Você está na página 1de 4

Reflexões iniciais sobre a condição humana

O ser humano, diferente das outras espécies não são determinados apenas pela sua
biologia, são seres que pela interação com outros criam o seu mundo humano.
Após o acolhimento que o ser humano sofre, ele se humaniza e suas características
criativas e pensantes permitem ações além do mundo animal.
Os animais possuem inteligência para sua sobrevivência, não recriam e não transformam
o meio como os seres humanos.
Os humanos são seres capazes de transcendência, de ultrapassar sua condução
biológica inata.
Os animais, vivem na imanência, permanecem imersos na natureza sem sair desta
condição.
O ser humano se constitui de um contexto histórico e social.
Fatores que determinaram a condição humana:
 Linguagem
 Simbolismo
Assim foi possível transmitir a condição humana para outras gerações, com tradições
histórias e recriações herdadas.
 ANIMAIS = NECESSIDADE
 CONDIÇÃO HUMANA= CONTINGÊNCIA, PELA INCERTEZA E PELA
DRAMATICIDADE.

Do mito ao logos: a gênese da filosofia


A invenção da filosofia ocorreu na Grécia entre os séculos VI e VII a.C promovendo a
passagem do mítico ao racional.
O mito antecedeu o saber filosófico e a lógica. Com o auxílio de um poeta a compressão
da realidade dada pelo mito narra fenômenos tanto naturais como humanos.
Tipos de poeta
1. Aedo: de poemas que também recitava de memória, recriava e transformava o
verso ancestral)
2. rapsodo : simples repetidor, declamador, de uma versão já fixada.
Exemplo deste patrimônio cultural são a Iliada e a Odisseia, escritas por Homero no
século IV a.C e a Teogonia e Os Trabalhos e os Dias escritas por Hesíodo no século VII
a.C.

Os agregos acreditavam que a existência de todas as coisas, até mesmo os próprios deuses
eram originados a partir das relações sexuais entre eles e os deus, seriam formas naturais
diluídas em formas humanas idealizadas, segundo Reala (1991): “Os deuses são
homens amplificados e idealizados, são quantitativamente superiores a nós, mas não
qualitativamente diferentes” (p. 21).

Acerca disso é possível afirmar que os fenômenos naturais então, eram promovidos pelos
deuses. Zeus do Olimpo lançava trovoes e raios. As ondas do mar eram realizadas por
Poseidon. O sol era responsabilidade de Apolo.

Outros fatores como o destino das cidades, as guerras que poderiam acontecer, eram todos
eventos que seriam criados pelos deuses.

Tudo que acontecia era de caráter sobrenatural, vindo dos deuses.


Mito
Se configurava em imagens, fantasias, alegorias. Criado por conta da criatividade e
pensamentos humanos.
Os mitos eram vistos como valores sociais, traduziam costumes e organizavam a vida dos
indivíduos da época. As atitudes e ações heroicas dos deuses eram exemplos a serem
seguidos.
O mito também se responsabilizava por responder questões que permeavam o mundo
humano
Exemplo:
Qual a origem de todas as coisas?
O que é o homem e qual a sua relação com o mundo natural e humano?
Logos
A partir da racionalidade, se produzia diversos conceitos.
A filosofia surge com a crítica e a racionalidade dos mitos
Razão e logica= pilar básico para o pensar
Origem da filosofia surge então, com a criação da logos.
Nova fase do entendimento da realidade baseada na análise e interpretação do mundo
Objetivo de encontrar causa e princípios
Filósofos pré-socráticos (antecedem Sócrates) = buscavam entender o mundo além dos
mitos, estudavam os princípios de tudo e a relação entre cada uma delas.
Inauguram um novo saber e consequentemente um novo modo de ver o mundo
O período pré-socrático ocorreu entre os séculos VII e início de VI a.C e tinha a
responsabilidade de responder questões básicas da vida humana.
Exemplo:
Qual a origem do mundo e as causas das transformações da natureza?
Como surgiu o cosmos?
O que o organiza e dá estabilidade?
Haveria um elemento que ligaria todas as coisas existentes?
Os filósofos pré-socráticos
 Anaxímenes (ar)
 Anaximandro (ápeiron)
 Heráclito (fogo)
 Pitágoras (número)
 Parmênides (ser imóvel)
 Empédocles (4 elementos)
 Anaxágoras (nous)
 Demócrito (átomo)
Nascimento das ciências: física química, biologia, matemática
Filosofia= mãe de todas as ciências
A filosofia nasce no Ocidente.
Os gregos se colocaram com a tarefa do pensar, implicando uma inconformidade em
relação a ordem cósmica.
Por meio da ordem e da totalidade se teve uma tentativa de pensar e desenvolver
pensamentos teóricos e racionais.
Logica e argumentação
Herdamos o legado grego de que somos seres de linguagem.
Por meio da linguagem:
Constituímos o mundo
Nos comunicamos com os outros
A linguagem se transmite de diversas formas:
 Artisticamente;
 musicalmente;
 pela dança;
 poesia;
 Fala;
 Escrita.
Linguagem falada e escrita
Uso de sentenças, enunciados, preposições
Possuem regras e ordens especificas
Necessitam da lógica.
O que é e para que Lógica?
Distinção grega:
 Doxa= opinião ou crença
 Episteme= ciência
A lógica tem grande importância em todos os campos cientificas, tanto da ciências
humanas quanto biológicas e exatas.
Permite a construção do conhecimento baseando-se na pretensão da verdade e na
sustentação da mesma.
O conhecimento se sustenta em argumentos.
Nem todo argumento é viável.
Aristóteles considera que um bom argumento possui premissas.
Por meio de um silogismo, que apresenta um ponto de vista logico, ele acredita que desse
modo os argumentos são orientados.
Exemplo: Todo homem é mortal. Sócrates é homem. Logo, Sócrates é mortal.
Não se pode concluir afirmações de forma aleatória.

Argumentos
Divididos em:
Paradoxos: que expressam ideias autorefutas
Ex: “todas as verdades são relativas”,
Falácias: parece um argumento verdadeiro porem não é.
Ex“a parapsicologia é uma ciência que a razão não explica”.
Falácias são as mais comuns.
Podem ser
 intencionais: que é ligada a falta de compromisso com a verdade por parte do
enunciador, esses com o objetivo de manipular e persuadir quem ouve.
 inintencionais: podem ser causadas por equívocos involuntários
Exemplo de falácia
Redução ao absurdo: consiste em tirar de uma proposição uma série de fatos ou
consequências que podem ou não ocorrer. É um raciocínio levado indevidamente às
últimas consequências. Ex.: Mãe, cuidado com o Joãozinho. Hoje, na escolinha, ele deu
um beijo na testa de Mariazinha. Amanhã, estará beijando o rosto. Depois.... Quando
crescer, vai agarrar todas as meninas da escola

Você também pode gostar