Você está na página 1de 175

Linha NEURODYN

MODALIDADES TERAPÊUTICAS
- Corrente Aussie (AUSS) - Alta Frequência (HF)

- Corrente Russa (Russ) - Corrente TENS

- Corrente FES
- Corrente High Volt (HV)
- Corrente Interferencial bipolar
- Corrente Polarizada (POL)
- Corrente Interferencial tetrapolar
- Micropolarizada (PMES)

- Microcorrente (MENS)

- Massagem Aura (AURA)


Breve revisão...
CLASSIFICAÇÃO DAS CORRENTES TERAPÊUTICAS

TENS
BAIXA
FREQUENCIA
Até 1000 Hz FES
MICROCORRENTES

MÉDIA
INTERFERENCIAL (2000 a 4000 Hz)
FREQUENCIA De 1000Hz
RUSSA(2500Hz)
a 100kHz
AUSSIE(1kHz e 4kHz)

ALTA ONDAS CURTAS (27MHz)


FREQUENCIA > 300 khz
MICROONDAS (2450 MHz)
CORRENTE AUSSIE E RUSSA
CORRENTE RUSSA E AUSSIE

FORMA DE ONDA

• Corrente Russa - bursts de longa


duração (2,5 KHz – 10ms)

• Corrente Aussie - bursts de curta


duração (1kHz -2ms e 4kHz - 4ms)
CORRENTE AUSSIE

Prof. PHd Alex Ward, University of La Trobe,


Melbourne Australia
Senior Lecturer, Coordinator of Biophysical Sciences
CORRENTE AUSSIE
CORRENTE AUSSIE

▪ Flacidez
MUSCULAR
• Atrofia tecidual
• Falta de atividade física
• Envelhecimento
DÉRMICA

Déficit de substâncias dérmicas

▪ Analgesia e drenagem
CORRENTE AUSSIE

Em 2004, PhD Alex Ward et al. (Austrália) mensuraram a produção de torque bem como
o desconforto produzido por correntes alternadas de frequência de (500Hz a 20kHz).
Os autores encontraram que para a produção de torque máximo, a freqüência de
pulso de 1KHz e a duração de Bursts de 2.0-2.5ms foram as melhores.
CORRENTE AUSSIE

ESTIMULAÇÃO MOTORA

• Frequência portadora - 1kHz


• Duração dos Bursts - 2ms
• Frequência de modulação dos
Bursts - 50Hz

FORTALECIMENTO E TONIFICAÇÃO MUSCULAR


CORRENTE AUSSIE

Parâmetros para estimulo motor:

•Modo de estimulação – Síncrono ou Recíproco


•Frequência portadora - 1kHz
•Duração de burst - 2ms
•Frequência - 1 a 100hz (50Hz estimulação motora)
•Rampa: RISE, DECAY, ON, OFF - Tempo OFF ≥ Tempo ON
•Tempo de aplicação - Tempo total de aplicação até 30 minutos (Depende da
condição metabólica de cada paciente, não deve gerar fadiga).
•Intensidade - Intensidade de acordo com a sensibilidade e tolerância de cada
paciente.

OBS: - Estímulo motor - visualizar a contração. Não deve gerar dor intensa.
PROPRIEDADES FISIOLÓGICAS DAS FIBRAS
Fibras I Fibras II a Fibras II b
Velocidade de contração lenta Velocidade de contração rápida Velocidade de contração rápida

Tempo de contração longo Tempo de contração curto Tempo de contração curto

Resistência a fadiga muito alta Resistência a fadiga alta Resistência a fadiga baixa

Número de fibras pequeno Número de fibras intermediário Número de fibras grande

Ordem de recrutamento primeiro Ordem de recrutamento Ordem de recrutamento última


intermediária

Tensão tetânica baixa Tensão tetânica intermediária Tensão tetânica alta

Diâmetro pequeno Diâmetro médio Diâmetro grande


Muitos capilares Muitos capilares Pouco capilares
Atividade oxidativa alta Atividade oxidativa meio alta Atividade oxidativa baixa

Atividade glicolítica baixa Atividade glicolítica alta Atividade glicolítica alta

Músculos Tônicos (fibras vermelhas) Músculos Fásicos (fibras brancas) Músculos Fásicos (fibras brancas)
Frequências baixas (abaixo 50 Hz) Frequências altas (acima de 50 Frequências altas (acima de 50
Hz) Hz)
CORRENTE AUSSIE

FORTALECIMENTO
Mioenergética
CORRENTE AUSSIE

FORTALECIMENTO
Mioenergética
CORRENTE AUSSIE

FORTALECIMENTO
Ponto Motor
• Conhecimento prévio
• Localizar adequadamente os pontos
CORRENTE AUSSIE

ELETROESTIMULAÇÃO
FACIAL

Deve ser utilizado somente no canal 1 do equipamento


CORRENTE AUSSIE

PONTOS PARA ESTIMULAÇÃO FACIAL


CORRENTE AUSSIE

Em 2007, Ward et al. também encontraram após pesquisas que para um


desconforto mínimo, a frequência de 4KHz com duração de Bursts de 4-
5ms são os melhores parâmetros.
CORRENTE AUSSIE

ESTIMULAÇÃO SENSORIAL

Frequência portadora - 4kHz


Duração dos Bursts - 4ms
Frequência de modulação dos Bursts:
- 10 Hz (drenagem, dor crônica e
eletrolipólise);
- 100 a 120 Hz (dor aguda).
DRENAGEM LINFÁTICA E ANALGESIA
CORRENTE AUSSIE

Parâmetros para estimulo sensorial:

•Modo de estimulação – Contínuo (analgesia/eletrolipólise) ou Sequencial


•Frequência portadora - 4kHz
•Duração de burst - 4ms
•Frequência - 1 a 100hz (10Hz drenagem linfática, frequências baixas – Analgesia dor
crônica, frequências altas – Analgesia dor aguda).
•Tempo de aplicação - Depende do objetivo terapêutico.
•Intensidade - Intensidade de acordo com a sensibilidade e tolerância de cada
paciente.

OBS: - Estímulo sensorial – sensação de formigamento.


CORRENTE AUSSIE
Drenagem de Edema/Linfática
• Corrente elétrica promove drenagem linfática
por meio da estimulação dos músculos lisos
ao redor dos vasos linfáticos (linfangions).

• Drenagem ocorre também por meio da


contração dos músculos esqueléticos com
estimulação do membro de distal para
proximal.
CORRENTE AUSSIE

DRENAGEM
LINFÁTICA
ANALGESIA

Teoria das Comportas

CÓRTEX CEREBRAL

Fechamento da comporta
DOR
(estímulo de dor não atinge o córtex)

Excitatório (+) Inibitório (-)


CÉLULA Substância
T gelatinosa
Fibras A-delta e C (Medula)
Fibras A-beta
nociceptivas (dor) Não nociceptoras (impulso elétrico)
ANALGESIA

Liberação de endorfina
CORRENTE AUSSIE

ANALGESIA

D
o
r
CORRENTE AUSSIE

ANALGESIA
CORRENTE AUSSIE

TÉCNICA DE APLICAÇÃO

FORTALECIMENTO ANALGESIA DRENAGEM

Área a ser tratada deve Eletrodos posicionados no


• Mioenergética sentido do sistema
estar posicionada
• Ponto Motor entre os eletrodos linfático de distal para
proximal no membro
CORRENTE AUSSIE

ELETROLIPÓLISE

Aplicação de corrente elétrica alternada não específica, mas modulada em baixa


frequência (5-30Hz) a qual atuará diretamente nos adipócitos.
CORRENTE AUSSIE
Indução de lipólise via extracorpórea

FISIOLÓGICA GORDURA LOCALIZADA


CORRENTE AUSSIE

PARÂMETROS

• Modo de estimulação (STIM. MODE) - CONT, REC, SINC, SEQ


• Frequência Portadora (CARRIER)
• Duração de burst (DURATION ms)
• Frequência (FREQUENCY Hz)
• Rise, On, Decay, Off
• Tempo de aplicação
• Intensidade
CORRENTE RUSSA

PARÂMETROS

Contínuo Recíproco Síncrono

Alternância Saída
Constante entre canais simultânea
Ton/Toff dos canais T
on/Toff
CORRENTE RUSSA

PARÂMETROS

10% 20% 30% 40% 50%

Indivíduos maior
Início de terapia
treinamento
CORRENTE RUSSA

PARÂMETROS

➢ FREQUÊNCIA DE BURST: 50Hz

➢ RAMPA
• Tempo OFF ≥ Tempo ON

ON
1 a 60 s

OFF
1 a 60 s
CORRENTE RUSSA

CONTRAINDICAÇÕES

• Para fortalecimento muscular: fraturas não consolidadas, rupturas de


tendões, músculos e ligamentos.
• Tumores no local
• HA e diabetes descompensados
• Cardiopatas, presença de marcapasso
• Gestantes
• Alergia á corrente
• Alterações de sensibilidade no local
CORRENTE AUSSIE
Neurodyn Esthetic

Neurodyn N. 10 Canais

Neurodyn Aussie Sport


CORRENTE RUSSA
Neurodyn II

Neurodyn N. 10 Canais

Neurodyn Compact
CORRENTE HIGH VOLT
CORRENTE HIGH VOLT

Corrente pulsada, monofásica com pulsos gêmeos de alta amplitude e curta


duração.

ESTIMULAÇÃO

- Fibras sensoriais
- Fibras motoras
- Fibras nociceptivas

Alteração transitória da
membrana celular
CORRENTE HIGH VOLT

Parâmetros

✓ Frequência ajustável

✓ Intensidade em Volts

✓ 2 Eletrodos ativos (menores) e 1 dispersivo


(maior): a soma da área dos eletrodos ativos
não deve exceder a área do eletrodo dispersivo
em uso.

✓ Polaridade dos eletrodos: Exerce influência


direta sobre os efeitos terapêuticos esperados
(Estimulação catódica ou anódica)
CORRENTE HIGH VOLT
INDICAÇÕES

• Controle inflamatório em pós-cirúrgico imediato


• Redução de edema
• Cicatrização tecidual
• Analgesia

• Eletroporação de ativos cosméticos e fármacos (pequenas ou


macromoléculas, lipofílicas ou hidrofílicas, moléculas polarizadas ou não)

• Drenagem linfática
CORRENTE HIGH VOLT
ELETROPORAÇÃO

Aplicação de pulsos elétricos de alta voltagem

ultrapassam a barreira da membrana celular

alteração do potencial de membrana

Estado de stress biológico da célula

eletroporação dos lípides da bicamada celular


CORRENTE HIGH VOLT
ELETROPORAÇÃO

formação de poros em sua membrana e abertura dos canais proteicos.

Membrana Celular Lipoproteica

Formação de canais aquosos


Rotação das moléculas da membrana celular
Estado de stress biológico da célula altera o seu potencial de membrana, os canais
aquosos são formados na membrana celular durante o impulso elétrico, sendo estes,
poros hidrofílicos transitórios.

Weaver, 1994; Neumann et al. ,1999


CORRENTE HIGH VOLT
ELETROPORAÇÃO

Princípios ativos penetram através dos canais de aquaporina – técnica chamada de


eletroporação

Canais de Aquaporina
CORRENTE HIGH VOLT

http://zap.intergate.ca/electroporation.htm
CORRENTE HIGH VOLT
ELETROPORAÇÃO

Com a interrupção do pulso elétrico, ocorre a reorientação da camada bilipídica, com


fechamento dos poros. A célula retorna novamente ao seu estado de normalidade.

Chang et al. Guide to electroporation and electrofusion. 1992


CORRENTE HIGH VOLT

Indicações
➢ Mecanismo controle da dor

✓ Teoria da comporta (Gate control)


✓ Liberação de endorfina (Release of Endorphins)

• Eletrodos na região da dor


• Polaridade negativa no ponto de dor
• Frequência : 80 a 120 Hz
• Intensidade : estimulação sensorial forte
• Tempo : 30 min
- Objetivo: Avaliar o efeito da estimulação elétrica de alta voltagem catódica (CPAV)
sobre a intensidade da dor em mulheres com DTM.

- Método: 20 mulheres com DTM, divididas em grupo experimental (GE n=10) – 10


aplicações de EEAV; grupo placebo (GP n=10) - aparelho desligado.

- Resultados: redução da intensidade da dor no GE

- Conclusão: A CPAV catódica é efetiva para redução da dor em mulheres com


DTM.
CORRENTE HIGH VOLT

Indicações
➢ Redução de edema

• Eletrodos ativo na região do edema


• Eletrodo dispersivo a 20 cm do eletrodo ativo
• Polaridade negativa no eletrodo ativo
• Frequência : 8 a 15 Hz
• Intensidade : estimulação motora leve
• Tempo : 30 minutos
REEDUCAÇÃO VASCULAR: Drenagem linfática e redução de edemas

•MENDEL, F.C., WYLEGALA, J.A., FISH, D.R., 1992, Influence of high voltage pulsed
current on edema formation following impact injury in rats. Phys. Ther., v. 72, pp.
688 – 673.

-Efeitos da CPAV na formação de edema após lesões em ratos (n=24)

-Controle membro contralateral

-Parâmetros da CPAV: f= 120 Hz, Voltagem 30 a 40 V, 4 tratamentos de 30 min a


cada 30 min, Eletrodo ativo com polaridade negativa sobre o edema.
CORRENTE HIGH VOLT

Indicações
➢ Cicatrização

• Eletrodo ativo sobre a úlcera (acima de gaze embebida


em solução salina)
• Eletrodo dispersivo a 20 cm do eletrodo ativo
• Polaridade negativa no eletrodo ativo
• Frequência : 100 a 150 Hz
• Intensidade : 150 a 200 V
• Tempo : 30 a 40 minutos
CORRENTE HIGH VOLT

Indicações
➢ Cicatrização
CORRENTE HIGH VOLT

Indicações
➢ Cicatrização
CORRENTE HIGH VOLT

Indicações
➢ Cicatrização

Úlcera formada em decorrência de


alterações vasculares – insuficiência arterial
– 5 meses
CORRENTE HIGH VOLT

Indicações
➢ Cicatrização

Úlcera formada em decorrência de


alterações sensitivas causadas pela
hanseníase – 30 meses
CORRENTE HIGH VOLT

Indicações
➢ Cicatrização

Úlcera formada em decorrência de


queimadura -
3 meses
CORRENTE HIGH VOLT

Técnica de aplicação
➢ Cicatrização
CORRENTE HIGH VOLT

Técnica de aplicação
➢ Cicatrização
ABDOMINAPLASTIA
BLEFAROPLASTIA
LIFTING FACIAL
MAMOPLASTIA
DEISCÊNCIA DE SUTURA
ELETROPORAÇÃO

Aplicação Dinâmica: Eletrodos ativos e eletrodo dispersivo, gel com ativos e


movimentos lentos.
CORRENTE HIGH VOLT

Neurodyn Neurodyn HV
CORRENTE POLARIZADA
CORRENTE POLARIZADA

IONTOFORESE (IONIZAÇÃO)

• Corrente pulsada monofásica em miliampéres (mA).


• Por meio das propriedades da corrente ocorre a migração iônica do medicamento
para o interior dos tecidos.
• Ação através da eletrorepulsão.
• Ação local do medicamento.

Robertson, Ward, Low, Reed; 2011


CORRENTE POLARIZADA
CORRENTE POLARIZADA

• Umidificar as esponjas com água.


TÉCNICA DE APLICAÇÃO CORPORAL

• O princípio ativo deverá ficar no


POLO ATIVO (adaptador garra jacaré
vermelho). O equipamento deve ser
ajustado na mesma polaridade do
ativo.

• Distância entre os eletrodos.

• Intensidade de acordo com a


sensibilidade do paciente.

• Tempo de aplicação de 5 a 10
minutos.
CORRENTE POLARIZADA

TÉCNICA DE APLICAÇÃO CORPORAL/ FACIAL


• Umidificar a esponja com água.

• Ajustar no equipamento a mesma


polo ativo
polaridade do princípio ativo.

polo dispersivo • Intensidade de acordo com a


sensibilidade do paciente.

• Tempo de aplicação de 5 a 10
minutos.
CORRENTE POLARIZADA

DESINCRUSTE

Saponização polo ativo

reação eletroquímica
junção de substância alcalina com sebo
polo dispersivo
eletrólise

• Ponteira gancho com algodão embebido


na solução (a base de carbonato de
sódio). Placa de alumínio e esponja
vegetal posicionado abaixo da região do
ombro. Peixoto,2007
CORRENTE POLARIZADA

Neurodyn Neurodyn Esthetic


MICROPOLARIZADA
MICROPOLARIZADA - ELETROLIFTING

CARACTERÍSTICAS

• Corrente pulsada monofásica em microampéres (µA)

• Técnica de aplicação: caneta com agulha (polo ativo) e polo dispersivo


(placa de alumínio e esponja vegetal)

ESTRIAS RUGAS
MICROPOLARIZADA - ELETROLIFTING

MECANISMO DE AÇÃO

Estímulo físico da agulha e microcorrente polarizada

Processo inflamatório (P.I – 2 a 7 dias) local

Vasodilatação e aumento na permeabilidade do vaso

Hiperemia e edema
MICROPOLARIZADA - ELETROLIFTING

PROCESSO
INFLAMATÓRIO

• Fase inflamatória
(células de defesa)
• Fase Proliferativa
(angiogênese e fibroplasia)
• Fase de remodelagem
(reorganização do colágeno)
MICROPOLARIZADA - ELETROLIFTING

▪ Estrias

Perda da capacidade de síntese dos


fibroblastos, do colágeno, da elastina
levando a alterações estruturais do
tecido conjuntivo, comparada com a
pele normal.
(Maia, 2009)
MICROPOLARIZADA - ELETROLIFTING

TÉCNICA DE APLICAÇÃO

• Antissepsia local – clorexidina alcoólica


0,2%

• Técnica invasiva com perfuração da agulha


a cada 2 mm em todo o trajeto
eletrodo dispersivo

• Intensidade 70 a 100 µa
eletrodo ativo

• Tempo de aplicação depende da extensão


e quantidade de estrias
MICROPOLARIZADA - RUGAS

• Rugas profundas - não sofrem


▪ Rugas modificações quando a pele é esticada,
rugas decorrentes da exposição solar
• Rugas superficiais - pele não exposta,
envelhecimento cronológico
CLASSIFICAÇÃO

• Rugas eletrodo
de expressão:
dispersivo
sem alteração
dermoepidérmica (grau I)
• Rugas finas (estáticas): com alteração
dermoepidérmica (grau II) eletrodo ativo
• Rugas gravitacionais (ptose): com
Lapiere e Pierard, 1987 alteração dermoepidérmica e subcutânea
(grau III)
MICROPOLARIZADA - RUGAS

TÉCNICA DE APLICAÇÃO – Invasiva

• Antissepsia local – clorexidina alcoólica


0,5%

• Técnica invasiva com perfuração da


agulha dentro da ruga a cada 2 mm em
todo o trajeto
eletrodo dispersivo

• Intensidade 100 a 300 µa


eletrodo ativo

• Tempo de aplicação depende da extensão


e quantidade das rugas
MICROPOLARIZADA - RUGAS

TÉCNICA DE APLICAÇÃO – Não Invasiva

• Antissepsia local – clorexidina alcoólica


0,5%

• Escarificação: Técnica não invasiva na qual


realiza-se arranhões sobre todo o trajeto da
ruga. Poderá haver a formação de crosta e
o paciente deve ser orientado a não
removê-la.

• Intensidade de 50 µA.

• Tempo de aplicação depende da extensão e


quantidade das rugas
MICROPOLARIZADA - RUGAS

TÉCNICA DE APLICAÇÃO – Não Invasiva

• Técnica de contato (linhas de expressão


pequenas): Técnica não invasiva na qual
realiza-se uma pressão contínua por 15
segundos sobre a ruga.

• Intensidade de 300 µA. eletrodo dispersivo

• Tempo de aplicação depende da extensão e eletrodo ativo


quantidade das rugas.
MICROPOLARIZADA

ATENÇÃO

• Repetir a técnica no mesmo local após 7 dias devido ao processo inflamatório gerado.
Exceto para a técnica de contato.
• Uso indispensável do protetor solar.
• Não utilizar produtos que acalme a pele após o uso da corrente.
• O tempo de reação inflamatória depende da capacidade reacional de cada indivíduo.
• Número de sessões variável.
• Estrias avermelhadas podem responder melhor ao tratamento.
• Pacientes com distúrbios de cicatrização podem não obter o resultado esperado.
Questionar o paciente quanto a predisposição a quelóides.
MICROPOLARIZADA

Striat Neurodyn Esthetic


MICROCORRENTE
MICROCORRENTE

CARACTERÍSTICAS

Corrente pulsada em microampéres (µA) com inversão automática de polaridade


positiva e negativa a cada 3 segundos.

• Processo inflamatório
INDICAÇÕES • P.O - feridas cirúrgicas
• Úlceras de decúbito
• Pós peeling na busca de uma
normalização da pele
• Rejuvenescimento facial
MICROCORRENTE

EFEITOS FISIOLÓGICOS

• Restabelecimento da bioeletricidade tecidual


• Incremento à síntese de ATP
• Aumento da oxigenação tecidual
• Aumenta o transporte ativo de aminoácidos
• Aumenta a síntese de proteínas

Ennis et al., 2011


MICROCORRENTE

SOLUÇÃO DE CONTINUIDADE
(Acne, úlceras, pós operatório)

TÉCNICAS:

• Normalização

• Bioestimulação
MICROCORRENTE

• Normalizar o PH da pele e o
NORMALIZAÇÃO EM FERIDAS potencial da membrana celular.
• Utilizada em PO imediato, edema,
cicatrização.

• Eletrodos placas de borracha condutiva


para aplicação.
• Aplicação uma vez por semana ou
segundo a evolução de cada paciente.
(enquanto tiver secreção purulenta)
1 4
• Utilizar 100 Hz e 500 µA 2 3
• Tempo de aplicação de 30 minutos. 1 3 4
2
MICROCORRENTE

• Estimula a mitocôndria a produzir


BIOESTIMULAÇÃO EM ATP, aumenta energia celular para
FERIDAS sintetizar colágeno.
• Pacientes com predisposição a
quelóides e acnes graves utilizar
somente normalização.

• Eletrodos placas de borracha


condutiva para aplicação.
• Utilizar 1 Hz e 50 µA
• Tempo de aplicação de 30 1 2 4
minutos. 3
1 2 3 4
MICROCORRENTE

APLICABILIDADE EM
REJUVENESCIMENTO

TÉCNICAS:

• Normalização
• Nutrição
• Bioestimulação
MICROCORRENTE

1- NORMALIZAÇÃO PARA • Normalizar o PH da pele e o


REJUVENESCIMENTO potencial da membrana celular.
• MANOBRAS - 3 a 5 movimentos no
mesmo traço

• Eletrodos ponteiras esféricas (canetas) e gel


condutor neutro. Aplicar as canetas
realizando microalongamentos obedecendo
as linhas da pele e direção das fibras
musculares.
• Aplicação uma vez por semana
• Utilizar 100 Hz e 500 µA
• 5 minutos cada hemiface
MICROCORRENTE

• Atua nas papilas dérmicas , faz


2- NUTRIÇÃO PARA dilatação dos capilares visando
REJUVENESCIMENTO melhora da oxigenação tecidual.
• MANOBRAS – 3 vezes em cada
hemiface.

• Aplicar após a normalização


• Eletrodos ponteiras esféricas
(canetas) e gel condutor neutro.
Aplicar as canetas realizando
“cobrinhas” por toda a face.
• Aplicação uma vez por semana
• Utilizar 100 Hz e 100 µA
• 5 minutos cada hemiface
MICROCORRENTE

3- BIOESTIMULAÇÃO PARA • Estimula a mitocôndria a produzir


REJUVENESCIMENTO ATP, aumenta energia celular para
sintetizar colágeno
• MANOBRAS – 3 a 5 movimentos em
cada traço.
• Aplicar após a nutrição
• Eletrodos ponteiras esféricas (canetas) e gel
condutor neutro. Aplicar as canetas com
uma fixa e a outra deslizando, obedecendo
as linhas da pele e direção das fibras
musculares.
• Aplicação uma vez por semana
• Utilizar 1 Hz e 50 µA
• 5 minutos cada hemiface
MICROCORRENTE

Neurodyn Neurodyn Esthetic


MASSAGEM AURA
MASSAGEM AURA

Massagem e drenagem vibracional


Utiliza-se um campo eletrostático produzido naturalmente na superfície da pele para
produzir uma massagem vibracional por repulsão oscilatória de cargas.

Fricção e atração eletrostática

Vibrações agradáveis no tecido


MASSAGEM AURA

INDICAÇÕES

• Alívio da dor no pós-operatório


• Relaxamento muscular
• Auxilia a drenagem linfática
• Aumenta a circulação sanguínea local
• Melhora temporária da modelagem corporal
• Melhora temporária no aspecto da celulite
MASSAGEM AURA

Efeitos fisiológicos da drenagem eletrovibracional

266.5 μm² 95.1 μm²

A – grupo controle
B – grupo após a drenagem eletrovibracional – vasoconstrição significativa e efeito anti-inflamatório com
redução na liberação da citocina pró-inflamatória IL8 . Boisnic et al, 2010
MASSAGEM AURA

TÉCNICA DE APLICAÇÃO

• Terapeuta: eletrodo autoadesivo no braço ou


antebraço e luvas de vinil
• Paciente: segura o bastão metálico
• Talco para deslizamento
• Compressão, coordenação e controle
• Parâmetros:
- Frequência: 10 - 200 Hz
- Tempo de tratamento: 1-60 min
- Intensidade de saída: 0- 100%
MASSAGEM AURA

Neurodyn Esthetic
ALTA FREQUÊNCIA
ALTA FREQUÊNCIA

CARACTERÍSTICAS • O equipamento gera uma tensão


alternada de alguns milhares de volts
(baixa corrente) que é aplicada a
eletrodos de vidro.

• O gás dentro do eletrodo de vidro será


então excitado produzindo pequenas
“faíscas elétricas” na face externa.
Durante este processo de faíscas
elétricas é gerado ozônio.

• Propriedades do ozônio: oxigenante,


fungicida e bactericidas.
ALTA FREQUÊNCIA

• Desinfecção da pele acneica e lesões podais


INDICAÇÕES
• Feridas inflamadas pós-extração de cutículas ungueais
• Cauterização da pele pós-extração de pústulas
• Em protocolos de revitalização e hidratação da pele
• Tratamento facial • Estimulação da circulação sanguínea facial e capilar
• Tratamento capilar
• Desinfecção do couro cabeludo no caso de seborréias
• Podologia
• Pós-depilação
ALTA FREQUÊNCIA

TIPOS DE ELETRODOS

• Eletrodo aplicador de vidro tipo esférico maior e menor – empregado no modo


faiscamento direto e fluxação. Pode ser empregado nos tratamentos de limpeza
de pele e tratamentos podais.

• Eletrodo aplicador de vidro tipo pente – empregado em tratamentos capilares


como alopecia e seborréia utilizando o modo fluxação.
ALTA FREQUÊNCIA

TIPOS DE ELETRODOS

• Eletrodo aplicador de vidro tipo forquilha – pode ser utilizado em mamas e


pescoço no modo faiscamento direto e fluxação.

• Eletrodo aplicador de vidro tipo saturador – utilizado com o modo faiscamento


indireto. Melhora a vascularização e nutrição tecidual em peles desvitalizadas
(estímulos manuais).

• Eletrodo aplicador de vidro tipo cauterizador – empregado no modo


faiscamento direto para homeostasia da pele pós extração (limpeza que pele,
acnes).
CONTRAINDICAÇÕES
• Uso de toxína botulínica
• Cardiopatia, presença de marcapasso, dispositivos eletrônicos implantados
• Neoplasia
• Gravidez
• HA e diabetes descompensados
• Psoríase
• Alergia à corrente e ao campo elétrico
• Somente para polarizada e micropolarizada: presença de metais internos e externos
• Somente para micropolarizada: hemofilia, vitiligo, quelóides ou propensão a
quelóides, lesões abertas, processo inflamatório sistêmico ou paciente que está
fazendo uso de antiinflamatórios ou corticóides
• Para massagem aura: doenças cutâneas infecciosas, inflamações agudas, epilepsia,
trombose e doenças vasculares não tratadas.
ALTA FREQUÊNCIA

Neurodyn Esthetic
Estimulação Elétrica Transcutânea
(Transcutaneous Electrical Nerve Stimulation)

TENS
TENS

DEFINIÇÃO

✓Corrente de baixa frequência, alternada, simétrica, despolarizada.

✓Corrente clássica no tratamento da dor via estimulação sensorial e o estímulo é bem


tolerado pelo paciente, Mesmo em intensidades relativamente elevadas.
TENS

DEFINIÇÃO

✓Técnica não invasiva


✓Não medicamentosa para controle da dor
✓ Fácil aplicação
✓Muito utilizada na fisioterapia para analgesia
TENS

INDICAÇÕES

✓Alívio sintomático e tratamento da dor crônica.


✓Aumento a circulação sanguínea local.
✓Alívio sintomático da dor pós-traumática aguda.
✓Dor pós-operatória aguda.
TENS

ANALGESIA (Dor aguda)

(Melzack e Wall, 1965)


TENS

ANALGESIA (Dor crônica)

(Melzack e Wall, 1965)


TENS

CONTRAINDICAÇÕES

✓Pacientes portadores de marca-passo cardíaco de demanda.


✓Dor local sintomática sem etiologia conhecida, a menos que uma síndrome de dor for
diagnosticada.
✓ Pacientes com suspeita de doenças infecciosas transmissíveis e/ou doenças em que
é aconselhado para fins médicos suprimir calor ou febres.
✓Sobre os nervos do seio carotídeo, particularmente em pacientes com sensibilidade
alterada ao reflexo do seio carotídeo.
✓Sobre o pescoço ou boca. Espasmos dos músculos da laringe e da faringe podem
ocorrer e as contrações podem promover o fechamento das vias aéreas ou causar
dificuldades respiratórias.
TENS

CONTRAINDICAÇÕES

✓Sobre a área cardíaca, pois pode provocar arritmias cardíacas.


✓Aplicada na sobre a calota craniana.
✓Aplicada sobre as áreas infectadas ou sobre erupções da pele, tais como flebite,
tromboflebite, varizes, etc.
✓Aplicada sobre ou próximo às lesões cancerígenas.
✓Em pacientes com trombose venosa profunda (TVP).
TENS

PARÂMETROS

✓ Frequência: 0,5-250Hz
✓Duração da fase do pulso: 50-500 μs

MODO DE ESTIMULAÇÃO

TENS
TENS TENS TENS TENS
Normal
Burst VIF ACUPUNTURA VF/VIF
(contínuo)

F: 0,5-250Hz F: 250Hz F: 2-247Hz F: F:


T: 50-500μs T: 50-500μs T: 50-500μs T: 50-500μs T: 50-500μs
TENS

PARÂMETROS
TEMPO DE APLICAÇÃO
✓ 1 – 60 minutos

INTENSIDADE
✓ 0 – 250 mA
✓ O ajuste de intensidade varia de acordo com a sensibilidade e tolerância de cada paciente.
TENS CONVENCIONAL

Alta frequência e curta duração de pulso ( 50 – 100 Hz)

-Frequência: 100-150 Hz (Cameron, 2009) , 80-120 Hz (Low e Reed, 2006)


-Duração do pulso (T): 50-80 µs
-Produz sensação de formigamento – estimulação a nível sensitivo
-Pode ser utilizada por até 24 hs do dia se necessário para controle da dor
-Mecanismo de ação: Teoria das comportas
-Efeitos analgésicos temporários
-Interrompe o ciclo dor-espasmo-dor

Cameron, 2009
TENS ACUPUNTURA

Baixa frequência e longa duração de pulso (1 – 10 Hz)

- Frequência : 1-10 Hz
- Duração do pulso (T): 200-300 µs (Cameron, 2009)
- Duração do pulso (T): >300 µs (Low e Reed, 2006)
- Utilizado para dor de origem muscular (tensão)
- Contrações musculares ritmícas
- Tempo: 20 a 45 min
- Controla a dor por 4 a 5 horas
- Mecanismo de ação: liberação de endorfina (fibras A-delta)

Cameron, 2009
TENS ACUPUNTURA

✓ Eletrodos colocados sobre os pontos de acupuntura.


✓ Estimulação do fluxo de energia ao longo dos meridianos de acupuntura que
conectam os pontos de acupuntura no corpo.
✓ Diminuição da dor crônica.
✓ Eletroacupuntura com agulhas de acupuntura inseridas no corpo.

Cameron, 2009
ANALGESIA

Mecanismo descendente de controle da dor

Estágios agudos
(liberação de alfa endorfina)
FREQUÊNCIAS ALTAS 20 min para liberação
Reabsorção em 2 horas

FREQUÊNCIAS BAIXAS Estágios crônicos


(liberação de beta endorfina)
60 min para liberação
Reabsorção em 7 horas
TENS BURST

- Trem de pulso predefinido: ciclo de trabalho de aproximadamente 8%


- Frequência: fixa em 250 Hz
- Duração do pulso: 100 - 300 µs
- Tempo: 20 a 40 min (não exceder 40 min, pois pode resultar em dor muscular)
- Contração muscular rítmica acompanhada de parestesia
- Controla a dor por 4 a 5 horas/ 2 a 6 horas

Cameron, 2009
TENS BURST

-Com intensidade alta leva á contração muscular breve, que por sedação da fibra
nervosa causa analgesia (principalmente fase crônica).

-Os trens de pulso são muito curtos para fortalecimento muscular (estimulação em
nível motor).

Cameron, 2009
TENS VF/ TENS VIF

TENS VF
- TENS com frequência variável.
- Varredura automática de frequência, passando por todas as
frequência que o equipamento permite.
- Duração do pulso é ajustável.

TENS VIF
-TENS com frequência e duração de pulso variáveis.
-Varredura automática para F e I, passando por todas as
frequências e larguras de pulso que o equipamento permite.

Low e Reed, 2006


TENS

TÉCNICA DE APLICAÇÃO

✓ Posicionamento sobre local de dor

**Utilizar gel condutor neutro.


TENS

CONSIDERAÇÕES FINAIS...

➢ Avaliação minuciosa do paciente (indicações/ contraindicações);


➢ Posicionamento e instruções ao paciente;
➢ Programação do equipamento de acordo com objetivo terapêutico;
➢ Higienização do local e tricotomia;
➢ Posicionamento dos eletrodos;
➢ Start da terapia com aumento gradual da intensidade;
➢ Interrupção em caso de intercorrências.
TENS

• Estudo clínico randomizado e controlado


• Grupos: TENS (n = 41), TENS placebo (n = 41) e Controle (n = 43)
• Avaliação: EVA para dor e fadiga, Pressão sobre os tender points, Teste de Caminhada de 6 minutos, Teste
de Sentar e Levantar e Teste de Equilíbrio em apoio unipodal.
• TENS: Frequência: 100 Hz
Duração: 200 μs
Intensidade: máxima tolerada (39,3±13.7 mA)
3x/semana por 30 minutos, por 3 semanas
Locais de aplicação: junção tóraco-cervical e junção lombosacral

• Efeitos positivos do TENS na diminuição da dor e fadiga.


TENS
Optimal Stimulation Duration of TENS in the Management of
Osteoarthritic Knee Pain.
Cheing, Tsui, Sing Kai Lo and Hui-Chan. J Rehabil Med. 2003; 35: 62-68.

38 pcts, 65 anos, AO bilateral e unilateral


Protocolo: 5 x/sem, 2 sem
Avaliação: EVA
Eletrodos nos pontos de acupuntura

TENS TENS TENS TENS


20 MIN 40 MIN 60 MIN PLACEBO

Analgesia imediata Efeito acumulativo


pós aplicação após 10 sessões

40 min – Efeito analgésico acumulativo após 2 sem do término do tratamento. Ideal para
analgesia em OA joelho.
TENS
Would the addition of TENS to exercise training produce better pysical
performance outcomes in people with knee osteoarthritis than either
intervention alone?
Cheing and Hui-Chan. Clinical Rehabilitation. 2004; 18:487-497
62 pct/OA/ 4 sem de tratamento/ 5x/ sem/eletrodos nos pontos de acupuntura

1
2 3 4
TENS
Placebo Exercício TENS + Exercício
Convencional

Sem 20 min 60 min TENS


140µs, 80 Hz, 60 min intervenção Treino isométrico +
IQT e quadríceps 20 min exercício

Resultado: Todos os grupos – analgesia e melhora funcional.


Grupo 4 – Resultados tendenciosos para, a melhor técnica para analgesia e melhora funcional.
TENS

Neurodyn Neurodyn II Neurodyn III Neurodyn Compact

Neurodyn portable TENS Neurodyn portable TENS/


FES
Estimulação Elétrica Funcional
(Transcutaneous Electrical Nerve Stimulation)

FES
FES

DEFINIÇÃO

✓Corrente de baixa frequência, alternada, simétrica, despolarizada.


✓Corrente estimulação elétrica neuromuscular (EENM)
✓Produzir movimentos funcionais e ou/ comprometimento do sistema nervoso.
FES

INDICAÇÕES

✓Prevenção ou tratamento de atrofia por desuso


✓Aumento da circulação sanguínea local
✓Reeducação motora
✓Fortalecimento muscular
✓Manutenção ou aumento da amplitude de movimento
✓Contração muscular
FES

CONTRAINDICAÇÕES

✓Pacientes portadores de marca-passo cardíaco de demanda.


✓Dor local sintomática sem etiologia conhecida, a menos que uma síndrome de dor for
diagnosticada.
✓ Pacientes com suspeita de doenças infecciosas transmissíveis e/ou doenças em que
é aconselhado para fins médicos suprimir calor ou febres.
✓Sobre os nervos do seio carotídeo, particularmente em pacientes com sensibilidade
alterada ao reflexo do seio carotídeo.
✓Sobre o pescoço ou boca. Espasmos dos músculos da laringe e da faringe podem
ocorrer e as contrações podem promover o fechamento das vias aéreas ou causar
dificuldades respiratórias.
FES

CONTRAINDICAÇÕES

✓Sobre a área cardíaca, pois pode provocar arritmias cardíacas.


✓Aplicada na sobre a calota craniana.
✓Aplicada sobre as áreas infectadas ou sobre erupções da pele, tais como flebite,
tromboflebite, varizes, etc.
✓Aplicada sobre ou próximo às lesões cancerígenas.
✓Em pacientes com trombose venosa profunda (TVP).
FES

PARÂMETROS

✓ Frequência: 0,5-250Hz
✓Duração da fase do pulso: 50-500 μs

MODO DE ESTIMULAÇÃO

Recíproco Síncrono

Saída
Alternância
simultânea
entre canais
dos canais
FES

PARÂMETROS

Duração do pulso (T): 50 a 500 µs


Atrofiados – 200 a 300 µs
Normais – 300 a 400 µs
Fibras tipo I: até 400 µs
Fibras tipo II: até 300 µs

Frequência: 1 a 250 Hz
Fibras tipo I: 20 a 50 Hz
Fibras tipo II: 50 a 100 Hz
FES

PARÂMETROS
RAMPA

✓Tempo OFF ≥ Tempo ON

ON
1 a 60 s

OFF
1 a 60 s

• 1:1
• 1:2
FES

PARÂMETROS
TEMPO DE APLICAÇÃO

✓ 1-60min;
✓ Depende da condição metabólica de cada paciente;
✓ Não deve gerar fadiga.
FES

PARÂMETROS
INTENSIDADE

✓ 0-250mA
✓ Intensidade de acordo com a sensibilidade e tolerância de cada paciente.
✓ Visualizar a contração.
✓ Não deve gerar dor intensa.
FES

PARÂMETROS
TÉCNICA DE APLICAÇÃO

✓ Bipolar ou mioenergética: 2 eletrodos de silicone carbono no ventre muscular.

✓ Monopolar ou Ponto Motor:1 eletrodo de silicone carbono no ponto motor do


músculo e outro próxima a região.

**Utilizar gel condutor neutro.


Effects of activation pattern on nonisometric human skeletal
muscle performance.
Maladen, Perumal, Wexler, Blinder-Macleod. J. Appl Physiol. 2007; 202: 1985-
1991.

FES : 10, 20, 30, 40, 50, 59, 83, 100 Hz

Quadríceps a 90° de flexão (técnica ponto motor)

Resultados:

Semelhante a ativação muscular voluntária a VARIAÇÃO INSTANTÂNEA DA


FREQUÊNCIA (FES VF) com trens de pulso, aumenta a performance muscular
dinâmica.
ESTIMULAÇÃO DIAFRAGMATICA ELÉTRICA TRANSCUTÂNEA
- EDET
ESTIMULAÇÃO DIAFRAGMATICA ELÉTRICA TRANSCUTÂNEA
- EDET
FES

Neurodyn Neurodyn II Neurodyn III Neurodyn Compact

Neurodyn portable TENS Neurodyn portable TENS/


FES
CORRENTE INTERFERENCIAL
CORRENTE INTERFERENCIAL

DEFINIÇÃO

Corrente de média frequência, corrente alternada, simétrica, pulso retangular ou


sinusoidal.
CORRENTE INTERFERENCIAL

EFEITOS FISIOLÓGICOS

Analgesia Contração Muscular

Melhora da
microcirculação
CORRENTE INTERFERENCIAL

PARÂMETROS DE APLICAÇÃO

Frequência portadora: 1, 2, 4, 8 e 10 kHz


• Fortalecimento muscular = 1 e 2 kHz
• Analgesia = 4, 8 e 10kHz

AMF (Frequência Modulada da Amplitude): 1 a 100 Hz


CORRENTE INTERFERENCIAL

PARÂMETROS DE APLICAÇÃO

Sweep AF (Variação da AMF):


• Deve ser utilizada para evitar acomodação
• Deve ser 60% da AMF

MODULADA

PORTADOR
A
CORRENTE INTERFERENCIAL

PARÂMETROS DE APLICAÇÃO

Forma de variação da AMF (Sweep Mode):

6/6 QUADRO AGUDO

1/5/1 QUADRO INTERMEDIÁRIO

1/1 QUADRO CRÔNICO


CORRENTE INTERFERENCIAL

TÉCNICA DE APLICAÇÃO

A. Tetrapolar (Manual e Automático) B. Bipolar


CORRENTE INTERFERENCIAL

TÉCNICA DE APLICAÇÃO

A. Tetrapolar (Manual e Automático)


CORRENTE INTERFERENCIAL
CORRENTE INTERFERENCIAL

TÉCNICA DE APLICAÇÃO

Vetoração

MANUAL: Vetor pode ser variado pelo


terapeuta durante o tratamento

AUTOMÁTICA: O equipamento realiza


uma varredura lenta com o vetor dentro
do campo de aplicação
CORRENTE INTERFERENCIAL

TÉCNICA DE APLICAÇÃO

QUADRO AGUDO QUADRO CRÔNICO

Intensidade baixa
Intensidade alta
30 a 40 min
30 a 40 min
Sessões podem ser diárias
3 a 4 sessões por semana
(intervalo mínimo de 8 horas)
Analgesic Effects of Transcutaneous Electrical Nerve Stimulation
and Interferential Currents on Heat Pain In Healthy Subjects.
Cheing and Hui-Chan. J. Reahsbil Med 2003; 35:15-19.

TENS x CI x Placebo na dor AGUDA induzida experimentalmente

TENS e CI elevaram o limiar de dor, porém efeitos analgésicos foram mais


prolongados pós estimulação com a Corrente Interferencial!

- Corrente de Média frequência menor resistência capacitiva


- Penetração mais efetiva pela pele
- Estimulação de tecidos e nervos mais profundos
TENS

Neurodyn Neurovector
PROGRAMANDO OS EQUIPAMENTOS
PROGRAMANDO OS EQUIPAMENTOS
PROGRAMANDO OS EQUIPAMENTOS
PROGRAMANDO OS EQUIPAMENTOS
PROGRAMANDO OS EQUIPAMENTOS
Ft. Renata Gomes Moreira
r.moreira@ibramed.com.br
(11) 97372-4834
renatagomes_moreira

Você também pode gostar