando incorpora os elementos do contexto e do
improviso, ambos decorrentes do calor da própria situação discursiva; por tal razão, um
roteiro não pode ser rigorosamente seguido, pois trata-se, nada mais, de um referencial
lingüístico escrito que não dá conta da complexidade da comunicação em público. Ao
seguirmos um roteiro ao pé da letra, ficamos condicionados à mera leitura de um texto,
privando-nos das outras ferramentas permitidas pelo discurso oral.

Pergunta 7 Com relação ao uso de apoio audiovisual, qual é, a seu juízo, o principal critério a
Respondida seguir?

Sem avaliação
Acredito que o apoio audiovisual seja um recurso extraordinário para complementar
uma apresentação. Porém, o mesmo não deve ser utilizado como foco central da
apresentação, mas como um auxiliar que torne a exposição mais clara, enfatizando seu
conteúdo.

A primeira reflexão a ser feita\: é estritamente necessário tal recurso em nossa


apresentação? Esta é a pergunta chave para se ter resposta quanto a se utilizar ou não
o apoio audiovisual. Muitas vezes, por trás de aparatosas imagens ou vídeos, esconde-
se a impossibilidade de o orador conseguir comunicar-se ou de estruturar efetivamente
seus conteúdos e idéias. Acaba-se assim, sendo um comentarista de imagens ou
gráficos, mais do que o orador em uma apresentação pública.

Pergunta 8 De que forma o orador mantém a hierarquia espacial com relação ao público?
Respondida
O orador mantém a hierarquia espacial com relação ao público quando está em uma
Sem avaliação
disposição física de verticalidade, como seria o caso de apresentar-se uma tribuna.

Se assim desejar, o orador pode manter a hierarquia espacial estabelecendo um


referencial físico que destaque a verticalidade. Assim, o orador pode estar em um
cenário elevado ou junto a uma tribuna. Com isso obtém maior visibilidade e impacto
simbólico, mas restringe sua mobilidade e sua proximidade com os assistentes.